REQUISIÇÃO DE INFORMAÇÕES PATRIMONIAIS DO DEVEDOR Iniciativa do Juiz no processo de execução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REQUISIÇÃO DE INFORMAÇÕES PATRIMONIAIS DO DEVEDOR Iniciativa do Juiz no processo de execução"

Transcrição

1 REQUISIÇÃO DE INFORMAÇÕES PATRIMONIAIS DO DEVEDOR Iniciativa do Juiz no processo de execução Demócrito Reinaldo Filho Juiz de Direito em PE Na sua última reunião (do dia ), o Fórum permanente dos Juízes das Varas Cíveis de Pernambuco(1) aprovou por maioria de votos o seguinte enunciado: Enunciado 21-FVC-IMP: No processo de execução, o interesse público recomenda que o Juiz defira pedido de requisição de informações bancárias e fiscais do executado, sem necessidade de impor ao exeqüente prova de ter, por iniciativa própria, diligenciado previamente no sentido da localização de bens penhoráveis. A questão submetida a exame pelo Fórum, e agora pacificada no enunciado acima transcrito, vinha sendo (e ainda permanece) muito controvertida nos tribunais. Diz respeito à conveniência de o juiz, em atendimento à solicitação da parte, e para fins de possibilitar a penhora em execução ou a constrição de bens em qualquer outro tipo de processo, determinar (ou não) a expedição de ofício requisitório de informações patrimoniais (do devedor) a repartições públicas. É muito comum durante o processo de execução de o credor pleitear que o Juiz oficie a repartições como o Banco Central, Receita Federal, departamentos de trânsito e outros órgãos da Administração Pública, com o propósito de desvendar bens para garantir a satisfação da dívida por meio da penhora. Uma primeira corrente jurisprudencial posiciona-se no sentido de que a penhora não justifica a iniciativa de investigação patrimonial do devedor, pois não configura a hipótese um interesse público relevante, mas tão-somente um interesse individual e exclusivamente patrimonial do credor, que, em princípio, não autoriza a atuação judicial voltada à busca de informações sensíveis, constituindo-se em uma invasão desnecessária da privacidade do devedor. São representativos desse entendimento os arestos abaixo transcritos: "Execução. Localização de bens do devedor. Declaração de bens para fins de imposto de renda. Requisição. As declarações, para fins de imposto de renda, têm caráter sigiloso que deve ser resguardado, salvo razão excepcional, que não se configura pelo simples interesse de descobrir bens a penhorar"(stj, 3 ª Turma, Resp ES, rel. Min. Eduardo Ribeiro, j , DJU ). "Processual Civil. Execução. Informações sobre bens em nome do contribuinte. Ofício ao Banco Central do Brasil. Impossibilidade. O interesse patrimonial do credor não autoriza, em princípio, a atuação judicial, ordenando a quebra do sigilo bancário, na busca de bens do executado para satisfação da dívida" (STJ, 2 ª Turma, rel. Min. Peçanha Martins, j , DJ ).

2 No mesmo sentido: REsp nº /PR, 4ª Turma, Relator o Ministro Cesar Asfor Rocha, DJ de 12/04/99; REsp nº /SP, 3ª Turma, Relator o Ministro Waldemar Zveiter, DJ de 13/11/95. Essa corrente jurisprudencial - de que não se justifica a quebra do sigilo patrimonial com o simples interesse de descobrir bens a penhorar - tem admitido algumas variações, ora permitindo a requisição de informações só para obter dados pertinentes à localização do endereço do executado, "pois em relação a isso não há motivo para sigilo" (Resp 83824/BA, 3 ª Turma, rel. Min. Eduardo Ribeiro, j , DJ ; Resp /SP, 3 ª Turma, rel. Min. Carlos Alberto Menezes Direito, j , DJ ), ora estendendo a exceção também às requisições relativas à declaração de bens, mas sempre excluindo a possibilidade de quebra do sigilo dos rendimentos em contas bancárias. Essa orientação inicial, no entanto, não tem prevalecido diante da correta noção de que o desenvolvimento regular do processo de execução, que se realiza por meio da penhora de bens do executado para venda posterior e satisfação do crédito do credor, tem um espectro mais largo configurado no interesse social de que seja realizado com sucesso, como forma de realização mesma da Justiça. Não se trata, portanto, de satisfazer um mero interesse individual de crédito, mas de realização da Justiça. Ao deixar de cumprir com sua obrigação, o devedor quebra a paz social e daí nasce o interesse público de que a prestação obrigacional (correspondente à dívida) não cumprida voluntariamente seja satisfeita através do processo forçado de execução. O interesse da Administração da Justiça, nesse sentido, é de que o processo de execução atinja seus fins. Havendo necessidade de requisição de informações que possibilitem a descoberta de bens do executado livres e desembaraçados à penhora, ela se faz no interesse da Justiça. A própria dignidade da Justiça fica comprometida se os meios postos à sua disposição não são exercitados para encontrar bens sujeitos à execução (art. 600, IV, do CPC). Assim, mesmo no caso de informações patrimoniais que se revistam de caráter sigiloso assegurado por lei, como as constantes de declarações de bens e contas bancárias, este deve ser afastado diante de situações em que exista uma clara motivação de interesse público, um relevante interesse de administração da Justiça, como é a situação em que o sucesso do processo de execução dependa do emprego de meios para a localização de bens que possam garantir a dívida. Essa é a posição assumida pela jurisprudência que vem se tornando majoritária, expressa nos seguintes acórdãos: "Em face do interesse da Justiça na realização da penhora, ato que dá início à expropriação forçada, admite-se a requisição à repartição competente do imposto de renda para fins de localização de bens do devedor, quando frustrados os esforços desenvolvidos nesse sentido. Cada vez mais se toma consciência do caráter público do processo, que, como cediço, é instrumento da jurisdição" (STJ-RSTJ 21/298). No mesmo sentido: RSTJ 34/294. "Execução fiscal - Expedição de ofício ao Banco Central para que informe sobre a existência de contas bancárias dos executados. Informações inacessíveis sem determinação judicial - medida que se faz necessária para o prosseguimento da

3 execução. Deferimento restrito aos bancos situados na comarca" (TJ-SP, ac. un., 8 ª Câm. Dir. Público, j , Ag , rel. Des. Antônio Villen, in ADCOAS, ). Mesmo essa posição mais consentânea com o interesse da Justiça no regular desenvolvimento do processo de execução, exige a comprovação de que o credor, por iniciativa própria, diligenciou previamente no sentido da localização de bens penhoráveis. A concepção é a de que, na defesa de seus direitos creditícios, deve ele tomar a iniciativa de empreender esforços, extra-autos, para localizar bens do devedor, até porque dispõe do direito constitucional de petição, para requerer, junto a repartições públicas, informações indispensáveis ao exercício de seus direitos. Frustradas essas tentativas iniciais, com o que fica demonstrado a imprescindibilidade da atuação judicial, é que o Juiz deve atuar no sentido de vasculhar o patrimônio do devedor. A liberalidade do juízo, assumindo uma tarefa que, em princípio, é da própria parte, só se justifica quando não houver outros meios para a descoberta e levantamento de informações patrimoniais. Comprovando que, sem o concurso do poder judicial, não possam ser encontrados os bens para penhora, pois o credor já esgotou os meios que tinha à sua disposição, é possível a quebra do sigilo patrimonial do devedor, medida excepcional justificada pelas circunstâncias. Nesse sentido, a excepcionalidade da quebra do sigilo patrimonial só aparece na circunstância em que os esforços isolados da parte credora se mostraram infrutíferos à localização de bens do devedor e que, para o prosseguimento do processo de execução, é indispensável o concurso da atuação judicial. Se por outro meio o credor puder localizar os bens, é legítima a recusa do Juiz em quebrar o sigilo patrimonial do devedor, o que sempre ocorrerá se solicitar informações à Receita Federal ou ao Banco Central. Revelam bem esse condicionamento à requisição de informações patrimoniais os arestos abaixo transcritos: "Processo Civil. Execução Fiscal. Informações sobre bens a serem penhorados. Requisição. Sigilo bancário. Quebra. Impossibilidade em processo administrativo. A obtenção de informações sobre a existência ou não de bens a serem penhorados é obrigação do exeqüente. O juiz da execução fiscal só deve deferir pedido de expedição de ofício à Receita Federal e ao BACEN após o exeqüente comprovar não ter logrado êxito em suas tentativas de obter as informações sobre o executado e seus bens" (STJ, 1 ª Turma, Resp ES, rel. Min. Garcia Vieira, j , DJ , ac. un.) "Processual Civil. (...) Execução. Requisição de informações. Ofício ao Banco Central do Brasil. Indeferimento. Realização de esforço prévio. Inocorrência. (...)

4 O deferimento de requisição de informações acerca de contas bancárias do executado, para fins de penhora, condiciona-se à ocorrência de prévias e frustradas diligências do credor tendentes à localização de bens. Se o exeqüente deixa de comprovar a realização de tais diligências, por atuação direta sua, legitima-se o indeferimento da requisição judicial" (STJ-4 ª Turma, EDResp SP, rel. Min. Sálvio de Figueiredo Teixeira, j , DJ , ac. un.). "Execução. Bens do devedor. Requisição de informações à Receita Federal. Somente em casos excepcionais, demonstrado o esgotamento das possibilidades colocadas à disposição do credor, caberá requisição judicial" (STJ-4 ª Turma, Resp /SE, rel. Min. Ruy Rosado de Aguiar, j , DJ ). Como se viu da leitura dos acórdãos acima, embora reconhecendo o interesse social na realização da penhora, a jurisprudência insiste em exigir um esforço processual inicial do credor na obtenção das informações acerca dos bens. Somente se admite como justificável o deferimento pelo juiz, em processo de execução, de solicitação tendente a obter informações sobre o patrimônio do devedor, se este demonstra que "foram exauridas, sem êxito, as vias administrativas para obtenção das informações". A idéia prevalecente é de que "não cabe ao juiz função auxiliar investigatória", sendo exclusivamente do próprio credor a tarefa de encontrar os bens penhoráveis, somente justificando-se a atuação judicial em caso de impossibilitada a iniciativa própria da parte. Temos que essa concepção padece de um apego exagerado ao princípio dispositivo, que enxerga como ônus das partes a indicação e produção das provas, bem como a uma interpretação isolada do art. 399 do CPC (o qual permite a requisição, pelo juiz, de requisição de documentos constantes de repartições públicas). Nem sempre a construção das provas é tarefa da parte, avultando no processo probatório a função do Juiz, quer para admiti-las, quer na sua produção. No processo moderno, os poderes probatórios do Juiz são bem acentuados, devendo tomar iniciativa sempre que presentes razões de ordem pública e igualitária. Como já tive oportunidade de acentuar sobre o compromisso do Juiz com a investigação dos fatos, "não deve ele ficar restrito a esquemas preestabelecidos de produção de provas", pois "a amplitude de poderes investigatórios e a iniciativa na colheita dos elementos de prova constituem valiosos recursos que, se bem utilizados, devem levar o processo a um resultado justo" (2). Sempre que se fizer necessário o atingimento dos fins processuais e a realização da Justiça, a produção das provas deixa de ser um ônus das partes para se tornar um compromisso do Juiz. Moacyr Amaral, para justificar os poderes de iniciativa probatória do juiz, já explicava que o Direito brasileiro não instituiu um "juiz inerte, passivo"; "ao juiz de outros tempos se substituiu se substituiu o juiz ativo". Ora, uma vez concebido que a realização da penhora está atrelada a uma razão de interesse público, o Juiz pode (e deve) até mesmo de ofício assumir a função investigatória dos bens do executado. Nessa tarefa não perde a imparcialidade, pois orienta-se apenas pelo propósito de cumprir a função própria do processo de execução (ou de falência, como no caso), que é a de excutir bens do executado para a satisfação do direito do credor. "Se a

5 relação processual se instaura com a finalidade de se alcançar a prestação jurisdicional num caso concreto, assegurando a paz social, a soberania da lei, ao interesse das partes, no desenvolvimento da relação, sobreleva o interesse público de que esta se desenvolva e atinja a sua finalidade na consonância das normas e princípios que a regem, orientados pelos mais elevados princípios de justiça" (3). É justamente para que o processo se desenvolva e atinja o seu fim que são concedidos poderes probatórios ao juiz, para que, de modo desinteressado, possa entregar a prestação jurisdicional adequada ao caso. Com esse propósito, não só está autorizado como tem mesmo o dever de desenvolver atividades amplas e variadas voltadas à instrução do processo. É com esse sentir, de que a investigação patrimonial do devedor responde à própria finalidade do processo de execução (ou de falência), que o Juiz deve assumi-la em atenção ao interesse público que o envolve. Notas: (1) O Fórum Permanente dos Juízes de Varas Cíveis do Estado de PE foi criado pelo Instituto dos Magistrados de Pernambuco IMP, com o objetivo único de pesquisar, estudar, discutir, enunciar e divulgar a jurisprudência das Varas Cíveis. Para saber maiores informações sobre o FVC e ter acesso a seus enunciados, acesse a página do IMP (2) Em Juizados Especiais Cíveis - Comentários à Lei 9.99/95, ed. Saraiva). (3) Moacyr Amaral dos Santos, Primeiras Linhas de Direito Processual Civil, 1 º Volume, 13 ª edição, editora Saraiva, 1987, p. 333.

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 202.733 - PR (2012/0144391-7) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADOS AGRAVADO AGRAVADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : BANCO BRADESCO S/A : MATILDE DUARTE GONÇALVES DANIEL

Leia mais

A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA

A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA A PENHORA DO FATURAMENTO DE EMPRESA DEVEDORA E AS CONSEQÜÊNCIAS DO ATO NA EXECUÇÃO TRABALHISTA Paulo Mazzante de Paula Advogado; Especialista em Direito Processual Civil; Mestrando pela Unespar/Fundinop;

Leia mais

STJ Imóvel que, pertencente à sociedade comercial que serve de residência para os

STJ Imóvel que, pertencente à sociedade comercial que serve de residência para os Imóvel que, pertencente à sociedade comercial que serve de residência para os sócios; Penhorabilidade, porque a caracterização do bem de família supõe que a propriedade seja da entidade familiar. (, 3ª

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS Gladimir Adriani Poletto Poletto & Possamai Sociedade de Advogados SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO II. ESTRUTURA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 206.770 - RS (2012/0152556-0) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES EMENTA PROCESSUAL E TRIBUTÁRIO. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. CITAÇÃO POR EDITAL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL N 272.739 - MINAS GERAIS (2000/0082405-4) EMENTA ALIENAÇÃO FÍDUCIÁRIA. Busca e apreensão. Falta da última prestação. Adimplemento substancial. O cumprimento do contrato de financiamento,

Leia mais

are Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete da Desembargadora Maria de Fátima Moraes Bezerra Cavalcanti

are Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete da Desembargadora Maria de Fátima Moraes Bezerra Cavalcanti are 4 AGRAVO DE INSTRUMENTO N 2002007767385-9 I 001 - Capital RELATORA : Dr Carlos Martins Beltrão Filho Juiz convocado AGRAVANTE : SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente ADVOGADO :

Leia mais

RELATÓRIO. Informações do MM. Juízo a quo, às fls. 55/56, comunicando a manutenção da decisão agravada.

RELATÓRIO. Informações do MM. Juízo a quo, às fls. 55/56, comunicando a manutenção da decisão agravada. RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL ALBERTO NOGUEIRA AGRAVANTE : FRANCISCO RECAREY VILAR ADVOGADO : MARCIO ANDRE MENDES COSTA AGRAVADO : FAZENDA NACIONAL ORIGEM : TERCEIRA VARA FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (200151015086382)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO Rafael da Rocha Guazelli de Jesus * Sumário: 1. Introdução 2. O Instituto da Compensação 3. Algumas legislações que tratam da compensação 4. Restrições impostas pela Fazenda

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 105819/PE (0005639-71.2010.4.05.0000) AGRTE : JOACYR FONSECA SOARES ADV/PROC : MARCO ANTÔNIO DE ALBUQUERQUE MEIRA AGRDO : FAZENDA NACIONAL PARTE R : CARTAGO REVENDEDORA AUTORIZADA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC.

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC. AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 929977-6, DO FORO REGIONAL DE FAZENDA RIO GRANDE DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : ROBERTO GOMES DA SILVA AGRAVADO : BANCO SANTANDER

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000726618 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1007380-59.2014.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante JOSÉ RIBEIRO, é apelado KOPLENO PRODUTOS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI AGRTE : JOSE MENDONCA BEZERRA ADV/PROC : MÁRCIO FAM GONDIM E OUTROS AGRDO : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE ORIGEM : 22ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

: Município de Cascavel, Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança.

: Município de Cascavel, Prosegur Brasil S.A. Transportadora de Valores e Segurança. APELAÇÃO CIVEL E REEXAME NECESSÁRIO Nº. 917060-5, DA 2ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE CASCAVEL. APELANTE: MUNICÍPIO DE CASCAVEL APELADO: PROSEGUR BRASIL S.A. TRANSPORTADORA DE VALORES E SEGURANÇA. RELATOR:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. INDISPONIBILIDADE DE BENS E DIREITOS DO DEVEDOR. ARTIGO 185-A DO CTN. NECESSIDADE DE ESGOTAMENTO DE DILIGÊNCIAS PARA LOCALIZAÇÃO DE BENS DO DEVEDOR.

Leia mais

RELATÓRIO. 3. Recorre também o Sindicato, pugnando pela aplicação do IPCA em vez da TR e requerendo a condenação da UFCG em honorários advocatícios.

RELATÓRIO. 3. Recorre também o Sindicato, pugnando pela aplicação do IPCA em vez da TR e requerendo a condenação da UFCG em honorários advocatícios. PROCESSO Nº: 0800721-84.2014.4.05.8201 - APELAÇÃO APELANTE: UNIERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE ADOGADO: FRANCISCO DAS CHAGAS BATISTA LEITE (e outros) APELANTE: ASSOCIACAO DOS DOCENTES UNIERSITARIOS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A multa e a penhora on line como formas de efetivar a antecipação de soma em dinheiro Luiz Guilherme Marinoni* 1. O uso da multa Como é óbvio, a tutela antecipatória de soma supõe

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

INSTRUMENTO. EXECUÇÃO

INSTRUMENTO. EXECUÇÃO Agravo de Instrumento nº 783847-3, da Comarca de Sengés, Vara Única. Agravante : Banco Safra S.A. Agravada : Linea Paraná Madeiras Ltda. Relator : Desembargador Paulo Cezar Bellio. AGRAVO DE INSTRUMENTO.

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Ação Monitória. Ana Carolina Fucks Anderson Palheiro 1

Ação Monitória. Ana Carolina Fucks Anderson Palheiro 1 16 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 10 Curso: Processo Civil - Procedimentos Especiais Ação Monitória Ana Carolina Fucks Anderson Palheiro 1 A ação monitória foi introduzida no CPC no final do título

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL 3ª Vara da 5ª Subseção Judiciária Campinas/SP Autos n.º 0014813-89.2004.403.6105 Vistos. Trata-se de Execução Fiscal para cobrança de débito inscrito em dívida ativa referente à IRPJ. Após o oferecimento

Leia mais

ITEM ESPECÍFICO DAS ATRIBUIÇÕES INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA

ITEM ESPECÍFICO DAS ATRIBUIÇÕES INSTITUCIONAIS DA DEFENSORIA PÚBLICA TESE: 09/13 (ÁREA FAMÍLIA) Autor: Tiago Augusto Bressan Buosi Súmula: A ausência de vínculo empregatício formal do devedor de alimentos não retira a liquidez do título, mesmo estando os alimentos fixados

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO Márcio André Lopes Cavalcante DIREITO ADMINISTRATIVO SERVIDORES PÚBLICOS Férias gozadas em período coincidente com o da licença à gestante Maria, servidora pública, estava grávida. A criança nasceu em

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO EMENTA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO EMENTA nteiro Teor (4842046) de 8 03/03/2016 09:31 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0009189-59.2013.4.03.6100/SP 2013.61.00.009189-0/SP RELATOR APELANTE ADVOGADO APELADO(A)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS APELAÇÃO CÍVEL Nº 466770/PE (2008.83.00.003630-3) APTE : UNIÃO APDO : MARCELO FERNANDES PIRES DOS SANTOS ADV/PROC : CAMILA AMBLARD ORIGEM: 2ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 70049720824 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/11/2012 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:21/11/2012 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Vacaria Relator:

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ 2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Processo nº 2007.70.50.015769-5 Relatora: Juíza Federal Andréia Castro Dias Recorrente: CLAUDIO LUIZ DA CUNHA Recorrida: UNIÃO FEDERAL

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

A Mitigação do processo civil no Direito de Família

A Mitigação do processo civil no Direito de Família A Mitigação do processo civil no Direito de Família Denise Damo Comel Elaborado em 10/2011. A natureza, a relevância e a especialidade das questões tuteladas autorizam a mitigação dos princípios gerais

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO (9]WÖ1R100) PODER JUDICIÁRIO RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL REYNALDO FONSECA AGRAVANTE : ERON TRADE IMPORTACAO E EXPORTACAO LTDA ADVOGADO : ERICO MARTINS DA SILVA ADVOGADO : ANDRE MOREIRA GARCEZ DORIA

Leia mais

O ISS E A PESSOALIDADE DO TRABALHO DOS SÓCIOS NAS SOCIEDADES UNIPROFISSIONAIS

O ISS E A PESSOALIDADE DO TRABALHO DOS SÓCIOS NAS SOCIEDADES UNIPROFISSIONAIS O ISS E A PESSOALIDADE DO TRABALHO DOS SÓCIOS NAS SOCIEDADES UNIPROFISSIONAIS Flavio Castellano Alguns municípios introduziram discriminações no que se refere ao tratamento tributário das chamadas sociedades

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 627.970 - RJ (2004/0015047-6) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA TRIBUTÁRIO - ICMS - IMPORTAÇÃO - DESEMBARAÇO ADUANEIRO - COMPROVANTE DE RECOLHIMENTO, ISENÇÃO OU NÃO-INCIDÊNCIA

Leia mais

ACÓRDÃO. ACORDAM os Desembargadores que integram a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de

ACÓRDÃO. ACORDAM os Desembargadores que integram a Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº. 0208784-57.2012.8.19.0001 Apelante: SERGIO LUIZ DE LUCAS Apelado: SULAMERICA SEGUROS DE PESSOAS E PREVIDENCIA S.A. Relatora: DES. ELISABETE FILIZZOLA

Leia mais

RELATÓRIO O SR. DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA (RELATOR):

RELATÓRIO O SR. DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA (RELATOR): PROCESSO Nº: 0806690-65.2014.4.05.8400 - APELAÇÃO RELATÓRIO O SR. DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA (RELATOR): Trata-se de apelação interposta pelo Conselho Regional de Corretores de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.375.078 - MT (2010/0221460-4) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRO LUIZ FUX : ESTADO DE MATO GROSSO : ULINDINEI ARAÚJO BARBOSA E OUTRO(S) : CERÂMICA NOVA

Leia mais

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA

RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RESULTADOS DA TEORIA DA DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA Josyane Mansano 1 ; Marcos

Leia mais

3. Por meio da Portaria nº 91, de 30 de abril de 2004, foi autorizado o afastamento.

3. Por meio da Portaria nº 91, de 30 de abril de 2004, foi autorizado o afastamento. PARECER/MP/CONJUR/FNF/Nº 0620-3.19 / 2007 PROCESSO Nº: 01341.000286/2004-67 EMENTA: AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR PARA TRABALHAR EM ORGANISMO INTERNACIONAL. ARTS. 95 E 96 DA LEI Nº 8.112/90.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO 301 1 Opoente: Opostos: SINDICATO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE FOZ DO IGUAÇU SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE FOZ DO IGUAÇU E REGIÃO, FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE

Leia mais

GOUVÊA FRANCO ADVOGADOS

GOUVÊA FRANCO ADVOGADOS O DIREITO DE REGRESSO DO INSS: ACIDENTES DE TRABALHO E A LEI Nº 8.213/91 Introdução: Recentemente, por todo o Brasil, constata-se na Justiça Federal o crescente aumento de ações regressivas propostas pelo

Leia mais

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Execução Características ( ação ) Títulos executivos judiciais (fase) e extrajudiciais Art. 876, CLT Cumprimento da decisão:

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Décima Oitava Câmara Cível A C Ó R D Ã O

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Décima Oitava Câmara Cível A C Ó R D Ã O FLS.1 Agravante: Novelty Modas S.A. Agravado: Estado do Rio de Janeiro Relator: Des. Jorge Luiz Habib (LO) A C Ó R D Ã O AGRAVO INTERNO. NEGATIVA DE SEGUIMENTO A AGRAVO DE INSTRUMENTO. Decisão que se mantém

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores EDUARDO GOUVÊA (Presidente) e MAGALHÃES COELHO. São Paulo, 5 de outubro de 2015

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores EDUARDO GOUVÊA (Presidente) e MAGALHÃES COELHO. São Paulo, 5 de outubro de 2015 fls. 187 Registro: 2015.0000741949 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2166661-13.2015.8.26.0000, da Comarca de Carapicuíba, em que são agravantes MARCELO DOMINGUES

Leia mais

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias PENHORA ON LINE Noções Introdutórias Caracterizada como ato específico da ação de execução por quantia certa contra devedor solvente, a penhora nada mais é do que um ato executório, uma vez que produz

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 15/03/2011.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 15/03/2011. ABANDONO DE EMPREGO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 15/03/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Caracterização 4 - Comprovação 4.1 - Modelo de Carta 4.2 -

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A sociedade empresária XYZ Ltda., citada em execução fiscal promovida pelo município para a cobrança de crédito tributário de ISSQN, realizou depósito integral e

Leia mais

RECURSO ESPECIAL Nº 1.092.605 - SP (2008 0214562-8)

RECURSO ESPECIAL Nº 1.092.605 - SP (2008 0214562-8) Superior Tribunal de Justiça Revista Eletrônica de Jurisprudência RECURSO ESPECIAL Nº 1.092.605 - SP (2008 0214562-8) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : CENTERLESTE EMPREENDIMENTOS COMERCIAIS

Leia mais

R E L A T Ó R I O E V O T O

R E L A T Ó R I O E V O T O APELAÇÃO CÍVEL Nº 51186-96.2012.8.09.0137 (201290511861) RIO VERDE APELANTE: APELADO: DPVAT S/A RELATOR: CÂMARA: KATIUCIA SILVA DE OLIVEIRA MAIA SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO MARCUS DA COSTA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA RELATÓRIO O Exmº. Sr. Desembargador Federal EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR (Vice-presidente): Trata-se de agravo regimental interposto por CONSTRUTORA TENóRIO FIGUEIREDO LTDA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.093.415 - MS (2008/0210978-3) (f) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO RECORRENTE : BANCO BRADESCO S/A ADVOGADOS : LINO ALBERTO DE CASTRO VALTER RIBEIRO DE ARAUJO E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

Direito em Saúde Suplementar

Direito em Saúde Suplementar Direito em Saúde Suplementar 97 Celso Silva Filho 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem por objetivo comentar os reflexos do conteúdo programático do Curso sobre Direito em Saúde Suplementar sobre a atuação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 809.962 - RS (2006/0007992-0) RELATOR : MINISTRO LUIZ FUX RECORRENTE : COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO - CORSAN ADVOGADO : OSVALDO ANSELMO REGINATO E OUTROS RECORRIDO : JARBAS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na CARTA ROGATÓRIA Nº 3.198 - US (2008/0069036-9) RELATÓRIO MINISTRO HUMBERTO GOMES DE BARROS: Agravo interno contra exequatur concedido pelo eminente Ministro Marco Aurélio do STF. Em suma, a decisão

Leia mais

A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA PRÁTICA

A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA PRÁTICA A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA PRÁTICA CONSIDERAÇÕES INICIAIS A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA É UMA DAS MODALIDADES DE SUJEIÇÃO PASSIVA TRIBUTÁRIA; ANÁLISE DAS HIPÓTESES DE RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA

Leia mais

Número do processo: 1.0024.04.257745-2/001(1)

Número do processo: 1.0024.04.257745-2/001(1) Número do processo: 1.0024.04.257745-2/001(1) Relator: ALVIMAR DE ÁVILA Relator do Acordão: ALVIMAR DE ÁVILA Data do Julgamento: 28/05/2008 Data da Publicação: 07/06/2008 Inteiro Teor: EMENTA: AÇÃO DE

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL:

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: Nos termos do art. 20 do Regulamento do Concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público, na correção da prova escrita levar-se-á em conta o saber

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Da Obrigação Dos Avós Da Legitimidade Passiva Thaís Lopes e Bernardo Alves* Importa colocar a obrigação dos avós no que tange ao complemento dos alimentos, com o fito de deixar claro

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 777.906 - BA (2005/0144695-7) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO JOSÉ DELGADO : ADALTRO FERRERA DE SOUZA : YOLANDA SANTOS DE SANTANA E OUTROS : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF :

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENR1QUES DE SÁ E BENEVIDES

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENR1QUES DE SÁ E BENEVIDES ACÓRDÃO ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENR1QUES DE SÁ E BENEVIDES AGRAVO INTERNO N 200.2011.045576-9/001 4' Vara Capital. RELATOR : Des. Saulo Henriques de Sá e I3enevides.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal CONFLITO DE COMPETÊNCIA 7.572 DISTRITO FEDERAL RELATORA SUSTE.(S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :VASP - VIAÇÃO AÉREA SÃO PAULO S/A :MARCUS VINÍCIUS DE ALMEIDA RAMOS :SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA (RECLAMAÇÃO

Leia mais

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL.

EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. 1. Conceito EMBARGOS DECLARATÓRIOS - EDCL. Os embargos de declaração ou embargos declaratórios, doravante denominados EDcl., visam aperfeiçoar as decisões judiciais, propiciando uma tutela jurisdicional

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS Excelentíssimo(a) Sr(a) Dr(a) Juiz(a) de Direito da 7ª Vara Criminal Da Comarca De Goiânia Go. Autos n.º 7ª Vara Criminal. Ação Penal Acusados:,, Protocolo PGJ n.º - Distribuição por dependência: PENAL.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Usando da faculdade conferida pela 2.ª parte do n.º 2.º do artigo 109.º da Constituição,

Leia mais

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de EMENTA RECURSO ORDINÁRIO, provenientes da CURITIBA - PR, sendo Recorrentes ADVOGADO ASSOCIADO - VÍNCULO DE EMPREGO - NÃO CONFIGURADO - Comprovado que a parte autora firmou "contrato de associação com advogado"

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.434.491 - MG (2012/0121695-4) RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO RECORRENTE : LAPA INCORPORAÇÕES EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS E SERVIÇOS S/A ADVOGADO : RAIMUNDO FREITAS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0052654-08.2013.8.19.0000 Agravante: Município de Armação de Búzios Agravado: Lidiany da Silva Mello

Leia mais

Sistema Bacen-Jud posição do CNJ.

Sistema Bacen-Jud posição do CNJ. Sistema Bacen-Jud posição do CNJ. O texto que segue abaixo não é um artigo com opiniões do autor, mas apenas um breve relatório sobre duas decisões do Conselho Nacional de Justiça em relação ao tema envolvendo

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 446/95 - Plenário - Ata 40/95 Processo nº TC 020.528/94-9 Interessado: Representante da empresa Lynch Representações e Participações Ltda. Entidade:

Leia mais

2. MATRIZ E FILIAL: UMA SITUAÇÃO JURÍDICA CADA VEZ MAIS PRESENTE NO MUNDO EMPRESARIAL

2. MATRIZ E FILIAL: UMA SITUAÇÃO JURÍDICA CADA VEZ MAIS PRESENTE NO MUNDO EMPRESARIAL APONTAMENTOS SOBRE A RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA DE UM ESTABELECIMENTO POR DÉBITO GERADO POR OUTRO DO MESMO GRUPO ECONÔMICO José Menah Lourenço * 1. INTRODUÇÃO Assunto que diariamente afeta muitas empresas

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.279.941 - MT (2011/0167277-9) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : ESTADO DE MATO GROSSO PROCURADOR : PATRYCK DE ARAUJO AYALA E OUTRO(S) RECORRIDO : VALDECIR AUGUSTO

Leia mais

Concursos públicos e o TCE

Concursos públicos e o TCE fixado em consonância com os princípios do amplo acesso ao concurso público e da competitividade. Dessa forma, e mormente considerando que no caso focado nem mesmo há previsão para inscrição via internet,

Leia mais

0803495-29.2015.4.05.8500 - AÇÃO CIVIL PÚBLICA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL UNIÃO FEDERAL

0803495-29.2015.4.05.8500 - AÇÃO CIVIL PÚBLICA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL UNIÃO FEDERAL PROCESSO Nº: 0803495-29.2015.4.05.8500 - AÇÃO CIVIL PÚBLICA AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RÉU: UNIÃO FEDERAL (e outros) 3ª VARA FEDERAL - JUIZ FEDERAL TITULAR ADMINISTRATIVO. CONSTITUCIONAL. AÇÃO CIVIL

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Fls. Órgão : 6ª TURMA CÍVEL Classe : AGRAVO REGIMENTAL NO(A) AGRAVO DE INSTRUMENTO N. Processo : 20140020315485AGI (0032073-68.2014.8.07.0000)

Leia mais

1 64-1-010/2013/598823 010/1.13.0024550-6 (CNJ:.0044480-23.2013.8.21.0010)

1 64-1-010/2013/598823 010/1.13.0024550-6 (CNJ:.0044480-23.2013.8.21.0010) COMARCA DE CAXIAS DO SUL 2ª VARA CÍVEL ESPECIALIZADA EM FAZENDA PÚBLICA Rua Dr. Montaury, 2107, 5º andar Processo nº: Natureza: Impetrante: Impetrado: 010/1.13.0024550-6 (CNJ:.0044480-23.2013.8.21.0010)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000318446 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001766-40.2013.8.26.0291, da Comarca de Jaboticabal, em que é

Leia mais

VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0016968-18.2014.8.19.0000 AGRAVANTE:

VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0016968-18.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0016968-18.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: DIGIAUDIO DO BRASIL LTDA-ME AGRAVADO: CENTRO AUDITIVO TELEX S.A. RELATORA: DES. ODETE KNAACK DE SOUZA AGRAVO

Leia mais

Garantia do Crédito Tributário. Lei de Recuperação de Empresas e Falência

Garantia do Crédito Tributário. Lei de Recuperação de Empresas e Falência 1 Garantia do Crédito Tributário. Lei de Recuperação de Empresas e Falência Iraci de OliveirasKiszka 1 Resumo O presente trabalho tem por objetivo refletir sobre a finalidade da carta expedida pelo Juízo

Leia mais

I N F O R M A T I V O

I N F O R M A T I V O I N F O R M A T I V O L E G A L N.º 002/2011-17/01 ASSUNTOS GERAIS: - VALOR MÍNIMO DE BENEFÍCIOS PORTARIA MPS/MF N.º 568: Portaria dos ministérios da Fazenda e da Previdência, publicada no dia 03, fixou

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 666.123-0/7 SOROCABA Agravante: Maria da Conceição Latuf Agravado: Serviço Social da Indústria - SESI AGRAVO DE INSTRUMENTO. Ausência de cópia da certidão de intimação da decisão

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR RECLAMANTE RECLAMADO INTERES. RECLAMAÇÃO Nº 5.979 - PE (2011/0116312-3) : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : COMPANHIA ENERGÉTICA DE PERNAMBUCO - CELPE : FLÁVIO QUEIROZ BEZERRA CAVALCANTI E OUTRO(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 1.121.719 - SP (2011/0241419-2) EMBARGANTE S REPR. POR : RICARDO ANCEDE GRIBEL : FERNANDA MENDONÇA DOS SANTOS FIGUEIREDO DAL MORO LEONARDO PERES LEITE E OUTRO(S) : BANCO

Leia mais

D E C I S Ã O (proferida em regime de plantão judiciário) I RELATÓRIO

D E C I S Ã O (proferida em regime de plantão judiciário) I RELATÓRIO 18 Ação Cautelar Inominada Requerente: GUSTAVO BASSINI SCHWARTZ Requerida: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL ESPÍRITO SANTO (OAB/ES) D E C I S Ã O (proferida em regime de plantão judiciário) I RELATÓRIO

Leia mais

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário.

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Processo n.º 14/2012. Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrente: B. Recorrido: A. Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Coisa. Venda. Dação em cumprimento.

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR DIREITOS DA PERSONALIDADE

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR DIREITOS DA PERSONALIDADE CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito Civil Prof. André Barros Material 04 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR DIREITOS DA PERSONALIDADE 1. CONCEITO 2. FUNDAMENTO DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE Art.

Leia mais

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Autos nº: 201070500120051 Recorrentes/Recorridos: União Federal, Estado do Paraná, Município de Curitiba e Ester Ulissea Klettenberg Relator: Juiz Federal Eduardo Appio V O T O 1. Trata-se de pedido de

Leia mais

Processo no. 200.2010.036.179-5/001

Processo no. 200.2010.036.179-5/001 ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque DECISÃO MONOCRÁTICA TERMINATIVA Remessa "Oficial em Mandado de Segurança - no. 200.2010.036.179-5/001

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 34 a Câmara Seção de Direito Privado Julgamento sem segredo de justiça: 27 de julho de 2009, v.u. Relator: Desembargador Irineu Pedrotti. Apelação Cível nº 968.409-00/3 Comarca de São Paulo Foro Central

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 866.249 - SP (2006/0131792-5) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. PREJUDICIALIDADE EXTERNA ENTRE AÇÃO POSSESSÓRIA E USUCAPIÃO ESPECIAL URBANO. INEXISTÊNCIA.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 30 / 09 / 2002 Fls. 15 Proc. nº: E 04/141.494/1997 Rubrica: SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 20 de agosto de 2002 PRIMEIRA CÂMARA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 660.284 - SP (2004/0071142-4) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : PANAMERICANO ARRENDAMENTO MERCANTIL S/A : MANUEL MAGNO ALVES E OUTROS : ALEXANDRE ALMADA DANTAS

Leia mais