Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Ciência da Informação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação PROJETO DE PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Ciência da Informação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação PROJETO DE PESQUISA"

Transcrição

1 Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Ciência da Informação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação PROJETO DE PESQUISA Título: Criação e Compartilhamento de Informação e Conhecimento em uma Rede de Cooperação Interorganizacional: o Autor: Wilson José Vieira da Costa Orientadora: Profa. Dra. Marta Pinheiro Linha de Pesquisa: Gestão da Informação e do Conhecimento - GIC Palavras Chave: Informação, Conhecimento, Redes, Compartilhamento, Inovação, APL, MPMEs. Banca de Qualificação: Prof. Dr. Ricardo Barbosa (ECI/UFMG), Profa. Beatriz Valadares Cendón (ECI/UFMG). 1. INTRODUÇÃO Em função da crescente competitividade na qual estão submetidas as organizações exige-se cada vez mais um contínuo esforço de se repensar a gestão empresarial. Para isso, se faz necessário, uma adequada estrutura informacional (tecnologia, pessoas e técnicas) para a qual as Micros, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs) não têm condições de arcar. De forma isolada elas apresentam dificuldades de acesso a informações e conhecimentos de cunho estratégico. Diante deste cenário, tem crescido o interesse em pesquisas sobre redes interorganizacionais como ambiente favorável à criação e ao compartilhamento de informações, de conhecimentos, de habilidades e de recursos essenciais para os processos de inovação. O presente estudo tem por objetivo identificar como as empresas do APL de Móveis de Ubá criam e compartilham informação e conhecimento para os processos inovativos e de aprendizado em parceria com as entidades de apoio 1, de forma a agregar valor ao conhecimento explícito informações organizadas e registradas em bases de dados, catálogos, patentes, etc. na busca por competitividade. 1 Atualmente, as ações de desenvolvimento do pólo são trabalhadas pelo Comitê Gestor do Arranjo Produtivo da Indústria Moveleira de Ubá e Região, liderado pelo INTERSIND (Sindicato) com o apoio de entidades públicas e privadas: ministérios, secretaria de Estado, instituições de apoio às micro, equenas e médias empresas, organismos voltados para o desenvolvimento econômico e regional, agentes financeiros e universidades. (www.ubamoveisdeminas.com.br Acesso em 26 maio 2006)

2 2 A pesquisa de natureza Qualitativa terá como ambiente a ser estudado o APL de Móveis de Ubá e as entidades de apoio que desenvolvem ações para o desenvolvimento do pólo. Este ambiente será a fonte direta para a coleta de dados e as análises conduzirão à tendência da análise de dados indutiva. 2. O PROBLEMA DE PESQUISA O Empreendedorismo no âmbito das MPMEs é, hoje, o assunto do mais intenso debate na imprensa e na literatura e é representado pelas iniciativas de apoio do Governo Federal, pela busca cooperação, da eficiência, da qualidade e da inovação como instrumentos propulsores básicos para uma sociedade economicamente competitiva e geradora de empregos. Não somente no Brasil, como em outros países do Terceiro Mundo, os governos têm buscado estabelecer políticas de apoio a este setor como forma de minimizar o desequilíbrio entre as classes sociais. Políticas oriundas da crença de desenvolvimento econômico possibilitador do incentivo à produção e à criação de novos empregos, que miniminize as mazelas do desemprego, pelo estabelecimento de novos postos de trabalho, novas ocupações profissionais. Mais recentemente percebe-se que o Estado tem atuado como articulador das relações entre empresas através do modelo de redes horizontais de cooperação entre MPMEs, inspirado nos resultados alcançados pelas empresas na região da Emília Romana (conhecida como terceira Itália), que atualmente constitui um exemplo para o mundo de como as micros e pequenas empresas poderão tornar-se competitivas por meio da organização em redes de cooperação. Neste contexto, aparecem as entidades de apoio às MPMEs preocupadas em estudar estratégias de competitividade baseando-se na inter-relação de atores em sistemas locais de produção atuando na promoção de cursos de capacitação, facilitação do acesso ao crédito, estimulação da cooperação entre as empresas, e incentivo no desenvolvimento de atividades que contribuem para a geração de emprego e renda. O cenário brasileiro demonstra a necessidade de estratégias que contribuam para o aumento da competitividade de micros e pequenos negócios. Segundo o GEM Global Entrepreneurship Monitor, 2005 o Brasil, com Taxa de Atividade Empreendedora Total TAE de 11,3%, ocupa a sétima posição entre os países com

3 3 maior nível de empreendedorismo. O Global Entrepreneurship Monitor (GEM) é uma pesquisa que tem a finalidade de aprofundar o conhecimento sobre questões relacionadas ao empreendedorismo, tais como: as diferenças entre os países em termos de capacidade empreendedora; a contribuição do empreendedorismo para o crescimento econômico e tecnológico; relações entre riquezas de oportunidades empreendedoras e a capacidade dos indivíduos de explorar novas oportunidades e o potencial dos governos para promover o empreendedorismo. A edição de 2005 do GEM demonstrou que no Brasil, apesar das altas taxas de desemprego, a abertura de empreendimentos por oportunidade de negócio supera em número as iniciativas por necessidade que são decorrentes da falta de opções no mercado de trabalho. Entretanto, devido à concorrência global e ao papel estratégico exercido pelas tecnologias da informação e comunicação, tornou-se mais difícil sobreviver como empreendedor sem o uso adequado da informação entendida como matériaprima para a geração de conhecimentos que conduzirá o processo inovativo nas empresas. Apesar de estudos recentes, demonstrarem que o Brasil é considerado um país muito empreendedor em número de empresas criadas, o índice de mortalidade, muitas vezes precoce, neste segmento é muito alto. Destaca-se, dentre as várias causas deste paradoxo, o despreparo dos empresários para explorar as particularidades de um ambiente de negócios na era do conhecimento. Faltam-lhe habilidades e conhecimento específicos (cultura empreendedora) para explorar as oportunidades e as suas vocações, bem como para enfrentar as ameaças que este novo cenário oferece, a fim de compensar suas deficiências para adotar um novo paradigma de negócios. O estudo de casos de sucesso em outros países indica que uma política pública de desenvolvimento do empreendedorismo pressupõe a existência de atores com a missão exclusiva de apoiar os empresários a diminuir o seu despreparo para administrar as novas variáveis envolvidas no novo modelo econômico. No Brasil, o SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - é reconhecido como um ator de referência com esta finalidade. Assim como nos Estados Unidos o SBA Small Business Administration, na Inglaterra o SBS Small Business Service e no Canadá o CCSBE Canadian Council for Small Business & Entrepreneurship.

4 4 Entretanto, assim como os empreendedores, os atores de apoio também devem evoluir constantemente, e precisam ter sua política de apoio sistematicamente atualizada para cumprir sua missão de forma efetiva. Afinal, estes atores são instituídos por lei e são mantidos com recursos públicos e necessitam de demonstrar sua eficácia à sociedade. Portanto, o presente estudo trata do processo de criação e compartilhamento de informação e conhecimento em um APL (Arranjo Produtivo Local) e suas entidades de apoio. O tema envolverá três perspectivas teóricas: a gestão da informação, a gestão do conhecimento no que se refere a geração e compartilhamento de conhecimentos (forma como a informação interna e externa é agregada às experiências e habilidades existentes na organização para promover atividades de inovação) e redes horizontais de cooperação APL - (conjunto de organizações que utilizam a configuração de rede para alcançar coletivamente certos objetivos organizacionais). A motivação pelo estudo decorre, principalmente, da análise e reflexão da literatura que demonstra que as empresas de forma isolada, principalmente as MPMEs, apresentam enormes dificuldades de acesso à informação e conhecimentos estratégicos. Dessa forma, este estudo se propõe a responder a seguinte questão: Como acontece o processo de criação e compartilhamento de informação e conhecimento em um APL em parceira com as entidades de apoio e, como essas últimas, têm facilitado os espaços de cooperação para este conjunto de empresas? 3. HIPÓTESE DE TRABALHO O desenvolvimento das MPMEs organizadas em redes horizontais de cooperação (APLs) é dependente de processos adequados de Gestão da Informação e do Conhecimento facilitados por entidades de apoio responsáveis por estabelecer espaços e relações positivas para a geração e compartilhamento de conhecimentos. Para analisar o processo de criação e compartilhamento de conhecimentos no APL de Móveis de Ubá-MG e suas interações com as entidades de apoio SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, FIEMG/IEL- Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais e Instituto Euvaldo Lodi, SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial e demais parceiros, estabelecemos como objetivos:

5 5 4. OBJETIVOS 4.1. OBJETIVO GERAL Identificar como as empresas do APL de Móveis de Ubá-MG criam e compartilham informação e conhecimento 2 para os processos inovativos e de aprendizado 3 em parceria com as entidades de apoio OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1) Levantar as características das empresas pesquisadas quanto a: número de funcionários, escolaridade, faturamento, aspectos relativos à produção, variedade de produtos e mercado das empresas do APL. 2) Mapear a rede interorganizacional - empresas do APL e entidades de apoio identificando as relações entre os atores e seus laços de influência e preferência. 3) Identificar pela análise de fluxos e processos que tipo de dados, informações e documentos tem sido compartilhados intra e interorganizacionalmente pelas empresas do APL. 4) Analisar aspectos relativos à gestão da informação nas atividades cooperadas entre as empresas do APL e entidades de apoio. 2Nos ASPLs, geralmente verificam-se processos de geração, compartilhamento e socialização de conhecimentos, por parte de empresas, organizações e indivíduos. Particularmente de conhecimentos tácitos, ou seja, aqueles que não estão codificados, mas que estão implícitos e incorporados em indivíduos, organizações e até regiões. O conhecimento tácito apresenta forte especificidade local, decorrendo da proximidade territorial e/ou de identidades culturais, sociais e empresariais. Isto facilita sua circulação em organizações ou contextos geográficos específicos, mas dificulta ou mesmo impede seu acesso por atores externos a tais contextos, tornando-se, portanto elemento de vantagem competitiva de que o detém. (LASTRES & CASSIOLATO, 2006, p.04) 3 Nos ASPLs, o aprendizado interativo constitui fonte fundamental para a transmissão de conhecimentos e a ampliação da capacitação produtiva e inovativa das empresas e outras organizações. A capacitação inovativa possibilita a introdução de novos produtos, processos, métodos e formatos organizacionais, sendo essencial para garantir a competitividade sustentada dos diferentes atores locais, tanto individual como coletivamente. (LASTRES & CASSIOLATO, 2006, p.04) 4 Atualmente, as ações de desenvolvimento do pólo são trabalhadas pelo Comitê Gestor do Arranjo Produtivo da Indústria Moveleira de Ubá e Região, liderado pelo INTERSIND (Sindicato) com o apoio de entidades públicas e privadas: ministérios, secretaria de Estado, instituições de apoio às micro, pequenas e médias empresas, organismos voltados para o desenvolvimento econômico e regional, agentes financeiros e universidades. (www.ubamoveisdeminas.com.br Acesso em 26 maio 2006)

6 6 5) Levantar a existência de possíveis entraves provenientes da cultura organizacional que dificultam o ambiente favorável para a existência de uma efetiva cooperação entre as pessoas, empresas e parceiros do APL. 6) Analisar como é a interação e os processos de criação e compartilhamento de conhecimento interorganizacional entre as entidades de apoio e o APL. 7) Levantar os resultados alcançados pelo APL na sua interação com as entidades de apoio. 5. JUSTIFICATIVA Segmento reconhecidamente importante em países desenvolvidos, as micro e pequenas empresas possuem um papel significativo na economia brasileira. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e do SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), as MPMEs (micro e pequenas empresas) representam 99,3% das 3,4 milhões de empresas formalmente constituídas e empregam 60% da mão de obra formalmente ocupada nos setores da indústria, do comércio e dos serviços. Junta-se a estes números 9,5 milhões de empresas informais e, ainda, quatro milhões de pequenas propriedades rurais de agricultura familiar. Significa, então dizer, que a maioria dos 70 milhões de brasileiros que constituem a População Economicamente Ativa (PEA) trabalha ou tem vínculo com as MPMEs. Portanto, atualmente, as MPMEs são o grande fator gerador de ocupação, porque a grande empresa, pela necessidade de aumentar a produtividade, exigência da globalização, automatiza-se cada vez mais e, assim, emprega menos....as pequenas empresas exploram novas porções restritas de mercados, desinteressantes para as empresas maiores e, devido à sua frágil posição, mantém-se próximas às necessidades reais dos seus consumidores. EISENHARDT & FORBES (1985)

7 7 Esta fragilidade, principalmente, face ao ambiente desfavorável no Brasil: alta carga tributária, burocracia, o difícil acesso ao crédito, à tecnologia e ao conhecimento, faz com que o sucesso dessas empresas dependa dos serviços de entidades de apoio que criem um ambiente favorável a sustentabilidade e ampliação dos pequenos negócios. No Brasil, mesmo diante deste contexto desfavorável, os desafios impostos pela globalização fizeram com que as MPMEs locais buscassem se adaptar crescentemente aos padrões internacionais de qualidade, velocidade de resposta e flexibilização bem como aumentar significativamente as formas de cooperação tanto vertical quanto horizontalmente. Crocco e Horárcio (2001) relatam que o exemplo pioneiro dado pelas empresas da chamada Terceira Itália no final dos anos 70, fez com que a comunidade científica passasse a observar que a proximidade física das MPMEs propiciava não somente externalidades (economias de aglomeração) mas também condições para uma interação cooperativa no sentido da superação de problemas em comum. Tais aglomerações são chamadas de clusters ou Arranjos Produtivos Locais que na literatura de tipologias de redes poderiam ser enquadrados como redes horizontais de MPMEs e quando apoiados por instituições configura-se como redes interorganizacionais de cooperação. 5.1 REDES INTERORGANIZACIONAIS e REDES HORIZONTAIS DE MPMEs A reconhecida importância no campo organizacional e social tem demandado um crescente interesse nas pesquisas sobre o fenômeno das redes interorganizacionais nas mais variadas áreas do conhecimento, como a economia, a sociologia, a política e a administração e, mais recentemente, na ciência da informação. O termo rede designa um conjunto de pessoas ou organizações interligadas direta ou indiretamente conforme salientaram Marcon & Moinet (2000). Para Castells (1999), a intensidade e a freqüência da interação entre atores sociais são maiores se esses atores forem nós de uma rede do que se não pertencessem à mesma rede. As redes intensificam a interação, promovendo uma redução do tempo e do espaço nas inter-relações entre os seus atores, fatores altamente estratégicos para a competitividade das organizações do século XXI.

8 8 A diversidade de tipologias de redes interorganizacionais provocou uma certa ambigüidade no entendimento do termo. Essa questão foi objeto de análise de Castells (1999), com base no argumento de que as redes interorganizacionais aparecem sob diferentes formas, em diferentes contextos e a partir de expressões culturais diversas. Buscando uma melhor compreensão sobre a diversidade de tipologias de redes interorganizacionais, Marcon & Moinet (2000) apud Balestrin e Vargas (2002) apresentam um gráfico denominado mapa de orientação conceitual no qual indicam as principais dimensões sobre as quais as redes são estruturadas. Figura 1: Mapa de orientação conceitual Fonte: Balestrin e Vargas adaptada a partir do modelo de Marcon & Moinet (2000) Observando esse mapa conceitual, percebe-se que o eixo vertical relacionase com a natureza dos elos gerenciais estabelecidos entre os atores da rede. Esses elos podem representar uma atividade de cooperação (no caso de uma rede horizontal, como as redes de cooperação entre MPMEs), ou representar um grau de ligação hierárquico (no caso de uma rede vertical, como uma rede do tipo matriz/filial). Já no eixo horizontal, está representado o grau de formalização estabelecido nas relações entre os atores. Esse grau pode mover-se de uma conveniência informal entre os atores (no caso de relações de amizade, afinidade e parentesco tal como ocorrem nas associações, nos clubes, nas redes de amigos) até relações formalmente estabelecidas por contratos entre as partes (no caso de contratos jurídicos, como ocorre na formação de joint-ventures).

9 9 Deve-se destacar que, em cada um dos diversos pontos do quadrante, poderá ser encontrado um tipo particular de configuração de rede, elucidando, assim, a ampla diversidade de tipologias de redes interorganizacionais existentes. De acordo com as teorizações apresentadas, observa-se que dificilmente existirão duas redes estruturadas de forma idêntica. Assim, o esforço de tentar abranger todas as possibilidades de redes interorganizacionais em algumas dezenas de tipologias pré-definidas não deixa de ser uma simplificação forçada da ampla diversidade de tipologias de redes. O que fica evidente na análise da literatura, conforme observado no modelo de Marcon & Moinet (2000), é o fato de que a grande maioria das pesquisas (principalmente por autores anglo-saxões) privilegiaram arranjos como joint-ventures e alianças estratégicas entre grandes empresas. Outras configurações, não menos importantes, como as redes horizontais de MPMEs tiveram pouco espaço para reflexão nos estudos sobre redes interorganizacionais. O motivo do surgimento do interesse no estudo da configuração em rede como estratégia de competitividade organizacional decorre de três razões principais apontadas por Nohria e Eccles (1992): a) a emergência da nova competição, como a que está ocorrendo nos distritos industriais italianos e do Vale do Silício. Se o velho modelo de organização era a grande firma hierárquica, o modelo da organização considerada característica da nova competição é a rede de inter-relações laterais intra e interfirmas; b) o surgimento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) tem tornado possível uma maior capacidade de inter-relações entre firmas dispersas; c) a consolidação da análise de redes como uma disciplina acadêmica, não somente restrita a alguns grupos de sociólogos, mas expandida para uma ampla interdisciplinaridade dos estudos organizacionais. Para a MPMEs a configuração em rede representa uma opção estratégica para a competitividade, pois, na maioria das vezes, apresentam certas dificuldades, tais como: obter melhores preços e vantagens na compra de matérias-primas e componentes, custos de participação em feiras, custos de campanhas publicitárias, custos de reciclagem e treinamento da mão-de-obra, atualização tecnológica, acesso a linhas de crédito e financiamento, custos de aluguel, custos envolvidos na exportação de produtos, etc. Esses problemas dificilmente desaparecerão, contudo,

10 10 podem ter seus efeitos neutralizados ou amenizados pela ação coletiva conjugada à atuação de entidades de apoio. 5.2 A GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO Há um reconhecimento crescente de que a informação, como qualquer outro recurso organizacional financeiro, material e humano é um recurso que necessita ser gerenciado para ajudar as organizações a melhorar sua produtividade, competitividade e performance geral. (BERGERON, 1996) Davenport & Prusak (1998) constataram que as atividades baseadas no conhecimento e voltadas para o desenvolvimento de produtos e processos estavam se tornando as principais funções internas das empresas. Alvarenga Neto (2002) salienta que o conceito de gestão da informação decorre do conceito anterior de GRI (Gestão de Recursos Informacionais) que ficou mais visível na literatura devido, em parte, à adoção nos EUA, do Paperwork Reduction Act Lei da Redução de Papéis. A partir de então, a gestão da informação surge como uma estratégia aperfeiçoada para o gerenciamento eficaz da informação e como uma resposta aos problemas informacionais das organizações obter a informação correta, na hora certa, na forma/meio correto e endereçá-la à pessoa certa. Essas informações podem concernir às atividades organizacionais presentes e/ou passadas ou os fatores ambientais e podem ser gravadas em qualquer tipo de mídia, dentro ou fora da organização. A importância capital dada às questões do gerenciamento da informação e do conhecimento revela-se pelo envolvimento ao alinhamento estratégico da organização. São presidentes, vice-presidentes, diretores e gerentes designados para cuidar do alinhamento do projeto de gestão do conhecimento ao alinhamento estratégico da organização. (ALVARENGA NETO, 2002 pg. 149) Há uma grande discussão acadêmica que discute o enfoque empresarial e a importância destinada ao tema como sendo apenas mais um modismo, de pouca

11 11 relevância. Entretanto percebe-se que a Gestão de Recursos Informacionais norteia e valida amplamente outras atividades e outros temas de grande importância como a gestão do capital intelectual - STEWART ( ) e EDVINSSON & MALONE (1998) - a criação e transferência de conhecimento e a aprendizagem organizacional NONAKA & TAKEUCHI (1997), DAVENPORT & PRUSAK (1998), LEONARD- BARTON (1998), SVEIBY (1998) e KROGH, ICHIJO & NONAKA (2001) a inteligência competitiva e as comunidades de prática CHOO (1998), DUGUID & BROWN (2000) (2001), FLEURY & OLIVEIRA (2001) dentre outros. Cianconi (2003) afirma que apesar de muitos pontos semelhantes, a GI e a GC diferem em especial quanto aos objetivos: enquanto a Gestão da Informação busca essencialmente organizar, controlar, e tornar possíveis as informações registradas, com ênfase nos recursos, procedimentos, metodologias e tecnologias, a Gestão do Conhecimento busca apoiar a geração de novas idéias, a criação e compartilhamento do conhecimento, a aprendizagem organizacional, requerendo um alto grau de envolvimento humano e gestão de pessoas, além do suporte tecnológico. A autora propõe a figura abaixo para ilustrar a relação entre a Gestão da Informação e a Gestão do Conhecimento. Figura 2: Interseção entre a Gestão da Informação e a Gestão do Conhecimento Fonte: CIANCONI, 2003, p. 232

12 12 A gestão do conhecimento na empresa envolve a interligação articulada e intencional das pessoas de forma que, com base no conhecimento, seja possível compartilhar idéias e raciocínios a fim de estimular a colaboração e a cooperação visando a promoção do desempenho da organização. Moura (2001) como vários outros contribui com seu conceito ao termo: um conjunto de estratégias que visa a colocar o conhecimento (tanto tácito quanto explícito) em ação, através de sistemas e processos que possibilitem às pessoas contribuírem para o conhecimento coletivo da empresa e dele retirarem o que necessitam para o seu desenvolvimento e, ao mesmo tempo, para o aperfeiçoamento das operações organizacionais (MOURA, 2001, p. 1). A gestão do conhecimento pressupõe a adoção de práticas gerenciais compatíveis com os processos de criação e aprendizado individual e, também, na coordenação sistêmica de esforços em vários planos: organizacional e individual; estratégico e operacional; normas formais e informais (TERRA, 2000, p. 215) A criação do conhecimento Nas organizações a criação do conhecimento se dá através da interação contínua entre os conhecimentos tácito e explícito. Para criar conhecimento é preciso envolver os trabalhadores de tal forma que todos sintam-se comprometidos com este desenvolvimento, a invenção de novos conhecimentos não é atividade especializada, província exclusiva das áreas de P&D, marketing ou planejamento estratégico (Nonaka, 2001, p. 31). E mais, a empresa precisa estimular a integração de todos rumo a novas aplicações do conhecimento que já está disponível na mesma. O conhecimento individual é conectado e distribuído, difundindo-se em espiral na organização o que Nonaka e Takeuchi (1997, p. 62) referem-se a dispositivos. Esses dispositivos têm a função de promover uma interação contínua

13 13 e dinâmica que propicia o compartilhamento e a criação de conhecimento. Esse processo denominado SECI pode ser visualizado na figura abaixo: Figura 3: Processo SECI Fonte: Adaptado de Nonaka e Takeuchi (1997, p.??) a) Socialização: do conhecimento tácito em conhecimento tácito: processo em que são compartilhadas as experiências individuais e coletivas. b) Externalização: do conhecimento tácito em conhecimento explícito: processo em que se procura tornar explícito e disponível em alguma forma de registro o conhecimento de cada um. A escrita é um exemplo dessa forma. c) Combinação: do conhecimento explícito em conhecimento explícito: processo em que as pessoas trocam e sintonizam conhecimentos por intermédio de formas externalizadas, tais como relatórios, documentos e comunicação por telefone. Dessas interações novos conhecimentos podem surgir. d) Internalização: do conhecimento explícito em conhecimento tácito: processo em que cada trabalhador vai aprender fazendo. Isso se dá, quando o mesmo consegue assimilar e aplicar o que aprendeu. Por exemplo, a reconfiguração de modelos mentais, o knowhow técnico compartilhado, o compartilhamento de experiências através da socialização, externalização e combinação (Nonaka e Takeuchi, 1997, p. 77). Para que o processo SECI ocorra efetivamente é necessária a existência de um contexto apropriado.. Nonaka et. al (2002) denomina tal contexto ba 5. Sendo que o conjunto dos ba de uma organização (no caso, uma rede interorganizacional 5 ba - não há uma tradução exata da palavra. Pode ser definido como um contexto de interação onde o conhecimento é criado, compartilhado e utilizado.

14 14 composta de empresas do APL e entidades de apoio) é que vai formar a plataforma de criação de conhecimento. Em um APL Arranjo Produtivo Local - e suas interações com entidades de apoio espera-se identificar vários espaços em que ocorre o compartilhamento de informações e conhecimentos conforme o modelo teórico de Nonaka et. al (2002), apresentado na figura abaixo: Figura 4: Processo SECI e ba Fonte: Adaptado de Nonaka et al. (2002) Originating ba é o espaço em que o conhecimento é originado por meio da interação face a face em que os indivíduos compartilham sentimentos, emoções, experiências e modelos mentais. Freqüentemente é o primeiro ba no qual inicia o processo de criação de conhecimento e é associado ao processo de socialização do conhecimento tácito. Experiências e habilidades transmitidas diretamente entre os indivíduos são chaves para converter conhecimento tácito em conhecimento tácito. Assim, originating ba é um espaço onde emerge a confiança, o comprometimento e forma a base para a criação de conhecimento entre indivíduos. Dialoguing ba é mais conscientemente construído em relação ao originating ba. Através do diálogo, indivíduos compartilham suas experiências e habilidades convertendo-os em termos e conceitos comuns. O dialoguing ba funciona como uma plataforma para o processo de externalização do conhecimento em que o conhecimento tácito é tornado explícito. Systemizing ba é definido como uma interação coletiva ou virtual e oferece um contexto para a combinação de novo conhecimento explícito gerado às bases de conhecimento existentes na organização. Nesta fase do processo as tecnologias de informação, como redes on-line, groupware, etc., podem exercer um papel relevante para a sistematização do conhecimento explícito gerado.

15 15 Exercising ba é definido como o espaço e momento em que o conhecimento que foi socializado, combinado e sistematizado é novamente interpretado e internalizado pelo sistema congnitivo dos indivíduos. Neste tipo de ba ocorre a transformação de conhecimento explícito em conhecimento tácito, ou seja, o conhecimento criado é internalizado em forma de novos conceitos e práticas de trabalho. Em cada um dos tipos de ba são criados determinados ativos de conhecimento, ou seja, recursos específicos que são indispensáveis ao processo de criação de valor para a organização, ou como é o caso, para as organizações que compõem a rede interorganizacional. Assim, seguindo as orientações de Nonaka et al. (2002) o conhecimento tácito compartilhado através de experiências comuns (Originating ba) é responsável pela emergência de ativos de conhecimento como habilidades, know-how, confiança, energia, paixão e tensão. O conhecimento tácito articulado em forma de símbolos, imagens e linguagem (Dialoguing ba) promove a criação de ativos de conhecimento como, por exemplo, conceitos de produtos, design e cenários futuros. Enquanto que as atividades de sistematização de conhecimento explícito (Systemizing ba) são responsáveis pela emergência de ativos de conhecimento como database, documentos, especificações, manuais, patentes e licenças. Por último, as atividades de aplicar o conhecimento em ações e práticas (Exercising ba) criam ativos de conhecimento como know-how, rotinas organizacionais e novos padrões de comportamento. Observa-se, então, que um ba pode emergir dentro de indivíduos, grupos de trabalho, círculos informais, reuniões temporárias, espaços virtuais e demais momentos em que as relações ocorrem em um tempo e espaço compartilhados. Cassiolato e Lastres (2006) identificam que nos ASPLs verifica-se processos de geração, compartilhamento e socialização de conhecimentos, por parte de empresas, organizações e indivíduos. Particularmente de conhecimentos tácitos, ou seja, aqueles que não estão codificados, mas que estão implícitos e incorporados em indivíduos, organizações e até regiões. O conhecimento tácito apresenta forte especificidade local, decorrendo da proximidade territorial e/ou de identidades culturais, sociais e empresariais. Isto facilita sua circulação em organizações ou contextos geográficos específicos, mas dificulta ou mesmo impede seu acesso por atores externos a tais contextos, tornando-se, portanto elemento de vantagem competitiva de que o detém. (LASTRES & CASSIOLATO, 2006, p.04)

16 16 Os autores acrescentam que o aprendizado interativo resultante deste processo constitui fonte fundamental para a transmissão de conhecimentos e a ampliação da capacitação produtiva e inovativa das empresas e outras organizações. A capacitação inovativa possibilita a introdução de novos produtos, processos, métodos e formatos organizacionais, sendo essencial para garantir a competitividade sustentada dos diferentes atores locais, tanto individual como coletivamente O compartilhamento da informação e do conhecimento Reconhece-se neste estudo como certo que a informação e o conhecimento são inerentes às redes sociais, sua importância social e econômica é conseqüência do efeito que causam nas pessoas e nas organizações. Nesse sentido, constata-se a necessidade de compartilhá-los para que possam trazer mudanças no contexto em que estão inseridos. (TOMAÉL, 2005, p. 97) Marteleto (2001) apresenta sua definição de redes sociais que contempla a idéia de compartilhamento de valores e interesses que, para promover o fortalecimento da rede, dependem do compartilhamento da informação e do conhecimento. Pode-se inferir que a rede interorganizacional objeto de estudo (um APL e entidades de apoio) é uma rede social cuja interação dos atores tem por objetivo o fortalecimento da rede através de processos de compartilhamento de informação e conhecimento. Esta rede é dependente de formas de governança para coordenar as relações entre os atores e, no APL objeto de estudo, a governança é exercida pelo sindicato dos empresários. Aun, Carvalho e Kroeff (2005) afirmam que os arranjos produtivos locais apresentam-se como lócus privilegiado para o estudo e a análise das diferentes formas de efetivação das interações entre atores locais, principalmente no que diz respeito à criação e o compartilhamento de conhecimento, os quais criam condições para a inovação, entendida, fundamentalmente, não só como resultado de um processo de aprendizado organizacional, mas também interorganizacional, local e nacional. Para Hanfield e Nichols apud Shore e Venkatachalan (2004), o trabalho em rede requer cuidadosa coordenação e integração. Para os autores, dois parâmetros

17 17 são essenciais para integração e coordenação da rede: colaboração e tecnologia. A colaboração, vista por eles como um processo social, é necessária para compartilhar a informação e o conhecimento, de forma a integrar horizontalmente as operações da rede. Já o compartilhamento é visto mais como um processo tecnológico. A integração, necessária para administrar a rede, requer tanto colaboração quanto compartilhamento de informação. Cassiolato e Lastres (2003) enfatizam o papel da governança nas redes de cooperação ao afirmar que: Aos poucos a identidade existente entre as empresas (baseada nos valores econômicos, culturais e sociais) daquele grupo inicial vai se ampliando para um grupo maior de atores, naturalmente. A dinâmica de um complexo produtivo de tal ordem vai exigindo, aqui e ali, formas de governança fundamentais para a ordem e manutenção das relações. Estas diferentes formas de governança envolvem atores tanto públicos quanto privados, que podem estimular os processos de aprendizado e de capacitação produtiva enquanto processos socialmente determinados. (LASTRES; CASSIOLATO, 2003.). Os processos de aprendizado e capacitação são então decorrentes de práticas que não devem estar separadas das ações dos atores que compõem essa identidade. Na verdade só serão bem estabelecidos se forem fruto de um sistema informacional que funciona como uma instituição social. Aun, Carvalho e Kroeff (2005) salientam que investimentos na infra-estrutura educacional, de ensino técnico ou superior, tornam-se fundamentais para criar condições locais não apenas de reprodução, mas também de criação de conhecimento. Investimentos na infra-estrutura básica (transportes, energia elétrica, telecomunicação, tecnologias de informação) fazem-se necessários para garantir o suporte às atividades produtivas. Nos aspectos de configuração do APL, existe a predominância de investimentos que se sucedem, tanto públicos como privados. Na medida em que caminham para a maturidade os investimentos privados tendem a

18 18 superar os investimentos públicos. O mais importante é que esses investimentos sejam selecionados pelas ações e valores que configuram cada APL visando elucidar e minimizar as diferenças educacionais e de infra-estrutura através do compartilhamento para se alcançar a autonomia informacional. Mas para que as pessoas compartilhem é necessário uma cultura comum para melhor transferência do conhecimento porque quanto mais próximas as pessoas estão da cultura do conhecimento que está sendo transferido, mais fácil é o compartilhamento e a troca (DAVENPORT; PRUSAK, 1998, p. 121) Assim, uma organização ou uma rede de organizações que promove a criação e o compartilhamento do conhecimento, tanto tácito quanto explícito, pode ter melhores condições para atuar de forma mais dinâmica e estratégica em sua área de atividades. 5.3 AS REDES INTEORGANIZACIONAIS COMO ESPAÇO DE CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO MODELO TEÓRICO DE NONAKA et al (2002) A potencialidade das redes em gerar novos conhecimentos foi evidenciada por Nonaka e Takeuchi (1997) ao apresentar a dimensão ontológica da criação do conhecimento. Diante dessa dimensão, o conhecimento nasce em um nível individual, sendo ampliado pela dinâmica da interação (socialização do conhecimento) para um nível organizacional e, posteriormente, para um nível interorganizacional. E é neste contexto que os conhecimentos tácitos das pessoas das entidades de apoio se fundem com os dos empresários da rede de cooperação das MPMEs (APL) através da interação (tácito e explícito) e do compartilhamento de informações e conhecimentos criando um espaço propício para a criação do conhecimento interoganizacional. Para ilustrar, veja o contexto institucional de atuação das entidades de apoio na figura abaixo:

19 19 Governo Federal Governo Estadual Governo Municipal Empresas do Arranjo Produtivo Entidades de apoio: FIEMG/IEL, SENAI SEBRAE, ETC. Universidades e centros de pesquisa. Associações e Sindicatos Entidades Financeiras Comitê Gestor Coordenação: Entidade empresarial local Ass. Comunicação Grupos temáticos Mercado e Imagem Econômico Financeiro Tecnologia e Processos... Capacitação... Outros... WA Figura 5: Rede Interoganizacional: contexto de atuação de entidades de apoio às empresas de um APL (Arranjo Produtivo Local). Fonte: Adaptado Gerência de Estudos e Projetos Tecnológicos/IEL-MG (2003) Algumas MPMEs (Micro, Pequenas e Médias Empresas) na busca da competitividade e das dificuldades de atuação de forma isolada buscam se organizar em redes horizontais de cooperação que, através de políticas públicas de desenvolvimento local, recebem apoio de instituições públicas e privadas para atingirem o crescimento e evolução. A geração de conhecimento surge quando a interação do conhecimento tácito e do conhecimento explícito eleva-se dinamicamente de um nível ontológico inferior até níveis mais altos. Nonaka e Takeuchi (1997) Nessa dimensão ontológica, observa-se que o conhecimento só é criado por indivíduos, ou seja, uma organização ou uma rede interorganizacional não pode criar conhecimento sem indivíduos. Uma organização ou rede interorganizacional não pode criar conhecimento, mas pode proporcionar um espaço de relações positivas e construtivas entre os

20 20 atores e entre os atores e seu ambiente conforme demonstrado na figura 4. Dessa forma, as trocas de dados, de informações, de opiniões, de cooperação e de mobilização sobre um projeto confrontado às necessidades convergem para uma efetiva ampliação do conhecimento dentro das organizações. conhecimento inteorganizacional das empresas do APL e entidades de apoio. Figura 6: Espiral de Criação do Conhecimento Fonte:Adaptado de Nonaka e Takeuchi (1997) Nota-se que o conhecimento interorganizacional, aquele que é criado no âmbito de uma rede de empresas e na interação com demais atores de apoio, é uma das dimensões mais amplas da criação do conhecimento. O processo inicia no nível individual e, através da interação entre conhecimento tácito e explícito, entre indivíduos, grupos e organizações, transformase em um conhecimento interorganizacional que, segundo Nonaka e Takeuchi (1997), representa um nível de conhecimento mais completo, profundo e significativo. Observa-se, então, que uma rede interorganizacional não cria conhecimento, mas poderá proporcionar um ambiente favorável para a existência de uma efetiva interação entre pessoas, grupos e organizações. Portanto, a criação de conhecimento interorganizacional pode ser entendida como um processo que amplia interorganizacionalmente o conhecimento criado pelos indivíduos, cristalizando-o como parte da base de conhecimento da rede.

Empreendedorismo e redes interorganizacionais: desenvolvimento em arranjos produtivos locais

Empreendedorismo e redes interorganizacionais: desenvolvimento em arranjos produtivos locais Empreendedorismo e redes interorganizacionais: desenvolvimento em arranjos produtivos locais Wilson José Vieira da Costa (UFMG) wilsoncosta@ufmg.br Marta Pinheiro (UFMG) martapinheiro@eci.ufmg.br Mara

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada

Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Serviços produtivos e redes de cooperação público-privada Maria Lucrécia Calandro * O acelerado desenvolvimento do setor serviços e a intensificação da cooperação entre empresas estão associados às transformações

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT. Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT GESTÃO DA INFORMAÇÃO, DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA ORGANIZACIONAL (GICIO) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-2 CONCEITO DE CONHECIMENTO Conhecimento

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Tópicos da aula GESTÃO DA INFORMAÇÃO GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL TOMADA DE DECISÃO ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Informações Ondas de transformação da humanidade Revolução Agrícola

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

A utilização da tecnologia da informação como ferramenta para melhorar a competitividade das micro e pequenas empresas

A utilização da tecnologia da informação como ferramenta para melhorar a competitividade das micro e pequenas empresas A utilização da tecnologia da informação como ferramenta para melhorar a competitividade das micro e pequenas empresas Paulo Fernando Rodrigues de Almeida (UNESP) paulo@sigmainformatica.com.br João Pedro

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual

Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual Manutenção: estratégias e oportunidades no cenário atual 24º Congresso Brasileiro de Manutenção Olinda PE Eixos para Reflexão Estratégia Cenário atual Oportunidades Eixos para Reflexão Cenário atual Mundo

Leia mais

Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Parte 1

Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Parte 1 Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Parte 1 Georg von Krogh, Kazuo Ichijo e Ikujiro Nonaka RESUMO Por Gilson Yukio Sato Capitulo 1 - Gestão do

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Palavras-chaves: Gestão do Conhecimento, Práticas de Gestão do Conhecimento, Arranjo Produtivo Local

Palavras-chaves: Gestão do Conhecimento, Práticas de Gestão do Conhecimento, Arranjo Produtivo Local XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MAPEAMENTO DE PRÁTICAS DE GESTÃO DE CONHECIMENTO EM ARRANJO PRODUTIVO LOCAL: UM ESTUDO DE CASO NO APL DE MÓVEIS DE METAL, SISTEMA DE ARMAZENAGEM E LOGÍSTICA

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: UMA DISCUSSÃO SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO Priscila Gomez Soares de Moraes 1 Fabrício Ziviani 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo questionar

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

XXVIII ENCONTRO NACIONAL

XXVIII ENCONTRO NACIONAL OS ESTILOS DE APRENDIZAGEM COMO AUXÍLIO À GESTÃO DO CONHECIMENTO EM ORGANIZAÇÕES QUE ESTABELECEM RELACIONAMENTOS INTERORGANIZACIONAIS HORIZONTAIS: ESTABELECENDO RELAÇÕES ENTRE OS CONSTRUTOS Vania de Fátima

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Avaliação de elementos da Gestão do Conhecimento em uma empresa prestadora de serviço: caso CASSI

Avaliação de elementos da Gestão do Conhecimento em uma empresa prestadora de serviço: caso CASSI Avaliação de elementos da Gestão do Conhecimento em uma empresa prestadora de serviço: caso CASSI Maria Letícia Sousa Correia Lima (Escola Politécnica-USP) leticia.lima@poli.usp.br Leandro Beinichis (CASSI)

Leia mais

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede Caroline Brito de Oliveira Rio de Janeiro, 25 de novembro de 2012 Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento Gestão da

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

A FORÇA DOS VALORES SÓCIO-CULTURAIS NOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APLs) UM NOVO OLHAR SOBRE A ESPIRAL DO CONHECIMENTO

A FORÇA DOS VALORES SÓCIO-CULTURAIS NOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APLs) UM NOVO OLHAR SOBRE A ESPIRAL DO CONHECIMENTO A FORÇA DOS VALORES SÓCIO-CULTURAIS NOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APLs) UM NOVO OLHAR SOBRE A ESPIRAL DO CONHECIMENTO LEONARDO B. DE MORAES * leomoraes_bh@superig.com.br RESUMO Esse trabalho é parte

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTE 31 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO -

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO EM PROJETOS DE INOVAÇÃO COM FOCO NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA NO CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA. Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Leia mais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL O arranjo produtivo dedicado aos resíduos sólidos é uma iniciativa inovadora de agentes produtivos locais como a Ascoles,

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala

1 Este subtítulo se reporta ao texto de Antonio Gramsci: Homens ou Máquinas, que na qual o autor nos fala 1 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE NAS UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: CRIAÇÃO DE MONSTROS ÁRIDOS, DE OLHOS ÁGEIS E MÃOS FIRMES 1? RIBEIRO, Nayla Cristine Ferreira FIOCRUZ GT-09: Trabalho e Educação Agência

Leia mais

REDES SOCIAIS E COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO EM AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS

REDES SOCIAIS E COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO EM AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS REDES SOCIAIS E COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO E CONHECIMENTO EM AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS Wilson José Vieira da Costa Marta Macedo Kerr Pinheiro Resumo As redes entre organizações fomentam hoje pesquisas

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

Desenvolvimento tecnológico e o SEBRAETEC

Desenvolvimento tecnológico e o SEBRAETEC Desenvolvimento tecnológico e o SEBRAETEC Raimundo José de Paula Albuquerque (UFPB) albuca@fortalnet.com.br Resumo O presente trabalho é um estudo de caso realizado no ano de 2005, tendo como principal

Leia mais

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri*

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* * Respectivamente, gerente setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Ambientes e fluxos de informação: transversalidades. Profa. Dra. Marta Valentim

Ambientes e fluxos de informação: transversalidades. Profa. Dra. Marta Valentim Ambientes e fluxos de informação: transversalidades Profa. Dra. Marta Valentim Brasília / Brasil 2013 Introdução As transformações políticas, econômicas, tecnológicas, sociais e culturais, tem impactado

Leia mais

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL Marilene Lobo Abreu Barbosa 21 de outubro de 2013 Arquivos, bibliotecas e museus Foram os primeiros sistemas de informação e, inicialmente,

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior Resumo: Diante da sociedade do conhecimento na qual vive, torna-se

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR

GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR GESTÃO DO CONHECIMENTO: PRÁTICAS QUE CRIAM VALOR Área: ADMINISTRAÇÃO Categoria: EXTENSÃO Francielle Cwikla Fundação Getulio Vargas, Rua Canafistula 96 Vila B, francwikla@gmail.com Resumo A gestão do conhecimento

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Módulo V. Conhecimento

Módulo V. Conhecimento Módulo V Conhecimento "Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida. Sandra Carey MÓDULO 5 CONHECIMENTO 5.1 Gestão do Conhecimento A Gestão do

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento Prof a Dr a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Coordenadora Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados Instituto Brasileiro de Informação em Ciência

Leia mais

A CRIAÇÃO DE CONHECIMENTO NO CONTEXTO DAS REDES DE COOPERAÇÃO: O CASO DA REDE METROLÓGICA/RS

A CRIAÇÃO DE CONHECIMENTO NO CONTEXTO DAS REDES DE COOPERAÇÃO: O CASO DA REDE METROLÓGICA/RS A CRIAÇÃO DE CONHECIMENTO NO CONTEXTO DAS REDES DE COOPERAÇÃO: O CASO DA REDE METROLÓGICA/RS Clarice da Fontoura Paim Instituições de vínculo: Escola Superior de Propaganda e Marketing Centro Universitário

Leia mais