HANSENÍASE NO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO ATUAL: BASES PARA CONTROLE DA ENDEMIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HANSENÍASE NO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO ATUAL: BASES PARA CONTROLE DA ENDEMIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO HANSENÍASE NO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO ATUAL: BASES PARA CONTROLE DA ENDEMIA ISABELA TÓFOLI RIBEIRO CAMPINAS - SP 2009

2 2 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO HANSENÍASE NO CONTEXTO EPIDEMIOLÓGICO ATUAL: BASES PARA CONTROLE DA ENDEMIA ISABELA TÓFOLI RIBEIRO Trabalho de conclusão de curso elaborado junto ao Programa de Pós Graduação latu sensu do curso de MBA em Saúde Pública com Ênfase em Saúde da Família para a obtenção do Título de Especialista em Saúde Pública. CAMPINAS - SP 2009

3 3 Pesquisadora: Isabela Tófoli Ribeiro FOLHA DE APROVAÇÃO Título: Hanseníase no contexto epidemiológico atual: bases para controle da endemia f. Trabalho de conclusão de curso elaborado junto ao Programa de Pós Graduação latu sensu do curso de MBA em Saúde Pública com Ênfase em Saúde da Família para a obtenção do Título de Especialista em Saúde Pública. Aprovado em: / / BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Instituição: Assinatura: Prof. Dr. Instituição: Assinatura: Prof. Dr. Instituição: Assinatura: Prof. Dr. Instituição: Assinatura:

4 4 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, que meu deu forças para continuar apesar de todas as adversidades encontradas. A minha família, especialmente minha mãe, que não mediu esforços e para que eu pudesse concluir meus estudos. A meu noivo Adriano, pelos períodos de ausência. Aos meus cunhados Goreti e Luciano, que gentilmente abriram as portas de sua casa durante todos os módulos deste curso. Aos amigos que conquistei, pelos meses de convivência, especialmente a Gabriela, pelas preciosas caronas até a rodoviária. Foram muito importantes! A todos às pessoas vítimas da hanseníase que inspiraram a realização deste trabalho, meus sinceros agradecimentos.

5 5 Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de repente você estará fazendo o impossível". São Francisco de Assis

6 6 RESUMO RIBEIRO, I.T. Hanseníase no contexto epidemiológico atual: bases para controle da endemia f. Trabalho de conclusão de curso (Especialização latu sensu) Universidade Castelo Branco, Campinas, Atualmente, a hanseníase é um dos maiores desafios da saúde pública, especialmente no Brasil onde os índices de prevalência e incidência são altos. Na presente pesquisa de natureza bibliográfica qualitativa objetivou-se apresentar a trajetória histórica e a epidemiologia da doença no Brasil e discutir as contribuições do Programa Nacional de Controle da Hanseníase e da Educação Continuada no controle da endemia. Foram trabalhados textos extraídos de livros, teses, artigos e revistas utilizando-se de palavras chaves relativas ao tema. Os resultados obtidos demonstraram que, embora o Programa de Controle da Hanseníase esteja formalmente estruturado no Brasil e seja fundamental para a reversão da endemia hansênica do país, sua execução depende da capacitação dos profissionais de saúde da atenção básica e da sensibilização dos gestores públicos sobre a problemática. Este estudo foi relevante pois, além de aprimorar os conhecimentos relativos à hanseníase, deixou como sugestão que o processo de educação continuada seja realizado pelo método libertador que possibilita ao educando a construção do conhecimento recebido e a humanização do atendimento prestado. Palavras chave: Lepra, Hanseníase, Educação Continuada, Programa Nacional de Controle da Hanseníase e Prevalência.

7 7 ABSTRACT RIBEIRO, IT Leprosy in current epidemiological context: bases to control the disease f. Completion of course work (sensu latu Expertise) - Universidade Castelo Branco, Campinas, Currently, leprosy is one of the major public health challenges, especially in Brazil where the incidence and prevalence rates are high. This paper, of qualitative bibliographical nature, aimed to present the historical trajectory and the epidemiology of the disease in Brazil and to discuss the contributions of the National Program of Control of Leprosy and Continuing Education for the control of this endemic disease. We worked from texts of books, thesis, articles and journals by using key words related to the subject. Results showed that while Leprosy Control Program is formally structured in Brazil and essential for the reversal of this endemic leprosy disease, its implementation depends on the training of professionals of health in primary care and on the awareness of public managers about the situation. This study was important because, besides improving the knowledge on leprosy, it leaves a suggestion that the process of Continuing Education must be done through an emancipatory method that allows the students the building of the received knowledge and the humanization of provided care. Keywords: "Leprosy, "Leprosy, "Continuing Education", "National Program of Control of Leprosy" and "Prevalence".

8 8 LISTA DE FIGURAS Página Figura 1. Série histórica da hanseníase no Brasil coeficiente de prevalência, incidência e óbitos Figura 2. Curva de detecção da hanseníase no Brasil 1994 a Figura 3. Formas de apresentação da hanseníase Figura 4. Esquema PB e MB da PQT utilizado em adultos e crianças para tratamento da hanseníase

9 9 LISTA DE TABELAS Página Tabela 1. Estudo de associação familiar para determinação do componente genético da hanseníase virchowiana Tabela 2. Situação da hanseníase nos países que ainda não atingiram a meta de eliminação da doença prevalência e incidência registradas nos anos de 2004, 2005 e Tabela 3. Situação da hanseníase nas Américas no início de

10 10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACS = Agente Comunitário de Saúde IDH = Índice de Desenvolvimento Humano MB = Multibacilar MORHAN= Movimento de reintegração dos pacientes vítimas da hanseníase NOAS = Norma Operacional de Assistência à Saúde NOB = Norma Operacional Básica PAB = Piso da Atenção Básica PB = Paucibacilar PQT = Poliquimioterapia PSF = Programa de Saúde da Família OMS = Organização Mundial de Saúde OPAS = Organização Pan-Americana da Saúde SES-SP = Secretaria Estadual de Saúde São Paulo SUS = Sistema Único de Saúde UBS = Unidade Básica de Saúde

11 11 SUMÁRIO Página 1. Introdução Objetivos METODOLOGIA CONSIDERAÇÕES INICIAIS Considerações iniciais sobre a hanseníase O contexto histórico e epidemiológico atual da hanseníase O Programa Nacional de Controle da Hanseníase A educação como medida de controle/ eliminação da endemia CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS...65

12 12 1- INTRODUÇÃO A hanseníase apresenta-se hoje como um problema de saúde pública mundial, especialmente no Brasil onde os coeficientes de prevalência e incidência ainda são altos, superiores à meta estipulada pela Organização Mundial de Saúde que é a de menos de um caso da doença por 10 mil habitantes. Como profissional da área da saúde na atenção básica tive a oportunidade de participar de Seminários e Encontros sobre o tema, chamando-me a atenção o modo como o doente de hanseníase foi tratado durante toda a história da enfermidade e os reflexos disso em nossa realidade. Minha inquietação parte do pressuposto de que a doença é conhecida desde a antiguidade, possui tratamento poliquimioterápico ambulatorial disponível na atualidade e é regida por um programa nacional estruturado que prevê o envolvimento de gestores, serviço de atenção básica e sociedade em geral e, no entanto, ainda faz muitas vítimas. Vítimas da doença, do diagnóstico tardio que leva a sequela física e do preconceito social fortemente existente. Frente ao exposto algumas questões são colocadas, no sentido de entender o comportamento da doença na atualidade: Se o tratamento poliquimioterápico contra a hanseníase está disponível na rede pública, é gratuito e o diagnóstico precoce faz parte do programa de controle do Ministério da Saúde, cujo objetivo é tratar a doença o mais rápido possível, interrompendo sua cadeia de transmissão, por que a hanseníase

13 13 ainda é uma doença endêmica no Brasil e com coeficiente de prevalência tão alto? Se o processo de descentralização do atendimento em hanseníase está previsto em Lei e é parte das atribuições dos serviços de atenção básica, por que o diagnóstico da doença é feito tão tardiamente a ponto de alguns pacientes chegarem aos serviços de saúde já com sequelas graves? De que maneira vem sendo realizada a educação dos profissionais de saúde para a problemática da hanseníase? Ela tem se mostrado efetiva na sensibilização sobre o problema? A pesquisa pretende explicar o mecanismo fisiopatológico da hanseníase, sua evolução histórica e epidemiologia atual e apresentar o Programa Nacional do Ministério da Saúde de combate à doença, de modo que os profissionais de saúde envolvidos com a atenção básica possam se beneficiar dos conhecimentos adquiridos com a divulgação do trabalho. Para a aquisição de novos conhecimentos, o processo educativo faz-se necessário e assume posição estratégica na sensibilização do trabalhador da saúde. Assim, este trabalho também pretende mostrar a importância da educação na formação e replicação do saber sobre a hanseníase. Desta forma, esta pesquisa pretende contribuir para o aprimoramento do conhecimento em hanseníase, de modo que ele saia da esfera individual e atinja a esfera global representada pela educação continuada permanente dos profissionais de saúde e consequentemente da população por eles assistida. Com isso, espera-se que cada vez mais as pessoas (profissionais de saúde e população) possam discutir sobre a doença, os métodos de controle e o rompimento dos preconceitos sociais ainda existentes. Por fim, contribuir para que o Plano Estratégico de Eliminação da Hanseníase seja atingido, e que nós consigamos alcançar a meta de eliminação proposta pela Organização Mundial da Saúde.

14 OBJETIVOS Levantar e selecionar produções científicas que descrevam a trajetória histórica da hanseníase e o atual contexto epidemiológico da doença no Brasil. Levantar e selecionar trabalhos que apresentem o Programa Nacional de Controle da Hanseníase do Ministério da Saúde e sua importância para a eliminação da doença como problema de saúde pública, com ênfase no diagnóstico e tratamento clínico. Discutir o processo de educação dispensado ao profissional de saúde da rede básica, com ênfase na equipe de enfermagem, e a importância da capacitação contínua para as ações de controle da hanseníase. Divulgar os conhecimentos obtidos nesta pesquisa como forma de sensibilizar sobre a problemática da hanseníase no país.

15 15 2 METODOLOGIA Pesquisa, segundo Minayo, Deslandes e Gomes (2007, p.16; p.26) é a atividade da ciência encarregada da construção da realidade e envolve interesses e problemas da vida prática e social do pesquisador. Ela se constrói sobre conceitos, proposições, hipóteses e métodos, adquirindo o ritmo particular de quem a desenvolve. O presente trabalho configura-se como uma pesquisa bibliográfica qualitativa, em que se buscou através de textos, artigos, revistas e livros assuntos relacionados à hanseníase, sua evolução histórica e vertentes atuais, com o intuito de apreender novos conhecimentos sobre o tema e assim melhorar a qualidade da assistência prestada ao paciente, contribuindo para a eliminação da doença enquanto problema de saúde pública. Pesquisa bibliográfica é aquela que se realiza a partir do registro disponível, decorrente de pesquisas anteriores, em documentos impressos como livros, artigos, teses, etc. utilizando-se de dados ou de categorias teóricas já trabalhadas por outros pesquisadores e devidamente registradas. Os textos tornam-se fontes dos temas a serem pesquisados. O pesquisador trabalha a partir das contribuições dos autores dos estudos analíticos constantes dos textos (SEVERINO, 2007, p. 122).

16 16 Pesquisa qualitativa é aquela que trata de uma realidade que não pode ser quantificada, e que por isso mesmo deve ser interpretada pelo pesquisador, explica Minayo, Deslandes e Gomes (2007, p. 21). Ela trabalha com significados, justificativas e interesses que fazem parte da realidade social do homem. A elaboração desta pesquisa seguiu os seguintes passos: Escolha do tema e delimitação dos objetivos: A escolha do tema é o primeiro passo para elaboração de um trabalho científico. Ela surge da inquietação do autor, da necessidade de resposta a uma pergunta e deve estar inserida em um contexto atual. O tema deve ser problematizado e essa problemática deve surgir pela reflexão, pelo debate, pela leitura e pelas experiências diárias. (SEVERINO, 2007). Levantamento das referências bibliográficas. Definido o tema-problema e os objetivos propostos, partiu-se para o levantamento de referencial bibliográfico. A coleta de informações ocorreu por meio de pesquisa manual de materiais pertencentes a bibliotecas universitárias e ao Centro de Saúde Prof. Dr. José de Felipe do Município de Espírito Santo do Pinhal - SP. Para este levantamento, foram utilizadas palavras-chave como lepra, hanseníase, educação continuada, Programa Nacional de Combate à Hanseníase e prevalência. A seleção do material bibliográfico deu-se também via on-line através da base de dados Bireme, utilizando as mesmas palavras-chave citadas anteriormente, bem como através de consulta a sites de referência no assunto como Ministério da Saúde, Centro de Vigilância Epidemiológica, Instituto Lauro de Souza Lima e portal de busca Google. Para o levantamento bibliográfico a partir das referidas fontes foi delimitado espaço de tempo de quinze anos e realizado no período de julho de 2008 a fevereiro de 2009.

17 17 Seleção do material científico. De posse do material bibliográfico, foi realizada a leitura exploratória dos mesmos com a finalidade de determinar os textos que realmente interessassem à pesquisa proposta. O referencial bibliográfico foi analisado, fichado, selecionado e descrito, tendo em vista os objetivos propostos na monografia. A seleção do material científico deu-se entre agosto de 2008 e fevereiro de Foram selecionados 21 livros, 3 teses e 31 artigos. Organização do projeto: Todo trabalho científico deve constituir uma totalidade de inteligibilidade, estruturalmente orgânica, deve formar uma unidade com sentido intrínseco e autônomo para o leitor que não participou da sua elaboração, que internamente as partes de conectem logicamente. (SEVERINO, 2007). Os trabalhos selecionados foram organizados de maneira objetiva e referenciada, de forma que o texto introdutório pôde ser apresentado de forma clara e concisa, expondo a problemática central da pesquisa proposta. Seguindo uma ordem cronológica foi apresentado o contexto histórico da hanseníase, a epidemiologia da doença em nosso país e o marco decisório que foi a definição pela Organização Mundial de Saúde do Plano Estratégico para Eliminação da Hanseníase. Em seguida, foi apresentado o Programa Nacional de Combate à Hanseníase com ênfase no diagnóstico precoce e tratamento na forma de poliquimioterapia. Por fim, foi destacada a importância da educação continuada para eliminação da doença. A pesquisa foi construída entre julho de 2008 e março de 2009.

18 3 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 18

19 Considerações iniciais sobre a hanseníase A hanseníase é uma doença infecto-contagiosa de evolução lenta e que se manifesta por meio de sinais e sintomas dermato-neurológicos, sendo que os principais são as lesões de pele com perda de sensibilidade e as lesões nos nervos periféricos, com acometimento principalmente dos olhos, mãos e pés. Caso suspeito é a pessoa que apresenta uma ou mais das características citadas acima, além da baciloscopia positiva, conforme explica o Ministério da Saúde (2002). A doença tem como agente etiológico o mycobacterium leprae, bactéria intracelular obrigatória, com período de incubação prolongado e de evolução crônica, que afeta principalmente pele e nervos periféricos (MARTELLI et al, 2002). Michalany e Michalany (1988) explicam que a bactéria foi descoberta somente em 1873 pelo médico norueguês Gerhard Armauer Hansen e que ela possui uma grande semelhança com o bacilo de Koch causador da tuberculose. No entanto, apesar das semelhanças estruturais e de o bacilo de Koch já ter sido amplamente estudado, os autores relatam que, em relação ao mycobacterium leprae, até hoje não existe nenhum meio de cultura artificial ou experiências com animais que tenham conseguido reproduzir a bactéria laboratorialmente, tornando o homem a única fonte de infecção da doença.

20 20 O Ministério da Saúde (2002) comenta que o bacilo de Hansen, como a bactéria também é conhecida em homenagem a seu descobridor, tem afinidade por células cutâneas e nervosas, demorando em média de 11 a 16 dias para se multiplicar. Michalany e Michalany (1988) completam que, uma vez dentro do organismo, o bacilo dissemina-se via corrente sanguínea e linfática até encontrar estruturas favoráveis para seu desenvolvimento, externando-se através da mucosa nasal. De modo geral, a fonte de infecção é o paciente virchowiano que elimina a bactéria em grande quantidade pelas lesões cutâneas e muco nasal, na mesma proporção que um paciente com tuberculose pulmonar libera o bacilo de Koch pelo escarro. (TRABULSI; CASTRO, 1996). O Ministério da Saúde (2002) acrescenta que para a transmissão ocorrer é necessário um contato direto e prolongado com a pessoa doente e sem tratamento específico, e que se deve levar em consideração também as questões sócioeconômicas, questões individuais de saúde e mais recentemente as questões genéticas envolvidas na resistência ou não à doença. Em relação a esse componente genético, Arruda (1981) explica que a resistência à infecção pode ser avaliada através do teste de Mitsuda, que é uma suspensão de bacilos da lepra injetados no organismo intradermicamente e que induz a formação de anticorpos específicos. Uma resposta positiva é interpretada como resistência ao mycobacterium leprae, condição já presente no nascimento, e uma resposta negativa e repetitiva é interpretada como susceptível à infecção. Acredita-se que 10% da população pertençam a esta última situação e provavelmente permanecerão assim mesmo que estimuladas com antígeno específico, como por exemplo, a vacina BCG. Este não foi um estudo isolado e nem tampouco recente. Como nos mostra Prevedello e Mira (2007), já em 1937 Rotberg estudou a reação de Mitsuda e sugeriu que havia um componente genético ligado à suscetibilidade à doença, e um

21 21 fator natural de natureza desconhecida responsável pela resistência dos pacientes. Hoje se sabe que esses fatores são manifestações de um conjunto de genes interagindo de forma complexa. O Ministério da Saúde (1994) chama atenção para uma questão muito importante referente à imunologia da hanseníase virchowiana. Verificou-se que os portadores deste tipo de hanseníase possuíam uma quantidade extremamente reduzida de linfócitos T responsáveis pela produção e geração de clones antimycobacterium leprae. Esta alteração ainda não está completamente elucidada, mas acredita-se que haja um defeito no mecanismo de apresentação do mycobacterium leprae aos linfócitos ou mesmo ausência de linfócitos reativos ao bacilo. Beiguelman (1981) relata que em 1968 foi realizado um estudo de associação familiar para verificar a determinação do componente genético no aparecimento da hanseníase. O autor investigou famílias completas com no mínimo cinco anos de convivência, nas quais o pai ou a mãe ou ambos apresentavam hanseníase virchowiana. Os resultados estão condensados na Tabela 1 e torna evidente a hipótese de que filhos de pacientes com hanseníase virchowiana são mais suscetíveis a apresentar o mesmo tipo de hanseníase do que os não consanguíneos. Tabela 1 Estudo de associação familiar para determinação do componente genético da hanseníase virchowiana. União Virchowiano Tuberculóide Indeterminado Dimorfo Pai virchowiano x Mãe sem hanseníase Mãe virchowiano x Pai sem hanseníase Pai virchowiano x Mãe virchowiana Fonte: Beiguelman, ,3% 1,4% 4% 0,2% 9,3% 1,9% 4,5% 0 23,2% 3,8% 5,4% 0

22 22 A tabela mostra claramente que filhos de casais portadores ou que já trataram de hanseníase do tipo virchowiana possuem uma predisposição maior a desenvolverem esse tipo de hanseníase, quando comparados aos filhos dos casais em que um dos pares não tem ou nunca tratou da doença. Em relação ao desenvolvimento dos outros três tipos de hanseníase, novamente os filhos dos casais virchowianos apresentavam predisposição maior se comparados aos filhos dos casais com um dos membros sadio, o que reforça a hipótese do componente genético/ imunológico envolvido no surgimento da doença. Apesar das recentes descobertas acerca do componente genético envolvido no desenvolvimento da hanseníase, não se pode excluir os fatores sócio-econômicos e ambientais na determinação da doença e nem tampouco relegar para segundo plano as ações de combate e controle propostas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e Ministério da Saúde, visto que são questões de suma importância na reversão do atual perfil epidemiológico da hanseníase no Brasil e importantes para o alcance da meta de eliminação da doença proposto pela OMS, que é a prevalência menor de um caso por 10 mil habitantes.

23 O contexto histórico e epidemiológico atual da hanseníase A hanseníase, conhecida desde os tempos bíblicos como lepra, é uma doença infecto-contagiosa de evolução crônica e que se manifesta principalmente por lesões cutâneas com diminuição da sensibilidade térmica, tátil e dolorosa. (EIDT, 2004). A autora, corroborada por Agrícola (1960, p.11) e Opromolla (2007, p.41) relata que a doença parece ser uma das mais antigas já descritas pelo homem e aponta dúvidas se o seu surgimento se deu na África ou Ásia. Descrições encontradas no papiro de Ramsés II sugerem que a lepra já era conhecida há mais de quatro mil anos a.c. no Egito. É difícil afirmar, com certeza, a época do aparecimento de uma doença baseada em textos antigos, a não ser que haja uma descrição razoável da mesma com citações dos aspectos que lhe são mais característicos. Se não for assim, e se nos basearmos apenas em dados fragmentários e em suposições dos tradutores daqueles textos, o assunto se torna confuso e gera uma série de falsas interpretações. (OPROMOLLA, 1981, p.1). Prevedello e Mira (2007) relatam que, recentemente, ferramentas de genômica comparativa foram utilizadas para confirmar à hipótese de que a doença teve origem na África Oriental e a partir daí se espalhou para o resto do mundo seguindo as rotas migratórias das primeiras populações humanas.

24 24 Opromolla (1981, p.1) também destaca diferentes obras da antiguidade onde foram descritos estados mórbidos que provocavam queda das sobrancelhas, nódulos, ulcerações, perda de sensibilidade, alterações na tonalidade da pele, cegueira, desabamento do nariz e deslocamento das articulações. Barbosa (2007, p.12), Eidt (2004) e Opromolla (1981, p.2) lembram que existem referências sobre a hanseníase em muitas outras publicações da Era Antiga, mas o que ocorreu na verdade foram interpretações e traduções errôneas do termo. Exemplo disso e que é citado por Opromolla (1981, p.3) é que na Babilônia e na Bíblia a palavra saraath, que foi traduzida como lepra, significava escamoso, que necessita de purificação. A hanseníase propriamente dita era chamada pelos gregos de elefantíase, já que a pele do paciente com a doença lembrava a pele escamosa de um elefante. Eidt (2004) completa que o termo lepra absorveu uma gama de diferentes doenças dermatológicas uma vez que os médicos antigos não tinham uma idéia exata sobre o modo como essas patologias de desenvolviam. Ela também afirma que até o século quinto a.c. a Europa desconhecia a hanseníase e que a doença foi levada ao continente pelas tropas de Alexandre o Grande no retorno de suas conquistas, pelos soldados cruzados infectados, por comerciantes e navegadores, fazendo com que a Europa da Idade Média apresentasse altas taxas de incidência da doença. Frente a este quadro, governantes, religiosos e comunidades científicas propuseram diferentes métodos de diagnóstico e profilaxia com base nos conhecimentos detidos na época, métodos estes moldados mais em práticas religioso-sociais do que propriamente científicas. Eidt (2004) lembra que o único método profilático da época consistia no isolamento. Em países como a França, por exemplo, essas medidas eram rigorosas e incluíam a realização de um ofício semelhante aos atestados de óbito e que obrigavam o doente a viver em moradias específicas e usar vestimentas

25 25 características que o identificavam como leproso. Nesta mesma época, a igreja católica ensinava que os portadores de lepra eram os pobres de Cristo e houve uma grande compaixão por estas pessoas a ponto de muitos acreditarem que o próprio Cristo havia morrido de hanseníase. O próprio método de diagnóstico mostrou-se impreciso. Conforme explica Opromolla (1981, p.5) o diagnóstico era realizado por quatro pessoas: um médico, um cirurgião e dois barbeiros e consistia na deposição de uma amostra de sangue em um recipiente contendo sal. Se houvesse decomposição do sangue a pessoa não estava doente. Em outro método, sangue e água eram misturados e se não houvesse mistura dos dois líquidos tratava-se de doente de lepra. Para Opromolla (1981, p.5) conceitos imprecisos sobre a doença e os métodos inapropriados de diagnóstico fizeram com que o número de doentes na Europa fosse falso, chegando a aproximadamente vinte mil. Apesar disso, por volta de 1870 a doença havia praticamente desaparecido no continente e esse declínio teve como causa principal as melhorias das condições sócio-econômicas das Idades Moderna e Contemporânea. (EIDT, 2004). Eidt (2004) afirma que a hanseníase deve ter chegado às Américas entre os séculos dezesseis e dezessete com os colonizadores, já que não há registros da doença entre as tribos indígenas. No Brasil, o ponto de partida foram os colonizadores portugueses e mais tarde os escravos africanos, porém não há consenso sobre o papel desempenhado pelos escravos na introdução da doença, uma vez que os critérios de negociação de compra eram rígidos. Magalhães e Rojas (2005) contam que os primeiros casos de lepra no Brasil foram registrados em 1600 no Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco e, acompanhando o fluxo migratório, a doença espalhou-se pelo país. Estas cidades tinham em comum o fato de serem importantes centros urbanos e as principais portas de entrada de europeus e escravos. Eidt (2004) lembra que Pernambuco era o mais importante centro açucareiro, a Bahia era a capital da Colônia e o Rio de

26 26 Janeiro apresentava um desenvolvimento muito grande. São Paulo iniciava seu desenvolvimento agrícola e, impulsionado pelos bandeirantes, a doença foi levada a Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás e Estados do Sul. A hanseníase teria chegado à região Norte através do fluxo migratório e comercial do Nordeste. Opromolla (2007, p.39) relata que a primeira documentação que comprova a presença da doença no Brasil é de 04/12/1697 na qual a Câmara do Rio de Janeiro pede ao Rei de Portugal a instalação de um lazareto na igreja da Conceição devido ao grande número de hansenianos da cidade. Em São Paulo, talvez por sua localização geográfica, somente no século dezoito começaram a surgir os primeiros documentos sobre a hanseníase, no entanto, foi o primeiro Estado do país a realizar inquérito censitário sobre a doença, o qual apontou um número de doentes cada vez maior, especialmente no Vale do Paraíba, seguindo o desenvolvimento agrícola e o fluxo migratório dos europeus. Apesar disso, Agrícola (1960, p.13) afirma que as primeiras providências oficiais em relação à hanseníase foram tomadas somente em 1714 no Recife pelo padre Antonio Manoel, que é considerado o precursor da campanha de combate à doença no Brasil, e incluiu a construção do primeiro asilo que deu origem ao Hospital dos Lázaros em A partir daí, outros asilos foram construídos, como por exemplo, o Hospital dos Lázaros no Rio de Janeiro, que hoje é chamado de Hospital Frei Antonio, o Hospital São Cristóvão dos Lázaros na Bahia, o Hospital dos Lázaros no Pará e o Hospital dos Morféticos em São Paulo, todos eles de caráter assistencial sem qualquer medida profilática de combate à doença. Opromolla (2007, p.46) relata que nesta mesma época pesquisadores brasileiros acreditavam que a hanseníase ocorria devido à combinação dos fatores hereditariedade, transmissão alimentar e clima quente. Ela nos fala que com a Proclamação da República e a promulgação da Constituição Brasileira, os serviços de saúde pública foram descentralizados ficando sob responsabilidade dos Estados. É criada a Lei de 30/12/1911 que reorganizou o Serviço Sanitário e o Código Sanitário Brasileiro, que dentre outras questões colocava a obrigatoriedade da notificação da lepra ulcerada e a construção de colônias para doentes com o

27 27 objetivo de isolá-los da sociedade sadia. Em 27/12/1926, a Lei 2169 estabelece as primeiras medidas de profilaxia da doença baseadas na notificação, isolamento dos pacientes em leprosários, inquérito censitário e educação sanitária da população em geral. Magalhães e Rojas (2005) contam que final do século dezenove e início do século vinte a hanseníase era considerada uma calamidade pública na região Norte e o estado do Pará concentrava o maior número de casos da doença. Já no Nordeste a lepra era considerada uma doença rara, mas as campanhas de saneamento rural da década de vinte mostraram uma grande quantidade de doentes, principalmente na região litorânea, sendo que o Ceará parece ter sido a porta de entrada devido ao fluxo comercial entre Amazônia e Nordeste. Já o Sudeste foi classificado como área endêmica, embora historicamente sempre fosse considerada uma região de baixa incidência. As autoras concluem que, nesta época existiam dois pólos de concentração da lepra: um na Amazônia e outro no Sudeste, responsáveis por 80% dos casos do país. Em termos de profilaxia, Eidt (2004) cita que as principais medidas legislativas tomadas para controle da endemia foram as que tornavam obrigatório o isolamento dos doentes em vários Estados brasileiros, a proibição do exercício de certas profissões e a criação de hospitais colônia. A autora ainda nos relata que durante séculos a endemia foi negligenciada e, somente em 1912, durante o I Congresso Sul Americano de Dermatologia e Sifilografia do Rio de Janeiro, o médico Emilio Ribas destacou a importância de se trabalhar na profilaxia da doença dentro dos hospitaiscolônia. Agrícola (1960, p.16) conta que em 1920 é criada a Inspetoria da Profilaxia da Lepra e Doenças Venéreas cuja função foi regulamentar o combate à endemia que até então não tinha a merecida atenção do poder público. Em 1934 ocorreu uma reformulação dos serviços de saúde com a extinção da Inspetoria e a criação da Diretoria dos Serviços Sanitários. Assim, o Ministério da Saúde e Educação elabora um Plano Nacional cujas principais orientações são a construção de leprosários tipo

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.* HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por 10.000 habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades

Leia mais

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO Luizinho e Chiquinho HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO SBD: DERMATOLOGISTA COM TÍTULO DE ESPECIALISTA CUIDANDO DE VOCÊ. Oi LuizinhO. nossa conversa sobre DST foi muito útil, mas agora, eu tenho uma dúvida

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA 1 ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA Rozane Pereira de Sousa. Estudante da Especialização em Direitos Humanos da Universidade Federal Campina Grande - UFCG, Cajazeiras

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

HANSENÍASE: CARACTERÍSTICAS GERAIS

HANSENÍASE: CARACTERÍSTICAS GERAIS HANSENÍASE: CARACTERÍSTICAS GERAIS Fernanda Marques Batista Vieira A Hanseníase com agente etiológico Mycobacterium leprae é uma doença infectocontagiosa, de evolução lenta, é transmitida de forma inter-humana,

Leia mais

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose

Proposta de Vigilância Epidemiológica da Paracoccidioidomicose MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS UNIDADE DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIAS

Leia mais

Ações de Eliminação da Hanseníase

Ações de Eliminação da Hanseníase PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS Protocolo da Equipe de Saúde das Unidades Básicas nas Ações de Eliminação da Hanseníase I. INTRODUÇÃO : A ELIMINAÇÃO DA HANSENÍASE... 15

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE Arieli Rodrigues Nóbrega Videres¹- arieli.nobrega@hotmail.com Layz Dantas de Alencar²- layzalencar@gmail.com ¹ Professora mestre do curso

Leia mais

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde Tuberculose Informações para Agentes Comunitários de Saúde 2011. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia É permitida a reprodução parcial desta

Leia mais

Brasil melhora posição no ranking por número de casos de tuberculose 4

Brasil melhora posição no ranking por número de casos de tuberculose 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 8 Adryelly Loureiro da Silva 1 Vinício de Sousa Silva 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DA TUBERCULOSE

ÁREA TÉCNICA DA TUBERCULOSE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE DOENÇAS E AGRAVOS ENDÊMICOS ÁREA TÉCNICA DA TUBERCULOSE MATO GROSSO NOVEMBRO/2009 TUBERCULOSE

Leia mais

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia

Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios para o enfrentamento de uma nova epidemia Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis Coordenação de Dengue e Febre Amarela Ações de Vigilância Epidemiológica, Perspectivas e Desafios

Leia mais

A situação epidemiológica da hanseníase no Brasil e em Campinas

A situação epidemiológica da hanseníase no Brasil e em Campinas A situação epidemiológica da hanseníase no Brasil e em Campinas Marcos de Souza Queiroz Maria Angélica Puntel SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros QUEIROZ, MS., and PUNTEL, MA. A endemia hansênica:

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Página 1 / 8 1. Situação Epidemiológica do Sarampo Diferentes regiões do mundo estão definindo metas para a eliminação do sarampo e da rubéola até o ano de 2015. No entanto, surtos recentes de sarampo

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Gestão de Políticas Estratégicas

Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Gestão de Políticas Estratégicas Área Técnica de Dermatologia Sanitária Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Gestão de Políticas Estratégicas GUIA PARA IMPLANTAR / IMPLEMENTAR AS ATIVIDADES DE CONTROLE

Leia mais

Eliminação da Lepra ComoProblema de Saúde Pública

Eliminação da Lepra ComoProblema de Saúde Pública A Lepra pode ser fàcilmente curada com MDT. Disponível e gratuita em todos os centros de saúde. Grupo de Eliminação da Lepra Organização Mundial da Saúde CH-1211 Geneva 27 Switzerland Internet: www.who.int

Leia mais

TUBERCULOSE E AS POLÍTICAS DE CONTROLE DA DOENÇA NO BRASIL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

TUBERCULOSE E AS POLÍTICAS DE CONTROLE DA DOENÇA NO BRASIL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA TUBERCULOSE E AS POLÍTICAS DE CONTROLE DA DOENÇA NO BRASIL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Gabriele Balbinot 1 Alessandra Vidal da Silva 2 Claudia Ross 3 INTRODUÇÃO: A tuberculose é uma das enfermidades mais

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

ENFERMEIRO DO PSF - 40H

ENFERMEIRO DO PSF - 40H QUESTÃO 01 A Constituição Federal de 1988 na seção II dispõe sobre a Saúde, que descreve em artigo sobre a saúde ser direito de todos. Para tanto, no art. 198 as ações e serviços públicos de saúde integram

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

6A Aids e a tuberculose são as principais

6A Aids e a tuberculose são as principais objetivo 6. Combater Hiv/aids, malária e outras doenças O Estado da Amazônia: Indicadores A Amazônia e os Objetivos do Milênio 2010 causas de mortes por infecção no mundo. Em 2008, 33,4 milhões de pessoas

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 TUBERCULOSE Doença infecciosa, atinge, principalmente, o pulmão. Éuma doença grave, transmitida

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

Departamento de Medicina Social/Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP

Departamento de Medicina Social/Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP Programa de Controle da Tuberculose no Brasil: Situação Atual e Novas Perspectivas Tuberculosis in Brazil: General Information and News Perspectives Antonio Ruffino-Netto Departamento de Medicina Social/Faculdade

Leia mais

Vigilância em Saúde: situação epidemiológica da hanseníase no Brasil

Vigilância em Saúde: situação epidemiológica da hanseníase no Brasil MINISTÉRIO DA SAÚDE Vigilância em Saúde: situação epidemiológica da hanseníase no Brasil 2008 APRESENTAÇÃO A hanseníase apresenta tendência de estabilização dos coeficientes de detecção no Brasil, mas

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde I. Apresentação II. Contexto epidemiológico III.

Leia mais

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA QUALIFICAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NOS SERVIÇOS ASSISTENCIAIS DO SUS PARA CÂNCER DE MAMA E CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Fátima Bussinger Chefe da Fisioterapia

Leia mais

Programa de controle da Tuberculose na Estratégia de Saúde da Família

Programa de controle da Tuberculose na Estratégia de Saúde da Família Programa de controle da Tuberculose na Estratégia de Saúde da Família Dairton da Silva Vieira Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem. Hogla Cardozo Murai Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 4 o Bimestre 5 o ano Geografia 1. Leia a notícia, divulgada em vários jornais brasileiros, no dia 21

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15

Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 15 Ariane Guerra Fernandes 1 Layanne Kelly Lima de Carvalho Rego 1 Liessia Thays de Araújo 1 Selonia Patrícia Oliveira

Leia mais

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós.

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE AGRAVOS Aos Profissionais de Saúde e População Catarinense DIA MUNDIAL DE LUTA CONTRA

Leia mais

CONHECENDO A TUBERCULOSE

CONHECENDO A TUBERCULOSE CONHECENDO A TUBERCULOSE Œ Tuberculose Œ Transmissão Œ Sintomas Iniciais Œ Diagnóstico Œ Contatos Œ Tratamento Œ Convívio Social Œ Vacinação Œ TB, AIDS Œ Alcoolismo Œ Prevenção Œ Cura O QUE É TUBERCULOSE?

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Busca Ativa de Hanseníase nos Comunicantes Intra-Domiciliares dos Pacientes do Programa de Controle

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Manual das ações programáticas 1 M o d e l o S a ú d e T o d o D i a PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS INDICE INTRODUÇÃO... 5 FLUXOGRAMA DO ENVIO

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Impacto da infecção pelo HIV nas ações de controle de TB grandes centros urbanos. Tuberculose e HIV/Aids no Brasil

Impacto da infecção pelo HIV nas ações de controle de TB grandes centros urbanos. Tuberculose e HIV/Aids no Brasil Impacto da infecção pelo HIV nas ações de controle de TB grandes centros urbanos III Encontro Nacional de Tuberculose Salvador - Bahia 21 de junho/28 Leda Fátima Jamal Centro de Referência e Treinamento

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde. Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde. Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Alcance dos ODMs pelo Brasil Metas da Saúde Dr. Jarbas Barbosa Secretário de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Brasília- DF, 25 de abril de 2012 ObjeHvos de Desenvolvimento do Milênio - ODM Obje%vo

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas:

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas: INDICADORES DE SAÚDE Critérios para avaliar indicadores: Validade Confiabilidade (reprodutividade e fidedignidade) Representatividade (cobertura) Questão ética Ângulo técnico administrativo A preparação

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

SEMINÁRIO VIGILÂNCIA E CONTROLE DA TUBERCULOSE E DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NA POPULAÇÃO INDÍGENA. Salvador, 23 e 24 de julho de 2013

SEMINÁRIO VIGILÂNCIA E CONTROLE DA TUBERCULOSE E DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NA POPULAÇÃO INDÍGENA. Salvador, 23 e 24 de julho de 2013 SEMINÁRIO VIGILÂNCIA E CONTROLE DA TUBERCULOSE E DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NA POPULAÇÃO INDÍGENA Salvador, 23 e 24 de julho de 2013 O QUE É A TUBERCULOSE: RELEMBRANDO... Doença infecto-contagiosa causada

Leia mais

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento

Pontos principais Antecedentes e contexto Políticas e estratégias para o controle da malária Tratamento Resumo O Relatório Mundial da Malária de 2009 resume informação recebida de 108 países com malária endêmica e de outras fontes e atualiza a análise apresentada no Relatório de 2008. Destaca o progresso

Leia mais

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS

POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS POLÍTICA ESTADUAL DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS PESSOAS COM DOENÇA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS Introdução As Hemoglobinopatias compreendem um grupo de distúrbios hereditários que afetam a síntese de

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING Recife 04/08/2014 1 Nos últimos anos, com a integração dos países devido à globalização, houve um aumento da

Leia mais

Célio Gonçalves Marques tinha 20 anos, no início da década de 1980,

Célio Gonçalves Marques tinha 20 anos, no início da década de 1980, Hanseníase Quem cura o estigma? Evolução do tratamento da Hanseníase permitiu a cura dos pacientes, mas é preciso avançar na diminuição das incapacidades e prevenção da doença Célio Gonçalves Marques tinha

Leia mais

VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES. Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas.

VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES. Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas. VACINAÇÃO: PERFIS E CONHECIMENTO DAS GESTANTES Julianne Melo dos Santos 1, Auleliano Adonias dos Santos 1, Rosa Maria Nunes Galdino 2 Descritores: vacinação, gestantes, doenças infecciosas. Introdução

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE Área geográfica = 95,4 mil Km² equivalente a 1,12 do território rio nacional População = 6.049.234 habitantes Nº de municípios do Estado = 293 Nº de municípios

Leia mais

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3

Valores Propostos para o Programa no Período 2002 a 2005 2.002 2.003 2.004 2.005 Total Recursos 77,5 79,1 82,3 86,4 325,3 Plano Plurianual 2.002 2.005 Saúde Objetivo Geral Principais secretarias envolvidas: SMS A Secretaria Municipal de Saúde, cumprindo o programa do Governo da Reconstrução, implantará o SUS no município.

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAP : 1 1 MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAPÍTULO 1 : APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes gerais para a operacionalização do Programa Nacional de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças

Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças META Até 2015, ter detido a propagação do HIV/Aids e começado a inverter a tendência atual. 6a META Alcançar, até, o acesso universal ao tratamento para

Leia mais

POR UMA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO À SAÚDE EM GENÉTICA CLÍNICA JÁ!

POR UMA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO À SAÚDE EM GENÉTICA CLÍNICA JÁ! POR UMA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO À SAÚDE EM GENÉTICA CLÍNICA JÁ! O próximo dia 28 de Outubro será uma data triste para a genética médica brasileira e para 140 milhões de brasileiros que são dependentes

Leia mais

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya

Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014. Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya Nota Técnica N.º 29 /14 Recife, 09 de outubro de 2014 Assunto: Notificação dos casos suspeitos da Febre Chikungunya 1. Características da doença A Febre do Chikungunya (CHIKV) é uma doença causada por

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Gripe por Influenza A H1N1 *

Gripe por Influenza A H1N1 * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, maio de 2009. Gripe por Influenza A H1N1 * Informações básicas O que é Gripe por Influenza A H1N1? A gripe por Influenza A H1N1 (Suína) é uma doença

Leia mais

Pal a v r a s-ch a v e Hanseníase, doenças endêmicas, epidemiologia

Pal a v r a s-ch a v e Hanseníase, doenças endêmicas, epidemiologia Han s e n í a s e em Al f e n a s: a s p e c t o s ep i d e m i o l ó g i c o s e cl í n i c o s na re g i ã o s u l do es t a d o de Mi n a s Ge r a i s Hansen s disease in Alfenas: clinical and epidemiological

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009.

Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. Febre Amarela Silvestre, Brasil, 2009. BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO Dezembro/2009 Emergências em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) de Febre Amarela Silvestre em São Paulo e no Rio Grande do Sul e

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Estado de Roraima RECOMENDAÇÃO Nº 001/2011 MPF/RR P R DC Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão OBJETO: Inquérito Civil Público nº 1.32.000.000111/2010-37.

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA

SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Forças Armadas Angolanas Estado Maior General Direcção dos Serviços de Saúde SITUAÇÃO DA TUBERCULOSE NAS FAA Capitão de M. Guerra/ Médico Isaac Francisco Outubro/2014 Caracterização de Angola Capital:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas. Mestrado Profissional em Ensino de Ciências UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Seleção da primeira etapa de avaliação em Ciências Biológicas Instruções para a

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Estratégia Global Aprimorada para Redução Adicional da Carga da Hanseníase

Estratégia Global Aprimorada para Redução Adicional da Carga da Hanseníase SEA-GLP-2009.3 Distribuição: Geral Estratégia Global Aprimorada para Redução Adicional da Carga da Hanseníase (Período do Plano: 2011-2015) Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011

Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Nota Técnica Febre amarela no Brasil: recomendações para a vigilância, prevenção e controle doi: 10.5123/S1679-49742011000100011 Yellow Fever in Brazil: Recommendations for Surveillance, Prevention and

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

Epidemiologia da tuberculose: importância no mundo, no Brasil e no Rio de Janeiro.

Epidemiologia da tuberculose: importância no mundo, no Brasil e no Rio de Janeiro. Curso de tuberculose - aula 1 Epidemiologia da tuberculose: importância no mundo, no Brasil e no Rio de Janeiro. Epidemiology of tuberculosis in the world, Brasil and Rio de Janeiro. Miguel Aiub Hijjar

Leia mais

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH

Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina Índice de Desenvolvimento Humano IDH Oficina CH/EM Caro Aluno, Esta oficina tem por objetivo analisar as principais características de um dos principais indicadores socioeconômicos utilizados na

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008

O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008 O Brasil no Relatório Mundial sobre Drogas 2008 I. Ópio - Consumo De acordo com pesquisas domiciliares [CEBRID 2005], o maior mercado de opiáceos na América do Sul é o Brasil, com cerca de 600 mil usuários,

Leia mais

HANSENÍASE EM IDOSOS NO BRASIL NO ANO DE 2012

HANSENÍASE EM IDOSOS NO BRASIL NO ANO DE 2012 HANSENÍASE EM IDOSOS NO BRASIL NO ANO DE 2012 Ana Elisa P. Chaves (1), Kleane Maria F. Araújo (2) Maria Luísa A. Nunes (3),Thainá Vieira Chaves (4), Lucas Chaves Araújo (5) 1 Docente Saúde Coletiva-UFCG

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

Respire aliviado! Tuberculose tem cura

Respire aliviado! Tuberculose tem cura Respire aliviado! Tuberculose tem cura O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio, chamado Bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis).

Leia mais