O Marketing de Relacionamento Digital 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Marketing de Relacionamento Digital 1"

Transcrição

1 O Marketing de Relacionamento Digital 1 Kellen Kunz 2 Resumo: O advento da Internet e, mais recentemente das mídias e redes sociais, têm acarretado em diversas transformações no jeito de nos comunicarmos e relacionarmos com as pessoas. Levando isso em conta, este artigo procura descrever, primeiramente, as mudanças que essa nova cultura digital e que tais mídias provocam no marketing. Sendo assim, o segundo capítulo traz conceitos centrais acerca do marketing digital focando este no relacionamento da organização com o consumidor. Com isso, se concluirá que já existem muitos estudos sobre o assunto e que cada vez mais as empresas têm utilizado estas novas ferramentas para se comunicar e se relacionar com o mercado. O que faltaria, porém, seria uma maior exploração do seu potencial por parte das organizações. Palavras-Chave: Mídias Sociais, Cultura Digital, Marketing, Relacionamento. Introdução Com o avanço da tecnologia percebeu-se uma mudança de hábitos na maneira de comunicar e também de se relacionar das pessoas. Em recente pesquisa do Instituto Informa/Binder foi constatado que 18% dos usuários da Internet dão preferência às mídias digitais como forma de comunicação, seja ela pessoal ou corporativa 3. Tal dado motivou a construção deste artigo. Apesar deste ser um tema complexo, não se pretende através deste trabalho esgotar o assunto, mas sim levantar questões interessantes de autores renomados da área. Sendo assim, o presente estudo é baseado em uma pesquisa bibliográfica que busca contextualizar e definir, inicialmente, a nova cultura em que estamos vivendo, chamada de Cultura Digital (COSTA, 2003) aproximando-a do tema das novas mídias e redes sociais. Com isso, objetiva-se refletir o impacto que essas mídias e redes estão tendo no marketing focado no relacionamento da organização com o cliente e, ainda, se a maioria das empresas estão aproveitando o potencial delas. A conclusão do trabalho se dará por dedução lógica, fundamentada em todo o referencial teórico levantado no decorrer do estudo. 1 Artigo produzido na disciplina de Seminário Avançado em Comunicação do curso de Relações Públicas da UNISINOS no semestre 2011/1. 2 Estudante de Graduação do curso de Relações Públicas. 3 1

2 A Cibercultura e as Mídias e Redes Sociais A Internet, também conhecida como ciberespaço ou por Web, começou a ser usada pelos Estados Unidos na década de 1960, em meio ao cenário da Guerra Fria. De acordo com Lemos (2008), o país ao temer um ataque da União Soviética às suas bases militares, criou um modelo em rede que permitia o compartilhamento e a troca do conteúdo importante e sigiloso que estava sob domínio de tais bases. Dessa forma, as informações não se perderiam caso fossem atacados e ficariam armazenadas no sistema para que pudessem ser acessadas de qualquer lugar e a qualquer hora. Dando seqüência a este momento histórico, o mesmo autor relata que a invenção do computador pessoal, o surgimento de um novo horizonte para a multimídia, a digitalização, as novas formas interativas e o crescimento de computadores conectados à rede foram marcantes para essa época de profundas mudanças. Como afirma Lévy (2008), o rápido desenvolvimento do ciberespaço foi resultado de um movimento jovem que buscava por novas formas e espaços de comunicação. Sendo assim, as tecnologias digitais surgiram como um novo local de comunicação, sociabilidade e de organização, além de um novo mercado para a informação e para a construção de conhecimento. Aquino (2009) diz que a velocidade das transformações no ciberespaço permitiu a colaboração na produção e publicação de conteúdo. Para ela, o que hoje se chama de Web 2.0 se diferencia da Web anterior pela participação ativa dos internautas na inserção e gerenciamento do conteúdo on-line (AQUINO, 2009, p. 237). Gabriel (2010, p. 79) define muito bem tal momento dizendo que A Web 1.0 é a web estática, onde as pessoas apenas navegam e consomem informações. A Web 2.0 é a Web da participação, onde as pessoas usam a web como plataforma para todo tipo de interação: blogs, vídeos, fotos, redes sociais. Seguindo esta linha de raciocínio, O'Reilly (2005, apud PRIMO, 2007) complementa dizendo que a primeira geração é caracterizada por sites trabalhados como unidades isoladas. Logo, o autor destaca a passagem da ênfase na publicação ou emissão para a participação. Isso pode ser comprovado com o surgimento de blogs com comentários, compartilhamento de fotos, enciclopédias on-line, jornais on-line e sites web jornalísticos participativos. Ao levarmos em conta o impacto destas novas tecnologias e da conexão em rede na sociedade, surge um termo relativamente novo, mas que tem ganhado cada vez mais destaque. Segundo Lemos (2008), a cultura contemporânea quando associada às tecnologias digitais criam uma nova relação entre a técnica e a vida social, chamada de cibercultura. Assim, 2

3 podemos dizer que uma nova estética do social cresce sob nossos olhos, alimentada pelas tecnologias do ciberespaço. [...] as novas tecnologias tornam-se vetores de novas formas de agregação social. A tese do fundo é que a cibercultura resulta da convergência entre a socialidade contemporânea e as novas tecnologias de base microeletrônica (LEMOS 2008, p ). Sendo assim, conforme Lemos (2008), com a cibercultura estaríamos diante de um processo de aceleração que delimitaria as fronteiras do espaço e mudaria a ideia de tempo. Complementando tais ideias, Pierre Lévy (2008, p. 17) ainda a define como conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço. Em seu livro Redes Sociais na Internet, Recuero (2009, p. 24) aponta que O advento da Internet trouxe diversas mudanças para a sociedade. [...] A mais significativa, para este trabalho, é a possibilidade de expressão e sociabilização através de ferramentas de comunicação mediada pelo computador (CMC). Essas ferramentas proporcionaram, assim, que atores pudessem construir-se, interagir e comunicar com outros atores, deixando, na rede de computadores, rastros que permitem o reconhecimento dos padrões de suas conexões e a visualização de suas redes sociais através desses rastros. Há, todavia, uma confusão entre as definições de redes e outro termo, o de mídias sociais. Isso ocorre inclusive entre os próprios autores. Para Torres (2009), as mídias sociais são vistas como o conjunto de todos os tipos e formas de mídias colaborativas, criação de conteúdo, a interação social e o compartilhamento de informações em diversos formatos. Nessa classificação cabem muitos dos sites de armazenamento multimídia, como YouTube e Flickr, Wikipédia, Twitter, os blogs colaborativos, como o Delicious e o Digg, e os sites de relacionamento, como Orkut, Facebook e MySpace (TORRES, 2009, p. 113). Em contrapartida, ao se buscar definir as redes sociais, o autor (2009) se refere a sites ou recursos que permitem a interação e troca de informação entre pessoas. Já para Gabriel (2010), as mídias sociais seriam associadas a conteúdos (imagem, texto, vídeo etc.) gerados e compartilhados pelas pessoas nas redes sociais. Por outro lado, as redes sociais nada mais seriam para ela que as pessoas conectadas em função de um interesse em comum. Isto confirmaria a opinião de Marteleto (2001, p. 72) que vê as redes como um conjunto de participantes autônomos, unindo idéias e recursos em torno de valores e interesses compartilhados. Wasserman e Faust; Degenne e Forse (1994; 1999 apud RECUERO, 2009) argumentam que as redes nada mais são que um conjunto formado por dois elementos: atores (pessoas, instituições ou grupos) e suas conexões (interações ou laços sociais). Portanto, uma 3

4 rede social é sempre um conjunto de atores e suas relações (RECUERO, 2009, p. 69). Lemos (2008) diz que a sua importância se daria, então, devido a capacidade desta de agregar pessoas independentemente de localidade. Com o ciberespaço, então, as pessoas poderiam formar coletivos mesmo vivendo em cidades e culturas bem diferentes, podendo atuar como máquinas de comunhão, de compartilhamento de ideias e sentimentos, de formação comunitária. O contexto em que estamos inseridos de transformações evidencia nesta realidade as mídias e redes sociais como pontos de convergência de informações e de conhecimento. Di Felice (2008, p. 53) foi categórico ao dizer que o ambiente digital trouxe com ele uma nova forma de comunicar feita de fluxos e troca de informações de todos para todos. E em função disso e da quantidade ilimitada de informações que podem ser veiculadas na rede, a temporalidade também é distinta, podendo ser em tempo real, permitindo que as comunicações via web sejam instantâneas. De acordo com Tomaél (2005), o estudo sobre redes e mídias ultrapassou o âmbito acadêmico e científico e estaria conquistando cada vez mais espaços em outras esferas. Isto poderia ser percebido pela rápida disseminação de sites de redes sociais com cada vez mais adeptos em todos os cantos do mundo, unindo pessoas em torno de objetivos específicos e/ou trazendo à tona a necessidade de buscarem uma rede de relacionamentos. O marketing digital com foco no relacionamento No seu início, o marketing era caracterizado como uma atividade realizada para muitos. Conforme Limeira (2003) assim, as empresas lançavam os serviços e/ou produtos padronizados inspirados na média dos clientes, realizando atividades de comunicação e venda às quais estes não podiam responder. Dessa forma, o papel de consumidor era limitado e passivo. Kotler (2009) faz uma contextualização sobre o marketing na década de 60, declarando que a bibliografia existente sobre o assunto na época era basicamente descritiva, envolvendo três abordagens: a de mercadoria, que descrevia as características dos produtos e o comportamento dos consumidores em relação a eles; a institucional, que descrevia como funcionavam as diferentes organizações do marketing, tais como atacadistas e varejistas; e por último, a abordagem funcional, que descrevia como as diferentes atividades de marketingpublicidade, força de vendas e política de preços- atuavam perante o mercado. Com o passar do tempo, porém, foram surgindo cada vez mais definições de marketing que 4

5 tentavam de alguma maneira explicar este fenômeno. De acordo com Limeira (2003), o conceito moderno e conhecido da palavra 'marketing' é atribuído à década de 1950, época que é determinada de pós-guerra. Com o avanço da industrialização, as empresas sentiram a necessidade de se adaptar à nova realidade econômica mundial, sendo que esta trouxe à tona a concorrência entre as empresas pela disputa do mercado. Com isso, foi preciso que as organizações se questionassem sobre quais eram os desejos dos clientes, uma vez que estes começaram a exercer o poder de escolha, selecionando entre aquilo que lhes proporcionava maior custo-benefício. Complementando tal ideia, McDonnald (2008, p. 2) diz que o marketing subentende que todas as atividades de uma organização são impulsionadas por um desejo de satisfazer às necessidades de clientes. Assim sendo, a empresa forneceria bens ou serviços para os quais há uma demanda já conhecida, não baseando suas vendas naquilo que a empresa gosta de produzir. Assim, para o autor, a ideia central do marketing seria criar uma compatibilidade entre as capacidades da empresa e os desejos dos consumidores, a fim de que se pudesse atingir os objetivos das duas partes. Limeira (2003) contextualizou o conceito de marketing dizendo que este surgiu da palavra em inglês Market, ou em outras palavras, mercado. Assim sendo, a empresa ou pessoa estaria praticando o marketing quando o foco e a razão de suas ações estariam voltados para o mercado. De acordo com Grunig (2009, p. 29), os mercados são constituídos por pessoas que adquirem produtos ou que utilizam os serviços de uma organização. Concluindo tais ideias e definições, Kotler (2000, p. 30) ao abordar o tema o fez sob uma perspectiva administrativa, argumentando que esta administração do marketing é vista como a arte e a ciência da escolha de mercados-alvo e da captação, manutenção e fidelização de clientes por meio da criação, da entrega e da comunicação de um valor superior para o cliente. Assim, para ele, o profissional de marketing seria alguém que estaria buscando uma resposta (voto, compra, atenção), tentando sempre compreender as necessidades e desejos do mercado. Resumidamente, portanto, teria como objetivo provocar um determinado comportamento da outra parte através de tomadas de decisões que provoquem nesta uma reação desejada. Apesar da importância da venda de um produto e/ou serviço para o marketing, McDonald (2008) defende que este é apenas um dos aspectos da comunicação com o cliente. Ou seja, vender seria o resultado de todo um processo bem gerenciado dos elementos apresentados do mix de marketing (praça, produto, promoção e preço). Como enfatiza em seu 5

6 livro o especialista em marketing Philip Kotler (2009), o crescimento e as mudanças na teoria do marketing contribuíram de forma muito significativa para que as empresas percebessem a importância do foco no cliente e no mercado, não levando somente em conta o produto. O autor ainda comenta que Por maiores que tenham sido as mudanças na teoria do marketing até agora, as mudanças futuras, na teoria e na prática, serão ainda maiores. Atualmente, os estudiosos da área questionam o conceito central subjacente ao marketing, se deve ser de troca ou de relacionamento ou redes. Muita coisa está mudando [...] Além disso, o maior impacto ainda está por vir, já que as forças da tecnologia e da globalização avançam em passo acelerado. Os computadores e a Internet causarão imensas mudanças comportamentais no processo de compra e venda (KOTLER, 2009, p ). Para Amor (2000), a evolução tecnológica da qual já muito se falou teria assim colaborado com os novos rumos da sociedade da informação, focando essencialmente no cliente. De acordo com Limeira (2003), foi a partir dessas transformações que surgiu o marketing segmentado ou diferenciado, que em sua essência seria o ajuste das estratégias empresariais para grupos de consumidores mais específicos, customizando suas ofertas de acordo com o que este público queria e esperava. Para Samara e Morsch (2007, p. 247) O 'novo' marketing vai requerer novas soluções e novas formas de abordar o novo consumidor e de se relacionar com ele. A gestão mercadológica e o relacionamento com o consumidor precisarão ser reinventados continuamente para acompanhar as mudanças e as transformações, sob pena de se tornarem desatualizados e ineficazes. Assim, entre os principais desafios do profissional de marketing do século XXI estão a flexibilidade, a atualização e a capacidade de antecipação para ajudar as organizações a compreender intimamente a evolução permanente do consumidor e fornecer a proposição de valor adequada a suas novas necessidades e desejos. Ferreira e Sganzerlla (2000) complementam que a informação não seria mais previlégio de alguns poucos, estando disponível para todos e extrapolando o ambiente interno de uma organização. A informação faria assim parte do mundo e como tal, estaria acessível ao mundo. Levando isso em consideração, Torres (2009, p. 45) afirma que Entender a Internet não é mais uma questão de opção. Não se esconda atrás da ideia de que é possível fazer marketing sem a Internet. [...] Quando você ouve falar de marketing digital, publicidade on-line, marketing web, publicidade na Internet ou quaisquer outras composições criativas que se possa fazer dessas palavras, estamos falando em utilizar efetivamente a Internet como uma ferramenta de marketing, envolvendo comunicação, publicidade, propaganda e todo o arsenal de estratégias e conceitos já conhecidos na teoria do marketing. 6

7 Fascioni (2008) define o marketing digital como uma maneira de fazer marketing através de ações de comunicação que as empresas utilizam com recursos digitais, representados aqui como a Internet. Já Ferreira e Sganzerlla (2000) afirmam que o profissional de marketing moderno precisa focar seu público, segmentando o mercado de atuação, buscando opções de atingi-lo e mantê-lo. Torres (2009) ainda complementa a visão dos autores dizendo que o foco de estratégia de marketing digital deve ser dado, portanto, no relacionamento com o consumidor, uma vez que este é fundamental para a sobrevivência da empresa, para seu crescimento e lucratividade. Para Ferreira e Sganzerlla (2000), relacionar-se com o cliente significa fazer sua leitura, entendendo-o. Assim, quanto maior o conhecimento sobre ele, maior seria o relacionamento. Gumesson (2010) afirma ainda que eles necessitam de que pelo menos duas partes estejam em contato uma com a outra. Sendo assim, Kotler (2000) explica que, com o estabelecimento de relacionamentos que são mutuamente satisfatórios entre a organização e as suas partes-chave (clientes, distribuidores, fornecedores) a fim de ganhos e retenção de suas preferências e de negócios a longo prazo, construiríamos aquilo que chamaríamos de marketing de relacionamento (MR). Ferreira e Sganzerlla (2000) contribuem esclarecendo que tais ganhos e retenções somente são possíveis com a descoberta das necessidades, com as interações e através da entrega de diferenciais que o público valorize. Resumindo, o MR se refere, portanto, à atração mútua, a manutenção e- em organizações multisserviços- o realce (aumento) de relacionamentos com o cliente. Ao diferenciar o marketing de relacionamento do marketing geral, Gordon (1998) diz que o primeiro não é uma parte superficial do segundo. Este na verdade seria uma oportunidade de romper os limites e criar novos valores para a empresa e clientes. Além disso, conforme o autor o marketing geral tem como objetivo atingir os segmentos, ao passo que o marketing de relacionamento cria valores com os clientes individuais. A outra diferença concentra-se nos concorrentes, não nos clientes. Atingir os clientes soa como uma estratégia militar, e nenhum cliente quer ser vítima de uma guerra de negócios (GORDON, 1998, p. 42). Segundo Gumesson (2010, p. 288), o MR é uma perspectiva de marketing na organização de rede e na sociedade de rede. O MR exige que as organizações mudem [...]. Limeira (2003) e Saad (2003) complementam tal afirmação dizendo que as empresas precisariam focar muito mais no relacionamento, principalmente com os seus clientes, necessitando assim de novas estratégias e posturas. 7

8 Tudo isso se daria, de acordo com Limeira (2003, p. 74), devido às atuais tecnologias da informação e comunicação possibilitarem intensificar comunicações, relacionamentos e transações com seus clientes, o que traz inúmeras implicações para o marketing. Com base na Web, as comunicações de marketing adquirem novos aspectos. A comunicação passa a ser feita de muitospara-muitos, com a transmissão de conteúdos e de informações ocorrendo por meio de um ambiente mediador, que oferece interatividade. [...] a Internet, portanto, cria espaços virtuais de informação, comunicação, distribuição e transação para o desenvolvimento das atividades de marketing [...]. Em meio a essa nova realidade com pessoas cada vez mais conectadas entre si, Torres (2009) afirma que as redes e mídias sociais tem conquistado seu espaço no processo de intensificação dos relacionamentos e comunicação com os clientes através da Web, permitindo assim a construção colaborativa de conteúdo, a interação social e na manutenção e criação de relações. Portanto, para o autor, não existiria uma palavra melhor que relacionamento para descrever este marketing, uma vez que estas ferramentas permitiriam criar um canal de contato direto com os clientes, com baixo investimento e alto impacto, permitindo que se mergulhasse no seu mundo (TORRES, 2009). Em contrapartida, a realidade tem sido outra. Uma pesquisa realizada em 2010 com mais de duas mil organizações em nos Estados Unidos pela Harvard Business Review Analytic Services 4, da Universidade de Harvard, apontou resultados interessantes quanto a esta realidade. De acordo com a publicação, somente sete por cento das empresas estariam interagindo nas mídias e redes digitais e integrando-as em suas ações de marketing. Além disso, setenta e cinco por cento das companhias pesquisadas não teriam conhecimento sobre o que seus clientes estariam falando delas. Porém, ainda de acordo com a pesquisa, o futuro reserva um movimento interessante e positivo para a área. Trinta e seis por cento das organizações entrevistadas estariam planejando utilizar estas ferramentas com a finalidade de analisar o sentimento dos clientes nos próximos dois ou três anos. Considerações Finais A partir da análise dos referenciais teóricos levantados, podemos perceber que, apesar de ser um assunto relativamente novo, já existem inúmeros estudos sobre a Internet no marketing e nos negócios. Além disso, vemos que existe um movimento muito forte rumo àquilo que se nomeou de cultura digital, aproximando e criando uma nova relação entre 4 8

9 pessoas e tecnologias. Sendo assim, levando o impacto da Web no marketing, percebe-se que este precisa acompanhar as tendências e transformações tecnológicas, como forma de não estagnar. O que se nota, portanto, como fator comum nos trabalhos utilizados para base teórica é que, cada vez mais, se sustenta a afirmação de que as práticas mercadológicas tradicionais estão em desuso e precisariam ser repensadas e reestruturadas. Isso se dá devido a necessidade de as organizações conquistarem um mercado mais amplo proporcionado pelo ambiente e plataformas digitais, a fim de sobreviverem no atual mundo competitivo. É neste momento em que as novas ferramentas de relacionamento e comunicação encontrariam o seu espaço, possibilitando também novas estratégias e um reposicionamento da organização. Neste contexto, apesar de evidenciar-se certa confusão em relação aos conceitos de redes e mídias sociais por parte da maioria dos autores, sabe-se que estas plataformas (Twitter, Facebook, Orkut, entre muitas outras), tem cada vez mais tem ganhado destaque por serem facilitadoras e por oportunizarem uma interação e um relacionamento maior da empresa com os seus clientes. Porém, apesar da maioria das organizações já terem conhecimento sobre isto, percebese que poucas tem verdadeiramente explorado o potencial delas para interagir com o seu público. Em outras palavras, há uma resistência da maioria das empresas em aproveitar o potencial da Internet em seus negócios. Se por um lado esta é uma realidade sustentada, por outro a própria pesquisa realizada em Harvard sustenta que existe pelo menos um interesse das próprias empresas para que tal situação mude no decorrer dos próximos anos. Portanto, percebemos que utilizar o ciberespaço não mais é uma escolha, mas uma necessidade, uma questão de sobrevivência para os negócios. As mídias e redes sociais chegaram de maneira tão avassaladora que já tem feito com que as organizações repensem suas ações, contribuindo para um melhor atendimento, uma maior satisfação e interação da empresa com a sua razão de ser, o cliente. Referências Bibliográficas A Comunicação e as Redes Sociais. Disponível em: Acessado em: 28 maio AMOR, Daniel. A (R)Evolução do E-business. São Paulo: MAKRON Books, p. AQUINO, Maria Clara. Os blogs na Web 2.0: publicação e organização coletiva de informação. In: AMARAL, Adriana; RECUERO, Raquel; MONTARDO, Sandra. (org.) Blogs.com: Estudos sobre blogs e comunicação. São Paulo: Momento Editorial, p. 9

10 COSTA, Rogério da. A cultura digital. São Paulo: Publifolha, p. DI FELICE, MASSIMO. Das tecnologias da democracia para as tecnologias da colaboração. In: DI FELICE, Massimo. (org.) A comunicação digital e as novas formas de participação social. São Caetano do Sul: Difusão Editora, p. FASCIONI, Lígia. Marketing Digital. Disponível em: Acessado em: 28 maio FERREIRA, Sérgio; SGANZERLLA, Silvana. Conquistando o consumidor: O marketing de relacionamento como vantagem competitiva das empresas. São Paulo: Editora Gente, p. GABRIEL, Martha. Marketing na Era Digital: Conceitos, plataformas e estratégias. São Paulo: Novatec, p. GORDON, Ian. Marketing de Relacionamento: estratégias, técnicas e tecnologias para conquistar clientes e mantê-los para sempre. São Paulo: Futura, p. GRUNIG, E. James. Uma teoria geral das Relações Públicas: Quadro teórico para o exercício da profissão. In: GRUNIG, James E.; FERRARI, Maria Aparecida; FRANÇA, Fábio. Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos. São Caetano do Sul: Difusão Editora, p. GUMESSON, Evert. Marketing de Relacionamento Total. Porto Alegre: Bookman, p. JUNIOR, José Murilo Carvalho Junior. Por uma cultura digital participativa. In: SAVAZONI, Rodrigo; COHN, Sérgio. (org.) Cultura Digital.br. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, p. KOTLER, Philip. Administração de Marketing: a edição do novo milênio. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall, p. KOTLER, Philip. Marketing para o Século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo: Ediouro, p. LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, p. LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, p. LIMEIRA, Tania Maria Vidigal. E-marketing: o marketing na internet com casos brasileiros. São Paulo: Saraiva, p. MARTELETO, Regina Maria. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p , janeiro/abril MCDONALD, Malcolm. Planos de Marketing. Planejamento e Gestão Estratégica: Como criar e implementar planos eficazes. Rio de Janeira: Elsevier, p. PENSE antes de Twittar. Disponível em: Acessado em: 05 jun

11 POTENCIAL da mídia é inexplorado por empresas. Disponível em: Acessado em: 08 jun PRIMO, Alex. O aspecto relacional das interações na Web 2.0. E-Compós (Brasília), v. 9, p. 1-21, RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, p. SAAD, Beth. Estratégias para a mídia digital: Internet, informação e comunicação. São Paulo: Editora Senac São Paulo, SAMARA, Beatriz Santos e MORSCH, Marco Aurélio. Comportamento do Consumidor: Conceitos e casos. São Paulo: Prentice Hall, p. TOMAÉL, Maria Inês. Das redes sociais à inovação. Ci. Inf., v. 34, n.2, p , maio/agosto TORRES, Cláudio. A Bíblia do Marketing Digital. São Paulo: Novatec Editora, p. 11

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B

Mídias sociais como apoio aos negócios B2B Mídias sociais como apoio aos negócios B2B A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

REDES DE RELACIONAMENTO: MAIS QUE UM MEIO DE CONTATO, UM LUGAR ONDE SE CONSTROEM MARCAS RESUMO. Palavras-chave: redes - público-alvo - fidelização.

REDES DE RELACIONAMENTO: MAIS QUE UM MEIO DE CONTATO, UM LUGAR ONDE SE CONSTROEM MARCAS RESUMO. Palavras-chave: redes - público-alvo - fidelização. REDES DE RELACIONAMENTO: MAIS QUE UM MEIO DE CONTATO, UM LUGAR ONDE SE CONSTROEM MARCAS Djúlia Denise Bohn 1 Lidiane Kasper 2 Alexandre Rafael Mattjie 3 RESUMO Este artigo pretende trazer uma contribuição

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade

Museu virtual e redes sociais: Uma possibilidade de interação com a comunidade 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Planejamento Multimídia. Prof. Bruno Moreno

Planejamento Multimídia. Prof. Bruno Moreno Planejamento Multimídia Prof. Bruno Moreno Apresentação - Professor Bruno Neiva Moreno Graduação em Ciência da Computação (UFPB) 2004 a 2009 Mestrado em Ciência da Computação 2009-2011 Áreas Banco de Dados

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Internet e Adolescência - Pontos Positivos

Internet e Adolescência - Pontos Positivos Internet e Adolescência - Pontos Positivos Computadores e Sociedade I Edson A. Storolli F. Gláucia Campiche Bressan Rafael Prandi Guedes Moreira Vitor Manha Utino Introdução Como é o acesso à Internet

Leia mais

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa]

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] 1 Sumário O Surgimento do Analista de Redes Sociais... 2 O que é um Analista de Redes Sociais?... 5 Qual é o Perfil do Analista

Leia mais

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1 Resenha As redes sociais na internet: instrumentos de colaboração e de produção de conhecimento (Redes Sociais na Internet. Raquel Recuero. Porto Alegre: Sulina, 2009) Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 244 ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 1 Entrevista com Francisco Diretor de Articulação Nacional da ABRAIC, sobre a profissão de analista de inteligência competitiva

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

DIMENSÕES DO MARKETING VIRTUAL APLICADO ÀS REDES SOCIAIS:

DIMENSÕES DO MARKETING VIRTUAL APLICADO ÀS REDES SOCIAIS: DIMENSÕES DO MARKETING VIRTUAL APLICADO ÀS REDES SOCIAIS: Daniel do Vale Nunes Orientador: Anderson Miranda APRESENTAÇÃO Objetivos; Metodologia; Justificativa; Apresentação dos capítulos; Conclusão. OBJETIVOS

Leia mais

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Ediane Barbosa Oliveira 2 ECOS/UCPel Resumo: O trabalho busca um estudo sobre uma ferramenta estratégica do ciberespaço no meio da comunicação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Cooperação na Internet: motivações e efeitos 1. Karina PERES 2 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS

Cooperação na Internet: motivações e efeitos 1. Karina PERES 2 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Cooperação na Internet: motivações e efeitos 1 Karina PERES 2 Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS Resumo Com o advento e popularização da Internet, se observou uma postura solidária das pessoas

Leia mais

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS)

MARKETING NAS REDES SOCIAIS. Carlos Henrique Cangussu (Discente do 2º ano do curso de Administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) 1 MARKETING NAS REDES SOCIAIS Angela de Souza Brasil (Docente Esp. Faculdades Integradas de Três Carlos Henrique Cangussu Daniel Barbosa Maia Elisandra Inês Peirot Schneider Marcelo Da Silva Sivestre Tiago

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Redes sociais e o marketing de relacionamento: o uso da Facebook na relação editora/leitor 1. Dyana Marques COLARES 2 Moema Mesquita da Silva BRAGA 3

Redes sociais e o marketing de relacionamento: o uso da Facebook na relação editora/leitor 1. Dyana Marques COLARES 2 Moema Mesquita da Silva BRAGA 3 Redes sociais e o marketing de relacionamento: o uso da Facebook na relação editora/leitor 1 Dyana Marques COLARES 2 Moema Mesquita da Silva BRAGA 3 Faculdade 7 de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO Este artigo

Leia mais

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti

A Estrutura da Web. Redes Sociais e Econômicas. Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Redes Sociais e Econômicas Prof. André Vignatti A Estrutura da Web Até agora: redes onde unidades eram pessoas ou entidades sociais, como empresas e organizações Agora (Cap 13, 14 e

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

TÍTULO: AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS NO VAREJO DAS PEQUENAS EMPRESAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP)

TÍTULO: AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS NO VAREJO DAS PEQUENAS EMPRESAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) TÍTULO: AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS NO VAREJO DAS PEQUENAS EMPRESAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA:

Leia mais

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo Mestrado em Gestão estratégicas de Organizações Disciplina: Sistemas de Informação e Novas Tecnologias Organizacionais Professor:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Blog NoRascunho 1. Andrew Philip Saldanha de FRANÇA 2 Melissa Cirne de Lucena 3 Universidade Potiguar, Natal, RN

Blog NoRascunho 1. Andrew Philip Saldanha de FRANÇA 2 Melissa Cirne de Lucena 3 Universidade Potiguar, Natal, RN Blog NoRascunho 1 Andrew Philip Saldanha de FRANÇA 2 Melissa Cirne de Lucena 3 Universidade Potiguar, Natal, RN RESUMO Como forma de registrar acontecimentos ligados a área da comunicação com um foco em

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção.

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. estratégias online Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. serviços consultoria Benchmark Planejamento

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO realmente significa estar informado? Como filtrar a informação certa do montante de informações triviais

RESUMO EXECUTIVO realmente significa estar informado? Como filtrar a informação certa do montante de informações triviais RESUMO EXECUTIVO Muito tem se falado em era da informação, informação é poder, etc. Mas o que realmente significa estar informado? Como filtrar a informação certa do montante de informações triviais que

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Redes Sociais as quais os acadêmicos do curso de Direito da Universidade Luterana do Brasil campus Guaíba possuem

Redes Sociais as quais os acadêmicos do curso de Direito da Universidade Luterana do Brasil campus Guaíba possuem 196 Redes Sociais as quais os acadêmicos do curso de Direito da Universidade Luterana do Brasil campus Guaíba possuem Blume Pfleger * Elizabete Pereira *Jéssica Lunardelli *Junia Silva * Susane da Silva

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

Inspire Inove Faça Diferente

Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Se eu tivesse um único dolar investiria em propaganda. - Henry Ford (Fundador da Motor Ford) As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer

Leia mais

PUC Minas Abril / Maio de 2009. Marketing. Digital. Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br)

PUC Minas Abril / Maio de 2009. Marketing. Digital. Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br) PUC Minas Abril / Maio de 2009 Marketing Digital Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br) Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Marketing de Varejo Comunicação Online Design de Interação caiocgo@pucminas.br

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer

criar colaborar comunicar Tecnologia para Crescer Tecnologia para Crescer Com o crescimento da banda larga e smartphones/ tablets, conteúdos têm sido criados e consumidos em uma taxa alarmante. Atualmente, a definição de conteúdo mudou e não se trata

Leia mais

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS IMESB NÚCLEO DE ETENSÃO E PESQUISA (NUPES) Identificação da Faculdade: IMESB Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E A FIDELIZAÇÃO DE SEUS PÚBLICOS ESTRATÉGICOS Vitor Roberto Krüger Gestão da Comunicação Empresarial e Relações

Leia mais

Mídias Sociais nos Negócios. GorillaBrand BRAND

Mídias Sociais nos Negócios. GorillaBrand BRAND Mídias Sociais nos Negócios GorillaBrand BRAND Marketing de Relacionamento Estratégias Empresa Marca Faturamento Clientes Uso de estratégias Relacionamento Empresa x Cliente Gera Valorização da Marca Aumento

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves TI CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves Fuini Pergunta 3: o que a TI abrange e como ela é

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 INDICE INTRODUÇÃO DIFINIÇÃO COMO FUNCIONA AS ETAPAS HISTORIA RELACIONAMENTO PRATICAS REDES SOCIAS EXEMPLOS VANTAGEM INTRODUÇÃO Comumente pode se entender

Leia mais

Social Media. Criação Personalização Gerenciamento.

Social Media. Criação Personalização Gerenciamento. Criação Personalização Gerenciamento. A Cafuné Design trabalha com as principais mídias e plataformas digitais do momento: Facebook, Twiiter, Instagram, Youtube e LinkedIn. Novas ferramentas de mídia social

Leia mais