UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GUIA PARA PROJETO DE VIABILIDADE DE SUBSTITUIÇÃO DE TECNOLOGIAS DE REDES DE COMPUTADORES: UM ESTUDO DE CASO NA REDE DO PRÓ-CIDADÃO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS Área de Rede de Computadores por Jean Fabiano Fraga Rafael Luiz Cancian Orientador São José, novembro 2007.

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GUIA PARA PROJETO DE VIABILIDADE DE SUBSTITUIÇÃO DE TECNOLOGIAS DE REDES DE COMPUTADORES: UM ESTUDO DE CASO NA REDE DO PRÓ-CIDADÃO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS Área de Rede de Computadores por Jean Fabiano Fraga Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientador: Rafael Luiz Cancian São José (SC), novembro de 2007 ii

3 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS... v LISTA DE FIGURAS...viii LISTA DE QUADROS...ix RESUMO... x ABSTRACT...xi 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Geral Objetivos específicos Escopo e Delimitações Metodologia FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Fundamentos de Projetos de Rede Projeto de Rede Hierárquico Caracterização de uma Inter-Rede Existente Desenvolvimento de um mapa da rede Caracterização da Fiação e da Mídia Verificações e Restrições da Arquitetura de Rede Análise e Caracterização da Utilização da Rede Infra-estrutura de Rede Cabeada e Wireless Tecnologia Cabeada Cabos utilizados no padrão ETHERNET Dispositivos de Interconexão Redes Sem Fio TCO (Total Cost of Ownership) Introdução Definindo TCO Tipos de Custos Analisados no TCO Etapas do ciclo de vida de um sistema Etapas de um projeto de TCO Empresas que aplicam TCO Estrutura do Pró-Cidadão DESENVOLVIMENTO Introdução Descrição do Guia Estudo de caso no Pró-Cidadão Levantamento de requisitos iii

4 Aplicação do questionário e resultados do levantamento Estrutura da rede Caracterização da rede Análise dos dados Tomada de decisão CONCLUSÃO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ANEXOS iv

5 LISTA DE ABREVIATURAS ANSI AP ARECAS BS BSS CAPU CAPF CAPT CASAN CCK CDMA CELESC CIASC CPD DDR DHCP DS DSL DSSS EIA ESS FDDI FHSS FLORAN FTP Gbps GSM American National Standards Institute Access Point Aumentar Rendimento, Evitar Custos, Aperfeiçoar Serviços Base Stations Basic Service Set Custo Anual por Usuários Custo Anual por Funcionário Custo Anual por Teclado Companhia Catarinense de Água e Saneamento Complementary Code Keying Code Division Multiple Access Centrais Elétrica de Santa Catarina Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina Centro de Processamento de Dados Double Data Rating Dynamic Host Configuration Protocol Distribution System Digital Subscriber Line Direct-Sequence Spread Spectrum Electronic Industry Association Extended Service Set Fiber Distributed Data Interface Frequency-Hopping Spread Spectrum Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis File Transfer Protocol Gigabytes por segundo Global System for Mobile v

6 HTTP IDC IEC IEEE IGRP IP IPTU IPUF IPX IR ISDN ISM ISO LAN MAC MAN Mbps NFS NIC OFDM PC PDA PMF PROCON QoS RFID RFM RM ROI SEPLAN SI Hyper Text Transfer Protocol International Data Company International Electrotechnical Commission Institute of Electrical and Electronics Engineers Interior Gateway Protocol Internet Protocol Imposto Predial Territorial Urbano Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis Internetwork Packet Exchange Infrared Integrated Services Digital Network Industrial Scientific and Medical International Organization Standardization Local Area Network Media Access Control Metropolitan Area Network Megabits por segundo Network File System Network Interface Card Orthogonal Frequency Division Multiplexing Personal Computers Personal Digital Assistants Prefeitura Municipal de Florianópolis Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor Quality of Service Radio Frequency Identification Radio Frequency Monolithic Reference Model Return on Investment Secretaria de Planejamento Sistemas de Informação vi

7 SISVISA STA STM STP SUSP TCC TCO TDMA TIA TTL UNII URL UTP VoIP VPN WAN WIFI WiMax WLAN Sistema de Vigilância Sanitária Wireless LAN Stations Sistema de Tributação Mobiliária Shielded Twisted Pair Secretaria de Urbanismo e Segurança Pública Trabalho de Conclusão de Curso Total Cost of Ownership Time Division Multiple Access Telecommunication Industry Association Time to Live Networking Information Infrastructure Uniform Resource Locator Unshielded Twisted Pair Voice over IP Virtual Private Networks Wide Area Network Wireless Fidelity Wordwide Interoperability of Microware Access Wireless Local Area Network vii

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Chegada da rede ao CPD e saída para distribuição da rede... 4 Figura 2. Rede local do Pró-Cidadão... 5 Figura 3. Topologia hierárquica Figura 4. Topologia de loop plano Figura 5. Topologia hierárquica redundante Figura 6. Estrutura da rede da Adrenaline Lan house - Santa Mônica Figura 7. Exemplo de fiação de rede de campus Figura 8. Exemplo de caracterização de tráfego Figura 9. Utilização de protocolos de aplicação Figura 10. Protocolos utilizados na rede Realcolor Figura 11. Exemplo de cabeamento não estruturado Figura 12. Exemplo de cabeamento genérico Figura 13. Elementos definidos pelo padrão EIA/TIA Figura 14. Cabo com 2 pares trançados blindados Figura 15. Cabo com 4 pares trançados blindados Figura 16. Exemplo de NIC Figura 17. Computadores ligados em rede por um hub e funcionamento do hub Figura 18. Redes ligadas por bridge Figura 19. Onde as bridge (pontes) atuam Figura 20. Exemplo de um switch Figura 21. Estrutura interna de um switch Figura 22. Caminho percorrido pela onda de rádio em ambiente fechado Figura 23. Esquema Simples de uma Wireless Lan Figura 24. Funcionamento de uma placa de Multi rádio Figura 25. Antena direcional Figura 26. Conceitos de uma Atena Figura 27. Exemplo de radiação isotrópica Figura 28. Comparação radiação isotrópica e direcional Figura 29. Medida de gastos Figura 30. Percentual de Faturamento Líquido Figura 31. Evolução dos custos anuais nas grandes empresas Figura 32. Tráfego colhido da rede cabeada em 09/11/ Figura 33. Tráfego colhido da rede cabeada em 12/11/ Figura 34. Coleta da rede wireless dias13 e 14/11/ Figura 35. Visão geral da rede PMF Figura 36. Visão Geral do Pró-Cidadão piso térreo Figura 37. Fluxo do guia Figura 38. Exemplo de coleta de HTTP por um analisador de protocolo viii

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1. Quadro de Aplicativos de rede Quadro 2. Exemplo de formulário para documentação de fiação de edifícios Quadro 3. Local de armazenamento de dados Quadro 4. Combinação entre rede sem fio e computação móvel Quadro 5. Equivalência entre categorias e classes Quadro 6. Exemplo de medidas de atenuação Quadro 7. Eficiência x Diâmetro para antenas parabólicas Quadro 8. Evolução e Uso de Mercado Quadro 9. Notas aplicadas nos questionários para requisitos funcionais Quadro 10. Notas aplicadas nos questionários para requisitos não funcionais Quadro 11. Dados coletados das tecnologias wireless e cabeada Quadro 12. Preços de equipamentos da rede cabeada Quadro 13. Valor total da implantação da tecnologia wireless Quadro 14. Cálculo de diferença relativa para TCO...59 ix

10 RESUMO FRAGA, Jean Fabiano. Estudo de viabilidade para substituição de tecnologia cabeada para wireless na rede do Pró-Cidadão da prefeitura municipal de Florianópolis. São José, f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, São José, As redes de computadores são hoje parte fundamental de uma organização, mas a utilização de um modelo genérico para avaliar uma possível substituição de tecnologia ainda é problemática, pois há diversos tipos de tecnologias de rede, dentre as quais podemos citar a tecnologia sem fio e a tecnologia cabeada. O objetivo desse trabalho foi propor um guia para o projeto de redes locais de computadores e avaliação de viabilidade de substituição de tecnologias, considerando diversos fatores, como custo, desempenho e infra-estrutura. Um estudo sobre as tecnologias envolvidas nesta avaliação ajudou a entender o funcionamento das tecnologias de redes, além de um levantamento de como funciona a arquitetura da rede atual no Pró-Cidadão, onde foi realizado o estudo de caso. Um estudo sobre TCO (Custo Total de Propriedade) definiu a melhor estratégia de análise custo/benefício, pois, nessa abordagem, além dos aspectos tecnológicos, foram também avaliados os de ordem econômica, oferecendo uma visão mais completa dos custos de propriedade que envolvem as tecnologias de rede avaliadas. Esta análise aplicada na rede do Pró-Cidadão tem especial importância por ser a Prefeitura Municipal de Florianópolis uma empresa governamental, possuindo todos os aspectos legais que envolvem responsabilidade fiscal sobre gastos e remanejamento de recursos. Após o estudo teórico, foi apresentada uma proposta de implementação envolvendo tanto dados coletados de um analisador de protocolo, quanto pesquisa através de questionário e inventário de recursos, informações estas que foram a base para o estudo de TCO conduzido durante todo o projeto. Palavras chaves: Wireless. Rede cabeada. Custo total de propriedade. x

11 ABSTRACT The computer networks are today a fundamental part of any organization, but the use of a generic model to evaluate a possible substitution of technology still is problematic, therefore it has diverse types of technologies of net that can be chosen, amongst which we can cite the technology wireless and the cabeada. The objective of this work is it is to consider a guide for the project of computer networks and evaluation of viability of substitution of technologies, being considered diverse factors, as cost, performance and infrastructure. A study of the related technologies considered in this evaluation study was necessary in order to understand how to works these technologies. Also, is presented a survey of the current Pró-Cidadão computer network architecture, being it the environment a case study. A study about TCO (Total Cost of Ownership) will support the best strategy to analyze the costs/benefits of such migration propose, because it considers not only the technical, but the economical aspects too. This kind of analysis applied in the net of Pró-Cidadão, has a special importance because the Florianópolis administration as a governmental agency has fiscal responsibility on expenses and reuses. Next the theoretical study, it will be presented the deployment steps and schedule, specially considering the network traffic measurement tasks, the end user and management staff data research based on proposed forms during the TCC-II, as well as a IT resources inventory, all of these being applied to obtain the necessary input information for the TCO analysis proposed for the second phase of this research work. Keywords: Wireless. Cable network technology. Total cost of ownership xi

12 1 INTRODUÇÃO O grande salto da tecnologia aconteceu no século XX no campo da informação. Deu-se início à tecnologia de telefonia em proporções mundiais, invenção do rádio e televisão, o crescimento nas áreas da computação e lançamento de satélites de comunicação. A fusão de computadores e comunicação acabou com a teoria de centro de computadores onde os usuários levavam os programas a serem processados (TANENBAUM, 1997, p.2). Hoje, praticamente quaisquer computadores autônomos se intercomunicam através de rede de computadores. Segundo Sousa (2000), Uma rede de computadores é um conjunto de equipamentos interligados de maneira a trocarem informações e compartilharem recursos como arquivos de dados gravados, impressoras, modens, software e outros equipamentos. As redes tiveram início na década de 60 quando surgiram os primeiros terminais que permitia os usuários terem acesso com o computador central através de linhas de comunicação (SOARES, LEMOS & COLCHER, 1995). A capacidade de troca de informação foi um item importante para interconexão de computadores. Com o tempo surgiram tecnologias como LANs (Local Area Network), MANs (Metropolitan Area Network), WANs (Wide Area Network) e redes sem fio. O segmento de mercado que mais cresce hoje em dia na indústria de computadores é a dos computadores móveis com notebooks e PDAs (Personal Digital Assistants) (TANENBAUM 1997, p.15). Proprietários de equipamentos de rede sem fio dependem da mobilidade. Esta tecnologia está instalada em WANs e LANs e precisa conectar dados que se mantém em casa e até mesmo à distância. As redes sem fio são muito utilizadas principalmente em frotas de caminhões, táxi e ônibus, por exemplo (TANENBAUM, 1997, p.15). Este trabalho apresenta um estudo de caso no contexto da estrutura organizacional da rede do Pró-Cidadão, unidade que faz parte da Secretaria da Receita e pertence à Prefeitura Municipal de Florianópolis (PMF). O projeto tem como foco a elaboração de um guia que estuda de viabilidade para a análise da escolha da melhor tecnologia a ser empregada no estudo de caso. Neste estudo foi usado o método de TCO (Total Cost of Ownership) para avaliar requisitos funcionais e requisitos não funcionais das tecnologias de rede. Tendo em vista que o estudo de caso foi aplicado em uma instituição pública, como é o caso da PMF, este envolve a prestação de contas sobre a utilização do

13 dinheiro público e a reutilização do material já implantado caso haja decisão favorável à troca de tecnologias. O TCO ajuda a determinar se a empresa ganha ou perde na implantação de tecnologias específicas. O TCO é composto pelos custos orçados (diretos) e os não orçados. Dentre os custos orçados pode-se citar tudo que faz parte do núcleo do sistema como hardware, software, pessoal do administrativo e operacional, desenvolvimento e suporte técnico. Além destes, pode-se incluir atualizações e aquisições de software e hardware, o gerenciamento das redes e sistemas, as taxas de comunicação. Os custos não orçados que não são tratados pelo orçamento, podem ser o tempo de sistema fora do ar, tempo de treinamento e aprendizado e perda de produtividade por falta de recursos de informática (SILVEIRA, NETTO & MENDONÇA, 2006). O estudo realizado aborda aspectos técnicos do funcionamento do ambiente atual, tal como a caracterização do uso atual da rede, assim como as vantagens e desvantagens técnicas e econômicas sobre a mudança da tecnologia de rede, cujo objetivo é subsidiar uma tomada de decisão em nível estratégico. Atualmente, no contexto da instituição supracitada, não há um estudo técnico que possa justificar a troca da rede atual pela tecnologia sem fio. Análises como a realizada neste trabalho são importantes, pois subsidiam os gestores da rede em sua tomada de decisões, podendo ser a favor de uma troca de tecnologia ou da manutenção da tecnologia atual, tendo como base estudos que justifiquem a escolha. Durante a realização do estudo de viabilidade de troca de tecnologias no estudo de caso em questão, foi elaborado um guia que deve servir de base para futuras análises de viabilidade de substituição de tecnologias de rede. Nos aspectos técnicos, foram levantados o desempenho e confiabilidade da rede atual, além da sua segurança de acesso aos dados trafegados. No contexto financeiro, foram avaliados os aspectos econômicos das diferentes tecnologias de rede, considerando os investimentos de aquisição, implantação, manutenção / operação, dentre outros. 1.2 OBJETIVOS Geral Desenvolver um guia para a realização de projetos de rede e estudos de viabilidade de substituição de tecnologias de rede, considerando tanto aspectos técnicos quanto econômicos, e aplicar 2

14 esse guia para verificar a viabilidade da substituição de tecnologias de rede no Pró-Cidadão da Prefeitura Municipal de Florianópolis Objetivos específicos Os objetivos específicos que podem ser citados são: Estudar e avaliar metodologias para a seleção de alternativas de projeto que considerem tanto aspectos técnicos quanto administrativos; Pesquisar e analisar soluções similares ou projetos reais de rede e análises de viabilidade; Especificar os parâmetros que caracterizam um projeto de redes de computadores que podem ser utilizados para avaliá-lo; Definir um guia para o projeto de redes de computadores e para o estudo de viabilidade de substituição desses projetos; Aplicar o guia desenvolvido para o estudo de caso proposto: análise de viabilidade de substituição da tecnologia cabeada para wireless na rede do Pró-Cidadão da Prefeitura Municipal de Florianópolis; Apresentar o projeto realizado no estudo de caso, bem como seus resultados e avaliação; e Identificar a aplicabilidade, vantagens e limitações do guia desenvolvido. 1.3 Escopo e Delimitações O estudo foi realizado em uma parte fundamental da arrecadação da Prefeitura Municipal de Florianópolis (PMF) conhecida como Pró-Cidadão. Esta empresa contém mais de 150 terminais espalhados geograficamente, no piso térreo são 33 equipamentos sendo três micro computadores e os demais do tipo Thin Client. Neste ambiente, os funcionários trabalham em 2 turnos, matutino e vespertino, nos dois andares do prédio do Pró Cidadão. A rede faz conexões com 3 secretarias, a Secretaria de Urbanismo e Segurança Pública (SUSP), pelo programas STM (Sistema de Tributação Mobiliária) e Betha Protocolo, a Secretaria da Vigilância pelo programa SISVISA (Sistema de Vigilância Sanitária), e a Secretaria da Receita pelo programa STM. Além destes programas que rodam em um servidor em cada secretaria, ainda há um sistema de telefonia que faz a gravação de voz o qual armazena os dados em um servidor de arquivos localizado no servidor principal ( ). Para 3

15 balancear a sobrecarga de conexões da rede do Pró-Cidadão, há também um servidor ( ) na qual se armazenam programas semelhantes ao do servidor principal ( ). Também existe um sistema de chamadas em painel eletrônico, denominado QualProx, que armazena no servidor principal ( ) os eventos como quantidade de senhas atendidas por atendentes além dos horários, tempo de atendimento, horário de lanche, dentre outros. O Pró-Cidadão faz parte da rede da Secretaria da Receita que pertence à PMF, o CPD (Centro de Processamento de Dados)/ Pró-Cidadão é conectado ao CPD/PMF via fibra óptica, pois os servidores do Pró-Cidadão ficam no prédio administrativo da PMF como apresentado na Figura 1. Figura 1. Chegada da rede ao CPD e saída para distribuição da rede As setas na Figura 2 mostram os elementos de rede da LAN do Pró-Cidadão. Cada ilha contém uma impressora de rede, um painel de senhas e quatro Thin Clients. Ainda há uma câmera para acesso restrito e outra disponibilizada para Web. 4

16 Figura 2. Rede local do Pró-Cidadão 5

17 O estudo de caracterização de tráfego foi realizado na seção recepção do Pró-Cidadão durante a etapa de avaliação do ambiente atual (ver Figura 2). Este estudo objetivou analisar o uso da rede com a tecnologia cabeada. Nesta seção foi efetivado um projeto piloto de rede sem fio, para caracterizar o uso da rede com a nova tecnologia. 1.4 Metodologia A metodologia para este trabalho está focada para um estudo científico e administrativo de redes de computadores locais. Conforme o tema deste trabalho foi feito um estudo analisando técnicas de projetos de rede, assim como seus dispositivos de interconexão e o estudo administrativo de TCO. O resultado deste trabalho é um guia que permite avaliar a rede de computadores locais do estudo de caso. Deste modo, a pesquisa para desenvolvimento deste trabalho será dividido nas seguintes etapas: (i) Fundamentação teórica; (ii) Desenvolvimento; (iii) Conclusão. Estas etapas estão explicitadas abaixo, incluindo as atividades necessárias para que todos os objetivos neste trabalho sejam devidamente alcançados. Etapa I: Fundamentação teórica. Nesta etapa são levantados estudo bibliográfico dos conceitos que serão parte integrante do projeto, este conceitos envolvem os estudos de projetos de rede, os dispositivos de interconexão que fazem parte da rede e análise de TCO. Esta etapa teve um tempo de seis meses para conclusão. Etapa II: Desenvolvimento. Nesta etapa são aplicados os estudos feitos na fundamentação teórica, a fim de solucionar o problema proposto, tema deste trabalho. É nesta etapa em que é desenvolvido o guia e aplicado no estudo de caso. O guia constituí-se em quatro etapas que são os levantamentos de requisitos, caracterização da rede, análise dos dados e tomada de decisão para a escolha da melhor tecnologia para o estudo de caso. Estas etapas atendem os objetivos proposto pro este trabalho de conclusão de curso e estão bem definidos e exemplificados no decorrer do capítulo e também no guia. para esta etapa, foi necessário quatro meses de estudo para que fosse aplicado a etapa III. Etapa III: Conclusão. Nesta etapa estão descritos os problemas enfrentados para criação e aplicação. Apresentam-se nesta etapa as vantagens, desvantagens, limitações e trabalhos futuros. 6

18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A fundamentação teórica aborda partes essenciais do trabalho. Serão vistos temas como a infraestrutura de rede cabeada e rede sem fio, além dos fundamentos para um projeto de rede. Foi abordado o método TCO que envolve o custo de propriedade dos softwares, hardwares e serviços do Pró- Cidadão. 2.1 Fundamentos de Projetos de Rede Este trabalho foi realizado na rede do Pró-Cidadão. A primeira etapa na definição de um projeto de redes é a análise das metas de negócio do cliente, neste caso o Pró-Cidadão. Um projeto de redes deve considerar a capacidade do cliente de executar os aplicativos de rede para atender os objetivos comerciais da empresa, e a necessidade de atuar dentro das restrições do negócio, como orçamentos, pessoal de rede limitado e prazos apertados (OPPENHEIMER, 1999, p.4). Segundo Oppenheimer (1999, p. 5), as rede que implantadas nas empresas normalmente são aparelhos e cabos interconectados sem um projeto prévio para adaptar ou qualificar uma rede, sem levar em consideração uma possível escalabilidade e sem um levantamento analisando se os equipamentos estão de acordo com as necessidades da rede. Normalmente as redes não atendem as necessidades dos clientes como ampliações futuras e desempenho. As redes mal projetadas apresentam problemas que se intensificam à medida que vão crescendo. Para um bom projeto, deve-se fazer primeiro um quadro geral da rede e verificar primeiramente os detalhes e requisitos de especificações técnicas. Este tipo de abordagem é caracterizado como projeto top-down. Segundo Gane (1983), uma boa definição de projeto qualquer que pode-se aplicar em projetos de rede é representado pelas iniciais ARECAS (Aumentar Rendimento, Evitar Custos, Aperfeiçoar Serviços) que podem ser inseridas como objetivos globais das empresas. Essas iniciais foram sugeridas para profissionais da área de análise de sistemas e programação e servem também para o caso de projetistas de redes de computadores. Segundo Pincovscy (2001), O projeto de redes deve começar por uma análise profunda da empresa onde será aplicado o projeto de rede onde deve-se analisar primeiramente instanciando o negócio da empresa, seus objetivos e suas metas.

19 Segundo Oppenheimer (1999), essa análise corresponde as metas e limitações do cliente e assim propor um projeto de rede que seja adequado ao cliente. Deve-se abordar algumas técnicas para a criação de um bom projeto e uma orientação neste sentido é começar por: Trabalhar com o cliente: Antes do encontro inicial com o cliente, para discutir projetos e metas, procure primeiramente pesquisar o negócio do cliente para descobrir que mercado ele atende. Saber de seus fornecedores, seus produtos, serviços prestados e serviços necessários, e vantagens competitivas é essencial para ajudar a entender o seu cliente no mercado que ele participa. A definição de uma meta global de rede é essencial e deve ser definida pelo cliente. Entender alguns questionamentos básicos ajudará na compreensão e ajuste do projeto de redes: Por que o cliente quer um novo projeto de rede? Que metas devem ser atingidas para que o cliente fique satisfeito? Descobrir se na meta o sucesso se caracteriza pela economia operacional ou aumento da receita e determinar critérios de fracasso como: O que acontece se a rede falhar ou não atender as especificações? Qual a visibilidade do projeto de rede para gerência de nível superior? O sucesso ou falhas serão perceptíveis aos executivos? Até que ponto a rede falha pode apresentar rupturas nas operações da empresa? Metas de negócio em um projeto de redes típico: Segundo Oppenheimer (1999, p. 9), as metas para um projeto de rede típico poderiam ser: Aumentar a receita e o lucro; Melhorar a comunicação na empresa; Encurtar os ciclos de desenvolvimento e aumentar a produtividade dos funcionários; Montar parcerias com outras empresas, no caso do Pró-Cidadão com outras Secretarias e empresas como CASAN (Companhia Catarinense de Água e Saneamento), CELESC (Centrais Elétrica de Santa Catarina) e PROCON (Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor) que podem vir a se juntar à rede; Mudar para um modelo de negócio em rede global; Modernizar tecnologias desatualizadas; 8

20 Reduzir custos de telecomunicações e de redes, incluindo sobrecarga associada com redes separadas para voz, dados e vídeo; Ampliar dados disponíveis prontamente para todos os funcionários e escritórios de filiais, de modo que eles tomem decisões comerciais de melhor qualidade; Melhorar a segurança e a confiabilidade dos aplicativos e dados de missão crítica; Oferecer melhor suporte ao cliente que no caso do Pró-Cidadão são os cidadãos do município; e Oferecer novos serviços ao cliente. Identificação do escopo de um projeto de desenvolvimento de rede: Segundo Oppenheimer (1999, p. 9), nesta etapa deve-se pedir ao cliente para ajudar a descobrir se o seu projeto de rede é um segmento de rede, um conjunto de LANs, um conjunto de WANs, redes de acesso remoto, ou a rede da empresa inteira. Segundo Oppenheimer (1999, p. 9), Os projetistas raramente têm a chance de projetar uma rede do zero. Normalmente, um projeto de desenvolvimento de rede envolve uma versão aperfeiçoada de uma rede já existente. Identificar os aplicativos de rede do cliente: após ter definido o escopo da rede e identificado as metas de negócio do projeto, a próxima etapa é a análise dos aplicativos. O ideal é fazer um esboço, como no exemplo do Quadro 1, contendo os aplicativos já utilizados na rede e os novos aplicativos existentes (OPPENHEIMER, 1999, p. 11). O Quadro 1 apresenta um exemplo já utilizando algumas informações extraídas do ambiente do Pró-cidadão, onde será desenvolvida esta pesquisa. É importante definir o nível de importância para cada entrada no quadro, como por exemplo: 1 - Extremamente crítico; 2 - Um pouco crítico; e 3 - Não crítico. Nome do Aplicativo STM SISVISA Betha Protocolo Outlook Express Tipo do aplicativo Acesso a arquivos Acesso a arquivos Acesso a arquivos Correio Eletrônico Novo aplicativo (Sim ou Não) Nível de importância Comentários Não 1 Sistema de tributação imobiliário. Não 1 Sistema da Vigilância Sanitária Não 1 Sistema de Protocolo de processos Não 2 Retorno ao Cidadão 9

21 Chat Conversação Não 3 Pesquisa de processos entre Setor de retirada de processos e Arquivo de processos NTOP Relatório gerencial Sim 2 Faz a caracterização do tráfego de rede Quadro 1. Quadro de Aplicativos de rede Fonte: Adaptado de Oppenheimer (1999, p. 11). Restrições orçamentárias e de pessoal: O projeto deve-se adaptar ao orçamento do cliente. Devem ser incluídos no orçamento previsões de compra de equipamentos, licenças de software, contratos de manutenção e suporte, testes, treinamento e contratação de equipes técnicas. Inclui-se nesse orçamento tarifas de consultoria e as despesas de terceirização. Verifica-se o nível de experiência dos funcionários internos é desejável, caso contrário, verifica-se há necessidade de treinamento e inclui-se este item ao orçamento. Não deve ser esquecido um cronograma para que possa ser seguido e revisado junto ao cliente (OPPENHEIMER, 1999, p. 15). Para o Pró-Cidadão é de extrema relevância aspectos econômicos (para prestação de contas) e, se possível, a reutilização ou remanejamento de materiais e equipamentos Projeto de Rede Hierárquico Os especialistas na área de rede desenvolveram um modelo hierárquico de redes para ajudar a especificar uma topologia de camadas para focalizar funções específicas em um projeto de redes, permitindo escolher os sistemas e características corretas para cada camada, como apresentado na Figura 3 (OPPENHEIMER, 1999, p. 114). 10

22 Figura 3. Topologia hierárquica Fonte: Oppenheimer (1999, p. 114). As três principais camadas no modelo hierárquico são as camadas de núcleo, distribuição e acesso. A camada de núcleo é formada por roteadores e switches visando disponibilidade e desempenho otimizados. Pelo fato da camada de núcleo ser crítica para a interconectividade, deve-se projetar a camada de núcleo com redes redundantes, devendo ser esta altamente confiável e se adaptar rapidamente a mudanças. O núcleo deve ser consistente e de diâmetro limitado, pois assim pode-se ter desempenho previsível e facilidade de soluções de problemas. Para clientes que necessitem se conectar a outras empresas (como no Pró-Cidadão que tem conexões com outras secretarias) através de uma extranet ou Internet, a topologia de núcleo deve incluir um ou mais links para redes externas. A camada de distribuição desempenha muitos papéis, incluindo o controle de acessos aos recursos por razões de segurança e o controle de tráfego da rede que atravessa o núcleo. Permite com que a camada de núcleo se comunique com várias filiais mantendo o desempenho elevado. A camada de distribuição faz a tradução e converte os endereços particulares para legitimar endereços que vem da Internet. A camada de acesso conecta os usuários por hubs, switches e outros dispositivos (OPPENHEIMER, 1999). Segundo Oppenheimer (1999, p. 115) o uso de um modelo hierárquico ajuda a minimizar custos, pois se pode comprar um dispositivo de interligação de rede apropriado para cada camada. Além disso, a hierarquia modular ajuda a reduzir despesas com largura de banda desperdiçada. Quando 11

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Ementa 1 Apresentação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Elementos da Comunicação Origem da mensagem ou remetente; O canal meio físico; Destino da mensagem ou receptor; Rede de dados ou redes de informação são capazes de trafegar diferentes

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 4 Cabeamento Estruturado Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado 1 Conteúdo Cabeamento Não Estruturado Normas Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Disciplina : Transmissão de Dados

Disciplina : Transmissão de Dados Disciplina : Transmissão de Dados Paulo Henrique Teixeira Overwiew Conceitos Básicos de Rede Visão geral do modelo OSI Visão geral do conjunto de protocolos TCP/IP 1 Conceitos básicos de Rede A largura

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Normas e Padrões. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Normas e Padrões Prof. Marciano dos Santos Dionizio Devido à falta de padronização para cabeamento de redes, em 1991 a EIA (Electronics Industries Alliance) e a TIA (Telecomunications Industry Association)

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 1. Introdução 1.1 - Meios de Transmissão e Topologias 1.2 - Classificação das Redes 1.3 - Métricas de Desempenho 1.4 - Fatores que Impactam no Desempenho

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry REDES DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Fundamentos em Informática Mundo Globalizado Acelerado desenvolvimento tecnológico

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

1. CABEAMENTO ESTRUTURADO

1. CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO O gabinete de fiação é um ponto muito importante para um sistema de cabeamento de rede, apesar de muitas redes bem sucedidas não o utilizarem. Um gabinete de fiação pode ser do

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

Redes de Computadores. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Redes de Computadores Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br Classificação de Redes Redes de Computadores Conjunto de nós processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Professor: Carlos Henrique E-mail: carlos_hvr@yahoo.com.br Definição Inicial Tipos de Redes Servidores Arquitetura de Protocolos Topologia de Redes

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Ten Selecting Technologies and Devices for Campus Networks Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Selecionando Tecnologias e Dispositivos Neste ponto do projeto

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

4. Rede de Computador

4. Rede de Computador Definição Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos, interligados por um sub-sistema de comunicação, ou seja, é quando

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações

Redes de Dados e Comunicações Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Modelo de referência OSI Camada 6 Apresentação Também chamada camada de Tradução, esta camada converte o formato do dado recebido pela camada de Aplicação

Leia mais

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI.

Redes de Computadores UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. UNIDADE 2:Conhecendo os equipamentos, dispositivos e serviços de TI. *Definição *Contexto Atual *Meios de Transmissão *Equipamentos de Comunicação *Arquiteturas de Redes *Tecnologias de LAN s *Protocolos

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Redes de Computadores Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Introdução a Rede de Computadores Classificação Tipos de Redes Componentes de Rede Internet,

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011

Cabeamento Estruturado. Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 Cabeamento Estruturado Profa. M.Sc. Enga. Maria Cristina Fischer de Toledo cristinaft@osite.com.br 1/2011 1 Roteiro da Apresentação Cabeamento Estruturado Evolução Histórico da Padronização Definição Projeto

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL FUCAPI LYNALDO CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE CEEF LISTA DE EXERCÍCIOS

CENTRO EDUCACIONAL FUCAPI LYNALDO CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE CEEF LISTA DE EXERCÍCIOS CENTRO EDUCACIONAL FUCAPI LYNALDO CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE CEEF ALUNO(A): MATRÍCULA: COMPONENTE CURRICULAR: SISTEMA DE REDE WIRELESS PROFESSOR(A): Marcelo Mendes DATA: 04 07 2011 TURMA: LISTA DE EXERCÍCIOS

Leia mais

Aula 1 - Redes de computadores 15

Aula 1 - Redes de computadores 15 Aula 1 - Redes de computadores Objetivos Compreender os conceitos iniciais de redes de computadores. Compreender as principais classificações de redes. Definir e diferenciar as principais topologias de

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan

Revisão. 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Tecnologia Revisão 1.1 Histórico 1.2 Protocolo 1.3 Classificação 1.4 Lan 1.5 Wan Comunicação de Dados As redes de computadores surgiram com a necessidade de trocar informações, onde é possível ter acesso

Leia mais

O QUE É REDES DE COMPUTADORES?

O QUE É REDES DE COMPUTADORES? REDES DE COMPUTADORES Wagner de Oliveira O QUE É REDES DE COMPUTADORES? É a conexão de dois ou mais computadores através de um meio de comunicação (cabos, linhas telefônicas, etc.) Possibilita o compartilhamento

Leia mais