O USO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO DE GEOGRAFIA: O CASO DA ESCOLA ESTADUAL MAJOR ANTONIO DE AQUINO/ MULUNGU PB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO DE GEOGRAFIA: O CASO DA ESCOLA ESTADUAL MAJOR ANTONIO DE AQUINO/ MULUNGU PB"

Transcrição

1 O USO DE NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO DE GEOGRAFIA: O CASO DA ESCOLA ESTADUAL MAJOR ANTONIO DE AQUINO/ MULUNGU PB 1. Introdução Romário Farias Pedrosa dos Santos Graduando em Geografia do Depto. De Geografia-CH-UEPB Noemi Paes Freire Professora em Geografia do Depto. De Geografia-CH-UEPB (Orientadora) As tecnologias podem trazer hoje dados, imagens, resumos de forma rápida e atraente. O papel do professor - o papel principal - é ajudar o aluno a interpretar esses dados, a relacioná-los, a contextualizá-los. (MORAN, 1999, p.2). As tecnologias vêm cada vez mais adentrando na escola, sua utilização vem tomando espaço de alguns itens como o quadro e o giz que em seu lugar utiliza-se um retroprojetor com o auxilio de um computador para a exposição de imagens, vídeos digitais, arquivos PDF e outros materiais que auxiliam na fixação dos conteúdos. De acordo com os Parâmetros Nacionais da Educação (1997, pg. 69) o aluno em seu período de aprendizagem deve saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos. Pode-se dizer então que o uso dessa prática está se tornando um meio de ensino no qual as novas metodologias, associadas a tecnologias, facilitam a transmissão de conhecimentos e possibilitam uma melhor aprendizagem. O objetivo deste trabalho é relacionar esses novos meios de ensino no que diz respeito à tecnologia e analisar seu uso, expondo o que pode ser feito, o que pode melhorar e as formas adequadas de serem utilizados a partir das observações realizadas, pois o que vem geralmente ocorrendo é a utilização desses recursos com antigas metodologias que, muitas vezes, não trazem resultados satisfatórios. É necessário utilizar a tecnologia associada a

2 metodologias que possuam bons resultados, estes sendo observados através da aceitação da matéria aplicada ao alunado e de seu rendimento escolar. As metodologias utilizadas no desenvolvimento deste trabalho foram pesquisas em bibliografias, onde foi encontrada a fundamentação teórica para a argumentação da importância dos novos meios de ensino, e pesquisas de campo, realizada na Escola Estadual Major Antonio de Aquino da cidade de Mulungu PB. Através de observações semanais, desde o inicio do ano letivo de 2014, foi exposto à relação Professor/Aluno com os novos recursos a eles oferecidos como também foram descritas as dificuldades na utilização desses meios. Um questionário elaborado para os docentes e os discentes de Geografia foi a base para obtenção de informações a respeito da visão dos mesmos sobre o uso das tecnologias na disciplina. Estes dados serão mostrados detalhadamente nas próximas páginas. 2. O colégio Estadual de Ensino Fundamental e Médio Major Antonio de Aquino. Mapa 1- Localização da escola Major Antonio/Mulungu PB

3 O colégio Major Antonio esta situado no município de Mulungu, um cidade que se encontra no estado da Paraíba e mais especificamente na mesorregião do agreste e micro região de Guarabira. O município possui uma população estimada em nove mil setecentos e cinquenta habitantes sendo que dois mil e setenta são estudantes distribuídos pelo ensino médio, fundamental e pré-escola. A instituição tem quinhentos e cinquenta e quatro discentes distribuídos entre as series do sexto ano fundamental ao terceiro ano do ensino médio, possui trinta e quatro professores sendo três de Geografia, e 20 funcionários incluindo o diretor. Sua estrutura ra segue os seguintes padrões: sete salas de aula, um laboratório de informática, uma biblioteca, um laboratório de ciências, 1 ginásio de esportes a sala da diretoria e sala dos professores. No ano de dois mil e doze o governo do estado da Paraíba lançou dois prêmios um é chamado Escola de Valor o outro é o Mestre da Educação, o escola de valor visa premiar as escolas que se destacarem no ensino, com ideias inovadores observadas por meio de seu Projeto Político Pedagógico, (PPP), e da atuação da escola através de documentos e fotos do que foi realizado durante o ano. O mestre da educação premia os professores que criam projetos em sala de aula fazendo com que os alunos reflitam sobre determinados assuntos. Cabe ao governo do estado analisar e escolher os melhores projetos e as escolas a serem premiadas. O colégio Major Antonio desde o ano de dois mil e onze já utilizava projetos em seu ensino, com a criação do premio no ano de dois mil e doze ela foi premiada com a escola de valor e teve uma professora de português premiada com o mestre da educação. Em dois mil e treze a escola foi novamente

4 premiada, e teve três professores premiados, o de português seguido pelo de matemática e historia. Neste ano de dois mil e quatorze o colégio vem trabalhando com um projeto de nome: O uso das tecnologias educacionais na formação cidadã, que tem o objetivo de utilizar as tecnologias educacionais a fim de favorecer a educação para a cidadania, contribuindo para a melhoria do bem estar coletivo. O projeto foi muito bem aceito pelos discentes que inclusive usam esses aparatos tecnológicos na apresentação de seus trabalhos, já os professores em sua maioria, principalmente os de Geografia, já utilizavam esses recursos para ministrar suas aulas, e após o projeto esse uso se intensificou. Mas surgem algumas questões: Os professores de Geografia estão utilizando esses recursos tecnológicos de maneira adequada?os professores tiveram alguma formação voltada para essas tecnologias? Os alunos gostam e aprendem com esses recursos?. Essas perguntas serão respondidas no decorrer deste trabalho. A tabela que segue abaixo relaciona todo aparato tecnológico que a escola dispõe, podemos observar que é uma grande quantidade de material disponível, que pode ser utilizado de varias formas, mas é necessário fazer o devido uso desses materiais de forma que propicie a aprendizagem. Tabela 1 Recursos tecnológicos que a escola dispõe 20 Computadores 4 Retro Projetores 3 DVD 3 Televisores 2 Micro system 2 Caixas de Som 2 Notebook 1 Receptor Analógico 1 Rede WIFI 3. Os Professores e a questão tecnológica

5 As tecnologias hoje diminuem os espaços de tempo entre atividades, fazendo, de maneira mais rápida, as tarefas que antes demoravam muito tempo para serem executadas, dispondo de recursos que há quarenta anos eram apenas ficção. Os jovens, que se encontram na escola, já nasceram na chamada era da tecnologia, imersos em uma gama de recursos. Torna-se necessário, portanto, uma orientação voltada para a extração dos benefícios educacionais que tais recursos oferecem. Caberia então à escola ajudar os alunos a utilizar esses recursos, tendo a mesma o dever de usar esses meios adequadamente no ensino, pois eles de fato trazem grandes contribuições na educação, como já dizia ainda no século XX os PCN s de A tecnologia deve servir para enriquecer o ambiente educacional, propiciando a construção de conhecimentos por meio de uma atuação ativa, crítica e criativa por parte de alunos e professores. (Parâmetros Nacionais Curriculares, 1998, p 140.) O que pode ser notado na escola Major Antonio é que os professores de geografia vem trabalhando em sala de aula com recursos tecnológicos, em um questionário que foi passado para os três professores de geografia foi feita a seguinte pergunta: Qual recurso tecnológico você acha ser indispensável no ensino de geografia? De forma unânime eles apontaram o retro projetor como sendo indispensável em suas aulas. Outros recursos tecnológicos também são utilizados pelos mesmos, os professores ainda incentivam os alunos a utilizarem varias ferramentas tecnológicas para realização de seus trabalhos como, por exemplo, o computador, um item indispensável no tempo informatizado em que vivemos como afirma os PCN s. É indiscutível a necessidade crescente do uso de computadores pelos alunos como instrumento de aprendizagem escolar, para que possam estar atualizados em relação às novas tecnologias da informação e se instrumentalizarem para as demandas sociais presentes e futuras. (Parâmetros Nacionais Curriculares, 1997, p 67.)

6 Mais diante de tantos recursos tecnológicos oferecidos pela escola em questão surgem alguns problemas, como o uso excessivo dessas tecnologias, o professor a utiliza para tudo ate para passar alguns tópicos do assunto que poderia ser escrito no quadro. Cada professor tem sua maneira de utilizar esses recursos e de ministrar suas aulas, mas é necessário ter o bom censo e não exagerar no uso tecnológico, pois geraria certo desconforto por meio dos alunos se toda aula fosse ministrada com auxilio desses materiais, não devemos dispensar os recursos didáticos por completo, como já alertava os PCN s em 1998 quando ainda se utilizava os toca fitas, recurso ultrapassado para nossa época. Atualmente, a tecnologia coloca à disposição da escola uma série de recursos potentes como o computador, a televisão, o videocassete, as filmadoras, além de gravadores e toca- fitas, dos quais os professores devem fazer o melhor uso possível. No entanto, é igualmente importante fazer um bom uso de recursos didáticos como quadro de giz, ilustrações, mapas, globo terrestre, discos, livros, dicionários, revistas, jornais, folhetos de propaganda, cartazes, modelos, jogos e brinquedos. (Parâmetros Nacionais Curriculares, 1998, p 96.) Em algumas instituições escolares ainda existe certa resistência por parte dos professores no que se refere ao uso de tecnologias, caso que não é observado no ensino de geografia na escola em questão, mas o que deve ser melhorado por parte dos professores é a metodologia utilizada, tentar utilizar as ferramentas tecnológicas de forma adequada juntamente com novos métodos que propicie a aprendizagem, pois os próprios alunos questionam o uso excessivo, como o relato desse aluno que será chamado de Aluno1. Acho muito bom o professor de geografia passar filmes, deixar agente entrar na internet e fazer pesquisas sobre os assunto só que as vezes a aula fica chata ele coloca no retro projetor textos que já estão no livro fica repetindo as coisa, acho que não era necessário o uso dessa ajuda da tecnologia. (Aluno1-09/06/2014 Mulungu PB)

7 Na escola existe a presença do Programa Nacional de Informática na Educação, (PROINFO), criado pelo governo federal em dois mil e sete, de acordo com seu funcionamento cada estado tem sua própria coordenação. O programa tem como finalidade promover o uso da tecnologia como ferramenta de enriquecimento pedagógico no ensino público fundamental e médio. Foi por intermédio deste programa que a escola recebeu um laboratório de informática com vinte computadores. Este programa que em sua versão recente é conhecido como Programa Nacional de Formação Continuada em Tecnologia, (Proinfo Integrado), esta ofertando aos professores um curso de formação para o uso didático-pedagógico das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) no cotidiano escolar. Deste curso participam apenas quinze professores sendo dois de geografia. A importância desse programa esta na formação, auxilio e ajuda passados ao professor que o faz compreender e utilizar de forma adequada essas tecnologias com os alunos. Os professores de geografia da instituição analisada buscam se atualizar e são incentivados a isso, para passar de forma clara os conteúdos com o auxilio de algumas ferramentas tecnológicas, essa conquista pode ser observada através dos alunos, do seu rendimento escolar e da sua satisfação pela matéria. 4. Os alunos e as tecnologias Os alunos são o objetivo final de toda esta questão tecnológica que envolve a escola, a maneira como essas tecnologias forem passadas a eles se tornarão um conceito definitivo de como eles poderão se portar diante desses recursos. O que pode ser notada na instituição analisada é que os alunos aprendem mais, e gostam das aulas que utilizam recursos tecnológicos, com exceções dos usos excessivos. Os professores de Geografia costumam utilizar como avaliação

8 os chamados seminários, neles os alunos pesquisam sobre determinado assunto e apresentam em sala de aula, geralmente trazem vídeos, imagens e resumos do assunto, sempre com o auxilio do retro projetor e outras ferramentas tecnológicas. O que pode ser trabalhado por parte do professor é como será realizada essa pesquisa, como os alunos vão filtrar esses dados, todos os professores de geografia observados explicam em sala de aula como realizar esses trabalhos, bem como em quais sites confiar. Foi passado para os alunos de sexto ano ao terceiro ano do ensino médio um questionário, eles responderão perguntas referentes ao uso das tecnologias em sala de aula, voltadas ao ensino de geografia. Foram questionados duzentos e oitenta alunos dos quinhentos e cinquenta e quatro que estudam na escola. Primeiro foi perguntado a eles qual matéria mais gostavam ou se identificavam, com objetivo de avaliar se eles se interessavam pela disciplina geografia, o resultado pode ser acompanhado abaixo no gráfico. Gráfico 1- Preferência de matérias. Com dezesseis por cento de preferência dos alunos geografia ficou em quarto lugar, matemática, que geralmente é deixada de lado pelos alunos, ficou em primeiro, mas isso pode ser explicado na forma como essa matéria é apresentada aos alunos, os professores de matemática desenvolvem vários projetos, igualmente os de português fazendo com que os alunos se interessem mais pela matéria obtendo bons resultados escolares. As matérias que não aparecem não foram citadas pelos entrevistados.

9 Outras perguntas foram passadas aos alunos como, por exemplo, qual aula eles mais gostavam e qual os ajudava a aprender melhor, setenta e cinco por cento dos alunos marcaram que gostavam das aulas onde se utilizava recursos tecnológicos para expor o conteúdo explicado pelo professor, vinte e cinco por cento marcaram aquela que o professor utiliza o livro didático para a explicação do conteúdo bem como a utilização de outros recursos como o quadro. Quando foi perguntado qual destas aulas eles aprendiam mais o resultado foi que setenta e seis por cento escolheram a que utilizava recursos tecnológicos, com as seguintes afirmações que serão identificadas como aluno2 e aluno3. Aluno 2 - Gosto da aula que utiliza tecnologias porque tudo hoje no mundo tem um pouco da tecnologia principalmente na geografia, que utiliza muitos gráficos, mapas etc. E eu acho mais fácil de compreender os assuntos (Aluno2-09/06/2014 Mulungu PB). Aluno 3 Acho as tecnologias na sala de aula indispensável, pois o mundo de hoje é regido pela tecnologia e todos nós, todos os órgãos e instituições devem acompanhar esse avanço tecnológico. (Aluno3-09/06/2014 Mulungu PB). Os alunos gostam do uso dessas tecnologias em sala de aula, pois desperta interesse dos mesmos, as aulas ficam mais agradáveis e eles têm um ótimo rendimento escolar, alem de essas tecnologias auxiliarem o professor na exposição de vários conteúdos. Se os professores de geografia trabalhassem com projetos em sala de aula esses resultados seriam, por base com que aconteceu nas outras matérias, ainda melhores. 5. Proposta para a utilização das tecnologias em sala de aula. Dar propostas de como utilizar as novas tecnologias é um tema muito vasto, e cabe a cada professor desenvolver da melhor maneira possível seus conteúdos com os alunos, para isso é necessário auxiliar novos métodos com a tecnologia. Adiante serão passadas algumas ideias, que já são amplamente usadas, de utilização desses meios, que foram observadas na escola analizada.

10 O Retro Projetor Apontado como o recurso indispensável pelos professores de geografia da instituição pesquisada, essa tecnologia traz inúmeras facilidades. Associada com um notebook pode criar uma apresentação de slides, passar filme, e utilizar simuladores. Se formos falar sobre clima, por exemplo, podemos trazer imagens desses diferentes climas, mapas da classificação climática planetária, resumos de assuntos referentes a este tema, se o livro didático falar sobre esse assunto o professor poderia extrair alguns tópicos e apresenta-los. Apenas o professor deve tomar cuidado para não usar excessivamente esse recurso. Televisores Os televisores podem ser utilizados juntamente com uma caixa de som e um aparelho de DVD, para passar filmes deixando o retro projetor guardado. Se o professor for destacar alguns tópicos ele simplesmente pode escrever no quadro dispensando o auxilio do retro projetor. A televisão também pode ser utilizada com o receptor analógico e os alunos podem assistir determinados programas, como os da TV escola, tudo fica a critério do professor. Computadores Os computadores são um verdadeiro mundo de opções para os professores, em uma aula, por exemplo, sobre continentes o professor poderia pedir aos alunos que eles pesquisarem sobre seus diferentes aspectos e estruturas, e através do que lerem poderiam montar uma pequena apresentação, ou um resumo a ser entregue, tudo isso na mesma aula. É bom lembrar que os livros não podem ficar de lado, recorrendo apenas à internet. Os usos das tecnologias em sala de aula pelos alunos podem ser feitas de forma controlada, o professor deve incentivar o aluno realizar seus trabalhos também através de livros. O professor também poderia pedir aos alunos os nomes dos sites e livros pesquisados, podendo assim orientar o aluno a como ele deve proceder nas pesquisas.

11 6. Considerações Finais As tecnologias já estão presentes em sala de aula e não faz pouco tempo, a instituição escolar deve buscar meios de incentivar os professores na utilização desses recursos, mais também cabe ao governo criar programas que deem subsidio e apoio a essas novas ferramentas educacionais, ajudando as escolas a desenvolver e aplicar esses novos recursos na educação. O professor da era tecnológica precisa dominar essas novas ferramentas, os alunos já se utilizam delas, mas cabe ao professor orientar a melhor maneira de utilização desses recursos principalmente a internet, visando que eles se tornem críticos e busquem analisar o meio onde vivem, pois através da internet temos inúmeras informações que precisão ser filtradas e analisadas. A instituição que aqui foi analisada possui inúmeros recursos tecnológicos e programas governamentais que incentivam o uso delas, mas é necessário que esses recursos sejam apresentados de forma apropriada aos alunos, de forma que eles possam compreender os conteúdos e tirar o melhor proveito. Os alunos devem ser incentivados a utilizar as tecnologias de forma que eles compreendam e ponderem os dados a eles apresentados. 7. Referências bibliográficas BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, IBGE. Cidades, Mulungu PB. Acessado em 23 de maio de 2014 às 9h43min. LOPES, Fábio José Orsini. As tecnologias de informação e comunicação e o processo formativo: uma crítica às orientações da UNESCO e as diretrizes dos PCN s, 2009.

12 MERCADO, Luiz Paulo Leopoldo. Novas tecnologias na Educação: Reflexões sobre a pratica. Maceió, EDUFAL, MORAN, José Manuel. O Uso das Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação na EAD - uma leitura crítica dos meios. Belo Horizonte, 1999.

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO Maria Dasdores Vieira de França marri_ce@hotmail.com Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES CREDENCIAMENTO DE PÓLO DE APOIO PRESENCIAL PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

TV MULTIMÍDIA NA SALA DE AULA

TV MULTIMÍDIA NA SALA DE AULA TV MULTIMÍDIA NA SALA DE AULA MELLO, Rosângela Menta SEED/PR rosangelamenta@seed.pr.gov.br Eixo Temático: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou com financiamento Resumo Apresentamos

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL?

A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL? Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XXI Semana de Pedagogia IX Encontro de Pesquisa em Educação 20 a 23 de Maio de 2014 A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL?

Leia mais

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL

DISCIPLINAS CURRICULARES (PCN) INFORMÁTICA PRODUÇÃO DE MATERIAL A nossa meta é envolver alunos e professores num processo de capacitação no uso de ferramentas tecnológicas. Para isto, mostraremos ao professor como trabalhar as suas disciplinas (matemática, português,

Leia mais

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos.

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos. SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA FUTUROS PROFESSORES DE QUÍMICA Joycyely Marytza de Araujo Souza Freitas 1 Reneid Emanuele Simplicio Dudu 2 Gilberlândio Nunes da Silva 3 RESUMO Atualmente a informática e a

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO: CONHECIMENTO DE ESTATÍSTICA DE ALUNOS DA OITAVA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE LAGOA VERMELHA.

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO: CONHECIMENTO DE ESTATÍSTICA DE ALUNOS DA OITAVA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE LAGOA VERMELHA. TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO: CONHECIMENTO DE ESTATÍSTICA DE ALUNOS DA OITAVA SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE LAGOA VERMELHA. Adriano Schütz Busin 1 Neuza Terezinha Oro 2 RESUMO O presente artigo

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

Sistema de Monitoramento da Educação

Sistema de Monitoramento da Educação IPP Sistema de Monitoramento da Educação Instituto Pereira Passos Sergio Guimarães Ferreira Hotel Marriott, Rio, 2013 Instituto Pereira Passos IPP Rio Produtos IPP Monitoramento Secretaria Municipal de

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

Sem medo do futuro Com os jovens liderando uma revolução tecnológica, instituições precisam se adaptar a um novo perfil de universitários.

Sem medo do futuro Com os jovens liderando uma revolução tecnológica, instituições precisam se adaptar a um novo perfil de universitários. Sem medo do futuro Com os jovens liderando uma revolução tecnológica, instituições precisam se adaptar a um novo perfil de universitários. Filipe Jahn A revolução das novas tecnologias nos dias de hoje

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?.........

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?......... ESCOLA: PROFESOR (A): TURNO: ( )M ( )V TURMA: ( )SERIADA ( )MULTISERIADA QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR TECNOLOGIA 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural

A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural Nelson Lage Da Costa Mestrando em Ensino de Ciências na Educação Básica da UNIGRANRIO Caixa Postal 77.180 Centro Nova Iguaçu

Leia mais

7. Descrição da infra-estrutura de Informática à disposição dos cursos.

7. Descrição da infra-estrutura de Informática à disposição dos cursos. 7. Descrição da infra-estrutura de Informática à disposição dos cursos. 7.1 Equipamentos O Centro Universitário do Estado do Pará CESUPA dispõe em seu parque computacional de 438 (quatrocentos e trinta

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Com a crescente produção de conhecimento e ampliação das possibilidades de atuação profissional, o curso proporciona atividades extra curriculares

Leia mais

A importância de videoaulas na educação

A importância de videoaulas na educação A importância de videoaulas na educação Leonardo Senna Zelinski Silvia Leticia Ludke Resumo: Este artigo apresentará análise da necessidade da produção de videoaulas para divulgação online, visando principalmente

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Emanoel Lopes Ferreira Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES emanoel_l@yahoo.com.br.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

A INSERÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: VISÃO DOS PROFESSORES

A INSERÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: VISÃO DOS PROFESSORES A INSERÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL: VISÃO DOS PROFESSORES Maria Jackeline Rocha Bessa (UERN/CAMEAM/Bolsista PIBIC) Maria Veridiana Franco Alves (UERN/CAMEAM/Bolsista PIBIC) Maria do

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS INTERATIVIDADE NA ESCOLA O USO DO APLICATIVO WHATSAPP COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE GEOGRAFIA DO ENSINO

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos

Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Qual a sua chance de ganhar?...o ensino de probabilidade através de jogos Elaine Gabriel do Nascimento Universidade Estadual da Paraíba Brasil elainegn@oi.com.br Júlio Pereira da Silva Universidade Estadual

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA CIÊNCIA QUÍMICA: O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMO POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO DE FUTUROS CIENTISTAS

UM NOVO OLHAR PARA CIÊNCIA QUÍMICA: O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMO POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO DE FUTUROS CIENTISTAS UM NOVO OLHAR PARA CIÊNCIA QUÍMICA: O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMO POSSIBILIDADE DE FORMAÇÃO DE FUTUROS CIENTISTAS Brasília DF, 06/2010 Letícia Campos Honório - Universidade Católica de Brasília

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II e III Coronel Fabriciano 2015 REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO O curso de Pedagogia organiza o seu Estágio Supervisionado

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA DE GESTÃO EFICAZ - Projeto Via Turismo 1.1 Histórico da Prática Eficaz Descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O Projeto Via Turismo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LOGO: APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO E GEOMETRIA * 1. COSTA, Igor de Oliveira 1, TEIXEIRA JÚNIOR, Waine 2

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LOGO: APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO E GEOMETRIA * 1. COSTA, Igor de Oliveira 1, TEIXEIRA JÚNIOR, Waine 2 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LOGO: APRENDIZAGEM DE PROGRAMAÇÃO E GEOMETRIA * 1 COSTA, Igor de Oliveira 1, TEIXEIRA JÚNIOR, Waine 2 Palavras-CHAVE: formação de professores, programação, Logo Introdução As

Leia mais

ANÁLISE DO USO DAS MÍDIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS

ANÁLISE DO USO DAS MÍDIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS ANÁLISE DO USO DAS MÍDIAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DO ESTADO DE ALAGOAS Olindina maria moura da silva (UFAL) hollyn.moura@hotmail.com RESUMO:

Leia mais

ENSINANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

ENSINANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA ENSINANDO A MATEMÁTICA FINANCEIRA UTILIZANDO A PLANILHA EXCEL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA Raimundo João dos Santos Júnior; Roseane Matias Lourenço; Amandda Mayara Araújo Farias; Onélia Araújo Franco Fragoso

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: NÃO QUERER FAZER USO DESSE INSTRUMENTO COMO RECURSO DIDÁTICO OU NÃO SABER?.

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: NÃO QUERER FAZER USO DESSE INSTRUMENTO COMO RECURSO DIDÁTICO OU NÃO SABER?. LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: NÃO QUERER FAZER USO DESSE INSTRUMENTO COMO RECURSO DIDÁTICO OU NÃO SABER?. Wellington Alves de Araújo 1 (CEDMB, EEX-II). Antônio Marcos Feitosa Gomes 2 (EMCDF). Péricles Souza

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Luciene Inácio Rodrigues 1 ; Felipe Lima e Silva 1 ; Maria José Jorge Machado 1 ; Romário Rosa de Sousa 2

Luciene Inácio Rodrigues 1 ; Felipe Lima e Silva 1 ; Maria José Jorge Machado 1 ; Romário Rosa de Sousa 2 UMA VISÃO DO ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOGRAFIA E AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC NAS CIDADES DE ARAGARÇAS-GO, BARRA DO GARÇAS E PONTAL DO ARAGUAIA-MT Luciene Inácio Rodrigues 1 ;

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE 399 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE Maryana Barrêtto Pereira¹; Solange Mary Moreira Santos² e Kamilla de Fátima Magalhães

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

Proposta pedagógica e planejamento: as bases do sucesso escolar

Proposta pedagógica e planejamento: as bases do sucesso escolar Proposta pedagógica e planejamento: as bases do sucesso escolar Lucita Briza, 2005 (novaescola@atleitor.com.br) Para oferecer um ensino adequado às necessidades de seus alunos, a escola precisa saber o

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

EDUCAÇÃO EM UM NOVO TEMPO MEDIADO PELAS TECNOLOGIAS

EDUCAÇÃO EM UM NOVO TEMPO MEDIADO PELAS TECNOLOGIAS EDUCAÇÃO EM UM NOVO TEMPO MEDIADO PELAS TECNOLOGIAS Persio Nakamoto(1) e Patrícia Rodrigues(2) [1] Doutor em Didática (USP), Mestre em Educação Especial (USP), Bacharel em Letras e Licenciatura Plena em

Leia mais

Diagnóstico do Ensino de Ciências e Biologia na Educação de jovens e adultos (EJA), no município de Canto do Buriti

Diagnóstico do Ensino de Ciências e Biologia na Educação de jovens e adultos (EJA), no município de Canto do Buriti Resumo Expandido O ENSINO DE CIÊNCIAS E DE BIOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA VISÃO DOS PROFESSORES E FUTUROS PROFESSORES DO MUNICÍPIO DE CANTO DO BURITI, PIAUÍ/BRASIL Maura Sergina Pereira de

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

O USO DA CALCULADORA NAS AULAS DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS E PROFESSORES EM AFOGADOS DA INGAZEIRA

O USO DA CALCULADORA NAS AULAS DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS E PROFESSORES EM AFOGADOS DA INGAZEIRA O USO DA CALCULADORA NAS AULAS DE MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS E PROFESSORES EM AFOGADOS DA INGAZEIRA José Edivam Braz Santana LINHA DE PESQUISA: CULTURA CIENTÍFICA, TECNOLOGIA,

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA

OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA 1 OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA Josué Antunes de Macêdo 1 Taise Costa de Souza Nunes 2 Marcos Rincon Voelzke 3 Resumo O presente trabalho é resultado de uma pesquisa que teve

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001.

RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001. RESOLUÇÃO N 262, de 03 de outubro de 2001. Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de Educação a Distância no Sistema Estadual de Ensino do Estado do Rio Grande do Sul. O Conselho

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante

AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante AVALIE ENSINO MÉDIO 2013 Questionário do Estudante Caro Estudante, O Projeto Avalie pretende conhecer melhor o perfil do estudante do Ensino Médio da Bahia, por isso a sua participação representa a garantia

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA Andrea Polena Universidade Federal do Paraná - UFPR andrea.ufpr@yahoo.com.br Tania T. Bruns Zimer Universidade Federal

Leia mais

AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA RESUMO

AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA RESUMO 571 AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 1 Evelize Krüger Peres RESUMO O referido artigo vai tratar do uso das mídias digitais, como metodologia pedagógica nas aulas das ciências exatas e em outras áreas

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Estágio Supervisionado: Educação Infantil 4 e 5 anos Educação de Jovens e Adultos (EJA) Ensino Fundamental Educação Especial (Ensino

Leia mais

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade

O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade O computador como ferramenta de Inclusão digital para terceira idade Amélia Maria Rodrigues Oliveira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) amelia.amiga@hotmail.com Joelson Alves Soares Universidade Estadual

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UFPB VIRTUAL E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO Clebiana Dantas Calixto clebianageo@hotmail.com (Autora e professora da Educação Básica)

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

O PROINFO NA ESCOLA PÚBLICA: APENAS UMA UTOPIA? O QUE PENSA O INSPETOR ESCOLAR?

O PROINFO NA ESCOLA PÚBLICA: APENAS UMA UTOPIA? O QUE PENSA O INSPETOR ESCOLAR? O PROINFO NA ESCOLA PÚBLICA: APENAS UMA UTOPIA? O QUE PENSA O INSPETOR ESCOLAR? Michele Gomes de Paula 1 Silma do Carmo Nunes 2 RESUMO Este trabalho pretende analisar o uso dos laboratórios de informática

Leia mais

CAPÍTULO I DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR

CAPÍTULO I DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET CAPÍTULO I DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR Artigo 1º Considera-se Atividades Complementares atividades acadêmicas,

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI

CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI CADEIA ALIMENTAR: ATIVIDADE DIDÁTICA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI Thaynara Fontenele de Oliveira (Universidade Federal do Piauí UFPI/CMRV) Email: thaynarafontenele@outlook.com Maria das

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

MATERIAL CONCRETO NAS AULAS DO PIBID NO COLÉGIO ESTADUAL ARNALDO BUSATO - EFMNP

MATERIAL CONCRETO NAS AULAS DO PIBID NO COLÉGIO ESTADUAL ARNALDO BUSATO - EFMNP MATERIAL CONCRETO NAS AULAS DO PIBID NO COLÉGIO ESTADUAL ARNALDO BUSATO - EFMNP Deidson Vitório Kurpel 1 Jessica Bóschi 2 Santos Richard Wieller Sanguino Bejarano 3 Resumo Este artigo tem por finalidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CRUZEIRO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO: PEDAGOGIA 2 CRUZEIRO - SP 2014 APRESENTAÇÃO De acordo com a Resolução n o 1, de 02 de fevereiro de 2004,

Leia mais

METAS E ESTRATÉGIAS. 1.5) Fomentar a formação inicial e continuada de profissionais do magistério para a educação infantil.

METAS E ESTRATÉGIAS. 1.5) Fomentar a formação inicial e continuada de profissionais do magistério para a educação infantil. METAS E ESTRATÉGIAS NACIONAL - Meta 1: universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches,

Leia mais

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE.

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. Introdução Carlos Roberto das Virgens Sirlene de Souza Benedito das Virgens Antonio Sales Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul Não faz muito

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Uma Introdução à Estatística através do Excel e da Pesquisa de Campo

Uma Introdução à Estatística através do Excel e da Pesquisa de Campo Uma Introdução à Estatística através do Excel e da Pesquisa de Campo Caroline Spohr Universidade Federal de Santa Maria Brasil caroline.spohr@yahoo.com.br Sirlene Raquel Lenz Universidade Federal de Santa

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula UMA FATIA DE PIZZA OU UMA BANDA DE INTERNET? Ensino Fundamental/ Anos Iniciais. 5º ano. Matemática

TÍTULO: Plano de Aula UMA FATIA DE PIZZA OU UMA BANDA DE INTERNET? Ensino Fundamental/ Anos Iniciais. 5º ano. Matemática Plano de Aula Org.: Claudio André - 1 Autora: Regina França TÍTULO: UMA FATIA DE PIZZA OU UMA BANDA DE INTERNET? Nível de Ensino: Ano/Semestre estudo de Ensino Fundamental/ Anos Iniciais 5º ano Componente

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO N.º 001/2015.PMA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ANANINDEUA/PA

CONCURSO PÚBLICO N.º 001/2015.PMA DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ANANINDEUA/PA DA 1 / 12 EDITAL N.º 01/2015, DE 15 DE JULHO DE 2015 1. CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR COMPLETO 01 Professor de Ensino das Artes nos planos de aula; orientar os alunos na conscientização das famílias para a

Leia mais

Boletim CPA/UFRPE Curso de Zootecnia Unidade Acadêmica de Garanhuns Edição n. 01 Ciclo Avaliativo: 2012-2014

Boletim CPA/UFRPE Curso de Zootecnia Unidade Acadêmica de Garanhuns Edição n. 01 Ciclo Avaliativo: 2012-2014 Edição n. 01 Ciclo Avaliativo: 2012-2014 Apresentando o Boletim CPA: É com enorme satisfação que a Comissão Própria de Avaliação (CPA/UFRPE), responsável por coordenar os processos internos de avaliação

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

Capítulo I Da Educação Infantil

Capítulo I Da Educação Infantil RESOLUÇÃO Nº 443, de 29 de maio de 2001 Dispõe sobre a Educação Infantil no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais e dá outras providências. O Presidente do Conselho Estadual de Educação, no uso das

Leia mais

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto-avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

RESOLUÇÃO N 003/2010

RESOLUÇÃO N 003/2010 RESOLUÇÃO N 003/2010 Institui regulamento para o cumprimento das atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia da FCH/ FUMEC. O PRESIDENTE DO COLEGIADO DE CURSOS NO USO DE SUAS

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA: MEIO AMBIENTE E LIXO URBANO

EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA: MEIO AMBIENTE E LIXO URBANO EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA: MEIO AMBIENTE E LIXO URBANO Angela Maria de Lima da SILVA 1 Universidade Federal de Campina Grande- Cajazeiras angelacidinha@hotmail.com

Leia mais

Relato de uma proposta de ensino de Eletricidade para o ensino médio com uso de simuladores e sensores PASCO

Relato de uma proposta de ensino de Eletricidade para o ensino médio com uso de simuladores e sensores PASCO Relato de uma proposta de ensino de Eletricidade para o ensino médio com uso de simuladores e sensores PASCO Cristiane Marina de Carvalho Jéssica Regina Romão Cabral Estudantes do curso de Licenciatura

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais