CÓDIGO DE CONDUTA. Divulgação e Uso de Informações e Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Companhia de Concessões Rodoviárias ("CCR")

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓDIGO DE CONDUTA. Divulgação e Uso de Informações e Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Companhia de Concessões Rodoviárias ("CCR")"

Transcrição

1 CÓDIGO DE CONDUTA Divulgaçã e Us de Infrmações e Negciaçã de Valres Mbiliáris de Emissã da Cmpanhia de Cncessões Rdviárias ("CCR") Intrduçã O presente Códig de Cnduta para Divulgaçã e Us de Infrmações e para Negciaçã de Valres Mbiliáris de Emissã da CCR fi regularmente aprvad pel Cnselh de Administraçã da CCR em reuniã realizada em 31/07/2002, ns terms da legislaçã e regulamentaçã vigentes. Capítul I Definições 1.1. Os terms e expressões listads a seguir, quand utilizads neste Códig, terã seguinte significad: Administradr(es) significa, quand n singular, s diretres e membrs d Cnselh de Administraçã, titulares e suplentes, da CCR referids individualmente u, quand n plural, referids cnjuntamente. At u Fat Relevante tem significad que lhe fi atribuíd n item 4.3 deste Códig. Blsas de Valres e Mercad de Balcã significa blsas de valres e entidades d mercad de balcã rganizad em que s Valres Mbiliáris de emissã da CCR venham a ser admitids à negciaçã, n país u n exterir. Bvespa significa a Blsa de Valres de Sã Paul. Códig significa presente Códig de Cnduta para Divulgaçã e Us de Infrmações e para Negciaçã de Valres Mbiliáris de Emissã da CCR. Cmpanhia u CCR significa a Cmpanhia de Cncessões Rdviárias. Cnselheirs Fiscais significa, quand n singular, s membrs d Cnselh Fiscal, titulares e suplentes, da CCR referids individualmente, u, quand n plural, referids cnjuntamente. Crretras Credenciadas significa as crretras de Valres Mbiliáris credenciadas pela CCR para negciaçã preferencial de seus Valres Mbiliáris pr parte das pessas definidas n item 2.1 deste Códig.

2 2 CVM significa a Cmissã de Valres Mbiliáris. s significa títuls e Valres Mbiliáris negciads em mercads de liquidaçã futura u utrs ativs tend cm lastr u bjet Valres Mbiliáris de emissã da CCR. Diretr de Relações cm Investidres significa diretr da CCR respnsável pela prestaçã de infrmações a públic investidr, à CVM, à Bvespa e, cnfrme cas, às Blsas de Valres e Mercad de Balcã, bem cm pela atualizaçã d registr de cmpanhia aberta. Ex-Administradres significa, quand n singular, s ex-diretres, ex-membrs d Cnselh de Administraçã, titulares e suplentes, da CCR referids individualmente, u, quand n plural, referids cnjuntamente. Empregads e Executivs significa, quand n singular, s empregads e executivs da CCR, independentemente de seu carg, funçã u psiçã na CCR, e/u aqueles, que em funçã de seu carg, funçã u psiçã nas Sciedades Cntrladras, Sciedades Cntrladas u Sciedades Cligadas da CCR, tenham cnheciment da infrmaçã relativa a At u Fat Relevante referids individualmente, u, quand n plural, referids cnjuntamente. Infrmaçã Privilegiada u Infrmaçã Relevante significa tda infrmaçã relacinada à CCR capaz de influir de md pnderável na ctaçã ds Valres Mbiliáris e ainda nã divulgada a públic investidr. Instruçã CVM nº 358/02 significa a Instruçã nº 358, de 03 de janeir de 2002, cm as alterações intrduzidas pela Instruçã nº 369, de 11 de junh de 2002, ambas da CVM, que dispõe sbre a divulgaçã e us de infrmações sbre At u Fat Relevante relativs às cmpanhias abertas, bem cm sbre a negciaçã de Valres Mbiliáris de emissã de cmpanhia aberta na pendência de fat relevante nã divulgad a mercad, dentre utras matérias. Órgãs cm Funções Técnicas u Cnsultivas significa s órgãs da CCR criads pr seu estatut, cm funções técnicas u destinads a acnselhar s seus Administradres. Participaçã Acinária Relevante significa a participaçã que crrespnda, direta u indiretamente, a 5% (cinc pr cent) u mais das ações representativas d capital scial da Cmpanhia, cmpreendend também quaisquer direits sbre referidas ações. Pessas Ligadas significa as seguintes pessas que mantenham vínculs cm Administradres, Cnselheirs Fiscais e membrs ds Órgãs cm Funções Técnicas u Cnsultivas da Cmpanhia: (i) cônjuge, de quem nã esteja separad judicialmente, (ii) (a) cmpanheir(a); (iii) qualquer dependente incluíd na declaraçã

3 3 anual d impst sbre a renda e (iv) as sciedades cntrladas direta u indiretamente, seja pels Administradres, seja pelas pessas definidas ns itens (i), (ii) e (iii) acima. Pder de Cntrle significa pder efetivamente utilizad de dirigir as atividades sciais e rientar funcinament ds órgãs da CCR, de frma direta u indireta, de fat u de direit. Há presunçã relativa de titularidade d cntrle em relaçã à pessa u a grup de pessas vinculad pr acrd de acinistas u sb cntrle cmum ( grup de cntrle ) que seja titular de ações que lhe tenham assegurad a mairia absluta ds vts ds acinistas presentes nas três últimas assembléias gerais da CCR, ainda que nã seja titular das ações que lhe assegurem a mairia absluta d capital vtante. Regulament d Nv Mercad significa cnjunt de regras scietárias elabradas pela Bvespa que devem ser adtadas pelas cmpanhias que decidirem aderir a um nv segment de listagem denminad Nv Mercad, a qual a Cmpanhia está vinculada. Sciedades Cligadas significa as sciedades que pssuem influência significativa na administraçã de utra sciedade, sem cntrlá-la. Caracteriza-se cm influência significativa pder de participar nas decisões sbre as plíticas financeiras, cmerciais e peracinais da sciedade, presumind-se, ainda, a existência dessa influência quand verifica-se a participaçã, direta u indireta, de 10% (dez pr cent) u mais n capital vtante. Sciedades Cntrladas significa a sciedade da qual a CCR detém Pder de Cntrle. Sciedades Cntrladras u Acinistas Cntrladres u significa acinista u grup de acinistas vinculad pr acrd de acinistas u sb cntrle cmum que exerça Pder de Cntrle da CCR, ns terms da Lei n.º 6.404/76 e suas alterações psterires, bem cm ns terms d Regulament d Nv Mercad da Bvespa. Term de Adesã é dcument a ser firmad na frma d artig 15, 1º, incis I e d artig 16, 1º da Instruçã CVM nº 358/02, cnfrme Anex I a este Códig. Valres Mbiliáris significa quaisquer ações, debêntures, bônus de subscriçã, recibs e direits de subscriçã, ntas prmissórias, pções de cmpra u de venda, u, ainda, quaisquer utrs títuls u cntrats de investiment cletiv de emissã da CCR, que pr determinaçã legal, sejam cnsiderads valr mbiliári. Capítul II Prpósit e Abrangência 2.1. Escp e Respnsáveis. O presente Códig tem pr bjet estabeleciment de elevads padrões de cnduta e transparência, a fim de adequar a plítica interna da Cmpanhia a princípi da transparência e às bas práticas de cnduta n us e

4 4 divulgaçã de Infrmações Relevantes e na negciaçã de Valres Mbiliáris da CCR, a serem cmpulsriamente bservads pr: (i) Acinistas Cntrladres, (ii) Administradres, (iii) Cnselheirs Fiscais, (iv) integrantes ds demais Órgãs cm Funções Técnicas u Cnsultivas da Cmpanhia, e, ainda, (v) Empregads e Executivs cm acess a Infrmaçã Relevante Term de Adesã. As pessas citadas acima devem firmar respectiv Term de Adesã a presente Códig, na frma d artig 15, 1º, incis I e d artig 16, 1º, da Instruçã CVM nº 358/02 e cnfrme mdel anexad a este Códig cm Anex I, qual deverá ser arquivad na sede da CCR enquant referidas pessas cm ela mantiverem víncul, e pr 5 (cinc) ans, n mínim, após seu desligament A Cmpanhia manterá, em sua sede, a relaçã atualizada das pessas que firmarem Term de Adesã, cm as respectivas qualificações, carg u funçã, endereç e númer de inscriçã n Cadastr Nacinal de Pessas Jurídicas CNPJ u Cadastr de Pessas Físicas CPF, ambs d Ministéri da Fazenda. Capítul III Princípis 3.1. Valres. Tdas as pessas sujeitas a presente Códig deverã pautar a sua cnduta em cnfrmidade cm s valres da ba-fé, lealdade e veracidade e, ainda, pels princípis gerais aqui estabelecids Respnsabilidade Scial. As pessas que aderirem a este Códig também devem atentar para a sua respnsabilidade scial, especialmente para cm s investidres, as pessas que trabalham na Cmpanhia e a cmunidade em que a CCR atua Eficiência. Tds s esfrçs em prl da eficiência d mercad devem visar a que a cmpetiçã entre s investidres pr melhres retrns se dê na análise e interpretaçã da infrmaçã divulgada e jamais n acess privilegiad à mesma infrmaçã Transparência. As pessas sujeitas a presente Códig devem tmar em cnta que a infrmaçã transparente, precisa e prtuna cnstitui principal instrument à dispsiçã d públic investidr e, especialmente, ds acinistas da Cmpanhia, para que lhes seja assegurad indispensável tratament eqüitativ Relacinament Unifrme. O relacinament da Cmpanhia cm s participantes e cm s frmadres de piniã n mercad de Valres Mbiliáris deve dar-se de md unifrme e transparente.

5 Crreta Divulgaçã de Infrmações. É brigaçã das pessas sujeitas às dispsições previstas neste Códig assegurar que a divulgaçã de infrmações acerca da situaçã patrimnial e financeira da Cmpanhia seja crreta, cmpleta, cntínua e desenvlvida através ds administradres incumbids dessa funçã, na frma prevista neste Códig e na regulamentaçã em vigr. Capítul IV Plítica de Divulgaçã e Us de Infrmações de At u Fat Relevante 4.1. Diretr de Relações cm s Investidres. Cmpete a Diretr de Relações cm Investidres a respnsabilidade primária pela cmunicaçã e divulgaçã de At u Fat Relevante Objetiv. O bjetiv da divulgaçã de At u Fat Relevante é assegurar as investidres a dispnibilidade, em temp hábil, de frma eficiente e razável, das infrmações necessárias para as suas decisões de investiment, assegurand a melhr simetria pssível na disseminaçã das infrmações, evitand-se, desta frma, us indevid de infrmações privilegiadas n mercad de Valres Mbiliáris pelas pessas que a elas tenham acess, em prveit própri u de terceirs, em detriment ds investidres em geral, d mercad e da própria Cmpanhia At u Fat Relevante. Cnstitui At u Fat Relevante, ns terms d artig 155, 1º, da Lei nº 6.404/76 e d artig 2º da Instruçã CVM nº358/02, (a) qualquer decisã de Acinista(s) Cntrladr(es), deliberaçã da assembléia geral u ds órgãs de administraçã da Cmpanhia; u (b) qualquer utr at u fat de caráter plíticadministrativ, técnic, negcial u ecnômic-financeir crrid u relacinad as seus negócis que pssa influir de md pnderável: (i) (ii) (iii) na ctaçã ds Valres Mbiliáris; na decisã ds investidres de cmprar, vender u manter s Valres Mbiliáris; u na decisã ds investidres de exercer quaisquer direits inerentes à cndiçã de titular ds Valres Mbiliáris At u Fat Relevante - Exempls e Interpretaçã. Váris exempls de At u Fat Relevante sã enumerads, de frma nã exaustiva, n artig 2 da Instruçã CVM nº358/02, send cert que, em qualquer cas, s events relacinads cm At u Fat Relevante devem ter a sua materialidade analisada n cntext das atividades rdinárias e da dimensã da Cmpanhia, bem cm das infrmações anterirmente divulgadas, e nã em abstrat, de md a evitar a banalizaçã das divulgações de Ats u Fats Relevantes em prejuíz da qualidade da análise, pel mercad, das perspectivas da Cmpanhia Prcediments Interns para Infrmar e Divulgar At u Fat Relevante. O Diretr de Relações cm Investidres é respnsável:

6 6 (i) pela cmunicaçã à CVM, à Bvespa e, se fr cas, às Blsas de Valres e Mercad de Balcã, e (ii) pela divulgaçã a mercad de At u Fat Relevante da Cmpanhia As pessas mencinadas n item 2.1 deste Códig, cm acess à Infrmaçã Relevante, devem cmunicar qualquer At u Fat Relevante de que tenham cnheciment a Diretr de Relações cm Investidres As reuniões cm entidades de classe, investidres, analistas u cm públic selecinad, n país u n exterir, relativas a matéria que pssa cnsubstanciar Infrmaçã Relevante, deverã cntar cm a presença d(s) Administradr(es) u de utra pessa indicada para este fim. Cas cntrári, deverã ter seu cnteúd previamente reprtad a Diretr de Relações cm Investidres, naquil que pssa cnsubstanciar Infrmaçã Relevante, visand a que a eventual Infrmaçã Relevante seja divulgada simultaneamente a mercad Respnsabilidade em Cas de Omissã. Em cas de missã d Diretr de Relações cm Investidres n cumpriment de seu dever de cmunicaçã e divulgaçã de At u Fat Relevante (e nã se cnfigurand a decisã de manter sigil, tmada na frma d art. 6 da Instruçã CVM nº 358/02), as pessas mencinadas ns inciss (i), (ii), (iii) e (iv) d item 2.1 deste Códig, que tiverem cnheciment pessal d At u Fat Relevante e cnstatarem a referida missã, smente se eximirã de respnsabilidade cas cmuniquem imediatamente At u Fat Relevante à CVM Divulgaçã. A divulgaçã de At u Fat Relevante deverá crrer, sempre que pssível, antes d iníci u após encerrament ds negócis na Bvespa e, se fr cas, nas Blsas de Valres e Mercad de Balcã. Cas haja incmpatibilidade de hráris, prevalecerá hrári de funcinament d mercad brasileir O Diretr de Relações cm Investidres deverá: (i) (ii) (iii) cmunicar e divulgar At u Fat Relevante crrid u relacinad as negócis da Cmpanhia imediatamente após a sua crrência; divulgar cncmitantemente a td mercad At u Fat Relevante a ser veiculad pr qualquer mei de cmunicaçã, inclusive infrmaçã à imprensa, u em reuniões de entidades de classe, investidres, analistas u cm públic selecinad, n País u n exterir; e avaliar a necessidade de slicitar, sempre simultaneamente, à Bvespa e, se fr cas, às Blsas de Valres e Mercad de Balcã, a suspensã da negciaçã ds Valres Mbiliáris, pel temp necessári à adequada disseminaçã da Infrmaçã Relevante, cas seja imperativ que a divulgaçã de At u Fat Relevante crra durante hrári de negciaçã Cmunicaçã. A infrmaçã sbre At u Fat Relevante deverá ser simultaneamente cmunicada:

7 7 (i) à CVM; (ii) à Bvespa; (iii) às Blsas de Valres e Mercad de Balcã, se fr cas Frmas de Divulgaçã. A divulgaçã de At u Fat Relevante envlvend a Cmpanhia deverá dar-se pr mei de publicaçã ns jrnais de grande circulaçã habitualmente utilizads pela Cmpanhia A Cmpanhia pderá, a cada divulgaçã de At u Fat Relevante, ptar pr realizá-la de frma resumida ns jrnais, cntend s elements mínims necessáris a sua cmpreensã. Nesta hipótese, deverá(ã) estar indicad(s) nas publicações endereç na rede mundial de cmputadres - Internet nde a infrmaçã cmpleta deverá estar dispnível a tds s investidres, em ter n mínim idêntic àquele remetid à CVM, à Bvespa e, se fr cas, às Blsas de Valres e Mercad de Balcã Dever de Sigil. As pessas mencinadas n item 2.1 deste Códig, terã dever de: (i) (ii) guardar sigil das infrmações relativas a At u Fat Relevante às quais tenham acess privilegiad até sua divulgaçã a mercad, e zelar para que subrdinads e terceirs de sua cnfiança também façam Sempre que huver dúvida a respeit da relevância acerca de Infrmaçã Privilegiada, deve-se entrar em cntat cm Diretr de Relações cm Investidres da Cmpanhia a fim de se esclarecer a dúvida Exceçã à Divulgaçã. A regra geral em relaçã a At u Fat Relevante é a de sua imediata cmunicaçã e divulgaçã. Em qualquer cas, deixar de cmunicar e divulgar At u Fat Relevante é uma excepcinalidade e deverá ser bjet de análise Em cass excepcinais em que a divulgaçã indistinta de Infrmaçã Privilegiada que cnstitua At u Fat Relevante pssa pôr em risc interesse legítim da Cmpanhia, a nã divulgaçã será bjet de decisã ds Administradres e ds Acinistas Cntrladres da Cmpanhia Ainda que s Administradres e Acinistas Cntrladres decidam pela nã divulgaçã de At u Fat Relevante, é seu dever divulgar imediatamente At u Fat Relevante, diretamente u através d Diretr de Relações cm Investidres, na hipótese de a infrmaçã escapar a cntrle u na hipótese de scilaçã atípica na ctaçã, preç u quantidade negciada ds Valres Mbiliáris da Cmpanhia Os Acinistas Cntrladres u Administradres pderã submeter à CVM a sua decisã de, excepcinalmente, manter em sigil Ats u Fats Relevantes

8 8 cuja divulgaçã entendam cnfigurar manifest risc a legítims interesses da Cmpanhia Negciações de Administradres e Pessas Ligadas. As pessas mencinadas ns inciss (ii), (iii) e (iv) d item 2.1 deste Códig deverã infrmar a titularidade de Valres Mbiliáris de emissã da Cmpanhia e seus s, seja em nme própri, seja em nme de Pessas Ligadas, bem cm as alterações nessas psições A cmunicaçã deverá ser encaminhada a Diretr de Relações cm Investidres da Cmpanhia e, pr este, à CVM, à Bvespa e, se fr cas, às Blsas de Valres e Mercad de Balcã, cnfrme mdel de frmulári que cnstitui Anex II a este Códig Essa cmunicaçã deverá ser efetuada: (i) imediatamente após a investidura n carg; e, (ii) n praz máxim de 10 (dez) dias após términ d mês em que se verificar alteraçã das psições detidas, indicand sald da psiçã n períd Aquisiçã u Alienaçã de Participaçã Acinária Relevante. Os Acinistas Cntrladres, direts u indirets, bem cm qualquer pessa mencinad n item 2.1 deste Códig, agind isladamente, u em cnjunt, u representand um mesm interesse, deverã cmunicar à CVM, à Bvespa e às Blsas de Valres e Mercad de Balcã, cnfrme mdel de frmulári cnstante n Anex III a este Códig, assim cm; divulgar, através de publicaçã ns jrnais de grande circulaçã utilizads habitualmente pela Cmpanhia, infrmaçã sbre aquisiçã u alienaçã de Participaçã Acinária Relevante, imediatamente após ser alcançada referida participaçã, bem cm tda vez que referida participaçã se elevar em 5% As pessas mencinadas n item 4.13 acima deverã infrmar a alienaçã u a extinçã de ações, u de direits sbre elas, a cada vez que tal alienaçã u extinçã atingir percentual cnsiderad Participaçã Acinária Relevante. Capítul V Plítica de Negciaçã de Valres Mbiliáris da Cmpanhia 5.1. Negciaçã através de Crretras Credenciadas. Cm vistas a assegurar adequads padrões de negciaçã cm Valres Mbiliáris da Cmpanhia, fica adtada a sistemática de que tdas as negciações pr parte da própria Cmpanhia e das pessas que deverã aderir a este Códig serã realizadas preferencialmente cm a intermediaçã das Crretras Credenciadas, cnfrme relaçã encaminhada à CVM, na frma d Anex IV a presente Códig, a quem serã cmunicadas as devidas atualizações.

9 Black-Out Perids. A Cmpanhia e as pessas mencinadas n item 2.1 deste Códig, incluind s Acinistas Cntrladres, direts u indirets, cm acess a Infrmaçã Relevante da Cmpanhia deverã abster-se de negciar Valres Mbiliáris em tds s períds em que, pr frça de cmunicaçã d Diretr de Relações cm Investidres, haja determinaçã de nã-negciaçã (Black-Out Perid) O Diretr de Relações cm Investidres nã está brigad a fundamentar a decisã de determinar Black-Out Perid, que será tratada cnfidencialmente pels seus destinatáris Restrições à Negciaçã na Pendência de Divulgaçã de At u Fat Relevante. É vedada a negciaçã de Valres Mbiliáris pela Cmpanhia, pelas pessas mencinadas n item 2.1 deste Códig, incluind s Acinistas Cntrladres, direts u indirets, que tenham acess a Infrmaçã Relevante da Cmpanhia, nas seguintes hipóteses: (i) sempre que crrer qualquer At u Fat Relevante ns negócis da Cmpanhia de que tenham cnheciment as pessas mencinadas acima; (ii) sempre que existir a intençã de prmver incrpraçã, cisã ttal u parcial, fusã, transfrmaçã u rerganizaçã scietária; e (iii) smente em relaçã as Acinistas Cntrladres, direts u indirets, e Administradres, sempre que estiver em curs u huver sid utrgada pçã u mandat para fim de aquisiçã u a alienaçã de ações de emissã da Cmpanhia pela própria Cmpanhia, suas Sciedades Cntrladas, suas Sciedades Cligadas u utra sciedade sb cntrle cmum As vedações previstas ns subitens i e ii acima deixarã de vigrar tã lg a Cmpanhia divulgue At u Fat Relevante a mercad, excet se a negciaçã cm as ações da Cmpanhia pelas pessas acima mencinadas, após a divulgaçã d At u Fat Relevante, puder interferir nas cndições ds negócis da Cmpanhia, em prejuíz ds acinistas da Cmpanhia u dela própria Vedaçã à Negciaçã em Períd Anterir à Divulgaçã de Infrmações Trimestrais e Anuais. A Cmpanhia, as pessas mencinadas n item 2.1 deste Códig, incluind s Acinistas Cntrladres, direts u indirets, que tenham cnheciment de infrmaçã relativa a At u Fat Relevante sbre a Cmpanhia, nã pderã negciar Valres Mbiliáris da Cmpanhia n períd de 15 (quinze) dias anterir à divulgaçã u publicaçã, quand fr cas, das: (i) (ii) infrmações trimestrais da Cmpanhia (ITR); infrmações anuais da Cmpanhia (DFP e IAN).

10 Vedaçã à Deliberaçã Relativa à Aquisiçã u à Alienaçã de Ações de Emissã da Própria Cmpanhia. O Cnselh de Administraçã da Cmpanhia nã pderá deliberar a aquisiçã u a alienaçã de ações de própria emissã enquant nã fr trnada pública, através da publicaçã de At u Fat Relevante a infrmaçã relativa à: (i) celebraçã de qualquer acrd u cntrat visand à transferência d cntrle acinári da Cmpanhia; u (ii) utrga de pçã u mandat para fim de transferência d cntrle acinári da Cmpanhia; u (iii) existência de intençã de se prmver incrpraçã, cisã ttal u parcial, fusã, transfrmaçã u rerganizaçã scietária Vedaçã à Negciaçã Aplicável a Ex-Administradres. Os Administradres que se afastarem da Cmpanhia antes da divulgaçã pública de negóci u fat iniciad durante seu períd de gestã nã pderã negciar Valres Mbiliáris da Cmpanhia: (i) (ii) pel praz de 06 (seis) meses após seu afastament; u até a divulgaçã, pela Cmpanhia, d At u Fat Relevante a mercad, salv se, a negciaçã cm as ações da Cmpanhia, após a divulgaçã d At u Fat Relevante, puder interferir nas cndições ds referids negócis, em prejuíz ds acinistas da Cmpanhia u dela própria Dentre as alternativas acima referidas, prevalecerá sempre event que crrer em primeir lugar. Capítul VI Dispsições Finais 6.1. Negciações Indiretas e Diretas. As vedações a negciações disciplinadas neste Códig aplicam-se às negciações realizadas, direta u indiretamente, pela Cmpanhia, pelas pessas mencinads n item 2.1 deste Códig, incluind s Acinistas Cntrladres, direts u indirets, que tenham acess a Infrmaçã Relevante da Cmpanhia, mesm ns cass em que as negciações pr parte dessas pessas se dêem pr intermédi de: (i) (ii) sciedade pr elas cntrlada; terceirs cm quem fr mantid cntrat de fidúcia u administraçã de carteira u ações Nã sã cnsideradas negciações indiretas aquelas realizadas pr funds de investiment de que sejam qutistas as pessas mencinadas n item acima, desde que: (i) s funds de investiment nã sejam exclusivs; e

11 11 (ii) as decisões de negciaçã d administradr d fund de investiment nã pssam ser influenciadas pels ctistas Cntrataçã de Auditria. É plítica da Cmpanhia restringir a cntrataçã da empresa de auditria independente da Cmpanhia para utrs serviçs que pssam dar rigem a cnflits de interesse, tais cm a prestaçã de serviçs de cnsultria Cmentáris sbre Rumres. É plítica da Cmpanhia nã cmentar sbre rumres, respndend às perguntas smente cm esta justificativa A necessidade de prnunciament, negand u cnfirmand ntícias, em cass de bats u rumres que estiverem afetand preç u vlume das negciações cm s Valres Mbiliáris emitids pela Cmpanhia, será avaliada e decidida pela Diretria Executiva da Cmpanhia Respnsabilidade d Diretr de Relações cm Investidres. O Diretr de Relações cm Investidres da Cmpanhia é respnsável pela execuçã e acmpanhament das plíticas de divulgaçã e us de infrmações e de negciaçã de Valres Mbiliáris da Cmpanhia Alteraçã d Códig. Este Códig fi aprvad pel Cnselh de Administraçã da Cmpanhia e qualquer alteraçã u revisã deverá ser submetida a Cnselh de Administraçã da Cmpanhia Alteraçã da Plítica de Negciaçã. A plítica de negciaçã prevista neste Códig nã pderá ser alterada na pendência de divulgaçã de At u Fat Relevante Respnsabilidade de Terceirs. As dispsições d presente Códig nã elidem a respnsabilidade, decrrente de prescrições legais e regulamentares, imputada a terceirs nã diretamente ligads à Cmpanhia e que tenham cnheciment de At u Fat Relevante e venham a negciar cm Valres Mbiliáris de emissã da Cmpanhia. * * * * * *

12 12 ANEXO I TERMO DE ADESÃO a Códig de Cnduta para Divulgaçã e Us de Infrmações e para Negciaçã de Valres Mbiliáris de Emissã da Cmpanhia de Cncessões Rdviárias - CCR Pel presente instrument, [DENOMINAÇÃO E QUALIFICAÇÃO COMPLETA], dravante denminad simplesmente Declarante, na qualidade de [ACIONISTA CONTROLADOR / DIRETOR / MEMBRO EFETIVO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO / MEMBRO SUPLENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO / MEMBRO DO CONSELHO FISCAL E DEMAIS PESSOAS CITADAS NO ART. 13 DA INSTRUÇÃO CVM Nº358/02] da COMPANHIA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS, sciedade anônima cm sede na Rua Lepld Cut de Magalhães Junir nº 110, 11º andar, na Cidade de Sã Paul, Estad de Sã Paul, inscrita n CNPJ sb nº / , dravante denminada simplesmente Cmpanhia, vem, pr mei deste Term de Adesã, declarar ter integral cnheciment das regras cnstantes d Códig de Cnduta para Divulgaçã e Us de Infrmações e para Negciaçã de Valres Mbiliáris de Emissã da Cmpanhia de Cncessões Rdviárias, cuja cópia recebeu, [inclusive de suas psterires e eventuais alterações], brigand-se a pautar suas ações referentes à Cmpanhia sempre em cnfrmidade cm tais regras, sujeitand-se, ainda, às penalidades cabíveis. O Declarante firma presente Term em 3 (três) vias de igual ter e cnteúd, na presença das 2 (duas) testemunhas abaix assinadas. Sã Paul, [...] de [...] de Testemunhas: [DECLARANTE] Nme: Nme: RG: RG:

13 13 ANEXO II FORMULÁRIO INDIVIDUAL Negciaçã de Administradres e Pessas Ligadas Art. 11 Instruçã CVM nº 358/2002 Em...(mês/an) ( ).crreram smente as seguintes perações cm valres mbiliáris e derivativs, de acrd cm artig 11 da Instruçã CVM nº 358/2002. (1) ( ) nã fram realizadas perações cm valres mbiliáris e derivativs, de acrd cm artig 11 da Instruçã CVM nº 358/2002, send que pssu as seguintes psições ds valres mbiliáris e derivativs. Denminaçã da Cmpanhia: Nme: Qualificaçã: Sald Inicial Valr Mbiliári ds Títuls (2) Quantidade CPF/CNPJ: % de participaçã Mesma Espécie/ Classe Mvimentações n Mês Valr Mbiliári Sald Final Valr Mbiliári ds Títuls (2) Intermediár i ds Títuls (2) Operaçã Dia Quantidade Preç Cmpra Cmpras Venda Vendas Quantidade Vlume (R$) (3) % de participaçã Mesma Espécie/ Classe

14 14 Denminaçã da Cntrladra: Nme: Qualificaçã: Sald Inicial Valr Mbiliári ds Títuls (2) Quantidade CPF/CNPJ: % de participaçã Mesma Espécie/ Classe Mvimentações n Mês Valr Mbiliári Sald Final Valr Mbiliári ds Títuls (2) Intermediár i ds Títuls (2) Operaçã Dia Quantidade Preç Cmpra Cmpras Venda Vendas Quantidade Vlume (R$) (3) % de participaçã Mesma Espécie/ Classe

15 15 Denminaçã da Cntrlada: Nme: Qualificaçã: Sald Inicial Valr Mbiliári ds Títuls (2) Quantidade CPF/CNPJ: % de participaçã Mesma Espécie/ Classe Mvimentações n Mês Valr Mbiliári Sald Final Valr Mbiliári ds Títuls (2) Intermediár i ds Títuls (2) Operaçã Dia Quantidade Preç Cmpra Cmpras Venda Vendas Quantidade Vlume (R$) (3) % de participaçã Mesma Espécie/ Classe (1) A preencher frmulári, excluir as linhas que nã cntenham infrmaçã. Se nã huver aquisiçãalteraçã de psições para nenhuma das pessas abrangidas n artig 11 da Instruçã CVM nº 358/2002, enviar uma declaraçã infrmand a respeit. (2) Emissãsérie, cnversível, simples, prazs, garantias, espécie/classe, etc. (3) Quantidade vezes preç.

16 16 ANEXO III AQUISIÇÃO OU ALIENAÇÃO DE PARTICIPAÇÃO ACIONÁRIA RELEVANTE NA COMPANHIA DE CONCESSÕES RODOVIÁRIAS Períd (mês/an): Nme d Adquirente u Alienante: Qualificaçã: CNPJ/CPF: Data d Negóci: Tip de Negóci: Tip de Valr Mbiliári u : Cmpanhia: Quantidade: Preç: Objetiv da Participaçã e Quantidade Visada: Quantidade de ações bjet de cnversã de debêntures: Quantidade de debêntures cnversíveis em ações, já detidas, direta u indiretamente: Quantidade de utrs Valres Mbiliáris, já detids, direta u indiretamente: Indicaçã de qualquer acrd u cntrat reguland exercíci d direit de vt u a cmpra e venda de Valres Mbiliáris de emissã da Cmpanhia: Outras Infrmações Imprtantes:

17 17 ANEXO IV Sã Paul, [...] de [...] de 2002 CREDENCIAMENTO DE CORRETORAS À Cmissã de Valres Mbiliáris - CVM Superintendência de relações cm Mercad e Intermediáris - SMI [ENDEREÇO COMPLETO] At.: Ref: Crretras Credenciadas Prezads Senhres, Servim-ns da presente para infrmar as crretras autrizadas a negciar s Valres Mbiliáris da Cmpanhia de Cncessões Rdviárias, n âmbit da Blsa de Valres de Sã Paul - Bvespa: Segue, abaix, a relaçã das crretras credenciadas: Clcam-ns à dispsiçã para s esclareciments que se fizerem necessáris. Atencisamente, Cmpanhia de Cncessões Rdviárias Diretr de Relações cm Investidres

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado:

1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1. Companhia : Braskem S.A. 1.2. Controladora

Leia mais

MANUAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA.

MANUAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA. MANUAL DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA. 1 Objetivos e Princípios Este Manual tem por objeto o estabelecimento de padrões de conduta e transparência

Leia mais

TRACTEBEL ENERGIA S.A. CNPJ/MF 02.474.103/0001-19 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

TRACTEBEL ENERGIA S.A. CNPJ/MF 02.474.103/0001-19 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES TRACTEBEL ENERGIA S.A. CNPJ/MF 02.474.103/0001-19 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 1 ÍNDICE I. Finalidade... 3 II. Abrangência... 3 III. Definições... 4 IV. Divulgação de

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES SOBRE ATO OU FATO RELATIVO À EMPRESA DE INFOVIAS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES SOBRE ATO OU FATO RELATIVO À EMPRESA DE INFOVIAS S/A POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES SOBRE ATO OU FATO RELATIVO À EMPRESA DE INFOVIAS S/A 1. Introdução e Objetivo A Empresa de Infovias S/A sempre pautou a sua conduta pelo princípio da transparência,

Leia mais

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012 Sumário I. Finalidade... 3 II. Abrangência... 3 III. Divulgação de Informação

Leia mais

POLÍTICAS DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÃO SOBRE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES ABRANGÊNCIA

POLÍTICAS DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÃO SOBRE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES ABRANGÊNCIA A Diretoria da Participações Industriais do Nordeste S.A. ( Companhia ) comunica que, por deliberação do Conselho de Administração, em reunião extraordinária realizada em 30.06.2002, foram aprovadas as

Leia mais

TRACTEBEL ENERGIA S.A. CNPJ/MF 02.474.103/0001-19 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

TRACTEBEL ENERGIA S.A. CNPJ/MF 02.474.103/0001-19 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES TRACTEBEL ENERGIA S.A. CNPJ/MF 02.474.103/0001-19 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES Versão: 02 Aprovação: 130ª RCA, de 20.02.2014 ÍNDICE I. FINALIDADE... 3 II. ABRANGÊNCIA...

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA BRASCAN RESIDENTIAL PROPERTIES S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA BRASCAN RESIDENTIAL PROPERTIES S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA BRASCAN RESIDENTIAL PROPERTIES S.A. I. PROPÓSITO 1.1 A presente Política visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 2 I. Finalidade A presente Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Ações tem como finalidade estabelecer as práticas de divulgação

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Estácio Participações S.A. 1. Propósito Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados pelos (i) Administradores

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Política de Divulgação e Uso de Informações e de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Arteris S.A. Introdução

Política de Divulgação e Uso de Informações e de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Arteris S.A. Introdução Política de Divulgação e Uso de Informações e de Negociação de es Mobiliários de Emissão da Arteris S.A. Introdução A presente Política de Divulgação e Uso de Informações e de Negociação de es Mobiliários

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

A. DEFINIÇÕES E ADESÃO

A. DEFINIÇÕES E ADESÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES APROVADA PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM REUNIÃO NO DIA 10 DE MAIO DE 2012 A. DEFINIÇÕES

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão 1. As definições utilizadas no presente instrumento têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TOTVS S.A. I. DEFINIÇÕES E ADESÃO 1. As definições utilizadas na presente Política de Negociação têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA

Leia mais

INTRODUÇÃO CAPÍTULO I. Definições. Os termos e expressões listados a seguir, quando utilizados nesta Política, terão os seguintes significados:

INTRODUÇÃO CAPÍTULO I. Definições. Os termos e expressões listados a seguir, quando utilizados nesta Política, terão os seguintes significados: POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA B2W COMPANHIA GLOBAL DO VAREJO INTRODUÇÃO A presente Política de Divulgação e Uso de Informações e Negociação

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. 1 PROPÓSITO A presente Política de Negociação de Valores Mobiliários tem como propósito estabelecer regras para

Leia mais

07.07.2002. A disponibilização do Manual e da Política não autoriza o uso da marca e/ou do logotipo da AmBev por terceiros.

07.07.2002. A disponibilização do Manual e da Política não autoriza o uso da marca e/ou do logotipo da AmBev por terceiros. 07.07.2002 A Companhia de Bebidas das Américas AmBev está tornando disponível às companhias abertas, sem copyright, conforme compromisso assumido com a CVM, o Manual de Divulgação e Uso de Informações

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS

TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS Pribida a reprduçã. TRIBUTAÇÃO DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS Abril de 2012 Índice Pessas Físicas 1. À Vista... 2 2. Opções... 4 3. POP Prteçã d Investiment cm Participaçã... 6 4. Term... 7 5. Futur Títuls

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TECNISA S.A., OU A ELES REFERENCIADOS, POR POTENCIAIS OU EFETIVOS DETENTORES DE INFORMAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TRISUL S.A. Companhia Aberta CNPJ nº o8.811.643/0001-27 / NIRE 35.300.341.627 Av. Paulista, 37 15º andar Bairro Paraíso, CEP 01311-000 - São

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. CNPJ 02.328.280/0001-97 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.238.280/0001-97 Rua Ary Antenor de Souza, nº 321,

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA Invest Tur Brasil Desenvolvimento Imobiliário Turístico S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 Rua Ramos Batista,

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CPFL Energia S.A.

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CPFL Energia S.A. Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CPFL Energia S.A. I. FINALIDADE 1. O objetivo da Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CPFL Energia S.A. (a Companhia )

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MPX ENERGIA S/A

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MPX ENERGIA S/A POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MPX ENERGIA S/A 1 1. Objetivo A presente Política de Negociação de es Mobiliários de emissão da MPX ( Política ) tem por objetivo estabelecer

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 11 DE SETEMBRO DE 2006

TOTVS S.A. CNPJ/MF nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 11 DE SETEMBRO DE 2006 TOTVS S.A. CNPJ/MF nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 11 DE SETEMBRO DE 2006 1. - DATA, HORA E LOCAL DA REUNIÃO: Realizada às 10h00 do dia

Leia mais

Manual da Política de Divulgação

Manual da Política de Divulgação Manual da Política de Divulgação BM&F BOVESPA S.A. BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS MANUAL DA POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS I. Definições II.

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA PARA DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA GAFISA S.A.

MANUAL DE CONDUTA PARA DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA GAFISA S.A. MANUAL DE CONDUTA PARA DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA GAFISA S.A. MANUAL DE CONDUTA PARA DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA SATIPEL INDUSTRIAL S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA SATIPEL INDUSTRIAL S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA SATIPEL INDUSTRIAL S.A. 1. Princípio Geral: Escopo 1.1 A POLÍTICA estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados pela Companhia e pessoas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO 01. Instruções para recadastrament Pessa Física IN CVM 301/2001 e 463/2008 1. Pr favr preencha tds s camps ds frmuláris, aqueles que nã frem preenchids, pr gentileza, bliterá-ls u invalidá-ls; 2. Imprima

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA PARA DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E PARA NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TEMPO PARTICIPAÇÕES S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA PARA DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E PARA NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA TEMPO PARTICIPAÇÕES S.A. Introdução O presente Código de Conduta para Divulgação e Uso de Informações e para Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Tempo Participações S.A. foi regularmente aprovado pelo Conselho de Administração

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Diretoria de Regulação de Emissores (DRE)

Diretoria de Regulação de Emissores (DRE) Diretria de Regulaçã de Emissres (DRE) Principais alterações a Regulament e Manual d Emissr 14/03/2016 x Cnfidencial Us Us Intern Públic 1 Regulament e Manual: principais alterações Divulgaçã: até 31/març.

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante do BRB BANCO DE BRASÍLIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 00.000.208/0001-00 NIRE 5330001430 CVM 01420-6

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante do BRB BANCO DE BRASÍLIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 00.000.208/0001-00 NIRE 5330001430 CVM 01420-6 Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante do BRB BANCO DE BRASÍLIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 00.000.208/0001-00 NIRE 5330001430 CVM 01420-6 FINALIDADE 1. - São regulados pelas disposições da presente

Leia mais

Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CIA. HERING FINALIDADE. Capítulo I.

Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CIA. HERING FINALIDADE. Capítulo I. Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da CIA. HERING FINALIDADE A presente Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Valores Mobiliários

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Ativo Externo. Circ. 3181, de 06.03.03 Declaração de valores detidos no exterior. Dispensados. Modalidades

Ativo Externo. Circ. 3181, de 06.03.03 Declaração de valores detidos no exterior. Dispensados. Modalidades Ativ Extern Circ. 3181, de 06.03.03 Declaraçã de valres detids n exterir O Cnselh Mnetári Nacinal, a emitir a Resluçã 2911/01 (vide RP News - nvembr/01), bjetivu cntrlar e acmpanhar estque de bens e valres

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS LOJAS AMERICANAS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA E POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS LOJAS AMERICANAS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA E POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES E NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS LOJAS AMERICANAS S.A. SUMÁRIO Seção I Definições 1.Definição dos termos e expressões utilizados no Código

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 1. OBJETIVO, ADESÃO E ADMINISTRAÇÃO 1.1 - A presente Política de Negociação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Deveres e Responsabilidades dos Membros do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal. Os Deveres dos Conselheiros na Instrução CVM nº 358/02

Deveres e Responsabilidades dos Membros do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal. Os Deveres dos Conselheiros na Instrução CVM nº 358/02 1 Deveres e Responsabilidades dos Membros do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal Os Deveres dos Conselheiros na Instrução CVM nº 358/02 Elizabeth Lopez Rios Machado SUPERINTENDÊNCIA DE RELAÇÕES

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

Os termos e expressões relacionados abaixo e utilizados no âmbito desta Política, terão o seguinte significado

Os termos e expressões relacionados abaixo e utilizados no âmbito desta Política, terão o seguinte significado Políticas de Divulgação 1) Definições Os termos e expressões relacionados abaixo e utilizados no âmbito desta Política, terão o seguinte significado 1.1. Acionistas Controladores ou Controladora : o acionista

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES E DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES E DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES E DIVULGAÇÃO DE ATOS OU FATOS RELEVANTES I OBJETO Este instrumento disciplina as práticas diferenciadas de negociação de ações e divulgação de atos ou fatos relevantes da

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JBS S.A. Companhia Aberta CNPJ nº o2.916.265/0001-60 / NIRE 35.300.330.587 Av. Marginal Direita

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

MAGNESITA REFRATÁRIOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO PRÓPRIA

MAGNESITA REFRATÁRIOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO PRÓPRIA MAGNESITA REFRATÁRIOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO PRÓPRIA E POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO 2 SUMÁRIO 1. NORMAS GERAIS... 3 1.1.

Leia mais

I Definições aplicáveis às Políticas de Divulgação e de Negociação

I Definições aplicáveis às Políticas de Divulgação e de Negociação Política de Divulgação e Uso de Informações e Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da SARAIVA A Saraiva S.A. Livreiros Editores ( SARAIVA ou Sociedade ), sociedade com Registro de Capital

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E TRANSPARÊNCIA

CÓDIGO DE CONDUTA E TRANSPARÊNCIA CÓDIGO DE CONDUTA E TRANSPARÊNCIA DA TELEMAR PARTICIPAÇÕES S.A., TELE NORTE LESTE PARTICIPAÇÕES S.A. E TELEMAR NORTE LESTE S.A. INTRODUÇÃO O presente Código de Conduta e Transparência para Divulgação e

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA CCX CARVÃO DA COLÔMBIA S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA CCX CARVÃO DA COLÔMBIA S.A. 1. Objetivo A presente Política de Negociação de es Mobiliários de emissão da CCX Carvão da Colômbia S.A. ( Política e Companhia, respectivamente) tem por objetivo estabelecer as regras e procedimentos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DO MINERVA S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DO MINERVA S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DO MINERVA S.A. 1 - NORMAS GERAIS 1.1 - Introdução e Princípios Gerais 1.1.1 - O Minerva é uma

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Termo de Adesão ao Programa de Afiliados DATTE

Termo de Adesão ao Programa de Afiliados DATTE Term de Adesã a Prgrama de Afiliads DATTE CONSIDERANDO que este Term de Afiliads cntém as regras que se aplicam à participaçã de Pessas Físicas e Jurídicas n Prgrama de Afiliads DATTE, dravante chamad

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto de 2013. 1 POLÍTICA

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

1.Introdução... 2. 2. Definições... 2. 3. Objetivos e Princípios... 3. 4. Negociação por meio de Corretoras Credenciadas e Períodos de Bloqueio...

1.Introdução... 2. 2. Definições... 2. 3. Objetivos e Princípios... 3. 4. Negociação por meio de Corretoras Credenciadas e Períodos de Bloqueio... Índice 1.Introdução... 2 2. Definições... 2 3. Objetivos e Princípios... 3 4. Negociação por meio de Corretoras Credenciadas e Períodos de Bloqueio... 4 5. Restrições à Negociação na Pendência de Divulgação

Leia mais

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2

Adesão à CCEE. Versão 1 -> Versão 2 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Adesã à CCEE Versã 1 -> Versã 2 Versã 2 METODOLOGIA DO Text em realce refere-se à inserçã de nva redaçã Text tachad refere-se à exclusã de redaçã. Alterações

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA ABRIL EDUCAÇÃO S.A. CNPJ/MF nº 02.541.982/0001-54/NIRE 3530017583-2 Avenida Otaviano Alves

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. Dads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML

MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML 1 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE LIMEIRA IPML Plítica Anual de Investiments 2015 TERMO DE REFERÊNCIA 2 Em cnsnância a que determina a Resluçã d CMN n 3.922/2010 n Artig 4, fica estabelecid pr mei

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Política de Investimentos. OABPrev-SP

Política de Investimentos. OABPrev-SP Plítica de Investiments OABPrev-SP 2011 1 Intrduçã 2 Objetivs de Investiment 3 Alcaçã Estratégia 4 Limites peracinais para investiment n segment de Renda Fixa 5 Us de Instruments Derivativs 6 Índices de

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

Ficha Cadastro Pessoa Física

Ficha Cadastro Pessoa Física Ficha Cadastr Pessa Física Grau de sigil #00 Em se tratand de mais de um titular, preencher uma ficha para cada um. Cas necessári, utilize utra ficha para cmpletar s dads. ads da Cnta na CAIXA Cód. agência

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais