GANHOS POTENCIAS NA UTILIZAÇÃO DA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GANHOS POTENCIAS NA UTILIZAÇÃO DA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA"

Transcrição

1 GANHOS POTENCIAS NA UTILIZAÇÃO DA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA REGATTIERI, Carlos Eduardo (1); SILVA, Luciano Luis Ribeiro da (2) (1) MSc. Eng. Civil. Associação Brasileira de Cimento Portland. Av. Torres de Oliveira, 76 São Paulo, SP. CEP (2) MSc. Eng. Civil. RESUMO Este trabalho discute os ganhos de eficiência que podem ser obtidos na utilização da argamassa industrializada comparada à argamassa preparada em canteiro de obras. Apresentam-se, inicialmente, os conceitos relativos ao preparo da argamassa no canteiro para, em seguida, analisar os diferentes processos que compõem a utilização da argamassa, desde o recebimento do material até a aplicação da mesma. São identificados os ganhos potencias de eficiência da argamassa industrializada referentes à demanda de mão-de-obra, ao prazo de execução dos serviços e ao consumo de materiais. Também são analisados dados, obtidos de pesquisas, que abordam a eficiência na execução de serviços de Construção Civil com a utilização de argamassa industrializada. ABSTRACT This paper discusses improvements efficiency with the industrial mortar. After a conceptual approach, it describes the process concerned, from receiving until the mortar application, surveying the improvements. Also are analyzed labor productivity data based on researches.

2 1 INTRODUÇÃO As argamassas, conforme exposto por Sabbatini & Baía (2000), apesar de serem muito utilizadas, são ainda caracterizadas por considerável incidência de problemas patológicos, desperdícios de materiais, mão-de-obra e tempo e elevados custos de produção. Com o objetivo de reverter esse quadro, o setor da Construção Civil vem investindo no aprimoramento de seus processos com a adoção de novas tecnologias e novos materiais. Como exemplo desse aprimoramento, cita-se o uso da argamassa industrializada. De acordo com Massetto et al (1998), a procura pelas argamassas industrializadas, por parte das empresas construtoras, tem sido crescente. As indústrias de argamassa também têm investido na busca de melhores produtos como, por exemplo, o fornecimento de argamassas específicas para cada tipo de uso. Porém, muitas empresas construtoras, ao discutirem a adoção da argamassa industrializada, realizam análises simplificadas não avaliando possíveis ganhos de eficiência em diversos processos, que compreendem desde o recebimento dos materiais até a aplicação da argamassa. Essa carência nas análises pode ser justificada pela falta de informações quanto aos ganhos de eficiência que podem ser obtidos em cada um desses processos. 2 OBJETIVO DO TRABALHO O objetivo deste trabalho é realizar uma análise nos diversos processos que compõem a utilização da argamassa, identificando ganhos potencias de eficiência na adoção da argamassa industrializada em relação à argamassa preparada no canteiro de obras. 3 ENTENDIMENTO SOBRE O PREPARO DA ARGAMASSA Segundo a norma NBR (ABNT, 1995), argamassa é a mistura homogênea de agregado miúdo, aglomerante inorgânico e água, com aditivos ou não, e com propriedades de aderência e endurecimento. Ë importante notar que já na definição a homogeneidade é considerado um ponto crítico. Para essa mesma norma, as argamassas preparadas em obra são aquelas em que a medição e a mistura dos materiais ocorrem no próprio canteiro de obras. Seus materiais são medidos em volume ou massa; e podem ser compostas por um ou mais aglomerantes (simples ou mistas). Em se utilizando a cal, no preparo da argamassa em obra, é necessário aguardar o seu tempo de maturação, para sua perfeita hidratação. Segundo a norma NBR 7200 (ABNT, 1998), esse tempo é de 16 horas. Para que isso ocorra, procede-se a mistura prévia da cal hidratada em pó com areia e água (argamassa intermediária), ou a mistura prévia de cal hidratada com a água (pasta de cal). Essas misturas são deixadas em repouso até o momento da mistura da argamassa final, realizada somente após o tempo de maturação da cal. Na Figura 1 é mostrado um fluxograma simplificado dos processos envolvidos no uso da argamassa mista preparada em obra.

3 Legenda: transporte Recebimento da areia Areia 1 Medição e mistura da argamassa intermediária operação armazenagem Recebimento da cal Cal inspeção Argamassa intermediária Recebimento do cimento Cimento Medição e mistura da argamassa Aplicação da argamassa Figura 1 - Fluxograma dos processos para argamassa mista preparada em obra As argamassas industrializas, de acordo com a norma NBR (ABNT, 1995), são aquelas provenientes da dosagem controlada, em instalações próprias (indústrias), de aglomerante(s), agregado(s), e, eventualmente, aditivos(s), em estado seco e homogêneo, compondo uma mistura seca à qual o usuário somente adiciona a quantidade de água requerida para proceder a mistura. Na Figura 2 é mostrado um fluxograma simplificado dos processos envolvidos no uso da argamassa industrializada no canteiro de obras. Recebimento da argamassa industrializada em sacos preparo da argamassa Aplicação da argamassa Figura 2 - Fluxograma dos processos para argamassa industrializada em sacos Comparando-se as figuras 1 e 2, nota-se que a argamassa preparada em canteiro envolve um número bem maior de processos, portanto requer maior demanda de transporte, maior necessidade de áreas de armazenagem, maior quantidade de controles e, conseqüentemente, maior utilização de mão-de-obra. Somando-se a complexidade da gestão, fica evidente que a opção por produção em canteiro não é compatível com os conceitos de racionalização.

4 4 ANÁLISE DOS PROCESSOS ENVOLVIDOS NO USO DA ARGAMASSA DENTRO DO CANTEIRO DE OBRAS Nesse capítulo serão apresentados alguns dos potencias ganhos de eficiência da argamassa industrializada em relação à argamassa preparada em obra. Para isso, serão analisados os diversos processos envolvidos no uso da argamassa no canteiro, desde o recebimento dos materiais até a aplicação. De maneira geral, pode-se incluir os seguintes processos: recebimento e descarregamento dos materiais; controle de recebimento e qualidade dos materiais; armazenamento dos materiais; escolha do local de mistura da argamassa; peneiramento da areia; medição dos materiais; mistura da argamassa; transporte dos materiais. 4.1 Recebimento e Descarregamento dos Materiais A forma de descarregamento dos materiais, utilizados na produção de argamassa, está ligada à forma de recebimento deles. Os materiais entregues em sacos (cimento, cal e argamassa industrializada) são descarregados manualmente ou, se forem entregues em paletes, com o uso de carro porta-palete, empilhadeira ou grua. Os materiais entregues a granel são descarregados, geralmente, pelo próprio veículo de entrega. A areia é recebida a granel em caminhão basculante. A necessidade do descarregamento da areia fora de seu local de armazenamento pode ser muito onerosa, uma vez que pode demandar grande quantidade de mão-de-obra, alem de uma logística complicada. A argamassa industrializada também pode ser entregue acondicionada em silo, ou a granel. O descarregamento de silos é feito pelo próprio caminhão de seu transporte e o abastecimento dos silo se dá através de mangueiras ligando o caminhão graneleiro ao silo (Figura 3). A argamassa industrializada, por permitir um descarregamento mais mecanizado, utiliza menor quantidade de mão-de-obra e induz a menores perdas de materiais.

5 Figura 3 Abastecimento de silo de argamassa industrializada no canteiro através de mangueiras ligadas ao caminhão 4.2 Controle de Recebimento e Qualidade dos Materiais Para Jobim et al. (1999), um dos problemas causadores de ineficiências da execução dos serviços que utilizam a argamassa é a falta de qualidade e grande variabilidade dos materiais, que podem ocasionar patologias, perdas de materiais, retrabalho e etc.. Assim, justifica-se a realização de um controle de recebimento em prol da garantia da qualidade dos materiais que irão constituir a argamassa, e da certeza de que o material recebido está de acordo com a especificação e com a quantidade solicitada. É importante ressaltar que para argamassas produzidas em canteiro é imprescindível um estudo prévio de dosagem visando determinar tanto o proporcionamento propriamente dito quanto as especificações das matérias primas. Ao final do trabalho estas informações devem ser divulgadas amplamente para todos os envolvidos, especialmente os setores de produção e suprimento. Conforme Souza & Tamaki (2001), no controle de recebimento dos materiais podem ser realizados três tipos de verificações: quantitativa, visual e por ensaios. As verificações quantitativas e visuais devem ser realizadas no momento do recebimento do material no canteiro. Os ensaios, por sua maior complexidade, são geralmente realizados por laboratórios especializados, os quais devem estar devidamente capacitados para tal. Sempre que possível, deve-se optar por laboratórios pertencentes à rede credenciada pelo INMETRO ou sócios da ABRATEC (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Construção Civil ). Na Tabela 1, apresentam-se algumas das possíveis verificações realizadas no recebimento dos materiais nos canteiros de obras. Além dessas, deve-se verificar também se as informações relativas ao material e sua fabricação estão impressas nas embalagens ou descritas nos registros que os acompanham e se o material possui o selo de conformidade, como o da ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland), por exemplo.

6 Tabela 1 - Controles de recebimento de materiais Material Forma de recebimento Verificação quantitativa Verificação visual Areia a granel cubicagem da caçamba do caminhão coloração granulometria impurezas Cal em sacos contagem dos sacos existência de sacos rasgados, furados e molhados Cimento em sacos contagem dos sacos existência de sacos rasgados, furados, molhados ou com empedramento; Argamassa industrializada em sacos contagem dos sacos existência de sacos rasgados, furados, molhados ou com empedramento; Argamassa industrializada em silo pesagem do veículo antes e depois da descarga FONTE: adaptado de SOUZA; TAMAKI (2001) Nota-se que, em função do uso de diferentes materiais, a argamassa preparada em obra necessita de um número maior de controles comparado à argamassa industrializada. Este custo muitas vezes é negligenciado quando do planejamento dos empreendimentos. Outra desvantagem da argamassa preparada em obra é a dificuldade em controlar a qualidade da areia, que apresenta diversos problemas difíceis de serem detectados, como a presença de impurezas (JOBIM et al. 1999). 4.3 Armazenamento dos Materiais O correto armazenamento dos materiais evita uma série de problemas, como perdas na qualidade, perdas quantitativas, problemas quanto ao fluxo nos canteiros de obras e problemas de segurança dos operários, para citar apenas alguns. As recomendações mais importantes para o armazenamento dizem respeito à segurança dos operários e demais pessoas, descritas pela NR 18 (FUNDACENTRO, 1996). Além dessas recomendações, Souza et al. (1997), Maciel et al.(1998) e a norma NBR 7200 (ABNT,1998) recomendam que: a) a areia deve ser armazenada: em compartimentos identificados pela natureza e classificação granulométrica, em espaço confinado em três lados, com fundo inclinado e drenado; em local a que o caminhão basculante possa ter acesso direto. b) os materiais ensacados (cimento, cal e argamassa industrializada) devem ser armazenados: em local fechado, protegido da umidade, sobre estrado ou assoalho de madeira, e não ter contato com a parede; de forma que se permita a retirada dos materiais segundo a ordem de compra, para que sejam utilizados dentro do prazo de validade. c) a argamassa intermediária deve ser armazenada próximo ao local de mistura da argamassa mista (definitiva).

7 A argamassa preparada em obra, por necessitar de materiais em sacos e de areia solta, necessita maiores cuidados quanto ao armazenamento dos materiais. Outra desvantagem dessa forma de preparo é o armazenamento da argamassa intermediária. Em relação à demanda de áreas para armazenamento de materiais, na Tabela 2 apresentam-se alguns exemplos de áreas necessárias em função da quantidade de materiais, indicadas por SOUZA (2000). Tabela 2 - Áreas necessárias para armazenamento de determinadas quantidades de materiais Material Quantidade Característica do estoque Área necessária (m 2 ) Cimento 200 sacos pilhas com 10 sacos 8,4 Cal 200 sacos pilhas com 15 sacos 4,8 Argamassa industrializada 200 sacos pilhas com 10 sacos 8,4 Areia 10 m 3 altura média 0,8 m 12,5 Argamassa intermediária 1 m 3 altura média 0,3 m 3,4 FONTE: adaptado de SOUZA (2000) Os estoques de argamassa industrializada são mais flexíveis, ou seja, podem ser remanejados no canteiro de obra com maiores facilidades que os estoques de materiais da argamassa preparada em obra, além de poderem ser distribuídos nos locais de aplicação (andares). Outra vantagem da argamassa industrializa é a possibilidade de seu armazenamento em silo, requerendo uma pequena área no canteiro, em que cerca de 9 m 2 pode armazenar até 30 toneladas de material. Na Figura 4 mostra-se um silo instalado em canteiro. Figura 4 Silo com argamassa industrializada

8 4.4 Local de Preparo da Argamassa O local de mistura da argamassa influi no fluxo de materiais e pessoas, ritmo de produção, em diferentes níveis de controle da qualidade da argamassa e em perdas quantitativas de materiais. A mistura da argamassa pode ser de duas formas, ou seja, em local único no canteiro de obras (central de preparo) ou em locais variáveis. Neste caso, ocorre nos pavimentos de execução do serviço. Para as argamassas preparadas em obra, a mistura em locais variáveis apresenta alguns problemas, tais como dificuldade no controle de qualidade da argamassa e perdas na medição e transporte dos materiais. No caso da argamassa industrializada, o preparo em locais variáveis é favorecida, permitindo menores solicitações de transporte e mão-de-obra e otimização dos sistemas de transporte vertical, com utilização fora dos horários de pico. 4.5 Medição dos Materiais Uma das maiores vantagens da argamassa industrializada é não precisar da medição dos materiais, exceto da água. Para a argamassa preparada em obra, se faz necessária a medição de todos os materiais constituintes para dosagem da mesma. Os equipamentos recomendados para a medição dos aglomerantes e dos agregados são as padiolas e os carrinhos-padiola (Figura 5). A medição da quantidade de água pode ser feita com o auxilio de baldes, latas ou dosadores ou, para alguns tipos de misturadores, a dosagem de água pode ser automática. Para medição manual, o recipiente deve ser graduado ou ter uma marca visível, evitando variações da quantidade de água. Embora em alguns casos se recomende incorporar aditivos na argamassa preparada em canteiro, o seu uso é comprometido em função da dificuldade de sua dosagem, uma vez que precisa de quantidades mínimas, difíceis de serem medidas no canteiro de obras. A isto soma-se o fato de que muitas vezes o equipamento utilizado não é adequado. a b Figura 5 Equipamentos de medição dos materiais: a) padiola; b) carrinho-padiola. 4.6 Mistura da Argamassa As misturas, de acordo com a norma NBR 7200 (ABNT, 1998), devem ser feitas por processos mecanizados ou, em casos excepcionais, por processo manual. A mistura manual não é aconselhável, pois não é garantida a correta homogeneização da argamassa, o que compromete as suas propriedades.

9 Muitos são os equipamentos atualmente disponíveis para o preparo mecânico da argamassa. Tais equipamentos podem ser classificados de acordo com o sistema de mistura, com o tipo do eixo e com o regime de produção. Na Tabela 3, apresenta-se essa classificação. Tabela 3 -Tipos de misturadores de argamassa Critérios de classificação Tipos de misturadores Tipo de mistura por queda livre ou gravitacional forçada Tipo de eixo horizontal vertical inclinado planetário Regime de produção intermitente (por batelada) contínuo Os misturadores de queda livre (ou gravitacionais), também conhecidos por betoneiras, não são indicados para a mistura da argamassa, pois não garantem a perfeita homogeneidade da mistura. Apesar disso, nota-se que eles são muito usados para a mistura de argamassa de revestimento. O ideal é que o preparo da argamassa seja feito com equipamento específico e melhor adaptado para a produção de argamassa, denominado argamassadeira. Os fabricantes de argamassadeiras indicam seu uso preferencialmente para as argamassas industrializadas. A falta de equipamentos específicos para a mistura da argamassa preparada em obra é uma desvantagem para esta forma de produção. Na Figura 6, apresentam-se alguns equipamentos utilizados na mistura de argamassa. a b c Figura 6 Equipamentos de mistura: a) betoneira; b) argamassadeira intermitente de eixo horizontal; c) argamassadeira contínua de eixo horizontal.

10 Observando-se a Figura 6 pode-se constatar que as dimensões das argamassadeiras permitem seu deslocamento na obra com facilidade. A maioria deles é dotada de rodas, sendo possível sua movimentação com apenas um profissional. 4.7 Transporte dos Materiais O sistema de transporte é um dos principais responsáveis por utilizações excedentes de mão-de-obra e por perdas de materiais (SANTOS, 1995). A necessidade de transporte dos materiais ou da argamassa está relacionada: a) com a forma de preparo da argamassa e com os materiais utilizados; b) com o arranjo físico do canteiro de obras, pois maiores distâncias entre as áreas de armazenamento, mistura e aplicação determinam maior necessidade de transporte; c) local de mistura da argamassa, pois determina se há a necessidade do transporte dos materiais constituintes ou da argamassa já misturada. Segundo Lichtenstein (1987), o transporte de materiais pode ser com decomposição ou sem decomposição do movimento. O transporte de materiais com decomposição de movimento ocorre quando são utilizados equipamentos diferentes para o movimento horizontal e vertical, enquanto o transporte sem decomposição ocorre quando se utiliza apenas um equipamento para os dois movimentos. Na Tabela 4, apresentam-se os principais equipamentos utilizados nos transportes de materiais para o preparo de argamassa, de acordo com esse autor. Tabela 4 - Equipamentos utilizados nos transportes de materiais para a execução de revestimento de argamassa Materiais Transporte horizontal Transporte vertical Transporte sem decomposição areia jerica carrinho-de-mão carrinho-padiola padiola materiais em sacos jericas carrinhos-de-mão guincho manual (1) guincho de coluna elevador de obra guincho manual (1) guincho de coluna elevador de obra grua grua material em sacos entregues em paletes carro porta-palete empilhadeira elevador de obra grua argamassa fresca jericas carrinho para transporte de masseiras carrinho-de-mão guincho manual (1) guincho de coluna elevador de obra por gravidade, através de dutos grua bomba (de via úmida) argamassa industrializada a granel (silo) bomba (de via seca) FONTE: adaptado de LICHTENSTEIN (1987) NOTA: (1) O guincho manual só é indicado para pequenas alturas e pequenas quantidades de materiais.

11 Para o transporte vertical o ganho da argamassa industrializada é significativo. Conforme pode-se observar na Figura 7, para argamassas preparadas em obra o limite fica por conta da dimensão do equipamento usado. Em se tratando de giricas, cujo volume máximo é de 250 litros cada, o total transportado por ciclo é de 500 kg de argamassa, que representa 425 kg de pó. No sistema industrializado, com produção no andar, a quantidade é por conta do limite do equipamento, normalmente 750 kg de pó (15 sacos). O ganho é de 76%. Figura 7 Transporte vertical de argamassa De acordo com Lichtenstein (1987), é importante a criação de um sistema de transporte vertical independente para os materiais constituintes da argamassa, afim de desafogar o equipamento principal de transporte (elevador de obra ou grua) e evitar deslocamentos e interferências inúteis. Esse sistema independente pode ser realizado com o uso de guinchos manuais, guinchos de coluna, por gravidade ou por bombeamento. No entanto, esta solução normalmente não é adotada em função dos custo adicional deste sistema independente. Na Figura 8, ilustram-se o guincho de coluna e o elevador de obra e, na Figura 9, o transporte de argamassa por gravidade através de dutos. a Figura 8 - Equipamentos de transporte vertical: a) guincho de coluna; b) elevador de obra b

12 b a c Figura 9 -Transporte de argamassa por gravidade através de dutos: a) duto de ligação do local de mistura na cobertura ao balancim; b) funil por onde a argamassa é inserida no duto com o uso de pás, c) duto sobre o balancim A grua é pouco utilizada no transporte de materiais para o preparo da argamassa, embora venha sendo utilizada para o transporte de argamassa industrializada em sacos. Na Figura 10, mostra-se o uso de grua para o transporte de argamassa industrializada em sacos. a b c Figura 10 - Transporte de argamassa industrializada em sacos com grua: a) garfo para o içamento de paletes com sacos; b) transporte por grua de sacos de argamassa protegidos com lona plástica para evitar quedas; c) plataforma para o descarregamento de argamassa no pavimento Em relação ao bombeamento de argamassa, atualmente existem dois sistemas: um para a argamassa industrializada armazenada em silo (por via seca) e outro para a argamassa fresca (por via úmida). O bombeamento por via seca significa que apenas a mistura seca do material é bombeada. Esse sistema é composto por um silo com compressor acoplado, um misturador e mangueiras (Figura 11). A argamassa é bombeada, através de uma mangueira, do silo até o misturador, com a injeção de ar comprimido. O controle do fluxo do bombeamento é feito automaticamente, conforme a saída de argamassa no misturador, onde se adiciona água à argamassa seca.

13 a b Figura.11 - Equipamentos de bombeamento da argamassa industrializada por via seca a) compressor de ar acoplado ao silo; b) misturador automático com filtro de ar na parte superior O bombeamento por via úmida consiste na movimentação da argamassa fresca. O sistema é formado por uma bomba e um conjunto de mangueiras. A argamassa fresca é depositada em uma câmara do equipamento de bombeamento (Figura 12) e, através de uma mangueira, é transportada até o local de uso. Figura 12 -Bomba de via úmida para argamassa Por permitir o uso de sistemas de transportes mais mecanizados, como o bombeamento por via seca e o uso de grua, a argamassa industrializada apresenta menores demandas de mão-de-obra e menores perdas de materiais em relação à argamassa preparada em canteiro. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS As análises realizadas neste trabalho apontam que a argamassa industrializada possui grande potencial de ganhos de eficiência, seja quanto à demanda de mão-de-obra, à redução de prazos e à minimização de perdas de materiais, sendo a solução natural para a racionalização deste sub sistema, contribuindo para o aumento da competitividade da Construção Civil. Esses ganhos podem ser comprovados com o estudo de Souza (2001), também apresentado pelo TCPO 13 (PINI, 2002), que aponta uma redução no uso de ajudantes na execução de revestimentos com argamassa industrializada, ou seja, as obras que utilizaram essa argamassa apresentaram as menores demandas da relação de ajudantes por pedreiro.

14 Souza (2001) também indica que os melhores valores de produtividades globais da execução de revestimento interno de paredes foram obtidos em obras que utilizaram argamassa industrializada. Melhores valores de produtividade implicam em menores prazos de execução de serviços, menores custos de mão-de-obra e menores custos indiretos como, por exemplo, os custos de mobilização de canteiro. Também fica evidente que a argamassa industrializada juntamente com sistemas independentes de transporte, reduz o número de interferências com outros serviços, favorecendo a melhoria da produtividade e redução de prazos de serviços. Finalmente, é importante destacar que somente adotando-se soluções que levem à racionalização das diversas atividades 6 BIBLIOGRAFIA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR Execução de revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas: procedimentos. Rio de Janeiro, NBR Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas: terminologia. Rio de Janeiro, JOBIM, M. S. S. FORMOSO, C. T. ABITANTE, A. L. R. Qualidade dos materiais e componentes na Construção Civil do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SEBRAE- RS, LICHTENSTEIN, N. B. Formulação de modelo para o dimensionamento do sistema de transporte em canteiro de obras de edifícios de múltiplos andares p. Tese (Doutorado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo. MACIEL, L. L.; BARROS, M.M.S.B.; SABBATINI,F.H. Recomendações para a execução de revestimentos de argamassa para paredes de vedação internas e exteriores e tetos. São Paulo: PCC/EPUSP, Projeto EPUSP/SENAI. MASSETTO, L. T.; SILVA, F. B.; BARROS, M. M. S. B. Novas tecnologias de produção de revestimentos verticais de argamassa: organização da produção e produtividade. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 7., Florianópolis, Anais... Florianópolis, v.1, p FUNDACENTRO. Condições e meio ambiente do trabalho na indústria da construção: NR-18. Brasília, p. PINI. TCPO 13: Tabelas de composição de preço para orçamentos. 1. ed. São Paulo: Editora PINI, SABBATINI, F. H.; BAÍA, L. L. M. Projeto e execução de revestimentos de argamassa. São Paulo: O nome da rosa, p.

15 SANTOS, A. Método alternativo de intervenção em obras de edificações enfocando o sistema de movimentação e armazenamento de materiais : um caso de caso p. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. SOUZA, R. TAMAKI, M. R. Especificação e recebimento de materiais de construção. São Paulo: O nome da rosa, p. SOUZA, U. E. L. Método para a previsão da produtividade da mão-de-obra e do consumo unitário de materiais para os serviços de fôrmas, armação, concretagem, alvenaria, revestimentos com argamassa, contrapiso, revestimentos com gesso e revestimentos cerâmicos p. Tese (Livre docência) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo. SOUZA, U. E. L. et al. Recomendações gerais quanto à localização e tamanho dos elementos do canteiro de obras. São Paulo: PCC/EPUSP, p. (Boletim técnico n. 178).

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI FLÁVIO AUGUSTO LINDNER DE OLIVEIRA. ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA: Vantagens e Desvantagens

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI FLÁVIO AUGUSTO LINDNER DE OLIVEIRA. ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA: Vantagens e Desvantagens UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI FLÁVIO AUGUSTO LINDNER DE OLIVEIRA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA: Vantagens e Desvantagens SÃO PAULO 2006 2 FLÁVIO AUGUSTO LINDNER DE OLIVEIRA ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA: Vantagens

Leia mais

Sistemas de mecanização. Engª Elza Nakakura

Sistemas de mecanização. Engª Elza Nakakura Sistemas de mecanização Engª Elza Nakakura Etapas de serviços de revestimento Etapas Convencional Projetado Recebimento/armazenagem Dosagem da argamassa 3 produtos Baias Peneirar areia Quantificação dos

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI VALDIR BISPO DE OLIVEIRA FILHO LOGÍSTICA OPERACIONAL PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS EM ARGAMASSA

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI VALDIR BISPO DE OLIVEIRA FILHO LOGÍSTICA OPERACIONAL PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS EM ARGAMASSA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI VALDIR BISPO DE OLIVEIRA FILHO LOGÍSTICA OPERACIONAL PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO DE FACHADAS DE EDIFÍCIOS EM ARGAMASSA SÃO PAULO 2006 2 VALDIR BISPO DE OLIVEIRA FILHO LOGÍSTICA

Leia mais

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza

Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Melhorias nos processos construtivos baseado no estudo dos fluxos físicos no canteiro de obra em uma empresa de Fortaleza Alessandra Luize Fontes Sales (Engª. Civil) luize.sales@ig.com.br José de Paula

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE TRANSPORTE CONVENCIONAL E RACIONALIZADO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL

COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE TRANSPORTE CONVENCIONAL E RACIONALIZADO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL ENTECA 2003 205 COMPARAÇÃO ENTRE O SISTEMA DE TRANSPORTE CONVENCIONAL E RACIONALIZADO DE BLOCOS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO NO DISTRITO FEDERAL Márcio Hissashi Komeno João Claudio G. F. Oliveira Rosa Maria

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

PREPARO E USO DO CONCRETO

PREPARO E USO DO CONCRETO PREPARO E USO DO CONCRETO O preparo do concreto é uma série de operações executados de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um produto endurecido com propriedades

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA LOGÍSTICA EM CANTEIROS DE OBRAS

DIRETRIZES ESTRATÉGICAS PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA LOGÍSTICA EM CANTEIROS DE OBRAS DIRETRIZES ESTRATÉGICAS PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA LOGÍSTICA EM CANTEIROS DE OBRAS Thiago de Faria Falcão (1); Maria Carolina G. Oliveira Brandstetter (2); Tatiana Gondim do Amaral (3) (1) Programa de

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA Por que medir produtividade e perdas? Brasil vive descasamento

Leia mais

Indústria da Construção: Canteiro de obras

Indústria da Construção: Canteiro de obras Indústria da Construção: Canteiro de obras Grupo de Materiais de Construção 1 INTRODUÇÃO: Definição: O Canteiro de obras é o conjunto de "áreas destinadas à execução e apoio dos trabalhos da indústria

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Concreto

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Concreto Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Concreto É uma mistura de: Cimento Portland Água potável Agregados: Aditivos produtosquímicos Ar O que

Leia mais

Recebimento de Materiais no Canteiro de Obras

Recebimento de Materiais no Canteiro de Obras Recebimento de Materiais no Canteiro de Obras Grupo de Materiais de Construção 1 Descarga FLUXOGRAMA GERAL: Recebimento e Identificação Testes Verificação da Quantidade e Qualidade Decisão de aceite ou

Leia mais

CANTEIRO DE OBRAS CARTÃO DE VISITA DA OBRA!!! 26/02/2015. Sistema complexo, com muitos riscos associados

CANTEIRO DE OBRAS CARTÃO DE VISITA DA OBRA!!! 26/02/2015. Sistema complexo, com muitos riscos associados CANTEIRO DE OBRAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Canteiro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Conceitos básicos Aula 09 Conteúdo do Módulo Aula 1 (30/04): Conceitos básicos Importância do Planejamento Lean Construction: conceitos e exemplos práticos Aula 2 (05/05):

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO TÉCNICA ECONÔMICA DA VIABILIDADE DE UTILIZAÇÃO DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

AVALIAÇÃO TÉCNICA ECONÔMICA DA VIABILIDADE DE UTILIZAÇÃO DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 AVALIAÇÃO TÉCNICA ECONÔMICA DA VIABILIDADE DE UTILIZAÇÃO DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1.INTRODUÇÃO Jordão, Caio A.(A) 1 ; Buttler, Alexandre M. (O) 2 ; Fagury, Samir (CO) 3 Curso

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção 1 Por que planejamento é importante? Eliminação de problemas relacionados à incidência de perdas e baixa produtividade Aumento da transparência dos processos (possibilidade

Leia mais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais TRAÇO Proporções e consumo de materiais Prof. Marco Pádua Em cada fase da obra usamos diferentes proporções de aglomerantes (cimento e cal), e agregados (areia e pedra) cujo objetivo pode visar: resistência,

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DE MELHORIAS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO GRUPO DE TRABALHO (GT) - LOGÍSTICA

COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DE MELHORIAS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO GRUPO DE TRABALHO (GT) - LOGÍSTICA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DE MELHORIAS PARA ALVENARIA DE VEDAÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO GRUPO DE TRABALHO (GT) - LOGÍSTICA ÍNDICE LISTA DE FIGURAS...3 HISTÓRICO...5 1. INTRODUÇÃO...6 2. ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

Made in site mortar x industrialized mortar for laying bricks: Review of their use in Vitória-ES

Made in site mortar x industrialized mortar for laying bricks: Review of their use in Vitória-ES Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.21, p.41-48, Maio, 2013 Argamassa preparada em obra x argamassa industrializada para assentamento de blocos de vedação: Análise do uso em Vitória-ES Made in site

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

Misturadores de Argamassa ANVI. Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra. Misturadores e Projetores de Argamassa FABRICADO NO BRASIL

Misturadores de Argamassa ANVI. Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra. Misturadores e Projetores de Argamassa FABRICADO NO BRASIL Misturadores de Argamassa ANVI Maior Produtividade e Qualidade na sua Obra FABRICADO NO BRASIL Misturadores e Projetores de Argamassa Solução na medida para a exigência do mercado Misturadores de argamassa

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

TR Tecnologia dos Revestimentos

TR Tecnologia dos Revestimentos ng. lberto Casado, Prof. Dr. PROGRM D PÓS-GRDUÇÃO M NGNHRI CIVIL Universidade de Pernambuco scola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos ula 06 Tecnologia de produção de revestimento

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS

RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS RECOMENDAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA PARA PAREDES DE VEDAÇÃO INTERNAS E EXTERIORES E TETOS Luciana Leone Maciel Mércia M. S. Bottura Barros Fernando Henrique Sabbatini São Paulo,

Leia mais

assentamento e revestimento ficha técnica do produto

assentamento e revestimento ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa e revestimento é uma argamassa de uso geral que pode ser utilizada para o de elementos de alvenaria de vedação como blocos de concreto, blocos cerâmicos, e tijolos comuns. Também

Leia mais

A GESTÃO DOS FLUXOS FÍSICOS NOS CANTEIROS DE OBRAS FOCANDO A MELHORIA NOS PROCESSOS CONSTRUTIVOS

A GESTÃO DOS FLUXOS FÍSICOS NOS CANTEIROS DE OBRAS FOCANDO A MELHORIA NOS PROCESSOS CONSTRUTIVOS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. A GESTÃO DOS FLUXOS FÍSICOS NOS CANTEIROS

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1)

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil

O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil O custo da perda de blocos/tijolos e argamassa da alvenaria de vedação: estudo de caso na construção civil Suenne Andressa Correia Pinho (UPE) - suenne_correia@hotmail.com Alberto Casado Lordsleem Jr.

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE CUSTOS, EM REVESTIMENTO, DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS.

APROPRIAÇÃO DE CUSTOS, EM REVESTIMENTO, DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS. APROPRIAÇÃO DE CUSTOS, EM REVESTIMENTO, DE EDIFICAÇÕES ANTIGAS. Marcio JOPPERT, Engenheiro Civil, MSC, Sócio Diretor da Ópera Prima Arquitetura e Restauro Ltda, marjopp@operaprima.com.br Vicente Custódio

Leia mais

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA

MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA MEDIÇÃO DE INDICADORES PARA O SERVIÇO DE ALVENARIA Sandra Maria Carneiro Leão Mestranda - Universidade Federal da Paraiba - Departamento de Engª de Produção Caixa Postal 5045 - CEP 58051-970 - João Pessoa

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Definição: é o material resultante da mistura, em determinadas proporções, de um aglomerante - cimento Portland - com um agregado miúdo - geralmente areia lavada -, um agregado graúdo - geralmente brita

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica 372

IV Seminário de Iniciação Científica 372 IV Seminário de Iniciação Científica 372 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA INDUSTRIALIZADA Juliane Barbosa Rosa 1,3., Renato Resende Angelim 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

ESTUDO DE CASO PARA COMPARATIVO ENTRE USO DE ARGAMASSA PRODUZIDA EM OBRA E ARGAMASSA ENSACADA. Daniel Giacometti Nunes

ESTUDO DE CASO PARA COMPARATIVO ENTRE USO DE ARGAMASSA PRODUZIDA EM OBRA E ARGAMASSA ENSACADA. Daniel Giacometti Nunes ESTUDO DE CASO PARA COMPARATIVO ENTRE USO DE ARGAMASSA PRODUZIDA EM OBRA E ARGAMASSA ENSACADA Daniel Giacometti Nunes Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica,

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

MÁQUINAS MAN CARTILHA DE SOLO-CIMENTO

MÁQUINAS MAN CARTILHA DE SOLO-CIMENTO MÁQUINAS MAN Quem somos. Somos uma empresa sólida com 34 anos de experiência na fabricação de maquinas para Cerâmica, Olaria, Saboaria e Solo-Cimento. Temos mais de 5000 mil produtos vendidos em todos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DAYANA RUTH BOLA OLIVEIRA ESTUDO COMPARATIVO DE ALTERNATIVAS PARA VEDAÇÕES INTERNAS DE EDIFICAÇÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DAYANA RUTH BOLA OLIVEIRA ESTUDO COMPARATIVO DE ALTERNATIVAS PARA VEDAÇÕES INTERNAS DE EDIFICAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DAYANA RUTH BOLA OLIVEIRA ESTUDO COMPARATIVO DE ALTERNATIVAS PARA VEDAÇÕES INTERNAS DE EDIFICAÇÕES CURITIBA 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DAYANA RUTH BOLA OLIVEIRA

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS. Professora: Mayara Custódio

DOSAGEM DE CONCRETO DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS. Professora: Mayara Custódio DOSAGEM DE CONCRETO DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Professora: Mayara Custódio TRAÇO DE CONCRETO TRAÇO: Expressão das quantidades relativas dos componentes do concreto. Agregados miúdos Agregados graúdos Água

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS Julio Cesar Sabadini de Souza Escola Politécnica da USP - Av. Prof. Almeida Prado, Trav. 2, nº 271 - PCC CEP

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO

REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Índice 1 Rebaixamento por Poços Injetores e Bombas Submersas 2 Método construtivo 3 Rebaixamento à Vácuo 4 Norma 5 Método construtivo 6 Equipe de trabalho 1 Rebaixamento Por Poços Rebaixamento por poços

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais

VIABILIDADE DO USO DA AREIA INDUSTRIAL NA ARGAMASSA PREPARADA EM OBRA. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento

VIABILIDADE DO USO DA AREIA INDUSTRIAL NA ARGAMASSA PREPARADA EM OBRA. Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento VIABILIDADE DO USO DA AREIA INDUSTRIAL NA ARGAMASSA PREPARADA EM OBRA Comunidade da Construção Sistemas à base de cimento Efer Construtores Associados COMPONENTES: Eng o Josemar Araújo Eng o Ronaldo Castellar

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Alvenaria de Vedação CARTILHA COM BLOCOS DE CONCRETO. Capacitação de equipes de produção. Realização. Recife - PE

Alvenaria de Vedação CARTILHA COM BLOCOS DE CONCRETO. Capacitação de equipes de produção. Realização. Recife - PE Alvenaria de Vedação COM BLOCOS DE CONCRETO CARTILHA Capacitação de equipes de produção Realização Recife - PE Gerência Regional ABCP N/NE Eduardo Barbosa de Moraes Gestão da Comunidade da Construção Roberto

Leia mais

Orientações de manuseio e estocagem de revestimentos cerâmicos

Orientações de manuseio e estocagem de revestimentos cerâmicos Orientações de manuseio e estocagem de revestimentos cerâmicos RECEBIMENTO Quando o produto for recebido na loja ou obra, ou mesmo na entrega ao cliente, é importante que alguns cuidados sejam tomados

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

MEMÓRIA DE CALCULO E ESP.TECNICAS

MEMÓRIA DE CALCULO E ESP.TECNICAS MEMÓRIA DE CALCULO E ESP.TECNICAS 1 - INTRODUÇÃO Tem este por finalidade orientar e especificar a execução dos serviços e empregos dos materiais que farão parte das obras de Pavimentação Asfáltica de 3.511,00m

Leia mais

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS

PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Conheça a PAULUZZI BLOCOS CERÂMICOS Mais de 80 anos de experiência O imigrante italiano Giovanni Pauluzzi e seus filhos Theo e Ferrucio construíram a primeira unidade da empresa em 1928, especializada

Leia mais

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade.

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Proporção da quantidade de agregados e água para uma certa

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 05) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 05) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 05) INFRAESTRUTURA (FUNDAÇÕES) Parte inferior da estrutura de um edifício que suporta

Leia mais

CURA ÚMIDA X CURA TÉRMICA APLICADAS A BLOCOS DE CONCRETO - ANÁLISE DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO. Maycon Cezar Palma 1. Osmar João Consoli 2

CURA ÚMIDA X CURA TÉRMICA APLICADAS A BLOCOS DE CONCRETO - ANÁLISE DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO. Maycon Cezar Palma 1. Osmar João Consoli 2 ENTECA 2013 IX Encontro Tecnológico da Engenharia Civil e Arquitetura 1 a 3 de outubro de 2013 CURA ÚMIDA X CURA TÉRMICA APLICADAS A BLOCOS DE CONCRETO - ANÁLISE DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO Maycon Cezar

Leia mais

PROJETO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA

PROJETO DE REVESTIMENTOS DE ARGAMASSA A normalização brasileira aplicável à produção de revestimentos de argamassa é originada de dois Comitês da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT): o CB-02 Comitê Brasileiro de Construção Civil

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

Ubiraci Espinelli Lemes de Souza Luiz Sérgio Franco

Ubiraci Espinelli Lemes de Souza Luiz Sérgio Franco Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Construção Civil ISSN 0103-9830 BT/PCC/176 SUBSÍDIOS PARA A OPÇÃO ENTRE: ELEVADOR OU GRUA, ANDAIME FACHADEIRO OU BALANCIM, ARGAMASSA

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais