4 - ATERRAMENTO SISTEMA DE ATERRAMENTO CONSTRUÇÃO DA MALHA DE TERRA... 32

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 - ATERRAMENTO... 32 4.1 - SISTEMA DE ATERRAMENTO... 32 4.2 - CONSTRUÇÃO DA MALHA DE TERRA... 32"

Transcrição

1 Manual de Procedimentos de Rede Interna de Telecomunicações Rede Estruturada

2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO CAMPO DE APLICAÇÃO REFERÊNCIAS NORMATIVAS DEFINIÇÕES PAR A REDE INTERNA ESTR UTURADA DISPOSIÇÕES GERAIS PROJETO DE TUBULAÇÃO DE CABO ÓPTICO PARA EDIFÍCIOS OBJETIVOS ENTRADA SUBTERRÂNEA ENTRADA AÉREA INFRA ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO DO DISTRIBUIDOR GERAL ÓPTICO REDE ESTRUTURADA IDENTIFICAÇÃO DO CABEAMENTO PROJETO DE REDE ESTRUTURADA PROJETO DE REDE SECUNDÁRIA PROJETO DE REDE PRIMARIA PARTES COMPONENTES DE UM PROJETO DE REDE ESTRUTURADA PROTEÇÃO ELÉTR ICA ADMINISTRAÇÃO DE UMA REDE ESTRUTURADA ATERRAMENTO SISTEMA DE ATERRAMENTO CONSTRUÇÃO DA MALHA DE TERRA MATERIAIS UTILIZADOS EM REDE INTERNA ESTRUTURADA APROVAÇÃO DE PROJETO ANEXOS ANEXO I - PEDIDO DE APROVAÇÃO DE PROJETO DE TUBULAÇÃO E REDE ESTRUTURADA ANEXO II - PEDIDO DE VISTORIA DE TUBULAÇÃO - REDE ESTRUTURAD A ANEXO III CAIXAS SUBTERRÂNEAS

3 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO Este Manual tem por objetivo estabelecer os padrões e procedimentos que devem ser seguidos pelos projetistas e construtores para elaborar e obter aprovação de projetos, executar serviços e solicitar vistoria de tubulações para redes de telecomunicações em imóveis CAMPO DE APLICAÇÃO Este Manual se aplica a todos os tipos de edificações, independente do porte, finalidade, número de pavimentos, número de blocos e número de pontos de telecomunicações, desde que a edificação esteja na área da CTBC Telecom de acordo com as normas ABNT e Práticas Telebrás. 1.3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para este Manual NBR Redes telefônicas internas em prédios - Terminologia. NBR Redes telefônicas internas em prédios - Simbologia. NBR Redes telefônicas internas em prédios - Tubulação de entrada telefônica- Projeto. NBR Redes telefônicas internas em prédios - Plantas/Partes componentes do projeto de tubulação telefônica. NBR Redes telefônicas em edificações com ate cinco pontos telefônicos Projeto. NBR Proteção elétrica e compatibilidade eletromagnética em redes internas de telecomunicações em edificações Projeto. NBR Procedimento básico para elaboração de projetos de cabeamento de telecomunicações para rede interna estruturada Práticas TELEBRÁS PROCEDIMENTO DE PROJETO TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS EM EDIFÍCIOS PROCEDIMENTO DE PROJETO TUBULAÇÃO TELEFÔNICA EM UNIDADES PROJETOS DE REDES TELEFÔNICAS EM EDIFÍCIOS Todas as Normas ou práticas indicadas estavam em vigor no momento desta edição. 3

4 1.4 - DEFINIÇÕES PARA REDES ÓPTICAS INTERNAS Cabo de fibra óptica Cabo composto por uma ou mais fibras ópticas internas Distribuidor Geral Óptico (DGO) de parede. Armário de emendas e conexões ópticas, para fixação em paredes, que permite interligar o cabo de fibra óptica da CTBC com os cordões ópticos monofibras de manobra Distribuidor Geral Óptico para Rack Armário de emendas e conexões ópticas, para fixação em racks de 19 polegadas, que permite interligar o cabo de fibra óptica da CTBC com os cordões ópticos monofibras de manobra do usuário Conector óptico (plugue) Dispositivo que possibilita a conexão óptica, terminando duas fibras ópticas e que encaixa em um adaptador óptico (soquete) Emenda óptica Junção entre duas fibras ópticas podendo ser de dois tipos: emenda mecânica e emenda por fusão Emenda óptica por fusão Processoo para emendar fibras ópticas onde as fibras ópticas são fundidas uma na outra. Este tipo de emenda é conseguido através da utilização da máquina de emenda óptica por fusão Emenda óptica mecânica Processo para emendar fibras ópticas onde as fibras ópticas são apenas encostadas uma na outra sem serem fundidas. Este tipo de emenda é conseguido através de dispositivos que são encaixados nas fibras ópticas e depois encaixados entre si mecanicamente Cordão óptico monofibra de manobra Cabo óptico que contem apenas uma fibra óptica interna, contendo as seguintes partes: capa ou revestimento plástico, elemento de proteção mecânica e fibraóptica. 1.5 DEFINIÇÕES PARA REDE INTERNA ESTRUTURADA Área de trabalho (ATR) Área interna de uma edificação que possui Pontos de Telecomunicações e energia elétrica onde estão conectados os equipamentos dos usuários Área útil de escritório É a área de piso efetivamente utilizada como escritório em uma edificação. Nota: Áreas como banheiros, escadas, corredores, hall de circulação, etc., não são computadas como áreas de piso útil de escritório Armário de telecomunicações (AT) É o espaço destinado a transição entre o caminho primário e o secundário, com conexão cruzada, podendo abrigar equipamento ativo Cabeamento centralizado Configuração de cabeamento da Área de Trabalho ao dispositivo de conexão centralizado, usando a passagem de cabos contínuos (modelo direto), ou dispositivos de interconexão intermediários ou emendas nos Armário de Telecomunicações Cabeamento estruturado Instalação de cabos seguindo o conceito de redes estruturadas Cabo de fibra óptica Cabo composto por uma ou mais fibras ópticas internas. 4

5 Cabo de interligação exterma Cabo que interliga o Distribuidor Geral de Telecomunicações (DGT) aos distribuidores intermediários (DI) de edificações independentes que fazem parte do mesmo sistema (campus) Cabo de interligação interna Cabo que interliga o Ponto de Terminação de Rede (PTR) ao Distribuidor Geral de Telecomunicações de uma edificação Cabo primário de primeiro nível Cabo que interliga o Distribuidor Geral de Telecomunicações aos Distribuidores Secundários (DS), ou Distribuidores Intermediários Cabo primário de segundo nível Cabo que interliga o Distribuidor Intermediário ao Distribuidor Secundário Cabo secundário Cabo que interliga os Distribuidores Secundários à Área de Trabalho Campus Área que contém um ou mais edifícios em um mesmo terreno Categoria 03 Componentes usados para transmissão de sinais até 16 Mhz Categoria 04 Componentes, usados para transmissão de sinais até 20 Mhz Categoria 05 Componentes usados para transmissão de sinais até 100 Mhz Comprimento do lance de cabo (CL) Comprimento de cabo correspondente a distância entre dois pontos de conexão Conector modular 8 vias (CM8V) Dispositivo usado para estabelecer a terminação mecânica de cabos, permitindo o acesso dos terminais à rede Conector óptico (plugue) Dispositivo que possibilita a conexão óptica, terminando duas fibras ópticas e que encaixa em um adaptador óptico (soquete) Conexão de engate rápido (CER) Conexão por deslocamento da isolação do condutor Cordão de conexão Cordão formado de um cabo flexível com conectores nas pontas, com a finalidade de interligar os dispositivos de conexão entre si e / ou a equipamentos Dispositivos de conexão Dispositivo que provê terminações mecânicas entre os meios de transmissão Dispositivos de proteção elétrica Dispositivo cuja função é fornecer proteção contra surtos, sobrecorrentes e / ou sobretensões Distribuidor intermédiário (DI) Distribuidor que interliga cabos primários de primeiro nível e cabos primários de segundo nível Distribuidor secundário (DS) Distribuidor que interliga cabos primários de primeiro ou segundo nível e cabos secundários Distribuidor Geral de Telecomunicações (DGT) Distribuidor que interliga todos os cabos primários de primeiro nível. 5

6 Meio de transmissão Meio físico utilizado para o transporte de sinais de telecomunicações Ponto de consolidação de cabos (PCC) Local no cabeamento secundário, sem conexão cruzada, onde poderá ocorrer mudança da capacidade do cabo, visando flexibilidade Ponto de telecomunicações (PT) Dispositivo onde estão terminadas as facilidades de telecomunicações que atendem aos equipamentos de uma Área de Trabalho Ponto de Terminação de Rede (PTR) Ponto de conexão física a rede de telecomunicações pública, que se localiza na propriedade imóvel do usuário e que atende as especificações técnicas necessárias para permitir por seu intermédio o acesso individual a serviços de telecomunicações públicas Ponto de transição de cabos (PTC) Local no cabeamento secundário, onde poderá ocorrer mudança no tipo de cabo, ou seja um cabo redondo é conectado a um cabo chato, com o objetivo de facilitar sua instalação em ambientes que exijam a instalação de cabo chato Rede Interna Estruturada Rede projetada de modo a prover uma infraestrutura que permita evolução e flexibilidade para os serviços de telecomunicações, sejam de voz, dados, imagens, sonorização, controle de iluminação, sensores de fumaça, controle de acesso, sistema de segurança, controles ambientais (ar condicionado e ventilação) e outros Sala de entrada de telecomunicações (SET) Espaço destinado à receber o cabo de entrada da CTBC onde são ligados as facilidades da rede primária intra e inter edifícios, podendo também acomodar equipamentos eletrônicos com alguma função de telecomunicações Sala de equipamento (SEQ) É o espaço necessário para equipamentos de telecomunicações, sendo frequentemente salas com finalidades especiais. Nota: A Sala de Equipamentos é conectada à facilidade da rede primária e a rede de entrada da CTBC Sistema campus (SC) É a interligação entre diferentes prédios da instalação STP (shielded twisted pair) Par trançado blindado UTP (unshielded twisted pair) Par trançado não blindado, em configuração que atenua ou auxilia no cancelamento de ruído em circuitos balanceados. Um cabo de par trançado não blindado contem usualmente 4 pares de fios conformados em um único cabo Vinculação Ligação elétrica rígida e permanente entre as partes metálicas. 6

7 1.6 - DISPOSIÇÕES GERAIS Projetos que possuem até cinco pontos telefônicos não precisam ser submetidos à aprovação da CTBC, com exceção de edificações que possuem acima de 2 pavimentos (térreo e primeiro andar) No caso de reformas, que venham a aumentar o número de pontos telefônicos, e esse número exceder a cinco, a consultoria de rede da CTBC deverá ser procurada No caso de edificações com quantidade de pontos telefônicos projetados, superior a 80 (oitenta), a Consultoria de Rede da CTBC deverá ser procurada para que a solução tecnológica viável seja adotada O cabo de entrada (cabo que interliga a rede externa CTBC ao Quadro de Distribuição Geral - QDG) será projetado e instalado pela CTBC As tubulações e redes referidas neste Manual devem ser destinadas exclusivamente ao serviço de telecomunicações ou correlatos Em caso de existência de outras redes, tais como, TV a cabo, interfones, antenas coletivas, som interno, rede estruturada estas deverão possuir tubulação própria Os projetos de tubulações e de rede de telecomunicações interna poderão ser elaborados em um mesmo documento (projeto), ou separadamente caso necessário Todas as modificações que o construtor precisar introduzir num projeto já aprovado, necessitam ser analisadas e aprovadas previamente pela CTBC A elaboração e execução do projeto das tubulações e rede de telecomunicações (tubulação interna e de entrada), devem ser feitas sob a responsabilidade do construtor ou proprietário, de acordo com as especificações estabelecidas pela ABNT, práticas Telebrás e projetos aprovados pela CTBC A responsabilidade da elaboração dos projetos de tubulação e rede de telecomunicações em edificações é somente de engenheiros/técnicos devidamente capacitados, conforme discriminado em seu Registro Profissional, expedido pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA Todas as tubulações e redes executadas nas edificações devem ser vistoriadas pela CTBC, observando o exposto em Nenhum cabo ou fio telefônico, blocos terminais e tomadas devem ser instalados, se as tubulações não tiverem sido vistoriadas e aprovadas A CTBC não fará vistorias sistemáticas em edificações de unidades habitacionais unifamiliares mas reserva-se o direito de efetuar vistorias sempre que julgar necessário Devem ser solicitadas duas vistorias: uma da tubulação de entrada e outra da tubulação e rede interna. O pedido de vistoria da tubulação e rede interna deve ser feito tão logo a mesma esteja em condição de utilização e não apenas quando a edificação estiver totalmente construída. O pedido de vistoria da tubulação de entrada deve ser feito com antecedência de 90 dias em relação ao término da obra, para que a construção da rede de entrada seja providenciada pela CTBC. 7

8 As edificações adjacentes construídas em terrenos distintos não podem ser interligadas internamente por tubulações de telecomunicações Em todas as localidades existem áreas geográficas denominadas Área de Tarifação Básica - ATB, nas quais a prestação de serviço ao cliente é efetuada em contrapartida ao autofinanciamento e às tarifas de instalações normais. O cliente quando da análise do projeto, ou mesmo anteriormente, por consulta à CTBC, será informado se a sua construção será localizada fora da ATB. Nessa circunstância, o seu atendimento deve ser feito em condições especiais, ajustadas entre a CTBC e o proprietário/construtor Todos os entendimentos entre o construtor e a CTBC devem ser confirmados por escrito O projeto poderá ser feito em folha A4 ou em outros, desde que devidamente legendado e com escala A escolha da utilização ou não de rede interna estruturada em edificações caberá ao proprietário da edificação. 8

9 2 - PROJETO DE TUBULAÇÃO DE CABO ÓPTICO PARA EDIFÍCIOS OBJETIVOS A seguir encontram-se instruções para dimensionamento de caminhos e espaços para atendimento à edifícios com cabos ópticos. Estas instruções deverão ser utilizadas para os casos onde a edificação é atendida com cabo óptico apenas até a sala de telecomunicações. Da sala de telecomunicações partirão cabos metálicos para atendimento nos apartamentos ou salas comerciais. Os projetos de tubulação de cabo óptico tem por finalidade dimensionar e localizar o trajeto dentro do edifício da tubulação de entrada de cabo óptico. A entrada de cabo óptico em qualquer edificação deverá ser preferencialmente subterrânea. OBS: TODOS OS DIÂMETROS DAS TUBULAÇÕES CITADOS NESTE MANUAL, REFEREM-SE AO DIAMETRO INTERNO ENTRADA SUBTERRÂNEA Deverá ser locada uma caixa subterrânea R1 para o atendimento do edifício, as dimensões desta caixa estão na tabela 1. Esta caixa não deve ser localizada em pontos onde transitam veículos (como entrada de garagens, por exemplo), pois o tampão especificado para a mesma não é dimensionado para suportar o peso de veículos. DIMENSIONAMENTO DA CAIXA DE ENTRADA DO EDIFÍCIO DIMENSÕES INTERNAS NÚMERO TOTAL DE TIPO DE PONTOS DO EDIFÍCIO CAIXA Compr. Largur Altura (cm) a (cm) (cm) Até 35 R De 36 a 140 R De 141 a 420 R De 420 a 1000 IM * Acima de 1000 I * IM Caixa I modificada, desenvolvida pela CTBC. Esta caixa também tem suas variações LM e TM Determinar o trajeto da tubulação de entrada de cabo óptico desde a caixa de entrada do edifício até o DGO, projetando-se caixas de passagem intermediárias, se estas forem necessárias, para limitar o comprimento da tubulação e/ou o número de curvas, ver tabela O diâmetro interno mínimo da tubulação de entrada deve ser de 75 mm. TABELA Podem ser utilizados, no máximo, duas curvas em cada trecho da tubulação, com uma distância mínima de 2 metros entre cada curva. O ângulo máximo permitido para cada curva é de 90º. OBS: AS CURVAS UTILIZADAS DEVERÃO SER CURVAS LONGAS. 2.3 ENTRADA AÉREA A CTBC poderá instalar cabo óptico utilizando entrada aérea no edifício, para isto será necessário chegar com a tubulação de entrada até a fachada da edificação com acabamento de curva longa. Para a fixação do conjunto de ancoragem do cabo óptico pela CTBC deverá ser 9

10 instalado um olhal na fachada do prédio com uma distância mínima de 20 cm acima da tubulação de entrada conforme figura O diâmetro interno mínimo da tubulação de entrada deve ser de 50 mm. Olhal INFRA ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO DO DISTRIBUIDOR GERAL ÓPTICO Conjunto de ancoragem Poste da conc. de energia Cabo óptico 20 cm Esteira ou canaleta O distribuidor geral óptico (DGO) deverá ser instalado na sala de telecomunicações da edificação. O DGO poderá ser de parede ou rack de 19 dependendo da quantidade de fibras a ser utilizadas na edificação. FIGURA 1 DGO Para cabos ópticos de até 12 fibras, o DGO poderá ser de parede. Para cabos com mais de 12 fibras, deverá ser utilizado DGO de Rack de A sala de telecomunicações deverá ter um espaço reservado para a instalação do DGO. Para o acesso do cabo até o DGO recomenda-se utilizar esteiramentos na parede e no teto ou canaleta. Para a saída de cordões monofibra até os equipamentos do usuário recomenda-se utilizar canaletas A tubulação de entrada poderá acessar a sala de telecomunicações pelo piso ou teto. Afigura 2 mostra exemplos instalação de DGO A instalação de DGO e do cabo óptico será feito pela CTBC, cabendo ao construtor/proprietário da edificação apenas providenciar a infra-estrutura de caminhos e espaços e sala de telecomunicações Na sala de telecomunicações, deverá ser projetada para a instalação dos seguintes equipamentos: DGO de parede ou rack 19, PABX e outros equipamentos necessários à edificação, tais como, hubs, roteadores, modens ópticos, etc. Retilíneos Com uma curva Com duas curvas COMPRIMENTOS MÁXIMOS DAS TUBULAÇÕES DE CABO ÓPTICO TRECHOS Verticais Horizontais Verticais Horizontais Verticais Horizontais TABELA 2 - NBR 13822/1997 COMPRIMENTOS MÁXIMOS 15 m 30 m 12 m 24 m 9 m 18 m de 10

11 Cabo óptico da CTBC Teto Esteira Esteira Cabo óptico Esteira DGO de parede PABX Digital DGO de rack 19 Canaleta Cordões monofibra Piso Cabos telefônicos seguem para o QDG Outros equipamentos Piso Rack 19 FIGURA 2 11

12 3 REDE ESTRUTURADA De acordo com a NBR 14565, os sete subsistemas de uma rede estruturada estão demonstrados na figura 3. N 1 - Área de Trabalho - ATR N 2 - Rede Secundária N 3 - Armário de Telecomunicações - AT N 4 - Rede Primária Nível 1 N 5 - Sala de Equipamentos -SEQ N 6 - Sala de Entrada de Telecomunicações -SET N 7 - Cabo de interligação externa PT PT AT PT 3 AT 2 PT PT PT 1 AT AT AT AT 4 AT SEQ AT SEQ 5 SET 6 7 Rede externa da CTBC FIGURA IDENTIFICAÇÃO DO CABEAMENTO A idenfificação do cabeamento deverá ser feita seguindo as instruções da NBR mostrada abaixo. 12

13 XX x CWY XXP / FIBRAS YY a XX XXX A XXX Quantidade de cabos Cabo primário (P), secundário (S) ou interligação (I) Quantidade de pares / fibras Identificação seqüencial do ponto ou par Identificação do pavimento (destino) Identificação da origem (opcional) W=primário (P), secundário (S) ou interligação (I) Y=UTP (U), STP (S) ou Fibra óptica (Fo) Exemplo: 6 x CSU4P (15)001 a A identificação para o cabeamento em telecomunicações deverá ser feito seguindo a tabela IDENTIFICAÇÃO DO CABEAMENTO Ponto de telecomunicações Trecho de cabo secundário PT XX XXX XX x CSY XXP XX XXX a XXX Sequência do ponto de telecomunicações Identificação dos pavimentos Ponto de telecomunicações Quantidade de cabos Cabo secundário Quantidade de pares Identificação sequencial do ponto Identificação do pavimento Trecho de cabo primário Trecho de cabo de interligação Cabo de fibra óptica Multimodo para rede interna XX x CPY XXP XX XXX a XXX CL XX x CPY XXP XX XXX a XXXI CL CFo MM XXFo Quantidade de cabos Cabo primário Quantidade de pares/fibras Identificação sequencial do par/fibras Comprimento do lance do cabo Identificação do pavimento do prédio atendido pelo cabo Quantidade de cabos Cabo primário Quantidade de pares/fibras Identificação sequencial do par/fibras Comprimento do lance do cabo Identificação do pavimento do prédio atendido pelo cabo Número de fibras Tipo de fibra Cabo de fibra óptica não geleado TABELA 3 13

14 IDENTIFICAÇÃO DO CABEAMENTO - continuação Cabo de fibra óptica multimodo para rede externa Cabo de fibra óptica monomodo para rede interna Cabo de fibra óptica monomodo para rede externa Identificação nas pontas de cada cabo Bloco de transição de cabo Bloco de construção de cabos (usado no pcc) CFoG MM XXFo Cfo SM XXFo CfoG SM XXFo CWY XX XXX BTC XX XXX BCC XX XXX Número de fibras Tipo de fibra Cabo de fibra óptica geleado Número de fibras Tipo de fibra Cabo de fibra óptica não geleado Número de fibras Tipo de fibra Cabo de fibra óptica geleado Identificação sequencial do cabo Identificação do pavimento Cabo primário ou secundário Identificação sequencial do cabo Identificação do pavimento atendido pelo cabo Bloco de transição de cabo Identificação sequencial do bloco Identificação do pavimento atendido pelo cabo Bloco de consolidação de cabo Sumário de contagem nos armários de telecomunicações A B C D Quantidade ideal de pontos de telecomunicações Quantidade de pontos de telecomunicações Quantidade ideal de pontos de voz Quantidade de pontos de voz distribuídos Sumário de contagem no DGT ou PTR Bloco de interconexão A B C D Quantidade ideal de pontos de telecomunicações Quantidade de pontos de telecomunicações Quantidade ideal de pontos de voz Quantidade de pontos de voz distribuídos 3. Blocos de conexões cruzadas nos armários de telecomunicações Ponto de terminação de rede (ptr) com blocos de conexão cruzada Cabo de telecomunicações externo TABELA 3 - continuação 14

15 3.2 PROJETO DE REDE ESTRUTURADA Para que o projeto de rede estruturada seja feito de uma maneira fácil e lógica, sugere-se seguir a sequência abaixo (de acordo com a NBR 14565): a) Projeto da cabeamento interno secundário (rede interna secundária), conforma 3.3; b) Projeto da cabeamento interno primário (rede interna primária), conforme 3.4; c) Projeto da cabeamento de interligação; d) Detalhes construtivos; e) Simbologia, notas e identificação do cabeamento A sequência de atividades em para a elaboração de projetos é genérica e se aplica a qualquer tipo de edificação A CTBC em conformidade com a NBR 14565, sugere que seja utilizado o conceito centralizado com cabos ópticos. Este conceito constitui-se em centralizar os equipamentos ativos da rede do prédio ou conjunto de prédios anexos em uma única Sala de Equipamentos, sendo este o ponto de origem de todas as fibras ópticas que terão como destino os Pontos de Telecomunicações sem passarem por equipamentos ativos intermediários localizados em Armário de Telecomunicações É possível projetar um cabeamento centralizado, utilizando os seguintes modos de interligação entre o distribuidor interno óptico, localizado na Sala de Equipamentos, e os Pontos de Telecomunicações de cada andar de um edifício: a) interligação direta sem emendas ou interconexões ópticas intermediárias em Armário de Telecomunicações; b) interligação com emendas ópticas nos Armário de Telecomunicações; c) interligação com interconexões ópticas nos Armário de Telecomunicações De acordo com a NBR 14565, a distância entre o painel de conexão óptica e os Pontos de Telecomunicações, somada aos comprimentos dos cordões de conexões ópticos, não deve ultrapassar o limite de 300 m se a instalação prevê suportar taxas de transmissão igual ou acima de 1 Gbps, utilizando equipamentos ativos centralizados Devem ser previstas sobras técnicas de cabos nos Armário de Telecomunicações fixados obedecendo-se o raio de curvatura mínimo aceito pelo cabo óptico em parede, no entreforro ou no entrepiso PROJETO DE REDE SECUNDÁRIA Este projeto consiste basicamente em atender todos os pontos de telecomunicações com cabos que partem do Armário de Telecomunicações Entende-se por rede interna secundária o trecho da rede compreendido entre o Ponto de Telecomunicações instalado na Área de Trabalho e o dispositivo de conexão instalado no Armário de Telecomunicações do andar. A figura 4 mostra um trecho da rede secundária e seus principais elementos: 15

16 Cordão de conexão Área de Trabalho (ATR) L1 Ponto de Telecomunicações (PT) e tomada Cabo secundário Ponto de consolidação de cabos (PCC) L2 Blocos e painéis de conexão (terminação mecânica) L3 Equipamento ativo Cordões de conexão Armário de Telecomunicações (AT) L1 L2 L3 Equipamento ativo Legenda: ATR PCC AT L1 = 3 m L2 + L3 = 7m L1 + L2 + L3 = 10m PCC é opcional Os cabos mostrados na figura são Cabos UTP ou STP de quatro pares a) Cordões de conexão b) Blocos de conexão c) Tomadas de telecomunicações d) Painéis de conexão e) Cabos FIGURA O cabeamento da rede secundária adota a topologia estrela, com centro localizado no Armário de Telecomunicações do andar Conversores de mídia devem ser colocados externamente às tomadas de telecomunicações e não são considerados como parte da rede secundária A rede secundária pode ter no máximo um Ponto de Consolidação de Cabos, localizado entre o Armário de Telecomunicações e o Ponto de Telecomunicações. 16

17 As redes lógicas ou serviços que utilizam esta rede física como suporte necessitam de pontos de energia nas Áreas de Trabalho Não é admitida nenhuma emenda no cabo Para cada Área de Trabalho de m² deve ser previsto no mínimo dois Pontos de Telecomunicações De acordo com a NBR os dois Pontos de Telecomunicações devem ser assim configurados: a) Um Ponto de Telecomunicações deve ser suportado por um cabo UTP 100 O quatro pares categoria 3 ou superior; b) O segundo Ponto de Telecomunicações deve ser suportado por no mínimo um dos seguintes meios secundários: - Cabo UTP de quatro pares, 100 ohms de no mínimo categoria 5 - Cabos blindados SCTP e FTP de quatro pares, dois pares, 100 ohms; - Cabo de fibra óptica, 2 fibras, 62,5 / 125 µm. - Cabo de fibra óptica, 2 fibras, 50/ 125 µm. A escolha desses meios deve ser baseada nas necessidades presentes e futuras Mesmo sendo dois pontos alimentados por cabos diferentes, eles podem compartilhar uma mesma caixa e o mesmo espelho na Área de Trabalho A escolha dos cabos devem ser em função dos serviços e demandas futuras, podendo se utilizar meios de transmissão diferentes em cada um dos Pontos de Telecomunicações Conforme NBR 14565, o comprimento máximo admitido para o cabeamento metálico é de l00 m assim distribuído: a) O comprimento máximo do cabo, contando desde o dispositivo de terminação do cabeamento secundário, instalado no Armário de Telecomunicações até o Ponto de Telecomunicações instalado na Área de Trabalho, deve ser de 90m. b) Admite-se no entanto a existência de um único Ponto de Consolidação de Cabos neste trajeto desde que o mesmo esteja a mais 15m do Armário de Telecomunicações Admite-se ainda um comprimento extra de 10m de cabo na rede secundária, usados da seguinte forma (figura 4): a) 7m são utilizados no Armário de Telecomunicações do andar como cordão de conexão entre blocos da rede secundária com a primária, e entre esta com os equipamentos ativos. b) 3m são reservados para conectar o equipamento usuário ao Ponto de Telecomunicações instalado na Área de Trabalho, conforme figura A figura 5 mostra um exemplo de rede secundária em planta com as informações necessárias As informações contidas no projeto tem os seguintes objetivos: a) Auxiliar a interpretação do projeto durante a sua execução e análise posterior b) Identificar com clareza e exatidão cada um dos componentes de rede c) Permitir facilidade de gerenciamento futuro Nas tomadas de telecomunicações (figura 5): 17

18 a) Identificação do cabo que as alimentam b) Identificação do pavimento do prédio em que se encontram As etiquetas de identificação das tomadas terão os seguintes caracteres com os respectivos significados mostrados como segue: PTYY XXX onde: PT é o Ponto de Telecomunicações; XXX representa o sequencial do Ponto de Telecomunicações. YY representa o pavimento onde está instalada a tomada Estas informações são mostradas em projeto da seguinte forma: a) Em planta: PT01006 PT01007 b) Quando instalada, o Ponto de Telecomunicações ou tomada ficará conforme a seguir: PT006 PT007 PISO 0,30 m Nos cabos secundários ( figura 5): a) Identificação do tipo de cabo que está sendo usado. 18

19 Elevador 4x CSU4P a 020 PT05018 PT05017 PT05020 PT05019 PCC 8 x CSU4P XX 001 A 008 Elevador 4xCSU4P a 006 PT05005 PT xCSU4P a 016 oitavo ponto do cabo primeiro ponto do cabo 2xCSU4P a 002 4xCSU4P a 004 PT05003 PT05004 PT05016 PT xCSU4P a 014 PT05001 PT05002 C S U X X xCSU4P a 012 PT05014 PT05013 PT05008 PT x CSU4P a 2xCSU4P a 012 PT05010 PT05009 PT05012 PT05011 FIGURA 5 b) Identificação dos Ponto de Telecomunicações no cabo. c) Identificação do pavimento do prédio em que se encontra instalado. d) Identificação sequencial do cabo. 19

20 As etiquetas de identificação dos cabos terão os mesmos caracteres usados para identificar os Ponto de Telecomunicações Em projeto as informações referentes aos cabos são mostradas da seguinte forma: Quando instalado o cabo terá suas extremidades identificadas com as mesmas informações acima descritas conforme exemplo: O cordão de conexão e fio jumper fazem parte da rede secundária, porém não são mostrados em projeto de planta. Eles aparecem normalmente nos detalhes dos Armário de Telecomunicações PROJETO DE REDE PRIMARIA Entende-se como rede primária aquela que serve para interconectar o Distribuidor Geral de Telecomunicações com os Distribuidores Intermediários e/ou Distribuidor Secundário da edificação. A figura 6 mostra um exemplo de rede primária com as principais informações Na figura 6 (de acordo com NBR 14565), podem ser identificados os seguintes elementos que compõem a rede: a) Identificação dos cabos b) Dispositivo de conexões (Blocos ou Painéis) c) Sumário dos Pontos de Telecomunicações em cada pavimento d) Interconexão entre os armários de telecomunicações nos diversos pavimentos da edificação e) Comprimento de lance (CL) dos cabos f) Cabos e barra de aterramento 20

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 8 Norma NBR 14565 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida ...rede interna estruturada

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços

EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços ANSI EIA/TIA 569-B EIA/TIA 569-B infra-estrutura caminhos e espaços Conforme a EIA/TIA 569A a infra-estrutura é dividida nos seguintes subsistemas: Área de Trabalho; Percursos horizontais; Sala ou armário

Leia mais

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento

Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Aula 4a - Sistemas de Cabeamento Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Sistemas de Cabeamento Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

Introdução Sistemas de Cabeamento Estruturado

Introdução Sistemas de Cabeamento Estruturado Introdução Sistemas de Cabeamento Estruturado Criação de SCE para integração entre diversos sistemas: dados, voz, imagem Linhas telefônicas transportam dados, voz e imagem em altas velocidades Redes de

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 23/09/2015. Topologias Lógicas x Topologias Físicas. Cabeamento Não-estruturado aula 26/08 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Administração Euber

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA

ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ANEXO 5 INSTALAÇÃO TELEFÔNICA ESCOLAS Realização: fdte@fdte.org.br ÍNDICE 1. Objetivo..................................................................... 3 2. Elementos de uma Rede Telefônica:............................................

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores

FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012. Projetos de Redes II. Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE INFORMÁTICA SALTO 2012 Projetos de Redes II Tecnologia em Redes de Computadores Dias e horários Segundas-feiras 19:00 às 22:30 horas Valor das Avaliações PO1 Prova Oficial 1 PO1 (matéria somente

Leia mais

Aula 4b Elementos da Infraestrutura

Aula 4b Elementos da Infraestrutura Aula 4b Elementos da Infraestrutura Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Elementos de Infra-estrutura São utilizados em projetos de sistemas de cabeamento para estabelecer o tráfego de voz, dados e imagens,

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Line Cords e Patch Cables.

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568

Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Técnico de Manutenção e Suporte em Informática Cabeamento Estruturado Unidade 3 NORMA ANSI EIA/TIA 568 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida Já imaginou a bagunça...

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 04 Sistemas

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário.

Esquematicamente, a rede de assinantes é composta pelos seguintes elementos: Planta Externa. Caixa de Distribuição. Cabo Primário. 2 REDE DE ASSINANTES É a parcela do sistema telefônico que interliga a central local com o aparelho telefônico. Além da voz, é usada também para comunicação de dados. Atualmente a rede de assinantes é

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04

PLANO DE ENSINO. Contrato Didático-Pedagógico: Semana Aulas Programação 1. 04 2. 04 3. 04 4. 04 PLANO DE ENSINO Curso: REDES DE COMPUTADORES Disciplina: PRÁTICAS DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Professor: FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ Período: NOTURNO Carga Horária: 80h Ano Letivo: 2008 Período: 1º semestre

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED

PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED PAINEL DE ACESSO FRONTAL CATEGORIA 5 ENHANCED Aplicações imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, uso interno, para cabeamento horizontal ou secundário, em salas de telecomunicações (cross-connect)

Leia mais

Infraestrutura de Redes

Infraestrutura de Redes Infraestrutura de Redes Apresentação 01: Conceitos de Cabeamento Estruturado Prof. João Paulo Just - http://just.pro.br 1 Conceitos de Cabeamento Porque? Anteriormente: serviços como sistemas de alarmes,

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações

Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações Manual Técnico Redes de Telecomunicações em Edificações Agosto 2001 Presidente do SINDUSCON-MG Teodomiro Diniz Camargos Vice-Presidente da Área de Materiais de Tecnologia Cantídio Alvim Drumond Coordenação

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC

REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC REFORMA EDIFICAÇÃO PRINCIPAL INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS AVANÇADO IBIRAMA IBIRAMA/SC MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Especificações e Tabelas

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1

DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1 DISTRIBUIDORES PARA TELEFONIA 1 Tiago Ribeiro Sapia 2 Resumo: Este artigo apresenta a estrutura básica dos distribuidores de telefonia fixa comutada, desde 1. INTRODUÇÃO sua origem até o assinante comum.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir.

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir. INTRODUÇÃO Cabeamento para Voz e Dados Os novos cabeamentos para telecomunicações oferecem muito mais qualidade, flexibilidade, valor e função para as necessidades presentes e futuras. Hoje, a sobrevivência

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir

Aumentar Diminuir Procura Tela Cheia Imprimir ADAPTER CABLE M8v CATEGORIA 5 ENHANCED Sistemas de Cabeamento Estruturado para tráfego de voz, dados e imagens, segundo requisitos da norma ANSI/TIA/EIA-568A, incluindo o adendo 5 (Categoria 5e), para

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

Sistema de Cabeamento Estruturado Norma EIA/TIA - 606

Sistema de Cabeamento Estruturado Norma EIA/TIA - 606 Sistema de Cabeamento Estruturado Norma EIA/TIA - 606 EIA/TIA Órgão de normatização para infra-estrutura de telecomunicações. Norma para Administração da infra-estrutura de telecomunicações em edifícios

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 4: CAIXAS DE SAÍDA CONDIÇÕES As caixas de saída devem ser projetadas nas tubulações secundárias nas seguintes condições: a) Nas entradas e saídas de fios telefônicos nos eletrodutos; b) Para diminuir

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES RESUMO 1º BIMESTRE - 2º SEMESTRE 1 1. CABEAMENTO ESTRUTURADO Cabeamento estruturado é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA

BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO RUA JOÃO POLITI, 1589 ITAJUBÁ MG BACK BONE DE FIBRA ÓPTICA Responsável Técnico: Airton Leandro Seidel 1 INDICE GERAL DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO DO PROJETO 03 2. ESCOPO

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 06.09.000 SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO 06.09.001 - EQUIPAMENTOS ATIVOS Tipo: Gabinete Rack do tipo bastidor com porta e ventilação forçada 24U x 19"x 670mm, com porta de

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus: Campo Mourão Professor Rafael Henrique Dalegrave Zottesso E-mail rafaelzottesso@utfpr.edu.br Site http://www.zottesso.com.br/disciplinas/rc24b0/ Disciplina

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição ID-6.016 Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia de Medição Elaborado por: Colaboradores: Verificado

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO

MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO 1. CABEAMENTO VERTICAL 1.1 INTRODUÇÃO O cabeamento vertical, ou cabeamento de backbone integra todas as conexões entre o backbone do centro administrativo e os racks departamentais,

Leia mais

158516.182014.137447.4474.277995780.540

158516.182014.137447.4474.277995780.540 158516.182014.137447.4474.277995780.540 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Ata de Realização do Pregão Eletrônico

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

LISTA DE PRODUTOS ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008

LISTA DE PRODUTOS ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008 LISTA DE PRODUTOS DE PRODUTOS LISTA ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: SETEMBRO DE 2008 Ativos / Wireless ADSL Modem; Conversores de Mídia; Firewall; Hub s; KVM (2 / 4 / 8 e 16 Portas); Modem Externo; Placas de Rede

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado CabeamentoEstruturado Compostoporseiselementos: CabeamentoHorizontal(HorizontalCabling); CabeamentoBackbone(BackboneDistribution); ÁreadeTrabalho(WorkArea); SaladeTelecomunicações(TelecommunicationsRoom

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

Redes de Computadores. Cabeamento Estruturado

Redes de Computadores. Cabeamento Estruturado Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 4 Propriedades desejadas de um sistema de cabeamento estruturado: Máxima independência na tecnologia de acessos a redes. Maior adequação à

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

INSTALAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PARA CABEAMENTO LÓGICO

INSTALAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PARA CABEAMENTO LÓGICO INSTALAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PARA CABEAMENTO LÓGICO ELETROCALHAS A instalação das eletrocalhas em uma infra-estrutura para suportar os cabos lógicos e elétricos devem seguir algumas normas para que não

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 Índice 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO)...3 1.1 Cabo coaxial... 3 2 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO) Em um projeto de redes,

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA APRESENTAÇÃO As especificações contidas neste memorial são referentes às instalações de cabeamento estruturado do prédio sede do Tribunal Regional do Trabalho 12ª Região TRT, localizado na Av. Jorn.Rubens

Leia mais

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado

Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Especificação Técnica Sistema de Cabeamento Estruturado Patch Cord Tipo RJ-45 - RJ45 - CATEGORIA 5 Modelo: D8AU Patch Cord com comprimento aproximado de xx metros, com conectores modulares de 8 posições

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais