Clínica é uma sala ou é um gesto? Ou: A musicalidade na formação dos alunos em Musicoterapia 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Clínica é uma sala ou é um gesto? Ou: A musicalidade na formação dos alunos em Musicoterapia 1"

Transcrição

1 Clínica é uma sala ou é um gesto? Ou: A musicalidade na formação dos alunos em Musicoterapia 1 Gregório Pereira de Queiroz 2 PALAVRAS CHAVE: setting, musicoterapia didática, formação do musicoterapeuta Quero aqui contar o causo que se passou comigo neste primeiro semestre de 2004, enquanto professor na graduação de Musicoterapia, na Unaerp, em Ribeirão Preto. Causo é a pronúncia caipira 3, vocês devem saber, do interior de São Paulo e Minas para a palavra caso. Pronúncia esta que vem a calhar no relato em uma mesa como esta, já que causo casa com o caso que causa. Este causo causou a confirmação de certas idéias junto aos alunos para sua formação enquanto musicoterapeutas; idéias estas sobre as quais estava me debruçando antes de começar a dar aula na graduação. Parti para a prática das aulas e da formação dos alunos com uma visão do que deveria levar para eles. A atuação prática corroborou a teoria, confirmando a verossimilhança com a realidade, o que toda teoria necessita para ser ferramenta útil ao desenvolvimento do conhecimento. Assim, em uma mesa cujo tema é a construção teórica a partir da clínica, venho trazer um exemplo de teoria que é re-construída a partir da aplicação na clínica. Mas, em primeiro lugar, se estamos a falar de clínica, por que estou trazendo o exemplo de atuação enquanto professor junto a alunos? Qual a pertinência ou similaridade do trabalho clínico musicoterapêutico com o trabalho de formação de musicoterapeutas? Entendo que o papel de um professor nas matérias em que atuei junto aos alunos a saber, Supervisão de Estágio Clínico no segundo ano, e Teorias e Técnicas Musicoterapeuticas e Atividades Criativas no quarto e último ano é um trabalho primordialmente de formação humana e psicológica, assim como de formação da ética e da técnica do profissional musicoterapeuta, muito 1 Trabalho apresentado no X Fórum Estadual de Musicoterapia do Rio de Janeiro, "E por falar em ESCUTA, DIFERENÇA E ARTE... CLÍNICA, onde anda você?", na Mesa Redonda Quando o caso causa: a construção teórica a partir da clínica, Rio de Janeiro, 26 junho Gregório Pereira de Queiroz Arquiteto, formado pela FAUUSP; especialista em Educação Musical com área de concentração em Musicoterapia, pela Faculdade de Música Carlos Gomes; especialista em Musicoterapia, pela Faculdade Paulista de Artes; professor da Faculdade de Musicoterapia da UNAERP, Ribeirão Preto, SP. 3 Retiro aqui qualquer conotação pejorativa que esta palavra venha a ter, nas associações que os leitores possam fazer, pois que, infelizmente, esta palavra que designa uma cultura e um modo de vida serve também para desmerecer os valores dessa cultura uma prática comum em nosso país, na qual nossos traços culturais são mal-vistos, primeira e preponderantemente, por nós próprios.

2 2 mais do que o de professor que acrescenta dados informativos, elementos técnicos e saberes acadêmicos aos alunos. Assim, nesta visão, o papel de professor é indissociável do papel de terapeuta, ou mais precisamente, de musicoterapeuta. O professor-terapeuta se relaciona com o aluno visando o desenvolvimento do aluno a partir de dentro, para que sua personalidade e psique se desenvolvam de modo a se tornarem aptas a cuidar de outros seres humanos; lida com as questões trazidos pelos alunos não apenas do ponto de vista técnico de sua matéria específica, mas lida com a pessoa humana que habita o aluno; incentiva o aluno a desabrochar seus talentos naturais e a se transformar quanto às possíveis deficiências de sua formação prévia ou de seu temperamento com relação à prática clínica. Este é um trabalho, a meu ver, bastante semelhante ao trabalho clínico, no qual o paciente desenvolve seus potenciais com a finalidade de superar limitações e deficiências, tornando-se alguém melhor; assim também, o aluno se forma enquanto ser humano e musicoterapeuta, transformando-se e se aperfeiçoando enquanto tal, e não apenas por acrescentar informações a uma estrutura psíquica que permanece a mesma ao longo do tempo de seus estudos o que seria uma incongruência em relação ao papel que um terapeuta ou musicoterapeuta irá assumir na atuação profissional. É com esta visão, ainda sob a forma de esboço impreciso, que ingressei no corpo docente da Faculdade de Musicoterapia. É esta visão que foi re-construída ao longo do semestre, ganhando os contornos mais definidos com os quais estou apresentando-a a vocês neste momento. Trago um exemplo da situação que encontrei, no primeiro dia de aula deste primeiro semestre de 2004, no relato escrito, o qual guardo comigo, que me foi entregue pelos alunos de uma das classes, ao serem perguntados o que esperavam do professor: Questões levantadas pelo grupo: - muita informação, pouca formação; - falha na supervisão dos estágios: pouca relação entre o teórico e o prático; - as experiências musicoterápicas que realizamos foram poucas e não houve retorno ou fundamentação destas vivências. Este relato não é trazido aqui como crítica à faculdade. Considero que a situação detectada por esse grupo de alunos é bastante idêntica à de outros cursos de graduação e pós-graduação em musicoterapia digo isto a partir de minha própria experiência recente enquanto estudante e do convívio com estudantes e professores de outras faculdades. Trata-se de uma avaliação de características gerais do ensino de musicoterapia, apesar de feita por alunos que estão em contato apenas com sua situação particular.

3 3 Pouca formação, pouca relação entre teoria e prática, vivências não fundamentadas... tais colocações caracterizam bastante bem, a meu ver, a necessidade do professor ter como centro e foco de seu trabalho, não este ou aquele aspecto da matéria a ser ensinada, mas o ser humano para o qual está sendo dada a matéria. Teoria e prática, esta divisão didática dos dois extremos de um ensinamento (didática pois que organiza o pensamento sobre o assunto), só é unificada quando a pessoa que está em relação com tal ensinamento absorve-o completamente, isto é, quando tal ensinamento se desenvolve e se enraíza no aluno, o que se dá no momento da atuação clínica. A atuação clínica é o momento de convergência entre teoria e prática, é o momento em que o aluno está se formando musicoterapeuta. Ou, melhor, a clínica deveria ser o centro unificador, o lugar no qual o aluno, ao desempenhar o papel de musicoterapeuta, vê surgirem e são trabalhadas todas as características, talentos, dificuldades, incompletações e deficiências, não apenas do que deveria ter aprendido até então, mas de sua própria pessoa. Os cursos de graduação reconhecem o papel fundamental da atuação clínica para a formação dos alunos; e por isso mesmo não medem esforços para abrir suas clínicas e mantê-las funcionando. O espaço para atuação clínica do aluno é um ponto em comum nos currículos de graduação, não obstante as diferenças que possam ter em muitos outros aspectos. Tendo aquele grupo de alunos o espaço clínico para atuação, onde estaria o motivo para levantarem as questões que levantam? Se a clínica funciona na faculdade, se eles atuam na clínica, por que exatamente estariam sentindo falta da devida atuação clinica? Mais uma vez, a resposta a estas questões não é resposta restrita à situação desse curso de graduação. A questão ganha contornos amplos quando olhamos para o conceito de clínica como é considerado no meio musicoterapêutico brasileiro. O papel fundamentador dos trabalhos e do pensamento do Dr. Benenzon na musicoterapia brasileira é bastante conhecido. No livro La Nueva Musicoterapia, das 150 páginas escritas por ele apresentando a nova versão de seu método, há 30 páginas dedicadas à descrição da clínica enquanto lugar (capítulos 3, 4 e 5, descrevendo setting e instrumentos musicais) e 4 páginas dedicadas à descrição da formação do musicoterapeuta, isto é, de como se desenvolve o gesto clínico, como alguém se torna musicoterapeuta ou seja, descrição da clínica enquanto gesto 4. Como termo de comparação: nas duas monografias de Helen Bonny apresentando o método Imagens Guiadas e Música (GIM), das 116 páginas no total, apenas a metade de uma página está dedicada a descrever o setting (página 10, primeiro parágrafo, na primeira monografia), isto é, descrever a clínica enquanto lugar, ao passo que o segundo e o quarto capítulos (em um total de 28 4 Os termos clínica enquanto lugar e clínica enquanto gesto surgiram em meio às muitas conversas com a musicoterapeuta Kelly Adriane de Campos, no início de 2004, quando começava a esboçar esta visão sobre o ensino e a formação em Musicoterapia. A ela deve ser dada a devida co-autoria destes termos.

4 4 páginas) descrevem especificamente como alguém se prepara para ser um musicoterapeuta GIM, descrevem o gesto do musicoterapeuta GIM, descrevem a clínica enquanto gesto. No livro Creative Music Therapy, importante fundamentação da abordagem Nordoff- Robbins, escrito por seus criadores, não há descrição do setting; mas lá estão descritos extensamente, ao longo de 240 páginas, técnicas e procedimentos clínicos, e o desenvolvimento de recursos musicais para a atuação musicoterapêutica. A comparação quantitativa do quanto estas três obras, capitais em suas linhas de atuação, dedicam à clinica enquanto lugar físico e à clinica enquanto gesto do musicoterapeuta deverá evidenciar o tipo de ênfase dada à clínica na musicoterapia brasileira: clínica tende a ser sinônimo de setting; mesmo que isso não seja intelectualmente considerado assim, nem nunca afirmado explicitamente, existe uma série de caracterizações subterrâneas afirmando esta sinonímia. Com esta comparação não quero dizer que a linha proposta pelo Dr. Benenzon desconsidere a formação do musicoterapeuta, muito pelo contrário, até porque este pioneiro partiu da formação médica e psicanalítica, as quais sabidamente têm métodos para a formação de seus profissionais. A questão é que a ênfase dada nos textos seminais, e conseqüentemente nos currículos e na formação dos musicoterapeutas brasileiros, leva em seu cerne inconfessadamente uma visão: a da clínica enquanto espaço físico. A questão que se apresenta aqui não é teórica; nenhum musicoterapeuta, creio, defenderia a idéia da clínica ser um lugar. Não obstante, observei em inúmeros casos e em particular na formação prévia dos alunos com os quais trabalhei neste semestre, a ausência de ênfase no desenvolvimento do gesto musicoterapêutico, isto é, daquilo que o musicoterapeuta faz dentro do espaço clínico, o gesto que caracteriza um musicoterapeuta e o distingue de qualquer outro profissional (e temos aqui a convergência com uma outra grande questão de nossa área: o que exatamente nos distingue de outros profissionais de áreas próximas? Será que uma resposta a essa pergunta não seria também a resposta à colocação daqueles alunos?). Pela ausência da definição e da ênfase desse gesto, que unifica teoria e prática, os alunos da graduação trouxeram a questão da ausência de clínica. Como podemos ser musicoterapeutas com o que nos é ensinado, mostrado e apoiado quanto a gestuar musicoterapeuticamente? Talvez esta pudesse ser uma reformulação da questão colocada por eles, com o sentido de caminhar em direção a uma resposta. Não pretendo aqui apresentar uma resposta abrangente, mas apenas o modo como conduzi a solução particular àquela situação apresentada pelos alunos. Até porque cada profissional, método ou linha de trabalho terá a sua maneira de conduzir e formar musicoterapeutas.

5 5 Já havia desenvolvido anteriormente o conceito de musicalidade, tanto em meus estudos na especialização e em seu estágio clínico, quanto em obra publicada 5 e em minha atuação profissional. Este conceito foi levado à prática com os alunos, e não apenas mostrou ser uma possível pedra de toque para o nascimento do gesto musicoterapêutico, quanto o próprio conceito foi redimensionado ou, como afirmei antes, foi re-construído. No estágio de observação foi enfatizada a percepção do fluxo da sessão, o fluxo dos aconteceres objetivos e da interioridade subjetiva de paciente e terapeuta observados; no estágio de atuação em recreação, os alunos foram orientados a estimular a expressão re-criativa isto é, recreativa das crianças por meio de canções e jogos musicais; na prática de teorias e técnicas, estimulou-se o uso da música e da musicalidade na improvisação clínica; constitui com os alunos um grupo de estudo, denominado estudo de si através do fazer musical, no qual o jeito de fazer música de cada participante era trabalhado com vistas à própria pessoa se desenvolver psicologicamente; na matéria de atividades criativas, foi estimulada a utilização da canção, da voz e da expressão dramática teatral, tudo dentro dos parâmetros do conceito de musicalidade, como desenvolvido por mim: percepção em fluxo, criação orgânica, significado expressivo da forma musical, movimento articulado organicamente, dinâmica pura enquanto elemento comum à psique e à música, o sentido de proporção na música e na relação humana. Por meio das diversas faces da musicalidade a eles apresentadas, alguns alunos encontraram ao longo do semestre o caminho para desenvolver um gesto musicoterapêutico próprio. Este gesto teve por característica, em todos aqueles que o desenvolveram, uma atuação musical na clínica mais em proporção ao paciente, obtendo-se resultados considerados significativos pelos alunos e por mim. Isto é o que denomino musicoterapia pela musicalidade, a atuação musicoterapêutica que se dá por meio da interação das musicalidades de terapeuta e cliente. Há outras maneiras de desenvolver o gesto musicoterapêutico, e as diferentes linhas de trabalho o fazem a seu modo, de acordo com seus objetivos, fundamentações, métodos e técnicas. Utilizei-me da musicalidade na formação dos alunos por um motivo bastante óbvio: é minha maneira de trabalhar, é o modo de trabalhar que desenvolvi nestes anos de estudo e atuação profissional. E se estamos aqui falando da prática clínica que leva à construção teórica, é pertinente dizer que o próprio conceito de musicalidade tem ele próprio se desenvolvido através de extenso diálogo entre teoria e prática. Este conceito é apresentado pelo filósofo da música Zuckerkandl 6. Não obstante, este apresenta o conceito retirando-o diretamente da observação da prática musical. Tal conceito é adotado por Paul Nordoff e Clive Robbins, os quais, contudo, partiram também da 5 Aspectos da Musicalidade e da Música de Paul Nordoff e suas implicações não prática clínica musicoterapêutica, Apontamentos, Zuckerkandl, Man the Musician, capítulo 1.

6 6 constatação na prática clínica da existência de algo musical em toda criança, ao que denominaram music child: O conceito de Music Child apresentou-se como um modo de resumir a profundidade, a intensidade, a variedade e a inteligência das respostas de algumas centenas de crianças deficientes na interação musical. Foi sendo desenvolvido no decurso de quatorze anos passados experimentando as respostas musicais das crianças em doze países e foi se cristalizando durante os últimos anos de ensinamento e nos estudos e pesquisas para este livro. 7 Partindo do conceito de musicalidade de Zuckerkandl e de music child de Nordoff-Robbins re-elaborei o conceito de musicalidade que apresento em meu livro. Parti deste conceito para a prática clínica com os alunos neste semestre. O resultado foi, além da musicalidade de alguns alunos tornar-se o cerne semeador do seu gesto musicoterapêutico, o redimensionamento do conceito de musicalidade quanto a um aspecto específico: o sentido de proporção entre a musicalidade do terapeuta e do cliente, aquela qualidade específica da musicalidade que favorece ou proporciona ao cliente seu processo terapêutico e/ou de desenvolvimento pessoal. Não posso mais conceber musicalidade clínica sem proporcionalidade, no duplo sentido de proporção ou justa medida em relação ao cliente e de proporcionar ou dar algo que favoreça, por sua proporção musical ao cliente, o processo do cliente. Este é o estudo de caso que vim apresentar. Não é tipicamente um caso clínico, embora creia encaixar-se bastante pertinentemente ao que estava proposto por esta mesa. O diagnóstico e o encaminhamento da cura deverão estar claros: a carência quanto a um aspecto específico da formação, a do gesto musicoterapêutico, e o desenvolvimento da musicalidade dos alunos, sob diversas formas, enquanto meio formador desse gesto. Ao final da experiência, não saberia dizer se o início está na prática ou na teoria, e, afinal, talvez isso importe menos do que haver um fluxo dinâmico entre ambos, isto é, haver uma proporção viva entre atuação clínica e construção teórica. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BENENZON, Rolando. La Nueva Musicoterapia. Buenos Aires: Editorial Lúmen, BONNY, Helen. Facilitating GIM Sessions e The Role of Taped Music Programs in the GIM processes: theory and product. Baltimore: ICM Books, Nordoff e Robbins, Creative Music Therapy, p. 1.

7 7 NORDOFF, Paul & ROBBINS, Clive. Creative Music Therapy. New York: The John Day Company, PEREIRA DE QUEIROZ, Gregório. Aspectos da Musicalidade e da Música de Paul Nordoff e suas implicações na prática clínica musicoterapêutica. São Paulo: Apontamentos, ZUCKERKANDL, Victor. Man the Musician. Princeton, EUA: Princeton University Press, 1976.

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

Musicalidade, self e personalidade *

Musicalidade, self e personalidade * Musicalidade, self e personalidade * Gregório Pereira de Queiroz 1 RESUMO A musicalidade pode ser um meio para reorganizar a relação entre personalidade e self, estimulando a manifestação deste em direção

Leia mais

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial 1 O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

6 - A importância da sequência didática

6 - A importância da sequência didática As sequências didáticas na Educação Infantil possibilitam um trabalho organizado paulatinamente, possibilitam o crescimento e o aprofundamento em conceitos e em saberes, pouco a pouco, de acordo com a

Leia mais

Curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia Lato Sensu a Distância. Atividade Avaliativa A2_FH. Alicia Fernandez: Vida, Obra e Atuação psicopedagógica.

Curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia Lato Sensu a Distância. Atividade Avaliativa A2_FH. Alicia Fernandez: Vida, Obra e Atuação psicopedagógica. Curso de Pós-Graduação em Psicopedagogia Lato Sensu a Distância Pós graduando: Elizeu Antonio da Silva Disciplina: Psicopedagogia: Histórico, Fundamentos e Atuação Atividade Avaliativa A2_FH Alicia Fernandez:

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

Mesa 3. Casos Clínicos Músico-centrados: Edward

Mesa 3. Casos Clínicos Músico-centrados: Edward Mesa 3 Casos Clínicos Músico-centrados: Edward MT Gregório Pereira de Queiroz 1 Resumo O artigo apresenta o caso Edward como um dos fundamentos para o Músico-centramento. O gesto clínico musicoterápico

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

tradução de edmundo barreiros

tradução de edmundo barreiros tradução de edmundo barreiros Copyright 2013 by Karen Harrington Esta edição foi publicada mediante acordo com Little, Brown and Company, Nova York, NY, EUA. Todos os direitos reservados. título original

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert Biodanza Para Crianças e Jovens Manuela Mestre Robert FICHA TÉCNICA: TÍTULO Biodanza para Crianças e Jovens AUTORIA Manuela Mestre Robert Manuela Mestre Robert, 2008 CAPA Crianças do 1º ciclo do Ensino

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

ENSINAR É INVESTIGAR,

ENSINAR É INVESTIGAR, Comunicação ao Encontro de Professores "Ensinar é Investigar. Investigação e Formação de Professores", promovido pela Associação de Professores Ensinar é Investigar. 08 de Fevereiro de 1996. Faculdade

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44

SUMÁRIO. Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 SUMÁRIO Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução A dança da vida 21 Capítulo 1: Histórico: Os movimentos dos Vianna 33 Klauss Vianna 33 Angel Vianna 41 Rainer Vianna 44 Capítulo 2: Técnica Klauss Vianna:

Leia mais

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957.

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. FORMAÇÃO

Leia mais

Papo com a Especialista

Papo com a Especialista Papo com a Especialista Silvie Cristina (Facebook) - Que expectativas posso ter com relação à inclusão da minha filha portadora da Síndrome de Down na Educação Infantil em escola pública? Quando colocamos

Leia mais

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área.

Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Formação Profissional em Psicologia Social: Um estudo sobre os interesses dos estudantes pela área. Autores: Ligia Claudia Gomes de Souza Universidade Salgado de Oliveira Faculdades Integradas Maria Thereza.

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

13 SE VOCÊ CRÊ. Venho para tentar despertar em você a compreensão de que todos os seus problemas, angústias e limitações já estão dentro de você.

13 SE VOCÊ CRÊ. Venho para tentar despertar em você a compreensão de que todos os seus problemas, angústias e limitações já estão dentro de você. 13 SE VOCÊ CRÊ Venho para tentar despertar em você a compreensão de que todos os seus problemas, angústias e limitações já estão dentro de você. Isto é assim porque os seus pensamentos surgem de suas características

Leia mais

FILOSOFIA SEM FILÓSOFOS: ANÁLISE DE CONCEITOS COMO MÉTODO E CONTEÚDO PARA O ENSINO MÉDIO 1. Introdução. Daniel+Durante+Pereira+Alves+

FILOSOFIA SEM FILÓSOFOS: ANÁLISE DE CONCEITOS COMO MÉTODO E CONTEÚDO PARA O ENSINO MÉDIO 1. Introdução. Daniel+Durante+Pereira+Alves+ I - A filosofia no currículo escolar FILOSOFIA SEM FILÓSOFOS: ANÁLISE DE CONCEITOS COMO MÉTODO E CONTEÚDO PARA O ENSINO MÉDIO 1 Daniel+Durante+Pereira+Alves+ Introdução O+ ensino+ médio+ não+ profissionalizante,+

Leia mais

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder

CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder CONVERSA COM PAULO FREIRE: Linguagem e Poder Entrevista concedida a Virginia Maria de Figueiredo e Silva e Tânia Maria Piacentini * Paulo Freire esteve em Florianópolis, no dia 8 de junho, a convite da

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Robson Gouveia, gerente de projetos do Lean Institute Brasil, detalha como vem evoluindo a gestão em empresas da região O eixo Anhanguera

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI

DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI DIREITOS AUTORAIS E ACESSO À CULTURA São Paulo, agosto de 2008 MESA 2 LIMITAÇÕES E EXCEÇÕES DA LEI O SR. GUILHERME CARBONI (Instituto de Direito do Comércio Internacional e Desenvolvimento): Gostaria de

Leia mais

ANÁLISE DA POSTURA DE UMA PROFESSORA PARTICIPANTE DE UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

ANÁLISE DA POSTURA DE UMA PROFESSORA PARTICIPANTE DE UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN ANÁLISE DA POSTURA DE UMA PROFESSORA PARTICIPANTE DE UM CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

Título do trabalho. O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação. Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo.

Título do trabalho. O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação. Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo. Título do trabalho O Efeito da Música Sagrada no Processo de Individuação Andreia Valente Tarsitano Eugenia Cordeiro Curvêlo Resumo O presente trabalho vem investigar literatura especializada sobre individuação

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A clínica, a relação psicoterapêutica e o manejo em Gestalt terapia

A clínica, a relação psicoterapêutica e o manejo em Gestalt terapia A clínica, a relação psicoterapêutica e o manejo em Gestalt terapia LILIAN MEYER FRAZÃO KARINA OKAJIMA FUKUMITSU [ORGS.] A CLÍNICA, A RELAÇÃO PSICOTERAPÊUTICA E O MANEJO EM GESTALT TERAPIA Copyright 2015

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE

O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE O PROFESSOR E A CONTEMPORANEIDADE: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL PARA UMA OUTRA SOCIEDADE BARREIRO, Cristhianny Bento 1 IFSUL AFONSO, Marcela da Silva 2 IFSUL CASTRO, Beatriz Helena Viana 3 IFSUL Grupo de Trabalho

Leia mais

1º Relatório Trimestral de Intercâmbio de Jovens Marcela Magluta Rotary Club RJ Urca

1º Relatório Trimestral de Intercâmbio de Jovens Marcela Magluta Rotary Club RJ Urca 1º Relatório Trimestral de Intercâmbio de Jovens Marcela Magluta Rotary Club RJ Urca Os três primeiros meses do meu intercâmbio, acredito eu, foram os mais difíceis e importantes desse ano. Ninguém nunca

Leia mais

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Resumo Este trabalho descreve uma pesquisa piloto realizada em 1987 para analisar as condições para criação de Ambiente Logo

Leia mais

Reflexões sobre a Musicoterapia Músico-Centrada: caminhos pelo Brasil e pelo mundo

Reflexões sobre a Musicoterapia Músico-Centrada: caminhos pelo Brasil e pelo mundo Reflexões sobre a Musicoterapia Músico-Centrada: caminhos pelo Brasil e pelo mundo MT Gregório Pereira de Queiroz 1 Resumo O ponto de vista da filosofia de Zuckerkandl, em diálogo com as recentes descobertas

Leia mais

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo

MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Resumo 1 MONITORIA: EXPERIENCIA DA PESQUISA EM SALA DE AULA NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Resumo Patricia Santos de Barros/UFRJ A nossa vivência pedagógica situa-se no âmbito do curso de Licenciatura

Leia mais

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976)

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) Lá pelos anos 1971, vivi uma experiência que sempre me incomodou.

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos

PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010. Pais e Alunos PROPOSTA DE TRABALHO ENSINO MÉDIO 2010 Pais e Alunos Proposta de Trabalho Ensino Médio 2010 A partir de 2010 o nosso projeto pedagógico do Ensino Médio estará ainda mais comprometido com a formação integral

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS E PARA TODOS

XADREZ NAS ESCOLAS E PARA TODOS XADREZ NAS ESCOLAS E PARA TODOS Douglas Silva Fonseca Universidade federal do Tocantins douglasfonseca@uft.edu.br Resumo: O presente trabalho descreve a divulgação do Xadrez Escolar no Estado do Tocantins,

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem SENTIDOS (principal) Gosto de informações que eu posso verificar. Não há nada melhor para mim do que aprender junto

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS

UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS UMA EXPERIÊNCIA PSICOPEDAGÓGICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA PUCRS Jorge Ferreira da Silva Filho Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Viegas Ribas Pesquisador e Consultor Psicopedagógico

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

O que é que a música tem?... que o som e o ruído não têm 1

O que é que a música tem?... que o som e o ruído não têm 1 O que é que a música tem?... que o som e o ruído não têm 1 Gregório Pereira de Queiroz 2 A noção da qual o Phaedo dá expressão é aquela do homo musicus, do homem como músico, como ser que requer música

Leia mais

INDICADORES OBJETIVOS DE NOVAS PRÁTICAS NO ENSINO DE REDAÇÃO: INDÍCIOS DE UMA MUDANÇA?

INDICADORES OBJETIVOS DE NOVAS PRÁTICAS NO ENSINO DE REDAÇÃO: INDÍCIOS DE UMA MUDANÇA? Marcelo Macedo Corrêa e Castro Laboratório de Estudos de Linguagem, leitura, escrita e educação LEDUC Faculdade de Educação da UFRJ Ana Beatriz Domingues - Laboratório de Estudos de Linguagem, leitura,

Leia mais

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Cíntia Nunes (PPGEdu/UFRGS) Apoio: CNPq Resumo: Este trabalho trata de investigar a curiosidade e a pesquisa escolar sob um ponto

Leia mais

A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ

A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ Gláucia Tomaz Marques Pereira 1 Resumo: O presente trabalho é desenvolvido no CRASA/APAE, Anápolis-GO,

Leia mais

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A ARTE E A EXPRESSÃO CORPORAL NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 Ingrid Dos Santos Gonçalves 2, Sarai De Fátima Silveira De Souza 3, Andrisa Kemel Zanella 4. 1 projeto de extensão

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO?

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? Autor(a): Fernando Antonio Pereira Leite Coautor(es): Fernanda Guarany Mendonça Leite Email: fernando.leite1@gmail.com Este trabalho está

Leia mais

Universidade Federal do Ceará

Universidade Federal do Ceará Universidade Federal do Ceará EDUCAÇÃO ESPECIAL: PRODUÇÃO DE MATERIAL PARA AUXILIO NA DETECÇÃO DE ALUNOS COM ALTAS HABILIDADES EM GEOGRAFIA Autores: Ivna Carolinne Bezerra Machado (e-mail - ivna_machado@hotmail.com)

Leia mais

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um 1. Introdução Tomo consciência de mim, originalmente, através do outro: deles recebo a palavra, a forma e o tom que servirão à formação original da representação que terei de mim mesmo. (BAKHTIN, 1992,

Leia mais

As TIC em entrevista ao Doutor João Paiva, 2004/11/22

As TIC em entrevista ao Doutor João Paiva, 2004/11/22 As TIC em entrevista ao Doutor João Paiva, 2004/11/22 (revista educação_texto editores) Nascido em Coimbra em 1966, João Carlos de Matos Paiva é Doutorado em Química (2000) pela Universidade de Aveiro.

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

Educação Contábil No Mundo das IFRS

Educação Contábil No Mundo das IFRS Educação Contábil No Mundo das IFRS Prof. Guillermo Braunbeck Universidade de São Paulo - FEA/USP Recentemente, o IASB divulgou os resultados de sua recente pesquisa sobre adoção das IFRS mundo afora.

Leia mais

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS

Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Capítulo II O QUE REALMENTE QUEREMOS Neste inicio de curso de Formação em Coaching e Mentoring do Sistema ISOR, eu quero fazer a seguinte pergunta: o que vocês mais querem da vida hoje? Alguém pode começar?

Leia mais

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer

personal cool brand anouk pappers & maarten schäfer personal cool brand Os holandeses Anouk Pappers e Maarten Schäfer, da CoolBrands, trabalham há 12 anos fazendo storytelling para marcas, que se trata de extrair histórias sobre elas por meio de conversas

Leia mais

Caracterização da Escola

Caracterização da Escola 28 O CORDEL DOS TIRADENTES Flávia Helena Pontes Carneiro* helena.flavia@gmail.com *Graduada em Pedagogia, Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Professora

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA www.uniube.brpropepmestradorevista GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA SILVA, Eduardo Alex Carvalho Ribeiroi Lívia Rodrigues Acadêmico do Curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas do Centro Federal

Leia mais

Sob as lentes de. Cristina Buzatto

Sob as lentes de. Cristina Buzatto Sob as lentes de Cristina Buzatto O Laboratório Technopark completou dois anos de operação em abril de 2011, uma das primeiras grandes investidas da Essilor neste setor, no Brasil. Falamos com Cristina

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MUSICOTERAPIA APLICADA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MUSICOTERAPIA APLICADA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular MUSICOTERAPIA APLICADA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Musicoterapia 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade

Leia mais

UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS

UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS Frutos-1 Impact0 LIÇÃO 12 VIVENDO A VIDA COM DEUS UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS 9-11 Anos HISTÓRIA BÍBLICA João 1:12; I Pedro 3:15, 18 A Bíblia nos ensina

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

MEU PLANO DE AÇÃO EM MASSA 7 PASSOS PARA UM INCRÍVEL 2015!

MEU PLANO DE AÇÃO EM MASSA 7 PASSOS PARA UM INCRÍVEL 2015! MEU PLANO DE AÇÃO EM MASSA 7 PASSOS PARA UM INCRÍVEL 2015! Você sabia que 95% das pessoas que traçam planos de Ano Novo NUNCA os seguem adiante? A razão é que a maioria das pessoas não entende o processo

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

Esta é a nossa proposta para fotografar o seu casamento

Esta é a nossa proposta para fotografar o seu casamento Esta é a nossa proposta para fotografar o seu casamento Com a palavra, quem já viveu e reviveu esta emoção, documentada através de nosso olhar. Não podia deixar, de jeito nenhum, de registrar aqui o meu

Leia mais

RECIDIVAS DO PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: ENTRAVES PARA DELIMITAÇÃO DO OBJETO DE ESTUDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA.

RECIDIVAS DO PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: ENTRAVES PARA DELIMITAÇÃO DO OBJETO DE ESTUDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA. 2 RECIDIVAS DO PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: ENTRAVES PARA DELIMITAÇÃO DO OBJETO DE ESTUDO DA EDUCAÇÃO FÍSICA. 1 INTRODUÇÃO Profa. Dra. Luciene Ferreira da Silva Cotidianamente venho refletindo sobre

Leia mais

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima

Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA. Weverton Santos de Jesus João Paulo Mendonça Lima Aula 8 ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA META Apresentar e descrever a construção de um projeto de pesquisa e seus elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais; OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim?

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim? viu? eu não falei pra você? o quê? este ano está igualzinho ao ano passado! foi você que jogou esta bola de neve em mim? puxa, acho que não... essa não está parecendo uma das minhas... eu costumo comprimir

Leia mais

RESENHA resenha resumo resenha crítica Título: Identificação do resenhista: Referência: Dados sobre o(s) autor(es): Dados sobre a obra: Apreciação:

RESENHA resenha resumo resenha crítica Título: Identificação do resenhista: Referência: Dados sobre o(s) autor(es): Dados sobre a obra: Apreciação: RESENHA Resenha é a apreciação crítica sobre uma determinada obra (livro, artigo, texto, filme, etc.). Trata-se de um breve texto, semelhante a um resumo, que visa comentar um trabalho realizado. Será

Leia mais

WEBQUEST NO ENSINO DE HISTÓRIA: Ligações interdisciplinares e aceitação dos alunos diante esta ferramenta.

WEBQUEST NO ENSINO DE HISTÓRIA: Ligações interdisciplinares e aceitação dos alunos diante esta ferramenta. WEBQUEST NO ENSINO DE HISTÓRIA: Ligações interdisciplinares e aceitação dos alunos diante esta ferramenta. Michelle Mattar Pereira de Oliveira * Bianca Luiza Silva ** INTRODUÇÃO Primeiramente é necessário

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO

ED WILSON ARAÚJO, THAÍSA BUENO, MARCO ANTÔNIO GEHLEN e LUCAS SANTIGO ARRAES REINO Entrevista Cláudia Peixoto de Moura Nós da Comunicação tendemos a trabalhar com métodos qualitativos, porque, acredito, muitos pesquisadores desconhecem os procedimentos metodológicos quantitativos ED

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE

DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE DISCUSSÃO SOBRE A FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA E SUA ATUAÇÃO ENTRE OS CONTEÚDOS E SUA PRÁTICA DOCENTE Antonio Veimar da Silva 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar os conhecimentos

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Estive pensando sobre os conflitos e as frustrações na Vida em Família, e a primeira consideração que me ocorreu foi: precisamos

Leia mais

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA Área Temática: Tecnologia e Produção Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares

Leia mais

O olhar do professor para a formação contínua em um cenário de projetos

O olhar do professor para a formação contínua em um cenário de projetos O olhar do professor para a formação contínua em um cenário de projetos Cristiane Akemi Ishihara 1 cakemi@usp.br Resumo Este trabalho apresentado para a obtenção do título de mestre junto à Faculdade de

Leia mais

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra

Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra A PROIBIÇÃO DA DESPEDIDA ARBITRÁRIA NAS LEGISLAÇÕES NACIONAIS: UMA PERSPECTIVA DE DIREITO COMPARADO * Halton Cheadle ** Distintos convidados e demais pessoas nesta sala, é uma grande honra para mim estar

Leia mais

Introdução. 1 P ágina

Introdução. 1 P ágina Introdução O estudo do batimento de cabeça é fonte de revelação espiritual profunda, duradoura, de transformação. Todas as coisas que estão sob a terra possuem maior profundidade do que aparentam. Basta

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I:

Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional. Unidade I: Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional Unidade I: 0 Unidade: Comunicação e Liderança como Fator Motivacional http://pro.corbis.com/enlarge ment/enlargement.aspx?id=4 2-22634984&caller=search

Leia mais