Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 1/15 TOKEN -RING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 1/15 TOKEN -RING"

Transcrição

1 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 1/15 TOKEN -RING INTRODUÇÃO. A topologia em anel utiliza um método de controle de acesso baseado em fichas (token), este método apresenta as seguintes características: Unidirecionalidade de transmissão; Nós de comunicação ativos (repetidores); Canal de comunicação fechado ; Ligação ponto-a-ponto.

2 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 2/15 FUNCIONAMENTO BÁSICO. Uma vez inicializado a ficha, esta circula entre todos os nós de comunicação da rede, portando o direito de transmissão no meio compartilhado. Quando uma estação necessita transmitir uma mensagem, ela adquiri o controle do meio através da ficha que circula pela rede. De posse da ficha, a estação monta o frame que contém a mensagem e a seguir o frame é emitido na rede. Cada estação da rede funciona como um retransmissor de mensagem, isto é, recebe o frame e analisa o endereço de destino; se este endereço refere-se a estação que recebeu o frame, esta faz um cópia do frame, altera alguns campos do frame e solta o frame na rede. O frame circula na rede até atingir novamente o emissor. Após a chegada do frame, a estação libera a ficha para circular novamente na rede. TÉCNICAS DE CONTROLE. Do ponto de vista lógico, um mecanismo de controle de acesso baseado em fichas (token) como mostrado na figura acima, essencialmente envolve a definição de procedimentos quanto à: Geração da ficha (token); Inserção de mensagem no anel; Recepção da mensagem; Remoção da mensagem; GERAÇÃO DA FICHA (Token). Em uma rede em anel, uma ficha circula pela rede a fim de gerenciar o compartilhamento do meio de transmissão. Esta ficha é gerada pela primeira máquina que entra em atividade na rede, esta máquina passa a ser chamada de ACTIVE MONITOR, e outras estações que iniciam as atividades são chamadas de STANDBY MONITOR. A estação active monitor possui a função de gerenciar a utilização da ficha, ou seja, garantir que todas as estações utilizem o meio físico de maneira semelhante, garantindo desta forma o determinismo da rede, e gerenciar o funcionamento perfeito do Anel como será visto adiante. As estações standby monitor, possuem a função de retransmitir a mensagem para a próxima estação, garantindo que o frame circule pela rede, e também verificar se o active monitor está executando a suas atividades de maneira correta, caso este não o esteja fazendo, será substituído por um standby monitor em um processo chamado de monitor contention visto adiante.

3 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 3/15 INSERÇÃO DE MENSAGEM. Quando uma estação necessita transmitir uma informação, deve primeiro adquir o controle do meio físico, isto é feito quando a ficha chega até a estação, caso a ficha esteja livre, é retirado de circulação. Após adquirir o controle do meio, a estação monta o frame com as informações de endereço de destino e mensagem propriamente dito, e a seguir coloca o frame para circular novamente na rede. Resumidamente a estação executa os seguintes passos: Estação aguarda a passagem da ficha; Estação de posse da ficha; Estação transmite a mensagem; Fim de Transmissão; Estação restitui a ficha para circulação na rede. RESTITUIÇÃO DA FICHA Após a estação transmitir a informação, o frame irá circular pela rede e poderá atingir ou não a estação de destino. Caso a estação de destino seja alcançado, ela irá copiar a mensagem para posterior processamento e alterar alguns campos do frame e em seguida irá repassar o frame para a próxima estação. Desta forma o frame circulando pela rede irá retornar para a estação fonte que receberá o frame e liberará a ficha para circulação no anel. RECEPÇÃO DA MENSAGEM. A estação que recebe um frame irá verificar se o endereço do frame, corresponde ao endereço atual. Caso esta igualdade ocorra, a estação faz uma cópia do frame para posterior processamento, altera alguns campo do frame para indicar à estação fonte que o frame alcançou o seu destino e a seguir libera o frame para circular novamente pelo anel. Estas alterações que são feitas no frame permite que seja efetuado uma confirmação de recepção de mensagem para a estação fonte, sem a necessidade de emitir uma mensagem separada.

4 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 4/15 VELOCIDADES DE TRANSMISSÃO. As redes em anel podem ser configuradas em velocidades de 4 e 16 Mbps. FRAMES. A ficha que circula no anel para gerenciar o compartilhamento do meio físico, é representado no esquema abaixo. A estação verifica se a ficha está ocupada ou não, utilizando o bit representado pela letra T do campo Access Control. Depois que estação já possui o controle do meio, é necessário gerar um frame para transmitir a mensagem, como representado abaixo.

5 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 5/15 Uma estação quando reconhece um endereço de destino como sendo o seu, inicialmente altera os bits de reconhecimento representado pela letra A do campo Frame Status. O campo representado pela letra C é alterado para 1 caso o campo FCS esteja correto, senão permanece com o valor 0. O campo Information Field contém a mensagem a ser transmitido. Caso o frame retorne a estação fonte com os bits A com o valor 0, isto quer dizer que o destino não foi atingido por algum motivo (estação não está ativa), assim um erro é gerado para as camadas superiores e a seguir a ficha é liberada para circulação em modo livre. Pode ocorrer também que a estação fonte tenha qualquer problema eventual e que não estará ativa quando o frame retornar. Desta forma, o frame continuará a circular até atingir a estação active monitor que irá liberar a ficha para circulação em modo livre. TAMANHO DE FRAME O tamanho mínimo de frame corresponde ao tamanho da ficha quando está circulando em estado desocupado (livre) pela rede, que é de 3 bytes. O tamanho máximo corresponde a um frame circulando com a mensagem, este tamanho corresponde a bytes.

6 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 6/15 GERENCIAMENTO DO ANEL. Todo o gerenciamento do funcionamento do anel é feito pelas estações que são active monitor e standby monitor. RESPONSABILIDADE DO ACTIVE MONITOR. Fornecer clock para o anel. O Active Monitor é responsável por colocar no wire um sinal de clock master, que todas outras estações usam para sincronizar seus relógios internos de modo que todas as estações conheçam quando um tempo de bit inicia e termina. Iniciar o Ring Polling. O Active Monitor irá mandar um frame Active Monitor Present (AMP) a cada sete segundos. Monitoração do Ring Polling. Se o AM não recebe um frame AMP ou SMP de seu vizinho de cima mais próximo dentro de sete segundos após a do inicialização do Ring Polling, este reporta um Ring Poll Failure para o Monitor de Erro do anel. Assegurar a passagem do token. O AM procura por problemas na passagem do token com token circulante devido a um estação que levanta o bit de prioridade no anel e nunca mais baixa este, ou token perdido (especificamente, o AM deve enxergar um bom frame a cada 10 milisegundo). RESPONSABILIDADES DO STANDBY MONITOR. Monitorar a passagem do token no anel. Igualmente ao AM, Standby Monitor enxerga token que passam no anel, mas de uma forma branda. Um SM deve ver um frame de dados ou um token no minimo a cada 2.6 segundos. Se não, este inicia um processo de monitor contention que iremos abordar no próximo tópico. Monitorar o Ring Polling.

7 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 7/15 Se um SM não enxergar um frame AMP no mínimo a cada 15 segundos, este inicia o processo de monitor contention. Monitorar a frequência do anel. Se um SM detecta que o sinal de clock produzido pelo AM difere significantemente de seu clock interno, este inicia o processo de monitor contention.

8 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 8/15 RING POLLING (notificação do vizinho) Neste processo imaginaremos uma rede consistindo das estações A, B, C e D. Estação A é atualmente o Active Monitor e o fluxo de dados está em ordem alfabética das estações. A estação B sendo vizinho abaixo (downstream) da estação A, a estação C sendo vizinho abaixo de B, etc..., e finalmente a estação A sendo vizinho abaixo de da estação D (figura 1). figura 1

9 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 9/15 A finalidade do ring pooling é permitir que toda estação no anel conheça o endereço do seu vizinho de cima (informação altera quando uma nova estação entra ou sai do anel). Este também informa a eles que o anel está trabalhando apropriadamente e que o active monitor está presente. Os seguintes eventos ocorrem durante o Ring Polling: 1. A cada sete segundos expira um timer na estação A. A estação A manda um frame ACTIVE MONITOR PRESENTE (AMP) com endereço de broadcast. Neste estágio, os bits Adrress Recognized Indicator (ARI) e Frame Copied Indicator (FCI) são setado em 0 (figura 2). figura 2 **** A cada sete segundos o timer de ring polling do active monitor expira e manda um frame ACTIVE MONITOR FRAME. ***** 2. A estação B recebe o frame AMP, e os seguintes eventos ocorrem: Vendo os bits ARI/FCI setados em 0, a estação B seta os bits ARI/FCI em 1; A estação B registra o endereço físico contido no frame da estação emissora como seu Nearest Active Upstream Neighbor (NAUN). Este sabe que a estação emissora é seu NAUN, pois por definição, a primeira estação que enxerga qualquer frame SMP ou AMP com os bits ARI/FCI setado em 0, setará o bit ARI/FCI para 1. Como este recebeu um frame

10 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 10/15 AMP com os bits ARI/FCI setado em 0, a estação B sabe que é a primeira estação a receber o frame AMP e assim este é o vizinho abaixo da estação emissora; Se o NAUN da estação B foi alterado desde o último Ring Polling que ocorreu, este enfilera para transmitir um frame Report Stored Upstream Adapter (RSUA) que é endereçado ao configuration Server do Anel; A estação B enfilera para transmitir um frame SMP em 20 milisegundos. A razão dos atraso de 20 milisegundos é para permitir uma janela no processo de Ring Polling durante o qual o dados podem ser transmitidos no anel sem a interferir com frames de notificação vizinhos. A estação B regenera o frame AMP no anel. Outras estações no anel enxergarão os bits ARI/FCI setados em 1 e irão ignorar o frame, e será repetido até que o frame alcance o Active Monitor que irá retirar do anel; (figura 3) Figura 3 ***** A estação B reconhece a estação A como seu NAUN e então set o bits ARI/FCI e mana o frame AMP de volta ao anel. O pacote é repetido ao longo do anel até que a este atinge a estação que lhe deu origem, no caso estação A ****

11 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 11/15 3. Quando o time de 20 milisegundos da estação B expira, este manda o frame SMP (figura 4). A estação C recebe o frame SMP e o processo descrito no ítem 2 repete-se na estação C. (figura 5) figura 4 ***** 20 milisegundos após ter recebido um frame AMP vindo da estação A, a estação B manda um frame SMP com o bits ARI/FCI setado em 0.***** O fato que neste caso um frame SMP está sendo recebido ao invés de um frame AMP não faz direça.

12 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 12/15 figura 5 ***** A estação C reconhece a estação B como seu NAUN e então set os bits ARI/FCI e coloca o frame SMP de volta no anel. O pacote é repetido ao longo do anel até que este alcance a estação transmissora, a estação B ***** 4. A estação D recebe um frame SMP vinda da estação C. f(figura 6) figura 6

13 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 13/15 ***** 20 milisegundos após receber o frame SMP vindo da estação B, a estação C manda um frame SMP com os bits ARI/FCI setado em zero. A estação D reconhece a estação C como seu NAUN, seta os bits ARI/FCI e regenera o frame de volta ao anel. O pacote é repetido ao longo do anel até atingir a fonte transmissora, estação C *****. O processo descrito no ítem 2 acontece na estação D. A estação D manda um frame com os bits ARI/FCI setados em 0.(figura 7) figura 7 ***** 20 milisegundos depois de receber um frame SMP da estação C, a estação D manda um frame SMP com os bits FCI/ARI setados em zero. Quando a estação A que está atuando como Active Monitor enxerga este frame SMP, com os bits ARI/FCI setado em 0, este registra a estação D como seu vizinho acima. O Ring Polling foi finalizado *****. Quando a estação A que está atuando como Active Monitor recebe um frame SMP com os bits ARI/FCI setado em (de seu NAUN), este reconhece o fato que o processo Ring Polling foi completado. Se o Ring Polling não se completa dentro de 20 segundos o Active Monitor reporta um Ring Poll Erro ao Monitor de erro do Anel.

14 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 14/15 MONITOR CONTENTION. Monitor Contention é o processo de escolha do ACTIVE MONITOR. Standby Monitor inicia o processo de Monitor Contention quando detectam que um evento que sugere que o Active Monitor não está executando apropriadamente o seu trabalho.neste processo, a estação que atua como AM não participa do processo, pois, toda vez que é iniciado o processo de Monitor Contention, supõe-se um mal funcionamento do AM, este permanece down durante o processo e a seguir volta como um SM. Eventos que podem causar o Monitor Contention. Uma nova estação que se liga ao anel, mas não detecta a presença do AM; o AM não detecta frames no anel e seu timer de 7 segundos de Ring Polling expira; Um SM detecta a falta de um AM no anel ou não detecta nenhum frame no anel e passam-se 2.6 segundos sem o SM enxergar qualquer frame ou token, ou passam-se 15 segundos sem a estação exergar um frame AMP. O SM nunca irão iniciar o Ring Polling. DESCRIÇÃO DO PROCESSO MONITOR CONTENTION. Os seguintes eventos ocorrem no processo Monitor Contention: 1. Um ou mais estações um evento que causam o processo Monitor Contention. Quando a estação detecta um ou mais destes eventos listados acima, este entra em modo CLAIM TOKEN TRANSMIT. Enquanto neste modo, a estação manda um frame Clain Token contendo seu endereço MAC. 2. A estação diretamente abaixo a que entrou no modo CLAIM TOKEN TRANSMIT irá receber o frame Claim Token e imediatamente em um dos dois modos: Se a estação abaixo tem um endereço MAC maior que o endereço contido no frame Claim Token que está recebendo, este entrará em modo Claim Token Transmit e mandará o frame Claim Token com o seu endereço MAC; Se a estação abaixo tem endereço MAC menor que o endereço contido no frame Claim Token que está recebendo, este entrará em modo Claim Token Repeat e mandará o frame Claim Token com o endereço MAC que recebeu. 3. Eventualmente, toda estação no anel serão modo Clain Token Repeat, exceto as estações no anel que possuem endereço MAC maior que a estação que está em modo Claim Token Transmit. Estes frames Claim Token irão circular o anel integralmente. Quando a estação receber três frames Claim Token com

15 Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 15/15 seu endereço MAC, este foi o vencedor do processo Monitor Contention, e vem a ser o Active Monitor do anel. 4. Quando uma estação é eleita como Active Monitor, este imediatamente executa a seguintes ações: Setar um bit interno de sua interface de rede (placa de rede), ativando as funções de Active Monitor; Executar o Ring purge; Iniciar o processo de Ring Polling; Transmitir um token livre. RING PURGING. O termo Ring Purge pode ser referido de duas formas: este pode se referir ao ato de um Active Monitor mandar um frame Ring Purge ao redor do anel, e este pode referir-se ao frame atual que esta sendo enviado pelo Active Monitor durante durante a operação de Ring Purge. O proposito de uma operação de Ring Purge é para reiniciar o estado do anel. Qualquer estação recebendo um frame ring purge imediatamente paraliza o que esta fazendo, reseta seu timer e entra em modo Bit Repeat. Quando um Active Monitor recebe seu próprio frame Ring purge de volta, este sabe que todas as estações no anel está agora em mod Bit Repeat, e está esperando por um token. Ring Purge são geralmente enviados depois de uma operação de recuperação, como Monitor Contention, que ocorreu e imediatamente antes da geração de um novo token pelo AM.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 7 IEEE 802.3 Padrão Ethernet 10BASE5 É o padrão IEEE 802.3 original, taxa de transmissão de 10Mbps. Utiliza um tipo de cabo coaxial grosso

Leia mais

Ficha de trabalho Redes locais

Ficha de trabalho Redes locais Ficha de trabalho Redes locais 1.Arquitectura Ethernet, necessidade de um dispositivo concentrador, um switch para ligar os computadores. 2.Funciona como concentrador de tomadas, nao possui circuito electronico,

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios Redes de Computadores I Gabarito da Lista de Exercícios 1) Uma rede comutada por circuitos cobra R$ 0,50 por minuto de utilização, comporta até 1000 circuitos simultâneos com capacidade de 64 kbps (cada)

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

Aula 4 - Protocolos de enlace

Aula 4 - Protocolos de enlace Aula 4 - Protocolos de enlace Professora Marcela Santos marcela@edu.estacio.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 30 de março de 2010 Agenda 1 Protocolos de acesso ao meio Protocolos de acesso múltiplo

Leia mais

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer

CCNA 1 Conceitos de Ethernet. Kraemer CCNA 1 Conceitos de Ethernet Conceitos de Ethernet Introdução ao Ethernet Formato do quadro CSMA/CD Tipos de colisão Tipos de erro Autonegociação Introdução ao Ethernet É essencial ter um entendimento

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio VI PROTOCOLOS

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Controle de acesso ao meio (Medium Access Control - MAC) Aula 10 Enlaces podem ser divididos em duas grandes categorias: Enlace

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3

Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Arquitetura de Redes de Computadores - aula 3 Prof. Celso Rabelo Universidade Castelo Branco 1 Objetivo 2 Conceitos Tratamento de Colisão Histórico 3 Características Regras de Controle Tipos de Cabo e

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Enlace Redes de Computadores 2 1 Modelo OSI O que os protocolos fazem? controle de erros: canais mais confiáveis - retransmissão reseqüenciamento: reordenar

Leia mais

Sumário. Topologias de rede. Topologias Físicas. Topologia Física: Barramento 10/07/2015. Introdução as Redes

Sumário. Topologias de rede. Topologias Físicas. Topologia Física: Barramento 10/07/2015. Introdução as Redes Técnico em Informática 4º Int. Redes de Computadores Fabricio A. Steinmacher Sumário Topologias Físicas e Lógicas; Equipamentos para LAN Modelo OSI Introdução as Redes Topologia física Topologias de rede

Leia mais

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Porta UTP Regra 5-4-3 (em desuso) Porta UTP específica Hubs são enxergados como um único equipamento (geralmente

Leia mais

Fesp - Tópicos Avançados II - Ethernet

Fesp - Tópicos Avançados II - Ethernet ETHERNET. Fesp - Tópicos Avançados II - Ethernet 802.3 do IEEE - O padrão Ethernet. O Institut of Electrical and Eletronic Engineers (IEEE), hoje atualmente ITU, é uma organização que estabelece padrões

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos: Fundamentos Fabricio Breve Protocolos linguagem utilizada pelos diversos dispositivos para trocar informações Exemplos: TCP/IP, NetBEUI, SPX/IPX Premissas básicas A maioria

Leia mais

Alocação Dinâmica do Canal Token-Bus e Token-Ring, IEEE802.4 e IEEE802.5

Alocação Dinâmica do Canal Token-Bus e Token-Ring, IEEE802.4 e IEEE802.5 Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 11 - Alocação Dinâmica do Canal Token-Bus e Token-Ring, IEEE802.4 e IEEE802.5 Objetivo : Estudaremos nesta aula mais dois métodos de alocação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas

MC714 - Sistemas Distribuídos. Leandro Villas MC714 - Sistemas Distribuídos Aula de Hoje Aula Passada Relógios Lógicos Relógios de Lamport Relógios Vetoriais Aula de Hoje Exclusão Mútua Algoritmos de Eleição Exclusão mútua Questão fundamental em SDs

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Sincronização. Sincronização de Relógios. Relógios Físicos

Sincronização. Sincronização de Relógios. Relógios Físicos Sincronização Embora a comunicação entre processos seja essencial em Sistemas Distribuídos, a sincronização de processos é também muito importante. Por exemplo: o É importante que vários processos não

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 A Camada de Enlace Principal objetivo da camada: Comunicar dados entre dois equipamentos de rede conectados ao mesmo meio de transmissão

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token

A Rede Token Ring. O Funcionamento do MAC Token Ring. Passagem de token A Rede Token Ring Visão geral de Token Ring e de suas variantes A IBM desenvolveu a primeira rede Token Ring nos anos 70. Ela ainda é a principal tecnologia LAN da IBM e apenas perde para a Ethernet (IEEE

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Subcamada de Acesso ao Meio (MAC) Considerações Gerais

Subcamada de Acesso ao Meio (MAC) Considerações Gerais Subcamada de Acesso ao Meio (MAC) Considerações Gerais Barramentos são compartilhados por todas as estações. Como definir o acesso ao meio? Discussão inicial Padrão IEEE 802 Alocação de canal estático

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

Métodos de Acesso em Redes de Área Local

Métodos de Acesso em Redes de Área Local Métodos de Acesso em Redes de Área Local (LanAccess.doc) 1. Em termos de métodos de acesso numa rede local/metropolitana, existem hoje várias alternativas. Descreva a topologia e o princípio de funcionamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede

Nível de Enlace. Nível de Enlace. Serviços. Serviços oferecidos os nível de rede Nível de Enlace Enlace: caminho lógico entre estações. Permite comunicação eficiente e confiável entre dois computadores. Funções: fornecer uma interface de serviço à camada de rede; determinar como os

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

BRIDGE Bridging Básico

BRIDGE Bridging Básico BRIDGE Bridging Básico Bridges são equipamentos de Interconexão de redes que trabalham na camada de nível 2 do modelo OSI. Este seletivamente repassa frames baseado no exame do endereço MAC do frame. A

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Estrutura do tema ISC

Estrutura do tema ISC Introdução aos Sistemas de Computação (5) 6. Da comunicação de dados às redes de computadores Uma Rede de Computadores é constituida por: Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Lembrando...desempenho de redes ethernet Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Equipamentos de Interconexão de redes Aula 12! Ethernet emprega meio compartilhado para transmitir dados

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012

Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 Por Érica Barcelos Fevereiro, 2012 2 INTRODUÇÃO Com a informatização dos sistemas nas empresas veio também o aumento da competitividade e isso fez com que a qualidade dos serviços fosse questionada. O

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio II PADRÃO ETHERNET

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 5. Ethernet 5.1 Introdução 5.2 LLC (Logical Link Control) 5.3 MAC (Media Access Control) 5.4 Sistemas de Endereçamento 5.5 Quadros Ethernet 5.6 Codificação

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador)

Multiprocessamento. Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Multiprocessamento Multiprocessadores com memória distribuída (multicomputador) Conjunto de processadores, cada qual com sua memória local Processadores se comunicam por troca de mensagens, via rede de

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques 30-05-2016

Redes de comunicação. Mod 2 Redes de computadores. Professor: Rafael Henriques 30-05-2016 Redes de comunicação Mod 2 Redes de computadores 1 Professor: Rafael Henriques Apresentação 2 Professor: Rafael Henriques Introdução às redes de computadores; Tipos de rede; Diagramas de encaminhamento;

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Arquitetura Token Ring Arquitetura FDDI IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Usada em redes que possuem computadores de grande porte da IBM Opera nas camadas 1 e 2 do

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Alocação Dinâmica do Canal Ethernet, CSMA/CD e IEEE802.3. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Alocação Dinâmica do Canal Ethernet, CSMA/CD e IEEE802.3. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 10 - Alocação Dinâmica do Canal Ethernet, CSMA/CD e IEEE802.3 Objetivo : Estudaremos nesta aula os métodos de alocação dinâmica de canal

Leia mais

Protocolos de Redes Revisão para AV I

Protocolos de Redes Revisão para AV I Protocolos de Redes Revisão para AV I 01 Aula Fundamentos de Protocolos Conceituar protocolo de rede; Objetivos Compreender a necessidade de um protocolo de rede em uma arquitetura de transmissão entre

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Redes Locais de Computadores

Redes Locais de Computadores Redes Locais de Computadores Pós Graduação em Redes de Computadores e Telecomunicações Controle de Acesso Múltiplo Prof. Josafá de Jesus Silva A tecnologia Ethernet AlohaNet inicio da década de 1960 -

Leia mais

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Redes de Computadores Carlos Eduardo Pereira Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Rede de Computadores hosts IMPs IMP= Interface Message Processor 1 DTE/DCE/DSE Tarefas a serem realizadas pelas

Leia mais

Manual Técnico Interface Modbus

Manual Técnico Interface Modbus Manual Técnico Interface Modbus RTA Interface Modbus 05/2007-1 - Histórico de Revisões Ver. Num. Data Responsável Observações 1.000 17/05/07 Marcos Romano Criação Inicial RTA Rede de Tecnologia Avançada

Leia mais

Universal Serial Bus USB

Universal Serial Bus USB Universal Serial Bus USB Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright (c) Walter

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES. Elementos da rede (Repetidor, hub, bridge, switch, router) Spanning Tree Protocol UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES. Elementos da rede (Repetidor, hub, bridge, switch, router) Spanning Tree Protocol UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Elementos da rede (Repetidor, hub, bridge, switch, router) Spanning Tree Protocol Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Tanto os repeaters quanto os hubs são dispositivos que operam na camada física: tratam essencialmente da amplificação e retransmissão de bits.

Tanto os repeaters quanto os hubs são dispositivos que operam na camada física: tratam essencialmente da amplificação e retransmissão de bits. 2 Equipamento activo Considera-se equipamento activo, todo o equipamento gerador, receptor de código ou conversor de sinais eléctricos ou ópticos. Este equipamento tem a capacidade de efectuar cálculos

Leia mais

USB - Introdução. Meios Eletrônicos I 2011

USB - Introdução. Meios Eletrônicos I 2011 USB - Introdução Meios Eletrônicos I 2011 História USB: Universal Serial Bus Criado pela Intel em 1994, junto com outras empresas (Microsoft, HP, NEC, Apple) Facilita a conexão de dispositivos periféricos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 08/2013 Material de apoio Conceitos Básicos de Rede Cap.1 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica.

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos da camada de ligação de Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 Modelo OSI Redes de Computadores 2 1 Camada de Ligação de

Leia mais

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet Fundamentos de Ethernet Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego da Internet tem origem em ligações Ethernet. Razões do

Leia mais

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas

Projeto de Redes. Topologias padrão Principais componentes Utilizações Adequadas Definir: Identificar as diferentes Topologias Objetivos: Descrever Vantagens/Desvantagens Topologia Adequada A topologia impacta sobre: Tipo de equipamentos utilizados A capacidade de cada equipamento

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet

REDES DE COMPUTADORES. Tecnologias de LAN - Ethernet REDES DE COMPUTADORES Tecnologias de LAN - Ethernet Agenda Tecnologias de LANs Porque Ethernet Origem Endereçamento Frame Ethernet Padrão Fast Ethernet Gigabit Ethernet Tecnologias para LANs Por que Ethernet?

Leia mais

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS

WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS WATCHDOG ELITE NTC OPÇÃO DE COMUNICAÇÕES SERIAIS O Watchdog é um equipamento complexo e realiza muitas funções. A função de comunicações é considerada uma função de baixa prioridade e por conta disso,

Leia mais

Subcamada MAC(2) O Método de Acesso CSMA/CD

Subcamada MAC(2) O Método de Acesso CSMA/CD Subcamada MAC(2) O Método de Acesso CSMA/CD CSMA/CD CSMA with Colision Detection O CSMA/CD é a técnica de acesso ao meio mais comum em redes locais para as topologias em barramento e em estrela. A versão

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Enlace Slide 1 Camada de Enlace Fluxo real de PDUs Slide 2 Sumário dos Protocolos MAC Como se faz com um canal compartilhado? Particionamento de canal, no tempo, por freqüência

Leia mais

Topologias. Topologias. Repetidores Bridges LAN, WAN, MAN LAN Local Area Network. Protocolos de Acesso ao Meio Família IEEE 802.XXX.

Topologias. Topologias. Repetidores Bridges LAN, WAN, MAN LAN Local Area Network. Protocolos de Acesso ao Meio Família IEEE 802.XXX. Repetidores Bridges, WAN, MAN Local Area Network Ponto a Ponto Protocolos de Acesso ao Meio Família IEEE 802.XXX BUS - Segmento 1 2 TREE - Árvore RING - Anel STAR - Estrela STAR - Estrela 3 4 1 BRIDGE

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais