C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL"

Transcrição

1 C.O.R CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL ANÁLISE DE PROJETOS APROVAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE OBRAS SETEMBRO DE 2011

2 ÍNDICE 1 OBJETIVO INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE AS RESPONSABILIDADES E ISENÇÕES DE RESPONSABILIDADES DIREITO DOS PROPRIETÁRIOS COMPROMISSO DO PROPRIETÁRIO DO LOTE 4 6- COMPROMISSO DOS RESPONSÁVEIS TÉCNICOS PLANTÃO TÉCNICO 7 8 TAXAS DA APRESENTAÇÃO E APROVAÇÃO DOS PROJETOS 8 10-NORMAS E PARÂMETROS PARA USO DO SOLO E PROJETOS DE RESIDÊNCIAS DO AFASTAMENTO DAS EDIFICAÇÕES (RECUOS) MUROS E FECHAMENTOS PROCEDIMENTO PARA LIBERAÇÃO DAS OBRAS EXECUÇÃO DAS OBRAS AUTORIZAÇÃO PARA OCUPAÇÃO NORMAS ADMINSTRATIVAS E DISCIPLINARES ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO

3 1 OBJETIVO O objetivo deste COR CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL é servir de instrumento para orientar os Proprietários, bem como os responsáveis pela elaboração, aprovação e execução do projeto de Construção de residências no Loteamento Residencial Itatiba Country Club sito a Av. Maria Teresa da Costa Naufal, s/nº, Bairro Serrinha Itatiba-SP. Essas instruções e normas foram redigidas de maneira a garantir a qualidade urbanística, arquitetônica e ambiental do Loteamento. A metodologia de análise de projetos adotada visa a segurança dos proprietários, protegendo as informações internas de suas residências. 2 INFORMAÇÕES GERAIS 2.1 Esse documento é complementar às normas constantes no ESTATUTO SOCIAL E NO INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA DE LOTE DE TERRENO do Residencial Itatiba Country Club. 2.2 Os projetos deverão ser analisados pelo departamento de Engenharia e Obras da ASSOCIAÇÃO antes de serem encaminhados para aprovação da Prefeitura Municipal de Itatiba e demais Órgãos dos Poderes Públicos competentes. 2.3 As obras que os proprietários vierem a executar em seus lotes, estão sujeitas às cláusulas e condições constantes do seu INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA DE LOTE DE TERRENO com as restrições impostas pela loteadora do Empreendimento, por este CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL ( COR ) e pela Prefeitura do Município de Itatiba 3

4 e, sendo que o efetivo início da construção está sujeito à apresentação de documento liberatório por parte da ASSOCIAÇÃO, após a entrega dos documentos exigidos para tal liberação, constantes no item O departamento de Engenharia e Obras do Residencial Itatiba Country Club, seus fiscais, o administrador, membros da equipe administrativa, diretoria e membros da comissão de obras da ASSOCIAÇÃO (se houver), terão livre acesso às obras particulares que estiverem em andamento dentro do Loteamento, até que a solicitação para ocupação da residência esteja autorizada. 2.5 Qualquer construção, reconstrução, reforma, acréscimo ou demolição que implique no projeto arquitetônico ( área externa), somente poderá ser iniciada se o proprietário tiver a planta previamente aprovada junto à ASSOCIAÇÃO e obtido o respectivo alvará junto à Prefeitura Municipal de Itatiba. 3 SOBRE AS RESPONSABILIDADES E ISENÇÕES DE RESPONSABILIDADES 3.1 A responsabilidade quanto à ocupação da residência e ao cumprimento de todas as normas constantes no ESTATUTO SOCIAL, INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA DE LOTE DE TERRENO do Residencial Itatiba Country Club e neste COR, será do proprietário do lote, do responsável técnico pelo projeto e do responsável técnico pela execução das obras, os quais assinarão uma declaração (que estará descrita no quadro padrão das pranchas de desenhos) que a obra será executada de acordo com todas as normas e leis aplicáveis. 3.2 O proprietário do imóvel ou seu possuidor são responsáveis pela manutenção das condições de estabilidade, segurança e salubridade do imóvel, suas edificações e equipamentos, assegurando todas as informações cadastradas relativas ao imóvel. 3.3 As dimensões, áreas e funções dos compartimentos das edificações são de inteira responsabilidade do Proprietário e do Autor do Projeto e deverão obedecer às Legislações, Normas Técnicas aplicáveis, Estatuto Social do Residencial Itatiba Country e este COR. 3.4 O departamento de Engenharia e Obras da ASSOCIAÇÃO não assume 4

5 qualquer responsabilidade quanto: a) a adequação das medidas e áreas internas, construções inadequadas, erros de implantação das residências, itens estes que são de inteira responsabilidade do Proprietário, do Profissional Autor do projeto e do Responsável técnico pela Obra; b) a responsabilidade técnica, civil ou criminal pelas obras do loteamento, sejam elas de uso privado ou comum; c) a acidentes, danos de ordem pessoal ou material, bem como extravios, estragos, quebra de instalações, objetos ou infra estruturas que, em qualquer circunstância ou ocasião, sofram os proprietários, funcionários, empregados e/ou prestadores de serviços. d) Qualquer tipo de furto na Obra. 4 DIREITO DOS PROPRIETÁRIOS 4.1 Usar, gozar e dispor de seu lote, como lhe prouver, desde que respeitando o disposto no ESTATUTO SOCIAL do Residencial Itatiba Country, no Instrumento Particular de Compromisso de compra e venda de lote de terreno e este COR, de tal forma a não prejudicar igual direito dos demais proprietários e da própria Associação. 4.2 Usar as áreas públicas e da Associação conforme seus destinos e sobre elas exercer todos os direitos previstos no ESTATUTO SOCIAL do Residencial Itatiba Country, no Instrumento Particular de Compromisso de compra e venda de lote de terreno e este COR e nos decorrentes das leis. 5 COMPROMISSO DO PROPRIETÁRIO DO LOTE 5.1 Utilizar seu lote e respectiva construção para fins exclusivamente residencial unifamiliar. 5.2 Cumprir e fazer cumprir o disposto no presente COR do Residencial Itatiba Country Club. 5.3 Acatar as determinações do departamento de Engenharia e Obras da Associação, inclusive as decisões e avisos/notificações especiais que dele emanarem, para os casos omissos no Estatuto Social e neste COR. 5

6 5.4 Contratar profissional legalmente habilitado para a elaboração de projetos e para a execução de obras. 5.5 Orienta-se os proprietários a contratar mão-de-obra registrada, por determinação do Ministério do Trabalho, que fiscalizam os loteamentos da cidade. 5.6 Cadastrar obrigatoriamente, junto à portaria de serviços do Residencial Itatiba Country Club, sob sua responsabilidade, empregados, funcionários ou prestadores de serviços que irão trabalhar no lote ou para ele, através de lista devidamente preenchida com os dados das pessoas autorizadas a entrar no Loteamento, e ainda deverá apresentar cópia do documento de identidade (RG) e liberação para fotografia no sistema de segurança e seguir todas as normas estabelecidas pela empresa de Segurança do Residencial. 5.7 Toda vez que por ventura houver troca de funcionários, empregados e/ou prestadores de serviços ou estes terminarem os serviços, fica sob responsabilidade do proprietário do lote comunicar imediatamente ao funcionário da portaria de serviços do Residencial para que seja dada baixa na permissão de entrada do individuo. Caso isso não ocorra, qualquer pessoa que não tiver sido previamente autorizado pelo proprietário, ficará proibido de entrar no Loteamento. 5.8 A referida comunicação deverá ser feita por escrito, em formulário próprio que se encontra na portaria de serviços, com protocolo de entrega. 5.9 Cuidar para que seus empregados, fornecedores e prestadores de serviços não saiam de dentro da respectiva obra ou residência e prejudiquem a tranqüilidade dos demais proprietários, devendo permanecer durante o horário de trabalho dentro da respectiva obra ou residência Os empregados, fornecedores e prestadores de serviços são de inteira responsabilidade do proprietário do Lote e este responderá por todos os problemas disciplinares, de segurança, higiene, destruição de bens comuns e de terceiros, etc..., causados pelos mesmos Atender, juntamente com o responsável técnico pela obra, a todas as normas do Residencial constantes neste COR Solicitar sob sua responsabilidade as licenças de Alvará de Construção junto 6

7 à Prefeitura Municipal de Itatiba, bem como as ligações de água, esgoto, luz, telefone, antenas, etc. 6 COMPROMISSO DOS RESPONSÁVEIS TÉCNICOS 6.1 Profissional legalmente habilitado é o técnico registrado junto ao órgão federal fiscalizador do exercício profissional, podendo atuar como pessoa física ou como pessoa jurídica respeitada às atribuições e limitações. 6.2 Adotar os mais adequados critérios e princípios técnicos para o correto dimensionamento, especificação e emprego dos materiais e elementos construtivos a serem aplicados nos projetos e nas obras. 6.3 Assegurar que a edificação siga os quesitos de estabilidade, segurança e salubridade em conformidade com as Normas Técnicas da ABNT e outras normas técnicas aplicáveis, com a legislação estadual e federal, com a boa técnica e garantir o desempenho adequado a sua finalidade. 6.4 A responsabilidade, quanto à execução das obras e ao cumprimento de todas as normas constantes neste COR, será do proprietário do lote, do responsável técnico pelo projeto e do responsável técnico pela execução das obras, os quais assinarão uma declaração (anexo 3) de que a obra será executada de acordo com todas as normas e leis aplicáveis e especialmente, a Norma NR 18, que visa à qualidade de execução das obras e à segurança dos funcionários das mesmas. 6.5 A qualidade da execução das obras e o respeito às dimensões contidas no projeto são de inteira responsabilidade do Proprietário e do Executor da Obra, devendo obedecer às Legislações, Normas Técnicas aplicáveis e este COR. 6.6 Atender juntamente com o proprietário todas as normas do Residencial constantes neste COR". 7 PLANTÃO TÉCNICO 7.1 O Plantão Técnico é de responsabilidade da Associação, sendo composto de profissionais qualificados para realizar as seguintes funções: a) Assessoria técnica aos Proprietários de Lotes e aos Profissionais para esclarecimentos de dúvidas sobre as 7

8 normas internas do loteamento constantes neste COR. b) Análise e Aprovação dos Projetos das Residências, no prazo máximo de 15 dias úteis; c) Análise da documentação e liberação das obras; d) Fiscalização das Obras de Construção das Residências; e) Liberação de mudança. 7.2 Endereço do Plantão Técnico: Loteamento Residencial Itatiba Country Club, sito a Av. Maria Teresa da Costa Naufal, s/nº - Bairro Serrinha Itatiba-SP. Horário de atendimento pessoal agendado no Plantão Técnico: a) SEGUNDAS FEIRAS das 7:30h às 11:30h; b) QUINTAS FEIRAS das 12:30h às 15:30h; c) Telefone do Pabx: (11) ; ou d) Não haverá expediente de atendimento nos feriados nacionais, estaduais, municipais e religiosos. 8 TAXAS 8.1 Não é cobrada taxa para aprovação de projetos pela Associação. 9 DA APRESENTAÇÃO E APROVAÇÃO DOS PROJETOS 9.1 Todo proprietário, que pretenda construir qualquer edificação em seu lote, deverá submeter os respectivos projetos (projeto simplificado) à análise e aprovação obrigatórias do departamento de Engenharia e Obras da Associação. 9.2 O departamento de Engenharia e Obras da Associação do Residencial Itatiba Country analisará os projetos seguindo as Normas constantes neste COR. 9.3 O roteiro do proprietário/profissional para aprovação será o seguinte: a. Os projetos simplificado e a planta topográfica do lote deverão ser apresentados através de peças gráficas (desenhos), formatos padrão A0, A1 ou A2 da ABNT, dobradas no formato A4, de acordo com a NB-8. 8

9 9.4 Para análise e verificação dos projetos, será necessária a apresentação dos seguintes documentos: a. 03 (três) vias do PROJETO SIMPLIFICADO na escala 1:100, no padrão estabelecido no Anexo 01; b. 02 (duas) vias assinadas do REQUERIMENTO devidamente preenchido no padrão estabelecido no Anexo 02; c. 02 (duas) vias assinadas do MEMORIAL DESCRITIVO da obra devidamente preenchido no padrão estabelecido no Anexo 04; d. 01 (uma) via da PLANTA TOPOGRÁFICA do lote, na escala 1:100;. e. 02 (duas) vias do MEMORIAL DESCRITIVO DA PISCINA (se houver), devidamente preenchido e assinado, para qualquer tipo de piscina; f. 01 (uma) cópia simples da Anotação de Responsabilidade Técnica (A.R.T) emitida pelo responsável Técnico pelo projeto, assinada inclusive pelo Proprietário, devidamente quitada; g. 01 (uma) cópia simples do compromisso de compra e venda com firma reconhecida, ou da matrícula do imóvel ou escritura pública; h. 01 (uma) via da PLANTA ARQUITETÔNICA, para os casos onde o recuo lateral for inferior a 1,50 metro de largura. i. Cópia do carnê de IPTU, onde conste o número da inscrição do contribuinte e os dados do imóvel. 9.5 O Plantão Técnico não recepcionará a documentação, caso as peças exigidas não estejam completas. 9.6 O departamento de Engenharia e Obras da Associação somente procederá à análise do processo se o proprietário estiver devidamente cadastrado no setor Administrativo da Associação e se não houver inadimplência sobre o lote. 9.7 A Planta Topográfica deverá ser elaborada por profissional habilitado, e nela constarem as seguintes informações: a) Quadro padrão do loteamento (anexo 1) devidamente preenchido e assinado em todos os campos solicitados, sendo numerado como folha 01/x; 9

10 b) Desenho das curvas de nível a cada metro; c) Constar a orientação do terreno em relação ao Norte Magnético; d) Indicação das medidas de cada segmento ou perímetro que define o imóvel; e) Demarcação de árvores, córregos, águas e faixas de galeria, se houver; f) Indicação dos ângulos entre os segmentos que definem o perímetro do imóvel e seus rumos; g) Indicação de cotas de nível nos vértices do lote e no alinhamento da guia da calçada; h) Locação de elementos de pequeno, médio e grande porte (afloramento rochoso, árvores, espécies nativas, etc.); i) Indicação dos postes de energia elétrica, caixas de passagem de águas pluviais, etc. j) Indicação do passeio (calçada) com suas dimensões; 9.8 Na Planta do Projeto Simplificado e na Planta Arquitetônica deverão constar as seguintes informações: a) Quadro padrão do loteamento (anexo 1) devidamente preenchido e assinado em todos os campos solicitados, sendo numerado como folha 02/x; No caso de vários desenhos de um projeto não couberem em uma única folha, será necessário numerá-las no quadro legenda, em ordem crescente, indicando o número de folhas (por exemplo: 01/03, 02/03 e 03/03); b) Indicar a implantação de todos os pavimentos, inclusive sótão, porão, caixa d água, com sua projeção sobre o terreno, volumetria, movimento de terra, índices urbanísticos e áreas da edificação projetada, recuos, muros de arrimo, posição dos abrigos de energia, gás e água, calçadas, mureta, muros, canil e piscinas, casa de máquinas e área permeável, tudo descriminando as cotas de nível; c) Indicar a posição da residência a construir, com cotas em relação às linhas limítrofes, localização das servidões que porventura onerem o imóvel, locação de postes e árvores defronte ao imóvel; d) Indicar as cotas de nível de cada pavimento de acordo com as cotas do 10

11 levantamento Topográfico; e) Orientação Norte magnético; f) 01 (uma) fachada frontal com indicação do perfil da rua; g) No caso de residência em lote de esquina, apresentar no mínimo 02 (duas) fachadas uma para rua principal e outra para rua secundária, ambas com perfil da rua; h) Indicar as linhas de cortes transversais e longitudinais nas plantas; i) 02 (dois) cortes esquemáticos de todo o projeto, sendo um transversal e um longitudinal, onde deverá constar o perfil do terreno antes da terraplenagem, a altura dos compartimentos, os níveis dos pisos internos, a indicação do acesso à edificação, cota de altura máxima da cumeeira, altura dos muros de arrimo e de divisa; j) Indicar no quadro de áreas a porcentagem da área permeável do lote no mínimo de 15% sobre a área do terreno; 1º - A escala indicada na planta não dispensa o emprego de cotas para dimensões dos diversos perímetros, pés direito e posições em relação às linhas limítrofes; 2º - A diferença entre cotas e escala poderá ser de, no máximo 3% (três por cento), prevalecendo sempre o valor da cota, em caso de divergência; 9.9 As indicações no Projeto deverão seguir as normas da ABNT, quando não expressas neste COR Se os projetos não estiverem completos ou apresentarem pequenas inexatidões ou equívocos, o proprietário será notificado para prestar esclarecimentos no prazo de 15 dias corridos, contados da data do recebimento do comunique-se, cuja falta de atendimento implicará no arquivamento do processo As reformas externas das residências, ampliações e diminuições de área externa à edificação, inclusão de equipamentos e acessórios, estarão sujeitos a este COR em todas as suas exigências. O departamento de Engenharia e Obras estabelecerá as documentações caso a caso Entende-se por equipamentos e acessórios, construções como quiosques, 11

12 pergolados, piscinas, casas de máquinas, casa de bonecas de alvenaria, saunas, canil, garagens, quadras esportivas, antena parabólica, reservatórios, depósitos, etc É reservado à ASSOCIAÇÃO o direito de indagação sobre os destinos das obras, em conjunto com seus elementos componentes, e recusar justificadamente aqueles que forem julgados inadequados ou inconvenientes sobre os aspectos de segurança, higiene e salubridade Se houver, durante o período de obras, substituição do responsável técnico, o proprietário deverá comunicar imediatamente ao departamento de Engenharia e Obras da Associação o nome e a qualificação do novo responsável através de documento assinado por ambas as partes, e ainda apresentar cópia da ART desse profissional para a referida obra. Caso o proprietário não informe o departamento e o mesmo observar a troca do responsável técnico, o proprietário estará sujeito as penalidades cabíveis constante neste COR. (INFRAÇÃO GRAVE) 9.15 A ASSOCIAÇÃO se exime do reconhecimento de direitos autorais e pessoais decorrentes da aceitação de transferência de responsabilidade técnica ou da solicitação de alteração do projeto Para modificação em projetos aprovados, será necessária a verificação de projeto substitutivo com as modificações respectivas, devendo ser apresentados os mesmos documentos descritos anteriormente. Caso isso não ocorra o proprietário ficara sujeito as penalidades cabíveis constante neste COR. (PENALIDADE GRAVE) 9.17 A aprovação do projeto por parte da Associação não implicará em sua liberação para execução das obras, a qual estará vinculada a aprovação do projeto e emissão de Alvará junto à Prefeitura Municipal de Itatiba conforme item (INFRAÇÃO GRAVE) 9.18 aprovação do projeto, mediante a devolução das plantas aprovadas carimbadas e assinadas pela Associação; Após a vista do projeto pela Associação, o proprietário ou responsável, deverá dar prosseguimento as aprovações junto a Prefeitura Municipal de Itatiba. (INFRAÇÃO GRAVE) 9.19 Caso a Prefeitura solicite alguma correção no projeto já vistado pela Associação, após a devida correção o mesmo deverá retornar a Associação para novamente ser analisado e vistado. (INFRAÇÃO GRAVE) 12

13 9.20 Todos os projetos para construção, reformas e modificações com ou sem acréscimo de área, deverão ser previamente analisados e aprovados pela Associação, que verificará a obediência às normas internas e a conformidade com exigências dos órgãos públicos. (INFRAÇÃO GRAVE) 9.21 Todos os projetos e construções deverão atender as exigências do Código de Obras da Prefeitura Municipal de Itatiba, das restrições contratuais do loteamento, deste C.O.R. e das normas técnicas vigentes e regulamentadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). (INFRAÇÃO GRAVE) 9.22 Para análise e liberação do projeto, o proprietário deverá estar em dia com os pagamentos da TAXA DE MANUTENÇÃO e PRESTAÇÕES do referido lote Qualquer contrariedade às restrições urbanísticas que venham a ser constatadas, mesmo depois de aprovação do projeto não dará ao proprietário o direito de executar as obras em desacordo com tais restrições, nem ensejarão contra a Associação quaisquer pedido de indenização, ou mesmo de perdas e danos. (INFRAÇÃO GRAVE) 9.24 Antes de iniciar a obra o proprietário deverá apresentar a Associação uma cópia do Projeto aprovado e Alvará de Execução, expedidos pela Prefeitura, que serão arquivados junto ao Departamento Técnico da Associação. (INFRAÇÃO GRAVE) 10 NORMAS E PARÂMETROS PARA USO DO SOLO E PROJETOS DE RESIDÊNCIAS 10.1 Não será permitida a edificação de mais de uma residência por lote, cujo projeto deverá ser encaminhado para o departamento de Engenharia e Obras da Associação para análise e aprovação antes de ser enviado para aprovação da Prefeitura Municipal e demais órgãos e Poderes Públicos competentes A residência se destinará exclusivamente à habitação e moradia de uma única família e seus dependentes. Não será permitida a construção de prédios não residenciais, tais como prédios para fins comerciais, indústria, escritório, de forma a nunca exercerem no Residencial, atividades como: comércio, indústria, hospitais, consultórios, clínicas, colégios, ateliê para prestação de serviços, templos, cinemas, teatros, hotéis e outras construções destinadas a fins estranhos ao da moradia Além dos dois pavimentos mencionados no item acima, serão tolerados um porão ou um sótão, quando aquele forem necessários pela topografia do terreno ou por estilo arquitetônico. 13

14 10.4 O porão e o sótão farão parte do Índice de Aproveitamento e sua metragem não direito poderá ultrapassar 25% da área do pavimento térreo para o porão e 25% da área do pavimento superior para o sótão Caracteriza sótão o aproveitamento do telhado para um ambiente onde seu pé seja variável, no máximo de 2,50m de altura no ponto médio, portanto sem laje, caracterizando um ambiente de curta permanência, pois não é permitida colocação de ventilação Caracteriza porão o pavimento onde o seu teto (incluindo a laje) encontra-se até 1,25m (um metro e vinte e cinco centímetros) acima do nível da guia e possui altura máxima de 2,50m de pé direito. Como critério para o nível da guia, será adotado no centro do alinhamento frontal do lote 10.7 Se unidos dois ou mais lotes contíguos de modo a formar um lote maior, todas as obrigações e restrições constantes deste termo continuarão a ser aplicadas a esse lote resultante Fica terminantemente, proibido o desmembramento do lote do loteamento, mesmo que a legislação assim o permita. 11 TERRENOS COM DESNÍVEL MENOR QUE 6m: 1. Para terrenos com menos de 6,00 metros de desnível entre o alinhamento frontal e o de fundos, a residência não poderá ter mais de dois pavimentos (térreo e superior), com exceção da caixa d água, que poderá ter no máximo 10% (dez por cento) da área do pavimento superior e ter tratamento arquitetônico compatível com o da construção principal. 12 TERRENOS COM DESNÍVEL MAIOR QUE 6m: 1. Será permitida a construção de 3 pavimentos, quando a residência não tiver porão e quando o desnível do terreno for igual ou superior a 6m entre a divisa frontal e a divisa dos fundos do lote, sendo que o terceiro pavimento deve estar recuado 5,00m (cinco metros) do alinhamento frontal do lote. Para lotes de esquina, além de respeitar o recuo frontal de 5,00m (cinco metros) para a via principal, deverá respeitar um recuo de 3,00m (três metros) do alinhamento frontal do lote para a rua secundária. 2. Em terrenos em aclive, o pavimento térreo poderá estar acima do nível da calçada, desde que obedeça a um desnível de 20% em relação a distancia da alvenaria da residência até a divisa frontal do lote, isto é, o recuo frontal. 14

15 3. Em terrenos em declive o pavimento térreo deverá estar no nível da rua. 4. Quando a construção tiver 3 pavimentos, o pavimento térreo pode estar no máximo a 1,25m (um metro e vinte e cinco centímetros) acima do nível da guia. Este desnível será em talude e ajardinado, ajustando a calçada ao pavimento térreo, de maneira a dar continuidade ao paisagismo do loteamento. 5. Em toda sua área de projeção, a altura da edificação não poderá exceder o máximo de 9,00m (nove metros), medidos do perfil natural do terreno até o forro (teto) do terceiro pavimento, desconsiderando as estruturas de cobertura. 13 A ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEVERÁ TER: FASE 01 a) No mínimo 100,00m2 (cento metros quadrados) para a edificação principal, não contabilizando área para edícula, churrasqueira, abrigo para carros, varanda(s) e terraço(s); b) No máximo 1,5 ( uma vez e meia ) da área total do(s) lote(s), isto é, coeficiente de aproveitamento igual a 1,5 (um e meio); c) Taxa de ocupação no máximo de 70% (setenta por cento) da área do lote; d) A área de projeção horizontal da construção (com um ou dois pavimentos), somados às áreas da edícula, churrasqueira, varandas, abrigo para carros, reservatórios e canil não poderá ultrapassar 70% (setenta por cento) da área total do lote; e) O índice de elevação (pé direito) é de 4,00 metros; f) Índice de impermeabilização máximo de 85%. FASE 02 a) No mínimo 100,00m2 (cento metros quadrados) para a edificação principal, não contabilizando área para edícula, churrasqueira, abrigo para carros, varanda(s) e terraço(s); b) No máximo 1 ( uma vez ) área total do(s) lote(s), isto é, coeficiente de aproveitamento igual a 1 (um ); c) Taxa de ocupação no máximo de 50% (cinquenta por cento) da área do lote; 15

16 d) A área de projeção horizontal da construção (com um ou dois pavimentos), somados às áreas da edícula, churrasqueira, varandas, abrigo para carros, reservatórios e canil não poderá ultrapassar 50% (cinquenta por cento) da área total do lote; e) O índice de elevação (pé direito) é de 4 metros;` f) Índice de impermeabilização máximo de 85% As edículas somente poderão ser destinadas à churrasqueiras, banheiro, depósito e não poderá ter dormitórios nem ser utilizadas como garagens. Terão sempre sua construção térrea, não podendo ultrapassar o pé direito de 4m (quatro metros do piso até a cumeeira) e a profundidade máxima de 5m (Cinco Metros) As edículas deverão estar afastadas no mínimo 2m (Dois Metros) da construção principal e poderão ocupar os recuos de fundo e lateral A área de projeção horizontal da edícula não poderá ser maior do que 12% (doze por cento) da área do lote As edículas não poderão ser edificadas antes do início da construção principal Construções complementares a residências, tais como edículas, canil, gazebo, quiosque, etc. deverão receber atenção especial do departamento de Engenharia e Obras antes do início da obra, com a apresentação de projeto contendo planta simples, corte esquemático e memorial descritivo, seguindo as mesmas normas referentes a residência Não será permitida a construção e/ou instalação, ainda que a título de uso familiar, de chiqueiros, galinheiros, estrebarias ou qualquer outro tipo semelhante que tire a tranqüilidade do local, que produzam odores desagradáveis ou que prejudiquem a higiene e/ou tranqüilidade da área. A construção de canil é permitida, nos limites discriminados no item b), desde que não seja para fins comerciais. (INFRAÇÃO GRAVE) 13.6 As construções deverão ser executadas obrigatoriamente em alvenaria, blocos de concreto ou material similar, totalmente revestido externamente, ficando expressamente proibidas as construções de madeira, pau-a-pique, choupanas, ainda que a título provisório, inclusive casas de madeira pré-fabricadas As ligações externas de luz, elétrica, telefone, campainha ou similares serão obrigatoriamente subterrâneas, entre o poste de energia elétrica privado e a edificação principal Toda construção, tais como cascatas, canil, abrigo de gás, duto de lareira, casa de 16

17 bonecas, quiosques, pergolados e casa de máquinas deverão constar no projeto e podem estar locados no espaço destinado aos recuos obrigatórios de fundos e laterais, desde que tenham dimensões máximas estabelecidas neste artigo: a) Quiosques (obra executada em estrutura de madeira e cobertura vegetal). Área do quiosque entrará na taxa de ocupação e no aproveitamento. Área máxima construída de 9m² (nove metros quadrados), com dimensão máxima de 3X3m e altura de 3m, contada a partir do chão até o topo da cobertura. b) Canil e casa de bonecas: área máxima construída 4m² com dimensão máxima de 2,00m e altura de 1,80m contada a partir do chão até a cumeeira do telhado. c) Casa de máquinas: poderá ser subterrânea. Caso não seja subterrânea, não poderá exceder a 3m² (três metros quadrados) de área construída e altura de 2m (dois metros), contada a partir do chão até a cumeeira do telhado. d) Cascata: sua altura não pode ultrapassar 2m. e) Duto de lareira: não poderá ter mais de 0,50 ( cinqüenta centímetros ) de largura por 1m (um metro) de comprimento e deverá garantir uma distância mínima de 1m (um metro) da divisa lateral do lote vizinho. f) Pergolado poderá haver pérgolas descobertas junto a divisa lateral e dos fundos, sendo utilizadas apenas como efeito estético. g) A piscina deve constar no projeto, independente de ser de vinil, fibra ou alvenaria e obedecer ao recuo mínimo de 1m (um metro) das divisas laterais e de fundos. Não será permitida a construção no recuo frontal. h) Abrigo de gás: deverá respeitar o recuo frontal, altura máxima de 1,80m (um metro e oitenta centímetros, largura máxima de 0,60m (sessenta centímetros) e comprimento máximo de 1,20m (um metro e vinte centímetros) e deverá garantir uma distancia mínima da lateral do lote de 0,90m (noventa centímetros). 14 DO AFASTAMENTO DAS EDIFICAÇÕES (RECUOS) 14.1 Recuos: São as distâncias mínimas e obrigatórias entre as projeções horizontais dos perímetros externos das edificações e as divisas, medidas perpendicularmente a estas. Os recuos mínimos são definidos por linhas paralelas às mesmas. 17

18 14.2 Todos os recuos são definições urbanísticas e deverão ser obedecidos para a valorização do Loteamento. Em caso de existir abertura para iluminação e ventilação na faixa de recuo, deverão ser observadas as medidas estipuladas pela engenharia (vigilância) sanitária Em lotes de meio de quadra da FASE 1 (quadras 01 a 36, 82 e 83) a construção obedecerá aos seguintes recuos mínimos, respeitando o passeio público: a. Recuo de frente será de 3m (três metros) a partir do alinhamento do lote com a via pública (no caso de avenida o passeio publico é de 2m (dois metros) e em ruas o passeio público é de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros)) b. Recuo de fundos será de acordo com a tabela abaixo: PROFUNDIDADE DO LOTE RECUO MÍNIMO Mais de 30,00m 4,00m Mais de 25,00m até 30,00m inclusive 3,00m Mais de 20,00m até 25,00m inclusive 2,50m Mais de 15,00m até 20,00m inclusive 2,00m Mais de 12,50m até 15,00m inclusive 1,50m Até 12,50m inclusive 0,00m c. Recuos laterais para lotes com frente igual ou inferior a 16,00m (dezesseis metros) os recuos serão de 1,50m ( um metro e cinqüenta centímetros) de um dos lados e 1m (um metro) do outro; já para os lotes com frente superior a 16,00m (dezesseis metros) serão de 2m (dois metros) em ambos os lados, estes contados a partir do alinhamento do lote Em lotes de esquina da FASE 1 (quadras 01 a 36 e quadras 82 e 83) a construção principal obedecerá os seguintes recuos mínimos obrigatórios: a. Recuo de Frente para a rua principal: 3m (três metros) à partir do alinhamento da divisa com a via pública; b. Recuo de Frente para a rua secundária: 2m (dois metros) a partir do alinhamento da divisa com a via pública; c. Recuo dos Fundos (lado oposto a rua principal) será de acordo com a tabela abaixo; PROFUNDIDADE DO LOTE RECUO MÍNIMO Mais de 30,00m 4,00m Mais de 25,00m até 30,00m inclusive 3,00m Mais de 20,00m até 25,00m inclusive 2,50m 18

19 Mais de 15,00m até 20,00m inclusive 2,00m Mais de 12,50m até 15,00m inclusive 1,50m Até 12,50m inclusive 0,00m d. Lateral: 2m (dois metros) oposto a rua secundária Na FASE 1, o lote que possuir frente para duas ruas e que não seja lote de esquina, deverá ter recuo de frente de 3m (três metros) para as duas ruas Em lotes de meio de quadra da FASE 2 (quadras 40 a 72; 74 a 81 e 85 a 92) a construção principal obedecerá aos seguintes recuos mínimos obrigatórios, respeitando o passeio público: a. Recuo da frente de 4m (quatro metros) a partir do alinhamento do lote com a via pública; b. Recuo de fundos de acordo com a tabela abaixo: PROFUNDIDADE DO LOTE RECUO MÍNIMO Mais de 30,00m 4,00m Mais de 25,00m até 30,00m inclusive 3,00m Mais de 20,00m até 25,00m inclusive 2,50m Mais de 15,00m até 20,00m inclusive 2,00m Mais de 12,50m até 15,00m inclusive 1,50m Até 12,50m inclusive 0,00m c. Recuos laterais para lotes com frente igual ou inferior a 16,00m os recuos serão de 1,50m de um dos lados e 1,00m do outro; já para os lotes com frente superior a 16,00m serão de 2,00m em ambos os lados, estes contados a partir do alinhamento do lote Em lotes de esquina FASE 2 (quadras 40 a 72; 74 a 81 e 85 a 92) a construção principal obedecera aos seguintes recuos mínimos obrigatórios: a. Recuo da frente para a rua principal: 4m (quatro metros) a partir do alinhamento da divisa com a via pública; b. Recuo de frente para rua secundária: 2m (dois metros) a partir do alinhamento da divisa com a via pública; c. Recuo de fundos de acordo com a tabela abaixo: PROFUNDIDADE DO LOTE RECUO MÍNIMO Mais de 30,00m 4,00m 19

20 Mais de 25,00m até 30,00m inclusive 3,00m Mais de 20,00m até 25,00m inclusive 2,50m Mais de 15,00m até 20,00m inclusive 2,00m Mais de 12,50m até 15,00m inclusive 1,50m Até 12,50m inclusive 0,00m d. Lateral: 2m (dois metro) oposto a rua secundária. e. No tocante, aos recuos laterais menos de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) não poderá haver abertura de vãos iluminantes Na FASE 2, o lote que possuir frente para as duas ruas e que não seja lote de esquina deverá ter o recuo de frente de 4m (quatro metros) para as duas ruas Entende-se por rua PRINCIPAL a de menor testada do lote e por rua SECUNDÁRIA aquela voltada para a maior dimensão de lote Os terraços e varandas não poderão invadir os recuos obrigatórios Todos os recuos mencionados serão contados a partir da alvenaria, porém após a alvenaria só haverá o beiral do telhado ou marquise (laje em balanço sem uso como piso na parte superior), com largura máxima igual a 0,70m (setenta centímetros). Caso estas projeções horizontais excedam a largura de 0,70m (setenta centímetros) os recuos deverão ser medidos a partir do limite da referida projeção horizontal, com decréscimo de 0,70m (setenta centímetros) A faixa de recuo da frente só poderá ser usada como jardim e acesso descoberto a residência, não podendo ter outra utilização As garagens deverão obedecer ao recuo frontal e poderão ser construídas junto a divisa lateral. No caso de estar encostada na divisa poderão ter profundidade máxima de 6m (seis metros) e a cobertura não poderá ultrapassar a altura de 3,50m (tres metros e cinqüenta centímetros) entre a cumeeira e o piso da garagem Quando a cobertura da garagem for em laje impermeabilizada não poderá encostar junto a divisa lateral, podendo ser acrescido neste recuo uma pérgola. 15 MUROS E FECHAMENTOS 15.1 Não será permitida a construção de muro de vedação, cerca, gradil ou 20

21 portões ao longo do alinhamento de frente para a rua principal e para rua secundária. Este recuo só poderá ser utilizado como jardim e acesso descoberto a residência, não podendo ter outro fim. Os muros das divisas laterais e divisas de fundo deverão ser executados no mínimo com 0,40m (quarenta centímetros) e complementados por cercas vivas com ou sem alambrado (alambrados sempre do lado de dentro encoberto pela cerca viva) ou muros de alvenaria, com altura máxima de 2m (dois metros) a partir do nível natural do terreno. Não será permitido o fechamento dos lotes com arame liso ou farpado Os muros laterais dos lotes deverão, no encontro com os muros de divisa do loteamento, ter uma altura mínima de 40 cm Não será permitido corte ou aterro junto ao muro de divisa do loteamento. Não será permitido o uso do muro de divisa do loteamento como muro de arrimo. Os muros, seja de arrimo ou não, deverão ser devidamente calculados e construídos independentes dos muros existentes. Prevendo drenagem de águas pluviais junto aos mesmos No caso de aterro será permitida a execução em forma de talude, respeitando-se as seguintes condições: a) A base do talude junto ao pé do muro de divisa e a canaleta de escoamento de águas pluviais, não poderão em hipótese alguma ser obstruídos, facilitando assim a inspeção dos mesmos. b) Inclinação máxima do talude de 45 graus, devendo sempre ser recoberto por gramíneas ou outro tipo de material para evitar-se erosões e o entupimento das redes coletoras de águas pluviais Em terrenos com aclive superior a 6m (seis metros) de desnível entre a calçada e os fundos, será permitida a construção de muros de arrimo nas divisas frontal e lateral com altura máxima de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros), acima do nível da calçada e obrigatoriamente deverá seguir o desnível da rua ao longo da divisa frontal e lateral. O comprimento total dos muros não poderá ultrapassar 50% das testadas do lote Em terrenos com declive superior a 6m (seis metros) de desnível entre a calçada e os fundos, será permitida a construção de muros de arrimo nas divisas frontal e lateral com altura máxima de 2,50m (dois metros e cinqüenta centímetros) abaixo do nível da calçada e obrigatoriamente deverão seguir o desnível da rua ao longo da divisa frontal. Os muros de arrimo deverão ser devidamente impermeabilizados e possuir drenos, encaminhando as águas do lençol freático e águas pluviais para a via pública. 21

22 15.7 Os muros de divisas (se houver) deverão obrigatoriamente possuir acabamento (chapiscado, rebocado, pintado) A construção de muro de arrimo deverá ser usada única e exclusivamente para contenção do terreno e não poderá ser usado para suporte de laje substituindo o solo, devido essa laje ser considerada como construção no recuo, sendo isso proibido Quando for necessária a execução de muros de arrimo nas divisas laterais e fundos, a altura máxima permitida junto à divisa do lote em relação ao nível do terreno natural do vizinho será de no máximo 2,50m de altura. 16 PROCEDIMENTO PARA LIBERAÇÃO DAS OBRAS 16.1 O departamento de Engenharia e Obra da Associação controlará e fiscalizará todas as obras, para que sejam cumpridas as normas deste COR Antes da execução de qualquer obra no lote ou terraplenagem, o proprietário deverá solicitar a devida autorização para tal fim, através do protocolo dos seguintes documentos: a. 01 (uma) via de DECLARAÇÃO DE PLENO CONHECIMENTO E ACEITE das normas constantes neste COR, no padrão estabelecido do Anexo 3; b. 02 (duas) vias da SOLICITAÇÃO PARA INICIO DE OBRAS devidamente preenchidas e assinadas, no padrão estabelecido no Anexo 05; c. 01 (uma) via original ou uma cópia autenticada da Planta aprovada pela Prefeitura Municipal de Itatiba-SP; d. 01 (uma) cópia do Memorial aprovado pela Prefeitura Municipal de Itatiba-SP; e. 01 (uma) cópia simples do Alvará de Construção expedido pela Prefeitura Municipal de Itatiba-SP, com prazo de validade no máximo 2 anos (dois), conforme Lei Municipal; f. 01 (uma) cópia simples da Anotação de Responsabilidade Técnica (A.R.T) emitida pelo responsável técnico da obra, assinada inclusive pelo 22

23 Proprietário, devidamente quitada Se forem constatadas faltas ou discordância de documentos, informações ou projetos, o proprietário será notificado, devendo tomar as providências cabíveis ou sua correção, ficando suspensa a emissão da AUTORIZAÇÃO DE INÍCIO DE OBRAS, até que a documentação esteja regularizada A Associação, porém, não terá nenhuma responsabilidade técnica sobre as execuções das obras A AUTORIZAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS será emitida, desde que: a. Não haja pendências no processo de Aprovação do Projeto do proprietário; b. Apresente todos os documentos descritos no item 13.2 anterior; c. Preencha e assine o formulário (anexo 08) informando a forma como será informado sobre infração ou imposição de multa É proibida a execução de quaisquer serviços sem a autorização expressa da Associação, através da AUTORIZAÇÃO PARA INÍCIO DE OBRAS. 17 EXECUÇÃO DAS OBRAS TODOS OS ITENS CONSTANTES NESTE COR REFERENTE AO CUMPRIMENTO DE TODAS AS NORMAS, CASO NÃO CUMPRIDOS PELO PROPRIETÁRIO, CABERÁ AO MESMO EM PRIMEIRA INSTÂNCIA UMA NOTIFICAÇÃO DA IRREGULARIDADE QUE SE NÃO SANADA NO PRAZO PREVISTO, INCIDIRÁ MULTAS SUCESSIVAS ATÉ RESOLVIDA A IRREGULARIDADE. UMA VEZ EMITIDA A MULTA PELO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E OBRAS DA ASSOCIAÇÃO A MESMA NÃO SERÁ CANCELADA. OS VALORES DAS MULTAS ESTARÃO DESCRIMINADAS NO ANEXO 08 DESTE COR 17.1 OBJETIVO Os procedimentos de construção descritos abaixo visam à disciplina dos trabalhadores, a segurança e higiene do Loteamento e o cumprimento das Leis do Ministério do Trabalho e as Normas do Loteamento INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE AS OBRAS 23

24 As normas de procedimento de segurança, entradas e saídas, atitudes e comportamentos dentro do loteamento serão definidos pela empresa de segurança contratada pela Associação e deverão ser integralmente seguidas INÍCIO DA EXECUÇÃO DAS OBRAS Antes da execução de qualquer obra ou terraplenagem no lote, o proprietário deverá possuir a Autorização de Início de Obras, expedida pelo departamento de Engenharia e Obras da Associação. Sem a devida autorização, não será permitido iniciar as obras ou qualquer tipo de serviços inclusive a colocação de materiais no lote. (INFRAÇÃO GRAVE) O departamento de Engenharia e Obras da Associação e nem a Associação, não terão nenhuma responsabilidade civil, técnica ou trabalhista sobre as execuções das obras e sobre os funcionários ou prestadores de serviço das mesmas Após a expedição da Autorização para início das Obras, será obrigatório a construção de um barracão provisório para guarda de materiais e um banheiro. Os sanitários deverão ser construídos, obrigatoriamente, no lote onde será feita a obra, sendo vetadas suas construções no lote de apoio. Deverá possuir no mínimo bacia sanitária e um lavatório. (INFRAÇÃO GRAVE) Os barracões deverão ter acesso único pelo interior do canteiro, não sendo permitidas portas e janelas voltadas para as vias púbicas ou lote vizinho, de modo a não oferecer visão interior por estranhos ou pela vizinhança. (INFRAÇÃO GRAVE) Será de inteira responsabilidade do proprietário a guarda dos materiais e ferramentas das obras Esse barracão e banheiro deverá ser demolido se a obra não for iniciada dentro do prazo de 90 (noventa) dias a contar da data da expedição da referida Autorização. No caso do não cumprimento da demolição, o departamento de Engenharia e Obras da Associação enviará uma notificação. (INFRAÇÃO GRAVE). 24

25 A execução de obras deverá obedecer ao projeto verificado pelo departamento de Engenharia e Obras da Associação e ao projeto aprovado pela Prefeitura Municipal de Itatiba, à boa técnica, às Normas Técnicas aplicáveis e ao direito de vizinhança, de forma a garantir a segurança dos trabalhadores, da comunidade e das propriedades particulares Após a liberação das obras, deverão obrigatoriamente ser instaladas, em local visível, voltadas para a via pública, placas dos profissionais responsáveis técnicos pelo projeto e pela execução da obra, cada uma contendo as informações mínimas, tais como: Nome, Profissão, CREA, Telefone e Endereço. Essas placas deverão ter dimensão mínima de 1,00 x 0,70m e máxima de 2,00 x 2,00m. (INFRAÇÃO GRAVE) Caso o CREA venha a exigir a colocação de placas das empresas que emitirem ART para a referida obra, tais placas deverão ser instaladas e seguir o padrão descrito acima Não será permitida a instalação de placas de prestadores de serviços e fornecedores diversos, tais como: sondagem, terraplenagem, gesso, raspagem de tacos, telhas, lajes, metais, fornecedor de água, etc. (INFRAÇÃO MÉDIA) Não será permitida a instalação no lote de qualquer tipo de placa antes do início das obras. Considera-se início das obras a terraplenagem, estaqueamentos, instalação de poste de energia, padrão de hidrômetro e construção de muros de arrimo. (INFRAÇÃO MÉDIA) 18 CASA DE FORÇA, CAVALETE DE ÁGUA, SUPORTE DE LIXO, CAIXA DE CORREIO E ABRIGO DE GÁS O Loteamento é provido de redes de abastecimento de água, rede coletora de esgoto e de energia elétrica, devendo os Proprietários solicitar as ligações diretamente às concessionárias, quanto às outras redes de distribuição possíveis, tais como, telefonia, 25

26 tv a cabo, interfonia e etc, estas deverão ser solicitadas pelos proprietários mediante uma autorização da associação do loteamento ESGOTOS, ÁGUAS PLUVIAIS E SERVIDÕES A construção da casa de força e ligação de água e esgoto deverá anteceder ao início da construção da residência e dos muros; (INFRAÇÃO GRAVE) 18.2 A caixa de ligação de esgoto deve obrigatoriamente estar dentro do limite do lote e ser feito em alvenaria. (INFRAÇÃO GRAVE) 18.3 O esgoto da residência será lançado em rede pública existente sob inspeção da SABESP. (INFRAÇÃO GRAVE) 18.4 As águas pluviais deverão ser canalizadas e encaminhadas para uma caixa de inspeção, que deverá ser construída dentro do lote para a decantação de resíduos sólidos sendo depois encaminhadas para o meio fio ou em boca de lobo próxima ao lote. Em hipótese alguma poderá ligar-se à rede de esgoto. (INFRAÇÃO GRAVE) 18.5 Os lotes em aclive deverão dirigir suas águas pluviais através de rede subterrânea passando sob o passeio público até a sarjeta, quando edificados. (INFRAÇÃO GRAVE) 18.6 As tubulações de água pluvial e esgoto deverão cruzar perpendicularmente ao alinhamento da guia. (INFRAÇÃO MEDIA) 18.7 Os lotes em declive que necessitam de passagem de rede de águas pluviais e rede de esgoto pelo lote vizinho, conforme definidos no projeto do loteamento, deverão obrigatoriamente ter as redes independentes até o destino final de cada uma, sendo os custos da execução desta obra por conta do proprietário do lote de origem das referidas redes. Para a passagem no lote vizinho, deverá obter a autorização do mesmo. Os proprietários de lotes em aclive que fizerem fundos com lotes em declive, quando executarem suas obras antes do lote em declive deverão prever a tubulação de água pluvial e de esgoto, evitando desta forma transtorno futuro. (INFRAÇÃO GRAVE) 26

27 18.8 Os proprietários dos lotes que contêm servidão de passagem de rede de esgoto e rede de água pluvial estão cientes que as referidas redes são de uso exclusivo do lote vizinho e as mesmas passarão pelo recuo lateral ou de fundos de sua propriedade. (INFRAÇÃO GRAVE) 18.9 O departamento de Engenharia e Obras da Associação não se responsabilizam pela obtenção de qualquer documento para fins de servidão junto aos proprietários Deverá ser calculada a vazão de escoamento de águas pluviais até a rede pública prevendo o esgotamento da piscina, quando houver. (INFRAÇÃO GRAVE) O canil, quando houver, deverá ter o ralo ligado à rede pública de esgoto. (INFRAÇÃO GRAVE) Águas pluviais não podem ser jogadas no esgoto. Da mesma forma que o esgoto não poderá ser lançado na rede de águas pluviais. (INFRAÇÃO GRAVE) Os ralos que recebem águas pluviais não poderão receber produtos com derivados químicos como: tintas, água raz, thiner, querosene varsol, ácidos de lavagem de pisos, etc. e nem dejetos de animais. (INFRAÇÃO GRAVE) A casa de força deverá seguir medidas padronizadas pela CPFL e o cavalete de entrada de água deverá seguir medidas padronizadas pela SABESP; A casa de força NÃO poderá ser alongada para composição de depósito ou casa para botijão de gás. (INFRAÇÃO GRAVE) O abrigo de gás deverá respeitar a altura máxima de 1,80m (um metro e 27

28 oitenta centímetros), largura de 0,60m (sessenta centímetros) e comprimento máximo de 1,20m (um metro e vinte centímetros) e deverá garantir uma distância mínima da divisa lateral do lote de 0,90m (noventa centímetros), não podendo invadir o recuo frontal.(infração MÉDIA) A instalação de lixeira poderá ser metálica com dimensão máxima de 0,60x0,60m e altura máxima de 1,20m (um metro e vinte centímetros). Esta poderá ser instalada no alinhamento do lote não podendo invadir a calçada, devendo estar totalmente para dentro do lote, pode ser facultativo a instalação da lixeira; (INFRAÇÃO LEVE) Caso haja depósito de lixo em alvenaria, este deverá respeitar todos os recuos determinados para a residência e obedecer às normas sanitárias vigentes A caixa de entrada de energia deverá estar junto ao poste particular de entrada de energia elétrica e deverá ter no máximo, 2m (dois) de altura, 2m (dois) de comprimento junto à divisa lateral do lote e 0,45m (quarenta e cinco) de largura, medidas estas acabadas. (INFRAÇÃO LEVE) A caixa de correio poderá ser instalada no alinhamento do terreno com a calçada, devendo estar totalmente para dentro do terreno, não podendo invadir a calçada. (INFRAÇÃO LEVE) 19 CANTEIRO DE OBRAS E UTILIZAÇÃO DE LOTE VIZINHO 19.1 O canteiro de obras de cada lote deverá limitar-se ás linhas de divisa do mesmo É obrigatório o uso de equipamentos de segurança (EPI S), tais como capacetes, botinas, cintos de segurança, luvas, etc. de acordo com a Norma NR 18; 19.3 Cuidar para que eventual construção ou reforma em seu lote não traga transtornos para Residências lindeiras e/ou áreas de uso comum do loteamento, 28

29 sendo obrigatório a colocação de tela de proteção nos muros de divisa. (INFRAÇÃO MÉDIA) 19.4 No canteiro de obras será permitida por uso temporário a instalação nos recuos de escritório de campo, depósitos de materiais e instalação sanitária, ambos com paredes e telhados leves (não pode ser de alvenaria), sendo obrigatória à remoção destes no término das obras. Poderá ter uma área máxima de 15m² (quinze) e deverá ser obrigatoriamente pintado de verde escuro todas as faces. Será obrigatória a manutenção do mesmo, conservando sempre em perfeito estado, para manter o padrão estético do loteamento. Não serão admitidos barracões em más condições de uso e estética. (INFRAÇÃO GRAVE) 19.5 É obrigatória a execução de banheiro para funcionários no canteiro de obras e este deverá estar ligado à rede pública de esgoto. Os funcionários não poderão usar os sanitários da área comum do loteamento e nem dos lotes vizinhos. A construção desse banheiro deverá anteceder a construção da residência e muros. (INFRAÇÃO GRAVE) 19.6 Materiais de construção só poderão ser armazenados no lote desde que a obra esteja em execução. (INFRAÇÃO MÉDIA) 19.7 Todos os materiais estocados, equipamentos e as obras propriamente ditas, serão de responsabilidade única e exclusiva do proprietário do lote, ficando por sua conta e risco a guarda e manutenção dos referidos itens É terminantemente proibido jogar qualquer tipo de lixo em qualquer área do loteamento, sendo obrigatório o devido acondicionamento do lixo em sacos plásticos, para coleta da empresa pública; (INFRAÇÃO MÉDIA) 19.9 Entulho de material de construção não é considerado como material de obra e deverá ser acondicionado em caçamba própria para tanto. É obrigatório o uso de caçambas nas obras para depósito de entulhos, que poderão ser colocadas na frente do lote em obras, desde que devidamente estacionada e sinalizada com fita refletiva. Não será permitida a instalação da caçamba na calçada. (INFRAÇÃO GRAVE) A caçamba não poderá ser utilizada como depósito de lixo, devido ao tempo 29

30 que a mesma fica parada no lote, o que causará problemas de salubridade e higiene. (INFRAÇÃO MÉDIA) Durante a execução das obras, será obrigatória a manutenção do passeio (calçada) e da Rua por parte do proprietário do lote(s), deixando-os desobstruídos e em perfeitas condições, sendo vedada sua utilização, ainda que temporária como canteiro de obras, execução de argamassa ou concreto, depósitos de materiais, carga e descarga de materiais de construção ou caçambas de entulho. ( INFRAÇÃO MÉDIA) É terminantemente proibida a queima de qualquer resíduo nos lotes, cabendo a Associação denúncia a Secretaria de Meio Ambiente da cidade de Itatiba. (INFRAÇÃO GRAVE) Não será permitida a utilização de terrenos vizinhos, como lote de apoio, para depósito de materiais de construção, passagem e qualquer outro uso; (INFRAÇÃO GRAVE) a. Caso o lote lindeiro seja do mesmo proprietário e este for fazer uso como lote de apoio, deverá obrigatoriamente tapumar toda a extensão dos lotes e terá como única finalidade depósito de materiais. (INFRAÇÃO GRAVE) É obrigatória a colocação de tapumes de 2m (dois) de altura, em todo o perímetro do lote, respeitando as divisas do terreno, inclusive o passeio público liberado 1,00m (um). Os tapumes e o depósito de materiais deverão obrigatoriamente ser pintados de verde escuro todas as faces e deverá receber manutenção durante o período de obras. Não serão admitidos tapumes em más condições de uso e estética. (INFRAÇÃO GRAVE) A retirada dos tapumes só será permitida pelo departamento de Engenharia e Obras da Associação, após a obra estiver sem material de obra (pedra, areia, cimento, argamassa, etc.), sem entulho (madeiras, restos de blocos, etc.) e com janelas, vidros e portas instalados e a residência estiver ao menos com um fundo de tinta. (INFRAÇÃO MÉDIA) É obrigatória a instalação rede de proteção quando a construção for contígua a outra residência, para evitar sujeira no quintal vizinho e mesmo algum tipo de acidente. (INFRAÇÃO MÉDIA) 30

31 20 MOVIMENTAÇÃO DE TERRA E TALUDES Para os serviços de movimentação de terra, o proprietário da obra deverá aprovar o projeto como um todo, sendo obrigado a proteger os prédios lindeiros, vias e logradouros públicos por meio de obras de proteção contra deslocamento de terra e infiltração de águas, assumindo toda e qualquer responsabilidade pelos danos que vierem a ocorrer. (INFRAÇÃO GRAVE) Caso a terra retirada seja mantida no próprio lote ou em lote vizinho, para uso futuro na obra, a mesma deverá estar contida para que não se espalhe, sujando o passeio e a via pública. Após o término da terraplenagem a via pública deve ser obrigatoriamente lavada com caminhão pipa. (INFRAÇÃO GRAVE) A execução da terraplenagem não poderá invadir os lotes vizinhos de propriedade de terceiros, vielas ou passeios e os lotes que fizerem a terraplenagem deverão iniciar as obras de MURO DE ARRIMO (se necessário for) IMEDIATAMENTE, sob sua responsabilidade e custas. (INFRAÇÃO GRAVE) Caso não sejam iniciadas as obras da residência, o proprietário deverá cobrir o lote com cobertura vegetal para que não ocorra erosão, devendo os muros de arrimos serem executados por questões de segurança e erosão. (INFRAÇÃO GRAVE) Em caso de erosão o solo que for carreado para os lotes vizinhos, vielas, calçadas e/ou ruas, será de inteira responsabilidade do proprietário do lote causador, o qual deverá fazer a devida limpeza às suas custas. (INFRAÇÃO GRAVE) Os taludes e terraplenagens instáveis devem ter sua estabilidade garantida por meio de estruturas dimensionadas para esse fim. (INFRAÇÃO MÉDIA) Qualquer obra que tenha repercussão nos terrenos vizinhos ou em área de uso comum (praças, ruas, jardins, leitos de ruas, 31

32 calçadas e canaletas) e particularmente nos casos de movimentação de terra, mesmo executado nos limites do lote ora compromissado, deverá ser previamente autorizada pelo departamento de Engenharia e Obras da Associação que por sua vez poderá ouvir a Municipalidade a respeito. A inobservância por parte do comprador possibilitará, quando essas obras ocasionarem danos em áreas públicas, participação ativa da Associação e/ou órgão público a fim de que estas providenciem o necessário embargo das obras e adotem as medidas punitivas pertinentes. 21 HORÁRIO DE TRABALHO, DESCARGA E CAPACIDADE DE CARGA Horário permitido de trabalho nas obras: De 2ª feira à 6ª feira, das 07:00h às 17:00h, exceto feriados, que não poderá haver expediente de trabalho. Não será permitida a permanência de pessoal na obra além do período de trabalho estabelecido. A tolerância máxima permitida será de 15 minutos (quinze), após este horário o funcionário será advertido e o proprietário informado do ocorrido. (INFRAÇÃO MÉDIA) É terminantemente proibido trabalhos aos sábados em obras, mesmo sendo o próprio proprietário a executá-lo. Constatado o fato pela segurança do Loteamento, o departamento de Engenharia e Obras da Associação tomará as medidas necessárias. (INFRAÇÃO GRAVE) Não é permitido pernoitar na obra nem pelo proprietário ou qualquer tipo de funcionário, prestadores de serviços e/ou profissionais dentro da obra ou em qualquer lugar do Loteamento, por questões de segurança. (INFRAÇÃO GRAVE) Não será permitida a entrada de caminhões aos sábados e domingos, exceto caminhões de mudança previamente agendado no departamento de Engenharia e Obras da Associação, respeitando o horário da portaria de serviços aos sábados das 9:00h as 15:00h. 32

33 A entrada de caminhão betoneira e bate estacas será permitida até às 15:00h. Não será permitida, em nenhuma circunstância, a entrada depois desse horário devido ao prazo de descarga do concreto ultrapassar o horário permitido de trabalho dentro do Loteamento. (INFRAÇÃO GRAVE) A carga e descarga de materiais de construção, bem como a entrega e retirada de caçambas de entulhos, só poderão ser feitas com a presença de um responsável pela obra e somente durante o expediente normal de serviço sendo permitida a entrada de caminhões até às 16:00h, exceto o caminhão betoneira e bate estacas que têm o seu horário estipulado no item acima A partir da permissão da entrada de caminhões e ou qualquer outro veículo no Loteamento, a responsabilidade pelo mesmo passa a ser do Proprietário do Lote a que tais veículos se destinam. O cuidado pela boa conservação das ruas, calçadas, guias, sarjetas e/ ou equipamentos comuns do Loteamento, deverá ser tomado e caso os mesmos sejam sujos ou danificados por qualquer material ou motivo, o proprietário do lote causador deverá fazer a devida limpeza ou manutenção às suas custas. (INFRAÇÃO MÉDIA) Em nenhuma hipótese, o caminhão betoneira ou outros veículos poderão fazer a sua limpeza dentro do Loteamento ou ainda pernoitarem estacionados nas ruas ou nos lotes deste Loteamento. (INFRAÇÃO GRAVE) Não será permitida também a limpeza de bombas de concreto dentro do loteamento. (INFRAÇÃO GRAVE) Se forem utilizados caibros e/ou outros materiais como rampas nas guias para os caminhões subirem na calçada e/ou lotes, estes devem ser retirados imediatamente após sua utilização, pois obstruem a passagem das águas pluviais ou podem entupir as bocas de lobo do Loteamento. As guias e sarjetas devem estar sempre em perfeito estado.(infração GRAVE) 33

34 A carga máxima suportada pelo asfalto dentro do Loteamento é de até 8tn (oito) toneladas, sendo proibida a entrada no Loteamento os que excederem esse peso O caminhão betoneira poderá transitar com carga de até 5m³, sendo que será checado junto à nota fiscal da mercadoria pelos porteiros da portaria de serviços e/ou pelos fiscais do departamento de Engenharia e Obras da Associação. O proprietário/engenheiro/empreiteiro ao fazer o pedido do concreto na empresa de sua escolha, deverá informar a mesma que a carga não poderá ser maior que 5m³ (cinco), correndo o risco de não poderem adentrar no Loteamento. (INFRAÇÃO GRAVE) 22 PASSEIO PÚBLICO E REBAIXAMENTO DE GUIAS O passeio público (calçada) deverá ser mantido o nível original do passeio, não sendo permitido criar rampas ou desníveis. Poderá haver uma inclinação de no máximo 5% para fins de escoamento de águas pluviais. (INFRAÇÃO GRAVE) É obrigatório o nivelamento dos passeios entre lotes lindeiros, através do nivelamento seguindo o perfil da rua, dando continuidade ao passeio, não sendo permitida colocação de degraus, escadas, muretas, floreiras, sendo que o passeio (calçada) deverá estar totalmente acessível. (INFRAÇÃO GRAVE) O rebaixamento de guias será permito apenas no acesso de veículos e a guia deverá ser reconstituída com acabamento estético perfeito, sendo terminantemente proibido colocação de rampas de acesso. (INFRAÇÃO GRAVE) 23 NOTIFICAÇÕES E PARALISAÇÕES DE OBRAS Constatada irregularidade na execução da obra pelo desatendimento às normas do Loteamento e/ou ao projeto verificado, o proprietário e o executor da obra serão notificados, sendo os mesmos obrigados a tomarem as devidas providências, arcando com as conseqüências legais caso não sejam atendidas as notificações no prazo estipulado. (INFRAÇÃO GRAVE) 34

35 No caso de paralisação das obras por período não determinado ou superior a 3 (três) meses, por motivos de salubridade as obras paradas devem ser mantidas limpas, tapumadas, incorrendo em multa para o proprietário caso não cumprir a limpeza das mesmas. Não será permitido acesso de pessoas estranhas à obra parada, a não ser que o proprietário inicie novamente o processo de SOLICITAÇÃO DE INÍCIO DE OBRAS, constante neste COR. (INFRAÇÃO MÉDIA) 24 FINALIZAÇÃO DA OBRA Todas as alvenarias deverão ter acabamentos em todas as faces e deverão ser devidamente pintados (uma mão de fundo) Os muros de divisa deverão ter acabamento em todas as faces, podendo ser em bloco aparente, reboco ou chapisco A faixa do recuo frontal do lote deverá ser no mínimo gramada para configurar a finalização da obra Somente após estes itens a e c é que será liberada a retirada dos tapumes. (INFRAÇÃO MÉDIA) 25 AUTORIZAÇÃO PARA OCUPAÇÃO 25.1 Após o término das obras e antes da ocupação do imóvel, o proprietário deverá solicitar a devida autorização para tal fim, através de protocolo dos seguintes documentos: (duas) vias da SOLICITAÇÃO PARA OCUPAÇÃO DE RESIDÊNCIA devidamente preenchida, no padrão estabelecido no Anexo 07; (uma) via do Habite-se, expedido pela Prefeitura Municipal de Itatiba; 25.2 A AUTORIZAÇÃO PARA OCUPAÇÃO DE RESIDÊNCIA será emitida desde que: Não haja pendências no processo de Verificação do Projeto do Proprietário junto ao departamento de Engenharia e Obras da 35

36 Associação; O imóvel esteja no mínimo com a parte externa e os fechamentos laterais e fundos prontos e acabados e o passeio público pronto, acabado; Se não tiver sido observada fielmente a planta aprovada, o proprietário será intimado a substituir o projeto arquivado no departamento de Engenharia e Obras da Associação. (INFRAÇÃO MÉDIA) Se as modificações executadas no percorrer da obra infringem em algum ponto deste COR, o proprietário será notificado a adequar o imóvel às normas vigentes. (INFRAÇÃO GRAVE) 25.3 A efetiva habitação do imóvel somente será permitida após a liberação pelo departamento de Engenharia e Obras da Associação. O proprietário deverá encaminhar requerimento a este departamento informando da conclusão da obra e solicitando tal liberação O departamento de Engenharia e Obras da Associação deverá efetuar a vistoria final no prazo máximo de 07 (sete) dias e emitir documento liberatório ou comunique-se sobre eventuais problemas que impeçam a habitação. Nesse caso, o proprietário deverá atender ao mesmo e notificar após o cumprimento ou justificar-se, cabendo a este departamento a análise da justificativa. 26 NORMAS ADMINSTRATIVAS E DISCIPLINARES 26.1 Todas as comunicações, ordens, solicitações, recursos e outros requerimentos, deverão ser obrigatoriamente, por escrito, não importando a natureza do fato gerador, através de fax, cartas, documentos, ou qualquer outro meio de comunicação que permita o registro e a rastreabilidade de sua origem e deverão ser devidamente protocoladas pelo interessado na Departamento de Engenharia e Obra da Associação em 2 (duas) vias A Segurança do Loteamento ou quem a Associação indicar poderá a qualquer momento, vistoriar todos os funcionários contratados, canteiros de obras e dependências, bem como veículos, de forma a garantir a segurança do empreendimento e seus moradores. 36

37 26.3 São proibidos letreiros e anúncios de qualquer natureza nos terrenos e nas edificações residenciais, inclusive placas referentes à venda ou locação de imóvel, exceto placas de identificação de responsabilidade técnica relativa ao projeto e execução de obras, durante o período de construção. (INFRAÇÃO GRAVE) 26.4 Não será permitida a distribuição de qualquer tipo de folhetos dentro do Loteamento, sem a devida autorização por parte da Associação Os associados obrigam-se expressamente a permitir gratuitamente a passagem pelos seus respectivos lotes, de canalizações de água pluvial, que eventualmente sejam realizadas, as quais poderão atravessar o lote em uma faixa de 0,50m (cinqüenta centímetros) das suas divisas laterais Os itens não descritos neste COR deverão ser consultados previamente junto ao Plantão Técnico da Associação do Residencial Itatiba Country Club O desentendimento às disposições desse COR sem a devida verificação ou em desacordo com o mesmo constitui infração sujeita à aplicação de penalidades pecuniárias mensais e sucessivas até a efetiva reparação da irregularidade, pelo índice constante na tabela de multas em vigor Quaisquer incidências não previstas neste COR estarão sujeitas à apreciação pela Associação do Residencial Itatiba Country Club e, na eventualidade de rejeição da solicitação, caberá recurso à Assembléia Geral. Na decisão final, tal resolução será incluída neste COR. 37

38 17 - ANEXO 01 38

39 39

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES.

CONVÊNIO Nº 002/87 1.0 - GENERALIDADES. 1 CONVÊNIO Nº 002/87 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARUERI E, DE OUTRO, A SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL MORADA DOS PÁSSAROS, PARA A APLICAÇÃO DE

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES

SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES SANTA BÁRBARA RESORT RESIDENCE REGULAMENTO PARA CONSTRUÇÕES E ALTERAÇÕES DE CONSTRUÇÕES 1. Considerações Gerais 1.1. O presente Regulamento estabelece regras gerais para as construções e alterações que

Leia mais

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar:

II Desenho na escala de 1:100 (uma para cem); III Cotas necessárias à perfeita compreensão do projeto; 1º - O projeto simplificado deverá apresentar: Institui Projeto Simplificado e dispõe sobre a forma de apresentação de projetos de construção de edificações residenciais unifamiliares, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015

LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 LEI N.º 4.598/15 DE 28 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre condomínios por unidades autônomas e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LÜTKEMEYER, PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NÃO-ME-TOQUE/RS. FAÇO SABER

Leia mais

UBATUBA COUNTRY CLUBE

UBATUBA COUNTRY CLUBE CÓDIGO DE OBRAS INTRODUÇÃO Esta codificação pretende estabelecer regras de convivência para os proprietários e freqüentadores do Ubatuba Country Clube (UCC), bem como harmonizar com a paisagem os elementos

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE

REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Sociedade Residencial REGULAMENTO INTERNO SOCIEDADE RESIDENCIAL ECOVILLE Aqui a vida se renova. 1) APRESENTAÇÃO: 1.1 A filosofia deste Regulamento é apresentar limitações supletivas, ou seja, prevalecem

Leia mais

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA

MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA MUNÍCIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE - MG SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E MEIO AMBIENTE Administração 2.013/2.016 TERMO DE REFERENCIA REFORMA E AMPLIAÇÃO DA ESCOLA MUNICIPAL PEDRO REZENDE DOS SANTOS 1 - OBJETO:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA DECRETO Nº 1401 DECRETO Nº 1401 Dispõe sobre o uso temporário do recuo frontal obrigatório no Município de Curitiba. O PREFEITO MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais que lhe

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015

MANUAL TÉCNICO DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS E OBRAS 2015 I. OBRAS I.1. I.1.1 1.1. ORIENTAÇÃO PARA INÍCIO DAS OBRAS Documentos necessários Para o início da obra será necessária a apresentação ao, dos seguintes documentos que devem permanecer na obra durante sua

Leia mais

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS

CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS CONTRATO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EXECUÇÃO DE OBRAS Que entre si celebram, de um lado, a SOCIEDADE ALPHAVILLE RESIDENCIAL 5, inscrita no C.G.C./MF, sob o n.º 51.244.861/0001-56, isenta

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO CONDOMÍÍNIIO RESERVA PAIIQUERÊ NORMAS DE EDIIFIICAÇÕES E USO DO SOLO ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO 1. OBJETIVOS: As normas de edificação e uso do solo utilizadas para a concepção e elaboração do projeto

Leia mais

c) Prevenir a poluição do ambiente, bem como dos recursos naturais existentes.

c) Prevenir a poluição do ambiente, bem como dos recursos naturais existentes. REGULAMENTO INTERNO DOS DISTRITOS INDUSTRIAIS 1. APRESENTAÇÃO Art. 1 - Para as finalidades deste Regulamento, entende-se por uso do solo a utilização racional, para fins industriais, comerciais dos terrenos

Leia mais

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO

DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO DAS RESTRIÇÕES AO DIREITO DE USO E GOZO DOS IMÓVEIS NO JARDINS MÔNACO Art. 52 - É condição essencial e imperativa a observância dos termos deste Estatuto Social, Regimento Interno e das Normas para Construção

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ - SP DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 DECRETO Nº 24.162, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 MIGUEL HADDAD, Prefeito do Município de Jundiaí, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais e, em especial, ao que consta do art. 10 da Lei Municipal

Leia mais

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO AMAVERDE - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS E MORADORES DO CONDOMÍNIO VILLA VERDE RESIDENCIAL I - DO OBJETO REGIMENTO INTERNO ANEXO I DIRETRIZES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO Artigo 1º - O presente regulamento disciplina

Leia mais

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos.

Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. Viver em uma cidade que respeita o espaço urbano, o patrimônio histórico e a integridade da arquitetura das edificações é um direito de todos. A Lei Descobrindo Rio Claro surgiu para melhor organizar os

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº. 003/2010, de 24 de Março de 2010. INSTITUI O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE PETROLÂNDIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ERIMAR JOSÉ SENEN, Prefeito do Município de Petrolândia,

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo normatizar o direito de utilização e aproveitamento dos lotes, sendo que tais limitações são supletivas

Leia mais

PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Aprovado em Assembleia Extraordinária de / / Í N D I C E ASSUNTO ITENS PÁGINA I. Princípios Gerais... 01 a 05... 02 II. Restrições da Construção

Leia mais

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 2.557, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Altera a redação do Decreto nº 2.378, de 16 de agosto de 2006, que regulamenta a Lei Complementar nº 112, de 25 de julho de 2006, e dispõe sobre a Autorização

Leia mais

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016.

L E I Nº 3.469, DE 20 DE JANEIRO DE 2016. AUTOR: PREFEITA MUNICIPAL, MARIA DA CONCEIÇÃO CALDAS RABHA A CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DOS REIS APROVOU E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL NOSSA CIDADE LEGAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS ASSOCIAÇÃO JARDINS VIENA REGULAMENTO INTERNO DE OBRAS E REFORMAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Estas limitações são supletivas e prevalecem após o cumprimento das legislações federais, estaduais e municipais,

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.074, DE 18 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre a regularização de parcelamentos do solo e de edificações no Município de Belo Horizonte e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006.

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. LEI DE LOTEAMENTO LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. Autoriza o Poder Executivo a proceder o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. A

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO DO SOLO E DE EXECUÇÃO DE OBRAS DO ASSOCIAÇÃOVILLE DES LACS ZONA RESIDENCIAL UNIFAMILIAR REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO E USO DO SOLO 1. DEFINIÇÕES E PROPÓSITOS 1.1. As regras e disposições

Leia mais

Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES

Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES 6.1 Disposições gerais Art. 154 - Os compartimentos e ambientes deverão ser posicionados na edificação de forma a garantir conforto ambiental e a salubridade,

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DCU - SIMPLES

MANUAL DE INSTRUÇÕES DCU - SIMPLES PROCEDIMENTOS PARA APROVAÇÃO DE PROJETOS E EMISSÃO DE ALVARÁ DE OBRA MANUAL DE INSTRUÇÕES DCU - SIMPLES 2002 P DEPARTAMENTO DE CONTROLE URBANÍSTICO 1 A edição do Manual de Instruções e Procedimentos para

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015.

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL DE ILHÉUS GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. LEI Nº 3.745, DE 09 DE OUTUBRO DE 2015. Dispõe sobre loteamento urbano fechado, condomínio horizontal fechado, responsabilidade do incorporador e loteador, concessão de uso e dá outras providências. O

Leia mais

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO

CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO CRITÉRIOS DE EDIFICAÇÃO São os seguintes os Critérios de Edificação para o Condomínio Quintas do Sol, aprovados na Assembléia Geral Extraordinária realizada em 08.12.2002 e complementados na AGE de 17.10.2004.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI COMPLEMENTAR Nº 173, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008. Faço saber que: Dispõe sobre permissão de uso, de espaço público, aéreo e subsolo, para instalação

Leia mais

LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011.

LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011. LEI Nº. 1.940,DE 21 DE JUNHO DE 2011. Disciplina o uso de caçambas estacionárias containers de entulhos nas vias públicas do Município de Porto Velho e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013

ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013 ORIENTAÇÕES BÁSICAS Lei Complementar 06/2013 Secretaria Municipal do Planejamento, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia A Prefeitura de Araguaína desenvolveu esta Cartilha para orientar a população sobre

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I...4 DAS DISPOSOÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO II...4 DO PROJETO...4

ÍNDICE CAPÍTULO I...4 DAS DISPOSOÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO II...4 DO PROJETO...4 ÍNDICE CAPÍTULO I...4 DAS DISPOSOÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO II...4 DO PROJETO...4 CAPÍTULO III...6 DA APROVAÇÃO DO PROJETO E DO ALVARÁ DA CONSTRUÇÃO...6 CAPÍTULO IV...6 DA EXECUÇÃO DA OBRA...6 CAPÍTULO V...7

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO -SEPLAN DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EMISSÕES DE:

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO -SEPLAN DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EMISSÕES DE: DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA EMISSÕES DE: 1. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO / AMPLIAÇÃO /REFORMA / REGULARIZAÇÃO de Deve ter os dados do proprietário, dimensões do lote e ser registrada em cartório. Será aceito dimensões

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

ANEXO 16 DOCUMENTOS E FASES PARA APROVAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS. - DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA A SER APRESENTADA: 1.

ANEXO 16 DOCUMENTOS E FASES PARA APROVAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS. - DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA A SER APRESENTADA: 1. DOCUMENTOS E FASES PARA APROVAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS 1º FASE - DIRETRIZES PARA PROJETO DE LOTEAMENTO 1. Requerimento; 2. Documento de propriedade (1 Via); 3. Plantas do imóvel (planialtimétrica

Leia mais

CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL (C.O.R)

CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL (C.O.R) CÓDIGO DE OBRAS DO RESIDENCIAL (C.O.R) A ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO RESIDENCIAL ITATIBA COUNTRY CLUB, a seguir simplesmente designada como Associação, conforme disposto no artigo 74 do Capítulo XXII Das

Leia mais

DECRETO Nº 50.077, DE 6 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o artigo 50 da Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, o qual dispõe sobre a celebração de

DECRETO Nº 50.077, DE 6 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o artigo 50 da Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, o qual dispõe sobre a celebração de DECRETO Nº 50.077, DE 6 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o artigo 50 da Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, o qual dispõe sobre a celebração de termos de cooperação com a iniciativa privada, visando

Leia mais

Lei Complementar Nº 6/1996

Lei Complementar Nº 6/1996 Lei Complementar Nº 6/1996 DISPÕE SOBRE O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE ROLÂNDIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE ROLÂNDIA, ESTADO DO PARANÁ, aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL,

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal

GUIA DE ATIVIDADES Secretaria do Planejamento Municipal 1. DECLARAÇÃO MUNICIPAL DAS CONDIÇÕES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO URBANO (DM) É a primeira etapa a ser cumprida para o requerimento de aprovação e licenciamento, junto à Prefeitura de Porto Alegre, de projetos

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ

REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ Anexo B REGULAMENTO DO LOTEAMENTO ALPHAVILLE GRAVATAÍ ÍNDICE I. DEFINIÇÕES...4 II. DISPOSIÇÕES GERAIS...7 III. III.1. III.2. III.2.1 PROJETOS...8 APROVAÇÃO DE PROJETOS E FISCALIZAÇÃO...8 PROJETO DE REMEMBRAMENTO

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE. Assunto Itens Página TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRAS ÍNDICE Assunto Itens Página I Principios Gerais 01 a 05 02 II Restrições da Construção e do Uso do Lote 06 a 24 03 III Inicio das Edificações,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campo Limpo Paulista

Prefeitura Municipal de Campo Limpo Paulista LEI COMPLEMENTAR Nº 412, de 10 de dezembro de 2010. Dispõe sobre período e diretrizes para regularização de construções, reformas e ampliações no que tange a índices urbanísticos e parcelamentos de solo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTITUI O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE POÇOS DE CALDAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou, e eu, Paulo César Silva, Prefeito Municipal, sanciono e promulgo

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a: Atualizada até LC 610/2007. LEI COMPLEMENTAR N.º 528 DE 18 DE ABRIL DE 2005 ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE VAGAS PARA ESTACIONAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM GERAL E A ADOÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS ÀS ATIVIDADES

Leia mais

CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO - UNIFAMILIAR

CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO - UNIFAMILIAR ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE MUNICÍPIO DE PARNAMIRIM SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE E DO DESENVOLVIMENTO URBANO CHEK LIST DE DOCUMENTAÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSOS COORDENADORIA DE URBANISMO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. Art. 13 - (...)

LEI COMPLEMENTAR N. Art. 13 - (...) LEI COMPLEMENTAR N. Altera e acrescenta dispositivos na Lei Complementar nº 18, de 31 de agosto de 2000, que Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano do Município de Poços de Caldas e dá outras providências.

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal N.º 1414 Art. 126 - Para que seja concedido habite-se parcial ou total é necessário o registro prévio de declaração do autor do

Leia mais

II os lotes poderão se escolhidos pelos interessados segundo a Planta Geral e de Zoneamento do LIC-SUL;

II os lotes poderão se escolhidos pelos interessados segundo a Planta Geral e de Zoneamento do LIC-SUL; LEI Nº1508/2011 DATA: 14 de julho de 2011. SÚMULA: Cria o Loteamento Industrial, Comercial e de Prestadores de Serviços Sul de Sinop LIC/SUL regulamenta e autoriza a doação com encargos de lotes para fins

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul

Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul LEI Nº 4.833 DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DISPÕE SOBRE O IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO E SOBRE A TAXA DE COLETA, REMOÇÃO E DESTINAÇÃO DO LIXO PARA O EXERCÍCIO DE 2010, CONCEDE ISENÇÕES E DÁ OUTRAS

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS)

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL - LICENÇA SIMPLIFICADA (LS) 1. DEFINIÇÃO 1.1. Licença Simplificada (LS) - concedida para a localização, instalação, implantação e operação

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. JUSTIFICATIVA: Considerando que os serviços de manutenção predial são imprescindíveis e de natureza contínua. Ademais, existem fatores diversos que influenciam na preservação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo

Prefeitura Municipal de Campinas. Lei de Uso e Ocupação do Solo Prefeitura Municipal de Campinas Lei de Uso e Ocupação do Solo 1988 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS Lei de Uso e Ocupação do Solo compilação 4º. edição de atualização 2011 concluída em Março/2011 sob

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE VOTUPORANGA

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE VOTUPORANGA LEI COMPLEMENTAR Nº.195, de 14 de dezembro de 2011 ============================================= (Institui o Código de Obras e Edificações e dá outras providências) FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) LEI Nº 4.201, DE 02 DE SETEMBRO DE 2008 DODF de 04.09.2008 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre o licenciamento para o exercício de atividades econômicas e sem fins lucrativos no âmbito do

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho)

PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) PROJETO DE LEI Nº..., DE 2012. (Deputado Augusto Coutinho) Dispõe sobre a obrigatoriedade de vistorias periciais e manutenções periódicas nas edificações constituídas por unidades autônomas, públicas ou

Leia mais

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.089, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta dispositivos da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977.

RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. RESOLUÇÃO CONFE No 87, de 26 de dezembro de 1977. DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO N o 18, DE 10.02.72, DO CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 27.03.72. CONSELHO FEDERAL DE ESTATÍSTICA

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO JÁ NAS BOAS-VINDAS, A CERTEZA DE TER FEITO O MELHOR NEGÓCIO. Parabéns! Agora, na melhor localização de Palhoça, você vai longe. E a Lumis tem orgulho em fazer parte desta importante

Leia mais

CIDADE LIMPA LEI Nº 6468/09

CIDADE LIMPA LEI Nº 6468/09 CIDADE LIMPA LEI Nº 6468/09 Índice Apresentação...03 O que é um anúncio?...04 É proibido colocar anúncio que prejudique:...04 Locais onde é proibido colocar anúncios:...05 Prazos...05 Anúncio indicativo

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

Lei nº 4.476/97 (com as alterações das Leis 4.557/97, 4.801/98, 5.464/02, 5.822/02, 6.528/05, 6.686/06, 6.688/06, 6.778/06, 6.926/07 e 6.

Lei nº 4.476/97 (com as alterações das Leis 4.557/97, 4.801/98, 5.464/02, 5.822/02, 6.528/05, 6.686/06, 6.688/06, 6.778/06, 6.926/07 e 6. Lei nº 4.476/97 (com as alterações das Leis 4.557/97, 4.801/98, 5.464/02, 5.822/02, 6.528/05, 6.686/06, 6.688/06, 6.778/06, 6.926/07 e 6.942/07) Dispõe sobre o Imposto Sobre a Propriedade Predial e Territorial

Leia mais

La Bella Città MEMORIAL DESCRITIVO. Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO

La Bella Città MEMORIAL DESCRITIVO. Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO La Bella Città Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA PROJETO ARQUITETÔNICO ARQUITETA CARMEN LUCIA PEZZETTE

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 26, de 12 de dezembro de 2011.

LEI COMPLEMENTAR Nº 26, de 12 de dezembro de 2011. LEI COMPLEMENTAR Nº 26, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Piraí. A CÂMARA MUNICIPAL DE PIRAÍ, aprova e eu sanciono a seguinte Lei. CAPÍTULO I Art. 1º - Para os efeitos

Leia mais

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS.

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. REGULAMENTO DA PORTARIA INDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III - DO OBJETIVO. - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. 1. Dos sócios titulares, seus dependentes e acompanhantes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE IVAIPORÃ- PR. Obras CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES E OBRAS DE IVAIPORÃ

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE IVAIPORÃ- PR. Obras CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES E OBRAS DE IVAIPORÃ 1 Código de Edificações e Obras CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES E OBRAS DE IVAIPORÃ 2 SUMÁRIO TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA CONCEITUAÇÃO DE TERMOS E SIGLAS

Leia mais

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a conservação e a proteção das águas subterrâneas no Estado de Pernambuco e dá outras providências Capítulo I - Da conservação e proteção das águas subterrâneas

Leia mais

LEI nº 569/06, de 04 de dezembro de 2006. EMENTA: Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Piripiri.

LEI nº 569/06, de 04 de dezembro de 2006. EMENTA: Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Piripiri. LEI nº 569/06, de 04 de dezembro de 2006. EMENTA: Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Piripiri. O PREFEITO MUNICIPAL DE PIRIPIRI, Estado do Piauí, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROJETO BÁSICO GESER Nº 04/07 FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fiscalização

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL PETRA

MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL PETRA MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL PETRA Este documento de Memorial Descritivo de Especificação do Empreendimento RESIDENCIAL PETRA situado à Rua Limeira nº 566, bairro Piratininga, lotes 12, 13, 14, 15,

Leia mais

SAN.T.IN.NT 21. Esta norma é aplicada aos clientes internos e externos da SANASA.

SAN.T.IN.NT 21. Esta norma é aplicada aos clientes internos e externos da SANASA. 1 / 11..1997 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. CONSIDERAÇÕES GERAIS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta norma tem a finalidade de regulamentar

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL 2003. do PORTARIA Nº 260/DGAC, DE 17 DE FEVEREIRO DE Aprova e Efetiva o Plano Específico de Zoneamento de Ruído Aeródromo Nacional de Aviação - Goiânia.

Leia mais

LEI Nº 012/89 CÓDIGO DE OBRAS

LEI Nº 012/89 CÓDIGO DE OBRAS LEI Nº 012/89 CÓDIGO DE OBRAS LEI Nº 012/89. CÓDIGO DE OBRAS A CÂMARA MUNICIPAL de Chapadão do Sul MS aprovou e o PREFEITO MUNICIPAL sancionou a seguinte Lei: Art. 1º - Este Código tem por finalidade disciplinar

Leia mais