UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS LOGÍSTICA DE ALIMENTOS: TRANSPORTE E ARMAZENAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS LOGÍSTICA DE ALIMENTOS: TRANSPORTE E ARMAZENAGEM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CENTRO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS LOGÍSTICA DE ALIMENTOS: TRANSPORTE E ARMAZENAGEM CHARLES DANIEL MINETTO BOADAS Administração de Empresas Habilitação em Administração de Empresas São Leopoldo, junho de 1999.

2 AGRADECIMENTO Agradeço a persistência, a confiança, a intrepidez, a conscientização, a audácia, a ousadia, o trabalho, o sonho, a realidade; enfim, a mim.

3 Orientador: Prof. Carlos Diehl

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...7 METODOLOGIA UM POUCO DE HISTÓRIA A LOGÍSTICA E A ESTRATÉGIA COMPETITIVA A DIMENSÃO DO SERVIÇO AO CLIENTE TRANSPORTE RODOVIÁRIO Vantagens Tipos de Veículos e Produtos Transportados FERROVIÁRIO VANTAGENS Tipo de Veículo e Produto Transportado MARÍTIMO Tipo de Carga Carga Geral Carga a Granel Carga Frigorífica Modalidades de Serviços Navios Conferenciados Navios Não Conferenciados Navios Tramps Tipos de Navios Cargueiros ou Convencionais Frigorífico Graneleiro Porta-Contêineres Roll-On Roll-Off Tanque LASH (Lighter Aboard Ship) Navio Porta-Barcaça Seabee COMPLEXO PORTUÁRIO NO RIO GRANDE DO SUL Porto de Rio Grande Porto de Porto Alegre Porto de Estrela...40

5 Porto de Pelotas Porto de Cachoeira do Sul SISTEMA HIDROVIÁRIO INTERIOR Influência do Sistema Hidroviário no Desenvolvimento Sistema de Transporte Interior AÉREO O Transporte Aéreo e Suas Particularidades Vantagens Organizações Aéreas Internacionais e Nacionais Companhias de Transporte Aéreo Agentes de Carga TRANSPORTE INTERMODAL Transporte Multimodal ARMAZENAGEM TIPOS DE ARMAZÉNS VEÍCULOS Elevadores Transportadores Contínuos Estrados ou Paletes Porta-Paletes TÉCNICAS DE ARMAZENAGEM DE ALIMENTOS Classificação Perdas e Deterioração do Alimento Deterioração de Alimento por Microrganismos Deterioração de Alimentos por Enzimas Deterioração Química dos Alimentos Causas Físicas da Deterioração dos Alimentos Deterioração por Animais ou Insetos Grãos, Cereais e Derivados Alimentos Enlatados Pragas e seu Controle Animais Daninhos Ratos Controle Eliminação Pássaros A EMPRESA DIVISÃO DE CARNES DIVISÃO DE PRODUTOS DE CONSUMO DIVISÃO DE PRODUTOS INDUSTRIAIS ADMINISTRAÇÃO DE PEDIDOS PELA LOGÍSTICA DA CEVAL AQUISIÇÃO DE TRANSPORTE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Qualificação de Novos Fornecedores de Transporte Manutenção da Qualificação Transporte Inspeção de Containers Serviço de Carga e Descarga ARMAZENAMENTO, MANUSEIO, PRESERVAÇÃO E EXPEDIÇÃO DE PRODUTOS ACABADOS (GORDURA E LECITINA) Expedição Carregamento Verificação do Produto Armazenado Armazenamento de Produto Fatorado Produto Não-Conforme com a Especificação RESULTADOS E ANÁLISE...96

6 6 7.1 ROTEIRO DE ENTREVISTA PRINCIPAIS PROBLEMAS DISCUSSÃO DESTAQUES CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS...117

7 INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, pode-se perceber que a globalização obrigou a reciclarem-se muitos processos operacionais e gerenciais dentro das organizações. Nesse sentido, houve, primeiramente, uma redução em massa de pessoal para diminuir os gastos das empresas. Isso pode ter ocorrido pelo desespero e despreparo dos administradores em concorrer com empresas enxutas e melhor preparadas que apareceram para disputar o mesmo mercado em um passe de mágica. As mudanças constantes no ambiente econômico mundial afetam e abalam a economia do Brasil, onde o aumento da variedade dos produtos e dos canais de distribuição provocam o acirramento da competição e o surgimento de clientes mais exigentes. Isso se tornou viável a partir da abertura comercial e da estabilização da moeda no nosso país. Esse novo ambiente tem propiciado excelentes oportunidades às empresas para exploração do potencial logístico, seja para diferenciarem-se no mercado oferecendo serviços personalizados e de maior qualidade, seja para alcançarem maior eficiência produtiva e reduzirem custos. O segredo para conquistar o consumidor pode estar na diferenciação. Não importa o ramo de atividade; o cliente deve ser o centro das atenções de qualquer empresa, seja indústria, comércio ou prestadora de serviços.

8 8 Sem dúvida, este assunto é ainda emergente, mas importantíssimo para o sucesso de uma organização. O mercado ainda é carente de bons profissionais do ramo, que devem conhecer o planejamento e controle da produção, a armazenagem, o controle de estoques, o transporte e a distribuição. A logística voltada para o cliente pode se tornar uma grande arma competitiva neste mercado onde todos devem encontrar uma solução para atrair o interesse de seus consumidores potenciais. Objetivo Este trabalho visa acompanhar como uma empresa de grande porte se porta, em relação ao seus sistemas de transporte e armazenagem, diante de mudanças rápidas e radicais ao longo do tempo. Realmente, a década de 90 tem sido encarada como a era da logística. A história discutirá se esta visão foi correta, enquanto que o futuro nos deixa curiosos para saber se estamos no caminho correto.

9 METODOLOGIA Delineamento: Foi utilizada, neste trabalho, uma abordagem na forma de estudo de caso. Sendo uma pesquisa do tipo qualitativa e procurando estabelecer um diagnóstico, teve como objetivo explorar o ambiente envolvido a fim de levantar e definir os problemas da área em estudo. População ou foco do estudo: Este projeto visou avaliar o setor de logística da Ceval Alimentos S/A em sua unidade situada em Esteio/RS. Técnica de coleta de dados: Foram utilizados textos e documentos pertencentes à empresa que evidenciaram a evolução histórica da área em estudo, além de consultas bibliográficas atualizadas sobre o assunto. A observação participante deu-se pelo fato de vivenciar, de forma prática, o dia-a-dia desta área. Foram realizadas um total de 30 (trinta) entrevistas entre os profissionais do Departamento de Logística, Departamento de Vendas, Planejamento e Controle da Produção,

10 10 e Almoxarifado. Cabe ressaltar que todos esses procedimentos foram realizados perante o aval da empresa. Técnica de análise de dados: A análise do conteúdo coletado visa aflorar algumas das precariedades existentes e, a partir disso, propor formas de melhorias condizentes com a filosofia aplicada na empresa.

11 1 UM POUCO DE HISTÓRIA O advento da roda viu o início da movimentação mecanizada e nos deu o movimento horizontal. O movimento vertical ainda era feito pela força humana. Os primeiros armazéns, segundo antropólogos e geólogos franceses em uma programação do Discovery Channel exibida em 18 de novembro de 1998, foram construídos por volta de 1800 a.c. José, aos 30 anos, foi, possivelmente, o primeiro consultor em estocagem e movimentação, nomeado pelo Rei do Egito (Gênese 41). Isso aconteceu por causa de um sonho que o rei teve, interpretado por José como sete anos de abundância seguidos por sete anos de fome em todo o país. José começou a construir e estocar um quinto da colheita de cada ano em armazéns e celeiros, em cada cidade do Egito. Esse país sobreviveu, nos anos de fome, através de bom planejamento e distribuição. Foram descobertas ruínas de grandes armazéns, datadas de 190 a.c., em Óstia, o principal ponto de distribuição para todo o Império Romano. Será que eles planejavam a distribuição centralizada nessa época?

12 12 Por fotografias e impressões de artistas sobre essas ruínas, pode parecer que eles tinham os mesmos problemas que os consultores em estocagem e movimentação atualmente: os arquitetos sempre colocam as colunas nos lugares errados. Em 1860, viu-se a introdução do parafuso e da engrenagem. Tínhamos, então, o movimento vertical e surgiram armazéns com vários pisos, mas os produtos ainda tinham que ser empilhados manualmente. Nessa mesma época, tivemos a chegada dos estrados e plataformas. Em 1900, começou o desenvolvimento dos carros-plataforma industriais e mecanizados a motor. Em 1926, os carros-plataforma com elevação estavam em uso e podiam colocar um estrado em cima do outro. Em 1933, viu-se a empilhadeira elevar uma tonelada a um máximo de 4,5 metros. Em seguida, 1939, a empilhadeira anunciava uma nova era. Os primeiros veículos eram elétricos. Apareceram os paletes de madeira e as primeiras estruturas porta-paletes. Em 1946, a produção de cantoneiras ajustáveis se iniciou e foi amplamente usada na indústria de prateleiras. Em 1950, surgiram as estruturas porta-paletes como são conhecidas atualmente: armações soldadas ou parafusadas que eram presas ou colocadas em aberturas na face das colunas.

13 13 Ao longo da história do homem, as guerras têm sido ganhas e perdidas através do poder e da capacidade da logística ou a falta deles. Argumenta-se que a derrota da Inglaterra na Guerra da Independência dos Estados Unidos pode ser, em grande parte, atribuída a uma falha logística. O exército britânico na América dependia quase que totalmente da Inglaterra para os suprimentos. No auge da guerra, havia soldados no ultramar e grande parte dos equipamentos e da alimentação partia da Inglaterra. Durante os primeiros seis anos da guerra, a administração desses suprimentos vitais foi totalmente inadequada, afetando o curso das operações e a moral das tropas. Até 1781, eles não tinham desenvolvido uma organização capaz de suprir o exército e, àquela altura dos acontecimentos, já era muito tarde. Na Segunda Guerra Mundial, também a logística teve um papel preponderante. A invasão da Europa pelas Forças Aliadas foi um exercício de logística altamente proficiente, tal como foi a derrota de Rommel no deserto. O próprio Rommel disse uma vez que... antes da luta em si, uma batalha é ganha ou perdida pelos serviços de intendência. No início de 1991, o mundo presenciou um exemplo dramático da importância da logística. Como precedente para a Guerra do Golfo, os Estados Unidos e seus aliados tiveram de deslocar grandes quantidades de materiais a grandes distâncias, o que se pensava ser impossível em um tempo curto. Meio milhão de pessoas e toneladas de materiais e suprimentos tiveram que ser transportados através de quilômetros por via aérea, mais 2,3 milhões de toneladas de equipamentos transportados por mar - tudo isso feito em questão de meses. Entretanto, enquanto os generais e marechais dos tempos remotos compreenderam o papel crítico da logística, somente num passado recente é que as organizações empresariais

14 14 reconheceram o impacto vital que o gerenciamento logístico pode ter na obtenção da vantagem competitiva. Em parte, deve-se esta falta de reconhecimento ao baixo nível de compreensão dos benefícios da logística integrada. Enquanto Arch Shaw, escrevendo em 1915, mostrava que As relações entre as atividades de criação de demanda e o suprimento físico... ilustram a existência dos princípios de interdependência e equilíbrio. Uma falta de coordenação de qualquer um desses princípios ou ênfase ou dispêndio indevido com qualquer um deles vai certamente perturbar o equilíbrio de forças que representa uma distribuição eficiente....a distribuição física das mercadorias é um problema distinto da criação de demanda...não são poucas as falhas nas operações de distribuição devido à falta de coordenação entre a criação da demanda e o fornecimento físico... Ao invés de ser um problema subseqüente, esta questão do fornecimento deve ser enfrentada e respondida antes de começar o trabalho de distribuição., os princípios de gerenciamento logístico levaram uns 70 anos ou mais para ser claramente definidos. O que é o gerenciamento logístico no sentido em que é entendido hoje? Existem muitas maneiras de definir a logística, mas o conceito principal, segundo Christopher, poderia ser: A logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, movimentação e armazenagem de materiais, peças e produtos acabados (e os fluxos de informações correlatas) através da organização e seus canais de marketing, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura através do atendimento dos pedidos a baixo custo (1997).

15 15 Segundo o Sr. Luis Henrique Botti Rossi, Gerente de Logística da Coca-Cola em Porto Alegre, logística seria bem definida pelas seguintes palavras: É a ciência de se fazer chegar o material certo, na quantidade certa, no lugar certo, no tempo certo, nas condições estabelecidas e ao mínimo custo.

16 2 A LOGÍSTICA E A ESTRATÉGIA COMPETITIVA O gerenciamento logístico pode proporcionar uma fonte de vantagem competitiva, ou seja, uma posição de superioridade duradoura sobre os concorrentes em termos de preferência do cliente. A procura de uma vantagem competitiva sustentável e defensável tem se tornado a preocupação de todo gerente alerta para as realidades do mercado. Conforme diz Harmon, não se pode mais pressupor que os produtos bons sempre vendem, nem é aceitável imaginar que o sucesso de hoje continuará no futuro (1994). O sucesso comercial pode ser conquistado através da vantagem de custo ou da vantagem de valor ou, de maneira ideal, de ambas. O concorrente que obtém maior lucro tende a ser o que produz a custos menores (alta produtividade) ou aquele que oferece um produto com maior diferença perceptível de valor ( valor extra, confiança, status) (Harmon, 1994). A logística é a parte que não agrega nenhum valor ao produto final, ou seja, toda a economia conquistada durante esta etapa é lucro. A logística só será percebida pelos diretores quando houver reclamações por parte dos clientes, avarias consideráveis dentro dos armazéns,

17 17 no transporte, na movimentação interna, etc. Eliminar esses problemas é, praticamente, impossível; porém, pode-se reduzi-los a níveis baixíssimos e, aí sim, agregar valor ao produto final por ser uma logística confiável, ágil e que não carrega os problemas internos até os clientes. Das muitas mudanças que ocorreram no pensamento gerencial nos últimos 10 anos, talvez a mais significativa tenha sido a ênfase dada à procura de estratégias que proporcionassem um valor superior aos olhos do cliente. Grande parte do mérito desta procura deve-se a Michael Porter, um professor da Harvard Business School que, através de suas pesquisas, alertou os gerentes para a importância central das forças competitivas para alcançar sucesso no mercado: A vantagem competitiva não pode ser compreendida olhandose para uma firma como um todo. Ela deriva das muitas atividades discretas que uma firma desempenha projetando, produzindo, comercializando, entregando e apoiando o seu produto. Cada uma dessas atividades pode contribuir para a posição de custo relativo da firma e criar a base para a diferenciação... A cadeia de valor desdobra a firma em suas atividades estrategicamente relevantes, para compreender o comportamento dos custos e fontes de diferenciação existentes ou potenciais. Uma firma ganha vantagem competitiva executando estas atividades estrategicamente importantes de maneira mais barata ou melhor que seus concorrentes. Para ganhar vantagem competitiva sobre seus rivais, uma empresa pode proporcionar valor para seus clientes desempenhando as atividades de modo mais eficiente do que seus concorrentes ou desempenhando as atividades de forma que crie maior valor percebido pelo comprador.

18 18 Pode-se afirmar que o gerenciamento logístico tem potencial para auxiliar a organização a alcançar tanto a vantagem em custo/produtividade como a vantagem em valor, pois ele tem o poder de reduzir consideravelmente os custos das operações como agregar valor ao produto através da conquista do cliente em níveis de prestação de serviços. A logística deve ser vista como um elo de ligação entre o mercado e a atividade operacional da empresa. O seu raio de ação se estende sobre toda a organização, do gerenciamento da cadeia de suprimentos até a entrega do produto final. Portanto, as organizações que serão líderes de mercado no futuro serão aquelas que procurarão e atingirão os picos gêmeos da excelência: conseguirão tanto a liderança de custos como a liderança de serviços. Michael Porter diz que isso seria inviável, pois para alcançar a liderança em serviços são necessários investimentos em equipamento e treinamento contínuo, o que afetaria os custos. Enquanto o mercado vai se transformando cada vez mais em mercado de commodities, em que o cliente percebe muito pouco as diferenças técnicas entre os produtos concorrentes, aumenta a necessidade de criação de vantagem diferencial através de valor adicionado. Satisfazer as necessidades do cliente e priorizar o seu atendimento tornou-se um desafio, justamente, pelo aumento da preocupação em mantê-lo. Seria importante que houvesse uma preocupação com a melhoria da visibilidade do fluxo logístico nas empresas, ou seja, tudo o que se observa é a uma seção ou departamento. Os gargalos e os excessos de estoque não são facilmente identificados e, dessa forma, o movimento suave e eficiente fica prejudicado. Surge, cada vez mais, a necessidade de

19 19 priorizar e qualificar o sistema de informações gerenciais para encontrar e remover o que constitui a raiz do problema com a maior agilidade possível. As pressões e imposições de se negociar numa escala global neste final de século XX estão, inevitavelmente, levando a um reconhecimento do papel central da logística. As empresas devem ganhar na quantidade de vendas, perdendo em alguns negócios, mas mantendo o cliente para uma futura compra.

20 3 A DIMENSÃO DO SERVIÇO AO CLIENTE A guerra nos negócios voltou-se para um novo campo de batalha. Na década de 1960, marketing era o lema para se conseguir vantagens sobre a concorrência. Na década de 1970, produção tornou-se a palavra-chave e na década de 1980, qualidade. Hoje, a competição chegou a uma quarto campo de batalha: o serviço ao cliente. Os clientes são a alma das organizações. Aparentemente, os gerentes estão reconhecendo que a melhoria da qualidade para seus clientes não é uma questão de escolha; a saúde da organização depende disso. Surpreendentemente, poucas companhias têm políticas definidas de serviço ao cliente e muito menos uma organização suficientemente flexível para gerenciá-lo e controlá-lo, quando se considera que este serviço pode ser o mais importante elemento no composto mercadológico da companhia. Existem, também, muitas evidências que reforçam o ponto de vista que, se o produto ou serviço não estiver disponível na hora em que o cliente precisa dele, então esta venda será perdida para o concorrente. Mesmo em mercados em que a lealdade à marca é forte, a falta de produto em estoque pode ser suficiente para acarretar mudança de marca pelo cliente. A qualidade de serviço está relacionada à habilidade de se minimizar as discrepâncias entre as expectativas e percepções de clientes e seus fornecedores. As metodologias de

21 21 avaliação baseiam-se em um processo no qual o consumidor compara o serviço percebido com o serviço esperado. A identificação equivocada das prioridades dos clientes, por parte do fornecedor, provavelmente acarreta em insatisfação do cliente. Dentre os atributos de serviço apontados como mais importantes, segundo pesquisa realizada pela ABAD (Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores) (SUPERMIX, Set/97, p.23), os que aparecem com maior freqüência são: disponibilidade de produto, tempo de ciclo do pedido, consistência do prazo de entrega, freqüência das entregas, proporção do pedido atendido, informação de apoio, suporte técnico, qualidade da documentação, apoio na entrega física e merchandising. Teoricamente, os clientes cativos proporcionam mais lucros do que os novos. Isso ocorre pois custa menos vender e prestar serviços aos cativos do que elaborar uma estratégia e um planejamento para atrair novos consumidores. Também, à medida que o relacionamento se desenvolve, aumenta a probabilidade de que eles dêem maior parte de seus negócios para um fornecedor com quem estão preparados para tratar como parceiro. Além do mais, um cliente satisfeito acaba passando boas recomendações, gerando novos clientes. Usualmente, o fato de ser bom ou não negociar com uma empresa depende das pessoas que trabalham nela. Seus conhecimentos e habilidades são cruciais à capacidade que a empresa apresenta de corresponder às expectativas expressas na estratégia de serviços. Os funcionários que têm contato direto com os clientes são responsáveis pelo maior efeito sobre a reputação da empresa, mas aqueles que trabalham nos bastidores não devem ser ignorados, já que prestam serviços aos colegas que estão lidando com os clientes e criam o produto e muitos dos sistemas de entregas. A atitude dos funcionários em relação aos clientes também pode dar um sólido apoio ou debilitar terrivelmente a estratégia de serviços de uma empresa.

22 22 O maior custo da produção de um ótimo serviço refere-se à criação de infra-estruturas, ou seja, rede de pessoas, instalações físicas e informações que ajudam na produção do cliente, ou seja, conservar e reforçar a sua lealdade. Além disso, a criação de infra-estrutura torna-se uma forte barreira para os concorrentes. Seguindo o raciocínio de Harmon (1994), as companhias que oferecem um serviço excepcional aos seus clientes precisam esforçar-se muito e colocar em prática os seis elementos do serviço ao cliente: estratégia, liderança, políticas de pessoal, projeto, infraestrutura e avaliação.

23 4 TRANSPORTE O transportes de cargas é um dos compostos importantes da logística. Mesmo não sendo próprio e contando com terceiros, o transporte é uma extensão dos serviços de quem vende o produto. Essa é a visão do consumidor e a empresa contratante deve qualificar o seu fornecedor de serviço de transportes antes de perder mercado por uma falta de cuidado. Basicamente, os modais mais utilizados pelas empresas são o rodoviário, o ferroviário, o marítimo e o aéreo. O hidroviário ainda é pouco utilizado em relação a quantidade de rios navegáveis encontrados em nosso país. 4.1 Rodoviário O modo rodoviário é o mais expressivo no transportes de cargas no Brasil e atinge, praticamente, todos os pontos do território nacional. Com a implantação da indústria automobilística na década de 50 e com a pavimentação das principais rodovias, o modo rodoviário se expandiu de tal forma que hoje domina amplamente o transporte de mercadorias no país. Hoje, a rede rodoviária nacional se apresenta bastante deteriorada, com extensos trechos necessitando de recursos maciços para a sua recuperação. O grande desafio de

24 24 transportar por rodovia é superar as dificuldades existentes entre o ponto de origem e de destino da mercadoria. A oferta de infra-estrutura e as condições precárias para o estabelecimento de uma boa utilização do transporte rodoviário até então não vêm sendo consideradas pelo poder público. O governo, através do órgão competente, o DNER (Departamento Nacional de Estradas de Rodagem), tem como função dar a manutenção da infra-estrutura, tornando viável o acesso dos veículos aos pontos desejáveis; mas, o que se constata hoje em dia é um precário estado das rodovias e falta de recursos para administrar esse problema. Atualmente, a única forma encontrada para a solução desses entraves foi o processo de privatização. Com relação às situações das rodovias, o Estado do Rio Grande do Sul tem apenas 42% da sua rede de estradas asfaltada, conforme pode-se visualizar na tabela abaixo. TABELA 1 EXTENSÃO DA MALHA RODOVIÁRIA DO RS EM MIL KM Rodovia Pavimentada Não-pavimentada Planejada Total Federal 5,7 1,8 1,0 8,5 Estadual 3,4 7,6 1,5 12,5 Total 9,1 9,4 2,5 21,0 Fonte: DNER 12/01/99 O próprio DNER reconhece que apenas 39,17% das rodovias sob a sua jurisdição encontram-se em bom estado, 42,52% estão em condições regulares e 18,31% em má ou péssima situação. Segundo estudo realizado pela CNT (1996), a diferença entre uma rodovia que se encontra em bom estado para a de má ou péssimo estado representa um aumento nos

25 25 custos do transportador em torno de cinco centavos de reais por quilômetro rodado. Essa situação prejudica o transporte devido ao aumento do tempo de viagem e encarecimento dos custos operacionais. Apesar de tudo isso, esse modal é considerado o mais flexível e o mais ágil no acesso às cargas, permitindo integrar regiões, mesmo as mais afastadas. A simplicidade de funcionamento do transporte rodoviário é o seu ponto forte, pois não apresenta qualquer dificuldade e está sempre disponível para embarques urgentes Vantagens O transporte rodoviário apresenta algumas vantagens em relação aos demais modais. Dentre elas, pode-se citar que é o único operador (transportador) de origem a destino, sendo que as vendas podem ser feitas na condição de entrega porta-a-porta, possibilitando um menor manuseio de cargas, já que o caminhão é lacrado no local de carregamento e aberto no local de entrega. A rapidez na entrega de cargas em curta distância, bem como em trajetos de difícil acesso, também é seu ponto forte Tipos de Veículos e Produtos Transportados Os veículos utilizados são basicamente os caminhões, também chamados de veículos fixos. Constituem-se de uma única parte incorporando a cabine, o motor e a unidade de carga. Apresentam vários modelos, como os de carroceria aberta, plataforma e baús. Outro tipo são as carretas, que se constituem de um veículo articulado, possuindo unidade de tração e de carga em módulos separados. Estas duas unidades são reunidas em

26 26 conjunto formado por cavalo mecânico e semi-reboque, em forma semelhante aos dos caminhões. Os caminhões e carretas, dependendo do tipo da carroceria ou semi-reboque, são adequados para transportar cargas gerais, como granéis sólidos ou líquidos, produtos perecíveis, etc. O transporte de contêineres é bastante utilizado em caminhões com carrocerias do tipo plataforma. Esses caminhões são utilizados para levarem os contêineres até os portos onde serão embarcados em navios. O ideal é que esse trajeto não ultrapasse os 500 km de distância. Existem vários tipos de contêineres, como podemos verificar a seguir: Contêiner de 40 Standart Dry: contêiner não-refrigerado com capacidade para 64m cúbicos. Contêiner de 40 High Cub Dry: contêiner não-refrigerado com capacidade para 72m cúbicos. Contêiner de 40 Standart Reefer: contêiner refrigerado com capacidade de 60m cúbicos. Contêiner de 40 High Cub Reefer: contêiner refrigerado com capacidade de 68m cúbicos. Contêiner de 20 Standart Dry: contêiner não-refrigerado com capacidade de 32m cúbicos. Contêiner de 20 Standart Reefer: contêiner refrigerado com capacidade de 28m cúbicos. Quanto aos produtos transportados, o modal rodoviário é o mais recomendado para os de alto valor ou perecíveis e nas viagens de curtas distâncias, em virtude de sua agilidade.

27 27 Em contrapartida, não é recomendado, por exemplo, para produtos agrícolas a granel, cujo valor agregado é muito baixo para este modal, encarecendo o seu custo final. Este seria o caso da soja, matéria-prima para o Parque Industrial de Esteio da Ceval Alimentos. Na época da safra, a soja chega ao Parque por trem ou caminhão. Geralmente, o recebimento da matéria-prima pelo modo ferroviário acontece à noite. 4.2 Ferroviário Transporte ferroviário é aquele efetuado por vagões, puxado por locomotivas, sobre trilhos, e com trajetos devidamente delineados, ou seja, não tem flexibilidade quanto ao percurso e está preso a caminhos únicos, o que pode provocar atraso na entrega das mercadorias em caso de obstrução da ferrovia. Para escoar a produção agrícola brasileira e transportar os produtos importados para o interior do território nacional, foi implantado, em fins do século passado e início deste, um número razoável de ferrovias, com uma extensão total também expressiva (cerca de quilômetros em Fonte: RFFSA). A maioria das ferrovias implantadas nessa fase corria do litoral para o interior, com traçados quase ortogonais à costa. O transporte ferroviário passou a ser utilizado, primordialmente, no deslocamento de grandes massas de produtos homogêneos ao longo de distâncias relativamente extensas. Minérios de ferro, de manganês, carvão mineral, derivados de petróleo, cereais em grão (soja, milho), quando transportados a granel, cobrindo distâncias relativamente grandes, são produtos passíveis de serem deslocados por trem.

28 28 As razões para isso podem ser resumidas no seguinte: as operações de carga/descarga, despacho, triagem de vagões nos pátios, controle de tráfego, conferência da carga, etc. são muito onerosas para produtos em pequenas quantidades. Quando se transportam grandes quantidades de um produto a granel, por outro lado, pode-se uniformizar os vagões e as operações, permitindo também a utilização de trens unitários, facilitando assim as operações nos terminais. Os custos fixos incorridos nos terminais são melhor diluídos no custo médio global para distâncias mais longas. Esse enfoque, no entanto, não é universal pois não coincide com o observado na Europa, por exemplo, em que a ferrovia cobre um espectro muito mais amplo de fluxos Vantagens Essa modalidade apresenta algumas vantagens como: menor custo de transporte pelo fato de ser, normalmente, movido a diesel, vapor (carvão) ou energia elétrica, apesar desta ser de enorme custo no país. O frete, geralmente, é mais barato em relação ao frete rodoviário, só perdendo para o hidroviário. O modal ferroviário está livre de congestionamento, como ocorre com os navios e caminhões, tendo normalmente caminho livre à frente, podendo executar as viagens sem problemas; propicia o transporte de grande quantidade com vários vagões, já que um vagão pode transportar entre vinte e cinco e cem toneladas, porém, sempre dependendo do tipo de carga e de locomotiva para suportá-la Tipo de Veículo e Produto Transportado Os vagões têm capacidade de carga diferentes, dependendo do seu tamanho e do objetivo para o qual foram desenvolvidos. Além dos vagões, as ferrovias também podem

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil

Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Disciplina: ECV5126 Portos de Mar, Rios e Canais II Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Professores: Sílvio dos Santos, Esp. Eunice Passaglia, Dra. AULA N 2: OS NAVIOS

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo

Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Prof.: Romoaldo J S do Carmo Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo E-mail: romoaldo.carmo@hotmail.com Comércio Exterior UNIPAC Logística Internacional: Conceitos Estratégias Modais Transportes Tendências Logística Internacional CONCEITOS

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO Í N D I C E Aprovações e Alterações Resolução nº. 011, de 11 de Fevereiro de 2010, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Pelotas/RS

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULAÇÃO DE SISTEMA LOGÍSTICO DE APOIO PARA EXPORTAÇÃO DE PARA-CHOQUES PARA OS ESTADOS UNIDOS

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência...

PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ. Nº Espécie e Incidência... TARIFA COMPANHIA DOCAS DO PARÁ PORTOS DE BELÉM, OUTEIRO, MIRAMAR, VILA DO CONDE, SANTARÉM, ITAITUBA, ÓBIDOS, ALTAMIRA, SÃO FRANCISCO E MARABÁ Tabela I - Utilização da Infraestrutura Aquaviária (Tarifas

Leia mais

d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc.

d) Fatores institucionais, tais como: relação de influência entre organizações de representação e usuários, associações de usuários e governo, etc. 1 AV Cálculo de Fretes As tarifas são condicionadas a: a) Fatores de preço de mercadoria, tais como: tipo de embalagem, peso, volume, densidade, perecibilidade, periculosidade, facilidade de acomodação,

Leia mais

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM

PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM PORTO DO RIO GRANDE ORIGEM O início da construção do Porto Velho do Rio Grande data de 1869 e sua inauguração aconteceu em 11 de outubro de 1872. Em 2 de junho de 1910,começou a implantação do Porto Novo,

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema

de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema de desenvolvimento de uma região ou país sem um sistema O sistema de transporte é um elemento importante para o crescimento de cidades e de indústrias, para a geração de renda, de emprego e de estabilidade

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br TREINTA Y TRES 04.10.2012 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos

Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Como a ferrovia pode contribuir com as operações no Porto de Santos Câmara de Comércio Brasil-Argentina Julho de 2015 Guilherme Alvisi Gerente Geral de Negócios Carga Geral GUILHERME ALVISI Gerente Geral

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR.

O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. O TRANSPORTE COMO AGENTE NO COMÉRCIO EXTERIOR. JORENTE, Marroni Angélica. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: angelicamarroni@flash.tv.br MICHEL, Murillo. Docente da

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem

TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem TARIFA PORTUÁRIA Navegação de Longo Curso e Cabotagem BASE LEGAL: RESOLUÇÃO ANTAQ Nº 4093, DE 07 DE MAIO DE 2015 PUBLICADA NO DIARIO OFICIAL DA UNIÃO EM 08 DE MAIO DE 2015 VIGÊNCIA: A PARTIR DE 12/05/2015

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

Revolução argentina no processo de carregamento de grãos de Soja

Revolução argentina no processo de carregamento de grãos de Soja Tipo: Artigo Produto: Grãos de Soja 3ª Parte: TPR Rosário Publicação / Sulamericana Data: Abril 2015 Ref: 160415ARGrain Revolução argentina no processo de carregamento de grãos de Soja O terminal argentino

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA

TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DOCENTE: EDUARDO MANGABEIRA TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO TRANSPORTE TRANSPORTE EM LOGÍSTICA É a movimentação de produtos entre regiões geográficas ou área de comércio, elevando o

Leia mais

Transporte: Ato, efeito ou operação de transportar.

Transporte: Ato, efeito ou operação de transportar. Introdução aos diferentes modais de transporte e suas vias e veículos Definição de Transporte Transporte: Ato, efeito ou operação de transportar. (Dicionário Aurélio) Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni

Leia mais

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: BENEFÍCIOS DE UM PORTO INTERMODAL NA REGIÃO DE RUBINEIA (SP) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE SANTA FÉ DO SUL AUTOR(ES):

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística: modais / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 40 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística

Leia mais

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO)

TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) TUP (TERMINAL DE USO PRIVADO) A HISTÓRICO. O TUP do Estaleiro Brasa Ltda foi o primeiro Terminal de Uso Privado autorizado pela Secretaria de Portos da Presidência da Republica (SEP/PR) com a interveniência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística?

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística? Relembrando...O Que é Logística? Logística e Distribuição A atividade de Transporte 1 2 Conceito Formal de Logística Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística é o processo de planejar,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1 INFORMAÇÕES DOS TERMINAIS PORTUÁRIOS 3 2 TERMINAIS PORTUÁRIOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO 3 3 4 3.1 TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO DE FERRO DE TUBARÃO - TU 4 3.1.1. PÍER 1 - NORTE

Leia mais

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas

Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas Custeio do Transporte Aquaviário - Ferroviário - Aéreo - Dutoviário de Cargas SUMÁRIO 1. Link Aula Anterior; 2. Conceitos Gerais de Custos de Transporte; 3. Decisões que afetam os custos; 4. Fatores que

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira

Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Transporte em uma empresa da indústria siderúrgica brasileira Gizelle Coelho Netto (UnB) gizelle@producao.em.ufop.br Priscilla Cristina Cabral Ribeiro (DEPRO/UFOP-PPGEP/UFSCar) priscilla@dep.ufscar.br

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹

A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO. Valéria Cristina Campos¹ A PRODUÇÃO AGRÍCOLA SOBRE TRILHOS EM MATO GROSSO Valéria Cristina Campos¹ Resumo. A eficiência ferroviária em transporte de grandes quantidades a grandes distâncias, adequada aos países de dimensões continentais

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM INSTALAÇÕES DE ARMAZENAGEM Complexo de espaços de diferentes naturezas e finalidades, situados em áreas cobertas e descobertas,

Leia mais

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo

LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II. Prof. Alessandro Camargo LOGÍSTICA DE OPERAÇÕES INTERNACIONAIS II Prof. Alessandro Camargo Logística Internacional As principais características das operações logísticas são: - Complexidade: que podem ser desde o produto até a

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de Andrade Pereira Prof. Wilson Kuster Versão 2015 TRANSPORTE

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

Identificação dos Custos Logísticos

Identificação dos Custos Logísticos Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade - Identificação dos Custos Logísticos MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Washington Luís Reis Revisão Textual: Profa. Esp.

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

TARIFA DO PORTO DE SUAPE

TARIFA DO PORTO DE SUAPE SUAPE COMPLEXO INDUSTRIAL PORTUÁRIO TARIFA DO PORTO DE SUAPE Homologada pela RESOLUÇÃO Nº 4.091, DE 7 DE MAIO DE 2015 (D.O.U. de 08.05.15) TABELA 1 UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA MARÍTIMA (Taxas devidas

Leia mais

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp).

O porto é administrado pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). PORTO DE SANTOS ORIGEM A expansão da cultura do café na província de São Paulo, na segunda metade do século passado, atingindo a Baixada Santista, originou a necessidade de novas instalações portuárias

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Logística Agroindustrial alguns conceitos. Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp.

Logística Agroindustrial alguns conceitos. Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp. Logística Agroindustrial alguns conceitos Profa. Dra. Andréa Leda Ramos de Oliveira FEAGRI/UNICAMP andrea.oliveira@feagri.unicamp.br POR QUE LOGÍSTICA?? Produção O Agronegócio no Brasil 1º 1º 1º 2º 2º

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014.

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão - Sistema PAMPA Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. A CCGL tem a missão de integrar as atividades do agronegócio com sustentabilidade,

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA. Duas revoluções ocorreram no setor de transportes desde o início dos anos 80:

INFRA-ESTRUTURA. Duas revoluções ocorreram no setor de transportes desde o início dos anos 80: INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA N.º 26 MAIO/98 LOGÍSTICA E CONTÊINERES NO BRASIL Duas revoluções ocorreram no setor de transportes desde o início dos anos 80: a adoção maciça

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DOS ATRASOS DOS TRENS DA ESTRADA DE FERRO VITÓRIA-MINAS XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais