Ano SEGURANÇA NA INTRALOGÍSTICA MANUSEIO DE CARGAS. Edson Abad Barros Jr Fausto Camilotti Eduardo Tambasco Monaco Sumara de Arruda Sampaio Zimbardi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ano SEGURANÇA NA INTRALOGÍSTICA MANUSEIO DE CARGAS. Edson Abad Barros Jr Fausto Camilotti Eduardo Tambasco Monaco Sumara de Arruda Sampaio Zimbardi"

Transcrição

1 Ano 03 Edson Abad Barros Jr Fausto Camilotti Eduardo Tambasco Monaco Sumara de Arruda Sampaio Zimbardi n. 05 SEGURANÇA NA INTRALOGÍSTICA MANUSEIO DE CARGAS p.1-31 Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEA Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio CEUNSP Salto-SP Adriana Petito de Almeida Silva Castro, Fernanda Otávia Dias A. Nascimento, Alexandre Vergel Ferreira, Rogério De Marchi - ASFALTOS NA PAREDE Revista Complexus Instituto Superior de Engenharia Arquitetura e Design Ceunsp, Salto-Sp, Ano. 02, N.3, P.23-28, Maio de Disponível Em: 1

2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo, demonstrar a importância da saúde e segurança do trabalho no processo logístico, valorizar a preservação desses fatores no ambiente de trabalho, tornando-o agradável, seguro e saudável. Não cabe mais, nos dias de hoje, a aceitação de que acidentes e doenças ocupacionais simplesmente ocorrem, fazendo parte da vida laboral e, remetendo empregados e empregadores a uma inércia submissa ao acaso. Os riscos no ambiente de trabalho são iminentes. Isso exige do homem, a necessidade premente de reconhecer os perigos que o cerca, e atuar sobre os mesmos, no sentido de criar condições para o seu controle. A empresa cuidando desses fatores contribuirá com a sua imagem, reduzindo custos ocasionados por doenças e acidentes de trabalho, obtendo maior lucro e consequentemente aumento da sua produtividade. A redução de riscos no ambiente de trabalho, e por consequência a melhoria das condições de trabalho, é um objetivo que deve transcender a própria existência das organizações; onde todos os homens, a organização e a nação, saiam ganhando. No setor de logística das empresas, está exigindo cada vez desdobramentos dos profissionais destes setores, levando-os a uma sobrecarga de trabalho; quantidade excessiva de hora-extras diárias, trabalhos em turno de revezamento, falta de máquinas e equipamentos apropriados para execução das suas atividades. Trabalhar com segurança é obrigação de todos, e também responsabilidade de quem tem autoridade para implantação de todos os mecanismos sobre segurança e medicina do trabalho. Palavras-Chave: Saúde e Segurança no Trabalho, Processos logísticos, Manuseio de Cargas. 1. INTRODUÇÃO Segundo, a diretiva do Conselho de Saúde e Segurança do Trabalho realizado em 29 de maio de 1990, é evidente que deve haver prescrições mínimas de segurança e saúde no trabalho em relação à movimentação manual de cargas, que comportem riscos para os trabalhadores. A movimentação manual de cargas pode ser definida como qualquer operação de transporte ou sustentação de uma carga, que devido às suas características, faça com que a segurança e saúde dos trabalhadores corram riscos. O manuseio de cargas está relacionado com todos os setores (desde pequenas e médias empresas até as de grande porte), porém há alguns setores que 2

3 merecem destaque quanto a esse assunto, como exemplo: Armazenamento, metalmecânica, indústria têxtil, construção civil, etc. Para exercer esse trabalho manual, exige-se do trabalhador a utilização do corpo como instrumento para a realização das tarefas, e isso faz com que, várias partes do corpo, sejam prejudicadas pelo excesso de força, que posteriormente surgirá a sensação de fadiga, desenvolvendo uma redução nos reflexos dos trabalhadores, e que por fim, podendo ser a origem de alguns acidentes ou incidentes do trabalho. A logística interna das empresas, denominada intralogística, está ligada diretamente a movimentação e armazenagem de materiais. Estudos indicam que, quanto menos material existir no fluxo logístico e quanto mais direto e rápido for o processo, melhor para a cadeia de suprimentos. E isso pode representar ganhos de eficiência de até 80%. Sendo assim, uma intralogística eficiente e bem estruturada, traz não apenas ganhos para a empresa, mas também ao meio ambiente, graças às práticas sustentáveis. De acordo com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Paletes (ABRAPAL), 93% dos paletes produzidos no Brasil, cerca de 10 milhões ao ano, são provenientes de madeira de reflorestamento, sem contar que a fabricação é limpa, tem baixo consumo de energia e não utiliza produtos químicos. Além disso, o produto final é reciclado e pode ser convertido em biomassa (material utilizado como combustível para indústria). A preocupação com a saúde e a segurança no trabalho, pode ser identificada desde épocas remotas, onde os homens procuravam proteção contra os animais ferozes e contra os fenômenos atmosféricos, abrigando-se nas cavernas. O uso do fogo e das armas proporcionou-lhe proteção, mas aumentaram os riscos. Para alcançar suas cavernas, situadas nas encostas dos morros, usavam uma escada tosca e perigosa, lascas de madeira amarradas em troncos de árvores. Hoje, parece insegura, mas, para a época representava um novo progresso científico. No século XVIII, o médico italiano Bernardino Ramazzini, ao publicar seu livro As doenças dos trabalhadores, relaciona cinquenta e quatro tipos de profissões ligadas às doenças daquela época, descrevendo os seus principais problemas de saúde apresentados pelos trabalhadores, e chamando a atenção para a necessidade dos médicos conhecerem a ocupação, atual e pregressa, de seus pacientes, para fazer o diagnóstico correto e adotar os procedimentos adequados. O interessante é que neste livro, o Doutor Ramazzini além de identificar as doenças 3

4 que são ocasionadas pelo tipo de atividade exercida, ele também descreve como os trabalhadores poderiam ser tratados, usando os produtos existentes naquela época. O aprofundamento nesta temática ganhou maior ênfase com o advento da Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra no final do século XVIII, onde houve transformações radicais na forma de produzir e de viver das pessoas, pelas condições impostas ao homem em seu ambiente de produção, de se adequar à máquina, pois, tornou-se necessário à utilização de um maior número das mesmas, na decorrência do trabalho. Com a Teoria Científica, formulada por Frederick Taylor, a associação de saúde, segurança e rendimento operacional tornaram-se mais visível, pela necessidade de suprir maior produção em menor tempo. A preservação da saúde e da segurança no ambiente de trabalho, constitui uma das principais bases para o desenvolvimento adequado da força de trabalho, sendo indispensável quando se espera ter um ambiente produtivo e de qualidade. O sucesso na obtenção dos resultados está intimamente relacionado com a valorização do recurso humano dentro da empresa, como um dos fatores primordiais. Segundo Chiavenato (1989), por causa das novas descobertas, das crescentes inovações e da rapidez no processamento das informações sobre a prevenção dos riscos profissionais, tornou - se imprescindível à valorização da qualidade de vida, da saúde e do conforto do trabalhador no seu ambiente de trabalho, tendo como principais objetivos: a eliminação das causas das doenças profissionais; a redução dos efeitos prejudiciais provocados pelo trabalho, em pessoas doentes ou portadoras de defeitos físicos; a prevenção do agravamento de doenças e de lesões e pelos estudos e observações dos novos processos ou materiais a serem utilizados. Porém, para que esses objetivos sejam alcançados, é necessário que seja realizado um trabalho educativo internamente nas empresas, para que cada vez mais haja uma conscientização, por parte dos empregadores e seus colaboradores, sobre a importância do tema que está sendo abordado, alertando-os para os perigos existentes no ambiente de trabalho e ensinando-os como evitá-los, pois, esse controle das condições de trabalho é uma variável que influencia fortemente o comportamento dos trabalhadores. Outro ponto deste artigo será a análise dos números referentes às pesquisas desenvolvidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatístico, demonstrando os índices de acidentes de trabalho por motivos típicos, de trajeto e de doenças do trabalho, nas regiões brasileiras, no período de 1997 a O Brasil registra uma média de um milhão e meio de acidentes de trabalho por ano. Apesar de ser um número que ainda assusta as autoridades e pesquisadores ligados à questão, trata-se de um índice considerado baixo, se comparado aos Estados Unidos. 4

5 Neste trabalho será demonstrada a relação dos trabalhadores com a saúde e segurança em seus ambientes de trabalho no processo logístico. Este é um setor que está diretamente ligado a qualidade nos processos produtivos, dando maior ênfase à produção, ao controle de estoques e distribuição dos produtos, que são fundamentados nas atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação, que colocam os produtos em movimento, com o propósito de promover maior organização, possibilitando assim, menores riscos de perdas de produtos, fabricação de produtos de má qualidade e acidentes promovidos por má organização de estoque. 2. MATERIAL E MÉTODO TIPO DE PESQUISA Esse trabalho será apenas qualitativo, envolvendo consulta em acervos e sites especializados. COLETA DE DADOS O trabalho foi realizado, com base em dados obtidos, através de referências bibliográficas e sites especializados. INSTRUMENTOS Os instrumentos utilizados foram referências bibliográficas e sites especializados. 3. LIMITES DO HOMEM Desde a década de 50 e até mesmo antes, o trabalhador não tinha qualificação para desenvolver as suas tarefas na área de produção, comprometendo a qualidade de vida no trabalho. Segundo Braverman (1977), a baixa qualidade de vida no trabalho é associada a retirada do saber operário, a partir do momento que o capital passa a ter todo os poderes no processo de trabalho. 5

6 Já para Dejours (1988), não associa a má qualidade de vida no trabalho ao capitalismo, entretanto, para ele esta associada a retirada da capacidade de decisão de um trabalhador no procedimento de uma tarefa, seja em qualquer sistema de emprego ou de trabalho. Para Hackman (1979), um trabalho capaz de fornecer boa qualidade de vida no trabalho é aquele composto pelos seis itens indispensáveis que será explicitado na citação abaixo: Para que um trabalho seja capaz de propiciar boa qualidade de vida no trabalho é a que contém os seis componentes a seguir: Atendimento as necessidades higiênicas; identidade com a tarefa; ciclos completos; autoridade sobre o processo; criatividade sobre o processo; retroinformação. O autor ainda ressalta, que as vantagens propiciadas pelos fatores citados anteriormente, são eliminadas quando o individuo está estressado. A discussão sobre a qualidade de vida no trabalho está diretamente ligada à discussão sobre qualificação. Portanto, se não quiser aceitar a premissa de Braverman (1977), já citada no inicio do capitulo, sobre a desqualificação geral existente, deve-se pelo menos aceitar que, hoje, há uma grande variedade de profissões e trabalhos, cujo tempo de formação, vem somente reduzindo o que reflete na desqualificação, exigindo menos do trabalhador, e por fim, com menor qualidade de vida no trabalho. Entretanto, entre aqueles que efetivamente desfrutam de sua qualificação, aparece à alta densidade do trabalho e em consequência disso, o prejuízo para a qualidade de vida no trabalho. Veja a seguir mais detalhes sobre esse assunto. 3.1 Persistências nas atividades Uma das constatações mais surpreendentes em relação à questão ergonômica no mundo do trabalho atual, é que apesar de haver tantas inovações e evoluções, ainda persistem a exigências físicas, e que ao invés de diminuir parece aumentar em atividades como: Manuseio, Levantamento e Carregamento de Cargas Pesadas. Por mais que hoje, haja uma tecnologia avançada em relação às maquinas e manipuladores, há ainda uma enorme deficiência por partes desses equipamentos, que se mostram insuficientes e incapazes de substituir o ser humano, e infelizmente esse tipo de situação, tende a se manter e até mesmo aumentar nos tempos atuais. 6

7 3.2 Movimentações manuais Manuseio pode ser definido segundo Moura (2009), Como agarrar, segurar, girar ou realizar outro tipo de trabalho com as mãos. Os dedos só são necessários apenas no ponto de extensão de uma chave ou trocar a marcha de uma empilhadeira. A movimentação manual pode expor o funcionário a condições físicas, como exemplo: força, postura inadequadas e movimentos repetitivos, que podem ocasionar lesões, perda de energia e perda de tempo, porém isso pode variar muito dependendo da idade das condições físicas, resistência, sexo, estatura e na conseguinte. Segundo Moura (2009), uma mudança no local de trabalho que melhore a adequação, pode beneficiar o funcionário de diversas formas. A mudança de seu local de trabalho pode beneficia-o, com a redução ou prevenção de lesões, a redução do esforço dos funcionários através da diminuição das forças de elevação, de empurrar e de puxar materiais, a redução de fatores a eliminação aos gargalos de produção, das taxas de erros ou rejeições do uso de serviços médicos, indenizações por acidente de trabalho, excesso de atividade de funcionários, absenteísmo 1 e retreinamento, e por fim aumento da produtividade, da qualidade dos produtos e dos serviços e da moral dos funcionários.). A movimentação de materiais pode expor os funcionários, a diversos fatores de riscos físicos. Se alguma tarefa for executada por um longo período e repetitivamente, pode levá-lo a fadiga e a se lesionar. Para melhor exemplificar as tarefas, que podem expor os funcionários a fatores de risco, segundo Moura (2009): Os principais fatores ou condições de risco, associados ao surgimento de lesões nas tarefas de movimentação de materiais incluem posturas inadequadas (curvar, torcer o corpo) movimentos repetitivos (levantar, carregar com freqüência), esforços (carregar ou levantar cargas pesadas), pontos de pressão agarrar cargas, encostar-se a peças com cantos vivos A exposição contínua a um ou mais desses fatores, primeiramente pode levar ao cansaço e desconforto, entretanto, se perdurarem, com o passar dos anos, pode ocorrer lesões na coluna, ombros, mãos, pulsos ou outra parte do corpo. Assim como afirma Moura (2009). As lesões podem incluir danos nos músculos, tendões, 1 ABSENTEÍSMO Termo usado para designar as ausências dos trabalhadores no processo de trabalho, seja por falta ou atraso, devido a algum motivo interveniente. 7

8 ligamentos, nervos, e vasos sanguíneos. Esse tipo de lesão é conhecido como distúrbios muscoesqueléticos ou DORTS. Além disso, as más condições ambientais (calor, frio e ruídos extremos e a má iluminação), podem ajudar no aumento dos funcionários desenvolverem outros tipos de doenças. A movimentação manual tem como foco principal, primeiramente o peso que será manuseado. Sacos de sessenta quilos, sempre são manuseados e carregados, porém não é qualquer individuo que o pode carregar. E ainda mais, a movimentação manual depende das dimensões do objeto a ser carregado e por ultimo, e mais importante depende da distância a ser percorrida pela movimentação. As cargas de peso médio ou pequeno são geralmente movimentadas manualmente. Se a distancia é curta, a carga pode ser carregada nas costas (como sacos) nas mãos por uma ou mais pessoas, roladas (tambores) ou arrastadas (fardos, caixas) dependendo do peso e do volume. Veja a tabela a seguir com as características que favorecem a movimentação manual. 1. Tipo de material - Unidades individuais; 2. Característica do material - Pequeno; - Leve; - Frágil; - Requer segurança no manuseio; 3. Quantidade de material - Pequena; 4. Fonte e destino do movimento - Próximo (pequena distancia); 5. Logística do movimento - Áreas restritas; - Vários níveis de trabalho; - Limitações de altura; - Caminhos complexos; - Movimentos complicados; 6. Características do movimento - Distâncias curta; - De frequência aleatória; 7. Tipo de movimento - Manobra; - Posicionamento; 8. Equipamento - Geralmente nenhum; - Controlado por operador 9. Mão de obra - Baixa frequência de movimentos; - Quando requer pequeno tempo de operador; 10. Restrições físicas - Pé direito (padrões); - Nível de ruídos; - Desníveis. Tabela 1: Quadro de características que favorecem o manuseio de cargas. Fonte: Moura,

9 3.3 Lidar com a movimentação manual Mais de um terço das lesões nas empresas são causadas pela movimentação manual de cargas (manuseio), elevação de carga com as mãos ou por esforço físico. Mas para que isso possa ser evitado, cabe não somente dos funcionários como também da gerência se precaver. A gerência, de acordo com Moura (2009), pode evitar a necessidade de movimentações manuais perigosas, avaliar e reduzir o resto de lesões de qualquer manuseio perigoso, estudar a possibilidade de automatização, principalmente para novos procedimentos, pensar e providenciar equipamentos de movimentação. O funcionário tem outras obrigações a cumprir, eles devem seguir os padrões de trabalho estabelecidos pela segurança, usar adequadamente os equipamentos de proteção individual, cooperar com seu gerente nos assuntos relacionados à saúde e a segurança, informar quando identificarem movimentações perigosas, tomar cuidado para que suas atividades não ofereçam riscos aos outros, evitar quando possível a movimentação manual. A Movimentação Manual de Cargas pesadas implica o desenvolvimento de esforço muscular. Esse esforço traduz-se numa compressão dos vasos sanguíneos e do tecido muscular, originando uma diminuição do fluxo sanguíneo e, consequentemente, uma diminuição do fornecimento de oxigênio e de açúcar. Todo este quadro conduz à fadiga. A fadiga pode provocar uma redução da eficiência do trabalho, redução essa que, em casos extremos, leva à ocorrência de acidentes de trabalho. Simultaneamente, o transporte de objetos pesados e/ou volumosos pode causar outro tipo de efeitos sobre o corpo humano: as doenças. Condições como a ciática, deslocações da hérnia discal, roturas de ligamentos, lesões musculares ou das articulações acarretam incômodos para trabalhadores e empregadores, implicando, além do óbvio sofrimento, deslocações a médicos, pedidos de baixas e custos com recuperações, substituições de funcionários, etc... Além destas situações, há a considerar os riscos extraordinários na Movimentação Manual de Cargas, como sejam, por exemplo: Quedas de objetos sobre os pés: Ferimentos causados por objetos penetrantes; Choque com objetos; Entalamentos. 9

10 Então conseguimos chegar a conclusão que "movimentação manual de cargas" é qualquer operação de transporte ou de sustentação de uma carga por um ou mais trabalhadores (Decreto-Lei n.º 330/93, de 25-09). 4. OS RISCOS DE MANUSEAR CARGAS PESADAS Todo trabalho que exige o manuseio de cargas pesadas, sem considerar as limitações do ser humano, podem trazer sérios riscos à saúde. O sistema circulatório, em especial o coração, pode ser afetado, principalmente no que diz respeito ao ritmo cardíaco e pressão sanguínea. Os problemas que mais ocorrem devido ao manuseio e movimentações de cargas são: hemorragias cerebrais em pessoas com arterioscleroses em pessoas frágeis uma mudança de pressão repentina podendo causar hérnia abdominal ou outros problemas (ptose: queda de um órgão pelo relaxamento dos ligamentos viscerais ou das paredes abdominais). Isso acontece quando a pessoa faz este tipo de atividade de forma esporádica, e sem os cuidados necessários (Bankoff, 1994). No trabalho concomitante de cargas excessivas, principalmente quando é iniciado ainda jovem, a tensão e esforço constante em músculos, ligamentos, articulações, e ossos podem causar deformações, como exemplo, escolioses e cifosis vertebrais, deformação do arco do pé e um estado inflamatório e doloroso dos músculos e bolsas articulares, ou seja, miositis e bursites (Moura, 1978). Os trabalhadores que realizam um duro trabalho físico, na maioria das vezes apresentam diversas artroses nas articulações das vértebras, joelhos e tornozelos, devido aos repetidos microtraumatismos (Marras, 1995). Fisicamente, as mulheres possuem uma capacidade menor que o homem para um trabalho que necessite de esforço e seja contínuo. Os principais problemas apresentados por elas, as quais realizam este tipo de atividade, estão relacionados a transtornos da circulação sanguínea nos órgãos pelvianos e extremidades inferiores, transtornos na menstruação, prolapso, aborto e parto. Este quadro aumenta ainda mais se a mulher tiver realizado este tipo de atividade desde a infância (Marçal, 1991). Já no caso de crianças e adolescentes, este tipo de trabalho provavelmente afetará seu desenvolvimento físico em especial o esquelético, podendo-se produzir deformações na coluna vertebral, pélvis e tórax (Moura, 1978). O levantamento e manuseio de cargas pesadas é um problema agravante em todos os países do mundo, pois provoca lesões relativamente sérias, e com uma grande perda econômica para os países. Dores na coluna afetam e preocupam 10

11 cerca de 80% das pessoas em países industrializados em algum momento na vida (Troussier, 1994). Segundo Verbeek (1991), as pessoas que apresentam problemas na coluna vertebral estão aumentando cada vez mais. Diversos estudos em vários países têm mostrado a relação entre o manuseio e movimentação manual de cargas e a incidência de grande número de acidentes e lesões osteoarticulares, sobretudo na região lombar. Segundo estudo feito por Finocchiaro publicado em 1976, de um levantamento de perícias médicas no Estado de São Paulo, 32,44% examinados correspondiam a casos de espondilopatia lombar (inflamação do tecido ósseo), devido ao excesso de esforço físico, e do mau condicionamento deste (posição errada para o esforço físico). Os problemas lombares dos trabalhadores, em geral, continuam crescendo. De acordo com um estudo realizado na Holanda (Hildebrandt, 1995), no qual foram feito levantamento com 8748 trabalhadores de ambos os sexos e diferentes profissões, e verificou-se que 26,6% apresentam dores nas costas frequentemente. Observou-se também que as atividades que apresentam maior grau de problemas são aquelas relacionadas com o transporte e manuseio de materiais (construção civil, serventes, estivadores, transportadores de peso em geral). Ainda nesse mesmo país, segundo o Centro de Estatísticas (CBS - Central Bureau Voor de Statistiek), em 1987, constatou-se que 21% dos trabalhadores tiveram licença e afastamento por doença relacionada a dores nas costas durante esse ano, e 32% com incapacidade permanente. Assim, manuseio e movimentação de cargas têm como principal risco os problemas da coluna, ao quais além de serem dolorosos, reduzem a mobilidade e a vitalidade dos trabalhadores. A ocorrência desse tipo de problema é o principal responsável pelas altas taxas de absenteísmo e pela incapacidade precoce e desgaste excessivo dos trabalhadores (Grandjean e Kromer, 1982). No Brasil, as estatísticas de acidentes são alarmantes, observamos que no ano de 1994, trabalhadores sofreram algum tipo de acidentes de trabalho, de acordo com o Ministério da Previdência Social. Pode-se notar que a incidência de lombalgias é muito grande e causa um enorme custo social e econômico para o país. Isto pode ser comprovado pelos dados obtidos junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), do Estado de Santa Catarina. Esta instituição demonstra que, no ano de 1994, de um total de acidentes registrados, 907 (4,88%) atingiram a região da coluna, mais especificamente a região lombar, perdendo apenas para os dedos, mãos, e pé. Outro dado importante obtido desta fonte mostra que, do total de acidentes de trabalho registrados, segundo classificação por objeto causador, deslocar ou manusear peso (erguer, carregar, puxar, etc.) ocupa o terceiro lugar dos acidentes que mais atingiram os trabalhadores com (6,63%) casos. 11

12 Dessa forma, é indispensável o uso das leis, e neste caso, devem ser consideradas muitas variáveis para definir as cargas limites, a serem manuseadas e movimentadas manualmente. Devem ser considerados: idade e sexo dos trabalhadores, características da carga, condições de percurso (distância e inclinação), frequência da atividade e posturas, treinamento. No Brasil, a atual legislação define um valor limite de carga máxima para o homem (60 kg) e 20 (kg) em trabalho ocasional, para o caso das mulheres, não há detalhes precisos que influenciem neste tipo de atividade, e se realmente estas cargas são adequadas para atividades deste tipo. 4.1 Problemas gerados pelo manuseio inadequado de cargas As doenças ocupacionais advêm da exposição do trabalhador aos riscos nas atividades que desempenha, elas podem causar afastamentos temporários, repetitivos e até definitivos. A maior incidência destas doenças atinge pessoas na faixa dos 30 aos 40 anos, atrapalhando a produtividade do trabalhador, pode interromper sua carreira e desestabilizar a sua vida. As doenças ocupacionais são causadas ou agravadas em determinadas atividades, e quando se trata da movimentação manual de cargas mal executada, deve estar ainda mais atento aos problemas de saúde, e dentre eles estão: Entorses Lesões musculares Fraturas Lesões diversas na coluna vertebral Pela gravidade, faz necessário destacar as lesões na coluna vertebral. Na coluna vertebral, encontram-se quatro curvaturas (cervical, torácica, lombar e sagrada) e é formada por vértebras sobrepostas umas às outras, e separadas por discos intervertebrais, que atuam como amortecedores das compressões que a coluna sofre. A coluna vertebral deve ser sempre mantida no seu alinhamento natural, para evitar o comprometimento dos discos intervertebrais, que dão origem às conhecidas hérnias discais, causadoras de tanto sofrimento aos trabalhadores afetados por esse problema. Devem-se avaliar também os riscos associados à movimentação manual de cargas, e substituí-los por movimentação mecânica se possível, ou pelo menos providenciar medidas de organização adequadas. 4.2 Lesões na coluna O manuseio de cargas (levantar, abaixar, empurrar, carregar, segurar e arrastar) na maioria das vezes exige bastante esforço estático e dinâmico, o suficiente para ser classificado como trabalho pesado. 12

13 Segundo Moura (2009) a coluna vertebral, como centro suporte do organismo humano, tem três funções: Sustentação do organismo que é desempenhada através dos ossos da coluna, que são as vértebras e os discos intervertebrais. Movimentação do corpo esta função é realizada pelas articulações existentes entre a parte posterior das vértebras e pela musculatura. Proteção a medula nervosa e um prolongamento do cérebro e se constitui numa parte nobre do sistema nervoso central. Assim como os ossos do crânio, protegem o cérebro, a coluna vertebral protege, como se fosse um estojo, a medula óssea. A coluna participa de todos os movimentos feitos pelo corpo, os quais devem ser executados com a postura equilibrada, ou seja, vértebras, discos, articulações e músculos, devem realizar os movimentos, sem que ocorra um desgaste ou lesão. A posição correta para pessoas que trabalham em pé é aquela que não exige torções, flexões, extensões e movimentos pendulares da coluna. As forças que são depositadas sob os discos intervertebrais, devem ser distribuídas uniformemente. Qualquer tipo de movimento, que a coluna sai de sua posição vertical, causa desequilíbrios de forças, podendo gerar uma lesão na mesma. Esforço nada mais é que lesão, a qual pode desenvolver danos a seus músculos, ligamentos que comprometam os ossos da coluna ou os discos que os separam. Todavia, quanto mais tempo o funcionário não tratar a coluna, ele está exposto a um maior risco de ter um disco deslocado ou fora do lugar. O disco fica comprimido entre os ossos e pressiona os seus nervos espinhais, e o resultado é a ciática. A lesão de coluna não só é provocada pelo levantamento de uma carga muito pesada, como por qualquer esforço que for imposto sobre ela: Antes que seus músculos tenham sidos aquecidos; Depois que o corpo estiver cansado; Quando a coluna estiver torcida, esticada e curvada; Repentinamente, quando é dado um enorme impulso nela com a carga ao tropeçar ou escorregar. Quase todas as lesões da coluna são conhecidas como lesões por excesso de esforço, ou seja, um esforço excessivo ou estiramento dos músculos. Na maioria das vezes, o excesso de esforço de um evento fisicamente traumático resultando em uma lesão aguda. Dessa forma, os programas de prevenção de lesões da coluna, foca na prevenção de esforços instantâneos: ou seja, lesões resultantes de incidentes de um único levantamento em que os funcionários podem se esforçar ou se estender em excesso. 13

14 A dor na coluna tem muitas causas e muitas vezes, fica difícil e caro, identificar os fatores responsáveis. Uma teoria que esta surgindo, afira que a maioria das dores na coluna, resulta de esforços excessivos cumulativos nos discos causados por trabalho repetidos e estressantes, tais como a movimentação manual de cargas. Os fatores fundamentais responsáveis por estes esforços, adquirem muito mais importância, do que a tentativa de reparar os incidentes instantâneos e encontrar estas necessidades de fatores, para serem um objetivo principal na redução das lesões de coluna. A análise dos trabalhos descobre que as lesões, podem ser sustentadas, através de movimentações de materiais, independentemente de sua extensão, a fim de realizar melhorias. Quando expostos continuamente a uma operação, às vezes ficamos desatentos às possibilidades de melhorias, de modo que, é necessário um ponto de vista diferente e totalmente objetivo. Não fique receoso de pensar em varias soluções possíveis, que possam não parecer pratica à primeira vista. O uso de um método sistemático de analise dos trabalhos para a redução das lesões na movimentação de materiais, normalmente paga dividendos através do aumento da produtividade e de uma redução nos custos operacionais. 4.3 Fraturas e entorses Fraturas - Podemos definir uma fratura como a perda, total ou parcial, da continuidade de um osso, é uma lesão na qual ocorre o rompimento do tecido ósseo, que se desenvolve, devido à ação de forças prolongadas ou repetidas contra o osso. A fratura pode ser fechada ou aberta. Na fratura simples ou aberta, não há o a ruptura da pele sobre a lesão, já nas expostas ou abertas há o rompimento da pele, isto é, o osso fraturado fica exposto ao meio ambiente, ocasionando sangramentos e um aumento do risco de infecção. Quando um osso não puder suportar a pressão exercida sobre ele, ocorrerá um rompimento ou fratura óssea. Uma fratura aberta (na qual o osso perfura a pele) pode infeccionar facilmente. Às vezes é difícil saber se o osso foi deslocado ou quebrado, nesses casos é necessário consultar o médico. Entorse: é ocasionado por uma excessiva distensão dos ligamentos e das restantes estruturas que garantem a estabilidade da articulação, originada por movimentos bruscos, traumatismos, uma má colocação do pé ou um simples tropeçar que force a articulação a um movimento para o qual não está habilitada. Apesar de o forçar de uma articulação apenas possa provocar a distensão dos ligamentos, sem o seu rompimento, a entorse costuma provocar, em quase todos os casos, o seu rompimento parcial ou completa, e associado a lesões na cápsula 14

15 fibrosa que reveste a articulação. Pode igualmente acontecer que a intensa tração a que o ligamento é submetido, provoque a sua desunião, sem se romper, do osso ao qual está unido, arrancando até um pequeno fragmento ósseo. Apesar de as entorses afetarem qualquer articulação, a parte do corpo que mais sofre por essa doença é o tornozelo, na medida em que este é bastante instável e suporta a maioria do peso do corpo. Neste caso, a lesão costuma ser provocada por uma torção ou rotação brusca do pé para o seu interior, em que todo o peso do pé incide sobre os ligamentos laterais, provocando a sua distensão. As entorses no joelho e nos dedos, normalmente relacionadas com acidentes desportivos, são igualmente frequentes. O sintoma inicial da entorse é o aparecimento de dor, que surge imediatamente após o acidente, e se for de forma intensa pode chegar a impedir a movimentação da articulação afetada e, caso se trate do tornozelo, a perturbar o apoio do pé no chão. Embora normalmente a dor diminua de intensidade após o momento inicial, depois de algumas horas e à medida que a articulação vai ficando inflamada, a dor volta a aparecer, e com maior intensidade do que no início, tornando-se contínua e sem ceder durante o repouso, aumentando de intensidade ao mínimo contato ou movimento. A articulação afetada vai progressivamente ficando inflamada e inchada, enquanto que a pele fica vermelha e quente. Além disso, é possível que surjam hematomas provocados por lesões vasculares e pelas hemorragias devidas ao rompimento dos ligamentos. 4.4 Lesões musculares As lesões musculares ocorrem por diversos mecanismos: trauma direto, laceração ou isquemia. Após a lesão, inicia-se a regeneração muscular, com uma reação inflamatória, entre 6 e 24 horas após o trauma. O processo de cicatrização pode levar de 15 a 60 dias para se concretizar. As principais causas de lesão são os treinamentos físicos incorreto, a retração muscular acentuada, desidratação, nutrição inadequada e a temperatura ambiente não favorável. As lesões musculares são classificadas em quatro graus: grau 1 é uma lesão com rompimento de poucas fibras musculares, mantendo-se intacta a camada protetora do músculo ou fascia; grau 2 é uma lesão de um moderado número de fibras, também com a fáscia muscular intacta; lesão grau 3 é a ruptura de muitas fibras acompanhada de lesão parcial da fáscia; grau 4 é a lesão completa do músculo e da fáscia. A lesão muscular por estiramento pode ocorrer nas contrações concêntricas ou excêntricas, sendo muito mais comum nesta última. 15

16 O diagnóstico é realizado pelo exame clínico, em que se percebe o comprometimento funcional e pelos exames complementares, que podem auxiliar também no tratamento e na prevenção de novas lesões. Com isso podemos perceber que as lesões causadas pelo manuseio incorreto de cargas, são prejudiciais a saúde, e por isso, para auxiliar essa função, há diversos tipos de equipamentos, que ajudam no deslocamento de materiais pesados. Para melhor esclarecê-los o próximo capitulo explicará alguns deles. 5. EQUIPAMENTOS AUXILIARES PARA O MANUSEIO DE CARGAS É sempre preferível que a movimentação manual de cargas, seja auxiliada por dispositivos. Ganchos especiais são usados para o manuseio de fios de fibras ou sucatas. É usual a utilização de guinchos manuais no arrastamento de cargas. Quando o arrastamento é difícil, recorre-se a roletes, usualmente de tubos de aço, introduzidos sob os calços. Para se realizar um arrastamento sobre terreno irregular, ou vencer um vão de desnível, como, por exemplo, no carregamento de um caminhão, utilizam-se pranchas de madeira, perfis ou chapas de aço como apoio de carga. Para Moura (2009), o uso de carrinhos industriais é muito recomendável. Existe grande quantidade de tipos para movimentação manual. Há carrinhos especiais para certos tipos de cargas ou embalagens, como tambores, sacos, cargas paletizadas (transpaletes). (Moura,2009) As principais formas de movimentação mecanizada são o içamento e movimentação horizontal. Há muitos tipos de equipamento para esta movimentação, mas interessa tratar aqui de sua influencia no desenvolvimento da embalagem. Os equipamentos de içamento operam por meio de ganchos, lingas, olhais de içamento ou plataformas elevadoras. Isto depende do sistema de embalagem que está sendo utilizado. Existem muitos tipos de equipamentos auxiliares para carregamento de cargas entre os quais os mais comuns são os seguintes: Carrinho de uma roda; Carrinho de duas rodas; Carrinho de quatro rodas; Carrinhos manuais; Empilhadeiras à Gás; 16

17 Empilhadeiras Elétricas; Empilhadeiras de deslocamento manual; Transpaletes. 5.1 Carrinhos de uma e duas rodas Para transportar reboco, areia, tijolos, terra, pedregulho; são os usados mais específicos. Não são tão fáceis de conduzir como parecem. Certas normas de segurança devem ser tomadas. O centro de gravidade da carga deve ser mantido tão baixo quanto possível, e os objetos pesados devem ser colocados debaixo dos mais leves. A carga deve ser colocada de modo a não tombar e não deve ser tão alta que obstrua a visão do condutor. O carrinho deve ser conduzido de modo que o peso recaia sobre o eixo, e não sobre os manípulos. É o carrinho que carrega o peso. O condutor deve apenas mantê-lo equilibrado e não deve nunca conduzi-lo recuando. A qualquer carrinho pode ser aplicado um freio de pé, para que o condutor não tenha que colocar o pé na roda ou no eixo para travar o carrinho. É recomendável, que os manípulos de certos carrinhos, tenham proteção para as mãos. Geralmente, são usados para movimentar objetos volumosos ou pesados através de distancias curtas e são para carregar e descarregar caixas. Também existem tipos especiais para determinados fins, como para movimentar tambores de óleo, garrafões de ácido, cilindros de gases, etc. Entretanto, não se deve sobrecarregar os mesmos, limitarem a carga, a sua capacidade de segurança, e não fazer esforço excessivo para levantá-lo ou transporta- lo. Dota-los de freios nas rodas e mantê-los em bom estado. A segurança no uso dos carrinhos de duas rodas é primordial, para evitar acontecimentos fortuitos e inesperados, podendo ter problemas na integridade física dos colaboradores que forem utilizá-los. Portanto devemos: - Sempre utilizar o carrinho manual adequado para cada tipo de operação; - Colocar os objetos mais pesados debaixo dos mais leves; - Usar os sistemas de fixação embutidos inclusos nos carrinhos especiais para movimentação de tambores e eletrodomésticos; 17

18 - Garantir que a carga na escorregue, desloque ou caia; - Segurar firme nos manípulos; N. 05, Maio Inclinar o carrinho e equilibra-lo ligeiramente para trás sobre as rodas para que ele carregue a carga e não as costas; - Empurrar em vez de puxar; - Evitar caminhar de ré; - Usar a postura correta: Costas retas, joelhos curvados; - Manter os dedos e mãos distantes das partes externas dos manípulos, para que eles, não sejam esmagados nem lesionados; - Manter o carrinho diretamente à frente do corpo ao descer uma rampa; - Mover-se sempre a uma velocidade segura. Para os carrinhos manuais, temos uma tabela das regras gerais, para seleção de carrinhos manuais. Abaixo, mostraremos os índices de pesos e distancias máxima a serem percorridos, com equipamentos que auxiliam o transporte de cargas. Peso Máximo a ser empurrado por carrinho Distância máxima a ser percorrida empurrando carrinho Largura mínima de corredores De 2 rodas = 115 Kgs De 3 ou 4 rodas = 225 Kgs De 2 rodas = 15 metros De 3 ou 4 rodas = 30 metros Largura para ambos os carrinhos = 1 metro Tabela 2: Peso, Distancia e Largura a ser transportados com carrinhos manuais Fonte: Moura, Carrinhos de quatro rodas 18

19 São geralmente usados, para objetos pesados e volumosos. A haste de condução, deve estar tal modo que o condutor, ao passar por outros veículos, paredes ou outros, não tenha de expor suas mãos ao risco de imprensaduras. Tais carrinhos, quando estacionados, devem ter seus timões voltados para a posição vertical, para que ninguém tropece neles. Deve haver por parte do condutor, cuidado especial, para evitar que as rodas da carreta, resvalem para fora de pontes ou passarelas. Vários são os tipos operados manualmente, entre os quais se encontram os carrinhos de mão, os carros de transporte manual para fardos, para sacarias, para caixas de bebidas, para cilindros de solda, para transporte e entornador de tambores, tipo plataforma, plataforma semimóvel, revestidos com tela, carro com recipiente de polietileno, com duas ou mais prateleiras para uso em hospitais. Determinados tipos de operação manual, possuem acionamento através de fontes de energia, como elétrica e hidráulica. Como todos os equipamentos de tipo, apresentam perigos derivados da queda ou deslizamentos da carga. Quando manobrados em espaços reduzidos, os operadores podem machucar suas mãos batendo-as contra paredes e outros objetos, sendo que, para evitá-lo, tem um sistema de comando de forma que o operador possa unicamente, colocar suas mãos no interior do acionador. Estes carrinhos manuais são equipamentos de movimentação de materiais, que praticamente, todos os operadores usam uma vez ou outra. Eles são convenientes para a movimentação de cargas pequenas às médias, sem o esforço excessivo das costas, braços e pernas. As características desses carrinhos são: - Os carrinhos manuais padrões com chapa de fundo plana e encosto plano, são adequados para a maioria das tarefas; - Para movimentação de tambores, use um carrinho especial que tenha um encosto curvo e um sistema de fixação embutido; - Carrinhos manuais para movimentação de eletrodomésticos têm sistemas de fixação embutidos, tais como cintas. Todos os carrinhos manuais necessitam de apoios para as mãos. Os colaboradores ou equipes que forem utilizar os carrinhos manuais, tanto de uma, duas ou quatro rodas, têm que ter treinamento para um manuseio com segurança, para que não ocorra nenhum desvio. Todas as cargas devem ser distribuídas uniformemente e de modo a manter o seu centro de gravidade o mais baixo possível. A visibilidade do percurso é uma condição de segurança importante. 19

20 Os carros de mão de um eixo apresentam, em alguns tipos, riscos semelhantes ao de levantamento de cargas. 5.3 Empilhadeiras Empilhadeira é máquina usada principalmente para carregar e descarregar mercadorias em paletes. Existem diversos tipos e modelos. Os mais comuns, são as empilhadeiras de combustão em gás liquefeito (GLP) e elétricas. Possuem capacidade de carga que vão de kg a kg, e de 2,00 metros até mais de 14 metros de altura. São disponibilizados também vários acessórios, que podem aumentar a capacidade, autonomia e adequação a trabalhos específicos. A empilhadeira é uma máquina autopropulsora, com 4 rodas, utilizadas para levantar, transportar e posicionar materiais paletizados, em seus devidos locais. É projetada sobre o princípio da gangorra, que seria o ponto de equilíbrio da empilhadeira, de acordo com o peso e altura que a carga esta, pois ela é equilibrada pelo contra peso da máquina. Este ponto de equilíbrio, normalmente fica entre o centro das duas rodas dianteiras. O contra peso é formado pela própria estrutura do veiculo, se for empilhadeira elétrica, o contrapeso dela é a sua bateria. Veremos na figura abaixo uma ilustração do ponto de equilíbro de uma empilhadeira. Figura 1: Ponto de equilíbrio das empilhadeiras em suas respectivas posições Fonte: Silva, 2007 Nesta imagem, conseguimos ver perfeitamente onde se encontra o centro de equilíbrio de uma empilhadeira em repouso, que seria com a empilhadeira desligada 20

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VIII Movimentação Manual de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

Health Safety Saúde Segurança Meio-Ambiente Instrução T&D EHS OI - 04. Transporte Manual MODIFICAÇÃO

Health Safety Saúde Segurança Meio-Ambiente Instrução T&D EHS OI - 04. Transporte Manual MODIFICAÇÃO Health Safety Saúde Segurança Meio-Ambiente Instrução T&D EHS OI - 04 Transporte Manual T&D Autorizado por: Ahmed BENNOUR VP Performance & Optimisation Aprovado por: Bertrand NEGRELLO VP HSE T&D Preparado

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI ATIVIDADE FÍSICA O Homem consome energia enquanto parado; Quanto maior o trabalho

Leia mais

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira.

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Respeite a capacidade de carga da empilhadeira e de outras eventuais aparelhagens.

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Empilhadeira. Empilhadeira. O que é empilhadeira? Princípio de funcionamento 07/04/2008

Empilhadeira. Empilhadeira. O que é empilhadeira? Princípio de funcionamento 07/04/2008 Empilhadeira Empilhadeira Operador: Pessoa habilitada e treinada, com conhecimento técnico e funcional do equipamento. É o responsável direto pela segurança da operação, pessoas e demais bens interligados

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

Importante. Sumário. Entre em contato conosco:

Importante. Sumário. Entre em contato conosco: Manual do operador Terceira edição Segunda impressão Importante Leia, compreenda e siga estas normas de segurança e instruções de operação antes de operar a máquina. Somente pessoas treinadas e autorizadas

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH DESCUBRA A S U A P A S S A D A UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH COMO USAR ESTE GUIA ESTE GUIA ENSINARÁ TÉCNICAS PARA VOCÊ APERFEIÇOAR A FORMA COMO VOCÊ CORRE AUMENTANDO EQUILÍBRIO,

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

WORX AEROCART MODELO WG050

WORX AEROCART MODELO WG050 WORX AEROCART MODELO WG050 Avisos Gerais de Segurança AVISO Leia todos os avisos e instruções de segurança. Não seguir os avisos e instruções pode resultar em lesão séria. Guarde todos os avisos e instruções

Leia mais

Guia do Paciente Fusão Espinhal

Guia do Paciente Fusão Espinhal Guia do Paciente Fusão Soluções para Medicina Ltda. 01 Guia do Paciente - O objetivo da cirurgia de fusão espinhal é de proporcionar alívio da dor que você vem sentindo e tornar a sua coluna mais estável.

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. Procedimento de Transporte de Material

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. Procedimento de Transporte de Material Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar

Leia mais

Para garantir sua segurança, por favor, leia as instruções cuidadosamente e aprenda as peculiaridades da empilhadeira antes do uso.

Para garantir sua segurança, por favor, leia as instruções cuidadosamente e aprenda as peculiaridades da empilhadeira antes do uso. Manual do usuário 1. Aplicação: Seja bem vindo ao grupo dos proprietários de empilhadeiras TANDER. NEMP é um equipamento usado para levantar e carregar cargas por curtas distâncias. É composto de estrutura

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas especificas de segurança

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!!

Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!! Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!! Dores frequentes nos pés, calosidades e vermelhidão são os primeiros sinais de abuso do salto alto e bico fino. Bonitos, elegantes

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Manual para Instalação e Operação Design de simulação de motocicleta Funções para frente e para trás Função de reprodução de música na parte frontal O produto

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS Fonte: Acedido em http://saudeambiental13.blogspot.pt/ julho 2014 Legenda: 1. Chassis; 2. Contrapeso; 3. Eixo motriz; 4. Eixo de direção; 5. Mastro (que serve

Leia mais

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie Carrinho Marie as ilustrações são apenas representações. o design e o estilo podem variar. Manual Carrinho Marie - Dardara - 2 Antes de usar o carrinho,

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC Utilização 3 em 1 (sistema travel system) bebê conforto adaptável ao carrinho Altura regulável das alças para empurrar o carrinho 3 posições de regulagem de

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança) Condução consciente A condução consciente e tranquila depende em grande parte de quem está ao volante. Cada um tem a responsabilidade de melhorar a sua segurança e a dos outros. Basta estar atento e guiar

Leia mais

ENCOSTO SHIATSU COMFORT RM-ES938

ENCOSTO SHIATSU COMFORT RM-ES938 MANUAL DE INSTRUÇÕES ENCOSTO SHIATSU COMFORT RM-ES938 1 Sumário 1. CONHECENDO O SEU APARELHO...3 2. USO CORRETO...3 3. INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA...4 4. DESCRIÇÃO DO APARELHO...5 5. INICIALIZAÇÃO...5 6. OPERAÇÃO...5

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Ergonomia Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Postura Um dos caminhos para encontrar

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material Estocagem de material A Madeira e seus derivados, por ser o principal insumo utilizado na fabricação de móveis, é um material orgânico e exige cuidados especiais no seu armazenamento. O armazenamento deve

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

VOCÊ CONHECE SUA PISADA?

VOCÊ CONHECE SUA PISADA? ANO 2 www.instituodetratamentodador.com.br VOCÊ CONHECE SUA PISADA? Direção: Dr José Goés Instituto da Dor Criação e Diagramação: Rubenio Lima 85 8540.9836 Impressão: NewGraf Tiragem: 40.000 ANO 2 Edição

Leia mais

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book

NR 11. E-Book. NR 11 Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais. E-Book Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais Nós da DPS Consultoria e Assessoria em Segurança do Trabalho, queremos inicialmente manifestar nossa satisfação pelo seu interesse em nosso

Leia mais

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras 3/4 APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras Prezados Colaboradores O tema abordado nesta edição é sobre empilhadeiras. Após analisar os relatórios dos acidentes, as informações dos trabalhadores,

Leia mais

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS...é um conjunto de conhecimentos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos, máquinas e dispositivos

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa Entendendo suas opções de separação Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa automação 1 Entendendo que traz suas resultados opções de separação Entendendo

Leia mais

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira.

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. 1 OBJETIVO: Definir requisitos mínimos para: Operação; Inspeção; Qualificação do operador. 2 INTRODUÇÃO GENERALIDADES Existem basicamente

Leia mais

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas

GUIA DO PACIENTE. Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica. O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas GUIA DO PACIENTE Dynesys Sistema de Estabilização Dinâmica O Sistema Dynesys é o próximo passo na evolução do tratamento da dor lombar e nas pernas Sistema de Estabilização Dinâmica Dynesys O Sistema Dynesys

Leia mais

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA O nosso corpo é uma máquina fantástica, que não foi feita para ficar parada. Se você estiver realmente decidido a ter uma atitude positiva em relação a sua saúde e ao seu

Leia mais

Campanha de direção defensiva

Campanha de direção defensiva Riscos, perigos e acidentes Em tudo o que fazemos há uma dose de risco: seja no trabalho,quando consertamos alguma coisa em casa, brincando, dançando,praticando um esporte ou mesmo transitando pelas ruas

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de Objetivos Sensibilizar os operadores de Ponte Rolante quanto à necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de ocorrência de acidentes. Adotar procedimentos de rotina,

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO SPA RELAX. cód. 5707

MANUAL DO PRODUTO SPA RELAX. cód. 5707 MANUAL DO PRODUTO SPA RELAX cód. 5707 1- LUCRATIVIDADE 1.1 Aumente os lucros do seu salão oferecendo relaxamento para seu cliente. Corpo e pés relaxados ao mesmo tempo. Esse é o propósito do Spa Relax,

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

CINTO DE SEGURANÇA. Engº MARCUS ROMARO, MSc Consultoria Automotiva Fone: (19) 9654.8013 E-Mail: mr.romaro@gmail.com

CINTO DE SEGURANÇA. Engº MARCUS ROMARO, MSc Consultoria Automotiva Fone: (19) 9654.8013 E-Mail: mr.romaro@gmail.com CINTO DE SEGURANÇA SEGURANÇA VEICULAR Durante muito tempo, Segurança e Automóvel não eram considerados parceiros Consumidores, vendedores e usuários não se lembravam disto na ocasião da compra de um veículo

Leia mais

Dor nas costas é natural ou descuido?

Dor nas costas é natural ou descuido? 1 FOLHAS Escola: E. E. Prof. Léo Kohler Ensino Fundamental NRE: Cianorte Nome do professor: Reginaldo Dimas R. Longo e-mail: reginaldodimas@seed.pr.gov.br Nome do professor orientador: Prof. Dr. Pedro

Leia mais

Segurança do Trabalho II. Eng. Esp. Vicente Colombo Júnior Contato: vcolombo@haasdobrasil.com Fone: +55 51 91807540

Segurança do Trabalho II. Eng. Esp. Vicente Colombo Júnior Contato: vcolombo@haasdobrasil.com Fone: +55 51 91807540 1 Segurança do Trabalho II Eng. Esp. Vicente Colombo Júnior Contato: vcolombo@haasdobrasil.com Fone: +55 51 91807540 2 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA 1. BASES TECNOLÓGICAS: Causas dos Acidentes; Riscos das

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa

Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa Manual de Instruções e Montagem - Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa Parabéns, você acabou de adquirir a Bicicleta Ergométrica Dobrável Rosa! Um produto ideal para você cuidar da sua saúde e do seu corpo

Leia mais

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1).

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1). HÉRNIA DE DISCO A hérnia de disco é uma das doenças que mais afligem o homem moderno. Falta de exercício, excesso de peso, má postura, todas podem causar ou agravar uma hérnia de disco. Mas afinal, o que

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 São considerados equipamentos de elevação de materiais os equipamentos que levantam e movimentam para outros locais, materiais diversos. Assinale a alternativa que

Leia mais

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO 1 DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO Beatriz Adrieli Braz (Discente do 4º ano de administração AEMS) Bruna P. Freitas Godoi (Discente do 4º ano de administração AEMS) Ângela de Souza Brasil (Docente Esp.

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA

NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA NÃO TENHA MAIS DORES EM CIMA DE SUA MOTOCICLETA Não importa se você ainda usa uma Honda 55 para andar na sua propriedade, ou se você tem uma grandalhona Gold Wing ou uma velha roncadora Harley Panhead.

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho. Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão

Prevenção de Acidentes do Trabalho. Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão No trabalho, todos os dias, toda hora, nossas mãos contribuem decisivamente para nos tornar hábeis,

Leia mais

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura.

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura. 13/05/2004-05h31 Atividades físicas trazem riscos ocultos para o corpo KATIA DEUTNER Free-lance para a Folha de S.Paulo Você sabe: eles fazem bem ao coração, aos ossos, ao colesterol, à pressão, às articulações,

Leia mais

Instruções para Implementadores

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Curitiba, Brazil Instruções para Implementadores Data Grupo Edição Pág. 8.2011 95 02 1( 5 ) Generalidades Inspeção Final VM BRA49905 89028788 Portuguese/Brazil Printed in Brazil

Leia mais

Napo e a proteção do corpo: Lição n.º 2 Costas

Napo e a proteção do corpo: Lição n.º 2 Costas Napo e a proteção do corpo: Lição n.º 2 Costas (7 9 anos) Orientações para professores Nunca é demasiado cedo para apresentar às crianças os conceitos básicos de segurança que, para os adultos, se inserem

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com O que é higiene no trabalho? Higiene do trabalho é um conjunto de normas e procedimentos que

Leia mais

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço

VARREDEIRA ZE072. Manual de serviço VARREDEIRA ZE072 Manual de serviço A varredeira ZE072 foi desenvolvida para trabalhos na construção civil, de manutenção em estradas, ou locais que necessitem o mesmo sistema de remoção de resíduos. Qualquer

Leia mais

Phantom. Manual de Instruções. Parabéns!

Phantom. Manual de Instruções. Parabéns! Phantom 1308 Manual de Instruções Parabéns! Você acaba de adquirir um produto CANDIDE. Saiba que fez uma excelente escolha. Sempre pensamos em um brinquedo seguro que estimule a criatividade e dê alegria

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais