AS APLICAÇÕES AGRÍCOLAS E O PROTOCOLO CAN: UMA APLICAÇÃO A UM MONITOR DE SEMEADORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS APLICAÇÕES AGRÍCOLAS E O PROTOCOLO CAN: UMA APLICAÇÃO A UM MONITOR DE SEMEADORA"

Transcrição

1 AS APLICAÇÕES AGRÍCOLAS E O PROTOCOLO CAN: UMA APLICAÇÃO A UM MONITOR DE SEMEADORA RESUMO Alexandre de Almeida Guimarães Engenheiro de Produto General Motors do Brasil Mestrando em Sistemas Digitais Laboratório de Automação Agrícola Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Brasil Antônio Mauro Saraiva Professor Doutor -Eng. Eletricista - Eng. Agrônomo Laboratório de Automação Agrícola Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Brasil A tecnologia atualmente encontrada nos veículos automotores, especialmente nos veículos de passeio, caminhões (leves e pesados) e ônibus; está sendo gradativamente incorporada nos equipamentos agrícolas disponíveis. Sistemas de controle de motor e transmissão, equipamentos de acompanhamento dos processos agrícolas em tempo real e até mesmo dispositivos de monitoração das ações do operador, estão sendo desenvolvidos e instalados em vários segmentos da agricultura. Toda esta tecnologia embarcada visa, entre outras coisas, melhorar os índices de produção e reduzir as perdas no processo produtivo agrícola. A grande quantidade de informações geradas pelos módulos eletrônicos precisa ser distribuída pela rede, de forma rápida e confiável. Para tanto, o protocolo de comunicação CAN (Controller Area Network), assim como na indústria automotiva, mostra ser a melhor solução na agricultura. Considerando a norma CAN ISO 11783, a que se pretende ser o padrão internacional para as aplicações agrícolas, é estudada a Monitoração de Semeadora. ABSTRACT The technology currently available in cars, trucks and other vehicles is gradually being transferred to agricultural machines. Engine control systems, monitoring and control systems for specific tasks and processes and their machines, and even for the operator s actions are under development and are being incorporated. The aim of that technology is to improve production and reduce losses. All the information generated by the many electronic modules installed in the tractors and in the implements must be distributed and shared by a network reliably and quickly. The CAN protocol (controller area network) is proving to be the best solution in agriculture as it is in automotive industry. Based on ISO 11783, a CAN-based international agricultural standard, a planter monitor implementation is being evaluated. Palavras-Chaves (Keywords): CAN, Controller Area Network, ISO 11783, LBS, DIN 9684.

2 INTRODUÇÃO Em grande parte das operações agrícolas um trator e seus implementos são partes essenciais. Diferentemente do trator, que fornece a potência em quase todos estes processos, cada implemento possui a sua aplicação específica, de modo que muitas são as variações no conjunto Trator x Implemento. Como nos processos industriais e comerciais existentes, percebe-se que também na agricultura a evolução tecnológica está ocorrendo; mecânica e eletronicamente. Esta evolução é natural no sentido que proporciona maior controle do processo e disponibiliza informações essenciais ao planejamento das próximas safras. Neste contexto, dois termos se caracterizam como bons representantes desta nova filosofia na agricultura: "Agricultura de Precisão" (AP) e Protocolos de Comunicação. Os objetivos principais da AP são, entre outras coisas, reduzir o consumo de insumos, aumentar a qualidade dos processos e do produto final e assim, conseqüentemente, aumentar a lucratividade do produtor e a satisfação do consumidor final. Ela depende da monitoração dos processos, da extração de dados das várias atividades executadas (do preparo da terra à colheita do produto) e da sua análise, procurando estimar os resultados finais. Para tanto, ferramentas computacionais para simular e avaliar os mais diferentes cenários são aplicadas, sempre consolidando as informações obtidas em campo durante cada fase do processo produtivo agrícola [1]. Percebe-se assim que, na Agricultura de Precisão, uns dos elementos mais importantes são as informações de cada fase do processo. Dos dados coletados em campo, parte deles está disponível no trator, parte nos implementos. São informações de velocidade e posição do maquinário em relação ao terreno, quantidade de sementes plantadas, quantidade de adubo depositado, quantidade de agroquímico aplicado e até mesmo eventuais falhas nos implementos ou no trator, entre outras. As informações são coletadas no decorrer dos trabalhos por sensores específicos e são armazenadas numa central localizada no próprio trator, de onde são retiradas posteriormente para as devidas análises. A forma como estes dados são levados dos sensores à unidade central do trator é uma das grandes dificuldades na Agricultura de Precisão, e é responsabilidade do Protocolo de Comunicação. PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO NA AGRICULTURA Do ponto de vista de uma aplicação agrícola, alguns requisitos mínimos devem ser observados no momento de se desenvolver uma rede embarcada de comunicação de dados. Pode-se destacar os seguintes [2][3]: Estar preparada para trabalhar em ambientes móveis, sendo resistente especialmente a elevada vibração dos equipamentos. Ser resistente a situações extremamente nocivas, como as condições climáticas adversas (exposição aos raios solares e a chuva) e a exposição a produtos químicos provenientes do próprio trabalho.

3 Ter cabeamento reduzido para facilitar a sua instalação e reduzir os problemas com manutenção. Não requerer tempo elevado ou manobras complicadas para a conexão de um equipamento à rede. Ser imune as interferências eletromagnéticas. Além de todos os fatores colocados acima, um em especial deve ser considerado: o Protocolo de Comunicação de Dados. Ele deve ser simples de se implementar e deve garantir uma velocidade de transmissão suficiente para a dada aplicação [3]. Além disso, deve permitir a interoperabilidade entre equipamentos de diversos fabricantes, o que sugere que ele seja reconhecido como um padrão [4]. Várias são as razões para se padronizar um protocolo de comunicação agrícola, assim como foi feito para as aplicações industriais, comerciais, navais e automotivas, entre outras. Como diversos implementos são acoplados a um trator ao longo do ano para realizar as diversas operações, deve-se garantir que os equipamentos dos implementos se comuniquem com os do trator normalmente [6], mesmo que sejam, e é a condição mais comum atualmente, de fabricantes diferentes. Utilizando um protocolo padronizado, os vários fabricantes não serão obrigados a revelar o funcionamento interno de seus equipamentos, apenas disponibilizar os dados no barramento [5]. Do ponto de vista dos componentes eletrônicos, a adoção de um padrão permite que fabricantes de equipamentos troquem componentes entre si para o desenvolvimento de novos e padronizados equipamentos [7]. Dentre os vários protocolos de comunicação serial existentes, alguns podem ser destacados por já terem sido objeto de análise em aplicações agrícolas: SAE J1939, DIN 9684 (LBS) e ISO Estes protocolos foram desenvolvidos considerando as características colocadas pelo padrão CAN (Controller Area Network), especialmente a respeito da norma ISO 11898, norma básica e oficial do protocolo. Ela foi desenvolvida pela companhia alemã Robert Bosch para utilização na indústria automotiva, buscando comunicação efetiva e a custos reduzidos em eletrônica embarcada de modo geral [8]. Com o passar dos anos, as exigências para a troca de informações entre os diversos módulos eletrônicos nos veículos cresceram de tal forma que o cabeamento requerido para tais conexões chegou a atingir vários quilômetros de comprimento. A solução para este problema é a troca da forma de comunicação entre estes módulos eletrônicos. Deve ser considerado um protocolo que garanta os seguintes fatores [9]: Redução do cabeamento total da rede. Ser capaz de transmitir altas taxas de informação, uma vez que os sistemas operam com informações em tempo real. Boa flexibilidade das linhas de comunicação para facilitar a instalação do chicote no veículo.

4 Capacidade de interligar diversos nós, garantindo futuras expansões do sistema. Trabalhar dentro do conceito multi-mestre, eliminando a existência de um módulo principal e responsável pelo gerenciamento da rede. Robustez suficiente para garantir seu funcionamento em ambientes nocivos e móveis. Capacidade para detectar e tratar eventuais falhas geradas por problemas em hardware e software ou, interferências externas como as eletromagnéticas. O protocolo que cobre todos estes requerimentos é o CAN, podendo chegar a uma taxa de transmissão de 1Mbits/seg, com um comprimento de cabo de 40m (podendo ser aumentado com a proporcional diminuição da taxa de transmissão), garantindo todos os requerimentos colocados acima. É um padrão internacional que especifica basicamente a forma de transmissão das informações, sem se preocupar com o formato e o tipo das mensagens. Para tanto, existem várias normas fundamentadas na ISO que foram criadas para aplicações específicas. As normas SAE J1939, DIN 9684 (LBS) e ISO 11783, todas baseadas no CAN genérico (ISO 11898), foram analisadas sob o ponto de vista de uma aplicação agrícola, sob critérios técnicos e de mercado. De todas elas a ISO mostrou-se a mais completa e indicada à agricultura [10]. O PADRÃO ISO É o padrão de comunicação serial agrícola baseado na ISO CAN 2.0B (identificador de 29 bits). Está em desenvolvimento pelo grupo de trabalho ISO TC23/SC19/WG1 [11], que procura reunir os diversos requerimentos dos sistemas agrícolas atuais e predizer o que seria interessante em um protocolo de comunicação, para que o mesmo seja flexível o suficiente para suportar as diversas aplicações agrícolas futuras. Esta norma define todos os componentes necessários a um barramento agrícola, tendo como características principais o seguinte [12]: Quantidade de mensagens possíveis = mais de 500 milhões. Máxima Taxa de Transmissão = 250 Kbits/seg. Comprimento máximo da rede (considerando a Taxa de Transmissão Máxima) = 40m. Quantidade Máxima de Nós na rede = 256. Quando se analisa a maioria dos trabalhos realizados com protocolos de comunicação voltados às aplicações agrícolas, percebe-se que os resultados obtidos são direcionados aos trabalhos de criação da ISO 11783, ou sugerem que ela deve ser o ponto de convergência tanto para as aplicações atuais que já operam sobre a DIN 9684, como para as aplicações a serem desenvolvidas futuramente [7].

5 Avaliando o padrão do ponto de vista de mercado, por ainda estar em processo de desenvolvimento, não foi utilizado como referência em nenhum projeto de equipamento comercial [12]. Apesar disso, é objeto de análise de grande parte das empresas que comercializam produtos eletrônicos na agricultura, especialmente por ser capaz de proporcionar uma solução que acomode as existentes, como a LBS, e as futuras, com milhares de mensagens e centenas de nós conectados à rede [10]. O MONITOR DE SEMEADORA Em trabalho anteriormente desenvolvido pelo Laboratório de Automação Agrícola da EPUSP, um monitor de semeadora foi implementado baseado no conhecido protocolo EIA RS232C. A figura 1 destaca a arquitetura do Monitor baseado em RS232. Como funções principais poderiam ser destacadas [13]: Apresentação ao operador de informações do processo. Dentre elas destacam-se a taxa e a densidade de sementes, a área do terreno já semeada e a velocidade do trator; Aviso ao operador sobre as condições indevidas de trabalho, como taxa de semeadura fora da faixa e posição indevida do implemento no modo operacional do sistema; Armazenamento de estatísticas da operação e sua transferência a um computador pessoal PC para posterior análise; Como o sistema baseado em RS232, apesar de fácil de implementar, apresenta baixa eficiência, além de ser pouco expansível, uma proposta fundamentada no protocolo CAN está sendo desenvolvida, especificamente baseada na norma que pretende ser o padrão internacional ISO A figura 2 mostra a arquitetura considerada na implementação do Monitor de Semeadora baseado em CAN.

6 Sensores de fluxo de sementes GPS PC de Gerenciamento ligação serial (RS-232) ligação serial (RS-232) Sensor de velocidade Sensor de operação Módulo da Semeadora (remota) ligação serial (RS-232) Modulo do Trator (central) Teclado Alarme... Display FIGURA 1: Arquitetura do Monitor de Semeadora baseado em RS232. Monitor de Semeadora PCMCIA (GATEWAY) TERMINAL CAN Bus (ISO 11783) TERMINAL ECU #a ECU #b ECU #c ECU #n SO SV S S S S S S Entradas Discretas FIGURA 2: Arquitetura inicial considerada no Monitor de Semeadora baseado na ISO Esta proposta de rede possibilita uma implementação relativamente rápida de um protótipo do Monitor de Semeadora. Dentre os vários fatores existentes, destacam-se: Utilização de um computador pessoal (notebook) como forma de visualização do comportamento da rede e visualização dos dados;

7 Aplicação de um cartão PCMCIA conectando o notebook à rede, reduzindo o tempo de implementação; Utilização de microcontroladores com o protocolo CAN já incorporado, o que facilita o desenvolvimento do firmware das Unidades Eletrônicas de Controle (ECU); Percebe-se que apesar de não estar sendo considerada uma construção voltada à futura manufatura do sistema, como ferramenta de suporte ao desenvolvimento a proposta é bem interessante, facilitando a sua construção e a visualização dos resultados. CONCLUSÕES Grande parte das experiências adquiridas com as várias implementações de diferentes protocolos de comunicação serial na agricultura, serviram de suporte para o desenvolvimento da ISO Este padrão é esperado como referência internacional aos futuros desenvolvimentos, sem causar o sucateamento da tecnologia atualmente comercializada. Sua utilização permite uma maior rapidez na implementação de um protótipo de um Monitor de Semeadora, facilitando o desenvolvimento das partes mais específicas da aplicação, por exemplo as mensagens relativas à aplicação. Procura-se com isso avaliar a implementação do padrão ISO em uma aplicação conhecida e de grande importância no contexto agrícola. REFERÊNCIAS 1. SIGRIMIS, N.; HASHIMOTO, Y.; MUNACK, A.; De Baerdemaeker, J. Prospects in Agricultural Engineering in the Information Age, CIGR-Ejournal, invited paper, STRAUSS, C.; CUGNASCA, C.E.; SARAIVA, A.M. Protocolos de Comunicação para Equipamentos Agrícolas, CONAI, STRAUSS, C.; CUGNASCA, C.E.; SARAIVA, A.M.; HIRAKAWA, A.R. Applications of the CAN and ISO protocolos to a Planter Monitor. Progress in Simulation, Modeling, Analysis and Synthesis of Modern Electrical and Electronic. Devides and Systems, World Scientific and Engineering Society Press, Grécia,1999. p STAFFORD, J.V.; AMBLER, B. A CAN data bus application on a Patch Sprayer. International Winter Meeting of the American Society of Agricultural Engineers, Chicago, ASAE paper no SPECKMANN, H.; JAHNS, G. Development and application of an agricultural BUS for data transfer., ELSEVIER - Computer and Electronics in Agricultural, 23 (1999) STONE, M.L. Dynamic Address Configuration in SAE J1939, Biosystems and Agricultural Engineering, Oklahoma State University. 7. STONE, M.L. High Speed Networking in Construction and Agricultural Equipments., Department of Biosystems and Agricultural Eng'g, 1994,

8 8. Controller Area Network Background Information, How CAN works, Implementation, Application Layer Controller Area Network (CAN) - Module 6., BOSCH - Powertrain University, Protocolo CAN Bus nas Aplicações Off-Road: Uma Análise Comparativa entre os Padrões Existentes, Artigo submetido à SAE Brasil ISO11783 Workshop, Agrithecnica 99, HOFSTEE, J.W.; GOENSE, D. Simulation of a Controller Area Network-based Tractor- Implement Data Bus according to ISO 11783, J. Agric. Engng Res. (1999) 73, STRAUSS, C.; CUGNASCA, C.E.; SARAIVA, A.M. Padrões de Comunicação em Automação Agrícola. In: Simpósio Nacional de Instrumentação Agropecuária, 2., São Carlos, Anais. SIAGRO.

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA

A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA A NORMA ISO11783 COMO PADRÃO INTERNACIONAL E A SUA UTILIZAÇÃO NA AGRICULTURA ALEXANDRE DE A. GUIMARÃES 1 ANTÔNIO M. SARAIVA 2 RESUMO Considerando-se os impactos relacionados ao aumento da eletrônica embarcada

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

Protocolo CAN Controller Area Network

Protocolo CAN Controller Area Network Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Protocolo CAN Controller Area Network Carlo Frederico Campos Danielle Simone Prof. Luiz Affonso Maio / 2005

Leia mais

ARQUITETURAS ELETRO-ELETRÔNICAS CONCEITUAÇÃO

ARQUITETURAS ELETRO-ELETRÔNICAS CONCEITUAÇÃO ARQUITETURAS ELETRO-ELETRÔNICAS CONCEITUAÇÃO por Alexandre de A. Guimarães, MSc ELETRÔNICA EMBARCADA EM AUTOMÓVEIS Antes de explorarmos as mais variadas alternativas tecnológicas para arquiteturas elétricas,

Leia mais

O Protocolo CAN: Entendendo e Implementando uma Rede de Comunicação Serial de Dados baseada no Barramento Controller Area Network.

O Protocolo CAN: Entendendo e Implementando uma Rede de Comunicação Serial de Dados baseada no Barramento Controller Area Network. O Protocolo CAN: Entendendo e Implementando uma Rede de Comunicação Serial de Dados baseada no Barramento Controller Area Network. Copyright 2002 Society of Automotive Engineers, Inc Alexandre de Almeida

Leia mais

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO o PROTOCOLO FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO Sup. Eng. de Aplicação de Sistemas da YokogawaAmérica do Sul Neste trabalho discorre-se sobre a rede foundation fieldbus, situando-a dentro do universo

Leia mais

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado

Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Introdução aos sistemas de cabeamento estruturado Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Histórico No início da década de 80 os sistemas Mainframe dominavam o mercado. Surgem os conceitos de "Networking"

Leia mais

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal PT ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal Amigável ao cliente e comprovado Com a implementação do ACS2000 há alguns anos, foram estabelecidos novos

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

UM ROTEIRO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UMA REDE CAN (CONTROLLER AREA NETWORK), PROFº DR. ANTÔNIO MAURO SARAIVA

UM ROTEIRO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UMA REDE CAN (CONTROLLER AREA NETWORK), PROFº DR. ANTÔNIO MAURO SARAIVA UM ROTEIRO DE IMPLEMENTAÇÃO DE UMA REDE CAN (CONTROLLER AREA NETWORK) 1,2 2 ALEXANDRE DE ALMEIDA GUIMARÃES, PROFº DR. ANTÔNIO MAURO SARAIVA 1 GENERAL MOTORS DO BRASIL LTDA 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA USP RESUMO

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.2.2, 16.7.1, 16.7.2 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3.3, 6.3.2 Controller Area Network

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

LOOZ ap o.. qw;:nas ap OZ ~sajl~ldwaxa OSE N::>\f - I:!f..,n.>ado..lSv ~:t~i~wjo.luf.e"dejqw3;o~jnpo.. d a O~SI:!',J:>

LOOZ ap o.. qw;:nas ap OZ ~sajl~ldwaxa OSE N::>\f - I:!f..,n.>ado..lSv ~:t~i~wjo.luf.edejqw3;o~jnpo.. d a O~SI:!',J:> LOOZ ap o.. qw;:nas ap OZ ~sajl~ldwaxa OSE N::>\f - I:!f..,n.>ado..lSv ~:t~i~wjo.luf.e"dejqw3;o~jnpo.. d a O~SI:!',J:> i. 'i REVISÃO DO PADRÃo ISOBUS PARA COMUNICAÇÃO DO IMPLEMENTO AGRÍCOLA COM TERMINAL

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

O Protocolo Internacional CAN Bus na Comunicação de Dados de Sistemas Agrícolas: Presente e Futuro.

O Protocolo Internacional CAN Bus na Comunicação de Dados de Sistemas Agrícolas: Presente e Futuro. 267-2003 O Protocolo Internacional CAN Bus na Comunicação de Dados de Sistemas Agrícolas: Presente e Futuro. Alexandre de Almeida Guimarães, MSc General Motors do Brasil Ltda o Antônio Mauro Saraiva, Prof

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Monitoramento. Intuitivo, Configurável, Robusto. WEB Outros sistemas: GIS, ERPs... PORTAL SWS. Combustível. Apontamentos

Monitoramento. Intuitivo, Configurável, Robusto. WEB Outros sistemas: GIS, ERPs... PORTAL SWS. Combustível. Apontamentos Monitoramento PORTAL SWS Intuitivo, Configurável, Robusto WEB Outros sistemas: GIS, ERPs... RPM Combustível Paradas Transmissão Apontamentos MONITORE TODAS AS OPERAÇÕES Controle do Operador Identificação

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS Prof. Roberto A. Dias, Dr. Eng CEFET-SC Igor Thiago Marques Mendonça Reginaldo

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO Luiz Carlos Miller Araras, outubro de 2010 DA LOCALIZAÇÃO DO DISPOSITIVO: O GPTD captura

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Programa de Treinamento. Básico

Programa de Treinamento. Básico Programa de Treinamento Básico Filosofia dos CLP s da Mauell Condições de emprego e utilização Montagem modular em um sitema local Visão do Hardware Montagem em sistemas de rede Acoplamentos de sistemas

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

ALEXANDRE DE ALMEIDA GUIMARÃES ANÁLISE DA NORMA ISO11783 E SUA UTILIZAÇÃO NA IMPLEMENTAÇÃO DO BARRAMENTO DO IMPLEMENTO DE UM MONITOR DE SEMEADORA

ALEXANDRE DE ALMEIDA GUIMARÃES ANÁLISE DA NORMA ISO11783 E SUA UTILIZAÇÃO NA IMPLEMENTAÇÃO DO BARRAMENTO DO IMPLEMENTO DE UM MONITOR DE SEMEADORA ALEXANDRE DE ALMEIDA GUIMARÃES ANÁLISE DA NORMA ISO11783 E SUA UTILIZAÇÃO NA IMPLEMENTAÇÃO DO BARRAMENTO DO IMPLEMENTO DE UM MONITOR DE SEMEADORA Dissertação apresentada à Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Conectores de derivação e distribuição de sinais e energia PRV e PPV

Conectores de derivação e distribuição de sinais e energia PRV e PPV Conectores de derivação e distribuição de sinais e energia PRV e PPV Conectores de derivação distribuição de sinais e energia PRV e PPV da Weidmüller, equipados com tecnologia de conexão "PUSH N". Os inovadores

Leia mais

O Conversor Serial Ethernet MUX-10

O Conversor Serial Ethernet MUX-10 O Conversor Serial Ethernet MUX-10 M. B. Pereira, E. Araujo, ENAUTEC e F. Santana, COELBA Resumo - O Conversor Serial Ethernet MUX-10 é um protótipo destinado a interconectar equipamentos baseados em porta

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 4 Cabeamento Estruturado Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado 1 Conteúdo Cabeamento Não Estruturado Normas Meios Físicos de Comunicação - Cabeamento Estruturado

Leia mais

Proposta de Implementação de Terminal Virtual e Controlador de Tarefas da Norma ISO 11783 em Dispositivos Computacionais Portáteis

Proposta de Implementação de Terminal Virtual e Controlador de Tarefas da Norma ISO 11783 em Dispositivos Computacionais Portáteis Proposta de Implementação de Terminal Virtual e Controlador de Tarefas da Norma ISO 11783 em Dispositivos Computacionais Portáteis Daniel Carlos Landi Laboratório de Automação Agrícola da Escola Politécnica

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Ementa Proposta CAP: 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES INDUSTRIAIS ; CAP: 2 - MEIOS FÍSICOS ; CAP: 3 - REDES

Leia mais

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA.

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA. SISTEMAS DE DETECÇÃO PERIMETRAL MAIS INTELIGENTES MicroPoint II Sistema de Detecção em Cercas MicroTrack II Sistema de Detecção de Cabo Enterrado MicroWave 330 Barreira de Microondas Digital PROTEÇÃO PERIMETRAL

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Suporte a redes CAN para Aplicações Embarcadas

Suporte a redes CAN para Aplicações Embarcadas Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Departamento De Informática e Estatística INE Bacharelado em Ciências Da Computação Suporte a redes CAN para Aplicações Embarcadas Autor: Alessandro Barreiros

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

Ferramentas de AP Arvus Tecnologia. Gerente nacional de vendas Luiz Ghilherme Bridi Luiz.bridi@arvus.com.br (48) 8817-4115

Ferramentas de AP Arvus Tecnologia. Gerente nacional de vendas Luiz Ghilherme Bridi Luiz.bridi@arvus.com.br (48) 8817-4115 Ferramentas de AP Arvus Tecnologia Gerente nacional de vendas Luiz Ghilherme Bridi Luiz.bridi@arvus.com.br (48) 8817-4115 Arvus Tecnologia Estrutura e Equipe Unidade Administrativa (SC) Unidade Industrial

Leia mais

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt Sistemas e Planeamento Industrial DOMÓTICA REDES DE CAMPO Eng.º Domingos Salvador dos Santos email:dss@isep.ipp.pt Outubro de 2010 Outubro de 2010 2/20 REDES DE CAMPO Fieldbus Fieldbus Estrutura da Apresentação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

ONEPROD MVX. Manutenção condicional online para máquinas críticas. Brand of ACOEM

ONEPROD MVX. Manutenção condicional online para máquinas críticas. Brand of ACOEM ONEPROD MVX Manutenção condicional online para máquinas críticas Brand of ACOEM O ONEPROD MVX é um sistema de monitoramento em tempo real multicanais, criado para a confiabilidade das máquinas industriais

Leia mais

CANopen Rede para Máquinas & Instalações

CANopen Rede para Máquinas & Instalações Redes & Arquiteturas - SEB01 PAE CANopen Rede para Máquinas & Instalações Palestrante: Carlos POSSEBOM, Centro de Aplicações - Schneider Electric the Redes & Arquiteturas - SEB01 PAE CANopen Rede para

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão- ConBAP 2014 São Pedro - SP, 14 a 17 de setembro de 2014

Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão- ConBAP 2014 São Pedro - SP, 14 a 17 de setembro de 2014 Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão- ConBAP 2014 São Pedro - SP, 14 a 17 de setembro de 2014 ANÁLISE DE COMPATIBILIDADE EM APLICAÇÃO À TAXA VARIÁVEL BASEADA NO PADRÃO ISO 11783 RODRIGO M. R.

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424 AUTOMAÇÃO E COMANDO,12ºANO PLANIFICAÇÃO ANUAL COMANDO AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE ELETRÓNICA AUTOMAÇÃO E Ano Letivo 2015/2016 Ciclo de Formação: 2013-2016 Nº DO PROJETO: POCH-01-5571-FSE-000424

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

APLICAÇÕES AGRÍCOLAS PARA REDES DE SENSORES SEM FIO RESUMO

APLICAÇÕES AGRÍCOLAS PARA REDES DE SENSORES SEM FIO RESUMO APLICAÇÕES AGRÍCOLAS PARA REDES DE SENSORES SEM FIO RESUMO LUCIANO GONDA 1 CARLOS EDUARDO CUGNASCA 2 ALBERTO CAMILLI 3 O controle e monitoramento em aplicações agrícolas são estratégias fundamentais para

Leia mais

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio

Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio Access Professional Edition O sistema de controle de acesso flexível que cresce com o seu negócio 2 Access Professional Edition: a solução de controle de acesso ideal para empresas de pequeno e médio porte

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Introdução O que é Protocolo? - Para que os pacotes de dados trafeguem de uma origem até um destino, através de uma rede, é importante

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

SISTEMA COMPUTADORIZADO PARA GERENCIAMENTO DE PURGADORES DE VAPOR

SISTEMA COMPUTADORIZADO PARA GERENCIAMENTO DE PURGADORES DE VAPOR SISTEMA COMPUTADORIZADO PARA GERENCIAMENTO DE PURGADORES DE VAPOR Patenteado. Gerenciamento no século 21. Tópicos fundamentais que compõem o gerenciamento: Manutenção Produtiva Total (MPT): Estabelece

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. 1. Sistema de Monitoramento da Frota O Sistema de Monitoramento da Frota será implantado pela concessionária para

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 8.2011 95 01 1( 6 ) Eletricidade Instalação de sistemas de rastreamento/monitoramento não instalados/desenvolvidos

Leia mais

O uso do CP em sinalização de ferrovias

O uso do CP em sinalização de ferrovias O uso do CP em sinalização de ferrovias Introdução Um Sistema de Sinalização e Controle ferroviário é responsável por garantir a segurança das operações de movimentação dos trens, permitindo a operação

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. COMO CRIAR UM ELEMENTO DE DETECÇÃO DE ARCO VOLTAICO RÁPIDO E SELETIVO, UTILIZANDO ELEMENTOS DE SOBRECORRENTE E INTENSIDADE LUMINOSA Eduardo Zanirato / Geraldo Rocha Resumo - O guia apresenta a lógica para

Leia mais

Industrial. CVI3 Sistema de montagem avançado. More Than Productivity. Soluções integradas Controle avançado do processo Flexibilidade incomparável

Industrial. CVI3 Sistema de montagem avançado. More Than Productivity. Soluções integradas Controle avançado do processo Flexibilidade incomparável Industrial Tools 3 Sistema de montagem avançado Soluções integradas Controle avançado do processo Flexibilidade incomparável More Than Productivity Soluções totalmente integradas para aplicações delicadas

Leia mais

RS-485 - Especificação e Utilização

RS-485 - Especificação e Utilização RS-485 - e Prof. Vitor Leão Universidade Federal da Bahia LaPO - Laboratório de Propriedade Ópticas 10 de Dezembro de 2007 1 2 Características Elétricas 3 Montagem da Rede Protocolo ModBus 4 O que é RS-485

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 5 Conclusões 133 Capítulo 5 Conclusões 133 CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES Neste capítulo são abordadas as conclusões traçadas no desenvolvimento e validação do SMD, e indicação de estudos futuros. Ressalta-se o atendimento aos

Leia mais

VCS ll. NOVO: ABS para Reboque e Semi-Reboque. ABS Compacto - 2º Geração. mais compacto mais eficiente fácil instalação

VCS ll. NOVO: ABS para Reboque e Semi-Reboque. ABS Compacto - 2º Geração. mais compacto mais eficiente fácil instalação VCS ll ABS Compacto - 2º Geração NOVO: ABS para Reboque e Semi-Reboque mais compacto mais eficiente fácil instalação Todos os componentes do sistema ABS Compacto 2º Geração WABCO, atendem as normas internacionais

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC

Cabeamento Estruturado. Definição. Definição. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Cabeamento Estruturado Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Redes de Computadores - UDESC Definição Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a prover uma infra-estrutura

Leia mais