Relatório de Gerenciamento de Riscos. 1º Trimestre de 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Gerenciamento de Riscos. 1º Trimestre de 2015"

Transcrição

1 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1º Trimestre de 2015

2 Sumário 1. Apresentação Estrutura de Gerenciamento de Riscos Risco de Crédito Risco de Mercado Risco Operacional Risco de Liquidez Risco Legal Gestão do Capital Patrimônio de Referência

3 1. Apresentação O ano de 2015 é de ajustes para a economia brasileira. Nesse cenário, o Banco Luso Brasileiro está implantando com sucesso um novo modelo de negócios com o foco no setor de transportes, em que um dos seus eixos é uma gestão de risco primorosa. Este relatório é um resumo dos números de risco do primeiro trimestre do ano. São Paulo, 29 de maio de 2015 Francisco Ribeiro Presidente e Diretor responsável pelo Risco 3

4 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos O gerenciamento de riscos do banco é um dos pilares de sua estratégia e é considerado essencial para um crescimento sem sustos, para a alocação de capital e a seleção e avaliação de operações. Além de uma obrigação legal, é considerado como uma ferramenta gerencial que está em contínuo aprimoramento. A responsabilidade é da diretoria e do conselho de administração, entretanto, está incorporado no dia a dia de todos na organização. A estrutura de gerenciamento de riscos do Banco Luso Brasileiro está estruturada em seis vetores: a) o conselho de administração e a diretoria, b) o comitê de riscos, c) as políticas de riscos; d) a gerência de riscos e o compliance, e) a gerência de capital e f) os processos de gestão de riscos. a) O conselho diretor e a diretoria são os responsáveis pela gestão, definem a estratégia e as políticas, acompanham a evolução dos parâmetros de risco e promovem correções de rota, quando considerado oportuno. b) O comitê de riscos se reúne mensalmente e participam os dois diretores, e os responsáveis pela tesouraria, o compliance, o gerenciamento de risco e o sistema de informações do banco. As reuniões são mensais, e é aferido o cumprimento das políticas de riscos de liquidez, capital, operacional e de mercado e observância e a gestão de capital. Cada reunião tem uma pauta, são feitas apresentações pelos responsáveis das áreas e registrada numa ata o acontecido que fica arquivada no banco. c) A as políticas de riscos que detalham os parâmetros da gestão de cada risco e da gestão de capital. d) A gerência de riscos e o compliance que estão subordinados à presidência da instituição. e) A gestão de capital que é de responsabilidade da tesouraria do banco. f) Processos para identificar, avaliar, monitorar e controlar a exposição aos riscos em diferentes horizontes de tempo e cenários, incluindo de estresse, descritos abaixo. 4

5 3. Risco de Crédito A política de risco de crédito, aprovada pelo conselho de administração, foca em empresas «middle market» e no segmento do transporte coletivo. As carteiras de crédito consignado público, de cartões de crédito e de crédito imobiliário não foram considerados nesta política em resultado da decisão estratégica, entretanto tomada, de não efetuar novas operações e gerir os respectivos créditos até a sua total liquidação. Conceitua-se como risco de crédito a possibilidade de ocorrência de não cumprimento pelo tomador das obrigações financeiras contratuais assumidas com a conseqüente perda econômica associada, redução da classificação do risco (piora) e redução do valor de mercado daquele ativo. A estrutura do crédito abrange a gestão do crédito e do risco de crédito. A gestão do crédito é operacional e trata do dia a dia do crédito desde a prospecção, aprovação até sua liquidação. A gestão do risco de crédito é voltada ao controle do risco envolvido nas carteiras, atua na mitigação do risco a curto e longo prazos, é normativa. Há procedimentos padronizados para encaminhamento, aprovação, formalização, liberação recursos, acompanhamento de vencimentos, controle das garantias e recuperação de crédito, conforme instruções formais em vigor. Utilizassem modelos e metodologia de classificação do risco de crédito na apuração dos rating tomador e dos rating operação. Prevê relatórios de acompanhamento do risco de crédito, que são arquivados pelo banco. Na avaliação do risco de crédito final e do rating operação é levada em consideração a garantia oferecida (ou pedida pelo comitê) para mitigar o risco. É utilizada a matriz de mitigação de risco, conforme política de crédito, para atribuir o rating operação, que será a base da classificação de risco e da provisão. A concentração por faixa de risco fica limitada aos ratings AA a C. Propostas de crédito para empresas cujo rating operação é D são recusadas pelo comitê de crédito em razão do potencial risco de crédito, mas também em função do alto nível de provisionamento necessário. 5

6 Na mitigação do risco são considerados na decisão final do Comitê de Crédito os seguintes aspectos: - Concentração por tamanho de empresa: os dez maiores clientes /grupos devem representar até x vezes o Patrimônio de Referência do Banco. Este parâmetro está em análise para adequação à realidade do Banco e está sujeito a futura aprovação. Concentração por setor econômico (75% da carteira para o setor de transporte coletivo) Com relação à concentração por região geográfica, deve ser notado que para mitigar a concentração no estado de são Paulo, o Banco vem operando em significantes volumes em Minas Gerais e Rio de Janeiro. Mais recentemente foram definidas duas novas linhas de atuação, com resultados em termos de negócios realizados: estados da Bahia e Espírito Santo e região Nordeste (Ceará / Pernambuco). A meta é o desenvolvimento das operações no Sul (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul). Os parâmetros de limitação da exposição por cliente ou grupo econômico são: 20% do patrimônio de referência do banco para empresas com risco operação AA e A, 15% do patrimônio de referência do banco para empresas com risco operação B, 5% do patrimônio de referência do banco para empresas com risco operação C. A alçada do comitê de crédito de R$ 10,0 milhões é um balizador para estabelecimento de limites, especialmente para grandes grupos. A base utilizada como referência indicativa para o estabelecimento de limite de crédito é o LRC ( Limite de Referência de Crédito ). O valor é estabelecido através de fórmula LRC, constante da política de crédito, em função do patrimônio líquido, das vendas mensais, do lucro líquido dos três últimos exercícios e do ativo permanente usando a metodologia interna do banco. O valor do LRC é informado automaticamente no documento de interno do balanço/dre da empresa, num quadro resumo dos indicadores / fatores de avaliação. O Comitê de Crédito, no estabelecimento do limite de exposição, leva também em consideração outros fatores, tais como a tradição e conceito da empresa, a situação do mercado, o risco a ser assumido em 6

7 relação a outros bancos. Descrição dos métodos para assegurar a eficácia das garantias e definir as provisões, no caso de serem distintas das provisões regulamentares mínima. A eficácia das garantias é assegurada pela formalização adequada dessas garantias, de acordo com o que foi aprovado pelo Comitê de Crédito. Eventuais dúvidas são dirimidas com a reapresentação da proposta ao Comitê, se for necessário. A emissão, controle e validação da documentação contratual e das garantias ficam a cargo da área de formalização. São providenciadas avaliações (e atualizações das mesmas) dos bens dados em garantia (alienação fiduciária de imóveis ou veículos), bem como verificada a validade dos títulos em garantia. O banco define as provisões em função do rating do cliente, de acordo com a regulamentação do Banco Central O gerenciamento do risco de crédito analisa e avalia sistematicamente as carteiras, a eficácia e adequação dos modelos de classificação de riscos e adota, a tempo, quando for o caso, medidas que mitiguem de forma racional e harmônica o nível do risco de crédito das carteiras. 4. Risco de Mercado A gestão do risco de mercado é feita pela gerência de risco e o comitê de risco de mercado, que aferem se a política de risco de mercado é seguida. A metodologia de controle de exposição aos riscos de mercado contempla a análise da conjuntura macroeconômica, a análise dos descasamentos entre ativos e passivos nos diferentes prazos e indexadores, o cálculo do VAR e testes de estresse à carteira. O comitê fixa os procedimentos destinados a manter a exposição ao risco de mercado dentro dos limites aprovados pelo conselho de administração. O uso de limites devem ser iguais ou inferiores aos seguintes limites como percentual do patrimônio líquido (PL) da instituição, utilizado o sistema de VaR, com certeza de 99%, com horizonte de dez dias, utilizados os parâmetros do Banco Central do Brasil para a carteira de negociação, podendo o mesmo modelo ser aplicado à carteira de banking. 7

8 Em relação ao risco em condição de estresse, é realizado o cálculo para a carteira de banking, para variação de taxas em parâmetros de acordo com o cenário elaborado desde que as variações para cada parâmetro sejam iguais ou superiores a 1%. Os limites são: Carteira Estresse VaR Total 5% a 7,5% do PL 3,5% do PL Banking-total 5% a 7,5 % do PL 3,5% do PL Banking-pré 5,0% do PL 3,5% do PL Banking-índice de preços 2,0% do PL 2,0% do PL Negociação 1,0% do PL 1,0% do PL No caso dos limites apurados em condição de estresse, sempre que o risco total ou o risco da carteira de banking se situar no intervalo entre 5% e 7,5%, o fato será registrado em ata e informado o conselho de administração, juntamente com uma adequada explicação para o sucedido e as medidas propostas com vista a mitigar tal situação. O Banco, à exceção da aplicação de seu encaixe de liquidez não efetua operações de tesouraria e de derivativos sendo que estas podem vir a ser acionadas, se os riscos de mercado, advindos das operações de crédito na carteira banking, excederem aos limites internos de riscos estabelecidos para tal. 5. Risco Operacional A gestão de risco operacional é feita pela área de controles internos, que é responsável pela coordenação das ações de mitigação, verificação, monitoração e controles das atividades que envolvem risco operacional; pela gerência de riscos e pelo comitê de riscos do banco. A instituição procedeu a formação, ao treinamento e a criação de uma estrutura organizacional adequada de controles internos, cobrindo as áreas de compliance, prevenção e lavagem de dinheiro e auditoria interna, mapas de risco. Utiliza a abordagem do indicador básico, para alocação de capital e como medida e avaliação do risco operacional. 8

9 No primeiro trimestre, destacam-se ações no registro de perdas e aprimoramentos no processo de câmbio, no processo de cadastro, na prevenção de lavagem de dinheiro, na segurança de informação, no plano de continuidade de negócios e m controles em falhas operacionais registradas. 6. Risco de Liquidez A gestão da liquidez está centralizada na vice presidência financeira e a gestão do risco de liquidez é coordenada pelo comitê de risco do banco e pela gerência de risco, que afere o cumprimento da política de risco de liquidez. Os limites para liquidez são um encaixe de liquidez, para atender com total segurança as oscilações normais de caixa. A ser observado sempre e a sua não observância obriga o disparo de medidas de ação imediata, nomeadamente a venda de ativos previamente fixados.. A reserva de contingência, que prevê suporte de liquidez para situações imprevisíveis. Os parâmetros abaixo foram estabelecidos, devendo ser revisados a cada seis meses: O encaixe de liquidez, que representa o mínimo de caixa a ser mantido, será calculado de forma estocástica, com base no comportamento passado das variações diárias de caixa, respeitadas as seguintes características: Computada a serie de variações diárias e consecutivas do encaixe referente ao período de três meses, todas com mesmo peso; com nível de certeza adotado mínimo de99% e resistente a variações adversas por sete dias consecutivos. A reserva de contingência, que constitui a reserva de conforto a satisfazer situações de imprevisibilidade extrema, é calculada de forma a suportar: 30% do saldo dos depósitos à vista, o saldo das aplicações em CDB e LCI dos Investidores institucionais a vencer em 60 dias, o saldo das aplicações em CDB e LCI das Instituições financeiras a vencer em 60 dias, o saldo das aplicações com liquidez diária (CDB Luso Máster) e o saldo, em reais, proveniente da conversão do total da carteira de Finimp. O valor adicional que resultar desta apuração pode ser mantido em liquidez e/ou estar composto por ativos pré-selecionados. Será mantido o valor do encaixe de liquidez, e assim que denotado o seu não cumprimento e a possibilidade de não atendimento via ampliação de captações ou cessão de créditos, mais providências 9

10 serão adotadas, como venda dos ativos pré-selecionados, a não realização de novas operações ativas carteira comercial ou ainda a suspensão de novas operações de Finimp. A gestão e aplicação do plano de contingência de liquidez ficará sob a responsabilidade da vice presidência financeira e delas participará o gerente da tesouraria, responsável pela execução das medidas elencadas. Diariamente, a tesouraria, divulgará para a diretoria e controladoria, a posição financeira diária constando além da movimentação financeira do dia, com o respectivo saldo de fechamento do caixa, os valores referentes ao encaixe de liquidez e a reserva de contingência. 7. Risco Legal Frente ao porte do banco, é utilizado o critério de advocacia preventiva e, todos os novos negócios ou contratos, são previamente revistos pelo departamento jurídico do banco. 8. Gestão do Capital A estrutura de gestão de capital do banco abrange a tesouraria do banco que prepara todos os cálculos e projeções, a gerência de risco que afere sua consistência e o comitê de risco do banco que monitora sua evolução. Há um monitoramento contínuo dos níveis e da adequação do capital regulatório e excedente, com a identificação e quantificação para cada um dos risco, bem como um acompanhamento e atualização, quando oportuno, do plano de capital em sintonia com o orçamento do banco. São realizados testes de estresse, regularmente para aferir a solidez das projeções do capital e há um plano de contingência de capital, para fazer frente a situações extremas. 10

11 9. Patrimônio de Referência Apuração do PR março/2015 Nome da conta Valor em R$ Patrimônio De Referência (PR) ,74 Patrimônio De Referência Nível I (PR_I) ,74 Capital Principal CP ,74 Capital Social ,24 Reservas De Capital, Reavaliação e de Lucros ,33 Contas de Resultado Credoras ,24 Capital Principal Ajustado I ,33 Deduções do Capital Principal Exceto Ajustes Prudenciais ,17 Não Realizadas Avaliação Patrimonial e TVM 519,43 Ações em Tesouraria e Outros Instrumentos de Emissão Própria - Perdas ou Prejuízos Acumulados ,81 Contas de Resultado Devedoras ,93 Ajustes Prudenciais Exceto Participações Não Consolidadas e Crédito Tributário ,64 Ajuste Prudencial II - Ativos Intangíveis ,60 A Partir de Outubro de ,60 10% do PR Nível I Desconsiderados os Ajustes Prudenciais ,96 PR Nível I Desconsiderados os Ajustes Prudenciais ,64 Ajuste Prudencial IX - Ativos Diferidos 0,04 Limite para Investimentos Inferiores em Assemelhadas ,90 Capital Principal Ajustado II ,00 Ajustes Prudenciais V e VII - Créditos Tributários de Diferença Temporária e Investimentos Superiores em Assemelhadas ,26 Limite para Investimentos Superiores ,90 Capital Principal Ajustado III ,00 Ajuste Prudencial VII Antes da Glosa de 15% - Créditos Tributários de Diferença Temporária ,26 11

12 Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais ,06 Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias ,06 Limite para Créditos Tributários Decorrentes de Diferença Temporária ,90 Ajustes Prudenciais V e VII decorrentes de limitação de 15% do Capital Principal ,75 Investimentos Superiores a 10% em Assemelhadas não Consolidadas e Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias ,06 Limite para Participações Superiores e de Créditos Tributários Decorrentes de Diferença Temporária ,69 Participações Superiores e Créditos Tributários de Diferença Temporária não Deduzidos ,90 Créditos Tributários de Diferença Temporária não Deduzidos ,90 Informações Relativas ao RWA mar/15 dez/14 set/14 jun/14 mar/14 dez/13 RWA p/ Risco de Mercado PR IB - Índice de Basiléia RWACPAD Por fator de ponderação 0% % % % % % % % % % % % RWACIRB RWAOPAD

13 Mar/15 dez/14 set/14 jun/14 mar/14 dez/13 RWAJUR RWAJUR RWAJUR RWAJUR RWAACS RWACAM RWACOM RWAMPAD Exposição ao crédito Valor em mar/15 Média no trimestre (**) Exposição de Crédito Valor em dez/14 Média no trimestre (**) Valor em ju/14 Média no trimestre (**) Carteira de crédito bruta Em reestruturação Consignado público Consignado privado Imobiliário Garantido pelo FGC Carteira core Empréstimos / K de giro Conta garantida Financiamentos CDC Câmbio (*) Outros créditos *apenas operações de financiamento a importação não amparadas em cartas de crédito * média do saldo contábil dos últimos três meses Exposição dos 10 e dos 100 Maiores Clientes % Carteira % da carteira mar/15 dez/14 set/14 jun/14 mar/14 dez/13 10 maiores 23,56% 23,76% 24,46% 25,05% 23,79% 24,09% 100 maiores 75,15% 73,80% 70,15% 68,51% 65,99% 69,25% 13

14 Exposição por Região Geográfica Mar/2015 PF- Imobiliario PF consignado PF veículos e arrendamento mercantil PF outros PJ- importação e exportação PJ - capital de giro, desconto de títulos e conta garantida PJ outros Sudeste Centro- Oeste Nordeste Sul Norte Total Total Composição da Carteira por Setor Econômico mar/15 mar/15 mar/15 Distribuição setorial PJ K de giro, desc tít e cta PJ - outros TOTAL garantida Transporte, armazenagem e correio Atividades imobiliárias Atividades administrativas e serviços complementares Indústrias de transformação Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas Construção Outras atividades de serviços Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura Informação e comunicação Saúde humana e serviços sociais Atividades profissionais, científicas e técnicas Artes, cultura, esporte e recreação Alojamento e alimentação Soma

15 dez/14 dez/14 dez/14 Distribuição setorial PJ K de giro, desc tít e cta PJ - outros TOTAL garantida Transporte, armazenagem e correio Atividades imobiliárias Atividades administrativas e serviços complementares Indústrias de transformação Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas Construção Outras atividades de serviços Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura Informação e comunicação Saúde humana e serviços sociais Atividades profissionais, científicas e técnicas Artes, cultura, esporte e recreação Alojamento e alimentação Soma jun/14 jun/14 jun/14 Distribuição setorial PJ K de giro, desc tít e cta garantida PJ - outros Transporte, armazenagem e correio Atividades imobiliárias Atividades administrativas e serviços complementares TOTAL Indústrias de transformação Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas Construção Outras atividades de serviços Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aqüicultura Informação e comunicação

16 Saúde humana e serviços sociais Atividades profissionais, científicas e técnicas Artes, cultura, esporte e recreação Alojamento e alimentação Soma Prazo a Decorrer de Operações de Crédito Mar/15 Até 6 Meses Acima de 6 Meses até 1 ano Acima de 1 ano até 5 anos Acima de 5 anos Total PJ- capital de giro, desconto de títulos e conta garantida PJ - Imobiliario Pessoa Juridica - outros PJ - veículos e arrendamento - mercantil PJ - Consignado PJ - outros PJ- importação e exportação Total Dez/14 Até 6 Meses Acima de 6 Meses até 1 ano Acima de 1 ano até 5 anos Acima de 5 anos Total PJ- capital de giro, desconto de títulos e conta garantida PJ - Imobiliario Pessoa Juridica - outros PJ - veículos e arrendamento mercantil PJ - Consignado PJ - outros PJ- importação e exportação Total Jun/14 Até 6 Meses Acima de 6 Meses até 1 ano Acima de 1 ano até 5 anos Acima de 5 anos Total PJ- capital de giro, desconto de títulos e conta garantida PJ - Imobiliario Pessoa Juridica - outros PJ - veículos e arrendamento

17 mercantil PJ - Consignado PJ - outros PJ- importação e exportação Total Por setor mar/15 De 15 a 60 dias Operações em Atraso De 61 a 90 dias De 91 a 180 dias De 181 a 360 dias Acima de 360 dias Total Transporte, armazenagem e correio Pessoa física Outras atividades de serviços Informação e comunicação Construção Outros Soma Por região mar/15 De 15 a 60 De 61 a De 91 a De 181 a Acima de dias 90 dias 180 dias 360 dias 360 dias Total Sudeste Centro-Oeste Outros Soma Por setor dez/14 De 15 a 60 dias De 61 a 90 dias De 91 a 180 dias De 181 a 360 dias Acima de 360 dias Transporte, armazenagem e correio Pessoa física Outras atividades de serviços Informação e comunicação Construção Total Outros Soma

18 Por região dez/14 De 15 a 60 De 61 a 90 De 91 a De 181 a Acima de dias dias 180 dias 360 dias 360 dias Total Sudeste Centro-Oeste Outros Soma Por setor jun/14 De 15 a 60 dias De 61 a 90 dias De 91 a 180 dias De 181 a 360 dias Acima de 360 dias Transporte, armazenagem e correio Pessoa física Outras atividades de serviços Informação e comunicação Total Construção Outros Soma Por região jun/14 De 15 a 60 De 61 a 90 De 91 a De 181 a Acima de dias dias 180 dias 360 dias 360 dias Total Sudeste Centro-Oeste Outros Soma Exposições do Fluxo de Perdas 4º Trimestre 2014 Operações baixadas no trimestre mar-14 dez-14 set-14 jun-14 mar-14 dez-13 Pessoa fisica Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas Indústrias de transformação Construção Total

19 Provisões para perdas 1º trimestres 2015 Comércio e reparação de veículos dez/14 Adicionado Substraido mar/ , , , ,23 Construção , , ,11 Indústrias de Transformação , ,95 Pessoa Fisica , , , ,75 Total , , , ,04 Informação sobre a adequação do PR 1 N.º da linha Capital Principal: instrumentos e reservas Itens mar/15 dez/14 set/14 jun/14 Tratamento transitório (R$ mil) (R$ mil) (R$ mil) (R$ mil) (R$ mil) Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reserva de Lucros Outras Receitas e Outras Reservas Participação de não controladores em subsidiárias integrantes do conglomerado, não dedutível do Capital Principal 6 Capital Principal antes dos ajustes prudenciais Capital Principal: Ajustes Prudenciais 9 Ativo intangível

20 10 Créditos tributários decorentes de prejuízos fiscais e de base negativa de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido e os originados dessa contribuição relativos a períodos de apuração encerrado até 31/12/ Ajustes relativos ao valor de mercado dos instrumentos finaceiros derivativos utilizados para hedge de fluxo de caixa de itens protegidos que não tenham seus ajustes de marcaçãoa mercado registrados Créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias que dependam de geração de lucros ou receitas tributáveis futuras para sua realização, acima do limite de 10% do Capital Principal, desconsiderando deduções específicas a 26d Ajustes regulatórios nacionais Ativos permanentes diferidos Aumento de capital social não autorizado e Excedente ao valor ajustado de Capital Principal f Depósito para suprir deficiência de capital

21 26g Montante dos ativos intangíveis constituídos antes da entrada em vigor da Resolução 4192 de h Excesso dos recursos aplicados no Ativo Permanente i Destaque do PR j Outras diferenças residuais relativas à metodologia de apuração do Capital Principal para fins regulatórios Ajustes regulatórios aplicados ao Capital Principal em função de insuficiência do Capital Complementar e de Nível II para cobrir deduções 28 Total de deduções regulatórias ao Capital Principal Capital Principal Capital Complementar : Instrumentos 30, 33 e Não aplicaveis no momento Capital Complementar antes das deduções regulatórias Capital Complementar : deduções regulatórias 37 a 42 Não aplicaveis no momento 21

22 43 Total de deduções regulatórias ao Capital Complementar Capital Complementar Nível I a 48 e Nível II : instrumentos Não aplicaveis no momento Nível II antes das deduções regulatórias Nível II : deduçõesregulatórias 52 a Não aplicaveis no momento Total de deduções regulatórias ao Nível II Nível II Patrimônio de Referência (Nivel I + Nível II) Total de ativos ponderados pelo risco (RWA) Índeces de Basileia e Adicional de Capital Principal Índice de Capital Principal (ICP) (capital principal/rwa) 254,50% Índice de Nível I (IN1) (Nível I / RWA) 238,43% Ídice de Basileia (IB) (Nívei I + Nível II / RWA) 22

23 64 Valor total de Capital Principal demandado especificamente para a instituição (% dos RWA) (4,5% s/o RWA a partir de 1/10/2013 com a adição de 0% até 31/12/2015) a 68 Não aplicavel no momento Mínimos Nacionais 69 Não aplicavel 70 Índice de nível I (IN1), se diferente do estabelecido em Basileia III (de 01/10/2013 a 31/12/2014 = 5,5%) (a partir de 01/01/2015 = 6%) 71 Índice de Basileia (IB), se diferente do estabelecido em Basileia III (de 01/10/2013 a 31/12/2015 = 11%; de 01/01 a 31/12/2016 = 9,875%; de 01/01 a 31/12/2017 = 9,25%; de 01/01/ a 31/12/2018 = 8,625% e a partir de 01/01/2019 = 8%) a Não aplicavel no momento Créditos Tributários decorrentes de diferenças temporárias, não deduzidas dio Capital Principal (parcela referente ao PCLD) Limites à inclusãon de provisões no Nível II 23

24 76 a 79 Não aplicavel no momento. Instrumentos autorizados a compor o PR antes da entrada em vigor da Resolução 4192 de 2013(aplicável entre 1/10/2013 e 01/01/2022) 80 a 85 Não aplicavel no momento. N.º da linha Itens dez/14 set/14 jun/14 Tratamento transitório Referente conglomerado Capital Principal: instrumentos e (R$ mil) (R$ mil) (R$ mil) (R$ mil) (R$ mil) reservas 1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reserva de Lucros Outras Receitas e Outras Reservas Participação de não controladores em subsidiárias integrantes do conglomerado, não dedutível do Capital Principal 6 Capital Principal antes dos ajustes prudenciais Capital Principal: Ajustes Prudenciais 9 Ativo intangível Créditos tributários decorentes de prejuízos fiscais e de base negativa de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido e os originados dessa contribuição relativos a períodos de apuração encerrado até 31/12/ Ajustes relativos ao valor de mercado dos instrumentos finaceiros derivativos utilizados para hedge de fluxo de caixa de itens protegidos que não tenham seus ajustes de marcaçãoa mercado registrados. 21 Créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias que dependam de geração de lucros ou receitas tributáveis futuras para sua realização, acima do limite de 10% do Capital Principal, desconsiderando deduções específicas 26 Ajustes regulatórios nacionais

25 a Ativos permanentes diferidos d Aumento de capital social não - autorizado e Excedente ao valor ajustado de Capital Principal f Depósito para suprir deficiência de capital g Montante dos ativos intangíveis constituídos antes da entrada em vigor da Resolução 4192 de h Excesso dos recursos aplicados no Ativo Permanente i Destaque do PR Outras diferenças residuais relativas à 26j metodologia de apuração do Capital Principal para fins regulatórios Ajustes regulatórios aplicados ao Capital Principal em função de insuficiência do Capital Complementar e de Nível II para cobrir deduções Total de deduções regulatórias ao Capital Principal Capital Principal Capital Complementar : Instrumentos 30, 33 e 34 Não aplicaveis no momento 36 Capital Complementar antes das deduções regulatórias Capital Complementar : deduções regulatórias 37 a 42 Não aplicaveis no momento 43 Total de deduções regulatórias ao Capital Complementar Capital Complementar Nível I Nível II : instrumentos 46 a 48 e 50 Não aplicaveis no momento 51 Nível II antes das deduções regulatórias Nível II : deduçõesregulatórias 52 a 56 Não aplicaveis no momento 57 Total de deduções regulatórias ao Nível II Nível II Patrimônio de Referência (Nivel I + Nível II) Total de ativos ponderados pelo risco (RWA)

26 61 Índeces de Basileia e Adicional de Capital Principal Índice de Capital Principal (ICP) (capital principal/rwa) Índice de Nível I (IN1) (Nível I / RWA) Ídice de Basileia (IB) (Nívei I + Nível II / RWA) Valor total de Capital Principal demandado especificamente para a 64 instituição (% dos RWA) (4,5% s/o RWA a partir de 1/10/2013 com a adição de % até 31/12/2015) 66 a 68 Não aplicavel no momento Mínimos Nacionais 69 Não aplicavel Índice de nível I (IN1), se diferente do estabelecido em Basileia III (de 70 01/10/2013 a 31/12/2014 = 5,5%) (a partir de 01/01/2015 = 6%) Índice de Basileia (IB), se diferente do estabelecido em Basileia III (de 01/10/2013 a 31/12/2015 = 11%; de 71 01/01 a 31/12/2016 = 9,875%; de 01/01 a 31/12/2017 = 9,25%; de 01/01/ a 31/12/2018 = 8,625% e a partir de 01/01/2019 = 8%) 72 a 74 Não aplicavel no momento Créditos Tributários decorrentes de diferenças temporárias, não deduzidas 75 dio Capital Principal (parcela referente ao PCLD) Limites à inclusãon de provisões no Nível II 76 a 79 Não aplicavel no momento. Instrumentos autorizados a compor o PR antes da entrada em vigor da Resolução 4192 de 2013(aplicável entre 1/10/2013 e 01/01/2022) 80 a 85 Não aplicavel no momento

Gerenciamento de Riscos do. Banco Luso Brasileiro

Gerenciamento de Riscos do. Banco Luso Brasileiro Gerenciamento de Riscos do Banco Luso Brasileiro Data Base de 31/12/2014 Apresentação O Banco Luso Brasileiro BLB acaba de comemorar seus 25 anos e atualmente está consolidando uma transformação estrutural

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA DENOMINAÇÃO Gestão de Riscos e de Patrimônio de Referência Circular 3.477/99 ÁREA EMITENTE Data Base Gestão de Riscos 30/09/01 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA 1. Introdução Em

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR)

INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) NOVO BANCO CONTINENTAL S/A - BANCO MÚLTIPLO - CNPJ:

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Sumário 1. Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional... 3 3. Gerenciamento de Riscos... 5 4. Gerenciamento de Capital...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital RISKS Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital 1º Trimestre 2014 Documento de uso interno RISKS Sumário Introdução... 3 1. Sobre o Gerenciamento de Riscos... 4 2. Patrimônio de Referência... 7 3. Ativos

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2014 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO... 1 3. RISCO DE MERCADO... 3 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 5. GESTÃO DE CAPITAL... 5

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

CONGLOMERADO PRUDENCIAL

CONGLOMERADO PRUDENCIAL CONGLOMERADO PRUDENCIAL Informações Relativas à Circular BACEN 3.678 1 TRIMESTRE 2015 DOCUMENTO DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS SUMÁRIO I Objetivo 02 II Orientações Gerais 02 III Orientações Gerais Sobre o Arquivo XML 04 IV Orientações

Leia mais

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS SUMÁRIO I Objetivo 02 II Orientações Gerais 02 III Orientações Gerais Sobre o Arquivo XML 04 IV Orientações

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015 Relatório de Gestão de Riscos e Capital 3ºTri2015 Sumário A. Introdução...3 B. Escopo de Consolidação e Comparação dos Balanços...4 C. Governança Interna...7 1. Estrutura de Governança de Comitês...7 2.

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A. Western Union Corretora de Câmbio SA

Banco Western Union do Brasil S.A. Western Union Corretora de Câmbio SA Banco Western Union do Brasil S.A. Western Union Corretora de Câmbio SA Relatório de Gerenciamento de Riscos para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no. 3477/09 do Conselho Monetário Nacional.

Leia mais

Release de Resultado 4T14

Release de Resultado 4T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 4T14 São Paulo, 12 de fevereiro de 2015 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Terceiro Trimestre de 2015

Terceiro Trimestre de 2015 Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 Dez/14 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar informações relevantes sobre as estruturas e os processos de gerenciamento de riscos adotados

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB Fevereiro/2011 ÍNDICE 1) Objetivo...3 2) Institucional...3 2.1) Tipos de Riscos...3 2.2) Estrutura e Processo de Gestão...3

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S/A Trimestre findo em 31/03/2015 ÍNDICE PÁGINA 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PERFIL CORPORATIVO... 4 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA... 4 3.1. Comitê

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 Brasília, 22 de março de 2016 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de riscos

Relatório de Gerenciamento de riscos Relatório de Gerenciamento de riscos SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 GESTÃO DE RISCOS... 5 1.1 PRINCIPAIS RISCOS CORPORATIVOS... 5 2 RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1.1 Identificação

Leia mais

HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A.

HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. 2ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2005 HSBC LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL (BRASIL) S.A. 2ª Emissão de Debêntures

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital

Política de Gerenciamento de Capital 1 / 6 Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. ABREVIATURAS E DEFINIÇÕES GERAIS... 2 4. DESCRIÇÃO... 2 4.1. Conceito... 2 4.2. Politica... 3 4.3. Estrutura... 3 4.4. Responsabilidades... 3 5. ANEXOS...

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.688, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Lúcio Rodrigues Capelletto

CARTA CIRCULAR Nº 3.688, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Lúcio Rodrigues Capelletto CARTA CIRCULAR Nº 3.688, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as informações que devem constar no relatório de que trata a Circular nº 3.646, de 4 de março de 2013. O Chefe do Departamento de Supervisão

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23 ATIVO BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Em Milhares de Reais) CIRCULANTE 2.239 2.629 DISPONIBILIDADES

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr 1. Introdução 2. Áreas de Atuação 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos 4. Apetite ao Risco 5. Informações Qualitativas 5.1 Risco de Crédito 5.2 Risco de Mercado 5.3 Risco de Liquidez 5.4 Risco Operacional

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 1 trimestre de 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 1 trimestre de 2015 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO Departamento de Gestão de Riscos RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 1 trimestre de 2015 Maio de 2015. BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

4T15. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A.

4T15. Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. 4T15 Análise Gerencial da Operação e Demonstrações Contábeis Completas Itaú Unibanco Holding S.A. ÍNDICE 03 Análise Gerencial da Operação 05 Sumário Executivo 15 Análise do Resultado e Balanço 16 18 22

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Circular n.3.678/13

Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Circular n.3.678/13 Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Circular n.3.678/13 Gestão de Riscos, apuração do montante dos ativos ponderados pelo Risco (RWA), e à apuração do Patrimônio de Referência (PR). Banco Mercedes-Benz

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º TRIMESTRE DE 2015 I INTRODUÇÃO / OBJETIVO O principal objetivo desse documento é apresentar as informações do Conglomerado Crédit Agricole requeridas pelo Banco

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA MANUAL DE GERENCIAMENTO DE LIQUIDEZ VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA Elaborado pelo Oficial de Compliance: Misak Pessoa Neto Data: 25/01/2016 Versão: 1.3 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Princípios Gerais...

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Notas explicativas às Informações Financeiras Trimestrais em 30 de setembro de 2002 Em milhares de reais

Notas explicativas às Informações Financeiras Trimestrais em 30 de setembro de 2002 Em milhares de reais 1 Apresentação das Informações Trimestrais - IFT Apresentadas conforme norma do Banco Central do Brasil BACEN. 2 Práticas contábeis As Informações Financeiras Trimestrais - IFT s são de responsabilidade

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO 1) Objetivo 2) Abrangência 3) Responsabilidades 4) Políticas e Definições 5) Plano de alçadas 6) Regulamentação externa ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO

Leia mais

3º trimestre de 2014. Gerenciamento de Riscos Pilar 3

3º trimestre de 2014. Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 ÍNDICE OBJETIVO 3 PRINCIPAIS INDICADORES 3 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS E CAPITAL 4 1.1 Estrutura Organizacional 4 1.2 Governança de Riscos e Capital 5

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3. 347. Art. 2º (Revogado) (Revogado pela Resolução nº 3.706, de 27/3/2009.)

RESOLUÇÃO N 3. 347. Art. 2º (Revogado) (Revogado pela Resolução nº 3.706, de 27/3/2009.) RESOLUÇÃO N 3. 347 Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). O BANCO CENTRAL DO BRASIL,

Leia mais

Banco VR S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Banco VR S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Demonstrações Contábeis Consolidadas do Conglomerado Prudencial Referentes ao Semestre e Exercício Findos em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10 Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10 SUMÁRIO I Objetivo 1 II Orientações Gerais 2 III Orientações Gerais Sobre

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

REGULAMENTO DO SANTANDER FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO INTELIGENTE RENDA FIXA CURTO PRAZO CNPJ/MF n.º 02.908.

REGULAMENTO DO SANTANDER FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO INTELIGENTE RENDA FIXA CURTO PRAZO CNPJ/MF n.º 02.908. O presente Regulamento é parte integrante da Ata de Assembleia Geral de Cotistas do Santander Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Inteligente Curto Prazo, realizada em 29 de abril

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Relatório Corporativo de Gerenciamento de Riscos Pilar III Circulares 3.678/13 e 3.716/14 Conglomerado Prudencial Setembro 2015 Diretoria Executiva de Controladoria, Compliance, PLD e Riscos Diretoria

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO SET/2015 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital 2015 2º Trimestre Índice 1. Introdução... 4 2. Tipos de Riscos... 4 2.1. Risco de Crédito... 4 2.2. Risco Operacional... 4 2.3. Risco de Mercado... 4 2.4.

Leia mais

A+ A+ A+ AA+ Tel.: 55 11 3377 0708 Tel.: 55 11 3377 0703

A+ A+ A+ AA+ Tel.: 55 11 3377 0708 Tel.: 55 11 3377 0703 Condomínio: CAIXA FIDC CDC VEÍCULOS DO BANCO PANAMERICANO Aberto Administrador: Caixa Econômica Federal Prazo: Indeterminado Custodiante: Banco Itaú S.A. Data de Registro: 25/09/2003 Auditor: Ernest &

Leia mais

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397 BANCO CENTRAL DO BRASIL FUNDO DE GARANTIA DOS DEPÓSITOS E LETRAS IMOBILIÁRIAS - FGDLI BALANÇO PATRIMONIAL DE ENCERRAMENTO - EM 29 DE ABRIL DE 2005 A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO

Leia mais

BANCO AZTECA DO BRASIL

BANCO AZTECA DO BRASIL Sumário BANCO AZTECA DO BRASIL Sumário... 2 I. Introdução... 2 II. Objetivo... 2 III. Escopo do... 3 IV. Mapa de Risco... 5 V. Risco de Mercado... 6 A. Ferramentas de Risco de Mercado... 6 VaR: 6 Testes

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 48.622 31.823 Disponibilidades 684 478 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 24.600 15.766 Operações de Crédito 6 22.641 15.395 Outros

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

2º Trimestre de 2014 Basiléia III

2º Trimestre de 2014 Basiléia III Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2014 Basiléia III Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Comparativo entre Balanço Individual e Balanço Publicado... 4 Princípios da Gestão de

Leia mais