HALLIWICK. Partilhar a filosofia de intervenção segunda a técnica de. Compreender os 10 pontos chaves do Halliwick;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HALLIWICK. Partilhar a filosofia de intervenção segunda a técnica de. Compreender os 10 pontos chaves do Halliwick;"

Transcrição

1 ANA ISABEL FERREIRA TERAPEUTA OCUPACIONAL FEVEREIRO DE 2011 HALLIWICK OBJECTIVOS Partilhar a filosofia de intervenção segunda a técnica de Halliwick; Compreender os 10 pontos chaves do Halliwick; Conhecer os princípios da aprendizagem motora, perspectivando a sua aplicabilidade nos 10 pontos do Halliwick; Reflectir sobre a aplicabilidade da técnica e retorno da mesma para o desempenho em terra. 1

2 UMA FORMA ÚNICA DE ESTAR NA ÁGUA. PROCURA A INDEPENDÊNCIA & EFICIÊNCIA. REFORÇA O PODER DA PARTICIPAÇÃO. PRINCIPAÍS MARCOS 50 Halliwick School for Crippled Girls 52 Association of Swimming Therapy 2

3 PRINCIPAÍS MARCOS 63 Annual Courses in Bag Radaz 86 Conference Halliwick 94 Int. Halliwick Association / Foundation 05 Halliwick 07 - IHTN BASES INTERDISCIPLINARES NATAÇÃO COMPETIÇÃO T. Neurodesenvolvimento Mecânica dos Fluidos 3

4 MESTRES James McMillan Fundador Johan Lambeck Senior Halliwick Lecturer Fundador da HF e da IHA INSTITUIÇÕES Símbolo da Fundação Halliwick fundada em 1994 Símbolo da Fundação Internacional de Halliwick 4

5 OBJECTIVOS Segurança Controlo da Respiração Controlo Equilíbrio Movimento Relaxamento PERMISSAS Nunca tocar na cabeça O corpo sabe como mover-se A aprendizagem activa é fundamental 5

6 PERMISSAS A água dá tempo para pensar Através de uma abordagem lúdica e interactiva promove-se a autonomia PERMISSAS A intervenção é realizada na proporção de um ajudante/terapeuta para cada utente O ensino dos dez pontos básicos não ocorre obrigatóriamente pela sequência em que são apresentados 6

7 PERMISSAS A utilização de flutuadores não contribui para a autonomia POPULAÇÃO -ORIGEM - ALTERAÇÕES NEUROMOTORAS Paralisia i Cerebral Traumatismo Craneo Encefálico A.V.C. s 7

8 POPULAÇÃO Idosos ACTUALMENTE Escoliose Patologia de Coluna Hiperactividade. 8

9 PROGRAMA DOS 10 PONTOS CHAVE Adaptação Mental Adaptação Mental Rotação Sagital Rotação Transversal Rotação Longitudinal Rotação Combinada Empuxo / Inversão Mental Equilíbrio em quietude Deslizamento com turbulência Progressão Simples Movimento Básico do Halliwick Controlo do Equilíbrio Movimento PROGRAMA DOS 10 PONTOS CHAVE AUTONOMIA APOIO TOTAL 9

10 PROGRAMA DOS 10 PONTOS CHAVE MODIFICAÇÃO DOS SUPORTES Proximal Distal Cefalo 8 pontos de suporte Grande superfície de contacto Pega firme Caudal Sem pontos de suporte Pequena superfície de contacto Apoio / Contacto PROGRAMA DOS 10 PONTOS CHAVE Actividades Contextualizadas Input Sensorial óptimo Aquisição de competências Variabilidade da prática activa Relação com as actividades da vida diária Repetição com inovação 10

11 CONTROLO MOTOR O controlo e aprendizagem motora advém dé primeiramente i da informação visual. Mais tarde, com o desenvolvimento do sistema vestibular e proprioceptivo o reportório motor amplia-se progressivamente e o sistema visual passa a assumir um papel secundário. ADAPTAÇÃO MENTAL Recepção na piscina Controle da Respiração Equilíbrio Transferências Deslocação 11

12 ADAPTAÇÃO MENTAL O controlo da respiração é um dos elementos fundamentais para uma boa adaptação mental SEGURANÇA 12

13 ADAPTAÇÃO MENTAL 13

14 ROTAÇÃO SAGITAL Movimento realizado em torno do eixo sagital do corpo, no plano frontal Pode ser utilizada para facilitar: Reacções de endireitamento Reacções de equilíbrio Alongamento do tronco Estabilização articular ROTAÇÃO TRANSVERSAL Decorre do controlo da rotação em torno do eixo transversal Permite ir da posição vertical ao decúbito dorsal Permite o levantar / deitar No meio aquático é fundamental para salvaguardar a segurança 14

15 ROTAÇÃO TRANSVERSAL Pode ser utilizada para: Fortalecer os abdominais Facilitar a simetria Facilitar a extensão ROTAÇÃO LONGITUDINAL Decorre do controlo da rotação em torno do eixo longitudinal Início: simetria Final: rotação de 360º Pré- requisito para a marcha e para a natação 15

16 ROTAÇÃO LONGITUDINAL Pode ser utilizada para: Fortalecer os abdominais oblíquos Facilitar os movimentos selectivos da cabeça Facilitar a actividade do tronco Reduzir o tónus ROTAÇÃO COMBINADA Resulta da combinação de todas as rotações Assume-se como a preparação para os movimentos funcionais 16

17 EMPUXO & INVERSÃO MENTAL O corpo humano volta sempre à superfície Os olhos devem estar abertos Exploração do contexto em diferentes posições Muitas vezes relaciona-se com a adaptação mental EQUILIBRIO EM QUIETUDE Capacidade para manter a posição (primeiro na vertical e posteriormente na horizontal) O foco deve ser colocado na capacidade de controlar o movimento da cabeça e do tronco em todos os planos Não permite recorrer a efeitos metacêntricos, movimentos periféricos, aumento do raio, 17

18 DESLIZAMENTO TURBULENTO Refere-se à capacidade de manter o deslizamento autónomo mesmo quando existe o factor destabilizador da turbulência. PROGRESSÃO SIMPLES Primeiro passo para combinar um movimento propulsivo com um efectivo controlo postural As mãos são movidas simetricamente, debaixo da água, até à pélvis O Terapeuta pode utilizar o efeito de esteira para facilitar o movimento È fundamental manter o controlo em relação a todos os eixos 18

19 MOVIMENTO BÁSICO Propulsão ocorre também com os braços Regresso à posição inicial faz-se acima da água Adaptar às características pessoais E AGORA VAMOS TRABALHAR CADA UM DOS PONTOS?!? 19

20 SIM, Respeitando. perfil aquático actual da pessoa; os seus objectivos aquáticos e de reabilitação; A dinâmica e interactividade dos dez pontos chave ao longo das actividades; DINÂMICA E INTER INFLUÊNCIA Lambeck J., Urs,

21 VAMOS PENSAR VAMOS PENSAR Ponto - Chave Adaptação Mental Transposição p Terra R. Sagital R. Transversal R. Longitudinal R. Combinada 21

22 VAMOS PENSAR Ponto - Chave Empuxo Transposição p Terra Deslizamento com turbulencia Equilibrio em quietude Progressão Simples Mov Básico VAMOS VER!!! 22

23 BIBLIOGRAFIA Association of Swimming Therapy. Natação para Deficientes. 2ª Edição. São Paulo. Manole. Lloret M., Conde C., Fagoaga J., Leon C., Tricas C.,(2004). Natacion Terapéutica 3ª Edicion. Barcelona. Editora Paidotribo Pinyol C. (1998). Movernos en el agua. 2º Edicion. Barcelona. Editora Paidotribo Stanat F., Lambeck J. (2001). AKWA 23

ANA ISABEL FERREIRA OBJECTIVOS

ANA ISABEL FERREIRA OBJECTIVOS ANA ISABEL FERREIRA TERAPEUTA OCUPACIONAL MARÇO DE 2011 RELAXAMENTO OBJECTIVOS Conhecer as características do relaxamento no meio aquático, perspectivando a sua aplicabilidade nas aulas de natação adaptada;

Leia mais

HIDROTERAPIA MÉTODO ANEIS DE BAD RAGAZ. Resumo. 10, 11 e 12 de Outubro de 2014

HIDROTERAPIA MÉTODO ANEIS DE BAD RAGAZ. Resumo. 10, 11 e 12 de Outubro de 2014 HIDROTERAPIA MÉTODO ANEIS DE BAD RAGAZ 10, 11 e 12 de Outubro de 2014 * Inscrições Limitadas até 10 de Setembro de 2014 Resumo A Hidroterapia é uma modalidade de tratamento cada vez mais popular em todo

Leia mais

Curso de Formação 1. www.snoezelen-idosos.com 1. Nome da Formação: Intervenção Multissensorial na Educação Especial

Curso de Formação 1. www.snoezelen-idosos.com 1. Nome da Formação: Intervenção Multissensorial na Educação Especial Curso de Formação 1 Nome da Formação: Intervenção Multissensorial na Educação Especial Perspetivas lúdicas e aprendizagens no Snoezelen Objetivo Geral do Curso: Promover a aquisição de conhecimentos sobre

Leia mais

Manual de Acolhimento das Piscinas Municipais de Oliveira do Bairro Programa Peixinhos

Manual de Acolhimento das Piscinas Municipais de Oliveira do Bairro Programa Peixinhos Horário: 2ª e 4ª feira das 10h15 às 11h Local: Piscinas Municipais de Oliveira do Bairro Manual de Acolhimento das Piscinas Municipais de Oliveira do Bairro Programa Peixinhos Âmbito Este programa, oferecido

Leia mais

ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA. Parâmetros Gerais

ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA. Parâmetros Gerais ANEXO 2 UNIDADE DIDÁTICA GINÁSTICA ACROBÁTICA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO FUNDÃO ANO LECTIVO 2011 / 2012 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA Plano de unidade didáctica Ginástica acrobática (complemento da

Leia mais

18/03/2014 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA. Toca da Raposa - MG. Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI;

18/03/2014 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA. Toca da Raposa - MG. Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI; INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI; Pós-Graduado em Educação Física Escolar-UFPI Mestre em Ciências e Saúde -UFPI EXPERIÊNCIA PROFISSICIONAL

Leia mais

ENE/10. NOTA:(Esta NEF anula e substitui a nº17a/ene/07, de 20/11)

ENE/10. NOTA:(Esta NEF anula e substitui a nº17a/ene/07, de 20/11) NEF nº nº 17B/ENE/ ENE/10 Lisboa, 02 de Maio de 2010 NOTA:(Esta NEF anula e substitui a nº17a/ene/07, de 20/11) ASSUNTOS: POFFTE VOLUME III PARTE II Formação em Equitação Terapêutica CAPÍTULO III Curso

Leia mais

Exercícios de força muscular

Exercícios de força muscular Exercícios de força muscular ABDOMINAIS Objectivos: Melhoria funcional e reforço muscular do Core. Posição Inicial - Deite-se em decúbito dorsal (barriga para cima), coloque as pernas flectidas a 45º,

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM 06-05-2016 / 08-05-2016. HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00 INVESTIMENTO

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM 06-05-2016 / 08-05-2016. HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 18:00 INVESTIMENTO FISIOTERAPIA AQUáTICA (MAI 2016) PORTO A Fisioterapia Aquática pode ser utilizada na prevenção e intervenção em diversas patologias. Esta exige do terapeuta competências específicas. Junte-se a Alexandre

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR

ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR ESTUDO RADIOLÓGICO DA COLUNA LOMBAR VERTEBRAS LOMBARES 5 9 3 10 1 6 4 8 2 1- processo espinhoso 2- processo transverso 3- corpo 4- processo articular inferior 5- processo articular superior 6- incisura

Leia mais

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados

Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados ANEXO AO ROTEIRO DE INTERVENÇÃO EM ARTICULAÇÃO E CONTINUIDADE DE CUIDADOS ANEXO II Seleção das recomendações de Integração e Continuidade de Cuidados Autores: Ana Dias (doutoranda da Universidade de Aveiro

Leia mais

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais

Annexe 2 -Tableaux d analyse quantitative et qualitative

Annexe 2 -Tableaux d analyse quantitative et qualitative Annexe 2 -Tableaux d analyse quantitative et qualitative Apoio directo ao aluno, individualmente Apoio directo ao aluno, integrando as actividades da classe 8 14 8 9 0 39 6 21 36 19 0 82 10 62 33 11 0

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DOCUMENTAÇÃO E INVENTÁRIO DO PATRIMÓNIO Ano Lectivo 2009/2010

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DOCUMENTAÇÃO E INVENTÁRIO DO PATRIMÓNIO Ano Lectivo 2009/2010 Programa da Unidade Curricular DOCUMENTAÇÃO E INVENTÁRIO DO PATRIMÓNIO Ano Lectivo 2009/2010 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Ciências do Património 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões Introdução A apresentação das metas para as Expressões baseia-se nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar integrando, as Expressões Motora.

Leia mais

O Ginásio Topázio é um espaço de actividade física que existe desde Fevereiro de 2006, localizado em Alfornelos, no Concelho da Amadora.

O Ginásio Topázio é um espaço de actividade física que existe desde Fevereiro de 2006, localizado em Alfornelos, no Concelho da Amadora. O Ginásio Topázio é um espaço de actividade física que existe desde Fevereiro de 2006, localizado em Alfornelos, no Concelho da Amadora. Conta na sua equipa com um conjunto de profissionais habilitados

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

METODOLOGIA DO TREINO

METODOLOGIA DO TREINO faculdade de motricidade humana unidade orgânica de ciências do desporto METODOLOGIA DO TREINO Objectivos 1. dominar os conceitos fundamentais em treino desportivo. 2. conhecer os diversos factores do

Leia mais

UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA BEBÊS E PRÉ- ESCOLARES PARA A CONQUISTA DAS HABILIDADES AQUÁTICAS ATRAVÉS DA EXPLORAÇÃO DE MATERIAIS *

UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA BEBÊS E PRÉ- ESCOLARES PARA A CONQUISTA DAS HABILIDADES AQUÁTICAS ATRAVÉS DA EXPLORAÇÃO DE MATERIAIS * UMA PROPOSTA METODOLÓGICA PARA BEBÊS E PRÉ- ESCOLARES PARA A CONQUISTA DAS HABILIDADES AQUÁTICAS ATRAVÉS DA EXPLORAÇÃO DE MATERIAIS * Egle Ribeiro da Luz Academia Golfinho de Ouro Uberlândia MG Brasil

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3.

OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. OBJETIVO: Definir os conteúdos, objetivos específicos e exercícios aplicáveis ao ensino da natação nos níveis 0, 1, 2 e 3. ÂMBITO: Aplica-se a todos os professores da Escola Municipal de Natação nos tanques

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA RESPIRAÇÃO NO ENSINO DA NATAÇÃO *

A PROBLEMÁTICA DA RESPIRAÇÃO NO ENSINO DA NATAÇÃO * A PROBLEMÁTICA DA RESPIRAÇÃO NO ENSINO DA NATAÇÃO * Tiago Barbosa* barbosa@ipb.pt Telma Queirós** telma@ipb.pt (Portugal) RESUMO Uma dificuldade com que se depara um sujeito nos primeiros contatos com

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA

Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA Serviço de Medicina Física e Reabilitação INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA DE FRANCISCO GENTIL GUIA DA MULHER SUBMETIDA A CIRURGIA DA MAMA AUTORES: FT. GONÇALO SOARES FT. STELA FRAZÃO LISBOA, NOVEMBRO

Leia mais

FUNDAÇÃO CASA DE REPOUSO D. MARIA MADALENA GODINHO DE ABREU PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008

FUNDAÇÃO CASA DE REPOUSO D. MARIA MADALENA GODINHO DE ABREU PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008 PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008 6ª feiras PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2009 6ª feiras 5 de Janeiro de 2009 PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2010 6ª feiras 4 de Janeiro

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA PERSPECTIVA CTS. AS PLANTAS NA MANUTENÇÃO DA VIDA

TRABALHO PRÁTICO E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA PERSPECTIVA CTS. AS PLANTAS NA MANUTENÇÃO DA VIDA TRABALHO PRÁTICO E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA PERSPECTIVA CTS. AS PLANTAS NA MANUTENÇÃO DA VIDA Sónia Balau Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Castelo Branco sonia_balau@mail.ese.ipcb.pt

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

CLASSES DE MOVIMENTOS

CLASSES DE MOVIMENTOS CLASSES DE MOVIMENTOS ATOS REFLEXOS - considerados involuntários, simples (poucos músculos), estereotipados, em geral ocorrem automaticamente em resposta a um estímulo sensorial. Ex. resposta ao toque

Leia mais

Dissertações de Doutoramento

Dissertações de Doutoramento Revista Portuguesa de Educação, 2006, 19(1), pp. 187-198 2006, CIEd - Universidade do Minho Dissertações de Doutoramento Marlène Fernandes da Silva e Silva (2005). A Pragmática Lexicultural em Educação

Leia mais

AJUDAS TÉCNICAS PARA O BANHO. 2.ª Edição

AJUDAS TÉCNICAS PARA O BANHO. 2.ª Edição AJUDAS TÉCNICAS PARA O BANHO 2.ª Edição SECRETARIADO NACIONAL PARA A REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 2005 Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração das Pessoas

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 Emerson Ramírez Farto * (Brasil) emersonframirez@terra. José María Cancela Carral ** (Espanha) chemacc@uvigo. http://www.efdeportes.com/

Leia mais

WORKSHOP DE DANÇA INCLUSIVA ORIENTADO POR ANA RITA BARATA COMPANHIA CIM

WORKSHOP DE DANÇA INCLUSIVA ORIENTADO POR ANA RITA BARATA COMPANHIA CIM WORKSHOP DE DANÇA INCLUSIVA ORIENTADO POR ANA RITA BARATA COMPANHIA CIM DIAS/HORÁRIOS 24 e 25 de Outubro > 14h às 17h Apresentação final dia 25 de Outubro às 18h NºPARTICIPANTES Mínimo 8 / Máximo 20 Nota

Leia mais

INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NAS ALTERAÇÕES DE CONTROLO POSTURAL EM INDIVÍDUOS PÓS AVC

INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NAS ALTERAÇÕES DE CONTROLO POSTURAL EM INDIVÍDUOS PÓS AVC I as Jornadas Internacionais de Fisioterapia do Instituto Piaget Fisioterapia em Condições Especiais INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NAS ALTERAÇÕES DE CONTROLO POSTURAL EM INDIVÍDUOS PÓS AVC Beatriz Fernandes

Leia mais

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL Prof. MsC Cláudio Diehl Nogueira Professor Assistente do Curso de Educação Física da UCB Classificador Funcional Sênior

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

TREINO PSICOLÓGICO EM POPULAÇÕES COM NECESSIDADES ESPECIAIS

TREINO PSICOLÓGICO EM POPULAÇÕES COM NECESSIDADES ESPECIAIS NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES. CALIDAD DE VIDA Y SOCIEDAD ACTUAL TREINO PSICOLÓGICO EM POPULAÇÕES COM NECESSIDADES ESPECIAIS Anabela Vitorino y José Alves Instituto Politécnico de Santarém Resumo:

Leia mais

Plano de Acção da Equipa do Plano Tecnológico da Educação

Plano de Acção da Equipa do Plano Tecnológico da Educação Ano Lectivo 2009/2010, 30 de Janeiro de 2010 Índice Introdução... 3 Caracterização do Agrupamento... 5 Equipa do... 6 Objectivos... 8 Actividades a Desenvolver... 10 Divulgação do plano PTE... 12 Avaliação

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses

Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses Processos pedagógicos na natação para Bebês de 6 meses a 36 meses Como os Bebês Aprendem: Período Sensório- Motor ( Piaget) : 0 a 24 meses -Interação entre o bebê e o meio ambiente. -Tentativa e erro (

Leia mais

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM

Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM Estratégia de intervenção do QIMRAM no desenvolvimento de competências nos docentes da RAM 1- Estabelecimentos de ensino integrados no projecto em anos lectivos transactos Os docentes colocados em estabelecimentos

Leia mais

Necessidades Especiais de Educação. O Fisioterapeuta em Contexto Escolar

Necessidades Especiais de Educação. O Fisioterapeuta em Contexto Escolar Ficha Técnica Título Necessidades Especiais de Educação Editor DGE Direção-Geral da Educação Direção de Serviços de Educação Especial e de Apoios Socioeducativos Autoria CRPG - Centro de Reabilitação Profissional

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS Grupo Disciplinar de Educação Física CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - 2º Ciclo Avaliação dos alunos (Critérios uniformizados a nível do Conselho Pedagógico e do Grupo

Leia mais

Versão 1.00. Referenciais de FORMAÇÃO. Natação. Grau

Versão 1.00. Referenciais de FORMAÇÃO. Natação. Grau Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Natação Grau I Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Natação Grau I Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação Portuguesa de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social. www.gep.mtss.gov.pt

EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social. www.gep.mtss.gov.pt EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social A Informação Estatística sobre Deficiência e Incapacidade Lisboa, 01 de Junho de 2009 Estrutura da Apresentação A informação estatística no contexto do planeamento,

Leia mais

Formação Pedagógica de Docentes. 1º Semestre do Ano Lectivo 2005/06

Formação Pedagógica de Docentes. 1º Semestre do Ano Lectivo 2005/06 Formação Pedagógica de Docentes 1º Semestre do Ano Lectivo 2005/06 Curso S1.1 Formação Pedagógica de Docentes 1 Formador: Drª Odete Fachada 2 Duração: 32 horas, repartidas por 4 dias. 3 Calendário: 1,

Leia mais

Manual de Exercícios SPP

Manual de Exercícios SPP Manual de Exercícios SPP 1/6 Manual de exercícios SPP- IGN 1. Posicionamento: deitado de barriga para cima, com os joelhos estendidos. 2. Dobrar e estender uma perna. Fazer 10 repetições em cada lado alternadamente.

Leia mais

A Avaliação do Desenvolvimento Socioeconómico, MANUAL TÉCNICO II: Métodos e Técnicas A Recolha de Dados: Avaliação de Prioridades

A Avaliação do Desenvolvimento Socioeconómico, MANUAL TÉCNICO II: Métodos e Técnicas A Recolha de Dados: Avaliação de Prioridades A Recolha de Dados Inquéritos Sociais Inquéritos aos Beneficiários Entrevistas individuais (parceiros e partes interessadas) Avaliação de prioridades Focus Groups (Grupos de discussão) Estudos de caso

Leia mais

IV Congresso Paranaense de Terapia Ocupacional. Orientações para apresentação de temas livres

IV Congresso Paranaense de Terapia Ocupacional. Orientações para apresentação de temas livres IV Congresso Paranaense de Terapia Ocupacional Orientações para apresentação de temas livres Todos os temas livres serão apresentados no dia 02/07, sexta-feira. O horário de apresentação consta no cronograma

Leia mais

Utilizar a Estatística com recurso ao Excel. 3.1.2 Escola(s) a que pertence(m): 3.1.3 Ciclos/Grupos de docência a que pertencem os proponentes:

Utilizar a Estatística com recurso ao Excel. 3.1.2 Escola(s) a que pertence(m): 3.1.3 Ciclos/Grupos de docência a que pertencem os proponentes: CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA b APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Governo da República de Moçambique Ministério da Educação PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Índice 1. Motivação do Plano Tecnológico da Educação (PTE) 2. Trabalhos Desenvolvidos 3. Linhas de Orientação e Pilares

Leia mais

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira

5ª Conferência Internacional de Educação Financeira A Educação Financeira nas Escolas: O Referencial de Educação Financeira e a formação de docentes 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira Perspetivas e reflexões: por uma cidadania ativa Educação

Leia mais

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE

FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE FISIOTERAPIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES POR MEIO DE ATIVIDADES DE PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DA SAÚDE GERMANO¹, Cristina de Fátima Martins; LEMOS², Moema Teixeira Maia; LIMA 3, Vânia Cristina Lucena;

Leia mais

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral

Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral «ÁREA DE PROJECTO COMO FAZER?» Autores: Adelaide Campos Adelina Figueira Anabela Almeida Esmeralda Martins Maria José Rodrigues Maria de Lurdes Amaral Centro De Formação Penalva e Azurara Círculo de Estudos

Leia mais

MUSEU MUNICIPAL DR. JOSÉ FORMOSINHO

MUSEU MUNICIPAL DR. JOSÉ FORMOSINHO Câmara Municipal de Lagos Departamento de Educação, Cultura e Acção Social Serviço de Património Histórico e Museológico MUSEU MUNICIPAL DR. JOSÉ FORMOSINHO PLANO DE ACTIVIDADES PARA AS ESCOLAS DO CONCELHO

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

Metodologias de intervenção:

Metodologias de intervenção: Metodologias de intervenção: Algumas estratégias de intervenção Na intervenção directa com as crianças tenta-se reflectir o clima institucional da Casa da Praia. A dinâmica do funcionamento em Equipa,

Leia mais

RACIOCÍNIO CLÍNICO NO CICLO DE INTERVENÇÃO

RACIOCÍNIO CLÍNICO NO CICLO DE INTERVENÇÃO iclo de Intervenção com o Utente. G. Ed. línica II RIOÍNIO ÍNIO NO IO E INTERVENÇÃO 1. valiação Utente. G., 39 anos, residente em aleizão, vive com esposa e filho, chefe de manutenção de uma fábrica, habilitações

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Curso de Estabilização Neuromuscular Dinâmica em Pediatria

Curso de Estabilização Neuromuscular Dinâmica em Pediatria Curso de Estabilização Neuromuscular Dinâmica em Pediatria Segundo o Conceito de Estabilização Neuromuscular Dinâmica da Escola de Praga Parte 1 Datas: Dias 24, 25, 26 e 27 de Setembro de 2015 24 horas

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO Ano Lectivo 2014/2015

PROGRAMA DE ENSINO Ano Lectivo 2014/2015 ENSINO Ano Lectivo 2014/2015 ENSINO 2014/2015 BEBÉS Este processo é caracterizado como uma adaptação a um meio novo, com uma afectividade e desenvolvimento integrador, e não de aprendizagem das técnicas

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

Ciências / TIC na Escola Dimensões de Cidadania. Adelina Machado João Carlos Sousa

Ciências / TIC na Escola Dimensões de Cidadania. Adelina Machado João Carlos Sousa Ciências / TIC na Escola Dimensões de Cidadania Adelina Machado João Carlos Sousa Ser cidadão hoje... é algo de complexo... integra na construção da sua identidade duas dimensões: uma referente às pertenças

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen

Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen Plano de Formação Nome da Formação: Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN

Leia mais

TÍTULO: REPERCUSSÕES DA UTILIZAÇÃO DA FISIOTERAPIA AQUÁTICA NA FUNÇÃO MOTORA GROSSA EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN: RELATO DE SÉRIE DE CASOS

TÍTULO: REPERCUSSÕES DA UTILIZAÇÃO DA FISIOTERAPIA AQUÁTICA NA FUNÇÃO MOTORA GROSSA EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN: RELATO DE SÉRIE DE CASOS TÍTULO: REPERCUSSÕES DA UTILIZAÇÃO DA FISIOTERAPIA AQUÁTICA NA FUNÇÃO MOTORA GROSSA EM PACIENTES COM SÍNDROME DE DOWN: RELATO DE SÉRIE DE CASOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO GABINETE COORDENADOR DO DESPORTO ESCOLAR ANO LECTIVO 2010/2011 ÍNDICE 1 Programa... 2 2 Determinações referentes à participação... 2 2.1 Quadro

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO AVANÇADA EM SERVIÇO SOCIAL Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO AVANÇADA EM SERVIÇO SOCIAL Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Serviço Social (2º Ciclo) UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO AVANÇADA EM SERVIÇO SOCIAL Ano Lectivo 2012/2013 2. Curso Mestrado

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. EB1/JI do Lidador

Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Vieira de Carvalho. EB1/JI do Lidador Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Vieira de Carvalho EB1/JI do Lidador UNIDADE ESPECIALIZADA DE APOIO À MULTIDEFICIÊNCIA (UEAM) A UEAM do Lidador constitui uma resposta educativa especializada para alunos

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ- ESCOLAR ANO LETIVO 2013/2014 Departamento do Pré- Escolar 2013/2014 Page 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Introdução A avaliação em educação é um elemento integrante

Leia mais

Gestão, administração e mediação de conflitos: que possibilidades? 2. Razões Justificativas da acção: Problemas/Necessidades de Formação Identificados

Gestão, administração e mediação de conflitos: que possibilidades? 2. Razões Justificativas da acção: Problemas/Necessidades de Formação Identificados 1. Designação da Acção de Formação Gestão, administração e mediação de conflitos: que possibilidades? 2. Razões Justificativas da acção: Problemas/Necessidades de Formação Identificados O conflito como

Leia mais

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS Ano lectivo 2011/2012 Posicionamento e Mobilidade Posicionamento em cadeira de rodas: Acto terapêutico que implica a utilização de diversos

Leia mais

Abordagem do Salto em Comprimento Trabalho Final

Abordagem do Salto em Comprimento Trabalho Final Centro de Formação de Associação de Escolas de Matosinhos Escola-Sede: Escola Secundária com 3º Ciclo do E. Básico Augusto Gomes C304. Abordagem Multidisciplinar do Atletismo Curso, 50 horas Abordagem

Leia mais

dores do parto parto É muito importante estarem conscientes da origem natural e saudável das dores que estão a sentir entrevista

dores do parto parto É muito importante estarem conscientes da origem natural e saudável das dores que estão a sentir entrevista doresde1:layout 1 11/19/08 10:32 PM Page 24 dores do As dores de constituem um dos maiores medos para as futuras mães. Saber o que fazer e como lidar com as dores pode ajudá-la a enfrentar o trabalho de

Leia mais

19/09/2012. Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES RUZZON

19/09/2012. Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES RUZZON HISTÓRICO MÉTODO DOS ANÉIS DE BAD RAGAZ Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES RUZZON Criado na Alemanha pelo Dr. Knupfer. Conceitos de neurofisiologia do treinamento. Propriedades físicas da água. Cadeias simples

Leia mais

APRESENTAÇÃO E PLANO DE ATIVIDADES DA

APRESENTAÇÃO E PLANO DE ATIVIDADES DA APRESENTAÇÃO E PLANO DE ATIVIDADES DA 2 0 1 5 A nossa história A Associação Esfera Solidária, e fruto da junção de experiencias e prática no terreno dos seus sócios fundadores Rui Guimarães (Lic. Educação)

Leia mais

MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO

MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO MEDICINA FÍSICA E DE REABILITAÇÃO A nova aposta do Hospital SOERAD O novo serviço de Medicina Física e de Reabilitação do Hospital SOERAD já se encontra em funcionamento, dispondo de uma equipa multidisciplinar

Leia mais

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano.

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano. COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Ao longo do ensino básico as competências que o aluno deve adquirir em Artes Visuais articulam-se em três eixos estruturantes fruição - contemplação, produção criação,

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º ciclo do Fundão. Palavras-chave: transição, instrução, empenhamento motor, exemplificação, comunicação.

Escola Secundária c/ 3º ciclo do Fundão. Palavras-chave: transição, instrução, empenhamento motor, exemplificação, comunicação. Escola Secundária c/ 3º ciclo do Fundão Quinta-feira 05 De Novembro de 2009 Turma: 12ºCSEAV --» Aula do professor estagiário Nuno Rodrigues. Palavras-chave: transição, instrução, empenhamento motor, exemplificação,

Leia mais

Exercícios Práticos para as Dificuldades de Aprendizagem

Exercícios Práticos para as Dificuldades de Aprendizagem Exercícios Práticos para as Dificuldades de Aprendizagem (Fundamentação Teórica) Trabalho realizado por: Isabel Saraiva Barbosa n.º21666 Universidade Portucalense Porto, Portugal 13 de Junho 2008 Dificuldades

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DO CRATO 2010-2012 O que é? Um Plano de Desenvolvimento Social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social local. Tem em vista não só a produção

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Física - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

Psicologia Escolar Uma Área de Intervenção Prioritária Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul

Psicologia Escolar Uma Área de Intervenção Prioritária Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul 1 Psicologia Escolar Uma Área de Intervenção Prioritária Agrupamento de Escolas Matosinhos Sul Dorabela Rocha (*) Introdução O insucesso escolar e educativo, o risco de abandono escolar, a indisciplina,

Leia mais

Palavras chave: Integração Sensorial. Parque infantil. Paralisia Cerebral. Terapia Ocupacional.

Palavras chave: Integração Sensorial. Parque infantil. Paralisia Cerebral. Terapia Ocupacional. A Terapia Ocupacional promovendo a integração sensorial ao intervir em uma criança de seis anos que apresenta paralisia cerebral hemiparética em parque infantil Resumo: Ana Carolina dos Santos Santana

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS FIT

FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS FIT FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS FIT Disciplina: ANATOMIA HUMANA Prof. Ms. Alexandre Oliveira SANTARÉM 2010 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Introdução ao estudo da anatomia 2 Sistema Esquelético 3 Sistema Articular

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

Curso de Treinadores de Voleibol Nível I. Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR

Curso de Treinadores de Voleibol Nível I. Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR Traumatologia no Voleibol A postura do treinador face à LESÃO/DOR Alfredo Silva Fisioterapeuta Osteopata Lesão: é qualquer tipo de ocorrência, de origem traumática ou de sobre uso, da qual resulta incapacidade

Leia mais

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade Publicação Nº 4-13 Janeiro 2010 ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade PONTOS DE INTERESSE: Estrutura Metodologia de Implementação São notórias as crescentes exigências do mercado no que toca a questões de

Leia mais

Eu não sou eu nem sou o outro, sou qualquer coisa de intermédio (Mário de Sá-Carneiro)

Eu não sou eu nem sou o outro, sou qualquer coisa de intermédio (Mário de Sá-Carneiro) Eu não sou eu nem sou o outro, sou qualquer coisa de intermédio (Mário de Sá-Carneiro) Casa de Saúde da Idanha - Respostas assistenciais e terapêuticas para a população com deficiência intelectual Encontro

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto

Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto Natação para bebés. A necessidade de uma acção conscientemente dirigida. Susana Soares 1 e Tiago Barbosa 2 1 Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto 2 Escola Superior

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GONÇALO SAMPAIO ESCOLA E.B. 2, 3 PROFESSOR GONÇALO SAMPAIO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES (EDUCAÇÃO FÍSICA) 9º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 2014/2015 1º PERÍODO 1. CONTEÚDOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais