A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO NO MARKETING DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE UBERABA FAZU.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO NO MARKETING DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE UBERABA FAZU."

Transcrição

1 13 2 Secretariado Executivo Bilíngüe/ Office administration A EFICÁCIA DA COMUNICAÇÃO NO MARKETING DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE UBERABA FAZU. H IL L ESH EIM, M.C.P 1.; SIL V EIR A, M.S 2. 1 M es tre em L ingüís tica, p ela U nivers idade F ederal de U b erlâ ndia/m G U F U. 2 Bach arel em Secretariado Executivo Bilíngüe, F A Z U F aculdades A s s ociadas de U b erab a, A v. do T utunas, 7 20 C EP , U b erab a M G, e-m ail: m ois es s arap m ednet.com.b r RESUMO A com unicaç ã o rep res enta um dos fatores b á s icos p ara a s ob revivê ncia h um ana. N o cam p o com ercial, des em p enh a p ap el fundam ental no p lano de m ark eting das ins tituiç õ es. P or is s o m es m o, a com unicaç ã o exige extrem o cuidado na s ua utiliz aç ã o, de m odo q ue a m ens agem em itida atinja, de m odo s atis fató rio, o p ú b lico des ejado. D iferentem ente do q ue m uitos im aginam, o m ark eting s e inicia antes m es m o da criaç ã o de um p roduto ou s erviç o e nã o s e res tringe, ap enas, à venda ou p rop aganda. N a verdade, o m ark eting tem com o p onto de p artida a identificaç ã o de um a neces s idade, p or p arte dos cons um idores, e ap res enta com o p rincip al p rop ó s ito, a s atis faç ã o des s a neces s idade. H oje em dia, p erceb e-s e, facilm ente, o alto nível de concorrê ncia e com p etitividade, entre as faculdades e univers idades, na b us ca p ela atraç ã o de novos alunos. D entro des s e atual contexto, o p ap el da com unicaç ã o, no p lano de divulgaç ã o das ins tituiç õ es de ens ino, tem s e m os trado cada vez m ais im p ortante. A s s im s endo, o nú m ero de op ortunidades de em p rego e es tá gio rem unerado oferecidas aos alunos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U, ap ó s o ingres s o na faculdade, indep endentem ente do p eríodo q ue es tejam curs ando, p ode s e caracteriz ar em um a evidê ncia de q ue a com unicaç ã o utiliz ada no p lano de m ark eting do curs o s eja eficaz. P ALAVRAS-CH AVE: es tá gio, ins tituiç õ es de ens ino, p roduto, p rop aganda, p ub licidade. TH E EFFICACY OF TH E COMMUNICATION IN TH E MARKETING OF OFFICE ADMINISTRATION COURSE OF FACULDADES ASSOCIADAS DE UBERABA - FAZU - AS W AY OF P ROFESSIONAL DEVELOP MENT ABSTRACT- C om m unication rep res ents one of th e b as ic factors to th e h um an s urvival. In th e com m ercial field, it p erform s a fundam ental roll in th e m ark eting s p lan of th e ins titutions. So th at, com m unication dem ands extrem e careful in its utiliz ation, in order to th e is s ued m es s age reach th e des ired p ub lic. D ifferently of w h at m any p eop le th ink, m ark eting b egin even b efore th e creation of a p roduct or s ervice and do not res train, only, on s ale or advertis ing. A ctually, m ark eting h as as a s tarting p oint th e identification of a need, on th e p art of th e cons um ers, and p res ents as a m ain p urp os e, th e s atis faction of th is need. L ately, one p erceives, eas ily, th e h igh level com p etition and com p etitivenes s, am ong colleges and univers ities, in s earch of attractions for new s tudents. W ith in th is actual context, th e com m unication rolls, in th e p ub lication p lan of teach ing ins titutions, h as s h ow ed its elf m ore and m ore im p ortant. Being s o, th e op p ortunity num b ers of em p loy m ent and rew ard p rob ation offered to th e s tudents of th e cours e of Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U, after th eir joining in th e college, indep endently, of th e p eriod th ey are attending, it can ch aracteriz e its elf in an evidence th at th e com m unication us ed in th e m ark eting p lan of th e cours e b e effective. KEY W ORDS: advertising, institu tions of edu cation, period of training, produ ct, propag anda. INTRODUÇÃO A com unicaç ã o cons titui-s e em um a ferram enta b á s ica, largam ente utiliz ada no p lano de m ark eting das em p res as, nã o im p ortando q ue es tas atuem no s etor p rodutivo ou de p res taç ã o de s erviç os, indep endentem ente do cará ter p ú b lico ou p rivado ou, ainda, q ue s ejam com ou s em fins lucrativos. D e acordo com M anz o ( ; p. 27 ): H á um a idé ia m uito s im p les q ue s u s te n ta a in d is p e n s a b ilid a d e d a s c o m u n ic a ç õ e s d e Ma r k e tin g : p ara q ue p rodutos e s erviç os s ejam p roduz idos em um a econom ia de cres cente nível de s alá rios é indis p ens á vel q ue eles tenh am m ercados de tam anh o s ignificativo; e, p ara alcanç ar es s es m ercados, p rodutos e s erviç os dep endem de com unicaç ã o - p ois nada q ue nã o p os s a s er com unicado é com erciá vel ou vendá vel. (G rifo N os s o). F az -s e neces s á rio res s altar q ue o as p ecto das com unicaç õ es de m ark eting deve s er ob s ervado tanto em â m b ito interno q uanto externo, vis to q ue o m ark eting inicia-s e antes m es m o da criaç ã o de um p roduto ou s erviç o. N a verdade, o p lano de m ark eting s urge com a identificaç ã o de um a neces s idade p or p arte do m ercado (p ú b lico) e des envolve-s e com o ob jetivo de s atis faz er tal neces s idade, p as s ando p ela etap a da p es q uis a, do es tudo das p articularidades do m ercado-alvo, da elab oraç ã o das viab ilidades do negó cio ou atividade a s er im p lantada, até q ue s e p os s a dis p onib iliz ar tal p roduto ou s erviç o p ara os cons um idores ; cons iderando, ainda, o p reç o a s er p raticado, a form a de dis trib uiç ã o e os recurs os a s erem utiliz ados na venda e na divulgaç ã o do m es m o. D es s e m odo, a com unicaç ã o rep res enta as p ecto relevante em todas as etap as de um p lano de m ark eting. P oré m, é na etap a da divulgaç ã o de um p roduto ou s erviç o p ara o m ercado-alvo q ue as s um e m aior des taq ue. D entro

2 Secretariado Executivo Bilíngüe/ Office administration 13 3 des s e as p ecto, p erceb e-s e q ue a elab oraç ã o de um p lano de m ark eting voltado p ara o oferecim ento de um curs o s up erior nã o foge à es s a linh a de conduta. A tualm ente, nota-s e q ue as faculdades e univers idades es tã o, a cada dia q ue p as s a, dis p onib iliz ando um a m aior q uantidade de recurs os com vis tas a atrair novos alunos, as s im com o a exp andir a s ua á rea de atuaç ã o. P or es s e m otivo, utiliz am -s e de um nú m ero cada vez m aior de es traté gias de m ark eting. Segundo afirm aç ã o de K otler e A rm s trong (20 0 0, p. 13 ): [...] M uitas univers idades p rivadas, diante das m atrículas em declínio e dos p reç os em alta, es tã o us ando M ark eting p ara atrair alunos e recurs os. Es tã o definindo os m ercados -alvo, m elh orando s ua com unicaç ã o e p rom oç ã o e res p ondendo m elh or à s neces s idades e des ejos dos alunos. D entro des s e p roces s o, o com unicador de m ark eting de um curs o s up erior deve es tudar, avaliar e definir q uem faz p arte do s eu p ú b lico-alvo, q ue m ens agem des eja divulgar e q ual o veículo de com unicaç ã o a s er utiliz ado, s endo q ue todos es s es as p ectos devem s e enq uadrar ao p adrã o univers itá rio. Es s e trab alh o originou-s e, jus tam ente, com o p rop ó s ito de inves tigar a h ip ó tes e de q ue a eficá cia do p roces s o de com unicaç ã o utiliz ado na divulgaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U p oderia s er com p rovada p elo cons iderá vel nú m ero de acadê m icos do curs o ins eridos no m ercado de trab alh o, ap ó s a s ua iniciaç ã o acadê m ica na ins tituiç ã o, indep endentem ente do p eríodo q ue es tives s em curs ando. Es tende-s e, p ois, ao leitor o convite p ara q ue p os s a conh ecer as etap as p ercorridas durante a cons truç ã o da p res ente p es q uis a; p ara, em s eguida, analis ar as ab ordagens realiz adas a res p eito da im p ortâ ncia da com unicaç ã o p ara a vida h um ana e a decorrente ap licaç ã o em p res arial; conh ecer as avaliaç õ es feitas a res p eito da com unicaç ã o com o veículo de m ark eting e verificar o res ultado da aná lis e dos dados ob tidos. MATERIAL E MÉ TODOS P ara es te es tudo foi delim itado com o p ú b lico p es q uis ado, os acadê m icos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe, em todos os oito p eríodos exis tentes até m arç o de , q ue h aviam tido um a op ortunidade de em p rego ou de es tá gio rem unerado, a q ual es tives s e relacionada com o ingres s o do acadê m ico na faculdade. O ob jetivo geral cons is tiu em b us car conh ecer a realidade em p regatícia ou de es tá gio rem unerado dos alunos, ap ó s ingres s arem no curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U, indep endentem ente do p eríodo q ue es tives s em curs ando. O s ob jetivos es p ecíficos da p es q uis a p rocuraram identificar as té cnicas e os m é todos utiliz ados p ara a divulgaç ã o do curs o; diagnos ticar q uais os m ecanis m os utiliz ados p ela coordenaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U p ara a ins erç ã o do acadê m ico nas em p res as, com o es tagiá rios rem unerados e/ou com o contratados com vínculo em p regatício; inves tigar q uais as ferram entas oferecidas p elo curs o cap az es de des envolver as h ab ilidades p rofis s ionais as s egurativas da p erm anê ncia/as cens ã o do acadê m ico nas em p res as e identificar as á reas de atuaç ã o dos acadê m icos es tagiá rios rem unerados e/ou contratados com vínculo em p regatício, a fim de com p rovar a ap licaç ã o da divers idade de com p etê ncias e h ab ilidades des envolvidas p elo curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U. A im p ortâ ncia da p es q uis a jus tificou-s e p elo fato de q ue dentre os vá rios q ues tionam entos feitos p elos univers itá rios durante o p ercurs o da vida acadê m ica, aq ueles q ue m ais os im p ortunavam es tariam diretam ente relacionados : com o reconh ecim ento da im p ortâ ncia de s ua futura p rofis s ã o p or p arte do m eio em p res arial; com a am p litude de op ortunidades p rofis s ionais e com as p os s ib ilidades em p regatícias q ue p oderiam advir, ap ó s a conclus ã o do curs o. P ara os acadê m icos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe tais indagaç õ es nã o p oderiam s er diferentes. P oré m, nã o s eria m uito difícil enum erar algum as res p os tas p ara aq ueles q ue op taram p or es s a p rofis s ã o. A s s im s endo, p rocurou-s e dem ons trar, no des envolvim ento da p es q uis a, o grande nú m ero de op ortunidades de em p rego oferecidas aos alunos da ins tituiç ã o durante s ua vida acadê m ica, decorrente do trab alh o de com unicaç ã o no m ark eting do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U. F oi p rop os to com o p rob lem a q ue o p roces s o de com unicaç ã o utiliz ado p ela F A Z U p ara fins de divulgaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe e ins erç ã o dos acadê m icos no m ercado de trab alh o p oderia s er cons iderado eficaz. L evantou-s e com o h ip ó tes e q ue a eficá cia do p roces s o de com unicaç ã o utiliz ado na divulgaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U p oderia s er com p rovada p elo cons iderá vel nú m ero de acadê m icos do curs o ins eridos no m ercado de trab alh o, ap ó s a s ua iniciaç ã o acadê m ica na ins tituiç ã o, indep endentem ente do p eríodo q ue es tives s em curs ando. U tiliz ou-s e com o m é todo de ab ordagem o h ip oté tico-dedutivo, no q ual s e form ulou um a h ip ó tes e e s e p rocurou, p or m eio da inferê ncia dedutiva, tes tar a p rediç ã o da ocorrê ncia s ugerida p ela h ip ó tes e, p ara q ue s e p udes s e cons tatar ou nã o a s ua veracidade. R ecorreu-s e a trê s diferentes m é todos de p rocedim ento. P ela utiliz aç ã o do m é todo de p rocedim ento m onográ fico b us cou-s e ap rofundar na literatura ligada ao tem a p ara elab oraç ã o do arcab ouç o teó rico da p es q uis a. P elo us o do m é todo de p rocedim ento es tatís tico p rocurous e cons tatar, p or m eio do levantam ento de dados, o nú m ero de acadê m icos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U ins eridos no m ercado de trab alh o com o es tagiá rios e/ou com o contratados com vínculo em p regatício. C ons iderou-s e, ainda, o m é todo de p rocedim ento funcionalis ta, p ois o es tudo p oderia s ervir de referê ncia e p es q uis a futura p ara o lanç am ento de novas cam p anh as de m ark eting e p ara a divulgaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe. A s té cnicas utiliz adas referiram -s e à s p es q uis as de

3 13 4 Secretariado Executivo Bilíngüe/ Office administration naturez a q uantitativa e q ualitativa, nas q uais s e em p regaram té cnicas de docum entaç ã o indireta p es q uis a docum ental e b ib liográ fica b em com o a direta intens iva entrevis tas com o p rofes s or Sé rgio L uiz H illes h eim 17, e com a P edagoga M á rcia Eliz a P antoja C unh a Barb osa 18, alé m da direta extens iva, na q ual s e utiliz ou da ap licaç ã o de um q ues tioná rio q ue foi res p ondido, p or es crito, p elos acadê m icos. O q ues tioná rio foi elab orado com oito p erguntas ab ertas e trê s fech adas. Es s e ins trum ento de p es q uis a foi ap licado aos acadê m icos, p elo p es q uis ador, no dia 17 de m arç o de , q uinta-feira, durante o p eríodo das dez enove à s vinte e um a e trinta h oras. C ons tatou-s e q ue, naq uela noite, cento e noventa e dois (19 2) acadê m icos com p areceram à faculdade, s endo q ue des tes, q uarenta e um (4 1) p articip aram da p es q uis a. D entre os p es q uis ados, noventa e oito p or cento (9 8 % ) eram do s exo fem inino e dois p or cento (2% ) do s exo m as culino. C ons tituiu-s e req uis ito b á s ico p ara o p reench im ento do q ues tioná rio, q ue o acadê m ico tives s e tido p elo m enos um a op ortunidade de em p rego e/ou es tá gio rem unerado q ue es tives s e as s ociada ao s eu ingres s o no curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe. A entrevis ta com o s enh or Sé rgio L uiz H illes h eim, foi realiz ada no dia nove de ab ril de F oram feitas ao coordenador oito p erguntas, q ue h aviam s ido p reviam ente es truturadas e, dep ois, revis adas p ela orientadora des s a p es q uis a. A s q ues tõ es tinh am p or ob jetivo: conh ecer q uais as es traté gias e os veículos de com unicaç ã o utiliz ados p ela F A Z U, na divulgaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe, com vis tas a atrair novos alunos ; indagar s e as es traté gias de com unicaç ã o utiliz adas eram as m es m as des de , ano em q ue o curs o foi im p lantado; verificar q ual s eria a vis ã o p or p arte das em p res as ub erab ens es, b em com o das p es s oas com uns, a res p eito do atual p erfil p rofis s ional do s ecretá rio executivo; conh ecer o nú m ero de acadê m icos enviados à s em p res as, via coordenadoria, nã o s ó com o contratados, m as, tam b é m, com o es tagiá rios rem unerados, des de a ins tituiç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe em U b erab a. A p es q uis a tinh a, ainda, p or ob jetivos : verificar s e a divulgaç ã o do curs o traz ia res ultados s atis fató rios tanto p ara a ins tituiç ã o q uanto p ara os acadê m icos e q ual s eria a im p ortâ ncia da p articip aç ã o dos acadê m icos no p roces s o de divulgaç ã o; identificar as es traté gias s eguidas p ela ins tituiç ã o, vis ando divulgar a exis tê ncia do curs o à s ociedade de m odo geral e, tam b é m, à s em p res as ; s ab er s e o nú m ero de alunos atraídos p ara a ins tituiç ã o, p or ocas iã o das es traté gias de m ark eting adotadas, era cons iderado s atis fató rio e, p or ultim o, q ues tionar s e o com p os to de m ark eting do curs o Secretariado Executivo Bilíngüe vinh a s endo m antido p or s er cons iderado eficiente ou p or ter q ue s e adeq uar aos recurs os financeiros dis p oníveis. A entrevis ta foi realiz ada utiliz ando-s e com o recurs o um gravador de á udio. A p ó s a gravaç ã o da 17 P rofes s or e C oordenador do C urs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U. 18 C oordenadora de Es tá gios da A C IU A s s ociaç ã o C om ercial e Indus trial de U b erab a. entrevis ta em fita cas s ete realiz ou-s e, p or p arte do p es q uis ador, a trans criç ã o da m es m a. J á a entrevis ta com a p edagoga M á rcia Eliz a P antoja C unh a Barb os a, realiz ou-s e no dia 25 de m aio de T am b é m, nes s a entrevis ta, s erviu-s e do auxílio do gravador de á udio, p ara p os terior trans criç ã o do conteú do. A entrevis ta cons is tiu de cinco q ues tionam entos q ue tinh am com o ob jetivos : es clarecer s e exis tia um a p arceria entre o curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U e o P rogram a C om p lem entar de Educaç ã o e/ou C entro de Integraç ã o Em p res a Es cola de M inas G erais p ara o encam inh am ento dos acadê m icos des s e curs o à s em p res as, nã o s ó com o es tagiá rios, m as tam b é m, com o contratados com vínculo em p regatício; s olicitar q ue fos s e dada um a b reve noç ã o s ob re o funcionam ento des s a p arceria. T am b é m eram ob jetivos des s a entrevis ta: q ues tionar a vis ã o da p edagoga M á rcia E. P. C. Barb os a a res p eito da im p ortâ ncia do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe p ara a cidade de U b erab a e regiã o; indagar com o s e deu o contato e q ual s eria a relaç ã o da coordenadora de es tá gios da A C IU com o curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe e conh ecer a op iniã o da C oordenadora de Es tá gios acerca da divulgaç ã o do curs o, junto à clas s e em p res arial, com vis tas a p rop orcionar novas op ortunidades de em p rego aos acadê m icos nele m atriculados. P ara facilitar a com p reens ã o, em am b as as entrevis tas, foram ap res entadas ap enas a trans criç ã o das falas com a s up res s ã o dos term os q ue s e referiam à s p aus as, m uito com uns na linguagem coloq uial, com o: né, é, h am m, h um m, entre outros. O s dados ob tidos p or m eio dos q ues tioná rios foram tab ulados, a fim de s e conh ecer a rep res entaç ã o es tatís tica dos m es m os. A lé m dis s o, efetuou-s e a confrontaç ã o das res p os tas do q ues tioná rio com aq uelas oriundas das entrevis tas. Q uando foram recortadas p artes p ontuais das entrevis tas p ara aná lis e, em p regaram -s e recurs os diferentes p ara des tacar as declaraç õ es dos entrevis tados. Is s o foi feito com o p rop ó s ito de des tacar a afirm aç ã o dos entrevis tados de m odo diferente das citaç õ es teó ricas diretas. RESULTADOS E DISCUSSÃO N es ta etap a do trab alh o, é ap res entada a aná lis e dos dados ob tidos com a ap licaç ã o do q ues tioná rio aos acadê m icos, b em com o das entrevis tas realiz adas com o p rofes s or Sé rgio L uiz H illes h eim, e com a p edagoga M á rcia Eliz a P antoja da C unh a Barb os a, res p ons á vel p elo encam inh am ento de acadê m icos de vá rias ins tituiç õ es ao m ercado de trab alh o, tanto com o es tagiá rios q uanto com o contratados com vínculo em p regatício, p or m eio do P rogram a Em p regab ilidade, des envolvido naq uela A s s ociaç ã o. P oder-s e-á ob s ervar q ue o encam inh am ento des s es acadê m icos ao m ercado de trab alh o es tá, ainda, relacionado a outros dois agentes de integraç ã o dis tintos q ue s ã o: o C entro de Integraç ã o Em p res a Es cola de M inas G erais e o P rogram a C om p lem entar de Educaç ã o.

4 Secretariado Executivo Bilíngüe/ Office administration 13 5 P ode-s e cons tatar q ue a F A Z U F aculdades A s s ociadas de U b erab a firm ou, des de a im p lantaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe, p or m eio da coordenadoria do curs o, um a p arceria com a A C IU a fim de encam inh ar os acadê m icos des s e curs o p ara o m ercado de trab alh o. D es taca-s e com o um dos fatos de m aior contradiç ã o encontrado durante a coleta de dados, a dis crep â ncia entre o nú m ero de acadê m icos ap ontados p ela coordenadoria do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U, com o b eneficiados p elas op ortunidades de em p rego e/ou de es tá gio rem unerado, o nú m ero de encam inh ados p ara op ortunidades de em p rego e es tá gio rem unerado - ap res entado p ela s enh ora M á rcia Barb os a - e o nú m ero de acadê m icos q ue p reench eram o q ues tioná rio de p erguntas e res p os tas, vis to q ue de um univers o de19 2 alunos p res entes na faculdade no dia da ap licaç ã o do q ues tioná rio, 17 de m arç o de , ap enas 4 1 acadê m icos p articip aram da p es q uis a. O s dados ob tidos junto à p edagoga M á rcia Eliz a P antoja C unh a Barb os a confirm am o p os icionam ento do coordenador do curs o, p rincip alm ente, no q ue diz res p eito à rep etiç ã o do nú m ero de encam inh am entos de um ú nico acadê m ico, alg u mas pessoas do cu rso de S ecretariado E x ecu tivo já foram encaminh adas para diferentes oportu nidades por du as e até trê s vez es. (Inform aç ã o V erb al) 19. Q uanto ao q ue diz res p eito à q uantidade de acadê m icos do curs o enviados p ara o m ercado de trab alh o, p or interm é dio das p arcerias firm adas com o C IEE e com o P R O E, ob tiveram -s e os s eguintes nú m eros : nove alunos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U já h aviam s ido enviados à s em p res as, com o contratados, enq uanto q ue o nú m ero das op ortunidades de es tá gio rem unerado p ara os alunos da ins tituiç ã o ch egou a 28. D entre os acadê m icos q ue p articip aram da p es q uis a, res p ondendo ao q ues tioná rio, 5 8 % es tã o s ituados na faixa etá ria dos 18 a 23 anos ; 20 % dos 24 a 29 anos ; 15 % dos 3 0 a 3 4 anos ; e 7 % dos 3 5 a 3 9 anos, nã o h avendo nenh um a p es s oa, entre os q ue res p onderam ao q ues tioná rio, acim a des s a idade. T al fato, p os s ivelm ente, es taria relacionado ao nú m ero de p es s oas s olteiras q ue atingiu o p ercentual de 7 8 %, enq uanto q ue o nú m ero das p es s oas cas adas foi de 15 % e o das divorciadas atingiu os 7 %. O b s ervou-s e, ainda, q ue 9 8 % des s es acadê m icos p ertenciam ao s exo fem inino e, ap enas, 2% ao s exo m as culino. A q ues tã o de nú m ero q uatro p rocurou identificar a form a q ue os acadê m icos tom aram conh ecim ento da exis tê ncia do curs o, ou s eja, p or m eio de q ual ou q uais veículos a p es s oa h avia s ido inform ada s ob re a exis tê ncia des te e acab ou p or ap res entar um dado q ue p ode s er tom ado com o relevante. N enh um a das p es s oas p es q uis adas m encionou a televis ã o, com o um dos p os s íveis veículos de divulgaç ã o, p or interm é dio do q ual tives s em tom ado 19 Inform aç ã o ob tida p or m eio de entrevis ta com a C oordenadora de Es tá gios da A C IU, M á rcia E.P.C. Barb os a, em U b erab a, no m ê s de m aio de conh ecim ento do curs o do Secretariado Executivo Bilíngüe. N es s e q ues ito, a op ç ã o ou tdoor foi citada p or 21% dos acadê m icos, s eguida de: alunos da ins tituiç ã o com 19 % ; jornal com 12% ; funcioná rio da ins tituiç ã o com 10 % ; e rá dio com 7 %. A op ç ã o outros foi m encionada p or 3 1% das p es s oas, des tacando-s e com o algum as das op ç õ es ap ontadas : am igos, folder, p anfletos, m anual de ins criç ã o, s ite da F A Z U, entre outros, p oré m nenh um a des s as op ç õ es ap res entou p ercentual m aior q ue 7 %. O fato do nã o ap arecim ento da op ç ã o televis ã o (T V ) com o um dos veículos citados, levanta diferentes cons ideraç õ es, vis to q ue s e p ô de cons tatar p elas p alavras do p ró p rio coordenador do curs o q ue a T V é um dos m ecanis m os de divulgaç ã o m ais utiliz ados p ela ins tituiç ã o. O utro fator, b as tante im p ortante, cons is te no ap arecim ento das op ç õ es, aluno e funcioná rio da ins tituiç ã o, com o o s egundo e o q uarto itens m ais citados, res p ectivam ente. T al fato s ugere, p elo m enos, duas im p ortantes interp retaç õ es. N a p rim eira delas, cons idera-s e q ue, ap es ar do oferecim ento de des contos p ara os acadê m icos q ue indiq uem novos alunos q ue venh am a s e m atricular no curs o, es s as s ã o es traté gias de p ub licidade q ue contrib uem p ara a divulgaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U, s em a exis tê ncia de ô nus p ara a ins tituiç ã o. U m s egundo p onto a s er analis ado ap onta p ara a exis tê ncia de um a com unicaç ã o interna com o p rop ó s ito de trans form ar, tanto os acadê m icos do curs o q uanto os funcioná rios da ins tituiç ã o em m ultip licadores des s e p roces s o de divulgaç ã o. A aná lis e das q ues tõ es de nú m ero cinco, s eis e s ete do q ues tioná rio, ap ontou algum as contradiç õ es nas res p os tas dadas. Es tas q ues tõ es ab ordavam, res p ectivam ente, a op iniã o dos acadê m icos s ob re a divulgaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U, nos p eríodos p ó s e p ré - ves tib ular, alé m de lanç ar q ues tionam ento s ob re a op iniã o dos acadê m icos no q ue s e referia ao nú m ero de op ortunidades de em p rego e/ou es tá gio rem unerado oferecidas aos alunos, indep endentem ente do p eríodo em q ue es tives s em curs ando. A divulgaç ã o do curs o, no p eríodo q ue antecede o exam e ves tib ular, foi avaliada com o b om p ela m aioria dos acadê m icos, ou s eja, 3 9 % ; 27 % cons ideraram q ue es tá regular; 20 % cons ideraram m uito b om, dois p or cento cons ideraram excelente, enq uanto q ue os 12% res tantes cons ideraram p é s s im o. O p ercentual de 12% dos acadê m icos q ue cons ideraram o m ark eting de divulgaç ã o do curs o no p eríodo p ré -ves tib ular com o p é s s im o, p arece s er um dado relativam ente alto, contudo é, ao m es m o tem p o, contraditó rio, vis to q ue na p ergunta nú m ero q uatro, q ue s e referia ao m odo com o o acadê m ico h avia tom ado conh ecim ento do curs o, foram citados q uinz e diferentes veículos de divulgaç ã o do curs o. Es s e nú m ero p ode s er cons iderado b as tante ab rangente, um a vez q ue a q uantidade de p articip antes da p es q uis a s e lim itou a 4 1

5 13 6 Secretariado Executivo Bilíngüe/ Office administration p es s oas. M cc arth y e P erreault (19 9 7, p. 23 2) cons ideram q ue: P ara a p rom oç ã o de um a em p res a s er eficaz, s eus ob jetivos de p rom oç ã o devem s er claram ente definidos p orq ue o com p os to p rom ocional correto dep ende do q ue a em p res a p retende realiz ar. È ú til cons iderar trê s ob jetivos b á s icos de p rom oç ã o: inform ar, p ers uadir e lem b rar os cons um idores -alvos s ob re a em p res a e s eu com p os to de m ark eting. T odos eles p rocuram afetar o com p ortam ento do cons um idor oferecendo m ais inform aç ã o. A s s im s endo, b as eados no entendim ento de M cc arth y e P erreault, p ode-s e argum entar q ue as es traté gias utiliz adas p ara a divulgaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U s ã o coerentes com as de um p lano de M ark eting b em es truturado. P or outro lado, a s om a daq ueles q ue cons ideraram o m ark eting de divulgaç ã o no p eríodo p ré -ves tib ular com o b om, ó tim o e excelente atingiu 6 1%, p ercentual q ue atingiu a op iniã o da m aioria dos s ujeitos q ue res p onderam ao q ues tioná rio. N a q ues tã o de nú m ero s eis, os p articip antes op inaram s ob re a divulgaç ã o do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U, com vis tas a cons cientiz ar a s ociedade e o m ercado de trab alh o, s ob re a exis tê ncia do curs o. N es s a q ues tã o, h ouve um aum ento cons iderá vel das p es s oas q ue julgaram es s e tip o de divulgaç ã o com o regular, is to é, 4 6 % dos p es q uis ados ; 24 % dos acadê m icos cons ideraram b om ; 12% cons ideraram o conceito m uito b om p ara a divulgaç ã o do curs o entre as em p res as e a s ociedade, cinco p or cento cons ideraram es s e tip o de divulgaç ã o do curs o com o excelente e, novam ente, doz e p or cento (12% ) das p es s oas cons ideraram a divulgaç ã o do curs o com o p é s s im a. V erifica-s e q ue a contradiç ã o exis tente nes s a q ues tã o é ainda m aior q ue na anterior, p rincip alm ente, q uando es ta é relacionada à q ues tã o de nú m ero s ete (7 ), q ue q ues tionou a op iniã o das p es s oas s ob re o nú m ero de op ortunidades de em p rego/es tá gio rem unerado oferecido aos alunos do curs o, indep endentem ente do p eríodo em q ue es tives s em curs ando. N es s a q ues tã o nenh um dos p es q uis ados cons iderou es s e tip o de divulgaç ã o com o p é s s im o; 3 2% das p es s oas cons ideraram as op ortunidades de em p rego/es tá gio rem unerado com o m uito b om ; outros 3 2% cons ideraram com o b om ; 20 % ap ontaram q ue o nú m ero des s as op ortunidades s ã o excelentes ; e 17 % as as s inalaram com o regulares. P ortanto, s e tais op ortunidades s urgem, jus tam ente, nas em p res as ; p ode-s e adm itir q ue h aja um a grande incoerê ncia em s e ap ontar q ue a divulgaç ã o do curs o p ara a s ociedade e o m ercado de trab alh o (q ues tã o 6 ) s eja p é s s im a. Bom, exis tem vá rias es traté gias do m ecanis m o p ra is s o. U m delas s ã o as cons ecuç õ es de eventos q ue acontecem, ou s eja, a elab oraç ã o, o des envolvim ento des s es eventos, p orq ue eles vã o p ara a p ró p ria m ídia, jornal, T V ou rá dio. [...] A s vis itas à s em p res a s ã o um q ues ito b as tante forte, jus tam ente p orq ue, alé m (da gente) de nó s p oderm os divulgar o curs o, nó s atraím os em p regos e es tá gios p ra es s es acadê m icos q ue s erã o ins eridos nes s as em p res as. [...] E o p ró p rio aluno q ue é o grande divulgador, ou p os itivo ou negativo. Entã o, os alunos q ue, realm ente, es tã o s atis feitos, q ue já es tã o cons cientes do p ap el deles com o acadê m icos e com o futuros p rofis s ionais, es s es, geralm ente, tê m um a influê ncia m uito forte em nível p os itivo[...] 20 Sus tenta-s e, ainda, o s eguinte, ap ó s a s ua ins erç ã o na faculdade o p ró p rio acadê m ico p as s a a agir com o um a das, s enã o a m ais p oderos a ferram enta de divulgaç ã o do p ró p rio curs o, nã o s ó p ara a s ociedade, com o p ara o m ercado de trab alh o. D es s a form a, a res p ons ab ilidade de divulgaç ã o do curs o, p or p arte dos acadê m icos p articip antes da p es q uis a, p ode s er cons iderada m uito m aior, em relaç ã o aos dem ais alunos, p ois foram ins eridos nas em p res as de form a a rep res entarem a ins tituiç ã o, o curs o e o valor da p rofis s ã o p ara o m ercado de trab alh o. D es s e m odo, p ode-s e inferir q ue, s e a p es s oa contes ta a etap a de um p roces s o do q ual faz p arte, talvez deva s er q ues tionada em s ua p articip aç ã o. P erceb e-s e q ue o p ouco tem p o de exis tê ncia do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe, em U b erab a, é ap ontado com o um dos fatores q ue jus tificam, ainda, o des conh ecim ento, p or p arte de alguns s etores, tanto da s ociedade q uanto em p res ariais. Em contrap artida, o fato do s eu reconh ecim ento p elo p ró p rio M EC M inis té rio da Educaç ã o e C ultura antes m es m o da graduaç ã o da p rim eira turm a, e o cons iderá vel nú m ero de op ortunidades de em p rego ob tidas p elos acadê m icos, ap ontam p ara o com p rom etim ento de grande p arte dos envolvidos no p roces s o de divulgaç ã o do curs o. A q ues tã o nú m ero oito dem ons trou q ue da grande m aioria dos acadê m icos q ue p articip aram da p es q uis a, 3 2% ob tiveram s ua p rim eira op ortunidade de em p rego/es tá gio rem unerado no 1º p eríodo da faculdade. D entre os dem ais acadê m icos, 10 % tiveram s ua p rim eira op ortunidade de em p rego/es tá gio rem unerado no 2º p eríodo; 15 % no 3 º p eríodo; 7 % no 4 º p eríodo; 24 % no 5 º p eríodo; 7 % no 6 º p eríodo; 5 % no 7 º p eríodo e nenh um dos p es q uis ados no 8 º p eríodo. A exp os iç ã o des s es fatos s ugere a exis tê ncia de um a os cilaç ã o das op ortunidades de em p rego/ es tá gio rem unerado do 1º ao 5 º p eríodo, b em com o o es tab elecim ento de um a relaç ã o com o fato de q ue a m aioria dos alunos da ins tituiç ã o já es teja em p regada no ú ltim o p eríodo do curs o. A aná lis e da q ues tã o nove dem ons trou a am p litude das á reas de atuaç ã o, com o tam b é m a divers idade de com p etê ncias e h ab ilidades des envolvidas p elo curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe, p ois foram citadas q uinz e diferentes á reas nas q uais os acadê m icos atuavam dentro 20 Inform aç ã o ob tida p or m eio de entrevis ta com o P rofes s or e C oordenador do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U, Sé rgio L uiz H illes h eim.

6 Secretariado Executivo Bilíngüe/ Office administration 13 7 das em p res as. D entre as q ue m ais s e des tacaram p ode-s e m encionar: á rea A dm inis trativa com 26 % ; R ecep ç ã o e A tendim ento ao P ú b lico, tam b é m com 26 % ; Secretariado com 17 % ; R ecurs os H um anos com 4 % ; e V endas com outros 4 %. A s outras á reas citadas foram : O rganiz aç ã o de D ocum entos, M agis té rio, D ep artam ento de P es s oal, C ontab ilidade, A uxiliar de Im p ortaç ã o, T elemark eting, C om p ras e L icitaç õ es, Bib lioteca, D ivulgaç ã o e C om unicaç ã o, todas com 2%. Em b ora ainda exis ta, p or p arte de alguns, a as s ociaç ã o da p rofis s ã o ap enas com o agendam ento de reuniõ es, atendim ento telefô nico, trans criç ã o de m ens agens, entre outras tarefas de m enor relevâ ncia, p odes e afirm ar q ue o atual p ap el des em p enh ado, nas em p res as, p elo s ecretá rio executivo req uer m uitas outras h ab ilidades. D e acordo com a p ercep ç ã o de G uim arã es (20 0 1, p. 3 8 ): T radicionalm ente, os curs os p ara s ecretá ria ab ordavam ap enas a p arte té cnica com o redaç ã o, atendim ento telefô nico e organiz aç ã o de agenda. A tualm ente, com a m udanç a no p erfil p rofis s ional, os p rogram as envolvem á reas com o M ark eting, C ontab ilidade, F inanç as e M atem á tica F inanceira, entre outras. O curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe fundam enta-s e em q uatro p ilares b á s icos q ue s ã o: a G es tã o, a C ons ultoria, a A s s es s oria e o Em p reendedoris m o e b us ca p rep arar o p rofis s ional p ara q ue p os s a atuar em diferentes s etores tanto em em p res as p rivadas, q uanto p ú b licas. A p rincíp io, s e p oderia cons iderar com o s urp reendente a exp res s iva votaç ã o ob tida na q ues tã o dez (10 ), p or algum as dis cip linas do curs o, com o s endo aq uelas q ue m ais p udes s em auxiliar o acadê m ico na realiz aç ã o de s uas tarefas na em p res a. P oré m, p erceb e-s e, claram ente, q ue dentre as q ue m ais s e des tacaram es tã o, jus tam ente, aq uelas q ue faz em p arte da grade curricular dos p eríodos nos q uais os acadê m icos m ais tiveram op ortunidades de em p rego, q ue foram o p rim eiro e o q uinto p eríodos. D entre as dis cip linas ap ontadas, as q ue m ais ap areceram foram : A dm inis traç ã o com 12% ; L íngua P ortugues a com 11% ; R edaç ã o C om ercial com 10 % ; A rq uivo e D ocum entaç ã o com 9 % ; C om unicaç ã o Em p res arial e F unç õ es Secretaria Executiva, am b as com 8 %. A s eguir foram m encionadas as dis cip linas de M atem á tica F inanceira, Es p anh ol, Inglê s, T odas, C ontab ilidade, entre outras. N o total foram citadas dez enove dis cip linas, fator q ue m uito colab ora p ara reforç ar a am p litude de á reas de atuaç ã o q ue o p rofis s ional s ecretá rio executivo p ode s er ins erido e o am p lo des envolvim ento de h ab ilidades p rop orcionado p elo curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe. A grande q uantidade de dis cip linas m encionadas nes s a q ues tã o condiz com a am p litude de á reas de atuaç ã o dos acadê m icos citadas na q ues tã o anterior. P ara M edeiros (19 9 9, p. 18 ): [...] s e antes os curs os de s ecretariado ofereciam té cnicas de organiz aç ã o de es critó rio, de atendim ento telefô nico e organiz aç ã o de es critó rios, h oje é neces s á rio q ue os curs os de s ecretariado ab ordem adm inis traç ã o, m ark eting, com é rcio exterior, contab ilidade, finanç as, p roces s am ento de dados (inform á tica), us o de eq uip am entos de com unicaç ã o, com o cop iadoras, fax, m icrocom p utadores, calculadoras financeiras. N eces s á rio res s altar q ue dentre as dis cip linas m encionadas p elos acadê m icos, a m aioria é de cunh o teó rico, o q ue dem ons tra a im p ortâ ncia do conh ecim ento da teoria p ara s ua p os terior ap licaç ã o p rá tica. A lé m dis s o, faz -s e neces s á rio acres centar q ue no 7 º e 8 º p eríodos, os acadê m icos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe devem realiz ar, ob rigatoriam ente, um es tá gio curricular s up ervis ionado, p or um p eríodo m ínim o de noventa h oras, em cada um dos s em es tres. T al exigê ncia vis a, jus tam ente, a conciliaç ã o das atividades teó ricas com o as p ecto p rá tico. P ara finaliz ar, a q ues tã o onz e p rop unh a duas ab ordagens dis tintas. U m a em relaç ã o ao tip o de vínculo exis tente entre o acadê m ico e a em p res a, a fim de verificar tanto o p ercentual de op ortunidades de em p rego, q uanto o de op ortunidades de es tá gio rem unerado. P erceb eu-s e q ue 6 0 % das p es s oas p es q uis adas p ertenciam ao grup o de es tagiá rios ; 3 8 % das p es s oas p ertenciam ao grup o dos contratados com vínculo em p regatício, enq uanto 2% nã o inform aram. Em relaç ã o à faixa s alarial, ob teve-s e o s eguinte res ultado: 5 2% dos acadê m icos ganh am um s alá rio m ínim o, fato exp licá vel p ela m aior q uantidade de p es s oas q ue es tã o vinculadas à s em p res as com o es tagiá rios. N ota-s e, p oré m, q ue o p ercentual de es tagiá rios é m aior q ue o das p es s oas q ue ganh am um s alá rio m ínim o, o q ue p erm ite concluir q ue nem todos os es tagiá rios es tã o ins eridos nes s a faixa s alarial. O b s erva-s e, ainda, q ue 29 % dos acadê m icos ganh am dois s alá rios m ínim os ; 12% es tã o na faixa dos trê s s alá rios m ínim os ; 1% p erceb e q uatro s alá rios m ínim os e 4 % nã o inform aram a renda. C onclui-s e q ue a m é dia s alarial dos acadê m icos p es q uis ados é de 1,6 4 s alá rios m ínim os, q ue a m é dia dos s alá rios dos es tagiá rios é de 1,0 8 s alá rios m ínim os e q ue es s a m é dia aum enta p ara 2,3 1 s alá rios m ínim os q uando s e analis a ap enas a s ituaç ã o daq ueles q ue já es tã o contratados. A conq uis ta de um a vaga no m ercado de trab alh o com o contratado ou m es m o com o es tagiá rio rem unerado, rep res enta um a im p ortante op ortunidade oferecida aos alunos p ara ap rim orarem os s eus conh ecim entos, p or m eio da adeq uaç ã o da teoria com a p rá tica. A lé m de s ignificar financeiram ente, p ara m uitos, a garantia das condiç õ es de continuidade dos es tudos. R econh ece-s e q ue a m é dia s alarial ap res entada na p es q uis a, m os tra-s e dis tante da m é dia s alarial de um a s ecretá ria executiva já form ada, q ue de acordo com a afirm aç ã o de G uim arã es (20 0 1, p. 4 6 ), varia na regiã o Sudes te: de a reais. P oré m, vale, ainda, des tacar q ue a s im p les graduaç ã o nã o condiciona as

7 13 8 Secretariado Executivo Bilíngüe/ Office administration p es s oas ao receb im ento de altos s alá rios. O acadê m ico deve es tar cons ciente de q ue as grandes op ortunidades s alariais es tarã o, p or certo, reves tidas de grandes exigê ncias q uanto à dem ons traç ã o de h ab ilidades p ara o exercício da funç ã o e q ue a exterioriz aç ã o de tais h ab ilidades, dep enderá, em m uito, do com p rom etim ento do aluno com o curs o no decorrer de s ua vida acadê m ica. CONCLUSÃO P ara refletir s ob re o conteú do cons iderado, nes te es tudo, é interes s ante des tacar q ue todo e q ualq uer m odelo de com unicaç ã o, b em com o, todo e q ualq uer p lano de m ark eting exigem um cons tante acom p anh am ento e q ue, p or m ais q ue s ejam exp lícitas as evidê ncias de um m odelo ou p lano b em s ucedido, s em p re exis te a neces s idade de s e realiz ar m odificaç õ es, com o p rop ó s ito de im p lantar m elh orias. T anto em com unicaç ã o, q uanto em m ark eting, nã o s e p ode im aginar, nem tam p ouco adm itir q ue s e tenh a dado a ú ltim a p alavra. O s avanç os tecnoló gicos identificados nas ú ltim as dé cadas, em relaç ã o à rap idez da veiculaç ã o das m ens agens, em decorrê ncia da invenç ã o de novos eq uip am entos, nã o m ais p erm item ao h om em s eq uer im aginar q ual o s eu lim ite em relaç ã o a es s e as s unto. D a m es m a form a, a cada dia q ue p as s a, o s er h um ano s e defronta com o s urgim ento de novas neces s idades, p or ele m es m o criadas. A s s im s endo, q uando s e adm ite a eficá cia da com unicaç ã o no m ark eting do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe das F aculdades A s s ociadas de U b erab a F A Z U a p artir das inform aç õ es e dados analis ados, s ugere-s e q ue nã o s e tom e es s a afirm aç ã o com o um indicador de q ue inexis ta um a neces s idade de im p lantaç ã o de m elh orias no m es m o. O p ró p rio p eríodo de exis tê ncia do curs o cons titui fator notó rio e determ inante p ara q ue s e trab alh e com vis tas a fortalecer as atividades de divulgaç ã o. P oré m, ao m es m o tem p o, ap res enta-s e com o fator p rep onderante, res s altar q ue m uito já foi conq uis tado em tã o p ouco tem p o. P erceb e-s e, ainda, q ue nem todos os acadê m icos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe dem ons tram, em s eu íntim o, es tar cons cientes do p ap el de divulgadores e m ultip licadores de inform aç õ es, a res p eito do curs o, no q ual es tã o ins eridos. A com p rovaç ã o da tal ocorrê ncia deus e, p rincip alm ente, p elas contradiç õ es ap ontadas nas res p os tas colh idas do q ues tioná rio res p ondido p elos acadê m icos, q ue p oderiam s er res ultantes da falta de m aturidade acadê m ica, um a vez q ue um alto p ercentual dos p es q uis ados es tá na faixa etá ria dos 18 a 23 anos. Sugere-s e, p ois, q ue a ob s ervâ ncia de tal ocorrê ncia p os s a rep res entar um indício da neces s idade de m as s ificaç ã o da idé ia de q ue o p ró p rio acadê m ico es tá reves tido do cará ter de m aior divulgador do curs o. A firm ou-s e, inicialm ente, q ue a im p ortâ ncia da p res ente p es q uis a s e jus tificou p elo fato de q ue, dentre os vá rios q ues tionam entos feitos p elos univers itá rios, durante o p ercurs o da vida acadê m ica, aq ueles q ue m ais os im p ortunavam es tariam diretam ente relacionados com o reconh ecim ento da im p ortâ ncia de s ua futura p rofis s ã o p or p arte do m eio em p res arial; com a am p litude de op ortunidades p rofis s ionais q ue a s ua futura p rofis s ã o s eria cap az de lh es oferecer e com as p os s ib ilidades em p regatícias q ue p oderiam advir, ap ó s a conclus ã o do curs o. L ogo, p ara os acadê m icos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe es tas indagaç õ es nã o p oderiam s er diferentes. P oré m, acredita-s e q ue os fatos exp os tos s ejam s uficientes p ara dem ons trar am p litude do m ercado a s er exp lorado, b em com o, as inú m eras op ortunidades q ue p oderã o s er conq uis tadas p elos futuros p rofis s ionais s ecretá rios executivos, oriundos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U. Sup õ e-s e, ainda, q ue: A eficá cia da com unicaç ã o no m ark eting do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe das F aculdades A s s ociadas de U b erab a F A Z U com o m eio de des envolvim ento p rofis s ional tenh a s ido dem ons trada de m odo irrefutá vel. Sendo q ue, tal afirm aç ã o b as eia-s e nas evidê ncias com p rob ató rias das inú m eras op ortunidades de em p rego e es tá gio rem unerado oferecidas aos alunos do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U, p or m eio da com unicaç ã o direta com o m ercado em p res arial, ou ainda, com as entidades rep res entativas do interes s e des s e m ercado. A lé m dis s o, reforç a-s e es s e p ens am ento p ela dem ons traç ã o dos inú m eros veículos de divulgaç ã o utiliz ados p ela faculdade, tanto em cará ter de p rop aganda q uanto p ub licitá rio, nos p eríodos p ré e p ó s - ves tib ular, as s im com o, p or um a s é rie de conq uis tas ob tidas em tã o p ouco tem p o de exis tê ncia do curs o, dentre as q uais s e des taca a ap rovaç ã o junto ao M EC, antes m es m o da graduaç ã o da p rim eira turm a de acadê m icos. O u s eja, o reconh ecim ento ocorreu q uando a 1º turm a curs ava o 7 º p eríodo do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe. Is s o cons titui exceç ã o à regra, tendo em vis ta q ue a m aioria dos curs os de graduaç ã o, oferecidos p elas faculdades p rivadas, s ã o avaliados, p odendo s er reconh ecidos, ou nã o, ap enas ap ó s a form atura da 1ª turm a do curs o. D es taca-s e, aq ui, um a p arte do relató rio das avaliadoras do M EC, cujo conteú do des taca a q ualidade do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U e faz a indicaç ã o notó ria e exp res s a p ara o reconh ecim ento. O curs o de Bach arelado em Secretariado Executivo Bilíngüe da F A Z U encontra-s e em um cam p us univers itá rio p rivilegiado, no q ue concerne a s ua arq uitetura e m eio am b iente. C ercada p or um cinturã o verde, é um lugar agradá vel de s e es tar e es tudar. Le v a n d o -s e e m c o n s id e r a ç ã o to d o s o s fa to r e s a v a lia d o s, p e r c e b e -s e q u e h á u m tr a b a lh o s é r io s e n d o d e s e n v o lv id o, p r in c ip a lm e n te n o q u e ta n g e à p a r tic ip a ç ã o e a o c o m p r o m e tim e n to d a c o o r d e n a ç ã o e d o c o r p o d o c e n te e d is c e n te c o m a q u a lid a d e d o c u r s o, o q u e fic a e v id e n c ia d o n o p r o je to p e d a g ó g ic o e n o d e s e n v o lv im e n to c u r r ic u la r. H á m uita clarez a, tanto do corp o adm inis trativo q uanto do corp o docente, em relaç ã o aos as p ectos

8 Secretariado Executivo Bilíngüe/ Office administration 13 9 do curs o a s erem des envolvidos e ap erfeiç oados. H á u m a e fe tiv a p a r tic ip a ç ã o d o c o r p o d o c e n te e d is c e n te n o s e v e n to s d e Ex te n s ã o. R ecom endam os q ue a IES cons ulte o M EC /IN EP s ob re a p os s ib ilidade de alteraç ã o da nom enclatura do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe p ara Secretariado Executivo T rilíngüe, um a vez q ue os alunos es tudam, ob rigatoriam ente, trê s línguas : a p ortugues a, a ingles a e a es p anh ola. P a r a fin a liz a r c o m p e te -n o s a in d a s a lie n ta r o b o m r e la c io n a m e n to o b s e r v a d o e n tr e a Dir e ç ã o, Co o r d e n a ç ã o. Co r p o d o c e n te e d is c e n te, o q u e p e r m ite u m tr â n s ito fá c il e n tr e a s in s tâ n c ia s a d m in is tr a tiv a s e p e d a g ó g ic a. P erceb e-s e q ue alunos e p rofes s ores tê m grande res p eito m ú tuo. R es s altam os q ue a IES (toda a com unidade) m os trou-s e s olícita, dis p onível e gentil, nas atividades inerentes ao p roces s o de avaliaç ã o. F rente ao exp os to, es ta C om is s ã o ratifica a recom endaç ã o de reconh ecim ento do curs o ao IN EP. 21 (Gr ifo n o s s o ). F inaliz ando, cons idera-s e q ue o p ró p rio p arecer das avaliadoras do M EC, em itido à é p oca do reconh ecim ento do curs o, enfatiz a a p articip aç ã o e o com p rom etim ento da coordenadoria, do corp o docente e dis cente com a q ualidade do curs o; a efetiva p articip aç ã o dos corp os docente e dis cente, nos eventos de extens ã o, b em com o, s alienta o b om relacionam ento entre a direç ã o, coordenaç ã o, corp o docente e dis cente. T ais afirm aç õ es, alé m de res s altar e com p rovar a utiliz aç ã o da com unicaç ã o interna, utiliz ada no p lano de m ark eting do curs o, reforç a a h ip ó tes e ap res entada, relativa: À eficá cia da com unicaç ã o no m ark eting do curs o de Secretariado Executivo Bilíngüe das F aculdades A s s ociadas de U b erab a F A Z U. C ESC A, C leus a G ertrudes G im enes. Co m u n ic a ç ã o d ir ig id a e s c r ita n a e m p r e s a : teoria e p rá tica. 2. ed. Sã o P aulo: Sum m us, p. C O N N O R, D ick ; D A V ISO N, J effrey P. (colab.). Ma r k e tin g d e s e r v iç o s p r o fis s io n a is e c o n s u lto r ia. 2. ed. Sã o P aulo: M ak roon Book s, p. D O L A BEL A, F ernando. Ofic in a d o e m p r e e n d e d o r. 6. ed. Sã o P aulo: Ed. C ultura, p. K O T L ER, P h ilip. Ma r k e tin g. C om p acta. 3. ed. Sã o P aulo: A tlas, p. K O T L ER, P h ilip ; A R M ST R O N G, G ary. In tr o d u ç ã o a o m a r k e tin g. 4. ed. R io de J aneiro: L T C, p. L EM O S, C arlos Eduardo et al. La b o r a tó r io d e m a r k e tin g. Sã o P aulo: N ob el, p. M A N Z O, J os é M aria C am p os. Ma r k e tin g : um a ferram enta p ara o des envolvim ento. 12. ed. rev. e am p l. R io de J aneiro: L T C, p. M C C A R T H Y, E. J erom e; P ER R EA U L T J R., W illiam D. Ma r k e tin g e s s e n c ia l: um a ab ordagem gerencial e glob al. Sã o P aulo: A tlas, p R eceb ido em : 21/0 3 / A ceito em : 0 7 /0 9 / REFERÊ NCIAS BA H IA, Benedito J uarez. In tr o d u ç ã o à c o m u n ic a ç ã o e m p r e s a r ia l. 2. ed. R io de J aneiro: M auad, p. BER L O, D avid K. O p r o c e s s o d e c o m u n ic a ç ã o : introduç ã o à teoria e à p rá tica. Sã o P aulo: M artins F ontes, p. BL IN K ST EIN, Iz idoro. Té c n ic a s d e c o m u n ic a ç ã o e s c r ita. 20. ed. Sã o P aulo: Á tica, p. C A R V A L H O, A ntô nio P ires de; G R ISSO N, D iller (O rg.). Ma n u a l d o s e c r e ta r ia d o e x e c u tiv o. Sã o P aulo: D livros, p. 21 C ó p ia fiel de p arte do texto extraído do relató rio em itido p elas avaliadoras ad h oc do M EC, D enis e G as s enferth e A p arecida N egri Is q uerdo, recom endando o reconh ecim ento do curs o junto ao IN EP.

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

D E R IS C O S. jg a m a g odoy@g m a il.c om D E S D E Q U E C ITA D A A FO N TE E P A R A U S O D ID Á TIC O.

D E R IS C O S. jg a m a g odoy@g m a il.c om D E S D E Q U E C ITA D A A FO N TE E P A R A U S O D ID Á TIC O. P R O G R A M A D E G E R E N C IA M E N TO D E R IS C O S J O Ã O G A M A G O D O Y jg a m a g odoy@g m a il.c om P E R M ITID A A R E P R O D U Ç Ã O P A R C IA L O U TO TA L D E S D E Q U E C ITA D

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO

BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO BOA VISTA SERVIÇOS SCPC INTEGRADO Objetivo Permitir ao cliente consultar as informações referentes aos registros de débitos (comprador / avalista), títulos protestados, consultas anteriores (SCPC), central

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

C A I X A E C O N Ô M I C A F E D E R A L. www.caixa. gov. br

C A I X A E C O N Ô M I C A F E D E R A L. www.caixa. gov. br C A I X A E C O N Ô M I C A F E D E R A L www.caixa. gov. br PSH P r o g r a ma d e S u b s í d i o à H a b i t a ç ã o d e I n t e r e s s e S o c i a l O QUE É L i n h a d e c r é d i t o p a r a a p

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VALORIZAÇÃO DO COLABORADOR NOS EMPREENDIMENTOS HOTELEIROS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DA VALORIZAÇÃO DO COLABORADOR NOS EMPREENDIMENTOS HOTELEIROS RESUMO A IMPORTÂNCIA DA VALORIZAÇÃO DO COLABORADOR NOS EMPREENDIMENTOS HOTELEIROS PEREIRA, Rosemeire dos Santos Curso de Turismo Faculdade de Ciências Humanas ACEG Garça SP C H E H A D E, M ichelle B ellintani

Leia mais

Gerência e Segurança d e R ed es W irel es s Claudia Pereira c lp ereir@ c is c o. c o m 1 Aplicaçõ e s I n t e r at iv as X Aplicaçõ e s T r an s acio n ais 1950s-1990s C a r t a s e me mo r a n d o s

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quant o à veloc idade Rápidas: neut ralizaç ões em m eio aquoso, c om bust ões,...

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e Ciclo de Palestras UDia do Farmacêutico OBJETIVO Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e a tua liza r os p rofissiona is c om

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas

Análise e Concepção de Sistemas Análise e Concepção de Sistemas de Informação Caso de Estudo Versão 1.0 HouseWorks 2004-2005,QWURGXomR O pres en te docu m en to tem com o objectivo a pres en ta r o en u n cia do do projecto de s u porte

Leia mais

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009

Workshop da Micro e Pequena Indústria. Licenciamento Ambiental. CIESP Sorocaba 26/maio/2009 Workshop da Micro e Pequena Indústria Licenciamento Ambiental CIEP orocaba 26/maio/2009 O CIEP - Regionais Meio Ambiente CIEP 31 grupos MA formados +9500 Empresas e 43 DRMD s ~ 290 profissionais voluntários

Leia mais

P la no. B a nda L a rg a

P la no. B a nda L a rg a de P la no N a c io na l B a nda L a rg a 1 Sumário 1. Im p o r tâ n c ia E s tr a té g ic a 2. D ia g n ó s tic o 3. O b je tiv o s e M e ta s 4. A ções 5. In v e s tim e n to s 6. G o v e r n a n ç a

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

Faculdade de Educação de Guaratingue tá ANEXOS 2015

Faculdade de Educação de Guaratingue tá ANEXOS 2015 Faculdade de Educação de Guaratingue tá ANEXOS 2015 Curs o: Pe dagogia OR GAN IZAÇÃO GUAR Á D E EN S IN O Av. Pe d ro de To le do, 195, V ila Pa raí ba (12) 3123 3123/3123 3128 Guara tingue tá SP - CEP

Leia mais

Assistência Empresarial Gratuita ARTIGO 1 - DEFINIÇÕES A ) USUÁRIO:

Assistência Empresarial Gratuita ARTIGO 1 - DEFINIÇÕES A ) USUÁRIO: Assistência Empresarial Gratuita ARTIGO 1 - DEFINIÇÕES A ) USUÁRIO: B ) P ESSOA USUÁRIA: Entende-se por Pessoa Usuá ria, alé m do proprietá rio, os funcioná rios da Empresa, desde q ue, devidamente registrados

Leia mais

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX Ribeirão Preto

MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX Ribeirão Preto MECANISMOS DE FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior GECEX Ribeirão Preto FINANC IAMENTOS À EXPOR TAÇ ÃO Adiantamento s obre C ontrato de C âmbio AC C Adiantamento

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e

EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s e R e f l e x õ e s Dagmar Aparecida Trautmann E s t a D i s s e r t a ç ã o f o i j u l g a d a a d e UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA P RO G RAM A DE P Ó S-G RADUAÇ Ã O EM CIÊ NCIA DA CO M P UTAÇ Ã O D a g m a r A p a r e c i d a T r a u t m a n n EDUCAÇÃO, ÉTICA E TECNOLOGIA Im p r e s s õ e s

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO A Pró-Reitoria d e Pesquisa e Pós-Graduação d o Centro Universitário UnirG torna públic o o presente Edita l p ara a abertura d e insc

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

C âmara Técnica de Economia e Meio Ambiente G R UPO DE TR AB ALHO

C âmara Técnica de Economia e Meio Ambiente G R UPO DE TR AB ALHO C âmara Técnica de Economia e Meio Ambiente G R UPO DE TR AB ALHO PAPEL R EC IC LADO S US TE NTAB ILID AD E Ambiental E conômico S ocial P rincípios: P revenção S ubstituição P oluidor pagador C oerência

Leia mais

F o l h a d e D a d o s d o S e r v i ç o S e r v i ç o d e S e c u r i t y P o s t u r e A s s e s s m e n t d a C i s c o Identifiq u e, anal ise e rep are as v u l nerab il idades de seg u ranç a da

Leia mais

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE N 5 / junho/julho - Cuba - Sergipe - 2011 Médicos de ciência e consciência Informativo Eletrônico ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE Palestra sobre Cuba em

Leia mais

Prof. Mat eus Andrade

Prof. Mat eus Andrade A Term oquím ic a t em c om o objet ivo o est udo das variaç ões de energia que ac om panham as reaç ões quím ic as. Não há reaç ão quím ic a que oc orra sem variaç ão de energia! A energia é c onservat

Leia mais

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I.

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. DAN TAS 1, Jessica Soares SILVA 2, Mykeline Vieira da CCHLA/ DLEM/ PROBEX RES

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

S EG UR O DE PR E Ç OS AG R IC ULTUR A FAMILIAR

S EG UR O DE PR E Ç OS AG R IC ULTUR A FAMILIAR MINIS TÉR IO DO DES ENVOLVIMENTO AG R ÁR IO S EG UR O DE PR E Ç OS PAR A A AG R IC ULTUR A FAMILIAR Perg untas e R es pos tas 1- O que é o S eg uro de Preços para a Ag ricultura Familiar? R É um mecanis

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano Prefeitura do Município de Carapicuíba Secretaria Municipal de Planejamento Urbano L e i M u n i c i pa l n. º 2 1 0 7, d e 0 5 d e J u l h o d e 1 9 9 9. Dispõe s o b r e a d i v i s ã o d o ter r i t

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016 Identificação Área de Avaliação: Medicina Veterinária Coordenador de Área: Maria Angelica Miglino Coordenador-Adjunto de Área: Eduardo Paulino da Costa Coordenador-Adjunto de Mestrado Profissional: Francisca

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 R eg is tro de P rodutos R em edia dores Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 Remediadores Ambientais LEGIS LAÇÃO ES PECÍFICA: Res olução CONAMA nº 314, de 29/10/2002 D is põe

Leia mais

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV

MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA MANUAL DE ESTRUTURA, NORMAS E PROCESSOS DA BIBLIOTECA DA FESVV Bibliotecária Luzia Ribeiro 2010 Juarez Moraes Ramos Júnior Diretor Geral Luiz Cláudio

Leia mais

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Coordenação Profa Carla Alessandra Lima Reis Prof Rodrigo Quites Reis http://www.processode Roteiro Introdução Elementos Motivadores

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL)

Mét odo do Valor At ual (VA) ou Valor Pr esent e Líquido (VPL) Mét odo do Valor At ual () ou Valor r esent e Líquido (VL) O mét odo do Valor At ual () per mit e que conheçamos as nossas necessidades de caixa, ou ganhos de cer t o pr oj et o, em t er mos de dinheir

Leia mais

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 ASSUNTO: GPC Participações S.A. Recurso adm inistrativo Processo CVM RJ-2014-4201 Senhor Gerente, I. Síntese 1. Trata-se de recurso

Leia mais

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia

I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de. E n gen h a r ia I n tr oduçã o a G es tã o da Qua lida de E n gen h a r ia P r ofes s or Bacharel em Administração de Empresas com Ênfase em Gestão da Informação; MBA em Gestão da Qualidade e Produtividade; 20 anos de

Leia mais

C A P A C ID A D E D E S U P O R TE A M B IE N TA L N A S R E G I 0 9 E S M E TR O P O LITA N A S

C A P A C ID A D E D E S U P O R TE A M B IE N TA L N A S R E G I 0 9 E S M E TR O P O LITA N A S 1 3C A P A C ID A D E D E S U P O R TE A M B IE N TA L N A S R E G I 0 9 E S M E TR O P O LITA N A S R e in a ld o D ia s 1 3IN TR O D U 0 5 0 1 O - U rba niza 0 4 0 0 o n 0 0 o pla neja da - C onurba

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental Izac Trindade Coelho 1 1. I n t r o d u ç ão Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão! (Graciliano Ramos)

Leia mais

CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE SERVIÇOS

CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE SERVIÇOS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Assunto: Processo CVM Nº RJ 2014/6202. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

SOFT WA RE DE GEST Ã O

SOFT WA RE DE GEST Ã O SOFTWARE DE GESTÃO Ambiente Computacional VISÃO GERAL DESCRIÇÃO QTD. TOTAL LINKS 596 SISTEMAS 131 MÁQUINAS EM REDE 4560 USUÁRIOS 6525 TÉCNICOS 324 CENTRAL DE ATENDIMENTO 48 COLABORADORES QTD. ATENDIMENTOS

Leia mais

elefone de carro profissional Mais do que um simples telefone de carro com o sistema m os li res de primeira classe e caracte r sticas e clusi as.

elefone de carro profissional Mais do que um simples telefone de carro com o sistema m os li res de primeira classe e caracte r sticas e clusi as. Mais do que um simples telefone de carro o o P CarPhone 5 Series ualidade de o de primeira classe em modo m os li res eceç o ideal de ido ligaç o da antena Sistema aut nomo com suporte do cart o S parelho

Leia mais

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Eduardo L.G. Rios-Neto Belo Horizonte, 11 de outubro de 2013 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO: I. Comentários Gerais Introdutórios II. III. IV. Pareamento de

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s

IX FÓRUM APCER. EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s IX FÓRUM APCER EXCELÊNCIA EMPRESARIAL PARA PME s AGENDA Breve Apresentação AIP Projecto Excelência Empresarial Modelo EFQM Associação Industrial Portuguesa Criada em 1837 MISSÃO É uma instituição privada

Leia mais

ESTUDO 11 A TORRE DE BABEL :O pesadelo de viver sem Deus Gênesis 10:1-11.1-32

ESTUDO 11 A TORRE DE BABEL :O pesadelo de viver sem Deus Gênesis 10:1-11.1-32 ESTUDO 11 A TORRE DE BABEL :O pesadelo de viver sem Deus Gênesis 10:1-11.1-32 : Os capítulos 10 e 11 de Gênesis formam um bloco só dentro da narrativa do livro de Gênesis. O capítulo 10 é formado por uma

Leia mais

Processo CVM nº RJ2013/11017

Processo CVM nº RJ2013/11017 Processo CVM nº RJ2013/11017 Interessados: Assunto: Diretora Relatora: Citibank DTVM S.A. Pedidos de dispensa de requisitos da Instrução CVM nº 356, de 2001, com alterações introduzidas pela Instrução

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 200910861 Código MEC: 361064 Código da Avaliação: 84943 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Intrumento: RELATÓRIO

Leia mais

N E W S L E T T E R R E E S T R U T U R A Ç Ã O E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S

N E W S L E T T E R R E E S T R U T U R A Ç Ã O E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S N E W S L E T T E R R E E S T R U T U R A Ç Ã O E R E C U P E R A Ç Ã O D E E M P R E S A S I m porta, p o is, a nalisar o s traç os gerai s d o s i s t em a j u rí di c o n o q u e à r ec u pera ç ã o

Leia mais

Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais *

Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais * Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais * Fábio Wanderley Reis E ste texto não pretende ser nem um relato factual n em um depoim ento pessoal a respeito da pós-graduação. Além disso, não

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/10139. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da

Leia mais

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Passo a passo para consulta ao Banco de Dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. W Favoritos I ~ la..q.,ft >> CJJ lij ~ ~ Página Segurança

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2/8/201 e-mec - Funcionário MEC Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20120377 Código MEC: 83997 Código da Avaliação: 1080 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status:

Leia mais

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD.

COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. COMBINAR CORRESPONDENCIA, CREACIÓN DE INDICES Y TABLAS DE CONTENIDO EN MICROSOFT WORD. I.E.S. ANDRÉS DE VANDELVIRA J. G a r r i g ó s ÍNDICE 1 COMBINAR CORRESPONDENCIA... 2 2. CREACIÓN DE ÍNDICES EN MICROSOFT

Leia mais

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS

REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS REGULAMENTO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA UNICRED ALAGOAS Dispõe Sobre o Regulamento de Aplicação de Recursos Destinados Pela Assembleia Geral da Unicred Alagoas em Projetos de Ações Sociais O Conselho

Leia mais

As marcas dos castigos na infância

As marcas dos castigos na infância Seminário Educar Sem Castigo Discutindo o Projeto de Lei 7672/2010 As marcas dos castigos na infância Cida Alves Núcleo de Prevenção da Violências e Promoção da S aúde S MS de Goiânia Rede Não B ata Eduque

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Diagrama de Seqüência

Diagrama de Seqüência Diagrama de Seqüência Características Básicas É um diagrama de interação e considera aspectos dinâmicos; Define como os objetos colaboram; Ênfase na ordenação temporal; Captura o comportamento de um cenário

Leia mais

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV Page 1 of 5 %RDFRPXQLFDomRLQWHUQDpYDQWDJHPFRPSHWLWLYD $FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV 1DUD'DPDQWH Do presidente para

Leia mais

P ro f. Ma te u s An d ra d e

P ro f. Ma te u s An d ra d e Um efeit o c oligat ivo é um a m odific aç ão em c ert as propriedades de um solvent e quando nele adic ionados um solut o não-volát il, a qual só depende do núm ero de part íc ulas (m oléc ulas ou íons)

Leia mais

PROGRAMA DE ESTUDOS E

PROGRAMA DE ESTUDOS E ESTU DO S & PESQ UISA S PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM REFORMA DO ESTADO E GOVERNANÇA Fundação Getúlio Vargas / Escola Brasileira de Administração Pública* OEstado brasileiro vem passando por transformações

Leia mais