CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR ULTRASSÔNICO PARA SISTEMA DE GUIAGEM E NAVEGAÇÃO DE VEÍCULO AGRÍCOLA AUTÔNOMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR ULTRASSÔNICO PARA SISTEMA DE GUIAGEM E NAVEGAÇÃO DE VEÍCULO AGRÍCOLA AUTÔNOMO"

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO DE SENSOR ULTRASSÔNICO PARA SISTEMA DE GUIAGEM E NAVEGAÇÃO DE VEÍCULO AGRÍCOLA AUTÔNOMO RAFAEL VIEIRA DE SOUSA 1 DANIEL CESAR BRAZ 2 GIOVANA TRIPOLONI TANGERINO 3 ARTHUR JOSÉ VIEIRA PORTO 4 RESUMO Sensores ultassônicos são comumente utilizados em sistemas de navegação de veículos autônomos e de robôs móveis em ambientes fechados e estruturados como escritórios ou fábricas. A utilização desse tipo de sensor em ambientes abertos e menos estruturados, como o ambiente agrícola, necessita de avaliação. Diante disso, apresenta-se a caracterização e a avaliação do comportamento de sensor ultrassônico para medidas de distância de obstáculos típicos do ambiente agrícola em relação a medidas de referência realizadas em laboratório. Os resultados obtidos permitem estabelecer condições para aplicação desse tipo de sensor em sistemas de guiagem e navegação de veículos autônomos e robôs agrícolas. PALAVRAS-CHAVE: sensor ultrassônico, automação de máquinas agrícolas, sistemas agrícolas autônomos CARACTERIZATION OF ULTRASSONIC SENSOR FOR GUIDANCE AND NAVIGATION SYSTEM OF AUTONOMOUS AGRICULTURAL VEHICLE ABSTRACT Ultrasonic sensors are frequently used in the guidance and navigation system of autonomous vehicles and mobile robots in door applications. Appling those sensors on agricultural machines demands researches for defining the boundaries conditions. It is present the characterization and evaluation of the Polaroid 6500 ultrasonic sensor for measurements in the agricultural environment. The experimental measurements are compared to referential measurements performed under supervised conditions on a laboratory. The results allow establishing operational conditions for its using in agricultural autonomous vehicles (AAV). KEYWORDS: ultrasonic sensor, machinery agricultural automation, agricultural autonomous system. 1 MSc. Eng.a Mecânica, Bolsista de Doutorado Fapesp, Escola de Engenharia de São Carlos-USP Dpto. Eng. Mecânica, Laboratório de Simulação e Controle, Av. Trabalhador São-carlense,400, CEP , São Carlos, SP, (16) , 2 Engenheiro Físico, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP 3 Engenheira Eletricista, Escola de Engenharia de São Carlos-USP, São Carlos-SP 4 Dr. Engenharia Mecânica, Professor Titular da Escola de Engenharia de São Carlos-USP.

2 1. INTRODUÇÃO Novas práticas agrícolas como o Plantio Direto, a Agricultura de Precisão e as práticas que tomam em conta a proteção do meio ambiente trouxeram com as suas evoluções uma série de desafios para a pesquisa. Junto a essa realidade relativamente recente, outros fatores, como o altíssimo custo de mão de obra, o envelhecimento da população rural sem perspectivas de renovação, a necessidade de minimizar a exposição dos operadores a atividades insalubres e a redução dos custos da eletrônica necessária para construção sistemas embarcados, têm incentivado e justificado pesquisas em VAA s e RAM s por empresas como AGCO, John Deer, CNH e Yanmar, e por grupos como os apresentados em Keicher e Seufert (2000), Reid et al (2000) e Torii (2000). Trabalhos como Hague, Southall e Tillett (2002), Southall et al (2002), Åstrand e Baerveldt (2002), Darr et al (2004) e Bak e Jakobsen (2004) têm apresentado soluções viáveis para o desenvolvimento de máquinas agrícolas semi-autônomas ou autônomas que possibilitam operações mais precisas para reduzir custos e minimizar o impacto ambiental de tarefas agrícolas. Sistemas de controle para VAA s e RAM s podem ser divididos em três sub-sistema: percepção, computação e atuação. Constitui um grande desafio para pesquisa desenvolver metodologias e tecnologias para cada um desses estágios pela dificuldade que o ambiente agrícola oferece por suas características topográficas, climáticas e das próprias culturas realizadas (ex. café, milho, laranja). Sensores ultrassônicos são muitos utilizados no sub-sistema de veículos autônomos e robôs móveis em outras áreas. Características como baixo custo, robustez e simplicidade de implementação tornam a sua utilização atrativa para a detecção de objetos e determinação de distâncias em relação a esses objetos. Trabalhos recentes buscam determinar condições para aplicação de sensores ultrassônicos para o sistema de guiagem e navegação de máquinas agrícolas autônomas. Iida & Burks (2002) utilizaram arranjos laterais de sensores ultrassônicos para medir a distância de máquina agrícola em relação às árvores de um pomar, combinando os dados do sensor e de um receptor DGPS, possibilitando a navegação segura entre as árvores. Em Guo et al. (2002) é descrito o desenvolvimento de um sistema baseado em dois sensores ultrassônicos para detectar objetos em movimento e permitir a navegação segura de máquinas agrícolas no campo.

3 Sob esse contexto, o objetivo deste trabalho é caracterização e avaliação do comportamento de sensor ultrassônico para medidas de distância em relação a obstáculos típicos do ambiente agrícola através da comparação com medidas de referência realizadas em laboratório. Pretende-se com isso estabelecer os parâmetros de operação desse sensor em tais condições e avaliar a possibilidade de sua utilização no VAA que está sendo desenvolvido em projeto de pesquisa cooperativo entre o Departamento de Engenharia Mecânica da EESC-USP e a Embrapa Instrumentação Agropecuária (Porto, 2003). 2. MATERIAIS E MÉTODOS O sistema de guiagem e navegação do VAA em desenvolvimento é composto de vários dispositivos sensores, atuadores e sistemas computacionais que são integrados através de uma rede CAN. A integração desses dispositivos, incluindo o sensor ultrassônico, é efetuada através da Interface CAN Padrão (ICAN). Essa interface é circuito eletrônico microcontrolado que realiza, entre outras funções, a integração dos dispositivos com a rede CAN (Braz et al, 2004). Foi utilizado na caracterização o sensor ultrassônico modelo 6500 da Polaroid (Polaroid, 2004) que permite medir distâncias de 6 (~ 0,15 m) a 35ft (~10,00 m) com um erro absoluto de ± 1%. Esse sensor é composto de uma pastilha cerâmica (elemento sensor) que é conectada a um circuito transdutor que disponibiliza seus diversos sinais de controle e de transmissão de dados ao circuito controlador, nesse caso a ICAN, que os repassa ao pela rede CAN a um PC (Personal Computer) conectado a outra ICAN. O funcionamento do sensor é baseado na reflexão de ondas sonoras sendo que no modo de operação Single-Echo o emissor envia (INIT) 16 pulsos sonoros a uma freqüência de 49,40 khz (ultrassom) que viajam pelo ar a uma velocidade de 0,3048 m a cada 0,90 ms (milisegundos). O sinal de retorno (ECHO) é recebido pelo receptor e condicionado eletricamente pelo circuito transdutor. O tempo ( t) entre a emissão do primeiro pulso e o recebimento do sinal de eco (ECHO) é proporcional à distância do objeto. Para o controle e transmissão das medidas foi desenvolvida uma rotina de programa para o microcontrolador da ICAN (PICF258) e um programa para PC para solicitação, recebimento e armazenamento de dados. A figura 1 mostra um fluxograma geral do programa do microcontrolador e a interface gráfica do programa para PC.

4 Início Recebe do PC: número de medições e período do BINH (T_BINH) Configuração da interface CAN Recebe dado do PC Sinal INIT e BINH Recepção do ECHO Calculo da distância Envia dado para o PC Fim das medições? Envia para o PC: conjunto de medições realizadas. Fim Figura 1 Fluxograma do programa de controle do transdutor do sensor Polaroid 6500 e interface gráfica do programa para PC para controle das medições. Através de uma sub-rotina do programa do microcontrolador é possível controlar o sensor ultrassônico, efetuando as medições e transmitindo-as ao PC depois de processadas. Para possibilitar medições de distância inferiores a 0,40 m foi implementada a função BINH (Blanking Inhibit), disponibilizada pelo circuito transdutor, para o controle do tempo de atraso entre o sinal INIT e o sinal BINH. A metodologia adotada para avaliação da viabilidade do sensor baseia-se na comparação de alguns parâmetros estatísticos calculados sobre dois conjuntos de medidas. O primeiro conjunto de medições foi realizado em laboratório em relação a um anteparo plano de madeira com dimensões adequadas para uma boa reflexão das ondas ultrassônicas emitidas pelo sensor. O segundo conjunto de medições foi realizado em relação a um anteparo vegetal (planta), simulando condições físicas de superfícies encontradas em uma plantação. As medições foram realizadas, inicialmente, com a planta estática, e posteriormente, em movimento sendo rotacionada em pequenos ângulos de um lado para o outro.em ambos os casos, foram efetuados medições de distância entre o sensor e o anteparo plano para cada

5 posição diferente. Em cada uma dessas situações foi variado o tempo de atraso do sinal BINH (T_BINH) entre alguns os valores de 0.6 ms a 1.2 ms. A figura 2 mostra a configuração da instrumentação para o segundo conjunto de medidas realizado em relação ao anteparo vegetal. (1) PC (2) Sensor ultrassônico (3) Planta (Anteparo Vegetal) (4) Ponto de referência (3) (1) (2) (4) * Figura 2 Medições de distância com o sensor ultrassônico em relação a um anteparo vegetal d As distâncias foram determinadas previamente com o uso de uma trena. As distâncias foram escolhidas para avaliar o sensor nas distâncias mais comuns em que ele será futuramente empregado. Para a estimativa prévia das distâncias no segundo conjunto de medidas foi adotado como referência um ponto na parte frontal da planta,. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Conforme descrito na seção anterior, as medições foram processadas antes de serem transmitidas ao PC. Esse processamento consistia no cálculo da distância do sensor ao anteparo a partir da equação (1). D = (UT x V) / (2 x 3,2 x 10-6 ) (1) Onde: D: é a distância do sensor ao anteparo expressa em metros; UT: total de unidades de tempo contadas pelo microcontrolador; V: velocidade do som no ar (338,6667 m/s); 2x3,2 x 10-6 : constante divisora para o valor correspondente da UT em segundos. A figura 3 apresenta a média e o erro relativo (Vuolo, 1991) das 30 medições restantes após a filtragem dos valores discrepantes, efetuadas para cada distância e para cada T_BINH adotado.

6 Médias (m) 3,00 2,70 2,40 2,10 1,80 1,50 1,20 0,90 0,60 0,30 0,00 valor real 0,6 0,7 0,8 0,9 1,2 3,00 2,00 1,00 0,50 0,30 0,20 0,15 Distâncias (m) Erros relativos (%) 20,00 16,00 12,00 8,00 4,00 0,00 0,6 0,7 0,8 0,9 1,2 3,00 2,00 1,00 0,50 0,30 0,20 0,15 Distâncias (m) Figura 3 Média e erros relativos das medições realizadas para referência Como pode ser observada na figura 3, as medições efetuadas pelo sensor apresentam pequeno erro relativo para medidas superiores a 0,25 m. O valor de T_BINH influencia o comportamento do erro, sendo mais notada essa influência para medidas inferiores a 0,50 m. Para essas distâncias o erro aumenta com o aumento de T_BINH. Observa-se que as melhores medições foram efetuadas com T_BINH de 0,7 ms (valor de T_BINH que obteve um número maior de medidas com baixo erro relativo). As medidas obtidas no segundo conjunto sofreram os mesmos tratamentos para a determinação dos parâmetros estatísticos utilizados na caracterização anterior. A figura 4 apresenta a média das medições realizadas com a planta estática e em movimento, em função da distância e para cada T_BINH. Médias (m) 1,500 1,250 1,000 0,750 0,500 0,7 0,8 0,9 Médias (m) 1,500 1,250 1,000 0,750 0,500 0,7 0,8 0,9 0,250 0,250 0,000 1,50 1,00 0,50 0,20 Distâncias (m) 0,000 1,50 1,00 0,50 0,20 Distancias (m) (a) (b) Figura 4 Média das medições em relação ao anteparo vegetal: (a) anteparo parado e (b) anteparo em movimento. A figura 5 apresenta os valores do erro relativo das medidas em função da distância e para cada T_BINH das medições com o anteparo em movimento.

7 Erros relativos ( % ) 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 0,7 0,8 0,9 1,50 1,00 0,50 0,20 Distâncias (m) Figura 5 Erro relativo para as medidas relação ao anteparo vegetal em movimento. De forma geral, os valores tiveram um aumento significativo em relação aos encontrados na caracterização de referência, principalmente para distâncias pequenas (abaixo de 0,50 m). Isso mostra a influência da forma da superfície do anteparo. As medidas de grandes distâncias (0,15 e 0,10 m) possuem pequeno erro considerando-se as condições às quais o sensor foi submetido. Para essas distâncias, o pulso ultrassônico é refletido com maior eficiência, mesmo considerando a concentração de folhas, que é baixa, e o tipo das folhas da planta. O aumento da distância do sensor à planta causa um aumento da área de seção de choque, isto é, da área de incidência, do pulso ultrassônico. Esse fato se deve ao formato do pulso do sensor, que segundo o manual do fabricante, é emitido com uma angulação de ± 15º formando um cone e não um cilindro de base circular. Isso torna maior a probabilidade de um pulso ser refletido por alguma folha da parte frontal para distanciais maiores. Por outro lado, a elevação do erro apresentado pelas medições de pequenas distâncias é causada, provavelmente, pela reflexão do pulso ultrassônico ter acontecido em folhas mais internas ou externas em relação ao ponto de referência de medida na planta. Para melhoria do desempenho do sensor em toda a faixa medida, sugere-se a aplicação do sensor em um arranjo com várias unidades. Isso permitiria a aquisição de medidas em vários pontos da planta, as quais seriam processadas e um valor mais apurado seria fornecido como resultado. Esse fato necessita de testes para sua comprovação.

8 4. CONCLUSÕES A caracterização do sensor ultrassônico permitiu definir condições para sua aplicação em VAA s. Embora a validação final dependa de implementação prática, os resultados obtidos podem orientar a implementação de um sub-módulo para determinar distâncias em relação a objetos para um sistema de guiagem e navegação de um VAA. Para um melhor aproveitamento desse sensor em um sistema de guiagem e navegação, é proposta a utilização de mais de um elemento sensor compondo um arranjo de sensores ultrassônicos. A integração com outros tipos de sensores (identificação de linhas e objetos por visão com câmera e receptor GPS e odômetros para seguir mapas), também pode trazer benefícios e constituí tema para trabalhos futuros. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAK, T. AND JAKOBSEN, H. (2004). Agricultural robotic platform with four wheel steering for weed detection. Biosystems Engineering, v. 87, n. 2, p ÅSTRAND B., BAERVELDT A.-J. (2002). An agricultural mobile robot with vision-based perception for mechanical weed control. Autonomous Robots, v.13, p BENSON, E.; STOMBAUGH, T.; NOGUCHI, N.; WILL, J.;REID, J.F. (1998). An evaluation of a geomagnetic direction sensor for vehicle guidance in precision agriculture applications. ASAE Paper ASAE. St. Joseph, MI. BRAZ, D.C., SOUSA, R.V., INAMASU, R.Y., A.J.V. PORTO. (2004). Desenvolvimento de uma interface CAN para integração de dispositivos embarcados em máquinas agrícolas. (CD ROM) In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA, 33, São Pedro, Anais. São Pedro, Sociedade Brasileira de Engenharia Agrícola. DARR, M.J, T.S. STOMBAUGH, S.A. SHEARER AND J.P. FULTON (2004). CAN-based distributed control for autonomous vehicles. Proc.of the 2004 ASAE Annual Meeting. Ottawa, Ontario, Canada. GUO, L., Q. ZHANG, AND S. HAN. (2001). Agricultural machinery safety alert system using ultrasonic sensors. Journal of Agricultural Safety and Health, v. 8, n. 4, p HAGUE,T., SOUTHALL, B. AND TILLETT, N.D. (2002). An autonomous crop treatment robot: part II - real time implementation. International Journal Robotics Research. v. 21, n. 1, p IIDA, M., BURKS, T.F. (2002). Ultrasonic Sensor Development for Automatic Steering Control of Orchard Tractor. In: AMERICAN SOCIETY OF AGRICULTURAL ENGINEERS (ASAE), AUTOMATION TECHNOLOGY FOR OFF-ROAD EQUIPMENTE (ATOE), Chicago, Illinois, USA, 2002.

9 KEICHER, R.; SEUFERT, H. Automatic guidance for agricultural vehicles in Europe. Computers and Electronics in Agriculture. v. 25, n. 1-2, p , PORTO, A.J.V; SOUSA, R.V., SILVA, A.R.Y., INAMASU, R.Y.. Robô Agrícola Móvel (RAM): uma revisão das pesquisas recentes sobre sistemas de navegação autônoma de robôs e veículos agrícolas (CD ROM). In: CONGRESSO BRASILEIRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFORMÁTICA APLICADA À AGROPECUÁRIA E AGROINDÚSTRIA, 4., 2003, Porto Seguro. Anais... Porto Seguro: SBIAGRO, Resumo. Editores: Marcos Aurélio Lopes, André Luiz Zambalde. REID, J.F.; ZHANG, Q; NOGUCHI, N.; DICKSON, M. (2000) Agricultural automatic guidance research in North America. Computers and Electronics in Agriculture. vol. 25, n.1-2, p SOUTHALL, B., HAGUE, T., MARCHANT, J. A., AND BUXTON, B. F. (2002). An autonomous crop treatment robot: part I. a kalman filter model for ocalization and crop/weed classification. International Journal Robotics Research v. 21, n. 1, p TORII, T. (2000). Research in autonomous agriculture vehicles in Japan. Computers and Electronics in Agriculture. v. 25, n. 1-2, p VUOLO, J. H. Introdução à Teoria de Erros. São Paulo: IF/USP, v.2, p

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Nível Profa. Michelle Mendes Santos Introdução Medir a variável nível em processos industriais é quantificar referenciais por meio da monitoração contínua ou discreta com o objetivo de avaliar

Leia mais

CONTROLE DE ESTERÇAMENTO DE ROBÔ AGRÍCOLA MÓVEL DE QUATRO RODAS GUIÁVEIS

CONTROLE DE ESTERÇAMENTO DE ROBÔ AGRÍCOLA MÓVEL DE QUATRO RODAS GUIÁVEIS CONTROLE DE ESTERÇAMENTO DE ROBÔ AGRÍCOLA MÓVEL DE QUATRO RODAS GUIÁVEIS GIOVANA T. TANGERINO 1, EDUARDO P. GODOY 1, RUBENS A. TABILE 1, RODRIGO M. SANCHES 1, RICARDO Y. INA- MASU 2, ARTHUR J. V. PORTO

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM CONTADOR VOLUMÉTRICO DE VEÍCULOS E PESSOAS COM ARDUINO

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM CONTADOR VOLUMÉTRICO DE VEÍCULOS E PESSOAS COM ARDUINO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM CONTADOR VOLUMÉTRICO DE VEÍCULOS E PESSOAS COM ARDUINO CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE PARA ELETRÔNICA EMBARCADA EM EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS 1. Vítor Henrique Amarante Soares 2.

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE PARA ELETRÔNICA EMBARCADA EM EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS 1. Vítor Henrique Amarante Soares 2. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE PARA ELETRÔNICA EMBARCADA EM EQUIPAMENTOS AGRÍCOLAS 1 Vítor Henrique Amarante Soares 2. 1 Projeto de Pesquisa realizado no curso de Engenharia Elétrica da Unijuí

Leia mais

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI.

USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. USO DA ARQUITETURA AURA - AUTONOMOUS ROBOT ARCHITECTURE EM UM ROBÔ EXPLORADOR DE LABIRINTO CONTROLADO POR RASPBERRY PI. Resumo João Paulo Fernandes da Silva¹, Willame Balbino Bonfim 1. joaopauloibge@hotmail.com

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO

INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE LABORATÓRIO DE CONTROLE DE ATITUDE COM RESTRIÇÕES DE CHAVEAMENTO Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. INSTRUMENTAÇÃO DE UM SISTEMA

Leia mais

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI "A implementação do sistema SCADA usando Field Point e interface LabVIEW,

Leia mais

REDE ISOBUS PARA CONTROLE E COMUNICAÇÃO DE DADOS DE UM ROBÔ AGRÍCOLA MÓVEL

REDE ISOBUS PARA CONTROLE E COMUNICAÇÃO DE DADOS DE UM ROBÔ AGRÍCOLA MÓVEL REDE ISOBUS PARA CONTROLE E COMUNICAÇÃO DE DADOS DE UM ROBÔ AGRÍCOLA MÓVEL 1 EDUARDO PACIÊNCIA GODOyl GIOVANA TRIPOLONI TANGERIN0 2 RAFAEL VIEIRA DE SOUSA 3 ARTHUR JOSÉ VIEIRA PORT0 4 RICARDO YASSUSm INAMASUS

Leia mais

Sistema de Controle e Monitoramento de uma Bancada Experimental para Amortecedor Magneto-Reológico

Sistema de Controle e Monitoramento de uma Bancada Experimental para Amortecedor Magneto-Reológico Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Sistema de Controle e Monitoramento de uma Bancada Experimental para Amortecedor

Leia mais

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA.

PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. PROJETO E DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ DE SERVIÇO INCORPORANDO AS VANTAGENS DE PROTOTIPAÇÃO RÁPIDA. André Gustavo S. Conceição 1, Luciano F. Chaves 2, Luís Fernando A. Pereira 3 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Controle NeuroFuzzy 1) Introdução 3) Plataforma de testes 2) Objetivo

Controle NeuroFuzzy 1) Introdução 3) Plataforma de testes 2) Objetivo Controle NeuroFuzzy Guilherme Rutzen Leonardo Adams Roni Rigoni {guirutzen,leonardoadams,ronirigoni}@gmail.com 1) Introdução Em robótica móvel, robótica industrial, máquinas-ferramenta, elevadores e muitos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

COMPUTADOR DE BORDO PARA AGRICULTURA DE PRECISÃO

COMPUTADOR DE BORDO PARA AGRICULTURA DE PRECISÃO COMPUTADOR DE BORDO PARA AGRICULTURA DE PRECISÃO FELIPE AUGUSTO DA SILVA 1 PAULO RICARDO CECHELERO VILLA 2 VALTER TOFFOLO 3 FLÁVIO STEFFENS DE CASTRO 4 EDUARDO AUGUSTO BEZERRA 5 RESUMO: Este artigo descreve

Leia mais

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015 Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Sensores São dispositivos que

Leia mais

2. Simbologia e Nomenclatura

2. Simbologia e Nomenclatura 2. Simbologia e Nomenclatura Nessa seção simbologia e nomenclatura é apresentado os termos mais utilizados e padronizados em instrumentação industrial. Sua compreensão é de suma importância para o entendimento

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA DE INTERFACE DE SOFTWARE PARA GERAÇÃO DE NOTAS MUSICAIS PARA DETECÇÃO DE OBSTÁCULOS MAGNA CAETANO DA SILVA 1, GABRIEL DA SILVA 2 RESUMO Para realização deste trabalho foi realizada

Leia mais

Modalidades de locomoção. Modalidades de locomoção. Modalidades de locomoção. Locomoção, atuadores e sensores. Rodas. Esteiras

Modalidades de locomoção. Modalidades de locomoção. Modalidades de locomoção. Locomoção, atuadores e sensores. Rodas. Esteiras Fundamentos de Robótica Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Departamento de Engenharia Elétrica (ENE) Universidade de Brasília (UnB) Modalidades de locomoção Rodas Locomoção, atuadores e sensores

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES DE POSCIONAMENTO GLOBAL E RÁDIO FAROL PARA UMA PLATAFORMA NÁUTICA DE TESTES

IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES DE POSCIONAMENTO GLOBAL E RÁDIO FAROL PARA UMA PLATAFORMA NÁUTICA DE TESTES Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XVI ENCITA / 2010 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 20 de outubro de 2010 IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES

Leia mais

MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES

MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES 16º POSMEC Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES Tatiana Meola Universidade Federal de Uberlândia tatiana.meola@gmail.com

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS C.L.C. Rodrigues 1, J.E.C. Monte 1 ; P.R. Pinto 1 ; J. L. Paes 2 ; Paulo M. B. Monteiro 3 1- Instituto Federal de Minas Gerais Campus

Leia mais

Título: Modelagem Matemática e Computacional Aplicada na Agricultura de Precisão

Título: Modelagem Matemática e Computacional Aplicada na Agricultura de Precisão Programa Nacional de Cooperação Acadêmica P R O C A D Título: Modelagem Matemática e Computacional Aplicada na Agricultura de Precisão Coordenação Geral: Professora Doutora Vilma Alves de Oliveira Programa

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS

SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS SISTEMA INTELIGENTE DE NAVEGAÇÃO E LOCALIZAÇÃO DE ROBÔS MÓVEIS Aluno: Lucas Grativol Ribeiro Orientador: Karla Tereza Figueiredo Leite Introdução As aplicações da robótica fora do contexto industrial têm

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Pedro José Henriques Pires Nº21359 EFA S13

Pedro José Henriques Pires Nº21359 EFA S13 (Robot) Autor Pedro José Henriques Pires Nº21359 EFA S13 2-14 Índice 1. Introdução... 4 1.1 Conceito... 4 1.2 Objetivo... 4 1.3 Importância do projeto... 4 1.4 Limitações ao projeto... 5 2 Metodologia

Leia mais

ROBÔ MANIPULADOR RP COM GARRA

ROBÔ MANIPULADOR RP COM GARRA ROBÔ MANIPULADOR RP COM GARRA José Alberto Naves Cocota Júnior 1 1 Universidade Federal de Ouro Preto, Escola de Minas - Campus Morro do Cruzeiro, cocotajr@yahoo.com.br Resumo Neste trabalho propõe-se

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO PARA SELEÇÃO DE ROBÔS INDUSTRIAIS

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO PARA SELEÇÃO DE ROBÔS INDUSTRIAIS DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO PARA SELEÇÃO DE ROBÔS INDUSTRIAIS Eng o. MSc. José Eraldo Leite de Oliveira Indústria ROMI e Programa de Mestrado em Engenharia de Produção

Leia mais

PLANEJAMENTO DE TRAJETÓRIAS PARA ROBÔS MÓVEIS EM AMBIENTES DESCONHECIDOS

PLANEJAMENTO DE TRAJETÓRIAS PARA ROBÔS MÓVEIS EM AMBIENTES DESCONHECIDOS PLANEJAMENTO DE TRAJETÓRIAS PARA ROBÔS MÓVEIS EM AMBIENTES DESCONHECIDOS GUILHERME DE LIMA OTTONI Engenharia de Computação, Fundação Universidade Federal do Rio Grande Av. Itália, Km 8, 96201-900 Rio Grande,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

X-007 SISTEMA DE MEDIÇÃO MICROPROCESSADO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

X-007 SISTEMA DE MEDIÇÃO MICROPROCESSADO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO X-007 SISTEMA DE MEDIÇÃO MICROPROCESSADO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Celso J. Munaro Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre e Doutor em Automação

Leia mais

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas

Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Desenvolvimento de Amperímetro Alicate Baseado em Magnetômetros GMR para Medição de Correntes Elétricas Contínuas Alunos: Marcos Civiletti de Carvalho e Camila Schuina Orientador: Carlos Roberto Hall Barbosa

Leia mais

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Wânderson O. Assis, Alessandra D. Coelho, Marcelo M. Gomes, Cláudio G. Labate, Daniel F. Calasso, João Carlos G. C. Filho Escola

Leia mais

Os manipuladores robotizados

Os manipuladores robotizados 1 Design de robôs Design de robôs A prototipagem e o comissionamento virtual estão a provocar o desenvolvimento dos manipuladores robotizados e dos sistemas de automação O produto industrial e o design

Leia mais

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL - 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL A invenção consiste num sistema de medida em tempo real dos consumos de linha da canela em máquinas de ponto preso (classe 300

Leia mais

Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem

Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Estudo e Modelagem Computacional de um Robô Aplicado em Processos de Usinagem

Leia mais

Gerenciamento Agrícola com Suporte à Mobilidade: uma ferramenta móvel para automatizar cálculos de plantio

Gerenciamento Agrícola com Suporte à Mobilidade: uma ferramenta móvel para automatizar cálculos de plantio Gerenciamento Agrícola com Suporte à Mobilidade: uma ferramenta móvel para automatizar cálculos de plantio Márcio José Mantau, Carla Diacui Medeiros Berkenbrock PPGCA - Programa de Pós-Graduação em Computação

Leia mais

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Bose, R.C. 1 ; Kolm, D. 1 ; Paim, F. 1 ; Caetano,C.D.C. 2 ; Garbelotto,L.A. 2 ; Moraes, R. 1 1 - Engenharia Elétrica

Leia mais

Variação de velocidade

Variação de velocidade Variação de velocidade Variação de velocidade A indústria é responsável pelo consumo de cerca de 50% da electricidade produzida a nível mundial, sendo que cerca de 2/3 é consumida por motores eléctricos.

Leia mais

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves.

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. TIAGO NELSON ESTECECHEN tiago_cascavel@hotmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

Sistema de Posicionamento por Satélite

Sistema de Posicionamento por Satélite Implantação de Faixa de Dutos Sistema de Posicionamento por Satélite Resumo dos conhecimentos necessários para o entendimento e uso dos Sistemas de s e seus equipamentos. 1 Introdução Os sistemas de posicionamento

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

Área: Ensino a Distância. 1. Introdução. 2. A Ferramenta de Co-autoria para EAD

Área: Ensino a Distância. 1. Introdução. 2. A Ferramenta de Co-autoria para EAD 1. Introdução Co-Autoria de Aulas na Rede Metropolitana de Alta Velocidade de Recife Juliana Regueira Basto Diniz Barros, Lorena de Sousa Castro, Carlos André Guimarães Ferraz E-mail: {jrbd,lsc2,cagf}@cin.ufpe.br

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 Marcos Sulzbach Morgenstern 2, Roger Victor Alves 3, Vinicius Maran 4. 1 Projeto de Pesquisa Agromobile - Uma Arquitetura de Auxílio

Leia mais

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA ALEXANDRE DE A. GUIMARÃES 1 ANTÔNIO M. SARAIVA 2 RESUMO Considerando-se os impactos relacionados ao aumento da eletrônica embarcada

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI - Tecnologia da informação SI - Tecnologia da informação Com a evolução tecnológica surgiram vários setores onde se tem informatização,

Leia mais

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares

Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção Engenharia de Produção: Grande Área e Diretrizes Curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação em Engenharia de

Leia mais

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 Cite 05 tipos

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA ESTUDOS EM LINHAS SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Danilo Sinkiti Gastaldello Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 1 ARQUITETURA DE COMPUTADORES U C P Prof. Leandro Coelho Plano de Aula 2 Aula Passada Definição Evolução dos Computadores Histórico Modelo de Von-Neumann Básico CPU Mémoria E/S Barramentos Plano de Aula

Leia mais

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS André Richetti Jovani Panato Márcio Bacci da Silva Álisson Rocha Machado Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

consideradas, entretanto, existem sonares mais sofisticados que são capazes de registrar outros tipos de informações.

consideradas, entretanto, existem sonares mais sofisticados que são capazes de registrar outros tipos de informações. 1 Introdução A robótica ocupa um papel fundamental na indústria. O emprego de manipuladores e máquinas capazes de automatizar processos repetitivos, cansativos, perigosos e inslubre para o ser humano eleva

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS IX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - Iniciação Científica 03 a 06 de julho de 2011 Maringá, Paraná, Brasil PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS MIRANDA

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco Sistemas Inteligentes Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco 1 Ao final desta aula a gente deve... Entender o que é um Agente Racional (inteligente)? Distinguir entre os vários tipos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO DE UM TRATOR DE RABIÇA, UTILIZADO NA AGRICULTURA FAMILIAR, PRÓXIMO AO OUVIDO DO OPERADOR

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO DE UM TRATOR DE RABIÇA, UTILIZADO NA AGRICULTURA FAMILIAR, PRÓXIMO AO OUVIDO DO OPERADOR AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO DE UM TRATOR DE RABIÇA, UTILIZADO NA AGRICULTURA FAMILIAR, PRÓXIMO AO OUVIDO DO OPERADOR Silvia Ferreira da Silva 1 ; Carlos Alberto Viliotti 2 ; Karla Lúcia Batista Araújo

Leia mais

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos eudisley@les.ufpb.br Francisco A. Belo belo@les.ufpb.br Manuella D. C. Silva manuella@les.ufpb.br

Leia mais

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS

LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS LINGUAGEM DE ESPECIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO (SDL) APLICADA AO PROCESSO DE VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DE SISTEMAS REATIVOS Fabiana Fraga Ferreira Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Menu Diversos. S E F I P (em disquete) Exportação de dados para o programa SEFIP

Menu Diversos. S E F I P (em disquete) Exportação de dados para o programa SEFIP S E F I P (em disquete) Exportação de dados para o programa SEFIP Esta rotina exporta informações para o programa Sefip. Todas as informações serão exportadas e nenhum dado deverá ser preenchido manualmente.

Leia mais

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Engenharia de Software Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Sistemas Computacionais Automatiza ou apóia a realização de atividades humanas (processamento da informação)

Leia mais

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Paulo S. C. Molina molina@upf.br Matheus A. C.

Leia mais

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO

ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO ANÁLISE DOS PADRÕES DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA DO LABORATÓRIO DE CALIBRAÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS DA ELETRONORTE PARA MELHORIA DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO Thiago Brito P. de Souza 1, Marcelo Melo da Costa, Thiago

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO Marcella Scoczynski Ribeiro (UTFPR/UEPG) marcella_engcomp@yahoo.com.br Matheus Safraid (UEPG) msafraid@hotmail.com Resumo Este trabalho apresenta os benefícios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PMS 0021 AUTOMAÇÃO NO AMBIENTE AGRÍCOLA [] Obrigatória [X] Optativa PROFESSOR: Suedêmio de Lima Silva CARGA HORÁRIA SEMANAL

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES. Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2.

DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES. Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2. DESENVOLVIMENTO DE UMA PLATAFORMA PARA SIMULAÇÃO DE SATÉLITES Angelo dos Santos Lunardi 1 ; Rodrigo Alvite Romano 2. 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT); 2 Professor

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE MECATRÔNICA Gilva Altair Rossi 1 ; José Maria Galvez 2 ; Douglas Iceri Lasmar 3 Universidade Federal de Minas Gerais, Departamento de Engenharia

Leia mais

SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES

SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES SUPERVISÓRIO E SISTEMA ESPECIALISTA DE UM PROCESSO DE QUATRO TANQUES José Alberto Naves Cocota Júnior cocota@em.ufop.br Ludmila Paola Pereira Iwasaki ludmilavpl@hotmail.com Pedro Henrique Lopes Faria lopesfaria@hotmail.com

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM COMPUTADOR DE BORDO PARA AUTOMÓVEIS BASEADO NA ARQUITETURA ARM. Rafael de Souza Prof. Miguel Wisintainer - Orientador

PROTÓTIPO DE UM COMPUTADOR DE BORDO PARA AUTOMÓVEIS BASEADO NA ARQUITETURA ARM. Rafael de Souza Prof. Miguel Wisintainer - Orientador PROTÓTIPO DE UM COMPUTADOR DE BORDO PARA AUTOMÓVEIS BASEADO NA ARQUITETURA ARM Rafael de Souza Prof. Miguel Wisintainer - Orientador Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos do trabalho Microcontrolador

Leia mais

Sistemas Microcontrolados

Sistemas Microcontrolados Sistemas Microcontrolados Uma Abordagem com o Microcontrolador PIC 16F84 Nardênio Almeida Martins Novatec Editora Capítulo 1 Introdução Os microcontroladores estão presentes em quase tudo o que envolve

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA José Maximiano Candido Neto 1, Wagner Andre dos Santos

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

Desenvolvimento de Veículos Autônomos em Escala, Sistemas de Comando, Visualização do Movimento e Aquisição de Dados.

Desenvolvimento de Veículos Autônomos em Escala, Sistemas de Comando, Visualização do Movimento e Aquisição de Dados. Desenvolvimento de Veículos Autônomos em Escala, Sistemas de Comando, Visualização do Movimento e Aquisição de Dados. 1) Introdução: Aluno: Luiz Felipe Helt Santos Orientador: Mauro Speranza Neto Laboratório

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA Alessandra Luize Fontes SALES Eng.ª Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Quintino Cunha, nº 994, CEP 60425.780, Benfica, Fortaleza (Ce)

Leia mais

Simulador de Robô para Auxílio ao Ensino de Programação

Simulador de Robô para Auxílio ao Ensino de Programação 96 Simulador de Robô para Auxílio ao Ensino de Programação Marco T. Chella, Claudio M. Oliveira, José Caique O. da Silva Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe (UFS) São Cristóvão,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

Portaria Inmetro /Dimel n.º 0114, de 01 de junho de 2015.

Portaria Inmetro /Dimel n.º 0114, de 01 de junho de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 0114, de 01 de junho de

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS POR RADIOFREQUÊNCIA RFID NO PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES

O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS POR RADIOFREQUÊNCIA RFID NO PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS POR RADIOFREQUÊNCIA RFID NO PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES Rone Evaldo Barbosa Pastor Willy Gonzales-Taco O USO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO DE VEÍCULOS

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEMARCADOR RODOVIÁRIO

MANUAL DE INSTRUÇÕES DEMARCADOR RODOVIÁRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES DEMARCADOR RODOVIÁRIO MDMR-3P/III 1 Equipamento Fabricado por: SENSORES INDUSTRIAIS MAKSEN LTDA Rua José Alves, 388 Mogi Guaçu - SP CNPJ 04.871.530/0001-66 I.E. 455.095.131.110 www.maksen.com.br

Leia mais

SISTEMA DE SUPORTE A DECISÕES AGRONÔMICAS VIA WEB PARA O ESTADO DE GOIÁS

SISTEMA DE SUPORTE A DECISÕES AGRONÔMICAS VIA WEB PARA O ESTADO DE GOIÁS SISTEMA DE SUPORTE A DECISÕES AGRONÔMICAS VIA WEB PARA O ESTADO DE GOIÁS Rosidalva Lopes F. da Paz (1), André de Oliveira Amorim (1), Aparecida Socorro Cardoso (1), Diego Simões Fernandes (2), Alexandre

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: capacidade de campo; densidade crítica; ponto de murcha permanente; porosidade de aeração; qualidade física do solo.

PALAVRAS-CHAVE: capacidade de campo; densidade crítica; ponto de murcha permanente; porosidade de aeração; qualidade física do solo. EFEITO DE DIFERENTES VALORES CRÍTICOS DE RESISTÊNCIA DO SOLO À PENETRAÇÃO SOBRE A DENSIDADE CRÍTICA DO INTERVALO HÍDRICO ÓTIMO EM SISTEMA PLANTIO DIRETO Edner Betioli Junior 1 ; Wagner Henrique Moreira

Leia mais

Kit de Robótica Modelix - Programa Mais Educação 2015

Kit de Robótica Modelix - Programa Mais Educação 2015 CNPJ 56.233.497/0001-42 1 CNPJ 56.233.497/0001-42 O que é Robótica Educacional? É uma metodologia de ensino que tem como objetivo fomentar no aluno a investigação e materialização dos conceitos aprendidos

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE MEDIÇÃO DE JUNTAS DE CABEÇOTE

AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE MEDIÇÃO DE JUNTAS DE CABEÇOTE ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-OA04 AUTOMAÇÃO DO PROCESSO DE MEDIÇÃO DE JUNTAS DE CABEÇOTE Granuzzio

Leia mais

AULA: Introdução à informática Computador Digital

AULA: Introdução à informática Computador Digital Campus Muriaé Professor: Luciano Gonçalves Moreira Disciplina: Informática Aplicada AULA: Introdução à informática Computador Digital Componentes de um computador digital : Hardware Refere-se às peças

Leia mais

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I

MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I MEDIDA DO TEMPO DE RESPOSTA DE SENSORES DE TEMPERATURA DO SISTEMA DE PROTEÇÃO DO REATOR DA USINA NUCLEAR DE ANGRA I Iraci Martínez Pereira Gonçalves *, Sergio Ricardo Pereira Perillo * Rubson Pereira da

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ARM7 LPC2138 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o esquema eletrônico, da conexão do microcontrolador

Leia mais

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System)

Sistema GNSS. (Global Navigation Satellite System) Sistema GNSS (Global Navigation Satellite System) POSICIONAR UM OBJETO NADA MAIS É DO QUE LHE ATRIBUIR COORDENADAS O Sol, os planetas e as estrelas foram excelentes fontes de orientação, por muito tempo.

Leia mais

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS Vinicius Coutinho dos Santos BARBOSA (1); Michele Tereza Marques CARVALHO (2) (1) Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais