Jornadas sobre regulación de agencias de rating y otras tendencias en la supervisión financiera 12 al 16 de noviembre de 2012 La Antigua, Guatemala

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornadas sobre regulación de agencias de rating y otras tendencias en la supervisión financiera 12 al 16 de noviembre de 2012 La Antigua, Guatemala"

Transcrição

1 Jornadas sobre regulación de agencias de rating y otras tendencias en la supervisión financiera 12 al 16 de noviembre de 2012 La Antigua, Guatemala 1

2 Princípios IOSCO Dark Liquidity Uwe Kehl Gerente de Relações Internacionais CVM 2

3 Introdução Comitê Técnico da IOSCO: Fevereiro/2009 O Mandato para o Standing Committee on the Regulation of Secondary Markets (TCSC2) identificou e examinou os seguintes pontos relacionados ao trading de ações nos dark pools e à viabilidade de dark orders nas bolsas de valores tradicionais: Transparência e formação de preços; Fragmentação; Conhecimento das intenções de negociação; Acesso justo; e Capacidade de avaliar o volume real negociado em dark pools. *Fonte: reguladores, recintos /plataformas de negociação e usuários. 3

4 Introdução Em Outubro/2010 o TCSC2 publicou o Consultation Report (Issues Raised by Dark Liquidity). Nele foram discutidos (i) as características dos dark pools e dark orders; (ii) os ambientes regulatórios de diferentes jurisdições; e (iii) formação de preço, fragmentação e integridade do mercado. Em Maio/2011 o Technical Committee divulgou o Final Report on Principles for Dark Liquidity, estabelecendo princípios para orientar reguladores, plataformas de negociação e usuários de dark liquidity. 4

5 Princípios Tópicos: Transparência pré/pós-negociação; Introdução Incentivos ao uso de ordens transparentes; Reporting aos reguladores ; Divulgação de informações aos participantes de mercado; e Regulação para o desenvolvimento de dark pools e dark orders. 5

6 Background A estrutura do mercado global de ações passou por mudanças significativas nos últimos anos, e, como consequência, em muitas jurisdições a busca da melhor execução pelos participantes de mercado envolve a consideração de múltiplas fontes liquidez para os títulos de capital. Isso inclui as bolsas de valores e os demais locais e plataformas de negociação, tais como os Sistemas de Trading Alternativos ATS (EUA e CAN), e os Sistemas de Trading Multilaterais - MTF (Europa). Os operadores de mercado sempre buscaram maneiras de preservar o anonimato e executar as ordens com o mínimo de impacto no mercado. Uma inovação foi o uso estendido de dark liquidity e o desenvolvimento das chamadas dark pools, possíveis graças ao uso de novas tecnologias e de novos modelos de trading. Isso resultou, entre outras coisas, no crescimento significativo no número de dark pools que não disponibilizam qualquer tipo de cotação. 6

7 Definições Background Dark Pool: qualquer pool de liquidez que possa ser acessada eletronicamente sem fornecer, na pré-negociação, qualquer transparência a respeito das ordens recebidas. Pode operar como um ATS, um MFT, um sistema de trading provido por um dealer ou um sistema dentro de um mercado transparente (tal como uma bolsa de valores). Dark Order: ordem eletrônica que pode ser automaticamente executada e para qual não há qualquer transparência na pré-negociação. Tem o potencial de minimizar o impacto no mercado pois os outros participantes não conhecem a sua existência. Esse tipo de ordem entra por uma plataforma de negociação normalmente transparente. 7

8 Dark pools e dark orders podem atender uma demanda crescente do mercado; todavia, podem levantar questões regulatórias que merecem um exame minucioso. Iniciativas Background Comitê Técnico da IOSCO: TCSC2 - Fevereiro/2009 Em fevereiro de 2009, o Comitê Técnico aprovou um mandato pelo qual TCSC2 examinou (i) as principais questões levantadas pela negociação de ações nos dark pools e (ii) a viabilidade de dark orders nas bolsas de ações tradicionais. O TCSC2 também inquiriu se o uso crescente de dark liquidity poderia ter efeitos adversos sobre o mercado e em caso afirmativo, quais seriam as opções disponíveis aos reguladores para atenuar esses efeitos. 8

9 Background e Propósitos O TCSC2 examinou os seguintes pontos identificados pelo mandato: Transparência e formação de preços; Fragmentação; Conhecimento das intenções de negociação; Acesso justo; e Capacidade de avaliar o volume real negociado nas dark pools. Em consonância com mandato, para examinar as questões acima, o TCSC2 realizou surveys para obter as informações necessárias de reguladores, de plataformas de negociação e de usuários de dark liquidity. 9

10 Transparency Report (TR): IOSCO 2001 Background "A transparência do mercado... é geralmente considerada como fundamental tanto para a equidade como para a eficiência de um mercado, em particular para a liquidez e qualidade de formação dos preços. Todavia, o TR reconheceu que a transparência pode criar desincentivos para aqueles que negociam grandes blocos ou colocam capital para facilitar a negociações maiores. Os reguladores devem considerar duas dimensões ao desenvolver um regime de transparência: (i) se é adequado prever isenções para entidades cujo market share caia abaixo de um certo limite, e se assim for, que limite deve ser, e (ii) até onde estender os requisitos de transparência fora dos recintos das das bolsas (e suas plataformas). O Relatório de Transparência observou ainda que a mesma abordagem pode não ser adequada para todas as plataformas ou tipos de negociação. 10

11 Background Alguns Trabalhos Internacionais Recentes Securities and Exchange Commission (SEC) EUA: Consultation Paper discutindo questões regulatórias relativas às dark pools; Canadian Securities Administrators e Investment Industry Regulatory Organisation of Canada: Position Paper traçando um quadro potencial para a regulação de dark pools e dark orders; Australian Securities and Investments Commission (ASIC) Austrália: Consultation Paper discutindo propostas para melhorar a regulação dos mercados de capital da Austrália, incluindo as questões que relativas ao uso de dark pools. 11

12 Características Dark Pools - Finalidade Dark pools não são um fenômeno novo. Têm existido por muitos anos, por exemplo, nos floors de bolsas de valores e no upstairs market, onde os dealers negociavam a execução de transações envolvendo grandes blocos de ações entre clientes e através da utilização de seu próprio capital; Dark Liquidity é um instrumento muito utilizado como uma forma de os comitentes (traders) preservarem o anonimato e executar as ordens com um impacto mínimo no mercado; O que é novo são (i) a automação de dark pools, (ii) sua ampla disponibilidade e a (iii) evolução do seu uso (por exemplo, para ordens menores, pelo menos em algumas jurisdições). 12

13 Por que dark pools são utilizados pelos traders? para minimizar o vazamento de informação; para minimizar os custos de impacto no mercado; para facilitar a execução de grandes blocos, o que pode ser difícil de se conseguir em mercados transparentes; para assegurar um melhor controle de uma ordem; para proteger dados de negociação referente aos proprietários; para gerenciar a interação com algoritmos ou programas que procuram identificar ou farejar dark orders usadas em mercados transparentes; para tirar vantagem da possibilidade de melhoria de preços; e para minimizar os custos de transação. Características 13

14 Características Como Dark Pools operam? A operação das dark pools varia muito entre e dentro de jurisdições; Dark pools podem ser diferenciadas com base através de uma série de características, incluindo: direitos de acesso; estrutura; tipos de ordens permitidas; como as ordens são inseridas (entradas); e como os preços são referidos e executados. 14

15 Características Acesso - geralmente depende do operador e da estrutura da dark pool. O acesso pode ser fornecido para: clientes do participante somente; investidores institucionais somente; grandes corretores somente; outros recintos e plataformas de negociação; ou uma combinação de qualquer um dos acima mencionados. Tipos de ordens permitidas a mercado; limitada; indexada (pegged); midpoint (ponto médio entre bid e offer); imediata ou de cancelamento; ou minimum order quantity (e.g. large-size orders). 15

16 Características Envio de ordens as ordens são enviadas: diretamente via um participante do mercado; indiretamente como resultado do roteamento eletrônico de ordens; ou a dark pool pode varrer ordens de clientes que foram apresentados na carteira de pedidos de broker/dealer. Determinação de Preços os preços dentro de dark pools são muitas vezes referenciado àqueles exibidos nos principais mercados dentro de uma ou mais jurisdições. Especificamente, o preço de execução pode ser determinado: pelo melhor bid ou offer (BBO); pelo ponto médio (midpoint) do BBO; dentro do spread ponderado por volume do BBO; ou dentro do preço médio ponderado pelo tempo do BBO. 16

17 Execução de ordens as ordens podem ser executadas: numa base contínua; durante um leilão em pregão; ou de acordo com a negociação entre as partes (por exemplo, preço, data de liquidação e volume). Outras características diversas modelo operacional/estrutura (diferentes tipos de dark pools existem, incluindo aqueles operados por bolsas de valores, e por sistemas internos de cruzamento/processos ; agência x negociação principal; sistemas de cruzamento/processos onde o dealer está em risco; IOI allowance. Características 17

18 1- Abordagens regulatórias atuais: (a)operadores Ambiente Regulatório Operadores de dark pools são regulados de várias maneiras nas jurisdições; alguns são operados e regulados como bolsas, enquanto alguns têm a opção de operar e ser regulamentados como um sistema dentro das bolsas, caso em que os requisitos aplicáveis às bolsas se aplicam. Por outro lado, em muitas jurisdições, dark pools podem ser ATS, MTF ou meros sistemas de cruzamento/processos. (b)dark Orders e IOI s Dark orders são normalmente sujeitas às mesmas normas que as demais ordens; entretanto, elas não estão sujeitas aos requisitos de transparência do pre-trade (pré-negociação). Nota: IOI (indication of interest) quando a plataforma de negociação na qual a ordem é inserida transmite indicações do interesse em relação à ordem. 18

19 2- Transparência: Ambiente Regulatório Elemento central para atestar que os mercados operam de forma justa, ordenada e eficiente; Facilita aos participantes do mercado, bem como aos emissores, compreender tanto os volumes como os preços de negociação; Também permite-lhes avaliar a qualidade relativa da execução obtida; A maneira pela qual os reguladores procuram garantir que um mercado opere com transparência pode variar; contudo, depende de como os títulos de capital são negociados, bem como da maneira pela qual as estruturas regulamentar e de mercado evoluíram; Em termos gerais, os reguladores estabelecem princípios, criam regras e/ou aprovam e analisam arranjos individuais para plataformas de negociação. Muitas vezes, a abordagem adota vários ou todos estes elementos. 19

20 Ambiente Regulatório 2- Transparência: (a) Abordagens atuais para transparência na pré-negociação É importante que os reguladores assegurem que a informação sobre a prénegociação esteja disponível, se necessário, de maneira justa, ordenada e eficiente. Isto é especialmente verdade dada a natureza cada vez mais fragmentada e complexa dos mercados; Ao mesmo tempo, os reguladores devem também ter em mente os interesses dos investidores profissionais (ou seja, não de varejo), que estão principalmente preocupados com os custos de transparência pré-negociação, visto que negociam blocos de ações normalmente muito grandes; Os interesses dos investidores profissionais são frequentemente citados como uma das principais razões para o interesse atual em dark pools e dark orders. 20

21 Ambiente Regulatório 2- Transparência: A maioria dos reguladores não proíbe dark pools ou a execução de dark orders em mercados de outra forma transparentes. Várias características são comuns entre as jurisdições onde o dark trading é permitido, por exemplo, os reguladores: geralmente não restringem o tipo de plataforma de negociação que pode operar uma dark pool. A maior partes destes negócios ocorre dentro de ATS, MTF ou empresas de investimento; podem impor condições sobre os operador e/ou a execução das ordens. Por exemplo, uma plataforma de negociação pode ser autorizada a oferecer oportunidades de dark trading, mas estas oportunidades podem, contudo, estar sujeitas a requisitos de transparência na pós-negociação; e podem impor limitações na maneira como o trading ou a execução das ordens ocorrem. 21

22 2- Transparência: Ambiente Regulatório (b) Abordagens atuais para transparência na pós-negociação Em geral, informações sobre os negócios executados (incluindo volume, símbolo, preço, tempo e, em algumas jurisdições, identificador de mercado) em dark pools devem ser publicadas imediatamente. Em algumas situações específicas, a publicação das informações pode ser adiada para grandes transações. A natureza da informação pós-negociação que é divulgada ao público também varia entre as jurisdições. 22

23 3- Reporting ao Regulador Ambiente Regulatório A exigência de que os negócios realizados em dark pools sejam comunicados aos órgãos reguladores é comum entre as jurisdições, embora a natureza da informação que é relatada varie; Em algumas jurisdições, se um operador de uma dark pool é membro de uma bolsa, ou se as transações são realizadas em uma bolsa nacional, a informação pós-negociação deve ser fornecida ao regulador logo após o negócio ser executado, embora as exceções possam existir em grande volume de transações. 23

24 Questões Regulatórias O Comitê Técnico identificou uma série de questões que envolvem o uso de dark pools e dark orders em mercados transparentes, muitas dos quais não são exclusivos desses tipos de ordens. Essas questões envolvem: o impacto no processo de formação de preços, quando existe um número considerável de dark orders e/ou dark orders submetidas em dark pools que podem ou não ser publicados; o impacto da fragmentação potencial nas buscas de informações e de liquidez; e o impacto na integridade do mercado, devido a possíveis diferenças no acesso aos mercados e à informação. 24

25 Questões Regulatórias 1- Formação de Preços: Formação de preço é o processo através do qual o preço atual de mercado de um valor mobiliário é estabelecido para, entre outras coisas, efetuar uma execução ou valorizar uma posição previamente existente. Deriva (i) da oferta e da procura por um valor mobiliário, o que indica a disposição de um participante negociar a um determinado preço, e (ii) das informações sobre transações realmente tenham ocorrido. Existe a possibilidade de que o desenvolvimento de dark pools e uso de dark orders possam inibir o processo de preço; O Comitê Técnico considera a transparência na pré-negociação um elementochave no processo de formação de preços, visto que se um número suficientes de ordens não é transparente para os participantes, ou há informações desiguais ou incompletas sobre ordens transparentes, poderá haver informações insuficientes sobre preços para os participantes do mercado identificar oportunidades de negociação. 25

26 Questões Regulatórias 1- Formação de Preços: Reguladores indicaram em suas respostas ao Survey do TCSC2 sobre Dark Liquidity que possuem políticas/estruturas reguladoras destinadas a proteger a integridade do processo de formação de preços. Isto pode ser conseguido através de, por exemplo: assegurar que as ordens transparentes recebam prioridade de execução sobre as dark orders de mesmo preço, dentro de uma mesma plataforma de negociação; garantir espaço limitado para dispensas de transparência na prénegociação; referenciar os preços dentro das dark pools aos das bolsas de valores nacionais; trade through protection 26

27 Questões Regulatórias 1- Formação de Preços Transparência pós-negociação O Comitê Técnico também considera a transparência pós-negociação um importante elemento dentro do processo de formação de preço. No entanto, a difusão de informações sobre operações realizadas em uma dark pool não é universal; Em resposta ao Survey do TCSC2, os reguladores de um grande número de jurisdições indicaram que o volume total de negócios (incluindo execuções resultantes de dark orders) é publicado pelas bolsas; no entanto, essas execuções muitas vezes não são explicitamente identificadas como resultantes de dark orders; Os reguladores geralmente recebem informações sobre negócios realizados por meio de dark pools; apesar deste acesso à informação, sentiu-se que algumas iniciativas de regulamentação podem ser necessárias para melhorar a precisão das informações disponíveis. 27

28 Questões Regulatórias 2- Fragmentação potencial de Informação e de Liquidez Outra questão importante que surge com respeito à dark pools é a fragmentação potencial de informações e da liquidez quando há muitos dark pools diferentes em operação. Deve-se reconhecer, no entanto, que há outras causas potenciais de fragmentação do mercado, sem relação com as dark pools. Na verdade, este é um problema comum em qualquer jurisdição onde existam múltiplos mercados; Múltiplas dark pools podem apresentar problemas específicos de fragmentação da informação, devido à sua falta de transparência na prénegociação, bem como há a possibilidade de que informações do pósnegociação não sejam, em algumas jurisdições, consolidadas com as informações pós-negociação oriundas de outros locais/plataformas de negociação; 28

29 Questões Regulatórias 2- Fragmentação Potencial de Informação e de Liquidez Em geral, a menos que um comitente (trader) seja capaz de enviar e receber um IOI, a única maneira de saber se uma dark pool tem liquidez é encaminhar uma ordem a ela. Isso leva a custos de busca potencialmente mais altos e a fragmentação da liquidez, resultando em um possível impacto na eficiência do mercado, com os participantes tendo que realizar 'pings' nas múltiplas dark pools, como forma de avaliar a liquidez. 29

30 Questões Regulatórias 3- Imparcialidade e Integridade dos Mercado IOSCO: um dos três objetivos principais da regulação é garantir que os mercados sejam imparciais (equitativos), eficientes e transparentes. A imparcialidade dos mercados está intimamente ligada à proteção dos investidores e, em particular, à prevenção de práticas comerciais inadequadas. Estruturas de mercado não devem favorecer indevidamente alguns usuários do mercado em detrimento de outros; A regulação deve buscar assegurar que os investidores tenham acesso equitativo ao mercado, assim como ao preço e à informação. A regulamento deverá também promover as práticas de mercado que assegurem tratamento equitativo de ordens e de um processo de formação de preços confiável; e Em um mercado eficiente, a disseminação de informações relevantes é tempestiva e difundida, e se reflete no processo de formação de preços. 30

31 Questões Regulatórias 3- Imparcialidade e Integridade dos Mercado (a) Acesso ao mercado: a preocupação é exacerbada quando uma dark pool possui um market share significativo e os participantes não conseguem ter acesso à liquidez dentro da dark pool; (b) Acesso à informação: preocupações regulatórias em relação a dark pools também surgem, onde o acesso à informação sobre a liquidez é fornecida somente a um subgrupo de participantes do mercado. Isto criaria um mercado de dois níveis, prejudicando aqueles participantes que não receberam a informação; (c) Disclosure e Regras de Conduta: a falta de informações sobre a operação das dark pools e dark orders pode acarretar que participantes do mercado tomem decisões desinformadas sobre como negociar (i) dentro das dark pools ou (ii) usando dark orders. Isso poderia resultar em uma falta de confiança no funcionamento ou eficiência do mercado ou do arcabouço regulatório; 31

32 Questões Regulatórias 3- Imparcialidade e Integridade dos Mercado Os seguintes tipos de informação podem ser úteis aos participantes do mercado: alocação de execução (por exemplo, se a plataforma é um call market, é a alocação proporcional ou com base em prioridade de tempo); a interação entre dark orders e os demais tipos de ordem; tipos de participantes; Quando IOI s são permitidos em uma jurisdição, que informação é fornecida e para quem; e se o participante pode optar por não ter que enviar IOI s sobre suas próprias ordens. 32

33 Princípios para abordar Questões Regulatórias Os princípios são elaborados para: minimizar o impacto negativo do aumento do uso de dark pools / orders no processo de formação de preço, promovendo a transparência pré-negociação e pós-negociação e incentivando a prioridade das ordens transparentes; mitigar o efeito de qualquer eventual fragmentação de informação / liquidez, promovendo a transparência pré e pós negociação a) consolidação da informação; ajudar a garantir que os reguladores tenham acesso a informações adequadas para monitorar o uso de dark pools e dark orders para fins de monitoramento do mercado e para permitir uma resposta adequada aos desenvolvimentos do mercado; ajudar a assegurar que os participantes do mercado tenham informação suficiente de modo que sejam capazes de compreender a maneira pela qual as ordens serão tratadas e executadas. 33

34 Princípios para abordar Questões Regulatórias Tópico 1: Transparência para os Participantes do Mercado e Emissores a)transparência na pré-negociação (pre-trade) Princípio 1: O preço e o volume de ordens firmes devem geralmente ser transparentes para o público. No entanto, os reguladores podem optar por não exigir a transparência prénegociação para certos tipos de estruturas de mercado e de ordens. Nestas circunstâncias, devem considerar o impacto de fazê-lo na formação de preços, na fragmentação, na equidade e qualidade global do mercado. 34

35 Princípios para abordar Questões Regulatórias Tópico 1: Transparência para os Participantes do Mercado e Emissores b)transparência na pós-negociação (post-trade) Princípio 2: As informações sobre as transações, incluindo aquelas executadas em dark pools ou como um resultado de dark orders estradas por mercados transparentes, devem ser transparentes para o público. No que diz respeito à informação específica que deve ser feita transparente, os reguladores devem considerar tanto o impacto positivo e negativo de identificação de uma plataforma escura (dark venue) e/ou o fato de que transação resultou de uma dark order. 35

36 Princípios para abordar Questões Regulatórias Tópico 2: Prioridade da Ordens Transparentes Princípio 3: Nas jurisdições onde o dark trading é geralmente permitido, os reguladores devem tomar medidas para apoiar o uso de ordens transparentes ao invés de dark orders executadas em mercados transparentes ou ordens enviadas a dark pools. Ordens transparentes devem ter prioridade sobre as dark orders de mesmo preço dentro de uma plataforma de negociação. 36

37 Princípios para abordar Questões Regulatórias Tópico 3: Reporting aos Reguladores Princípio 4: Os Reguladores devem ter um regime de reporting e/ou meios de acesso à informação sobre ordens e transações em plataformas que usam a negociação em dark pools ou dark orders. 37

38 Princípios para abordar Questões Regulatórias Tópico 4: Disponibilidade de informação aos participantes do mercado sobre dark pools e dark orders Princípio 5: Dark pools e mercados transparentes que oferecem dark orders devem fornecer aos participantes do mercado informações suficientes para que eles sejam capazes de compreender a maneira pela qual as suas ordens são tratadas e executadas. 38

39 Princípios para abordar Questões Regulatórias Tópico 5: dark orders Regualção - Desenvolvimento de dark pools e Princípio 6: Os Reguladores devem monitorar periodicamente o desenvolvimento de dark pools e o uso de dark orders em suas jurisdições de forma a evitar que seu desenvolvimento não afete negativamente a eficiência do processo de formação de preço, e tomar medidas adequadas, se necessário. 39

40 Dark Liquidity - Brasil Mercado de Capitais Brasileiro Dark pools não operam no Brasil. A regulamentação/regra existente define que, se um título é listado em Bolsa de Valores, só pode ser comercializado em outra Bolsa que ofereça um regime de transparência pré-negociação / pós-negociação equivalente ao seu regime de transparência; Tampouco são permitidas dark orders ou IOI s; No Brasil, uma dark pool só poderia existir em um ambiente definido como um mercado de balcão organizado, geralmente projetada para o mercado de corporate bonds. Ações e contratos de derivativos padronizados não podem ser negociadas em uma dark pool. 40

41 Dark Liquidity - Brasil Instrução CVM 461/07 Para o mercado de ações, a regra existente (Instrução CVM 461/07) define que a plataforma ou sistema de negociação deve possuir características, procedimentos e regras de negociação previamente estabelecidos de forma a permanentemente permitir: I - a formação regular, adequada e eficaz do preço; II - a pronta condução, visibilidade e registro das operações realizadas; e III a imediata, detalhada e ampla divulgação pública de ordens e negócios. 41

42 Dark Liquidity - Brasil Instrução CVM 168/91 Block Trade De acordo com o artigo 1º da Instrução CVM 168/91, as bolsas de valores deverão adotar procedimentos especiais de negociação para as operações que apresentem: I quantidade de ações ou direitos sensivelmente superior à média diária negociada nos últimos pregões, ou qualquer bloco substancial, mesmo que a negociação não envolva transferência de controle; II preço sensivelmente superior ou inferior à média dos últimos pregões. 42

43 Dark Liquidity - Brasil Instrução CVM 168/91 Block Trade Nos termos do artigo 8º da Instrução CVM 168/91, procedimentos especiais de negociação são aqueles que visam o oferecimento de condições adequadas à participação equitativa dos investidores nas operações realizadas em bolsas de valores, bem como a observância de procedimentos específicos exigidos na legislação para determinadas operações. 43

44 QUADRO EXPLICATIVO Instrução CVM 168/91 AÇÕES PREFERENCIAIS Dark Liquidity - Brasil QUANTIDADE NEGOCIADA 1% 3% 5% 20% REGISTRA MEDIA 5 X IMEDIATO NACIONAL 10X 1 HORA 15 MIN. 15 MIN. 1 HORA 1 HORA 24 HORAS 48 HORAS 1 HORA 24 HORAS 48 HORAS 1 HORA 24 HORAS 48 HORAS AÇÕES ORDINÁRIAS QUANTIDADE NEGOCIADA 0,5% 1% 3% 6% REGISTRA.IMEDIATO 1 HORA 24 HORAS 48 HORAS MEDIA 5 X IMEDIATO IMEDIATO 1 HORA 24 HORAS 48 HORAS NACIONAL 10X 1 HORA 1 HORA 1 HORA 24 HORAS 48 HORAS 44

45 Contact Info Uwe Kehl Gerente, Relaciones Internacionales CVM - Comissão de Valores Mobiliários, Brasil /

46 Dark Liquidity Muchas Gracias! Muito Obrigado! Thank You! 46

Regulação do mercado de valores mobiliários: modelos e objetivos.

Regulação do mercado de valores mobiliários: modelos e objetivos. Regulação do mercado de valores mobiliários: modelos e objetivos. Flavia Mouta Superintendente de Desenvolvimento do Mercado São Paulo, 11 de setembro de 2014 O conteúdo deste apresentação reflete a opinião

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. Dispõe sobre operações sujeitas a procedimentos especiais nas Bolsas de Valores.

Leia mais

Resumo do enquadramento de operações para procedimentos especiais

Resumo do enquadramento de operações para procedimentos especiais Funcionamento dos Leilões da Bovespa Denomina-se apregoação por leilão aquela realizada com destaque das demais, mencionando-se, obrigatoriamente, o Ativo, o lote e o preço. As apregoações por leilão poderão

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL INTRODUÇÃO 1. A Australian Securities Commission e a Comissão de Valores Mobiliários, reconhecendo

Leia mais

Aldo Luiz Mendes Diretor de Política Monetária

Aldo Luiz Mendes Diretor de Política Monetária Aldo Luiz Mendes Diretor de Política Monetária Banco Central do Brasil Conferência ICMA no Brasil Hotel Tívoli São Paulo 8.5.2014 1 A regulação europeia e os mercados financeiros no Brasil 2 Compromissos

Leia mais

Pontos alterados na Política Comercial

Pontos alterados na Política Comercial POLÍTICA COMERCIAL VIGENTE VERSÃO 1.1 POLÍTICA COMERCIAL REVISADA 2 DISTRIBUIDORES de Market Data BM&FBOVESPA DISTRIBUIDOR de market data é qualquer organização que distribui o Market Data BM&FBOVESPA.

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 20 de agosto de 2008 033/2008-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Início da Negociação via

Leia mais

Pontos alterados na Política Comercial

Pontos alterados na Política Comercial POLÍTICA COMERCIAL VIGENTE VERSÃO 1.1 POLÍTICA COMERCIAL REVISADA 2 DISTRIBUIDORES de Market Data BM&FBOVESPA DISTRIBUIDOR de market data é qualquer organização que distribui o Market Data BM&FBOVESPA.

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio da rede mundial de computadores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Instrução nº 505, de 27 de setembro de 2011 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários em mercados regulamentados de valores mobiliários. A PRESIDENTE

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG

MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG MEMORANDUM DE ENTENDIMENTO ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E FUTUROS DE HONG KONG 1. INTRODUÇÃO A Comissão de Valores Mobiliários do Brasil - CVM e

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

AULA 16. Mercado de Capitais III

AULA 16. Mercado de Capitais III AULA 16 Mercado de Capitais III FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE AÇÕES Mercado de bolsa: as negociações são abertas e realizadas por sistema de leilão, ou seja, a venda acontece para quem oferece melhor lance.

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

Política de Execução de Ordens

Política de Execução de Ordens Plus500CY Ltd. Política de Execução de Ordens Política de Execução de Ordens Esta Política de Execução de Ordens representa parte do Acordo do Cliente definida no Acordo do Usuário. 1. CONDUÇÃO DOS NEGÓCIOS

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Mercado Secundário de Valores Mobiliários: Negociação e Pós-Negociação

Mercado Secundário de Valores Mobiliários: Negociação e Pós-Negociação Mercado Secundário de Valores Mobiliários: Negociação e Pós-Negociação As opiniões e conclusões externadas nesta apresentação são de inteira responsabilidade do palestrante, não refletindo, necessariamente,

Leia mais

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado;

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado; Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações em bolsas de valores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Objetivos da POLÍTICA 1. Esta POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS ( POLÍTICA ) estabelece as diretrizes e os procedimentos que orientam a WEG S.A., as empresas

Leia mais

3 A forma de funcionamento do mercado cambial

3 A forma de funcionamento do mercado cambial 27 3 A forma de funcionamento do mercado cambial Neste Capítulo, apresentar-se-á a forma de funcionamento do mercado cambial, algumas das suas principais instituições, seus participantes e algumas especificidades

Leia mais

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento ROCK IN RIO LISBOA 2014 Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento PRINCÍPIOS O Sistema de Gestão da Sustentabilidade é baseado

Leia mais

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL

ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL ISRAEL SECURITIES AUTHORITY SECURITIES COMMISSION OF BRAZIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTOS PARA CONSULTA, COOPERAÇÃO E TROCA DE INFORMAÇÕES ENTRE A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E AS AUTORIDADES ESTATUTÁRIAS

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. ( Corretora ), em atenção à Instrução

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Politíca de Execução nas Melhores Condições

Politíca de Execução nas Melhores Condições 1. Aspetos Gerais O objetivo do presente documento é descrever os canais ou vias de execução que são aplicados pelo Deutsche Bank AG - Sucursal em Portugal (o Banco ) na execução de ordens dos seus clientes

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA 09 de agosto de 2010 030/2010-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA Ref.: Acesso ao Sistema Eletrônico de Negociação Implantação dos Modelos de

Leia mais

INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS BRASIL E EUA

INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS BRASIL E EUA INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS BRASIL E EUA Uma adequada política de divulgação de informações inclui a disseminação das mesmas de forma ampla e dentro de um mesmo intervalo de tempo para todos os investidores.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Análise de Investimento Bradesco Corretora e Ágora

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Análise de Investimento Bradesco Corretora e Ágora MANUAL DE PROCEDIMENTOS Análise de Investimento Bradesco Corretora e Ágora Índice 1. Finalidade:... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. COMPROMISSO de Cumprir Leis e Normas... 1 3.1. Da Comissão de Valores

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco N 01.006 Versão: 02 Atualizado: 19/01/2012 Abrangência: Departamentos, Agências, Empresas Ligadas

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 382, 28 DE JANEIRO DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Agenda 1. Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) 2. Papeis do Banco Central do Brasil no SPB 3. Sistema Especial de Liquidação

Leia mais

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários

Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Princípios de Manila Sobre Responsabilidade dos Intermediários Práticas Recomendadas Para Limitar a Responsabilidade dos Intermediários Pelos Conteúdos de Terceiros e Promover Liberdade de Expressão e

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes

Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes Os Princípios de Prevenção aos Crimes de Lavagem de Dinheiro para Bancos Correspondentes 1 Introdução O Grupo de Instituições Financeiras Wolfsberg 1 ¹ considera que estes princípios constituem uma orientação

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO As Assessorias de Riscos, da Coordenadoria de Riscos e Controles Internos - CORCI, em atendimento ao Art. 4º, da Resolução nº. 3.380, de 29 de junho

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

2.1. Nesse contexto, o Pronunciamento visa a contribuir para as melhores práticas concernentes:

2.1. Nesse contexto, o Pronunciamento visa a contribuir para as melhores práticas concernentes: CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO AO MERCADO (ABRAPP - ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD - ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) Proposta de Texto Final PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Risco de Liquidez. Risco de Liquidez: Conforme a Resolução nº. 4.090, pode ser definido de duas maneiras:

Risco de Liquidez. Risco de Liquidez: Conforme a Resolução nº. 4.090, pode ser definido de duas maneiras: Risco de Liquidez Conceitos e Definições Risco de Liquidez: Conforme a Resolução nº. 4.090, pode ser definido de duas maneiras: I. A possibilidade de a instituição não ser capaz de honrar eficientemente

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes A Hoya Corretora de Valores e Câmbio Ltda. (doravante denominada HOYA

Leia mais

ebook - Forex para Iniciantes

ebook - Forex para Iniciantes Mercado financeiro Na economia, o mercado financeiro é um mecanismo que permite a compra e venda (comércio) de valores mobiliários (por exemplo ações e obrigações), mercadorias (como pedras preciosas ou

Leia mais

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado Home Broker e as novas ferramentas para o investidor Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado A Evolução da Bolsa de Valores 1895: Fundação da Bolsa de Fundos Públicos de São

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES E DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES E DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES E DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES I OBJETO Este instrumento disciplina as práticas diferenciadas de negociação de ações e divulgação de atos ou fatos relevantes da

Leia mais

Nova regulação pode esclarecer dúvidas sobre conflito de interesses entre administradores de carteira e investidores

Nova regulação pode esclarecer dúvidas sobre conflito de interesses entre administradores de carteira e investidores Nova regulação pode esclarecer dúvidas sobre conflito de interesses entre administradores de carteira e investidores Por Marcelo Tourinho* 19 10 2011 O bom momento pelo qual vem passando a economia brasileira

Leia mais

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1 Apresentação Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela Bolsa de Valores de São Paulo BOVESPA, o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível 1 e Nível 2 são segmentos

Leia mais

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados

Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A. Regras de Atuação da CSHG nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados PELA Cetip S.A. Mercados Organizados Outubro de 2013 Regras

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

Anexo II Programa de Governança de Estatais

Anexo II Programa de Governança de Estatais Anexo II Programa de Governança de Estatais A BM&FBOVESPA propõe a reflexão do aprimoramento das práticas de governança corporativa das estatais. As medidas a serem discutidas foram divididas em quatro

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS CEDAE CNPJ/MF: 33.352.394/0001-04 Companhia Aberta

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS CEDAE CNPJ/MF: 33.352.394/0001-04 Companhia Aberta COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS CEDAE CNPJ/MF: 33.352.394/0001-04 Companhia Aberta POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO I DEFINIÇÕES As definições utilizadas

Leia mais

Manual de Procedimentos e Regras para Agente Autônomo de Investimentos

Manual de Procedimentos e Regras para Agente Autônomo de Investimentos HSBC Corretora Manual de Procedimentos e Regras para Agente Autônomo de Investimentos "Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998 pertencem ao HSBC Bank Brasil S.A - Banco Múltiplo.

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 Institui a Política de Preservação Digital da Câmara dos Deputados. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, usando de suas

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA

Leia mais

Produção, Divulgação e Distribuição de Relatórios de Análise

Produção, Divulgação e Distribuição de Relatórios de Análise Produção, Divulgação e Distribuição de Relatórios de Análise Introdução Em cumprimento à Instrução nº 483 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de 6 de julho de 2010, alterada pela Instrução nº 538,

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 10

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 10 Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 10 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1 CODIFICAÇÃO DAS SÉRIES A codificação utilizada no mercado de opções é composto de 5 letras (as 4 primeiras correspondem

Leia mais

Julho/2008. O Que São Debêntures

Julho/2008. O Que São Debêntures Julho/2008 O Que São Debêntures As debêntures são títulos que se ajustam perfeitamente às necessidades de captação das empresas. Graças a sua flexibilidade, transformaram-se no mais importante instrumento

Leia mais

Vale aprova Política de Negociação

Vale aprova Política de Negociação Fato Relevante Vale aprova Política de Negociação A Vale S.A. (Vale) informa que o Conselho de Administração aprovou uma nova Política de Negociação de Valores Mobiliários de emissão da Vale em substituição

Leia mais

Proibida a reprodução.

Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é o de nortear a atuação dos Analistas de Valores Mobiliários em consonância a Instrução CVM nº

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários. Operações efetuadas por meio da Internet/Home Broker

Regras e Parâmetros de Atuação da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários. Operações efetuadas por meio da Internet/Home Broker Regras e Parâmetros de Atuação da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Operações efetuadas por meio da Internet/Home Broker É propósito da Bradesco S.A. Corretora de Títulos e Valores

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição

Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF. Documento Apresentado (tipo) Nº Órgão Expedidor Data da Expedição FICHA DE CADASTRO PESSOA FÍSICA Código Assessor Data: / / Informações Gerais Nome Completo Data de Nascimento Nacionalidade Local de Nascimento UF CPF Estado Civil Sexo Documento Apresentado (tipo) Nº

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

Este princípio se refere ao grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações de uma instituição.

Este princípio se refere ao grau de exposição ao risco socioambiental das atividades e das operações de uma instituição. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Este Documento contém os aspectos a serem observados pelos administradores, colaboradores, prestadores de serviço, clientes e usuários dos produtos e serviços oferecidos pela Renascença

Leia mais

Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança

Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança Amadeu Ferreira Vice-Presidente do CD da CMVM Porto, 28 de setembro de 2012 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Governança de Riscos em Instituições Financeiras

Governança de Riscos em Instituições Financeiras 1 Governança de Riscos em Instituições Financeiras Sérgio Ribeiro da Costa Werlang Vice Presidente Executivo da Área de Controle de Risco e Financeiro Itaú - Unibanco São Paulo, 20 de outubro de 2011 2

Leia mais

4.2.1 Resumo do enquadramento de operações para procedimentos especiais

4.2.1 Resumo do enquadramento de operações para procedimentos especiais 1 / 7 CAPÍTULO IV DO PREGÃO ELETRÔNICO 4.1 LEILÕES Denomina-se apregoação por leilão aquela realizada com destaque das demais, mencionando-se, obrigatoriamente, o Ativo, o lote e o preço. As apregoações

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário Bovespa Mais: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O Bovespa Mais é um dos segmentos especiais de listagem administrados pela Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBOVESPA)

Leia mais

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A.

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A. Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A. A presente Política de Divulgação de Informações relevantes tem como princípio geral estabelecer o dever da Marisa Lojas S.A. ( Companhia

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais