CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE DIREITO LIBÓRIO ANTONIO MAGALHÃES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE DIREITO LIBÓRIO ANTONIO MAGALHÃES"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE DIREITO LIBÓRIO ANTONIO MAGALHÃES MECANISMOS JURÍDICOS UTILIZADOS PELO PODER PÚBLICO NO BRASIL PARA PREVENIR A OCORRÊNCIA DE DANOS AMBIENTAIS Fortaleza, janeiro de 2014

2 LIBÓRIO ANTONIO MAGALHÃES MECANISMOS JURÍDICOS UTILIZADOS PELO PODER PÚBLICO NO BRASIL PARA PREVENIR A OCORRÊNCIA DE DANOS AMBIENTAIS Monografia submetida à aprovação da Coordenação do Curso de Direito do Centro Superior do Ceará, como requisito para obtenção do título de Bacharel em Direito. Orientador: Prof. Dr. Giovanni Augusto Baluz Almeida Fortaleza - Ceará 2014

3 M188m Magalhães, Libório Antonio Mecanismos jurídicos utilizados pelo poder público no Brasil para prevenir a ocorrência de danos ambientais / Libório Antonio Magalhães. Fortaleza f. Orientador: Prof.º Esp. Giovanni Augusto Baluz Almeida. Trabalho de Conclusão de curso (graduação) Faculdade Cearense, Curso de Direito, Dano ambiental. 2. Preservação. 3. Meio ambiente. I. Almeida, Giovanni Augusto Baluz. II. Título CDU Bibliotecário Marksuel Mariz de Lima CRB-3/1274

4 LIBÓRIO ANTONIO MAGALHÃES MECANISMOS JURÍDICOS UTILIZADOS PELO PODER PÚBLICO NO BRASIL PARA PREVENIR A OCORRÊNCIA DE DANOS AMBIENTAIS Aprovada em / / BANCA EXAMINADORA Professor orientador: Dr. Giovanni Augusto Baluz Almeida Centro Superior do Ceará Professor da Banca Examinadora Professor da Banca Examinadora

5 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, por permitir a realização desta caminhada. A minha esposa e filhos, por toda a forma de incentivo e encorajamento contínuos na pesquisa. A meu pai (in memoriam) e minha mãe, por toda dedicação. Ao professor e orientador Giovanni Baluz, pelo apoio; aos demais mestres da casa, pelos conhecimentos transmitidos; e à Diretoria da Faculdade Cearense, pelo apoio institucional e pelas facilidades oferecidas.

6 Árvores são poemas que a terra escreve para o céu. Nós as derrubamos e as transformamos em papel para registrar todo nosso vazio." Khalil Gibran

7 RESUMO Verifica-se do conceito doutrinário que a presença do dano ambiental implica um juízo de valor quanto à alteração do meio ambiente, assim como a análise da gravidade da lesão. Portanto, constatada a irregularidade no procedimento e avaliada a gravidade do fato ocorrido, pode-se estabelecer a dimensão do prejuízo ambiental. A fim de evitar situações e para responsabilizar autores de ações contra a natureza, a legislação pátria fornece proteção legal ao meio ambiente. O Direito Penal não pode deixar de dar guarida à bem de tal importância, devendo suas regras protegê-lo. As infrações contra o meio ambiente atentam contra interesses coletivos e difusos e não só contra bens individuais como a própria saúde e a vida. Daí a necessidade de incriminar não só o pôr em risco a vida, a saúde dos indivíduos, mas atentar contra a própria natureza. A proteção ao meio ambiente em face de importância do bem em uma escala de valores sociais apresenta-se necessária, como resposta social, como instrumento de pressão e como instrumento de prevenção. Como resposta social, porque vai além do indivíduo. Como instrumento de pressão, porque o infrator ambiental é atingido quando da sanção penal em sua imagem e conforto pessoais. Como instrumento de prevenção, apesar de estampar um caráter repressivo, punitivo, o papel do Direito Ambiental Penal é o de prevenir a ocorrência, seja de dano, seja de perigo. Palavras chave: dano ambiental, preservação, meio ambiente.

8 ABSTRACT It turns out the doctrinal concept that the presence of environmental damage entails a value judgment as to the change in the environment, as well as the analysis of the gravity of the injury. Therefore, noted the irregularity in the procedure and assessed the seriousness of the fact occurred, one can establish the extent of the environmental damage. In order to avoid situations and to hold perpetrators of actions against nature, the homeland law provides legal protection for the environment. The criminal law cannot help harboring well of such importance, and its rules to protect him. Infractions against the environment violate collective interests and fuzzy and not only against individual goods as his own health and life. Hence the need to frame not only endangering the life, the health of individuals, but threaten the very nature. The protection of the environment in the face of importance of a scale of social values is required, such as social response, as an instrument of pressure and as an instrument of prevention. As social response, because it goes beyond the individual. As an instrument of pressure, because the offender is reached when the environmental penal sanction in your image and personal comfort. As an instrument of prevention, despite a repressive, punitive character imprint, the role of Criminal environmental law is to prevent the occurrence of damage in any danger. Key words: environmental damage, preservation, environment.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO BREVE HISTÓRICO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA ASPECTOS DA POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DANOS AMBIENTAIS E PREVENÇÃO NO BRASIL IMPACTOS AMBIENTAIS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 81

10 8 INTRODUÇÃO Atualmente a preservação ambiental é ou deve ser uma das prioridades de qualquer sociedade. A degradação ambiental é consequência das queimadas, dos desmatamentos e da emissão de poluentes no ar, por exemplo. Aliás, a poluição do ar é um dos graves problemas enfrentados nas grandes cidades do mundo. Ela causa várias doenças respiratórias na população, principalmente nas crianças. Portanto os reflexos dessas transformações são o aumento do efeito estufa e, consequentemente, o aquecimento global, culminando em mudanças climáticas. As mudanças climáticas irão gerar graves impactos sobre a população do planeta. No contexto das reflexões de como seria a vida na Terra, quando todo o equilíbrio sistêmico fosse alterado, novas combinações fossem instauradas, é que surgem os movimentos de cunho científico e popular buscando alternativas para o estabelecimento de um caminho em que seja possível respeitar as leis fixas da natureza e ao mesmo tempo permitir à humanidade alçar voos em busca de seu desejo mais propagado: desenvolver-se e evoluir continuamente. Na verdade o homem pode viver e desenvolver-se satisfatoriamente, se considerar-se a existência de planejadores que observem com seriedade a lei da física a qual rege que para cada ação está prevista uma reação, e busquem respeitar uma série de limitações inerentes à natureza. Verifica-se do conceito doutrinário que a presença do dano ambiental implica um juízo de valor quanto à alteração do meio ambiente, assim como a análise da gravidade da lesão. Portanto, constatada a irregularidade no procedimento e avaliada a gravidade do fato ocorrido, pode-se estabelecer a dimensão do prejuízo ambiental. A fim de evitar situações e para responsabilizar autores de ações contra a natureza, a legislação pátria fornece proteção legal ao meio ambiente. O Direito Penal não pode deixar de dar guarida à bem de tal importância, devendo suas regras protegê-lo. As infrações contra o meio ambiente atentam contra interesses coletivos e difusos e não só contra bens individuais como a própria saúde e a vida. Daí a necessidade de incriminar não só o pôr em risco a vida, a saúde dos indivíduos, mas atentar contra a própria natureza. A proteção ao meio

11 9 ambiente em face de importância do bem em uma escala de valores sociais apresenta-se necessária, como resposta social, como instrumento de pressão e como instrumento de prevenção. Como resposta social, porque vai além do indivíduo. Como instrumento de pressão, porque o infrator ambiental é atingido quando da sanção penal em sua imagem e conforto pessoais. Como instrumento de prevenção, apesar de estampar um caráter repressivo, punitivo, o papel do Direito Ambiental Penal é o de prevenir a ocorrência, seja de dano, seja de perigo.

12 10 1 Breve Histórico da Legislação Ambiental Brasileira A legislação brasileira tardou a contemplar a questão ambiental em sua Constituição Federal, vindo isso a ocorrer apenas com a promulgação da Carta Magna no ano de Os dispositivos legais dedicados à temática do meio ambiente encontravam-se dispersos e, de certa forma, inaplicáveis. Devido tal constatação, antes de desenvolver um estudo direcionado ao chamado Direito Ambiental, se faz necessário uma abordagem, ainda que resumida, da evolução histórica da legislação ambiental no nosso ordenamento jurídico até os dias atuais, transitando pelo supracitado texto constitucional. Sendo assim, podemos fazer um quadro cronológico, demonstrando a evolução dos principais dispositivos legais com o objetivo de proteger o patrimônio ambiental e delimitar sua exploração: Lei nº Estatuto da Terra surgindo para atender às reivindicações dos movimentos sociais que clamavam por modificações estruturais na propriedade e uso da terra no Brasil Lei nº 4.771, de 15 de setembro, alterada pela lei nº 7.803/89: instituiu o Código Florestal, que, entre outras disposições, reconheceu a atribuição dos Municípios elaborarem os respectivos planos diretores e leis de uso do solo (art. 2º parágrafo único), previu a recuperação da cobertura vegetal (art. 18), definiu o que são as áreas de preservação permanente (art. 20), e teve aplicação ampla na área penal (art. 26 e seguintes); 3. Em 1967 o Governo Militar homologa uma nova Constituição atribuindo à União competência para legislar sobre jazidas, florestas, caça, pesca e águas, cabendo aos Estados tratar de matéria florestal. Nesse mesmo ano foram editados os Códigos de Caça e Pesca - Decreto-Lei nº 221, de 28 de fevereiro, que, entre outros dispositivos, estabelece proibições à pesca (art. 35), regulamenta o lançamento de efluentes das redes de esgoto e os resíduos líquidos ou sólidos industriais às águas (art. 37), estabelece penas às

13 11 infrações (art. 57 e seguintes); o Código de Mineração e, ainda, a Lei de Proteção à Fauna , através do Decreto-Lei nº 4.513, tem início o controle da poluição emitida por empresas que desempenham atividade industrial, fazendo com que estas ficassem obrigadas a prevenir e corrigir os prejuízos causados pela contaminação ambiental A Lei nº 6.543, estabelece a responsabilidade civil para empresas que trabalham em atividades nucleares, caso venham a causar danos ao meio ambiente Lei nº 6.803, de 02 de julho: refere-se ao Estudo de Impacto Ambiental Lei nº 6.938, de 31 de agosto: dispõe sobre a Política Nacional de Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação. Estabeleceu seus objetivos (art. 4 º) e a constituição do Sistema Nacional do Meio Ambiente (art. 6º alterado pela lei nº 8.028/98); Lei nº disciplinada a ação civil pública que define esta ação como instrumento processual específico em defesa do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos com a promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil, observa-se uma maior preocupação com as questões ambientais através de um capítulo integralmente dedicado ao meio ambiente. O artigo 225 que impõe ao Poder Público e à coletividade, o dever de defender e preservar o meio ambiente para as gerações presentes e futuras, chamando todos os brasileiros à responsabilidade pela preservação das condições de vida em nosso país Declaração do Rio de Janeiro: surgiu da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, que reuniu as principais autoridades internacionais para tratar do meio ambiente e estabeleceu princípios para uma melhor condução das atividades objetivando a preservação ambiental; Lei nº 9.433, de 08 de janeiro: institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, colocando a Bacia Hidrográfica como espaço geográfico de referência

14 12 e a cobrança pelo uso de recursos hídricos como um dos instrumentos da política; Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro, chamada Lei de Crimes Ambientais: dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, entre outras inovações, transformando algumas contravenções em crimes, responsabilizando as pessoas jurídicas por infrações cometidas por seu representante legal e permitindo a extinção da punição com a apresentação de laudo que comprove a recuperação ambiental Lei Complementar nº 140, de 08 de dezembro, fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas à proteção das paisagens naturais notáveis, à proteção do meio ambiente, ao combate à poluição em qualquer de suas formas e à preservação das florestas, da fauna e da flora; e altera a Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981.

15 13 2 ASPECTOS DA POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE A Política Nacional do Meio Ambiente encontra-se definida na Lei nº 6.938, de , e tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à dignidade da vida humana (art. 2º). A lei estabelece ainda diversos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente, que são classificados por Da Silva (1997, p. 149) em: instrumentos de intervenção ambiental, instrumentos de controle ambiental e instrumentos de controle repressivo. Os instrumentos de intervenção ambiental, segundo Da Silva (1997, p.149), "são mecanismos normativos com base nos quais o Poder Público intervém no meio ambiente para condicionar a atividade particular ou pública ao fim da Política Nacional do Meio Ambiente". São assim agrupados os seguintes instrumentos: I- o estabelecimento de padrões de qualidade ambiental; II- o zoneamento ambiental; III- a avaliação de impacto ambiental; IV- a criação de espaços territoriais especialmente protegidos pelos poderes públicos, federal, estadual e municipal, tais como estações ecológicas, reservas biológicas, áreas de proteção ambiental, de relevante interesse ecológico e reservas extrativistas; V- os incentivos à produção e instalação de equipamentos e a criação ou absorção de tecnologia, voltados para a melhoria da qualidade ambiental. Os instrumentos de controle ambiental, ainda conforme a classificação de Da Silva (1997, p.149), são os atos e medidas destinados a verificar a observância das normas e planos que visem à defesa e recuperação da qualidade do meio ambiente e do equilíbrio ecológico. O controle é exercido previamente pelo poder público, mediante estudo e avaliação do impacto ambiental e licenciamento das atividades potencialmente causadoras de danos ao meio ambiente. O controle é feito também durante a ação potencialmente danosa, por meio de inspeções,

16 14 fiscalizações e produção de relatórios. Finalmente, o controle também é exercitado depois da ação prejudicial ao meio ambiente, mediante vistorias e exames. Os instrumentos de controle repressivos consistem na aplicação de sanções administrativas, civis e penais, em face de condutas desviantes da legalidade ambiental. As sanções administrativas pelo não cumprimento das medidas necessárias à preservação ou correção dos inconvenientes e danos causados pela degradação da qualidade ambiental, nos termos da Lei nº 6.938/81, são: multa, perda ou suspensão de incentivos e benefícios fiscais concedidos pelo poder público; perda ou suspensão de participação em linhas de financiamento em estabelecimentos oficiais de crédito; redução ou suspensão de atividades. Já a Lei nº 7.679, de , que dispõe sobre a proibição da pesca de determinadas espécies em períodos de reprodução, estabelece a sanção administrativa de apreensão de embarcação utilizada na atividade ilícita (BRASIL, 2007). A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, define os crimes contra o meio ambiente e estabelece sanções penais e administrativas. No tocante às sanções administrativas por condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, estabelece como espécies, no artigo 72: advertência; multa simples; multa diária; apreensão dos animais, produtos e subprodutos da fauna e flora, instrumentos, petrechos, equipamentos ou veículos de qualquer natureza utilizados na infração; destruição ou inutilização do produto; embargo de obra ou atividade; demolição de obra; suspensão parcial ou total de atividades; restritiva de direitos. As sanções restritivas de direitos são: suspensão de registro, licença ou autorização; cancelamento de registro, licença ou autorização; perda ou restrição de incentivos ou benefícios fiscais; perda ou suspensão da participação em linhas de financiamento em estabelecimentos oficiais de crédito; proibição de contratar com a Administração Pública pelo período de até três anos (art. 72, 8º) (BRASIL, 2007). O autor é quem realiza a totalidade da conduta, finalizando-a ele mesmo ou valendo-se de outrem. O coautor não executa diretamente a conduta que, embora realizada de forma direta por outro, a domina ou codomina na finalização. Já o participante (partícipe)apenas coopera (dolosamente) na conduta do autor. Na responsabilização do sujeito ativo das infrações por meio da pessoa jurídica, faz-se necessária especial atenção à pessoa do dirigente, tendo a clareza de sua

17 15 participação nas decisões que levaram a conduta atentatória ao ambiente (LECEY, 2002). A análise da deliberação do dirigente é que vai mostrar a relevância de sua participação. A partir dessa análise, é que se pode concluir se o dirigente será enquadrado como mero participante, autor ou coautor. Pelas características da infração ambiental, em que o bem tutelado é justamenteo meio ambientespode-se encontrar, no decidir pela atividade, com consciência da consequência do ato, o elemento subjetivo, que éo saber estar contribuindo para o delito. O concurso do dirigente da empresa à infração, seja pela autoria, seja pela coautoria ou participação, pode ser admitido segundo os princípios do Direito Penal, aplicando-se as regras sobre concurso de pessoas ao crime, em razão de sua posição na pessoa jurídica como agente de deliberações e determinações, as quais possam levar à ocorrência de crimes contra o meio ambiente. O amparo legal está na regra geral do art. 29, caput, do Código Penal Brasileiro, e na primeira parte do artigo 2 da Lei nº 9605, de 12 de fevereiro de 1998 (Lei dos Crimes contra o Meio Ambiente) (LECEY, 2002). A regra em matéria criminal é de quem não age para impedir um delito executado por outra pessoa, não é partícipe, não é cúmplice, não é considerado concorrente para efeito penal, a não ser que tenha o dever jurídico de agir. O exemplo clássico é o de um individuo que presencia a combinação de um assalto pelos futuros executores, mesmo sem ser percebido pelos mesmos, podendo avisar a futura vítima ou a autoridade policial, não o faz, embora tenha o dever moral, não tem o dever jurídico de agir. Mas se for um policial, terá o dever de evitar o crime. Podendo fazê-lo, não agindo, tornar-se-á partícipe do delito. O artigo 13, parágrafo 2, do Código Penal Brasileiro, elencou as situações de dever agir, as quais são restritas e expressas, sob a rubrica de relevância da omissão. Fora disso não há concurso de agentes por omissão na ação de outrem (BRASIL, 2007). A Lei nº 9605/98, em seu artigo 2º refere-se expressamenteao dirigente da pessoa jurídica como concorrente em tais infrações. Foi além da regra sobre concorrência de qualquer forma, criando mais uma hipótese de relevância da

18 16 omissão, na esteira das situações elencadas no Código Penal Brasileiro, artigo 13, parágrafo 2º (BRASIL, 2007). Estabelece a segunda parte do artigo 2º da Lei 9.605/98 a responsabilidade penal do diretor, administrador, membro de conselho e de órgão técnico, auditor, gerente, preposto ou mandatário de pessoa jurídica que, sabendo da conduta criminosa de outrem, deixar de impedir a sua prática, quando podia agir para evitála. Portanto o dirigente da pessoa jurídica e as outras pessoas referidas no artigo 2º da Lei nº 9.605/98, por suas posições no âmbito da empresa, têm o dever de agir para evitar danos ao meio ambiente decorrente, inclusive, das condutas criminosas de outrem. Se omitirem-se quando poderiam atuar, tornam-se concorrentes por omissão (BRASIL, 2007). Observa-se que duas teorias tratam da questão: A Teoria da Ficção, criada por Savigny, segundo a qual a pessoa jurídica é fictícia, uma abstração sendo incapaz de delinquir por lhe faltar vontade e ação. Os delitos que vierem a ser praticados o serão pelos seus representantes, ou seja, pelas pessoas naturais que são a realidade por trás da ficção (IENNACO, 2010). A Teoria da Realidade, de Otto Gierke, afirma que a pessoa jurídica é um ente real, tem existência real, independentemente dos indivíduos que a compõem. Possui personalidade real e vontade própria, é capaz de ação e praticar ações penais (IENNACO, 2010). A Teoria da Ficção tem prevalecido.os principais argumentos são a impossibilidade de aplicação da pena de prisão à pessoa jurídica, a ofensa ao princípio da pessoalidade da pena, a incapacidade de a pessoa jurídica realizar conduta por ausência de vontade e culpabilidade, mas a tendência no âmbito mundial é pela responsabilização da pessoa jurídica (IENNACO, 2010). De qualquer forma, será óbvia a impossibilidade de aplicação de pena de prisão, mas as sanções pecuniárias, de recuperação e preservação ambiental, serviços comunitários e suspensão de atividades da empresa podem surtir bons resultados (artigos 21 e 22 da Lei nº 9.605/98) (BRASIL, 2007). Medidas como custeio de programas e projetos ambientais e recuperação de áreas degradadas podem servir para reinserir a empresa no meio social.

19 17 Culpabilidade também não poderia ser encontrada na pessoa jurídica, pois só a pessoa humana tem capacidade de entender e querer. Consciência da ilicitude, elemento da culpabilidade, é atributo exclusivo do homem, da pessoa física. Impossível encontrar numa empresa comercial tal consciência, nem razoável é formular um juízo de reprovabilidade penal pelo desempenho de uma instituição financeira. Nos dias de hoje, cada vez mais as empresas têm substituído a pessoa individual em face da complexidade das relações econômicas e os reflexos da vida moderna. E nesse contexto as mais expressivas infrações atentatórias ao meio ambiente têm sido praticadas pelas empresas. Necessário um redirecionamento do Direito Penal tradicional, em razão da peculiaridade da pessoa jurídica como sujeito ativo do delito. No tocante à capacidade de ação, a pessoa jurídica é capaz de conduta tanto no campo cível quanto no penal. Pode contratar, epode faze-lo fraudulentamente. Assim, pode realizar conduta que é a base sobre a qual incide o conceito de fato punível em matéria criminal. Há que se redefinir o fato punível e a culpabilidade. A Constituição brasileira, em seu artigo 225, preceitua a necessidade de manter-se um meio ambiente ecologicamente equilibrado, como essencial à manutenção da qualidade de vida, impondo ao poder público e à coletividade o dever de preservá-lo às presentes e futuras gerações (BRASIL, 2007). O Direito Penal não pode deixar de dar guarida a bem de tal importância, devendo suas regras protegê-lo. As infrações contra o meio ambiente atentam contra interesses coletivos e difusos e não só contra bens individuais. Daí a necessidade de incriminar não só o pôr em risco a vida, a saúde dos indivíduos, mas atentar contra a própria natureza. A proteção ao meio ambiente em face de importância do bem em uma escala de valores sociais apresenta-se necessária, como resposta social, como instrumento de pressão e como instrumento de prevenção. Como resposta social, porque vai além do indivíduo. Como instrumento de pressão, porque o infrator ambiental é atingido quando da sanção penal em sua imagem e conforto pessoais. Como instrumento de prevenção, apesar de estampar um caráter repressivo, punitivo, o papel do Direito Ambiental Penal é o de prevenir a ocorrência, seja de dano, seja de perigo.

20 18 A Lei nº 9.605/98 Lei dos Crimes contra o Meio Ambiente trouxe impactos como a responsabilização criminal da pessoa jurídica, destacando a relevância da omissão do dirigente vindo a concorrer na conduta criminosa de outrem (BRASIL, 2007). Observe-se o que diz a Lei: Artigo 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as futuras gerações. Parágrafo 3º. As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoa física ou jurídica, às sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados (BRASIL, 2007). Esse preceito não destoa do que contém a Declaração do Meio Ambiente de Estocolmo, ditada pela ONU e pela UNESCO, em 1972, segundo a qual O homem tem direito fundamental a liberdade, à igualdade e ao desfrute de condições de vida digna e gozar de bem-estar e tem a solene obrigação de proteger e melhorar esse meio para as presentes e futuras gerações (Princípio I, 1º parte) (BRASIL, 2010). Proclama ainda o referido texto, no Princípio II: Os recursos naturais da terra, incluídos o ar, a água, a terra, a flora e a fauna e especialmente as amostras mais representativas dos ecossistemas naturais devem ser preservados em benefício das gerações presentes e futuras mediante uma cuidadosa planificação ou regulamentação, segundo seja mais conveniente (BRASIL, 2010) Por sua vez, a Resolução nº 1 do CONAMA, de 23 de janeiro de 1986, dispõe que o licenciamento de atividades modificadoras do meio ambiente dependerá de aprovação do Relatório de Impacto Ambiental (RIMA), precedido de Estudo de Impacto Ambiental (EIA) (BRASIL, 2007).

21 19 Uma atividade, ainda que legalmente permitida, jamais poderá ser efetuada sem um prévio estudo de impacto dos danos que podem ser causados ao meio ambiente, a fim de justamente evitar a ocorrência de algum problema. Assimos textos legislativos acima relacionados revelam que a lei tutela o meio ambiente, sujeitando o degradador à reparação dos danos causados. Considera-se degradação ambiental a alteração adversa das características do meio ambiente. Poluição é a degradação ambiental causada, entre outras, por atividades que direta e indiretamente prejudiquem a saúde, a segurança e o bemestar da população, afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente e lancem matérias ou energias em desacordo com padrões ambientais estabelecidos (artigo 3º, II, da Lei nº 6.938/81)(BRASIL, 2007). Esses cuidados estabelecidos pelas normas objetivam tornar tolerável a presença de eventual dano ambiental, legitimando a exploração sustentada e primando pela manutenção das reservas naturais. A Lei Florestal, que trata dos os assuntos relacionados a crimes cometidos contra a fauna, que eram tratados pelo Código de Caça (Lei nº 5.197/67), prevê que todos os animais silvestres, mesmo estando localizados em propriedades, particulares são de propriedade da União. Essa simples disposição faz com que todos os crimes que forem praticados contra animais silvestres são de competência da Justiça Federal, ou seja, somente a Justiça Federal é competente para julgar os crimes praticados contra a fauna (BRASIL, 2007). Observa-se ainda que, com as alterações nessa lei, pode-se também atribuir a responsabilidade penal à pessoa jurídica. Essa inovação é boa devido ao grande descaso que as empresas têm para com o meio ambiente, que se expressa por meio de atos como o desmatamento e a poluição da atmosfera, de rios e nascentes (COSTA NETO, 2000). Entretanto os juristas brasileiros ofereceram resistência a essa inovação, pois para eles faltam os conceitos de vontade e culpabilidade, já que esses conceitos são exclusivos das pessoas físicas. Com essa mudança, foi necessário reformular o conceito de culpabilidade, para que esta pudesse se adaptar a entes coletivos. E essa mudança deve ser considerada como uma mudança muito boa, pois a lei de forma alguma poderia deixar passar despercebidas às atitudes catastróficas das empresas. A lei não quis deixar impune

22 20 a pessoa física autora, coautora ou partícipe. As responsabilidades são diferentes, ainda que apuradas em um mesmo processo penal, podendo, inclusive, acontecer a absolvição ou a condenação separadamente ou em conjunto. A Lei n 6.938/81 criou o Sistema Nacional do Meio Ambiente, um órgão colegiado, integrado por órgãos da União, estados e municípios, com a finalidade de proteger e melhorar a qualidade ambiental no País. A execução solitária de um programa ambiental, uma meta isolada ou mesmo o estabelecimento de um padrão ambiental apenas por uma unidade da Federação não traria êxito para o alcance de uma política nacional. Com o conhecimento da Lei n 6.938/81, observa-se que quis o legislador unificar a atuação em matéria ambiental, ou seja, constituição de um patamar mínimo para os integrantes da Federação atuar na questão ambiental, de forma que o atendimento do mandamento constitucional para preservação do meio ambiente só poderá ser alcançado com a somação de esforços, pela unificação de ações, pois caso contrário uma unidade cumpre e a outra descumpre e, então, em matéria ambiental, assim como ocorre em todos os campos da Administração Pública, pouca valia possuirá a ação se compartimentalizada e isolada em suas manifestações, segundo entendimento de Veríssimo (2001). Portanto, segundo Veríssimo (2001), é preciso investir mais no Sistema Nacional do Meio Ambiente e principalmente nos órgãos que constituem a base da pirâmide, esses poderão prestar relevantes serviços para a causa ambientalista. Observa-se também que como ocorreu em diversos outros países, inclusive nos ditos desenvolvidos, a legislação brasileira tardou a contemplar expressamente a questão ambiental em sua Constituição Federal, vindo isso a ocorrer apenas com a promulgação da Carta Magna no ano de 1988, de forma que começou a surgir dessa maneira o reconhecimento oficial da importância de que se revestiam discussões relacionadas à ecologia e à preservação do meio ambiente que, até então, estavam restritas a alguns países mais desenvolvidos. Silva (1981), por sua vez, explica que: o meio ambiente é a interação do conjunto de elementos naturais, artificiais e culturais que propiciem o desenvolvimento equilibrado da vida humana. Já Meirelles (1983) explica a poluição: Poluição é toda alteração das propriedades naturais do meio ambiente,

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003.

L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. 1 L E I N.º 162/2002, de 28 de janeiro de 2003. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Proteção Ambiental, a elaboração, implementação e controle da Política Ambiental do Município de Coqueiro

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI FEDERAL Nº. 6.938 DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Já alterada pela Lei nº 7804 de 18 de julho de 1989. O Presidente da Republica. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de

Leia mais

O Licenciamento Ambiental Municipal

O Licenciamento Ambiental Municipal O licenciamento ambiental é um dos instrumentos da política nacional do meio ambiente, sendo definido como o procedimento administrativo utilizado pelo órgão ambiental competente para licenciar a localização,

Leia mais

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981

LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves

Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Legislação brasileira sobre meio ambiente - tópicos Fabricio Gomes Gonçalves Contextualizando... Adaptação do produtor rural sem condições novos critérios de uso da terra impostos aleatoriamente sem alicerces

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE Docência assistida: Prof.º Fábio Remy de Assunção Rios

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 947/2010 Institui a Política Municipal de Meio Ambiente, cria o Conselho e Fundo Municipal de Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul,

LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. LEO MIGUEL WESCHENFELDER, Prefeito Municipal de Porto Lucena, Estado do Rio Grande do Sul, LEI Nº 1766/10 De 16 de novembro de 2010. DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL, AS INFRAÇÕES E PENALIDADES AMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE PORTO LUCENA E INSTITUI TAXAS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. LEO MIGUEL

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional MARÇO/2012 Verônica Maria Miranda Brasileiro

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente LEI Nº 4366 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM-ES. A Câmara Municipal de Cachoeiro de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Edimundo Almeida da Cruz Geógrafo, Analista Ambiental (GCA-SLM-IEMA) Contato: edimundo-cruz@hotmail.com IEMA-CLM: (27) 3636-2580, 3636-2583

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA

ESTUDO POLUIÇÃO SONORA ESTUDO POLUIÇÃO SONORA José de Sena Pereira Júnior Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO DEZEMBRO/2005 Câmara

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES JURÍDICAS Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data:23/06 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR (Promotor de Justiça SP/2010) 01. Na ação de responsabilidade

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.267 Dispõe sobre o licenciamento ambiental no Município de Porto Alegre, cria a Taxa de Licenciamento Ambiental e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a

Leia mais

MEIO AMBIENTE LEIS E REGULAMENTOS AMBIENTAIS

MEIO AMBIENTE LEIS E REGULAMENTOS AMBIENTAIS Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental MEIO AMBIENTE LEIS E REGULAMENTOS AMBIENTAIS Constituição Federal art 23, 24, 30, 170, 175, 186 e 225 Lei de Crimes Ambientais Lei 9605/98 art 2º, 3º e 56

Leia mais

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA

14/05/2010. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Sistema Integrado de Gestão Ambiental SIGA-RS. Niro Afonso Pieper. Diretor Geral - SEMA 14/05/2010 Niro Afonso Pieper Diretor Geral - SEMA 1 O Sistema Integrado de Gestão Ambiental no Rio Grande do Sul Concepção e Histórico Requisitos para a Habilitação Princípio da Melhoria Contínua Enfoque

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL Jorge Luiz Britto Cunha Reis PROCEDIMENTOS DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1. INTRODUÇÃO As crescentes pressões da sociedade e o avanço da consciência ambientalista que floresceram em

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Com a edição da Lei nº 6.938/81 o país passou a ter formalmente uma Política Nacional do Meio Ambiente, uma espécie de marco legal para todas as políticas públicas de

Leia mais

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues O QUE É GESTÃO AMBIENTAL? "O controle apropriado do meio ambiente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE Hiuri Martorelli Metaxas 1 RESUMO: Este artigo descreve o conceito de Licenciamento Ambiental segundo a legislação vigente.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei:

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei: Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Faço saber

Leia mais

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140

Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 Licenciamento Ambiental nos Municípios: a Lei Complementar nº 140 I Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Brasília, 29 de março de 2012 SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - SISNAMA O

Leia mais

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE POLUIÇÃO VISUAL URBANA JOSÉ DE SENA PEREIRA JR. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2002

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA O PODER DE POLÍCIA AMBIENTAL E SUA EXECUÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE CASTRO CASTRO

Leia mais

LEI N 904, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009.

LEI N 904, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. 1 LEI N 904, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE IMPACTO LOCAL NO MUNICÍPIO DE PORTO MAUÁ E DÁ OUTRAS PRVIDÊNCIAS. GUERINO PEDRO PISONI, Prefeito Municipal de Porto Mauá,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL OLIVEIRA, Edivandro Araújo de. 1 Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT RESUMO O presente trabalho tem

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982

LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 LEI Nº 1532 DE 06 DE JULHO DE 1982 DISCIPLINA a Política Estadual da Prevenção e Controle da Poluição, Melhoria e Recuperação do Meio Ambiente e da Proteção aos Recursos Naturais, e da outras providencias.

Leia mais

Portaria n. 88, de 22/07/2015

Portaria n. 88, de 22/07/2015 Portaria n. 88, de 22/07/2015 O Ministério Público Federal, pelos Procuradores da República signatários, no cumprimento de suas atribuições constitucionais conferidas pelo art. 129 da Constituição Federal

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

Legislação Ambiental

Legislação Ambiental Legislação Ambiental Ação Civil Pública Agrotóxicos Poluição Mineração Crimes Ambientais Desapropriação Educação Ambiental Estações Ecológicas e Áreas de Proteção Ambiental Florestas Temas Infrações Adm.

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL E ESTUDO PRÉVIO DE IMPACTO AMBIENTAL 1. Introdução: Decreto 99.274 de 6 de junho de 1990 - artigo 17: A construção, instalação, ampliação e funcionamento de atividades utilizadoras

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS

RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NOTA JURÍDICA N.º 001/2008 Cuiabá/MT, 03 de julho de 2008. RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS 1. Devido à responsabilidade da Agenda Assessoria

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos PROGRAMAÇÃO ETAPA BELÉM 18 DE SETEMBRO DE 2014 O papel do Ministério Público na Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Raimundo Moraes Ministério Público do Pará CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 2. AÇÕES GOVERNAMENTAIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A Organização das Nações Unidas (ONU), formada por quase todos os países do mundo, realiza reuniões para discutir sobre temas importantes para a humanidade

Leia mais

Constituição Federal de 1988

Constituição Federal de 1988 EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PALESTRANTE: ENG. JOSÉ ANTONIO MONTEIRO FERREIRA McLEOD FERREIRA CONSULTORIA TÉCNICA E COMERCIAL S/C LTDA. mcleodferreira@uol.com.br Constituição Federal de 1988 Art. 170: A ordem

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI FEDERAL N 6.938, de 02 de setembro de 1981 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE, SEUS FINS E MECANISMOS DE FORMULAÇÃO E APLICAÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 2.587, DE 2007 Altera as Leis nº s 6.938, de 31 de agosto de 1981, e 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Autora: Deputada Thelma

Leia mais

LEI Nº 4.657 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015

LEI Nº 4.657 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015 LEI Nº 4.657 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015 DISPÕE sobre o sistema/procedimento de Licenciamento Ambiental no Município de Não- Me-Toque e dá outras providências... TEODORA BERTA SOUILLJEE LUTKEMEYER, PREFEITA

Leia mais

2º Debate sobre Mineração

2º Debate sobre Mineração 2º Debate sobre Mineração AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE PROJETOS DE MINERAÇÃO E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO Raimundo Moraes Ministério Público do Pará Belém, 30 de setembro

Leia mais

LEI Nº 547 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1993

LEI Nº 547 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1993 LEI Nº 547 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1993 Dispõe sobre a criação do Sistema Estadual de Desenvolvimento Ambiental de Rondônia- SEDAR e seus instrumentos, estabelece medidas de proteção e melhoria da qualidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR José de Sena Pereira Jr. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente, e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROMOTORIA DE LAGOA GRANDE Curadoria do Meio Ambiente RECOMENDAÇÃO Nº 002/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROMOTORIA DE LAGOA GRANDE Curadoria do Meio Ambiente RECOMENDAÇÃO Nº 002/2014 RECOMENDAÇÃO Nº 002/2014 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, por seu órgão de execução, no uso das suas atribuições legais, com fundamento no artigo 129, inciso II, da Constituição, c/c artigo

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

Presidente do Conselho Estadual de Meio Ambiente - COEMA

Presidente do Conselho Estadual de Meio Ambiente - COEMA Ilustríssimo Senhor JOSÉ ALBERTO DA SILVA COLARES SECRETÁRIO DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE Presidente do Conselho Estadual de Meio Ambiente - COEMA O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, por meio dos signatários,

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RECOMENDAÇÃO Nº 01, de 31 de março de 2009 1. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora da República que esta subscreve, no uso das suas atribuições constitucionais e legais: 2. Considerando que,

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final

Foto 10: Preenchimento 2. Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento. Foto 12: Acabamento final 49 Foto 10: Preenchimento 2 Foto 11: Esteira Etapas de repreenchimento Foto 12: Acabamento final 50 Foto 13: Utilização da esmiriradeira Foto 14: Armazenamento Foto 15: Acabamento final 51 Foto 16: Selo

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

NO ESTADO DO AMAZONAS

NO ESTADO DO AMAZONAS NO ESTADO DO AMAZONAS Competências Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas - IPAAM PREVISÃO LEGAL AO MEIO AMBIENTE ECOLOGICAMENTE EQUILIBRADO Constituição Federal, art. 225 Todos têm direito ao meio

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo: O texto que se segue parte de uma rápida passagem

Leia mais

a) Órgãos Superiores Conselho de governo, servindo para assessorar ao Presidente da República sobre assuntos que tratam do Meio Ambiente.

a) Órgãos Superiores Conselho de governo, servindo para assessorar ao Presidente da República sobre assuntos que tratam do Meio Ambiente. OAB MODULAR I - REPETIÇÃO Disciplina: Direito Ambiental Prof. : Juliana Lettière Data: 12/08/2009 Aula nº 01 TEMAS TRATADOS EM AULA ESPÉCIES DE MEIO AMBIENTE São quatro: - Meio ambiente natural/físico,

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL Política Nacional do Meio Ambiente Direito Ambiental Constitucional Direito Ambiental Constitucional

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais