Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais"

Transcrição

1 1 Distorções Harmônicas Geradas por Algumas Cargas Não lineares com Tensões Senoidais Manuel Losada y Gonzalez, Márcio Melquíades Silva, Felipe Althoff, Selênio Rocha Silva Resumo A expansão do uso de cargas eficientes não lineares nos setores residenciais e comerciais tende a aumentar as distorções harmônicas nas redes do sistema elétrico brasileiro e, consequentemente, diminuir a qualidade da energia. Para estimar as distorções nas redes de distribuição, através de processos determinísticos ou estocásticos, é útil conhecer inicialmente o comportamento de cada carga alimentada em várias tensões fornecidas por uma fonte senoidal. Este artigo tem como objetivo apresentar resultados de medições de três tipos das principais cargas não lineares residenciais e comerciais nessas condições. As cargas são lâmpadas (lâmpada fluorescente compacta, lâmpada fluorescente tubular, lâmpada tubular de LED), televisores com telas de CRT e LCD, computadores desktop e notebook. Palavras-chaves Cargas não lineares, Distorção harmônica total, Medições, Qualidade de energia. D I. INTRODUÇÃO esde muito tempo, tem havido uma preocupação mundial com a qualidade de energia elétrica e muita pesquisa tem sido feita para identificar distorções harmônicas de cargas não lineares industriais e como minimizar seus efeitos sobre os sistemas elétricos [1]. Problemas associados com harmônicos atormentaram engenheiros desde o início dos sistemas elétricos. Por décadas, estes harmônicos têm sido citados como a fonte de uma variedade de problemas [2]. No Brasil, o setor industrial era o mais expressivo no consumo de energia elétrica e com distorções harmônicas de corrente quando comparadas aos setores residenciais e comerciais [3]. Esta expressividade tem diminuído. Tomando como exemplo: em 198, o setor industrial brasileiro consumia 55,6 % de toda energia elétrica, enquanto que os setores residenciais e Os autores agradecem à FAPEMIG e ao CNPq pelo suporte financeiro aos projetos e às atividades de pesquisa que possibilitaram o desenvolvimento deste artigo. Este Artigo foi produzido com resultados obtidos no projeto APQ /7 financiado pela FAPEMIG. Manuel Losada y Gonzalez é Professor Associado no Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Belo Horizonte, MG, ( Márcio Melquíades Silva é Doutorando no Curso de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica da UFMG, Belo Horizonte, MG, ( Felipe Althoff é Graduando no Curso de Graduação em Engenharia Elétrica da UFMG, Belo Horizonte, MG, e Bolsista de Iniciação Científica da FAPEMIG ( Selênio Rocha Silva é Professor Titular no Departamento de Engenharia Elétrica da UFMG, Belo Horizonte, MG, ( comerciais consumiram 19,% e 11,2%, respectivamente, totalizando 33,2%. Em 2, o consumo industrial encontravase em 44,2%, o do setor residencial em 25,2% e o do setor comercial em 14,3%, totalizando 39,5% nos dois últimos setores. Estes percentuais mantiveram praticamente estáveis nos últimos anos [4], [5]. Antigamente, não havia grandes preocupações com harmônicos gerados pelas cargas não lineares dos setores residenciais e comerciais. Os aparelhos do setor residencial tinham consumos pequenos (exemplos: televisores, aparelhos de som e micro-ondas) ou tinham baixas distorções harmônicas (exemplos: geladeira, aparelhos de ar condicionado). As cargas de maiores consumos eram lineares, como as de aquecimento (exemplos: chuveiros, fornos elétricos) e iluminação (exemplo: lâmpadas incandescentes). Em 21, aproximadamente 5% da energia elétrica consumida no País passava por algum dispositivo com eletrônica de potência antes que ela fosse finalmente utilizada [6]. Nos últimos anos, mesmo tendo surgido intenso uso de dispositivos eletrônicos para controle de motores nos setores industrial e comercial, nas residências houve a popularização do uso de equipamentos eletrônicos, tais como microcomputadores pessoais, impressoras, vídeos-game, televisores, entre outros, que são cargas não lineares e geram distorções harmônicas [7]. Algumas destas cargas residenciais são também utilizadas no setor comercial. Com o uso de tecnologias de iluminação mais eficientes nestes dois últimos setores, a distorção harmônica total (DHT) de tensão (DHTv) e de corrente (DHTi) certamente aumentaram no sistema elétrico nacional. Além disto, acredita-se que as cargas não lineares devem-se tornar mais significativas futuramente no consumo de energia elétrica frente às cargas lineares. Então, é esperado que a geração de distorções harmônicas nos setores residencial e comercial tornem-se tão importante ou mais quando comparada a mesma geração de distorção no setor industrial, contribuindo para a DHT do sistema elétrico e consequentemente com sua qualidade de energia. Os harmônicos podem causar diversos danos às instalações elétricas e seus equipamentos energizados, tais como a alteração no valor da corrente de disparo de disjuntores; sobreaquecimento dos condutores; alteração do torque e ruídos em motores elétricos e danificação de bancos de capacitores devido aos fenômenos de ressonância [7]. As distorções harmônicas de corrente em cargas

2 2 residenciais e comerciais têm sido medidas quando estas cargas são alimentadas pelas redes elétricas das distribuidoras de energia elétrica [1], [8], [9]. A Tabela I mostra valores médios de DHTi de algumas cargas. Mostra também valores médios de DHTv dos sistemas elétricos nos pontos de instalação dessas cargas nos momentos das medições. Sabe-se também que as redes elétricas têm suas distorções harmônicas de tensão e que estas distorções interferem sobre o comportamento das distorções harmônicas geradas pelas cargas não lineares [1]. TABELA I VALORES MÉDIOS DE DHT DE TENSÃO (DHTV) E CORRENTE (DHTI) EM CARGAS RESIDENCIAIS E COMERCIAS ALIMENTADAS POR REDES ELÉTRICAS DE DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA Carga DHTv (%) Lâmpadas fluorescentes tubulares com (%)Posse reatores eletromagnéticos (4 amostras) 4,3 11,9 Lâmpadas fluorescentes tubulares com reatores eletrônicos (3 amostras) 4,2 12,5 Lâmpadas fluorescentes compactas (7 amostras) 4,2 112, Geladeiras (5 amostras) 3, 9,1 Televisores (5 amostras) 2,3 11, Ferro de passar roupa (1 amostra) 4,1 4,1 Microcomputadores (7 amostras) 3,9 12,2 Aparelhos de ar condicionado modo resfriar (9 amostras) 2,3 13,8 Lâmpada Vapor de Mercúrio (1 amostra) 3,2 35, Lâmpada Vapor de Sódio (1 amostra) - 56,1 Lâmpada Mista (1 amostra) - 29,2 Para estimar as distorções nas redes elétricas de distribuição através de processos determinísticos e estocásticos, é útil conhecer inicialmente o comportamento de cada carga atendida por uma fonte de tensão senoidal. Este artigo tem como objetivo apresentar os resultados de medições de três tipos das principais cargas não lineares residenciais e comerciais, quando alimentadas por uma fonte de tensão senoidal. II. AS CARGAS MEDIDAS O trabalho de medição considerou várias cargas residenciais e comerciais, porém neste artigo são apresentados os resultados de lâmpadas, televisores e computadores pessoais. III. A INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA NAS MEDIÇÕES Todas as medições foram realizadas no LabPEE Laboratório de Pesquisa em Eficiência Energética da Escola de Engenharia da UFMG. Utilizou-se os seguintes instrumentos: A. Fonte de tensão Buscando uma fonte que fornecesse uma tensão ideal, sem distorções harmônicas, optou-se pela fonte Agilent 6813B que fornece a tensão com uma DHT próxima de zero, abaixo de,1%. B. Medidor de harmônicos Foi usado o analisador de qualidade de energia ION 765 da Power Measurement/Schneider que tem classe de exatidão de,1% de tensão e corrente. Este analisador fornece módulos e ângulos de harmônicos até 32ª. ordem. Os valores de harmônicos apresentados neste trabalho foram aqueles disponibilizados pelo próprio analisador, porém, tendo em vista a clareza dos gráficos, foram apresentam resultados até o 21º. harmônico e desconsiderados os harmônicos pares devido suas baixas amplitudes. IV. AS TENSÕES UTILIZADAS NAS MEDIÇÕES As cargas medidas trabalham com tensão nominal 127 V. Examinando, no PRODIST, as tensões de atendimento nos pontos de conexão das distribuidoras de energia com os consumidores, tem-se três faixas de variação da tensão de leitura, que são aquelas apresentadas na tabela II [11]. Considerando estas faixas, selecionou-se as tensões de 19 V, 112 V, 116 V, 121 V, 127 V, 133 V e 14 V, que representam quatro limites das faixas (19 V, 116 V, 133 V e 14V) e outros três pontos intermediários (112 V, 121 V, ), totalizando sete pontos de medição. As tensões foram escolhidas com variações menores que 5%, objetivando uma análise mais detalhada no padrão de comportamento das cargas a serem analisadas. TABELA II LIMITES DE TENSÃO (TL) NOS PONTOS DE CONEXÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE ENERGIA COM OS CONSUMIDORES Tensão de Atendimento Faixa de Variação da Tensão (Volts) Adequada 116 TL 133 Precária 19 TL<116 ou 133<TL 14 Crítica TL<19 ou TL>14 V. TEMPOS DE MEDIÇÃO Considerando que as cargas medidas gastam, em média, 3 minutos para atingirem o regime permanente de funcionamento, as medições foram realizadas em períodos de 1 hora por valor de tensão, com coleta de minuto em minuto. A análise dos resultados utilizou somente os 3 minutos finais, evitando os transitórios do período de estabilização. VI. OS RESULTADOS DAS MEDIÇÕES A seguir são apresentados os resultados obtidos. A. Lâmpadas Foram considerados os seguintes tipos de lâmpadas: lâmpada fluorescente compacta, lâmpada fluorescente tubular e lâmpada tubular de LED. 1) Lâmpadas Fluorescentes Compactas (LFC s) Foram analisadas 3 lâmpadas de potências e marcas distintas, sendo uma de 25 W (LFC-1), outra de 15 W (LFC-2) e a terceira de 8 W (LFC-3). A Fig. 1 apresenta o comportamento da DHTi em cada lâmpada de acordo com as tensões. Percebe-se um comportamento similar entre as lâmpadas. Este

3 3 comportamento pode também ser observado na Tabela III. A lâmpada LFC-1 teve uma DHTi variando entre 119% e 132 % ( DHTi = 11%), quando a tensão variou entre 19V e 14 V ( V= 28%), porém os valores máximos, médios e mínimos estiveram bem próximos em cada tensão. A lâmpada LFC-2 mostrou uma DHTi variando entre 87% e 17% ( DHTi = 23%), para a mesma variação de tensão. Seus valores máximos, médios e mínimos estiveram algo diferentes em cada tensão. A lâmpada LFC-3 apresentou uma DHTi variando entre 95% e 18% ( DHTi = 14%), e valores máximos, médios e mínimos com pequenas diferenças em cada tensão TABELA III VARIAÇÕES ENTRE VALORES MÉDIOS ENTRE TENSÕES E HARMÔNICOS DAS LFC S DHTi DHTi Relação Tensão DHTi LFC-3 LFC-1 LFC-2 112/19 2,75% 1,89% 1,72%,99% 116/112 3,57%,91% 1,81% 1,1% 121/116 4,31% 1,66% 2,8% 2,5% 127/121 4,96% 2,28% 3,6% 2,39% 133/127 4,72% 1,39% 2,85% 2,17% 14/133 5,26% 2,% 3,35% 2,44% A Fig. 2 mostra a resposta dos harmônicos ímpares à variação da tensão. Nota-se que a variação da DHTi com o aumento da tensão ocorre em função do aumento na amplitude da maioria dos harmônicos. Destacam-se os 3, 5, 7 e 9 harmônicos a LFC V 14V b LFC c LFC-3 Fig. 1. Valores mínimos, médios e máximos de THDi para as LFC s a LFC-1 b LFC-2 19V 14V 19V 14V c LFC-3 Fig. 2. Comportamento dos harmônicos ímpares nas LFC s. 2) Lâmpada Fluorescente Tubular de 2 W com Reator Eletrônico A Fig. 3 apresenta o comportamento de DHTi de uma lâmpada fluorescente tubular de acordo com as tensões. Este comportamento pode ser observado na Tabela IV.

4 4 A lâmpada teve uma DHTi variando entre 127% e 147% ( DHTi = 16%), quando a tensão variou entre 19V e 14 V ( V= 28%), porém os valores máximos, médios e mínimos estiveram bem próximos em cada tensão. A Fig. 4 mostra a variação dos harmônicos ímpares devido à variação da tensão. Todos harmônicos analisados aumentaram com o aumento da tensão, mas as variações não são na mesma proporção Fig. 3. Valores mínimos, médios e máximos do THDi para a lâmpada fluorescente tubular. TABELA IV VARIAÇÃO ENTRE TENSÕES E HARMÔNICOS NA LÂMPADA FLUORESCENTE TUBULAR Relação Tensão DHTi 112/19 2,75% 1,95% 116/112 3,57% 1,28% 121/116 4,31% 1,84% 127/121 4,96% 3,% 133/127 4,72% 2,19% 14/133 5,26% 2,74% Fig. 4. Amplitude dos harmônicos ímpares da lâmpada fluorescente tubular. 3) Lâmpada tubular de LED de 11 W Apenas uma lâmpada de LED foi medida. Apesar desta lâmpada ser a substituta atual e futura para a lâmpada fluorescente tubular de 2W, mostrou uma iluminação e uma DHTi menores do que as demais lâmpadas medidas anteriormente. A Fig. 5 apresenta seu comportamento de DHTi de acordo com as tensões. Este comportamento pode ser observado na Tabela V. A lâmpada teve uma DHTi variando entre 11,5% e 13,8 % ( DHTi = 2%), quando a tensão variou entre 19V e 14 V ( V= 28%), porém os valores máximos, médios e mínimos estiveram bem próximos em cada tensão. A Fig. 6 mostra a resposta dos harmônicos ímpares à variação da tensão. O aumento da DHTi é causado, 19V 14V principalmente, pelo 3 harmônico, que acompanha a variação de tensão fornecida à lâmpada. Os demais harmônicos possuem variações menores e não interferem de maneira significativa na DHTi Fig. 5. Valores mínimos, médios e máximos de THDi para a lâmpada tubular de LED. TABELA V VARIAÇÃO ENTRE TENSÕES E HARMÔNICOS NA LÂMPADA A LED Relação Tensão DHTi 112/19 2,75% 1,47% 116/112 3,57% 4,52% 121/116 4,31% 2,4% 127/121 4,96% 3,13% 133/127 4,72% 1,94% 14/133 5,26% 3,45% Fig. 6. Amplitude dos harmônicos ímpares para a lâmpada tubular de LED. B. Televisores Medições foram realizadas em 3 televisores, sendo que dois possuíam a mesma marca e tecnologia de tubo de raios catódicos (TRC), com tamanhos diferentes - 14 e 29. O terceiro tinha fabricante diferente e tecnologia LCD A Fig. 7 apresenta o comportamento da DHTi de cada um deles. A Tabela VI mostra o comportamento da DHTi em relação às tensões. O televisor de 14 apresentou uma DHTi variando entre 129 % e 154 % ( DHTi = 19%), quando a tensão variou entre 19V e 14 V ( V= 28%), porém alguns valores máximos, médios e mínimos tiveram uma variação bem significativa em cada tensão. O televisor de 29 mostrou uma DHTi variando entre 119 % e 149 % ( DHTi = 25%), quando a tensão variou entre 19V e 14 V ( V= 28%), porém seus valores máximos, médios e mínimos tiveram também uma variação bem significativa em cada tensão. 19V 14V

5 5 O televisor de 32 teve uma DHTi variando entre 15,1 % e 24,4 % ( DHTi = 62%), quando a tensão variou entre 19V e 14 V ( V= 28%). Seus valores máximos, médios e mínimos tiveram uma variação bem significativa em cada tensão a - TRC de b TRC de c LCD de 32 Fig. 7. Valores mínimos, médios e máximo de THDi para as Televisores. TABELA VI VARIAÇÃO ENTRE TENSÕES E HARMÔNICOS DOS TELEVISORES Relação Tensão DHTi DHTi DHTi 112/19 2,75% TRC 1,98% TRC 2,51% LCD 5,4% /112 3,57% 1,62% -2,63% 3,84% 121/116 4,31% 2,46% 6,5% 5,51% 127/121 4,96% 2,78% 2,6%,81% 133/127 4,72% 3,28% 5,56% 4,21% 14/133 5,26% 2,9% -1,2% 2,57% A Fig. 8 indica a resposta dos harmônicos ímpares à variação da tensão. Os gráficos seguem o comportamento do seus harmônicos de menor grau, que possuem as maiores amplitudes e causam maior impacto no resultado global a TRC de 14 b TRC de 29 c LCD de 32 Fig. 8. Amplitude dos harmônicos ímpares das televisores C. Computadores Pessoais Foram medidos dois computadores pessoais muito comuns nas residências brasileiras um desktop com uma tela de LCD (da mesma marca do desktop) e um notebook. Na figura 9 pode-se ver os padrões de variação da DHTi e na tabela VII a relação entre a variação da tensão e da DHTi destes computadores. O desktop apresentou uma DHTi variando entre 74 % e 96 % ( DHTi = 3 %), quando a tensão variou entre 19V e 14 V ( V= 28%), porém seus valores máximos, médios e mínimos tiveram uma variação pequena em cada tensão. O notebook mostrou uma DHTi variando entre 149 % e 192 % ( DHTi = 29%), quando a tensão variou entre 19V e 14 V ( V= 28%). Seus valores máximos, médios e mínimos tiveram uma variação significativa em cada tensão. A Fig. 1 mostra a resposta dos harmônicos ímpares à variação de tensão destes computadores. O desktop apresenta um crescimento contínuo da DHTi com o aumento da tensão porque isso é caracterizado pelos 3 e 5 harmônicos, que possuem maior amplitude. O notebook possui uma 19V 14V 19V 14V 19V 14V

6 6 característica diferente com o aumento da tensão. No entanto, é acompanhada por todos os harmônicos observados a Desktop com tela de LCD b Notebook Fig. 9. Valores mínimos, médios e máximo do DHTi para os computadores. TABELA VII VARIAÇÃO ENTRE TENSÕES E HARMÔNICOS DOS COMPUTADORES Relação Tensão Desktop Notebook THDi THDi 112/19 2,75% Desktop 2,36% Laptop 2,26% 116/112 3,57% -,35% -1,76% 121/116 4,31% 6,62% 3,97% 127/121 4,96% 3,64% 2,8% 133/127 4,72% 2,17% 6,63% 14/133 5,26% 2,89% -4,8% VII. CONCLUSÕES Analisando os resultados de medição apresentados anteriormente, pode-se concluir que: Cargas não lineares com tecnologia desenvolvida recentemente (lâmpada tubular de LED e televisor a LCD) apresentam DHTi mais baixos (entre 11,5% e 24,4%), quando comparadas com as de tecnologia desenvolvida anteriormente (lâmpadas LFC s, lâmpada fluorescente tubular com reator eletrônico, televisores com TRC s) que apresentam DHTi elevados (entre 87% e 192%); Todas as cargas tiveram aumento das distorções harmônicas com o aumento da tensão. Entretanto, este aumento não ocorreu de forma linear com o aumento da tensão. Observando os espetros harmônicos de cada carga, percebeu-se que os harmônicos individuais também não aumentaram na mesma proporção. Em alguns casos, a variação do valor das DHTi foi significativa. Isto mostra que em simulações computacionais de fluxos de harmônicos nos sistemas elétricos pode ser necessário calcular inicialmente fluxos de potência para determinar a tensão aplicada em cada carga não linear, para, posteriormente, inserir os harmônicos correspondentes da carga. Em regime permanente de tensão, algumas cargas apresentaram variação da DHTi. Pesquisas adicionais estão sendo desenvolvidas para justificá-los a Desktop com tela de LCD b Notebook Fig. 1. Comportamento dos harmônicos ímpares para os computadores. VIII. REFERÊNCIAS [1] M. L. y Gonzalez, S. R. Silva, I. A. Pires, Correntes harmônicas em Aparelhos Eletrodomésticos, in Proc. VI SBQEE- VI Seminário Brasileiro de Qualidade de Energia, Belém, Pará, 25. [2] E. L. Owen, History of harmonics in power systems, IEEE Industry Applications Magazine, vol. 4, Issue 1, pp. 6-12, [3] M. L. y Gonzalez, S. R. Silva, P. C. A de Almeida, Harmonics from Residential and Comercial Non-linear Loads, in Proc. VII Induscon - International Conference on Industrial Applications, Recife, 26. [4] BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL Séries completas - Capítulo 1 (Análise Energética e Dados Agregados) Disponível on line <https://ben.epe.gov.br/benseriescompletas.aspx.> Acesso em 1/1/212. [5] BEN 211 Balanço Energético Nacional, Ministério de Minas e Energia MME/ Empresa de pesquisa Energética EPE, 211. [6] M. M. Silva, M. L y Gonzalez, S.R. Silva, A new Analytical Model for Evaluating Loads Supplied by Sinusoidal and Non-sinusoidal Voltages Sources, in Proc. IEEE/PES 21 Transmition & Distribution Conference and Exposition Latin America, São Paulo, 21. [7] J. Arrillaga, N. R. Watson, Power System Harmonics, John Willey & Sons, 23. [8] M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P. C. A. de Almeida, I. A. Pires, Impacto de Cargas Residenciais eletrônicas e Comerciais Eficientes e não-lineares no Sistema de Distribuição Parte I Medições de Amostras de Cargas Individuais (Eletrodomésticos), in Proc. III CITINEL, Florianópolis, 25. [9] M. M. Silva, D. G. Lima, M. L. y Gonzalez, Correntes Harmônicas em Lâmpadas e reatores, in Proc. CBEE 29, Belém, Pará, 29. [1] M. M. Silva, S.R. Silva, M. L. y Gonzalez, M. A. M. Mendes, Avaliação das Distorções Harmônicas de Corrente em Equipamentos Ligados em Redes com Tensões Distorcidas, in Proc. IX CBQEE, Cuiabá, 211. [11] ANEEL PRODIST, Módulo 8 Qualidade de energia, Revisão 4, 1/2/ V 14V 19V 14V

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 ANÁLISE DE DISTORÇÕES HARMÔNICAS Michelle Borges de Oliveira¹; Márcio Aparecido Arruda² ¹Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais ²Universidade de Uberaba, Uberaba Minas Gerais oliveiraborges.michelle@gmail.com;

Leia mais

Sistema de distribuição.

Sistema de distribuição. 1 Impacto de Cargas Eletrônicas Residenciais e Comerciais Eficientes e Não-lineares no Sistema de Distribuição Parte II Medições das Cargas em Alimentadores Típicos M. L. y Gonzalez, S. Visacro F., P.

Leia mais

Cenários harmônicos em cargas residenciais

Cenários harmônicos em cargas residenciais 46 provocados por eletroeletrônicos Capítulo VI Cenários harmônicos em cargas residenciais Igor Amariz Pires* Além dos eletrodomésticos apresentados no capítulo anterior, consumidores residenciais e comerciais

Leia mais

Análise das Distorções Harmônicas Geradas pela Proteção de Equipamentos de TI

Análise das Distorções Harmônicas Geradas pela Proteção de Equipamentos de TI Análise das Distorções Harmônicas Geradas pela Proteção de Equipamentos de TI Márcio Zamboti Fortes, Rafael Antunes de Souza e Marcos Riva Suhett Universidade Federal Fluminense, Rua Passo da Pátria, 1,

Leia mais

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Estudo Submetido ao Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 EFEITO DO DESBALANÇO DE CARGA NAS PERDAS TÉCNICAS DE TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO R. Salustiano* I. P. de Faria* G. P. Lopes* S. S. Pinto* M. L. B. Martinez* *LAT-EFEI / UNIFEI RESUMO Pequenas diferenças

Leia mais

TESE DE DOUTORADO N 198 ESTUDO DE PROPAGAÇÃO HARMÔNICA EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONSIDERANDO A CARACTERÍSTICA ESTOCÁSTICA DAS CARGAS

TESE DE DOUTORADO N 198 ESTUDO DE PROPAGAÇÃO HARMÔNICA EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONSIDERANDO A CARACTERÍSTICA ESTOCÁSTICA DAS CARGAS TESE DE DOUTORADO N 198 ESTUDO DE PROPAGAÇÃO HARMÔNICA EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONSIDERANDO A CARACTERÍSTICA ESTOCÁSTICA DAS CARGAS Márcio Melquíades Silva DATA DA DEFESA: 26/02/2015 ii Universidade Federal

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

Guia do Professor. Consumo de Energia. Experimentos

Guia do Professor. Consumo de Energia. Experimentos Guia do Professor Consumo de Energia Experimentos Coordenação Geral Elizabete dos Santos Autores Bárbara Alvim Souza Karina Pessoa Lourdes Maria Werle de Almeida Luciana Gastaldi S. Souza Márcia da Costa

Leia mais

Motivação para Eficiência Energética

Motivação para Eficiência Energética Eficiência Energética em Edifícios O potencial de redução de consumo de energia em edifícios antigos e as perspectivas dos novos projetos Palestrante: Engº Profº Luiz Amilton Pepplow UTFPR-CT Motivação

Leia mais

Caracterização de aparelhos eletrodomésticos

Caracterização de aparelhos eletrodomésticos 8 O Setor Elétrico / Maio de 00 provocados por eletroeletrônicos Capítulo Caracterização de aparelhos eletrodomésticos gor Amariz Pires* Este capítulo apresenta a avaliação de medições realizadas para

Leia mais

A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica

A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica 1 A Influência do Fluxo de Reativo de Cargas Eletrônicas no Sistema de Tarifação de Energia Elétrica A. B. de Vasconcellos, Dr.,UFMT, B.C. Carvalho, Dr.,UFMT, T.I.R.C. Malheiros, PhD, IFMT, C.H. Beuter,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS PARA REPRESENTAÇÕES DE EQUIVALENTES EM SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE FLUXO HARMÔNICO

AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS PARA REPRESENTAÇÕES DE EQUIVALENTES EM SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE FLUXO HARMÔNICO AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS PARA REPRESENTAÇÕES DE EQUIVALENTES EM SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE FLUXO HARMÔNICO Márcio Melquíades Silva 1, Manuel Losada y Gonzalez 2 1

Leia mais

Energia Elétrica e Conta de Luz

Energia Elétrica e Conta de Luz Energia Elétrica e Conta de Luz 1. (Unifesp 2013) Observe a charge. Em uma única tomada de tensão nominal de 110V, estão ligados, por meio de um adaptador, dois abajures (com lâmpadas incandescentes com

Leia mais

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução.

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Jeremias Wolff e Guilherme Schallenberger Electric Consultoria e Serviços Resumo Este trabalho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE BAIXO CUSTO PARA O AQUECIMENTO RESIDENCIAL DE ÁGUA

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE BAIXO CUSTO PARA O AQUECIMENTO RESIDENCIAL DE ÁGUA DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE BAIXO CUSTO PARA O AQUECIMENTO RESIDENCIAL DE ÁGUA Julia Santos da Silva 1 Bruno Augusto da Silva 2 Rodrigo Itaboray Frade 3 Resumo A utilização da energia solar para aquecer

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil CORRENTES HARMÔNICAS EM APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil CORRENTES HARMÔNICAS EM APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS VI SBQEE 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 13 7698 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de dados CORRENTES HARMÔNICAS EM APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS MANUEL LOSADA y GONZALEZ

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos.

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Fabielli Guerra de Oliveira UFC (fabielliguerra@yahoo.com.br) Marcos Ronaldo Albertin UFC (albertin@ufc.br)

Leia mais

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco.

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco. Painel de Plasma Esse tutorial apresenta os conceitos básicos da tecnologia empregada em painéis de plasma e suas principais características. Anderson Clayton de Oliveira Graduado em Engenharia Elétrica

Leia mais

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PRÁTICAS PARA A DISCIPLINA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DO PROFESSOR 2 APOSTILA DO PROFESSOR PRÁTICA N 1 - Dispositivos de comando de iluminação. LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA

Leia mais

1 - Eficiência em Energia Elétrica: 1.1 - Medidas para Eficiêntização Elétrica

1 - Eficiência em Energia Elétrica: 1.1 - Medidas para Eficiêntização Elétrica 1 1 - Eficiência em Energia Elétrica: 1.1 - Medidas para Eficiêntização Elétrica Implantação de Controladores de Velocidade em Motores Elétricos (Bombas, Ventiladores, Exaustores,...); Motores Elétricos

Leia mais

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica ESTUDO SOBRE A EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA NO BRASIL Tiago Forti da Silva Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Unesp Bauru Prof. Dr. André Nunes de Souza Orientador

Leia mais

Variações de tensão de curta duração - Parte I Por Gilson Paulillo, Mateus Teixeira, Ivandro Bacca e José Maria de Carvalho Filho*

Variações de tensão de curta duração - Parte I Por Gilson Paulillo, Mateus Teixeira, Ivandro Bacca e José Maria de Carvalho Filho* 36 Capítulo V Variações de tensão de curta duração - Parte I Por Gilson Paulillo, Mateus Teixeira, Ivandro Bacca e José Maria de Carvalho Filho* Entre os fenômenos que contribuem para a perda de qualidade

Leia mais

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM O "Grupo Empresarial CEB" tem como controladora a Companhia Energética de Brasília - CEB, cuja origem é a Companhia de

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES

DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES DIMENSIONAMENTO DE TRANSFORMADOR SOB CARGAS NÃO-LINEARES Cairo Rezende dos SANTOS; Paulo César M. MACHADO; Luiz Roberto LISITA Escola de Engenharia Elétrica e de Computação UFG cairorezende@hotmail.com,

Leia mais

Eficiência Energética na Iluminação Pública

Eficiência Energética na Iluminação Pública 96 Eficiência Energética na Iluminação Pública Estudo de caso sobre Belo Horizonte Elaborado por Luciano Haas Rosito, Emerson Salvador, Marcel da Costa Siqueira e Ricardo Ficara Fotos por Luciano Haas

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA TROCA DE SOLUÇÕES CONVENCIONAIS POR LÂMPADAS LEDs

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA TROCA DE SOLUÇÕES CONVENCIONAIS POR LÂMPADAS LEDs UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA TROCA DE SOLUÇÕES CONVENCIONAIS POR LÂMPADAS LEDs NOME: Ivan

Leia mais

Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Sorocaba, SP, Brasi,13083-970. E-mail: thaisvfogaca@gmail.com hmorales@sorocaba.unesp.

Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Sorocaba, SP, Brasi,13083-970. E-mail: thaisvfogaca@gmail.com hmorales@sorocaba.unesp. Belo Horizonte, MG, 2 a 24 de Setembro de 24 ESTUDO DA CPT PARA CARACTERIZAÇÃO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS MONOFÁSICOS EM CONDIÇÕES NÃO- SENOIDAIS THAÍS V. FOGAÇA *, HELMO K. M. PAREDES * ALEXANDRE C. MOREIRA

Leia mais

Níveis óptimos de compensação de reactiva numa subestação da rede de transporte Sensibilidade ao modelo de carga e representação da rede

Níveis óptimos de compensação de reactiva numa subestação da rede de transporte Sensibilidade ao modelo de carga e representação da rede Níveis óptimos de compensação de reactiva numa subestação da rede de transporte Sensibilidade ao modelo de carga e representação da rede Mª Rita Guedes da Silva 1 e António Pitarma 1 1 Divisão de Planeamento

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

FEZ CERTO, TÁ LIGHT AQUI VOCÊ FICA LIGADO NAS DICAS DE SEGURANÇA E ECONOMIA DA LIGHT.

FEZ CERTO, TÁ LIGHT AQUI VOCÊ FICA LIGADO NAS DICAS DE SEGURANÇA E ECONOMIA DA LIGHT. FEZ CERTO, TÁ LIGHT AQUI VOCÊ FICA LIGADO NAS DICAS DE SEGURANÇA E ECONOMIA DA LIGHT. DICAS DE SEGURANÇA Não solte pipa próximo à rede elétrica. Não faça ligações irregulares ( gato ). Além de perigoso,

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Utilizar a energia elétrica com eficiência significa combater desperdícios, e todos nós devemos participar ativamente

Leia mais

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES

MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES MANUAL PARA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE LÂMPADAS E REATORES 1 INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população,

Leia mais

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO)

III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) III-206 RECURSOS NATURAIS E RESÍDUOS TECNOLÓGICOS: ANÁLISE DO CONSUMO PARA FABRICAÇÃO DE ELETROELETRÔNICOS (ESTUDO DE CASO) Leandro Viana dos Santos (1) Engenheiro Ambiental pela Universidade Federal do

Leia mais

3 Metodologia de calibração proposta

3 Metodologia de calibração proposta Metodologia de calibração proposta 49 3 Metodologia de calibração proposta A metodologia tradicional de calibração direta, novamente ilustrada na Figura 22, apresenta uma série de dificuldades e limitações,

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA / ELETROTÉCNICA BRUNO GONÇALVES DE LIMA RAYSA ROOS HACK REBECCA BARRETO AVENÇA COMPARAÇÃO DOS NIVEIS DE IRRADIAÇÃO

Leia mais

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA Vanderlei Rodrigues Schneider 1 Wanderlei José Ghilardi 2 Alexandre Pozzatti Guarienti 3 RESUMO Atualmente, com a grande

Leia mais

ANÁLISE DA ENERGIA NA DESCARGA POR BARREIRA DIELÉTRICA EM GÁS METANO

ANÁLISE DA ENERGIA NA DESCARGA POR BARREIRA DIELÉTRICA EM GÁS METANO ANÁLISE DA ENERGIA NA DESCARGA POR BARREIRA DIELÉTRICA EM GÁS METANO Janilo Pereira Saraiva*, Lucas Gurgel Praxedes*, Wilfredo Irrzabal Urruchi, Marcos Massi. Departamento de Física - ITA - CTA * Bolsista

Leia mais

Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado.

Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado. Correção do Fator de Potência e Redução da Distorção Harmônica em planta industrial por meio de Banco de Capacitor Dessintonizado. Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar resultados obtidos de

Leia mais

Saiba como reduzir a conta de luz mudando os hábitos e equipamentos em casa

Saiba como reduzir a conta de luz mudando os hábitos e equipamentos em casa Revista Galileu Fev/2013 Um dedo no interruptor, outro na calculadora http://revistagalileu.globo.com/revista/common/0,,emi329030-17770,00- UM+DEDO+NO+INTERRUPTOR+OUTRO+NA+CALCULADORA.html Saiba como reduzir

Leia mais

Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas

Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas 1 Impactos da Contribuição de Curto-Circuito da Máquina de Indução em Instalações Elétricas I. L. Mota, I. Kopcak, A.C. Baleeiro, B. Alvarenga Resumo As cargas de instalações elétricas industriais possuem

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A EDP Bandeirante, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 202/98 - ANEEL, com a Resolução Normativa n 300, de 12 de fevereiro

Leia mais

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski

Iluminação comercial. Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? a r t i g o. Por Rosana Kozlakowski a r t i g o Iluminação comercial Por Rosana Kozlakowski Os LEDs são viáveis, hoje, nestes projetos? Exemplo de iluminação comercial com LEDs Restaurante Flinstering / Breda - Holanda Lighting Design: Wibeke

Leia mais

Unidade 14. Circuitos elétricos

Unidade 14. Circuitos elétricos Unidade 14 Circuitos elétricos Pra início de conversa... Nesta aula, você vai conhecer um circuito elétrico e seus componentes, conhecer a lei de Ohm e saber como utilizá-la para os cálculos de correntes,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MARCOS NASCIMENTO BRANCHE ANÁLISE DA QUALIDADE DE ENERGIA EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO ATRAVÉS DE MEDIÇÃO

Leia mais

Treinamento para o Guia de M&V 1.3. Apostila. Parte 1 Revisão de M&V. 1.3 A M&V no PEE

Treinamento para o Guia de M&V 1.3. Apostila. Parte 1 Revisão de M&V. 1.3 A M&V no PEE Treinamento para o Guia de 1.3 Apostila Parte 1 Revisão de 1.3 A no PEE Revisão Motivo da Revisão Data 0 Emissão inicial 05/04/2014 1 Comentários treinamento ANEEL 24/04/2014 Treinamento para o Guia de

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS

SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS SISTEMA AUTOMÁTICO DE AQUISIÇÃO DE DADOS DE UM INCINERADOR DE RESÍDUOS C.L.C. Rodrigues 1, J.E.C. Monte 1 ; P.R. Pinto 1 ; J. L. Paes 2 ; Paulo M. B. Monteiro 3 1- Instituto Federal de Minas Gerais Campus

Leia mais

OANAFAS é um programa computacional

OANAFAS é um programa computacional ANAFAS Análise de Faltas Simultâneas OANAFAS é um programa computacional para cálculo de curtos-circuitos. Permite a execução automática de grande variedade de faltas e possui facilidades, como estudo

Leia mais

Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz.

Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. Manual de Consumo Consciente de Energia. Veja se você está aproveitando a energia com todo o conforto e segurança que ela traz. Quando você utiliza energia de forma eficiente, todo mundo sai ganhando.

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 - Área de trabalho e personalizando o sistema... 3 A área de trabalho... 3 Partes da área de trabalho.... 4 O Menu Iniciar:...

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 DESEMPENHO DE UM GRUPO GERADOR OPERANDO COM MOTOR DIESEL CONVERTIDO PARA FUNCIONAR APENAS COM GÁS NATURAL Jaguaribe,

Leia mais

Comparação técnico-econômica entre equipamentos mitigadores de harmônicos e compensadores de energia reativa: Estudo de caso

Comparação técnico-econômica entre equipamentos mitigadores de harmônicos e compensadores de energia reativa: Estudo de caso 1 Comparação técnico-econômica entre equipamentos mitigadores de harmônicos e compensadores de energia reativa: Estudo de caso Marcelo Inácio Lemes, Flávio Resende Garcia IESA Projetos, Equipamentos e

Leia mais

DICAS COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR

DICAS COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR DICAS COMBATE AO DESPERDÍCIO DE COMBATE AO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA NO LAR ENERGIA ELÉTRICA NO LAR O consumo de energia elétrica vem aumentando no Brasil em virtude do desenvolvimento econômico

Leia mais

a Energia em casa Da usina até sua casa

a Energia em casa Da usina até sua casa a Energia em casa Da usina até sua casa Para ser usada nas cidades, a energia gerada numa hidrelétrica passa por uma série de transformações A eletricidade é transmitida de uma usina até os centros de

Leia mais

Aplicação do Método de Newton-Raphson no Controle da Resistência Externa de Geradores Eólicos Durante Afundamentos de Tensão

Aplicação do Método de Newton-Raphson no Controle da Resistência Externa de Geradores Eólicos Durante Afundamentos de Tensão Aplicação do Método de Newton-Raphson no Controle da Resistência Externa de Geradores Eólicos Durante Afundamentos de Tensão E. F. Cota 1, A. F. Bastos 1, S. R. Silva 2, H. A. Pereira 1,2 1 Universidade

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS-SP

IMPORTÂNCIA DA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS-SP IMPORTÂNCIA DA CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA NO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DE GUARULHOS-SP Celma Paula Leite - Tecnóloga em Eletrotécnica - Graduada pela Universidade Mackenzie modalidade: Tecnologia

Leia mais

Aplicação de Leds e fotometria

Aplicação de Leds e fotometria 40 Capítulo VII Aplicação de Leds e fotometria Por José Gil Oliveira* A iluminação artificial tem sido objeto de evolução tecnológica ao longo dos anos. Atualmente, em face da necessidade do aumento da

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA INTEGRADO

Leia mais

Alguns padrões de qualidade são indiscutíveis

Alguns padrões de qualidade são indiscutíveis Alguns padrões de qualidade são indiscutíveis Fabricado no Brasil Disjuntores 5SX1 Proteção para instalações elétricas de baixa tensão Segurança e tecnologia Alavanca embutida Garantia de proteção contra

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MELHORIAS NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E REFRIGERAÇÃO

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MELHORIAS NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E REFRIGERAÇÃO PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MELHORIAS NO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO E REFRIGERAÇÃO LOCAL: UNIDADES UNINORTE MANAUS/AM 2013 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Os programas de Eficiência Energética PEE apoiados

Leia mais

Estimativa do estado de degradação de cabos isolados por meio da medição de indicadores de desempenho

Estimativa do estado de degradação de cabos isolados por meio da medição de indicadores de desempenho Estimativa do estado de degradação de cabos isolados por meio da medição de indicadores de desempenho Edição 62 - Março / 2011 Por Loana Velasco, Luiz Carlos de Freitas, José Carlos de Oliveira, Darizon

Leia mais

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Workshop Formar para Reabilitar a Europa PAINEL 3: TECNOLOGIAS E IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Vítor Cóias, GECoRPA Susana Fernandes,

Leia mais

TABELA ORIENTATIVA Potência Potência Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln

TABELA ORIENTATIVA Potência Potência Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln Seleção Aparelho Potência de Partida FP lp/ln Linha GERADORES Linha GERADORES DE ENERGIA Energia garantida para o seu serviço A linha de Geradores de Energia Schulz foi especialmente desenvolvida para levar energia onde a eletricidade ainda não alcança.

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer LÂMPADAS A VAPOR DE MERCÚRIO São lâmpadas de descarga à alta pressão. Há no interior da lâmpada um tubo de descarga de quartzo que suporta altas

Leia mais

DDP, Potência e Energia Elétrica Resolução: youtube.com/tenhoprovaamanha

DDP, Potência e Energia Elétrica Resolução: youtube.com/tenhoprovaamanha Questão 01 - (UECE) Uma bateria de 12 V de tensão e 60 A.h de carga alimenta um sistema de som, fornecendo a esse sistema uma potência de 60 W. Considere que a bateria, no início, está plenamente carregada

Leia mais

Contribuições à Audiência Pública AP 045/2008

Contribuições à Audiência Pública AP 045/2008 Contribuições à Audiência Pública AP 045/2008 27 de agosto de 2008 A) Contribuições gerais: 1) - No preâmbulo da minuta, falta citar a Lei 8078 de 11 de setembro de 1990, Código de Defesa do Consumidor.

Leia mais

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente;

2) Neste resistor consegue-se verificar diretamente a corrente, pois se tem: Como o resistor é linear, a forma de onda é idêntica a da corrente; Objetivo do teste Verificar os picos de corrente gerados por circuitos de lâmpadas de vapor Metálico (Mercúrio, Sódio, etc.) de lâmpadas fluorescentes compactas e lâmpadas incandescentes. Procedimentos

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - XIV GET - GRUPO DE ESTUDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO METODOLOGIA PARA AFERIÇÃO DA EFETIVIDADE DE PROGRAMAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM COMUNIDADES

Leia mais

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro.

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Guilherme Wilson 1 ; Sérgio Peixoto dos Santos 2 ; Taisa Calvette 3 ; Richele Cabral 4 ; Christiane Chafim 5 ; Giselle Ribeiro 6 ;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

DEFINIÇÃO DE FILTROS DE HARMÔNICOS

DEFINIÇÃO DE FILTROS DE HARMÔNICOS ART460-07 - CD 6-07 - PÁG.: 1 RESUMO DEFINIÇÃO DE FILTROS DE HARMÔNICOS João Roberto Cogo Escola Federal de Engenharia de Itajubá Av. BPS, 1303 - Caixa Postal 50-37500-000 - Itajubá - MG - Brasil Fone:

Leia mais

Adaptador Wireless USB 108Mbps Super G & extended Range

Adaptador Wireless USB 108Mbps Super G & extended Range Adaptador Wireless USB 108Mbps Super G & extended Range Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O Adaptador Wireless WBS 901 E é um dispositivo USB da família

Leia mais

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP. Setembro/2015. Sumário

PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP. Setembro/2015. Sumário PESQUISA PULSO BRASIL FIESP/CIESP CONSUMO Setembro/2015 Sumário Os brasileiros estão pouco estimulados a comprar em 2015. No primeiro semestre, houve um aumento dos que desistiram de comprar por falta

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM PBE

PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM PBE PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM PBE Leonardo Rocha Diretoria da Qualidade Inmetro INMETRO 35 Anos (fundado em dez/73) Lei 9933 (regulamenta os serviços) Autarquia do Governo Federal Contrato de Gestão

Leia mais

Construção de um Medidor de Potência Elétrica de Lâmpadas Incandescentes Através de Métodos Calorimétricos

Construção de um Medidor de Potência Elétrica de Lâmpadas Incandescentes Através de Métodos Calorimétricos SCIENTIA PLENA VOL. 2, NUM. 5 2006 www.scientiaplena.org.br Construção de um Medidor de Potência Elétrica de Lâmpadas Incandescentes Através de Métodos Calorimétricos (Construction an Electrical Power

Leia mais

Exercícios de Física Potência Elétrica

Exercícios de Física Potência Elétrica Questão 01 - Um estudante resolveu acampar durante as férias de verão. Em sua bagagem levou uma lâmpada com as especificações: 220 V - 60 W. No camping escolhido, a rede elétrica é de 110 V. Se o estudante

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 5: APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

V-008 - A CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA EMPRESA DE SANEAMENTO

V-008 - A CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA EMPRESA DE SANEAMENTO V-008 - A CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA EM UMA EMPRESA DE SANEAMENTO Paulo Robinson da Silva Samuel (1) Eng. Civil pela PUCRS. Atualmente Diretor da Divisão de Planejamento do Departamento Municipal de

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

FORMULÁRIOS. Nas páginas seguintes constam os FORMULÁRIOS para solicitação de crachás, serviços e envio de dados mencionados neste Manual/Regulamento.

FORMULÁRIOS. Nas páginas seguintes constam os FORMULÁRIOS para solicitação de crachás, serviços e envio de dados mencionados neste Manual/Regulamento. FORMULÁRIOS Nas páginas seguintes constam os FORMULÁRIOS para solicitação de crachás, serviços e envio de dados mencionados neste Manual/Regulamento. O não cumprimento das datas limite e/ou instruções

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil Código: BEL 16 7740 Tópico: Qualidade da Energia em Sistemas com Geração Distribuída INFLUÊNCIA DA FORMA DE ONDA DE ALIMENTAÇÃO SOBRE CARGAS NÃO-LINEARES

Leia mais

Paulo Ricardo da Silva Pereira Luciane Neves Canha Alzenira da Rosa Abaide CEEE-D / PPGEE-UFSM UFSM UFSM

Paulo Ricardo da Silva Pereira Luciane Neves Canha Alzenira da Rosa Abaide CEEE-D / PPGEE-UFSM UFSM UFSM XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Aplicação do Potencial das Redes Inteligentes (Smart Grid) no aumento da Eficiência Operacional

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro

Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro Análise do comportamento do consumo de água e energia elétrica do Edifício Ouro Negro dezembro-08 1) População fixa Como parte da análise que será apresentada, considera-se importante também o acompanhamento

Leia mais

SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil

SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil SCQ/007 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil STE INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE VARIAÇÕES MOMENTÂNEAS DE TENSÃO NA OPERAÇÃO

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de dezembro de 2013. ESTIMATIVA DO CONSUMO ADVINDO DOS APARELHOS COM STAND BY NOS DOMICÍLIOS BRASILEIROS Francine Mansur Telles

Rio de Janeiro, 5 de dezembro de 2013. ESTIMATIVA DO CONSUMO ADVINDO DOS APARELHOS COM STAND BY NOS DOMICÍLIOS BRASILEIROS Francine Mansur Telles Rio de Janeiro, 5 de dezembro de 2013 ESTIMATIVA DO CONSUMO ADVINDO DOS APARELHOS COM STAND BY NOS DOMICÍLIOS BRASILEIROS Francine Mansur Telles ESTIMATIVA DO CONSUMO ADVINDO DOS APARELHOS COM STAND BY

Leia mais

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO

TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO ND-5.1 7-8 TABELA 10 - POTÊNCIAS MÉDIAS DE APARELHOS ELETRODOMÉSTICOS E DE AQUECIMENTO Aparelhos de Aquecimento e Eletrodomésticos Tipo Potência Tipo Potência ( W ) ( W ) Aquecedor de Água até 80 L 1.500

Leia mais

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 9 PROF.: Célio Normando CA 6 - Apropriar-se de conhecimentos da Física para, em situações problema, interpretar, avaliar ou planejar intervenções científico-tecnológicas.

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO O DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UFJF Danilo Pereira Pinto - danilo@engelet.ufjf.br UFJF Faculdade

Leia mais

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas Decreto Estadual nº 45.765, de 4 de maio de 2001 Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência

Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência 1 Avaliação de Pára-raios no Campo e no Laboratório por meio das Descargas Parciais utilizando TC de Alta Frequência H. P. Amorim Júnior *, Pesquisador, CEPEL, A. T. Carvalho, Pesquisador, CEPEL, T. B.

Leia mais

Lucilene Silva Dias 1 (MSc.); Sebastião C. Guimarães Jr. 2 (Dr.); José R. Camacho 2 (PhD)

Lucilene Silva Dias 1 (MSc.); Sebastião C. Guimarães Jr. 2 (Dr.); José R. Camacho 2 (PhD) ESTUDO PROSPECTIVO E ECONÔMICO DA SUBSTITUIÇÃO DO CHUVEIRO ELÉTRICO PELO AQUECEDOR SOLAR - PARTE I: PESQUISAS REALIZADAS JUNTO AO PÚBLICO, ENGENHEIROS E INSTALADORES Lucilene Silva Dias 1 (MSc.); Sebastião

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente Pegada Ecológica dos Diferentes Grupos Sociais que compõem a Comunidade Acadêmica da Universidade Federal do Rio Grande FURG Anaí Fontoura Lessa 1, Thaís Antolini Veçozzi 2 1 Curso de Tecnologia em Gestão

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT 24 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA - GAT MODELAGEM

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL RICARDO GARCIA JESKE

INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL RICARDO GARCIA JESKE INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL RICARDO GARCIA JESKE RELATÓRIO: CONFECÇÃO DE CIRCUITO ELETRÔNICO PARA CONTROLE DE POTÊNCIA USANDO O CI TCA785 Pelotas

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO HARMÔNICO DE AEROGERADORES

ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO HARMÔNICO DE AEROGERADORES ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO HARMÔNICO DE AEROGERADORES Pedro A. B. Block, Fabio S. Retorta, Diogo B. Dahlke, Mateus D. Teixeira Institutos Lactec Av. Comendador Franco, nº 1341, Jardim Botânico. Curitiba,

Leia mais