CÉLIO ANDREI PEREIRA MARCELINO PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM LEIAUTE DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE EQUIPAMENTOS E PRODUTOS NA EMPRESA MARPE PISCINAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÉLIO ANDREI PEREIRA MARCELINO PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM LEIAUTE DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE EQUIPAMENTOS E PRODUTOS NA EMPRESA MARPE PISCINAS"

Transcrição

1 CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CÉLIO ANDREI PEREIRA MARCELINO PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM LEIAUTE DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE EQUIPAMENTOS E PRODUTOS NA EMPRESA MARPE PISCINAS BIGUAÇU - SC 2011

2 2 CÉLIO ANDREI PEREIRA MARCELINO PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM LEIAUTE DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE EQUIPAMENTOS E PRODUTOS NA EMPRESA MARPE PISCINAS Trabalho de Conclusão de Estágio apresentado ao Curso de Administração do Centro de Educação da UNIVALI Biguaçu, como requisito para obtenção do Título de Bacharel em Administração. Orientador: Prof. Rosalbo Ferreira. BIGUAÇU - SC 2011

3 3 CÉLIO ANDREI PEREIRA MARCELINO PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM LEIAUTE DE ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE EQUIPAMENTOS E PRODUTOS NA EMPRESA MARPE PISCINAS Este Trabalho de Conclusão de Estágio foi considerado adequado para a obtenção do título de Bacharel em Administração e aprovado pelo Curso de Administração, da Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação de Biguaçu. Área de Concentração: Logística Biguaçu, 29 de Novembro de Prof. Dr. Rosalbo Ferreira UNIVALI - CE de Biguaçu Orientador Prof. MSc. João Carlos D. Carneiro UNIVALI - CE de Biguaçu Prof. MSc. Rogério Raul da Silva UNIVALI - CE de Biguaçu

4 4 RESUMO MARCELINO, Célio Andrei Pereira. Proposta para implantação de um leiaute de armazenagem e manuseio de equipamentos e produtos na empresa Marpe Piscinas, 2011, 71 f. Trabalho de Conclusão de Estágio (Bacharelado em Administração) - Universidade do Vale do Itajaí, São José, O presente trabalho objetiva apresentar uma proposta para implantação de um sistema de leiaute na empresa Marpe Piscinas, situada em Florianópolis Santa Catarina. As informações foram obtidas através de referências bibliográficas, familiaridade do acadêmico com a empresa, e da fusão d o conhecimento obtido durante o período de graduação, a fim de obter sucesso do embasamento na prática. O competitivo mercado tem se apresentado exigente em relação aos prazos de abastecimento e distribuição de materiais nas empresas. Desta maneira, um leiaute de uma empresa, desde que elaborado eficazmente, contribui de modo considerável para a melhoria da armazenagem e da movimentação de seus bens. Constatada a necessidade de a empresa alterar sua estrutura física, com a construção de uma nova sede, o trabalho propõe ainda um sistema de armazenagem moderno e eficaz, decorrente de um leiaute apropriado às funções logísticas pertinentes. Palavras-chave: Logística, leiaute e armazenagem.

5 5 ABSTRACT MARCELINO, Célio Andrei Pereira. Proposta para implantação de um leiaute de armazenagem e manuseio de equipamentos e produtos na empresa Marpe Piscinas, 2011, 71 f. Trabalho de Conclusão de Estágio (Bacharelado em Administração) - Universidade do Vale do Itajaí, São José, This study presents a proposal to implement a system layout in the company Marpe Piscinas, located in Florianópolis - Santa Catarina. The information was obtained through references, academic familiarity with the company, and the merging of knowledge gained during the graduation in order to succeed in the basement practice. The competitive market has been performing in demanding limits for supply and distribution of materials in the companies. Thus, a layout of an undertaking, if developed effectively, contributes considerably to the improvement of storage and handling of your goods. Given the need for the company to change its physical structure, with the construction of a new headquarters, the work also proposes a storage system modern and efficient, due to a layout appropriate to the relevant logistics functions. Keywords: Logistics, layout and storage.

6 Dedico este trabalho aos meus pais Célio e Lucia Marcelino, e ao meu grande amigo José Gomes Neto, que sempre estiveram ao meu lado me incentivando à formação acadêmica. 6

7 7 AGRADECIMENTOS A Deus, por ter concedido oportunidade de concluir este curso de administração. A Universidade do Vale do Itajaí, instituição que levarei comigo para sempre, sobretudo por minha formação profissional em Administração, profissão essa da qual muito me orgulho, e por minha formação como pessoa. Aos professores Rosalbo Ferreira, pela orientação segura e pela paciência ao conduzir-me na execução desse trabalho. A todos os professores, que sabiamente souberam lecionar suas disciplinas atribuindo fortemente para minha vida profissional. Aos meus pais e irmã, pelo amor, paciência e apoio que dedicaram durante esses anos de jornada acadêmica. Ao meu grande amigo e irmão José Gomes Neto, que insistentemente me incentivou a seguir a graduação. A minha querida amiga Rosemary, que tanto contribuiu a este trabalho, auxiliando no desenvolvimento técnico e no incentivo à sua conclusão. A todos os amigos que comigo estiveram presentes nas horas de estudo e festividades, contribuindo de maneira única, a trajetória acadêmica.

8 8 Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito. (Aristóteles)

9 9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - EVOLUÇÃO DA LOGÍSTICA FIGURA 2 - EMPILHADEIRA FIGURA 3 - CARRINHO ELÉTRICO FIGURA 4 - CARRINHO HIDRÁULICO FIGURA 5 - CARRINHO INTERNO FIGURA 6 - GUINDASTE HIDRÁULICO FIGURA 7 - PONTES ROLANTES FIGURA 8 - PLATAFORMA HIDRÁULICA VEICULAR FIGURA 9 - PLATAFORMA NIVELADORA FIGURA 10 - CORREIA PLANA FIGURA 11 - TORRE DE TRILHO FIGURA 12 - PALETE DE MADEIRA FIGURA 13 - PALETE DE FIBRA FIGURA 14 - PORTA PALETES CONVENCIONAL FIGURA 15 - PORTA PALETES DRIVE-IN E DRIVE-THRU FIGURA 16 - PORTA PALETES FLOW-RACK FIGURA 17 - PORTA PALETES PUSH-BACK FIGURA 18 - PORTA PALETES POWER RACK FIGURA 19 - PORTA PALETES DINÂMICO FIGURA 20 - ESTANTES FIGURA 21 - MEZANINO FIGURA 22 - CANTILLEVER FIGURA 23 - VANTAGENS E DESVANTAGENS DO ARRANJOS FÍSICOS FIGURA 24 - EMPRESA MARPE PISCINAS FIGURA 25 - ALGUMAS LOGOMARCAS DE FORNECEDORES FIGURA 26 - ORGANOGRAMA DA EMPRESA FIGURA 27 - PLANTA DO ATUAL DEPÓSITO FIGURA 28 - ESTOQUE FIGURA 29 - ESTOQUE FIGURA 30 - ESTOQUE FIGURA 31 - ESTOQUE

10 10 FIGURA 32 - SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE FIGURA 33 - PLANTA DO NOVO DEPÓSITO... 62

11 11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA LOGÍSTICA Logística empresarial Logística de serviço ao cliente ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES ARMAZENAGEM Objetivos da armazenagem Funções da armazenagem Equipamentos de movimentação Tipos de sistema de armazenagem LEIAUTE Objetivos do leiaute Tipos de leiaute PROCEDIMENTO METODOLÓGICO LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE DADOS CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA LEVANTAMENTO E ANÁLISE DOS DADOS Planta do atual depósito Estoque Estoque Estoque Estoque Gerenciamento dos produtos DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL... 60

12 12 5 PROPOSTA DE MODELO DE LEIAUTE PARA O NOVO DEPÓSITO DIVISÃO DO ESPAÇO DISPONÍVEL PARA ARMAZENAGEM E MANUSEIO DOS MATERIAIS Recebimento e liberação de mercadorias Setor de peças e acessórios Setor de móveis em geral Setor de produtos químicos Setor de montagem Área de despacho PROPOSTA PARA MOVIMENTAÇÃO, MANUSEIO E ARMAZENAGEM DOS MATERIAIS Setor de peças e acessórios Setor de móveis em geral Setor de produtos químicos Área de despacho CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 69

13 13 1 INTRODUÇÃO A forma apropriada de ocupar um espaço, independente da área organizacional considerada, de vários pontos de vista enseja grande rendimento operacional. Assim, desde que haja planejamento, modelos de armazenagem e expedição, seguem uma linha de vital importância para o desempenho das atividades esperadas em todos os processos. O adequado planejamento torna-se indispensável para padronização de um arranjo físico para operações logísticas que dependem fundamentalmente do espaço disponível, dos equipamentos de armazenagem e movimentação. E a melhor ferramenta para o aproveitamento desses elementos é um leiaute bem elaborado. O leiaute de um armazém contempla a disposição física dos equipamentos utilizados para armazenar e movimentar os materiais, segundo sua natureza física e seu grau de periculosidade, além de outros fatores pertinentes ao seguimento operante. Um modelo de leiaute deve ser elaborado, considerando as necessidades da empresa à qual se destina. Como resultado, teremos melhoramentos no aproveitamento dos espaços vertical e horizontal considerados. Assim considerando, este trabalho parte das condições atuais de funcionamento da Marpe Piscinas, para finalmente propor um leiaute adequado para a empresa. Os sistemas de armazenagem e movimentação atualmente em uso na empresa são também considerados porque contemplam a continuidade de suas atividades comerciais, durante o período das mudanças propostas. A empresa Marpe Piscinas, localizada no bairro Itacorubi de Florianópolis SC, comercializa produtos, móveis e acessórios para piscina. Seu público alvo é constituído por redes de hotéis, condomínios, associações, clubes e pessoas físicas em geral, considerados todos de suma importância para o desenvolvimento e sucesso da empresa. A Marpe Piscinas planeja construir sua nova sede, objetivando melhor aproveitar a área física de que dispõe. Em vista do exposto este trabalho tem, por conseguinte, que responder prioritariamente a questão: Qual o modelo de leiaute mais apropriado para o armazenamento e a funcionalidade operacional dos produtos com os quais a empresa opera?

14 OBJETIVOS Objetivo geral Propor a implantação de leiaute de armazenagem e manuseio de equipamentos e produtos na empresa Marpe Piscinas Objetivos específicos a) Analisar a logística e armazenagem, considerando a importância destas atividades para uma empresa; b) Descrever alguns tipos de armazenagem e manuseio de materiais existentes; c) Mensurar o espaço disponível e o modelo de leiaute adequado; d) Expor a viabilidade do sistema de leiaute proposto. 1.2 JUSTIFICATIVA A elaboração deste trabalho acadêmico é importante, pois através dele poderemos efetuar a análise da empresa e assim construir um diagnóstico, capaz de embasar propostas de melhorias na logística de armazenagem e manuseio dos produtos, objetivando alcançar resultados satisfatórios. Esse propósito está de acordo à Marpe Piscinas, tendo em vista a necessidade de aperfeiçoar suas técnicas de armazenagem e manuseio de equipamentos e produtos para piscina, através de leiaute apropriado de armazenagem, a fim de atingir o nível de excelência desejado. O autor deste trabalho tem particular interesse no tema abordado, por estar diretamente ligado à administração da Marpe Piscinas. A empresa, por seu lado, vê relevância no projeto, já que este poderá identificar processos de otimização que permitam agilidade no manuseio de materiais, minimizando os custos operacionais. Este trabalho de conclusão de estágio é oportuno, pois o setor de piscinas está em grande ascensão devido à política cambial atual, a quebra de paradigmas

15 15 dividindo as classes consumidoras e, sobretudo, dado o interesse do público em adquirir equipamentos e produtos de qualidade. A viabilidade deste trabalho é considerada de baixo investimento, seu autor é funcionário da empresa e tem acesso a todas as informações pertinentes à área estudada. Este projeto é de caráter inédito na empresa, pois as indagações acerca de um plano dessa ordem não haviam sido fundamentadas e analisadas pelos gestores e partes interessadas. 1.3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO A empresa Marpe Piscinas foi fundada em 1990 pelo Sr. Célio Antunes Marcelino, que identificou no mercado a carência de peças de reposição para filtros, motores e equipamentos para piscina. Na época, ele, era técnico na área e tinha muita dificuldade em encontrar peças e materiais para os serviços que realizava. No início a empresa estabeleceu-se na Rua Deputado Antônio Edu Vieira, nº 606, bairro Pantanal, Florianópolis Santa Catarina, ocupando uma sala comercial alugada de aproximadamente 18 m². Dispondo de grandes conhecimentos sobre os produtos, acessórios e equipamentos comercializados pelo gestor da organização, não foi difícil conquistar uma gama de clientes que ali depositavam sua confiança e lealdade. Após quatro anos, a pequena sala comercial já não mais dispunha de espaço físico suficiente para armazenar os produtos e novos materiais que a empresa estava comercializando na época, tais como móveis em plástico, banheiras de hidromassagem, saunas e aquecedores. Havia necessidade de buscar uma sala maior, que pudesse atender as necessidades da organização e que não estivesse muito distante do antigo ponto comercial. O ponto comercial encontrado situava-se a Avenida Madre Benvenuta, nº 809, bairro Santa Monica, Florianópolis Santa Catarina, a dois quilômetros do endereço anterior. Era uma sala ampla de 75 m² muito bem localizada, em um local de fácil acesso e com estacionamento próprio. Com espaço maior, a empresa pode iniciar um processo de seleção de produtos diferenciados, partindo assim para comercialização de móveis em alumínio fundido, móveis em alumínio com fibra sintética, lareiras, piscinas em fibra e vinil,

16 16 guarda-sóis, cadeiras de praia, infláveis e, mantendo a tradição em dispor de peças para manutenção, aumentou o leque de peças de reposição para filtros, motores e acessórios para piscinas. Percebendo a necessidade de diminuir os custos com locação, a empresa procurou um ponto comercial que, localizado nas proximidades de sua atuação, estivesse dentro de suas condições financeiras de investimento. Assim, foi encontrado e adquirido o terreno no bairro Itacorubi, onde a empresa está hoje localizada, podendo oferecer a seus clientes um ambiente agradável, climatizado, com produtos de excelente qualidade, estacionamento próprio e uma grande vitrine para dispor os produtos comercializados a seus clientes. O imóvel possui 220 m² de área construída em um terreno de 345 m². Seu quadro de pessoal está atualmente com 7 funcionários, que exercem funções nos setores administrativo, financeiro, vendas, logística e técnica.

17 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Em trabalho desta natureza, impõe-se uma necessária revisão teórica, com vistas a melhor embasar os caminhos a serem percorridos. Para tanto, buscaremos autores e textos já clássicos nas áreas que de perto nos interessam. 2.1 LOGÍSTICA Nos tempos bíblicos as tropas de países em guerra, percorriam longas distâncias até atingir as tropas inimigas. Para o avanço das tropas, era fundamental organização e disciplina, sobretudo para que estivessem sempre disponíveis a alimentação das tropas e os aparatos bélicos. Ou seja, a logística era a base de tudo. Para Ubrig, (2005, p. 1): Uma das origens da palavra logística pode ser encontrada em sua etimologia francesa. Ela é originada do verbo loger, que significa alojar. Em sua raiz militar, teve como primeiro objetivo integrar, de forma eficiente, nos campos de batalha, o tempo, os custos e os recursos disponíveis. Com o passar dos anos, o seu significado se tornou mais amplo, passando a abranger outras áreas, como o estoque, o transporte e a armazenagem. Durante séculos a logística esteve associada apenas ao comando militar. Somente após a Segunda Guerra Mundial, com o uso de recursos tecnológicos foi possível introduzir a logística no campo da administração, incorporada no dia a dia das pessoas, em todas as atividades executadas pela sociedade. Para Ching (2001, p. 15) o conceito de logística, existente desde a década de 40, foi utilizado pelas Forças Armadas norte-americanas. Ele se relacionava com todo o processo de aquisição e fornecimento de materiais durante a Segunda Guerra Mundial. Nessa época a logística foi denominada uma ciência militar. Não é outro entendimento de Novaes (2001, p. 31) quando considera que: [...] o conceito de logística estava essencialmente ligado a operações militares. Ao decidir avançar suas tropas seguindo uma determinada estratégia militar, os generais precisavam ter, sob suas ordens, uma equipe que providenciasse o deslocamento, na hora certa, de munição, viveres, equipamentos e socorro médico para o campo de batalha. Por se tratar de um serviço de apoio, sem o glamour da estratégia bélica e sem prestigio das batalhas ganhas, os grupos logísticos militares trabalhavam quase sempre em silêncio.

18 18 Anteriormente a década de 50, as empresas executavam a atividade logística sem análise de sua funcionalidade, utilizando nenhum conceito ou forma de logística integrada. (BOWERSOX; CLOSS, 2009, p. 26). Complementando Bowersox e Closs (2009), Ballou (1993, p. 29) relata que no período entre o início da década de 50 e 60 é que ocorre o avanço entre a teoria e a prática da logística. O ambiente, então, mostrava-se propício para novidades no pensamento administrativo. De acordo com Santos (2008), o tema logístico passou por uma evolução, a qual está dividida em cinco eras: 1. Do campo ao mercado início no começo do século XX, quando a sua principal preocupação era com o escoamento da produção agrícola, principalmente o café. 2. Funções segmentadas: de 1940 até início da década de 60, quando a logística recebeu uma grande influência militar, em função da Segunda Guerra Mundial. Neste período a sua preocupação era com a movimentação de produtos, principalmente o armazenamento e o transporte de bens. 3. Funções integradas início da década de 60 até os primeiros anos da década de 70, quando agregou uma visão integrada, incluindo custo total das operações logísticas e a abordagem de sistemas. Nesse período seu foco foi ampliado para os transportes, a distribuição física dos produtos, o armazenamento, o estoque de produtos e o manuseio de materiais. 4. Foco no cliente início da década de 70 até metade dos anos 80, quando a logística passou a ressaltar a produtividade e os custos dos estoques. Nesse período a Logística passou a ser ensinada nos cursos de Administração de Empresas. 5. Logística como elemento diferenciador Período atual, cuja globalização e a tecnologia da informação transformaram a logística em um diferencial competitivo para as organizações. Moura (1998, p. 41) define que o desenvolvimento do interesse na logística após a Segunda Guerra Mundial, contribui ao crescimento das atividades associadas com a logística. Desta forma, o autor demonstra conforme figura abaixo, as

19 19 mudanças ocorridas no processo logístico desde a Segunda Guerra Mundial até os dias atuais. Figura 1: Evolução da logística. Armazenagem Distribuição Transportes Serviço Administração Logística Finanças Movimentação Sistemas de Informação Fonte: MOURA (1998, p. 56). A Logística é um verdadeiro paradoxo: é ao mesmo tempo, uma das atividades econômicas mais antigas e um dos conceitos gerenciais mais modernos. Desde que o homem abandonou a economia extrativista e deu inicio às atividades produtivas organizadas, utilizando da produção especializada e troca de excedentes, surgiram três das mais importantes funções logísticas: estoque, armazenagem e transporte (FLEURY, et al., 2000, p. 27). Entretanto, somente num passado recente é que as organizações empresariais reconheceram o impacto vital que o gerenciamento logístico pode ter na obtenção da chamada vantagem competitiva (CHRISTOPHER, 1997). Bowersox e Closs (2001), em concordância com Novaes (2001), relatam que, antes da década de 50, não havia conceito formal ou teoria sobre logística integrada. Nessa época, as funções hoje aceitas como logísticas eram geralmente consideradas como operações de apoio ou de suporte, um centro de custos. Logística compreende ao processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e economicamente eficaz de matérias-primas, estoque em processo, produtos acabados e informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender as exigências do cliente.

20 20 A logística consiste em fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao ponto certo e no tempo certo, nas condições e ao mínimo custo; a logística constitui-se num sistema global, formado pelo inter-relacionamento dos diversos segmentos ou setores que a compõe. Compreende a embalagem, a armazenagem, o manuseio, a movimentação e o transporte de um modo geral, a estocagem em trânsito e de todo o transporte necessário, a recepção, o acondicionamento e a manipulação final, isto é, até o local de utilização do produto pelo cliente. (MOURA, 1998, p. 52). Segundo Bowersox e Closs (2009, p. 19), o objetivo da logística é tornar disponíveis produtos e serviços no local onde são necessários, no momento em que são desejados. Partindo de uma síntese defendida por muitos autores, a logística assegura a disponibilidade do produto correto, na quantidade correta, na condição correta e na hora certa, para o consumidor correto por um custo ideal. A logística possui um papel importante dentro das organizações, pois trata de viabilizar os fluxos vencendo restrições espaciais e temporais, cada vez mais significantes em relação aos serviços prestados. A restrição espacial determina os conceitos envolvidos no modal de deslocamento dos produtos ao centro de consumo, enquanto a restrição temporal ocupa papel de destaque no que diz respeito aos prazos de entrega, confiabilidade operacional e exigência dos clientes. Moura (1998) defende que a logística compreende de três subsistemas: de atividade de administração de materiais, movimentação de materiais e distribuição física, todas elas visando ao controle da movimentação e a coordenação das atividades de demanda-suprimento. Atualmente a logística compreende todo fluxo de materiais, desde os materiais adquiridos quanto oferecidos pela empresa. De acordo com Christopher (1997, p. 2), A logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e o fluxo de relações correlatas) através da organização e seus canais de marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo. Portanto, a logística compreende um subsistema gerencial que interfere no desempenho da empresa e deve estar integrado ao seu planejamento e à sua administração estratégica. Pode ser reconhecida como uma oportunidade de crescimento, rentabilidade e competitividade para as empresas.

21 21 Para Novaes (2001, p. 36), logística pode ser descrita como: O processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender os requisitos do consumidor. A missão do gerenciamento logístico consiste em planejar, coordenar e gerenciar todas as atividades existentes no processo, a fim de alcançar os níveis desejados de serviço e qualidade ao menor custo possível Logística empresarial A logística empresarial tem como objetivo proporcionar ao cliente níveis de serviço desejado com eficiência. Normalmente não agrega valor ao produto, mas agrega à estratégia de fazer com que esse chegue ao local desejado, podendo ser avaliada através de parâmetros intangíveis. A função da logística empresarial fica evidenciada quando assume um papel de integrar todas as etapas, desde a produção de um bem à sua armazenagem, carreando para a empresa a vantagem competitiva em relação à logística de serviço ao cliente e sua devida distribuição. Segundo Ballou (1993, p. 23), a logística empresarial visa associar o estudo e a administração dos fluxos de bens, serviços e informações juntamente com o que os põe em movimento. A logística empresarial é a atividade que se preocupa com a rentabilidade e a eficiência dos serviços destinados ao suporte e à distribuição da produção, varejo e serviços. Planejamento, organização e controle efetivos das atividades de aquisição, movimentação de materiais, armazenagem e o fluxo de informações envolvidos nestes processos são atribuições típicas do departamento de logística de uma empresa. (BALLOU, 1993, p ). Concordando com Ballou (1993), Ching (2001, p. 26) descreve que: A logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, por meio de planejamento, organização e controles efetivos para as atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos.

22 22 Desenvolvendo um pouco mais, Ballou (1993, p. 23) afirma que: Vencer tempo e distância na movimentação de bens ou na entrega de serviços de forma eficaz e eficiente é a tarefa do profissional de logística. Ou seja, sua missão é colocar as mercadorias ou os serviços certos no lugar e no instante corretos e na condição desejada, ao menor custo possível. A logística empresarial é muito mais que uma estratégia. É a integração de todas as áreas organizacionais em busca de velocidade a agilidade, os quais são dois fatores promotores do sucesso nas organizações. A logística empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento com o propósito de providenciar níveis adequados aos clientes a um custo razoável. (BALLOU, 1993, p. 24). Sobre o aspecto funcional da logística dentro das organizações, Ching (2001) defende que a logística empresarial deve responder por toda movimentação de materiais, dentro do ambiente interno assim como no externo da empresa, e inicia-se desde a chegada da matéria-prima até a entrega do produto final ao cliente e também subdivide as atividades logísticas em atividades primárias e atividades secundárias. A logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, por meio de planejamento, organização e controle efetivos para as atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos (CHING, 1999, p. 26). Dessa forma, a logística empresarial é a responsável pela movimentação de produtos através da utilização de equipamentos, mão-de-obra e instalações adequadas, para poder obter com a soma destas atividades, o máximo proveito dos resultados e uso dos materiais envolvidos. Segundo Porter (1989), o conceito da logística empresarial se divide em duas categorias, conforme segue: a) Logística interna: atividades relacionadas ao recebimento, armazenagem e distribuição de insumos no produto, como manuseio de material, armazenagem, controle de estoque, programação de frotas, veículos e devolução para fornecedores;

23 23 b) Logística externa: atividades associadas à coleta, armazenagem e distribuição física do produto para compradores, como armazenagem de produtos acabados, manuseio de materiais, operação de veículos de entrega, processamentos de pedidos e programação. De todas essas considerações, fica evidente que a logística empresarial é como um todo, um processo de gestão do fluxo de bens e serviços de uma organização Logística de serviço ao cliente Para desempenhar um relacionamento de qualidade sobre as vendas em busca de um maior atrativo para os clientes, é necessário que haja um atrativo nos processos executados pela empresa, para que esta possa sobressair-se sobre a concorrência. Para Ballou (2001), o serviço ao cliente aponta para a cadeia de atividades de satisfação de vendas, a qual começa com a entrada do pedido e termina com a entrega do produto ao cliente, e em alguns casos, continuando com algum suporte técnico. Ainda de acordo com Ballou (2001, p. 25) A logística diz respeito à criação de valor valor para clientes e fornecedores de empresa e valor para os acionistas de empresa, sendo que o valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. De acordo com Ballou (2001, p. 78) os elementos de serviço ao cliente estão agrupados da seguinte maneira: elementos de pré-transação, transação e póstransação. a) Elementos de pré-transação: propiciar um bom serviço ao cliente e providenciar uma declaração da política de serviços ao cliente. b) Elementos de transação: são os que resultam diretamente na entrega do produto ao cliente. c) Elementos de pós-transação: é o total de serviços necessários para dar suporte ao produto e proteger os consumidores de qualquer eventualidade.

24 24 De acordo com Bowersox e Closs (2009, p. 71): O serviço ao cliente é um processo cujo objetivo é fornecer benefícios significativos de valor agregado à cadeia de suprimento de maneira eficiente em termos de custo. Esta definição mostra a tendência de se considerar o serviço ao cliente como uma atividade decorrente de um processo sujeito aos conceitos de gerenciamento da cadeia de suprimento. Para Kobayashi (2000, p. 47) cada empresa possui um determinado tipo de cliente e os serviços logísticos utilizados se diferem de acordo com o nível de exigência do cliente. Os profissionais de logística percebem que as vendas podem ser afetadas se o nível de serviço fornecido ao cliente não estiver diferenciado ou qualificadamente avançado em relação à concorrência. Partindo deste princípio, a organização que determinar a logística de serviço ao cliente baseado em suas necessidades e puder atender a transação comercial envolvida, ganhará em excelência de vendas e controle do processo envolvido. Assim sendo, Kobayashi (2000) projeta alguns aspectos físicos que não correspondem ao que os clientes esperam. Tais características são a seguir apresentadas: Prevenção dos materiais que faltam: Para Kobayashi (2000, p. 54), os materiais indisponíveis no momento da aquisição pelo cliente, são fatais para sua mudança de fornecedor. A falta de um produto frustra seus anseios, gerando desconfiança e insatisfação. Esta indisponibilidade de materiais, de acordo com Kobayashi (2000, p. 55), é relacionada a algumas razões: a) Falta de clareza sobre as quantidades de estoque; b) Notáveis variações nas quantidades programadas para as vendas; c) Previsões feitas muito antecipadamente em virtude dos tempos de produção; d) Atrasos no programa de produção; e) Falta de um conhecimento exato da situação relativa ao estoque; f) Falta de ordem nos depósitos: se os materiais existem, não se sabem onde se encontram.

25 25 Prevenção dos erros na expedição: Além da falta do produto específico em estoque, segundo Kobayashi (2000, p. 59), alguns erros são cometidos na expedição, tais como: a) Erros no tipo de mercadoria expedida; b) Erros na quantidade fornecida; c) Erros na destinação da entrega; d) Erros na confecção da embalagem. Se no contexto empresarial há um relacionamento fiel entre fornecedor e comprador, alguns erros podem se tornar até aceitáveis, desde que esclarecidos e solucionados o mais rápido possível. A similaridade de produtos armazenados em locais não especificados, embalados e identificados de maneira incorreta podem levar ao erro. Conforme Kobayashi (2000, p. 59), a primeira regra para evitar erros é a correspondência entre a indicação na prateleira e os produtos ali colocados. A segunda regra expõe que os produtos devem ser armazenados de forma que possam ser distinguidos facilmente. Deve-se cuidar na qualidade do serviço prestado aos clientes. Os custos envolvidos nessa atividade normalmente estão incluídos no valor do produto. Assim, um adequado leiaute de armazenagem e manuseio de produtos terá como resultado a redução do custo final do produto, aumentando a lucratividade para organização. Desta maneira, os clientes são responsáveis pela conquista financeira e de mercado da empresa em seu meio de atuação. Todavia, como afirma Ballou, (2001, p. 86), devemos recompensar e criar lealdade entre os clientes atuais ao invés de gastar uma grande quantia de tempo e dinheiro para trazer os desertores de volta. 2.2 ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES A necessidade de comprar cada vez melhor, bem como a necessidade de estocar em níveis adequados, constitui condição essencial à garantia de manutenção da sobrevivência de uma empresa. Assim, a administração de estoques desempenha grande importância em uma empresa. Manter o estoque dentro da organização para seu ideal funcionamento gera questionamentos por parte do gerente de estoques no quesito como, quanto e como aproveitar o máximo volume, utilizando do espaço físico disponível.

26 26 De acordo com Bowersox e Closs (2001, p. 41) o objetivo da administração de estoques é fornecer o serviço desejado ao cliente mantendo o mínimo em estoque, consistente e com o menor custo total possível. Segundo Dias (1995, p. 11), o importante é otimizar o investimento em estoque, aumentando o uso eficiente dos meios de planejamento e controle, minimizando as necessidades de capital para o estoque. Para Slack et al. (2002, p. 380) manter produtos em estoque representa riscos, pois estes podem deteriorar-se, tornar-se obsoletos ou perder-se, além de ocuparem valioso espaço. Simultaneamente a administração de estoques deve minimizar o capital total investido em estoques, pois ele é caro e aumenta continuamente, uma vez que o custo financeiro aumenta. Sem estoque é impossível uma empresa trabalhar, pois ele funciona como um amortecedor em vários estágios da produção até a venda final do produto. (DIAS, 1995, p. 23). De acordo com Ballou (1993, p. 66) estoques são benéficos ao sistema de suprimento, pois garantem maior disponibilidade de componentes para a linha de produção, diminuem o tempo dedicado pela administração para manter a disponibilidade desejada, e podem diminuir os custos de transporte. A finalidade de possuir estoque é poder fornecer a quantidade desejada e no tempo exigido, conforme solicitado pelo cliente. Desta maneira, um estoque bem gerenciado fornece vantagem competitiva, minimiza custos de aquisição e manutenção, além de evitar desperdícios e obsolescência. Seu planejamento tem por objetivo estabelecer os níveis de estoque adequados para atender a demanda com os níveis de serviço desejados. Slack et al. (2002, p. 382) consideram a necessidade de estoque, pois há diferenças na taxa de oferta e demanda. A manutenção de estoques trás vantagens e desvantagens as empresas. Vantagens no que se refere ao pronto atendimento aos clientes, e desvantagens no que se refere aos custos decorrentes de sua manutenção. Compete ao administrador de materiais encontrar o ponto de equilíbrio adequado a empresa em certo momento, embora os benefícios decorrentes do pronto atendimento sejam mais difíceis de ser avaliados do que os custos decorrentes. (MARTINS, 1999, p. 152). A avaliação positiva em manter estoque necessita de grande grau de competência empresarial para julgar seu benefício. Para que sua importância possa

27 27 beneficiar todas as áreas envolvidas, a administração de estoques contribui para manter o elo entre oferta e demanda, sazonalidade ou promoções. O administrador pode vir a se deparar com um terrível dilema que é o causador da inadequada gestão de estoques de materiais em uma empresa. Este dilema é o julgamento em manter o capital de giro da empresa e seu custo, simplesmente depositado, depreciando no depósito. Entretanto, como é impossível determinar a demanda futura, e os suprimentos muitas vezes estão restritos a condições temporais e espaciais, o acumulo de estoque deve assegurar sua disponibilidade no momento de sua necessidade. Para Bowersox e Closs (2001, p. 255) o controle do estoque é um procedimento rotineiro necessário ao cumprimento de uma correta política de estoques. Este controle preciso abrange as quantidades disponíveis e sua determinada localização, acompanhando as variações de entrada e saída ao longo do tempo. Hansen e Mowen (2001, p. 737) afirmam que: Gerir os níveis de estoque é fundamental para estabelecer uma vantagem competitiva a longo prazo. Qualidade, engenharia do produto, preços, horas extras, capacidade excessiva, habilidade em reagir aos clientes (desempenho da data de vencimento), prazos de entrega e rentabilidade geral são todos afetados pelos níveis de estoque. A gestão de estoque está fortemente relacionada com a habilidade das empresas de se tornarem fortes competidoras agora, e no futuro. Segundo Bowersox e Closs (2001, p. 255), o procedimento para controle de estoque faz-se de dois modos: a) Permanente: os procedimentos de controle permanente são executados diariamente, a fim de verificar a necessidade de ressuprimento. Este método exige o uso de sistemas informatizados; b) Periódicos: este procedimento de controle é exercido sobre cada item, em intervalos regulares, semanal ou mensal. A administração de estoques exige do administrador a experiência mercadológica e o conhecimento necessário para executar uma estratégia perfeita, atribuindo valor ao produto armazenado como razão de manter o cliente fiel à empresa, e o valor do capital envolvido no estoque. O capital envolvido no estoque

28 28 gera custos de armazenagem, manutenção e depreciação, os quais não são retornáveis para empresa. 2.3 ARMAZENAGEM A armazenagem é a guarda temporária de produtos para posterior distribuição. É uma preocupação constante dos administradores, pois os estoques são necessários para o equilíbrio entre a demanda e a oferta. No entanto, as empresas visam manter níveis de estoques baixos, pois estes geram custos elevados: custo de pedido custos associados ao processo de aquisição de mercadorias; custos de manutenção referentes a instalações; mão-de-obra e equipamentos; custos de oportunidade associados ao emprego do capital em estoque (CHING, 1999). Antigamente o almoxarifado era considerado um depósito de materiais, inadequado às operações da empresa, onde os produtos eram acumulados de qualquer forma, utilizando nem sempre de mão-de-obra qualificada. Atualmente, a função primordial de um armazém é estocar mercadorias de maneira ordenada e controlada, classificada e regular, a fim de suprir o interesse da empresa em atender com satisfação o mercado consumidor. O armazém é o espaço edificado destinado à recepção, guarda e preservação de mercadorias, o qual deve ser dimensionado a partir de sua capacidade estática e dinâmica. A capacidade estática é a o arranjo físico, ou seja, as características do prédio. A capacidade dinâmica é o modelo gerencial adotado em relação aos recursos a serem manejados. Ambas estão diretamente interligadas e influenciadas uma pela outra e, conseqüentemente exigem que sua sincronia dependa do planejamento de um leiaute eficiente. Ballou, (1993) afirma que a armazenagem e estocagem de mercadorias constituem funções essenciais do sistema logístico e que seus custos podem absorver de 12 a 40% das despesas logísticas de uma empresa. Para Dias (1995) uma correta administração do almoxarifado proporciona um melhor aproveitamento de matéria-prima e dos meios de movimentação, evita rejeição de peças devido a batidas e impactos, reduz as perdas de material no manuseio e impede outros extravios, proporcionando economia nos custos logísticos de movimentação.

29 29 Por sua vez, Viana (2000, p. 140) destaca que os materiais armazenados geram determinados custos que dependem de algumas variáveis, tais com: a) Quantidade em estoque; b) Tempo de permanência em estoque; c) Mão-de-obra utilizada; d) Encargos sociais; e) Custos indiretos (luz, energia e outras despesas); f) Depreciação. De acordo com Moura (1998, p. 126) o planejamento apropriado ajuda a efetuar a movimentação e armazenagem eficiente e no final resulta em despesas operacionais menores. Assim, através de uma padronização e de um planejamento apropriado, a redução da quantidade de material armazenado deve ser controlada, e como resultado, a velocidade com que entra e sai dos locais de armazenagem será mensurada. A utilização de corretos equipamentos de armazenagem e movimentação, atribuirão para que ocorra o aumento da eficiência e diminuição de custos de operação. As modalidades de custos estão relacionadas com todo tipo de mercadoria armazenada, independente do tamanho e quantidade. Cabe à empresa definir o modelo de aquisição a fim de reduzir os custos de armazenagem e alcançar um nível de excelência em sua lucratividade esperada. Assim, alguns cuidados devem ser observados: (Viana, 2000, p. 309): a) Determinação do local, em recinto coberto ou não; b) Definição adequada do leiaute; c) Definição de uma política de preservação, com embalagens plenamente convenientes aos materiais; d) Ordem, arrumação e limpeza, de forma constante; e) Segurança patrimonial. Para Kobayashi (2000, p. 142) as modalidades de armazenagem devem ser examinadas da seguinte maneira: a) Características: aspectos físicos, forma, peso;

30 30 b) Condições de armazenagem: grau de periculosidade, temperatura, umidade; c) Unidade de expedição: quantidade, freqüência e destino; d) Número de artigos: quantidade elevada ou reduzida. Para Martins (2000, p. 23) o armazenamento é uma atividade especializada e consiste em armazenar adequadamente os materiais para que seja possível sua rápida recuperação e a manutenção dos níveis de qualidade e para que a entrega seja facilitada. De acordo com Viana (2000, p. 205), o processo de armazenagem deve ser avaliado da seguinte maneira: a) Local adequado para armazenagem; b) Fácil acesso, corredores de fácil mobilidade; c) Tipo de armazenagem adequado; d) Identificação das mercadorias armazenadas; e) Sistema de controle de estoque; f) Rodízio de estoque de acordo com as datas de validade; g) Embalagens adequadas quanto ao tipo de manuseio. O armazenamento de produtos é uma atividade do fluxograma de materiais, o qual consiste em, de modo eficiente, movimentar os produtos desde seu recebimento à sua entrega Objetivo da Armazenagem O objetivo da armazenagem é proporcionar com segurança e de forma agilizada uma maneira eficiente para alocar os diversos produtos existentes na empresa, independente do tamanho, forma ou especificações técnicas pertinentes, e que possa contribuir para uma melhoria da eficiência das organizações. A armazenagem passa a representar um instrumento de grande importância no que diz respeito à competitividade. De acordo com Viana (2000, p. 278) a melhor forma de guardar é aquela que maximiza o espaço disponível nas três dimensões do prédio: comprimento, largura e altura.

31 31 Ainda para Viana (2000, p. 308) o objetivo primordial do armazenamento é utilizar o espaço nas três dimensões, da maneira mais eficiente possível. As instalações do armazém devem proporcionar a movimentação rápida e fácil de suprimentos, desde o recebimento até a expedição. Moura, (1998, p. 96) afirma que o aproveitamento dos espaços verticais contribui para o descongestionamento das áreas de armazenagem e para a redução dos custos unitários de estocagem. O gerenciamento de um armazém deve ter como objetivo possuir o material certo, na quantidade esperada, no lugar demarcado, com especificação correta, a custos e preços econômicos. Este é um dos conceitos atribuídos à logística, que tem como foco, corresponder às necessidades da cadeia de abastecimento em suprir e distribuir os produtos utilizando o modelo mais econômico e eficiente. Rodrigues (2007, p. 20), afirma que um dos princípios básicos da armazenagem é o planejamento, que consiste em: Avaliar previamente a área de armazenagem antes da contratação de um lote a ser armazenado, verificando a existência de efetivas condições físicas e técnicas para receber, armazenar, controlar e entregar adequadamente, observando natureza, peso e dimensões unitárias, características de manuseio e segurança. Desta maneira, após seu recebimento, os produtos devem ser armazenados em locais específicos no armazém, utilizando-se de prateleiras, estantes ou estrados, de acordo com sua natureza física e suas condicionantes de movimentação, como será exposto a seguir Funções da armazenagem O armazém possui a designação de manter as mercadorias em condições favoráveis para sua comercialização. Moura (1998, p. 21) entende que: Armazenar é uma função da logística que envolve o tratamento dos materiais entre o tempo de produção e sua venda ao usuário final. Em um sentido mais prático, armazenagem se refere à estocagem aliada a uma ampla gama de funções voltadas para movimentação, tais como consolidar, separar, classificar e preparar as mercadorias para redespacho.

32 32 Para Ballou (1995) o armazém possui a função de executar os seguintes serviços: abrigo, consolidação, transferência ou transbordo, agrupamento ou composição, como especificado a seguir. Abrigo de produtos este serviço consiste em armazenar e guardar o estoque gerado pela oferta e demanda. Consolidação quando a mercadoria é originada de diferentes fontes de abastecimento, a empresa pode reduzir custos de transporte se as entregas forem realizadas num único depósito, em que os produtos serão consolidados e transportados até o destino final. Esse modelo de serviço é normalmente utilizado no suprimento de materiais. Transferência ou transbordo a forma mais utilizada pelas empresas. Essa modalidade consiste em fracionar o lote recebido em grandes volumes, para quantidades menores, de acordo com a demanda dos clientes. Agrupamento ou composição utilizado para depósitos, consiste em agrupar os itens de produtos quando a empresa possui uma extensa linha de materiais e pode fabricá-los integralmente em cada uma das plantas industriais. Messias (1983) é oportuno ao tratar do assunto quando define e estabelece os propósitos da armazenagem. Para ele, esta é um conjunto de atividades relacionadas com a função de abastecimento, utilizando-se de meios e métodos adequados, segundo a instalação disposta; já os propósitos da armazenagem são receber, estocar e distribuir materiais, considerando-se para tanto, o controle coordenado de suas atividades Equipamentos de movimentação A movimentação de materiais é um sistema de atividades interligadas, incorporadas ao sistema de armazenamento. Essa deve atribuir cuidado aos materiais movimentados, de acordo com sua fragilidade, dimensões ou peso, necessitando para tal, embalagens e compostos de armazenagem adequados para que não ocorram danos ao material. Segundo Moura (1997) os equipamentos de movimentação e armazenagem podem ser manuais, mecanizadas ou automatizadas. Para ele, portanto, tais equipamentos identificam-se como:

33 33 Veículos industriais os equipamentos podem ser motorizados ou não, elétricos ou a combustão, manejado por operador sentado, em pé, pedestre ou automático. Utilizados para movimentar cargas intermitentes em percursos variáveis e em espaços e superfícies apropriadas. Usos e aplicações: muito utilizado em armazéns. Recomendados para plantas que possuem muitos cruzamentos, pois são rápidos e flexíveis em relação carga/descarga. Podem transportar cargas variadas, desde que acondicionadas de acordo com o modelo de transporte utilizado. Desvantagens: estas dependem, na maioria dos casos, da habilidade do operador; da necessidade em requererem corredores largos e superfícies regulares e resistentes, além de perderem eficiência em caso de congestionamentos. Alguns modelos de veículos industriais: Figura 2: Empilhadeira. Figura 3: Carrinho elétrico. Fonte: Google Fonte: Google Figura 4: Carrinho hidráulico. Figura 5: Carrinho interno. Fonte: Google Fonte: Google 2011.

34 34 Equipamentos para elevação e transferência utilizados para elevação e transferência de produtos para pontos designados dentro de uma área fixa. Normalmente a distância de deslocamento é curta e os materiais muitas vezes são volumosos e desajeitados, tais como canteiro de obras e veículos industriais. Vantagem: Grande capacidade de transporte; versatilidade quanto ao tipo de material a ser transportado. Em condições ideais de uso, agilizam o fluxo e ocupam pouco espaço. Desvantagens: Valor de aquisição muito elevado; raio de ação limitada e necessitam de infraestrutura especialmente projetada. As figuras a seguir apresentam alguns exemplos de equipamentos de elevação e transferência: Figura 6: Guindaste hidráulico. Figura 7: Pontes rolantes. Fonte: Google Fonte: Google Figura 8: Plataforma hidráulica veicular. Figura 9: Plataforma niveladora. Fonte: Google Fonte: Google 2011.

35 35 Transportadores contínuos equipamentos formados por sistema deslizante sobre elementos rolantes, nivelada ou inclinada, acionados por correias ou correntes de movimentação contínua através de polias ou correntes. Utilizados onde os fluxos de montagens em série são contínuos e em percursos fixos. Vantagens: baixo custo por unidade transportada, adaptável a outros sistemas de movimentação; pode ser automatizado; ser instalado acima do nível do piso e não depende de um operador. Desvantagens: alto investimento inicial; onerosos em caso de mudança de leiaute e pouco flexíveis na variação do tipo de carga/peso. Alguns exemplos de transportadores contínuos: Figura 10: Correia plana. Figura 11: Torre de trilho. Fonte: Google Fonte: Google A aquisição de um sistema de movimentação deve ser planejada para sua finalidade específica, pois a eficiência de movimentação de materiais depende também do formato, tamanho e modelo de armazenagem das mercadorias Tipos de sistema de armazenagem O sistema de armazenagem de materiais deve estar ligado diretamente à atividade primária da empresa, de forma que possa responder as suas necessidade de movimentação e distribuição, respeitando características de giro e volume, a fim

36 36 de otimizar o espaço e atingir uma melhor solução para conciliação entre sistema de armazenagem, produto, e espaço físico. De acordo com Guerra (2006) os sistemas de armazenagem são estruturas metálicas de acondicionamento de matérias-primas ou de produtos acabados. Ainda segundo Guerra (2006, p. 04): Existem diversos tipos de equipamentos de armazenagem que são utilizados de acordo com alguns critérios a serem analisados tais como: tipo de produto a ser armazenado, área disponível, rotatividade, quantidade e seletividade dos produtos, variáveis de dimensões e de capacidade de carga. Viana (2000, p. 60) vê dois tipos de armazenagem: a permanente e a temporária. A primeira compreende materiais para os quais foram aprovados níveis de estoque com parâmetros de ressuprimento estabelecidos para renovação automática do estoque, devendo sempre existir saldo no almoxarifado; a segunda, materiais que não sejam de estoque, que necessitam ficar estocados no almoxarifado durante determinado tempo até sua utilização. A seu turno, Guerra (2006, p. 05) compreende que os sistemas de armazenagem podem ser classificados como sistema estático e sistema dinâmico. Sistema estático: sistemas de armazenagem dos quais os produtos estocados não sofrem movimentos internos após serem colocados manualmente ou através de equipamentos de movimentação nas estruturas de armazenagem. Como exemplo temos o porta-paletes convencional, drive-in e drive-thru e cantillever. Sistema dinâmico: sistemas de armazenagem dos quais os produtos estocados sofrem algum tipo de movimento interno após serem colocados manualmente ou através de equipamentos de movimentação nas estruturas de armazenagem. Como exemplo temos porta-paletes dinâmico, push-back e flow-rack. Os tipos de sistema de armazenagem a serem utilizados devem respeitar a correta utilização do espaço e os meios de movimentação disponíveis, a fim de definir a largura mínima dos corredores e a altura máxima de empilhamento. Estes parâmetros orientam na seleção dos tipos de estrutura para armazenagem e sua funcionalidade, como segue: Palete de acordo com Bertaglia (2009, p. 309) o palete é uma plataforma fabricada de metal, madeira ou fibra, projetado para ser movimentado mecanicamente. É um sistema prático para unitização da carga que reduz custos na

37 37 logística de armazenagem, transporte e movimentação, além de maior agilidade nos tempos de cargas e descargas. Figura 12: Palete de madeira. Figura 13: Palete de fibra. Fonte: Google Fonte: Google Porta paletes convencional solução mais utilizada para armazenagem de produtos, por ser simples e adaptável a qualquer tipo de carga e volume. É uma estrutura de armazenagem estática, sendo a mais conhecida e utilizada no mercado devido a sua grande funcionalidade e praticidade. Neste sistema, os paletes são armazenados e retirados individualmente por empilhadeiras que se movimentam nos corredores. Características: a) Ideal para cargas paletizadas; b) Movimentação de materiais através de empilhadeiras; c) Comporta outros produtos, tais como, caçambas, bobinas, tambores, etc.; d) Controle total do PEPS. Figura 14: Porta paletes convencional. Figura 15 Porta Paletes Convencional Fonte: Google 2011 Fonte: Google 2011.

38 38 Porta paletes drive-in e drive-thru sistema de armazenagem de paletes em que as empilhadeiras movimentam-se dentro da própria estrutura, ao longo de ruas. Este tipo de estrutura é geralmente utilizado para materiais de pouca variedade e de baixo giro. No sistema Drive-in o último palete que entra é necessariamente o primeiro palete a sair. Já no sistema Drive-thru não existe a necessidade do primeiro palete a entrar ser o último a sair, ou seja, o primeiro palete que entra pode ser o primeiro a sair. Características: a) Armazena aproximadamente o mesmo número de paletes de um seletivo na metade do espaço; b) Controle do PEPS e UEPS. c) Gerenciamento de movimentação do produto por lotes de produção; d) Movimentação de materiais através de empilhadeiras; Figura 15: Porta paletes drive-in e drive-thru. Fonte: Google Porta paletes flow-rack sistema utilizado geralmente para armazenagem manual de caixas plásticas em conjunto com linhas de transportadores para produtos que serão embalados e posteriormente expedidos. O Flow-rack é constituído geralmente por pistas com rodízios plásticos inclinados, no qual as caixas são colocadas em sequência de um lado e retiradas do outro, onde são esvaziadas em caixas para embalagem nas linhas de transportadores. Características: a) Alta velocidade na preparação para distribuição;

39 39 b) Sistema de controle PEPS; c) Deslocamento por gravidade; d) Movimentação de materiais através de empilhadeiras; e) Pode ser integrado a outros tipos de equipamentos de armazenagem e movimentação de materiais; Figura 16: Porta paletes flow-rack. Fonte: Google Porta paletes push-back sistema de armazenagem dinâmica no qual os paletes são armazenados sobre carrinhos colocados em trilhos e empurrados pelos paletes estocados sequencialmente nos módulos. Características: a) Trilho com pequena inclinação para descida do palete; b) Sistema de controle UEPS; c) Movimentação de materiais através de empilhadeiras; d) Pode ser integrado a outros tipos de equipamentos de armazenagem e movimentação de materiais. Figura 17: Porta paletes push-back. Fonte: Google 2011.

40 40 Porta paletes power-rack sistema de armazenagem de porta paletes deslizantes sobre base móveis motorizadas eletricamente que se movimentam sobre trilhos aplicados no chão. Este sistema permite ao operador da empilhadeira abrir o corredor de que necessita através de um comando. Esta solução permite aproveitar até 85% da superfície em armazenagem. Figura 18: Porta paletes power-rack. Fonte: Google Porta paletes dinâmico sistema, derivado do Drive-thru, onde os planos de carga estáticos são substituídos por pistas de roletes ligeiramente inclinadas descendentes no sentido da entrada para a saída. O material entra por um lado movimentando-se lentamente, por força da gravidade, para o lado onde é selecionado. Figura 19: Porta paletes dinâmico. Fonte: Google 2011.

41 41 Estantes sistema de armazenagem geralmente manual, utilizado para armazenamento de cargas consideradas baixas e de pouca rotatividade. Normalmente são confeccionadas com colunas em formato de "L" podendo possuir diversos acessórios, tais como: gaveteiros, retentores e escadas tipo farmácias dentre outros. Figura 20: Estantes. Fonte: Google Mezanino estrutura de armazenagem pesada com a finalidade de aproveitar o pé direito de uma determinada área. Utilizado basicamente para armazenagem de caixas, produtos a granel e sacarias, podendo ser usado também como escritório. Figura 21: Mezanino. Fonte: Google Cantillever estrutura geralmente utilizada para armazenagem de produtos com dimensões e formas variados, tais como tubos metálicos ou de PVC, madeiras, móveis, entre outros.

42 42 Figura 22: Cantillever. Fonte: Google A estrutura de um armazém por si só não caracteriza uma empresa, a não ser que disponha de um sistema, para a ajustagem dos produtos em seus locais devidos. Para tanto, é necessário utilizar-se de leiaute apropriado às necessidades da empresa. 2.4 LEIAUTE De acordo com Viana (2000, p. 309), leiaute é desenho, plano, esquema, é o modo pelo qual ao se inserirem figuras e gravuras surge uma planta, podendo-se, por conseguinte, afirmar que o leiaute é uma maquete no papel. Para Viana (2000, p. 310) o arranjo físico é representado pelo leiaute, que significa colocar, dispor, ocupar, localizar, assentar. O leiaute é o gráfico que representa a disposição espacial, a área ocupada e a localização dos equipamentos, pessoas e materiais. Para Cury (2005, p. 396): O leiaute corresponde ao arranjo físico de diversos pontos de trabalho nos espaços existentes na organização, envolvendo além da preocupação de melhor adaptar as pessoas ao ambiente de trabalho, segundo a natureza das atividades desempenhadas, aa arrumação dos móveis, máquinas, equipamentos e matérias-primas. Entende-se que organizar, além de ser um dos requisitos do processo administrativo, é um dos fatores que deve ser estudado detalhadamente na hora de planejar um leiaute.

43 43 Para Bowersox e Closs (2009, p. 348) o projeto de um depósito é importante para a determinação da eficiência do manuseio de materiais, sendo fator vital para que se consigam aumentos na produtividade da mão-de-obra. A primeira necessidade sentida do leiaute ocorre quando da implantação de um deposito; está presente desde a fase inicial do projeto até a etapa da operacionalização, influindo na seleção do local, projeto de construção, localização de equipamentos e materiais, estocagem, expedição e dezenas de detalhes que vão desde a topografia do terreno até a presença ou não de janelas. O regime de atendimento e os tipos de produtos a serem estocados são os parâmetros em torno dos quais os especialistas em leiaute fazem seus estudos que tem sempre como finalidade cercar os projetos de todas as condições que possibilitem uma operação dentro de um ótimo nível de economia e rendimento. (DIAS, 1993, p. 137). O modelo de leiaute desenhado pela organização deve ser muito bem analisado, pois compreende um processo que não pode ser alterado constantemente. Para desenhar um leiaute que funcione de maneira eficiente, é necessário efetuar uma avaliação completa do fluxo de mercadorias e materiais a serem estocados, e a movimentação de funcionários e equipamentos. O desenho de leiaute planejado é imprescindível para obter o melhor espaço e economia de acordo com o objetivo do armazém. Deve-se considerar em um projeto de leiaute, segundo Bowersox e Closs (2001, p. 330), o número de andares, altura útil disponível e o fluxo de produtos armazenados. A realização de uma operação eficiente e efetiva de armazenagem depende muito da existência de um bom leiaute, que determina, tipicamente, o grau de acesso ao material, os modelos de fluxo de material, os locais de áreas obstruídas, a eficiência da mão-de-obra e a segurança do pessoal e do armazém. (VIANA, 2000, p. 309). Dias (1993, p. 138), contribui ao defender que: Não existe um critério para se avaliar a adequação de um leiaute a determinada atividade. Tudo depende da meta a ser atingida e dos fatores que influem no fluxograma típico para atividade considerada. Assim, em alguns casos, pode interessar mais a redução máxima da movimentação interna; em outros, o custo mínimo da estocagem, ou ainda, a estocagem máxima independente do custo, para atender a certos picos ou regimes anormais de vendas. Para alcançar o propósito de eficiência das movimentações de mercadorias dentro de um armazém, é necessário considerar a capacidade de estocagem

44 44 vertical, a distância entre os produtos dispostos e também os equipamentos de movimentação interna. A eficiência das movimentações de mercadorias dentro do armazém depende fundamentalmente da capacidade de estocagem vertical, da disposição dos produtos e dos equipamentos para movimentação interna, todos previamente projetados no planejamento do leiaute Objetivos do leiaute O leiaute tem por objetivo estruturar a distribuição física dos equipamentos, pessoas e materiais de maneira que se tornem racionalmente mais produtivas quando combinada adequadamente. Segundo Cury (2000, p. 386) um leiaute independentemente da atividade desempenhada, deve proporcionar o arranjo dos diversos postos de trabalho, máquinas e materiais de maneira mais adequada ao processo produtivo. Nos termos de Chiavenato (1991, p. 119) o leiaute tem os seguintes objetivos: a) Integrar máquinas, pessoas e materiais para possibilitar uma produção eficiente; b) Reduzir transportes e movimentos de materiais; c) Permitir um fluxo regular de materiais e produtos ao longo do processo produtivo, evitando gargalos de produção; d) Proporcionar utilização eficiente do espaço ocupado; e) Facilitar e melhorar as condições de trabalho; f) Permitir flexibilidade, a fim de atender possíveis mudanças. De acordo com Viana (2000, p. 310), o processo metodológico para projetar um leiaute de armazém pode ser descrito em cinco passos: a) Definir a localização de todos os obstáculos; b) Localizar as áreas de recebimento e expedição; c) Localizar as áreas primárias, secundárias, de separação de pedidos e de estocagem; d) Definir o sistema de localização de estoque; e) Avaliar as alternativas de leiaute de armazém.

45 45 Dias (1993, p. 142), conforme segue, propõe que, para a melhoria de circulação de materiais e para o ganho de espaço, sejam observados os seguintes passos: a) Procurar plantas dos edifícios e das utilidades ou, se não for possível encontrá-las, refazê-las; b) Traçar os fluxos dos produtos mais importantes; c) Rever a política de abastecimento de matérias-primas, a fim de tentar reduzir os estoques e ganhar espaço no almoxarifado; d) Rever a política de armazenamento de produtos acabados, a fim de tentar reduzir estoques destes e ganhar espaço na expedição; e) Tentar ganhar espaço vertical, procurando empilhá-los ao máximo; f) Alugar depósitos auxiliares para estocar matérias-primas e produtos acabados; g) Enterrar tanques de óleo combustível, solventes e demais líquidos. Na mesma linha de raciocínio, Martins (2000) defende que um sistema de armazenamento adequado deve: a) Permitir o sistema PEPS (Primeiro a entrar, primeiro a sair); b) Manter a qualidade dos materiais, cuidando para que a estocagem não altere suas características; c) Manter a identificação clara dos materiais; d) Manter o controle sobre a quantidade estocada; e) Promover a racionalização dos materiais, identificando materiais sem movimentação, materiais idênticos estocados sob diferentes denominações, materiais inservíveis, materiais estocados em excesso com relação às necessidades; f) Diminuir constantemente o espaço alocado à estocagem dos materiais; g) Diminuir os custos relacionados à estocagem; h) Manter um sistema de informações rápido e eficaz para os clientes dos materiais.

46 Tipos de leiaute Há quatro tipos de leiautes para instalação de manufatura, segundo Gaither (2002, p. 199): processo, produto, manufatura celular e posição fixa. Leiautes por processo as máquinas são organizadas de acordo com o tipo de processo que é executado. Esses Leiaute exigem planejamento contínuo, programação e funções de controle para assegurar uma quantidade ótima de trabalho em cada departamento e em cada estação de trabalho. Características: a) Flexível para atender a mudança de mercado; b) Atende a produtos diversificados e qualidades variáveis; c) Apresenta um fluxo longo dentro da fábrica; d) Adequada à produção diversificada para pequenas e médias quantidades; e) Possibilita uma relativa satisfação no trabalho. Leiautes por produto são idealizados para acomodar somente alguns poucos projetos de produto. São projetados para permitir o fluxo linear de materiais ao longo da instalação que faz os produtos. Características: a) Para produção com pouca ou nenhuma diversificação, em quantidade constante ao longo do tempo e em grande quantidade; b) Alto investimento em máquinas; c) Costuma gerar monotonia e estresse entre os operadores; d) Pode apresentar problemas com relação à quantidade dos produtos fabricados. Leiautes de manufatura celular as máquinas são agrupadas em células, e estas funcionam de uma forma semelhante a uma ilha de leiaute de produção, cada célula é formada para produzir uma única família de peças. Características: a) Relativa flexibilidade quanto ao tamanho dos lotes por produto; b) Específico para uma família de produtos; c) Diminui o transporte de material; d) Diminui os estoques;

47 47 e) Centraliza a responsabilidade sobre o produto final fabricado; f) Enseja a satisfação no trabalho; g) Permite elevado nível de qualidade e de produtividade; Leiautes por posição fixa o produto permanece numa posição fixa. Este tipo de leiaute é usado quando um produto é muito volumoso, grande, pesado ou frágil. Características: a) Para um produto único, em quantidade pequena ou unitária, em geral não repetitivo e geralmente para produtos de grandes dimensões físicas. b) Difícil coordenação do trabalho, o que gera baixa eficiência e altos custos. Para Slack (2002, p. 201) destaca ainda o modelo de arranjo físico misto, onde elementos de alguns ou todos os tipos básicos de arranjos físicos se combinam ou utilizam de tipos básicos de arranjo físico em diferentes partes da operação. Ainda para Slack (2002, p. 214) a decisão de qual dos quatro tipos de arranjo físico citados anteriormente deve ser adotada, é influenciada por um entendimento das vantagens e desvantagens de cada um deles, como segue: Figura 23: Vantagens e desvantagens dos arranjos físicos. LEIAUTE VANTAGENS DESVANTAGENS Flexibilidade muita alta de mix de produtos. Produto ou cliente não movido ou Posicional perturbado. Alta variedade de tarefas para a mão-deobra. Processo Celular Produto Fonte: Slack (2002). Alta flexibilidade de mix e produto. Relativamente robusto em caso de interrupção de etapas. Supervisão de equipamentos e instalações relativamente fácil. Pode dar um bom equilíbrio entre o custo e flexibilidade para operações com variedade relativamente alta. Atravessamento rápido. Trabalho em grupo pode resultar em melhor motivação. Baixos custos unitários para altos volumes. Dá oportunidade para especialização e equipamento. Movimentação conveniente de clientes e materiais. Custos unitários muito altos. Programação de espaço ou atividades pode ser complexa. Pode significar muita movimentação de equipamentos e mão-de-obra. Baixa utilização de recursos. Pode ter alto estoque em processo ou filas de cliente. Fluxo completo pode ser difícil de controlar. Pode ser caro para reconfigurar o arranjo físico atual. Pode requerer capacidade adicional. Pode reduzir níveis de utilização de recursos. Pode ter baixa flexibilidade de mix. Não muito robusto contra interrupções. Trabalho pode ser repetitivo.

48 48 Finalizando a classificação dos tipos de leiaute, Slack (2002) considera que há muitos objetivos relevantes para cada operação a ser realizada, e estas devem ser detalhadamente inseridas no arranjo físico, tais como: segurança (processos que representam perigo), clareza do fluxo (sinalização de forma clara), conforto da mãode-obra (ambiente agradável para o trabalho), entre outras.

49 49 3 PROCEDIMENTO METODOLÓGICO Este trabalho tem características de pesquisa de campo e de pesquisa aplicada. Segundo Vergara (1998), a pesquisa aplicada é fundamentalmente necessária para solucionar problemas concretos, e a pesquisa de campo, que é realizada no local onde ocorre o evento em estudo, é de natureza empírica. A pesquisa bibliográfica é, por conseguinte um fundamento metodológico especial. O campo de pesquisa deste trabalho é, conforme dito, a Marpe Piscinas. Seu foco principal é a otimização do processo logístico da empresa, dada a influência que a logística exerce na operacionalização dos produtos por ela comercializados. O trabalho desenvolve-se em três etapas: análise do sistema logístico da empresa, estudo das técnicas de pesquisa operacional e a proposta de um modelo. A análise do sistema caracteriza-se como sendo de natureza qualitativa, com abordagem exploratória. Segundo Roesch (1996, p. 146) a pesquisa qualitativa serve para uma melhor avaliação de um programa ou plano, explorando as informações levantadas na organização. Já o método de observação sistemática, de acordo com Gil (1994), permite ao pesquisador saber quais aspectos da organização são significativos para alcançar os objetivos pretendidos; o método exploratório, por sua vez, tem por finalidade esclarecer e/ou modificar conceitos e idéias. Para Gil (2002, p. 41), a pesquisa exploratória objetiva ter maior familiaridade com o problema focado, com vistas a sua clareza. A técnica de pesquisa observatória será realizada de maneira informal, pois de acordo com Mattar (2001, p. 23): A observação informal em pesquisas exploratórias envolve nossa natural capacidade de observar continuamente objetos, comportamentos e fatos ao nosso redor. O processo de observação utilizado no dia-a-dia é chamado de observação informal não dirigida e a percepção e retenção do que é observado é muito pequena e vai depender dos interesses individuais e da capacidade de percepção do observador. Para utilização em pesquisas exploratórias, a observação deverá ser informal e dirigida, pois deverá estar centrada unicamente em observar objetos, comportamentos e fatos de interesse para o problema em estudo, mesmo que obtidos informalmente. A coleta de dados secundários será desenvolvida através de pesquisa documental e histórica, baseando-se em informações levantadas com base em

50 50 planilhas de controle interno da empresa e, com base nestas, será possível efetuar o levantamento de dados com extrema precisão e efetuar uma análise mais acurada do conteúdo. O estudo das técnicas e definição do modelo caracteriza-se como uma pesquisa bibliográfica. De acordo com Roesch (1996, p. 99), a pesquisa bibliográfica implica a leitura e compreensão de textos de autores diversos. Uma vez colhidas as informações necessárias ao estudo, os dados serão agrupados segundo sua importância, possibilitando sua melhor compreensão.

51 51 4 LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE DADOS A partir deste capítulo será aplicado toda análise e resultado proposto para a empresa Marpe Piscinas, a fim de alcançar o objetivo geral deste trabalho. 4.1 CARCTERIZAÇÃO DA EMPRESA A empresa Marpe Piscinas está situada às margens da Rodovia Admar Gonzaga, nº 890, bairro Itacorubi, Florianópolis Santa Catarina em seu imóvel próprio que possui 220 m² de área construída em um terreno de 345 m² desde o ano de Conta com 7 funcionários em seu quadro de pessoal, executando funções no setor administrativo, financeiro, vendas, logística e técnica. Figura 24: Empresa Marpe Piscinas. Fonte: Própria.

52 52 Por estar inserida no segmento de artigos de lazer, a empresa trabalha com diversos itens para piscina, tais como produtos químicos, acessórios em geral para limpeza, infláveis, ombrelones, móveis em madeira, plástico e alumínio fundido. Também possui em sua gama de produtos saunas, aquecedores de água, banheiras de hidromassagem e produtos utilizados para lazer em praia, tais como cadeiras de praia e guarda-sol. Também possui uma extensa lista de peças de reposição para filtros, motores, refletores para piscina, sauna e aquecedores. Estes consomem grande área de depósito, não por sua quantidade estocada, e sim pela variedade armazenada em diversos pontos do depósito. Os serviços prestados pela empresa agregam valores aos produtos comercializados, pois determinam condicionantes importantes para o cliente. Dentre os serviços executados, pode-se destacar a assessoria técnica para construção de piscinas de alvenaria e saunas, montagem de casa de máquinas e equipamentos para manutenção, manutenção dos equipamentos e limpeza de piscinas. Para satisfazer o interesse de seus clientes, a empresa comercializa produtos das melhores marcas do segmento ao qual está inserida: Figura 25: Algumas logomarcas de fornecedores. Fonte: Própria.

53 53 A empresa possui uma estrutura conforme nota-se no organograma, representado na figura a seguir. Figura 26: Organograma da empresa. Diretor Administração Comercial Operacional Técnica Logística Fonte: Própria. O processo gerencial utilizado pela empresa relacionado ao seu planejamento estratégico baseia-se em respeitar condições internas e externas, a fim de atingir sua esperada evolução de forma crescente e com devida sustentação. Desta maneira, a empresa modelou sua visão, missão e valores, como segue: Missão: Atender cada cliente de maneira única, suprindo suas necessidades e expectativas diante de seu problema ou aquisição, buscando soluções rápidas e inovadoras para seu lazer. Visão: Ser considerada pelos clientes a marca referência no mercado de piscinas, móveis e acessórios para o lazer, através da qualidade contínua de produtos e melhoria constante na prestação de nossos serviços. Valores: a) Respeito no relacionamento entre clientes, funcionários e fornecedores. b) Ética e profissionalismo. c) Familiaridade no tratamento de nossos clientes. d) Transparência nos relacionamentos e negócios.

54 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DE DADOS Atualmente a empresa conta com um modelo de armazenagem adotado a partir da necessidade no decorrer dos anos em que está instalada em sua sede atual. Como esta não havia sido construída buscando um melhor aproveitamento do espaço disponível para estoque, há muitos ambientes dentro do mesmo depósito, onde seus produtos são acondicionados de acordo com sua necessidade física de manuseio e armazenamento. Para tanto, o interesse da empresa é a demolição do prédio atual e a construção de uma nova sede. Desta maneira, o depósito será planejado com uma estrutura dimensionada para atender a correta armazenagem de seus produtos. A planta atual da empresa está dividida em 9 setores: 4 áreas para estoque, refeitório, banheiro, salão de vendas e exposição interna, e duas áreas de exposição externa. Cada uma delas compreende a necessidade da empresa em estocar e apresentar para seus clientes os devidos produtos de seu interesse Planta do atual depósito A planta do atual depósito utilizado pela empresa está dividida em quatro áreas, como apresentado na imagem abaixo:

55 55 Figura 27: Planta do atual depósito. Fonte: Própria. Em relação às 4 áreas destinadas ao estoque, estas estão divididas em setores, de acordo com a natureza física de cada produto, especificadas como segue: Estoque 1 Produtos químicos que necessitam de acondicionamento especial devido sua composição. Dentre estes produtos estão cloro granulado e cloro em tablete, carbonato de sódio, hidrogenocarbonato de sódio e sulfato de alumínio.

56 56 Figura 28: Estoque 01. Fonte: Própria Estoque 2 Produtos diversos que devem ser guardados distante da umidade e luz solar. Compreendem ombrelones, guarda-sóis, motores, móveis em alumínio fundido, resistências para aquecedores e saunas, entre outras peças de reposição, acondicionadas em gavetas e prateleiras diversas. Figura 29: Estoque 02. Fonte: Própria.

57 Estoque 3 Peças de reposição diversas para motores, filtros e acessórios para piscina, sendo utilizadas prateleiras e gavetões de plástico para uma melhor organização dos produtos. Nesse ambiente encontram-se também acessórios para limpeza de piscinas, cadeiras de praia, móveis em madeira e produtos químicos de natureza neutra. Figura 30: Estoque 03. Fonte: Própria.

58 Estoque 4 Utilizado para acondicionamento de móveis plásticos em geral, como cadeiras, mesas e espreguiçadeiras. Essa área também é utilizada para armazenagem temporária de produtos volumosos previamente vendidos. Figura 31: Estoque 04. Fonte: Própria Gerenciamento dos produtos Os produtos comercializados pela empresa que não possuem código de barra e são recebidos em lotes diversos; eles são embalados em sacos plásticos transparentes e recebem código de barra, produzido pelo sistema gerencial utilizado. Logo que pronto para armazenagem, o produto recebe um código de localidade, que indica seu endereço e número específico a fim de obter uma rápida retirada do estoque na hora da venda. Estas informações ficam disponíveis no sistema e disponível para o vendedor quando este precisa buscar no estoque, como segue imagem do programa:

59 59 Figura 32: Sistema de gerenciamento de estoque. Fonte: Compufour Sistemas. O modelo de gerenciamento de estoque e armazenamento utilizado atualmente pela empresa está em conformidade com suas necessidades atuais. O questionamento da gerência está em sua alteração de acordo com o projeto de construção da nova sede, que é necessária para ampliar sua rede de negócios, comercialização de novos produtos e melhor atendimento de seus clientes. Como a empresa está com projeto aprovado na prefeitura e outros órgãos pertinentes para construção de uma nova sede, haverá necessidade de dispor de um modelo de armazenagem com um leiaute eficiente. Para tal, a proposta para um novo leiaute segue uma especificação particular da empresa, baseada em sua experiência em manter os produtos acondicionados corretamente, a fim de levar ao cliente, produtos com qualidade inquestionável.

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE ISSN 1984-9354 ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE Área temática: Logística Erika Ribeiro erika.thais2510@gmail.com Myriã Lozano myricapopis@hotmail.com

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Engº. Cláudio Sei Guerra OUTUBRO - 2006 Revisado ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 06 4. Porta-Pallets

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Ricardo A. Cassel A movimentação de materiais é uma atividade importante a ser ponderada quando se deseja iniciar o projeto de novas instalações. Existe uma forte relação entre

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DA UNIVALI EM SÃO JOSÉ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO MARKETING VINÍCIUS FERREIRA DA SILVA

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DA UNIVALI EM SÃO JOSÉ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO MARKETING VINÍCIUS FERREIRA DA SILVA UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DA UNIVALI EM SÃO JOSÉ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO MARKETING VINÍCIUS FERREIRA DA SILVA PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM NOVO LAYOUT DE ARMAZENAGEM

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 SISTEMA LOGÍSTICO EMPRESARIAL Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 Creonice Silva de Moura Shirley Aparecida Fida Prof. Engº. Helder Boccaletti Fatec Tatuí

Leia mais

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO

5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO 5º Simposio de Ensino de Graduação PROPOSTAS DE MELHORIA PARA A LOGÍSTICA INTERNA DE UMA SIDERURGICA LOCALIZADA NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) CAROLINA PASQUOT Orientador(es) José Roberto Soares Ribeiro

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Processo de armazenamento de um supermercado de pequeno porte em Redenção - PA

Processo de armazenamento de um supermercado de pequeno porte em Redenção - PA Processo de armazenamento de um supermercado de pequeno porte em Redenção - PA Anderson Costa Pantoja (anderrsoncostacrist.008@gmail.com / UEPA) Bruno Gilberto Motta Oliveira Maia (brunocar21@outlook.com

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA Como obter mais resultados com menos despesas Thomas Burger - Arquiteto Burger Arquitetos Arquitetura e Gerenciamento de Projetos Porto Alegre

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM Os consumidores quando vão às prateleiras das lojas esperam encontrar os produtos que necessitam, não importando se os produtores estão a 10 ou 2.500 Km de distância. Este é o trabalho da logística: prover

Leia mais

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES Cristina Pereira Medeiros (UESC) cris_eps@hotmail.com

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma avaliação antes

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Eng.º. Cláudio Sei Guerra FEVEREIRO - 2014 ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 07 4. Porta-Pallets

Leia mais

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade III MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Introdução Conhecer as necessidades de gestão de armazém é fundamental; Aqui vamos conhecer os tipos de armazenagem; Tipos de armazenagens São

Leia mais

Proposta de implantação de um sistema de armazenagem automática através de transelevadores no depósito de uma indústria calçadista

Proposta de implantação de um sistema de armazenagem automática através de transelevadores no depósito de uma indústria calçadista Proposta de implantação de um sistema de armazenagem automática através de transelevadores no depósito de uma indústria calçadista José de Souza (ISI SIM) souza.jose@senairs.org.br Eraldo Almeida Camargo

Leia mais

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS PRIAD - Adm. Materiais e Logística Prof. Célio 1 PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS QUESTÃO 1. Aponte a alternativa que não corresponde aos objetivos da Logística Empresarial

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA.

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. Franck

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Armazenagem e a logística Qual é o papel da armazenagem na logística? Armazenagem e a logística Auxilia no atendimento à Missao da Logística. Qual

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for seu produto, conhecemos a melhor solução para armazená-lo A Mecalux oferece soluções de armazenagem Experiência de mais de 50 anos Presença em mais de 70 países 11

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1 Peculiaridades da Logística Em Saúde Paulo Gadas JUNHO-14 1 Farmácias Satélites Vantagens e Desvantagens Paulo Gadas JUNHO-14 2 Paulo Gadas JUNHO-14 3 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO UNITÁRIO MEDICAMENTOS SÃO

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE IMPLANTAÇÃO DE CONCEITOS DE LEAN MANUFACTURING EM UM ALMOXARIFADO FABRIL

EXPERIÊNCIA DE IMPLANTAÇÃO DE CONCEITOS DE LEAN MANUFACTURING EM UM ALMOXARIFADO FABRIL EXPERIÊNCIA DE IMPLANTAÇÃO DE CONCEITOS DE LEAN MANUFACTURING EM UM ALMOXARIFADO FABRIL Carlos Eduardo Rigatto (CBTA- Rio Claro) crigatto@yahoo.com.br Renata Guimarães Villanova (EESC-USP) revillanova@yahoo.com.br

Leia mais

Aula Nº13 - Armazenagem

Aula Nº13 - Armazenagem Aula Nº13 - Armazenagem Objetivos da aula: Você já conhece os diversos tipos de sistemas de manuseio: mecanizados, semi-automáticos e automáticos. Agora, é necessário estudarmos a armazenagem propriamente

Leia mais

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking.

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking. MÉTODOS DE ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE PICKING NA GESTÃO LOGÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA REDE SUPERMERCADISTA DO RIO GRANDE DO SUL Jessica de Assis Dornelles (Unipampa ) jessica-dornelles@hotmail.com

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA

GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA GESTÃO DE ESTOQUE: ANALISANDO O CUSTO DE ARMAZENAGEM EXTERNA DE UMA EMPRESA DO RAMO LÁCTEO SITUADA NA REGIÃO DE LONDRINA Antonia Maria Gimenes¹, Marcio Jabour de Oliveira², William Gonçalves São Leão⁴

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ ELISÂNGELA ALVES PEREIRA

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ ELISÂNGELA ALVES PEREIRA UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ ELISÂNGELA ALVES PEREIRA ANÁLISE DO SETOR LOGÍSTICO E PROPOSTA DE MELHORIAS PARA A EMPRESA SOFERRO DISTRIBUIDORA DE FERRO E AÇO LTDA Biguaçu 2009 ELISANGELA ALVES PEREIRA

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 2 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Equipamentos de Armazenagem Simplicidade Barato Flexível Relação custo e benefício Principais Atribuições Peculiaridade

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais