CAPÍTULO IV - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Seção I - Das Disposição Gerais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO IV - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Seção I - Das Disposição Gerais"

Transcrição

1 CAPÍTULO 12 REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO EM ÁGUAS SOB JURISDIÇAO NACIONAL (RLESTA) Em 11 de Dezembro de 1997 foi promulgada a Lei nä 9.537, que dispçe sobre a SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO em Éguas sob jurisdiñöo e dé outras providüncias. Pelo Decreto nä 2.596, de 18 de maio de 1998, a LESTA foi regulamentada pelo REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO TRÁFEGO EM ÁGUAS SOB JURISDIÇAO NACIONAL, revogando a partir de 9 de junho de 1998 o RTM (REGULAMENTO DO TRÁFEGO MARÍTIMO). Este novo regulamento passou a ser conhecido artigos do RLESTA. A propàsito deste capâtulo ä, pois, apresentar aos aprendizes os artigos do RLESTA e, eventualmente observañçes, a eles relacionadas. CAPÍTULO II - DA NAVEGAÇÃO E EMBARCAÇÃO Art. 3 A navegação, para efeito deste regulamento, é classificada como: I - Mar aberto: a realizada em Éguas marâtimas consideradas desabrigadas, podendo ser de: a) longo curso: a realizada entre portos brasileiros e estrangeiros; b) cabotagem: a realizada entre portos ou pontos do territàrio brasileiro, utilizando a via marâtima ou esta e as vias navegéveis interiores; c) interior: a realizada em hidrovias interiores, assim considerados rios, lagos, canais, lagoas, baâas, angras, enseadas e Éreas marâtimas consideradas abrigadas. Parágrafo Único: a navegañöo realizada exclusivamente nos portos e terminais aquaviérios para atendimento de embarcañöo e instalañçes portuérias ä classificada como de apoio portuário. CAPÍTULO IV - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Seção I - Das Disposição Gerais Art.7 Constitui infrañöo ãs regras do tréfego aquaviério a inobservåncia de qualquer preceito deste Regulamento, de normas complementares emitidas pela Autoridade Marâtima e de ato ou resoluñöo internacional ratificado pelo Brasil, sendo o infrator sujeito ãs penalidades indicadas em cada artigo. Art. 9 A infrañöo e seu autor seröo constatados: a) no momento em que for praticada a infrañöo; b) mediante apurañöo; c) mediante inquärito administrativo. Seção II - Das Infrações Imputáveis aos Autores Materiais e das Penalidades

2 Art. 11 Conduzir embarcação ou contratar tripulante sem habilitação para operá-la. Art. 12 Infrações relativas à documentação de habilitação ou ao controle de saúde: I - não possuir a documentação relativa à habilitação ou ao controle de saúde; II - não portar a documentação relativa à habilitação ou ao controle de saúde; e III - portar a documentação relativa à habilitação ou ao controle de saúde desatualizada. Art. 16 Infrações relativas ao registro e inscrição das embarcações: I - deixar de inscrever ou de registrar a embarcação; e II - não portar o documento de registro ou de inscrição da embarcação. Art. 17 Infrações relativas à identificação visual da embarcação e demais marcações no casco: I - efetuar as marcas de borda livre em desacordo com as especificações do respectivo certificado; II - deixar de marcar no casco as marcas de borda livre; III - deixar de marcar no casco o nome da embarcação e o porto de inscrição; e IV - deixar de efetuar outras marcações previstas. Art. 18 Infrações relativas às características das embarcações; I - efetuar alterações ou modificações nas características da embarcação em desacordo com as normas; e II - operar helipontos em desacordo com as normas. Art. 21 Infrações relativas aos requisitos de funcionamento dos equipamentos: I - equipamentos de comunicação inoperantes ou funcionando precariamente; II - equipamentos de combate a incêndio e de proteção contra incêndio inoperante ou funcionando precariamente; e III - dispositivos para embarque de prático inoperantes ou funcionando precariamente. Art. 22 Infrações referentes à normas de transporte: I - transportar excesso de carga ou apresentar-se com as linhas de carga ou marcas de borda livre submersas; II - transportar excesso de passageiros ou exceder a lotação autorizada; III - transportar carga perigosa em desacordo com as normas; IV - transportar carga no convés em desacordo com as normas; e V - descumprir qualquer oura regra prevista. Art. 23 Infrações às normas de tráfego: I - conduzir embarcações em estado de embriaguez ou após uso de substância entorpecentes ou toxica, quando não constituir crime previsto em lei;

3 II - trafegar em área reservada a banhistas ou exclusiva para determinado tipo de embarcação; III - deixar de contratar prático quando obrigatório; IV - descumprir regra do Regulamento Internacional para Evitar Abalroamento no Mar - RIPEAM; V - causar danos a sinais náuticos; VI - descumprir as regras regionais sobre tráfego, estabelecidas pelo representante local da Autoridade Marítima; VII - velocidade superior à permitida; VIII - descumprir qualquer outra regra prevista, não especificada nos incisos anteriores.

4 CAPÍTULO 13 NORMAS DA AUTORIDADE MARÄTIMA (NORMAM 03/2003) Conforme mencionado no Cap. 9, a Lei nä 9.537, de 11 de dezembro de 1997 que dispçe sobre a SEGURANÅA DO TRÇFEGO AQUAVIÇRIO e dé outras providüncias foi regulamentada pelo REGULAMENTO DE SEGURANÅA DO TRÇFEGO AQUAVIÇRIO (RLESTA) e atraväs de Portaria Ministerial foi delegada ao DIRETOR DE PORTOS E COSTAS para que elaborasse normas e executasse añçes previstas no Art. 4Ñ da LESTA. Dentre as diversas NORMAS da Autoridade Marâtima a de nä 03 ä aquela que tem como propösito: Estabelecer normas sobre embarcaüáes de esporte, recreio, lazer e atividades correlatadas, visando prevenir a ocorrància de acidentes de navegaüâo, contribuindo desta forma para evitar riscos ä vida humana e a poluiüâo ambiental. As presentes NORMAS deveröo ser observadas por todas as embarcañçes e equipamentos classificados na atividade de esporte e recreio. EmbarcaÑÖo ou equipamento de esporte e recreio ä aquela aprestada por amador, pessoa fâsica ou jurâdica, em seu nome ou responsabilidade, para sua utilizañöo na prãtica de esporte ou lazer, pondo-a ou retirando-a da navegañöo por sua pràpria conta. DEFINIÇÕES Amador - Todo aquele com habilitañöo certificada pela Autoridade Marâtima para operar embarcañçes de esportes e recreio, em caréter nöo-profissional. Comandante - ç a designañöo genärica de quem comanda a embarcañöo. ç o responsével por tudo o que diz respeito ã embarcañöo, seus tripulantes e demais pessoas a bordo. Em embarcañçes de esporte e recreio, a palavra capitöo, embora nöo prevista na legislañöo, pode designar o Comandante em face da designañöo de uma categoria de amadores. EmbarcaÜáes Miådas - SÖo consideradas embarcañçes miédas quaisquer tipos de embarcañçes menores ou iguais a cinco metros de comprimento, que disponham de propulsöo pràpria a motor, sujeitas ã inscriñöo. InscriÜâo - Inscrição de uma embarcação é o seu cadastramento na Capitania, Delegacia ou Agência, com a atribuição do número de inscrição e a expedição do respectivo Título de Inscrição de Embarcação (TIE). Proprietãrio - ç a pessoa fâsica ou jurâdica em nome de quem a embarcañöo esté inscrita numa Capitania, Delegacia ou AgÜncia e, quando legalmente exigido, cadastrada no registro da Propriedades Marâtima, no Tribunal Marâtimo. Registro - Registro da embarcação é o seu cadastramento no tribunal Marítimo, com a atribuição do número de registro e a competente expedição da Provisão de Registro da Propriedade Marítima (PRPM).

5 Tripulante - Todo amador ou profissional que exerce funções, embarcado, na operação da embarcação. APREENSÃO DA EMBARCAÇÃO As embarcações serão apreendidas, sem prejuízo das penalidades previstas, quando flagradas nas seguintes situações: a) navegando em área para a qual não foi classificada; b) conduzida por pessoal sem habilitação; c) trafegando sem o TIE; d) sendo utilizada para a prática de crime; e) trafegando sem luzes e marcas previstas nas normas em vigor; f) trafegando em péssimo estado de conservação; g) quando deixar de atender determinação para interromper a singradura; h) em caso de violação de lacre da Capitania, Delegacia ou Agência; i) quando sendo classificada como de esporte e recreio estiver sendo utilizada comercialmente para o transporte de passageiros ou carga ou turismo e diversão; j) quando descumprindo as restrições estabelecidas para as áreas seletivas para a navegação; k) trafegando em área de segurança; e l) quando estiver sendo conduzida por pessoal em estado de embriaguez ou sob efeito de substância tóxica de qualquer natureza. APREENSÃO DA CARTEIRA DE HABILITAÇÃO O amador terá sua carteira de habilitação apreendida, sem prejuízo das penalidades previstas, quando: entregar a condução da embarcação a pessoa não habilitada; conduzir a embarcação em estado de embriaguez ou sob efeito de substância tóxica de qualquer natureza; utilizar comercialmente a embarcação de esporte e recreio para transporte de passageiro ou carga; e utilizar a embarcação para a prática de crime. USO DA BANDEIRA NACIONAL Toda embarcação de esporte e recreio, exceção feita as embarcações miúdas deverá ainda observar as regras do Cerimonial Marítimo em relação ao uso da Bandeira Nacional. Entre tais regras ressaltamos as seguintes: - só usar na Popa a Bandeira Nacional, - a bandeira Nacional será usada obrigatoriamente: na entrada e saída dos portos; quando trafegando à vista de outra embarcação, de povoação ou farol com guarnição; em porto nacional das 8 horas ao pôr-do-sol e, em porto estrangeiro, acompanhando o cerimonial do respectivo país; - o cumprimento entre embarcações é feito içando e arriando a Bandeira Nacional; - é proibido o uso da Bandeira Nacional fora das especificações previstas em lei ou que não se encontre em bom estado de conservação;

6 - embandeirar a embarcañöo em grande gala, pequena gala ou funeral nas datas previstas, que söo: Grande Gala: 7 de Setembro e 15 de Novembro; Pequena Gala: 1Ä de Janeiro, 21 de Abril, 1Ä de Maio, 11 de Junho, 19 de Novembro, 13 de Dezembro e 25 de Dezembro; e Funeral: 2 de Novembro. CAPÍTULO 14 BALIZAMENTO Definição Pode ser definido como conjunto de regras aplicadas a todos os sinais fixos e flutuantes que tüm propàsito indicar: os limites laterais dos canais navegéveis; os perigos naturais e outras obstruñçes, entre as quais os cascos soñobrados; outras zonas ou acidentes marâtimos importantes para o navegante; e os novos perigos. TIPOS DE SINAIS O sistema de balizamento compreende cinco tipos de sinais que podem inclusive ser usados em combinañöo. SÖo eles: Os sinais laterais cujo emprego esté associado a um sentido convencional de balizamento. Eles geralmente söo utilizados para os canais bem definidos. Esses sinais indicam os lados de Boreste e Bombordo do caminho a seguir. Quando um canal se divide, um sinal lateral pode ser utilizado para indicar o caminho que conväm ser preferencialmente seguido. Na regiöo B, regiöo do Brasil, o vermelho indica Boreste e o verde indica Bombordo, daâ se dizer que: quem vem do mar entra em um canal dando Boreste para o sinal vermelho e Bombordo para sinal verde. Os sinais cardinais, cujo emprego (como no uso de uma agulha) serve para indicar ao navegante onde (em que direñöo) a embarcañöo pode encontrar Éguas seguras. Os sinais de perigo isolado indicando os perigos isolados, de tamanho limitado, que devem ser entendidos como aqueles em torno dos quais as Éguas söo seguras. Os sinais de águas seguras indicando que em torno de tais sinais as Éguas söo seguras (como por exemplo um sinal de meio de canal). Os sinais especiais que, sem terem como principal propàsito o auxâlio ã navegañöo, indicam uma Érea ou caracterâstica especial mencionada nos documentos néuticos e que söo normalmente de importåncia para o navegante. Os sinais especiais söo sempre amarelos e, inclusive, quando luminosos, exibem tambäm luz amarela.

7 * Bóia - é todo dispositivo flutuante exibindo luz ou não (bóia luminosa ou cega). * Baliza - é uma haste de ferro, ou de cimento armado, desprovida de luz, encimada por um tope que permitirá sua caracterização segundo a forma que apresentar (disco, esfera, retângulo, triângulo etc).

8

9

10

11 CAPÍTULO 15 CARTA NÁUTICA O Que é uma Carta Náutica? A carta náutica nada mais ä do que a representañöo em uma Érea plana de um trecho da superfâcie da Terra. Tal representañöo, obviamente, seré em uma escala conveniente e por ser náutica, apresentaré a parte de águas e de litoral, com muito maiores informañçes do que um mapa que se ocupa quase que unicamente, da parte terrestre da superfâcie de nosso planeta. A carta náutica aläm de possibilitar a visualizañöo de nossa posiñöo e do rumo em que navegamos, dé tambäm informañçes sobre perigos, profundidade e auxílios que permitem um navegar mais seguro da embarcañöo. A Orientação das Cartas Com raras exceñçes, quase todas ligadas a cartas fluviais e lacustres, o norte (N) esté sempre na direñöo da parte superior e o sul (S) na direñöo da parte inferior da carta; consequentemente o leste (E) esté ã direita e o oeste (W) esquerda. Informação: As categorias amadoras de Arrais e de Veleiro, que sà podem navegar em Éguas interiores e/ou Éguas abertas nas proximidades da barra dos portos, em limites fixados pelo CapitÖo dos Portos em cada local, sà usaröo cartas de grande escala, ou seja, ricas em detalhes, particularmente aqueles de balizamento uma vez que a navegañöo que fazem ä, fundamentalmente, uma navegañöo prética reconhecendo pontos e determinado seus rumos atraväs de tal reconhecimento. Edição das Cartas Náuticas No Brasil todas as cartas oficiais söo produzidas pela Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN) da Marinha do Brasil. A utilizañöo de uma carta néutica deveré sempre ser acompanhada da seguinte publicañçes: Carta Sâmbolos, Abreviaturas e Termos usados nas cartas néuticas brasileiras.

12 QUESTIONÁRIO ARRAIS AMADOR RIPEAM MARQUE COM UM X A RESPOSTA CORRETA 1) Qual a finalidade do RIPEAM? a) regulamentar as manobras, luzes de navegação e de condições especiais, em águas de jurisdição nacional b) evitar o abalroamento no mar, utilizando-se regras internacionais de navegaäåo, luzes e marcas e ainda sinais sonoros c) evitar o abalroamento em águas nacionais através de regras de governo e navegação, luzes, marcas e sinais sonoros d) evitar a colisão em mar aberto, em águas internacionais, através de regras de governo, luzes, marcas e sinais sonoros 2) Na situaäåo de roda a roda ou seja as embarcaäñes deveråo manobrar da seguinte forma: a) proa com proa, as duas guinam para boreste b) rumos cruzados, as duas guinam para boreste c) rumos cruzados, as duas guinam para os bordos opostos d) proa com proa, as duas guinam para os bordos opostos 3) Na situaäåo de rumos cruzados, quem tem preferöncia de passagem? a) nenhuma delas, as duas guinam para os bordos opostos b) a que está com maior velocidade c) a que tem maior tonelagem, ou seja, maior porte (tamanho) d) a que avistar a outra pelo seu bombordo, isto Ü, a que vö a luz verde 4) Uma embarcaäåo alcanäando a outra tem preferöncia de passagem, ou nåo, e como deve se proceder tal manobra? a) não, a que está com menor velocidade, a frente da outra, deverá manobrar para dar passagem a que está alcançando b) sim, a que está com menor velocidade, a frente da outra, deverá manobrar para dar passagem a que está alcançando c) nåo, a que está com maior velocidade, alcanäadora, deverá manobrar para passar pela outra, à frente

13 d) sim, a que está com maior velocidade, alcançadora, deverá manobrar para passar pela outra, à frente 5) Um veleiro e uma lancha vinham navegando em rumos cruzados, tendo preferöncia de passagem, o veleiro nåo manobrou e esperou que a lancha guinasse, enquanto se aproximava rapidamente dela. Houve uma colisåo das duas embarcaäñes. Podemos concluir que: a) o veleiro estava certo e portanto não teve culpa nenhuma no acidente, cabendo total responsabilidade à lancha b) a lancha estava errada e portanto deveria ter manobrado com antecedência, porém o veleiro deve se manter longe de outras embarcações a motor, o que dificultou a análise da culpa c) as duas deveriam ter guinado para os bordos opostos conforme manda a regra, no caso previsto independente da preferência de passagem em função do tipo de operação ou de embarcação d) apesar da lancha ter errado por nåo manobrar, para evitar o acidente, o veleiro nåo pode ser isentado de culpa pois, a embarcaäåo que tem preferöncia deverá manobrar para evitar a colisåo, caso a outra, obrigada a manobrar, nåo o faäa. 6) No rio onde duas lanchas de esporte e recreio navegam em rumos opostos como deverá ser a manobra e quem tem preferöncia? a) a que vem a favor da corrente deverá se posicionar no meio do rio e a outra na sua margem direita, sendo que a que vem a favor da corrente tem preferência b) a que vem contra a corrente deverá se posicionar no meio do rio e a outra na sua margem direita, sendo que a que vem contra a corrente tem preferência c) a que vem a favor da corrente deverá se posicionar no meio do rio e a outra na sua margem de boreste, sendo que a que vem a favor da corrente tem preferöncia d) a que vem contra a corrente deverá se posicionar na margem de bombordo mais próxima, e a outra no meio do rio, não havendo preferência de manobra entre elas 7) Em canais estreitos as embarcaäñes devem: a) navegar pela margem mais próxima a seu bombordo e sempre manobrar para boreste quando verificar o risco de colisão.

14 b) navegar pela margem mais próxima a seu boreste e sempre manobrar para boreste quando verificar o risco de colisão c) navegar pela margem mais próxima a seu bombordo e sempre manobrar para bombordo quando verificar o risco de colisão d) navegar pela margem mais próxima a seu boreste e sempre manobrar para bombordo quando verificar o risco de colisão 8) Com relação a preferência de manobra, uma embarcação à vela deverá manterse fora do caminho de todas as listadas abaixo, exceto: a) uma embarcação engajada na pesca b) uma embarcação a motor c) uma embarcação com capacidade de manobra restrita d) uma embarcação sem governo 9) As luzes de navegação mais comuns, em embarcação de esporte e recreio são: a) uma luz branca no mastro a vante, uma luz branca no mastro de ré, mais alta que a de vante, uma luz de alcançando a ré, branca, luzes, verde a boreste e encarnada (vermelha) a bombordo b) uma luz branca a vante, uma luz branca a ré, luzes verde a boreste e encarnada (vermelha) a bombordo c) uma luz branca a vante, uma luz de alcançado branca, luzes verde e encarnada (vermelha), combinadas d) uma luz branca a vante, uma luz branca a ré, uma luz de alcançado branca, luzes verde e encarnada (vermelha), combinadas 10) Um apito curto significa: a) estou dando atrás b) estou guinando para boreste e) estou guinando para bombordo d) estou parando máquinas 11) Dois apitos longos seguidos de dois curtos significam: a) estou dando atrás b) estou ultrapassando por boreste

15 c) estou ultrapassando por bombordo d) estou parando máquinas 12) Uma embarcação sem governo tem preferência em relação à: a) uma embarcação à vela b) uma embarcação com capacidade de manobra restrita c) uma embarcação engajada na pesca d) todas as embarcações citadas 13) Uma embarcação à vela tem preferência em relação à: a) uma embarcação a motor b) uma embarcação com capacidade de manobra restrita c) uma embarcação engajada na pesca d) uma embarcação sem governo 14) Embarcação com uma luz branca onde melhor possa ser vista: a) está fundeada b) está sem governo c) está com carga perigosa d) está navegando 15) Embarcação com reboque de menos de 200 metros de comprimento deverá exibir: a) uma luz branca no mastro b) duas luzes brancas no mastro c) três luzes brancas no mastro d) quatro luzes brancas no mastro 16) Se eu avistar uma embarcação de grande porte, à noite, exibindo uma luz encarnada (vermelha) no alto do mastro, devo tomar mais cuidado com qualquer possibilidade de aproximação, pois... a) ela está fundeada b) ela está sem governo c) ela carrega cargas perigosas d) ela tem preferência, pois está com capacidade de manobra restrita 17) Se durante o dia eu avistar uma embarcação com um balão preto no mastro, ela deverá estar: a) engajada em pesca de arrasto b) sem governo

16 c) pairando sob máquinas d) fundeada 18) Em curvas de rios ou canais estreitos, onde a visibilidade é prejudicada eu posso dar: a) um apito longo para chamar atenção b) dois apitos curtos para chamar atenção c) um apito longo seguido de um apito curto para indicar que vou fazer a curva d) dois apitos longos para indicar que vou fazer a curva 19) Uma embarcação menor de 50 metros, quando fundeada, apresenta: a) na parte de vante, luz circular branca e na parte de ré, luz circular branca mais baixa que a de vante b) apenas uma luz circular branca onde melhor possa ser vista c) duas (2) luzes circulares encarnadas verticalmente d) três (3) luzes circulares encarnadas verticalmente, onde melhor possam ser vistas 20) Uma luz branca que é vista pela popa de uma embarcação 67,5 º para a esquerda e para a direita, é chamada de: a) luz de popa b) luz de alcançado c) luz de ré d) todas as afirmativas acima estão corretas 21) Uma luz de mastro é branca e visível em um arco de... a) 67,5 º para a esquerda (bombordo) b) 67,5 º para a direita (boreste) c) 135 º d) 225 º da proa para os bordos 22) A luzes determinadas pelo Ripeam... a) ajudam o navegante a ver para onde está indo b) necessitam estar permanentemente ligadas c) podem ser exibidas do por ao nascer do sol d) deve ser exibidas durante períodos de visibilidade restrita e durante todo o período do por ao nascer do sol Cartas Náuticas

17 1) AS COORDENADAS DE UM PONTO, NA CARTA NÁUTICA, SÃO: a) as latitudes e longitudes deste ponto b) a direção e o sentido do seu movimento c) as marcações nas escalas laterais da carta d) as marcações nas escalas, superior e inferior da carta 2) O que utilizamos, na carta náutica, para direcionar nosso rumo? a) escala b) pontos notáveis c) rosa-dos-ventos d) marcas de profundidade 3) O que vem a ser rumo da embarcação e qual o instrumento de navegação mais usado para traçá-lo, na carta náutica? a) direção que um navegador toma para, a partir de um ponto qualquer, chegar a outro. Régua paralela b) direção que um navegador toma entre dois pontos. Esquadro de navegação c) distância entre dois pontos na carta náutica. Régua paralela d) distância entre dois pontos na cana náutica Compasso de navegação 4) Os rumos, nas cartas náuticas, variam de 000 à 360 e são orientados a partir de um ponto de partida, até o ponto de chegada. Qual o instrumento de navegação que é utilizado para medir as distâncias entre estes pontos? a) régua paralela b) esquadro de navegação c) sextante d) compasso de navegação 5) O navegador deverá utilizar cartas náuticas de que escala, para obter maiores detalhes e uma navegação segura, em trechos de águas interiores? a) pequena escala b) grande escala

18 c) escala com grande denominador d) média escala 6) Qual a publicação que explica e mostra o significado de todos os símbolos e abreviaturas contidos nas cartas náuticas? a) Carta Internacional de Símbolos b) Carta de Símbolos Náuticos c) Carta , Símbolos, Abreviaturas e Termos d) Código Internacional de Sinais 07) Para trabalharmos com uma carta náutica é comum consultarmos também: a) Almanaque náutico, Tábua ABC e Tábua de Marés b) Tábua de Marés, Lista de Faróis e Tábua Radler c) Lista de faróis, Lista de Auxílios Radio e Tábuas de Marés d) nenhuma das respostas acima Combate a Incêndio 1) Só haverá fogo quando: a) houver o combustível, o comburente e o agente extintor b) ocorrer a presença de três elementos do triângulo do fogo: o oxigênio, o comburente e a temperatura de ignição c) ocorrer a presença de três elementos do triângulo do fogo: o oxigênio, o combustível e o comburente d) ocorrer a presença de três elementos do triângulo do fogo: o comburente, o combustível e a temperatura de ignição 2) A combustão é: a) a queima de substâncias sólidas, líquidas ou gasosas, na presença de ar atmosférico (oxigênio) b) a queima de substâncias combustíveis, na presença de altas temperaturas ambientes c) a reação de combustível e oxigênio, ao se encontrarem

19 d) a elevação de temperatura, devido a uma reação de um elemento combustível com outro 3) O que vem a ser o combustível? a) elemento da natureza capaz de se queimar na presença de oxigênio b) elemento que reage com outros, para evitar a combustão c) elemento que oferece risco de explodir d) elemento natural, que gera altas temperaturas, ao entrar em contato com o ar atmosférico 4) São equipamentos de combate a incêndios mais comumente encontrados a bordo das embarcações de esporte e recreio: a) mangueira e esguichos b) sistemas fixos de CO 2 c) ampolas de halon d) extintores portáteis 5) Extintores portáteis são: a) equipamentos de combate a incêndio, que utilizam os agentes extintores para apagar o fogo b) equipamentos de combate a incêndio, que utilizam o comburente para apagar o fogo c) equipamentos de apoio ao controle de avarias d) equipamentos de extinção de incêndios, somente da classe A

Balizamento. Baliza Haste de ferro,cimento ou outros materiais que orientam os navegantes durante o dia

Balizamento. Baliza Haste de ferro,cimento ou outros materiais que orientam os navegantes durante o dia Balizamento São situações normalmente indicadas por balizamento os perigos naturais, limites laterais dos canais, zonas de acidentes marítimos importantes e novos perigos. São sinais de balizamento: sinais

Leia mais

SUPLEMENTO Arrais-Amador No final deste suplemento você tem uma prova com 40 questões, nos mesmos moldes da prova da Marinha.

SUPLEMENTO Arrais-Amador No final deste suplemento você tem uma prova com 40 questões, nos mesmos moldes da prova da Marinha. SUPLEMENTO Arrais-Amador No final deste suplemento você tem uma prova com 40 questões, nos mesmos moldes da prova da Marinha. LEGISLAÇÃO NÁUTICA 1) Todo material e equipamento destinado a segurança da

Leia mais

WORKSHOP DNPM NRM 03 LAVRAS ESPECIAIS DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL. 3.1 Lavras com Dragas Flutuantes

WORKSHOP DNPM NRM 03 LAVRAS ESPECIAIS DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL. 3.1 Lavras com Dragas Flutuantes WORKSHOP NRM NORMAS REGULAMENTADORAS DA MINERAÇÃO ESPECIFICIDADE NA INDÚSTRIA DE AREIA E BRITA DNPM DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL NRM 03 LAVRAS ESPECIAIS 3.1 Lavras com Dragas Flutuantes PALESTRANTE:

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 9.537, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1997 O Presidente da República Dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário em águas sob jurisdição nacional e dá outras providências. DOU 12.12.97 Faço saber que o

Leia mais

Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) DECRETO No 2596, DE 18 DE MAIO DE 1998.

Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) DECRETO No 2596, DE 18 DE MAIO DE 1998. Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) DECRETO No 2596, DE 18 DE MAIO DE 1998. Regulamenta a Lei no 9.537, de 11 de dezembro de 1997, que dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário

Leia mais

REGULAMENTO PARA PREVENIR ABALROAMENTOS NA HIDROVIA PARAGUAI-PARANÁ (Porto Cáceres - Porto de Nova Palmira) (Aprovado pela XVª Reunião do CIH) ÍNDICE

REGULAMENTO PARA PREVENIR ABALROAMENTOS NA HIDROVIA PARAGUAI-PARANÁ (Porto Cáceres - Porto de Nova Palmira) (Aprovado pela XVª Reunião do CIH) ÍNDICE REGULAMENTO PARA PREVENIR ABALROAMENTOS NA HIDROVIA PARAGUAI-PARANÁ (Porto Cáceres - Porto de Nova Palmira) (Aprovado pela XVª Reunião do CIH) ÍNDICE Assunto Página 1. PARTE A - GENERALIDADES 3 2. Regra

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO APRESENTAÇÃO PARA A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS E AFINS - FNTTAA 15/09/2010 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA

Leia mais

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA 1) - Normas Gerais de Circulação e Conduta: a)- Trânsito é a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação,

Leia mais

EMPREGO DE LINHAS DE POSIÇÃO DE SEGURANÇA

EMPREGO DE LINHAS DE POSIÇÃO DE SEGURANÇA 7 Emprego de linhas de posição de segurança EMPREGO DE LINHAS DE POSIÇÃO DE SEGURANÇA 7.1 CONCEITO DE NAVEGAÇÃO DE SEGURANÇA O emprego de linhas de posição (LDP) como limite de segurança é comum em navegação

Leia mais

0504 - PROCEDIMENTOS PARA HABILITAÇÃO

0504 - PROCEDIMENTOS PARA HABILITAÇÃO CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES 0501 - APLICAÇÃO Este capítulo estabelece as categorias de amadores, sua correspondência com categorias profissionais, dos procedimentos para habilitação,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 001/2013

RESOLUÇÃO N.º 001/2013 RESOLUÇÃO N.º 001/2013 Regulamenta os cursos técnicos da Modalidade do Mar, os distintivos de adultos da Modalidade do Mar, as Coordenações Regionais de Escoteiros do Mar e dá sugestões para a padronização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO 1 REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO Aprovado pelo Ato Deliberativo nº 003/2001 Reunião 20.06.01 Do Objetivo Art. 1º - Estabelecer norma reguladora para utilização das dependências, dos equipamentos,

Leia mais

Caro Amigo (a) Grato por escolher a mais moderna maneira de estudar e de ter como arquivo os principais procedimentos de um bom marinheiro Esta

Caro Amigo (a) Grato por escolher a mais moderna maneira de estudar e de ter como arquivo os principais procedimentos de um bom marinheiro Esta Caro Amigo (a) Grato por escolher a mais moderna maneira de estudar e de ter como arquivo os principais procedimentos de um bom marinheiro Esta apresentação é mínima, pois todo o CD contem mais de 230

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO O Governo decreta, nos termos da alínea d) do artigo 116.º

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL A República Oriental do Uruguai e A República Federativa do

Leia mais

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO Julho 2013 PREÂMBULO A Barragem de Vascoveiro foi construída com o objetivo de fornecer água à cidade de Pinhel e a algumas freguesias do Concelho.

Leia mais

SELETIVA NACIONAL - EQUIPE PARALlMPICA DE VELA (p/barco SONAR)

SELETIVA NACIONAL - EQUIPE PARALlMPICA DE VELA (p/barco SONAR) Aviso e Instrução de Regata SELETIVA NACIONAL - EQUIPE PARALlMPICA DE VELA (p/barco SONAR) Barco de Equipe Brasília / DF, 01 a 04 de novembro de 2012 1 ORGANIZAÇÃO O campeonato será organizado pela Confederação

Leia mais

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies.

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. Navio: deriva do latim navigium; o navio é juridicamente uma coisa; no estaleiro, já possui existência real; reconhecido

Leia mais

Disciplina de Levantamentos Topográficos II 2013

Disciplina de Levantamentos Topográficos II 2013 Levantamentos Hidrográficos Disciplina de Levantamentos Topográficos II 2013 O que é um Levantamento Hidrográfico? É toda a pesquisa em áreas marítimas, fluviais, lacustres e em canais naturais ou artificiais

Leia mais

Regulamento. Regulamento de Utilização do Porto de Recreio da Calheta da. Região Autónoma da Madeira. Capítulo I. Objecto. Artigo 1.º.

Regulamento. Regulamento de Utilização do Porto de Recreio da Calheta da. Região Autónoma da Madeira. Capítulo I. Objecto. Artigo 1.º. Regulamento Regulamento de Utilização do Porto de Recreio da Calheta da Região Autónoma da Madeira Capítulo I Objecto Artigo 1.º Objecto A utilização do Porto de Recreio da Calheta, na Região Autónoma

Leia mais

NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA EMBARCAÇÕES EMPREGADAS NA NAVEGAÇÃO INTERIOR FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES

NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA EMBARCAÇÕES EMPREGADAS NA NAVEGAÇÃO INTERIOR FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA EMBARCAÇÕES EMPREGADAS NA NAVEGAÇÃO INTERIOR NORMAM-02/DPC - 2005 - NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA EMBARCAÇÕES EMPREGADAS

Leia mais

RESOLVE expedir a presente resolução, conforme articulados abaixo:

RESOLVE expedir a presente resolução, conforme articulados abaixo: RESOLUÇÃO Nº 001/99 O Conselho Estadual de Trânsito de Goiás - CETRAN-GO, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, em específico pelo artigo 14, inciso II do Código de Trânsito Brasileiro;

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA NORMAM 22/DPC

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA NORMAM 22/DPC MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA O CERIMONIAL DA MARINHA MERCANTE NACIONAL NORMAM 22/DPC - 2006 - NORMAM 22/DPC MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E

Leia mais

Coordenadoria da Moralidade Administrativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ

Coordenadoria da Moralidade Administrativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12/CMA/2008 ÁREA: ADMINISTRAÇÃO DIRETA, FUNDOS E FUNDAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ ASSUNTO: INSTRUMENTO NORMATIVO HISTÓRICO DELIBERAÇÃO VIGÊNCIA PROTOCOLO Nº DESCRIÇÃO Nº DATA A PARTIR

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA ESTABELECER CONDIÇÕES E REQUISITOS PARA CONCESSÃO E DELEGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ASSISTÊNCIA E SALVAMENTO DE EMBARCAÇÃO,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.374, DE 2012 (Do Sr. Fernando Jordão)

PROJETO DE LEI N.º 3.374, DE 2012 (Do Sr. Fernando Jordão) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.374, DE 2012 (Do Sr. Fernando Jordão) Torna obrigatória a colocação de sinalização náutica de restrição para entrada de embarcações motorizadas / Jet skis em áreas

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS

MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS Para os efeitos deste Anexo: Regra 1 Definições 1 Lixo significa todos os tipos de rejeitos de mantimentos, rejeitos domésticos

Leia mais

OZEAN ESCOLA NÁUTICA CAPÍTULO 13 NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA (NORMAM 03/2003)

OZEAN ESCOLA NÁUTICA  CAPÍTULO 13 NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA (NORMAM 03/2003) OZEAN ESCOLA NÁUTICA CAPÍTULO 13 NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA (NORMAM 03/2003) Conforme mencionado no Cap. 9, a Lei n 9.537, de 11 de dezembro de 1997 que dispõe sobre a SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO ÚNICO DE BALIZAMENTO ÍNDICE

REGULAMENTO ÚNICO DE BALIZAMENTO ÍNDICE REGULAMENTO ÚNICO DE BALIZAMENTO ÍNDICE Assunto Página 1. REGULAMENTO ÚNICO DE BALIZAMENTO. Margem 3. Margem 4. Mudança de Margem, Sinais Visuais Cegos Fixos Situados na Margem 5. Mudança de Margem, Sinais

Leia mais

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e DECRETO N o 3.607, DE 21 DE SETEMBRO DE 2000. Dispõe sobre a implementação da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção - CITES, e dá outras providências.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2013

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2013 RECOMENDAÇÃO Nº 01/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO, neste ato representado pela Promotora de Justiça da Comarca Sanclerlândia - GO, Dra. Andréia Zanon Marques Junqueira que subscreve ao final, no uso de suas

Leia mais

DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém. ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente. ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral

DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém. ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente. ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral SILAS EBENEZER DIAS RODRIGUES Diretor de Transportes EDVAN RUI PINTO

Leia mais

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem.

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar. Ceder a passagem apenas ao meu veículo. Ceder a passagem apenas ao veículo

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Viação e Transportes

Câmara dos Deputados Comissão de Viação e Transportes PROJETO DE LEI N o. 5.812, de 2013 (Apensado o PL N o 6.106, de 2013) Dispõe sobre a regulamentação da classe de Marinheiro de Esportes e Recreio. Autor: Deputado FERNANDO JORDÃO Relator: Deputado JOÃO

Leia mais

Clube de Campo de São Paulo

Clube de Campo de São Paulo REGULAMENTO DEPARTAMENTO NÁUTICO A Diretoria e o Conselho Deliberativo do Clube de Campo de São Paulo estabelecem o seguinte regulamento para o Departamento Náutico. Estas normas obedecem prioritariamente

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS LS/LA/22 999 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N 263/DPC, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2011. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Amadores, Embarcações de Esporte e/ou Recreio e para Cadastramento

Leia mais

REGRAS DE MANOBRA E SINALIZAÇÃO NÁUTICA

REGRAS DE MANOBRA E SINALIZAÇÃO NÁUTICA REGRAS DE MANOBRA E SINALIZAÇÃO NÁUTICA MARÍTIMO Sumário 1 Manobras para evitar colisão... 5 1.1 Introdução... 5 1.2 Regras manobra nas situações mais comuns... 6 1.2.1 Situação Roda a Roda... 6 1.2.2

Leia mais

Apreciado em Conselho de Ministros, em Luanda, aos 18 de Dezembro de 2013.

Apreciado em Conselho de Ministros, em Luanda, aos 18 de Dezembro de 2013. Decreto Presidencial n.º 69/14 de 21 de Março Considerando que os artigos 190.º e 191.º da Lei n.º 27/12, de 28 de Agosto, estabelecem que a prática da actividade de náutica de recreio, incluindo as regras

Leia mais

DECRETO ESTADUAL Nº 52.469, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO ESTADUAL Nº 52.469, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 DECRETO ESTADUAL Nº 52.469, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Altera a redação de dispositivos do Regulamento aprovado pelo Decreto nº 8.468, de 08 de setembro de 1976, que dispõe sobre o controle da poluição

Leia mais

NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo

NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo NBR 15514/07 e a Resolução 05/08 da ANP, entenda o que mudou. Marcelo Macedo Legislação Anterior Portaria DNC nº n 27/96 - Condições mínimas m de segurança das instalações de armazenamento de recipientes

Leia mais

ARRAIS. Outubro, 2010

ARRAIS. Outubro, 2010 4 União dos Escoteiros do Brasil Região do Paraná GRUPO ESCOTEIRO DO MAR AMIGO VELHO 16 Pr ARRAIS AMADOR Outubro, 2010 1 SUMÁRIO 1 VELEIRO, ARRAIS, MESTRES E CAPITÃES... 6 2 A EMBARCAÇÃO... 7 2.1 Direções

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.093/2000 ACÓRDÃO Comboio Integrado pelas Chatas TQ-61 / TQ-38 com o empurrador TQ-25 e o batelão areeiro ER-II. Abalroação provocando avarias e o naufrágio parcial do batelão,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº DE DE 2012. RESOLUÇÃO Nº DE DE 2012. Dispõe sobre as características, especificações e padrões técnicos a serem observados nos ônibus utilizados na operação dos serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional

Leia mais

Título : REGULAMENTO DE ESPORTES NÁUTICOS

Título : REGULAMENTO DE ESPORTES NÁUTICOS REG14 Rev.: 01 Data: 17/07/04 Pág.: 1/11 I ÍNDICE I ÍNDICE... 1 II OBJETIVO... 1 III DESCRIÇÃO... 1 III.1 INSCRIÇÃO, INGRESSO, PERMANÊNCIA, UTILIZAÇÃO E SAÍDA DE EMBARCAÇÕES.... 1 III.2 INGRESSO DE PROEIROS

Leia mais

6º Campeonato Brasileiro da Classe Velamar 22 30, 31de maio, 01 e 02 de junho de 2013 Praia Clube São Francisco Niterói RJ. Patrocínio: Apoio:

6º Campeonato Brasileiro da Classe Velamar 22 30, 31de maio, 01 e 02 de junho de 2013 Praia Clube São Francisco Niterói RJ. Patrocínio: Apoio: Patrocínio: Apoio: 01 Regras INSTRUÇÕES DE REGATA 01.1 O campeonato será regido como definidas nas Regras de Regata a Vela 2013-2016 01.2 Regras da Classe Velamar 22 01.3 A tripulação deverá ter no máximo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA

REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA HANGARAGEM DE EMBARCAÇÕES 9.1- O Iate Clube da Bahia, dependendo do espaço físico disponível, poderá aceitar para abrigo em seco, nas dependências da Sede Náutica as embarcações

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.116/99 ACÓRDÃO Moto-aquática não identificada X flutuante tipo BANANA BOAT, rebocado pela moto-aquática SPX-I. Abalroação resultando em lesões corporais de natureza grave

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08)

RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08) RESOLUÇÃO Nº 14/98 (com as alterações das Resoluções nº 87/99, nº 228/07, nº 259/07 e nº 279/08) Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências.

Leia mais

Cartas de Navegador de Recreio

Cartas de Navegador de Recreio Pessoa Coletiva de Utilidade Pública Cartas de Navegador de Recreio (Principiante, Marinheiro, Patrão Local, Patrão de Costa e Radiotelefonista Classe A VHF) Ficha de Informações A BÚZIOS Associação de

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

O XVIII Circuito Oceânico de Niterói será disputado sob as seguintes Regras e Regulamentos:

O XVIII Circuito Oceânico de Niterói será disputado sob as seguintes Regras e Regulamentos: O XVIII Circuito Oceânico de Niterói será disputado sob as seguintes Regras e Regulamentos: 1. REGRAS 1.1 O Evento será regido pelas Regras conforme definidas no Regulamento de Regatas a Vela da ISAF 2013/2016

Leia mais

Edição Número 130 de 08/07/2004. Regulamenta o art. 40 da Lei n o 10.741, de 1 o de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso), e dá outras providências.

Edição Número 130 de 08/07/2004. Regulamenta o art. 40 da Lei n o 10.741, de 1 o de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso), e dá outras providências. Atos do Poder Executivo Edição Número 130 de 08/07/2004 DECRETO N o 5.130, DE 7 DE JULHO DE 2004 Regulamenta o art. 40 da Lei n o 10.741, de 1 o de outubro de 2003 (Estatuto do Idoso), e dá outras providências.

Leia mais

Art. 1º. Fica aprovado o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/RN), anexo ao presente Decreto.

Art. 1º. Fica aprovado o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/RN), anexo ao presente Decreto. Decreto nº 16.039, de 3 de maio de 2002. Dispõe sobre o Regulamento de Uniformes do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte(RUCBM/ RN). O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando da

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van

Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van Regulamento de Utilização do Centro Náutico de Cheoc-Van 1 o Objecto 1 O acesso, a permanência e a utilização das instalações do Centro Náutico de Cheoc-Van, adiante designado por Centro, afecto ao Instituto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3284 -ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 3284 -ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 3284 -ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014. ALTERA A RESOLUÇÃO Nº 1.274- ANTAQ, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2009, QUE DISPÕE SOBRE OUTORGA DE AUTORIZAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS,

Leia mais

Regulamento. Capítulo I Direção, Objetivos e Programação.

Regulamento. Capítulo I Direção, Objetivos e Programação. Regulamento Capítulo I Direção, Objetivos e Programação. Art. 1º - O 6º Festival de Pesca de Lucas do Rio Verde-MT 6º FEST LUCAS é uma iniciativa da Prefeitura do Município de Lucas do Rio Verde por meio

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 668, DE 2015

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 668, DE 2015 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 668, DE 2015 Determina a obrigatoriedade de demarcação das áreas de pesca, lazer ou recreação das praias banhadas por mar, lagoas

Leia mais

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Apêndice I Lista de Verificação para Recebimento de Óleo Lubrificante e Retirada de Resíduos Oleosos das Embarcações. 1.0 OBJETIVO Estabelecer as orientações

Leia mais

DECRETO N.º 1.255, de 29 de setembro de 1994

DECRETO N.º 1.255, de 29 de setembro de 1994 ALONÇO, A. dos S. 1 DECRETO N.º 1.255, de 29 de setembro de 1994 Promulga a Convenção n.º 119, da Organização Internacional do Trabalho, sobre Proteção das Máquinas, concluída em Genebra, em 25 de junho

Leia mais

CAMPEONATO DO DISTRITO FEDERAL DE VELEIROS DE OCEANO (2ª ETAPA)

CAMPEONATO DO DISTRITO FEDERAL DE VELEIROS DE OCEANO (2ª ETAPA) CAMPEONATO DO DISTRITO FEDERAL DE VELEIROS DE OCEANO (2ª ETAPA) IR - INSTRUÇÕES DE REGATAS Período: 31 de outubro e 01 de novembro de 2015 Local: ICB Iate Clube de Brasília AUTORIDADES ORGANIZADORAS Federação

Leia mais

MINISTÉRIO DA MARINHA DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO ARRAIS AMADOR QUESTIONÁRIO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO 1 RIPEAM

MINISTÉRIO DA MARINHA DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO ARRAIS AMADOR QUESTIONÁRIO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO 1 RIPEAM MINISTÉRIO DA MARINHA DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO ARRAIS AMADOR QUESTIONÁRIO RIO DE JANEIRO 1996 CAPÍTULO 1 RIPEAM Marque com um X a resposta correta 1)Qual a finalidade do

Leia mais

praticagem pilotagem prático piloto

praticagem pilotagem prático piloto A praticagem (no Brasil) e pilotagem (em Portugal) é a atividade de condução de embarcações durante as manobras de atracação e desatracação nos portos e durante a travessia de áreas que apresentam restrições

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.855/2000 ACÓRDÃO B/P DONA NORIS. Interceptação e apresamento de pesqueiro venezuelano por prática de pesca não autorizada na zona econômica exclusiva brasileira, aplicação

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE PESQUISA 1. No Procedimento Operacional Padrão (POP) para a tarefa de pesquisa de avaliação/opinião, não constitui material

Leia mais

Portaria n.º 427/96 de 30 de Agosto. Equipamentos das embarcações de recreio... 3 Equipamentos de primeiros socorros... 5

Portaria n.º 427/96 de 30 de Agosto. Equipamentos das embarcações de recreio... 3 Equipamentos de primeiros socorros... 5 Portaria n.º 427/96 de 30 de Agosto Equipamentos das embarcações de recreio... 3 Equipamentos de primeiros socorros... 5 O Regulamento da Náutica de Recreio, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 329/95, de 9

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 1.280, DE 02 SETEMBRO DE 2008 (D.O.M. 03.09.2008 N. 2037 Ano IX) DISPÕE sobre o serviço de transporte de pequenas cargas em conjunto com passageiros, denominado táxi-frete, e dá outras providências.

Leia mais

EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A.

EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A. EMPRESA NACIONAL DA ADMINISTRAÇÃO DE PORTOS S.A. REGULAMENTO DE ACESSO, CIRCULAÇÃO E ESTACIONAMENTO NOS PORTOS DE CABO VERDE Preambulo Com a entrada em vigor do Código ISPS nos Portos da Praia, Mindelo

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público CTASP. Projeto de Lei n. 1685, de 2003. EMENDA SUBSTITUTIVA N.

Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público CTASP. Projeto de Lei n. 1685, de 2003. EMENDA SUBSTITUTIVA N. Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público CTASP Projeto de Lei n. 1685, de 2003. Dispõe sobre o reconhecimento da profissão de guarda-vidas. EMENDA SUBSTITUTIVA N. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO 1. O QUE É O ISPS - CODE Trata-se de uma nova estrutura de normas internacionais, elaboradas pela Organização Marítima Internacional (IMO), pertencente à Organização das Nações Unidas (ONU) e aprovada

Leia mais

CLUBE NAVAL DE SANTA MARIA

CLUBE NAVAL DE SANTA MARIA CLUBE NAVAL DE SANTA MARIA INSTRUÇÕES DE REGATA ORGANIZAÇÃO A Entidade Organizadora Clube Naval de Santa Maria, estabelece estas Instruções de Regata para a Prova do Campeonato Vela de Santa Maria 2ª PCV

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MC/CR/13/I DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA Nº 45/DPC, DE 28 DE MARÇO DE 2007. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Aquaviários - NORMAM-13/DPC. O DIRETOR DE PORTOS E COSTAS, no uso das atribuições

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 58/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 58/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 58/X Exposição de Motivos Portugal é parte da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, assinada em 10 de Dezembro de 1982, e do Acordo Relativo à Aplicação da Parte XI da

Leia mais

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Estabelece normas para facilitar o acesso dos portadores de deficiência física aos edifícios de uso público, de acordo com o estabelecido no art. 227 da Constituição

Leia mais

Índice. Capitulo I Disposições Gerais. pág.1. Capitulo II Disposições Técnicas... pág.1. Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes... pág.

Índice. Capitulo I Disposições Gerais. pág.1. Capitulo II Disposições Técnicas... pág.1. Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes... pág. Regras e Normas Competitivas - Época 2015 Índice Capitulo I Disposições Gerais. pág.1 Capitulo II Disposições Técnicas..... pág.1 Capitulo III Renovação e Filiação de Clubes... pág.1 Capitulo IV Filiação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de ondulações transversais (lombadas físicas) em vias públicas, disciplinadas pelo Parágrafo único do art. 94 do Código de

Leia mais

Campeonato Nacional Access 2016

Campeonato Nacional Access 2016 Campeonato Nacional Access 2016 INSTRUÇÕES DE REGATA A autoridade organizadora constituída pelo Marina Yate Club de Albufeira e pela Associação Portuguesa da Classe Access, anuncia a realização da 1ª Prova

Leia mais

TENDO DECIDIDO concluir a Convenção para este propósito e ter pela circunstância o combinado como segue: Capítulo 1 O direito de limitação

TENDO DECIDIDO concluir a Convenção para este propósito e ter pela circunstância o combinado como segue: Capítulo 1 O direito de limitação Texto consolidado da Convenção Internacional sobre a Limitação de Responsabilidade Relativa às Reclamações Marítimas, 1976, como emendada pela Resolução LEG.5(99), adotada em 19 Abril 2012 OS ESTADOS PARTE

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Técnico Operacional - Motorista (Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas.

Leia mais

CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 0301 - INTRODUÇÃO A Diretoria de Portos e Costas recomenda e incentiva que em cada Zona de Praticagem exista apenas

Leia mais

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Os equipamentos de salvatagem e combate á incêndio são essenciais para que seja mantida a segurança dos tripulantes quando o navio estiver em operação. A

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.278, DE 2012 (Do Sr. Guilherme Mussi)

PROJETO DE LEI N.º 3.278, DE 2012 (Do Sr. Guilherme Mussi) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.278, DE 2012 (Do Sr. Guilherme Mussi) Acrescenta o art. 8º-A à Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 - Código de Defesa do Consumidor. DESPACHO: APENSE-SE À(AO)

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 20.446/03 ACÓRDÃO B/P DOM ISAAC V. Abordagem de barco pesqueiro em plena viagem por pessoas desconhecidas que roubaram toda a carga. Delito cuja materialidade foi comprovada,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 761, DE 2011 (Do Sr. Padre Ton)

PROJETO DE LEI N.º 761, DE 2011 (Do Sr. Padre Ton) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 761, DE 2011 (Do Sr. Padre Ton) Altera a redação do inciso VI do art. 244 da Lei nº 9.503, de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro. DESPACHO: ÀS COMISSÕES

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980 Convênio sobre Transportes Marítimos entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China Assinado em 22 de maio de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59,

Leia mais

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB)

CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) CANAL DE ACESSO DO PORTO DE PARANAGUÁ : ASPECTOS SOB A ÉGIDE DA AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA (AMB) SUMÁRIO A QUESTÃO DA SEGURANÇA DA NAVEGAÇÃO SITUAÇÃO ATUAL DO CANAL DE ACESSO AOPORTO DE PARANAGUÁ A

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL LEI N. 1.486, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Animal no Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. PORTARIA N o 100/DPC, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. PORTARIA N o 100/DPC, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LS/LS/22 999 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N o 100/DPC, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Amadores, Embarcações de Esporte e/ou Recreio e para Cadastramento e

Leia mais

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento CAPÍTULO V Da Garagem e Estacionamento Art 37. Cada unidade autônoma tem direito a uma vaga de estacionamento, perfazendo um total de 967 (novecentos e sessenta e sete) vagas, distribuídas de acordo com

Leia mais

Minuta - Regulamento de Uso de Veículos

Minuta - Regulamento de Uso de Veículos Minuta - Regulamento de Uso de Veículos Minuta - Regulamento de Uso de Veículos... 1 Secção I Disposições Gerais... 3 Artigo 1.º - Objeto... 3 Artigo 2.º - Âmbito... 3 Artigo 3.º - Caracterização da frota...

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 8.672, DE 8 DE JULHO DE 2005

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 8.672, DE 8 DE JULHO DE 2005 RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 8.672, DE 8 DE JULHO DE 2005 Dispõe sobre o controle da produção, comércio, uso, armazenamento, transporte interno e o destino final de embalagens e resíduos de agrotóxicos,

Leia mais

RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012

RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012 RHLC - Principais alterações introduzidas pelo DL 138/2012 1 Alterações legislativas na área da habilitação de condutores Legislação alterada Algumas disposições do Código da Estrada Decreto-lei 313/2009,

Leia mais

I - território nacional, compreendendo as águas continentais, as águas interiores e o mar territorial;

I - território nacional, compreendendo as águas continentais, as águas interiores e o mar territorial; DECRETO Nº 4.810, DE 19 DE AGOSTO DE 2003. Estabelece normas para operação de embarcações pesqueiras nas zonas brasileiras de pesca, alto mar e por meio de acordos internacionais, e dá outras providências.

Leia mais

TOYOTA ASSISTÊNCIA 24 HORAS

TOYOTA ASSISTÊNCIA 24 HORAS TOYOTA ASSISTÊNCIA 24 HORAS Para a Toyota, atender nossos clientes 24 horas é um prazer. Pensando nisso, a Toyota coloca a sua disposição um serviço de assistência com a qualidade que é sua marca registrada:

Leia mais

Afretamento de Embarcações. de Embarcações

Afretamento de Embarcações. de Embarcações Afretamento Legislação Legislação para Aplicável Afretamento Curso de Pós-Graduação de Direito Marítimo Rio de Janeiro, 07 de dezembro de 2010 Wagner de Sousa Moreira LEGISLAÇÃO SOBRE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO

Leia mais

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2.

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. Disciplina o serviço de transporte de passageiros em veículos de aluguel (táxi). A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ, ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.6.2016 COM(2016) 371 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a um sistema de inspeções para a segurança da exploração de ferries

Leia mais