O Raciocínio Epidemiológico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Raciocínio Epidemiológico"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA O Raciocínio Epidemiológico Epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição da freqüência de doenças e de agravos à saúde e seus determinantes em populações humanas. Esses 3 componentes distribuição, determinantes e freqüência circundam todos os princípios e métodos epidemiológicos. Considerando esses três componentes, existe uma progressão natural do raciocínio epidemiológico. O processo inicia-se com uma suspeição sobre uma possível influência de um fator em particular na ocorrência da doença. Essa suspeição pode vir da prática clínica (como é o exemplo da febre puerperal que iremos discutir adiante), da análise de padrões da doença, de observações de pesquisa de laboratório, de especulação teórica etc. Hipócrates, considerado o pai da medicina moderna, no ano 5 AC foi o que primeiro sugeriu que a doença humana poderia estar relacionada ao ambiente, como as estações do ano. Em 1662, John Graunt, analisou os registros de nascimento e óbitos em Londres, e pela primeira vez, quantificou padrões de doença na população: excesso de nascimentos e óbitos para os homens, alta taxa de mortalidade infantil e variações sazonais dos óbitos (como foi sugerido por Hipócrates). Apesar do reconhecido valor dado as técnicas de Graunt para o estudo das doenças na população, somente quase 2 séculos depois, foi delegado ao médico inglês William Farr a responsabilidade das estatísticas médicas da Inglaterra e do País de Galles. Como Graunt, Farr reconheceu a importância das informações para o avanço do conhecimento das doenças. Ele identificou diferentes padrões de mortalidade segundo estado civil e padrões de doenças ocupacionais (trabalhadores em minas de carvão e na indústria). Com isso, levantou várias questões relevantes até hoje em epidemiologia, como população de risco, grupo de comparação, idade, duração da exposição e estado de saúde geral. Farr habilitou outro médico inglês, John Snow, anestesista dos partos da rainha da Inglaterra, à, baseando-se nos componentes de freqüência e distribuição de doenças, formular hipótese sobre a etiologia do cólera em

2 Londres. Snow postulou que a transmissão do cólera se dava por meio da água contaminada através de um mecanismo desconhecido. Ele observou que as taxas de óbitos eram particularmente altas nas áreas supridas pela Companhia de água Lambeth ou Southhwark and Vauxhall, ambas drenavam a água do Thames River no local mais poluído por dejetos. Snow foi capaz de formular e testar a hipótese de que beber água fornecida pelas companhias Southhwark and Vauxhall aumentam o risco de contrair cólera quando comparadas à companhia Lambeth. Snow, provando sua hipótese, alcançou o terceiro componente da epidemiologia, a causa ou determinante da epidemia, trabalho este, documentado em seu livro On the Mode of Communication of Cholerae*. A investigação da epidemia de cólera por Snow foi o primeiro experimento natural, cuja riqueza, principalmente do raciocínio, do método de investigação, servem até hoje à pesquisa epidemiológica. Um exemplo relativamente recente foi a constatação pelo Centers of Disease Control (CDC-USA) no início da década de 80, do aumento da demanda de pentamidine, droga sob controle usada para o tratamento de pneumonia por Pneumocisti carini (doença que não é de notificação compulsória). Epidemiologistas investigaram o fato e constataram um aumento desta infecção e de outras condições associadas como o sarcoma de Kaposi, infecções oportunistas e deficiência imunológica. Essas primeiras investigações conduziram epidemiologistas, virologistas, imunologistas e clínicos à descoberta da AIDS. A suspeição conduzirá a formulação de uma ou mais hipóteses que serão testadas nos estudos epidemiológicos que incluem grupos de comparação. Se a probabilidade de desenvolver uma doença em particular, na presença de um determinado fator de exposição, supostamente causal, é diferente da probabilidade correspondente na sua ausência (considerando-se a ausência de erros sistemáticos e um pequeno erro amostral - os conceitos serão abordados durante o curso) então, é possível inferir causalidade. Adaptado de Hennekens &Buring, Definition and Background. In: Epidemiology in Medicine. Boston:Little Brown and Comany**. * O livro encontra-se disponível na Biblioteca do NESC e no site ** O livro encontra-se disponível na Biblioteca do NESC.

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA - segundo semestre 2003 Estudo Dirigido 1: O Raciocínio Epidemiológico A investigação da epidemia de Febre Puerperal (FP) é um exemplo clássico de investigação epidemiológica. Passo-a-passo, o médico obstetra húngaro do século XIX, Ignaz Semmelwies, a partir da observação clínica de uma epidemia que dizimava as parturientes, suspeitou da possível etiologia e mecanismo causal da FP, e enloqueceu ao sugerir que os médicos adotassem o simples hábito de lavar as mãos antes de examiná-las, idéia essa, que hoje só um louco questionaria. Mesmo com todo o avanço tecnológico da medicina e dos métodos de investigação, a emergência de novas doenças nos coloca, algumas vezes, na mesma situação de desconhecimento e angústia de Semmelwies. Este estudo dirigido segue os passos do raciocínio epidemiológico de Semmelwies baseado no texto redigido pelo próprio e apresentado na referência bibliográfica a seguir: Semmelwies, 1988.The etiology, concept, and propylaxis of childbed fever. In: The challenge of Epidemiology: Issues and Selected Readings. PAHO, A Febre Puerperal por Semmelwies A medicina, especialmente a obstetrícia, tem como principal dever, salvar vidas humanas ameaçadas. A prática obstétrica na maternidade de Viena, na primeira metade do século XIX, vinha sendo capaz de cumprir com este dever. Entretanto, a partir de 1840, houve um aumento crescente do número de mães e filhos que morriam de febre puerperal (FP) refletindo não apenas o fracasso do tratamento mas também o desconhecimento do real fator causal da doença. A maternidade de Viena era dividida em 2 clínicas. A primeira clínica (clínica 1) admitia parturientes 4 dias por semana, enquanto que a segunda (clínica 2), somente três dias. A clínica 1 tinha 52 dias a mais de admissão por ano quando comparada à clínica 2. Desde o momento em que a primeira clínica passou a receber apenas obstetras para treinamento e a segunda (clínica 2) apenas parteiras, a mortalidade foi distintamente diferente entre as 2 clínicas (tabela 1). PERGUNTA 1: Como foi calculada a taxa de mortalidade? E a média? Interprete-as. PERGUNTA 2: O fato da primeira clínica admitir um número maior de parturientes justifica sua maior taxa de mortalidade no período? Explique.

4 Tabela 1: Nascimentos, mortes e taxas de mortalidade anual para todos os pacientes das 2 clínicas da maternidade de Viena entre 1841 e Clínica 1 Clínica 2 nascimentos óbitos taxa nascimentos óbitos taxa , , , , , , , , , , , ,7 Total Média 9,92 3,38 A diferença da mortalidade entre as duas clínicas possivelmente era maior do que o que sugeriram os dados da tabela 1. Durante períodos de alta mortalidade, todos os pacientes doentes da maternidade da clínica 1 eram transferidos para o hospital geral e, em caso de morte, eram computados no cálculo da mortalidade do hospital geral e não da clínica 1. O mesmo não ocorreu na clínica 2. PERGUNTA 3: As transferências poderiam justificar as diferenças da mortalidade evidenciadas na tabela 1? Foram investigados e comparados os sinais e sintomas das pacientes das clínicas 1 e 2. Entretanto, o quadro clínico dos pacientes com FP não foi distinto entre as 2 clínicas, não sendo capaz de explicar a diferença entre as taxas de mortalidade. Buscando explicar as diferenças de mortalidade segundo a clínica de atendimento ao parto, observou-se na primeira clínica, que: - quando o tempo dilatação era extenso (> 24 horas), a mulher adoecia de FP imediatamente ou durante as primeiras 24 e 36 horas após o parto e morriam rapidamente; - como a tempo de dilatação era mais prolongado no primeiro parto (mulheres primíparas), então, a mortalidade por FP também era maior. Entretanto, essas evidências associadas a maior mortalidade na clínica 1, não se repetiam na segunda clínica. O trauma de nascimento não estava sob consideração, uma vez que o está sendo referido apenas ao período de dilatação. PERGUNTA 4: A existência das associações entre o maior tempo de dilatação e de ser primípara com a mortalidade por FP ter sido encontrada apenas na clínica 1 corroboram para explicação causal da FP? Não apenas as mães, mas as crianças também morriam de FP. As lesões corpóreas dos recém-nascidos (RN), com exceções daquelas localizadas em áreas genitais, eram semelhantes às encontradas nas mães. Essa última observação estava em concordância com

5 outros médicos naquela ocasião, levando Smmelweis a pensar que a etiologia da doença era a mesma em mães e filhos. Baseando-se nesse achados, o autor decide comparar a mortalidade em RN nas duas clínicas da maternidade (tabela 2). Tabela 2: Nascimentos, mortes e taxas de mortalidade anual para recém-nascidos nas 2 clínicas da maternidade de Viena entre 1841 e Clínica 1 Clínica 2 Nascimentos óbitos taxa nascimentos óbitos taxa , , , , , , , , , , , , ,05 PERGUNTA 5: A mortalidade de RN segue o mesmo padrão da mortalidade de mães quando comparadas por clínicas? PERGUNTA 6: Nascer na clínica 1 ou 2, altera o risco das mães e dos filhos de morrerem devido a FP? Por que? PERGUNTA 7: As diferenças da mortalidade segundo clínica de atendimento e as evidências das mesmas lesões corpóreas de mães e filhos com FP sugerem uma etiologia comum? Diante dos achados, Semmelwies elaborou 2 hipóteses sobre o mecanismo causal da FP em RN: 1) fatores que operam na mãe durante a vida intra-uterina do feto e a mãe pode afetar a criança; 2) a criança pode adquirir FP depois do nascimento, por ela mesma, e a mãe pode ou não adoecer de FP. PERGUNTA 8: A diferença da mortalidade das crianças por FP segundo a clínica de atendimento (tabela 2), reforça ou enfraquece a primeira hipótese Semmelwies? Por que? E a segunda hipótese? PERGUNTA 9: É razoável, com essas argumentações, dizer que a FP é uma doença que, quando presente na mãe, pode afetar o filho? A seguir são apresentados a definição da FP por contemporâneos e os comentários irônicos de Semmelwies sobre a mesma. A febre puerperal foi definida como uma doença característica da e limitada à maternidade e que o estado puerperal e um momento causal específico são necessários.

6 Quando a causa opera numa pessoa predisposta pelo estado puerperal, a doença ocorre. Entretanto, essa mesma causa opera em pessoas que não estão no estado puerperal, uma outra doença, que não a febre puerperal, ocorrerá. Por exemplo, acreditava-se que as mulheres assistidas na primeira clínica, conhecedoras das maiores taxas de mortalidade nesta clínica em anos anteriores, ficavam assustadas e então contraiam a doença. Então, o dispositivo era o estado puerperal e o fator precipitador, o medo de morrer. Soldados numa batalha tem medo de morrer mas não contraiam FP, por não terem o dispositivo (estado puerperal); as pacientes por serem atendidas por homens, teriam sua modéstia ofendida e por possuirem o dispositivo, contraiam a FP. Outras mulheres sem o dispositivo não contrairiam a FP podendo ocorrer, por exemplo, apenas um desmaio. Refriados em puérperas podem causar FP e em outras pessoas, febre reumática. Erros alimentares em puérperas podem causar FP e levar outras pessoas à disenteria. Estou convencido de que a FP não é restrita ao puerpério. Para Semmelwies, a ocorrência de FP em recém-nascidos mostra quanto está errada essa concepção. PERGUNTA 10: A argumentação de Semmelwies para rejeitar a hipótese de seus contemporâneos sobre a FP é aceitável? Discuta. Mulheres que pariam na rua (street delivery) a caminho da maternidade não perdiam o privilégio de serem internadas gratuitamente na maternidade. Muitas mulheres, para evitar o desconforto de serem examinadas no momento da admissão na maternidade, pariam com parteiras na cidade e, imediatamente a seguir, davam entrada na maternidade como tendo o nascimento ocorrido na rua. As taxas de FP em mulheres que pariram na rua, era bem inferior àquelas cujo o nascimento ocorreu de fato na maternidade. Não havia diferença do estado de saúde das mulheres que pariram na rua e foram admitidas na clínica 1 em relação àquelas, na mesma situação, admitidas na clínica 2. PERGUNTA 11: Nascer na rua, seja qual for a real circunstância (na rua mesmo ou em casa assistida por parteira), protegia de certo modo as mulheres dos fatores maléficos, dito endêmicos por Semmelwies, existentes na clínica 1? Em 1846, a opinião que prevalecia era de que a doença originava-se de lesões infligidas no canal do parto devido aos exames ginecológicos. Como os exames também eram feitos por parteiras, acreditavam que os estudantes eram rudes ao fazer o exame, por serem homens e muitas vezes estrangeiros. Como resultado dessa especulação reduziram o número de estudantes de 42 para 20. A redução da mortalidade conseguida durante o período de afastamento dos estudantes estrangeiros foi justificada pelo fato deles normalmente freqüentarem vários serviços durante seu estágio e conseqüentemente assistirem mais autópsias, ou pela própria coincidência com o afastamento de Semmelweis. Compreendendo sua involuntária contribuição com o aumento da mortalidade, ele afirmou angustiado: "Só Deus sabe a conta das que, por minha causa, desceram prematuramente à sepultura!". Após três meses de declínio, as taxas de mortalidade voltaram a crescer. Em março de 1847, a morte do Professor de Medicina Forense, Prof. Kolletschka, admirado por Semmelwies, conduziu-o a um novo e fundamental raciocínio sobre a causa da Febre Puerperal.

7 As autópsias, com propósitos legais, realizadas pelo Prof. Kolletschka, eram sempre assistidas pelos estudantes. Em certa ocasião, um estudante inadvertidamente perfurou o dedo do Prof. Kolletschka com a mesma lâmina usada na autópsia. O prof. contraiu linfangite e flebite na extremidade superior e morreu com pleurisia bilateral, peritonite, pericardite e meningite e havia metástase para um dos olhos. A doença que matou o prof. era, para Semmelwies, idêntica a que havia matado centenas de pacientes na maternidade. Da mesma forma que as lesões encontradas nos recém-nascidos levaram Semmelwies a concluir que esses morreram de FP, as lesões encontradas na autópsia do professor o conduziram para o mesmo raciocínio. A causa de sua doença havia sido a penetração de partículas de cadáver na lesão conseqüente ao corte com o bisturi, levando-o a acreditar que, de alguma forma, essas partículas também penetraram nas mulheres da maternidade que morreram de FP. Se, essas partículas de cadáver aderiram ao bisturi, também poderiam ter aderido as mãos que examinam as parturientes. Se essas partículas puderem ser destruídas quimicamente, então, a mortalidade por FP poderá ser evitada. Em maio de 1847, Semmelwies e os estudantes passaram a usar clorina líquida (água clorada) nas mãos antes do exame das parturientes. Sete meses depois, as taxas de mortalidade da clínica 1, reduziram a níveis inferiores ao da clínica 2. PERGUNTA 12: A medida preventiva de lavar as mãos com clorina líquida antes do exame das pacientes da maternidade, adotada por Semmelwies e seus alunos, e a conseqüente redução da mortalidade, corroboram com a hipótese etiológica do autor? PERGUNTA 13: As diferenças do risco de morrer entre as mulheres que pariam na maternidade e aquelas que pariam na rua ou em casa com parteira e depois seguiam para a maternidade também corroboram com a hipótese etiológica do autor? PERGUNTA 14: Como explicar então a ocorrência de mortes por FP na clínica 2, se as mulheres assistidas por parteiras não eram expostas a partículas de cadáver? Apesar do sucesso prático, o superior de Semmelweis, o diretor do hospital, não aceitou suas idéias e se recusou a formar uma comissão para estudar o assunto. Houve também resistências entre os estudantes e professores à adoção do método de desinfecção. Um estudante ridicularizou o método de Semmelweis, recusando-se a tomar as precauções indicadas. Nessa época, a mortalidade aumentou. Semmelweis descobriu o estudante e o puniu. A mortalidade diminuiu novamente. Após a lavagem das mãos com clorina líquida para remoção de partículas de cadáver, entre um exame e outro, a lavagem das mãos apenas com água e sabão era suficiente. Entretanto, mesmo com a lavagem das mãos após o exame de uma mulher com carcinoma de útero associado a intensa descarga purulenta, sucederam-se 11 óbitos entre doze mulheres examinadas posteriormente. Logo, "nem só os mortos transmitiam aos vivos as partículas infectantes. Também as podiam propagar os vivos enfermos, portadores de processos pútridos ou purulentos, comunicando-os aos indivíduos sãos". Em novembro de 1847 uma paciente com quadro supurativo em membro inferior desencadeou um novo aumento da mortalidade, que Semmelweis atribuiu à saturação aérea pelos humores oriundos das secreções. Com isto, para o atendimento de parturientes portadoras de processos secretantes ele determinou a mais rigorosa desinfecção das mãos após cada

8 exame e removeu-as para salas de isolamento. Com a aplicação dessas novas medidas preventivas, em 1848 a mortalidade na clínica 2 (1,33%) foi maior que na clínica 1 (1,27%). Nota-se que não houve qualquer menção, aqui, a estudos microscópicos ou químicos, nem discussão sobre a natureza do material cadavérico infeccioso. Semmelweis não discutiu se a causa da febre puerperal era algum tipo de germe vivo ou outro tipo de agente. De fato, Semmelweis nunca estudou esses aspectos. Seu objetivo principal era a prevenção da febre puerperal e, tendo atingido esse fim, sua maior preocupação era que o método se difundisse e fosse usado em outros hospitais. A recepção da descoberta de Semmelweis foi muito lenta. Em parte, pode-se entender isso como uma reação contrária à idéia de que os próprios médicos eram responsáveis pela morte das pacientes ninguém queria admitir isso. Por outro lado, a divulgação das idéias de Semmelweis foi muito imperfeita. Ele próprio demorou vários anos para publicar seu trabalho. Outras pessoas divulgaram o que ele estava fazendo, mas às vezes de modo incompleto. Difundiu-se a idéia de que ele explicava a febre puerperal apenas através da infecção por matéria proveniente dos cadáveres. No entanto, em vários hospitais europeus, as pessoas que atendiam aos partos não praticavam autópsias e, apesar disso, havia muitas mortes por febre puerperal. Isso parecia indicar que Semmelweis estava errado. Em Viena, a oposição de importantes médicos fez com que Semmelweis fosse perseguido. Ele abandonou a Áustria e foi para a sua terra natal, a Hungria. Lá, começou a trabalhar no hospital de Budapeste inicialmente, de graça. Nesse hospital, ele também conseguiu reduzir a mortalidade. Outras pessoas antes de Semmelweis já haviam sugerido idéias muito parecidas com as dele. No entanto, não basta apenas sugerir uma idéia: é necessário examinar as várias sugestões existentes, testá-las, ir eliminando as alternativas até isolar uma hipótese que explique todos os fatos conhecidos. Depois que seu trabalho teve sucesso, Semmelweis procurou difundi-lo, mas de forma pouco hábil, conseguindo mais inimigos, por sua agressividade. Anos depois da sua morte, generalizaram-se os cuidados de limpeza no tratamento obstétrico. Isso ocorreu lentamente, em geral sem se reconhecer o valor do trabalho de Semmelweis, que foi criticado em vida e esquecido após sua morte.

Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca

Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Higienização das mãos: já falamos o bastante? Dra. Silvia Nunes Szente Fonseca Semmelweis Ao ser contratado em 1846 como médico assistente na Primeira Clínica Obstétrica do Allgemeine Krankenhaus (Hospital

Leia mais

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA

INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Saúde Coletiva INTRODUÇÃO A EPIDEMIOLOGIA Profª Ma. Andressa Menegaz e Profª Ma. Ana Cássia Lira de Amorim O que é EPIDEMIOLOGIA?

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI 1 A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI INTRODUÇÃO Maria do Socorro Oliveira Guimarães - NOVAFAPI Paula Cristina Santos Miranda Queiroz - NOVAFAPI Rosania Maria de Araújo -

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV O VÍRUS DO PÂNICO

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV O VÍRUS DO PÂNICO Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2014. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 29 MMXIV Grupo alfa DIÁRIO DE SEMMELWEIS texto 1 O VÍRUS DO PÂNICO [Numeração tâmil

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA RELATO DE

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V

Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V Capítulo 18 (ex-capítulo 2) CÓDIGO V O código V é uma classificação suplementar que se destina a classificar situações e outras circunstâncias que não as de doença ou lesão, que aparecem registadas como

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente

Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente Estrutura epidemiológica dos problemas de saúde: o agente, o hospedeiro e o ambiente IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Palavras-chave: Lavagem de mãos; Controle de Infecções; Promoção de Saúde; Educação em Saúde.

Palavras-chave: Lavagem de mãos; Controle de Infecções; Promoção de Saúde; Educação em Saúde. PROJETO MÃOS LIMPAS: desenvolvimento de ações educativas de incentivo à higienização das mãos. REZENDE, Lysia Cristina Alves Brito 1 ; RODRIGUES, Erika Goulart 1 ; SALGADO, Thaís de Arvelos 1 ; REZENDE,

Leia mais

GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: Até 10 horas.

GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: Até 10 horas. GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1.- Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa? 2. - Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos? 3.- Qual é a forma de contágio

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais

NR 32 WWW.ESPACOSAUDE.NET SAUDE E SEGURANÇA UM DIFERENCIAL DE MERCADO PARA PROFISSIONAIS E EMPRESA

NR 32 WWW.ESPACOSAUDE.NET SAUDE E SEGURANÇA UM DIFERENCIAL DE MERCADO PARA PROFISSIONAIS E EMPRESA NR 32 WWW.ESPACOSAUDE.NET SAUDE E SEGURANÇA UM DIFERENCIAL DE MERCADO PARA PROFISSIONAIS E EMPRESA WWW.ESPACOSAUDE.NET Pedro Tolentino Técnico em Radiologia Médica Membro Efetivo da CTPN 32 Representando

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

O MUNDO MICROBIANO E SUA INTERFACE COM A SAÚDE

O MUNDO MICROBIANO E SUA INTERFACE COM A SAÚDE O MUNDO MICROBIANO E SUA INTERFACE COM A SAÚDE Prof. Francis Moreira Borges Dep. Microbiologia Porque estudar Microbiologia? Cerca de metade da biomassa do planeta é constituída por microrganismos, sendo

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA ATUALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA Daniel Martins do Nascimento 2,3 ; Cristiane Alves Fonseca 1,3 ; Andréia Juliana Leite 1,4 ; 1 Pesquisador Orientador 2 Voluntário Iniciação

Leia mais

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza

Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza Informações Básicas sobre o Novo Tipo de Influenza 1 O que é o Novo Tipo de Influenza É o nome dado à doença causada pela presença do vírus da influenza A/H1N1, de origem suína, no corpo humano. Diz-se

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé *Merielle Barbosa Lobo São nove meses de expectativa e durante a gestação a barriga cresce e a mãe

Leia mais

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira Momento II ASF Região Sul Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira CICLO DE VIDA DA CRIANÇA O ciclo de vida da criança compreende um ser que vivencia

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como Directiva 80/155/CEE do Conselho, de 21 de Janeiro de 1980, que tem por objectivo a coordenação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas relativas ao acesso às actividades de parteira

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

Validade em Estudos Epidemiológicos

Validade em Estudos Epidemiológicos Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva em Estudos Epidemiológicos : termo derivado do latim validus ( forte ) A validade de um estudo epidemiológico está associada

Leia mais

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA

Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Situação Epidemiológica da Doença pelo Vírus Ebola (DVE) Dra Walria Toschi S/SUBPAV/SVS/CVE/GVDATA Rio de Janeiro 11 de novembro de 2014 Epidemiologia O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

O que esperar quando é colocado em quarentena CS255151B

O que esperar quando é colocado em quarentena CS255151B O que esperar quando é colocado em quarentena O que esperar quando é colocado em quarentena 1 A quarentena ajuda-nos a travar a transmissão do Ébola. Sabemos que pode ser difícil, mas é necessário para

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA CONCEITO DE SAÚDE da OMS Saúde é o perfeito bem estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. Portanto: Ter saúde é fenômeno complexo

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella

EPIDEMIOLOGIA. CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS EPIDÊMICOS Professor Esp. André Luís Souza Stella CONCEITOS EPIDÊMICOS - ENDEMIA ENDEMIA: É uma doença localizada em um espaço limitado denominado faixa endêmica. Isso quer dizer

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

A LEI DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM

A LEI DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM A LEI DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM 1- PRINCIPAIS MARCOS DA HISTÓRIA DA SAÚDE E DA ENFERMAGEM NO BRASIL E A EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM DA COLONIZAÇÃO À ÉPOCA IMPERIAL Surge a primeira

Leia mais

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.

Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde. Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico. Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde Dra Cristiane Rapparini Doutora em Infectologia pela UFRJ Coordenadora do Projeto Riscobiologico.org Riscos Biológicos & Trabalhadores da Saúde 1621134 - Produzido

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

O PROCESSO EPIDÊMICO

O PROCESSO EPIDÊMICO O PROCESSO EPIDÊMICO 1. INTRODUÇÃO Uma determinada doença, em relação a uma população, que afete ou possa vir a afetar, pode ser caracterizada como: Presente em nível endêmico; Presente em nível epidêmico;

Leia mais

Ignaz Semmelweis e a febre puerperal: algumas razões para a não aceitação de sua hipótese

Ignaz Semmelweis e a febre puerperal: algumas razões para a não aceitação de sua hipótese Ignaz Semmelweis e a febre puerperal: algumas razões para a não aceitação de sua hipótese Marcos Rodrigues da Silva * Aline de Moura Mattos ** Resumo: Na década de 1840 Ignaz Semmelweis (1818 1865), médico

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Até 10 horas. Não, é um meio pouco propício para ser contagiado.

Até 10 horas. Não, é um meio pouco propício para ser contagiado. GRIPE A (H1N1) Quanto tempo dura vivo o vírus suíno numa maçaneta ou superfície lisa? Quão útil é o álcool em gel para limpar-se as mãos? Até 10 horas. Torna o vírus inativo e o mata (desde que seja feito

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO *

TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * 1 05/06 TABAGISMO E CÂNCER DE PULMÃO * OBJETIVOS Este exercício utiliza o estudo clássico de Doll e Hill que demonstrou a relação entre tabagismo e câncer de pulmão. Depois de completar este exercício,

Leia mais

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Versão 1 atualização em 09 de outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO A detecção de casos em tempo hábil e a resposta

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

Método epidemiológico (identificação dos problemas, instrumentos de descrição e análise). Rozidaili dos Santos Santana Penido

Método epidemiológico (identificação dos problemas, instrumentos de descrição e análise). Rozidaili dos Santos Santana Penido ESPECIALIZAÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO EM ASSISTÊNCIA À SAÚDE Método epidemiológico (identificação dos problemas, instrumentos de descrição e análise). Rozidaili dos Santos Santana Penido 1 APLICAÇÕES

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

PLANO DE AULA. utilização de quadro-negro. ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro: Medsi,.2004.

PLANO DE AULA. utilização de quadro-negro. ROUQUAYROL, M. Z. Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro: Medsi,.2004. PLANO DE AULA Disciplina: Epidemiologia Professor(a): Prof. Dr. Luiz Henrique Gagliani Curso: Enfermagem Semestre/Ano 1 o / 2010 Turma: A (Diurno) Atividades temáticas Estratégias/bibliografia Semana Aulas

Leia mais

Epidemia pelo Vírus Ébola

Epidemia pelo Vírus Ébola Epidemia pelo Vírus Ébola O vírus Ébola é neste momento uma das grandes ameaças virais em África e está a espalhar-se para outros Continentes. Actualmente são conhecidas quatro estirpes do vírus, e já

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

Gripe por Influenza A e Gravidez. Marcos Takimura Hospital do Trabalhador SESA 11/08/2009

Gripe por Influenza A e Gravidez. Marcos Takimura Hospital do Trabalhador SESA 11/08/2009 1 Gripe por Influenza A e Gravidez Marcos Takimura Hospital do Trabalhador SESA 11/08/2009 Cronologia dos Acontecimentos 16 de julho de 2009 declaração de transmissão sustentada pelo MS monitoramento apenas

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA. Introdução INTRODUÇÃO 08/05/2015. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento.

EPIDEMIOLOGIA. Introdução INTRODUÇÃO 08/05/2015. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento EPIDEMIOLOGIA Mariana Martins Gonzaga do Nascimento Farmacêutica Industrial (UFMG) Especialista em Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde (UNIMONTES) Mestre em Ciências

Leia mais

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1

Actualizado em 21-09-2009* Doentes com Diabetes mellitus 1 Doentes com Diabetes mellitus 1 Estas recomendações complementam outras orientações técnicas para protecção individual e controlo da infecção pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009. Destaques - Os procedimentos

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Risco Biológico. Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte

Risco Biológico. Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte Risco Biológico Profª Enfª Luciene F. Lemos Borlotte Mini Currículo Graduada em Enfermagem e Obstetrícia UFES Especialista em Educação Profissional FIOCRUZ/UFES Membra da ABEN-ES Atuação Profissional:

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING Recife 04/08/2014 1 Nos últimos anos, com a integração dos países devido à globalização, houve um aumento da

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

PROJETO DE LEI No, DE 2009

PROJETO DE LEI No, DE 2009 PROJETO DE LEI No, DE 2009 (DO SR. CAPITÃO ASSUMÇÃO) Dispõe sobre a imunização de mulheres com a vacina contra o papilomavírus humano (HPV), na rede pública do Sistema Único de Saúde de todos os estados

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais MORAIS, Leonardo Bianchini. O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico

Leia mais

DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL

DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL RESUMO Jéssica Pricila Zanon 1 Marlei Fátima Cezarotto Fiewski 2 Os cuidados profissionais têm reduzido a morbimortalidade

Leia mais

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA

PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA PALESTRA SOBRE O VIRUS ÉBOLA Dr. VENCESLAU BRAVO DANIEL VEMBA O QUE É A DOENÇA PELO VÍRUS ÉBOLA É a infecção provocada pelo vírus Ébola, que é uma doença grave, muitas vezes fatal em seres humanos,macacos,

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM

MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM MINUTA DE RESOLUÇÃO CFM Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos prontos-socorros hospitalares, assim como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho. O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais