I NSTALAÇÕES - ESPECIFICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I NSTALAÇÕES - ESPECIFICAÇÕES"

Transcrição

1 I NSTALAÇÕES - ESPECIFICAÇÕES 1. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS O sistema hidráulico adotado é do tipo indireto compreendendo 2 sub-sistemas independentes um de água tratada (abastecida pela rede pública) e outro de água bruta (captada em poço profundo a ser escavado). O sistema de água bruta alimentará somente os pontos de irrigação. O projeto foi executado baseado na norma NBR 5626 Instalações Prediais de Água Fria. Para o sistema de água tratada será executado um castelo d água em anéis de concreto com dois reservatórios: 1 superior com capacidade de litros (reserva de consumo e de combate a incêndio) e 1 inferior com capacidade de litros. O reservatório inferior será alimentado pela rede pública de abastecimento d água com tubulação em PVC.40mm. As bombas de recalque se localizarão logo acima deste reservatório. O conjunto de recalque será composto por 2 bombas centrífugas de acionamento automático, sendo uma reserva. Para o sistema de água bruta será executada uma cisterna com capacidade de armazenamento de litros. A bomba centrífuga para irrigação dos pontos de jardim estará localizada ao lado do reservatório, operando afogada Tubulações e Conexões Fabricante: Tigre Os tubos serão de PVC rígido soldável marrom, seguindo a norma NBR As conexões serão em PVC rígido marrom, com bolsa para junta soldável. Nas interligações com os metais sanitários deverão ser utilizadas conexões com bucha de latão. A distribuição d água tratada será feita por um ramal de PVC.85mm encaminhando para a coluna de alimentação localizada no shaft da edificação. Dela partirão os sub-ramais de cada pavimento, dispostos entre o forro e o teto, até as peças de utilização. Cada sub-ramal terá um registro de gaveta independente. Cada conjunto de aparelhos sanitários (banheiros, cozinhas, etc) possuirá registro de gaveta com acabamento segundo especificação arquitetônica. As fixações para os tubos no teto ou na parede deverão ser executadas com materiais galvanizados eletrolíticos. Quando houver pesos concentrados como registros, estes deverão ser apoiados independentemente do sistema de tubos. Os apoios envolverão a metade inferior do tubo, acompanhando a sua forma Registros de Gaveta Barrilete, Shaft, Irrigação e Casa de Bombas Fabricante: Deca, Fabrimar Os registros serão em bronze, com acabamento bruto 1.3. Registros de Gaveta Áreas Internas 1

2 Fabricante: Deca, Fabrimar Os registros serão em bronze com canopla e acabamento segundo especificações de arquitetura Registros de Pressão Áreas Internas Fabricante: Deca Os registros serão em bronze com canopla e acabamento segundo especificações de arquitetura Válvulas de Retenção Fabricante: Docol As válvulas serão em bronze, com acabamento bruto 1.6. Metais Sanitários Todos os metais deverão estar de acordo com as especificações de arquitetura 1.7. Caixas Jardim As caixas serão de alvenaria, com tampa removível de concreto e cantoneiras em aço, dimensões de 40 x 40cm Torneira de Jardim Fabricante: Deca, Fabrimar As torneiras serão para uso geral, sem pintura, 3/ Torneira-bóia Fabricante: Deca Serão em bronze, com sede anti-corrosiva Engate Fabricante: Tigre Os engates flexíveis das bacias, lavatórios e mictórios serão metálicos com tubo interno em EPDM e revestidos externamente em aço inoxidável trançado Tubo de Ligação Ajustável 2

3 Fabricante: Tigre As ligações entre as descargas d água e as bacias sanitárias dos banheiros públicos serão em tubos internos corrugados e articulados em polipropileno e externos em ABS com acabamento cromado. 2. INSTALAÇÕES SANITÁRIAS As instalações foram projetadas a fim de permitir o rápido escoamento de todos os efluentes sanitários, observando condições técnicas de manutenção, desobstrução e fácil acesso às tubulações. Os despejos provenientes das bacias sanitárias e caixas sifonadas serão lançados em subcoletores primários de PVC.100mm. Todos os desconectores existentes nesses conjuntos serão ventilados a fim de se evitar a ruptura dos fechos hídricos e encaminhar os gases para a atmosfera. Todas as colunas de ventilação serão de PVC 50mm, prolongadas acima da cobertura. Os despejos de pias de cozinha seguirão para os tubos de gordura Adotou-se para saída de bacia sanitária uma tubulação de PVC soldável de 100mm e para caixa sifonada, tubos de 50mm, ambas com declividade de 2%. Nos pés de cada coluna, serão instaladas curvas 87 o 30 curtas com bolsas para se obter uma declividade apropriada sem que para isso seja necessário curvar o tubo junto à bolsa. Acima dessas curvas deverão ser instalados tês de inspeção. Todos os tubos primários seguirão para caixas de inspeção em alvenaria. O esgoto dos tubos de gordura será encaminhado para caixas de gordura. Os subcoletores serão de PVC 100mm, interligando as caixas de inspeção ao longo do terreno na área externa da edificação e conduzirão os efluentes à Estação de Tratamento de Esgotos. As tubulações enterradas deverão ser assentadas em terreno resistente ou sobre base apropriada. O recobrimento mínimo deverá ser de 30cm Tubos Fabricante: Tigre Os tubos serão em PVC rígido para esgoto sanitário série normal, branco, com ponta e bolsa Conexões Fabricante: Tigre As conexões seguem as especificações relativas aos tubos Caixas e Ralos Fabricante: Tigre 3

4 As caixas sifonadas serão em PVC, diâmetro 100mm ou 150mm nos casos especificados em planta, com número de entradas variável conforme projeto. Terão grelha redonda, cromada, e nas caixas para mictórios, terão tampa cega de alumínio redonda. Os ralos serão em PVC, cilíndricos, diâmetro 100mm. Terão grelha redonda, cromada Caixas de Inspeção As caixas serão de alvenaria, com fundo em concreto magro, com tampa removível de concreto e cantoneiras em aço, dimensões de 60 x 60cm Válvulas de Escoamento para Pias e Lavatórios Fabricante: Deca As válvulas serão metálicas Sifão Fabricante: Deca Os sifões serão metálicos com acabamento cromado Destino Final dos Efluentes Os efluentes serão canalizados direto para a caixa de inspeção CI-13 e dela direto para o PV mais próximo da rede coletora de esgoto. 3. INSTALAÇÕES DE ÁGUAS PLUVIAIS As instalações se destinam exclusivamente ao recolhimento e condução das águas pluviais, sem qualquer interligação com qualquer outra instalação predial. O sistema foi projetado visando a recolher e conduzir a vazão de projeto em dois destinos sendo uma derivação até a cisterna de água bruta destinada a irrigação e excedente direcionado para a sarjeta. A captação será feita através de calhas e pontas de tubo com grelha esférica distribuídas na coberta, lajes impermeabilizadas e pisos em áreas abertas dentro da edificação Tubos e Conexões Fabricante: Tigre Os tubos e conexões até o diâmetro de 150mm deverão ser em PVC rígido branco, série R, ponta e bolsa, de acordo com a norma NBR Os tubos de diâmetro acima de 150mm deverão ser em PVC rígido com junta elástica, na cor cerâmica, linha VINILFORT. 4

5 3.2. Caixas de Areia As caixas serão de alvenaria, com fundo de brita e concreto magro, impermeabilizadas internamente, com tampa removível de concreto e cantoneiras em aço, dimensões de 60 x 60cm. 4. INSTALAÇÕES DE DRENO DE AR CONDICIONADO Constitui as instalações de drenagem dos aparelhos de climatização. Os pontos de drenos se localizarão a 30cm do forro captando a água dos evaporadores e seguirão para as caixas sifonadas em banheiros ou para caixas de dreno com fundo em brita dispostas no exterior da edificação. Sugere-se que esses tubos coletores dos drenos sejam dispostos correndo por baixo da laje, entre esta e o forro. É vedada a ligação das tubulações de dreno diretamente com tubos de esgoto primário e/ou desconectores não ventilados Tubulações e Conexões Fabricante: Tigre Os tubos serão de PVC rígido soldável marrom, seguindo a norma NBR As conexões serão em PVC rígido marrom, com bolsa para junta soldável. 5. INSTALAÇÕES DE COMBATE A INCÊNDIO O projeto de instalações contra incêndio foi elaborado baseado no Código de Segurança contra Incêndio do Corpo de Bombeiros do Estado do Ceará visando a prevenir contra a possibilidade de ocorrência de um incêndio e a proporcionar meios de debelá-lo caso se inicie. Os dispositivos de proteção contra incêndio adotados foram os seguintes: 1. Prevenção móvel - Extintores portáteis 2. Prevenção fixa - Canalização preventiva (hidrantes) 3. Escada de segurança 4. Sinalização 5. Iluminação de emergência 6. Detecção de fumaça e Alarme manual A edificação foi incluída na classe de risco A para efeito de dimensionamento dos dispositivos de proteção. Adotou-se a utilização de extintores manuais de pó químico seco, gás carbônico e água pressurizada. O abastecimento da rede de hidrantes será feito por reservatório elevado, conforme projeto hidráulico. A tubulação disposta no terreno deverá ser revestida com fita isolante em PVC tipo Scotch para proteção anti-corrosiva. 5

6 Como não é possível atender a pressão mínima de 1 kgf/cm 2 no último pavimento, a rede será pressurizada por bomba elétrica, localizada abaixo da caixa d água. A bomba terá ligação elétrica independente da rede geral do prédio e possuirá acionamento automático. A edificação deverá possuir Manual de Segurança e Plano de Escape e seus responsáveis providenciarão, periodicamente, a sua distribuição e instrução sobre os mesmos. As saídas de edificações deverão ser sinalizadas com indicação clara do sentido de saída. A sinalização deverá conter a palavra SAÍDA, ESCAPE ou SEM SAÍDA e uma seta indicando o sentido. As saídas convencionais, a saída final e seus meios complementares deverão permanecer livres e desimpedidos não podendo, definitivamente, ser ocupados para fins comerciais ou de propaganda, servir como depósito, vitrinas, ou outros fins. Em cada pavimento, acima do espelho do botão de chamada de cada elevador, haverá a indicação EM CASO DE INCÊNDIO NÃO USE O ELEVADOR, DESÇA PELA ESCADA, em letras de cor vermelha fosforescente Tubulações e Conexões Fabricante: Tupy Os tubos serão em aço galvanizado, classe 150 lb. As conexões serão em ferro maleável classe 150, com roscas BSP, conforme NBR Válvulas de Retenção Fabricante: Niagara As válvulas serão em bronze fundido, com rosca, vedação em bronze, classe Registros de Gaveta Fabricante: Fabrimar ou Deca Os registros serão de gaveta bruto, para uso semi-industrial, em ferro fundido, corpo em liga de bronze, rosca interna BSP Válvulas de Globo Fabricante: Niagara Serão de latão fundido, classe 150 ANSI, 63mm, com rosca de saída macho de 5 fios, rosca de entrada fêmea, dotado de adaptador com redução tipo engate rápido STORZ, 38mm Mangueiras Fabricante: Resmat Parsch 6

7 Mangueira de 38mm (1 1/2 ) de diâmetro interno, flexível, de fibra resistente à umidade, revestida internamente de borracha, dotada de junta Storz com seção de 15m Abrigos das Mangueiras Caixa metálica de dimensões 90 x 60 x 20cm, na cor vermelha, tampa em chapa metálica com a inscrição INCÊNDIO pintada em letras brancas, sem fechadura com chave, trinco embutido de maneira a permitir a abertura do abrigo com rapidez Extintores de Gás Carbônico Terão capacidade de 6 kg, tipo portátil, com selo de conformidade ABNT, cilindros de alta pressão com corpo em aço carbono e dotados de manômetro Extintores de Pó Químico Terão capacidade de 6 kg, tipo portátil, com selo de conformidade ABNT, com propelente à base de hidrogênio, cilindros dotados de manômetro. 6. INSTALAÇÕES DE GÁS GLP A central de gás está localizada no pavimento térreo, externa à edificação, em um depósito ventilado, construído com material não inflamável. Abrigará dois conjuntos de dois recipientes P45. Nesse depósito estará localizado o manifold, a partir dos quais será feita a distribuição de gás para os pontos de cozinha. A ligação dos aparelhos de utilização à rede deverá ser feita por meio de conexões rígidas, interpondo-se um registro para cada aparelho e a rede. A tubulação disposta no terreno deverá ser envelopada em concreto e revestida com fita isolante em PVC tipo Scotch para proteção anti-corrosiva Tubos e Conexões Fabricante: Eluma Os tubos serão em cobre, classe I, com pontas lisas para soldas. As conexões serão em cobre com bolsa para solda Solda Fabricante: Eluma A ligação entre as peças deverá ser executada com soldagem capilar Revestimento de Tubulações Enterradas As tubulações enterradas deverão ser revestidas com fita isolante de PVC Scoth Rap da 3M a fim de se evitar a corrosão eletrolítica. 7

8 6.4. Cilindros de GLP Os cilindros P45 deverão ser adquiridos completos e montados com regulador de estágio único. 7. INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS O projeto de instalações contra descargas atmosféricas foi elaborado baseado na norma NBR 5419 Proteção de Estruturas Contra Descargas Atmosféricas, visando a reduzir de forma significativa os riscos de danos devidos a raios que porventura ocorram. Foi adotado um sistema baseado no método da Gaiola de Faraday, recomendado para edificações com grande área e altura não elevada. Existirá uma malha em cabo de cobre nu 35 mm 2 percorrendo a periferia da coberta, na platibanda, formando um anel superior. Serão, no total, 10 descidas em barras de ferro CA.25 3/8, localizadas dentro dos pilares, espaçadas regularmente em todo o perímetro da edificação (distância não superior a 15m). O anel em cabo de cobre nu 50mm², circundando toda a edificação e enterrado no nível de fundação, receberá as descidas (solda exotérmica). Ele se ligará ao quadro equipotencial localizado na parede externa da edificação. O quadro equipotencial, que receberá todos os cabos de aterramento da edificação, será ligado a uma malha de aterramento composta de 06 hastes (copperweld - cobre Ø3/4 x 3,00m) interligadas por cabo de cobre nu secção 185mm², em linha, eqüidistantes em pelo menos 3,0m. As ligações entre as barras de ferro adicional e as barras de aço galvanizado serão feitas com 2 conectores (clipes para emenda 3/8 ). Essas barras de aço galvanizado deverão passar por tratamento de impermeabilização nas saídas dos pilares. As conexões entre essas barras e o cabo de cobre e entre dois cabos de cobre deverão ser feitas com solda exotérmica. No topo da caixa d água será instalado um captor tipo Franklin, altura de 3,0m, auxiliando na proteção desse ponto mais alto Cabos de cobre Fabricante: Pirelli ou Ficap Serão cabos de cobre nu em cordoalhas, sem qualquer revestimento Solda Fabricante: Exosolda Deverá ser utilizado o processo aluminotérmico, com pó exotérmico num molde de grafite Hastes de Aterramento As hastes serão de cobre, tipo Copperweld, 3/4, comprimento de 3,0m. 8

9 8. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Para o projeto foram observadas as seguintes normas técnicas: NBR Instalações Elétricas de Baixa Tensão NBR Iluminação de Interiores Norma para Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Primária de Distribuição COELCE A subestação será abrigada localizada fora da edificação e constará de, cubículo de disjunção e 2 cubículos para a unidade de transformação com trafo de 500 Kva a seco e cubículo provisão para futura ampliação. A medição será feita na média tensão, dentro dos padrões normatizados pela COELCE, sendo a unidade de medição localizada externa a subestação. O aterramento da subestação será executado com a instalação de hastes de aterramento tipo copperweld formando uma malha em cabo de cobre nu, a qual será ligada ao quadro equipotencial. Todas as conexões e emendas serão executadas com solda exotérmica. Todas as partes metálicas não ativas (ligações secundárias) como carcaça do transformador, quadro de medição, suportes de instrumentos, gerador e telas metálicas deverão ser aterradas. O QGBT da Unidade será composto de barramento trifásico NORMAL e ESSENCIAL (vide desenho gráfico), oriundos da rede da Concessionária de energia e do Grupo Gerador de 150kVA, respectivamente. O barramento normal (ou não-essencial) alimentará o sistema de ar condicionado. A USCA (Unidade de Supervisão e Controle de Corrente Alternada), que por sua vez também receberá uma alimentação a partir do grupo gerador da Unidade para fazer a seleção REDE/GRUPO e comandará a partida e parada do grupo gerador assim como a transferência automática de carga/gerador e carga/concessionária, alimentará o barramento denominado essencial. Os quadros de distribuição QLF-2,QFC-1,QFC-2,QF-INC.,QF-ELE-01,QF-ELE-02 serão alimentados a partir do barramento essencial do QGBT. O QGBT será dotado de Multi-medidor de grandezas para as fases, instalado na porta, conforme diagrama unifilar. Os alimentadores de energia dos quadros deverão ser do tipo flexível, categoria 5, classe de isolamento 1kV, isolação EPR ou XLPE, cobertura EVA, temperatura máxima de serviço continuo, 90ºC, de sobrecarga, 130ºC, de curto-circuito, 250ºC, de fabricação Pirelli ou similar. Os circuitos das luminárias partirão dos quadros através de perfilados por sobre o forro e posteriormente derivados através de eletrodutos de alumínio. Além dos circuitos de iluminação, os quadros contém alguns circuitos de tomadas comuns (TUG) e tomadas de uso específico (TUE). Essas tomadas possuem circuitos separados dos circuitos das luminárias, no entanto, são conduzidos até o ponto localizado na parede, através da mesma infraestrutura dos circuitos das luminárias. Todas as tomadas são do tipo universal 2P+T, conforme projeto. Todas as luminárias deverão ser aterradas. 9

10 A rede de iluminação externa será executada com dutos flexíveis em polietileno de alta densidade (PEAD), tipo Kanalex, bitola mínima de 1.1/2. A rede de iluminação da praça e estacionamentos terá medição independente, de acordo com projeto. Todos os materiais e equipamentos a serem aplicados deverão obedecer às especificações técnicas constantes neste item. Os dutos das bancadas localizadas nas recepções dos dois pavimentos, na sala de atendimento e na sala do diretor de secretaria da 1 ª vara serão em alumínio, acabamento natural, acompanhado com tampa apropriada, fabricação Dutotec Subestação Os equipamentos de proteção e comando (seccionadoras, disjuntores, transformadores de potencial e corrente) se encontram especificados na legenda da subestação, aceitando-se similaridades com aprovação prévia da fiscalização da obra. As interligações em média tensão entre os cubículos e os transformadores serão através de cabos singelos, isolamento em Etilenopropileno (EPR) para 15 KV, conforme NBR 7286, anti-chama, seção 35mm², fabricação Ficap, Pirelli ou similar. As ligações entre o transformador e o QGBT serão em cabos singelos de cobre, têmpera mole, encordoamento classe 5 segundo NBR 6880, anti-chama. isolamento para 1000V segundo NBR 7288, flexíveis, fabricação Ficap, Pirelli ou similar. Será instalado um transformador novo e de primeiro uso, comprovado através da nota fiscal de compra direto de fábrica, de 500 KVA, a seco, com tap s para / / / // 380/220V, fabricação Tusa, Cemec ou similar. A malha de aterramento será em cabo de cobre nu, têmpera mole, encordoamento classe 2, conforme NBR-5111, seção 95mm 2, interligada à rede de aterramento através do quadro equipotencial. O cabo de interligação entre a malha e as estruturas metálicas terá seção de 50mm 2. A conexão a estes equipamentos será feita com terminais a compressão em cobre estanhado, com um furo de compressão e um furo de fixação com parafusos de ¼. As hastes de terra serão em aço revestidas com cobertura de cobre de alta densidade, camada de 254 microns, tipo Copperweld, seção 3/4, comprimento 3,0m. Todas as emendas entre os cabos serão executadas pelo processo aluminotérmico, utilizando-se pó exotérmico num molde de grafite. As conexões entre o cabo e as hastes de aterramento também deverão ser em solda exotérmica. Deverá ser instalado, na parte externa próximo à porta de entrada, 1 extintor de incêndio com gás carbônico (CO2), capacidade de 6 kg, fabricado conforme ABNT NBR Na parte externa das 4 portas metálicas de acesso aos cubículos dos transformadores e cubículos de média tensão, deverão ser instaladas placas de advertência em aço inoxidável, espessura de 0,8mm. Serão fixadas através de rebites de material resistente à corrosão. Deverão existir os seguintes dizeres e símbolo sobre o fundo na cor natural do material: - PERIGO (gravado na cor vermelha) 10

11 - ALTA TENSÃO (gravado na cor preta) - NÃO ABRIR (gravado na cor preta) - Símbolo da Caveira 8.2. Grupo Gerador Fabricante: Leon-Heimer ou Stemac Será instalado grupo gerador de 150 KVA, completo, equipado com motor diesel estacionário com baixo nível de ruído 4 tempos, injeção direta, aspirado ou turboalimentado, cilindros verticais em linha, partida elétrica de 12 Vcc com alternador. Gerador de CA sem escovas, tensão de 380/220V, IP-21, classe H de isolamento, excitação com sistema auxiliar com regulador de tensão, fornecido com quadro de comando (USCA) completo, com reversão automática através de contactores ou disjuntores motorizados possuindo intertravamento elétrico e mecânico. Todo o sistema, inclusive o motor diesel, gerador, baterias, etc., deverão ser novos e de primeiro uso, comprovados através das notas fiscais de compra QGBT Fabricante: Inelsa Quadro geral de baixa tensão com barramentos, montado conforme desenho em anexo, de sobrepor auto portante, construído em chapa de aço fosfatizado em chapa nº 14, com tratamento anti-corrosivo e acabamento com tinta a base de poliuretano ou epoxi na cor cinza claro. A empresa fornecedora dos quadros deverá apresentar ART do CREA referente ao serviço de confecção e montagem dos mesmos Disjuntores Fabricante: Siemens A disjunção geral de saída da subestação, assim como os disjuntores do quadro geral de baixa tensão (QGBT) deverão ser em caixa moldada, tensão nominal de isolamento de 660 V, capacidade de manobras superior a 8.000, dotados de relés térmicos ajustáveis para proteção contra sobrecargas e relés eletromagnéticos ajustáveis para proteção contra curtos-circuitos nas três fases. Terão acionamento manual por alavanca frontal. Os demais disjuntores deverão ser dotados de relés térmicos fixos para proteção contra sobrecargas e relés eletromagnéticos fixos para proteção contra curtos-circuitos nas três fases. Em todas as aplicações serão utilizados mini-disjuntores padrão DIN (norma IEC) de diferentes capacidades, sendo proibido o uso de disjuntores do tipo NEMA. - Disjuntores DIN acima de 100A Características Técnicas: - Tensão máxima: 415 Vca - Capacidade de ruptura simétrica: 10 ka - Número de pólos: 3 - Corrente nominal: conforme projeto e planilha orçamentária 11

12 - Disjuntores tipo termomagnético em caixa moldada 1P, 2P ou 3P, com diversas amperagens, padrão DIN. Características Técnicas: - Capacidade de ruptura (ICE 898) : 3 ka; IEC 947-2: 5kA - Número de pólos: 1, 2 e 3 - Freqüência: 50/60 Hz - Curva de disparo: C - Tensão nominal de operação: monopolares 240VCA; bipolares e tripolares 415 VCA - Manobras elétricas: Manobras mecânicas: Grau de proteção: IP20 - Fixação: Trilho DIN 35 o - Temperatura ambiente: - 25 ºC a + 55 C Terminais para cabo: até 35 mm ou 2x 16 mm - Toque de aperto dos terminais: 3Nm 8.5. Eletrodutos e conexões de PVC Fabricante: Tigre Serão de PVC rosqueável, com superfícies interna e externa perfeitamente lisas e cobertas por uma camada uniforme aderente, atendendo aos padrões normatizados pela ABNT. As emendas dos eletrodutos deverão ser efetuadas por meio de luvas. Os eletrodutos serão introduzidos nas luvas até se tocarem para assegurar a continuidade da superfície interna da canalização. Os eletrodutos deverão ser cortados perpendicularmente ao seu eixo longitudinal, retirando-se cuidadosamente todas as rebarbas, evitando-se assim qualquer possibilidade de danos ao isolamento dos condutores. As extremidades dos eletrodutos a serem instalados nos quadros de distribuição elétrica existentes, deverão ser providas de arruelas e buchas para proteção do isolamento dos cabos Eletrodutos de alumínio Fabricante: Thomeu Eletroduto de alumínio SCH 40, rosca NPT, fornecido em varas de 3,0m Perfilados Fabricante: Real Perfil Serão do tipo perfurado de 38 x 38mm, completos com todos os acessórios, em chapa de aço SAE 1008/1010 No. 16USG, com acabamento superficial anti-corrosivo através de galvanização eletrolítica Eletrocalha Fabricante: Real Perfil 12

13 Será instalada eletrocalha do tipo perfurada na lateral, com acabamento em galvanização eletrolítica, de dimensões 300 x 100 mm, acompanhada com tampa de pressão. Deverá ter separação interna para utilização tanto da rede elétrica como também para a rede de cabeamento estruturado. As derivações e curvas devem seguir o mesmo padrão da eletrocalha Cabos Fabricante: Pirelli ou Ficap Os cabos (alimentadores) a serem instalados deverão ser formados por fios de cobre eletrolítico, ter cobertura em PVC (70 o C) e meio isolante em PVC (70 o C), deverão ser anti-chama e com tensão de isolamento adequada para o nível de tensão do circuito.(1 kv para baixa tensão e 15kV para alta tensão) Devem possuir certificado de qualidade do INMETRO. Deverá ser adotado o seguinte Padrão de cores para identificação da fiação nos circuitos de distribuição secundários: Condutor FASE - cor vermelha. Condutor NEUTRO - cor azul; Condutor TERRA - cor verde. Condutor RETORNO cor branca. Deverá ser adotada a cor preta para os circuitos alimentadores. A fiação dos circuitos de iluminação deverá possuir seção mínima de 2,5 mm2 em cabos flexíveis de 750V, tipo anti-chama. As emendas serão executadas com entrelaçamento dos cabos e a utilização de solda branca 50x50, fita isolante Scotch No.23 na primeira camada e No.33 na segunda camada, fabricação 3M Quadros de distribuição Fabricante: Inelsa Os quadros de energia serão de embutir e de sobrepor conforme localização em projeto. Deverão ser fabricados em chapa 16/14 USG, tratamento através de jateamento de areia pintura em epóxi, a pó, com porta de trinco e fecho rápido e contra-porta. Deverão ter barramentos monofásicos, bifásicos e trifásico (dependendo de cada quadro), neutro e barra de terra dimensionados conforme projeto na capacidade indicada, os barramentos deverão ter tamanho adequado à quantidade das ligações a ser executada e deverão ser pintadas nas cores padronizadas pela ABNT. Os encostos dos batentes das portas serão protegidos pôr guarnições vedadoras e protetoras da pintura. Os equipamentos (chaves e bandeja para fusíveis, contactores e equipamentos de comando, se existirem) deverão ser montados em perfilados metálicos ajustáveis nos sentidos horizontal e vertical. Todos os circuitos e as respectivas sinaleiras de comando deverão ser identificados através de etiquetas confeccionadas com material de longa durabilidade. Todos os cabos deverão ser perfeitamente identificados com anilhas plásticas adequadas e todas as conexões cabo/disjuntor deverão ser executadas com terminal tipo olhal na bitola adequada. Todos os circuitos deverão ser perfeitamente identificados, em todos os equipamentos (disjuntores e tomadas), através de etiquetas adesivas, confeccionadas com material de longa durabilidade e máquina de etiquetar. Estes quadros deverão ter todos os componentes para perfeito acabamento, tais como anilhas, terminais, etiquetas, braçadeiras etc. Inserir canaletas ventiladas na parte interna dos quadros para a organização na distribuição dos cabos. A empresa fornecedora dos quadros deverá apresentar ART do CREA referente ao serviço de confecção e montagem dos mesmos. 13

14 8.11. Interruptores e Tomadas Fabricante: Pial Os interruptores deverão ser previstos para corrente de 10 A na tensão nominal de 250 V, ter acabamento externo de mesma linha que ao espelho que o envolve, com 1, 2 ou 3 teclas especificados conforme projeto gráfico. As tomadas para uso comercial serão do tipo "2P+T" para pinos cilíndricos e pinos chatos e terão capacidade para 10 A, 250V. As tomadas para uso em computador deverão ser do tipo "2P+T" e devem obedecer ao padrão de pinagem definida pela ABNT Luminárias e Lâmpadas Os diversos tipos de luminárias internas e suas respectivas lâmpadas, assim como os postes de iluminação externa, estão especificados e localizados no projeto gráfico e na planilha orçamentária Reatores Fabricante: Philips Todo reator será provido de invólucro incombustível. No caso de invólucro metálico, este será protegido interna e externamente contra a oxidação, por meio de pintura, esmaltação, zincagem ou processo equivalente. O reator deverá apresentar uma identificação durável, na qual deverão constar, no mínimo, as seguintes características: Nome ou marca do fabricante; tensão nominal de alimentação; corrente nominal de alimentação; tipo de lâmpada a que se destina; potência nominal das lâmpadas; freqüência nominal; esquema de ligações; fator de potência; máxima temperatura de operação do reator; data da fabricação ou código (neste caso fornecer a parte, metodologia para identificação da data de fabricação). Tecnologia: totalmente eletrônica e sem que seus componentes estejam impregnados com resina, de alta freqüência (20 KHz a 50KHz). Fator de potência mínimo de 0,97. Freqüência de alimentação: 60 Hz, (+/- 5%). Fator de eficácia mínimo: 1,50 (Quociente entre o fator de fluxo luminoso do reator pela potência total do conjunto). Tensão de entrada: 220VAC, com variação de +/- 10%, mantendo o fluxo luminoso da lâmpada inalterado para uma tensão variando na faixa determinada; A taxa de distorção harmônica total (corrente) DHT: máximo de 10%. Circuitos de proteção contra: surtos de tensão; sobreaquecimento; interferência eletromagnética e de rádio freqüência Dutos e Acessórios em Alumínio Fabricante: Dutotec Serão utilizados dutos em alumínio para a rede elétrica e para o cabeamento estruturado no mobiliário conforme localização em projeto. Os dutos serão duplos, standard, de 25mm, tipo D, acabamento natural, ref. DT 12201, acompanhados com tampa de mesmo acabamento. Todas os acessórios como conexões, fixadores, caixas de derivação, porta-equipamentos, deverão ser do 14

15 mesmo fabricante. Nas recepções serão instalados Totem Plus acompanhados de portaequipamentos conforme projeto, de 30cm de altura, acabamento natural Caixas de Passagem Construção de caixa de passagem com dimensões conforme projeto gráfico, em alvenaria, rebocada, com tampa de concreto pré-moldado, sistema de drenagem e alça de levantamento. 9. INSTALAÇÕES DE REDE ESTRUTURADA Infra-Estrutura de Rede Estruturada de Telecomunicações: As instalações de Rede Lógica de Telecomunicações devem ser do tipo estruturadas e devem estar em conformidade com as normas ABNT NBR Procedimentos básicos para elaboração de projetos de cabeamento de telecomunicações para rede interna, ABNT NBR ISO/IEC Tecnologia de informação - Código de prática para a gestão da segurança da informação, ABNT NBR NB Critérios de segurança física relativos ao armazenamento de dados, ABNT NBR Unidades de armazenagem segura - Salas-cofre e cofres para hardware - Classificação e métodos de ensaio de resistência ao fogo, ABNT NBR MB Paredes divisórias sem função estrutural - Determinação da resistência ao fogo, Padrões de cabeamento da série ANSI/TIA/EIA-568-B e Padrões de espaços e caminhos de telecomunicações ANSI/TIA/EIA- 569-B. A infra-estrutura de dados e voz convergirá de todos os pontos para o pavimento térreo, com um rack concentrado no pav. Superior e outro no térreo, na (sala do CPD), todos os elementos ativos de voz e dados (swith s, central telefônica e servidor). A infra-estrutura adotada para conduzir os cabos UTP corresponde a eletrocalha em alumínio de 300x100mm exclusiva para a rede estruturada (dados/voz), instalada sobre o forro. No caso de derivações de eletrocalhas para eletrodutos deverão ser usados os acessórios de saída horizontal para eletrocalha para conectar ao eletroduto de derivação, conforme projeto. Essa infra-estrutura metálica faz parte do material que será instalada sobre o forro, já o material que será instalado em alvenaria, ou seja, a infra-estrutura vertical ou de descida para os pontos de usuário será em eletroduto de PVC (quando embutido) e alumínio (quando de sobrepor), nas decidas com Dutotec será utilizado um adaptador para eletroduto. Devendo haver a perfeita transição (conexão) entre essas duas, com a utilização de material adequado conforme especificado no projeto. Para os pontos de dados (computador) serão instaladas caixas 4x2 embutidas em parede ou em Dutotec nas divisória, com a quantidade de saídas de acordo com o projeto. Todos os pontos de lógica deverão ser identificados seguindo uma nomenclatura estabelecida pelo cliente e em conformidade com o projeto original. Essa identificação deverá ser feita, para o caso dos pontos de lógica, no patch panel, nas extremidades dos patch cords e adapter cables e nas tomadas. Todos os pontos da rede de computadores deverão ser certificados atendendo a todos os parâmetros solicitados nas especificações. Toda a rede de comunicação de dados será do tipo Ethernet categoria 6. 15

16 Cabeamento: A rede de lógica será do tipo estruturada com cabo tipo UTP, CAT-6, 4 pares trançados, não blindados fab. Furukawa, Panduit ou equivalente. conforme norma EIA/TIA 568B e demais alterações. Deverão ser utilizadas tomadas tipo RJ- 45 oito pinos, com contatos banhados a ouro em módulo único, com tampa de proteção categoria 5e. fab. Furukawa, Panduit, AMP ou equivalente Patch Cables/Adapter Cables: Os Patch Cables devem ser de cabos flexíveis, CAT 6, fab. Furukawa, Panduit ou similar. Os Adapter Cables a serem fornecidos devem ter conector macho RJ-45 nas duas extremidades. Patch Cables e Adapter Cables devem ser confeccionados em fábrica, portanto certificados. Deverá ser fornecido e instalado quadro primário de telefonia padrão Telebrás, dotado de blocos IDC, anéis guia e demais dispositivos, com tubulação e caixa externa para acesso do cabo de entrada (TELEMAR). Deverá ser previsto o fornecimento de 14 filtros de linha com 2,5 metros cada para conectar os computadores nas ilhas de trabalho. 9.1 Tomadas RJ-45 e Conectores Tomada fêmea RJ-45 tipo A, de engate tipo IDC para conexão com cabos UTP de 04(quatro) pares, possuindo janela de proteção mecânica do conector e espelho adequado, devendo atender aos requisitos físicos e elétricos da Norma ANSI/TIA/EIA-568A e Boletim TSB-36. Plug conector RJ vias para cabo UTP cat Cabo UTP (UNSHIELDED TWISTED PAIR) CATEG. 6-4 pares Fabricante: Panduit ou Furukawa Cabo de par trançado não blindado de 4 pares, 24 A WG, com condutores de cobre rígidos, totalmente compatível com os padrões para categoria 6, que possibilite taxas de transmissão de até 1 Gbps, com espessura mínima de 0,58mm. A capa do cabo deve ter números impressos indicando o comprimento em espaços inferiores a 1 metro, viabilizando uma contagem exata da metragem utilizada na instalação. Deve atender a norma ANSI/EIA/TIA-568 B e suas alterações, em todos os aspectos (características elétricas, mecânicas, etc.). CABO UTP Supera as especificações da norma ANSI/EIA/TIA-568-B.2-1 Transmission Performance Specifications for 4-Par 100 Ω Category 6 Cabling e os requisitos de cabo categoria 6 (class E) das norma ISO/IEC e EN Mantém compatibilidade mecânica e elétrica dos produtos de Categoria 6 com as categorias anteriores Dentro do cabo, cada par estar separado entre si por uma barreira física dielétrica. Os condutores são de cobre sólido # 24 AWG Tem o código de cores de pares conforme abaixo: 16

17 - - Par 1: Azul-Branco/com uma faixa azul no condutor branco. - - Par 2: Laranja-Branco/com uma faixa laranja no condutor branco. - - Par 3: Verde-Branco/ com uma faixa verde no condutor branco. - - Par 4: Marrom-Branco/ com uma faixa marrom no condutor branco O cabo é do tipo CM ou superior listado pelo UL segundo a norma UL A capa do cabo jacket tem impresso a seguinte informação: nome do fabricante, código de modelo part number, tipo de cabo, número de pares, tipo de listagem no UL (ex. CM), e as marcas de medição seqüenciais de comprimento A máxima força de ruptura do cabo é maior ou igual a 400 N (90-lbf) O cabo permite um raio mínimo de curvatura de 25 mm (1 ) a uma temperatura de 20ºC sem ocasionar deterioração na capa ou condutores O fabricante deve possuir certificação IS vigente Deverá ser apresentado através de catálogos, testes das principais características elétricas em transmissões de altas velocidades (valores típicos) de ATENUAÇÃO (db/100m), NEXT (db), PSNEXT(dB), SRL(dB), ACR(dB), para freqüências de 100, 200, 350 e 600Mhz. 9.3 Rack 19 Fabricante: AMP ou similar Rack de 19 com altura de 44 U s, contendo 06 bandejas de apoio, 02 réguas para oito tomadas 2P+T, com régua de anéis guia horizontal e vertical, com exaustor. Estrutura com perfis de aço, tampas laterais removíveis com aletas de ventilação em chapa de aço e fechos rápidos tampa traseira com furação para fixação na parede abertura na base inferior para passagem de cabos, planos de montagem 19" em aço, ajustáveis na profundidade do rack (dispensa o uso de 2º plano) e porta frontal de vidro temperado cristal (acrílico opcional) e chave. 9.4 Painéis de Distribuição (Patch-pannels) Fabricante: Panduit ou AMP Patch Panel 24 posições com guia traseiro, portas RJ-45 categoria 6 com contatos banhados a ouro, compatibilidade com os cabos UTP 24AWG. EIA/TIA 568 B e demais alterações, instalação em rack 19 e ícones de identificação. Deve ocupar 1U de altura, construído em chapa de aço SAE 1010 de 1,2mm e acabamento em epóxi preto texturizado. 9.5 Blocos terminais para linha telefônica Fabricante: AMP Blocos terminais compactos da família C-303 ou outros que utilizem módulos de 5 pinos padronizados no sistema Telebrás (Prática nº ). Os blocos deverão suportar no mínimo 20 pares. 9.6 Distribuidor Geral (1200x1200x150mm) 17

18 Fabricante: INELSA Caixa para telefone padrão Telebrás-CIE/DG modelo de embutir com fecho triangular em ferro nodular e aço com cinco voltas, em chapa de aço SAE 1008, aterramento com barra de cobre 1/8 x3/8, suportes e parafusos chapa de fundo em madeira, segundo normas Telebrás/Anatel. Proteção contra poeira e insetos, com espuma plástica nas venezianas. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DOS COMPONENTES E MATERIAIS DA SOLUÇÃO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO: 9.7. CONECTOR RJ-45 FÊMEA JACK CATEGORIA São conectores modulares de 8 vias (RJ45) categoria 6 que superam as especificações da norma ANSI/TIA/EIA 568B São certificados pelo UL Listed, além de certificados pelo CSA Registrado, que garante que os elementos oferecidos foram avaliados por estes laboratórios. Esta informação deverão estar disponíveis nos catálogos do fabricante do sistema São do tipo IDC Insulation Displacement Contact (contato por deslocamento do isolador dielétrico) que aceitem condutor sólido unifilar medindo entre AWG 22 e 24. O jack permite ser instalado em espelhos de parede, em módulos de baias de escritório aberto, caixas de superfície e caixa de piso elevado Garantem que os pares fiquem o mínimo destorcido até o ponto de conexão com as lâminas dentro do conector, onde suportar um numero de re-conexões superior a 10 sem deteriorização física, além de no mínimo 1000 conexões frontais com patch cord, não afetando os parametros estipulados pelas normas de teste e performance, garantido pelo fabricante do sistema fornecido Estão totalmente em conformidade com as especificações da norma TIA/EIA - o jack Categoría 6 em seu desenho e forma de terminação garante o destrançado mínimo de 1/4" São conectores de categoria 6 que NÃO necessitam de ferramentas de impacto punch down tipo 110 para montagem Contar com uma iconografia indicativa na parte frontal do conector Preserva a compatibilidade mecânica e elétrica com categorias anteriores (5e, 5 e 3) Asseguram a não desconexão do cabo UTP unifilar sólido quando exercida uma tração subta com uso de uma tampa de proteção dando resistencia as terminações Aceitar tampas block out que impedem acesso físico ao hardware, prevenindo sabotagem ou vandalismo com objetos estranhos São disponibilizados em 8 cores distintas (TIA/EIA 606A) para o fornecimento a fim de facilitar a administração Cumprem com os requerimentos da norma IEC , de acordo com a TIA/EIA 568B Como acabamento, os espelhos fornecidos aceitam tanto os jacks RJ45 categoría 6, como a incorporação de módulos acopladores do tipo SC, LC, ou conectores tipo F e BNC, além de qualquer tipo de conector de fibra óptica de nova generação SFF (Small Form Factory). 18

19 9.8. PATCH PANEL MODULAR DE 48 POSIÇÕES Possui 48 posições que aceita diferentes conectores RJ45, ST, SC, LC, etc Apresentar altura de 1U, possuir 48 posições modulares, posição por posição que permite e aceita diferentes conectores (UTP categoria 6, UTP categoria 5E, ScTP categoria 5E e 6, fibra óptica SC Duplex, ST, MT-RJ, FJ, LC, Coaxial, Tipo F, de audio RCA etc.) ou a incorporação de módulos e conectores de forma individual, de acordo com a norma ANSI TIA/EIA 568B para categoria Permitir substituição de conectores individuais, e em caso de falha, pode ser substituído apenas o suporte modular para 4 ou 6 posições sem ter que desmontar totalmente o patch panel Aceita a instalação de tampas cegas pretas para se completar todas as posições modulares que não venha ser utilizadas no patch panel Permitir trabalhar com o mapa de pinagem T568A ou T568B Possui 19 de largura para ser instalados em gabinetes ou racks e acomodam 48 posições por altura universal U (4,45cm) São de 1U (altura padrão) no rack Permitem a conexão total das saídas de informação de todas as aplicações (dados, voz, etc), perfeitamente identificados no painel, e com todos os requerimentos para facilitar a administração e manejo da rede, de acordo com a norma ANSI/TIA/EIA 606A Conta com uma proteção plástica transparente ou um suporte mecânico destinado a proteção das etiquetas a fim de que o adesivo não seja o único método de suporte, além de impedir o contato direto das mãos do técnico ou outros objetos, garantindo com isto maior longevidade das informações de acordo a norma ANSI/TIA/EIA 606A Possuem certificados UL Listed e CSA registrado, garantindo que os elementos oferecidos foram avaliados por estes laboratórios. Os elementos estarão identificados individualmente com o correspondente logotipo de prova do laboratório (UL e CSA), de forma permanente.impressa no corpo do elemento Patch panels categoria 6 que NÃO necessitem de ferramentas de impacto punch down tipo 110 para montagem São elaborados e construídos pelo mesmo fabricante de conectividade PATCH CORD RJ45 - RJ Devem exceder e superar as recomendações da TIA/EIA-568-B.2-1 para categoria Devem ter uma impedância de entrada sem diferir dos 100 Ω + 32% e com resposta de freqüência superior a 250Mhz (verificado por teste no ETL) Devem ser testados e APROVADOS pelo ETL para categoría 6, sendo necessário anexar os documentos da certificação ETL para os Patch cords na proposta Os patch cords para a conexão dos equipamentos do usuário final devem ser construídos com conectores macho (plugs) tipo RJ45 em ambas as extremidades. O cabo utilizado para estes patch cords deverá ser cabo flexível (condutores multifilares) categoria 6, 23 ou 24 AWG de cobre em par trançado e ter as mesmas características de desempenho nominal do cabeamento horizontal especificado. 19

20 Deverão ser fornecidos com comprimentos padrão de 1,5m para interligações dentro do armário de telecomunicação (rack) e 3m para interligação entre a CPU e a tomada de piso; Os contactos dos conectores RJ45 devem ter um foleamento de 50 micropolegadas de ouro, de acordo com a FCC parte 68 subparte F, e deve ser anexado o catálogo do elemento onde se possa verificar este requerimento O conector deve ser desenhado com um mecanismo integral de bloqueio que proteja o ajuste mecânico da conexão (lingüetas) contra fisgamento acidental, ao qual depois de haver sido inserido, sirva de proteção para não ser extraído de forma acidental Os plugs devem contar com tecnologia de-embeded de acordo a TIA/EIA 568B Os patch cords deverão ter um sistema que controle a tensão a que se submetem no processo de instalação. Este sistema deve ser parte integral do processo de fabricação do patch cord na planta do fabricante. Este sistema deve preservar o raio de curvatura de 1 ao ser inserido o plug no conector Não serão aceitos patch cord fabricados localmente Todos os patch cords deverão ser originais de fábrica, elaborados e construídos pelo mesmo fabricante da conectividade e pré-certificados como estipulado na TIA/EIA, e deverão vir em suas bolsas originais de empacotamento tal como saem da fábrica Deverão ser certificados UL Listed e CSA registrado, para garantir que os elementos oferecidos tenham sido avaliados por estes laboratórios. Os elementos estarão identificados individualmente com o correspondente logotipo de prova do laboratório (UL e CSA), de forma permanente Os Patch Cords devem ser compatíveis com categorias anteriores (5E, 5 e 3) para o qual deverão contar com uma certificação component compliance emitida por algum laboratório independente de provas como o ETL Deve ser disponibilizado pelo fabricante em 8 atendendo também às especificações da ANSI EIA/TIA 606-A; Deverão ser elaborados e construídos pelo mesmo fabricante de conectividade do sistema ORGANIZADOR HORIZONTAL DE CABOS Os organizadores de cabos são de 2U e são instalados a cada 02 Patch Panels de tal forma que estes permite ao menos 01 organizador adjacente junto a eles Os organizadores contam com um sistema que garanta controle dos raios de curvatura para a inserção e saída dos cabos e dos patch cords Cor preta Largura padrão Tipo frontal e traseiro com tampas para proteger os cabos de golpes ou esmagamentos A área do corte de seção frontal e posterior consegue acomodar quantidades de cabos superiores a 48 cabos sem que estes fiquem pressionados contra as paredes Contém elementos de fixação que suportam os cabos e evitam que estes caiam ao ser retiradas as tampas, ou senão, contar com tampas basculantes São elaborados e construídos pelo mesmo fabricante de conectividade. 20

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS Tipo: Gabinete Rack do tipo bastidor com porta e ventilação forçada 24U x 19"x 670mm, com porta de

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR

RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR RECOMENDAÇÕES PARA REFORMA DE INSTALAÇÕES ELETRICAS TEATRO SERRADOR Tel.: (021) 2583 6737 Fax.: (021) 2583 6737 Cel.: (021) 9159 4057 dsp@dsp-rj.com.br 1 / 9 Sumário 1 OBJETIVO... 3 2- NORMAS APLICÁVEIS...

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, LÓGICA E ELÉTRICA DA LÓGICA, PARA A OBRA DE CONSTRUÇÃO SENAI CRUZEIRO DO SUL.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, LÓGICA E ELÉTRICA DA LÓGICA, PARA A OBRA DE CONSTRUÇÃO SENAI CRUZEIRO DO SUL. SRVIÇOS LTDA LUCNA SPCIFICAÇÕS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕS LÉTRICAS, LÓGICA LÉTRICA DA LÓGICA, PARA A OBRA D CONSTRUÇÃO SNAI CRUZIRO DO SUL. INTRODUÇÃO O presente memorial enfoca o Projeto de Instalações létricas

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

1. OBJETO 2. JUSTIFICATIVA

1. OBJETO 2. JUSTIFICATIVA PROJETO BÁSICO SERVIÇOS DE INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO LÓGICO, SENDO CONFECÇÃO DE 100 PONTOS, REMANEJAMENTO DE 100 PONTOS E SERVIÇOS DE RECOMPOSIÇÃO CIVIL. 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC

Catálogo de. Produtos LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA PRODUTOS INJETADOS MARCAS DISTRIBUÍDAS B5NX-CNC FIBRAS ÓPTICAS E ACESSÓRIOS LABORATÓRIO ÓPTICO FERRAMENTARIA / METALURGIA B5NX-CNC PRODUTOS INJETADOS Catálogo de MARCAS DISTRIBUÍDAS Produtos R A Division of Cisco Systems, Inc. RACKS E ACESSÓRIOS Linha

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 ANEXO III ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REDE DA DADOS LOCAL OBRA: CASA DA DUQUE - PINACOTECA ALDO LOCATELLI LOCAL: Rua Duque de Caxias, n. 973 - Porto Alegre (RS) PROPRIETÁRIO: EPHAC TENSÃO PRIMÁRIA DE ABASTECIMENTO:

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de

APÊNDICE D Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de APÊNDICE "D" Descrição Técnica dos Pequenos Serviços de A INTRODUÇÃO Neste apêndice estão discriminados os Serviços de Adequação (PSA) de menor complexidade para atendimento da dinâmica funcional da ECT,

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CABEAMENTO ESTRUTURADO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SERGIPE -

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203

Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 Anexo 3 - MEMORIAL DESCRITIVO DA AMPLIAÇÃO DO ALMOXARIFADO - TI ET 07-02-203 1 REDE ESTRUTURADA DE TELECOMUNICAÇÕES Introdução O sistema de Telecomunicações constará alimentação dos pontos de comunicação

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ETAPA I 0 DESPESAS INICIAIS, TAXAS DIVERSAS E ADMIN. LOCAL - - - - - - 0.1 Despesas iniciais e Taxas diversas - - - - - - 0.1.1 Despesas iniciais 0.1.1.1 Despesas iniciais de mobilização unid - - - - -

Leia mais

Infra-estrutura tecnológica

Infra-estrutura tecnológica Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação ATTI Supervisão de Infra-estrutura Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Infra-estrutura tecnológica Rede Lógica

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5)

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5) ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 1. PATCH CORDS / LINE CORDS / CORDÕES (CATEGORIA 5) Os patch cords, line cords ou cordões têm como função a interligação entre o equipamento do usuário

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TENSÃO SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA PROPRIEDADE SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.009 SECUNDÁRIA EDIFICAÇÕES COLETIVAS COM SUBESTAÇÃO INSTALADA NO INTERIOR DA 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS

ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS ANEXO III PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO - FÓRUM DA COMARCA DE SANTOS 1 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.1 CANTEIRO DE OBRAS 1.1.1 Construção provisória em madeira -

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO III PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO PARA REDE LOCAL DE MICROCOMPUTADORES 1.Objetivo Este projeto tem por objetivo descrever a instalação de cabeamento de rede lógica no edifício-sede da

Leia mais

1. Considerações Gerais

1. Considerações Gerais Governo do Estado do Ceará Secretaria da Educação Coordenadoria Administrativa Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO DA REFORMA ELÉTRICA Unidade de Trabalho: 20ª COORDENADORIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE022/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA - CAMPUS VITORIA DA CO 1 ALICATE, universal, de 8 polegadas, em aco, cabo com isolacao para 1000 volts e em conformidade com norma ABNT NBR vigente no que diz respeito

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

CONVITE Nº 016/2012. ANEXO I MODELO DE CARTA DE APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL COM BASE NA DESCRIÇÃO DE ITENS CONSTANTES NESTE ANEXO.

CONVITE Nº 016/2012. ANEXO I MODELO DE CARTA DE APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL COM BASE NA DESCRIÇÃO DE ITENS CONSTANTES NESTE ANEXO. CONVITE Nº 016/2012. ANEXO I MODELO DE CARTA DE APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL COM BASE NA DESCRIÇÃO DE ITENS CONSTANTES NESTE ANEXO. Ao Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac - Administração

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO ENTRADA DE ENERGIA EM ALTA TENSÃO Responsável Técnico: Proprietário / Responsável Legal: Marcos Antônio de Sordi Instituto Federal de Ciência e Eng.º Eletricista CREA PR-73895/D Tecnologia

Leia mais

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade)

R & R Projetos e Instalações Ltda ( MASTER Engenharia em Eletricidade) PROJETO ELÉTRICO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA CEFET - BA MEMORIAL DESCRITIVO Este projeto visa a unificação de medição de média tensão, reforma da subestação II e instalação de alimentadores

Leia mais

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38

ECO HD. Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco 110 Categoria 6 36 Organizadores de cabos 38 Página Patch Panel Patch Panel cat. 6 32 P. Modular 48 portas em 1UR cat.6 32 Patch Panel Modular descar. 24 portas 33 Voice Panel 1UR 50 Portas 34 Bloco 110 e Organizadores Bloco 110 Categoria 5e 35 Bloco

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$

ESPECIFICAÇÃO DO ITEM R$ ANEXO 2 Planilha Orçamentária Estimativa de Quantitativos e Preços Máximos Global e Unitários LOTE ÚNICO ESPECIFICAÇÃO DO ITEM Qtde. Unitário R$ Total R$ 01 02 03 04 05 CHAVE NIVEL TIPO BOIA,ATUACAO: ALARME

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA INFRAESTRUTURA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO E DE TELEFONIA DA SALA TÉCNICA (D) E NOVA SALA DO CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EMPREENDIMENTO COMERCIAL AC GOIANÉSIA/DR/GO 1. GENERALIDADES 1.1 O projeto refere-se às instalações elétricas do empreendimento comercial localizado

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GERAL DETECEÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GERAL DETECEÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO 1 MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS GERAL DETECEÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CLIENTE: OBRA: LOCAL: BNDES RETROFIT DESUL AV. JUSCELINO KUBITSCHEK,

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: ELÉTRICO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS... 04 3. DESCRIÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

N O: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CREA / RN PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

N O: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CREA / RN PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Power Engenharia CLIENTE: ÁREA: N O: MD-003-CREA-2014 Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio Grande do Norte CREA / RN PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 1 de 14 POWER ENGENHARIA ELÉTRICA E TELECOM.

Leia mais

Rua Cruzeiro dos Peixotos, 499 Sala 1008 Bairro Aparecida UBERLÂNDIA-MG TELEFONES: (034) 3231-4235 & 9102-7015

Rua Cruzeiro dos Peixotos, 499 Sala 1008 Bairro Aparecida UBERLÂNDIA-MG TELEFONES: (034) 3231-4235 & 9102-7015 Biblioteca Educa Campus Educa Materiais Projetos Hidro-sanitário e Prevenção e Combate a Incêndio Lista de materiais do Térreo Esgoto - Caixas de Passagem Caixa de areia pluvial com grelha CAG- 60x60cm

Leia mais

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO

MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO Dados do cliente Proprietário: Roney Casagrande CPF: 765.425.990-53 Endereço: Estrada Pinhal da Serra, n 04452, Interior Cidade: Pinhal da Serra RS CEP: 95.390-000 Dados da

Leia mais

1. PROJETO EXECUTIVO ESTRUTURAL/FUNDAÇÕES E MEMORIAL DESCRITIVO ESTRUTURAL/FUNDAÇÕES

1. PROJETO EXECUTIVO ESTRUTURAL/FUNDAÇÕES E MEMORIAL DESCRITIVO ESTRUTURAL/FUNDAÇÕES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS / EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS EXECUTIVOS E MEMORIAIS DESCRITIVOS ESTRUTURAL/FUNDAÇÕES, INSTALAÇÕES ELÉTRICAS/SPDA, PPCI E INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS UNIDADE ONCO CIRÚRGICA

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS UNIDADE ONCO CIRÚRGICA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS UNIDADE ONCO CIRÚRGICA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA Marília/SP PROJETO: Engº Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio Garrido, 47 - Bairro Barbosa 17501-443

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O H I D R O S S A N I T Á R I O COREN CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS BÁSICOS FL. 01/12

PLANILHA DE SERVIÇOS BÁSICOS FL. 01/12 FL. 01/12 REGIÃO I estimados R$ Sub Total BDI 1 2 Execução de infra-estrutura para a instalação de ponto elétrico duplo (rede comum ou estabilizada), até 1.500 W. partindo do quadro elétrico até qualquer

Leia mais

Anexo XII - Planilha de COMPOSIÇÃO DE CUSTO UNITÁRIO

Anexo XII - Planilha de COMPOSIÇÃO DE CUSTO UNITÁRIO PROCESSO / Nº 002/2012 7.0 COBERTURA 7.2 Cobertura em telha Gravicolor - Brasilit (M2) Ajudante de telhadista H 0,220000 3,04 0,67 Telhadista H 0,220000 4,12 0,91 1,58 Telha Gravicolor M2 1,230000 60,37

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICOS, ESPECIAIS E TELEFONE

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICOS, ESPECIAIS E TELEFONE ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICOS, ESPECIAIS E TELEFONE Contratante: PEFORMANCE Obra: BANGU Local: RUA 405 RIO DE JANEIRO RJ Arquivo: PERFORMANCE 0-ELE-PE-2-DOC-ESPC Emissão

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

ANEXO I - B MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS

ANEXO I - B MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS ANEXO I - B MEMORIAL DESCRITIVO DE SERVIÇOS E MATERIAIS Objetivo Página 1 de 6 O presente documento destina-se à execução de reformas necessárias a instalação dos No-Breaks com banco de baterias, a serem

Leia mais

Manual de Referência Técnica Elevac 200

Manual de Referência Técnica Elevac 200 Apresentação O Elevador Pneumático Elevac, fabricado pela Elevac Tecnologia em Elevadores, indústria brasileira, com patente registrada, é um sistema de transporte vertical pneumático, sem cabos, pistões

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO REESTRUTURAÇÃO E CABEAMENTO ESTRUTURADO E ELÉTRICO 1. APRESENTAÇÃO O presente memorial descritivo refere-se ao projeto de reforma das instalações de Telecomunicações, Cabeamento Estruturado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Elaboração dos projetos elétricos da REFORMA DA SEDE DA CERON PORTO VELHO-RO

MEMORIAL DESCRITIVO. Elaboração dos projetos elétricos da REFORMA DA SEDE DA CERON PORTO VELHO-RO MEMORIAL DESCRITIVO 1 OBJETIVO Elaboração dos projetos elétricos da REFORMA DA SEDE DA CERON PORTO VELHO-RO 2 PROJETO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 3 - COMENTÁRIOS GERAIS O presente memorial visa descrever

Leia mais

158516.182014.137447.4474.277995780.540

158516.182014.137447.4474.277995780.540 158516.182014.137447.4474.277995780.540 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Ata de Realização do Pregão Eletrônico

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PARA INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO DE REDE LÓGICA

MEMORIAL DESCRITIVO PARA INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO DE REDE LÓGICA MEMORIAL DESCRITIVO PARA INSTALAÇÃO DE CABEAMENTO DE REDE LÓGICA 1. ESCOPO DO DOCUMENTO Este documento apresenta o memorial descritivo relativo ao projeto de Cabeamento lógico no Centro Municipal de Saúde

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO TELECOMUNICAÇÕES REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO TELECOMUNICAÇÕES OBRA: Reforma Sala do Núcleo

Leia mais

1. Considerações Gerais

1. Considerações Gerais Governo do Estado do Ceará Secretaria da Educação Básica Coordenadoria Administrativa Financeira Engenharia SEDUC MEMORIAL DESCRITIVO Unidade de Trabalho: CREDE 13-CRATEÚS Obra: REFORMA ELÉTRICA Engenheiro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE ARQUITETURA ENGENHARIA PROCURADORIA GERAL UFF

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE ARQUITETURA ENGENHARIA PROCURADORIA GERAL UFF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE ARQUITETURA ENGENHARIA PROCURADORIA GERAL UFF MÊS DE REFERÊNCIA JULHO/ 2015 BDI 20% Item Discriminação Unid. Quant. 1 SERVIÇOS

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado

Leia mais

CAPÍTULO IV: INSTALAÇÕES DE ÁGUA FRIA E E S G O T O S SANITÁRIOS

CAPÍTULO IV: INSTALAÇÕES DE ÁGUA FRIA E E S G O T O S SANITÁRIOS CAPÍTULO IV: INSTALAÇÕES DE ÁGUA FRIA E E S G O T O S SANITÁRIOS 1. MEMORIAL DESCRITIVO a) As instaiaçoes serão executadas em condições totalmente operacionais, sendo que o fornecimento de materiais, equipamentos

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Item Quantidade Unidade

Item Quantidade Unidade Pedido: 6-0 Situação: ANALISANDO Categoria SIAFI: OUTROS SERVICOS DE TERCEIROS-PESSOA JURIDICA - SERVICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMACAO Objeto: Registro de Preços para eventual contratação de empresa especializada

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono.

CCM. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão. Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Centro de Controle de Motores Conjunto de manobra e controle de baixa tensão Painéis metálicos fabricados em aço carbono. Definição ( montado): é uma combinação de dispositivos e equipamentos de manobra,

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B

MEMORIAL DESCRITIVO DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B DO CABEAMENTO ESTRUTURADO IFRS- POA-PORTO ALEGRE LABORATÓRIO BLOCO B Goiânia, 30 de Setembro de 2014. OBRA: IFRS- POA- Porto Alegre Laboratório Bloco B LOCAL: Rua Coronel Vicente, 281, Bairro Centro, Porto

Leia mais

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos

diagrama de ligações, relatórios emitidos pelo Analisador de Cabos ESPECIFICAÇÔES TÉCNICAS 1 CABEAMENTO HORIZONTAL Instalação da rede para padrão T568B constituída de 466 (quatrocentos e sessenta e seis) pontos, devidamente identificados, conforme localização definida

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Reforma e Adequação sem acréscimo de área construída do Posto de Saúde de Eden. End.: Rua Roberto Silveira s/n Éden - São João de

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS MEMORIAL DESCRITIVO I N S T A L A Ç Õ E S H I D R O - S A N I T Á R I A S EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS AC. CERES ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE VARGAS, Nº220, CENTRO, CERES - GO. Página 1 de 8

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DIP/SMOV ANEXO X - MODELO DE ORÇAMENTO PARQUE FARROUPILHA - SUBESTAÇÃO SE 2 ADMINISTRAÇÃO MATERIAL CÂMARA TRANSFORMADORA Unid. Quant. V. unit.r$ V. TotalR$ Placa de

Leia mais

CONSTRUÇÃO - BLOCO DE PESQUISADORES - PAVIMENTO TÉRREO

CONSTRUÇÃO - BLOCO DE PESQUISADORES - PAVIMENTO TÉRREO ANEXO XII PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PLANILHA DE ORÇAMENTO UNIDADE: Embrapa Algodão Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária- Embrapa Coordenadoria de Engenharia e Arquitetura-CEN/DRM OBRA: AMPLIAÇÃO DOS

Leia mais

REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO

REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO CAMPUS CAMPO LARGO 1 IDENTIFICAÇÃO Obra: Reforma de Laboratórios e Salas de Aula. Local: Rua Engenheiro Tourinho, 829 Vila Solenen. Campus: Instituto Fed. de Ciência

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

ANEXO IV FPTI FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU PLANILHA DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA MANUTENÇÃO ELÉTRICA EM BAIXA TENSÃO Proposta Registro de Preço

ANEXO IV FPTI FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU PLANILHA DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA MANUTENÇÃO ELÉTRICA EM BAIXA TENSÃO Proposta Registro de Preço ANEXO IV FPTI FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU PLANILHA DE MATERIAIS E SERVIÇOS PARA MANUTENÇÃO ELÉTRICA EM BAIXA TENSÃO Proposta Registro de Preço ITEM DESCRIÇÃO UNID QTDE VALOR VALOR MÃO VALOR MÁXIMO

Leia mais

Planilha Orçamento - GLOBAL

Planilha Orçamento - GLOBAL 2. SERVIÇOS PRELIMINARES 2. 1. ADMINISTRAÇÃO DA OBRA Planilha Orçamento - GLOBAL 2. 1. 1. DESPESAS COM PESSOAL CONTRAMESTRE 3,00 MS 2.940,96 8.822,88 0,00 0,00 8.822,88 - - 11.028,60 11.028,60 2. 2. MEDICINA

Leia mais

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN 25% 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 12.734,82 1.1 COTAÇÃO MOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E PESSOAL. M² 200,00 2,57 3,21 642,50 1.2 74220/001 TAPUME DE CHAPA DE MADEIRA COMPENSADA, E= 6MM, COM PINTURA

Leia mais

Planilha Estimativa de Orçamento

Planilha Estimativa de Orçamento Item 1. INFRAESTRUTURA COMUM Planilha Estimativa de Orçamento Descrição do Material Qtde. Unid. 1. 1. ELETRODUTOS/PERFILADOS/ELETROCALHAS/CANALETAS 1. 1. 1. SEAL TUBE.1 ELETRODUTO FLEXIVEL DE ACO ZINCADO

Leia mais