Mestrado Online respostas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mestrado Online respostas"

Transcrição

1 Mestrado Online respostas Resumo 1. Por que razão escolheu este mestrado em regime online? 1. Escolhi o mestrado online porque é um mestrado que aborda questões relacionadas com a minha área de formação, e considero que seja muito importante para a minha carreira profissional, e gostaria de fazer este mestrado. E por ser à distância é muito facilitador para mim, pois a distância que tenho da universidade é muito grande. 2. Escolhi este mestrado em regime online pela questão de não ter horário para o fazer presencialmente. A modalidade online por colocar em questão as ferramentas digitais, o e-learning e formas novas de aprendizagem e de partilha de informação pareceu-me interessante como escolha para a temática em questão. 3. A minha escolha recaiu sobre este mestrado por diferentes razões. Contudo, a que mais pesou foi o facto de me permitir aprofundar conhecimento, numa área em que sentia existirem algumas lacunas, em regime e-learning. 4. A minha escolha baseou-se no facto de o regime online apresentar, na minha opinião, bastantes vantagens, tais como a possibilidade de frequentar uma formação com interesse para a minha prática profissional, num sistema que nos permite gerir onde e quando podemos realizar as tarefas (cumprindo os prazos, naturalmente), de evitar as deslocações para outro local e também por já ter uma experiência semelhante muito recompensadora. 5. Escolhi este mestrado em regime online essencialmente por uma questão geográfica, pois seria para mim impossível participar se não fosse no regime à distância. 6. Porque responde aos meus interesses e porque me poupa tempo e dinheiro nas deslocações que não são necessárias. 7. Por ser totalmente a distância. 2. O Mestrado está a corresponder às suas expetativas? Fundamente a sua resposta. 1. Não na totalidade, porque até ao momento ainda não houve o desenvolvimento de atividades vocacionadas para a Biblioteca Escolar em particular, a orientação tem sido mais generalizada do que eu esperava. 2. Sim, e muito. Considero que está a corresponder às minhas expetativas, pois estou a adquirir muitas aprendizagens e acho que será muito gratificante para a minha profissão. 3. Sim, está. As matérias correspondem aos meus interesses e a gestão das disciplinas tem qualidade nos seus vários aspetos.

2 4. Em grande medida sim. Tem-se tido acesso a muita informação que desconhecia e até alguma que do ponto de vista da investigação me permite compreender os mecanismos que têm feito da educação em Portugal um caminho de dúvidas e erros. Penso que do ponto de vista da temática Aprendizagem temos tido uma boa formação e alargou-nos os horizontes e a capacidade de superar as nossas limitações e as rotinas desenvolvidas ao longo de anos. Do ponto de vista da temática Tecnologias Digitais, esta formação abriu algumas janelas, mas penso ter sido insuficiente, nomeadamente em relação à questão das Bibliotecas Escolares. Ao nível da organização, gestão, promoção de literacias as disciplinas e os conteúdos oferecidos foram limitados na sua aplicação. O acompanhamento tem evoluído de muito bom a interessante, em função de diferentes disciplinas, o que vem comprovar o que já sabemos há muito, são as pessoas, não a tecnologia que faz a diferença. De um modo global penso que as expetativas que tinha estão num grau bastante satisfatório. 5. Sim. Confesso que o tema das tecnologias digitais aplicadas à educação é um tema que me interessa particularmente e por isso, tenho "agarrado" com especial interesse todas as temáticas aqui abordadas. Gostava que fosse mais prático, com a oportunidade de utilização de mais ferramentas aplicadas ao contexto escolar mas de uma forma geral estou satisfeita e este mestrado está a corresponder às minhas expectativas iniciais. 6. Sim, sem dúvida. Neste momento sinto-me mais preparada para fazer coisas que nunca pensei fazer. 7. Sim. O aprendizado tem-se desenvolvido através de articulações de atividades capazes de desenvolver diferentes aspetos. Segundo LANDIN, 1997, o sistema a distância implica em estudar por si só, mas o aluno não está sozinho. Há interação com os outros alunos e com os professores... através de feedbacks constantes. 3. Refira o que mudou nas suas práticas letivas desde que iniciou o Mestrado online. 1. Nas minhas práticas educativas já utilizava, na medida do possível uma vez que leciono disciplinas de caráter mais prático, as tecnologias digitais. O mestrado em particular apresentou um leque mais amplo e variado de ferramentas e a forma como se podem articular com o currículo e a forma de as otimizar. 2. Desde que iniciei o mestrado online já implementei aprendizagens que adquiri no mestrado, e na minha opinião correram muito bem. Mudei algumas práticas de acordo com as aprendizagens/conceitos que já aprendi. Até agora estou a gostar de realizar o mestrado. 3. Pouco mudou nas minhas práticas letivas na medida em que, dada a minha formação anterior, já comungava da maioria das ideias veiculadas nas várias disciplinas do mestrado. 4. Mudar práticas é uma tarefa difícil, por fatores tão diversos, como a nossa motivação, o projeto em que estamos envolvidos, o grau de integração na escola e as questões de gestão que estão quase sempre fora do nosso controle. 5. Não me parece que possa afirmar que mudei práticas letivas. Estive mais atento para as questões que organizam a aprendizagem, de acordo com as diversas teorias que fomos aprendendo. A integração curricular do digital, questão que já tentava na Biblioteca / sala de aula organizar foi enriquecida pelas participações do Prof. Fernando Costa e da Profª Sandra que deram pistas e possibilidades. Penso que ficou o incentivo a fazer, a modelar ideias, mas seria pouco honesto dizer que em sete meses se mudaram práticas. Elas dependem muito de fatores externos, que estão em clara regressão.

3 6. Mudou, essencialmente em termos de recursos. A utilização de recursos criados por mim, nas minhas práticas letivas, tem sido uma mais-valia. Algumas metodologias de trabalho. Atualmente mantenho o foco em uma abordagem mais investigativa e já consigo aplicar recursos apresentados por algumas disciplinas. 7. Estou muito mais desperta para o recurso à utilização de novas ferramentas nomeadamente numa política de prática colaborativa conjunta com os alunos. Procuro não só construir para os alunos mas inclui-los nessa minha construção tornando-os participantes ativos na construção de materiais. 4. Que dificuldades sente na frequência deste tipo de mestrado? 1. Neste tipo de mestrado não tenho sentido nenhuma dificuldade, mas tenho sentido dificuldades em conseguir conciliar a vida profissional, com a vida pessoal e familiar com as atividades do mestrado. 2. As dificuldades maiores que tenho sentido foi a gestão do tempo. Ler de 2ª a 4ª, meditar na 5ª e escrever no sábado ou ao domingo, é um ritmo difícil, até porque surgem novas fontes bibliográficas a que não dá tempo de consultar. O que escrevemos também precisava de mais tempo de reflexão e de aprimoramento. Em determinados assuntos acho que tinha preferido sessões presenciais. Embora haja aulas online, nomeadamente com o Colibri, de facto não é a mesma coisa. Nos trabalhos em grupo com os colegas é preciso alguma organização para não faltarmos aos encontros de partilha e discussão de informação e chegarmos a consensos. Quase sempre é possível, embora isso pressuponha que estamos todos com boa-fé e a procurar os caminhos que pretendemos percorrer, que é o de aprender colaborativamente e demonstrar o significado de algo que se aprendeu. 3. Nem sempre é possível cumprir os prazos estipulados. 4. Não sinto por ser «este tipo de mestrado». Tenho dificuldade em gerir o tempo mas isso não se deve a este tipo de mestrado. A única dificuldade que tive foi a certa altura ter de resolver problemas técnicos com a minha rede caseira, o que não consegui fazer em tempo útil. 5. Por enquanto acho que ainda não senti nenhuma dificuldade. 6. A maior dificuldade é, sem qualquer dúvida, o cumprimento dos prazos. Conciliar tudo o que temos para fazer, às vezes, não é fácil. 7. A minha principal dificuldade é a gestão do tempo... a dificuldade que tenho em me organizar para conseguir cumprir atempadamente todas as tarefas que nos têm sido propostas. 5. Concorda com as propostas de trabalho apresentadas pelas diferentes Unidades Curriculares? Justifique. 1. Julgo que têm sido, na sua grande maioria, adequadas aos objetivos definidos por cada UC. 2. Sim, concordo. São propostas interessantes, diversificadas e que envolvem diferentes tipos de trabalhos e meios/recursos. 3. Os trabalhos que nos têm proposto são muita leitura de bibliografia, análise da mesma e produção de trabalhos que apliquem os conceitos, dando conta de uma área de estudo dentro da temática da educação, da aprendizagem e do digital. Os produtos construídos quando passaram pelo digital também procurarão favorecer esta apreensão de informação, para a significação em cada um de nós do que se estudou. Concordo com as propostas de trabalho

4 apresentadas porque elas dão-nos formas de explorar estas temáticas, levando-nos ao conhecimento de um universo que era desconhecido em parte por mim. O comentário no fórum também me parece muito positivo como proposta, pois incentiva o conhecimento do que os colegas produzem, aumenta a interação e dá-nos algum feedback do que fizemos. 4. Sim. Cada unidade apresenta uma proposta diferente... e isto é positivo, pois ampliamos nossos conhecimentos acerca do assunto. 5. Sim concordo. Porque como o mestrado é online não há possibilidade de realizar as aulas presenciais. E assim, as atividades que são propostas possibilitam-nos a adquirir as competências pretendidas, mas de um modo mais autónomo. 6. Sim, concordo. São diversificadas e supõem um estudo apurado. Além disso apelam à construção de materiais com ferramentas que eu não conhecia, o que tem sio para mim muito útil e me tem levado a aprender bastante. 7. Concordo. No entanto, é importante frisar que em determinadas alturas há uma sobrecarga de recursos que é preciso ler e analisar e tarefas em simultâneo das várias unidades curriculares. Mas os temas e propostas são apelativos, capazes de nos despertar interesse, o que de certa forma ajuda a concretizar todas as tarefas propostas. 6. Dê a sua opinião sobre os textos/documentos facultados. 1. São sempre textos relevantes para a tarefa a realizar, devidamente selecionados para nos elucidar sobre as temáticas em estudo. 2. São de qualidade. Descobri contudo que há autores credenciados que falam de coisas que não conhecem; descobri que há gente que publica a cometer plágios e descobri que um erro na web 2.0 gera uma cacofonia acrítica de reprodução desse erro com a utilização de fontes de segunda mão. Só espero que isto não seja uma amostra representativa Excelentes! Diversificados e disponibilizados em mais de um idioma. 4. Os documentos facultados, considero que estão dentro das temáticas e objetivos pretendidos. E são muito úteis para a realização das tarefas. 5. Os textos facultados são bem fundamentados e adequados às temáticas em discussão e atividades propostas. 6. Os textos / documentos facultados são de um nível científico muito bom, dando-nos acesso a informação que de outro modo não obteríamos. É sem dúvida, uma das mais-valias desta formação. 7. Os textos/documentos têm sido adequados e bastante direcionados para os assuntos /temas que têm sido abordados.

5 7. Faça um breve comentário sobre os prazos para a realização das tarefas. 1. Como referi anteriormente, este é uma das dificuldades deste tipo de mestrado. De qualquer forma, parece-me que neste segundo semestre há uma maior coordenação relativamente a esta questão. No 1º semestre foi complicado 2. São adequados mas vejo-me aflito para os cumprir pela dificuldade de gestão do tempo que referi acima. 3. Os prazos para a realização das tarefas são aceitáveis, na medida da proposta feita. Acontece que quem trabalha durante o dia, torna-se muito cansativo em certas alturas conseguir cumprir o que tem estabelecido na cabeça e escrever o que pretende, com o que leu, o que conhece e o que refletiu. Verificou-se por diversas vezes flexibilidade dos docentes nos prazos, o que deu às tarefas uma possibilidade de serem realizadas. No geral os prazos são aceitáveis, pois é mais ou menos o que se costuma fazer neste tipo de formação. 4. Por vezes em algumas unidades curriculares esse prazo é curto... e quando se trata de atividades de várias UC em simultâneo a tarefa fica ainda mais complicada. Como tenho de conciliar o mestrado com a minha atividade profissional e vida pessoal às vezes é difícil fazer essa gestão. 5. O primeiro semestre foi bastante intenso e preenchido, com os prazos para a realização das tarefas também "apertados". 6. Considero que estão os prazos são suficientes para realizar as tarefas propostas. 7. Alguns bastante flexíveis... outros apertados. 8. Além dos textos fornecidos, que tipo de fontes costuma consultar? 1. Costumo consultar o repositório da UL e outra documentação disponibilizada na internet em diferentes plataformas e que apresentam a maior credibilidade possível (artigos e estudos universitários). 2. Como "turista" em Lisboa, usei os tempos livres para frequentar a Biblioteca Nacional e foi lá que descobri bastante bibliografia que derivava das leituras propostas, da bibliografia existente nessas propostas e de descobertas que fui fazendo. Sou do tempo das Enciclopédias e a Britânica ou a Universalis que estão quase a desaparecer no formato de papel são duas das obras de referência. As plataformas digitais, as wikis e os portais estrangeiros na web ligados às bibliotecas e à inovação educacional foram outros tantos (http://www.freetech4teachers.com/;www.edutopia.org/;www.educatorstechnology.com), entre outros. 3. Periódicos, na Internet. 4. Outros textos credíveis sempre que exigido na elaboração de trabalhos e alguns conteúdos multimédia relativamente aos quais sou desconfiado e procuro sempre validar. 5. Costumo recorrer a livros, a recursos disponibilizados online, etc. 6. Normalmente recorro ao repositório e a textos pesquisados na web. 7. Costumo consultar a internet e alguns livros.

6 9. Quando realiza trabalhos em grupo quais os meios de comunicação (software, ferramentas digitais...) que privilegia? 1. Neste domínio, tudo depende do grupo. Nos trabalhos já realizados, foram utilizados diferentes recursos, contudo, todos muito interessantes e os resultados finais foram muito bons. 2. Não privilegio nenhuma porque utilizo as duas porque se complementam. 3. No geral utilizo as que também utilizámos aqui. Justamente o google Docs com as suas diversas extensões, o mail como forma de contato e aplicações da web 2.0 para explorar a criatividade e a apresentação de conteúdos (http://prezi.com/;http://edu.glogster.com/;http://www.wikispaces.com/http://pt.scribd.com/), entre outros. 4. Não costumo privilegiar nenhum... adequo-me às diferentes propostas. 5. Quando realizo os trabalhos em grupo utilizo o da escola ou o pessoal e o skype. 6. O Skype, Google Drive, Onedrive, , telemóvel. 7. É essencialmente o Skype, Google Drive e Refira alguns constrangimentos que sente quando é necessário trabalhar em grupo. 1. Até ao momento apenas a articulação entre os diferentes elementos, pela questão do tempo. 2. Em primeiro lugar é o facto de trabalhar (pelo menos no início) com pessoas que não conheço. E na sequência disso é a dificuldade que por vezes existe em se chegar a um consenso sobre o que se pretende fazer. 3. O facto de ser online não nos permite estar "juntos" pessoalmente. Pois dificulta o envolvimento e partilha de opiniões que temos com os colegas. No entanto, considero até agora ter-mos organizado bem para realizar os trabalhos. E claro tem sido uma boa experiência, pois "fugimos" do normal de realizar trabalhos de grupos (enquanto via académica). 4. Não sinto, agora, mas aqui há umas semanas foi difícil Fico sem graça quando não consigo cumprir prazos combinados entre os colegas. 6. O trabalho de grupo pressupõe uma vontade para construir algo com capacidade de compromisso em função dos que nos é pedido. Em ambiente virtual a dificuldade ainda é maior, pois as pessoas não se conhecem. Na verdade o trabalho em grupo neste ambiente é difícil, pois exige ainda mais profissionalismo e dedicação pelas tarefas, pelos prazos com capacidade de "negociar" o que se pode construir. Gostei de realizar alguns trabalhos de grupo com determinados colegas e num caso não gostei até pelo facto de três colegas terem saído, deixando-me a mim e a mais dois sem informação durante demasiado tempo. Acho que quando não se encontra empatia ou uma vontade de conceder possibilidades a todos em função do que é para ser feito e explicado pela professora é um pouco angustiante o trabalho de grupo só no digital. À exceção desta experiência que está a correr bem com os outros colegas gostei de participar nos trabalhos de grupo, porque enriquecemos as metodologias de trabalho que usamos e temos uma perspetiva da temática muito mais rica. 7. O maior constrangimento que senti, até agora, esteve relacionado com problemas de funcionamento da ligação à internet, mas foi ultrapassado. Contudo, este tipo de problemas pode surgir a qualquer momento

7 11. Qual é a parte mais importante deste Mestrado para o desenvolvimento das suas atividades nas BE (Bibliotecas Escolares)? 1. Esse Mestrado me transmite confiança e conhecimentos sólidos. Aprecio quando fornecem o passo a passo de qualquer atividade, bem detalhado, tornando possível a realização da mesma, por qualquer aluno. 2. O meu mestrado é didática das ciências. E a parte mais importante deste mestrado é o facto de adquiri mais competências relacionadas com a didática das ciências, pois é uma das áreas que trabalho. 3. Não sei hierarquizar. Na medida em que a minha BE procura responder a problemas curriculares e de resultados, tudo isto me parece importante. Parece-me contudo imperdoável não se ter realizado a disciplina de opção Tecnologias Digitais nas Bibliotecas Escolares. 4. Todo o mestrado é importante para a atividade nas Bibliotecas. 5. Tudo o que permitir uma maior articulação da BE com os alunos/turmas e respetivos professores é muito importante. Neste âmbito, este Mestrado está a contribuir para o enriquecimento em termos de novos conhecimentos, na área das TIC, necessários para fazer esta ponte. 6. A integração curricular do digital e as literacias de informação são o de mais importante por aqui se tentou abordar, embora ache que deveria ter tido um tratamento mais alargado. A problemática da leitura, dos novos formatos e de como fazemos leitores nestes ambientes passou um pouco ao lado, pelo menos até ao momento. Algumas das ideias estudadas sobre Aprendizagem também são relevantes, embora não sejam exclusivas das Bibliotecas. 7. Uma vez que o Professor Bibliotecário tem muitas incumbências e é, pela génese da função, generalista articulando muitas atividades e que não pode ignorar a importância da tecnologia, este mestrado apresenta um conhecimento geral das possibilidades e potencialidades da aplicação e utilização das tecnologias digitais na BE. 12. A quem recomendaria este tipo de mestrado? 1. A todos os professores e educadores. 2. Recomendaria este tipo de mestrado a todos aqueles que, por motivos de logística, estão longe dos locais onde poderiam fazer o mesmo em regime presencial. 3. A qualquer professor que considere fundamental a utilização das tecnologias digitais em contexto educativo e que as utilize em benefício da aprendizagem dos seus alunos. 4. Penso que este mestrado se pode recomendar claramente aos professores bibliotecários, mas também a qualquer docente. O mestrado explora a questão essencial das aprendizagens e penso que em grande medida essa foi a sua maior valia. A integração curricular do digital interessa aos docentes e seria também um ponto a favor dessa recomendação, mas nesse caso deveria ter um âmbito mais alargado. 5. A professores bibliotecários, dada a especificidade.

8 6. Já recomendo a todos os meus colegas de trabalho. Pessoas, que como eu, possuem uma jornada de trabalho intensa, mas que desejam continuar se aperfeiçoando. 7. Principalmente as pessoas relacionadas com a área das ciências. 13.Deixe algumas sugestões que considere pertinentes para o funcionamento deste tipo de mestrado. 1. Talvez fosse importante incluir mais atividades práticas com diferentes ferramentas. 2. Não tenho sugestões a acrescentar. 3. Neste tipo de mestrado é importante haver um "feedback" regular sobre o desenvolvimento das atividades visto que não existe a interação pessoal (com as vantagens que ela apresenta), de modo a que a motivação também possa ser constante. 4. Penso que este tipo de mestrados é muito interessante pela sua valência formativa. Se o seu target é os professores bibliotecários e as Bibliotecas faltaram itens essenciais, tais como: 1. Papel da Biblioteca na era digital; 2. Os novos ambientes de aprendizagem e a Biblioteca; 2. A coleção no digital; 3. A literacia da informação na Biblioteca; 4. A Literacia para os Média - como operacionalizar; 5. Leitura, Conhecimento e Dispositivos móveis na Biblioteca; 5. Realizar a disciplina de opção que acima referi custe o que custar, independentemente do número de inscritos. 6. Acredito que o formato atual, já esteja excelente! Contudo, as sessões síncronas, que têm acontecido em algumas disciplinas, parecem diminuir a distância e tornar o curso menos impessoal. Número de respostas diárias Trabalho realizado para a Unidade Curricular de Metodologias II, Tema Entrevista e Análise de Conteúdo. Docentes Responsáveis: João Filipe Matos (responsável pela U. C.) e Ana Pedro Mestrandos: Anabela Monteiro, António Almeida, Graciete Monteiro e Manuela Silva

As TIC em entrevista ao Doutor João Paiva, 2004/11/22

As TIC em entrevista ao Doutor João Paiva, 2004/11/22 As TIC em entrevista ao Doutor João Paiva, 2004/11/22 (revista educação_texto editores) Nascido em Coimbra em 1966, João Carlos de Matos Paiva é Doutorado em Química (2000) pela Universidade de Aveiro.

Leia mais

uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbn MABE auscultação em 2013/2014 mqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl 19-06-2014

uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbn MABE auscultação em 2013/2014 mqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl 19-06-2014 qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçz xcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty Questionário aos docentes uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbn

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas)

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) A Biblioteca Escolar 2.0 FORMADORA Maria Raquel Medeiros Oliveira Ramos FORMANDA Regina Graziela Serrano dos Santos Chaves da Costa Azevedo Período de Realização

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

DGAJ/DF. Curso em E-learning

DGAJ/DF. Curso em E-learning Curso em E-learning Introdução O que é estudar a distância O estudo à distância é uma forma diferente de aprender. Para que uma pessoa possa estudar à distância, necessita desenvolver algumas habilidades

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

Entrevista ao Professor

Entrevista ao Professor Entrevista ao Professor Prof. Luís Carvalho - Matemática Colégio Valsassina - Lisboa Professor Luís Carvalho, agradecemos o tempo que nos concedeu para esta entrevista e a abertura que demonstrou ao aceitar

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Curso de Formação A Abordagem do Atletismo na Educação Física. (Data de início: 22/05/2015 - Data de fim: 13/06/2015)

Curso de Formação A Abordagem do Atletismo na Educação Física. (Data de início: 22/05/2015 - Data de fim: 13/06/2015) Curso de Formação A Abordagem do Atletismo na Educação Física (Data de início: 22/05/2015 - Data de fim: 13/06/2015) I - Autoavaliação (realizada pelos formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Pró-reitoria de Planejamento PROPLAN Comissão Própria de Avaliação CPA 1ª Avaliação do Curso de Especialização em Projetos e Obras Públicas de Edificações do Programa

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Dra. Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados

Leia mais

Aprender a Distância na Previdência

Aprender a Distância na Previdência Relatório de Encerramento Aprender a Distância na Previdência (ADP-001-09) Brasília, 05 de março de 2009. 1 1. Identificação: Curso: Aprender a distância na Previdência Descrição do curso: Módulo introdutório

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6

Em FORMATO E-LEARNING PQ 11.04.A Página 1 de 6 Página 1 de 6 1. FUNCIONAMENTO Os cursos na modalidade de e-learning do são frequentados totalmente online, à exceção do Curso de Trabalhador Designado para a Segurança e Saúde no Trabalho em que a 1ª

Leia mais

FACULDADE PRE IDENT ANT NIO CARLOS E BOM DE PACH FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO. Caro aluno;

FACULDADE PRE IDENT ANT NIO CARLOS E BOM DE PACH FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO. Caro aluno; FACULA UCAÇÃ BM PACH FACULA PR INT ANT NI CARL BM PACH Caro aluno; eja bem-vindo às isciplinas nline da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom espacho e Faculdade de ducação de Bom espacho (FACB).

Leia mais

TEdAM. Educação Ambiental

TEdAM. Educação Ambiental 290 Educação Ambiental TEdAM Resumo O projeto TEdAm tem como meta principal introduzir novas formas de construção, cooperação e circulação de conhecimentos e informações, capazes de auxiliar o processo

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO.

AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. AS CONTRIBUIÇÕES DAS VÍDEO AULAS NA FORMAÇÃO DO EDUCANDO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: UFF/CMIDS E-mail: mzosilva@yahoo.com.br RESUMO A presente pesquisa tem como proposta investigar a visão

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

O acesso a uma plataforma online "recheada" de propostas de atividades meticulosamente concebidas é uma outra das mais-valias deste projeto.

O acesso a uma plataforma online recheada de propostas de atividades meticulosamente concebidas é uma outra das mais-valias deste projeto. CARTAS Caros colegas, um professor não é apenas aquele que ensina, mas também o que se deixa aprender. E ainda há tanto para aprender... Com o NPP e metas curriculares, urge adquirirmos ferramentas para

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM A COMUNICAÇÃO ENTRE O ORIENTADOR DE MONOGRAFIAS E O ORIENTANDO DE PÓS-GRADUAÇÃO NOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Resumo ANDRADE, VALTER ZOTTO DE FAEL valterzotto@uol.com.br Eixo temático: Comunicação

Leia mais

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica

Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica Anexo VI Transcrição da entrevista realizada à equipa técnicopedagógica do CNOGE (Grupo2) Entrevistados: Entrevista Grupo 2 E6 Formadora de Linguagem e Comunicação e de Cidadania e Empregabilidade E7 Formadora

Leia mais

Anexo 4. ANEXO 4 Planeamento e guião dos focus groups

Anexo 4. ANEXO 4 Planeamento e guião dos focus groups ANEXO 4 Planeamento e guião dos focus groups 1 Passo 1 Antes Preparar documento com objetivos do estudo + secções que serão abordadas no focus group para entregar aos alunos. Arranjar sala. Acesso a meios

Leia mais

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos

Guia do Facilitador. Aprendizagem Baseada em Projetos. http://www.intel.com/educacao. Série Elementos Intel Educar Aprendizagem Baseada em Projetos Série Elementos Intel Educar Guia do Facilitador http://www.intel.com/educacao Copyright 2010 Intel Corporation. Página 1 de 19 Termos de Uso para o Guia do Facilitador da Série Elementos Intel Educar

Leia mais

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores Questionário Desenvolvimento Profissional dos Professores Com este questionário pretende-se contribuir para o conhecimento de algumas dimensões do desenvolvimento profissional dos professores portugueses,

Leia mais

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN)

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Instituto Superior Técnico Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Núcleo de Engenharia Biológica Em primeiro lugar, a direcção do NEB gostaria de deixar claro que a resposta de forma

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

Licenciatura em Línguas Aplicadas

Licenciatura em Línguas Aplicadas Guia de Curso 1º Ciclo 2014-2015 Departamento de Humanidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Organização do curso... 3 3. Destinatários... 3 4. Condições de acesso e pré-requisitos... 3 5. Candidaturas...

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem EXPLORAÇÃO Busco entender como as coisas funcionam e descobrir as relações entre as mesmas. Essa busca por conexões

Leia mais

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert Biodanza Para Crianças e Jovens Manuela Mestre Robert FICHA TÉCNICA: TÍTULO Biodanza para Crianças e Jovens AUTORIA Manuela Mestre Robert Manuela Mestre Robert, 2008 CAPA Crianças do 1º ciclo do Ensino

Leia mais

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral

AULA. Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE. npmeneses@gmail.com. Doutora Sónia Rolland Sobral MOTIVAÇÃO DE ALUNOS COM E SEM UTILIZAÇÃO DAS TIC EM SALA DE AULA Natércia do Céu Andrade Pesqueira Menezes UNIVERSIDADE PORTUCALENSE npmeneses@gmail.com Doutora Sónia Rolland Sobral UNIVERSIDADE PORTUCALENSE

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis 5 e 6 de abril de 2013 v.diegues70@gmail.com

Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis 5 e 6 de abril de 2013 v.diegues70@gmail.com Escola Secundária Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis 5 e 6 de abril de 2013 v.diegues70@gmail.com sumário 1- Projeto -Como surgiu o projeto WR -Quais os objetivos do estudo -Principais conclusões

Leia mais

Capacitación de docentes en el uso de las nuevas tecnologías. Márcia Campos (marciac@fortalnet.com.br ), Hermínio Borges Neto

Capacitación de docentes en el uso de las nuevas tecnologías. Márcia Campos (marciac@fortalnet.com.br ), Hermínio Borges Neto 1. TÍTULO: QUE RECURSOS PODEM CONTRIBURIR PARA OTIMIZAR A APRENDIZAGEM EM UM AMBIENTE VIRTUAL? 1 2. ÁREA TEMÁTICA Capacitación de docentes en el uso de las nuevas tecnologías 3. AUTORES Márcia Campos (marciac@fortalnet.com.br

Leia mais

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 1 O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 100-TC-B5 05/2005 Daniela Karine Ramos Ilog Tecnologia, dadaniela@gmail.com B - Conteúdos

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AUTOAPRENDIZAGEM

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AUTOAPRENDIZAGEM MÉTODOS E TÉCNICAS DE AUTOAPRENDIZAGEM Maiêutica - Cursos de Gestão Claudete Teixeira Fernandes 1 Sirlésia Vigarani Scalco 2 Rodrigo Borsatto Sommer da Silva 3 RESUMO A partir da consideração de que existem

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

Relatório de Investigação da Escola julho 2015

Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Microsoft Partners in Learning Relatório de Investigação da Escola julho 2015 Elaborado para julho 2015 Relatório do Estudo de Este relatório apresenta os resultados dos inquéritos à equipa diretiva e

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula.

Palavras-chaves: Formação de professores; Estágio Supervisionado; Reflexão sobre a prátida; Escrita docente; Diários de aula. DIÁRIOS DE AULA ONLINE: ANÁLISE DE UM DISPOSITIVO DE FORMAÇÃO DOCENTE NA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Jane Bittencourt 1 Alice Stephanie Tapia Sartori 2 Resumo Esse trabalho tem como foco a formação inicial

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática. Melhorar o controlo da asma na comunidade.]

Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática. Melhorar o controlo da asma na comunidade.] Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática Melhorar o controlo da asma na comunidade.] PROFESSOR VAN DER MOLEN: Que importância tem para os seus doentes que a sua asma esteja controlada? DR RUSSELL: É muito

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem SENTIDOS (principal) Gosto de informações que eu posso verificar. Não há nada melhor para mim do que aprender junto

Leia mais

Área: Universidade na Sociedade do Conhecimento

Área: Universidade na Sociedade do Conhecimento Área: Universidade na Sociedade do Conhecimento O TelEduc como recurso virtual de aprendizagem e apoio ao ensino presencial: relato de uma experiência de uso em um curso semi-presencial de Ensino Superior.

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

GEOMETRIA VIRTUAL: UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA OS ANOS INICIAIS

GEOMETRIA VIRTUAL: UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA OS ANOS INICIAIS GEOMETRIA VIRTUAL: UMA PROPOSTA DE ENSINO PARA OS ANOS INICIAIS Francimar Gomes de Oliveira Júnior Universidade Federal do Mato Grosso do Sul francirrio@gmail.com Bruna Samylle Pereira de Oliveira Universidade

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

Resultado da Avaliação das Disciplinas

Resultado da Avaliação das Disciplinas Avaliação Curso Direito Imobiliário Registral Aplicado aos Bens Públicos DISCIPLINAS: 1- Propriedade e demais direitos reais 2- Modos de aquisição e perda da propriedade e demais direitos reais CARGA HORÁRIA:

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL)

JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) % ABERTURA JANELA DE JOHARI (RELACIONAMENTO INTERPESSOAL) Esta avaliação é constituída de 20 questões possíveis de ocorrer em uma empresa. Cada questão é composta por duas afirmativas. Você deve analisar

Leia mais

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski II Oficina de Trabalho Código de Conduta: Processos e Metodologias 24 de Setembro 2015 Conclusões da Sessão da manhã Com o apoio dos Parceiros do Mecanismo de Apoio à Elaboração de Projetos de Cooperação,

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

Curso de Formação. Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014)

Curso de Formação. Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014) Curso de Formação Liderança e Gestão de Equipas (Data de início: 13/11/2014 - Data de fim: 15/12/2014) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique, de 1 (mais importante)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Netiqueta Regras de convivência na Internet

Netiqueta Regras de convivência na Internet São alguns modelos de conduta que irão facilitar o relacionamento com os colegas e professor e contribuir para uma aprendizagem colaborativa e efetiva. O termo inglês NET (significa REDE ) e o termo ETIQUETA

Leia mais

Formação Pedagógica de Assistentes de Economia uma experiência da Universidade Nova de Lisboa. Joana Marques Patrícia Rosado Pinto Patrícia Xufre

Formação Pedagógica de Assistentes de Economia uma experiência da Universidade Nova de Lisboa. Joana Marques Patrícia Rosado Pinto Patrícia Xufre Formação Pedagógica de Assistentes de Economia uma experiência da Universidade Nova de Lisboa Joana Marques Patrícia Rosado Pinto Patrícia Xufre Breve contextualização teórica Redefinição das linhas de

Leia mais

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA

Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Relatório de Avaliação do Grau de Satisfação dos Clientes da Creche, do Pré-escolar e do CATL da ABLA Junho 2013 Página 1 de 20 Introdução Entre os dias 20 e 31 de Maio de 2013, foi aplicado o Questionário

Leia mais

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA

USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Daricson Caldas de Araújo (IFPE) daricsoncaldas@gmail.com RESUMO Este artigo de revisão de literatura

Leia mais

Balanço da 5ª Unidade de Ensino

Balanço da 5ª Unidade de Ensino Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário Estágio Pedagógico de Educação Física e Desporto 2012/2013 Balanço da 5ª Unidade de Ensino Orientador de Estágio: Profª Ana Severo

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

Aprimoramento através da integração

Aprimoramento através da integração Aprimoramento através da integração Uma parceria para implementar uma solução de aprendizagem em tempo recorde Visão Geral Com mais de 70 anos de excelência na produção de conhecimento no Brasil, a Fundação

Leia mais

20. Minha senha não funciona! Não consigo acessar meu Painel de Negócios e nem comprar em meu Espaço!...12 21. Se consultores e CNOs tiverem dúvida,

20. Minha senha não funciona! Não consigo acessar meu Painel de Negócios e nem comprar em meu Espaço!...12 21. Se consultores e CNOs tiverem dúvida, ÍNDICE 1. O que é a Rede Natura?...04 2. É preciso ser Consultor Presencial para tornar-se um Franqueado Digital?...04 3. Por que a Natura criou a Rede Natura?...04 4. A Rede Natura nasceu incluindo os

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE PROFESSOR. Professor: Data / / Disciplina:

QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE PROFESSOR. Professor: Data / / Disciplina: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA de São Paulo, Campus Avançado de Matão, base em Sertãozinho Relatório de Avaliação Interna RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO INTERNA DO CAMPUS AVANÇADO DE MATÃO

Leia mais

TECNOLOGIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

TECNOLOGIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES TECNOLOGIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Grupo de Estudo de Tecnologia e Educação Matemática - GETECMAT 15/09/2011 Camila de Oliveira da Silva Tópicos iniciais para discussão... Formação inicial do professor

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda

Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda Reflexão Final do Módulo Técnicas de negociação e venda R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos...

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO

CURSO DE PROFISSIONALIZAÇÃO EM SERVIÇO Universidade Aberta Departamento de Educação e Ensino a Distância Informações e Secretariado do Curso Nira Nunes E-mail: cps@uab.pt Os contactos e informações sobre este Curso são apenas efetuados através

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante CATEGORIAS SUBCATEGORIAS INDICADORES 1.1. Tempo de serviço docente ( ) 29 anos (1) 1.2. Motivações pela vertente artística ( ) porque

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICES 182 APÊNDICE A UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PPGE MESTRADO EM EDUCAÇÃO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PESQUISA:

Leia mais

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957.

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. FORMAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3

ÍNDICE PATRONATO DE SANTO ANTÓNIO INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 I - OPÇÕES E PRIORIDADES... 3 1.1. PRIORIDADES A NÍVEL DA ACTUAÇÃO EDUCATIVA... 4 1.2. PRIORIDADES A NÍVEL DO AMBIENTE EDUCATIVO... 4 II APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS... 5 2.1. SENSIBILIZAÇÃO

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais