Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade"

Transcrição

1 Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade Priscila Facina Monnerat Engenheira Florestal Instituto Contestado de Agroecologia - ICA

2 A devastação histórica das florestas no Paraná Figura 1 Destruição das florestas do Paraná em um século Fonte: Gubbert Filho, Em apenas um século (1890 a 1990), o Estado do Paraná reduziu sua cobertura de 83,41% de seu território, para cerca de 5,20% de seu território (GUBERT, 1988)

3 Legislação X Conservação - Muito antes do que se costuma imaginar, já se criticava no Brasil a devastação do meio ambiente; textos - 50 autores que tratavam sobre as consequências sociais, econômicas e políticas da devastação das florestas brasileiras; - A superação das práticas devastadoras passavam pela implementação de reformas socioeconômicas profundas, que rompessem com o legado do colonialismo: o tripé escravidão, latifúndio e monocultura;

4 o Paraná editou o primeiro código florestal e durante a primeira guerra mundial a extração de araucária tornou-se desenfreada(gubert, 1988). Complexo da Lumber - Fonte: História ambiental

5 As leis votadas e condensadas nos códigos florestais do governo federal, dos estados do Paraná e de São Paulo são magníficas quanto ao seu teor, mas são letra morta diante do que observamos (Hoene, 1928) Descarrilhamento em meio a floresta de Araucaria. - Fonte: História ambiental

6 A legislação acaba sendo mais dura com pequenos e médios proprietários do que com grandes proprietários que são os grande causadores da destruição Resolução CONAMA n. 289 Licenciamento em Projetos de Assentamentos da Reforma Agrária (PAs) obrigatórias a recuperação e a manutenção das formações vegetais nativas remanescentes; elaboração de estudos dos aspectos econômicos, sociais e ambientais - subsídio à elaboração das propostas para a sua gestão sustentável; - Atualmente, é a Resolução do CONAMA n. 387/2006, que estabelece os procedimentos para o licenciamento ambiental em Projetos de Assentamentos.

7 Sobre as mudanças no novo código - O Código florestal impõe limites ao direito de propriedade: proprietário da terra mas não das florestas porque elas são um bem de uso comum da sociedade cuja função transcende o direito individual de propriedade; - O código Florestal é o principal conjunto de regras que permite a intervenção do Estado na propriedade privada da terra (Marés, 2011); - o Código Florestal era o último obstáculo à expansão do atual modelo de desenvolvimento da agricultura empresarial ou do agronegócio, cujas consequências já foram ilustradas no Paraná;

8 Para mudar o atual cenário... 1) Mudança na estrutura agrária: Reforma agrária e reconhecimento dos territórios dos povos e comunidades tradicionais; 2) Mudança na matriz tecnológica de produção; 3) Politicas Públicas para a voltadas para diferentes identidades socioculturais :camponeses, extrativistas, indígenas, quilombolas, pescadores artesanais, ribeirinhos, faxinalenses, geraizeiros, sertanejos, quebradeiras de côco, seringueiros;

9 No Estado do Paraná : - 20 mil famílias em 323 Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária (INCRA) - Área de um pouco mais de 425 mil hectares, ocupando 2,4% do território paranaense; - Destes, aproximadamente 120 mil hectares são de Reserva Legal e Área de Preservação Permanente.

10

11 Experiências na recuperação e conservação da sóciobiodiversidade - Há muitas experiências no âmbito da recuperação e conservação da sociobiodiversidade que nos mostram estratégias para reverter a crise ambiental; - Ações coletivas baseadas no conhecimento dos agricultores, aliadas ao conhecimento científico são essenciais na utilização dos recursos da biodiversidade para o desenvolvimento de uma nova agricultura; - a agricultura familiar camponesa e os povos tradicionais produzem respostas consistentes e diversificadas para críticas questões que desafiam o futuro de toda a sociedade;

12 Experiências na recuperação e conservação da sócio biodiversidade Agricultura agroflorestal - Cooperafloresta Barra do Turvo famílias; - Remanescentes de quilombola; - Construção de caminhos para a superação da exclusão social e da degradação dos recursos naturais; - Associativismo; - Formação agroflorestal; - Produção agroflorestal; - Beneficiamento e comercialização;

13 O Projeto Flora :cultivando agrobiodiversidade no Paraná Recuperação Ambiental + Produção Agroflorestal O Projeto Flora, realizado desde 2013, com patrocínio do Programa Petrobras Socioambiental, tem como desafio fortalecer a parceria existente entre a agricultura camponesa e conservação ambiental, transformando áreas degradas em ambientes saudáveis e produtivos. Para isso, seu objetivo principal é promover a reconversão produtiva de áreas degradadas em sistemas agroflorestais, através de um amplo processo de educação ambiental e de formação.

14 Proponentes Gestão Compartilhada + Rede de Parceiros As ações do projeto FLORA são coordenadas a partir do Instituto Contestado de Agroecologia e de 3 centros de formação em agroecologia: a Escola Latino Americana de Agroecologia - ELAA, a Escola Milton Santos EMS e a Escola José Gomes da Silva, cada um deste centros conta com uma equipe composta por técnicos e multiplicadores que atuam nas regiões do estado.

15

16 Processo de formação: Educação Agroflorestal + Ambiental As ações partem de um amplo processo de educação ambiental e formação agroflorestal voltadas para diferentes participantes. Destaca-se a realização dos Seminários Ambientais, das Oficinas de capacitação para implantação e manejos de sistemas agroflorestais, as Visitas de intercâmbio e a promoção de cursos, além das Caravanas Ambientais nas escolas do campo.

17 Reconversão produtiva de áreas degradadas em sistemas agroflorestais Hortas, pomares, lavouras e pastagens consorciadas com a conservação e recuperação ambiental são implantadas nas unidades demonstrativas de agroflorestas espalhadas pelo estado. Já são mais de 200 hectares (ha) produtivos implementados pelo Projeto FLORA e gerenciados pelas famílias com apoio da equipe técnica.

18

19 Pesquisa e Sistematização O Projeto FLORA tem um papel fundamental também na sistematização das experiências de agroecologia já consolidadas nas áreas de reforma agrária. Práticas e saberes, registrados e construídos a partir do acompanhamento das famílias, são organizados e divulgados pela equipe do projeto, reafirmando o potencial de conservação e recuperação ambiental das áreas destinadas a Reforma Agrária no Paraná.

20 Considerações Finais É com base na análise histórica do cenário de uso e ocupação da terra e das florestas no estado do Paraná e, tendo como referência permanente, o olhar crítico possibilitado pela atuação em conjunto com outras organizações, as universidades, centros de pesquisa e principalmente com as famílias camponsesas, que o Projeto FLORA, busca aliar a potencialidade dos Assentamentos da Reforma Agrária na recuperação e conservação ambiental a partir da agroecologia e das agroflorestas. Uma experiência que vem sendo gestada no Paraná e que pode ser replicada em muitas outras realidades do Brasil.

21 O que podemos aprender com estas experiências? As diversas identidades socioculturais, que tem se mostrado como os verdadeiros guardiões dos bens comuns e da agrobiodiversidade; Devemos incentivar experiências que são desenvolvidas a partir de conhecimentos tradicionais e modos de vida associados à conservação e ao uso sustentável da agrobiodiversidade; É preciso ter políticas públicas voltadas para a melhoria da vida no campo e específicas para cada uma das diversas identidades socioculturais;

22 Somos raros e preciosos porque estamos vivos, porque Obrigado! podemos pensar dentro de nossas possibilidades. Temos o privilégio de influenciar e talvez controlar o nosso futuro. Acredito que temos a obrigação de lutar pela vida na Terra - não apenas por nós mesmos, mas por todos aqueles, humanos e de outras espécies, que vieram antes de nós e a quem devemos favores -, e por aqueles que, se formos inteligentes, virão depois de nós. Não há nenhuma causa mais urgente, nenhuma tarefa mais apropriada do que proteger o futuro de nossa espécie. Carl Sagan, 1997

Sustentabilidade do Setor Florestal

Sustentabilidade do Setor Florestal Sustentabilidade do Setor Florestal Quem somos o Somos o resultado da União de duas empresas brasileiras com forte presença no mercado global de produtos florestais renováveis. o Uma nova empresa com

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER-

Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural -DATER- Ministério do Desenvolvimento Agrário -MDA- Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural Secretaria da Agricultura Familiar -SAF- -DATER- Lei 12.188 Assistência Técnica e Extensão Rural para a

Leia mais

VI ENCONTRO E FEIRA DOS POVOS DO CERRADO OS POVOS DO CERRADO FALAM

VI ENCONTRO E FEIRA DOS POVOS DO CERRADO OS POVOS DO CERRADO FALAM VI ENCONTRO E FEIRA DOS POVOS DO CERRADO OS POVOS DO CERRADO FALAM Nós, os povos do cerrado, reunidos em Brasília entre os dias 09 e 13 de setembro de 2009, apresentamos à sociedade brasileira e internacional

Leia mais

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento agropecuário Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa os trabalhadores

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Seminário: Políticas ambientais como fonte de novos negócios para Instituições

Leia mais

CARTA ABERTA DO SEMINÁRIO ESTADO E CAMPESINATO NA AMAZÔNIA: O DEBATE SOBRE O DISTRITO FLORESTAL DE CARAJÁS À SOCIEDADE BRASILEIRA

CARTA ABERTA DO SEMINÁRIO ESTADO E CAMPESINATO NA AMAZÔNIA: O DEBATE SOBRE O DISTRITO FLORESTAL DE CARAJÁS À SOCIEDADE BRASILEIRA CARTA ABERTA DO SEMINÁRIO ESTADO E CAMPESINATO NA AMAZÔNIA: O DEBATE SOBRE O DISTRITO FLORESTAL DE CARAJÁS À SOCIEDADE BRASILEIRA Nós, de diversos movimentos sociais e instituições da região do Bico do

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

Premiação de Boas Práticas de Gestão Ambiental

Premiação de Boas Práticas de Gestão Ambiental Premiação de Boas Práticas de Gestão Ambiental Andrea Pitanguy de Romani 20º Reunião do COGES, 9 de março Boas práticas são iniciativas bem sucedidas que: apresentam impacto tangível na melhoria da qualidade

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Contribuições ao debate na XI Plenária do Consea Agosto de 2013 Aprimoramento da estratégia de identificação e caracterização das famílias pertencentes a povos

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário FNO-ITINERANTE 2012. São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 BANCO DA AMAZÔNIA Seminário FNO-ITINERANTE 2012 São Gabriel da Cachoeira (AM). 24/04/2012 Município de São Gabriel da Cachoeira - AM Principais Destaques. Considerado um ponto estratégico pelo país e,

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014.

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. ESTRATÉGIA: SEGURANÇA E SOBERANIA ALIMENTAR X FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Fortalecimento

Leia mais

Antonio Carlos Lago Analista Ambiental - IBAMA

Antonio Carlos Lago Analista Ambiental - IBAMA 3º Seminário de Comunicação Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável P A L E S T R A COMUNICAÇÃO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Antonio Carlos Lago Analista Ambiental - IBAMA Relações Públicas P e Jornalista

Leia mais

Projeto Quintais Amazônicos

Projeto Quintais Amazônicos Projeto Quintais Amazônicos BOLETIM INFORMATIVO DO PROJETO QUINTAIS AMAZÔNICOS - MAIO - Nº.01 CONHEÇA 0 PROJETO QUE IRÁ GERAR NOVAS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS, INCLUSÃO SOCIAL E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL PARA

Leia mais

Ações em Agroecologia

Ações em Agroecologia Ações em Agroecologia Embrapa Meio Ambiente 1 Ações na linha de pesquisa em Agroecologia na Embrapa Meio Ambiente Abrangência Os trabalhos em Agroecologia na Embrapa Meio Ambiente são desenvolvidos principalmente

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Cenário 66 ANOS DE EXTENSÃO RURAL A agricultura como via estratégica

Leia mais

PLANO NACIONAL DE AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA

PLANO NACIONAL DE AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA PLANO NACIONAL DE AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO ORGÂNICA PLANAPO 2013-2015 Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica (Ciapo) Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria-Geral da Presidência

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEIN. 2.302, DE 11 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Estadual de Assistência Técnica e Extensão Agroflorestal Rural para a Produção Familiar - PEATER. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN.

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br);

Leia mais

Roça agroecológica das mulheres do Assentamento Dandara dos Palmares, Camamu (BA)

Roça agroecológica das mulheres do Assentamento Dandara dos Palmares, Camamu (BA) Produção de alimentos agroecológicos da roça das mulheres Roça agroecológica das mulheres do Assentamento Dandara dos Palmares, Camamu (BA) Ana Celsa Sousa, Carlos Eduardo de Souza Leite e Luciana Rios

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

B1-404 Curso de Formação Agroecológica e Cidadã para a inclusão produtiva de jovens camponeses

B1-404 Curso de Formação Agroecológica e Cidadã para a inclusão produtiva de jovens camponeses B1-404 Curso de Formação Agroecológica e Cidadã para a inclusão produtiva de jovens camponeses Barbosa-Silva, Denise 1,2 ; Starr, Carolina Rizzi 3 ; Diniz, Janaína Deane de Abreu Sá 1,4 ; Molina, Mônica

Leia mais

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA)

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) Ana Karolina Ferreira Corrêa Universidade Federal do Pará anageo.correa@gmail.com

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Existe no Brasil, próximo ao Trópico de Capricórnio, uma espécie de trópico da exclusão social, a partir do qual podemos distinguir claramente as regiões que

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre os procedimentos metodológicos para restauração e recuperação das Áreas de Preservação Permanentes e da Reserva Legal instituídas pela Lei

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR.

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. (PUBLICAÇÃO - MINAS GERAIS DIÁRIO DO EXECUTIVO - 18/01/2014 PÁG. 2 e 03)

Leia mais

OS DIREITOS DOS AGRICULTORES NO CONTEXTO DO TRATADO

OS DIREITOS DOS AGRICULTORES NO CONTEXTO DO TRATADO OS DIREITOS DOS AGRICULTORES NO CONTEXTO DO TRATADO DE RECURSOS FITOGENÉTICOS DA FAO O DEBATE NO BRASIL Gabriel Bianconi Fernandes Rio de Janeiro, outubro 2007 Apresentação Este texto sintetiza o atual

Leia mais

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA Mercedes Ferreira 1 - mercedita4@hotmail.com Maria Inês Vidal 2 Orientador: Luiz Alexandre Gonçalves Cunha

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS

Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS 1 Ao CONAMA Propostas do Fórum Nacional da Reforma Urbana, do Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos (COHRE) e Instituto POLIS À Resolução do CONAMA que dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO TERRITORIAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS Brasília, outubro/novembro de 2007 O QUE

Leia mais

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS

6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS 6ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL TEXTO BASE 4 QUEM SOMOS NÓS OS POVOS E COMUNIDADES TRADICIONAIS Somos os guardiões das origens, somos os conhecedores das tradições

Leia mais

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015]

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Introdução As Organizações da Aliança Global Wycliffe desejam expressar a unidade e a diversidade do Corpo

Leia mais

Amazônia: do extrativismo ao neoextrativismo

Amazônia: do extrativismo ao neoextrativismo Amazônia: do extrativismo ao neoextrativismo José Fernandes do Rêgo Universidade Federal do Acre O extrativismo é apontado às vezes como opção inviável para o desenvolvimento da Amazônia. Tal conclusão

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural CEFIR Cadastro Estadual Ambiental Rural Dezembro.2013 SISEMA SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DESAFIO Tornar o Sistema mais ágil e compatibilizá-lo com as demandas da sociedade sem perder o foco na qualidade

Leia mais

Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP.

Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP. Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP. COSTA JR., Edgar Alves da 1. edgacj@yahoo.com.br; GONÇALVES, Pedro

Leia mais

CELULOSE E PAPEL NO BRASIL - Estamos em Evidência?

CELULOSE E PAPEL NO BRASIL - Estamos em Evidência? CELULOSE E PAPEL NO BRASIL - Estamos em Evidência? BOA TARDE A TODOS! Primeiramente, quero agradecer aos anfitriões deste Seminário - a ANAVE - pelo convite recebido, ressaltando também que é sempre um

Leia mais

Sementes da Paixão. cultivando vidas e saberes no Cariri, Curimataú e Seridó paraibano

Sementes da Paixão. cultivando vidas e saberes no Cariri, Curimataú e Seridó paraibano Sementes da Paixão cultivando vidas e saberes no Cariri, Curimataú e Seridó paraibano Rodrigo Campos Morais, Socorro Luciana de Araújo, Petrúcia Nunes de Oliveira, Fábia Raquel N. de Oliveira e Amaury

Leia mais

COMO LIDAR COM O POTENCIAL DA FLORESTA, SEM TIRAR A FLORESTA?

COMO LIDAR COM O POTENCIAL DA FLORESTA, SEM TIRAR A FLORESTA? COMO LIDAR COM O POTENCIAL DA FLORESTA, SEM TIRAR A FLORESTA? SOLUÇÕES QUEM EXECUTA Unidades de Conservação Pública Unidades de Conservação Privada (RPPN/RPDS) ONGs e Governo PF / PJ (EBCF) A EBCF O modelo

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais)

Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais) Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 16/03/2013 Regulamenta a Lei nº 13.965, de 27 de julho de 2001, que cria o Programa Mineiro de Incentivo ao Cultivo, à Extração, ao Consumo,

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

AGROEXTRATIVISTAS DO CERRADO: ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO REALIZAÇÃO: APOIO:

AGROEXTRATIVISTAS DO CERRADO: ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO: Centro de Desenvolvimento Agroecológico do Cerrado AVALIANDO E UTILIZANDO INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE ARTICULAÇÃO DO AGROEXTRATIVISMO DA REDE CERRADO APOIO: 2005 CARTILHA: AVALIANDO E UTILIZANDO

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

O Crédito e a. no BB

O Crédito e a. no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB Para efeito de concessão de crédito, os produtores são divididos da seguinte forma: Agricultura Familiar: Agricultores e Pecuaristas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Sarney Filho) Dispõe sobre a conservação e a utilização sustentável da vegetação nativa do Bioma Cerrado. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe sobre

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS LEGISLAÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA COMPENSAÇÃO DE RESERVA LEGAL. De acordo com o Art. 1.º da Lei 4.771/1965, As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas

EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas EIXO 02 Uso sustentável das áreas protegidas 1 OBJETIVOS DA OFICINA 1. Apresentar a Estrutura da Agenda Regionais e das Agendas Municipais 2. Apresentar o Objetivo geral do Eixo 3. Apresentar as Diretrizes

Leia mais

Pesquisa sobre a Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas. Território: Nova Santa Rita - RS

Pesquisa sobre a Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas. Território: Nova Santa Rita - RS Pesquisa sobre a Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas. Território: Nova Santa Rita - RS Objetivos da Pesquisa: 1.Relatar a história de luta e conquista da

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 Projetos no Bioma Amazônia A Critérios Orientadores B C D E F Condicionantes Mínimos para Projetos Modalidades

Leia mais

Projeto de Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade nas Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso. Projeto Poço de Carbono Juruena

Projeto de Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade nas Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso. Projeto Poço de Carbono Juruena Projeto de Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade nas Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso Projeto Poço de Carbono Juruena Oficina de Capacitação sobre Monitoramento de Carbono em

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES MACAÚBA: POTENCIAL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES MACAÚBA: POTENCIAL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES Março 2014 MACAÚBA: POTENCIAL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel

Leia mais

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.590, DE 2010 (MENSAGEM N o 921/2008) Autoriza a União a ceder ao Estado de Rondônia, a título

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 063-P

FICHA PROJETO - nº 063-P FICHA PROJETO - nº 063-P LOGO Instituição Parceira PADEQ Grande Projeto 1) TÍTULO: Xingu Vivo Para Sempre 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Porto de Moz- PA: Comunidades Mutuncaia, Cariá, Jussara, Carmelino,

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

PAUTA DE DEMANDAS 2012

PAUTA DE DEMANDAS 2012 PAUTA DE DEMANDAS 2012 O Fórum Baiano da Agricultura Familiar (FBAF) foi criado em 2006 e, desde então, buscou ampliar e qualificar o diálogo e a apresentação de demandas ao Governo do Estado da Bahia

Leia mais

Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CADASTRAMENTO DE GRUPOS TRADICIONAIS E ESPECÍFICOS

Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CADASTRAMENTO DE GRUPOS TRADICIONAIS E ESPECÍFICOS CADASTRAMENTO DE GRUPOS TRADICIONAIS E ESPECÍFICOS Cadastramento diferenciado Atualmente, o Cadastro Único identifica 16 grupos populacionais com características socioculturais ou em situações específicas

Leia mais

Texto da Dibap p/ Intranet

Texto da Dibap p/ Intranet Texto da Dibap p/ Intranet DIBAP A Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas tem como missão: empreender ações para a conservação da biodiversidade fluminense, administrar as unidades de conservação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio

Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio Código Florestal a serviço do latifúndio e do agronegócio 10 de novembro de 2011 Por Djoni Roos* A cobertura vegetal brasileira vem desde muito tempo sendo destruída. Desde a invasão portuguesa no século

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA. Profa. Dra. Therezinha de Jesus Pinto Fraxe Coordenadora do Núcleo de Socioeconomia

SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA. Profa. Dra. Therezinha de Jesus Pinto Fraxe Coordenadora do Núcleo de Socioeconomia SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA Profa. Dra. Therezinha de Jesus Pinto Fraxe Coordenadora do Núcleo de Socioeconomia Introdução A formação social amazônica foi fundamentada historicamente em tipos variados

Leia mais

Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro.

Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro. Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro Registro/SP 11900-000 Fone (13) 3828.1000 Fax (13) 3821.2565 CNPJ: 45.685.872/0001-79 Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro. Marcos

Leia mais

UM EVENTO CIENTÍFICO COM CARÁTER EDUCATIVO TRANSFORMADOR: A EXPERIÊNCIA DO VII CBSAF DIÁLOGO E INTEGRAÇÃO DE SABERES PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS

UM EVENTO CIENTÍFICO COM CARÁTER EDUCATIVO TRANSFORMADOR: A EXPERIÊNCIA DO VII CBSAF DIÁLOGO E INTEGRAÇÃO DE SABERES PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS 1 UM EVENTO CIENTÍFICO COM CARÁTER EDUCATIVO TRANSFORMADOR: A EXPERIÊNCIA DO VII CBSAF DIÁLOGO E INTEGRAÇÃO DE SABERES PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS Ynaiá Masse Bueno Embrapa Sede / DF Fabiana Mongeli Peneireiro

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 12 de setembro de 2014 em 12/09/2014 Economia Ministério da Agricultura reduz estimativa de crescimento do valor bruto

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

RESGATE DA CULINÁRIA DO CERRADO COMO ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO

RESGATE DA CULINÁRIA DO CERRADO COMO ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO RESGATE DA CULINÁRIA DO CERRADO COMO ESTRATÉGIA DE CONSERVAÇÃO PAULA, Márcia Maria de1. FIMES; SEAGRO; ASETI. PAULA, Mírian Maria de2. ASETI; UEG: UFG. RESUMO A flora do Cerrado é extremamente rica em

Leia mais

Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14

Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14 Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14 1 ANDAMENTOS DOS TRABALHOS GTAI/FMASE FMASE 2005 = Coordena ações de interesse do setor sobre aspectos socioambientais geração, transmissão,

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE PROJETO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL DO VALE DO RIBEIRA E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PRIORITÁRIOS 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL

Leia mais

PORTIFÒLIO DA FASE. A Apresentação institucional. A.1 Objetivos da entidade -

PORTIFÒLIO DA FASE. A Apresentação institucional. A.1 Objetivos da entidade - PORTIFÒLIO DA FASE A Apresentação institucional A.1 Objetivos da entidade - Fundada em 1961, a Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE) é uma organização não governamental brasileira,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE. CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COEMA Câmara Técnica Especial PROCESSO

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação.

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. Avanços da Agricultura Brasileira. Passou de importador

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

PASSO 6 Planejamento de ações

PASSO 6 Planejamento de ações PASSO 6 Planejamento de ações Assegure-se que haja enfoque e tempo suficientes para este último passo. Se vulnerabilidades e capacidades forem levantadas em relação a diferentes ameaças de desastres, mas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 009/2011-CONSU/UEAP

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 009/2011-CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 009/2011-CONSU/UEAP Aprova a matriz curricular do Curso de Especialização em Educação Ambiental e uso Sustentável da Sociobiodiversidade

Leia mais

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO JUSTIFICATIVA Após a organização do 1 Seminário de Acesso a Sementes Crioulas e Orgânicas em abril de 2010

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev.

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev. 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE... 1/10 Índice 1/1 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS O Programa de Coleta

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 097-MA

FICHA PROJETO - nº 097-MA FICHA PROJETO - nº 097-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Construindo Estratégias Participativas e Projetos Demonstrativos de Conservação da Mata Atlântica na Região do Corredor de Biodiversidade

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 240 de 2619 ESPELHO DE S DE ACRÉSCIMO DE META 1 DESAFIO 7 Reduzir as desigualdades regionais e intra-regionais com integração das múltiplas escalas

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais