Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 2. Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados"

Transcrição

1 Módulo 2 Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados

2 Organização e Funcionamento de Mercados de Derivados Mercados organizados e de balcão Bolsas de Derivados Principais Características Padronização de Contratos Câmara de Compensação e Sistema de Margens Exemplo de Contrato e Negociação de Futuros Evolução Histórica

3 Mercados de Derivados Bolsas vs Mercados de Balcão Mercados Organizados = Bolsas Padronizados Negociabilidade dos produtos e Liquidez Transparência Não existe virtualmente risco de crédito Mercados Balcão (OTC) Personalização e adequação às necessidades Algum risco de crédito (risco contraparte)

4 Bolsas de Derivados Principais Caracteristicas Padronização da unidade contratual ou prédeterminação de todos os seus aspectos pela entidade gestora do mercado Câmara de Compensação como contraparte nos contratos Actualização diária de preços Sistema de Margens, com cálculo diário de ganhos e perdas

5 Padronização de Contratos Condições de Entrega Condições de Entrega: exemplo de futuros com liqidação física Copper Grade A Futures armazéns aprovados pela LME no Reino Unido: Avanmouth, Goole, Hull, Liverpool, Newcastle e Sunderland Futuros sobre o Café - armazéns credenciados pela Bolsa, nos estados de S. Paulo, Paraná e Minas Gerais

6 Bolsas de Derivados Exemplo Contrato Futuros ontrato Futuro Euro/British pound bolsa NYBOT, contrato FINEX - Dimensão do contrato Euros - Método de cotação Libras por Euro (EUR/GBP) - Mínima variação de cotação 0,0001 libras (10 libras por contato) - Vencimento Março, Junho, Setembro e Dezembro - Liquidação no vencimento Física - Dia de liquidação Terceira quarta-feira do mês de vencimento - Ultimo dia de negociação Dois dias uteis antes dia liquidação - Margens Incial 1330 GBP - Margem de Manutenção 1000 GBP

7 Bolsas de Derivados Câmara de Compensação Câmara de Compensação Garante cumprimento dos contratos Ajustes diários de ganhos e perdas Exige depósitos de margem Liquidação de taxas de bolsa A Câmara de Compensação da Euronext Lisbon assegura o registo, compensação, liquidação, encerramento e transferência de posições e, bem assim, a constituição das garantias devidas e a realização dos ajustes diários de ganhos e perdas que se verifiquem nos contratos junto de si registados, bem como outros procedimentos de controlo de risco que se reputem necessários. Desta forma, a Câmara de Compensação interpõe-se como contraparte nos negócios efectuados, assumindo-se como compradora face ao vendedor e como vendedora face ao comprador.

8 Bolsas de Derivados Sistema de Margems Margen Inicial Depósito inicial (dinheiro ou títulos rendimento fixo sem risco e com liquidez) exigido para transaccionar contratos derivados Margem de Manutenção Limite mínimo na conta margem Reforço de Margem Eventuais depósitos necessários, resultantes de perdas nas posições detidas

9 Bolsas de Derivados Sistema de Margems A 'margem inicial' é definida como um montante que reflecte a variação máxima num dia, e é retornável no final do contrato. Se os preços se moverem contra o investidor, o corretor pedirá fundos adicionais para manter o rácio, isto é, um 'reforço de margem'. Os montantes que são somados e subtraidos à margem durante a vida do contrato são conhecidos como 'variação da margem'. Este processo é chamado 'marking to market'.

10 Bolsas de Derivados Sistema de Margems Em mercados de futuros, os investidores quer detenham uma posição longa ou posição curta são obrigados a constituir uma 'margem inicial'. Em mercados de opções, a margem é o montante requerido como colateral face a eventuais perdas do vendedor da opção. Quem compra uma opção (quem detém a posição longa) não necessita de constituir margem.

11 Mercados de Balcão Contratos Forward* Acordo para comprar ou vender um activo, numa determinada data futura, por um preço fixado no presente Enquanto um contrato de futuros é negociado numa bolsa de valores, um contrato forward é negociado em mercados não-organizados denominados mercados de balcão (over-thecounter OTC) *Opções também são negociadas em mercados de balcão, não se utilizando contudo neste caso uma denominação alternativa

12 Mercados de Balcão Contratos Futuros vs. Forward Futuros Forwards Negociados em bolsa Padronizados Sem risco contraparte Negociados mercado balcão Não-padronizados Com risco contraparte Contratos são normalmente fechados Normalmente acontece liquidação antes da maturidade* física ou financeira no final * O fecho de uma posição em futuros, envolve a entrada numa posição exactamente contrária

13 Activos Financeiros Derivados Evolução Histórica Séc. XIV Mercadores Lombardos (forward cambiais) Séc. XVII Tulipas na Holanda (forwards e opções) Arroz na China (forwards) Séc. XVIII Acções de Empresas em Londres (opções)

14 Activos Financeiros Derivados Evolução Histórica 1848 EUA Criado o CBOT (Chicago Board of Trade) Negociar contratos de futuros Vocacionada para mercadorias (cereais) 1972 EUA, na CME (Chicago Mercantile Exchange) Início dos contratos de futuros sobre activos financeiros

15 Activos Financeiros Derivados Evolução Histórica Factores Determinantes (CME, 1972): Colapso do Sistema de Bretton Woods, com inconvertibilidade do USD e fim dos câmbios fixos Crise do petróleo Inflação

16 Activos Financeiros Derivados Evolução Histórica Factores Inovadores (CME, 1972): Diferença dos futuros sobre mercadorias, pela entrega poder não ser física, mas monetária (cash settlement) Contratos de futuros que incidem sobre instrumentos de base que não possuiem existência física (taxa de juro, índices...) Primeiro activo subjacente principais divisas internacionais.

17 Activos Financeiros Derivados Evolução Histórica 1973 EUA, foi criada a CBOE (Chicago Board of Options Exchange) Início dos contratos de opções sobre activos financeiros negociados em bolsa 16 acções de empresa padronizadas 1973 EUA, foi criado o modelo de valorização de opções de Black-Scholes Anos 80, enorme crescimento dos mercados

18 Activos Financeiros Derivados Evolução Histórica Portugal 1996, iniciou-se na BDP, a negociação de produtos derivados, inicialmente futuros: futuros sobre o índice PSI-20, obrigações tesouro a 10 anos, acções individuais (PT, EDP...) Portugal 1999, iniciou-se a negociação de opções sobre acções e o índice PSI-20 e acções

Módulo 1. Introdução aos Activos Financeiros Derivados

Módulo 1. Introdução aos Activos Financeiros Derivados Módulo 1 Introdução aos Activos Financeiros Derivados Índice 1. Mercados à Vista e a Prazo. 2. Contratos de Futuros 3. Contratos de Opções 4. Estratégias que Utilizam Derivados: Cobertura de Risco, Especulação

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Introdução aos Contratos de Futuros

Objectivo. Ephi-ciência Financeira Introdução aos Contratos de Futuros Ephi-ciência Financeira Introdução aos Contratos de Futuros Objectivo Definição e Avaliação dos Futuros Mercados e Produtos de Futuros Financeiros Utilização Prática dos Futuros João Cantiga Esteves Senior

Leia mais

FORWARDS, FUTUROS E SWAPS

FORWARDS, FUTUROS E SWAPS ISEG Instituto Superior de Economia e Gestão Mestrado em Finanças Módulo I FORWARDS, FUTUROS E SWAPS FORWARDS, FUTUROS E SWAPS 2 de Outubro de 2007 Objectivos Programáticos: Nivelar os conhecimentos sobre

Leia mais

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação

Objectivo. Ephi-ciência Financeira. Introdução aos Produtos Derivados. Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação Introdução aos Produtos Derivados Objectivo Definição e Carcterização de Opções Tipos de Opções Princípios de Avaliação João Cantiga Esteves Senior Partner ACTIVOS FINANCEIROS DERIVADOS Introdução às Opções

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Forex

Conceitos básicos de negociação em Forex Conceitos básicos de negociação em Forex A GoBulling é uma marca do Banco Carregosa. EM 2012 O BANCO CARREGOSA É ELEITO O MELHOR EM BANCA PRIVADA EM PORTUGAL www.facebook.com/gobulling Produtos Financeiros

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM

Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM Clientes utilizadores de meios electrónicos Caixadirecta Invest 15 de Outubro de 2010 Aviso nos termos da instrução

Leia mais

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Conceitos básicos de negociação em Forex N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x

Mercado Ca C mbia i l - Fo F re r x Mercado Cambial - Forex AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados, não

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Aviso n. o 006/2014-AMCM

Aviso n. o 006/2014-AMCM Aviso n. o 006/2014-AMCM ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS NOS FUNDOS DE PENSÕES De acordo com o disposto no n. o 6 do aviso n. o 006/2013-AMCM, de 10 de Janeiro, os instrumentos derivados, tais

Leia mais

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial

Forex. 2013, Março. O Mercado Cambial Forex 2013, Março O Mercado Cambial AVISO O presente documento foi preparado pelo Banco BEST com o objectivo de informar os leitores sobre as principais características dos produtos derivados aqui apresentados,

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 8/2005 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 8/2005 Considerando a Directiva nº 98/31/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Junho, que alterou a Directiva nº 93/6/CE, de 15 de Março, relativa à adequação

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Produtos e Mercados de Dívida

Produtos e Mercados de Dívida Produtos e Mercados de Dívida Raquel M. Gaspar Sérgio F. Silva 1 Parte II Derivados de Taxas de Juro 2 Raquel M. Gaspar/ Sérgio F. Silva PARTE II Derivados de Taxas de Juro 1. Swaps, Fras s e Futuros sobre

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Opções Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las Contraparte: X-Trade Brokers

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro I. Contratos a Termo. Contrato a Termo Standard. Prf. José Fajardo. Fundação Getulio Vargas-EBAPE Mercado a Termo e Futuro I Prf. José Fajardo Fundação Getulio Vargas-EBAPE Contratos a Termo O Contrato a Termo é um acordo OTC (Over The Counter), é dizer negociado no Mercado de Balcão, entre 2 companhias

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. OPÇÕES SOBRE FOREX Contraparte:

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de 2004 1 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

Processo de Decisão. Determinada perspectiva sobre um subjacente. Perspectiva sobre o movimento do subjacente. Escolher o tipo de produto.

Processo de Decisão. Determinada perspectiva sobre um subjacente. Perspectiva sobre o movimento do subjacente. Escolher o tipo de produto. Processo de Decisão Determinada perspectiva sobre um subjacente Perspectiva sobre o movimento do subjacente Escolher o tipo de produto Warrant Inline À escolha Certificados Turbo 1 1. Subjacentes Sumário

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas.

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas. O presente documento visa fornecer-lhe informações simples e práticas sobre como deve investir de forma responsável. Independentemente da protecção conferida pela legislação aos investidores não profissionais,

Leia mais

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000 VALORES MOBILIÁRIOS Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Na contratação de serviços de investimento em valores s, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a realizar,

Leia mais

Millennium bcp 2 Julho 2011

Millennium bcp 2 Julho 2011 Preçário de Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

. MERCADOS MOBILIÁRIOS

. MERCADOS MOBILIÁRIOS . MERCADOS 5.. M DE VALORES MOBILIÁRIOS 5. Mercados de Valores Mobiliários O QUE SÃO OS MERCADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS? Os mercados de valores mobiliários são um espaço ou uma organização que se destina

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants Academia de Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Motivos para investir em Warrants 4. O Emitente 5. Como

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1/12 DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N.º 17 CONTRATOS DE FUTUROS 1 - OBJECTIVO A presente directriz tem por objectivo o tratamento contabilístico dos contratos de futuros, negociados em mercados organizados com

Leia mais

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo

OPORTUNIDADES ÚNICAS. O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo OPORTUNIDADES ÚNICAS O CME Group e a BM&FBovespa uniram-se para oferecer acesso global a dois dos mercados mais dinâmicos do mundo Panorama da parceria do CME Group com a BM&FBOVESPA Conectando mercados

Leia mais

Mercado em baixa Um mercado em baixa é um termo que descreve a constante descida do preço de mercado.

Mercado em baixa Um mercado em baixa é um termo que descreve a constante descida do preço de mercado. Glossário Mercado em baixa Um mercado em baixa é um termo que descreve a constante descida do preço de mercado. Tamanho da posição Trata-se do montante que se pode ganhar ou perder pelo incremento ou decréscimo

Leia mais

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference CFDs sobre acções CFDs sobre Índices CFD s Contracts for Difference Introdução Caracteristicas O que são? 1 Vantagens 1 Alavancagem Flexibilidade Outras vantagens 2 Exposição mínima Inexistência de Liquidação

Leia mais

Decreto-Lei 333/2001, de 24 de Dezembro-I Série A

Decreto-Lei 333/2001, de 24 de Dezembro-I Série A Decreto-Lei 333/2001, de 24 de Dezembro-I Série A Transpõe para o ordenamento jurídico interno a Directiva n.º 98/31/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de Junho, que altera a Directiva n.º

Leia mais

Investimentos em Derivados. O Mercados de Futuros

Investimentos em Derivados. O Mercados de Futuros INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU Investimentos em Derivados O Mercados de Futuros ANO : 1º SEMESTRE: 2º DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues INTRODUÇÃO A contratação no presente, do preço e da quantidade a

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Contraparte: Saxo Bank. O Saxo Bank

Leia mais

Investimento Financeiro

Investimento Financeiro Investimento Financeiro Apontamentos de: Sandra Gomes E-mail: Data: Janeiro 2009 Livro: Mercados e Investimentos financeiros Nota: é o resumo dos 3 primeiros capítulos do livro / guião da cadeira 1 GUIÃO

Leia mais

Anexo 1. Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM. Clientes utilizadores de meios electrónicos

Anexo 1. Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM. Clientes utilizadores de meios electrónicos Anexo 1 Preçário para Investidores não qualificados nos termos da instrução nº1/2006 da CMVM Clientes utilizadores de meios electrónicos Caixadirecta Invest 28 de Abril de 2009 Aviso nos termos da instrução

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros

Mercados e Investimentos Financeiros Mercados e Investimentos Financeiros Funcionamento dos Mercados de Reporte e Empréstimos de Valores Mobiliários Ana H. Roseiro Ana Luísa Cardoso Newton Chatala Tiago Carvalho APRESENTAÇÃO DO TEMA Objectivo

Leia mais

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 3. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 3 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

Best Trading Pro. 23 Abril 2013

Best Trading Pro. 23 Abril 2013 Best Trading Pro 23 Abril 2013 Copyright 2013 Banco Best BEST Trading Pro Uma verdadeira sala de mercados numa única plataforma Plataforma BTP: toda a oferta à sua medida Negociação on-line de 17.000 activos

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants

Academia de Warrants. 3. Turbo Warrants Academia de Warrants 3. Turbo Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Turbo Warrants 4. Como negociar - Direct Trade 1/281 Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3.

Leia mais

Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos

Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Na contratação de serviços de investimento em valores s, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a realizar,

Leia mais

O sumário é composto por informações de divulgação, designados por 'Elementos'. Estes encontram-se enumerados nas Secções A E (A.1 E.7).

O sumário é composto por informações de divulgação, designados por 'Elementos'. Estes encontram-se enumerados nas Secções A E (A.1 E.7). O sumário é composto por informações de divulgação, designados por 'Elementos'. Estes encontram-se enumerados nas Secções A E (A.1 E.7). Este sumário contém todos os Elementos que se exige que sejam incluídos

Leia mais

Informações Adicionais sobre Serviços de Investimento. Valor colateral, risco, crédito a descoberto e títulos a descoberto

Informações Adicionais sobre Serviços de Investimento. Valor colateral, risco, crédito a descoberto e títulos a descoberto Informações Adicionais sobre Serviços de Investimento Valor colateral, risco, crédito a descoberto e títulos a descoberto Introdução Nas Informações Adicionais sobre Serviços, a DEGIRO fornece uma descrição

Leia mais

/ Warrants: uma definição /

/ Warrants: uma definição / Warrants www.warrants.commerzbank.com Warrants: uma definição Os warrants são valores mobiliários associados a activos como acções, índices ou taxas de câmbio que amplificam os movimentos DE preço dos

Leia mais

Capítulo 1. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo

Capítulo 1. Taxas de câmbio e mercados de divisas. Objectivos do capítulo Capítulo 1 Taxas de câmbio e mercados de divisas Objectivos do capítulo A função das taxas de câmbio no comércio internacional; Como se determinam as taxas de câmbio? Preços e decisões dos agentes económicos

Leia mais

Condições e formulários de aceitação DEGIRO

Condições e formulários de aceitação DEGIRO Condições e formulários de aceitação DEGIRO 1/25 Endereço para onde pode enviar este formulário: Pode enviar este formulário devidamente preenchido por e-mail para: clientes@degiro.pt 2/25 Condições para

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS BREVE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS BREVE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS BREVE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS 2006. António Gomes Mota, Clementina Barroso, Helena Soares e Luís Laureano. 1. INTRODUÇÃO As pessoas e as empresas contactam diariamente,

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Banco Português de Investimento, S.A.

Banco Português de Investimento, S.A. 1 Banco Português de Investimento, S.A. TABELA GERAL DE REMUNERAÇÕES, COMISSÕES E DESPESAS PRODUTOS E SERVIÇOS Actualizada em 2008-07-16 7 VALORES MOBILIÁRIOS TRANSACÇÕES 1. Mercado a Contado a) Comissão

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015 Mitigadores de Riscos 24 de setembro de 2015 1 As trocas comerciais ao nível internacional As empresas quando começam a trabalhar com empresas fora de Portugal têm que ter em consideração novos factores

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS

DOS DERIVATIVOS E SEUS MERCADOS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA

Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA Prospeto Informativo Depósito Indexado Geo Diversificado BBVA Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de risco Depósito Indexado Geo Diversificado

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS FINANÇAS INTERNACIONAIS

MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS FINANÇAS INTERNACIONAIS MBA/CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANÁLISE FINANCEIRA FINANÇAS INTERNACIONAIS MÓDULO II ISEG/UTL Objectivo Os Mercados Cambiais As Taxas de Câmbio Determinantes Cambiais 1 Arbitragem FINANÇAS INTERNACIONAIS

Leia mais

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte de informação Março 2013 Esquema da Apresentação Área de Empresa Comunicação de Operações e posições com o exterior

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais

Glossário de Termos Relativos a Instrumentos Financeiros

Glossário de Termos Relativos a Instrumentos Financeiros 1 Glossário de Termos Relativos a Instrumentos Financeiros Abertura de Posição: Operação inicial de investimento que expõe o investidor às consequências da variação do preço de um activo financeiro. O

Leia mais

Informação Importante

Informação Importante Informação Importante Independentemente das condições de prestação de serviços bancários, de investimento, de recepção e transmissão de ordens por conta de outrem, cujos termos se encontram expressos nas

Leia mais

. FUNDOS DE INVESTIMENTO

. FUNDOS DE INVESTIMENTO . FUNDOS 7.. F DE INVESTIMENTO 7. Fundos de Investimento O QUE É UM FUNDO DE INVESTIMENTO? Um fundo de investimento é um património que pertence a várias pessoas, destinado ao investimento em determinados

Leia mais

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social.

Esclarecimento. De entre as acções dadas em garantia destacam-se as acções Cimpor, correspondentes a 9,58% do respectivo capital social. Esclarecimento 1. O Grupo INVESTIFINO contratou junto da CGD, no período de 2005 a 2007, diversos financiamentos que globalmente atingiram um valor elevado. 2. Os referidos financiamentos destinaram-se

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado USD 6 meses Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO ANÁLISE DOS MERCADOS FUTUROS DE CÂMBIO NO BRASIL Carlos Fernando Martins Miranda Nº de matrícula:

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR NOTES BES MOEDAS COMMODITIES AGOSTO 2010 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR NOTES BES MOEDAS COMMODITIES AGOSTO 2010 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: Remuneração não garantida DOCUMENTO INFORMATIVO EUR NOTES BES MOEDAS COMMODITIES AGOSTO 2010 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Consulta Pública sobre os Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) As Novas Formas Organizadas de Negociação

Leia mais

Características e Utilização para Hedge

Características e Utilização para Hedge CAPÍTULO 3 Mercados Futuros: Características e Utilização para Hedge Os mercados futuros possibilitam a redução de risco dos agentes econômicos, de forma semelhante aos mercados a termo. Eles podem ser

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 1.1 - Introdução ao Mercado de Swaps O que são Swaps? Exemplos Swaps & Forwards Intervenientes e Organização do Mercado de Swaps 1.2 - Swaps de Taxa

Leia mais

Futuros e Opções de Grãos e Oleaginosas

Futuros e Opções de Grãos e Oleaginosas Produtos de Commodities Futuros e Opções de Grãos e Oleaginosas Os produtos de benchmark de desempenho global que você já opera. Agora com a qualidade do CME Group. Visão Geral Grãos e sementes oleaginosas

Leia mais

Prospecto Informativo Depósito Dual China e México BBVA Novembro 2012

Prospecto Informativo Depósito Dual China e México BBVA Novembro 2012 Prospecto Informativo Depósito Dual China e México BBVA Novembro 2012 Designação Classificação Caracterização do Produto Depósito Dual China e México BBVA Produto financeiro complexo O Depósito Dual China

Leia mais