PUC - Campinas CEATEC Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias Faculdade de Engenharia Civil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PUC - Campinas CEATEC Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias Faculdade de Engenharia Civil"

Transcrição

1 PUC - Campinas CEATEC Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias Faculdade de To og a A p r fia

2 i REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT. Execução de levantamento topográfico, NBR 13133, Rio de Janeiro, 1994 BORGES, A.C. Exercícios de Topografia. Ed. Edgard Blucher Ltda, 1975 BORGES, A.C. Topografia aplicada à engenharia civil. São Paulo, Ed. Edgard Blücher Ltda., 1992 BRANDALIZE, M. C. B. Apostilas diversas. PUC/PR ESPARTEL, L. Curso de topografia. Porto Alegre, Ed. Globo, 1977 GARCIA, G.J. & PIEDADE, G.C.R. Topografia aplicada às ciências agrárias. Livraria Nobel, 1989 IBGE. Especificações e normas gerais para levantamentos, GPS, IBGE, DGC, 1993 MCCORMAC, J. Topografia. Rio de Janeiro, LTC, 2007 Professor José Liberato Bozza ftp: pub/professores/ceatec/bozza/ skipe: jose.liberato.bozza

3 1 Parte 1

4 2 1. Conceitos fundamentais Agrimensura: a agrimensura atua na medição, demarcação e divisão de terras, além de atuar também nas mais variadas obras de engenharia. No Brasil dividimos a Agrimensura em Topografia e Geodésia. Diferença entre Geodésia e Topografia: a Topografia é muitas vezes confundida com a Geodésia, pois utilizam os mesmos equipamentos e praticamente os mesmos métodos para o mapeamento da superfície terrestre. Porém, enquanto a Topografia tem por finalidade mapear uma área limitada daquela superfície, a Geodésia tem por finalidade mapear grandes porções desta mesma superfície, levando em consideração as deformações devido à sua esfericidade. Portanto, pode-se afirmar que a Topografia, menos complexa e restrita, é apenas um capítulo da Geodésia, ciência muito mais abrangente Topografia Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos" (lugar) e "graphen" (descrever), o que significa a descrição exata e minuciosa de um lugar. Origem: a topografia provavelmente teve início no Antigo Egito. Sabe-se que as pirâmides foram construídas com medidas exatas, dentro de proporcionalidades préestabelecidas. Também há evidências de levantamentos topográficos (cadastrais), às margens do Rio Nilo, onde as cheias destruíam os limites das terras e havia então a necessidade de novas demarcações para restabelecer os limites das propriedades. Figura 1 Levantamentos topográficos na antiguidades Finalidade: determinar o contorno, dimensão e posição relativa de uma porção limitada da superfície terrestre, do fundo dos mares ou do interior de minas, desconsiderando a curvatura resultante da esfericidade da Terra, através de medições de ângulos, distâncias e desníveis que permita representar essa porção da superfície terrestre em uma escala adequada. Às operações efetuadas em campo, com o objetivo de coletar dados para a posterior representação, denomina-se de levantamento topográfico. Compete ainda à Topografia a locação no terreno de projetos elaborados de Engenharia. Também compete os levantamentos as-built (como construído) que são feitos após o término da construção, para fornecer as posições e dimensões das características do projeto, do modo como ele foi realmente construído. Importância: ela é a base de qualquer projeto e de qualquer obra realizada por engenheiros ou arquitetos. Por exemplo, os trabalhos de obras viárias, núcleos habitacionais, edifícios, aeroportos, hidrografia, usinas hidrelétricas, telecomunicações, sistemas de água e esgoto, planejamento, urbanismo, paisagismo, irrigação, drenagem, cultura, reflorestamento etc., se desenvolvem em função do terreno sobre o qual se assentam. Portanto, é fundamental o

5 3 conhecimento pormenorizado deste terreno, tanto na etapa do projeto, quanto da sua construção ou execução; e, a Topografia, fornece os métodos e os instrumentos que permitem este conhecimento do terreno e asseguram uma correta implantação da obra ou serviço Dispositivos de Segurança Durante todo e qualquer levantamento topográfico ou geodésico os cuidados com o equipamento e com o pessoal envolvido são fundamentais para o bom andamento dos serviços. Em alguns países, é obrigatória a utilização de certos dispositivos de segurança que permitem a visualização e o reconhecimento de equipamentos e pessoas à distância, bem como, de controle e desvio do tráfego em áreas urbanas ou em estradas. Recomendamos essa prática. A figura a seguir ilustra alguns destes dispositivos. Figura 2 Dispositivos de segurança 1.2. Levantamentos Topográficos O levantamento topográfico é definido por: Conjunto de métodos e processos que, através de medições de ângulos horizontais e verticais, de distâncias horizontais, verticais e inclinadas, com instrumental adequado à exatidão pretendida, primordialmente, implanta e materializa pontos de apoio no terreno, determinando suas coordenadas topográficas. A estes pontos se relacionam os pontos de detalhe visando a sua exata representação planimétrica numa escala pré-determinada e à sua representação altimétrica por intermédio de curvas de nível, com eqüidistância também pré-determinada e/ou pontos cotados. NBR (ABNT, 1991, p. 3). O levantamento topográfico pode ser dividido em: - Levantamento topográfico PLANIMÉTRICO, compreendendo o conjunto de operações necessárias para a determinação de pontos e feições do terreno (ângulos e distâncias) que serão projetados sobre um plano horizontal de referência através de suas coordenadas X e Y (representação bidimensional) - Levantamento topográfico ALTIMÉTRICO, compreendendo o conjunto de operações necessárias para a determinação de pontos e feições do terreno que, além de serem projetados sobre um plano horizontal de referência, terão sua representação em relação a um plano de referência vertical ou de nível através de suas coordenadas X, Y e Z (representação tridimensional). É conveniente ressaltar que os levantamentos planimétricos e/ou altimétricos são definidos e executados em função das especificações dos projetos. Assim, um projeto poderá exigir somente levantamentos planimétricos, ou, somente levantamentos altimétricos, ou ainda, ambos os levantamentos. Ao conjunto de métodos abrangidos pelo estudo e aplicação dos processos de medidas (geometria aplicada ângulos e distâncias) pela planimetria e pela altimetria dá-se o nome de TOPOMETRIA (mais conhecida como Planialtimetria).

6 Representação A porção da superfície terrestre, levantada topograficamente, é substituída por uma representação simplificada, isto é, o terreno existente é substituído por um modelo topográfico e representado através de uma Projeção Ortogonal Cotada e denomina-se Superfície Topográfica. Isto equivale dizer que não só os limites desta superfície, bem como todas as suas particularidades naturais ou artificiais, serão projetadas sobre um plano horizontal. A esta projeção ou imagem figurada do terreno dá-se o nome de Planta Topográfica ou Plano Topográfico. A figura a seguir representa exatamente a relação da superfície terrestre e de sua projeção sobre o papel. Figura 3 Superfície Topográfica - Plano Topográfico A porção da superfície terrestre pode também ser representada pela FOTOGRAMETRIA, que tem por objetivo fotografar trechos da superfície terrestre para a elaboração de mapas topográficos/geodésicos planialtimétricos. A classificação da aerofotogrametria se faz segundo o tipo e posição espacial da câmera e segundo a sua finalidade. a) Fotogrametria Aérea Utiliza-se de fotografias obtidas de estações móveis no espaço (avião ou balão), com o eixo ótico da câmera na vertical (ou quase). Figura 4 Fotogrametria Aérea - plano de vôo

7 5 Figura 5 Fotografia Aérea - recobrimento b) Fotogrametria Espacial Utiliza-se de fotografias obtidas de estações móveis fora da atmosfera da Terra e das medições feitas com câmeras fixas (chamadas câmeras balísticas) na superfície da Terra. Bela Vista de Goiás (GO) Figura 6 Fotogrametria Espacial - cortesia Satimagens

8 6 Fazenda de gado em Campinas (SP) Figura 7 Fotogrametria Espacial - cortesia Intersat c) Fotogrametria Terrestre Utiliza-se de fotografias obtidas de estações fixas sobre a superfície do terreno, com o eixo ótico da câmera na horizontal (fotografias horizontais). Quando a Fotogrametria (aérea, terrestre ou espacial) utiliza-se do computador para a elaboração de mapas, ou seja, todo o processo de transformação da imagem fotográfica em mapa é realizado matematicamente pelo computador, diz-se que aquela é Numérica. Atualmente, além do processo de transformação da imagem fotográfica em mapa ser realizado pelo computador, o produto que gerou o mapa, no caso a fotografia, e o próprio mapa gerado, podem estar armazenados em meio magnético na forma de imagem. Neste caso, a Fotogrametria passa a ser denominada Digital Outros conceitos Fotointerpretação: é o estudo sistemático de imagens fotográficas para propósitos de identificação de objetos e julgamento da sua significância. Sua finalidade é o levantamento de mapas temáticos. Sensoriamento Remoto: ciência cujos aparelhos são capazes de captar e registrar características das superfícies, sub-superfícies e de corpos sobre as superfícies, abrangendo, em seu mais alto grau, instrumentos que não requerem contacto físico com estes corpos para a coleta das informações desejadas. Captam imagens através de câmeras multi-espectrais, sensores infravermelhos, scanners térmicos, radares, microondas etc. Tanto o Sensoriamento Remoto como a Fotogrametria Métrica estão sendo largamente empregados como ferramenta no planejamento e gerenciamento de projetos que envolvem o meio ambiente e/ou recursos naturais. Ambos são utilizados como base de dados gráfica para projetos de SIG (Sistemas de Informações Geográficas) ou Geoprocessamento.

9 Equipamentos e Acessórios utilizados em topografia Os principais dispositivos utilizados na medida de distâncias, também conhecidos por DIASTÍMETROS, são os seguintes: a)fita e Trena de Aço Figura 8 Trena de Aço são feitas de uma lâmina de aço, normalmente apresentam-se enroladas em um tambor (figura acima); desvantagens: as de fabricação mais antiga, enferrujam com facilidade e, quando esticadas com nós, se rompem facilmente. Além disso, em caso de contato com a rede elétrica, podem causar choques; as mais modernas, no entanto, são revestidas de nylon ou epoxy e, portanto, são resistentes à umidade, à produtos químicos, à produtos oleosos e à temperaturas extremas. b)trena de Fibra de Vidro Figura 9 Trena de Fibra de Vidro é feita de material bastante resistente (produto inorgânico obtido do próprio vidro por processos especiais); conforme figura acima, pode ser encontrada com ou sem invólucro e, este, se presente, tem o formato de uma cruzeta; sempre apresentam distensores (manoplas) nas suas extremidades; não se deteriora facilmente e é resistente à umidade e à produtos químicos; é bastante prática e segura.

10 8 As medidas diretas de distância devem ser realizadas com o uso de alguns ACESSÓRIOS especiais. Os principais são: a) Ponto Topográfico: Marco de concreto, Piquetes, Pinos e Estacas Marco de concreto Piquete de madeira Pino de aço Figura 10 Ponto topográfico Figura 11 Piquete e Estaca b) Balizas Figura 12 Balizas são pintadas em cores contrastantes (branco e vermelho ou branco e preto) para permitir que sejam facilmente visualizadas à distância; devem ser mantidas na posição vertical, sobre a marcação do piquete, se necessário com auxílio de um nível de cantoneira. c) Nível de Cantoneira

11 9 aparelho em forma de cantoneira e dotado de bolha circular que permite à pessoa que segura a baliza posicioná-la corretamente (verticalmente) sobre o piquete ou sobre o alinhamento a medir. Figura 13 Nível de Cantoneira Os principais aparelhos utilizados são os seguintes: Teodolito e/ou Nível: o teodolito é utilizado na leitura de ângulos horizontais e verticais e da régua graduada; o nível é utilizado somente para a leitura da régua. A figura a seguir ilustra três gerações de teodolitos: o trânsito (mecânico e de leitura externa); o ótico (prismático e com leitura interna); e o eletrônico (leitura digital).

12 10 Figura 14 Três gerações de teodolitos

13 11 Acessórios: entre os acessórios mais comuns de um teodolito ou nível estão: o tripé (serve para estacionar o aparelho); o fio de prumo (serve para posicionar o aparelho exatamente sobre o ponto no terreno); e a lupa (para leitura dos ângulos). Figura 15 Tripés de alumínio e de madeira Temos também a Mira ou Régua Graduada que é uma régua de madeira, alumínio ou PVC, graduada em m, dm, cm e mm; utilizada na determinação de distâncias horizontais e verticais entre pontos. A figura a seguir ilustra parte de uma régua de quatro metros de comprimento e as respectivas divisões do metro: dm, cm e mm (avaliado). Leitura na mira = 1,285m Figura 16 Mira ou Régua graduada Os instrumentos eletrônicos apresentam inúmeras vantagens em relação aos tradicionais, tais como: economia de tempo, facilidade de operação e, principalmente, precisão adequada aos vários tipos de trabalhos topográficos, cartográficos e geodésicos. A medida eletrônica de distâncias baseia-se na emissão/recepção de sinais luminosos (visíveis ou não) ou de microondas que atingem um anteparo ou refletor. A distância entre o emissor/receptor e o anteparo ou refletor é calculada eletronicamente e baseia-se no comprimento de onda, na freqüência e velocidade de propagação do sinal.

14 12 Alguns dos equipamentos também medem ângulos eletronicamente. Entre os principais equipamentos utilizados na medida eletrônica de distâncias e/ou ângulos, pode-se citar: a) Teodolito Eletrônico é um dispositivo com ótica de alto rendimento, mecânica de precisão, facilidade de utilização e altíssima confiabilidade; normalmente faz parte de um sistema modular que permite adaptar outros equipamentos de medição (p.ex. um distanciômetro) que se adequará às suas novas necessidades a um custo reduzido; A figura a seguir ilustra um teodolito eletrônico da marca ZEISS. Percebem-se os visores LCD correspondentes ao ângulo vertical e horizontal medidos pelo aparelho. Figura 17 Teodolito eletrônico Zeiss A figura a seguir ilustra um teodolito eletrônico da marca LEICA (modelo T460d) e uma trena eletrônica, também da LEICA, a ele acoplada para a medição das distâncias. Figura 18 Teodolito eletrônico e trena eletrônica Leica prumo a laser

15 13 b) Distanciômetro Eletrônico é um equipamento exclusivo para medição de distâncias (DH, DV e DI); a tecnologia utilizada na medição destas distâncias é a do infravermelho; A figura a seguir ilustra a vista posterior (teclado e visor) e anterior (emissor e receptor do infravermelho) de um distanciômetro da marca LEICA, modelo DI3000s. Figura 19 Distanciômetro eletrônico Leica é normalmente utilizado acoplado a um teodolito ótico-prismático convencional ou a um teodolito eletrônico; o alcance deste equipamento depende da quantidade de prismas utilizados para a reflexão do sinal, bem como, das condições atmosféricas. Em princípio, quanto maior a quantidade de prismas acoplados ao bastão, maior é o alcance do equipamento; o prisma é um espelho circular, de faces cúbicas, utilizado acoplado a uma haste de metal ou bastão e que tem por finalidade refletir o sinal emitido pelo aparelho precisamente na mesma direção em que foi recebido; o sinal refletor (bastão + prismas) deve ser posicionado sobre o ponto a medir, na posição vertical, com a ajuda de um nível de bolha circular e, em trabalhos de maior precisão, deverá ser montado sobre um tripé com prumo ótico ou a laser; A figura a seguir ilustra um bastão, prismas e um tripé específico para bastão. Figura 20 Bastão, prismas e tripé c) Estação Total uma estação total é o conjunto definido por um teodolito eletrônico, um distanciômetro a ele incorporado e um microprocessador que automaticamente monitora o estado de operação do instrumento; as medidas obtidas com o levantamento podem ser registradas em cadernetas de campo convencionais, através de coletores de dados, ou, como no caso dos

16 14 equipamentos mais modernos, através de módulos específicos (tipo cartão PCMCIA) incorporados ao próprio aparelho; este tipo de equipamento é capaz de medir ângulos horizontais e verticais (teodolito) e distâncias horizontais, verticais e inclinadas (distanciômetro), além de poder processar e mostrar ao operador uma série de outras informações, tais como: condições do nivelamento do aparelho, número do ponto medido, altitude do ponto, a altura do aparelho, a altura do bastão etc.; A figura a seguir ilustra uma estação total da TOPCON, modelo GTS-236W, com leitura de 1", alcance de 3000m com 1 prisma, duplo compensador, memória para 8000 pontos com todos atributos ou pontos de coordenadas, a prova d água. Figura 21 Estação total Topcon GTS-236W d) Equipamentos Motorizados, Automáticos e Robotizados podem ser teodolitos ou estações total; os automáticos combinam a tecnologia dos motorizados com o reconhecimento automático do alvo (estático ou dinâmico); os robotizados combinam a tecnologia dos automáticos com o acionamento por controle remoto; A figura a seguir ilustra uma estação total da Trimble, robótica, com leitura de 1", precisão angular de 5", precisão linear 3mm+3ppm, alcance de 400m sem prisma, 5500m com 1 prisma.

17 15 Figura 22 Estação Total Trimble 5503 S-DR Para a obtenção das distâncias verticais ou diferenças de nível entre pontos os equipamentos utilizados são: a) Nível Ótico Possui um nível de bolha circular para o nivelamento da base (pode também conter um nível de bolha tubular e/ou nível de bolha bipartida). Figura 23 Nível ótico e régua graduada da marca BERGER b) Nível Digital é um nível para medição eletrônica e registro automático de distâncias horizontais e verticais; o seu funcionamento está baseado no processo digital de leitura, ou seja, num sistema eletrônico de varredura e interpretação de padrões codificados;

18 16 para a determinação das distâncias o aparelho deve ser apontado e focalizado sobre uma régua graduada cujas divisões estão impressas em código de barras (escala binária); os valores medidos podem ser armazenados internamente pelo próprio equipamento ou em coletores de dados. Estes dados podem ser transmitidos para um computador através de uma interface padrão; c) Nível a Laser é um nível automático cujo funcionamento está baseado na tecnologia do infravermelho; 2. Modelos Terrestres Para o estudo da forma e dimensão da Terra, além do modelo topográfico, vamos considerar outros dois tipos de superfícies ou modelos para a sua representação. São eles: a) Modelo Geoidal O modelo geoidal é determinado, matematicamente conceito introduzido pelo matemático alemão C. F. Gauss ( ), através de medidas gravimétricas (força da gravidade) realizadas sobre a superfície terrestre. Os levantamentos gravimétricos, por sua vez, são específicos da Geodésia e, portanto, não serão abordados. Este modelo permite que a superfície terrestre seja representada por uma superfície fictícia definida pelo prolongamento do nível médio dos mares (NMM) por sobre os continentes. Este modelo irá apresentar a superfície do terreno deformada em relação à sua forma e posição reais. b) Modelo Elipsoidal Como o geóide é uma figura de características físicas complexas, os cartógrafos buscaram uma figura geométrica, o elipsóide, que permite a realização de cálculos necessários à representação cartográfica de nosso planeta. Este é o mais usual de todos os modelos que serão apresentados. Nele, a Terra é representada por uma superfície gerada a partir de um elipsóide de revolução, com deformações relativamente maiores que o modelo geoidal. A figura a seguir ilustra os elementos do Elipsóide de Revolução. b = raio polar a = raio equatorial Figura 24 Elipsóide de Revolução

19 17 a: é a dimensão que representa o semi-eixo maior do elipsóide (raio equatorial). b: é a dimensão que representa o semi-eixo menor do elipsóide (raio polar). f: é a relação entre o semi-eixo menor e o semi-eixo maior do elipsóide, ou seja, o seu achatamento. A figura a seguir permite reconhecer os seguintes elementos básicos do Elipsóide de Revolução. Figura 25 Elipsóide de Revolução Linha dos Pólos ou Eixo da Terra: é a reta que une o pólo Norte ao pólo Sul e em torno do qual a Terra gira. (Movimento de Rotação) Equador: é o círculo máximo da Terra, cujo plano é normal à linha dos pólos. Paralelos: são os círculos cujos planos são paralelos ao plano do equador. Os Paralelos mais importantes são: Trópico de Capricórnio no hemisfério sul e Trópico de Câncer no hemisfério norte. Meridianos: são as seções elípticas cujos planos contém a linha dos pólos e que são normais aos paralelos. Vertical do Lugar: é a linha que passa por um ponto da superfície terrestre (em direção ao centro do planeta) e que é normal à superfície representada pelo Geóide naquele ponto. Esta linha é materializada pelo fio de prumo dos equipamentos de medição (teodolito, estação, nível, etc.), ou seja, é a direção na qual atua a força da gravidade. Normal ao Elipsóide: é toda linha reta perpendicular à superfície do Elipsóide de referência. Esta linha possui um desvio em relação à vertical do lugar. Pontos da Vertical do Lugar: o ponto (Z = ZÊNITE) se encontra no infinito superior, e o ponto (Z' = NADIR) no infinito inferior da vertical do lugar. Estes pontos são importantes

20 18 na definição de alguns equipamentos topográficos (teodolitos) que têm a medida dos ângulos verticais com origem em Z ou em Z. Plano Horizontal do Observador: é o plano tangente à superfície terrestre ou topográfica num ponto qualquer desta superfície. Coordenadas Geográficas (φ e λ): é o nome dado aos valores de Latitude e Longitude que definem a posição de um ponto na superfície terrestre. Latitude (LAT = φ): de um ponto da superfície terrestre é o ângulo formado entre o paralelo deste ponto e o plano do equador. Sua contagem é feita com origem no equador e varia de 0 a 90, positivamente para o norte (N) e negativamente para o sul (S). Longitude (LON = λ): de um ponto da superfície terrestre é o ângulo formado entre o meridiano de origem, conhecido por Meridiano de Greenwich (na Inglaterra), e o meridiano do lugar (aquele que passa pelo ponto em questão). Sua contagem é feita de 0 a 180, positivamente para leste (E ou L) e negativamente para oeste (W ou O). Fi a gur 26a Latitude Figura 26b Longitude As cartas normalmente utilizadas por engenheiros em diversos projetos ou obras apresentam, além do sistema que expressa as coordenadas geográficas, um outro sistema de projeção conhecido por UTM Universal Transverse Mercator. Este sistema de coordenadas será estudado em Topografia B. DATUM: é um sistema de referência utilizado para o cômputo ou correlação dos resultados de um levantamento. Existem dois tipos de datums: o vertical e o horizontal. O datum vertical é uma superfície de nível utilizada no referenciamento das altitudes tomadas sobre a superfície terrestre. Para origem das altitudes foram adotados Porto de Santana (AP) para o estado do Amapá e Imbituba (SC) para os demais estados do Brasil. O datum horizontal, por sua vez, é utilizado no referenciamento das posições tomadas sobre a superfície terrestre. Este último é definido: pelas coordenadas geográficas de um ponto inicial, pela direção da linha entre este ponto inicial e um segundo ponto especificado, e pelas duas dimensões (a e b) que definem o elipsóide utilizado para representação da superfície terrestre. Datum SAD-69 South American Datum, por exemplo, é representado pelo Vértice Chuá, situado próximo à cidade de Uberaba-MG (coordenadas: Latitude = ,6527 S e Longitude = ,0639 W).

21 19 3. Grandezas Medidas num Levantamento Topográfico As grandezas medidas em um levantamento topográfico podem ser de dois tipos: grandezas angulares e grandezas lineares Grandezas Angulares Figura 27 Ângulo horizontal Ângulo Horizontal (Hz): é o ângulo diedro medido entre as projeções de dois alinhamentos do terreno, no plano horizontal. A figura anterior exemplifica um ângulo horizontal medido entre as arestas (1 e 2) de duas paredes de uma edificação. O ângulo horizontal é o mesmo para os três planos horizontais mostrados Ângulo Vertical (α): é medido entre um alinhamento do terreno e o plano do horizonte (são ângulos de altura). Pode ser ascendente (+) ou descendente (-), conforme se encontre acima (aclive) ou abaixo (declive) deste plano. A figura a seguir exemplifica ângulos verticais medidos entre a aresta superior (Parede 1) e inferior (Parede 2) das paredes de uma edificação e o plano do horizonte. Os ângulos medidos não são iguais e dependem da posição (altura) do plano do horizonte em relação às arestas em questão. Varia de 0 a 90 em direção ascendente (acima do horizonte) ou de 0 a 90 em direção descendente (abaixo do horizonte). Figura 28 Ângulo vertical O ângulo vertical, nos equipamentos topográficos modernos (teodolito e estação total), pode também ser medido a partir da vertical do lugar (com origem no Zênite ou no Nadir), daí o ângulo denominar-se Ângulo Zenital (V ou Z) ou Nadiral (V ou Z ).

22 20 A figura a seguir mostra a relação entre ângulos verticais e zenitais. Figura 29 Ângulos verticais (α) e zenitais (Z) As relações entre o ângulo zenital e o vertical são as seguintes: Ângulo Zenital Inclinação Sinal Direção 0 Z 90 α = 90 - Z Positivo Ascendente 90 Z 180 α = 90 - Z Negativo Descendente 3.2. Grandezas Lineares São elas: Distância Horizontal (DH): é a distância medida entre dois pontos, no plano horizontal. Este plano pode, conforme indicado na Figura 30, passar tanto pelo ponto A, quanto pelo ponto B em questão Distância Vertical ou Diferença de Nível (DV ou DN): é a distância medida entre dois pontos, num plano vertical que é perpendicular ao plano horizontal. Este plano vertical pode passar por qualquer um dos pontos A/A ou B/B já mencionados Distância Inclinada (DI): é a distância medida entre dois pontos, em planos que seguem a inclinação da superfície do terreno. Figura 30 Grandezas lineares É importante relembrar que as grandezas representadas pela planimetria são: distância e ângulo horizontais (planta); enquanto as grandezas representadas pela altimetria são: distância e ângulo verticais, representados em planta através das curvas de nível ou através de um perfil como veremos mais adiante.

23 21 4. Unidades de Medida Em Topografia, são medidas duas espécies de grandezas, as lineares e as angulares mas, na verdade, outras duas espécies de grandezas são também trabalhadas, as de superfície e as de volume. O sistema de unidades para os levantamentos topográficos utilizado no Brasil, de acordo com a ABNT na atual NBR /94, é o Métrico Decimal, porém em função dos equipamentos e da bibliografia utilizada, na sua grande maioria importada, algumas unidades poderão apresentar seus valores correspondentes no sistema Americano, ou seja, em pés / polegadas. A seguir encontram-se as unidades mais comumente utilizadas para expressar cada uma das grandezas mencionadas Unidades de Medida Linear sistema métrico decimal mm(e-03), cm(e-02), dm(e-01), metro, dam(e+01), hm(e+02) e km(e+03) milímetro centímetro decímetro 0,001 m 0,01 m 0,1 m metro decâmetro hectômetro quilômetro 1m 10 m 100 m m Unidades de Medida Linear outras unidades polegada inglesa = 2,54 cm = 0,0254 m pé = 30,48cm = 0,3048 m jarda = 91,44cm = 0,9144 m milha terrestre / inglesa = 1609,31 m milha marítima = 1851,85 m 4.2. Unidades de Medida Angular Para as medidas angulares têm-se as seguintes relações: 360 (graus) = 400g (grados) = 2π (radianos) onde π = 3, Grau (degree DEG) = sistema sexagesimal = 1/360 da circunferência ex: ,37 ou 12, (decimal) OBS: (1 grau = 60 minutos e 1 minuto = 60 segundos) Grado (grad GRA)= sistema decimal = 1/400 da circunferência ex: 21,12547g Radiano (radian RAD)= medida de ângulo e arco ex: 1,34 π rad = 4, rad Comparação entre as grandezas angulares. grau grado radiano Circunferência g 2π Ângulo reto g Linha reta g Ângulo 30 33,3333g π/2 1π π/6

24 22 Ângulo g 1,5π Unidades de Medida de Superfície are = 100 m2 acre = 4.046,86 m2 hectare (ha) = m2 ex: ,12 m2 = 127ha 84a 93,12ca ou 127 hectares, 84 ares e 93,12 centiares alqueire paulista (menor) = 2,42 ha = m2 alqueire mineiro (geométrico) = 4,84 ha = m2 km2 = m2 Unidades de Medida de Volume m3 = litros dm3 = 1 litro 5. Desenho Topográfico e Escala O desenho topográfico nada mais é do que a projeção de todas as medidas obtidas no terreno sobre o plano do papel. Neste desenho, os ângulos são representados em verdadeira grandeza (VG) e as distâncias mantêm uma proporcionalidade entre a medida do desenho e a medida real, segundo uma razão constante. A esta razão constante denomina-se ESCALA. A escala de uma planta ou desenho é definida pela seguinte relação: E= 1 d = M R onde: "R" representa qualquer comprimento linear real, medido sobre o terreno. "d" representa um comprimento linear gráfico qualquer, medido sobre o papel, e que correspondente ao comprimento medido sobre o terreno. "M" é denominado Título ou Módulo da escala e representa o inverso de (d / R). A escala pode ser apresentada sob a forma de: fração : 1/100, 1/2.000 etc. ou proporção : 1:100, 1:2.000 etc. Ex: 1: Lê-se 1 para Significa que 1cm no documento equivale a cm (mesma unidade) no terreno, ou seja, 1000m ou 1Km. Quando se conhece a escala numérica pode-se calcular o comprimento real utilizando-se as expressões: R=dxM M=R/d d=r/m onde: R = comprimento real d = comprimento no documento E = Escala = 1 / M

25 23 Um elemento de 15cm no documento cartográfico elaborado na escala 1:50.000, terá que dimensão no terreno? E = 1/ = 1/M d = 15cm R=dxM R = 15 x = cm = 7,5Km Um elemento de 11,5 Km no terreno será representado num documento cartográfico na escala de 1: com que dimensão? R = 11,5 Km = m = cm d= R / M = / = 23 cm Qual a escala de um documento cartográfico na qual um elemento com 8,75 Km no terreno é representado por 17,5 cm? R = 8,75 Km = cm d = 17,5 cm M= R/d = / 17,5 = E = 1 / M = 1 / ou 1: Principais Escalas e suas Aplicações A seguir encontra-se um quadro com as principais escalas utilizadas por engenheiros e as suas respectivas aplicações. É importante perceber que, dependendo da escala, a denominação da representação muda para planta, carta ou mapa. Aplicação Detalhes de terrenos urbanos 1:50 Planta de pequenos lotes e edifícios 1:100 e 1:200 Planta de arruamentos e loteamentos urbanos 1:500 e 1:1.000 Planta de propriedades rurais 1:1.000, 1:2.000 e 1:5.000 Planta cadastral de cidades e grandes propriedades rurais ou industriais 1:5.000, 1: e 1: Cartas de municípios 1: e 1: Mapas de estados, países, continentes etc. 1: a 1: Escala

26 24 Exemplos: Planta de Cidade 1:5.000 Carta de Região 1: Carta de Região 1: Mapa de Região 1: Figura 31 Diferentes escalas representativas 5.2. Escala Gráfica A escala gráfica é a representação gráfica de uma escala nominal ou numérica. Esta forma de representação da escala é utilizada, principalmente, para fins de acompanhamento de ampliações ou reduções de plantas ou cartas topográficas, em processos fotográficos comuns ou xerox, cujos produtos finais não correspondem à escala nominal neles registrada. A escala gráfica é também utilizada no acompanhamento da dilatação ou retração do papel no qual o desenho da planta ou carta foi realizado. A escala gráfica fornece, rapidamente e sem cálculos, o valor real das medidas executadas sobre o desenho, qualquer que tenha sido a redução ou ampliação sofrida por este. A figura a seguir mostra tipos de representação da escala gráfica.

27 25 Figura 32 Escala gráfica 6. Medida de Distâncias Horizontais Medir um alinhamento significa comparar esse alinhamento com uma unidade padrão préexistente, que no Brasil é o metro, e estabelecer o número de vezes (inteiro ou fracionário) que o alinhamento contém a unidade padrão. Como já vimos a distância horizontal (DH) entre dois pontos, em Topografia, é o comprimento do segmento de reta entre estes pontos, projetado sobre um plano horizontal. Para a obtenção desta distância existem os seguintes métodos: método direto e método indireto de medida. Dizemos que o método é direto quando se mede a própria distância a ser determinada e indireto quando se medem outras distâncias e ângulos que permitem o cálculo da distância desejada (por trigonometria) Medida Direta de Distâncias O processo de medida de distâncias é direto quando esta distância é determinada com o instrumento de medida aplicado diretamente sobre o alinhamento. Temos então duas situações: a) quando a medida da distância é feita percorrendo-se o alinhamento e b) quando utilizamos um aparelho para determinação da distância. Observamos que alguns autores classificam esse processo de medida como indireto Medida Direta de Distâncias Percorrendo o Alinhamento com diastímetros Observações Importantes 1. Ao ponto inicial de um alinhamento percorrido dá-se o nome de Ponto a Ré e, ao ponto final deste mesmo alinhamento, dá-se o nome de Ponto a Vante. Balizeiro de Ré e Balizeiro de Vante são os nomes dados às pessoas que, de posse de uma baliza, ocupam, respectivamente, os pontos a ré e a vante do alinhamento em questão. 2. Para terrenos inclinados, os cuidados na medição devem ser redobrados no que se refere à horizontalidade do diastímetro Lance Único - Pontos Visíveis Analisando a figura a seguir, na medição da distância horizontal entre os pontos A e B, procura-se, na realidade, medir a projeção de AB no plano topográfico horizontal HH'. Isto resulta na medição de A'B', projeção de AB.

28 26 Figura 33 Distância Horizontal em lance único Vários Lances - Pontos Visíveis Na figura a seguir, o balizeiro de ré (posicionado em A) orienta o balizeiro intermediário, cuja posição coincide com o final do diastímetro, para que este se mantenha no alinhamento. Depois de executado o lance, o balizeiro intermediário marca o final do diastímetro com uma baliza. O balizeiro de ré, então, ocupa a posição do balizeiro intermediário, e este, por sua vez, ocupará nova posição ao final do diastímetro. Repete-se o processo de deslocamento das balizas (ré e intermediária) e de marcação dos lances até que se chegue ao ponto B. É de máxima importância que, durante a medição, os balizeiros se mantenham sobre o alinhamento AB. A distância DH será dada pelo somatório das distâncias parciais. Figura 34 Distância Horizontal em vários lances 7. Precisão e Cuidados na Medida de Distâncias Os termos precisão e exatidão são constantemente usados em topografia. Seus significados podem ser enunciados como: Precisão é o grau de refinamento com que uma dada quantidade é medida, sendo representada pela dispersão entre duas ou mais medidas. Exatidão ou acurácia refere-se à perfeição obtida nas medições, denotando quanto uma dada medida está próxima do valor verdadeiro da quantidade. A figura a seguir ilustra esses conceitos. Figura 35 Boa precisão acurácia ruim precisão ruim boa acurácia boa precisão boa acurácia A precisão com que as distâncias são obtidas depende, principalmente: do dispositivo de medição utilizado, dos acessórios, dos cuidados tomados durante a operação. Os cuidados (indispensáveis) que se deve tomar quando da realização de medidas de distâncias com diastímetros são: que os operadores se mantenham no alinhamento a medir, que se assegurem da horizontalidade do diastímetro, que mantenham tensão uniforme nas extremidades,

29 27 que as balizas estejam na vertical. Figura 36 Cuidados com a baliza 7.1. Erros e fontes de erros em Topografia A experiência mostra que toda vez que se realiza algum tipo de medida ela possui uma certa imprecisão, a qual é denominada erro de observação. Por melhores que sejam os equipamentos e por mais cuidado que se tome ao proceder um levantamento topográfico, as medidas obtidas jamais estarão isentas de erros. Esse erro pode ser constatado, por exemplo, quando se mede várias vezes o mesmo ângulo ou quando se mede os três lados de um triângulo e não se obtém o fechamento exato esperado (Σ = 180 ). Os erros pertinentes às medições topográficas podem ser classificados como: a) Erros sistemáticos ou permanentes: são aqueles ocasionados por fatores ambientais, ou seja, temperatura, vento, refração e pressão atmosféricas, ação da gravidade, etc. São passíveis de correção desde que sejam tomadas as devidas precauções durante a medição. A não consideração da dilatação térmica de uma trena, por exemplo, na medida de distâncias, é um erro sistemático. Também são aqueles ocasionados por defeitos ou imperfeições dos instrumentos ou aparelhos utilizados nas medições, podendo ser evitados e/ou corrigidos com a aferição e calibragem constante dos aparelhos. Desvios de ajustagem mecânica do equipamento, por exemplo, é um erro sistemático (que pode ser evitado com a calibragem do aparelho). Outro exemplo é uma trena, que pode marcar 30 metros e na verdade medir 30,02 metros. Esses erros podem ser compensados. b) Acidentais: são aqueles ocasionados por imperícia, pela falta de cuidado ou por deficiência do operador. Os mais comuns são: erro na leitura dos ângulos, erro na leitura da régua graduada, na contagem do número de trenadas, ponto visado errado, aparelho fora de prumo, aparelho fora de nível, etc. São classificados como erros grosseiros. Problema de acuidade visual é um erro grosseiro. Esses erros devem ser evitados. Na topografia cada atividade exige um tipo adequado de equipamento, sendo importante saber se o erro verificado esta dentro de um limite de aceitação. É importante ressaltar que alguns

30 28 erros se anulam durante a medição ou durante o processo de cálculo. Portanto, um levantamento que aparentemente não apresenta erros, não significa estar necessariamente correto Levantamento de pequenas áreas na Topografia somente com medidas lineares Na topografia, como já falamos, o objetivo é representar uma fração de uma superfície em um plano topográfico. Para isto usamos métodos e técnicas apropriadas para cada necessidade, resultando no final destas operações uma planta topográfica. Quando não necessitamos de muita precisão nos levantamentos topográficos, podemos usar trena e balizas para determinarmos as distâncias, os ângulos e a área de um terreno. Este tipo de levantamento e denominado de EXPEDITO Método das cordas para determinação de ângulos Lei dos Senos CO Hip A 7,15 Sen = = 0, ,00 A = arcsen(0, ) = 28, A = 2 28, = 56, = 56 56'09" Sen = Figura 37 Método das Cordas Cálculo de área do triângulo pela fórmula do semiperímetro c a b Figura 38 Cálculo da área Area = onde: p ( p a ) ( p b ) ( p c) p= a+ b+ c 2 e p é o semiperímetro Exemplo: Em um terreno irregular mediu-se com uma trena as divisas e uma diagonal, como no esquema abaixo. Pede-se a área do terreno em m2.

31 29 Figura 39 Cálculo da área exemplo Área do triângulo 1 p = (254, , ,44) / 2 = Area1 = 536,00 (536,00 254,57) (536,00 499,00) (536,00 318,44) = ,40m 2 Área do triângulo 2 p = (522, , ,32) / 2 = 685,96 Area 2 = 685,96 ( 685,96 522,59) ( 685,96 499,00) ( 685,96 350,32) = ,44m 2 Área Total = Área 1+Área 2 Área Total = ,84 m2 8. Poligonais em Topografia Topograficamente chamamos de poligonal a uma seqüência de retas. Naturalmente haverá um ponto que denominamos de estação ou vértice no início e outro no fim de cada reta. Temos, assim, estações ou vértices e lados ou linhas da poligonal. A poligonal pode ser fechada, aberta ou amarrada. Poligonal fechada é aquela que retorna ao ponto inicial (Pinicial Pfinal), possibilitando verificação. Poligonal amarrada é a que parte e chega em pontos com elementos conhecidos (por ex: coordenadas retangulares X e Y, coordenadas Geográficas Latitude e Longitude etc), possibilitando também verificação, tal como a poligonal fechada. 7 que além de não fechar, também não parte e nem Poligonal aberta é aquela chega em pontos já conhecidos. 1 A

32 30 Figura 40 Poligonal Fechada (X1;Y1) (X7;Y7) Figura 41 Poligonal Amarrada Figura 42 Poligonal Aberta (os pontos 1 e 7 estão ligados apenas pela própria poligonal) 9. Medidas Angulares 9.1. Ângulos de Orientação Como já vimos anteriormente, a linha que une o pólo Norte ao pólo Sul da Terra (aqueles representados nos mapas) é denominada linha dos pólos ou eixo de rotação. Estes pólos são denominados geográficos ou verdadeiros e, em função disso, a linha que os une, também é tida como verdadeira. No entanto, sabe-se que a Terra, devido ao seu movimento de rotação, gera um campo magnético fazendo com que se comporte como um grande imã. Assim, uma bússola estacionada sobre a superfície terrestre, tem sua agulha atraída pelos pólos deste imã. Neste caso, porém, os pólos que atraem a agulha da bússola são denominados magnéticos. O grande problema da Topografia no que diz respeito aos ângulos de orientação, está justamente na não coincidência dos pólos magnéticos com os geográficos e na variação da distância que os separa com o passar tempo. Em função destas características, é necessário que se compreenda bem que, ao se orientar um alinhamento no campo em relação à direção Norte ou Sul, deve-se saber qual dos sistemas (verdadeiro ou magnético) está sendo utilizado como referência. Para tanto, é importante saber que:

33 31 Meridiano Geográfico ou Verdadeiro: é a seção elíptica contida no plano definido pela linha dos pólos verdadeira e a vertical do lugar (observador). Meridiano Magnético: é a seção elíptica contida no plano definido pela linha dos pólos magnética e a vertical do lugar (observador). Declinação Magnética: é o ângulo formado entre o meridiano verdadeiro (norte/sul verdadeiro) e o meridiano magnético (norte/sul magnético) de um lugar. Este ângulo varia de lugar para lugar e também varia num mesmo lugar com o passar do tempo. Estas variações denominam-se seculares. Atualmente, para a determinação das variações seculares e da própria declinação magnética, utilizam-se fórmulas específicas (disponíveis em programas de computador específicos para Cartografia). Segundo normas cartográficas, as cartas e mapas comercializados no país apresentam, em suas legendas, os valores da declinação magnética e da variação secular para o centro da região neles representada. Os ângulos de orientação utilizados em Topografia são: Azimute Geográfico ou Verdadeiro: definido como o ângulo horizontal que a direção de um alinhamento faz com o meridiano geográfico. Este ângulo pode ser determinado através de métodos astronômicos (observação ao sol, observação a estrelas, etc.) e, atualmente, através do uso de receptores GPS de precisão. Azimute Magnético: definido como o ângulo horizontal que a direção de um alinhamento faz com o meridiano magnético. Os azimutes (verdadeiros ou magnéticos) são contados a partir da direção norte (N) do meridiano, no sentido horário - azimutes à direita (mais comuns), ou no sentido anti-horário azimutes à esquerda, variando sempre de 0 a 360. Rumo Verdadeiro: é obtido em função do azimute verdadeiro através de relações matemáticas simples. Rumo Magnético: é o menor ângulo horizontal que um alinhamento forma com a direção norte/sul definida pela agulha de uma bússola (meridiano magnético). Os rumos (verdadeiros ou magnéticos) são contados a partir da direção norte (N) ou sul (S) do meridiano, no sentido horário ou anti-horário, variando de 0 a 90 e sempre acompanhados da direção ou quadrante em que se encontram (NE, SE, SW, NW). O azimute ou o rumo magnético são obtidos através de uma bússola.

34 32 Figura 43 - Bússola A figura a seguir ilustra as orientações de quatro alinhamentos definidos sobre o terreno através de Azimutes à Direita, ou seja, dos ângulos contados a partir da direção norte do meridiano no sentido horário. Figura 44 Azimutes à Direita A figura a seguir ilustra as orientações de quatro alinhamentos definidos sobre o terreno através de Rumos, ou seja, dos ângulos contados a partir da direção norte ou sul do meridiano (aquele que for menor), no sentido horário ou anti-horário.

35 33 Figura 45 Rumos Observando as figuras, podem-se deduzir as relações entre Azimutes à Direita e Rumos: Quadrante 1o 2o 3o 4o Azimute Rumo R = Az (NE) R = Az (SE) R = Az (SW) R = Az (NW) Rumo Azimute Az = R Az = R Az = R Az = R Aviventação de Rumos e Azimutes Magnéticos É o nome dado ao processo de restabelecimento dos alinhamentos e ângulos magnéticos marcados para uma poligonal, na época (dia, mês, ano) de sua medição, para os dias atuais. Este trabalho é necessário, uma vez que a posição dos pólos norte e sul magnéticos (que servem de referência para a medição dos rumos e azimutes magnéticos) varia com o passar do tempo. Assim, para achar a posição correta de uma poligonal levantada em determinada época, é necessário que os valores resultantes deste levantamento sejam reconstituídos para a época atual. O mesmo processo é utilizado para locação, em campo, de linhas projetadas sobre plantas ou cartas (estradas, linhas de transmissão, gasodutos, oleodutos, etc.) Ângulos Horizontais Internos e Externos Para o levantamento da poligonal devem ser medidos os ângulos que as linhas fazem entre si, nas estações, e os comprimentos das linhas. Para a medida de um ângulo horizontal a dois alinhamentos consecutivos de uma poligonal, o aparelho deve ser estacionado, nivelado e centrado com perfeição, sobre um dos pontos que o definem (o prolongamento do eixo principal do aparelho deve coincidir com a marcação sobre o piquete da estação). Assim, o método de leitura do referido ângulo, utilizando um teodolito ou uma estação total, consiste em: Executar a pontaria (fina) sobre o ponto a ré (primeiro alinhamento); Zerar o círculo horizontal do aparelho nesta posição (procedimento padrão Hz = 0 00'00"); Liberar e girar o aparelho no sentido horário, que é o mais comum, ou no sentido anti-horário, executando a pontaria (fina) sobre o ponto a vante (segundo alinhamento); Anotar ou registrar o ângulo (Hz) que corresponde ao ângulo horizontal medido.

36 34 A figura a seguir ilustra os ângulos horizontais horários medidos em todos os vértices de uma poligonal fechada sentido do levantamento ângulo interno 5 sentido do levantamento ângulo externo Figura 46 Levantamento dos ângulos de uma poligonal A somatória dos ângulos internos e externos de um polígono fechado é uma constante, dependendo somente do número de lados (n). A somatória dos ângulos é dada: Ângulos internos ΣHzi = 180 (n 2) Ângulos externos ΣHze =180 (n + 2) Exemplos: nº de lados Σ dos ângulos internos 180º 360º 540º Σ dos ângulos externos 900º 1.080º 1.260º Erro angular = diferença entre a soma efetiva dos ângulos e a somatória dos ângulos de um polígono Ângulo Horizontal por Deflexão A deflexão é o ângulo horizontal que o alinhamento à vante forma com o prolongamento do alinhamento à ré, para um aparelho estacionado, nivelado e centrado com perfeição, em um determinado ponto de uma poligonal. Este ângulo varia de 0 a 180. Pode ser à direita, se o sentido de giro for horário; à esquerda, se o sentido de giro for anti-horário. A relação entre as deflexões de uma poligonal fechada é dada por: ΣDd ΣDe = 360 A figura a seguir ilustra a deflexão medida em um dos pontos de uma poligonal, girando o aparelho.

37 35 Figura 47 Deflexões Girando o Aparelho Nos levantamentos topográficos, a escolha do tipo de ângulo horizontal que será medido (interno, externo ou deflexão) depende do projeto a ser desenvolvido. Em levantamentos de terrenos onde temos poligonais fechadas, por exemplo, é usual o ângulo interno; já em levantamentos para obras lineares - para estradas, por exemplo onde temos poligonais abertas, é usual a deflexão. Figura 48 Poligonal de Exploração azimutes e ângulos de deflexão 10. Métodos de Levantamentos Planimétricos Nos itens anteriores foram descritos os métodos e equipamentos utilizados na medição de distâncias e ângulos durante os levantamentos topográficos. Estes levantamentos, porém, devem ser empregados obedecendo a certos critérios e seguindo determinadas etapas que dependem do tamanho da área, do relevo e da precisão requerida pelo projeto que os comporta Levantamento por Irradiação O Método da Irradiação também é conhecido como método da Decomposição em Triângulos ou das Coordenadas Polares. É empregado na avaliação de pequenas superfícies relativamente planas. Uma vez demarcado o contorno da superfície a ser levantada, o método consiste em localizar, estrategicamente, um ponto (P), dentro ou fora da superfície demarcada, e de onde possam ser avistados todos os demais pontos que a definem. Assim, deste ponto (P) são medidas as distâncias aos pontos definidores da referida superfície, bem como, os ângulos horizontais entre os alinhamentos que possuem (P) como vértice.

38 36 A precisão resultante do levantamento dependerá, evidentemente, do tipo de dispositivo ou equipamento utilizado. A figura a seguir ilustra uma superfície demarcada por sete pontos com o ponto (P) estrategicamente localizado no interior da mesma. De (P) são medidos os ângulos horizontais (Hz1 a Hz7) e as distâncias horizontais (DH1 a DH7). Figura 49 Método da Irradiação De cada triângulo (cujo vértice principal é P) são conhecidos dois lados e um ângulo. As demais distâncias e ângulos necessários à determinação da superfície em questão são determinados por relações trigonométricas. Este método é muito empregado em projetos que envolvem amarração de detalhes e na densificação do apoio terrestre para trabalhos topográficos e fotogramétricos Levantamento por Interseção O Método da Interseção também é conhecido como método das Coordenadas Bipolares. É empregado na avaliação de pequenas superfícies, principalmente aquelas de relevo acidentado. Utiliza o princípio da trigonometria na obtenção de ângulos e de distâncias dos vértices do terreno, sendo considerado então um método indireto de medição de distâncias. Uma vez demarcado o contorno da superfície a ser levantada, o método consiste em localizar, estrategicamente, dois pontos (P) e (Q), dentro ou fora da superfície demarcada, e de onde possam ser avistados todos os demais pontos que a definem. Assim, mede-se a distância horizontal entre os pontos (P) e (Q), que constituirão uma base de referência, bem como, todos os ângulos horizontais formados entre a base e os demais pontos demarcados. A medida da distância P Q poderá ser realizada através de método direto, por caminhamento, ou com o emprego de aparelhos óticos ou eletrônico e a medida dos ângulos poderá ser realizada através do emprego de teodolitos óticos ou eletrônicos. A precisão resultante do levantamento dependerá, evidentemente, do tipo de dispositivo ou equipamento utilizado. A figura a seguir ilustra uma superfície demarcada por sete pontos com os pontos (P) e (Q) estrategicamente localizados no interior da mesma. De (P) e (Q) são medidos os ângulos horizontais entre a base e os pontos (1 a 7).

39 37 Figura 50 Método da Interseção De cada triângulo são conhecidos dois ângulos e um lado (base definida por PQ). As demais distâncias e ângulos necessários à determinação da superfície em questão são determinados por relações trigonométricas Levantamento por Caminhamento Este é o método utilizado no levantamento de superfícies relativamente grandes e / ou de relevo acidentado. Requer uma quantidade maior de medidas que os descritos anteriormente, porém, oferece maior confiabilidade no que diz respeito aos resultados. O método em questão inclui as seguintes etapas: 1. Reconhecimento do Terreno: durante esta fase, costuma-se fazer a implantação dos piquetes para a delimitação da superfície a ser levantada. A figura geométrica gerada a partir desta delimitação recebe como vimos o nome de POLIGONAL. 2. Levantamento da Poligonal: durante esta fase, percorre-se as estações da poligonal, uma a uma, medindo-se os ângulos e as distâncias horizontais. Estes valores, bem como o croqui de cada ponto, são anotados em cadernetas de campo apropriadas ou registrados na memória do próprio aparelho. A escolha do método para a medida dos ângulos e distâncias, assim como dos equipamentos, se dá em função da precisão requerida para o trabalho e das exigências do contratante dos serviços (cliente). 3. Levantamento dos Detalhes: nesta fase, costuma-se empregar o método da triangulação (quando o dispositivo utilizado para amarração é a trena), ou ainda, o método da irradiação (quando o dispositivo utilizado é o teodolito ou a estação total). 4. Orientação da Poligonal: é feita através da determinação do rumo ou azimute do primeiro alinhamento. Para tanto, é necessário utilizar uma bússola (rumo ou azimute magnéticos) ou partir de uma base conhecida (rumo ou azimute verdadeiros). 5. Processamento dos Dados: terminadas as operações de campo, procede-se a computação dos dados obtidos. Este é um processo que envolve o fechamento angular e linear, o transporte dos rumos ou azimutes e das coordenadas e o cálculo da área, se for o caso Processamento dos Dados O processamento dos dados inclui o fechamento dos ângulos horizontais (se a poligonal for fechada ou amarrada), o transporte dos azimutes, o fechamento das distâncias horizontais, o transporte das coordenadas e o cálculo da área (se for o caso).

40 Erro de fechamento angular ΣHz i = 180.(n 2) Se o somatório dos ângulos horizontais internos medidos não resultar no valor estipulado pela relação acima, haverá um erro de fechamento (e). O erro encontrado não pode ser maior que a tolerância angular (ξ). A tolerância angular, por sua vez, depende do aparelho utilizado. Para uma estação total, por exemplo, com precisão de 5, a tolerância angular é dada por: ξ = 5" n Onde n representa o número de vértices da poligonal medida Distribuição do erro angular A correção devido ao erro de fechamento angular é feita normalmente distribuindo-se o erro igualmente entre os vértices da poligonal. Ela pode ser feita também arbitrariamente de acordo com a prática e/ou conhecimento do operador, por exemplo, em função da maior distância, do maior ângulo etc. Os valores de correção encontrados para cada ângulo devem ser somados ou subtraídos aos mesmos conforme o erro seja para menos ou para mais Transporte do azimute De posse do azimute do primeiro alinhamento da poligonal (medido ou calculado), faz-se o transporte para os demais alinhamentos através da relação: Azimute Vante = { Azimute Ré ± Hz} Se o AzRé > 180 AzVante = AzRé Hz Se o AzRé < 180 AzVante = AzRé Hz No caso de poligonais fechadas, para checar se o transporte do azimute foi processado corretamente, após a distribuição do erro angular, o azimute de chegada encontrado deve ser igual ao azimute de saída Exemplo (ver exercício 5) Figura 51 Transporte do azimute - Poligonal semi-amarrada Projeções parciais em X e Y As projeções parciais em X e Y de cada estação da poligonal são calculadas através das seguintes relações: X = DH. sen( Az ) ou X = DH. sen( Rumo ) Y = DH. cos( Az ) ou Y = DH. cos( Rumo )

41 39 Quando utilizamos para o cálculo das projeções o Azimute do alinhamento, o sinal positivo (+) ou negativo (-) é dado pelo próprio sinal da função trigonométrica. Quando utilizamos para o cálculo da projeção o Rumo, o sinal positivo (+) é dado pela direção Norte (N) em Y e pela direção Este (E) em X. Para as direções S e W o sinal da projeção será negativo (-). 1 y 5-1 x 5-1 x y 4-5 y 1-2 x x y 2-3 y 3-4 x Figura 52 Projeções Parciais Fechamento linear O fechamento linear de uma poligonal é feito através das seguintes relações: X = 0 e Y = 0 Caso os somatórios não sejam iguais a zero, haverá um erro de fechamento linear em X (ex) e outro em Y (ey). O erro de fechamento linear é adotado como o fator indicador da precisão do levantamento. O erro de fechamento (e) é calculado pelo Teorema de Pitágoras, onde se obtém: e= ex 2 + ey 2 A figura abaixo indica esse erro de fechamento. F A ex G E ey e A A A B de fechamento C Figura 53 Erro linear D Distribuição do erro linear As correções devido ao erro de fechamento linear podem ser proporcionais às distâncias medidas ou às projeções relativas, e são dadas pelas seguintes relações: Cx = ex.dh P e Cy = ey.dh P para as distâncias medidas Cx = ex. x x e Cy = ey. y y para as projeções relativas

42 em X e em Y. 40 Onde P é o perímetro da poligonal e Σx e Σy a somatória das projeções relativas Os valores de correção encontrados para cada projeção em X e Y devem ser somados ou subtraídos às mesmas conforme os erros sejam para menos ou para mais Precisão do levantamento A precisão do levantamento é adotada como sendo a razão entre o erro de fechamento linear (e) e o perímetro da poligonal (P). A precisão (M) do levantamento é determinada pela relação: M= e P Em geral a precisão do levantamento é expressa pelo inverso de M, ou seja 1/M, na forma 1: 1/M. O valor da precisão deve ser superior a 1:1000 para que o levantamento seja considerado topográfico (quarta ordem). Exemplo: Sendo o erro de fechamento igual a 0,76m e o perímetro da poligonal igual a 5.214,75m, a precisão é 1:6.861,51 ou seja, uma precisão de 1 metro em 6.861,51 metros Transporte de coordenadas De posse das coordenadas X e Y adotadas (topográficas locais) ou referenciadas de um ponto da poligonal, faz-se o transporte para os demais pontos, simplesmente adicionando ou subtraindo, às coordenadas do ponto conhecido, os valores parciais das projeções em X e em Y já corrigidos, através das relações: X ( P + 1) = X ( P ) + X ( P ) e Y ( P + 1) = Y ( P ) + Y ( P ) Para checar se o transporte das coordenadas foi processado corretamente, em poligonais fechadas, os valores de X e Y de chegada encontrados devem ser iguais aos valores de X e Y de saída Cálculo do Azimute e Distância entre pontos de coordenadas conhecidas Dados dois pontos conhecidos: A: (XA ; YA) B: (XB ; YB) Y XB XA B YB YA DHAB Az A Figura 54 Azimute e Distância X Podemos calcular o azimute da direção AB e a distância entre A e B no plano de projeção utilizando a seguinte formulação:

43 41 tan Az AB = XB XA YB YA DH AB = onde: XB XA = X e então Az AB = arctg XB X A YB YA ( X B X A )2 + ( YB YA )2 YB YA = Y Para calcularmos o azimute da direção AB é necessário sempre tomarmos as diferenças de coordenadas B A, considerando o sinal. Estas fórmulas são gerais e válidas para todos os quadrantes. Para a aplicação da fórmula de cálculo do azimute da direção AB indicada acima, calcula-se inicialmente as diferenças de coordenadas X e Y e determina-se um ângulo preliminar Az AB e então se calcula o azimute da direção AB pelas regras seguintes: X + + Y + + Quadrante Azimute AB I II III IV Az AB Az AB Az AB Az AB Exemplos: Y Y XB XA XB XA A B YB YA YB YA DHAB DHAB Az B A X X 1º Quadrante 3º Quadrante Figura 55 Azimutes - exemplos Se estivermos calculando a direção em rumo, o ângulo calculado na expressão já é o rumo procurado, sendo que o seu quadrante é definido pelo sinal das projeções X e Y, com a seguinte notação: X positivo = E e X negativo = W; analogamente Y positivo = N e Y negativo = S Amarração de Detalhes Quando executamos levantamentos topográficos utilizamos a poligonal como amarração para o levantamento dos pontos de detalhe (feições naturais e artificiais do terreno, p.ex.: cercas de divisa, construções, matas, cursos d água etc.) Amarração de Detalhes por Perpendiculares É o caso da figura abaixo, onde se deve medir os alinhamentos Aa, ab, bc, cd, de, eb e, também, os alinhamentos aa, bb, cc, dd e ee para que o contorno da estrada fique determinado.

44 42 Figura 56 Perpendiculares Alinhamentos Perpendiculares É possível levantar uma perpendicular a um alinhamento, utilizando-se um diastímetro, através dos seguintes métodos: Triângulo Retângulo Este método consiste em passar por um ponto A, de um alinhamento AB conhecido, uma perpendicular. Utilizando-se os doze (12) primeiros metros de uma trena, dispõe-se, respectivamente, dos lados 3, 4 e 5 metros de um triângulo retângulo. Como indicado na figura a seguir, o 0 e o 12o metro estariam coincidentes em C, situado a 3 metros do ponto A. O 7o metro (soma dos lados 3 e 4) e representado pelo ponto D, se ajusta facilmente em função dos pontos A e C já marcados. Figura 57 Triângulo Retângulo Obs.: para locar as paredes de uma casa, o mestre de obras normalmente se utiliza de uma linha com nós. Esta linha representa um triângulo retângulo de lados 0,6m : 0,8m : 1,0m; equivalente ao triângulo retângulo de 3m : 4m : 5m mencionado anteriormente Amarração de Detalhes por Triangulação Devendo-se medir os alinhamentos a e b, além do alinhamento principal DB, para que o canto superior esquerdo da piscina representada a seguir fique determinado. Para que a amarração não resulte errada, a base do triângulo amarrado deve coincidir com um dos lados do triângulo principal ou secundário, e, o vértice daquele triângulo será sempre um dos pontos definidores do detalhe levantado.

45 43 Figura 58 Triangulação A referida piscina só estará completamente amarrada se os outros cantos também forem triangulados Amarração de Detalhes com Aparelhos Podemos utilizar a poligonal como amarração para o levantamento dos pontos de detalhe, sendo levantados, a partir das estações da poligonal, os ângulos horizontais e as distâncias dos pontos de detalhe. E1, E2, E3, E4 = pontos da poligonal 1 (cêrca) 2 (construção) 3 (construção) 4 (construção) 5 (cêrca) 6 (cêrca) 7 (curso d água) 8 (curso d água) 9 (curso d água) 10 (curso d água) 11 (curso d água) 12 (cêrca) Pontos de detalhe Figura 59 Levantamento dos Pontos de Detalhe com Aparelhos Neste caso é importante salientarmos que o tratamento matemático a ser dado aos pontos de detalhe é o mesmo que na poligonal principal só que não há neste caso a etapa de cálculos de compensação destes pontos. Devemos então fazer a resolução da planilha em duas etapas: na primeira calculamos a poligonal principal, e na segunda executamos os cálculos dos pontos de detalhes.

46 Área da poligonal A área de uma superfície plana limitada por uma poligonal fechada pode ser determinada analiticamente quando se conhecem as coordenadas ortogonais dos seus vértices. Na figura a seguir, o método analítico consiste em, dadas as coordenadas (X, Y) de pontos de uma figura fechada qualquer, determinar a área desta figura. Figura 60 Pontos da Poligonal As coordenadas do ponto de partida e de chegada devem ser as mesmas X1 = Xn e Y1 = Yn (poligonal fechada) Método de Gauss (cálculo por determinantes) O cálculo da área em topografia pode também ser feito através da integração do contorno da figura considerada. Como as figuras, ou áreas, são formadas por segmentos de reta, a integração é simplificada sendo a soma das áreas de trapézios, como exemplificado na figura a seguir. Figura 61 Integração da poligonal As coordenadas do ponto de partida e de chegada devem ser as mesmas X1 = Xn e Y1 = Yn. Percorrendo a poligonal, multiplicam-se as abscissas (Xi) dos pontos pelas ordenadas dos pontos seguintes (Yi+1) = Σ1 = produto positivo. Na seqüência, multiplicam-se as ordenadas (Yi) dos pontos pelas abscissas dos pontos seguintes (Xi+1) = Σ2 = produto negativo. Os resultados de cada multiplicação, entre si (Xi. Yi+1) e (Yn. Xn+1), são somados, algebricamente. A área final é dada pela relação a seguir:

47 45 S= 1 ( 1 2) 2 sendo Σ1 = Σ (Xn. Yn+1) Σ2 = Σ (Yn. Xn+1) Chave para o cálculo: Obs: Os pontos na planilha devem obedecer a mesma seqüência da figura, percorrendoa tanto no sentido horário como anti-horário, mas mantendo sua ordem. Pto X Y Xn. Yn+1 Yn. Xn+1 A B C A Exemplo: Com as coordenadas dos pontos das divisas, calcular a área do terreno a seguir. Figura 62 Exemplo de cálculo da área da poligonal Pto X Y Xn. Yn+1 Yn. Xn , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,5509

48 46 Σ1 = Σ (Xn. Yn+1) = ,3393 Σ2 = Σ (Yn. Xn+1) = ,8722 Portanto, a área do terreno é = S = Σ1 - Σ2 / 2 = ,4671 / 2 = ,74 m Desenho da Planta e Redação do Memorial Descritivo De posse das coordenadas (X, Y) dos pontos medidos, procede-se a confecção do desenho da planta: a) Desenho Topográfico: os vértices da poligonal e os pontos de referência mais importantes devem ser plotados segundo suas coordenadas retangulares (eixos X e Y), enquanto os pontos de detalhes comuns (feições), devem ser plotados com o auxílio de escalímetro, compasso e transferidor (no caso de desenhos confeccionados manualmente). A notação utilizada a simbologia deve constar da legenda. Em termos de representação planimétrica podemos dizer que, de um modo geral, a representação dos elementos de interesse é feita tendo em consideração os seguintes aspectos: Elementos de dimensões razoáveis: são representados por seu contorno; Elementos de pequena dimensão: são representados por sinais convencionais. O desenho pode ser: monocromático: todo em tinta preta. policromático: azul hidrografia vermelho edificações, estradas, ruas, calçadas, caminhos... verde vegetação preto legenda, malha e toponímia No desenho devem constar, principalmente: as feições naturais e/ou artificiais (representados através de símbolos padronizados ou convenções) e sua respectiva toponímia a orientação verdadeira ou magnética a data do levantamento a escala a legenda e convenções utilizadas o título (do trabalho) área e perímetro os responsáveis pela execução b) Escala: a escolha da escala da planta se dá em função do tamanho da folha de papel a ser utilizado, do afastamento dos eixos coordenados, das folgas ou margens e da precisão requerida para o trabalho. c) Memorial Descritivo: é um documento indispensável para o registro, em cartório, da superfície levantada. Deve conter a descrição pormenorizada desta superfície no que diz respeito à sua localização, confrontantes, área, perímetro, nome do proprietário etc.

49 47 Figura 63 Convenções Topográficas Avaliação de Áreas de Figuras Planas Impressas De posse da planta, carta ou mapa, o engenheiro pode dar início aos estudos que antecedem às fases de planejamento e projeto. A avaliação de áreas de figuras planas impressas faz parte deste estudo e tem como objetivo informar ao engenheiro quais as áreas envolvidas por um determinado projeto. A seguir, encontram-se os principais métodos de avaliação de áreas de figuras planas Método de Equivalências Gráficas Método da Decomposição Este método é utilizado na determinação da área aproximada de uma figura qualquer de lados retilíneos, delimitada sobre o papel e em qualquer escala. O método consiste em decompor a figura original em figuras geométricas conhecidas (triângulos, retângulos, trapézios etc) e, uma vez determinada a área de todas as figuras decompostas separadamente (através de fórmulas elementares), a área da figura original será dada pelo somatório das áreas parciais.

50 48 A figura a seguir ilustra a decomposição de uma figura irregular em quatro figuras geométricas conhecidas (três triângulos e um trapézio) cujas áreas podem ser calculadas: Figura 64 Decomposição da figura S1 = ( AG.h1 ) 2 S2 = ( BF. h 2 ) ( BF. h 3 ) S3 = 2 2 S4 = (CD + FE ) 2.h Método dos Trapézios O método dos Trapézios ou de Bezout é utilizado na avaliação de áreas ditas extrapoligonais, ou seja, aquelas que representam figuras decompostas de lados irregulares ou curvos (delimitados por uma estrada, rio, lago etc.). Como mostra a figura a seguir, o método consiste em dividir a figura decomposta em vários trapézios de alturas (h) iguais. Figura 65 Método dos Trapézios Para a referida figura, a área será dada pela relação: b S = E + bi. h 2 onde, be = b1 + bn (soma das bases externas: trapézios extremos) e bi = b bn-1 (soma das bases internas) Nestes casos, a precisão da área obtida é tanto maior quanto menor for o valor de (h) Método do Gabarito Para uma avaliação rápida e eficiente de áreas de figuras quaisquer (irregulares ou não) costumam-se utilizar gabaritos. Os gabaritos são normalmente construídos sobre superfícies plásticas transparentes, vidro ou papel. Para a avaliação de áreas, dois tipos de gabaritos podem ser utilizados. São eles: Por Faixas

51 49 Este é um gabarito que consiste de linhas horizontais traçadas a intervalos regulares, ou seja, espaçadas entre si de um mesmo valor gerando várias faixas consecutivas. Assim, para a determinação da área de uma figura basta posicionar o gabarito sobre a mesma e, com o auxílio de uma mesa de luz e uma régua, medir o comprimento das linhas que interceptam os seus limites. A área da figura é função do espaçamento entre as linhas (h) e do comprimento das mesmas ao interceptar os limites da figura (Σb). Assim, para um número n de linhas medido: S = h.σ b i para i = 1, 2,..., n Como para o método anterior, a precisão da área obtida é tanto maior quanto menor for o valor de (h) Quadrículas Este é um gabarito que consiste de linhas horizontais e verticais traçadas a intervalos regulares gerando um conjunto de quadrículas. Assim como para o método anterior, a medida da área de uma figura é determinada posicionando-se o gabarito sobre a figura e, com o auxílio de uma mesa de luz, contar o número de quadrículas contidas pela mesma. A figura a seguir ilustra o conjunto de quadrículas contidas em uma figura traçada sobre um mapa. Figura 66 Método das quadrículas A área da figura é função da área da quadrícula base (s Q) e do número de quadrículas envolvidas (Qn). S = s Q.Q n A precisão da área obtida por este método é tanto maior quanto menor for a área da quadrícula.

52 Método Mecânico ou Eletrônico O método é dito mecânico ou eletrônico quando, para a avaliação da área, utilizam-se aparelhos mecânicos ou eletrônicos Planímetro Polar O planímetro é um aparelho que consiste de duas hastes articuladas, um pólo, um traçador e um tambor. Na extremidade da primeira haste encontra-se uma ponta seca presa a um peso, denominada pólo, utilizada para a fixação da própria haste. Na extremidade da segunda haste há uma lente cujo centro é marcado por um ponto ou cruzeta, denominada traçador. Na articulação das duas hastes encontra-se um tambor graduado conectado a um contador de voltas. A este conjunto denomina-se integrante. A diferença do aparelho mecânico para o eletrônico está justamente no integrante. Para o aparelho mecânico, há necessidade de ler o número de voltas que o aparelho deu ao percorrer o perímetro de uma determinada figura e, em função da escala da planta, calcular a área através de uma relação matemática. O aparelho eletrônico (figura a seguir) permite a entrada da escala da planta (através de digitação) e a escolha da unidade a ser trabalhada. Assim, ao terminar de percorrer a figura, este exibe, automaticamente, o valor da área num visor de LCD (cristal líquido). Figura 67 Planímetro polar - eletrônico A utilização do planímetro se faz: Sempre em superfície plana. O pólo pode ser fixado dentro ou fora da figura a medir, dependendo do seu tamanho. As hastes devem ser dispostas de maneira a formar um ângulo aproximadamente reto entre si, assim é possível verificar se o traçador contornará a figura facilmente.

53 51 Escolhe-se um ponto de partida para as medições. O aparelho pode ser zerado neste ponto. Percorre-se o contorno da figura com o traçador, no sentido horário, voltando ao ponto de partida. Faz-se a leitura do tambor (aparelho mecânico), ou, a leitura no visor (aparelho eletrônico). Para a avaliação final da área, toma-se sempre a média de (no mínimo) três leituras com o planímetro. Figura 68 Utilização do planímetro

54 52 Caderno de Exercícios Parte 1

55 53 Nome: RA: PER: 1) Para que cada ponto da superfície da Terra possa ser localizado foi criado um sistema de linhas imaginárias chamado de Sistema de Coordenadas Geográficas. A coordenada geográfica de um determinado ponto da superfície da Terra é obtida pela interseção de um paralelo e um meridiano. Paralelos e Meridianos são definidos por suas dimensões de latitude e longitude respectivamente. Se você tem um Atlas procure melhor entender esse conceito apresentado. Também, com o acesso à Internet, e os aplicativos hoje disponibilizados, procure definir alguns pontos da superfície da Terra que você gostaria de conhecer e determine as suas coordenadas geográficas. Pode ser, por exemplo, onde você mora, a chácara da família, pontos turísticos que você já visitou ou gostaria de visitar, um acidente geográfico e o que mais você achar interessante. Faça uma tabela com o local, a latitude, a longitude e a fonte daquelas coordenadas indicadas. Discuta com os colegas os locais que cada um pesquisou e os valores das coordenadas obtidas. Procure também identificar os locais indicados pelas coordenadas geográficas dadas abaixo: Latitude Longitude 22º 56 56,66 S 43º 09 26,58 W 41º 54 07,78 N 12º 27 21,97 E 25º 24 30,5 S 54º 35 34,06 W 13º 09 55,25 S 72º 32 25,74 W Local Discuta com os colegas os locais que cada um encontrou com as coordenadas fornecidas.

56 54 Nome: RA: PER: 2) Foi medido um terreno em um levantamento expedito, onde os ângulos foram determinados pelo método das cordas, e as distâncias e as diagonais medidas com trena. Calcular os ângulos internos e seu erro angular. Obs. Todas as medidas estão em metros. Ponto Ângulo Horizontal Total Erro Angular = Erro angular é a diferença entre o valor esperado para a somatória dos ângulos do polígono e a somatória dos valores obtidos. 3) Em relação ao exercício anterior, considerando as medidas tomadas com a trena para os lados e as diagonais, pede-se calcular a área do terreno. Área =

57 55 Nome: RA: PER: 4) Considere a seguinte Caderneta de Traçado de Alinhamento (simplificada), obtida de um levantamento topográfico realizado na Fase de Exploração do projeto de uma estrada. Calcule as deflexões dos alinhamentos. CADERNETA DE ALINHAMENTO - FASE DE EXPLORAÇÃO DE PARA DISTÂNCIA (m) AZIMUTES A B 2143, B C 762, C D 689, D E 1786, E F 800, DEFLEXÕES ESQUERDA DIREITA Em projetos de estradas, ou qualquer outra obra linear, os pontos de mudança de direção tem sua posição indicada por estacas, que correspondem a uma unidade de medida (em geral igual a 20 metros). Quando os pontos de mudança de direção não são coincidentes com estacas inteiras (o que geralmente acontece) são indicados pela estaca inteira imediatamente anterior mais a distância do ponto a essa estaca em metros. Assim, a estaca fracionária resulta quando a extensão do alinhamento não é divisível por 20. Por exemplo, se o alinhamento tem uma extensão de 125,00 m e tem início na Estaca Zero, a sua outra extremidade fica caracterizada pela Estaca 6 + 5,00 m. Também pode existir estaca fracionária, entre duas estacas inteiras, quando houver um acidente topográfico, travessia de curso d água ou outro acidente digno de nota. Cálculo do Estaqueamento Vértices ou Estacas De Para A B Distância (m) Estaca Acumulada 2143,50 B C 762,85 C D 689,51 D E 1786,34 E F 800,40 Estaca Parcial

58 56 Nome: RA: PER: 5) Para as poligonais abaixo, calcule os azimutes e os rumos dos alinhamentos. EST PV A B B C C D D E E F EST PV A B B C C D D E E F ÂNG. HOR. AZIMUTE RUMO Q ÂNG. HOR. AZIMUTE RUMO Q

59 57 Nome: RA: PER: 6) Calcule os azimutes e os rumos do levantamento topográfico abaixo. EST PV ÂNGULO CORREÇÃO HORIZONTAL A B B C C D D E E F F G G A ÂNGULO HOR.COR. AZIMUTE RUMO Q Azimute de G para A =

60 58 Nome: RA: PER: 7) No exercício anterior já foram calculados os azimutes e os rumos dos alinhamentos. Determinar as projeções parciais em X e em Y de cada estação da poligonal. X = DH. sen( Az ) ou X = DH. sen( Rumo ) e Y = DH. cos( Az ) ou Y = DH. cos( Rumo ) PV B C D E F G A EST A B C D E F G AZIMUTE DIST X Comp Y Comp X comp Y comp X 1.000,000 Y 1.000,000 Dadas XE = 1.000,000m e YE = 1.000,000m calcular as demais coordenadas totais.

61 59 Nome: RA: PER: 8) Calcule a área da poligonal do exercício anterior. Pto X Y Xn. Yn+1 Yn. Xn+1 A B C D E F G A Σ1 = Σ (Xn. Yn+1) = Σ2 = Σ (Yn. Xn+1) = A área do terreno é =

62 B A Proprietário: Pedro Bacana NM Sede Barracão LAGO C Bosque 9) Sendo dadas as coordenadas retangulares já calculadas dos pontos de divisa (A, B, C e D) da propriedade às margens da Estrada Municipal Caminho da Fortuna, pede-se calcular os elementos de divisa (Distância, Rumo e Azimute). Indicar no círculo a direção do NM. Calcular também a área Bairro da propriedade. Proprietária: Maria Maravilha PLANILHA PARA CÁLCULO DOS ELEMENTOS DE DIVISAD Ponto de Divisa X Y DH RUMO Q AZIMUTE X Y 142, ,850 B 78, ,520 C 47, ,320 D 102,100 85,100 A 142, , RA: A Centro Nome: Proprietário: João da Paz

63 59 Parte 2

64 Levantamentos Altimétricos Ou, simplesmente, nivelamento, é a operação que determina as diferenças de nível ou distâncias verticais entre pontos do terreno. O nivelamento destes pontos pode inclui também o transporte da cota ou altitude de um ponto conhecido (RN Referência de Nível) para os pontos nivelados. A altitude (H) de um ponto da superfície terrestre pode ser definida como a distância vertical deste ponto à superfície média dos mares (nível médio das águas do mar - no Geóide). A cota (C) de um ponto da superfície terrestre, por sua vez, pode ser definida como a distância vertical deste ponto à uma superfície qualquer de referência (que é fictícia e que, portanto, não é o Geóide). Esta superfície de referência pode estar situada abaixo ou acima da superfície determinada pelo nível médio dos mares. À altitude corresponde um nível verdadeiro, que é a superfície de referência para a obtenção da DV ou DN e que coincide com a superfície média dos mares, ou seja, o Geóide. Altitude Nível Verdadeiro À cota corresponde um nível aparente (arbitrário), que é a superfície de referência para a obtenção da DV ou DN e que é paralela ao nível verdadeiro. Cota Nível Aparente A figura a seguir ilustra a cota (C) e a altitude (H) tomados para um mesmo ponto da superfície terrestre (A). Torna-se evidente que os valores de C e H não são iguais pois os níveis de referência são distintos. Figura 69 Cota e Altitude O desnível entre os extremos de um segmento DNAB é dado pela diferença entre a altitude (ou cota) do ponto final (B) do segmento e a altitude (ou cota) do ponto inicial (A). Portanto DNAB = DNBA. Os métodos de nivelamento utilizados na determinação dos desníveis entre pontos e o posterior transporte da cota ou altitude são:

65 Nivelamento Trigonométrico Baseia-se na medida de distâncias horizontais e ângulos de inclinação para a determinação da cota ou altitude de um ponto através de relações trigonométricas. Os métodos que se utilizam de equipamentos que medem ângulos verticais para a determinação da altura de objetos ou da altitude de pontos são denominados Nivelamentos Trigonométricos, pois empregam a trigonometria para a solução dos problemas. Portanto, obtém valores que podem estar relacionados ao nível verdadeiro ou ao nível aparente, dependendo do levantamento. Determinando-se a leitura de um ângulo vertical (α) tomado de um ponto (onde está localizado o aparelho - A) até outro ponto qualquer - B, e, uma vez conhecida a distância horizontal entre estes dois pontos, é possível determinar a diferença de nível ou distância vertical entre eles através da seguinte relação: DN = DV = DH.tg (α) Figura 70 Determinação da diferença de nível Observar que foi utilizada a mesma altura (h) do aparelho e da leitura no ponto visado, o que faz DN = DV. Exemplo: A altura da árvore BB pode ser determinada por: B α Figura 71 Exemplo de utilização de nivelamento trigonométrico onde: BB' = DVα + DVα ' = DH.[ tg (α ) + tg (α ' ) ]

66 62 b) Com aparelhos (Teodolito ou Estação Total) C C DH AC DI DH BC A ou B β1 A DV α DH β2 Base [DH] B Figura 72 Exemplo de utilização de aparelhos Como exemplo a Figura, a cota ou altitude do ponto C pode ser determinada a partir do nivelamento trigonométrico onde são conhecidos a Base AB (DHAB), os ângulos horizontais β1 e β2 e o(s) ângulo(s) de inclinação α entre o ponto A ou B e o ponto C. As distâncias DHAC e DHBC podem ser calculadas: DH AB DH AC DH BC = = sen(180 β 1 β 2 ) sen β 2 sen β 1 As distâncias verticais DVAC e DVBC podem ser calculadas: DV = DH.tg (α) As distâncias inclinadas DIAC e DIBC podem ser calculadas: DI = DH cos α A cota ou altitude de C será então calculada por: CC ou HC = CA + IA + DVAC e CC ou HC= CB + IB + DVBC onde CC = cota de C, HC = altitude de C e I = altura do aparelho (ou do instrumento ) Nivelamento Geométrico Este método diferencia-se dos demais, pois está baseado somente na leitura de réguas ou miras graduadas, não envolvendo ângulos. O aparelho utilizado deve estar estacionado preferencialmente a meia distância entre os pontos (ré e vante), dentro ou fora do alinhamento a medir. Os comprimentos das visadas de ré e de vante devem ser aproximadamente iguais e, sendo o ideal, o comprimento máximo de 60m. Para evitar os efeitos do fenômeno de reverberação, as visadas devem situar-se acima de 50cm do solo.

67 63 Assim como para o método anterior, as medidas de DN ou DV podem estar relacionadas ao nível verdadeiro ou ao nível aparente, dependendo do levantamento Nivelamento Geométrico Simples Neste método, indicado pela figura a seguir, instala-se o nível uma única vez, em ponto estratégico, situado ou não sobre a linha a nivelar e eqüidistante aos pontos de nivelamento. Deve-se tomar o cuidado para que o desnível entre os pontos não exceda o comprimento da régua graduada. Figura 73 Nivelamento Geométrico Simples Após proceder a leitura dos fios médios estadimétricos (FM) nos pontos de ré e vante, o desnível pode ser determinado pela relação: DN = FM re FM vante Se DN + então o terreno está em aclive (de ré para vante). Se DN então o terreno está em declive (de ré para a vante). Este tipo de nivelamento pode ser longitudinal, transversal ou radiante e é aplicado a terrenos relativamente planos Nivelamento Geométrico Composto Este método, ilustrado pela figura a seguir, exige que se instale o nível mais de uma vez, por ser, o desnível do terreno entre os pontos a nivelar, superior ao comprimento da régua. Figura 74 Nivelamento Geométrico Composto

68 64 Instala-se o nível eqüidistante aos pontos de ré e intermediário (primeiro de uma série de pontos necessários ao levantamento dos extremos). Procede-se a leitura dos fios médios estadimétricos (FM) nos pontos em questão e o desnível entre os dois primeiros pontos será dado pela relação: DN P = FM re FM int erm. Assim, o desnível total entre os pontos extremos será dado pelo somatório dos desníveis parciais. DN = Σ DN P ou DN = FM re FM int erm. Se DN+ então o terreno está em aclive. Se DN- então o terreno está em declive Precisão do Nivelamento A precisão, tolerância ou erro médio de um nivelamento é função do perímetro percorrido com o nível (em km) e, segundo GARCIA e PIEDADE, classifica-se em: alta ordem: o erro médio admitido é de ±1,5mm/km percorrido. primeira ordem: o erro médio admitido é de ±2,5mm/km percorrido. segunda ordem: o erro médio admitido é de 1,0cm/km percorrido. terceira ordem: o erro médio admitido é de 3,0cm/km percorrido. quarta ordem: o erro médio admitido é de 10,0cm/km percorrido. Onde o erro médio é avaliado da seguinte forma: para poligonais fechadas: é a soma algébrica das diferenças de nível parciais (entre todos os pontos). para poligonais abertas: é a soma algébrica das diferenças de nível parciais (entre todos os pontos) no nivelamento (ida) e no contra-nivelamento (volta). Este erro, ao ser processado, poderá resultar em valores diferentes de zero, para mais ou para menos, e deverá ser distribuído proporcionalmente entre as estações da poligonal, caso esteja abaixo do erro médio total tolerável. Segundo ESPARTEL, o erro médio total tolerável em um nivelamento para um perímetro P percorrido em quilômetros, deverá ser: ε m = ± 5mm P E o erro máximo admissível, segundo o mesmo autor, deverá ser: ε = 2,5.ε m 13. Utilização de um Levantamento Altimétrico Construção de Perfis O perfil é a representação gráfica do nivelamento e a sua determinação tem por finalidade: o estudo do relevo ou do seu modelado, através das curvas de nível;

69 65 a locação de rampas de determinada declividade para projetos de engenharia e arquitetura: edificações, escadas, linhas de eletrificação rural, canais e encanamentos, estradas etc.; o estudo dos serviços de terraplenagem (volumes de corte e aterro). O perfil de uma linha do terreno pode ser de dois tipos: Longitudinal: determinado ao longo do perímetro de uma poligonal (aberta ou fechada), ou, ao longo do seu maior afastamento (somente poligonal fechada). Transversal: determinado ao longo de uma faixa do terreno e perpendicularmente ao longitudinal. São conhecidos como seção transversal. O levantamento de um perfil é feito da seguinte forma: a) Toma-se o maior afastamento (fechada) ou o perímetro (aberta) de uma poligonal e determina-se a linha principal a ser levantada para o levantamento do perfil longitudinal. Faz-se o estaqueamento desta linha em intervalos de 5m, 10m ou 20m. Faz-se o levantamento altimétrico desta linha e determinam-se todos os seus desníveis. Determinam-se também as linhas transversais às estacas da linha principal para o levantamento do perfil transversal. Se a linha longitudinal for o perímetro da poligonal aberta, deve-se traçar, em cada estaca, a linha transversal segundo a bissetriz do ângulo horizontal naquele ponto. Faz-se o estaqueamento das linhas transversais com a mesma precisão da linha principal, ou seja, em intervalos de 5m, 10m ou 20m. Faz-se o levantamento destas linhas transversais e determinam-se todos os seus desníveis. Representam-se os valores dos desníveis obtidos e das distâncias horizontais entre as estacas em um sistema de eixos ortogonais da seguinte forma: No eixo x são lançadas todas as distâncias horizontais entre as estacas em escala apropriada. Ex.: 1: b) No eixo y são lançados todos os valores de cota/altitude das estacas levantadas também em escala apropriada. Ex.: 1:100 (escala em y 10 vezes maior que a escala em x) perfil elevado. 1:1.000 (escala em y igual à escala em x) perfil natural. 1:2.000 (escala em y 2 vezes menor que a escala em x) perfil rebaixado. O desenho final do perfil deverá compor uma linha que une todos os seus pontos definidores Determinação da Declividade entre Pontos do Terreno A declividade ou gradiente entre pontos do terreno é a relação entre a distância vertical e a distância horizontal entre eles. Em porcentagem, a declividade é dada por: d(%) = DN.100 DH

70 66 Em valores angulares, a declividade é dada por: DN d = arc.tg DH Define-se linha de maior declive do terreno num ponto como sendo a linha que, apoiada no terreno e passando pelo ponto, apresenta em todos os seus pontos declive máximo. Segundo GARCIA e PIEDADE, as declividades de terreno classificam-se em: Classe Declividade (%) Declividade ( ) Interpretação A <3 < 1,7 Fraca B 3 a 6 1,7 a 3,4 Moderada C 6 a 12 3,4 a 6,8 Moderada a Forte D 12 a 20 6,8 a 11,3 Forte E 20 a 40 11,3 a 21,8 Muito Forte F > 40 > 21,8 Extremamente Forte Determinação da linha de greide ou linha de projeto A linha de greide (ou de projeto) é o que se pretende construir, e geralmente acompanha o perfil, dotada de uma certa declividade, chamada porcentagem de rampa (i%) e que vai indicar quanto de solo deve ser cortado ou aterrado (em projetos de estradas, por exemplo). Essa porcentagem de rampa pode ser positiva no sentido do estaqueamento (indicando ACLIVE) ou negativa no sentido do estaqueamento (indicando DECLIVE). Assim como a declividade, a porcentagem de rampa é calculada pela relação entre a diferença de nível entre as estacas e a distâncias entre elas. i (%) = DN.100 DH i = + 10% 10m 10m 100m i = 10% 100m ACLIVE DECLIVE Figura 75 Declividades do projeto

71 67 Figura 76 Exemplo Perfil Longitudinal - terreno natural e projeto Exemplos 1. Determine a porcentagem de rampa entre dois pontos sabendo-se que a cota do primeiro ponto A é 471,37m e a cota do segundo ponto B é 476,77m. A distância horizontal entre eles é de 207,70m. i (%) = 476,77-471,37 5, =. 100 = 2,5999% ou 2,60% (positivo de A para B). 207,70 207,70 2. Qual deve ser a diferença de nível de um ponto B, distante 250,00m de um ponto A, sabendo-se que o gradiente entre eles é de 3,5%. DN = DH. i%/100 portanto DN = 250,00 x ( 0,035) = 8,75m (declive de A para B) 14. Geração de Curvas de Nível Como ilustrado na figura a seguir, as curvas de nível ou isolinhas são linhas curvas fechadas formadas a partir da interseção de vários planos horizontais com a superfície do terreno. Cada uma destas linhas, pertencendo a um mesmo plano horizontal tem, evidentemente, todos os seus pontos situados na mesma cota altimétrica, ou seja, todos os pontos estão no mesmo nível.

72 68 Figura 77 Curvas de nível Os planos horizontais de interseção são sempre paralelos e eqüidistantes e a distância entre um plano e outro denomina-se Eqüidistância Vertical. A eqüidistância vertical das curvas de nível depende fundamentalmente de três fatores: o acidentado do terreno, a futura utilização da planta e a escala da planta. Recomendamse os valores de escalas da tabela a seguir. Escala 1:500 1: : : Eqüidistância 0,5m 1,0m 2,0m 10,0m Escala 1: : : : Eqüidistância 10,0m 20,0m 50,0m 100,0m Escala 1: : : : Eqüidistância 100,0m 200,0m 200,0m 500,0m Características das Curvas de Nível As curvas de nível, segundo o seu traçado, são classificadas em: mestras: todas as curvas múltiplas de 5 ou 10 metros. intermediárias: todas as curvas múltiplas da eqüidistância vertical, excluindo-se as mestras. meia-eqüidistância: utilizadas na densificação de terrenos muito planos. A figura a seguir ilustra parte de uma planta altimétrica com curvas de nível.

73 69 * 102,50 * 98,30 Figura 78 Representação de uma planta altimétrica As curvas mestras são representadas por traços mais espessos e são todas cotadas. Como mostra a figura a seguir, curvas muito afastadas representam terrenos planos e curvas muito próximas representam terrenos acidentados. Figura 79 Representação do relevo de um terreno

74 70 Figura 80 Curvas de nível terreno plano e terreno acidentado A maior declividade (d%) do terreno ocorre no local onde as curvas de nível são mais próximas e vice-versa. Para o traçado das curvas de nível os pontos notáveis do terreno (aqueles que melhor caracterizam o relevo) devem ser levantados altimetricamente. É a partir destes pontos que se interpolam, gráfica ou numericamente, os pontos definidores das curvas. OBS: Nos cumes e nas depressões o relevo é representado por pontos cotados (ver Figura e Figura ). Em terrenos naturais (não modificados pelo homem) as curvas tendem a um paralelismo e são isentas de ângulos vivos e quebras Normas para o Desenho das Curvas de Nível Duas curvas de nível jamais devem se cruzar. Figura 81 Curvas de nível - ERRADO Duas ou mais curvas de nível jamais poderão convergir para formar uma curva única, com exceção das paredes verticais de rocha. Figura 82 Curvas de nível - ERRADO

75 71 Uma curva de nível inicia e termina no mesmo ponto, portanto, ela não pode surgir do nada e desaparecer repentinamente. Figura 83 Curvas de nível - ERRADO Obtenção das Curvas de Nível Após o levantamento planimétrico do terreno pode-se empregar um dos três métodos abaixo para a obtenção das curvas de nível: a) Quadriculação Consiste em quadricular o terreno (com piquetes) e nivelá-lo. O valor do lado do quadrilátero é escolhido em função: da sinuosidade da superfície; das dimensões do terreno; da precisão requerida; e do comprimento da trena. No escritório, as quadrículas são lançadas em escala apropriada, os pontos de cota inteira são interpolados e as curvas de nível são traçadas. b) Irradiação Taqueométrica Consiste em levantar poligonais maiores (principais) e menores (secundárias) interligadas. Todas as poligonais devem ser niveladas. Das poligonais (principal e secundárias) irradiam-se os pontos notáveis do terreno, nivelando-os e determinando a sua posição através de ângulos e de distâncias horizontais. No escritório, as poligonais são calculadas e desenhadas, os pontos irradiados são locados e interpolados e as curvas de nível são traçadas. c) Seções Transversais Método utilizado na obtenção de curvas de nível em faixas, ou seja, em terrenos estreitos e longos. Consiste em implantar e levantar planialtimetricamente os pontos definidores das linhas transversais à linha longitudinal definida por uma poligonal aberta. No escritório, a poligonal aberta e as linhas transversais são determinadas e desenhadas, os pontos de cada seção são interpolados e as curvas de nível são traçadas Interpolação A interpolação para obtenção das curvas de nível pode ser gráfica ou numérica. a) Interpolação Gráfica Consiste em determinar, entre dois pontos de cotas fracionárias, o ponto de cota cheia ou inteira e múltiplo da eqüidistância vertical. Sejam, portanto, dois pontos A e B de cotas conhecidas e cuja distância horizontal também se conhece.

76 72 O método consiste em traçar perpendiculares ao alinhamento AB, pelo ponto A e pelo ponto B respectivamente. Sobre estas perpendiculares lançam-se: o valor que excede a cota inteira (sentido positivo do eixo, pelo ponto A ou B, aquele de maior cota); e o valor que falta para completar a cota inteira (sentido negativo do eixo, pelo ponto A ou B, aquele de menor cota). Este lançamento pode ser feito em qualquer escala. Os valores lançados sobre as perpendiculares por A e B resultam nos pontos C e D, que determinam uma linha. A interseção desta linha (CD) com o alinhamento (AB) é o ponto de cota inteira procurado. Ex.: seja c(a) = 12,6m, c(b) = 13,7m e DHAB = 20,0m. Determine o ponto de cota inteira entre A e B e sua localização. b) Interpolação Numérica O método consiste em determinar os pontos de cota inteira e múltiplos da eqüidistância vertical por semelhança de triângulos: Pela figura abaixo pode-se deduzir que: AE AB assim como AC (AC + BD) portanto AE = AC. AB ( AC + BD) Para o exemplo do método anterior, AE calculado pela relação acima corresponde a 7,27m. Isto equivale ao resultado obtido graficamente O Modelado Terrestre O modelado terrestre (superfície do terreno), tal qual se apresenta atualmente, teve origem nos contínuos deslocamentos da crosta terrestre (devidos à ação de causas internas) e na influência dos diversos fenômenos externos (tais como chuvas, vento, calor solar, frio intenso) que com a sua ação mecânica e química, alteraram a superfície estrutural original transformando-a em uma superfície escultural. Para compreender melhor as feições (acidentes geográficos) que o terreno apresenta e, como as curvas de nível se comportam em relação às mesmas, algumas definições geográficas do terreno são necessárias As Curvas de Nível e os Principais Acidentes Geográficos Naturais Cume: cimo ou crista, é a ponto mais elevado de uma montanha. Serra: cadeia de montanhas de forma muito alongada donde partem os contrafortes. Vertente: flanco, encosta ou escarpa, é a superfície inclinada que vem do cimo até a base das montanhas. Pode ser à esquerda ou à direita de um vale, ou seja, a que fica à mão esquerda e direita respectivamente do observador colocado de frente para a foz do

77 73 curso d água. As vertentes, por sua vez, não são superfícies planas, mas sulcadas de depressões que formam os vales secundários. Elevação e Depressão: são superfícies nas quais as curvas de nível de menor valor envolvem as de maior no caso das elevações e vice-versa para as depressões. Figura 84 Elevação e Depressão Espigão: constitui-se numa elevação alongada que tem sua origem em um contraforte. Figura 85 Espigão Talvegue: linha de encontro de duas vertentes opostas (pela base) e segundo a qual as águas tendem a se acumular formando os rios ou cursos d água.

78 74 Figura 86 Talvegue Vale: superfície côncava formada pela reunião de duas vertentes opostas (pela base), e conforme figura, podem ser de fundo côncavo, de fundo de ravina ou de fundo chato. Figura 87 Vale Divisor de águas: é a linha formada pelo encontro de duas vertentes opostas (pelos cumes) e segundo a qual as águas se dividem para uma e outra destas vertentes.

79 75 Figura 88 Divisor de águas Dorso: superfície convexa formada pela reunião de duas vertentes opostas (pelos cumes), e conforme figura abaixo, podem ser alongados, planos ou arredondados. Neste, as curvas de nível de menor valor envolvem as de maior. Figura 89 Dorso O talvegue está associado ao vale enquanto o divisor de águas está associado ao dorso. Colo: ou garganta, é o ponto onde as linhas de talvegue (normalmente duas) e de divisores de águas (normalmente dois) se curvam fortemente, mudando de sentido. Figura 90 Colo ou Garganta

80 Automatização de trabalhos topográficos Um Modelo Numérico de Terreno (MNT) é uma representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre. Dados de relevo, informações geológicas, levantamentos de profundidades do mar ou de um rio, informação meteorológicas e dados geofísicos e geoquímicos são exemplos típicos de fenômenos representados por um MNT. Dentre alguns usos do MNT pode-se citar: Armazenamento de dados de altimetria para mapas topográficos; Análises de corte-aterro para projeto de estradas e barragens; Elaboração de mapas de declividade e exposição para apoio a análise de geomorfologia e erodibilidade; Análise de variáveis geofísicas e geoquímicas; Apresentação tridimensional (em combinação com outras variáveis). Para a representação de uma superfície real no computador é indispensável a elaboração e criação de um modelo digital, que pode estar representado por equações analíticas ou uma rede (grade) de pontos regulares ou irregulares, de modo a transmitir ao usuário as características espaciais do terreno. A criação de um modelo numérico de terreno corresponde a uma nova maneira de enfocar o problema da elaboração e implantação de projetos. A partir dos modelos (grades) pode-se calcular diretamente volumes, áreas, desenhar perfis e seções transversais, gerar imagens sombreadas ou em níveis de cinza, gerar mapas de declividade e aspecto, gerar fatiamentos nos intervalos desejados e perspectivas tridimensionais. No processo de modelagem numérica de terreno podemos distinguir três fases: aquisição dos dados, geração de grades e elaboração de produtos representando as informações obtidas que são as suas aplicações. A aquisição dos dados ou amostragem compreende a aquisição de um conjunto de amostras representativas do fenômeno de interesse. Geralmente essas amostras estão representadas por curvas de isovalores e pontos tridimensionais. A geração de grades ou interpolação envolve a criação de estruturas de dados e a definição de superfícies de ajuste com o objetivo de se obter uma representação contínua do fenômeno a partir das amostras. Essas estruturas são definidas de forma a possibilitar uma manipulação conveniente e eficiente dos modelos pelos algoritmos de análise. Um mapa 3D será assim, uma representação tridimensional de um mapa 2D sobre um modelo sólido de terreno, seguindo um processo que se pretende ilustrar. Figura 91 Ilustração esquemática da seqüência de imagens

81 77 As estruturas de dados mais utilizadas são a grade regular e a malha triangular. Figura 92 Exemplo de grade regular. A modelagem digital do terreno permite que os pontos levantados de um terreno possam definir um modelo tridimensional e, a partir dele, gerar seções transversais e perfis longitudinais, além de calcular volumes entre terrenos e planos ou terrenos e medições. Figura 93 Modelo tridimensional de terreno As aplicações são procedimentos de análise executados sobre os modelos digitais. As aplicações podem ser qualitativas, tais como a visualização do modelo usando-se projeções geométricas ou quantitativas tais como cálculos de volumes e geração de mapas de declividades.

82 78 Figura 94 Imagem temática gerada a partir do fatiamento de um modelo digital de terreno. Figura 95 Imagem obtida do aplicativo Google Earth Observe a imagem acima e identifique o modelado do terreno. É possível delimitarmos as bacias de drenagem existentes.

Introdução à Topografia

Introdução à Topografia Topografia Introdução à Topografia Etimologicamente a palavra TOPOS, em grego, significa lugar e GRAPHEN descrição, assim, de uma forma bastante simples, Topografia significa descrição do lugar. O termo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 02 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Aula 02 Prof. Dr. Guttemberg da Silva Silvino Introdução Topografia Definição de Topografia

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Curso: Engenharia Civil. Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DE AULA

FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA. Curso: Engenharia Civil. Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DE AULA FSP FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Curso: Engenharia Civil Prof.ª Amansleone da S. Temóteo APONTAMENTO DE AULA 1. INSTRUMENTOS DE TOPOGRAFIA Instrumentos de topografia se referem aos equipamentos necessários

Leia mais

Topografia Aplicada à Engenharia Civil AULA 01

Topografia Aplicada à Engenharia Civil AULA 01 Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 01 Apresentação da Disciplina e Conceitos Iniciais Profº Rodolfo Moreira de Castro JúniorJ Graduação: Engº Cartógrafo Mestrado: Informática Geoprocessamento

Leia mais

Aula 8 : Desenho Topográfico

Aula 8 : Desenho Topográfico Aula 8 : Desenho Topográfico Topografia, do grego topos (lugar) e graphein (descrever), é a ciência aplicada que representa, no papel, a configuração (contorno,dimensão e posição relativa) de um porção

Leia mais

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA

AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA AULA III MEDIDA DE DISTÂNCIA 1. Introdução. 2. Medida Direta de Distâncias. 2.1. Equipamentos utilizados na Medida Direta de Distâncias. 2.2. Cuidados na Medida Direta de Distâncias. 2.3. Método na Medida

Leia mais

Disciplina: Topografia I

Disciplina: Topografia I Curso de Graduação em Engenharia Civil Prof. Guilherme Dantas Fevereiro/2014 Disciplina: Topografia I Indrodução atopografia definição Definição: a palavra "Topografia" deriva das palavras gregas "topos"

Leia mais

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Topografia e Cartografia Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli 1. Introdução a Topografia. 1.1. Definição. Como seria uma cidade se os donos de propriedades

Leia mais

AULA 01. Prova 01 14/10 (40%) Prova 02 02/12 (40%) Projeto planimétrico (10%) Projeto altimétrico (10%) 09/12 Prova de recuperação (100%)

AULA 01. Prova 01 14/10 (40%) Prova 02 02/12 (40%) Projeto planimétrico (10%) Projeto altimétrico (10%) 09/12 Prova de recuperação (100%) AULA 01 1. Apresentação da disciplina 1.1. Ementa Equipamentos topográficos; Medição linear e angular; orientação dos alinhamentos; Processos de levantamento planimétrico e altimétrico; Estadimetria; Desenho

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS - ESALQ / USP LEB 340 - Topografia e Geoprocessamento I Prof. Rubens Angulo Filho 1º Semestre de 2015

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS - ESALQ / USP LEB 340 - Topografia e Geoprocessamento I Prof. Rubens Angulo Filho 1º Semestre de 2015 Trabalho prático nº 01: Levantamento à Trena 1) Material: a) trena de 20,0m; b) 3 balizas; c) 4 fichas; d) GPS de navegação 2) Método: A medição dos alinhamentos, no campo, será executada por 3 balizeiros

Leia mais

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias.

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS - FESO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Profª Drª Verônica Rocha Bonfim Engª Florestal

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL Área de Topografia e Geoprocessamento 1 EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA Professores: Rubens Angulo Filho

Leia mais

APOSTILA TOPOGRAFIA PRÁTICA

APOSTILA TOPOGRAFIA PRÁTICA APOSTILA TOPOGRAFIA PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO A TOPOGRAFIA O verdadeiro nascimento da topografia veio da necessidade de o homem ter conhecimento do meio em que vive. Este desenvolvimento ocorreu desde os primeiros

Leia mais

NIVELAMENTO GEOMÉTRICO

NIVELAMENTO GEOMÉTRICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEODÉSIA TOPOGRAFIA I NIVELAMENTO GEOMÉTRICO PROFESSOR JORGE LUIZ BARBOSA DA SILVA JUNHO/2003 MONITORES: VIVIAN, RODRIGO

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

Estudos Ambientais. Aula 4 - Cartografia

Estudos Ambientais. Aula 4 - Cartografia Estudos Ambientais Aula 4 - Cartografia Objetivos da aula Importância da cartografia; Conceitos cartográficos. O que é cartografia Organização, apresentação, comunicação e utilização da geoinformação nas

Leia mais

TOPOGRAFIA O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO

TOPOGRAFIA O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO 200784 Topografia I TOPOGRAFIA O LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 2 1. AS GRANDEZAS MEDIDAS Lineares 200784 Topografia I 2 1. AS

Leia mais

Levantamento. Levantamento altimétrico:

Levantamento. Levantamento altimétrico: Levantamento planimétrico trico: projeção plana que não traz informações acerca do relevo do terreno levantado; somente acerca de informações relativas à medições feitas na horizontal. Levantamento altimétrico:

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 As projeções do lado do polígono, com rumo no 4 o quadrante, sobre os eixos x e y são, respectivamente: a) positiva e positiva b) positiva e negativa c)

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- TOPOGRAFIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. Com base nos seus conhecimentos, complete a lacuna com a alternativa abaixo que preencha corretamente

Leia mais

Engenharia Civil. Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com

Engenharia Civil. Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com Engenharia Civil Alexandre Souza Eng. Agrimensor MSc. alexandre0363@gmail.com Levantamento topográfico -Planimetria Em um levantamento topográfico, normalmente são determinados pontos de apoio ao levantamento

Leia mais

Lista de Exercícios de Topografia Planimetria

Lista de Exercícios de Topografia Planimetria Lista de Exercícios de Topografia Planimetria 1. Cite 3 métodos de levantamento topográfico e uma situação prática onde cada um poderia ser empregado. 2. Verifique se existe erro de fechamento angular

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Terra Departamento de Geomática Profa. Dra. Regiane Dalazoana LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS II GA108 a) Cálculo de Volumes

Leia mais

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica

Topografia Levantamentos Topográficos. Sistema de Referência. Coordenadas Geodésicas (j, l, h) Projecção Cartográfica LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS OBJECTIVO O objectivo desta disciplina é a aprendizagem de métodos e técnicas de aquisição de dados que possibilitem a determinação das coordenadas cartográficas de um conjunto

Leia mais

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO

TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO TOPOGRAFIA INTRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2013-1 Objetivos Conhecer o professor e o curso Importância do ENADE Iniciação Científica Importância da Topografia Conhecer mais sobre a Terra O que é topografia

Leia mais

Topografia Aplicada a Terraplenagem

Topografia Aplicada a Terraplenagem Topografia Aplicada a Terraplenagem ALTIMETRIA Nivelamento Geométrico Método das Visadas Extremas PLANIMETRIA Malha Regular PLANIMETRIA IMPLANTAÇÃO DA MALHA REGULAR Equipamentos: 1 Teodolito (Utilizado

Leia mais

ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES

ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES Topografia Medições de Distâncias ALGUNS TERMOS TÉCNICOS IMPORTANTES Ponto topográfico: É todo e qualquer ponto do terreno, que seja importante e levado em conta na medição da área. Ao final de cada alinhamento

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL

EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL EXERCÍCIOS DE APOIO ÀS AULAS PRÁTICAS DE TOPOGRAFIA ENGENHARIA CIVIL INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DOCENTES (2009/2010) 2009/2010 Ana Paula Falcão Flôr Ricardo

Leia mais

SISTEMAS DE COORDENADAS E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS. Prof. M.Sc. César Vinícius Mendes Nery Email: vinicius.nery@ifnmg.edu.br Skipe: vinicius_nery

SISTEMAS DE COORDENADAS E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS. Prof. M.Sc. César Vinícius Mendes Nery Email: vinicius.nery@ifnmg.edu.br Skipe: vinicius_nery SISTEMAS DE COORDENADAS E PROJEÇÕES CARTOGRÁFICAS Prof. M.Sc. César Vinícius Mendes Nery Email: vinicius.nery@ifnmg.edu.br Skipe: vinicius_nery Objetivos Ao final da aula o aluno deve: Comparar os modelos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA APOSTILA 4

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA APOSTILA 4 Gerência da Construção Civil, Geomática e Meio Ambiente Professor: Cristiano Nascimento APOSTILA 4 Desenho Técnico Topográfico (Instrumental e Normas) DESENHO TÉCNICO TOPOGRÁFICO (INSTRUMENTAL E NORMAS)

Leia mais

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA]

[APOSTILA DE TOPOGRAFIA] 2009 [APOSTILA DE TOPOGRAFIA] - SENAI-DR/ES CEP HRD APOSTILA DE TOPOGRAFIA Apostila montada e revisada pela Doc. Regiane F. Giacomin em março de 2009. Tal material foi baseado, e recortado em alguns momentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Prof. Dr. Guttemberg Silvino Considerações Iniciais Todo mapa/carta/planta é uma representação

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL

Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL Licenciatura em Engenharia Civil 1º Ano 2º Semestre Topografia Ano Lectivo 2004/2005 TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL Trabalho

Leia mais

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO META Mostrar as normas básicas de posicionamento e direção terrestre e apresentar formas de orientação que auxiliam na localização. OBJETIVOS Ao

Leia mais

Nivelamento geométrico

Nivelamento geométrico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA Nivelamento geométrico DR. CARLOS AURÉLIO NADAL PROFESSOR TITULAR Tipos de Nivelamento: 1. GEOMÉTRICO: mais preciso dos

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

Introdução a Topografia

Introdução a Topografia Resumo dos conhecimentos necessários para o entendimento e uso das técnicas de levantamento e descrição do terreno para a aplicação na implantação da faixa de dutos. 1 Definição de Topografia A palavra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL Cap. 01 - Mapas e Seções Geológicas GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA Antes que se comece a estudar

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE TOPOGRAFIA SUMÁRIO 1.0 - INTRODUÇÃO 1.1 - ESPECIFICAÇÕES CORRELATAS 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO 2.1 - POLIGONAIS DE 1

Leia mais

Breve Introdução à Informação Geográfica. João Carreiras Geo-DES jmbcarreiras@iict.pt

Breve Introdução à Informação Geográfica. João Carreiras Geo-DES jmbcarreiras@iict.pt Breve Introdução à Informação Geográfica João Carreiras Geo-DES jmbcarreiras@iict.pt Resumo 1 Informação Geográfica 2 Características da Informação Geográfica 3 Conceito de Escala 4 Coordenadas, Projecções

Leia mais

DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO

DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA DISCIPLINA TOPOGRAFIA B NIVELAMENTO TRIGONOMÉTRICO DR. CARLOS AURÉLIO NADAL PROFESSOR TITULAR Equipe do USGS - 1902 Equipe

Leia mais

18/11/2010 CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS. Objetivo.

18/11/2010 CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS CURSO BÁSICO DE GPS. Objetivo. Objetivo Autos de Infração 2007 - SICAFI - Objetivo Objetivo Ponto coletado em WGS84 e reinserido em SAD69. Erro de 67.98 metros O Sistema GPS O Sistema GPS O sistema GPS foi desenvolvido pelo Departamento

Leia mais

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK

LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK LEVANTAMENTOS TOPOGRÁFICOS ESTAÇÃO TOTAL x GPS RTK Douglas Luiz Grando 1 ; Valdemir Land 2, Anderson Clayton Rhoden 3 Palavras-chave: Topografia; Geodésia; GPS de Precisão. INTRODUÇÃO Com a evolução das

Leia mais

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0

A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 A Topografia no Sistema CR - Campeiro 7.0 Introdução a Topografia Enio Giotto Professor Titular da UFSM Elódio Sebem Professor Associado da UFSM SUMÁRIO 1 A TOPOGRAFIA E SEU CAMPO DE ATUAÇÃO 2 DIVISÃO

Leia mais

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03

Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Topografia Geomática Aplicada à Engenharia Civil AULA 03 Medidas Lineares Diretas e Indiretas: Leitura e Formulação Laboratório de Cartografia Digital - CTUFES Definição de levantamento topográfico NBR13.133/1994

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ

TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ TERMO DE REFERÊNCIA: IMPLANTAÇÃO DA GRADE DE TRILHAS E PARCELAS PERMANENTES NA RESERVA BIOLÓGICA DO UATUMÃ 1. Objeto Contratação de serviço especializado de topografia plani-altimétrica georeferenciada

Leia mais

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares;

Por que os cartógrafos e os geógrafos têm necessidade de conhecer topografia? Os levantamentos de base não existem em todos os lugares; 1 - ELEMENTOS DE TOPOGRAFIA Definição: É o conjunto de técnicas aplicadas ao terreno, cujo objeto é o estabelecimento das cartas e das plantas. Conforme a etimologia da palavra, topografia é a arte de

Leia mais

TOPOGRAFIA AULA1 PORQUE? Prof. M.Sc. Engenharia Civil Diogo Maia diogomai@gmail.com

TOPOGRAFIA AULA1 PORQUE? Prof. M.Sc. Engenharia Civil Diogo Maia diogomai@gmail.com TOPOGRAFIA AULA1 PORQUE? Desenvolve a capacidade de visualização do terreno, abordando os princípios práticos e teóricos dos atuais métodos de levantamentos topográficos, bem como sua representação, com

Leia mais

Globos Digitais. 1 Dglobo

Globos Digitais. 1 Dglobo Globos Digitais Introdução O sucesso do Google Earth, Microsoft Visual Earth e outros sistemas é mais do que cultuado e conhecido da comunidade cartográfica e do público que tem acesso aos mapas digitais.

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Escalas Gráficas e Numéricas 1.1. Definição No desenho arquitetônico, a necessidade de representar espacialmente objetos e seus detalhes através de desenhos, fez

Leia mais

Sistemas de Coordenadas:

Sistemas de Coordenadas: Necessários para expressar a posição de pontos sobre a superfície (elipsóide, esfera, plano). Î Para o Elipsóide, empregamos o Sistema de Coordenadas Cartesiano e Curvilíneo: PARALELOS E MERIDIANOS. Î

Leia mais

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 TOPOGRAFIA 08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 levantamento pontos planimétricos, altimétricos ou planialtimétricos pontos de apoio (partir destes ) Projeção ΔX = D. sen Az ΔY = D. cos Az TÉCNICAS

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

Concurso Público Federal Edital 06/2015

Concurso Público Federal Edital 06/2015 PROVA Concurso Público Federal Edital 06/2015 Área: Topografia e Desenho Técnico QUESTÕES OBJETIVAS Conhecimentos Específicos 01 a 30 Nome do candidato: Nº de Inscrição: INSTRUÇÕES 1º) Verifique se este

Leia mais

Introdução da Topografia

Introdução da Topografia UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 1 Introdução da Topografia Aula 1 Recife, 2014 O QUE É TOPOGRAFIA Grego Português Topo Lugar Grafia Descrição

Leia mais

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA O termo Geodésia, em grego Geo = terra, désia = 'divisões' ou 'eu divido', foi usado, pela primeira vez, por Aristóteles (384-322 a.c.), e pode significar tanto

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

Projecções Cartográficas

Projecções Cartográficas Projecções azimutais Projecções Cartográficas Projecção azimutal polar ou normal (ponto de tangência é o polo) Projecção azimutal equatorial ou transversa (ponto de tangência é o equador): Projecção azimutal

Leia mais

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO

NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO NORMAS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA TRABALHOS TOPOGRÁFICOS - CDA I OPERAÇÕES DE CAMPO 1- As normas técnicas objetivam a caracterização de imóveis rurais pelo levantamento e materialização de seus limites,

Leia mais

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (PLANIMETRIA)

LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (PLANIMETRIA) Topografia LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO (PLANIMETRIA) Prof. Paulo Carvalho, M.Sc Macedo, M.Sc Prof. Emilia Rabanni, Dra. Poli, Brasil.. 2014 2/27 Levantamento Topográfico Planimétrico Medição Métodos de Levantamento

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais

TOPOGRAFIA - Planimetria. Alex Mota dos Santos

TOPOGRAFIA - Planimetria. Alex Mota dos Santos TOPOGRAFIA - Planimetria Alex Mota dos Santos Unidades de Medida Linear polegada = 2,75 cm = 0,0275 m polegada inglesa = 2,54 cm = 0,0254 m pé = 30,48cm = 0,3048 m jarda = 91,44cm = 0,9144m milha brasileira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 01 Turma - 03

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Aula 01 Turma - 03 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Laboratório de Topografia Aula 0 Turma - 03 Prof. Dr. Guttemberg Silvino Prof. Dr.

Leia mais

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS META Apresentar o sistema UTM como forma de localização dos elementos terrestres e a composição das

Leia mais

GEODÉSIA BÁSICA. Noções de Coordenadas Geodésicas e UTM. Prof.Diogo Maia Prof.Fernando Botelho

GEODÉSIA BÁSICA. Noções de Coordenadas Geodésicas e UTM. Prof.Diogo Maia Prof.Fernando Botelho GEODÉSIA BÁSICA Noções de Coordenadas Geodésicas e UTM Prof.Diogo Maia Prof.Fernando Botelho GEODÉSIA BÁSICA??? Um mapa e especificamente uma planta topográfica é uma representação plana da superfície

Leia mais

O que é o Sistema Geodésico de Referência? Qual é o Sistema Geodésico adotado no Brasil? Qual a diferença entre o Sistema SAD69 e SIRGAS2000?

O que é o Sistema Geodésico de Referência? Qual é o Sistema Geodésico adotado no Brasil? Qual a diferença entre o Sistema SAD69 e SIRGAS2000? O que é o Sistema Geodésico de Referência? É um sistema coordenado que serve de referência ao posicionamento no globo terrestre ou em um território nacional ou continental, utilizado para representar características

Leia mais

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA TOPOGRÁFICA. 5.1.1 Conceitos

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO À CIÊNCIA TOPOGRÁFICA. 5.1.1 Conceitos CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.1 INTRODUÇÃO

Leia mais

RODOLFO MOREIRA DE CASTRO JUNIOR TOPOGRAFIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

RODOLFO MOREIRA DE CASTRO JUNIOR TOPOGRAFIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL RODOLFO MOREIRA DE CASTRO JUNIOR TOPOGRAFIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro Tecnológico Laboratório de Topografia e Cartografia LTC - CTUFES Recolhido, Montado e

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Diagnóstico Ambiental do Município de São Leopoldo (Relatório da Implantação

Leia mais

Exercícios de Altimetria

Exercícios de Altimetria UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Exercícios de Altimetria Nivelamento Geométrico e Trigonométrico Autores: Prof. Fernando José de Lima Botelho Prof. Eduardo Oliveira Barros Prof. Glauber Carvalho

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO CADASTRAL

RELATÓRIO TÉCNICO LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO CADASTRAL RELATÓRIO TÉCNICO LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO CADASTRAL São João del Rei MG Setembro de 2014 1 INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 DOS REQUERENTES Nome: Universidade Federal de São João del rei CNPJ:

Leia mais

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local José Laurindo Sobrinho Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Fevereiro 2014 Sistemas de coordenadas e tempo 1 Sistema de coordenadas horizontal local O sistema de coordenadas horizontal local

Leia mais

O que é a Projeção UTM?

O que é a Projeção UTM? 1 1 O que é a Projeção UTM? É a projeção Universal Transversa de Mercator. Assim como a Projeção de Mercator, é uma projeção cilíndrica. Como foi visto na aula de projeções, uma projeção transversa é aquela

Leia mais

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS)

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS) Geodésia A Geodésia é uma ciência que se ocupa do estudo da forma e tamanho da Terra no aspecto geométrico e com o estudo de certos fenômenos físicos relativos ao campo gravitacional terrestre, visando

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01

200784 Topografia I PLANO DE ENSINO. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 200784 Topografia I PLANO DE ENSINO Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 01 APRESENTAÇÃO DO PLANO DE ENSINO: 1. TOPOGRAFIA: Definições, Objetivos e Divisões.

Leia mais

Levantamento topográfico

Levantamento topográfico MA092 - Geometria plana e analítica - Segundo projeto Levantamento topográfico Francisco A. M. Gomes Outubro de 2014 1 Descrição do projeto Nessa atividade, vamos usar a lei dos senos e a lei dos cossenos

Leia mais

APONTAMENTOS DAS AULAS DE Topografia e Geoprocessamento I LER 340

APONTAMENTOS DAS AULAS DE Topografia e Geoprocessamento I LER 340 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL Área de Topografia e Geoprocessamento APONTAMENTOS DAS AULAS DE Topografia e Geoprocessamento

Leia mais

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I

MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I 5.5 Medição

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos Recife, 2014 Métodos de Aquisição dos Dados O cuidado

Leia mais

TOPOGRAFIA GERAL Geotecnologias - 2013

TOPOGRAFIA GERAL Geotecnologias - 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA RURAL GEOTECNOLOGIAS TOPOGRAFIA GERAL NOTAS DE AULAS JOSÉ MACHADO C. JÚNIOR josemachado@dtr.ufrpe.br RECIFE 2013 N o t a s d e A u l

Leia mais

Figura 17.1 Exemplo de locação.

Figura 17.1 Exemplo de locação. 196 17 Locação 17.1 - INTRODUÇÃO Uma das atividades vinculadas à Topografia é a locação de pontos no terreno. Para a construção de uma obra, por exemplo, inicialmente é necessário realizar-se o levantamento

Leia mais

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO PROJETO DE PROTEÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM SANTA CATARINA (PPMA/SC) DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO RELATÓRIO TÉCNICO DE DELIMITAÇÃO 03FAT0206R00 CURITIBA

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA TOPOGRAFIA E GEODÉSIA Algumas Novidades da Versão Office: Reformulação das Planilhas de Cálculos; GeraçãodeLayoutsdeImpressão; Inserção e Georreferenciamento de Imagens Raster;

Leia mais

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA Objetivos TOPOGRAFIA Gerais Visão geral de Sistemas de Referência Específicos Sistemas de Coordenadas; Sistema de Referência; Datum Geodésico; Sistemas de Referência De acordo

Leia mais

CONCEITO DE GEODÉSIA A FORMA DA TERRA SUPERFÍCIES DE REFERÊNCIA MARCOS GEODÉSICOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SISTEMA GEODÉSICO DE REFERÊNCIA

CONCEITO DE GEODÉSIA A FORMA DA TERRA SUPERFÍCIES DE REFERÊNCIA MARCOS GEODÉSICOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SISTEMA GEODÉSICO DE REFERÊNCIA Sumário P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t o d e A g r o n o m i a U F R R J 2 Conceito de Geodésia

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

Jornada Marajoara de Ciência e Tecnologia. Posicionamento pelo GNSS (GPS) by Eng. Tarcísio Lemos

Jornada Marajoara de Ciência e Tecnologia. Posicionamento pelo GNSS (GPS) by Eng. Tarcísio Lemos Jornada Marajoara de Ciência e Tecnologia Posicionamento pelo GNSS (GPS) by Eng. Tarcísio Lemos Biografia Engenheiro da Computação (IESAM, 2008) Especialista em Sistemas de Banco de Dados (UFPA, 2010)

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

Geomática. Cartografia para Engenharia Ambiental. Prof. Alex Mota dos Santos

Geomática. Cartografia para Engenharia Ambiental. Prof. Alex Mota dos Santos Geomática Cartografia para Engenharia Ambiental Prof. Alex Mota dos Santos Castro (2004) O problema da representação Em síntese, a Cartografia trata das normas para representação dos elementos da superfície

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

Forma de Captura de Imagens Digitais:

Forma de Captura de Imagens Digitais: Forma de Captura de Imagens Digitais: - Câmaras Digitais. -Videografia. - Scanner Normal. - Scanner plano B/P (tons de cinza). - Scanner plano Colorido. - Scanner plano profissional. - Scanner de tambor.

Leia mais

2012.2 INFRAESTRUTURA TOPOGRAFIA 2. Profº Jerffesson Lucas

2012.2 INFRAESTRUTURA TOPOGRAFIA 2. Profº Jerffesson Lucas 11 2012.2 INFRAESTRUTURA TOPOGRAFIA 2 Profº Jerffesson Lucas 2 DISCIPLINA: INFRAESTRUTURA Topografia Prof: Jerffson Lucas Santos Engº Agrônomo Barra da Estiva-BA 2012 3 1. Topografia 1.1. Conceitos Definição:

Leia mais

Introdução à Geodésia

Introdução à Geodésia UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Disciplina: Leitura e Interpretação de Cartas Introdução à Geodésia Prof. Dr. Richarde Marques richarde@geociencias.ufpb.br

Leia mais

E-QP-ECD-097 REV. B 15/Abr/2008

E-QP-ECD-097 REV. B 15/Abr/2008 ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA VERIFICAÇÃO DE ESTAÇÃO TOTAL / TEODOLITO Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado,

Leia mais