Sinal Verde. Metrópoles vão reduzir emissões Uma das mais poluídas aponta caminhos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sinal Verde. Metrópoles vão reduzir emissões Uma das mais poluídas aponta caminhos"

Transcrição

1 Ano 20 N 2 julho/dezembro 2012 ISSN Sinal Verde Metrópoles vão reduzir emissões Uma das mais poluídas aponta caminhos Fred Gelli: todo design deve ser sustentável Pré-sal: o impacto das pesquisas sísmicas

2 Capa: foto Dreamstime Senac Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Departamento Nacional Av. Ayrton Senna, 5.555, Barra da Tijuca Rio de Janeiro - RJ - Brasil Conselho Nacional Antonio Oliveira Santos Presidente Departamento Nacional Sidney Cunha Diretor-geral A revista Senac Ambiental é uma publicação semestral produzida pelo Gerência de Marketing e Comunicação do Senac Nacional. Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores. Sua reprodução em qualquer outro veículo de comunicação só deve ser feita após consulta aos editores. Contato: Expediente Editor Fausto Rêgo Colaboraram nesta edição Ana Bittencourt, Katia Costa, João Roberto Ripper, Elias Fajardo, Luísa Gockel e Francisco Luiz Noel Editoração Gerência de Marketing e Comunicação Projeto gráfico e diagramação Cynthia Carvalho Produção gráfica Sandra Amaral Dados Internacionais de Catalogação na Publicação Senac ambiental / Senac, Departamento Nacional. n. 1 (1992)-. Rio de Janeiro : Senac/Departamento Nacional/Gerência de Marketing e Comunicação, v. : il. color ; 26 cm. Semestral. Absorveu: Senac e educação ambiental. ISSN Educação ambiental Periódicos. 2. Ecologia Periódicos. 3. Meio ambiente Periódicos. I. Senac. Departamento Nacional. CDD Ficha elaborada pela Gerência de Documentação Técnica do Senac/DN.

3 Editorial foto: Michel Willian/SMCS Hora de respirar novos ares Sinais de fumaça já vemos no ar faz tempo. Mas o sinal verde que se esperava acendeu ao final da Rio+20, a Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada no ano passado. Ele não veio dos chefes de Estado, mas dos prefeitos de algumas das maiores cidades do planeta. Metas de redução das emissões de carbono na atmosfera foram acordadas entre os prefeitos de 58 metrópoles entre as quais figuram três municípios brasileiros. Londres, que acabou de receber os Jogos Olímpicos, é uma dessas cidades e uma das mais poluídas do mundo. Mas está tentando se transformar. Por isso fomos conhecer as iniciativas de mobilidade urbana que estão mudando os ares da capital inglesa. Também conversamos com o premiado designer Fred Gelli para saber mais sobre design sustentável. Investigamos o impacto das pesquisas sísmicas do pré-sal sobre a fauna marinha. E mostramos que uma vacina contra a esquistossomose está sendo produzida no Brasil. Tem ainda muito mais para você. É só virar a página.

4 Sumário foto: Cesar Brustolin/SMCS foto: TfL 12 Capa Compromisso das metrópoles Grupo de grandes cidades mundiais faz acordo para reduzir emissões poluentes. 18 Mobilidade Sinal verde As medidas que mudaram os ares de uma das cidades mais poluídas da Europa. Correção: diferentemente do que foi publicado na edição anterior, a data de capa correta era janeiro/junho 2012 e o CEP do Departamento Nacional do Senac é Senac Ambiental

5 foto: Ecohub 6 Entrevista Fred Gelli Ecoinovação, biomimética e as soluções de design que vêm da natureza. 28 Notas 30 Saúde Ciclo perto do fim Cientistas da Fiocruz produzem vacina contra esquistossomose. 34 Documento Das águas e dos povos Do semiárido nordestino à Cúpula dos Povos, a luta pela sustentabilidade. 42 Impacto Ambiental Baleia à vista! O impacto da pesquisa sísmica, intensificada com o pré-sal, sobre as baleias. 48 Legislação Falando em Código A polêmica em torno do novo Código Florestal brasileiro. 54 Estante Ambiental 56 Retrato Ilha risonha e franca A vida em Paquetá, em meio às poluídas águas da Baía de Guanabara. junho/dezembro

6

7 Entrevista Inspiração na natureza Tudo que não atenda aos preceitos básicos de impacto ambiental será insustentável em breve. A inovação, segundo o designer Fred Gelli, virá do que já está diante de nós há bilhões de anos Katia Costa O verdadeiro design sustentável é ecossexy. Deve combinar baixo impacto ambiental com alto impacto sensorial e ser amigável, possuir uma interface atraente e sedutora em outras palavras: sexy. Também é essencial que seja produzido com o mínimo de recursos e o máximo de simplicidade. Quem afirma é Fred Gelli, professor do departamento de Design da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro, onde ministra os cursos de Ecoinovação e Biomimética. Ele também é sócio e diretor de Criação da Tátil, agência de branding que fez as logomarcas dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos do Rio 2016 e conquistou mais de 70 prêmios internacionais, incluindo o Leão de Bronze no Cannes Lions em Neste bate-papo sobre sustentabilidade, Gelli conta que busca inspiração nas soluções apresentadas pela natureza, seguindo os princípios de otimização, ciclo e junho/dezembro

8 Cartões de visita feitos com embalagens PET: o design do futuro deve ser obrigatoriamente sustentável interdependência. Para ele, a expressão design sustentável tende a se tornar redundante e desaparecer, pois todo design deverá ser, num futuro próximo, obrigatoriamente sustentável. Senac Ambiental: O que significa ecoinovação? E qual a sua relação com design sustentável? Fred Gelli: Ecoinovação é a ampliação do conceito de ecodesign. O design do presente e do futuro tem de ser eco, senão não é design. Para isso, busquei a fusão de conceitos com objetivo de ampliar o olhar das pessoas que vão desenhar coisas, não é simplesmente colocar mais objetos no mundo com menos impacto ambiental. Estamos numa fase de mudança de paradigma, e o que não atende aos preceitos básicos de impacto ambiental será insustentável num futuro muito próximo. Por isso, ecoinovação inclui outras dimensões que transcendem o design como é proposto nas universidades, ainda com forte conexão com o objeto. Somos costuradores de informação e o nosso desafio criativo é juntar conhecimentos. A profissão de designer é naturalmente isso por vocação, devido à formação multidisciplinar e por estarmos mais próximos do que qualquer outra profissão dessa lógica da inovação. Senac Ambiental: Então qual seria o papel do designer no mundo atual? Fred Gelli: O designer não sabe profundamente nada, e nem deve. O mais importante é saber juntar expertises, pontos de vistas, saberes. A inovação surge desse encontro. Não adianta um ecodesigner saber tudo sobre como colocar um objeto no mundo com menos impacto ambiental sem estar conectado às razões do acontecimento. Ele precisa estar antenado com outras dimensões, como a política e os macromovimentos da economia global, que transcendem a função de designer. Entre dez diretores executivos de companhias de sucesso, hoje, nove são designers, mesmo que eles próprios não saibam disso. Isso se refere ao jeito do designer de pensar (o que hoje se chama design thinking), que transcendeu o design e foi para o universo da economia e da inovação. Significa uma ampliação muito grande de espectro, pois deixa simplesmente de ser uma conexão com o objeto para se tornar uma conexão com o movimento de impulso evolutivo. Senac Ambiental: Como surge essa importância do papel do designer na sociedade atual? Fred Gelli: No processo evolutivo, a natureza gera variações e, quando o contexto muda, alguém se dá bem. De alguma forma, o contexto atual pede competências que os designers têm, assim como há milhões de anos somente alguns mamíferos conseguiram sobreviver. Favorecidos por essa mudança de contexto, os designers, com seu jeito de olhar o mundo, possuem relevância para o tipo de desafio que se apresenta atualmente. Não é 8 Senac Ambiental

9 a visão mais difundida pelas escolas de designers. Infelizmente, a maioria delas não está preparada formalmente para isso. A ecoinovação e a biomimética são duas disciplinas que ajudam a acordar esse inovador em potencial que existe em cada estudante de design, agente de transformação, mas que fica adormecido devido à inércia do processo educativo. Senac Ambiental: O que podemos aprender por meio da biomimética? Fred Gelli: Nessa visão de termos um grande desafio criativo pela frente, de redesenhar nossa relação com o mundo e mudar nosso conceito de consumo, a biomimética tem um papel importante. Há mais de três bilhões de anos, a natureza vem exercitando soluções de design, engenharia e arquitetura. Não somos os primeiros a armazenar grande quantidade de informação e transportar grande volume de matéria de um lugar para o outro. A gente pode olhar para a vida nessa perspectiva de projeto, utilizando as inspirações da natureza no jeito de projetar e, por consequência, gerando soluções com mais inteligência. Senac Ambiental: Quais foram seus primeiros passos rumo a esses conceitos? Fred Gelli: Ainda no meu curso de graduação, na década de 1980, mergulhei no conceito da biônica e fui estudar como a natureza embalava as coisas. A barriga da mulher, a atmosfera do planeta e a banana são exemplos de superembalagens. A partir daí, cheguei aos três princípios básicos que permeiam meu trabalho: a natureza projeta com economia, com a maior quantidade de energia e o mínimo de matéria (otimização). Recurso e resíduo têm o mesmo valor e se realimentam (ciclo), e tudo é uma grande teia que se mexe de forma interligada (interdependência). Nós, humanos, operamos numa lógica totalmente inversa. Somos máximos, cartesianos e lineares. Senac Ambiental: Como é feita a transposição da natureza para os projetos de design? Fred Gelli: Somamos os princípios da biônica às premissas do ecodesign, que se baseia na desmontabilidade do objeto, fundamental para reciclar as partes independentemente. Outras duas premissas são usar a menor quantidade de matéria-prima possível, para reduzir o processo de produção, e gastar o mínimo de energia com o processo produtivo. Em tudo que se coloca no mundo temos de pensar como volta para o mundo. Ficamos dez anos pensando em soluções sustentáveis e criamos os primeiros objetos no Brasil com papel reciclável e papelão, em Estamos na vanguarda desse pensamento. Senac Ambiental: Qual o significado do design sustentável? Fred Gelli: De modo geral, as pessoas entendem design sustentável como algo Fred Gelli: Estamos hipotecando o futuro. Isso é o mesmo que usar o cheque especial sem olhar o extrato junho/dezembro

10 A barriga de uma mulher grávida e as frutas são exemplos de embalagens perfeitas oferecidas pela natureza de baixo impacto ambiental, mas que, na maioria das vezes, produz soluções muito ruins, ecochatas. O verdadeiro design sustentável é ecossexy, ou seja, possui alto impacto sensorial aliado ao baixo impacto ambiental. A gente precisa continuar desfrutando das coisas, utilizando equipamento com interface amigável, usar móveis e utensílios de cozinha que dão mais prazer, uma roupa que seja bacana e em que você se sinta mais bonito. Senac Ambiental: Qual sua visão do processo de substituição de bens em um mundo com escassos recursos? Que tipo de transformação está em jogo nesse processo? Fred Gelli: Isso tem a ver com a lógica do hiperconsumo, nascido na década de 1950, a partir do conceito da obsolescência programada. Na época, tínhamos recursos sobrando e quanto mais rápido o consumo, mais gerávamos bens para perpetuar o ciclo produtivo e alimentar a economia. O outro tipo de obsolescência é a percebida e tem a ver com o design, o estilo, as cores, a tendência. Ambas estão a serviço dessa lógica e incentivam a substituição de produtos no menor tempo possível. Mas as pessoas começam a se ligar nisso a partir de agora. Inevitavelmente, daqui a 30 anos, seremos 10 bilhões de pessoas no planeta e precisamos inventar uma nova lógica. O preço verdadeiro das coisas, somado à parcela das externalidades e do passivo ambiental, é uma conta a ser paga pelas gerações futuras. Estamos hipotecando o futuro. Isso é o mesmo que usar o cheque especial sem olhar o extrato. Senac Ambiental: De que forma, na prática, isso vai acontecer? Fred Gelli: Deixaremos de ser consumidores e passaremos a ser desfrutadores. Ser puramente consumidor é uma redução da nossa razão de ser e somente se aplica em um mundo com recursos em abundância. Em um mundo de recursos escassos, poucos espaços e mais gente, como o atual, rompe-se a lógica perversa da obsolescência. Na medida em que os preços subirem, o descarte será bem menor. Um computador gera 200 vezes o peso dele em resíduos pelo caminho, da extração da bauxita à embalagem na caixa. E quem paga por isso? Eu não pago, nem a empresa. Existem desequilíbrios e externalidades no processo de produção que não estão embutidos no preço, que é artificial nessa lógica de hiperconsumo. Por isso acredito que as leis serão cada vez mais rigorosas, como a de resíduos sólidos, que exige das empresas responsabilidade por todas as embalagens colocadas no mundo. Isso vai encarecer essa dinâmica e frear de vez o consumo. Senac Ambiental: Você compara a metrópole a um ecossistema, como o banco de corais, que não tem pontas soltas e se realimenta a partir da sequencia de fluxos 10 Senac Ambiental

11 energéticos, sem desperdícios, ao contrário de uma grande cidade. Como resolver o caos insustentável das metrópoles se espelhando no processo simbiótico e no sistema de comunicação móvel e instantâneo desse ecossistema? Fred Gelli: É um desafio criativo gigantesco. Vamos ter de mudar a nossa maneira de fazer planejamento urbano e passar a entender que as cidades precisam parecer mais com ecossistemas. Para isso, algumas premissas são fundamentais. Uma delas é a ganância, que funciona como uma dimensão do nosso jeito de operar e fazer negócios. Ela é completamente contraditória e não acontece na natureza. A crise de 2008 é um retrato do desequilíbrio entre competição e cooperação, movido pela ganância. Em um ecossistema, o lucro só é garantido se todos estiverem lucrando, senão um organismo sucumbe e a não existência do vizinho desequilibra o ecossistema do qual ele depende. A natureza não é nada altruísta, todos pensam no seu lado, mas existe um pacto, e a competição e a cooperação são dois vetores que atuam juntos. Senac Ambiental: Você tem conhecimento de estudos sobre modelos de cidade baseados nesses conceitos fora do Brasil? E de que forma a questão da acessibilidade está incluída nesses projetos? Fred Gelli: A gente vai ter de mudar radicalmente Biomimética A biomimética é uma área da ciência que tem por objetivo o estudo das estruturas biológicas e das suas funções, procurando aprender com a natureza, suas estratégias e soluções, e utilizar esse conhecimento em diferentes domínios da ciência. A designação provém da combinação das palavras gregas bíos, que significa vida, e mímesis, que significa imitação. Dito de modo simples, a biomimética é a imitação da vida. Fonte: Wikipédia muita coisa e seguir os três princípios básicos. O automóvel, por exemplo, precisa ser desinventado. É evidente que essa é uma ideia máxima, pois pagar o preço do impacto ambiental causado pelo carro seria inviável. O automóvel deve se tornar um meio de transporte público compartilhado, no qual as pessoas seriam desfrutadoras em vez de consumidoras, e utilizado para transportá-las dos centros urbanos para a periferia, onde elas vão morar, como já acontece no Japão, em Nova York e Londres, entre outras. Vai haver um desestímulo crescente do uso do carro, com aumento do preço do veículo, do estacionamento etc. As cidades se tornariam mais verticais, com integração dos suprimentos de energia, para se viver bem em grandes concentrações. Mas eu não tenho a menor dúvida de que a gente vai conseguir se redesenhar, se reinventar. Para o designer, nosso comportamento precisa mudar. Não é possível que a sociedade seja puramente consumidora em um mundo com recursos escassos junho/dezembro

12 Curitiba: uma das primeiras referências em sustentabilidade no Brasil

13 Capa O compromisso das metrópoles Grandes cidades se comprometem a reduzir significativamente suas emissões de carbono nos próximos anos Fausto Rêgo foto: Michel Willian/SMCS Em meio à discussão plenária que envolvia chefes de Estado e diplomatas de todo o planeta, veio de um painel formado por prefeitos de grandes metrópoles mundiais uma das melhores notícias da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, realizada no Rio de Janeiro, em junho do ano passado. Presidido por Michael Bloomberg, prefeito de Nova York, EUA, o grupo C40 formalizou um acordo significativo para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa, grande vilão do aquecimento global. Durante esse encontro, batizado como Rio+C40, foi firmado o compromisso de obter uma redução de aproximadamente 248 milhões de toneladas até 2020, chegando a 1,3 bilhão de toneladas até o ano de Se, por um lado, as negociações entre os governos de cada país na Rio+20 resultaram em um documento final tímido, o acordo firmado pelos prefeitos pode ser a chave para transformações significativas para conter as mudanças climáticas. Segundo dados da organização não governamental junho/dezembro

14 foto: Fábio Pozzebom/Ag. Brasil Investimento em ciclovias é cada vez mais importante nas grandes cidades Trânsito no Rio de Janeiro: poluição, estresse e tempo perdido foto: Cesar Brustolin/SMCS Carbon Disclosure Project (em tradução livre, Projeto de Informações sobre Carbono), é o poder municipal que detém o controle direto de 75% das fontes urbanas de emissões de gases poluentes. E hoje o C40 reúne 58 municípios, o que representa mais ou menos 14% das substâncias liberadas na atmosfera. Apenas em 2011, as emissões de dióxido de carbono em todo o mundo tiveram um aumento de 2,5%, chegando a 34 bilhões de toneladas, segundo o Instituto de Energia Renovável da Alemanha (IWR). A ser mantida essa tendência, a previsão é que as emissões globais alcancem a marca de 40 bilhões de toneladas em O país-líder do ranking de poluidores é a China, com EUA, Índia, Rússia, Japão e Alemanha vindo em seguida. Mas é possível ter esperança quando consideramos que cidades como Pequim e Xangai (na China), Nova York, Houston e Los Angeles (nos EUA), Nova Délhi e Mumbai (na Índia), Moscou (na Rússia), Tóquio e Yokohama (no Japão), Berlim e Heidelberg (na Alemanha) integram o C40. O planeta terá, portanto, muito a agradecer caso os compromissos firmados pelas grandes metrópoles mundiais saiam de fato do papel. Participação ativa O C40 foi formado em outubro de 2005, quando o então prefeito de Londres, Ken Livingstone, conclamou representantes de 18 metrópoles mundiais a participar de um esforço conjunto para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa. Assim foi firmado o primeiro acordo de cooperação e construção de políticas públicas comuns sobre o tema. A partir do ano seguinte, o grupo passou a atuar em parceria com a fundação Clinton Climate Initiative, criada por Bill Clinton, ex-presidente dos Estados Unidos. Os membros do C40 têm realizado, isoladamente ou com apoio dos governos nacionais, uma série de ações voltadas para a sustentabilidade: substituição de combustíveis fósseis por fontes limpas de energia, como a eólica (em Copenhague, Dinamarca); plano de eficiência energética em grandes prédios (em Nova York, EUA); redução do gás metano em aterros sanitários (na Cidade do México), entre outros projetos. 14 Senac Ambiental

15 O intercâmbio entre as cidades que integram o grupo é frequente, com reuniões técnicas eventuais para compartilhar know-how e experiências, além de conferências de cúpula que são realizadas a cada dois anos. A mais recente, aliás, ocorreu na capital paulista, no ano passado. As resoluções do encontro foram expressas na Carta de São Paulo, documento usado para reivindicar aos membros das Nações Unidas uma participação mais ativa na discussão global sobre as transformações no clima, bem como o interesse em assumir um papel de liderança na questão ambiental. Após firmar com a prefeitura de Paris um termo de cooperação que envolve áreas como desenvolvimento urbano, tratamento de resíduos e saneamento, o então prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, destacou o papel das grandes metrópoles na busca do desenvolvimento sustentável e afirmou que os municípios detêm a chave e a condução do processo de combate às mudanças climáticas. Dentre as ações conduzidas pela capital paulista, mencionou a criação de parques lineares, a implantação de uma frota verde, o incentivo à eficiência energética nas edificações, os programas de adensamento populacional e a captação de gases nos aterros sanitários. Rio investe em mobilidade Além da capital paulista, mais dois municípios brasileiros fazem parte do C40: Rio de Janeiro e Curitiba. Sede dos próximos Jogos Olímpicos, o Rio de Janeiro incluiu o desafio de ser uma cidade mais verde em seu planejamento. A prefeitura trabalha com metas de redução de 16% em 2016, com relação às emissões registradas em 2005, chegando a 20% em O total de emissões do Rio registrado em 2005 foi de 11,35 milhões de toneladas de CO 2, disse o prefeito Eduardo Paes. Obtivemos uma redução parcial equivalente a 9% até 2012, foto: C40/licença CC BY-SA2.0 cumprindo a meta de 8% na legislação até o fim deste ano. Paes aposta alto na reorganização do modelo viário, em especial com a criação de faixas expressas para ônibus sistema conhecido pela sigla em inglês BRS, de Bus Rapid System e de um modelo de ônibus articulados que trafegam em corredores exclusivos, o BRT de Bus Rapid Transit. A prefeitura calcula que apenas uma das vias criadas para o tráfego do BRT, a TransOeste, será responsável por reduzir em 2,8 mil toneladas por ano a emissão de gases do efeito estufa. A mobilidade urbana sustentável é premissa da reorganização do sistema de transporte do Rio. Estamos ampliando as alternativas de transporte de alta capacidade na cidade, diz o prefeito. A rede atual atende a 18% da população. Esse percentual chegará a 63% em 2015, com a expansão da rede de BRTs, metrô, trens e barcas, além da otimização da frota, com redução do número de ônibus nas ruas. Outro aspecto é a utilização de combustíveis menos poluentes. Já existe previsão de evolução na utilização de diesel com menor nível de enxofre e maior percentual de biodiesel na composição. Estão sendo avaliadas alternativas energéticas como geração híbrida ou elétrica. O prefeito menciona ainda a expansão da malha cicloviária e o incentivo Reunião do C40 na Rio+20: Eduardo Paes, prefeito do Rio, é o quarto a partir da esquerda; Gilberto Kassab, de São Paulo, o segundo a partir da direita junho/dezembro

16 foto: Maurilio Chelli/SMCS Parques: espaços para lazer, contemplação e vida saudável Luciano Ducci, prefeito de Curitiba foto: Cesar Brustolin/SMCS ao uso da bicicleta. Atualmente, o Rio conta com 300 quilômetros de ciclovias. A prefeitura promete chegar a 450 quilômetros no ano olímpico. O uso dessa alternativa de transporte é incentivado com medidas como o bem-sucedido programa Bike Rio, que oferece bicicletas de aluguel que podem ser retiradas em qualquer uma das quase 60 estações espalhadas pela cidade (embora ainda concentradas na Zona Sul) e devolvidas em outra. Segundo Paes, outras medidas de contenção dos impactos climáticos têm sido observadas pela prefeitura. Uma delas é o selo Qualiverde, regulamentação urbanística que procura incentivar empreendimentos com menor impacto ambiental. Queremos incentivar o aumento do número de construções sustentáveis na cidade, que utilizem menos recursos naturais na construção e na vida útil dos equipamentos urbanos, afirma. Curitiba usa biodiesel Referência imediata quando falamos em cidades sustentáveis no Brasil e marcada profundamente pelas intervenções realizadas durante os três mandatos do urbanista Jaime Lerner, Curitiba trabalha na construção do Plano Municipal de Mitigação e Adaptação a Mudanças Climáticas. O documento, que vai estabelecer metas e prazos para redução de emissões de CO 2 e estará pronto em 2013, é elaborado pelo Fórum Curitiba de Mudanças Climáticas, organismo que conta com a participação do poder público, de instituições de ensino e pesquisa, do terceiro setor e do setor produtivo. Enquanto o plano não é finalizado, a capital paranaense investe em soluções para conter o impacto ambiental do trânsito. Aumentamos gradativamente o uso do biodiesel em nossos ônibus e apostamos na inovação, explica o prefeito Luciano Ducci. Incluímos em nossa frota um ônibus movido a eletricidade e biodiesel, que reduz em 90% a emissão de poluentes. Estamos ampliando a nossa malha de ciclovias e instalando paraciclos em pontos estratégicos da cidade, para incentivar o uso da bicicleta e atender melhor quem já a utiliza. Ducci lembra que o controle das emissões industriais também é feito de forma rotineira pelo município e é condição para o licenciamento ambiental. Mantemos ações de fiscalização para verificar e garantir o respeito da legislação que regulamenta as emissões. Ao contrário de Eduardo Paes, que foi reeleito no Rio de Janeiro para mais quatro anos de governo, Ducci não segue à frente da prefeitura, nem fez seu sucessor. Mas não acredita que o enfrentamento das mudanças climáticas deixe de ser priorizado em função disso. Esse compromisso deve superar qualquer mudança de governo. É um tema importante e precisa ser enfrentado pelos governantes e por toda a sociedade de forma efetiva e com clareza das responsabilidades mútuas. Curitiba é referência em sustentabilidade e planejamento justamente porque diversos projetos e programas foram continuados, mesmo com as sucessões administrativas. Acredito que a própria população cobrará essa continuidade, pondera. O que membros do C40 estão fazendo Sydney, na Austrália, anunciou recentemente o plano de implementar a tecnologia de LEDs (sigla para diodo emissor de luz, que é bem mais eficiente e consome menos carbono) na iluminação pública em toda a sua área central, ao longo dos próximos três anos. Isto significa substituir lâmpadas, o que deverá reduzir à metade o uso da energia elétrica convencional e a poluição em ruas e 16 Senac Ambiental

17 parques. O investimento é de aproximadamente 7 milhões de dólares, mas a economia prevista é de 800 mil dólares ao ano. A iluminação pública é responsável por um terço do uso de energia elétrica em toda a cidade e por 30% das emissões de carbono. Berlim (Alemanha), Barcelona (Espanha), Los Angeles e São Francisco (EUA) também estão adotando medidas semelhantes. A cidade se propõe ainda a instalar painéis para captação de energia solar em seus prédios, o que poderá reduzir as emissões anuais em outras toneladas. Amsterdam, na Holanda, criou o Open Data Program (Programa Dados Abertos). Desde março de 2012, o Departamento Municipal de Infraestrutura e Transporte passou a liberar publicamente todas as informações sobre estacionamento (tarifas, disponibilidade e tempo de uso), pontos de táxi, paradas de ônibus, ciclovias e trânsito nas principais vias da cidade. Dessa forma, desenvolvedores de aplicativos para celulares puderam criar produtos e serviços inovadores no campo da mobilidade urbana. O aplicativo MyTrafficJam, por exemplo, mapeia o trânsito na cidade, informa onde há retenções e os melhores caminhos alternativos. Para quem anda de bicicleta, o BikeCityGuide apresenta os melhores roteiros. E o AmsterdamApp se propõe a ser um guia de mil e uma utilidades, capaz de dizer até que horas um estacionamento fica aberto ou quando a coleta de lixo será feita na sua rua. A Cidade do México conseguiu reduzir seu volume de emissões de carbono em 7,7 milhões de toneladas no período de 2008 a O resultado, animador por si só, representa um avanço de 10,2% com relação à meta estabelecida pelo seu Programa de Ação Climática, uma iniciativa que programou ações nas áreas de biodiversidade, clima, saúde, agricultura, reflorestamento e combate à pobreza. Do total das emissões evitadas, 62% foram obtidos em ações de transporte; 15,3% em resíduos sólidos; 11,6% em sequestro de carbono por reflorestamento e 10,8% em eficiência energética. Ao pé da letra, o termo inglês brownfield, que não tem correspondente em português, pode ser traduzido como campo marrom. Trata-se de um contraponto a greenfield (campo verde), que se refere às áreas florestais ou de plantio, afastadas dos centros urbanos. O que brownfield designa (e está definido em lei nos EUA) são instalações industriais ou comerciais abandonadas ou ociosas que podem ter sofrido algum tipo de contaminação, mas ainda mantêm potencial para serem reutilizadas. Nova York (EUA) tem um bom punhado de instalações desse tipo, muitas delas em áreas estratégicas da cidade. Revitalizar essas áreas degradadas poderia beneficiar toda a população, abrindo espaços de lazer, integração, comércio ou moradia. Por essa razão, a prefeitura começou a trabalhar no Programa de Limpeza de Brownfields (BCP), atrelado ao plano local de sustentabilidade de longo prazo. Foi a primeira iniciativa desse gênero a ser desenvolvida em todo o país. Apenas 18 meses após ser iniciado, o BCP comemorou a aprovação do seu 50º projeto. Segundo estima o poder público municipal, o sucesso do programa representa a criação de 2 mil novos empregos permanentes, empregos temporários e mais de 730 milhões de dólares em receitas fiscais para o governo. Principais poluidores País Emissão de CO 2 em 2011 (em toneladas) China 8,87 bilhões EUA 6,02 bilhões Índia 1,78 bilhão Rússia 1,67 bilhão Japão 1,31 bilhão Alemanha 804 milhões Coreia do Sul 739 milhões Canadá 628 milhões Arábia Saudita 609 milhões Irã 598 milhões Grã-Bretanha 513 milhões Brasil 488 milhões México 464 milhões Indonésia 453 milhões África do Sul 452 milhões Fonte: IWR/Ministério da Economia da Alemanha junho/dezembro

18

19 Mobilidade Sinal verde Uma das cidades mais poluídas da Europa, Londres investe em ciclovias, pedágio urbano e carros elétricos para melhorar o trânsito e a qualidade de vida Luísa Gockel fotos: Transport for London Em geral, as pessoas conhecem e percebem a cidade onde vivem quando estão em movimento seja a caminho da escola, do trabalho ou ao se deslocarem para ter acesso a áreas de comércio e serviços em geral. Por isso a forma como a população se locomove nos grandes centros urbanos é um dos maiores desafios das metrópoles do século 21. E a cidade que tem o metrô mais antigo do mundo mostra que tradição e inovação podem andar juntas quando o assunto é mobilidade urbana. Com planejamento, investimento e a ajuda da população, Londres vem evoluindo rapidamente para oferecer um sistema de transporte mais sustentável, acessível e eficiente. Se estivesse localizada no Brasil, Londres com uma população de mais de 8 milhões de pessoas seria o segundo maior município do país e só ficaria atrás de São Paulo, com mais de 11 milhões de habitantes. Em termos de transporte, os desafios que as grandes cidades brasileiras e a capital inglesa enfrentam são semelhantes, como junho/dezembro

20 fotos: Transport for London congestionamento e poluição do ar. A grande diferença está na estratégia bem-sucedida que Londres tem adotado na última década: uma combinação da diminuição do uso de veículos particulares com a ampliação do sistema público de transporte. A fórmula parece simples, mas colocá-la em prática nas cidades brasileiras implicaria uma mudança cultural grande. O modelo brasileiro de transporte foi moldado nas décadas de 1950 e 1960 e prioriza o carro particular em detrimento de pedestres, ciclistas e do transporte público em geral. Há exceções e algumas capitais já são reconhecidas por suas inovações, como é o caso de Curitiba, no Paraná, com seus corredores de ônibus. No entanto a maioria das grandes cidades brasileiras ainda sofre com sistemas de transporte ultrapassados, pouco integrados e que não valorizam opções mais sustentáveis, como a bicicleta. Conhecer a forma criativa e eficiente como Londres tem vencido esses desafios pode servir de inspiração. Pedestres e ciclistas em uma cidade medieval Se é possível em Londres, é possível em qualquer lugar. Segundo Philipp Rode, pesquisador da London School of Economics and Political Science (Escola de Ciências Econômicas e Políticas de Londres LSE) e diretor executivo do programa LSE Cities (Cidades LSE), um centro de estudos dedicado à sociedade urbana contemporânea, a capital inglesa é uma das poucas cidades no mundo que não passaram por nenhuma grande mudança em termos de distribuição das ruas desde o século 19. Especialmente no centro, ainda é possível observar a antiga distribuição medieval. Como resultado, após os carros terem sido integrados a essa área, pedestres e ciclistas ficaram sem espaço, explica o pesquisador. Para vencer esse desafio, a prefeitura tem feito muitas obras para adaptar a cidade à nova era, como a ampliação de calçadas, a construção de pontes e a adição de mais faixas para pedestres. Segundo Rode, se levarmos em consideração o plano da cidade há alguns anos, já é possível notar os avanços. De acordo com o Departamento de Transporte de Londres (TfL, do inglês Transport for London), 25 milhões de viagens são realizadas a cada dia no sistema público. Esse número inclui residentes e a chamada população diurna, cerca de 1 milhão de turistas, visitantes e trabalhadores que não vivem na cidade, mas utilizam o sistema público de transporte todos os dias. As jornadas feitas a pé correspondem a 25% do total de viagens e são levadas muito a sério pelo TfL. No website da organização é possível planejar qualquer trajeto e visualizar várias opções, combinando diferentes meios de transporte, 20 Senac Ambiental

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!!

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Prefira o transporte público. Além de ser menos poluente, você evitará parte do estresse do dia-a-dia; Use bicicleta ou caminhe sempre que possível.

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 44/4 Setembro/04 Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis

Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Princípios de mobilidade para cidades inclusivas e sustentáveis Ana Nassar, ITDP Brasil Seminário Aspectos da Mobilidade Urbana SEMOB - GDF Brasília, 24 de setembro de 2015 Sobre o ITDP Organização social

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Mobilidade Urbana Sustentável

Mobilidade Urbana Sustentável Mobilidade Urbana Sustentável A Green Mobility Negócios é uma organização Inovadores ECOGERMA 2010 especializada no desenvolvimento de projetos sustentáveis com o objetivo de melhorar a mobilidade das

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

Yes, Zaqueu Proença. Sonho de

Yes, Zaqueu Proença. Sonho de Yes, Zaqueu Proença Sonho de consumo 92 nós temos ciclovias nelson toledo Aos poucos, as bikes começam a ganhar um espaço nas políticas de trânsito de diversas cidades brasileiras. Saiba onde você pode

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 1566/10 Setembro/ Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 16 anos ou mais

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!!

Combate as alterações climáticas. Reduz a tua pegada e muda o mundo!! Combate as alterações climáticas Reduz a tua pegada e muda o mundo!! O dióxido de carbono é um gás naturalmente presente na atmosfera. À medida que crescem, as plantas absorvem dióxido de carbono, que

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

Job 150904 Setembro / 2015

Job 150904 Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM

METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM METRÔ DE SÃO PAULO Gerência de Planejamento e Integração de Transportes Metropolitanos GPI / DM Sistemas Estruturais de Transporte Alta e Média Capacidade Alberto Epifani Gerente de Planejamento e Integração

Leia mais

Frotistas tecnologia 72

Frotistas tecnologia 72 tecno Frotistas 72 Por Luiz Carlos Beraldo Há opiniões controversas no mundo dos empresários brasileiros de transportes quando o assunto trata do futuro dos veículos comerciais. Alguns apostam que não

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

www.rio20.info www.uncsd2012.org

www.rio20.info www.uncsd2012.org Rio de Janeiro, Brasil 20 a 22 de junho de 2012 www.rio20.info www.uncsd2012.org A Rio+20 será uma das mais importantes reuniões globais sobre desenvolvimento sustentável de nosso tempo. No Rio, nossa

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios.

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios. Internet of Things 10 formas de utilizá-la em diversos tipos de negócios. INTRODUÇÃO As interfaces Machine to Machine (M2M) estão facilitando cada vez mais a comunicação entre objetos conectados. E essa

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis CONTEXTO No Mundo Atualmente: mais da metade da humanidade já vive em cidades 2030: 60% e 2050: 70% (ONU) Emissões de gases de efeito

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional A abertura de novos mercados criou condições para que a produção econômica mundial crescesse em mais de 150% desde 1980, com a poluição aumentando no mesmo ritmo. Amplo consenso

Leia mais

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 6ª Reunião, ocorrida em 14/ 09/ 2010

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 6ª Reunião, ocorrida em 14/ 09/ 2010 Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 6ª Reunião, ocorrida em 14/ 09/ 2010 Presentes: Fernando H. Gasperini SMDU Adriana Lopes Schneider

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO Projeção de crescimento populacional Demanda de energia mundial Impacto ao meio ambiente projeções indicam que os empregos vão CONTINUAR no centro EMPREGOS concentrados no CENTRO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini)

PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) PROJETO DE LEI Nº,de 2012 (Dos Sr. José de Filippi Júnior e Carlos Zarattini) Institui as diretrizes da Política Metropolitana de Mobilidade Urbana (PMMU), cria o Pacto Metropolitano da Mobilidade Urbana

Leia mais

Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative

Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative Workshop Internacional UN Sustainable Development Solutions Network: Rio Sustainability Initiative 24 de Junho de 2013 Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Auditório do Museu do Meio Ambiente Rio de Janeiro,

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL

A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL A LEI SOLAR DE SÃO PAULO CAMINHANDO DOS MITOS PARA A REALIDADE, A CIDADE MOSTRA UMA POLÍTICA MODERNA E REVOLUCIONARIA PARA O BRASIL O processo de elaboração, tramitação, aprovação e regulamentação da lei

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL Marcia Fernanda Pappa 1, Daiane Maria de Genaro Chiroli 2 RESUMO: As cidades podem ser estudadas como meio de sobrevivência

Leia mais

Cidade de Grenoble testa sistema público de partilha de viaturas Toyota i-road e Toyota COMS

Cidade de Grenoble testa sistema público de partilha de viaturas Toyota i-road e Toyota COMS Cidade de Grenoble testa sistema público de partilha de viaturas Toyota i-road e Toyota COMS # Grenoble, a cidade inteligente a partir de Outubro com a 'Citélib by Ha:mo', uma inovação recorrendo as últimas

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Carlos Eduardo Silva Promotor de Justiça Abr. 2015 Direito à Cidade/Mobilidade Urbana O ambiente

Leia mais

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro 1 Em apoio às campanhas Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro A Universidade Federal de Santa Catarina e a Rede

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

Jardins urbanos suspensos

Jardins urbanos suspensos Jardins urbanos suspensos Retirado do site: Mercado Ético - 16/06/2011 12:22:58 Seu nome é Jardins de Cristal (Crystal Gardens), uma referência direta à interessante combinação de vidro e verde. Mas os

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Sr. Jaime Martins) Institui o Programa Bicicleta Brasil, para incentivar o uso da bicicleta visando a melhoria das condições de mobilidade urbana. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris.

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Thiago Máximo É preciso pensar a mobilidade urbana, como um sistema. Muitas vezes a questão da circulação nas grades cidades é pensada apenas para sanar problemas

Leia mais

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP

Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo. Paulo R. Feldmann- FEA USP Mobilidade Urbana e Competidores do Motor de Combustão Interna: o desafio da eficiência versus o custo Paulo R. Feldmann- FEA USP Nossa experiência no IEE A recarga da bateria de 1 V.E. requer 24 kwh equivalente

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) O crescimento global da população vem atingindo índices cada vez maiores nos

Leia mais

Sumário resumido sobre energia

Sumário resumido sobre energia 42-28917538 I John Smith/Corbis Sumário resumido sobre energia ENERGIA! Energia faz o mundo girar. Ela faz carros, casas, escritórios, escolas e hospitais funcionarem. Sem ela, nós não teríamos formas

Leia mais

Moradia para aqueles com salário baixo e dificuldades para pagar aluguel. Os requisitos para inscrição variam grandemente.

Moradia para aqueles com salário baixo e dificuldades para pagar aluguel. Os requisitos para inscrição variam grandemente. Informações sobre o cotidiano Moradia >> Transporte >> Eletricidade, combustível e sistema de abastecimento de águas >> Coleta de lixo e reciclagem Em caso de emergência Guia para serviços de consulta

Leia mais

Campinas Território Inteligente

Campinas Território Inteligente Campinas Território Inteligente Conteúdo Conceito Dimensões da Cidade Inteligente Território Inteligente Dimensões Inspirações e projetos existentes em outras cidades Campinas Projetos de Território Inteligente

Leia mais

Evolução do congestionamento

Evolução do congestionamento Evolução do congestionamento Crescimento populacional estável Taxa de motorização crescente 2025 2005 Surgimento de novos pólos de atração de viagens Deslocamentos na cidade Rede de transporte para 2016

Leia mais

As cidades do Futuro: sustentáveis e inteligentes

As cidades do Futuro: sustentáveis e inteligentes As cidades do Futuro: sustentáveis e inteligentes Nome completo: Carlos Leite Data: 23/08/2010 Artigo Publicado na Revista AU (http://www.revistaau.com.br/ arquitetura-urbanismo/197/imprime181306.asp)

Leia mais

para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio:

para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio: BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta BH tem espaço para todos. BH tem espaço para todos #respeiteabicicleta Apoio: Índice Quando você estiver pedalando. 04 Quando você estiver dirigindo. 10 Algumas

Leia mais

Rede de Sustentabilidade Ambiental

Rede de Sustentabilidade Ambiental Rede de Sustentabilidade Ambiental A. O que está acontecendo no planeta? B. Quais os efeitos? C. Quem pode mudar? D. O que é preciso fazer? O que está acontecendo no 1.Característica da população mundial

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE SUSTENTABILIDADE 24 A 26 DE MARÇO DE 2011

FÓRUM MUNDIAL DE SUSTENTABILIDADE 24 A 26 DE MARÇO DE 2011 FÓRUM MUNDIAL DE SUSTENTABILIDADE 24 A 26 DE MARÇO DE 2011 FÓRUM MUNDIAL DE SUSTENTABILIDADE 2011 24 a 26 de março 2011 MANAUS - AMAZONAS BRASIL INICIATIVA REALIZAÇÃO O Fórum Mundial de Sustentabilidade,

Leia mais

GUIA DE GESTÃO DE FROTAS SUSTENTÁVEIS

GUIA DE GESTÃO DE FROTAS SUSTENTÁVEIS GUIA DE GESTÃO DE FROTAS SUSTENTÁVEIS 1 INTRODUÇÃO Existe um consenso científico segundo o qual a mudança climática é impulsionada por aumentos das emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem,

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

MOBILIDADE X ACESSIBILIDADE CARRO X ÔNIBUS FLEXIBILIDADE E CAPACIDADE. A mecânica funcional" da problemática ambiental urbana

MOBILIDADE X ACESSIBILIDADE CARRO X ÔNIBUS FLEXIBILIDADE E CAPACIDADE. A mecânica funcional da problemática ambiental urbana MOBILIDADE X ACESSIBILIDADE A Mobilidade Urbana como fator de qualidade de vida nas cidades Arq. Simone Costa I-ce, Interface for Cycling Expertise (www.cycling.nl) Mini-curso IFF, Outubro 2009 Lentino,

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro Paulo S.

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU Adriele Borges da Silva¹; Tatiana Romani Moura²; RESUMO: O presente trabalho tem por finalidade apresentar um estudo e

Leia mais

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana

Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana Desafios para Melhoria da Mobilidade Urbana O Desafio da CET 7,2 milhões de veículos registrados 12 milhões de habitantes 7,3 milhões de viagens a pé 156 mil viagens de bicicleta 15 milhões de viagens

Leia mais

INFRAESTRUTURA CICLOVIÁRIA EM LARANJEIRAS E COSME VELHO

INFRAESTRUTURA CICLOVIÁRIA EM LARANJEIRAS E COSME VELHO INFRAESTRUTURA CICLOVIÁRIA EM LARANJEIRAS E COSME VELHO Proposta para criação de infraestrutura na Região... Apresentação Assim como as pessoas que as povoam, as cidades e seus elementos tem vida própria,

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim SUSTENTÁVEL Unidade Senac: Santa Cecília Data: 24/08/2015 Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim Imagem retirada de Debate de Bolso, em http://debatedebolso.com. Creative Commons BY-NC-ND 3.0 Plataforma

Leia mais

DEFESA DE DISSERTAÇÃO

DEFESA DE DISSERTAÇÃO Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica Mestrado DEFESA DE DISSERTAÇÃO Jilmar Augustinho Tatto jilmar.tatto@uol.com.br COMISSÃO JULGADORA Professor Dr. Eduardo Mário Dias (Orientador) Professor

Leia mais

Belo Horizonte: em direção à

Belo Horizonte: em direção à Belo Horizonte: em direção à mobilidade d sustentável tá INDICADORES DA MOBILIDADE URBANA EM BELO HORIZONTE 3,8 milhões de viagens/dia, 44% pelo transporte coletivo 6,3 milhões viagens/dia na RMBH 1,6

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

PLANO DE SUSTENTABILIDADE

PLANO DE SUSTENTABILIDADE PLANO DE SUSTENTABILIDADE Rock in Rio 2013 O QUE NOS MOVE Temos que assumir não só as nossas próprias responsabilidades mas um compromisso coletivo, enquanto cidadãos e profissionais, em cada atividade

Leia mais

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO A economia verde Às vésperas da Conferência de Copenhague, a maior discussão global sustentabilidade desde o Protocolo de Kyoto, empresas e governos de todo o mundo têm uma certeza: quem não se adaptar

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA Documento referendado pela plenária da I Conferência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia. O momento mais importante de qualquer reflexão sobre os problemas de uma cidade é

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a com maior frequência na Europa Manifesto da ECF para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 - Versão breve ECF

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Soluções analíticas em transporte Promovemos a eficiência, reduzimos o congestionamento e levamos as pessoas de maneira mais rápida onde desejam ir.

Soluções analíticas em transporte Promovemos a eficiência, reduzimos o congestionamento e levamos as pessoas de maneira mais rápida onde desejam ir. Soluções analíticas em transporte Promovemos a eficiência, reduzimos o congestionamento e levamos as pessoas de maneira mais rápida onde desejam ir. Soluções analíticas em transporte Promovemos a eficiência,

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O COMÉRCIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA

ORIENTAÇÕES PARA O COMÉRCIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA Muito prazer. Somos a Associação Comercial de São Paulo. A ACSP faz parte da vida de empreendedores de diversos tamanhos. Nós existimos para

Leia mais

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE

abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE abril/2013 CICLOVIA ZONA NORTE introdução Das temáticas de crise das grandes cidades nos dias de hoje, uma das questões mais contundentes é a mobilidade urbana. A cidade de São Paulo, metrópole que sofre

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade

IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade IX OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2007 Ambiente e Sociedade Gabarito Primeira Fase Cruzadinha Preencha as linhas da cruzadinha com as palavras ou expressões correspondentes. 1 C A R B O N O 2 A Q U E C

Leia mais

Escola Secundária Emídio de Navarro

Escola Secundária Emídio de Navarro Escola Secundária Emídio de Navarro Disciplina: Físico-química A Professora: Miquelina Santos Trabalho realizado por: - Ana Pereira nº1 - Jhenyfer Silva n.º 13 - Marta Ribas nº20 10ºCT3 Janeiro de 2010

Leia mais

[ ARQUITETURA ] [ TEXTO VERENA PARANHOS ] 1 5 2 L E T S G O B A H I A DIVULGAÇÃO

[ ARQUITETURA ] [ TEXTO VERENA PARANHOS ] 1 5 2 L E T S G O B A H I A DIVULGAÇÃO [ ARQUITETURA ] [ TEXTO VERENA PARANHOS ] DIVULGAÇÃO COMPLEXO DE VIADUTOS DO IMBUÍ Projeção apresenta como será o complexo de viadutos que vai desafogar o trânsito na Avenida Paralela. As obras foram autorizadas

Leia mais