Questão de Revisão. Qual é a fonte da força magnética?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questão de Revisão. Qual é a fonte da força magnética?"

Transcrição

1 Física Geral Eletricidade 4 Indução Eletromagnética

2 Aula passada Força magnética entre imãs (magnetos); Pólos magnéticos; Campo magnético; Eletroimã; Força magnética que atua em uma partícula em movimento; Força magnética que atua em um fio percorrido por uma corrente elétrica; Galvanômetro, motor elétrico.

3 Questão de Revisão Qual é a fonte da força magnética?

4 Questão de Revisão Qual é a origem do campo magnético?

5 Questão de Revisão Por que a intensidade de um campo magnético é maior no interior de uma espira de fio que conduz uma corrente do que em uma seção transversal do fio?

6 Questão de Revisão Pode uma partícula carregada se mover em um campo magnético sem sofrer a ação de nenhuma força?

7 Indução Eletromagnética Em 1831, Michael Faraday e Joseph Henry, independentemente descobriram que uma corrente elétrica pode ser produzida com um imã e uma bobina. Uma voltagem é induzida pelo movimento relativo entre o fio e o campo magnético. Quanto mais rápido for o movimento entre o fio e o imã, maior será a voltagem induzida.

8 Indução Eletromagnética Quanto maior o número de espiras, maior é a voltagem induzida. Ou seja, maior será a energia gerada. Porém, caso a bobina for conectada a um resistor, ou a qualquer outro dispositivo dissipador de energia haverá uma resistência ao movimento do imã na bobina. A voltagem induzida dá origem a uma corrente transformando a bobina em um eletroimã que produz um campo magnético que repele o movimento de deslocamento do imã. Quanto maior o número de espiras, maior será o trabalho para deslocar o imã.

9 Lei de Faraday Esta lei estabelece a indução eletromagnética: A voltagem induzida em uma bobina é proporcional ao produto do número de espiras pela taxa com a qual o campo magnético varia no interior das espiras. A corrente produzida pela indução eletromagnética depende não apenas da voltagem induzida, mas também da resistência elétrica da bobina e do circuito ao qual ela está ligada. A voltagem induzida em uma espira de borracha é igual à voltagem induzida em uma espira de cobre de dimensões semelhantes. Porém, no caso da espira de borracha, os elétrons encontram-se presos aos átomos impedindo-os de se movimentarem.

10 Geradores e Corrente Alternada Quando empurramos o imã para dentro criamos uma corrente elétrica que se opõe a esse movimento, quando retiramos o imã, a corrente se inverte para se opor a esse movimento. Quando repetimos esse processo de forma ritmada, criamos uma corrente alternada no circuito ligado à bobina.

11 Transformadores Como um fio com corrente elétrica gera um campo magnético, a variação da corrente produz um campo variável e induz uma voltagem em outro fio próximo. Ao abrir ou fechar a chave, uma voltagem será medida no galvanômetro. Se um núcleo de ferro for colocada através das espiras, os domínios magnéticos do ferro se alinharão ao campo magnético e ele será intensificado. O campo magnético produzido pelo primário fica praticamente confinado ao interior do núcleo de ferro estendendo-se até o secundário.

12 Transformadores Transformadores reais usam arranjos mais eficientes para conduzir o campo entre as duas bobinas. Há uma relação direta entre a voltagem induzida no secundário com a voltagem aplicada no primário e o número de espiras (voltas) do primário e do secundário. Voltagem no primário Voltagem no secundário = Número de voltas do primário Número de voltas do secundário

13 Campo de Indução Vimos que a variação de campos magnéticos geram voltagem e corrente elétrica. Mas, fundamentalmente, deve-se interpretar que a variação do campo magnético dá origem a um campo elétrico. A lei de Faraday pode ser escrita de uma forma mais geral como: Um campo elétrico é criado em qualquer lugar do espaço onde um campo magnético esteja variando com o tempo. A intensidade do campo elétrico é proporcional à taxa na qual o campo magnético varia. A direção do campo elétrico forma um ângulo reto com a direção do campo magnético variável.

14 Campo de Indução O campo elétrico e o campo magnético exibem uma simetria que levou James Clerk Maxwell a formular a contrapartida da lei de Faraday. Um campo magnético é gerado em qualquer região do espaço onde exista um campo elétrico variando com o tempo. A intensidade do campo magnético induzido é proporcional à taxa na qual varia o campo elétrico. A direção do campo magnético induzido forma um ângulo reto com o campo elétrico variável.

15 Bibliografia 1.Hewitt, P. Fundamentos de Física Conceitual, 2009, Porto Alegre, Editora Bookman. 2. Sears e Zemansky/Young H. D., Freedman R. A. Física I Mecânica, 12a Edição, São Paulo, Pearson Education do Brasil Ltda. 3.Tipler, P. A.; Mosca, G., Física para cientistas e engenheiros, v.2, LTC Editora, Rio de Janeiro, 2006.

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA Desde 1820 quando Oersted descobriu que quando uma corrente elétrica percorria um condutor gerando em torno deste um campo magnético, que uma pergunta surgiu, seria possível que

Leia mais

A indução eletromagnética. Uma questão muito pertinente que se colocava perante a descoberta de Oersted era:

A indução eletromagnética. Uma questão muito pertinente que se colocava perante a descoberta de Oersted era: Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 1.3 - O microfone e o altifalante (continuação). - Fluxo magnético. -. - Lei de Faraday. - A indução eletromagnética transformadora de energia. APSA 2.4 do livro adotado. Exercícios

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 LEI DE FARADAY

EXPERIÊNCIA 9 LEI DE FARADAY EXPERIÊCIA 9 LEI DE FARADAY I - OBJETIVO: Este experimento não é um experimento quantitativo. ele, vamos sempre verificar somente a qualidade. A lei de Faraday é uma lei experimental e procuraremos chegar

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA AULA. Aula 19.1 Conteúdo:

INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA AULA. Aula 19.1 Conteúdo: Aula 19.1 Conteúdo: Aplicações do eletromagnetismo: funcionamento da campainha elétrica, o funcionamento das usinas hidroelétricas, os transformadores de tensão, os cartões magnéticos. 2 Habilidades: Relacionar

Leia mais

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez

3º Bimestre. Física I. Autor: Geraldo Velazquez 3º Bimestre Autor: Geraldo Velazquez SUMÁRIO UNIDADE III... 4 Capítulo 3: Eletromagnetismo... 4 3.1 Introdução... 4 3.2 Campo Magnético (B)... 6 3.3 Campo Magnético Gerado Por Corrente... 7 3.4 Campo

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; - no

Leia mais

ELECTROMAGNESTISMO CAMPO MAGNÉTICO

ELECTROMAGNESTISMO CAMPO MAGNÉTICO ELECTROMAGNESTISMO CAMPO MAGNÉTICO O magnetismo é uma propriedade que alguns corpos têm. É o caso dos ÍMANES Os ímanes atraem objectos de ferro ou de aço. Por exemplo clipes, pregos de aço e alfinetes.

Leia mais

1. Descobertas de Oersted

1. Descobertas de Oersted Parte II - ELETROMAGNETISMO 1. Descobertas de Oersted Até o início do século XIX acreditava-se que não existia relação entre os fenômenos elétricos e magnéticos. Em 1819, um professor e físico dinamarquês

Leia mais

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q)

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q) Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Consistem de um condutor enrolado com N voltas (espiras) na forma de um solenóide, ou de um tiróide. Podem conter ou não um

Leia mais

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo REVISÃO ENEM Prof. Heveraldo Fenômenos Elétricos e Magnéticos Carga elétrica e corrente elétrica. Lei de Coulomb. Campo elétrico e potencial elétrico. Linhas de campo. Superfícies equipotenciais. Poder

Leia mais

Fundamentos de Máquinas Elétricas

Fundamentos de Máquinas Elétricas Universidade Federal do ABC Engenharia de Instrumentação, Automação e Robótica Fundamentos de Máquinas Elétricas Prof. Dr. José Luis Azcue Puma Ementa e avaliação Introdução ao circuito magnético 1 Ementa

Leia mais

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante.

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO META Aula 8 Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. Mostrar a lei da circulação de Ampère-Laplace e a lei de Biot-Savart. Estudar

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA NO RELÉ DE ACIONAMENTO DO FREIO ELETROMAGNÉTICO DE UMA DESBOBINADEIRA

ANÁLISE DE FALHA NO RELÉ DE ACIONAMENTO DO FREIO ELETROMAGNÉTICO DE UMA DESBOBINADEIRA ANÁLISE DE FALHA NO RELÉ DE ACIONAMENTO DO FREIO ELETROMAGNÉTICO DE UMA DESBOBINADEIRA Bruna Karine dos Santos (FAHOR) bs001340@fahor.com.br Cleber Santos de Moura (FAHOR) cm001343@fahor.com.br Enoque

Leia mais

Unidade 14. Circuitos elétricos

Unidade 14. Circuitos elétricos Unidade 14 Circuitos elétricos Pra início de conversa... Nesta aula, você vai conhecer um circuito elétrico e seus componentes, conhecer a lei de Ohm e saber como utilizá-la para os cálculos de correntes,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor.

Corrente alternada. Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. Corrente alternada Chamamos de corrente elétrica, o movimento ordenado de elétrons dentro de um fio condutor. A corrente elétrica pode ser contínua (quando movimento é em uma única direçaõ e sentido) ou

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

E L E T R O M AG N E T I S M O. Professor Alex Siqueira

E L E T R O M AG N E T I S M O. Professor Alex Siqueira E L E T R O M AG N E T I S M O Professor Alex Siqueira Equipe de Física UP 2015 DESCOBERTA DOS IMÃS Há muito tempo se observou que certos corpos tem a propriedade de atrair o ferro. Esses corpos foram

Leia mais

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre 1. Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez experimentos com o objetivo de desenhar linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

FÍSICA 3 Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Campo Magnético Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência Circuitos Elétricos

Leia mais

Plano de Ensino Física III - UNIPAMPA 1 PLANO DE ENSINO

Plano de Ensino Física III - UNIPAMPA 1 PLANO DE ENSINO Plano de Ensino Física III - UNIPAMPA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO 1 Dados de Identificação PLANO DE ENSINO Campus: Alegrete Curso:Engenharia

Leia mais

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Física Prof. César Manchein PLANO DE ENSINO

Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Física Prof. César Manchein PLANO DE ENSINO Universidade Do Estado De Santa Catarina Centro De Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Física Prof. César Manchein PLANO DE ENSINO 1 Identificação Curso Engenharia Civil Ano 2015 Disciplina Física

Leia mais

Efeito magnético da corrente elétrica

Efeito magnético da corrente elétrica Efeito magnético da corrente elétrica Descoberta Um condutor percorrido por uma corrente elétrica faz desviar uma agulha magnética - efeito magnético da corrente elétrica. Observação Um condutor percorrido

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO 1. (Fuvest 96) A figura esquematiza um ímã permanente, em forma de cruz de pequena espessura, e oito pequenas bússolas, colocadas sobre uma mesa. As letras N e S representam, respectivamente, pólos norte

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades Caro educando, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça a lista de exercícios com atenção, ela norteará os seus estudos. Utilize o livro didático adotado pela escola como fonte de estudo. Se

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE FÍSICA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE FÍSICA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE FÍSICA Nome: Nº 9º ano Data: / / 2015 Professor: Boniek Nota: A - Introdução Leia, atentamente, este roteiro, pois ele resgata conteúdos essenciais para o prosseguimento

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

Relatório Final - F809 Construção de um Motor Elétrico Didático de Corrente Contínua

Relatório Final - F809 Construção de um Motor Elétrico Didático de Corrente Contínua Relatório Final - F809 Construção de um Motor Elétrico Didático de Corrente Contínua André Lessa - 008087 Orientador: Pedro Raggio 1 Sumário 1 Introdução 3 2 História 3 3 Teoria 3 3.1 Dipolo Magnético...........................

Leia mais

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética

CURSO Eletroeletrônica - DATA / / Eletromagnetismo. Indução eletromagnética 1 de 9 CURSO Eletroeletrônica - DATA / / COMPONENTE ALUNO DOCENTE Eletromagnetismo Prof. Romeu Corradi Júnior [www.corradi.junior.nom.br] RA: Assunto: Resumo com comentários Eletromagnetismo Indução eletromagnética

Leia mais

AULA 17.1. Eletromagnetismo: Introdução ao eletromagnetismo.

AULA 17.1. Eletromagnetismo: Introdução ao eletromagnetismo. AULA 17.1 Eletromagnetismo: Introdução ao eletromagnetismo. 1 INTRODUÇÃO AO ELETROMAGNETISMO A palavra magnetismo está relacionada à Magnésia, região da Ásia onde foi encontrada, pela primeira vez, a magnetita,

Leia mais

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA 1. (Ufmg 95) Esta figura mostra uma espira retangular, de lados a = 0,20 m e b = 0,50 m, sendo empurrada, com velocidade constante v = 0,50 m/s, para uma região onde existe um campo magnético uniforme

Leia mais

HISTORIA DA ELETRICIDADE

HISTORIA DA ELETRICIDADE 1 HISTORIA DA ELETRICIDADE RESUMO OS PRIMEIROS PASSOS Grécia Antiga - Tales descobre as propriedades do âmbar. Ásia Menor descobre-se as propriedades de um pedaço de rocha atrair pequenos pedaços de ferro

Leia mais

Limalhas de ferro sob ação de um campo magnético (Esquerda). Linhas de campo magnético da Terra (Direita)

Limalhas de ferro sob ação de um campo magnético (Esquerda). Linhas de campo magnético da Terra (Direita) O ampo Magnético Os primeiros registros de campos magnéticos foram feitos pelos gregos quando descobriram a quase 6 anos A.. uma pedra que tinha a propriedade de atrair metais Esta pedra, mais precisamente

Leia mais

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução Guia do Professor Data 23/01/2008 Introdução A inserção de tópicos da Eletricidade nas escolas de nível básico e médio é fundamental para a compreensão de alguns fenômenos da vida moderna. Você já imaginou

Leia mais

Eletricidade II Sumário

Eletricidade II Sumário Sumário 1.0 Conceitos gerais sobre Magnetismo... 3 2.0 - Campo Magnético gerado por corrente elétrica... 3 3.0 A natureza dos materiais magnéticos... 6 5.0 Indução Eletromagnética... 10 6.0 Geração de

Leia mais

A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS

A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS A P O S T I L A COMANDO E MOTORES ELÉTRICOS Curso Técnico em Plásticos Professor Jorge Eduardo Uliana E-mail jorge.eu@terra.com.br 1 - Introdução Geral 1.1 - Eletromagnetismo Sempre que uma corrente elétrica

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Campo Magnético (Fundamentos de Física Vol.3 Halliday, Resnick e Walker, Cap.

Leia mais

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA:

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: DISCIPLINA: Física PROFESSORES: Fabiano Vasconcelos Dias DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 3ª SÉRIE EM TURMA: Nº: I N S T R

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento

Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento Lei dos transformadores e seu princípio de funcionamento Os transformadores operam segundo a lei de Faraday ou primeira lei do eletromagnetismo. Primeira lei do eletromagnetismo Uma corrente elétrica é

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

Plano de Ensino. 1.1 Este plano de ensino tem por objetivo organizar o trabalho pedagógico na disciplina de Física C para o semestre letivo vigente.

Plano de Ensino. 1.1 Este plano de ensino tem por objetivo organizar o trabalho pedagógico na disciplina de Física C para o semestre letivo vigente. Plano de Ensino Física C Plano de ensino da disciplina de Física C do Curso Superior de Licenciatura em Física do Instituto Federal do Paraná, Câmpus Paranaguá para o segundo semestre de 2015. Professor

Leia mais

Deverão ser apresentados os cálculos e/ou as justificativas das respostas.

Deverão ser apresentados os cálculos e/ou as justificativas das respostas. Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Pedro Paulo Aluno (a): Série: 2ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA I Deverão ser apresentados os cálculos e/ou as justificativas das respostas. 1) (FAMERP

Leia mais

TRANSFORMADORES ELÉTRICOS

TRANSFORMADORES ELÉTRICOS TRANSFORMADORES ELÉTRICOS (Módulo 3 TEM) Prof. Dr. Emerson Silveira Serafim FONTE:http://br.geocities.com/salad efisica7/funciona/transformador.htm SUMÁRIO 1.1 Introdução 1.2 Definição 1.2.1 Princípio

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA

Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história. Um pouco de história CORPOS ELETRIZADOS E NEUTROS CARGA ELÉTRICA Um pouco de história O conhecimento de eletricidade data de antes de Cristo ~ 600 a.c. Ambar, quando atritado, armazena eletricidade William Gilbert em 1600 conseguiu eletrizar muitas substâncias diferentes

Leia mais

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana

Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana Geradores de Corrente Contínua UNIDADE 2 Prof. Adrielle de Carvalho Santana INTRODUÇÃO Um gerador de corrente continua é uma máquina elétrica capaz de converter energia mecânica em energia elétrica. Também

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

Máquinas Eléctricas Instalações Eléctricas e Automação Industrial Instituto Politécnico de Tomar Carlos Ferreira Princípios básicos das máquinas eléctricas 1 Equações de Maxwell: As Equações de Maxwell

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ

ATIVIDADE: USANDO UM ELETROÍMÃ ELETROÍMÃS 4.1- ELETROÍMÃS ELETROÍMÃS Você já ficou sabendo que em movimento, como numa corrente elétrica, gera magnetismo. Você também já ficou sabendo que um imã em movimento próximo de um condutor faz

Leia mais

Problemas de eletricidade

Problemas de eletricidade Problemas de eletricidade 1 - Um corpo condutor está eletrizado positivamente. Podemos afirmar que: a) o número de elétrons é igual ao número de prótons. b) o número de elétrons é maior que o número de

Leia mais

Física. Disciplina Curso Bimestre Série. Física Ensino Médio 2 3ª. Habilidades Associadas

Física. Disciplina Curso Bimestre Série. Física Ensino Médio 2 3ª. Habilidades Associadas Física Aluno Caderno de Atividades Pedagógicas de Aprendizagem Autorregulada - 02 3ª Série 2 Bimestre Disciplina Curso Bimestre Série Física Ensino Médio 2 3ª Habilidades Associadas 1. Compreender fenômenos

Leia mais

1] Dada a associação de resistores abaixo, calcule a resistência total.

1] Dada a associação de resistores abaixo, calcule a resistência total. ª ANO 1] Dada a associação de resistores abaixo, calcule a resistência total. Onde: O circuito A é uma associação de resitores em série, pois há apenas um caminho para que a corrente passe de uma extremidade

Leia mais

Alguém aí tem um transformador para emprestar?

Alguém aí tem um transformador para emprestar? A U A UL LA Alguém aí tem um transformador para emprestar? A família veio de muito longe. Mudara-se de São Luís para São Paulo. A turma falou sobre a nova vizinha, uma moreninha encantadora. Ernesto foi

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

Uso de artefatos experimentais como auxílio didático pedagógico no ensino de física de nível médio. Professor Erveton Pinheiro Pinto

Uso de artefatos experimentais como auxílio didático pedagógico no ensino de física de nível médio. Professor Erveton Pinheiro Pinto Uso de artefatos experimentais como auxílio didático pedagógico no ensino de física de nível médio Professor Erveton Pinheiro Pinto Sumário Introdução; Elaboração do roteiro; Preparação do experimento

Leia mais

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força 1. (Espcex (Aman) 015) Em uma espira condutora triangular equilátera, rígida e homogênea, com lado medindo 18 cm e massa igual a 4,0 g, circula uma corrente elétrica i de 6,0 A, no sentido anti-horário.

Leia mais

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc.

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc. Condutores e Isolantes Condutores: São materiais caracterizados por possuírem no seu interior, portadores livres de cargas elétricas (elétrons livres), desta forma, permitindo a passagem de uma corrente

Leia mais

ACÇÃO DOS CAMPOS MAGNÉTICOS SOBRE CARGAS

ACÇÃO DOS CAMPOS MAGNÉTICOS SOBRE CARGAS ACÇÃO DOS CAMPOS MAGNÉTICOS SOBRE CARGAS EM MOVIMENTO E CORRENTES Física 12.º Ano - Um Breve História do Magnetismo Século XII a.c. Chineses Usam a agulha magnética (invenção árabe ou indiana) 800 anos

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ANÁLISE DE CIRCUITOS 1 MÓDULO

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ANÁLISE DE CIRCUITOS 1 MÓDULO CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ANÁLISE DE CIRCUITOS 1 MÓDULO 2009 SUMÁRIO 1 Resistores... 3 1.1 Para que servem os resistores?... 3 1.2 Simbologia... 3 1.3 Tipos... 5 1.4 Construção... 6 1.5 Potência nos

Leia mais

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI.

A busca constantes da qualidade e a preocupação com o atendimento ao cliente estão presentes nas ações do SENAI. Sumário Introdução 5 Magnetismo 6 Magnetismo natural - ímãs 6 Ímãs artificiais 6 Pólos magnéticos de um ímã 7 Origem do magnetismo 8 Inseparabilidade dos pólos 10 Interação entre ímãs 10 Campo magnético

Leia mais

Eletromagnetismo: imãs, bobinas e campo magnético

Eletromagnetismo: imãs, bobinas e campo magnético Eletromagnetismo: imãs, bobinas e campo magnético 22 Eletromagnetismo: imãs, bobinas e campo magnético 23 Linhas do campo magnético O mapeamento do campo magnético produzido por um imã, pode ser feito

Leia mais

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Aula 2 Reatância Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Para relembrar (aula passada)... Tensão e Corrente Alternada

Leia mais

Eletricidade Aula 3. Circuitos de Corrente Contínua com Associação de Resistores

Eletricidade Aula 3. Circuitos de Corrente Contínua com Associação de Resistores Eletricidade Aula 3 Circuitos de Corrente Contínua com Associação de esistores Associação de esistores Vídeo 5 esistor equivalente resistor que substitui qualquer associação de resistores, produzindo o

Leia mais

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA Marcelo da S. VIEIRA 1, Elder Eldervitch C. de OLIVEIRA 2, Pedro Carlos de Assis JÚNIOR 3,Christianne Vitor da SILVA 4, Félix Miguel de Oliveira

Leia mais

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso.

São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. Luciano de Abreu São componentes formados por espiras de fio esmaltado numa forma dentro da qual pode ou não existir um núcleo de material ferroso. É um dispositivo elétrico passivo que armazena energia

Leia mais

Introdução ao Magnetismo. Pólos Magnéticos

Introdução ao Magnetismo. Pólos Magnéticos Campo Magnético Introdução ao magnetismo. Pólos magnéticos Campo magnético Linhas de campo magnético Campo magnético criado por correntes eléctricas e magnetes Campo magnético terrestre. Campo magnético

Leia mais

Galvanômetro - voltímetro, amperímetro e ohmímetro

Galvanômetro - voltímetro, amperímetro e ohmímetro Galvanômetro - voltímetro, amperímetro e ohmímetro O galvanômetro é um aparelho que indica, através de um ponteiro, quando uma corrente elétrica de baixa intensidade passa através dele, ou seja, é um micro

Leia mais

Prof. Sergio Abrahão 17

Prof. Sergio Abrahão 17 DIFERENÇA DE POTENCIAL - DDP (U) (Tensão Elétrica) Vamos aqui definir diferença de potencial (d.d.p) ou tensão elétrica de duas maneiras. O de forma científica utilizará aquela adotada por Tipler em que

Leia mais

Modelo tridimensional das linhas de campo magnético

Modelo tridimensional das linhas de campo magnético F 609A Tópicos de Ensino de Física Modelo tridimensional das linhas de campo magnético Aluno: Marcelo Baldin Marco RA: 062694 baldinmarco@ig.com.br Orientador: Professor Doutor Ennio Peres da Silva lh2ennio@ifi.unicamp.br

Leia mais

Relatório experimental 04: Magnetismo e eletromagnetismo.

Relatório experimental 04: Magnetismo e eletromagnetismo. Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada à computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 04: Magnetismo e eletromagnetismo. Grupo: Ederson Luis Posselt Fábio Legramanti

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Aula 2.7 Transformadores Prof. Clodomiro Vila Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução

Leia mais

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons

E X E R C Í C I O S. i(a) 7,5 10 elétrons E X E R C Í C I O S 1. O gráfico da figura abaixo representa a intensidade de corrente que percorre um condutor em função do tempo. Determine a carga elétrica que atravessa uma secção transversal do condutor

Leia mais

Geradores. a) Complete a tabela abaixo com os valores da corrente I. V(V) R( ) I(A) 1,14 7,55 0,15 1,10 4,40 1,05 2,62 0,40 0,96 1,60 0,85 0,94 0,90

Geradores. a) Complete a tabela abaixo com os valores da corrente I. V(V) R( ) I(A) 1,14 7,55 0,15 1,10 4,40 1,05 2,62 0,40 0,96 1,60 0,85 0,94 0,90 Geradores 1. (Espcex (Aman) 2013) A pilha de uma lanterna possui uma força eletromotriz de 1,5 V e resistência interna de 0,05 Ω. O valor da tensão elétrica nos polos dessa pilha quando ela fornece uma

Leia mais

Eletricidade Aplicada à Informática

Eletricidade Aplicada à Informática Professor: Leonardo Leódido Ligações Elétricas Sumário Dispositivos Eletro-Eletrônicos Dispositivos de Medição Dispositivos Eletro-Eletrônicos Resistência Todo elemento em um circuito oferece um certa

Leia mais

Aula Prática 8 Transformador em Corrente Contínua e Alternada

Aula Prática 8 Transformador em Corrente Contínua e Alternada Aula Prática 8 Transformador em Corrente Contínua e Alternada Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Depto Engenharia Rural - CCA/UFES Estratégia: Avaliação do funcionamento

Leia mais

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC 01 Prof. Graça Circuitos elétricos CC Circuitos elétricos de CC Conteúdo Circuitos Equivalentes Princípio da Superposição Elementos Lineares egras de Kirchoff Divisor de tensão Circuito de várias malhas

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Aula de Véspera - Inv-2008

Aula de Véspera - Inv-2008 01. Um projétil foi lançado no vácuo formando um ângulo θ com a horizontal, conforme figura abaixo. Com base nesta figura, analise as afirmações abaixo: (001) Para ângulos complementares teremos o mesmo

Leia mais

Ilustração: por favor, refazer a imagem da direita, mantendo a ideia de barcos caindo no abismo do fim do mundo.

Ilustração: por favor, refazer a imagem da direita, mantendo a ideia de barcos caindo no abismo do fim do mundo. SEJA - Ciências da Natureza Disciplina: Física Professores: Vitor Lara e Leonardo Pereira Vieira Módulo 3 - Unidade 5 Magnetismo DI: Rommulo Barreiro Para Início de conversa... Você já deve ter refletido

Leia mais

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA GERADORES ELÉTRICOS OBJETIVOS: a) verificar o funcionamento de um gerador real; b) medir a resistência interna e a corrente de curto-circuito; c) levantar a curva característica de um gerador real. INTRODUÇÃO

Leia mais

Transformador. Índice. Estrutura

Transformador. Índice. Estrutura Transformador Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Um transformador ou trafo é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro, transformando tensões,

Leia mais

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 2015 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Uma mola comprimida por uma deformação x está em contato com um corpo de massa m, que se encontra

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Prof. Marcos Antonio

Prof. Marcos Antonio Prof. Marcos Antonio 1- DEFINIÇÃO É o ramo da eletricidade que estuda as cargas elétricas em movimento bem como seus efeitos. 2- CORRENTE ELÉTRICA E SEUS EFEITOS É o movimento ordenado de partículas portadoras

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

Fundamentos da Eletricidade... 03 Conceitos Fundamentais da Eletricidade... 03 Matéria... 03. Circuito Elétrico... 07. Grandezas Elétricas...

Fundamentos da Eletricidade... 03 Conceitos Fundamentais da Eletricidade... 03 Matéria... 03. Circuito Elétrico... 07. Grandezas Elétricas... Eletrotecnica Sumário Fundamentos da Eletricidade... 03 Conceitos Fundamentais da Eletricidade... 03 Matéria... 03 Circuito Elétrico... 07 Grandezas Elétricas... 13 Lei de Ohm... 23 Cálculo de Tensão...

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA Movimento ordenado dos portadores de carga elétrica. 2- INTENSIDADE DE CORRENTE É a razão entre a quantidade de carga elétrica que atravessa

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1 1 2 3 4 5 COMPOSIÇÃO DA MATÉRIA O uso prático da eletricidade já é do conhecimento humano à mais de cem anos. A eletricidade consiste do movimento de elétrons em um condutor. Para poder entender o que

Leia mais

Lei de Gauss. Fluxo do campo elétrico. Enunciado da Lei de Gauss. Aplicações. Cálculo de campos elétricos. Condutores. Blindagem eletrostática.

Lei de Gauss. Fluxo do campo elétrico. Enunciado da Lei de Gauss. Aplicações. Cálculo de campos elétricos. Condutores. Blindagem eletrostática. Lei de Gauss Fluxo do campo elétrico. Enunciado da Lei de Gauss. Aplicações. Cálculo de campos elétricos. Condutores. Blindagem eletrostática. Campos em condutores elétricos Fluxo do campo elétrico Fluxo

Leia mais