Convergência º Encontro dos Tabeliões de Protesto do Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Convergência 2011 9º Encontro dos Tabeliões de Protesto do Brasil"

Transcrição

1 Convergência º Encontro dos Tabeliões de Protesto do Brasil Setembro de 2011 Antonio Carlos de Toledo Negrão Diretor Jurídico

2 Mercado de Crédito no Brasil Crédito Total (R$ milhões) x PIB (em R$ milhões correntes) Variação Crédito Total: 443% Crédito/PIB: 18,8 p.p Em 2000 Crédito Total: R$ 326,8 bi Crédito/PIB: 27,8% Em 2011 Crédito Total: R$ 1.776,3 bi Crédito/PIB: 46,6% ,0 45,0 40,0 35,0 30,0 25,0 20,0 Crédito Total (R$ milhões) Crédito/PIB (%) Fonte: Banco Central do Brasil e IBGE

3 Mercado de Crédito no Brasil Crédito como alavanca do consumo. Aumento do Salário Mínimo e Queda da Prestação Parâmetros Salário Mínimo (em R$) Preço do carro (em R$) Taxa de Juros (a.m.) 3,7 2,3 Prazo (meses) Prestação Mensal (em R$) Fonte: Banco Central do Brasil e IBGE

4 Mercado de Crédito no Brasil Como ficou mais fácil comprar um carro novo! Em 2003: R$ ,4 meses R$ 200 Salário Mínimo Prestação Mensal R$ 927 Em 2011: 1,7 mês R$ 545 Salário Mínimo Prestação Mensal Fonte: Banco Central do Brasil e IBGE

5 Mercado de Crédito no Brasil Crédito com Recursos Livres x Crédito com Recursos Direcionados ABRIL 2011 PJ R$ 578,8 bi 50% Recursos Livres Recursos Direcionados R$ 1.161,5 bi R$ 614,7 bi PF R$ 582,7 bi 50% Outros R$ 14,1 bi 2% Habitação R$ 146,6 bi 24% BNDES R$ 364,4 bi 59% Rural R$ 89,6 bi 15% Fonte: Banco Central do Brasil

6 Mercado de Crédito no Brasil Crédito para Pessoa Física - Recursos Livres ABRIL de 2011 Cooperativas 5% Outros 13% Cheque Especial 3% Fin. Imobiliário 2% Cartão de Crédito 6% Crédito Pessoal e Consignado 37% Aquisição de Veículos e Leasing 32% Aquisição de outros bens 2% R$ 582,7 bilhões Fonte: Banco Central do Brasil

7 Taxa de Juros e Spread Bancário Composição do Spread Abril de 2011 Taxa Final 39,8% Margem Líquida Inadimplência Impostos Custos de Direcionamento Spread Bancário Bruto = 27,7p.p. Custos Administrativos Custo de Captação 12,1% Fonte: Banco Central do Brasil e FEBRABAN

8 Taxa de Juros e Spread Bancário Composição do Spread Abril de ,7p.p. = 100% Margem Líquida 27,97% Inadimplência 32,16% Impostos Diretos e Indiretos 22,44% Custos Administrativos 15,77% Custos de Direcionamento 1,65% Fonte: BACEN, Relatório de Economia Bancária e Crédito 2009.

9 Taxa de Juros e Spread Bancário Composição do Spread Abril de 2011 Taxa Final 39,8% Margem Líquida = 7,75 p.p. Inadimplência = 8,91 p.p. Impostos = 6,22 p.p. Custos Direcionamento = 0,46 p.p. Spread Bancário Bruto = 27,7p.p. Custos Administrativos = 4,37 p.p. Custo de Captação 12,1% Fonte: Banco Central do Brasil e FEBRABAN

10 Taxa de Juros e Spread Bancário A inadimplência e seus custos associados são muito elevados no Brasil. Composição do Spread Demais fatores do Spread 67,84 Inadimplência 32,16 Inadimplência e os custos associados a ela são muito elevados no Brasil; Sozinha a inadimplência responde por 32% do spread bruto; Inadimplência de PF no Brasil é bem mais alta do que nos EUA, Europa e mesmo nos demais países emergentes; Fonte: BACEN, Relatório de Economia Bancária e Crédito 2009.

11 Taxa de Juros e Spread Bancário A inadimplência e seus custos associados são muito elevados no Brasil Composição do Spread Inadimplência (continuação): Processos judiciais no Brasil chegam a durar 10 anos e em média não são resolvidos em menos de cinco anos; Ausência de informações confiáveis (cadastro positivo) amplia o risco de inadimplência e impõe custos adicionais para todos os agentes econômicos. Estes custos adicionais também contribuem para a elevação dos spreads; Dificuldade e demora na recuperação dos valores emprestados e das garantias impõem riscos adicionais aos emprestadores e ajudam a inflar os spreads.

12 Mercado de Crédito no Brasil Inadimplência PJ, PF e Geral (%) 9,0 8,0 set/02 8,3 jun/09 8,4 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 set/02 4,4 jun/09 5,6 set/02 2,3 jun/09 3,8 6,1 4,9 3,7 Geral PJ PF Fonte: Banco Central do Brasil

13 Taxa de Juros e Spread Bancário Prova disso é a diferença na taxa de juros entre operações com e sem garantias Taxa de Juros (% a.m.) Com garantia Sem garantia Fonte: BACEN

14 Índice de Basiléia, 2010, Em % 17,5 15,0 15,4 16,5 16,7 16,9 16,4 18,4 18,1 17,0 16,8 16,3 Índice de Basiléia Mínimo Requerido 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 Fonte: BCB

15 Crédito Consignado x Aquisição de Veículos Crédito Consignado Financiamento a Veículos , , ,00 4,00 3,00 2, ,00 4,50 4,00 3,50 3,00 2,50 2, , , ,00 0 1,00 Saldo - Consignado (R$milhões) Taxa de Juros - Consignado - % a.m. Taxa de Juros - Crédito pessoal - % a.m. Saldo - Aquisição de bens veículos (R$milhões) Taxa de Juros - Aquisição de veículos - % a.m. Taxa de Juros - Aquisição de outros bens - % a.m. Fonte: BCB

16 Bancos vendidos, liquidados, etc. 1. Auxiliar 2. Comind 3. Banco Antonio de Queiróz S.A. 4. Bilbao Vizcaya Argentaria Brasil, S.A. 5. Banco Fiat 6. BBA Creditanstalt 7. BNL 8. BFB 9. Banco Bandeirantes 10. BCN 11. Bamerindus 12. Banorte 13. Banco BMD S.A 14. Banco Cindam S.A. 15. Banco Crefisul S.A 16

17 Bancos vendidos, liquidados, etc. 16. Banco do Progresso S.A. 17. Econômico 18. Banco Fonte Cindam S.A. 19. Banco Inter-Atlantico S.A. 20. Banco IOCHPE S.A. 21. Banco Itamarati S.A. 22. Banco Marka S.A. 23. Banco Martinelli S.A. 24. Banco Matrix S.A. 25. Banco Multiplic S.A. 26. Banco Nacional S.A. 27. Banco Patente S.A. 17

18 Bancos vendidos, liquidados, etc. 28. Banco Pontual S.A. 29. BEMGE 30. Banco Boavista S.A. 31. Lloyds TSB Group s Brazilian Operations 32. Banco Mercantil de São Paulo 33. Banco Meridional 34. Banco do Estado do Maranhão S.A. 35. Banco Noroeste 36. Banco Geral do Comércio 37. BankBoston 38. Banco Cidade S.A. 39. Banco do Estado da Bahia 18

19 Bancos vendidos, liquidados, etc. 40. BANERJ 41. BANESPA 42. BANESTADO 43. BANFORT 44. Banco das Nações S.A. 45. CREDIREAL 46. Sudameris 47. CREDIBANCO 48. Banco Zogbi SA 49. BIG - Banco Irmãos Guimarães S.A. 50. Banco Santos S.A. 51. Banco Morada S.A. 19

20 Automação e Centralização de Protesto de Títulos A FEBRABAN, em parceria com o IEPTB BR - Instituto de Estudos de Protestos do Brasil, implantou, no final 2004, a automação do envio de títulos a protesto, substituindo, quando possível, o envio de documentos físicos pela troca de informações através de disquete. Atualmente estão automatizadas aproximadamente 500 Comarcas no Brasil todo. Em fevereiro de 2006, a FEBRABAN assinou com o IEPTB-BR o Convênio de Normas Gerais sobre procedimentos para troca de arquivos digitais contendo informações sobre títulos e outros documentos de divida apresentados para protesto.

21 Automação e Centralização de Protesto de Títulos Com a assinatura desse Convênio teve inicio o processo de centralização do protesto nas CRA S Centralizadoras de Remessas de Arquivos, quando se deixou de trocar informações por disquete e se passou a encaminhar os títulos a protesto através de sistemas via Web. Estão centralizados os seguintes Estados: 1.Amazonas 1 Comarca 2.Ceará 2 Comarcas 3.Espirito Santo 33 Comarcas 4.Minas Gerais 184 Comarcas 5.Mato Grosso 31 Comarcas

22 Automação e Centralização de Protesto de Títulos Estão centralizados os seguintes Estados: 6. Piauí 9 Comarcas 7. Rio de Janeiro 75 Comarcas 8. São Paulo 108 Comarcas 9 Tocantins 1 Comarca Vantagens com a Centralização: - Agilidade no processo - Facilidade no gerenciamento - Maior confiabilidade e controle - Acesso a todas as informações de forma centralizada - Fácil emissão de relatórios - Diminuição de filas nos balcões.

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

BANCO COMERCIAL E DE INVESTIMENTO SUDAMERIS S.A

BANCO COMERCIAL E DE INVESTIMENTO SUDAMERIS S.A ADMINISTRADOR ANTIGO ABN AMRO ADEMPAR BANCO ADMINISTRACAO-BIB AGUIA AMARIL-FRANKLIN AMERICA DO SUL ANDRADE-ARNAUD ANHANGUERA APLIC APLITEC APOLLO ARGENTO ATLANTICA AUREA AURORA AUXILIAR AYMORE BAHIA BALUARTE

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

RELAÇÃO DOS BANCOS USADOS NO GFOR

RELAÇÃO DOS BANCOS USADOS NO GFOR RELAÇÃO DOS BANCOS USADOS NO GFOR Código Descrição 19 BANCO DO BRASIL S.A. 27 BANCO CENTRAL DO BRASIL 35 BANCO DA AMAZONIA S.A. 43 BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. 78 BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

Instituições Financeiras com Participação Encerrada na Compe

Instituições Financeiras com Participação Encerrada na Compe Instituições Financeiras com Participação Encerrada na Compe Vigência 10/08/2016 Nº. Codigo ISPB Nome Completo Encerramento da 002 00038166 BANCO CENTRAL DO BRASIL 12/02/2010 007 33657248 BNDES 01/11/2002

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 Fonte: Bacen 27/01/2009 DESTAQUES DE DEZEMBRO / 2008 As operações de crédito no SFN, incluindo recursos livres e direcionados, finalizaram o ano com um incremento

Leia mais

Instituições Financeiras com Participação Encerrada na Compe

Instituições Financeiras com Participação Encerrada na Compe Instituições Financeiras com Participação Encerrada na Compe Vigência 05/08/2014 Nº. Codigo ISPB Nome Completo Encerramento da 009 00000001 BACEN 12/02/2010 308 07814999 BANCESA 13/02/1995 061 04095983

Leia mais

Estabilização da Economia e Recuperação do Crescimento e Emprego

Estabilização da Economia e Recuperação do Crescimento e Emprego Estabilização da Economia e Recuperação do Crescimento e Emprego Ministério da Fazenda Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Reunião de 28 de janeiro de 2016 1 Prioridades da Política Econômica

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN MARÇO/ 2009 Fonte: Bacen 23/04/2009 DESTAQUES DE MARÇO/ 2009 O estoque total de crédito contratado no SFN totalizou R$ 1,23 trilhões em Março. Esse montante representou uma

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº. 1112

CARTA-CIRCULAR Nº. 1112 CARTA-CIRCULAR Nº. 1112 Documento normativo revogado pela Circular 2.847, de 05/11/1998. Comunicamos que, por força da mudança na denominação social do BANCO FINANCEIRO SUDAMERICANO para BANCO NMB SUDAMERICANO,

Leia mais

Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito. Espírito Santo, 06/04/2015. Murilo Portugal Presidente

Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito. Espírito Santo, 06/04/2015. Murilo Portugal Presidente Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito Espírito Santo, 06/04/2015 Murilo Portugal Presidente 1 or Bancário O sistema bancário brasileiro comporta atualmente 132 bancos múltiplos,

Leia mais

PÚBLICO ALVO FUNCIONÁRIOS EMPRESAS TÍTULO DA APRESENTAÇÃO PPT

PÚBLICO ALVO FUNCIONÁRIOS EMPRESAS TÍTULO DA APRESENTAÇÃO PPT CONSIGNADO PRIVADO PÚBLICO ALVO FUNCIONÁRIOS EMPRESAS TÍTULO DA APRESENTAÇÃO PPT CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO Sobre o Convênio (contrato) O convênio é estabelecido entre a Instituição Financeira e o Empregador

Leia mais

5 de fevereiro de 2002

5 de fevereiro de 2002 5 de fevereiro de 2002 O Banco do Estado do Amazonas Bea foi privatizado em 24 de Janeiro de 2002 por R$ 182,9 milhões, equivalentes ao preço mínimo. O adquirente foi o Bradesco, um conglomerado financeiro

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços.

Construção Civil. Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. Construção Civil Construção Civil Identificar as características estruturais do segmento e suas transformações no tempo. Englobam diversos tipos de obras e serviços. edificações residenciais; edificações

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros

Módulo 2 Pr T odít ut U os L e O S erx viços Financeiros Módulo 2 Produtos TÍTULO e Serviços X Financeiros CRÉDITO PESSOAL Olá! Neste módulo, vamos aprofundar nossos conhecimentos sobre os produtos e serviços financeiros que podemos oferecer aos nossos clientes.

Leia mais

Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil

Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil Financiamento ao Desenvolviment o Valmir Martins Sobrinho Banco do Brasil Brasília, DF/2011 O acesso ao Crédito Qual o papel do crédito? O Crédito Sustentável O crédito, visto como remédio na realização

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/201 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis Com 4,27 no mes, Minas Gerais e Paraná registraram as maiores taxas de juros

Leia mais

CIRCULAR Nº 267. BANCOS DO GRUPO "1": dias 12, 18 e 28, em três parcelas iguais; BANCOS DO GRUPO "2": dias 9, 19 e 30, em três parcelas iguais;

CIRCULAR Nº 267. BANCOS DO GRUPO 1: dias 12, 18 e 28, em três parcelas iguais; BANCOS DO GRUPO 2: dias 9, 19 e 30, em três parcelas iguais; 1 CIRCULAR Nº 267 Documento normativo revogado pela Resolução 1665, de 29/11/1989. Comunicamos que a Diretoria do Banco Central do Brasil, em sessão realizada em 13 de agosto de 1975, decidiu, para efeito

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO SOBRE AS TAXAS DE JUROS VIGENTES NO BRASIL: Uma análise das hipóteses convencionais. 3ª. versão

ESTUDO TÉCNICO SOBRE AS TAXAS DE JUROS VIGENTES NO BRASIL: Uma análise das hipóteses convencionais. 3ª. versão ESTUDO TÉCNICO SOBRE AS TAXAS DE JUROS VIGENTES NO BRASIL: Uma análise das hipóteses convencionais. 3ª. versão Prof. Dr. Alberto Borges Matias FEA-RP/USP POR QUE SÃO ELEVADAS AS TAXAS DE JUROS? Prof. Dr.

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011

A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades. Britcham São Paulo. Rubens Sardenberg Economista-chefe. 25 de fevereiro de 2011 A Economia Brasileira e o Governo Dilma: Desafios e Oportunidades Britcham São Paulo 25 de fevereiro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe Onde estamos? Indicadores de Conjuntura Inflação em alta

Leia mais

Crédito - junho. Brasil - Estoque de Crédito como Proporção do PIB (%)

Crédito - junho. Brasil - Estoque de Crédito como Proporção do PIB (%) set/03 fev/04 jul/04 mai/05 out/05 mar/06 ago/06 jan/07 nov/07 abr/08 fev/09 jul/09 mai/10 out/10 ago/11 jan/12 Crédito - junho 26/07/12 Diversos indicadores do crédito no Brasil em junho seguiram a trajetória

Leia mais

1 Banco do Brasil S.A. 2 Banco Central do Brasil. 3 Banco da Amazônia S.A. 4 Banco do Nordeste do Brasil S.A. 6 Banco Nacional Crédito Cooperativo S/A

1 Banco do Brasil S.A. 2 Banco Central do Brasil. 3 Banco da Amazônia S.A. 4 Banco do Nordeste do Brasil S.A. 6 Banco Nacional Crédito Cooperativo S/A Número Nome 1 Banco do Brasil S.A. 2 Banco Central do Brasil 3 Banco da Amazônia S.A. 4 Banco do Nordeste do Brasil S.A. 6 Banco Nacional Crédito Cooperativo S/A 7 BNDES - Banco Nacional de Desenvolv.

Leia mais

Nova Estrutura de Dados de Crédito

Nova Estrutura de Dados de Crédito Nova Estrutura de Dados de Crédito Este boxe apresenta as principais alterações introduzidas recentemente nas estatísticas de crédito publicadas pelo Banco Central 1. A reformulação objetivou ampliar a

Leia mais

Atravessando a Crise Mundial

Atravessando a Crise Mundial 1 Atravessando a Crise Mundial LIDE Ministro Guido Mantega Fevereiro de 2009 1 2 Agravamento da Crise Mundial Crise Financeira externa não foi suficientemente equacionada Recessão global vai tomando corpo

Leia mais

DDA Débito Direto Autorizado. Manual de utilização Perguntas e respostas Maio_2016

DDA Débito Direto Autorizado. Manual de utilização Perguntas e respostas Maio_2016 DDA Débito Direto Autorizado Manual de utilização 1. O que é o DDA Débito Direto Autorizado Uniprime? É um serviço para cooperados Uniprime, Pessoa Física e Jurídica, que permite receber eletronicamente

Leia mais

Fontes de Financiamento para Recursos e Serviços Próprios. www.centralnacionalunimed.com.br

Fontes de Financiamento para Recursos e Serviços Próprios. www.centralnacionalunimed.com.br Fontes de Financiamento para Recursos e Serviços Próprios www.centralnacionalunimed.com.br Ter um recurso próprio é um bom negócio? Números do Sistema Unimed 101 Hospitais (14 acreditados ) 18 Hospital

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Governador do Estado Geraldo Alckmin Secretário de Gestão Pública Davi Zaia Fundação do Desenvolvimento Administrativo (Fundap) Diretor Executivo Geraldo Biasoto Junior GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Luis

Leia mais

Cartão de Crédito Consignado. Um excelente benefício para o Servidor

Cartão de Crédito Consignado. Um excelente benefício para o Servidor Cartão de Crédito Consignado Um excelente benefício para o Servidor Institucional O Banco Daycoval S/A, fundado em 1968, é um dos líderes de crédito para empresas, resultado obtido através da estratégia

Leia mais

- Cessão de Direitos Substituição

- Cessão de Direitos Substituição Tabela de Tarifas Pessoa Física - Serviços Especiais Divulgada em 05.04.2012 (a) - Tarifa alterada, ( i ) - Tarifa incluída, com vigência a partir de 04.05.2012 Produtos e Serviços / Periodicidade Cobrança

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS - MAIO As taxas de juros das operações de crédito ficaram estáveis em maio/2013. Vale destacar que em maio o Banco Central voltou a elevar

Leia mais

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo

Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil. Prof. Cláudio Bernardo Fontesde Financiamentoe CustodaDívidano Brasil Introdução Intermediação Financeira Captação x Aplicação Risco x Retorno Spread Bancário CDI Análise do Crédito Empréstimos e financiamentos Banco Tomador

Leia mais

Workshop Financiamento da Economia Brasileira. INVESTIMENTOS Cenário e Simulações

Workshop Financiamento da Economia Brasileira. INVESTIMENTOS Cenário e Simulações Workshop Financiamento da Economia Brasileira III - FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS Cenário e Simulações Brasília 15/Setembro/2010 - Objetivo CENTRO DE ESTUDOS DE Utilizar a visão consolidada do sistema

Leia mais

Spread e juros bancários. Número 109 Abril de 2012

Spread e juros bancários. Número 109 Abril de 2012 Spread e juros bancários Número 109 Abril de 2012 Spread e juros bancários Introdução O desempenho da economia brasileira nos últimos anos e, principalmente, a perspectiva de crescimento por meio do investimento

Leia mais

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Ministro Paulo Bernardo Brasília - DF, outubro de 2009 Sumário 1. Situação recente do setor da construção civil 2. Medidas já adotadas pelo

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC SEMINÁRIO BANCO MUNDIAL CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil São Paulo 28/Abril/2011 SEMINÁRIO BANCO MUNDIAL SUMÁRIO 1. COMO AS EMPRESAS BRASILEIRAS SE

Leia mais

Economia e Mercado. Contextualização. Aula 5. Instrumentalização. Evolução da Moeda. Características Físicas. Prof. Me.

Economia e Mercado. Contextualização. Aula 5. Instrumentalização. Evolução da Moeda. Características Físicas. Prof. Me. Economia e Mercado Aula 5 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Do escambo ao mercado monetário atual Importância de conhecer o funcionamento do mercado monetário Instrumentalização Taxa de juros e inflação

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária Comentário Semanal A pesquisa Focus desta semana trouxe uma nova rodada de elevação das projeções para o IPCA, tanto para este ano como para 2011. Para 2010, a mediana das estimativas subiu para 5,29%

Leia mais

Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP

Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas -FIESP 06/03/2012 São Paulo FINANCIAMENTO DE INVESTIMENTOS NO BRASIL E NAS EMPRESAS SUMÁRIO 1. CEMEC:

Leia mais

Tabela de tarifas praticadas pelo Sicoob Crediauc Referência Março/201 1 CARTÃO SICOOBCARD CABAL (MÚLTIPLO) Taxa de Juros Quantidade de Parcelas 1.1 Anuidade função crédito - Essencial 30,00-1.2 Anuidade

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 04/2015 de 01/12/2015

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 04/2015 de 01/12/2015 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 04/2015 de 01/12/2015 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Mútuo dos Funcionários das Empresas de Cerâmica - CoopASPACER é o meio

Leia mais

Relatório de Economia Bancária e Crédito

Relatório de Economia Bancária e Crédito Relatório de Publicação anual do Banco Central do Brasil (BCB) Os textos e os quadros estatísti cos correspondentes são de responsabilidade dos seguintes componentes: Departamento de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD

Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD PRESS RELEASE Bovespa: BBDC3, BBDC4 Latibex: XBBDC NYSE: BBD Segunda-feira, 3/5/2004 Divulgação dos Resultados do 1 º trimestre 2004 O Banco Bradesco apresentou Lucro Líquido de R$ 608,7 milhões no 1 º

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em mar/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,06 trilhões em mar/15, após alta de 1,2% no mês

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Eficiência no Setor Bancário Brasileiro: a Experiência Recente das Fusões e Aquisições

Eficiência no Setor Bancário Brasileiro: a Experiência Recente das Fusões e Aquisições Capítulo 6 Eficiência no Setor Bancário Brasileiro: a Experiência Recente das Fusões e Aquisições João Adelino de Faria, Luiz Fernando de Paula e Alexandre Marinho 6.1 INTRODUÇÃO O setor bancário brasileiro

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda.

Empréstimo. Pagamento em até 30 meses; Sem taxa de abertura de crédito; Parcelas debitadas em conta; Limites analisados pela renda. Produtos Conta Corrente Com isenção de tarifas de manutenção, dez folhas cheques, quatro extratos mensais, emissão de extratos on-line, tarifas reduzidas, só na Credlíder. Conta Poupança A Poupança Credlider

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

CRA-RJ (Central de Remessa de Arquivos)

CRA-RJ (Central de Remessa de Arquivos) MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONVENIADOS PASSO A PASSO Atualizado em maio-2014 CRA-RJ (Central de Remessa de Arquivos) (21) 2507-1012 / (21) 2507-1498 / (21) 2507-1304 IEPTB-RJ (Instituto de Estudos de Protesto

Leia mais

Boletim informativo: Brasil em Foco

Boletim informativo: Brasil em Foco mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 Edição 3 Boletim informativo: Brasil

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Fevereiro 20051 Pilares da Política Macroeconômica - Equilíbrio fiscal - Manutenção da carga tributária do Governo Federal no nível de 2002 - Solidez das contas externas - Medidas

Leia mais

NORMATIVO SARB 010/2013, de 27.06.2013

NORMATIVO SARB 010/2013, de 27.06.2013 NORMATIVO SARB 010/2013, de 27.06.2013 O Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN institui o NORMATIVO DE CRÉDITO RESPONSÁVEL e estabelece um programa com diretrizes

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP

Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Custo de Capital das Empresas Industriais e as Novas Oportunidades do Mercado de Capitais -FIESP 12/03/2012 São Paulo C. A. Rocca INDICE 1. CEMEC: natureza,

Leia mais

PLATAFORMA SUPERLÓGICA FINANCEIRO

PLATAFORMA SUPERLÓGICA FINANCEIRO Como funciona a plataforma Superlógica? - Livro 3 de 4 PLATAFORMA SUPERLÓGICA FINANCEIRO Como funciona a gestão financeira? Como você vai fazer pagamentos e gerenciar as finanças de sua empresa? www.superlogica.com

Leia mais

BB Crediário Internet. Solução em Financiamento para sua Loja Virtual

BB Crediário Internet. Solução em Financiamento para sua Loja Virtual BB Crediário Internet Solução em Financiamento para sua Loja Virtual Agosto 2009 Índice 1. Para sua Loja Virtual 1.1 O que é o BB Crediário Internet? 02 1.2 Qual a vantagem de ser conveniado ao BB? 02

Leia mais

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos Financiamento de veículos Crédito Pessoa Física Principais Produtos 115 +11% Carteira de Crédito 124 +3% 127 Crédito ao Consumo Veículos R$ Bilhões Pessoa Física Crédito Consignado 1 32 Cartão de Crédito

Leia mais

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Mensal Novembro/ 2.014 Acumulado janeiro a novembro/2014 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados

Leia mais

Meios de Pagamento. Leandro Vilain

Meios de Pagamento. Leandro Vilain Meios de Pagamento Leandro Vilain Principais Conceitos Funções da Moeda Unidade de Troca: a moeda funciona como meio intermediário de todas as transações econômicas, tanto de bens e serviços, quanto de

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Março de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 2º semestre/12 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade Crédito

Leia mais

Atuação Tribanco. Presente em todos Estados Brasileiros; Presente em 60% dos Municípios Brasileiros; Quantidade de Clientes Varejo: 36.

Atuação Tribanco. Presente em todos Estados Brasileiros; Presente em 60% dos Municípios Brasileiros; Quantidade de Clientes Varejo: 36. Atuação Tribanco. Presente em todos Estados Brasileiros; Presente em 60% dos Municípios Brasileiros; Quantidade de Clientes Varejo: 36.079 Soluções para promover o desenvolvimento sustentável de seus clientes;

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE CRÉDITO DO BANCO CENTRAL - SCR

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE CRÉDITO DO BANCO CENTRAL - SCR SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE CRÉDITO DO BANCO CENTRAL SCR 1. HISTÓRICO Em 1997, o Conselho Monetário Nacional, por meio da Resolução 2.390, substituída em 2000 pela Resolução 2.724, determinou o envio ao

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

CONTRATO GERAL DE MATRÍCULA PARA CURSOS E EVENTOS DE EXTENSÃO PESSOA JURÍDICA

CONTRATO GERAL DE MATRÍCULA PARA CURSOS E EVENTOS DE EXTENSÃO PESSOA JURÍDICA Criado em 29/09/2015 12:00 - Página 1 de 6 CONTRATO GERAL DE MATRÍCULA PARA CURSOS E EVENTOS DE EXTENSÃO PESSOA JURÍDICA Ao solicitar matrícula no curso ou evento, a empresa declara estar ciente das cláusulas

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Anual 2.013 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e,

Leia mais

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor

Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza & Papel dos Bancos como Alavancadores do Crescimento do Setor MB ASSOCIADOS XVIII Congresso Fenabrave Federação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores Curitiba, 22 de agosto de 2008 1 Impacto da Indústria Automobilística na Geração de Riqueza

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 7.130, DE 2006 VOTO EM SEPARADO

PROJETO DE LEI N o 7.130, DE 2006 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 7.130, DE 2006 Acrescenta o artigo 6-A à Lei n.º 10.820, de 17 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a autorização para desconto de prestações

Leia mais

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles

As mudanças estruturais da economia brasileira. Henrique de Campos Meirelles As mudanças estruturais da economia brasileira Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 Inflação 18 16 14 12 8 6 4 2 IPCA (acumulado em doze meses) projeção de mercado 0 03 06 11 Fontes: IBGE e Banco Central

Leia mais

TETO PARA CASAS DE APOIO - (PORTARIA 2190)

TETO PARA CASAS DE APOIO - (PORTARIA 2190) ANEXO I TETO PARA CASAS DE APOIO - (PORTARIA 2190) ESTADOS TETO PARA CASAS DE APOIO ACRE 40.000,00 ALAGOAS 105.000,00 AMAPA 57.000,00 AMAZONAS 150.000,00 BAHIA 555.000,00 CEARÁ 320.000,00 DISTRITO FEDERAL

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015

Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil. Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Evolução Recente da Economia e da Política Econômica do Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 19 de Outubro de 2015 Estrutura 1. Termos de troca e taxa de câmbio 2. Taxa

Leia mais

Serasa Experian. Cadastro Positivo. fernanda.monnerat@br.experian.com. fernanda.monnerat@br.experian.com

Serasa Experian. Cadastro Positivo. fernanda.monnerat@br.experian.com. fernanda.monnerat@br.experian.com Serasa Experian Cadastro Positivo fernanda.monnerat@br.experian.com fernanda.monnerat@br.experian.com Inadimplência das Empresas no Brasil Empresas negativadas: 3,9 Milhões de Junho/15 x 3,5 milhões Junho/14

Leia mais