DETERMINANTES DO DESMATAMENTO EM PEQUENAS PROPRIEDADES NA AMAZÔNIA: UM ESTUDO DE CASO EM URUARÁ PA 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DETERMINANTES DO DESMATAMENTO EM PEQUENAS PROPRIEDADES NA AMAZÔNIA: UM ESTUDO DE CASO EM URUARÁ PA 1"

Transcrição

1 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas DETERMINANTES DO DESMATAMENTO EM PEQUENAS PROPRIEDADES NA AMAZÔNIA: UM ESTUDO DE CASO EM URUARÁ PA 1 Rtaumara de J. Perera 2 Wlson da Cruz Vera 3 João Eustáquo de Lma 4 Marcellus Marques Caldas 5 Resumo - Este trabalho analsou os determnantes do desmatamento em pequenas propredades na Amazôna, em uma área de colonzação localzada ao longo da rodova Transamazônca, no muncípo de Uruará - PA. Foram aplcados 138 questonáros na área de estudo, durante os meses de julho e agosto de Estmou-se um modelo Tobt com seletvdade amostral, utlzando o método de Heckman, em dos estágos, vsando corrgr possíves problemas de vés e nconsstênca exstentes nas estmatvas por MQO. Os resultados encontrados sugerem que os prncpas determnantes do desmatamento possam ser a dstânca da estrada prncpal e o número de dáras pagas no período de um ano, os quas foram sgnfcatvos a 1% e 5%, respectvamente. A presença da pecuára fo também mportante para determnar as chances de ocorrer desmatamento na regão estudada. Palavras-chave: Amazôna, desmatamento, colonzação, modelo Tobt 1 Recebdo em 10/05/2004. Aceto em 16/08/2004. Este trabalho basea-se na dssertação de mestrado da prmera autora. 2 Engenhera-Agrônoma, M.S. em Economa Aplcada, Departamento de Economa Rural,Unversdade Federal de Vçosa. E-mal: 3 Professor Adjunto do Departamento de Economa Rural, Unversdade Federal de Vçosa. CEP Vçosa MG. E-mal: 4 Professor Ttular do Departamento de Economa Rural, Unversdade Federal de Vçosa. CEP Vçosa MG. E-mal: 5 Pesqusador vnculado à Mchgan State Unversty. E-mal: 6 Para mas detalhes, ver, por exemplo, Andrade (2003). 409

2 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 1. Introdução Não obstante sua mportânca no suporte à bodversdade e no cclo da água, a Amazôna braslera apresenta a taxa absoluta mundal mas alta de destrução de floresta, calculada atualmente em uma méda de quase dos mlhões de hectares por ano (Laurance et al., 2001). Esse processo de destrução da floresta natva acelerou-se a partr da segunda metade da década de 1960, quando o governo mltar braslero, com o objetvo de desenvolver e ntegrar a regão ao resto do país, estabeleceu uma sére de atos e decretos legslatvos, alados a um ambcoso projeto de construção de estradas, planos para colonzação e ncentvos fscas que vsavam favorecer a cração de novas atvdades agrícolas e ndustras nessa regão (Mahar, 1989). Após esse período e com o processo de povoamento em andamento, verfcou-se que vastas áreas de floresta foram desmatadas para dar lugar a pastos ou culturas agrícolas. De acordo com Cattaneo (2002), a expansão geográfca da frontera agrícola braslera tem tdo papel mportante no processo de desmatamento na Amazôna, e o uso das terras para agrcultura e pecuára tem sdo uma das prncpas causas desse desmatamento, vsto que os assentamentos locas estmulados por essas atvdades têm assumdo papel crucal nesse processo. Após a decsão do governo braslero de ncentvar o povoamento da Amazôna, houve ncremento na população local de cerca de 80%, fato que desencadeou a transformação de mlhões de hectares de floresta densa em terras agrcultáves, no período de 1970 a 1985 (Andersen e Res, 1997). Preva-se, ncalmente, que ocorresse forte mgração nter-regonal a partr de assentamentos permanentes e auto-sufcentes na frontera agrícola (Mahar, 1978). Entretanto, o que houve fo a mplantação de sstemas de produção caracterzados pelo uso ntensvo do trabalho famlar e por tecnologa agrícola smples, segudos por forte tendênca à cração 410

3 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas de gado e à ncorporação contínua de novas áreas à agrcultura, com pequeno reconhecmento pela preservação dos recursos naturas. A ncorporação contínua de novas áreas de floresta para produção agrícola resultou do baxo nível tecnológco dos produtores atraídos à regão e dos baxos índces de fertldade dos solos amazôncos. O produtor atraído à regão levou consgo prátcas agrícolas de sua regão de orgem, na maora das vezes não adaptáves às condções locas. Esse processo resultou na chamada agrcultura mgratóra, em que, após quatro ou cnco cclos de produção, a área é abandonada e novas áreas de floresta são ncorporadas para produção agrícola (Homma et al., 1998). Não obstante os estudos já exstentes, esse processo de desmatamento e ncorporação de áreas para atvdades agropecuáras anda é pouco conhecdo. Há necessdade de nvestgar melhor as característcas do desmatamento e de seus atores em locas, dentfcando as razões que levam os propretáros a desmatarem áreas cada vez maores que as estabelecdas pela legslação e ntroduzrem novas atvdades sem se preocuparem com a sustentabldade da exploração. Dessa forma, com vstas em analsar os prncpas determnantes do desmatamento em pequenas propredades na Amazôna, seleconou-se o muncípo de Uruará-PA para um estudo de caso, pelo fato de essa regão consttur uma área de frontera agrícola com baxa densdade populaconal e mercados emergentes, a qual se formou a partr da construção da rodova Transamazônca, envolvendo assentamentos e desencadeando, desde então, consderável hstórco de desmatamento. O objetvo geral deste trabalho fo analsar a área destnada à agropecuára, o uso de técncas agrícolas e seus efetos sobre o desmatamento em uma área de colonzação em Uruará - PA. Especfcamente, buscou-se: a) Identfcar e caracterzar os prncpas fatores nfluencadores do desmatamento por parte dos pequenos produtores; b) Relaconar as varáves explcatvas do desmatamento em Uruará - PA; e 411

4 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 c) Avalar os efetos dos prncpas fatores que afetam o desmatamento na regão. 2. Referencal teórco Um modelo econômco aplcado à stuação amazônca, apresentado por Homma et al. (1998), de derrubada e quemada pelos pequenos produtores assentados ao longo da rodova Transamazônca, fo utlzado como referencal teórco neste trabalho. Por este modelo, analsaram-se sstemas agrícolas dversfcados na regão, com pecuára e culturas anuas e perenes. De acordo com Homma et al. (1998), a derrubada e a quemada de floresta densa ou de capoera (vegetação secundára provenente de desmatamentos de floresta densa, anos anterores) dependem de uma sére de varáves econômcas e tecnológcas, dentre as quas se destacam a dade da capoera, a dsponbldade e preço da terra e da mão-deobra, o custo da derrubada e o preço do produto. Na Fgura 1 apresenta-se uma stuação de área de frontera agrícola, em que o recurso terra é consderado abundante e o custo da utlzação da terra está relaconado com a mão-de-obra necessára para seu cultvo. O custo de uso da terra é consderado fxo, ou seja, é dado por wl, em que w representa o saláro e L, mão-de-obra por undade de área [ representa o tpo de cobertura vegetal (c), com = 0 (floresta densa ou capoerão) e = 1 (capoera nova ou juqura)]. 412

5 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas Fonte: Adaptado de Homma et al. (1998). Fgura 1 Relação entre produtvdade físca margnal, preço do produto e custo na utlzação da terra na Amazôna, em dferentes estádos de cobertura vegetal. Nesse modelo, para dferentes tpos de cobertura vegetal, os valores do produto físco margnal (VPF), a determnado preço do produto, devem gualar-se ao custo à margem, sendo a área utlzada (A) representada pelo exo horzontal. Dessa forma, as dsponbldades de terra e de mãode-obra e os preços dos produtos condconam a utlzação dos dferentes tpos de cobertura vegetal. Por um lado, uma queda nos níves de preços do produto, por exemplo, desloca a curva do valor do produto físco margnal para baxo, desestmulando o uso de solos que apresentam baxa produtvdade, ou seja, aqueles com cobertura vegetal recente (juqura). Por outro, nas áreas de ocupação recente, os baxos preços dos produtos, decorrentes da dstânca ao mercado prncpal, por exemplo, são compensados pela maor produtvdade agrícola. Preços dos produtos favoráves aos produtores, portanto, tendem a reduzr as pressões por desmatamentos e quemadas de áreas de floresta densa, em detrmento de áreas com vegetação secundára (capoeras). 413

6 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 No caso de haver lmtações de mão-de-obra e o fator terra não for restrtvo, tanto a derrubada de novas áreas de floresta densa quanto a utlzação de copoeras com longo tempo de pouso tornam-se mas atraentes aos pequenos produtores. Nesse caso, a maor produtvdade das lavouras compensara o custo mas elevado da mão-de-obra. Na Fgura 1 podem-se vsualzar as escolhas dos pequenos produtores, consderando as áreas com dferentes tpos de cobertura vegetal. Os lucros são representados pelas áreas hachuradas entre as curvas de produtos físcos margnas e as lnhas de horzonte de custos (Fgura 1). Com esta estrutura de produção e custos, o produtor tera maores vantagens com a utlzação de floresta densa ou vegetação secundára mas antga, quando comparado com capoera nova ou juqura. Os ganhos do produtor com capoerão ou floresta densa seram dados pela área XSD e, com capoera nova, pela área VRC. Outra stuação mportante e dstnta da apresentada na Fgura 1, que pode ser consderada, é a que surge quando há valorzação da terra e que ocorre com o crescmento populaconal e a proxmdade de áreas urbanas. Nesse caso, a terra passa a ser fator lmtante e tende a haver expansão captalsta no campo, provocando a agregação das propredades e a entrada de atvdades como pecuára e culturas perenes. Com sso, há redução da área dsponível às atvdades dos pequenos produtores, que passam a utlzar mas ntensvamente a terra ou mgram para novas áreas. Além das decsões de produção, os pequenos produtores têm que comercalzar seus produtos. As condções de mercado nas áreas de colonzação na Amazôna estão dretamente lgadas à proxmdade do pequeno produtor às estradas prncpas e também às suas condções de tráfego. De acordo com Mahar (1989), quanto mas longe das estradas, mas altos são os custos com nsumos e transportes, o que dfculta o acesso do pequeno produtor às tecnologas modernas. 414

7 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas 3. Metodologa Dadas as característcas do processo de desmatamento na Amazôna e das nformações levantadas na área de estudo, utlzou-se, neste trabalho, o modelo Tobt com seletvdade amostral, estmado pelo método proposto por Heckman (1974). Neste trabalho, as estmatvas da área total desmatada baseam-se em uma amostra censurada, a qual está sujeta a um vés de seletvdade, fato que torna as estmatvas por Mínmos Quadrados Ordnáros (MQO) vesadas e nconsstentes, uma vez que tende a consderar resultados somente das propredades onde houve desmatamento. Com a fnaldade de corrgr esse problema, adotou-se, dessa forma, o procedmento em dos estágos. No prmero estágo, o modelo proposto compreende uma modelagem de decsão. Neste estudo, observou-se a probabldade de desmatar, ou não, pela regressão de um modelo Logt, no qual a varável dependente terá valores de 0 (se não houver desmatamento) a 1 (se houver desmatamento), em que a probabldade de desmatar é dada pela segunte equação: P = f 1 ( X ' β ) = Z, (1) 1+ e em que P é a probabldade de o agrcultor desmatar, função de dstrbução de probabldade (acumulada) logístca; Z = ' β ; f, X X, vetor de varáves explcatvas; e β, vetor de parâmetros a serem estmados. A varável P não é observada; tem-se 415 y = 1 se houver desmatamento e y = 0, se não houver. Como varável explcatva consderou-se apenas a exstênca de pecuára, medda em número de cabeças de gado.

8 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 Esta escolha se deu pelo fato de a atvdade pecuára estar se expandndo atualmente, requerendo-se, dessa forma, novas áreas para formação de pastos. Após a estmação do modelo Logt, pelo qual se avala a probabldade de desmatar ou não, o segundo estágo compreende a estmação de uma função para a área total desmatada, como varável dependente, elmnando-se o vés de seletvdade amostral por meo da ntrodução de uma varável lambda ( λ ), conhecda como nverso da razão de Mlls, como uma varável explcatva adconal, conforme sugerdo por Heckman (1974). A varável lambda (λ ) é dada pela segunte expressão: σz φ σ u λ =, = 1,2,3, Κ, n, (2) σz Φ σ u em que φ e Φ representam, respectvamente, as funções de densdade de probabldade e de dstrbução cumulatva normal padrão (Greene, 1997). σ u é o desvo-padrão do erro aleatóro da regressão da varável dependente não-dretamente observada (1º estágo) e σ é o desvo-padrão relatvo à amostra censurada (2º estágo). 6 A varável lambda (λ ) passa a fazer parte da equação utlzada no segundo estágo, como varável explcatva e sgnfcatva, mostrando, assm, a mportânca de se consderarem os dos estágos no processo de estmação. Neste segundo estágo, estmou-se a segunte equação: 6 Para mas detalhes, ver, por exemplo, Andrade (2003). 416

9 Atd = β + β Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas o 1Esc 2Ntpf 3Dep 4DP2001 β Adq + β Pest + αλ + ε β + β + β + β Gado + β Astec + β Agsub (3) em que Atd é a área total desmatada, em hectares; Esc, nível de escolardade, representado em anos em que o propretáro freqüentou a escola; Ntpf, número total de pessoas que trabalham fora e que moram no lote; Dep, dstânca da propredade em relação à estrada prncpal (Transamazônca), em Km; DP 2001, número de dáras pagas por trabalho realzado dentro do lote, no período de um ano; Gado, número total de cabeças de gado na propredade, sendo do propretáro e, ou, de terceros que alugam o pasto; Astec gual a 1, se o produtor receber vsta de algum órgão de assstênca técnca; caso contráro, gual a 0; Agsub gual a 1, se o produtor utlzou aração, gradagem e, ou, subsolagem; caso contráro, gual a 0; Adq gual a 1, se o produtor utlzar adubo químco em sua propredade; caso contráro, gual a 0; Pest gual a 1, se o produtor fzer uso de fungcda, nsetcda e, ou, 417

10 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 herbcda; caso contráro, gual a 0; λ, nverso da razão de Mlls; e ε, erro aleatóro. A defnção e o snal esperado para o coefcente de cada varável estão contdos na Tabela 1. Tabela 1 Varáves componentes do modelo empírco e snas esperados Varável Snal esperado Descrção Atd* dependente Área total desmatada, em ha Esc + Nível de escolardade, em anos de freqüênca à escola Ntpf + Número total de pessoas que trabalham fora e moram no lote Dep - Dstânca da estrada prncpal, rodova Transamazônca, em km DP Número de dáras pagas no período de um ano Gado + Número de cabeças de gado na propredade λ? Inverso da razão de Mlls Dummes Astec + Igual a 1, se recebeu vsta de algum órgão de assstênca técnca, caso contráro, gual a 0 Agsub - Igual a 1, se o produtor utlzar aração, gradagem e, ou, subsolagem, caso contráro, gual a 0 Adq - Igual a 1, se o produtor utlzar adubo químco, caso contráro, gual a 0 Pest + Igual a 1, se o produtor fzer uso de fungcda, nsetcda e, ou, herbcda, caso contráro, gual a 0 * O valor da área total desmatada (Atd) fo calculado pela soma das áreas totas com culturas perenes, anuas, pasto e capoera, conforme nformado pelos produtores, em seus respectvos lotes de 100 hectares. Os dados utlzados foram obtdos por meo de entrevsta dreta com os propretáros ruras utlzando questonáro prevamente testado. Foram aplcados 138 questonáros a produtores em Uruará, PA, os quas agregaram 224 lotes nas estradas prncpal e vcnas, entre julho e agosto de Foram seleconados 137 lotes, cuja formação era de 100 ha, representando, dessa forma, o tamanho orgnal do lote durante a formação 418

11 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas das áreas de colonzação. Os demas foram excluídos do modelo proposto, pelo fato de alguns colonos terem acumulado partes de outros lotes ou então, terem desfeto de parte de seu lote, por motvos dversos. 4. Resultados e dscussão 4.1. Caraterístcas da área estudada Em Uruará, PA, a utlzação das áreas de colonzação está voltada para culturas anuas, culturas perenes e pastagem. Mutas áreas apresentam formação de florestas secundáras (capoeras) com dades dversas e são utlzadas somente após determnado tempo de pouso. Quanto maor esse período, maor a produtvdade, sendo melhor, então, desmatar áreas com formações mas antgas, uma vez que se entende que, nestas, o lucro será maor. Em relação ao nível de educação dos colonos estabelecdos na regão, na área em estudo, 67% dos entrevstados nunca freqüentaram a escola. Um nível mas elevado de escolardade permte ao pequeno produtor rural maor efcênca na produção, podendo ele, dessa forma, ter maor acesso aos novos nsumos, às técncas agrícolas e ao mercado consumdor e, consequentemente, ncrementar os níves de desmatamento. O número de pessoas que trabalham no lote defne a quantdade de mãode-obra dsponível e determnará o quanto rão trocar entre trabalho e lazer. Quanto mas voltadas para a atvdade de subsstênca, menor será o ncremento de cada undade de trabalho, de acordo com o grau de satsfação da famíla. Se houver produção para obtenção de lucro, maor será o ncremento do desmatamento, dadas as característcas do produtor em relação ao mercado consumdor e à dsponbldade de mão-deobra. 419

12 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 No estabelecmento de culturas perenes, maor quantdade de mão-deobra empregada se faz necessára na época do preparo do solo e da colheta. Para planto de culturas anuas, comumente é empregada mãode-obra famlar. A formação de pastos requer apenas contratação de mão-de-obra no período do estabelecmento da área. O trabalho fora da propredade consttu fonte de renda, que, além de servr para a satsfação das necessdades báscas, serve para nvestmentos na produção mecanzada ou, anda, para acúmulo de rqueza, para que sejam fetos nvestmentos futuros, substtundo, dessa forma, o captal por trabalho (Baraclough e Ghmre, 1990). As condções de acesso ao mercado dependem dretamente da dstânca méda dos produtores à estrada prncpal. As estradas secundáras, onde está dstrbuída a maora dos lotes nas áreas de colonzação, apresentam condções de tráfego precáras, o que mpossblta os pequenos produtores a escoarem a produção para o mercado mas próxmo. Os colonos que se estabelecem próxmos às rodovas prncpas conseguem se ajustar melhor ao mercado, uma vez que possuem maor acesso a ele e, por estarem mas próxmos aos mercados, contrbuem, de forma consstente, para o aumento dos índces de desmatamento. Apesar da ntensfcação da agrcultura moderna nos últmos anos, o cenáro encontrado na área em estudo mostra que o produtor estabelecdo na regão não tende a acompanhar as modfcações tecnológcas e que é muto ncpente, anda, o acesso a pestcdas, fertlzantes e máqunas agrícolas. Esse resultado relacona-se dretamente com as dfculdades que o produtor encontra em custear os gastos com transporte, fato que também onera o custo dos nsumos e também dos produtos agrícolas. Percebeu-se, dessa forma, que as dfculdades de acesso não permtram o uso ntensvo de nsumos, uma vez que se observou que em apenas 20,44% das propredades fo feto uso de adubo químco e em apenas 10,22% das propredades vstadas houve uso de máqunas agrícolas. O uso de pestcdas fo observado em 42,33% das propredades avaladas. 420

13 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas 4.2. Correlação entre as varáves analsadas Pela análse de correlação, buscou-se verfcar o grau de relaconamento entre a área total desmatada e as demas varáves destacadas como nfluencadoras do desmatamento em Uruará-PA, 2002 (Tabela 2). Tabela 2 Coefcente de correlação da Área Total Desmatada e das varáves explcatvas do desmatamento em Uruará-PA, 2002 Nível de escolardade, em anos de freqüênca à escola (Esc) 0,3375 *** Número de pessoas que moram no lote e trabalham fora (Ntpf) 0,1598 * Dstânca da estrada prncpal, em km (Dep) -0,3375 *** Número de dáras pagas durante 2001 (DP2001) 0,3565 *** Número de cabeças de gado na propredade (Gado) 0,3171 *** Recebmento(1) ou não(0) de assstênca técnca (Astec) -0,1109 NS Uso (1) ou não (0) de aração, gradagem e subsolagem (Agsub) *** Sgnfcatvo a 1% de probabldade; * sgnfcatvo a 10% de probabldade; NS, não sgnfcatvo. Fonte: Dados da pesqusa. De modo geral, as correlações entre área desmatada e as varáves seleconadas mostraram-se relatvamente fracas, porém, estatstcamente sgnfcatvas. Não houve correlação sgnfcatva somente com assstênca técnca e uso de aração, gradagem e subsolagem. A correlação entre área desmatada e número de pessoas que moram no lote e trabalham fora fo postva, mas sgnfcatva somente a 10% de probabldade. As outras correlações foram sgnfcatvas a 1% de probabldade. Observou-se correlação postva entre área desmatada e escolardade, número de dáras pagas em 2001, número de cabeças de gado na propredade, uso de adubo químco e uso de pestcdas. O ncremento dessas varáves, ndvdualmente, tende a aumentar a área desmatada ,1376 NS Uso (1) ou não (0) de adubo químco (Adq) 0,2741* Uso (1) ou não (0) de pestcdas (Pest) 0,3136***

14 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 A área desmatada se relacona negatvamente com a dstânca da estrada prncpal ndcando que propredades mas dstantes tendem a desmatar menos. Pode-se nferr, também, que o desmatamento será mas ntenso ao longo das estradas prncpas uma vez que estas possbltaram maor escoamento da produção Determnantes do desmatamento A Tabela 3 apresenta os resultados das estmatvas da equação que explca a probabldade de desmatamento (prmero estágo) e da equação para área desmatada (segundo estágo) para a regão de Uruará PA,

15 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas Tabela 3 Coefcentes estmados do modelo Tobt, Uruará, PA, 2002 Constante Gado Prmero estágo Varável dependente =1 se desmatou; 0 caso contráro Varável Coefcente (erro-padrão) P- valor Obs. com DESMAT = 0 25 Obs. Com DESMAT = Total 137 1,0336 (0,1440) 0,0013 (0,0013) 0,0000**** 0,0642** Segundo estágo Varável dependente = Área total desmatada Constante 190,6332 (93,87868) Nível de escolardade, em anos de 0, freqüênca à escola (Esc) (0,786963) Número de cabeças de gado na propredade 0, (Gado) (0,363421) Dstânca da estrada prncpal, em km -0, (Dep) (0,154839) Número de dáras pagas no período de um ano (DP2001) Recebmento (1) ou não (0) de assstênca técnca (Astec) 0, (0,014536) 1, (5,280255) Uso (1) ou não (0) de adubo químco (Adq) -1, (5,547899) Uso (1) ou não (0) de pestcda (Pest) 7, (4,459400) Uso (1) ou não (0) de aração, gradagem e -1, subsolagem (Agsub) (8,588767) Número total de pessoas que moram no 2, lote e trabalham fora (Ntpf) (1,426028) Inverso da razão de Mlls (λ ) -559,2350 (345,4696) 0,0449*** 0,5418 NS 0,0843** 0,0222*** 0,0040**** 0,7917 NS 0,8033 NS 0,1162* 0,8622 NS 0,0638** 0,1086* R 2 = 0,2952 F = 4,2308 Prob F = 0,0000 Nota: ****, ***, ** e *, sgnfcatvos a 1, 5, 10 e 15%, respectvamente. NS nãosgnfcatvo. Fonte: Dados da pesqusa. 423

16 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 Os resultados apresentados na Tabela 3 ndcam que todos os coefcentes obtveram os snas esperados, exceto os relaconados com o recebmento ou não de assstênca técnca (Astec), uso de máqunas agrícolas (Agsub) e adubo químco (Adq), no segundo estágo do modelo. No prmero estágo, a varável representatva do número de cabeças de gado na propredade (Gado) explcou a probabldade de desmatar e fo sgnfcatva a 10% de probabldade. O ncremento da pecuára na regão tende a aumentar as chances de desmatamento. A estmação, para o segundo estágo do modelo, mostrou coefcente de determnação (R 2 ) abaxo de 30%. No entanto, a combnação dos resultados do teste F e R 2 ndca que os resultados foram sgnfcatvos a 1% de probabldade, o que revela que houve bom ajustamento do modelo aos dados. Trabalhos desenvolvdos por Wood et al. (2001) e Perz (2003), também no muncípo de Uruará, PA, revelaram valores do R 2 próxmos ao encontrado trabalho. Esses valores nexpressvos podem ser explcados por tratar-se de um modelo que usa dados de seção cruzada, os quas, de acordo com Gujarat (2000), tendem a apresentar essa característca. No modelo proposto, a varável relaconada com o número de dáras pagas no período de um ano (DP2001) mostrou-se mas representatva da área total desmatada, apresentando-se sgnfcatva a 1%. A varável relaconada à dstânca da estrada prncpal (Dep) fo sgnfcatva a 5%, enquanto as relaconadas com número total de pessoas que moravam no lote e trabalhavam fora (Ntpf) e com número de cabeças de gado na propredade (Gado) foram sgnfcatvas a 10%. O parâmetro relaconado com uso ou não de pestcdas (Pest), apresentou sgnfcânca somente de 15%, dferentemente das outras varáves representatvas do uso de tecnologas, como uso de máqunas agrícolas (Agsub) e adubo químco (Adq), as quas foram não-sgnfcatvas. Esse fato pode estar relaconado com o maor uso de pestcdas em relação às 424

17 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas outras varáves proxes de tecnologa. A varável Dummy, representatva do recebmento ou não de assstênca técnca (Astec), também fo não-sgnfcatva, o que também pode ser explcado pelo seu baxo índce na regão. Dferentemente da análse de correlação smples, a varável representatva do nível de escolardade, quando analsada em conjunto com outras varáves, se mostrou não-sgnfcatva, quando apresentados os resultados do segundo estágo do modelo; entretanto, o snal postvo, representado pelo seu coefcente, confrma que os níves de desmatamento aumentam de acordo com o maor nível educaconal. A dfculdade ctada na utlzação das chamadas proxes de tecnologa é o seu alto custo, gerado pela dfculdade de acesso às áreas de colonzação e também pela falta de conhecmento, uma vez que, como mostrado anterormente, em poucas propredades analsadas houve vsta de algum órgão de assstênca técnca. Então, para que se aumentem os nvestmentos na utlzação de máqunas e fertlzantes, deve haver garanta de que esses nvestmentos tenham retorno, uma vez que as dfculdades enfrentada no transporte da produção gerada na propredade são anda muto grandes e envolvem custos muto altos, devdo ao pequeno período anual em que a Transamazônca, prncpal rodova de acesso à regão, é transtável. 5. Conclusões Pelo modelo utlzado neste trabalho, constatou-se que as varáves mas representatvas das áreas totas desmatadas foram a dstânca da estrada prncpal e o número de dáras pagas no período de um ano. Dessa forma, observou-se que é mportante compreender que exstem dos tpos de colonos estabelecdos na área os que se estabeleceram dstante do mercado, razão da dfculdade de vender seus produtos e de acesso às tecnologas modernas, os quas contnuam pratcando a agrcultura 425

18 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 tnerante de subsstênca; e aqueles que se estabeleceram próxmos ao mercado consumdor e desenvolveram atvdades mas voltadas ao mercado, como cração de gado. Entende-se, então, que se houver uma polítca de ncentvo que proporcone aumentos dos níves educaconas por meo de conscentzação e de assstênca técnca adequada, a utlzação das áreas agrícolas pode ser feta de forma mas conscente, evtando, dessa forma, a agrcultura mgratóra, reduzndo a utlzação de novas áreas de floresta e aprovetando, de forma otmzada, as áreas que já se encontram desmatadas atualmente. Porém, é mportante consderar, nesse contexto, o uso do solo nas áreas de floresta tropcal, de modo a não contnuar nos rtmos atuas de desmatamento. Nesse contexto, percebe-se que a mplantação de novas polítcas regonas é necessára, entretanto, deve ser seguda de um planejamento que observe os locas e a capacdade produtva da regão. Devdo aos dversos fatores que servem como ndcatvos de desmatamento, é dfícl estabelecer somente as varáves estudadas neste trabalho como causadoras do desmatamento na regão. Sugere-se que sejam fetos estudos futuros na regão, observando a nteração entre os madereros e os colonos em Uruará, PA, e também a nfluênca dos grandes pecuarstas no desmatamento, uma vez que estes estão adqurndo lotes a expandndo suas áreas de forma aleatóra e sem nenhuma fscalzação que estabeleça os lmtes do desmatamento. Outro aspecto observado é que o estado devera exercer papel mportante na fscalzação do desmatamento na Amazôna, oferecendo, por meo de órgãos competentes, assstênca técnca e gerando tecnologas produtvas e sustentáves para a regão, como formas alternatvas de exploração da área, com a fnaldade de dmnur os atuas níves de desmatamento. 426

19 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas Referêncas Bblográfcas ANDERSEN, L.E. e REIS, E. J. Deforestaton, development, and government polcy n the Brazlan Amazon: an econometrc analyss. Brasíla: IPEA p. (Texto para dscussão 513). ANDRADE, V. D. A. O papel do estabelecmento agrícola e das característcas pessoas e famlares na alocação de trabalho no meo rural braslero. Vçosa: UFV, p. (Tese de Doutorado). BARACLOUGH, S. e GHIMIRE, K. The socal dynamcs of deforestaton n developng countres: Prncpal ssues and research prortes. Washngton: Unted Natons Research Insttute for Socal Development p. (Texto para dscussão). CATTANEO, A. A general equlbrum analyss of technology, mgraton and deforestaton n the Brazlan Amazon. In: ANGELSEN, A. e KAIMOWITZ, D. (eds). Agrcultural Technologes and Tropcal Deforestaton. New York: CABI/CIFOR. p GREENE, W. H. Econometrc analyss. New Jersey: Prentce Hall. 3. Ed p GUJARATI, D. N. Econometra básca. São Paulo: Makron Books. 3.Ed p HECKMAN, J. Shadow prces, market wages and labour supply. Econometrca, V.42, No.4, p , HOMMA, A. K. O.; WALKER, R. T.; SCATENA, F. N. CONTO, A. J. de; CARVALHO, R. de A.; FERREIRA, A. P.; SANTOS, A. I. M. dos. Redução dos desmatamentos na Amazôna: polítca agrícola ou ambental? In: HOMMA, A. K. O. (edtor). Amazôna: Meo Ambente e Desenvolvmento Agrícola. Brasíla: EMBRAPA p

20 REVISTA DE ECONOMIA E AGRONEGÓCIO, VOL.2, Nº 3 LAURANCE, W. F.; COCHRANE M. A.; BERGEN S.; FEARNSIDE, P. M.; DELAMÔNICA P.; CHRISTOPHER, B. de.; D ANGELO, S.; FERNANDES T. The Future of the Brazlan Amazon. Scence. n p. MAHAR, D. J. Desenvolvmento econômco da Amazôna: Uma análse das polítcas governamentas. Ro de Janero: IPEA/INPES p. (Relatóros de pesqusa 39). MAHAR, D. J. Government Polces and deforestaton n Brazl s Amazon Regon. The Internatonal Bank for reconstructon and Development/The World Bank: Washngton p. PERZ, S. G. Socal determnants and land use correlates of agrcultural technology adopton n a forest fronter: A case study n the brazlan Amazon. Human Ecology. v.31. n p WOOD, C. H.; WALKER, R.; TONI, F. Os efetos da posse do título da terra sobre o uso do solo e nvestmentos entre pequenos agrcultores na Amazôna braslera. Cadernos de Cênca & Tecnologa: Brasíla. V.18. n.2. p Abstract The man objectve of ths paper was to analyse the factors that nfluence deforestaton n small rural farms of a colonzaton area n Brazl s Amazon Regon. It was used data from 138 small farms dstrbuted over the transamazonc road n the muncpalty of Uruará, PA. The data was collected durng july and august of A Tobt model wth sample selectvty wth etmaton n two stages (Heckman) was used. In the frst stage, the probablty of deforestaton was explaned manly by the presence of cattle n the farm. In the second stage, the deforestaton area was modeled as a functon of varous factors. The results showed that the man determnants of deforestaton are the amount pad for lred labor, the dstance from the man road, the number of cattle heads and the number of people that lve n the lot of land. Keywords: Braslan Amazon, deforestaton, colonzaton, Tobt model 428

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO Revsta Economa e Desenvolvmento, n. 21, 2009 DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO Elane Pnhero de Sousa 1 João Eustáquo de Lma 2 RESUMO As mudanças

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br

DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br DETERMINANTES DA CRIMINALIDADE NO ESTADO DO PARANÁ fcccassuce@yahoo.com.br Apresentação Oral-Desenvolvmento Rural, Terrtoral e regonal JONAS MAURÍCIO GONÇALVES; FRANCISCO CARLOS DA CUNHA CASSUCE; VALDIR

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Unversdade do Estado do Ro de Janero Insttuto de Matemátca e Estatístca Econometra Revsão de modelos de regressão lnear Prof. José Francsco Morera Pessanha professorjfmp@hotmal.com Regressão Objetvo: Estabelecer

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1 Determnantes da Adoção da Tecnologa de Despolpamento na Cafecultura 1 Edson Zambon Monte* Erly Cardoso Texera** Resumo: Os cafecultores de Venda Nova do Imgrante, ES, que em sua maora são agrcultores famlares,

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

A influência das regiões de fronteira e de variáveis socioeconômicas na criminalidade no estado do Paraná

A influência das regiões de fronteira e de variáveis socioeconômicas na criminalidade no estado do Paraná PERSPECTIVA ECONÔMICA v. 6, n. 2:23-44 jul/dez 2010 ISSN 1808-575X do: 10.4013/pe.2010.62.02 A nfluênca das regões de frontera e de varáves socoeconômcas na crmnaldade no estado do Paraná Jonas Mauríco

Leia mais

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA SÉRGIO CASTRO GOMES; MARCELO JOSÉ BRAGA;

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA SÉRGIO CASTRO GOMES; MARCELO JOSÉ BRAGA; DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA SÉRGIO CASTRO GOMES; MARCELO JOSÉ BRAGA; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV VIÇOSA - MG - BRASIL scgomes@unama.br

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil A mobldade ocupaconal das trabalhadoras doméstcas no Brasl Resumo Kata Sato Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo Vargas EESP-FGV André Portela Souza Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 *

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 * Análse da Stuação Ocupaconal de Cranças e Adolescentes nas Regões Sudeste e Nordeste do Brasl Utlzando Informações da PNAD 1999 * Phllppe George Perera Gumarães Lete PUC Ro/Depto. De Economa IBGE/ENCE

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL.

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. André Matos Magalhães Vctor Carvalho Castelo Branco 2 Tago Vasconcelos Cavalcant 3 Resumo Este trabalho consste

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Unversdade Federal de Vçosa Departamento de Economa Rural WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Efetos redstrbutvos e determnantes de recebmento do ICMS Ecológco pelos muncípos mneros Lucany L. Fernandes,

Leia mais

Regulação, Mercado ou Pressão Social? Os Determinantes do Investimento Ambiental na Industria *

Regulação, Mercado ou Pressão Social? Os Determinantes do Investimento Ambiental na Industria * Regulação, Mercado ou Pressão Socal? Os Determnantes do Investmento Ambental na Industra Claudo Ferraz e Ronaldo Seroa da Motta Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada (IPEA) Av. Presdente Antono Carlos 51,

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Avaliação do Nível de Serviço de Operadores Logísticos no Brasil: uma Aplicação de Análise Fatorial e Regressão Logística Binária

Avaliação do Nível de Serviço de Operadores Logísticos no Brasil: uma Aplicação de Análise Fatorial e Regressão Logística Binária Área Temátca: Operações Avalação do Nível de Servço de Operadores Logístcos no Brasl: uma Aplcação de Análse Fatoral e Regressão Logístca Bnára AUTORES: PATRÍCIA PRADO BELFIORE Unversdade de São Paulo

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Rodoviário, ferroviário ou marítimo de cabotagem? O uso da técnica de preferência declarada para avaliar a intermodalidade no Brasil

Rodoviário, ferroviário ou marítimo de cabotagem? O uso da técnica de preferência declarada para avaliar a intermodalidade no Brasil Rodováro, ferrováro ou marítmo de cabotagem? O uso da técnca de preferênca declarada para avalar a ntermodaldade no Brasl Antôno Galvão Novaes 1 ; Brunno Santos Gonçalves 2 ; Mara Beatrz Costa 3 ; Slvo

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS XLIII Congresso Braslero de Engenhara Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquteto Rubens Gl de Camllo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL 1 UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL Área 4 - Desenvolvmento, Pobreza e Eqüdade Patríca Ullmann Palermo (Doutoranda PPGE/UFRGS) Marcelo Savno Portugal (Professor do PPGE/UFRGS)

Leia mais

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO Atenuação atmosférca da Radação Infravermelha: Influênca de elevados níves hgrométrcos no desempenho operaconal de mísses ar-ar. André Gustavo de Souza Curtyba, Rcardo A. Tavares Santos, Fabo Durante P.

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima SNPEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E RANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉRICA GGH - 33 6 a 2 Outubro de 2005 Curtba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH OIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANE

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Desemprego de Jovens no Brasil *

Desemprego de Jovens no Brasil * Desemprego de Jovens no Brasl * Prsclla Matas Flor Palavras-chave: desemprego; jovens; prmero emprego; Brasl. Resumo Este trabalho tem como objetvo analsar a estrutura do desemprego dos jovens no Brasl,

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 0 Unversdade de São Paulo Escola Superor de Agrcultura Luz de Queroz Confguração, reestruturação e mercado de trabalho do setor de celulose e papel no Brasl Adrana Estela Sanjuan Montebello Tese apresentada

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos INFORMAÇÕES ASSIMÉTRICAS NO MERCADO DE CRÉDITO: UMA ABORDAGEM SOBRE O COMPORTAMENTO DOS BANCOS BRUNO FERREIRA FRASCAROLI Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Economa Unversdade Federal da Paraíba

Leia mais

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades *

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades * Novas Forças de Atração nas Grandes Cdades * Cro Bderman ** Resumo Este artgo procura explcar a atual desconcentração dos servços nas grandes áreas urbanas e o movmento paralelo de concentração para os

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL

MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL MIGRAÇÃO INTERNA E SELETIVIDADE: UMA APLICAÇÃO PARA O BRASIL RESUMO Francel Tonet Macel 1 Ana Mara Hermeto Camlo de Olvera 2 O objetvo deste trabalho fo verfcar possíves fatores determnantes da decsão

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA Estmatva da fração da vegetação a partr de dados AVHRR/NOAA Fabane Regna Cunha Dantas 1, Céla Campos Braga, Soetâna Santos de Olvera 1, Tacana Lma Araújo 1 1 Doutoranda em Meteorologa pela Unversdade Federal

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública AVALIAÇÃO MULTICRITÉRIO DE SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS PARA LATICÍNIOS DO AGRESTE PERNAMBUCANO Djur Tafnes Vera Unversdade Federal de Pernambuco UFPE - CAA Rodova BR-104, Km 59 - Nova Caruaru, Caruaru - PE,

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais