A Floresta d Água. E d u c a ç ã o e C u l t u r a. Coimbra, Teatro Académico Gil Vicente 22 de abril de h00 11h30 14h00

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Floresta d Água. E d u c a ç ã o e C u l t u r a. Coimbra, Teatro Académico Gil Vicente 22 de abril de 2013 10h00 11h30 14h00"

Transcrição

1 A Floresta d Água Coimbra, Teatro Académico Gil Vicente 22 de abril de h00 11h30 14h de Novembro 9h30; 11h00; 14h00; 15h30 Estrutura financiada pela Secretaria de Estado da Cultura / DGArtes (Direção-Geral das Artes):

2 A Floresta d'água Partindo de uma história onde é ilustrada a destruição da floresta pelo Homem, o pequeno leitor é confrontado com as preocupações ambientais tão pertinentes nos tempos que correm. Através da aventura de uma Gotinha d'água, cujo percurso ilustra o ciclo da água, a criança entra em contacto com os quatro elementos, aqui representados: água, terra, ar e fogo. Nesta suite para orquestra de câmara, onde são abordados aspectos musicais como a forma e o timbre, podemos participar através da audição simultânea do CD incluido. A Floresta d'água insere-se num conjunto de obras encomendadas para os concertos interativos produzidos pela Foco Musical para a população escolar e pré-escolar. Utilizando a estratégia da audição musical participada ao vivo, a preparação das crianças para estes concertos exige trabalho de sala de aula prévio, conferindo momentos de cumplicidade únicos entre a plateia e o palco, cujos efeitos confirmaram em estudos recentes resultar em aprendizagens verdadeiramente significativas e numa apropriação de conhecimentos acima da média, comparativamente a abordagens tradicionais. Este trabalho em sala de aula leva a que a responsabilidade perante a construção do veículo extra-musical seja encarada com a mesma profundidade com que olhamos para a conceção musical e com que traçamos os nossos objetivos no domínio do desenvolvimento das competências musicais. Assim, como ponto de partida para a criação de obras inéditas para a atividade da Orquestra Didática, a Foco Musical procura ter um cuidado acrescido na seleção das temáticas para as narrativas a trabalhar. Temas como a solidariedade, a tolerância, a ecologia, bem como outros temas relacionados com episódios marcantes da nossa história e da nossa cultura têm sido os mais refletidos e partilhados ao longo do nosso percurso. Do ponto de vista extra-musical a história da obra A Floresta d'água aborda questões tão importantes como a educação ambiental, nomeadamente a preservação das florestas. Estão ainda implícitos na história o ciclo da água e os quatro elementos (água, terra, ar e fogo).

3 «Era uma vez uma Nuvem Branca onde viviam muitas gotinhas de d água. Um dia, de tão apertada que estava, a Gotinha Aventureira decidiu saltar da Nuvem Branca e procurar um novo mundo. Acabou por cair numa vasta planície onde o sol brilhava tanto que decidiu esconder-se debaixo da terra onde encontrou uma semente. Juntas transformaram-se num rebento que foi crescendo, crescendo, crescendo até se transformar numa linda árvore. A Árvore Aventureira começou por atrair crianças que para ela iam brincar. Um dia quando a Nuvem Branca passava por cima da planície, todas as gotinhas quiseram descer para, tal como a Gotinha Aventureira, serem árvores e brincarem com crianças. Algum tempo depois, a vasta planície transformara-se numa enorme floresta, uma floresta límpida e cristalina como uma gotinha d água. Mas um dia os Homens chegaram à floresta e começaram a cortar as árvores, a poluí-la com os seus carros, e a sujá-la com os seus detritos. Tão descuidados foram, que provocaram um gigantesco fogo que destruiu toda a floresta. Quando as crianças voltaram para brincar na floresta, viram a Árvore Aventureira e todas as suas amigas queimadas pelo fogo. No céu, a Nuvem Branca estava doente e suja da poluição. As gotinhas d`água já não queriam descer à terra que estava suja e queimada. Então as crianças decidiram limpar os campos, pôr sementes na terra e crescer em harmonia com a floresta...não deixando nunca mais que a Natureza fosse destruída.» A Foco Musical, através desta suite, pretende evidenciar a aprendizagem dos instrumentos constituintes da orquestra de câmara para a qual foi escrita (violino, contrabaixo, flauta transversal, flautim, flauta de êmbolo, oboé, corne inglês, saxofone alto e barítono, trombone, piano, sintetizador e percussão variada) e das formas musicais presentes ao longo da suite (Prelúdio, Bagatela, Rondó, Sonatina, Cânone, Scherzo, Variações, Canção e Hino). Ficha Técnica Música e história: Jorge Salgueiro Poema: João Aguiar Cenografia: Kim Cachopo Apontamentos coreográficos: Sandra Rosado Interpretação: Orquestra Didática da Foco Musical

4 Edição Disponível Esta edição é constituída por duas secções: a primeira aborda cada instrumento que integra a suite A Floresta d'água, apresentada na segunda secção. Os Instrumentos de A Floresta d'água é um guia, que se espera útil, para uma primeira abordagem destes instrumentos. Para o complementar e aprofundar, o CD 1 inclui vários exemplos sonoros que vão desde a afinação da orquestra, passando pela apresentação das famílias de instrumentos que a compõem, até chegar à sua exposição individual. São ainda apresentados exemplos relativos ao âmbito, técnicas de execução, partes constituintes, acessórios e algumas curiosidades relativas aos instrumentos, sempre acompanhados por uma explicação narrada. Este trabalho pretende, por um lado, ajudar à fruição da obra A Floresta d'água e, por outro, contribuir para a identificação dos instrumentos e de algumas das suas técnicas de execução em qualquer obra musical. A Floresta d'água, a obra de que é objeto a segunda secção, é uma suite encomendada no seguimento do projeto que a Foco Musical desenvolve com as escolas do Ensino Básico e Pré-Escolar. Características: livro de BD c/2 CD de oferta; 80 páginas a 4 cores; formato A4; capa rija. Apoios institucionais:

5 Edição Disponível Contactos: Tel: Morada: Rua Jorge Colaço, 34C, Lisboa Site: Faça um Gosto na nossa página do Facebook! Visite-nos em:

Você quer se formar em Música?

Você quer se formar em Música? Você quer se formar em Música? Faça um dos cursos de Graduação em Música oferecidos pela Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás (EMAC/UFG)! 1) Quais são os Cursos Superiores

Leia mais

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons;

Desenvolvimento do pensamento e imaginação musical, isto é, a capacidade de imaginar e relacionar sons; DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA Educação Musical _ º ANO _ A Ano Letivo: 0/0. Introdução / Finalidades O processo de ensino e aprendizagem da educação musical consiste na interação de um conjunto

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

Aula lá fora. Episódio 9: Paranapiacaba. Palavras-chave Aula lá fora, escola, pedagogia, pesquisa, meio ambiente, formação de professores.

Aula lá fora. Episódio 9: Paranapiacaba. Palavras-chave Aula lá fora, escola, pedagogia, pesquisa, meio ambiente, formação de professores. Aula lá fora Episódio 9: Paranapiacaba Resumo Este vídeo exibe o episódio n o 9 da série Aula lá fora e trata do tema Meio ambiente. O episódio mostra as atividades desenvolvidas na preparação, realização

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA Plano de Atividades 2013/2014 1 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES O Plano Anual de Atividades PAA do Conservatório é fundamental na valorização do currículo

Leia mais

PROFIJ II TIPO 2 Curso Empregado Comercial Anos letivos: 2014/2015 e 2015/2016

PROFIJ II TIPO 2 Curso Empregado Comercial Anos letivos: 2014/2015 e 2015/2016 Científica Sociocultural Governo dos Açores PROFIJ II TIPO 2 Curso Empregado Comercial Anos letivos: 2014/2015 e 2015/2016 Carga horária semanal em blocos de 45 minutos (33 Domínios de Formação semanas)

Leia mais

http://ec/europa/eu/portugal/pdf/guia_di_pt.pdf Ano Europeu do Diálogo Intercultural

http://ec/europa/eu/portugal/pdf/guia_di_pt.pdf Ano Europeu do Diálogo Intercultural http://ec/europa/eu/portugal/pdf/guia_di_pt.pdf Ano Europeu do Diálogo Intercultural Porquê este guia prático? A diversidade cultural e linguística constitui um recurso pedagógico de que dispõem muitas

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com

Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com O ENSINO DO CANTO POPULAR BRASILEIRO Abordagem Didática: técnica vocal Sebastiana Benedita Coelho de Moraes COUTEIRO; Marília ALVARES. Escola de Música e Artes Cênicas da UFG sabahmoraes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

Guia do Professor As Fases da Lua

Guia do Professor As Fases da Lua Guia do Professor As Fases da Lua Introdução A difusão dos sistemas digitais pelos mais diferentes ramos do conhecimento é uma realidade, que indiscutivelmente facilitou todas as tarefas do dia-a-dia,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SARZEDO Estado de Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SARZEDO Estado de Minas Gerais ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Violino Viola em violino ou na modalidade violino ou na modalidade Licenciatura em em viola ou na modalidade viola ou na ministrar aulas de violino e avaliar o aprendizado

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO DE EDUCAÇÃO MUSICAL 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Perfil do aluno no final do 5.º Ano O aluno canta a solo e em grupo, com intencionalidade expressiva, canções em diferentes tonalidades

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo

Trabalho Individual. Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Trabalho Individual Sessão de Leitura da História O Pedro e o Lobo Destinatários Alunos com idades entre os cinco, seis anos a frequentar o Ensino Pré-Escolar pela terceira vez. Local da Sessão de leitura

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação Artes Sonoras II Área Científica SI Som e Imagem Ciclo de Estudos 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Obrigatória e opcional Ano Lectivo 2008/2009

Leia mais

Formação Pedagógica de Assistentes de Economia uma experiência da Universidade Nova de Lisboa. Joana Marques Patrícia Rosado Pinto Patrícia Xufre

Formação Pedagógica de Assistentes de Economia uma experiência da Universidade Nova de Lisboa. Joana Marques Patrícia Rosado Pinto Patrícia Xufre Formação Pedagógica de Assistentes de Economia uma experiência da Universidade Nova de Lisboa Joana Marques Patrícia Rosado Pinto Patrícia Xufre Breve contextualização teórica Redefinição das linhas de

Leia mais

Plano de Atividades GRUPO 100

Plano de Atividades GRUPO 100 Plano de s 2013 2014 GRUPO 100 Ao longo do ano: Continuação do Projeto Leitura em Vai e Vem, do P.N.L. Promover a interação do Jardim-de-Infância com a família de forma a incentivar a leitura junto das

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Pesquisas realizadas pelo SAEB (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) mostram as dificuldades dos estudantes em resolver situações problemas. Essa situação é decorrente

Leia mais

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil

Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil Zilma de Moraes Ramos de Oliveira zilmaoliveira@uol.com.br Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa OBJETIVOS Discutir as implicações

Leia mais

Projeto de Orquestra de Sopros e Percussão de Penacova

Projeto de Orquestra de Sopros e Percussão de Penacova Projeto de Orquestra de Sopros e Percussão de Penacova Nome do Projeto Orquestra de Sopros do Centro Cultural de Penacova (este nome será discutido à posteriori) Local onde se irá desenvolver Centro Cultural

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA Turno: VESPERTINO Currículo nº 2 Reconhecido pelo Decreto nº. 3.598, de 14.10.08, D.O.E. nº 7.827 de 14.10.08, e complementação do reconhecimento pelo Decreto nº. 5.395,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS

AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS AULA DE PORTUGUÊS: CRIAÇÃO DE POEMAS Até onde vai a força da Motivação? Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Uma proposta criativa motivadora na sala de aula pode deixar o professor bem impressionado

Leia mais

PROJECTO DE REALIZAÇÃO

PROJECTO DE REALIZAÇÃO APPEUC Associação de Professores de Português dos Estados Unidos e Canadá MONTREAL 2007 13, 14 e 15 de Abril de 2007 no Hotel Auberge Universel em Montreal PROJECTO DE REALIZAÇÃO Comissão Organizadora:

Leia mais

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos.

Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Música Objetivo da Aula Promover a interação e a comunicação social que envolva os aspectos afetivos, sensoriais, estéticos e cognitivos. Desde que se começou a estudar a história da humanidade, tem-se

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Considerando que o Ensino Médio é para a maioria dos cidadãos a última oportunidade de uma educação formal em Biologia, a

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME. Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME. Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 3 PROGRAMAÇÃO DE CONTEÚDOS 2º. VOLUME Programação de conteúdos/conhecimentos privilegiados Unidade 4 O mundo secreto das tocas e dos ninhos Unidade 5 Luz, sombra e ação! Unidade

Leia mais

Jogo ProvocAção. ProvocAção 5.-

Jogo ProvocAção. ProvocAção 5.- Jogo ProvocAção Aprender brincando! Este foi o objetivo do desenvolvimento desse jogo. É um importante instrumento de aprendizagem, possuiu múltiplos usos e garante muita diversão e conhecimento para crianças,

Leia mais

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO MUSICAL Prova Escrita Abril de 2015 Prova nº 12 2015 ---------------------------------------------------------------------------------------- 2º Ciclo

Leia mais

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Andréia Veber Rede Pública Estadual de Ensino de Santa Catarina andreiaveber@uol.com.br Viviane Beineke Universidade do Estado

Leia mais

www.meloteca.com Jorge Salgueiro Lista de obras Cidade de veludo com coro e grupo rock 69, 1999 4 10 min.

www.meloteca.com Jorge Salgueiro Lista de obras Cidade de veludo com coro e grupo rock 69, 1999 4 10 min. www.meloteca.com Jorge Salgueiro Lista de obras Canto - Coro Misto (1 a Cidade de veludo com coro e grupo rock 69, 1999 Pino do verão ópera com solistas, coro misto e grande ensemble 89, 5 60 Ode a euterpe

Leia mais

Composição dos PCN 1ª a 4ª

Composição dos PCN 1ª a 4ª Composição dos PCN 1ª a 4ª Compõem os Parâmetros os seguintes módulos: Volume 1 - Introdução - A elaboração dos Parâmetros curriculares Nacionais constituem o primeiro nível de concretização curricular.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 35/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Música, Modalidade

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

Edital 03/FOSPA/2015. Viola de Arco turno tarde 1 Violoncelo turno tarde 2 Contrabaixo Acústico tocado com Arco turno tarde

Edital 03/FOSPA/2015. Viola de Arco turno tarde 1 Violoncelo turno tarde 2 Contrabaixo Acústico tocado com Arco turno tarde Edital 03/FOSPA/2015 O PRESIDENTE DA - FOSPA, no uso de suas atribuições legais que lhe confere o art. 17, inciso VII, Decreto nº 51.370, de 10 de abril de 2014, TORNA PÚBLICO A ABERTURA DAS INSCRIÇÕES

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

de conteúdos Timbre Alteração tímbrica Realce tímbrico Expressividade Dinâmica Legato e staccato Densidade sonora Altura Intervalos Melódicos e

de conteúdos Timbre Alteração tímbrica Realce tímbrico Expressividade Dinâmica Legato e staccato Densidade sonora Altura Intervalos Melódicos e Planificação 2014/2015 6º ano Educação Musical Núcleos organizadores Interpretação e Comunicação Metas de aprendizagem O aluno decide sobre a aplicação de elementos de dinâmica e agógica na interpretação

Leia mais

Escola Básica do 1.º Ciclo com Pré-escolar de São Paulo PLANO ANUAL DE ESCOLA

Escola Básica do 1.º Ciclo com Pré-escolar de São Paulo PLANO ANUAL DE ESCOLA Escola Básica do 1.º Ciclo com Pré-escolar de São Paulo PLANO ANUAL DE ESCOLA Ano letivo: 2015/2016 INTRODUÇÃO Enquadramento legal Avaliação Aprovação EVENTOS 1.ºperíodo 2.ºperíodo 3.ºperíodo REUNIÕES

Leia mais

Ateliers de Verão Câmara Municipal do Barreiro

Ateliers de Verão Câmara Municipal do Barreiro Programação de Actividades Julho 02 (4ª) 15h00 Edifício Américo Marinho Hum! Hum! Hum! Que delícia!, sessão I 04 (6ª) 15h00 Auditório Municipal Augusto Cabrita Atelier de Movimento, sessão I 07 (2ª) 15h00

Leia mais

PREFEITURA DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA ESCOLA TÉCNICA DE TEATRO, DANÇA E MÚSICA FAFI EDITAL SEMC/ETTDM-FAFI N.

PREFEITURA DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA ESCOLA TÉCNICA DE TEATRO, DANÇA E MÚSICA FAFI EDITAL SEMC/ETTDM-FAFI N. PREFEITURA DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA ESCOLA TÉCNICA DE TEATRO, DANÇA E MÚSICA FAFI EDITAL SEMC/ETTDM-FAFI N.º 001/2014 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA OFICINAS SEMESTRAIS NAS ÁREAS DE TEATRO,

Leia mais

Livros para brincar e aprender

Livros para brincar e aprender O Livro de Música das Crianças a partir de 3 anos / capa dura / 180 x 180 mm / 20 p. / R$ 39.90 Este adorável livro musical mostra os diferentes bichinhos da floresta ensaiando para um concerto. As crianças

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: as contribuições do PET

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: as contribuições do PET FORMAÇÃO DE PROFESSORES: as contribuições do PET Conceição Flores (UnP) 1 Luanna Ferreira de Morais ((UnP) 2 O propósito deste texto é refletir sobre a formação de professores a partir das ações desenvolvidas

Leia mais

A PRÁTICA DA CRIAÇÃO E A APRECIAÇÃO MUSICAL COM ADULTOS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA. Bernadete Zagonel

A PRÁTICA DA CRIAÇÃO E A APRECIAÇÃO MUSICAL COM ADULTOS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA. Bernadete Zagonel Artigo publicado em: Anais do VI Encontro da ABEM, Recife, 1998. A PRÁTICA DA CRIAÇÃO E A APRECIAÇÃO MUSICAL COM ADULTOS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA. Bernadete Zagonel Durante alguns anos ministrei as disciplinas

Leia mais

prática instrumental acontece pelo exercício de repetição e logo estrutura-se na linguagem formal da escrita musical - a partitura musical.

prática instrumental acontece pelo exercício de repetição e logo estrutura-se na linguagem formal da escrita musical - a partitura musical. FAZENDO MÚSICA NO ELZIRA PONTA GROSSA, PARANÁ. Musicalização através da flauta-doce, uma ideia que deu certo Fátima Beatriz de Castro Santos 1 Resumo: O presente trabalho relata uma prática musical desenvolvida

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 4470 Diário da República, 1.ª série N.º 178 15 de Setembro de 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º 267/2011 de 15 de Setembro Tendo em conta o reajustamento da organização curricular dos

Leia mais

Férias de Verão no Museu da CARRIS Semanas Temáticas Expressão Plástica Expressão Corporal Expressão Musical

Férias de Verão no Museu da CARRIS Semanas Temáticas Expressão Plástica Expressão Corporal Expressão Musical A ação educativa nas Semanas Temáticas do Museu da CARRIS é vocacionada para crianças e jovens adolescentes. Propõe a realização de atividades lúdicas e interativas que estimulem o pensamento, sensações

Leia mais

Colégio de Lamego. Educação Musical. Critérios de Avaliação - 2º e 3º Ciclos. Rui S. Ribeiro

Colégio de Lamego. Educação Musical. Critérios de Avaliação - 2º e 3º Ciclos. Rui S. Ribeiro Colégio de Lamego Critérios de Avaliação - 2º e 3º Ciclos Rui S. Ribeiro 2014-2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A música «enriquece o ser humano pelo poder do som e do ritmo, pelas virtudes próprias da melodia

Leia mais

Seres do Outro Mundo

Seres do Outro Mundo Seres do Outro Mundo 107 Susana Contino Portugal, Mestrado em Ensino das Artes Visuais, Universidade de Lisboa. Mestre em Theatre Design and Performance Practice. Licenciatura em Design Gráfico. Artigo

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

E d u c a ç ã o e C u l t u r a

E d u c a ç ã o e C u l t u r a A Menina de Pedra Lisboa Aula Magna 20 novembro 2015 09h30 11h00 14h00 Foco Musical Portugal Calçadas das Lajes, lt 21, lj E 1900-291 Lisboa, Portugal Tel.: (+351) 218 429 800 E-mail: geral@focomusical.pt

Leia mais

Transversalidades da Cultura e Gestão de Projetos Culturais: Articulações e Possibilidades. 1

Transversalidades da Cultura e Gestão de Projetos Culturais: Articulações e Possibilidades. 1 Curso de Sustentabilidade em Projetos Culturais. Transversalidades da Cultura e Gestão de Projetos Culturais: Articulações e Possibilidades. 1 Diogo Reyes da Costa Silva. 2 Introdução: O presente texto

Leia mais

Aniversários. no CCB

Aniversários. no CCB Aniversários no CCB Para quem quer crescer de verdade e trazer sempre consigo os melhores amigos escolhidos a dedo... Fazer uma travessia no lago do tempo, numa jangada habitada por atores, bailarinos,

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

Programação Educativo Maio 2016. Tema:

Programação Educativo Maio 2016. Tema: Programação Educativo Maio 2016 Tema: BIBLIOTECA INFANTIL Era uma vez Histórias são oportunidades para se refletir sobre valores como solidariedade, ética, afetos e encontros. A literatura é rica em narrativas

Leia mais

Centro de Informação Europeia Jacques Delors. Oferta formativa

Centro de Informação Europeia Jacques Delors. Oferta formativa Oferta formativa 2009/2010 Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE / Ministério dos Negócios Estrangeiros Curso de Formação «A Cidadania Europeia e a Dimensão Europeia na Educação» Formação acreditada,

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

V ENCONTRO PROGRAMA DE BOLSA AUXÍLIO RESULTADO QUESTIONÁRIO BOLSISTAS

V ENCONTRO PROGRAMA DE BOLSA AUXÍLIO RESULTADO QUESTIONÁRIO BOLSISTAS 1. Por que você decidiu fazer esse curso? 57% para ampliar conhecimentos, aperfeiçoar o trabalho, ampliar horizontes, permanecer na área 26% pelo sonho de ser educadora, gostar e acreditar na educação,

Leia mais

As músicas do meu Brasil : o trabalho com atividades de apreciação musical significativa em sala de aula

As músicas do meu Brasil : o trabalho com atividades de apreciação musical significativa em sala de aula As músicas do meu Brasil : o trabalho com atividades de apreciação musical significativa em sala de aula Laís Coutinho de Souza e-mail: lais.coutinho@outlook.com Lucas D Alessandro Ribeiro e-mail: lucdaless@live.com

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR ANO LETIVO 2013/2014 Departamento do Pré- Escolar 2013/2014 Page 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Introdução A avaliação em educação é um elemento integrante

Leia mais

UM DOCUMENTÁRIO DE JORGE CORREIA CARVALHO

UM DOCUMENTÁRIO DE JORGE CORREIA CARVALHO UM DOCUMENTÁRIO DE JORGE CORREIA CARVALHO SINOPSE: Na ficha de catalogação do Museu Nacional de Etnologia de Lisboa resume-se o invulgar objeto mas não se faz ouvir o seu som e toda a história, misticismo,

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

ESCOLA PORTUGUESA DE MACAU ATIVIDADES DE COMPLEMENTO CURRICULAR 2015 / 2016

ESCOLA PORTUGUESA DE MACAU ATIVIDADES DE COMPLEMENTO CURRICULAR 2015 / 2016 Danças Folclóricas Portuguesas Prof. Sílvia Brás Grupo Inic. 14:30 16:00 Grupo Av. 16:00 17:30 1º, 2º e 3º Ciclos Danças e Cantares Tradicionais Portugueses. Celebração de tradições. Participação em espetáculos.

Leia mais

PROPOSTAS LINHAS DE REFLEXÃO E AÇÃO

PROPOSTAS LINHAS DE REFLEXÃO E AÇÃO Página 1 Reflexão prévia sobre a natureza do texto que se propõe: Dada a escala, riqueza e complexidade académica, social e cultural dos produtos que chegaram à comissão relatora, dando conta das visões,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012 ) No caso específico da disciplina de E. Musical, do 5ºano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

Sugestões para planos de sessão e exercícios documentos de apoio

Sugestões para planos de sessão e exercícios documentos de apoio Parte II Sugestões para planos de sessão e exercícios documentos de apoio 327 328 Parte II Conhecer a situação 329 330 331 332 Exercício prático proposto Este exercício tem como objectivo partir dos conhecimentos/

Leia mais

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE TEATRO NA ESCOLA

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE TEATRO NA ESCOLA Projecto: XXXII ENCONTRO NACIONAL DE TEATRO NA ESCOLA SOBREDA, 04, 05, 06 e 07 de Maio - 2011 1- ENTIDADES PROMOTORAS: IDENTIFICAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA Rua Manuel Parada, 2819-505 Sobreda

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar

Critérios de Avaliação. Departamento Educação Pré-Escolar Critérios de Avaliação Departamento Educação Pré-Escolar 2015/2016 Critérios de Avaliação As principais diretrizes normativas referentes à avaliação na Educação Pré-Escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Conservatório de Música de Barcelos

Conservatório de Música de Barcelos Atividades 2013/2014 Calendarização Atividades Local 27/09/2013 às 21:30h 01/10/2013 às 19:30h 18/10/2013 às 21:30h 12/11/2013 22/11/2013 23/11/2013 às 21:00H 29/11/2013 às 10 e 12/12/2013 às 21:00h 14/12/2013

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução

PLANO DE ESTUDOS 2º CEB. Introdução Introdução Entre os 10 e 12 anos, as crianças necessitam que lhes seja despertado e estimulado o seu desejo de aprender. No Colégio Pedro Arrupe pretendemos estimular e promover esse desejo, desenvolvendo

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Comunidade Educativa (GACE)

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Comunidade Educativa (GACE) Núcleos de Estudo Caderno de Apoio Núcleos de Estudo 1 Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir para sair daqui? [perguntou a Alice] Isso depende muito de para onde é que queres ir disse o Gato.

Leia mais

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER)

REGÊNCIA DO ALÉM CONTADOR (VOICE OVER) REGÊNCIA DO ALÉM FADE IN SEQUÊNCIA # 01: CENA 01: EXT. IMAGENS DA CIDADE DE ARARAS DIA. Imagem do Obelisco da praça central da cidade, da igreja Matriz, Centro Cultural, rodoviária, Lago Municipal e cemitério.

Leia mais

C artilha C do educando

C artilha C do educando C Cartilha educan do do D Apresentação W n G A Olá, amiguinho! F Estamos felizes com a sua chegada no Programa de Criança Petrobras, um local onde aprendemos a viver em grupo e participamos de diversas

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

CASAMENTOS FORÇADOS. Amnistia Internacional. Plano de Aula SOBRE ESTE PLANO DE AULA CONTEÚDO OBJETIVOS: MATERIAIS NECESSÁRIOS.

CASAMENTOS FORÇADOS. Amnistia Internacional. Plano de Aula SOBRE ESTE PLANO DE AULA CONTEÚDO OBJETIVOS: MATERIAIS NECESSÁRIOS. Plano de Aula CASAMENTOS FORÇADOS SOBRE ESTE PLANO DE AULA Este plano de aula proporciona uma abordagem ao tema dos casamentos forçados para trabalhar com estudantes com 14 anos ou mais. Esta atividade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 34/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Música, Modalidade

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento

Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento Educação Musical: Criação, Linguagem e Conhecimento INTRODUÇÃO Educadores musicais têm manifestado sua preocupação com a observância da Lei nº 11769, que é a lei de inclusão da música no currículo das

Leia mais

CORAL INFANTIL DO LICEU

CORAL INFANTIL DO LICEU CORAL INFANTIL DO LICEU : BAIRRO: C CEP: RG: ÓRGAO EMISSOR: NATURAL ESCOLAR / / GRUPO DE PRÁTICA DE SOPROS E PERCUSSÃO GPS ALUNO/BOLSISTA MONITOR/ BOLSISTA INSTRUMENTOS OBOÉ TROMPETE FLAUTA TRANSVERSAL

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA DISCIPLINA: EDUCAÇÃO EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS: PESQUISA E PRÁTICA CODICRED: 142AU-04 EMENTA: Caracterização, organização e gestão dos espaços não-formais na promoção da aprendizagem

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

COLEÇÃO UM SOM... ANIMAL!

COLEÇÃO UM SOM... ANIMAL! Catálogo Maio 2013 COLEÇÃO UM SOM... ANIMAL! A galinha cacareja, o gato mia, o cachorro late. E a ovelha, o porco e o pato, qual é o som que eles fazem? Tem gente que não sabe que o sapo coa xa, que o

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do senhor urso. O carro. 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) Episódio explora de maneira lúdica

Leia mais

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3 ÍNDICE: 1. Introdução. 1 2. CONTEXTUALIZAÇÃO - Caracterização do meio 2 - Caracterização do espaço ATL... 2 3. Grupo - Caracterização do grupo. 3 - Caracterização da equipa/horário. 3 4. OBJETIVOS: - Objetivos

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO Maria João Valente Rosa Membro do Conselho Superior de Estatística; Professora Universitária da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/ Universidade Nova de Lisboa;

Leia mais

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL 389 COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL Ruth de Sousa Ferreira Silva Mestranda em Artes pela Universidade Federal de Uberlândia Introdução Este relato de experiência tem como

Leia mais

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Introdução Este trabalho foi-nos proposto na aula de Área de Projecto pela Professora. Pretendemos

Leia mais

Projeto Tocarei ao Senhor

Projeto Tocarei ao Senhor Projeto Tocarei ao Senhor Formando Bandas Sinfônicas nas igrejas Objetivo: Formar Bandas Sinfônicas com uso de instrumentos de sopro (madeiras flautas, clarinetes, saxofones, oboé, fagote), metais (trompetes,

Leia mais

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico

C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico Plano de Formação para a Certificação de Competências TIC Nível 2-2010 C406. Ensino e Aprendizagem com TIC na Educação Pré-Escolar e no 1.º Ciclo do Ensino Básico - TURMA C - Formadores: Eunice Macedo

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

1. SALA 1. Sessões Paralelas. 12h30-13h15. Moderadora: Milena Jorge. Narrativas com Alma. Voos em LP. Catapulta E5G.

1. SALA 1. Sessões Paralelas. 12h30-13h15. Moderadora: Milena Jorge. Narrativas com Alma. Voos em LP. Catapulta E5G. 1. SALA 1 Moderadora: Milena Jorge Narrativas com Alma Ádila Ferreira Lopes de Faria Agrupamento de Escolas de Barcelos - EB1/JI de Ferreiros - Cristelo, Barcelos Voos em LP Emília Maria Santiago Miranda

Leia mais

WWW.MUSICALLEIZER.COM.BR

WWW.MUSICALLEIZER.COM.BR WWW.MUSICALLEIZER.COM.BR Índice Índice Prefácio Sobre o autor Introdução Como ser produtivo estudando corretamente Você já organizou o seu tempo e os seus dias para estudar? Definir o que vai estudar Organizando

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE COMPOSIÇÃO ERUDITA GRAMADO IN CONCERT

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE COMPOSIÇÃO ERUDITA GRAMADO IN CONCERT REGULAMENTO 1º CONCURSO DE COMPOSIÇÃO ERUDITA GRAMADO IN CONCERT A Organização do 2º Gramado In Concert torna público o presente Edital que regulamenta o 1º Concurso de Composição Erudita Gramado In Concert.

Leia mais

Ler para estudar. Mirta Torres REALIZAÇÃO PATROCÍNIO

Ler para estudar. Mirta Torres REALIZAÇÃO PATROCÍNIO Ler para estudar Mirta Torres REALIZAÇÃO PATROCÍNIO Ler para estudar Ler e estudar Constituem uma dupla reversível Ler é um dos caminhos de acesso ao saber: lemos e estudamos para saber, para estarmos

Leia mais