OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

2 Evolução dos processadores Arquitetura x86 e a linguagem Assembly

3 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 1 a fase 8 bits Conforme vimos em nossas aulas, os processadores para microcomputadores se desenvolveram muito rapidamente. Alguns desses processadores são históricos: 1971 A Intel lança o 4004, o primeiro processador de 4 bits A Intel lança o 8008, o primeiro processador de 8 bits bits A Intel lança o 8080, primeiro processador de 8 bits a equipar um computador (o Altair) que podia ser comprado por qualquer cidadão A MOS Technology lança o 6502, baseado no 6800 da Motorola. Ele equipou o Apple por ser o mais barato processador do mercado A Intel lança o 8085, primeiro processador de 8 bits a funcionar com apenas 5 volts A Zilog lança o Z-80, um aperfeiçoamento do 8080 feito por um ex-funcionário da Intel. Junto com o 6502, dominou o mercado de processadores até meados da década de 80.

4 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 1 a fase 8 bits Intel bits Intel bits Intel bits Equipou o Altair, primeiro microcomputador do mundo

5 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 1 a fase 8 bits MOS bits Equipou o Apple, primeiro microcomputador que foi um fenômeno de vendas. O primeiro Apple

6 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 1 a fase 8 bits Intel bits Duas famílias de computadores baseadas no Zilog Z-80. Acima, o Sinclair. Abaixo, o TRS-80 Zilog Z bits O mais famoso processador de 8 bits do mundo

7 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 2 a fase 16 bits 1978 A Intel lança o 8086, seu primeiro processador de 16 bits A Intel lança o 8088, para ser usado no IBM PC (Personal Computer). Internamente era idêntico ao 8086, mas externamente comunicava-se com um barramento de dados de 8 bits, mais barato e com maior oferta de circuitos controladores naquela época. Era capaz de endereçar até 1 MB de RAM A Intel lança o 80186, processador de 16 bits considerado muito caro e avançado para a época. Passou a ser utilizado depois como controlador de placas de comunicação, sobretudo placas de rede A Intel lança o 80286, processador de 16 bits que equipou o IBM PC AT (Advanced Technology). Endereçava até 16 MB de RAM e já oferecia algum suporte para sistemas que usavam memória virtual.

8 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 2 a fase 16 bits Intel bits Primeiro processador de 16 bits fabricado pela Intel Intel Processador de 16 bits Evolução do 8086, foi e continua sendo usado em placas de comunicação (rede, modem, roteadores) Intel bits Internamente era 16 bits, mas comunicavase com o barramento em 8 bits Equipou o primeiro micro da IBM, o PC (Personal Computer 1981) abaixo.

9 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 2 a fase 16 bits Intel Processador de 16 bits Primeiro processador a endereçar até 16 MB de RAM Equipou o IBM PC-AT (Personal Computer Advanced Technology), mostrado ao lado

10 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 3 a fase 32 bits 1987 A Intel lança o poderoso 80386, seu primeiro processador de 32 bits. É um processador simplesmente espetacular, cuja base e instruções são utilizadas em processadores até hoje (2010). Possuia suporte para sistemas com multitarefa e um modo virtual DOS que permitia rodar até 256 programas DOS simultaneamente. Depois de algum tempo após o seu lançamento, passou a ser conhecido apenas como A Intel lança o 486, basicamente um 386 muito melhorado. Tinha algumas instruções a mais e um coprocessador aritmético interno. Foi o primeiro processador a adotar uma cache interna de 8 KB, além de um pipeline de 5 estágios. Foi construído até 2007 devido ao seu ótimo custo/benefício quando usado em sistemas embarcados A Intel lança o Pentium, primeiro processador de 32 bits a utilizar arquitetura superescalar (dois pipelines).

11 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 3 a fase 32 bits Intel Processador de 32 bits Capaz de endereçar impensáveis (para a época) 4 GB de RAM. Algumas placas-mãe tinham soquete para o 387 (co-processador aritmético), que aumentava muito a velocidade de cálculos matemáticos. Intel Processador de 32 bits Basicamente era um 386 com 6 instruções a a mais, com co-processador 387 integrado à ULA, uma cache interna L1 de 8 KB e um pipeline de 5 estágios.

12 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 3 a fase 32 bits Intel Pentium 1989 Primeiro processador de 32 bits da Intel a utilizar arquitetura superescalar. Internamente era formado por um núcleo único construído com dois núcleos de 486. Visão interna ampliada do núcleo de um processador Pentium

13 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 3 a fase 32 bits 1995 A Intel lança o Pentium Pro, um poderoso processador destinado ao mercado corporativo (servidores) A Intel lança o Pentium MMX, primeiro processador a dar suporte para instruções SIMD (Single Instruction Multiple Data), que permite aplicar uma mesma instrução a múltiplos dados com extrema rapidez. Isso permitiu a evolução dos sistemas multimídia A Intel lança o Pentium II, que tinha desempenho inferior ao Pentium Pro. Foi o primeiro processador da arquitetura P6, que ainda hoje (em sua versão Yonah) é utilizada A Intel lança o Pentium II Xeon, destinado ao mercado corporativo que exige processadores de alto desempenho A Intel lança o malfadado Celeron, basicamente um Pentium II piorado (sem cache interno), mais barato, com o objetivo de brigar com a concorrência. Ficou conhecido como Lentium.

14 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 3 a fase 32 bits Acima, o Pentium Pro (1995), primeiro processador desenvolvido para o mercado corporativo. Ao lado, acima, o Pentium II (1997) em um encapsulamento tipo Slot 1. Ao lado, abaixo, o mesmo Pentium II fora do seu encapsulamento.

15 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 3 a fase 32 bits 1999 A Intel lança o Pentium III, uma evolução do Pentium II, com 8 novos registradores e suporte a instruções SSE (Streaming SIMD Extensions), uma evolução das instruções SIMD A Intel lança o Pentium III Xeon, destinado ao mercado corporativo. OBSERVAÇÃO: Esse brevíssimo histórico está mostrando apenas os lançamentos da Intel, principal fabricante de processadores para PC s. Seus principais concorrentes são a Motorola, cujos processadores equipam outro tipo de computador (Apple e Macinstosh e imac), e a AMD, que atua no mesmo mercado da Intel e é a principal concorrente. Desde o 286 existe concorrência da AMD, que também fez clones do 386 e 486. A partir do Pentium, a concorrência ficou mais acirrada. A Intel ainda domina o mercado atual, especialmente no segmento corporativo, mas a AMD ainda tem muita força, sobretudo quando o assunto são aplicações gráficas.

16 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 3 a fase 32 bits Acima, o Pentium II Xeon (1998), processador desenvolvido para o mercado corporativo em um encapsulamento do tipo Slot 2. Ao lado, acima, um Pentium III em um encapsulamento tipo ZIF. Ao lado, abaixo, um Pentium III (1999) em um encapsulamento tipo Slot 1.

17 BREVÍSSIMO HISTÓRICO DOS MICROPROCESSADORES - 3 a fase 32 bits Acima, o Pentium III Xeon (1999), processador desenvolvido para o mercado corporativo em um encapsulamento Slot 2. Ao lado, o mesmo Pentium III Xeon fora do seu encapsulamento.

18 PROCESSADORES Pós-2000: A arquitetura Netburst (x32) 2002 A Intel começa a projetar uma nova arquitetura para substituir a arquitetura P6, que deu origem aos Pentium II e III. Trata-se da arquitetura Netburst, também conhecida como HPT (Hyper Pipelined Technology). A versão inicial (codinome Northwood) tinha um pipeline de 20 estágios), e a versão final (codinome Prescott) tinha um pipeline de 31 estágios. Incorporou duas novas tecnologias: uma chamada REE (Rapid Execution Engine ou Mecanismo de Execução Rápida), que permitia a ULA trabalhar no dobro da velocidade do processador, e outra chamada ETC (Execution Trace Cache) que armazena em cache os últimos dados processados para o caso das próximas instruções necessitarem deles. O primeiro processador a usar esta arquitetura foi o Pentium 4 (lançado em 2004), muito rápido mas com um grande problema próprio desta arquitetura: a grande quantidade de calor dissipada devido ao alto consumo de energia destes processadores.

19 PROCESSADORES Pós-2000: 4ª fase - A arquitetura x A AMD lança o primeiro processador de 64 bits (arquitetura x64) compatível com versões anteriores do Windows e do DOS (x86). Foi ao Athlon 64, que embora tenha sido lançado em setembro de 2003, só chegou com força ao mercado em A Intel lança a sua linha Core, sendo o Core 2 Duo o primeiro processador dessa família. Depois vieram os i3, i5 e i7 de 1ª geração (2008 a 2010), 2ª geração (2011), 3ª geração (2012), 4ª geração (2013), 5ª geração (2014) e foi anunciada a 6ª geração para o 2º semestre de Observação: A Intel tem outras arquiteturas de 32 e 64 bits (IA-32 e IA-64) para processadores de servidor (Itanium), que são incompatíveis com versões anteriores do Windows e do DOS.

20 RESUMO SOBRE PROCESSSADORES [01] O QUE É IMPORTANTE SABER PARA AS AVALIAÇÕES Neste resumo, trocaremos a palavra microprocessador pela sigla MCPU (Micro CPU). 1971: Lançamento do primeiro MCPU do mundo, o Intel 4004 (um processador de 4 bits). 1974: Lançamento do Intel 8080, primeiro MCPU de 8 bits a equipar um microcomputador (o Altair). 1975: Lançamento pela MOS Technology do MCPU 6502, processador de 8 bits que equipou o primeiro microcomputador de sucesso mundial em 1977 (o Apple). 1978: Lançamento do Intel 8086, primeiro MCPU de 16 bits e que equipou o primeiro PC da IBM em 1981.

21 RESUMO SOBRE PROCESSSADORES [02] O QUE É IMPORTANTE SABER PARA AS AVALIAÇÕES Neste resumo, trocaremos a palavra microprocessador pela sigla MCPU (Micro CPU). 1987: Lançamento do primeiro MCPU de 32 bits do mundo, o Intel : Lançamento do AMD Athlon 64, primeiro MCPU de 64 bits do mundo que mantém compatibilidade com a arquitetura x : Lançamento da linha Core da Intel, inaugurando MCPU s com mais de um núcleo para PC s e notebooks, o que vem resultando em MCPU s cada vez mais rápidos e com menor consumo de energia.

22 ARQUITETURAS DE 8, 16, 32 e 64 bits [01] No mundo dos PC s hoje existem basicamente três tipos de arquiteturas: a x86, a x32 e a x64. Vamos entender o que significa isso. Em primeiro lugar, vamos voltar no tempo na época que surgiram os primeiros microcomputadores. Nessa época, os processadores possuíam palavras de 8 bits, o que significa que cada instrução podia trabalhar com valores variando entre 0 e (2 8-1), o que corresponde a um valor máximo de 255. Para poder processar valores maiores que esse, o processador tinha que usar uma palavra (8 bits) de cada vez. Para acessar a memória RAM, este tipo de processador usava dois bytes (duas palavras) e este acesso era feito em duas etapas, o que tornava esse acesso lento.

23 ARQUITETURAS DE 8, 16, 32 e 64 bits [02] Assim, um processador de 8 bits manipulava no máximo 1 byte de cada vez, o que significa que a sua palavra é de 8 bits (ou 1 byte). Para endereçar a memória, por exemplo, um processador de 8 bits utilizava 16 bits. Desse modo, o tamanho máximo de memória que um computador com CPU de 8 bits era capaz de endereçar com os seus 16 bits era de 2 16 = posições de memória (0 a 65535) ou 64 KB (64 Kilobytes). Este tamanho de memória era mais do que suficiente para as necessidades de computação doméstica do final da década de 1970 e início da década de 1980, mas a história mostra que os seres humanos nunca ficam satisfeitos por muito tempo.

24 ARQUITETURAS DE 8, 16, 32 e 64 bits [03] Com o sucesso dos computadores de 8 bits (em diversas famílias ao longo de quase uma década - Sinclair, TRS- 80, Commodore, Apple I, Apple II e MSX), a gigante do setor (IBM) resolveu que era hora de intervir no mercado. Criou uma fábrica na Flórida (perto de uma praia - Boca Raton West Palm Beach), e em 1981, nasceu o primeiro microcomputador (Personal Computer PC) destinado ao mercado corporativo. Havia duas versões de processadores, ambos de 16 bits: o Intel 8086 (que tinha registradores internos comuns de 16 bits e acessava a memória em palavras de 16 bits), e o Intel 8088 (que tinha registradores internos comuns de 16 bits e acessava a memória em palavras de 8 bits para baratear os custos).

25 ARQUITETURAS DE 8, 16, 32 e 64 bits [04] Em relação ao endereçamento de memória, 16 bits eram suficientes para acessar diretamente 64 KB de memória, como já vimos anteriormente. Assim, o PC da IBM deveria ter um diferencial a mais do que simplesmente acessar a memória mais rapidamente. Isto foi feito coma utilização de 20 bits para endereçamento. Com 20 bits, a capacidade de endereçamento chegava a 2 20 bits = posições de memória ou 1 MB (1 Megabyte), algo impensável para a época. Desta quantidade imensa de memória, 640 KB eram reservados para os aplicativos, enquanto que a memória entre 640 KB e 1024 KB (1 MB) era reservada para o sistema operacional, vídeo, controle de E/S, etc.

26 ARQUITETURAS DE 8, 16, 32 e 64 bits [05] A IBM imaginou que 640 KB de memória RAM seriam mais do que suficientes para qualquer tipo de aplicação, já que os melhores computadores de 8 bits da época só endereçavam 64 KB. Como estes computadores ainda utilizavam um sistema, que ocupava tipicamente algo em torno de 32 KB desta memória, sobrava apenas 32 KB para os usuários das CPU s de 8 bits rodarem seus programas. Ter um computador com 640 KB de RAM (10 vezes mais do que qualquer um daquela época) era uma felicidade, quase um sonho. A história mostrou mais uma vez que esse sonho durou muito pouco tempo (pouco menos de uma década). Antes que eu explique como este sonho virou um pesadelo, vamos entender o endereçamento de memória do PC com 20 bits.

27 ARQUITETURAS DE 8, 16, 32 e 64 bits [06] Quando se fala em arquitetura x86, estamos nos referindo à arquitetura do primeiro PC com processador 8086, com registradores internos de 16 bits e endereçamento de 20 bits. Como já vimos, 2 20 bits equivalem a 1 MB. A IBM dividiu a memória em 16 pacotes de 64 KB cada um. Convencionouse chamar cada pacote de 64 Kilobytes consecutivos de segmento. Convencionou-se que os 10 primeiros segmentos ficariam reservados como memória do usuário (640 KB) enquanto que os outros seis segmentos (384 KB) seriam reservados para o sistema. Para acessar cada um destes pacotes, utilizava-se 4 bits (2 4 = 16 segmentos). Para acessar um endereço individual dentro de cada pacote utilizava-se 16 bits (2 16 = ).

28 ARQUITETURAS DE 8, 16, 32 e 64 bits [07] Convencionou-se chamar este endereçamento de 16 bits dentro de cada segmento de offset. Desse modo, o endereçamento de 20 bits do PC era composto de 4 bits para o segmento + 16 bits para o offset. Entretanto, deve ficar claro que o PC era um computador de 16 bits, ou seja, arquitetura x86. Quando a IBM lançou o IBM PC AT (Personal Computer Advanced Technology), ela utilizou um processador 80286, que possuía registradores internos de 16 bits, mas utilizava 24 bits para endereçamento de memória, chegando a incríveis 16 MB de RAM. Esta capacidade de memória era utilizada por sistemas UNIX, já que o DOS só enxergava no máximo 1 MB (até a versão 3.3).

29 ARQUITETURAS DE 8, 16, 32 e 64 bits [08] Em 1987 a Intel lança o poderoso (ou simplesmente 386), primeiro processador de 32 bits. Estava inaugurada a era x32 (na teoria), ou seja, computadores com registradores de 32 bits e capazes de endereçar impensáveis 2 32 posições de memória RAM, ou seja, até bytes ou 4 GB. Na prática os computadores da época vinham com no máximo 4 MB de RAM, mas o 386 consegui acessar até 4 GB se o SO permitisse isso. Geralmente o máximo de RAM na época era 16 MB, ficando o restante como memória virtual.

30 ARQUITETURAS DE 8, 16, 32 e 64 bits [09] Embora esta arquitetura (do 386) fosse oficialmente de 32 bits (x32), ela não foi usada na época por causa de problemas de compatibilidade com milhares de aplicativos DOS que necessitavam da arquitetura x86. Já os processadores com 64 bits reais só vieram depois da virada do milênio, e a aguardada arquitetura x64 (compatível com a x86) só deu as caras em 2003/2004. Um registrador de 64 bits pode trabalhar com números inteiros positivos equivalentes a Isto equivale ao número Este número também equivale a quantidade de posições de memória que podem ser endereçadas = 16 EB (16 Exabytes ou 16 x 1024 x 1024 x 1024 GB), algo em torno de 16 bilhões de Gigabytes.

31 A ARQUITETURA x86 [01] A arquitetura de processadores da família x86 possui as seguintes características: 1. Oito registradores de 16 bits (sendo dois deles reservados). 2. Os registradores de propósito geral são: AX, BX, CX e DX. 3. Podem ser acessados os 8 bits superiores ou inferiores destes registradores Ex.: AL (8 bits inferiores de AX); AH (8 bits superiores de AX); 4. SI, DI Índices (podem ser usados como propósito geral) 5. BP, SP Pilha (reservados, devem ser apenas configurados na inicialização do programa)

32 Continuação... A ARQUITETURA x86 [02] 4 registradores de segmento CS Code Segment Início das instruções DS Data Segment Início das variáveis ES Extra Segment Para uso do programador SS Stack Segment Início da pilha OBS: Os registradores de segmento guardam informações essenciais para a execução das instruções e devem ser alterados com extremo cuidado!

33 A ARQUITETURA x86 [03] Com a introdução da arquitetura x32, foram criados novos registradores para manter a compatibilidade com a arquitetura x86. 8 registradores de 32 bits: EAX, EBX, ECX, EDX, ESI, EDI, EBP, ESP Os registradores de segmento continuaram com 16 bits. 2 novos registradores de segmento CS, DS, SS, ES, FS, GS

34 A ARQUITETURA x86 [04] Com a introdução da arquitetura x64, foram criados novos registradores para manter a compatibilidade com a arquitetura x86. 8 registradores de 64bits: RAX, RBX, RCX, RDX, RSI, RDI, RBP, RSP Os registradores de segmento continuaram com 16 bits. 6 registradores de segmento CS, DS, SS, ES, FS, GS

35 A linguagem Assembly x86 [01] Linguagem Assembly (Assembly Language) é uma linguagem de montagem de instruções. É uma linguagem de baixo nível, fortemente relacionada à arquitetura do processador, que possui comandos mnemônicos com uma notação legível para seres humanos. Os comandos mnemônicos são uma representação da linguagem de máquina, para substituir os padrões de bits que só os processadores entendem. Nunca confunda Assembly com Assembler. Assembler é um programa que cria o código objeto (padrões de bits) a partir do código em Assembly.

36 A linguagem Assembly x86 [02] Existem vários programas de Assembler. Os mais comuns são: NASM Netwide Assembler TASM Turbo Assembler MASM Microsoft Assembler GAS GNU Assembler A maioria dos programadores de Assembly x86 usam o NASM pelo fato de ter uma sintaxe menos poluída (mais fiel ao padrão original), possuir mais abstrações e principalmente, por ser Open Source (assim como o GAS).

37 A linguagem Assembly x86 [03] Para se programar em Assembly, deve-se conhecer profundamente a estrutura interna do processador. Por exemplo, para se programar em Assembly x86 para programas compatíveis como DOS e as primeiras versões do Windows, usa-se o chamado Modo Real, o que significa que apenas os registradores de 16 bits estão disponíveis. Outra característica do Assembly é o fato de ser uma linguagem imperativa pura, ou seja, um programa em Assembly é constituído de uma série de ações em forma de instruções em sequência. Isto dificulta a legibilidade de um programa escrito em Assembly, porque a linguagem permite saltos.

38 A linguagem Assembly x86 [04] Os principais comandos do Assembly são: Atribuição: mov destino, origem Lógicos: and operando1, operando2 or operando1, operando2 Aritméticos: add operando1, operando2 sub operando1, operando2 mul operando1, operando2 div operando1, operando2 Comparação: cmp operando1, operando2 Saltos: jmp endereço / je endereço / jne endereço jz endereço / jnz endereço / djnz endereço dje endereço / djne endereço

39 Exemplos de códigos em Assembly x86 [01] Fonte: Pannain. Disponível em: <

40 Exemplos de códigos em Assembly x86 [02] Fonte: Pannain. Disponível em: <

41 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA FORBELLONE, André Luiz Villar. Lógica de programação: a construção de algoritmos e estruturas de dados. 3.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, NOBRE, Roberta; SILVA, Sandro. Interrupção no PC. Disponível em: < _04_2_interrupcao.pdf>. Acesso em: 7 set KINOSHITA, Jorge. O que são interrupções. PCS USP. Disponível em: < doc>. Acesso em: 7 set SEBESTA, Robert. W. Conceitos de linguagens de programação. 9. ed. Porto Alegre: Bookman, TANEMBAUM, Andrew S. Organização estruturada de computadores. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

Organização de Computadores 2005/2006 Processadores Intel

Organização de Computadores 2005/2006 Processadores Intel GoBack Organização de Computadores 2005/2006 Processadores Intel Paulo Ferreira paf a dei.isep.ipp.pt Março de 2006 ORGC Processadores Intel slide 1 Pré 8080 8086 80286 Pré ORGC Processadores Intel slide

Leia mais

Organização de Computadores 2005/2006 Processadores Intel

Organização de Computadores 2005/2006 Processadores Intel Organização de Computadores 2005/2006 Processadores Intel Paulo Ferreira paf a dei.isep.ipp.pt Março de 2006 Pré História 2 8080.............................................................................................

Leia mais

Técnico em Informática - Instalação e Manutenção de Computadores PROCESSADORES

Técnico em Informática - Instalação e Manutenção de Computadores PROCESSADORES Técnico em Informática - Instalação e Manutenção de Computadores PROCESSADORES Processador... 2 Clock... 5 Multiplicador de clock / FSB... 6 Memória Cache... 6 Processador O processador é o cérebro do

Leia mais

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I:

Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores. Unidade I: Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores Unidade I: 0 Unidade: Unidade Lógica e Aritmética e Registradores UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA E REGISTRADORES O Processador é um chip com milhares de

Leia mais

Linguagem de Montagem

Linguagem de Montagem Linguagem de Montagem Organização do PC Slides baseados em material associado ao livro Introduction to Assembly Language Programming, Sivarama Dandamudi 1 Processador Pentium Lançado em 1993 Versão melhorada

Leia mais

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano

Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 11: A Unidade de Controle Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da Unidade de Controle. Bibliografia: - STALLINGS,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Processadores, chipset e outras características

Leia mais

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM).

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). PROCESSADOR Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). INTRODUÇÃO O processador é o C.I. mais importante do computador. Ele é considerado o cérebro do computador, também conhecido como uma UCP -

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III OS PROCESSADORES 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Primeira Geração (P1) Início da arquitetura de 16 bits CPU 8086 e 8088; Arquiteturas

Leia mais

Hardware - Microprocessador

Hardware - Microprocessador Introdução Um microprocessador é um circuito integrado encarregue de executar as instruções de todos os programas armazenados na memória. É o motor que põe tudo a trabalhar desde o momento em que se liga

Leia mais

Processadores. Guilherme Pontes

Processadores. Guilherme Pontes Processadores Guilherme Pontes Já sabemos o básico! Como já sabemos, o processador exerce uma das mais importantes funções do computador. Vamos agora nos aprofundar em especificações mais técnicas sobre

Leia mais

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos Linguagem de Montagem 2 Operações e Operandos Revisão Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer Esse conjunto de instruções chamamos de algoritmo

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação MATA49 Programação de software básico Arquitetura Intel

Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação MATA49 Programação de software básico Arquitetura Intel Universidade Federal da Bahia Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação MATA49 Programação de software básico Arquitetura Intel Processadores 8086 Registradores: 16 bits 1978 Data bus:

Leia mais

Manutenção de Computadores Montagem de microcomputadores: Entendendo melhor os processadores. Professor: Francisco Ary

Manutenção de Computadores Montagem de microcomputadores: Entendendo melhor os processadores. Professor: Francisco Ary Manutenção de Computadores Montagem de microcomputadores: Entendendo melhor os processadores Professor: Francisco Ary Introdução O processador é um dos componentes mais importantes (e geralmente o mais

Leia mais

Evolução dos Processadores

Evolução dos Processadores Evolução dos Processadores Arquitetura Intel Arquitetura x86 Micro Arquitetura P5 P6 NetBurst Core Processador Pentium Pentium Pro Pentium II Pentium III Pentium 4 Pentium D Xeon Xeon Sequence Core 2 Duo

Leia mais

John von Neumann(Budapeste. Desenvolvido no IAS(Institute of Advanced Studies-Princeton\USA). Iniciado em1946 e finalizado em 1952

John von Neumann(Budapeste. Desenvolvido no IAS(Institute of Advanced Studies-Princeton\USA). Iniciado em1946 e finalizado em 1952 1 Arquitetura Von Neumann - notas de aula 1º.sem.2012 1. Modelo de Von Neumann John von Neumann(Budapeste -28/12/1903) e colaboradores. Conceito de programa armazenado na memória Desenvolvido no IAS(Institute

Leia mais

Bits internos e bits externos. Barramentos. Processadores Atuais. Conceitos Básicos Microprocessadores. Sumário. Introdução.

Bits internos e bits externos. Barramentos. Processadores Atuais. Conceitos Básicos Microprocessadores. Sumário. Introdução. Processadores Atuais Eduardo Amaral Sumário Introdução Conceitos Básicos Microprocessadores Barramentos Bits internos e bits externos Clock interno e clock externo Memória cache Co-processador aritmético

Leia mais

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução;

29/3/2011. Primeira unidade de execução (pipe U): unidade de processamento completa, capaz de processar qualquer instrução; Em 1993, foi lançada a primeira versão do processador Pentium, que operava a 60 MHz Além do uso otimizado da memória cache (tecnologia já amadurecida) e da multiplicação do clock, o Pentium passou a utilizar

Leia mais

A Intel e a AMD são os mais conhecidos fabricantes de processadores ambos tiveram a sua evolução em termos de fabrico de processadores

A Intel e a AMD são os mais conhecidos fabricantes de processadores ambos tiveram a sua evolução em termos de fabrico de processadores A Intel e a AMD são os mais conhecidos fabricantes de processadores ambos tiveram a sua evolução em termos de fabrico de processadores De seguida mencionamos a evolução de ambos os fabricantes Intel 8086

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

CPU Unidade Central de Processamento. História e progresso

CPU Unidade Central de Processamento. História e progresso CPU Unidade Central de Processamento História e progresso O microprocessador, ou CPU, como é mais conhecido, é o cérebro do computador e é ele que executa todos os cálculos e processamentos necessários,

Leia mais

Introdução ao Processamento de Dados - IPD

Introdução ao Processamento de Dados - IPD Introdução ao Processamento de Dados - IPD Autor: Jose de Jesus Rodrigues Lira 1 INTRODUÇÃO AO PROCESSAMENTO DE DADOS IPD A Informática está no nosso dia a dia: No supermercado, no banco, no escritório,

Leia mais

x86 Assembly Mini-Course

x86 Assembly Mini-Course x86 Assembly Mini-Course Part 1 Bruno P. Evangelista bpevangelista@gmail.com Introdução Assembly é uma linguagem de programação de baixo nível em formato mnemonico Ela possibilita trabalhar diretamente

Leia mais

Hardware Montagem e Manutenção

Hardware Montagem e Manutenção Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HMM4.0 Hardware Montagem e Manutenção K O M E D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Furgeri, Sérgio Hardware

Leia mais

HARDWARE Montagem e Manutenção de Computadores Instrutor: Luiz Henrique Goulart 15ª AULA OBJETIVOS: PROCESSADORES EVOLUÇÃO / GERAÇÕES BARRAMENTO (BITS) FREQÜÊNCIA (MHZ) OVERCLOCK ENCAPSULAMENTO APOSTILA

Leia mais

CEFET-RS Curso de Eletrônica

CEFET-RS Curso de Eletrônica CEFET-RS Curso de Eletrônica Organização de Computadores Profs. Sandro Silva & Ulisses Santos sandro@cefetrs.tche.br e uls_br@yahoo.com.br Bibliografia: WEBER, Raul Fernando. Arquitetura de Computadores

Leia mais

História dos SOs. Tópicos

História dos SOs. Tópicos História dos SOs Cap. 1 - Tanenbaum Prof. Alexandre Beletti Ferreira 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração 4ª Geração Tópicos 1 1ª Geração 1ª Geração: 1945 a 1955 Computadores: em meados da década de 40 Máquinas

Leia mais

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva

2 - Processadores. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Organização de Computadores. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva CEFET-RS Curso de Eletrônica 2 - Processadores Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Microprocessador 8086 FX ULA AH AL BH BL CH CL DH DL BP SI DI SP (AX)

Leia mais

RESUMO DO LIVRO. A linguagem de máquinas e o custo são analisados antes do computador ser projetado. LINGUAGEM, NÍVEIS E MÁQUINA REAIS

RESUMO DO LIVRO. A linguagem de máquinas e o custo são analisados antes do computador ser projetado. LINGUAGEM, NÍVEIS E MÁQUINA REAIS RESUMO DO LIVRO Um computador digital é uma máquina com programas que, convertidos em instruções, podem facilitar a vida das pessoas. As instruções são simples, como some dois números. As instruções são

Leia mais

Hardware Fundamental

Hardware Fundamental Hardware Fundamental Arquitectura de Computadores 10º Ano 2006/2007 Unidade de Sistema Um computador é um sistema capaz de processar informação de acordo com as instruções contidas em programas. Na década

Leia mais

Introdução à Arquitetura e Linguagem Assembly de Processadores IA-32

Introdução à Arquitetura e Linguagem Assembly de Processadores IA-32 Introdução à Arquitetura e Linguagem Assembly de Processadores IA-32 Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 CHIP Ano MHz Transistors Mem 8086 1978 5

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MANUTENÇÃO

IDENTIFICAÇÃO MANUTENÇÃO IDENTIFICAÇÃO MANUTENÇÃO ESTRUTURA DOS MICROS PADRÃO PC AULA 01 Sobre aula 1 Números binários e hexadecimais Dispositivos digitais e analógicos Circuitos integrados Estrutura dos micros padrão PC Micros

Leia mais

Soquetes para o processador

Soquetes para o processador Soquetes para o processador Nos primeiros equipamentos 286, os soquetes eram bem simples. Para a remoção do processador, era necessária a utilização de uma chave de fenda. Nos processadores 386DX, isso

Leia mais

Sumário. Velocidade do processador. Velocidade do processador. Velocidade do processador. Velocidade do processador. Manutenção de Hardware.

Sumário. Velocidade do processador. Velocidade do processador. Velocidade do processador. Velocidade do processador. Manutenção de Hardware. Manutenção de Hardware Sumário CPU Clock Interno e Externo Palavra binária Cronologia dos processadores Multiplicação de clock Tipos de soquetes e famílias de processadores Tecnologias proprietárias de

Leia mais

Sumário. Manutenção de Hardware. Clock

Sumário. Manutenção de Hardware. Clock Manutenção de Hardware CPU Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Clock Interno e Externo Sumário Palavra binária Cronologia dos processadores Multiplicação de clock Tipos de soquetes e famílias de processadores

Leia mais

Conceitos básicos. Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Conceitos básicos. Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conceitos básicos Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Um computador

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr.

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr. Arquitetura de Computadores Prof. João Bosco Jr. Unidade II Aula 1 Nível ISA Posicionado entre a microarquitetura e o SO Define a arquitetura (Conjunto de Instruções) É a interface entre o Software e o

Leia mais

ENIAC (Electronic Numerical Integrator Analyzer and Computer)

ENIAC (Electronic Numerical Integrator Analyzer and Computer) No final do século XIX os computadores mecânicos, que realizavam cálculos através de um sistema de engrenagens, acionado por uma manivela ou outro sistema mecânico qualquer. PROF. MARCEL SANTOS SILVA O

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnólogo em Redes de Computadores Técnico em Informatica CREA/AC

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnólogo em Redes de Computadores Técnico em Informatica CREA/AC Curso Técnico em Informática Rafael Barros Sales Tecnólogo em Redes de Computadores Técnico em Informatica CREA/AC Athlon e Duron O Athlon (em formato de cartucho, com cache L2 externo) Assim como o Pentium

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Sua Oficina Virtual. http://sites.uol.com.br/waytech Atualização da apostila é freqüente. Visite sempre. = APOSTILA = FREEWARE

Sua Oficina Virtual. http://sites.uol.com.br/waytech Atualização da apostila é freqüente. Visite sempre. = APOSTILA = FREEWARE Sua Oficina Virtual http://sites.uol.com.br/waytech Atualização da apostila é freqüente. Visite sempre. = APOSTILA = FREEWARE OUTRAS APOSTILAS PARA DOWNLOAD 01 - INTRODUÇÃO - Aqueles que estão começando

Leia mais

Arquitetura de processadores: RISC e CISC

Arquitetura de processadores: RISC e CISC Arquitetura de processadores: RISC e CISC A arquitetura de processador descreve o processador que foi usado em um computador. Grande parte dos computadores vêm com identificação e literatura descrevendo

Leia mais

O Nível ISA. Modelo de programação Arquitecturas CISC e RISC Introdução ao IA-32 da Intel

O Nível ISA. Modelo de programação Arquitecturas CISC e RISC Introdução ao IA-32 da Intel O Nível ISA Modelo de programação Arquitecturas CISC e RISC Introdução ao IA-32 da Intel Nível ISA (Instruction Set Architecture) Tipos de dados Inteiros (1, 2, 4 ou 8 bytes) Servem também para representar

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

Cap. 5 - Microprocessadores

Cap. 5 - Microprocessadores Cap. 5 - Microprocessadores Arquitectura de Computadores 2010/2011 Licenciatura em Informática de Gestão Dora Melo (Responsável) Originais cedidos gentilmente por António Trigo (2009/2010) Instituto Superior

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III)

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III) SIS17 - Arquitetura de Computadores Introdução (Parte III) Espectro Computacional (Visão Geral) Servidor Estações de Trabalho Mainframe Supercomputador TIPO Computadores de uso comum (pequenos chips) Computadores

Leia mais

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza

Software Básico. Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly. Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Software Básico Conceito de Linguagem de Máquina e Montagem: introdução ao Assembly Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo

Leia mais

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida.

Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. 8 0 Introdução Todos os microprocessadores hoje disponíveis em micros compatíveis com PC utilizam o funcionamento do 80386 como ponto de partida. Isso acontece por pelo menos três motivos técnicos: 0 80386

Leia mais

Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2

Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2 Aula 2 ARQUITETURA DE COMPUTADORES Conceitos e Evolução Capítulos 1 e 2 Prof. Osvaldo Mesquita E-mail: oswaldo.mesquita@gmail.com 1/48 CONTEÚDO DA AULA Conceitos Importantes O que é arquitetura de computadores?

Leia mais

Evolução histórica dos computadores

Evolução histórica dos computadores Evolução histórica dos computadores Descrever a organização funcional de um computador. Identificar as principais formas de utilização e aplicação de computadores. Nesta primeira aula, abordaremos os conceitos

Leia mais

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Arquitetura de Computadores Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Família Intel 80x86 Ao se falar

Leia mais

Hardware Avançado. Laércio Vasconcelos Rio Branco, mar/2007 www.laercio.com.br

Hardware Avançado. Laércio Vasconcelos Rio Branco, mar/2007 www.laercio.com.br Hardware Avançado Laércio Vasconcelos Rio Branco, mar/2007 www.laercio.com.br Avanços recentes em Processadores Chipsets Memórias Discos rígidos Microeletrônica Um processador moderno é formado por mais

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PROCESSADOR... 3 CLOCK... 4 PROCESSADORES COM 2 OU MAIS NÚCLEOS... 5 NÚCLEOS FÍSICOS E LÓGICOS... 6 PRINCIPAIS FABRICANTES E MODELOS... 6 PROCESSADORES

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br ESQUEMA EXTERNO DE UM MICROCOMPUTADOR Agora que

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

Hardware Básico. Processador. Professor: Wanderson Dantas

Hardware Básico. Processador. Professor: Wanderson Dantas Hardware Básico Processador Professor: Wanderson Dantas Processador Este componente é um dos principais responsáveis pelo desempenho de um computador. Um microprocessador é um chip que contem o que chamamos

Leia mais

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Baseado no material do Prof. Luis Otavio Alvares e do Prof. Dr. Rodrigo Fernandes de Mello

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Silva Apresentação Bacharel em Análise de Sistemas (UNILINS). Especialização em Geoprocessamento (UFSCar). Mestre em Ciência da Informação (UNESP). Doutorando

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

PROCESSADORES. INTEL x AMD

PROCESSADORES. INTEL x AMD PROCESSADORES INTEL x AMD 1 Microprocessadores Definição: Um microprocessador é um circuito integrado digital que realiza operações matemáticas e lógicas para cumprir determinada tarefa de acordo com uma

Leia mais

Aula 11 27/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores Prof. Carlos Guerber PROCESSADOR INTRODUÇÃO

Aula 11 27/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores Prof. Carlos Guerber PROCESSADOR INTRODUÇÃO Aula 11 27/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores Prof. Carlos Guerber PROCESSADOR INTRODUÇÃO O processador é um dos componentes que mais determina

Leia mais

ORGANIZACÃO DE COMPUTADORES PROCESSADORES CHIPS TRANSISTORES

ORGANIZACÃO DE COMPUTADORES PROCESSADORES CHIPS TRANSISTORES PROCESSADORES CHIPS TRANSISTORES O que é um chip? - conhecido como circuito integrado; - pequeno e fino pedaço de silício no qual os transistores, que formam o microprocessador, foram encapsulados; - processadores

Leia mais

Memória RAM. A memória RAM evolui constantemente. Qual a diferença entre elas? No clock (velocidade de comunicação com o processador)

Memória RAM. A memória RAM evolui constantemente. Qual a diferença entre elas? No clock (velocidade de comunicação com o processador) Memória RAM Introdução As memórias são as responsáveis pelo armazenamento de dados e instruções em forma de sinais digitais em computadores. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca

Leia mais

A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores

A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores As empresas mais antigas e ainda hoje no mercado que fabricam CPUs é a Intel, AMD e Cyrix.

Leia mais

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC Aula 26: Arquiteturas RISC vs CISC Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 1 / 33 Revisão Diego Passos

Leia mais

Projeto 1 - Bootloader

Projeto 1 - Bootloader Projeto 1 - Bootloader IF677 - Infra-Estrutura de Software Centro de Informática - UFPE Autor: Thyago Porpino (tnp) Objetivos Desmistificar o processo de inicialização de um computador. Entender como um

Leia mais

Informática Básica. Arquitetura de Computadores. Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/

Informática Básica. Arquitetura de Computadores. Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/ Arquitetura de Computadores Marcelo Diniz http://marcelovcd.wordpress.com/ Hardware Três subsistemas básicos Unidade Central de processamento Memória principal Dispositivos de Entrada e Saída Também chamados

Leia mais

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual?

Prof. Orlando Rocha. Qual o nosso contexto atual? 1 Qual o nosso contexto atual? Atualmente, vivemos em uma sociedade que é movida pela moeda informação! No nosso dia-a-dia, somos bombardeados por inúmeras palavras que na maioria das vezes é do idioma

Leia mais

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - O NÍVEL DA ARQUITETURA DO CONJUNTO DAS INSTRUÇÕES (ISA) (Nível Convencional de Máquina) 1. INTRODUÇÃO Este é o nível responsável por fazer a ligação entra a parte de hardware e a parte de software

Leia mais

Memória cache. Prof. Francisco Adelton

Memória cache. Prof. Francisco Adelton Memória cache Prof. Francisco Adelton Memória Cache Seu uso visa obter uma velocidade de acesso à memória próxima da velocidade das memórias mais rápidas e, ao mesmo tempo, disponibilizar no sistema uma

Leia mais

periféricos: interfaces humano-computador (HCI) arquivo de informação comunicações

periféricos: interfaces humano-computador (HCI) arquivo de informação comunicações Introdução aos Sistemas de Computação (6) Análise de componentes num computador Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador 2. Organização e estrutura interna dum computador 3.

Leia mais

Organização de Computadores. CPU: Evolução dos Processadores. (Material Complementar)

Organização de Computadores. CPU: Evolução dos Processadores. (Material Complementar) Organização de Computadores CPU: Evolução dos Processadores (Material Complementar) 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Processadores Parte 1

Processadores Parte 1 Processadores Parte 1 1 Conhecendo os Processadores...3 1.1. Características Básicas...3 1.2. Coprocessador aritmético...3 1.3. Memória Cache...4 1.4. Diferenças na arquitetura...4 1.5. 8088...5 1.6. 80286...5

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 02 - Estrutura dos Sistemas Operacionais. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 02 - Estrutura dos Sistemas Operacionais. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 02 - Estrutura dos Sistemas Operacionais Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

for Information Interchange.

for Information Interchange. 6 Memória: 6.1 Representação de Memória: Toda a informação com a qual um sistema computacional trabalha está, em algum nível, armazenada em um sistema de memória, guardando os dados em caráter temporário

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Processadores. Fabricantes dos processadores: Intel e AMD

Processadores. Fabricantes dos processadores: Intel e AMD Processadores Os processadores (ou CPUs, de Central Processing Unit) são chips responsáveis pela execução de cálculos, decisões lógicas e instruções que resultam em todas as tarefas que um computador pode

Leia mais

Contil Informática. Curso Tecnico em Informatica Rafael Barros Sales Tecnologo em Redes de Computadores Tecnico em Informatica CREA/AC

Contil Informática. Curso Tecnico em Informatica Rafael Barros Sales Tecnologo em Redes de Computadores Tecnico em Informatica CREA/AC Contil Informática Curso Tecnico em Informatica Rafael Barros Sales Tecnologo em Redes de Computadores Tecnico em Informatica CREA/AC Processadores O processador é o cérebro do micro, encarregado de processar

Leia mais

Capítulo 2. AMD K6, K6-2, K6-III Super 7 Cyrix MII / 6x86 / 6x86MX Super 7 ou Socket 7 AMD K5, Pentium, Pentium MMX Socket 7

Capítulo 2. AMD K6, K6-2, K6-III Super 7 Cyrix MII / 6x86 / 6x86MX Super 7 ou Socket 7 AMD K5, Pentium, Pentium MMX Socket 7 Processadores Capítulo 2 O processador e o seu soquete Existem vários processadores para PCs. A maioria deles são produzidos pela Intel e AMD. É preciso levar em conta que cada processador exige um tipo

Leia mais

Programador Web - Pronatec

Programador Web - Pronatec Programador Web - Pronatec Introdução à Computação Aula 2 Sistemas Operacionais José Antonio dos Santos Barbosa josebarbosa@uai.com.br (31) 9-8275-0330 O que é um Sistema Operacional: Funções de um sistema

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas.

1. INTRODUÇÃO. Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas. 1. INTRODUÇÃO Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas. Programa: É uma seqüência de instruções que descrevem como executar

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 10: UCP Evolução - II Evolução dos processadores - II Arquitetura superescalar (ou multiescalar); Exec. fora de ordem / Renomeamento de regs. Tecnologias SIMD / SSE Tecnologia

Leia mais

Arquitetura do conjunto de instruções (ISA); características de instruções de máquina; tipos de operandos

Arquitetura do conjunto de instruções (ISA); características de instruções de máquina; tipos de operandos Arquitetura do conjunto de instruções (ISA); características de instruções de máquina; tipos de operandos Abordaremos nesta aula assuntos referentes à arquitetura do conjunto de instruções, tipos de operandos

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Introdução a programação Assembly Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 5 de novembro de 2009 Haroldo Gambini Santos Sistemas de Computação 1/30 Assembly

Leia mais

Técnicas de Manutenção de Computadores

Técnicas de Manutenção de Computadores Técnicas de Manutenção de Computadores Professor: Luiz Claudio Ferreira de Souza Processadores É indispensável em qualquer computador, tem a função de gerenciamento, controlando todas as informações de

Leia mais

Evolução dos Microcomputadores PC

Evolução dos Microcomputadores PC Evolução dos Microcomputadores PC O IBM PC, ou Personal Computer (Computador Pessoal), surgiu em 1981 e se tornou um padrão de microcomputador, o qual passou a ter uma evolução muito rápida, e difícil

Leia mais

Capítulo. Processadores descontinuados

Capítulo. Processadores descontinuados Capítulo 6 Processadores descontinuados Para entender a fundo os processadores modernos, você precisa estudar também este capítulo sobre processadores mais antigos. Aqui explicarmos todos os avanços tecnológicos

Leia mais

CISC RISC Introdução A CISC (em inglês: Complex Instruction Set Computing, Computador com um Conjunto Complexo de Instruções), usada em processadores Intel e AMD; suporta mais instruções no entanto, com

Leia mais

2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL

2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL 2. NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL Nos períodos anteriores foram mostrados os níveis iniciais da organização de um computador, quando vimos em Circuitos Digitais os detalhes do Nível 0 (zero) de Lógica Digital.

Leia mais

Microprocessadores II - ELE 1084

Microprocessadores II - ELE 1084 Microprocessadores II - ELE 1084 CAPÍTULO III OS PROCESSADORES 3.1 Gerações de Processadores 3.1 Gerações de Processadores Primeira Geração (P1) Início da arquitetura de 16 bits CPU 8086 e 8088; 20 bits

Leia mais

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios.

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Aplicativos Informatizados da Administração Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Habilidades, Competências e Bases Tecnológicas Bases tecnológicas: Fundamentos de equipamentos

Leia mais

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial

Hardware. Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Hardware Prof. Luiz Carlos Branquinho Informática Básica Gestão Comercial Conteúdo Definição do hardware; Tipo e tamanho dos computadores; Família dos computadores; Elementos do hardware; Portas de comunicação.

Leia mais

1.3. Componentes dum sistema informático HARDWARE SOFTWARE

1.3. Componentes dum sistema informático HARDWARE SOFTWARE 1.3. Componentes dum sistema informático Computador Sistema Informático HARDWARE SOFTWARE + Periféricos Sistema Operativo Aplicações HARDWARE - representa todos os componentes físicos de um sistema informático,

Leia mais

2 A unidade central de processamento

2 A unidade central de processamento 2 A unidade central de processamento 2.1 Generalidades A unidade central de processamento ou Central Processing Unit, é o componente mais importante de um computador. Podem existir vários processadores

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

Arquitetura. Sistemas Operacionais. Ementa. Sistemas 32 bits x Sistemas 64 Bits. Arquitetura de S.O. 32 Bits X 64 Bits. Qual a diferença?

Arquitetura. Sistemas Operacionais. Ementa. Sistemas 32 bits x Sistemas 64 Bits. Arquitetura de S.O. 32 Bits X 64 Bits. Qual a diferença? Arquitetura de Ementa Sistemas 32 bits x Sistemas 64 Bits Sistemas Operacionais PROF. FABRÍCIO ALESSI STEINMACHER Arquitetura de S.O 32 Bits X 64 Bits Qual a diferença? NO QUE SE REFERE AOS BITS E BYTES,

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais