ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil"

Transcrição

1 ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Autor do Resumo: Abdala Carim Nabut Neto, M.Sc. 1) Em relação à matriz energética do Brasil, é correto afirmar que: passou a emitir quase 68 % mais de gases do efeito estufa, como consequência da crise energética. 2) O que significa Análise do Ciclo de Vida? Resposta: são análises ambientais realizadas em materiais ou edificações e trazem informações sobre diversos aspectos ambientais desde a sua extração até seu descarte ou reutilização. 3) Existem normas ou legislações brasileiras sobre sustentabilidade na construção civil? Resposta: sim, mas não são seguidas. 4) Edifícios verdes custam, em média: 0 a 7% mais do que os convencionais. 5) Qual é a fase mais importante em um processo de licenciamento ambiental? Resposta: fase de estudos iniciais antes do desenvolvimento dos projetos. 6) Como funciona o MDL (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo)? Resposta: nações ou entidades poluidoras podem comprar créditos daqueles que reduzem suas emissões. 7) Pensando na construção civil, como deverá acontecer a utilização de recursos naturais e o descarte de resíduos? Resposta: devemos buscar utilizar somente recursos de origem ambientalmente correta e reciclar resíduos gerados; devemos utilizar recursos de acordo com a capacidade de reposição da natureza e os resíduos devem ser descartados de acordo com sua capacidade de absorção; devemos buscar alternativas de materiais para que não haja utilização dos recursos naturais não renováveis e os resíduos deverão voltar para a cadeia produtiva. 8) Como funciona a relação entre equipes de licenciamento ambiental e certificações de sustentabilidade? Resposta: Duas equipes distintas são contratadas para tratar, individualmente, de aspectos técnicos que se assemelham. 9) A devastação ambiental decorrente do processo de desenvolvimento é um quadro que começa a se modificar a partir de um novo conceito: O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. O uso dessa expressão tem a finalidade de? Resposta: Propor a conciliação do desenvolvimento com o meio ambiente. 10) O que diz o IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change)? Resposta: Até 2050, 80% da nossa energia virá de fontes renováveis; em um cenário otimista de redução de emissões, a temperatura subirá por volta de 2 graus até 2100; se continuarmos no mesmo ritmo de emissões, a temperatura subirá mais de 6 graus. 1

2 11) Para construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente poluidores, sem que se incorra em fato tipicamente penal, é exigência legal? Resposta: licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes. 12) A concessão de licença ambiental não prevê a obrigatoriedade de audiência pública, exceto quando o órgão competente para a concessão da licença julgar necessário ou quando sua realização for solicitada pelo Ministério Público ou requerida ao órgão ambiental por? Resposta: cinquenta ou mais cidadãos. 13) Constitui um dos crimes ambientais, a conduta de quem der causa à? Resposta: deterioração de instalação científica protegida por lei ou ato administrativo 14) Acerca dos princípios fundamentais do direito ambiental, julgue os itens que se seguem: i) O princípio do poluidor pagador impõe ao poluidor a obrigação de recuperar e (ou) indenizar os danos causados por sua atividade e, ao consumidor, a obrigação de contribuir pela utilização dos recursos ambientais. ii) O princípio da precaução determina que não se podem produzir intervenções no meio ambiente antes que as incertezas científicas sejam equacionadas de modo que a intervenção não seja adversa ao meio ambiente. iii) O princípio da prevenção obriga que as atuações com efeitos sobre o meio ambiente devam ser consideradas de forma antecipada, visando-se à redução ou eliminação das causas que podem alterar a qualidade do ambiente. Resposta: Todos os itens são verdadeiros. 15) Caso o órgão ambiental competente do licenciamento ambiental solicite ao empreendedor esclarecimentos ou complementações, este deverá prestá-las no prazo máximo de: Resposta: 4 meses, podendo ser prorrogável 16) As siglas EIA/RIMA/CONAMA significam? Resposta: Estudo de Impacto Ambiental / Relatório de Impacto Sobre o Meio Ambiente / Conselho Nacional do Meio Ambiente 17) É competente para propor Audiência Pública, em matéria de licenciamento ambiental? Resposta: O órgão ambiental licenciador, entidade civil, 50 ou mais cidadãos e o Ministério Público. 18) Aquele que apresentar estudos ambientais com informações incorretas estará sujeito a sanções? Resposta: civis, penais e administrativas. 2

3 19) Complete a lacuna: O prazo de validade da licença de operação (L.O.) é de, devendo sua renovação ser requerida com antecedência mínima dias antes de expirar seu prazo de validade. Resposta: no mínimo, 4 anos e, no máximo, 10 anos, 120 dias 20) O órgão ambiental competente pode cancelar uma licença expedida quando ocorrer: i. Ausência de audiência pública; ii. falta de pagamento das custas do procedimento de licenciamento; iii. Omissão de informações relevantes que servem de ase para expedição da licença; iv. superveniência de graves riscos ambientais e de saúde Resposta: iii e iv (CAI NA PROVA) 21) Por que é difícil implantar a sustentabilidade em edifícios residenciais? Resposta: Porque é muito difícil de fazer e principalmente controlar problemas como controle da fumaça do tabaco, etc. SUSTENTABILIDADE = agir de uma forma que as gerações futuras possam agir também. Fazer com que as gerações futuras vão continuar a poder fazer também. (CAI NA PROVA) 22) Qual selo é melhor aplicado para qual tipo de projeto? Resposta: AQUA para projetos residenciais; LEED para projetos comerciais. A Fundação Vanzolini (USP) é a entidade fiscalizadora e certificadora do AQUA. O GBCI (Green Building Council) é a entidade fiscalizadora do LEED. (CAI NA PROVA) 23) Você é o responsável pelo desenvolvimento de um empreendimento que tem grandes ambições relacionadas à inovação, eficiência, rentabilidade, redução de custos de obras e operacionais e sustentabilidade. Que nova metodologia de projetos você testaria e por quê? Resposta: Para desenvolver esse novo empreendimento, uma excelente forma de desempenhar o papel proposto é o Projeto com Participação Integrada onde haverá um investimento maior no planejamento e no projeto. É necessário repensar atuais sistemas de gestão de empresas e projetos. Solução proposta: PPI = Processo de Projeto Integrado ou Integrated Project Delivery ou Integrated Design Process (IDP). PPI = abordagem que integra pessoas, sistemas, estruturas de negócios e práticas em um processo colaborativo que otimiza talentos e ideias de TODOS os participantes desde as fases mais iniciais dos projetos. Objetivos do PPI: otimizar resultados do projeto; aumentar o valor para o proprietário; reduzir perdas e resíduos; maximizar eficiência em projeto, fabricação e construção; traçar metas e objetivos bem definidos. Objetivos iniciais: (1) alcançar a compreensão do processo necessário para se obter construções de alta performance ou alcançar metas definidas; (2) estabelecer metas e objetivos preliminares; (3) familiarizar participantes em relação à importância destas metas; (4) identificar estratégias e conceitos de projeto; (5) estabelecer próximos passos. 3

4 A ideia principal do projeto integrado é de integrar todas as áreas (ex. civil, elétrica, paisagismo, mecânica, arquitetura, interiores, cliente, administração, etc). (CAI NA PROVA) 24) Descreva os três tipos de licenças ambientais a serem concedidas a um empreendimento e relacione-as com as fases às quais são aplicadas. Resposta: (1) LICENÇA PRÉVIA (LP), características e requerimentos: verificação junto aos órgãos competentes, quais são os documentos, projetos e estudos necessários. Concedida na fase preliminar do planejamento do empreendimento. Aprova sua localização e concepção, atesta a viabilidade ambiental, estabelece os requisitos básicos e condicionantes a serem atendidos. Informações adicionais e vistoria podem ser solicitadas; pode haver audiência pública novos prazos; pode incluir os termos de referência para a apresentação de estudos complementares, como o EIA e o RIMA (Relatório de Impacto sobre o Meio Ambiente). A LP garante ao empreendedor que seu projeto atende as determinações da agência ambiental. PRAZO DE VALIDADE DA LP = Até o final dos projetos ou 5 anos. (2) LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI), características e requerimentos: autoriza a instalação do empreendimento ou da atividade de acordo com as especificações constantes dos planos, programas e projetos aprovados, incluindo as medidas de controle ambiental. Qualquer alteração no projeto ou nos equipamentos durante a fase de implantação deve ser comunicada formalmente ao órgão licenciador para análise e aprovação. Verifica condicionantes da LP. PRAZO DE VALIDADE DA LI = Até o final da obra ou 6 anos. (3) LICENÇA DE OPERAÇÃO (LO), características e requerimentos: autoriza a operação da atividade ou do empreendimento; verifica o cumprimento do que consta das licenças anteriores; verifica condicionantes determinados para a operação; pode ser preciso entrar em operação experimental para que a eficiência dos sistemas e equipamentos de controle de poluição instalados seja testada. PRAZOS DE VALIDADE DA LO = Mínimo de 4 a máximo de 10 anos, quando poderão ser verificados os resultados dos programas de controle ambiental. Renovação deverá ser requerida 120 dias antes de sua expiração. (4) LICENÇA AMBIENTAL SIMPLES (LS): Parágrafo 1º do Artigo 12 da Resolução CONAMA 237/97, é a Licença Simplificada LS = licença única para a localização, instalação e operação. (CAI NA PROVA) 25) Ao elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos para uma obra, qual deveria ser a principal meta em relação ao resíduo gerado, já que serão aplicados conceitos de sustentabilidade? Resposta: A principal meta é gerar o mínimo de resíduos possível com o menor uso de recursos naturais. Isso só é possível com o planejamento prévio de descarte inteligente dos resíduos e parcerias com indústrias recicladoras. Resolução CONAMA Nº 307 = 4

5 Reduzir Classe A, B e (alguns tipos de C) reciclar; Classe D destinar corretamente. Para todos deve-se pensar em co-processamento. (CAI NA PROVA) 26) Uma empresa pretende realizar um projeto que consiste em uma reforma de um escritório, localizado dentro de um edifício comercial onde existem também outras salas de outras empresas. A certificação desejada é o LEED. Que categoria desta certificação ou Rating System deve ser aplicado e por quê? Resposta: LEED interiores. As certificações mais utilizadas são a NC (new construction) e o CS (Core and Shell) que tratam os requisitos para novas construções. Deverá ser aplicado o LEED COMMERCIAL INTERIORS = LEED CI (2009): categorias do LEED CI: (1) espaço sustentável (ex. seleção do local, conexão com a comunidade, transporte estacionamentos, bicicletários, etc); (2) água (redução do consumo em por exemplo 20%, reduções adicionais, etc) ; (3) energia (redução do consumo, gases refrigerantes, energias verdes, etc) ; (4) materiais (coleta e armazenamento de recicláveis, reuso de materiais, componentes reciclados, materiais regionais, madeira certificada, etc) ; (5) ambiente interno (qualidade do ar, ventilação majorada, controle de fontes poluentes, iluminação e ventilação natural, etc). (CAI NA PROVA) 27) Cite 2 certificações ambientais ou de eficiência energética presentes no Brasil e descreva brevemente suas características e/ou diferenças. Resposta: PBE (Programa Brasileiro de Etiquetagem) - Procel Edifica; LEED; AQUA; Selo Azul (Caixa Econômica Federal); Qualiverde (Rio de Janeiro). O selo LEED pode ser obtido através de um ranking de pontuação. De acordo com os objetivos do cliente a certificação poderá ser Verde (40 a 49 pontos), Prata (50 a 59 pontos), Ouro (60 a 79 pontos) ou Platina (80 pontos ou mais numa escala de 100 pontos). Vale ressaltar que inovação e regionalidade podem conferir 10 pontos extras (bônus adicionais) no sistema LEED. É emitido pelo United States Green Building Council. Áreas de atuação do LEED (BD + C): (1) espaço sustentável (ex. seleção do local, descontaminação de áreas poluídas, prevenção da poluição, etc); (2) água (redução do consumo, irrigação, tecnologias inovadoras) ; (3) energia (redução do consumo, gases refrigerantes, energias renováveis e verdes, etc) ; (4) materiais (coleta e armazenamento de recicláveis, reuso de materiais, componentes reciclados, materiais regionais, madeira certificada, etc) ; (5) ambiente interno (qualidade do ar, ventilação majorada, controle de fontes poluentes, iluminação e ventilação natural, etc). Requerimentos gerais do LEED (EB-O&M): o edifício deve ser plenamente ocupado por pelo menos 12 meses; 100% das áreas do edifício devem ser consideradas na aplicação da certificação. Até 10% da sua área poderá ser excluída se sob o controle de gerência separada; o edifício deve estar em conformidade com as leis ambientais locais. 5

6 Categorias do LEED EB-O&M: (1) sustentabilidade do espaço (manutenção de áreas externas, controle de pestes, erosão, gerenciamento de águas pluviais, etc); (2) racionalização do uso da água (medição da performance da água, redução do consumo de água potável, etc); (3) energia e atmosfera (melhores práticas de gestão para eficiência energética; relatório de redução das emissões; medição da performance, etc); (4) materiais e recursos (política de compra sustentáveis em materiais de escritório, bens duráveis como mobiliário, etc; política de gestão dos resíduos sólidos; etc); (5) qualidade ambiental interna (conforto dos ocupantes com pesquisa de satisfação, luz natural e vistas para o exterior, controle de fontes poluentes, etc). LEED COMMERCIAL INTERIORS = LEED CI (2009): categorias do LEED CI: (1) espaço sustentável (ex. seleção do local, conexão com a comunidade, transporte estacionamentos, bicicletários, etc); (2) água (redução do consumo em por exemplo 20%, reduções adicionais, etc) ; (3) energia (redução do consumo, gases refrigerantes, energias verdes, etc) ; (4) materiais (coleta e armazenamento de recicláveis, reuso de materiais, componentes reciclados, materiais regionais, madeira certificada, etc) ; (5) ambiente interno (qualidade do ar, ventilação majorada, controle de fontes poluentes, iluminação e ventilação natural, etc). LEED NEIGHBORHOOD DEVELOPMENT = LEED ND (2009): categorias do LEED ND: (1) implantação (reurbanização de áreas contaminadas, infraestrutura cicloviária, proximidade habitação e trabalho, etc); (2) tipologia urbana (ruas caminháveis, comunidade aberta e conectada, escolas, arborização, transportes, alimentos, etc) ; (3) edificações e infraestrutura verde (orientação solar, aquecimento e resfriamento comunitários, etc). Estágios do LEED ND: (1) aprovação condicional de um Plano LEED-ND; (2) Pré-Certificação Plano LEED-ND; (3) Certificação LEED-ND. BD + C = escolas, shopping centers, etc (core and shell) EB- O&M = Existing Buildings Operations & Maintenance ND = neighborhood development (ex. Setor Noroeste em Brasília) ID = interior design CI = comerciais interiores GA = green associate GBC = Green Building Council FELLOW = certificação máxima de sustentabilidade do Sistema LEED. AQUA (Alta Qualidade Ambiental): o referencial técnico do AQUA estrutura-se em dois instrumentos: SGE Sistema de Gestão do Empreendimento, o qual avalia o sistema de gestão ambiental implementado pelo empreendedor, e o QAE Qualidade Ambiental dos Edifícios, o qual avalia o desempenho técnico e arquitetônico da construção. A implementação do SGE permite definir a QAE e organizar o empreendimento para atingi-la, ao mesmo tempo em que permite controlar o conjunto dos processos operacionais relacionados às fases de programa, concepção e realização da construção. Avaliação por auditoria presencial independente; certificado emitido em cada fase pela Fundação Vanzolini. Principais pontos do SGE: (1) comprometimento do empreendedor com o perfil de desempenho ambiental; (2) implantação e funcionamento (estrutura, responsabilidade, 6

7 competência, documentação, etc); (3) gestão do empreendimento (acompanhamento, análise, avaliação da QAE, ações corretivas, etc); (4) aprendizagem (balanço do empreendimento). Principais pontos da QAE: (1) estrutura-se em 14 categorias que se reúnem em quatro famílias (eco-construção edifício e seu entorno, escolha integrada de produtos, canteiro de obras; eco-gestão energia, água, resíduos, manutenção; conforto acústico, visual, higrotérmico, olfativo; saúde qualidade sanitária dos ambientes, ar e água); (2) o desempenho associado às categorias de QAE se expressa em 3 níveis (bom desempenho mínimo aceitável; superior correspondente ao de boas práticas; excelente calibrado em função dos desempenhos máximos constatados em empreendimentos do e Alta Qualidade Ambiental). A certificação AQUA é emitida em 3 fases distintas: (1) programa (elaboração do programa de necessidades, documento destinado aos projetistas para a concepção arquitetônica e técnica de um empreendimento) ; (2) concepção (elaboração da concepção arquitetônica e técnica do empreendimento); (3) realização (tendo os projetos concebidos, tem-se como resultado final a construção de um empreendimento). O PBE Edifica ENCE (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia): a ENCE é obtida mediante a avaliação do prédio a partir dos requisitos contidos no RTQ-C/R (Regulamento Técnico da Qualidade do Nível de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos ou Edificações Residenciais), por meio do método descrito no RAC-C (Regulamento de Avaliação da Conformidade). As exigências contidas no RTQ-C/R serão avaliadas por um laboratório de inspeção designado ou acreditado pelo INMETRO. O RTQ-C fornece uma classificação de edifícios através da determinação da eficiência de três sistemas: (1) envoltória peso de 30%, dados necessários: as built da edificação, fator solar de janelas, medidas em m2 de janelas verticais, etc; (2) iluminação peso de 30%, dados necessários: área em m2 iluminada por cada controle independente, qual a contribuição de luz natural, áreas de tetos, planos de trabalho, etc; (3) condicionamento de ar peso de 40%, dados necessários: área em m2 que este equipamento atende, eficiência do sistema, qualidade do filtro de ar utilizado, etc. Ressalta-se que é necessário certificar a envoltória antes de certificar a parte interna. CASA AZUL (Caixa Econômica Federal): 3 classificações principais = bronze (19 critérios obrigatórios), prata (critérios obrigatórios + 6 de livre escolha = 25 critérios) e ouro (obrigatórios + 12 de livre escolha = 31 critérios). QUALIVERDE (Rio de Janeiro): concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações de sustentabilidade e à redução da emissão de gases de efeito estufa. Benefícios edilícios: isenção da área de varandas abertas e jardineiras no cômputo da ATE, cobertura do estacionamento localizado no pavimento térreo, desde que seja do tipo telhado verde e associado ao sistema de coleta, 7

8 retenção ou reuso de águas pluviais. Benefícios fiscais: desconto do ISS na obra; isenção / desconto de IPTU durante a obra; isenção / desconto no ITBI; desconto de IPTU no prédio. Principais categorias do Qualiverde: (1) gestão da água (medidores individuais, reuso de águas servidas, reuso de águas negras, aproveitamento de águas pluviais, etc); (2) eficiência energética (aquecimento solar, iluminação natural eficiente, fontes alternativas de energia, etc); (3) projeto (telhados de cobertura verde, conforto acústico, isolamento térmico, uso de materiais sustentáveis, sistema de fachadas, etc); (4) bonificações (projetos que optarem pela prática de retrofit, projetos que apresentarem selo de certificação de construções sustentáveis, empreendimento que apresentar tecnologias inovadoras para cumprimento das práticas de sustentabilidade, etc). Benefícios da certificação: credibilidade; premiação para boas práticas; benchmarking; valor agregado para a empresa e diferencial mercadológico; valorização do imóvel em até 25% (Fonte: GBC Brasil) e liquidez; estimula o mercado de produtos e serviços sustentáveis; oportunidade de marketing espontâneo, etc. RESUMO DA TEORIA DADA EM SALA DE AULA CF 1988 Art 225: Todos têm o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado,..., impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo. Breve histórico: - Estocolmo (1972) = em algum momento vai esgotar recursos e ter um excesso de resíduos ; - Quioto (1997) regular a emissão de CFC s (gases de geladeiras; ar condicionado; etc) - RIO 1992 (Agenda 21) - Rio Agenda 21: cidades sustentáveis (águas na cidade; áreas verdes urbanas; planejamento ambiental urbano; qualidade do ar; resíduos sólidos; resíduos perigosos; construção sustentável; mobilidade sustentável; prevenção de desastres). Indicadores: PIB; PIB VERDE; IDH; INDICADORES AMBIENTAIS (Água, energia, resíduos, florestas, biodiversidade, outros). Potenciais ambientais da construção civil: energia; emissões de carbono; água; descarte de resíduos. Potenciais econômicos da construção civil: representa US $ 7,2 trilhões da economia mundial / Expectativa de crescimento para US $ 12 trilhões em 2020; países emergentes representarão 55% deste setor em 2020; Segundo a FIESP e CBIC o setor representa 12,2% do PIB nacional e a previsão de crescimento para 2012 é de 5,2%; Responsável por 43% dos investimentos nacionais; 6.9 milhões de trabalhadores diretos; 10 milhões de trabalhadores indiretos; Investimentos governamentais (construção de hidrelétricas; casa populares, etc). 8

9 Os green buildings (prédios verdes) conseguem atingir marcas como: redução de 30-50% do consumo de energia; 35% de redução de emissão de carbono; 70% de redução de resíduos e entulhos; 40% de redução do consumo de água. Decreto 7746/2012 e Ministério do Planejamento (in 001/2010) estabelece critérios e diretrizes para a promoção do desenvolvimento sustentável nas contratações realizadas. Adquirir bens, serviços e obras considerando critérios de sustentabilidade via especificação técnica no instrumento convocatório ou obrigação da contratada. Menor impacto sobre recursos naturais (ar, solo, água, fauna, flora, etc); preferência para materiais de origem local; maior eficiência na utilização de recursos naturais (água e energia); origem ambientalmente regular. MP in 001/2010 estabelece sistema de medição individualizado de consumo de água e energia; sistema de reuso de água e de tratamento de efluentes gerados; utilização de materiais que sejam reciclados, reutilizados e biodegradáveis e que reduzam a necessidade de manutenção; etc. Devem ser observados os requisitos ambientais para a obtenção de certificação do INMETRO como produtos sustentáveis ou de menor impacto ambiental em relação aos seus similares. A comprovação do disposto neste artigo poderá ser feita mediante apresentação de certificação emitida por instituição pública oficial ou instituição credenciada, ou por qualquer outro meio de prova que ateste que o bem fornecido cumpre com as exigências do edital. Lei 8666/93 Artigo 12: Projeto básico ou executivo para a contratação de obras deve proporcionar economia da manutenção e operação da edificação, eficiência energética e uso racional de água, por meio de tecnologias e práticas que reduzem o impacto ambiental MANDATÓRIO. NBR 15575: segurança (estrutural, contra o fogo, uso e operação); habitabilidade (estanqueidade, desempenho térmico, acústico, lumínico, saúde, higiene, funcionalidade, acessibilidade, conforto tátil e antropodinâmico); sustentabilidade (durabilidade, manutenibilidade, impacto ambiental). Iniciativas para incentivos do Governo: ANEEL (resolução normativa Nº 482 sobre sistema de compensação para micro e mini geração de energia = o que não usa, devolve para a rede); Bolsa Verde (Rio de Janeiro, negociação de ativos ambientais); IPTU verde. ISO 14001: comprometimento da organização através da política de qualidade; planejamento; avaliação dos impactos ambientais; avaliação de desempenho ambiental; processo de melhoria contínua; documentação do sistema de qualidade; treinamento; comunicação; monitoramento; análise crítica pela administração; etc. A ISO trata das questões normativas relacionadas à gestão ambiental e não aos aspectos técnicos de engenharia, ou seja, padroniza o processo e não a evolução do produto. Agenda Ambiental Brasileira Processos de Licenciamento Ambiental. Conselho de governo CONAMA Ministério do Meio Ambiente (MMA) IBAMA União, Estados e Municípios 9

10 Legislação Federal: CONAMA 01/1986 EIA ; CONAMA 237/1997 Licenciamento Ordinário. Que empreendimentos precisam de licença ambiental: extração e tratamento de minerais; indústrias; obras civis (rodovias, ferrovias, hidrovias, etc), barragens e diques, canais para drenagem, transposição de bacias hidrográficas, etc; parcelamento do solo; distrito e pólo industrial; produção de energia termo elétrica; entre outros. LICENÇA PRÉVIA (LP), características e requerimentos: verificação junto aos órgãos competentes, quais são os documentos, projetos e estudos necessários. Concedida na fase preliminar do planejamento do empreendimento. Aprova sua localização e concepção, atesta a viabilidade ambiental, estabelece os requisitos básicos e condicionantes a serem atendidos. Informações adicionais e vistoria podem ser solicitadas; pode haver audiência pública novos prazos; pode incluir os termos de referência para a apresentação de estudos complementares, como o EIA e o RIMA (Relatório de Impacto sobre o Meio Ambiente). PRAZO DE VALIDADE DA LP = Até o final dos projetos ou 5 anos. LICENÇA DE INSTALAÇÃO (LI), características e requerimentos: autoriza a instalação do empreendimento ou da atividade de acordo com as especificações constantes dos planos, programas e projetos aprovados, incluindo as medidas de controle ambiental. Qualquer alteração no projeto ou nos equipamentos durante a fase de implantação deve ser comunicada formalmente ao órgão licenciador para análise e aprovação. Verifica condicionantes da LP. PRAZO DE VALIDADE DA LI = Até o final da obra ou 6 anos. LICENÇA DE OPERAÇÃO (LO), características e requerimentos: autoriza a operação da atividade ou do empreendimento; verifica o cumprimento do que consta das licenças anteriores; verifica condicionantes determinados para a operação; pode ser preciso entrar em operação experimental para que a eficiência dos sistemas e equipamentos de controle de poluição instalados seja testada. PRAZOS DE VALIDADE DA LO = Mínimo de 4 a máximo de 10 anos, quando poderão ser verificados os resultados dos programas de controle ambiental. Renovação deverá ser requerida 120 dias antes de sua expiração. LICENÇA AMBIENTAL SIMPLES (LS): Parágrafo 1º do Artigo 12 da Resolução CONAMA 237/97, é a Licença Simplificada LS = licença única para a localização, instalação e operação. Um dos problemas mais sérios do licenciamento ambiental para o empreendedor é a demora na concessão da licença requerida. Fluxograma do Processo de Licenciamento Ambiental 10

11 Caracterização Ambiental de Empreendimentos: Implantação do projeto (canteiro de obras; limpeza; preparo e terraplanagem; mão de obra empregada; previsão de tráfego de veículos RIT; sistema de abastecimento de água; sistema de coleta e disposição final de resíduos sólidos); Operação do projeto (sistema de drenagem pluvial, coleta e tratamento de esgotos, etc). Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV): visa analisar quantas pessoas o empreendimento trará para a região; análise de adensamento populacional; equipamentos urbanos e comunitários; uso e ocupação do solo; valorização imobiliária; geração de tráfego; etc. Promove debates como destinação adequada dos efluentes; redução do consumo de água potável; impermeabilização do solo; reserva de área verde; etc. Estudos de Impacto Ambiental (EIA): é um relatório técnico onde se avaliam as consequências para o ambiente decorrentes de um projeto. Nele encontram-se identificados e avaliados os impactos que o projeto poderá causar no ambiente, assim 11

12 como apresentar medidas mitigadoras. Conteúdo mínimo: diagnóstico ambiental da área de influência; análise dos impactos e alternativas; definição das ações mitigadoras; elaboração de programa de monitoramento de impactos positivos e negativos. Relatório de Impacto Ambiental (RIMA): o RIMA deve reproduzir as conclusões do EIA. É destinado à informação e ao esclarecimento do público comum (leigo): deve ser redigido em linguagem clara e objetiva; informar os impactos, positivos e negativos, que a implantação do empreendimento terá sobre o meio ambiente natural, social e cultural. Conteúdo mínimo: objetivos e justificativas do projeto; descrição das influências e alternativas; matérias primas; mão de obra, fontes de energia, efluentes, emissões e resíduos; síntese do diagnóstico ambiental; programa de monitoramento, etc. CAI NA PROVA: EIA (diagnóstico das potencialidades sócio ambientais e medidas de mitigação, compensação e controle) = mais técnico. RIMA (informações essenciais para que a população tenha conhecimento das vantagens e desvantagens) = mais informativo. Equipe para elaboração do EIA/RIMA: advogados; antropólogos; arqueólogos; arquitetos; biólogos; engenheiros; geógrafos; historiador; médicos; sociólogos; etc. Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC) Resolução CONAMA Nº 307 = Reduzir Classe A, B e (alguns tipos de C) reciclar; Classe D destinar corretamente. Para todos deve-se pensar em co-processamento. CAI NA PROVA! AGENDA AMBIENTAL BRASILEIRA: PGRCC (Resolução CONAMA 307); Plano de Controle Ambiental (PCA); Laudo Geoambiental; Estudos hidrogeológicos; avaliação de passivos ambientais; Relatório de Impacto Ambiental Urbano (RIAU); Levantamento florístico e faunístico; outorga para uso de águas superficiais ou profundas (poços). Comparativo do Código Florestal (1965) com o novo Código Florestal (2012) com relação à Reserva Legal (permissão de exploração econômica da RL com autorização do Sisnama); Áreas de Preservação Permanente (tem como parâmetro o nível regular da água); Mata Ciliar (a supressão de vegetação nativa de nascentes, de dunas e restingas somente poderá se dar em caso de utilidade pública) e Anistia (isenta os proprietários rurais das multas e sanções previstas na lei em vigor). IMPACTOS AMBIENTAIS (CAI NA PROVA): (1) Identificação Fases: (1) Planejamento; (2) Obra; (3) Operação; (4) Demolição/desativação e desmontagem. (2) Classificação (+ ou -) natureza/tipo; incidência; abrangência; ocorrência/temporalidade; duração; reversibilidade; efeito; magnitude; importância e significância. (3) Avaliação (4) Medidas Mitigadoras (5) Medidas Compensatórias (6) Monitoramento 12

13 A planilha de Leopoldi é utilizada para fazer análise/avaliação de impacto ambiental. Deve-se avaliar: (1) local (limitações, tipos de solo, cursos d água, biodiversidade, etc); (2) água (aproveitamento de águas pluviais, reuso de água, irrigação, etc); (3) energia (maximização de luz natural; fontes alternativas de energia; etc); (4) materiais (reaproveitamento, reuso, reciclagem; durabilidade, reciclabilidade, flexibilidade, etc); (5) qualidade do ambiente (ventilação e iluminação natural; sistema de climatização; automação, etc). Siglas importantes: LEED = Leadership in Energy and Environmental Design USA BREEAM = Building Research Establishment Environmental Assessment Method GBTool = Green Building Challenge CASBEE = Comprehensive Assessment System for Building Environmental Efficiency Japão SBAT = Sustainable Building Assessment Tool É necessário repensar atuais sistemas de gestão de empresas e projetos. Solução proposta: PPI = Processo de Projeto Integrado ou Integrated Project Delivery ou Integrated Design Process (IDP). PPI = abordagem que integra pessoas, sistemas, estruturas de negócios e práticas em um processo colaborativo que otimiza talentos e ideias de TODOS os participantes desde as fases mais iniciais dos projetos. Objetivos do PPI: otimizar resultados do projeto; aumentar o valor para o proprietário; reduzir perdas e resíduos; maximizar eficiência em projeto, fabricação e construção; traçar metas e objetivos bem definidos. Objetivos iniciais: (1) alcançar a compreensão do processo necessário para se obter construções de alta performance ou alcançar metas definidas; (2) estabelecer metas e objetivos preliminares; (3) familiarizar participantes em relação à importância destas metas; (4) identificar estratégias e conceitos de projeto; (5) estabelecer próximos passos. A ideia principal do projeto integrado é de integrar todas as áreas (ex. civil, elétrica, paisagismo, mecânica, arquitetura, interiores, cliente, administração, etc). O que compõe um prédio verde? Resposta: (1) sistemas ativos (sistemas que consomem diretamente como lâmpadas, motores, etc); (2) sistemas passivos (sistemas que não consomem diretamente como vidros, paredes, etc); (3) forma e orientação. custo potencial de economia 10 dicas de sucesso: (1) saber definir o escopo; (2) interação social; (3) ouvir e respeitar o direito de termos dúvidas; (4) obter a adesão de TODOS sobre a importância do trabalho a ser desenvolvido sob esta metodologia; (5) definir premissas e metas e fazer com que todos as entendam; (6) não estourar o orçamento; (7) não se limitar a considerar somente interesses pessoais otimizando o todo; (8) firmar contratos bem redigidos; (9) iniciar o quanto antes; (10) organizar e estimular as comunicações e a inovação. 13

14 PBE (Programa Brasileiro de Etiquetagem) - Procel Edifica; LEED; AQUA; Selo Azul (Caixa Econômica Federal); Qualiverde (Rio de Janeiro). O selo LEED pode ser obtido através de um ranking de pontuação. De acordo com os objetivos do cliente a certificação poderá ser Verde (40 a 49 pontos), Prata (50 a 59 pontos), Ouro (60 a 79 pontos) ou Platina (80 pontos ou mais numa escala de 100 pontos). Vale ressaltar que inovação e regionalidade podem conferir 10 pontos extras (bônus adicionais) no sistema LEED. É emitido pelo United States Green Building Council. Áreas de atuação do LEED (BD + C): (1) espaço sustentável (ex. seleção do local, descontaminação de áreas poluídas, prevenção da poluição, etc); (2) água (redução do consumo, irrigação, tecnologias inovadoras) ; (3) energia (redução do consumo, gases refrigerantes, energias renováveis e verdes, etc) ; (4) materiais (coleta e armazenamento de recicláveis, reuso de materiais, componentes reciclados, materiais regionais, madeira certificada, etc) ; (5) ambiente interno (qualidade do ar, ventilação majorada, controle de fontes poluentes, iluminação e ventilação natural, etc). Requerimentos gerais do LEED (EB-O&M): o edifício deve ser plenamente ocupado por pelo menos 12 meses; 100% das áreas do edifício devem ser consideradas na aplicação da certificação. Até 10% da sua área poderá ser excluída se sob o controle de gerência separada; o edifício deve estar em conformidade com as leis ambientais locais. Categorias do LEED EB-O&M: (1) sustentabilidade do espaço (manutenção de áreas externas, controle de pestes, erosão, gerenciamento de águas pluviais, etc); (2) racionalização do uso da água (medição da performance da água, redução do consumo de água potável, etc); (3) energia e atmosfera (melhores práticas de gestão para eficiência energética; relatório de redução das emissões; medição da performance, etc); (4) materiais e recursos (política de compra sustentáveis em materiais de escritório, bens duráveis como mobiliário, etc; política de gestão dos resíduos sólidos; etc); (5) qualidade ambiental interna (conforto dos ocupantes com pesquisa de satisfação, luz natural e vistas para o exterior, controle de fontes poluentes, etc). LEED COMMERCIAL INTERIORS = LEED CI (2009): categorias do LEED CI: (1) espaço sustentável (ex. seleção do local, conexão com a comunidade, transporte estacionamentos, bicicletários, etc); (2) água (redução do consumo em por exemplo 20%, reduções adicionais, etc) ; (3) energia (redução do consumo, gases refrigerantes, energias verdes, etc) ; (4) materiais (coleta e armazenamento de recicláveis, reuso de materiais, componentes reciclados, materiais regionais, madeira certificada, etc) ; (5) ambiente interno (qualidade do ar, ventilação majorada, controle de fontes poluentes, iluminação e ventilação natural, etc). LEED NEIGHBORHOOD DEVELOPMENT = LEED ND (2009): categorias do LEED ND: (1) implantação (reurbanização de áreas contaminadas, infraestrutura cicloviária, proximidade habitação e trabalho, etc); (2) tipologia urbana (ruas caminháveis, comunidade aberta e conectada, escolas, arborização, transportes, alimentos, etc) ; (3) edificações e infraestrutura verde (orientação solar, aquecimento e resfriamento 14

15 comunitários, etc). Estágios do LEED ND: (1) aprovação condicional de um Plano LEED-ND; (2) Pré-Certificação Plano LEED-ND; (3) Certificação LEED-ND. BD + C = escolas, shopping centers, etc (core and shell) EB- O&M = Existing Buildings Operations & Maintenance ND = neighborhood development (ex. Setor Noroeste em Brasília) ID = interior design CI = comerciais interiores GA = green associate GBC = Green Building Council FELLOW = certificação máxima de sustentabilidade do Sistema LEED. AQUA (Alta Qualidade Ambiental): o referencial técnico do AQUA estrutura-se em dois instrumentos: SGE Sistema de Gestão do Empreendimento, o qual avalia o sistema de gestão ambiental implementado pelo empreendedor, e o QAE Qualidade Ambiental dos Edifícios, o qual avalia o desempenho técnico e arquitetônico da construção. A implementação do SGE permite definir a QAE e organizar o empreendimento para atingi-la, ao mesmo tempo em que permite controlar o conjunto dos processos operacionais relacionados às fases de programa, concepção e realização da construção. Avaliação por auditoria presencial independente; certificado emitido em cada fase pela Fundação Vanzolini. Principais pontos do SGE: (1) comprometimento do empreendedor com o perfil de desempenho ambiental; (2) implantação e funcionamento (estrutura, responsabilidade, competência, documentação, etc); (3) gestão do empreendimento (acompanhamento, análise, avaliação da QAE, ações corretivas, etc); (4) aprendizagem (balanço do empreendimento). Principais pontos da QAE: (1) estrutura-se em 14 categorias que se reúnem em quatro famílias (eco-construção edifício e seu entorno, escolha integrada de produtos, canteiro de obras; eco-gestão energia, água, resíduos, manutenção; conforto acústico, visual, higrotérmico, olfativo; saúde qualidade sanitária dos ambientes, ar e água); (2) o desempenho associado às categorias de QAE se expressa em 3 níveis (bom desempenho mínimo aceitável; superior correspondente ao de boas práticas; excelente calibrado em função dos desempenhos máximos constatados em empreendimentos do e Alta Qualidade Ambiental). A certificação AQUA é emitida em 3 fases distintas: (1) programa (elaboração do programa de necessidades, documento destinado aos projetistas para a concepção arquitetônica e técnica de um empreendimento) ; (2) concepção (elaboração da concepção arquitetônica e técnica do empreendimento); (3) realização (tendo os projetos concebidos, tem-se como resultado final a construção de um empreendimento). O PBE Edifica ENCE (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia): a ENCE é obtida mediante a avaliação do prédio a partir dos requisitos contidos no RTQ-C/R (Regulamento Técnico da Qualidade do Nível de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos ou Edificações Residenciais), por meio do método 15

16 descrito no RAC-C (Regulamento de Avaliação da Conformidade). As exigências contidas no RTQ-C/R serão avaliadas por um laboratório de inspeção designado ou acreditado pelo INMETRO. O RTQ-C fornece uma classificação de edifícios através da determinação da eficiência de três sistemas: (1) envoltória peso de 30%, dados necessários: as built da edificação, fator solar de janelas, medidas em m2 de janelas verticais, etc; (2) iluminação peso de 30%, dados necessários: área em m2 iluminada por cada controle independente, qual a contribuição de luz natural, áreas de tetos, planos de trabalho, etc; (3) condicionamento de ar peso de 40%, dados necessários: área em m2 que este equipamento atende, eficiência do sistema, qualidade do filtro de ar utilizado, etc. Ressalta-se que é necessário certificar a envoltória antes de certificar a parte interna. CASA AZUL (Caixa Econômica Federal): 3 classificações principais = bronze (19 critérios obrigatórios), prata (critérios obrigatórios + 6 de livre escolha = 25 critérios) e ouro (obrigatórios + 12 de livre escolha = 31 critérios). QUALIVERDE (Rio de Janeiro): concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações de sustentabilidade e à redução da emissão de gases de efeito estufa. Benefícios edilícios: isenção da área de varandas abertas e jardineiras no cômputo da ATE, cobertura do estacionamento localizado no pavimento térreo, desde que seja do tipo telhado verde e associado ao sistema de coleta, retenção ou reuso de águas pluviais. Benefícios fiscais: desconto do ISS na obra; isenção / desconto de IPTU durante a obra; isenção / desconto no ITBI; desconto de IPTU no prédio. Principais categorias do Qualiverde: (1) gestão da água (medidores individuais, reuso de águas servidas, reuso de águas negras, aproveitamento de águas pluviais, etc); (2) eficiência energética (aquecimento solar, iluminação natural eficiente, fontes alternativas de energia, etc); (3) projeto (telhados de cobertura verde, conforto acústico, isolamento térmico, uso de materiais sustentáveis, sistema de fachadas, etc); (4) bonificações (projetos que optarem pela prática de retrofit, projetos que apresentarem selo de certificação de construções sustentáveis, empreendimento que apresentar tecnologias inovadoras para cumprimento das práticas de sustentabilidade, etc). Benefícios da certificação: credibilidade; premiação para boas práticas; benchmarking; valor agregado para a empresa e diferencial mercadológico; valorização do imóvel em até 25% (Fonte: GBC Brasil) e liquidez; estimula o mercado de produtos e serviços sustentáveis; oportunidade de marketing espontâneo, etc. Abreviações importantes: APP = Área de Preservação Permanente (deverá ser intocada); APA/ ACA = Área de Proteção Ambiental / Área de Conservação Ambiental (pode alterar com moderação) ZVS = Zona de Vida Silvestre ZCVS = Zona de Conservação de Vida Silvestre 16

17 RPPN = Reserva Particular de Patrimônio Natural ZA de UCs = Zona de Amortecimento de Unidades de Conservação exceto para APA e RPPN Noção sobre Zona de Amortecimento (ZA) e Área de Preservação Permanente (APP). Ressalta-se que a Zona de Amortecimento (ZA) trava o ataque à APP. As Figuras abaixo ilustram melhor o conceito de ZA e APP. ZA ZA Zona de Amortecimento travando o ataque à APP APP ZA ZA Zona de Amortecimento ligando duas APP s APP ZA APP 17

ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil

ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Autor: Abdala Carim Nabut Neto, MSc. Modelo de Prova (1) Por

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future "Desenvolver a indústria da construção sustentável no país, utilizando as forças Visão de mercado do GBC para conduzir Brasil a adoção (Sonho

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS PARA EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS PARA EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS PARA EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS NOSSOS SERVIÇOS: Serviços de consultoria para Certificação LEED ; Projetos técnicos de sistemas integrados; Produtos e soluções tecnológicas

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Gestão Ambiental Aplicada à Construção de Edifícios

Gestão Ambiental Aplicada à Construção de Edifícios Gestão Ambiental Aplicada à Construção de Edifícios AULA 4 -CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 Introdução Pesquisas mostram que edifícios sustentáveis reduzem em 30% o consumo de energia, em

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

ARQUITETANDO O FUTURO

ARQUITETANDO O FUTURO ARQUITETANDO O FUTURO Arq. Emílio Ambasz T J D F T ASSESSORIA DA SECRETARIA GERAL DA PRESIDÊNCIA Objetivos do TJDFT Cumprir o mandamento constitucional de defesa e preservação do meio ambiente para as

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO

ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO ASBEA GRUPO DE TRABALHO DE SUSTENTABILIDADE. RECOMENDAÇÕES BÁSICAS PARA PROJETOS DE ARQUITETURA. INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Sustentabilidade da AsBEA, às vésperas de completar seu primeiro ano de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios

Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios A certificação muitas vezes é um incentivo necessário para implementação de práticas sustentáveis pelo mercado. Isso porque quantifica e confere

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL FICHA TÉCNICA Empresa: Syene Empreendimentos Projeto: Syene Corporate Área Construída: 77.725,45 m² Data de implementação: 01/09/2010 Responsável: Jealva Fonseca Contato: jealva@syene.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Eficiência Energética x Certificações Ambientais: Uma abordagem prática. Lenita Pimentel Rafael M. Laurindo

Eficiência Energética x Certificações Ambientais: Uma abordagem prática. Lenita Pimentel Rafael M. Laurindo Eficiência Energética x Certificações Ambientais: Uma abordagem prática Apresentação A Método Estrutura Organizacional Certificações Ambientais LEED HQE Exemplos Práticos Cenário Contexto de atuação Cadeia

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA CONCEITO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO ECOLÓGICA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PROMOVE INTERVENÇÕES CONSCIENTES SOBRE O MEIO AMBIENTE, ADAPTANDO-O PARA AS NECESSIDADES

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS

PROGRAMAS DAS PROVAS ENGENHEIRO CIVIL (prova objetiva) PORTUGUÊS: PROGRAMAS DAS PROVAS 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios).

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Ambiental Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Avaliação de Impactos Ambientais CONAMA 01/1986 estabeleceu

Leia mais

Pressupostos e pré-requisitos das certificações

Pressupostos e pré-requisitos das certificações certificação Pressupostos e pré-requisitos das certificações Divulgação MAR/Humberto Teski Relação do ar condicionado com a gestão de energia e água LEED NC Silver: MAR - Museu do Rio de Janeiro (RJ) O

Leia mais

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção ROBERTO DE SOUZA Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção SUSTENABILIDADE www.cte.com.br Roberto de Souza roberto@cte.com.br Empresa atuando há 19 anos na cadeia

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

O mercado da Construção Sustentável e as oportunidades com as crises hídricas e elétricas

O mercado da Construção Sustentável e as oportunidades com as crises hídricas e elétricas O mercado da Construção Sustentável e as oportunidades com as crises hídricas e elétricas Engº. Marcos Casado Diretor Técnico Comercial Sustentech Coordenador MBA Construções Sustentáveis INBEC/UNICID

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

Soluções Sustentáveis

Soluções Sustentáveis ANA ROCHA MELHADO Soluções Sustentáveis EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS IV SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL RIO DE JANEIRO, junho de 2011 SÍTIO E CONSTRUÇÃO (6 18) 1 - Relação do Edifício com o

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

ENERGIA COMO PARÂMETRO DE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL

ENERGIA COMO PARÂMETRO DE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL ENERGIA COMO PARÂMETRO DE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL Vanessa Silva Pugliero Engenharia Ambiental CEATEC vanessapugli@puccamp.edu.br Lia Lorena Pimentel Tecnologia do Ambiente Construído CEATEC

Leia mais

superações o espetáculo das bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC O esporte como protagonista da sustentabilidade

superações o espetáculo das bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC O esporte como protagonista da sustentabilidade SET/OUT 2013 ANO II Nº 07 R E V I S TA A REVISTA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL o espetáculo das O esporte como protagonista superações da sustentabilidade bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC Retrofit

Leia mais

ADAPTAÇÃO DO HQE AO BRASIL

ADAPTAÇÃO DO HQE AO BRASIL FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ADAPTAÇÃO DO HQE AO BRASIL Construção Sustentável? www.vanzolini.org.br www.geaconstruction.com manuel.martins@vanzolini.org.br

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Certificação na Construção

Energia, Sustentabilidade e Certificação na Construção Energia, Sustentabilidade e Certificação na Construção Introdução Segundo relatório do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) o setor de construção responde por 40% do consumo mundial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE

A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE A IMPORTÂNCIA DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PREVENÇÃO DE DANOS AO MEIO AMBIENTE Hiuri Martorelli Metaxas 1 RESUMO: Este artigo descreve o conceito de Licenciamento Ambiental segundo a legislação vigente.

Leia mais

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Prof. João Paulo O LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) é um sistema de certificação e orientação ambiental de edificações.

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81)

POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE 1. LICENCIAMENTO AMBIENTAL 1.1 NATUREZA JURÍDICA: Instrumento preventivo de tutela do meio ambiente (art. 9º, IV da Lei nº. 6.938/81) 1.2 CONCEITO: Segundo o art. 1º,

Leia mais

A Straub Sustentabilidade tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil.

A Straub Sustentabilidade tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil. 1. Quem somos A Straub Sustentabilidade tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil. Nossa política é agir com ética, consciência, transparência,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DE EDIFÍCIOS NO BRASIL: ANÁLISE DO MÉTODO ALTA QUALIDADE AMBIENTAL AQUA

SUSTENTABILIDADE DE EDIFÍCIOS NO BRASIL: ANÁLISE DO MÉTODO ALTA QUALIDADE AMBIENTAL AQUA SUSTENTABILIDADE DE EDIFÍCIOS NO BRASIL: ANÁLISE DO MÉTODO ALTA QUALIDADE AMBIENTAL AQUA Sibelli Paula Corsani (1); Andreza Kalbusch (2); Doalcey Antunes Ramos (3) (1) Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

ADICIONANDO SUSTENTABILIDADE AO PROJETO ARQUITETONICO ECOLATINA- 19 DE OUTUBRO DE 2007

ADICIONANDO SUSTENTABILIDADE AO PROJETO ARQUITETONICO ECOLATINA- 19 DE OUTUBRO DE 2007 ADICIONANDO SUSTENTABILIDADE AO PROJETO ARQUITETONICO ECOLATINA- 19 DE OUTUBRO DE 2007 CURRICULUM Paulo Lisboa, arquiteto, formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Mackenzie em 1981, com pós-graduação

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental

COMPONENTE AMBIENTAL EM PROJETOS RODOVIÁRIOS. - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Conceitos Básicos de Gestão Ambiental - Empreendimentos Rodoviários - Impacto Ambiental - Legislação vigente - Licenciamento Ambiental - Estudos e Relatórios Ambientais - Componente Ambiental DNIT Conceitos

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis

SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis SELO CASA AZUL CAIXA Seminário Construções Sustentáveis 19/OUT/2011 Mara Luísa Alvim Motta Gerência Nacional de Meio Ambiente CAIXA EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2003-2010 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos

Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos Recomendações para inclusão de critérios de sustentabilidade no projeto para a construção do prédio de laboratórios da ENSP no Campus Manguinhos 1. Introdução A inclusão de critérios sustentáveis em diferentes

Leia mais

SBCS 08 I Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável O PROFISSIONAL DE FACILITIES E A GESTÃO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS EM USO.

SBCS 08 I Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável O PROFISSIONAL DE FACILITIES E A GESTÃO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS EM USO. SBCS 08 I Simpósio Brasileiro de Construção Sustentável O PROFISSIONAL DE FACILITIES E A GESTÃO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS EM USO Amilcar João Gay Filho Associação Brasileira de Facilities Fórum de Conhecimento

Leia mais

CERTIFICADO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS AQUA, LEED E PROCEL EDIFICA

CERTIFICADO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS AQUA, LEED E PROCEL EDIFICA CERTIFICADO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS AQUA, LEED E PROCEL EDIFICA Admilson Lima Nascimento Evandro Maciel Centro Universitário Fundação Santo André MBA em Gestão de Energia 2010 Abstract: This article aims

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza

UHE PCH. LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal. Roberto Huet de Salvo Souza LICENCIAMENTO AMBIENTAL Federal UHE PCH Roberto Huet de Salvo Souza - I B A M A N Ú C L E O D E L I C E N C I A M E N T O A M B I E N T A L NLA/SUPES- RJ O que é licenciamento ambiental? Para que serve?

Leia mais

I ENCONTRO NACIONAL entre a ANEEL e o MINISTÉIRO PÚBLICO

I ENCONTRO NACIONAL entre a ANEEL e o MINISTÉIRO PÚBLICO I ENCONTRO NACIONAL entre a ANEEL e o MINISTÉIRO PÚBLICO Processo de Licenciamento Ambiental - Problemas e deficiências João Akira Omoto Procurador da República Brasília (DF) - 2003 LICENCIAMENTO AMBIENTAL

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

Planejamento de obras e urbanismo

Planejamento de obras e urbanismo Conteúdo da Aula 1ª parte Planejamento de obras e urbanismo Construção sustentável e Gestão de resíduos 1ª parte 1. Construção de uma sociedade sustentável 2. Agenda 21 on Sustainable Construction 3. Conceitos/fundamentos

Leia mais

Shaping the future. Together.

Shaping the future. Together. Shaping the future. Together. 140 anos de inovação 1872 Empreendedores tomam a iniciativa e lançam a DÜV para garantir segurança em fabricas 1918 Atividades nos setores de minas e energia 1957 Compromisso

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL CERTIFICAÇÃO LEED O QUE CERTIFICA E COMO E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: A tendência de sustentabilidade e respeito ao meio ambiente estão tomando conta de diversos setores

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Exemplos de projetos e políticas públicas Pegada ecológica Imagem: Jornal Bahianorte Evolução da Pegada Ecológica Imagem: miriamsalles.info Nosso padrão de produção Imagem:

Leia mais

EDIFÍCIOS INTELIGENTES X CERTIFICAÇÃO GREEN BUILDING

EDIFÍCIOS INTELIGENTES X CERTIFICAÇÃO GREEN BUILDING EDIFÍCIOS INTELIGENTES X CERTIFICAÇÃO GREEN BUILDING Dilmer Rodrigues, Sergio Perensin Centro Universitário Fundação Santo André (FSA) Av. Príncipe de Gales, 821 - Bairro Príncipe de Gales - Santo André,

Leia mais

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE

PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Contabilidade Ambiental e a Sustentabilidade nas Empresas Luis Fernando de Freitas Penteado luisfernando@freitaspenteado.com.br www.freitaspenteado.com.br PARCERIA: SUSTENTABILIDADE Dificuldade de definição

Leia mais

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS

CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS CONCEITOS DE AVALIAÇÃO, ESTUDOS E RELATÓRIOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS IMPACTO AMBIENTAL Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente,

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Regulamentação e Licenciamento Ambiental Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Matriz Constitucional "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

Uso e Ocupação do Solo. Escolha do local de projeto de acordo com critérios de sustentabilidade

Uso e Ocupação do Solo. Escolha do local de projeto de acordo com critérios de sustentabilidade Uso e Ocupação do Solo Escolha do local de projeto de acordo com critérios de sustentabilidade Os principais objetivos do projeto de um sítio sustentável são minimizar o impacto no local e aumentar os

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia

Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Gerenciamento de Propriedade & Soluções de Engenharia Há 25 anos, a Engepred associa o conhecimento sobre o mercado imobiliário à experiência de promover o melhor funcionamento de shoppings centers, prédios

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS Instituto Estadual do Ambiente - INEA Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas - DIBAP Gerência do Serviço Florestal - GESEF ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Conceitos /

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

GREENBUILDING BRASIL 2014:

GREENBUILDING BRASIL 2014: REVISTA ANO1 / Nº2 / 2014 GBCBRASIL CONSTRUINDO UM FUTURO SUSTENTÁVEL GREENBUILDING BRASIL 2014: POSIÇÃO DO BRASIL CONSOLIDA-SE NO CENÁRIO MUNDIAL Centro Empresarial Senado: arquitetura que revitaliza

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS

3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL 3º SIMPÓSIO DE OBRAS RODOVIÁRIAS (Avanço no Licenciamento Ambiental de Rodovias) Lucio Lima da Mota São Paulo. 21 de Outubro de 2010 Adaptado

Leia mais

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ENGº. MARCOS CASADO Gerente Técnico LEED Tópicos a serem abordados: Objetivos Conceitos: ECOPRODUTOS - Produtos recomendados - Produtos corretos - Produtos aceitáveis

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº XXX, de XX de XXXXXXX de 2015

RESOLUÇÃO CONAMA nº XXX, de XX de XXXXXXX de 2015 Procedência: 10ª Reunião Ordinária da CTCA Data: 04 e 05 de abril de 2016 Processo n 02000.001845/2015-32 Assunto: Minuta de Resolução Conama que dispõe sobre critérios e diretrizes gerais para o licenciamento

Leia mais

13/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP de Indaiatuba AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS

13/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL. CIESP de Indaiatuba AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS 13/10/ CIESP de Indaiatuba 08 de outubro de AS IMPLICAÇÕES DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS PARA OS USUÁRIOS COMITÊS DE BACIAS CIESP de Indaiatuba 08 de outubro de Organização ( Lei n 6938/81

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PROCESSO DE PROJETO SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROCESSO DE PROJETO SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Monique PAIVA M.Sc., Arquiteta, Universidade Federal Fluminense - Correio eletrônico: Paiva.nit@gmail.com Carlos SOARES D.Sc., Arquiteto,

Leia mais

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável

Política Nacional de Habitação: objetivos. iniciativas para uma construção Sustentável A Politica Nacional de Habitação e as iniciativas para uma construção Sustentável Universalizar o acesso à moradia digna Política Nacional de Habitação: objetivos Promover a urbanização, regularização

Leia mais

Avaliação da Viabilidade Ambiental de Projetos: Pressupostos, Conceitos e Etapas do Processo PROF. ELIAS SILVA

Avaliação da Viabilidade Ambiental de Projetos: Pressupostos, Conceitos e Etapas do Processo PROF. ELIAS SILVA IV SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS I WORKSHOP INTERNACIONAL DE SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA Tecnologias Ambientais: Energia Renovável vel a partir de Biomassa e Resíduos Agrícolas (Agosto/2009)

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Edimundo Almeida da Cruz Geógrafo, Analista Ambiental (GCA-SLM-IEMA) Contato: edimundo-cruz@hotmail.com IEMA-CLM: (27) 3636-2580, 3636-2583

Leia mais

São Carlos Empreendimentos conquista primeiro LEED Silver do Brasil no conceito Multiple Buildings

São Carlos Empreendimentos conquista primeiro LEED Silver do Brasil no conceito Multiple Buildings São Carlos Empreendimentos conquista primeiro LEED Silver do Brasil no conceito Multiple Buildings Os edifícios Padauiri e Demini, em Alphaville, foram os prédios que conquistaram a certificação verde

Leia mais