OTIMIZAÇÃO DA ARMAZENAGEM DE CONGELADOS EM UMA AGROINDÚSTRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OTIMIZAÇÃO DA ARMAZENAGEM DE CONGELADOS EM UMA AGROINDÚSTRIA"

Transcrição

1 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia OTIMIZAÇÃO DA ARMAZENAGEM DE CONGELADOS EM UMA AGROINDÚSTRIA Ricardo Bergonsi (FABE) Karine Marosin Lótici (FABE) Clairton Tadeu Bidtinger da Silva (FABE) RESUMO O presente estudo consiste na readequação do layout das estruturas de armazenagem da câmara de congelados do Centro de Distribuição de uma agroindústria localizada no Rio Grande do Sul. Após um estudo de diversas publicações sobre o tema foi analisada a disposição das estruturas de armazenagem e comparas as situações atual e proposta da empresa estudada. A importância deste estudo deve-se ao fato de que há espaço ocioso em todos os níveis da estrutura de armazenagem da segmentação de itens comercializados com a União Européia. Os dados para o desenvolvimento deste estudo de caso foram coletados através de observação participante e focus group. A sugestão da readequação do layout das estruturas, para otimizar os espaços ociosos e melhorar o desempenho da empresa nas atividades referentes à qualidade, movimentação e armazenagem torna possível o desenvolvimento de vantagens competitivas. O resultado proporcionou um aumento na capacidade de armazenagem em 172 posições com um investimento de R$ 48 mil, que retorno para a empresa em menos de 2 meses, com um ganho real superior a RS 43 mil por mês. Palavras-chave: Logística. Armazenagem. Layout. 1 INTRODUÇÃO Em razão da eminente competitividade em ambientes empresariais, torna-se necessário que as organizações se adaptem a um cotidiano de intensas mudanças. As constantes alterações políticas, econômicas e sociais obrigam as empresas a estarem preparadas para modificar seus processos, com o objetivo de reduzir custos e se manter competitivas perante a concorrência. Para Ballou (1993, p. 17), numa economia livre, é responsabilidade dos empresários promoverem as ações logísticas necessárias; as empresas enfrentam esta responsabilidade com notável grau de eficácia e eficiência. Contudo, as empresas operam dentro de um ambiente que muda constantemente, devido avanços tecnológicos, às alterações na economia e na legislação e a disponibilidade de recursos. Portanto, a filosofia da administração se altera com o tempo, de forma a se adaptar as novas exigências de desempenho para as firmas. A logística assim representa uma nova visão empresarial, uma nova ordem das coisas. Segundo Arbache et al. (2004, p. 51), as instalações de armazenagem desempenham papel primordial no atendimento, de forma eficiente e eficaz, aos desejos desse mercado cada vez mais competitivo. A armazenagem é, portanto, uma questão básica para o bom desempenho de um sistema logístico, pois referencia o processo de guarda e movimentação de produtos em determinada instalação, o dimensionamento e a estruturação de redes de distribuição que sejam capazes de atender a demanda gerada pelos mercados geograficamente distantes das fontes do produto, atendendo os níveis de serviços desejados e a exigência cada vez maior dos consumidores.

2 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 2 Segundo Ballou (1993, p. 17), armazenagem e manuseio de materiais são componentes imprescindíveis do conjunto de atividades logísticas e podem absorver de 12 a 40% dos custos totais das despesas logísticas. Uma boa administração destes processos poderá proporcionar uma considerável redução dos custos gerados pela manufatura do produto, bem como, o aumento da qualidade dos produtos e suas partes constituintes. Para Bowersox e Closs (2001, p. 42), se há necessidade de depósitos no sistema logístico, a empresa pode optar entre contratar serviços de empresas especializadas ou operar em suas próprias instalações, já que várias atividades essenciais ao processo logístico são executadas enquanto os produtos estão ainda armazenados. Para os mesmos autores, em um depósito, o manuseio de materiais é atividade importante, pois quanto menos um produto for manuseado, menor é a possibilidade de avaria e maior é a eficiência do depósito. Nesse sentido, as empresas tendem a usar centros de distribuição, que são instrumentos que podem viabilizar de forma competitiva o fluxo de mercadorias vindas dos fabricantes, até os seus diversos graus de capilaridade distributiva (FARAH JR., 2002, p.44). A empresa pode utilizar desse recurso para aumentar a competitividade no mercado. As agroindústrias necessitam estarem próximas dos clientes para que o seu produto esteja disponível quando estes necessitam. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 CONCEITOS DE LOGÍSTICA Para Ballou (1993, p. 24) e Chiavenato (2005, p. 162), a logística empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição até o ponto de consumo final, com propósito de fornecer níveis de serviços adequados aos clientes a um custo aceitável. Com a utilização da logística os produtos chegam até os consumidores, buscando atingir o melhor nível de serviço aos clientes e com preços competitivos. Para Gomes e Ribeiro (2001, p. 01), a logística é o processo de gerenciar estrategicamente a movimentação e o armazenamento de materiais, peças e produtos acabados por meio da romanização e dos seus canais de marketing, de modo de poder aumentar ao máximo a lucratividade com atendimento de pedidos a baixo custo. As organizações devem utilizar a logística no planejamento estratégico, pois se utilizando melhores estratégias é possível reduzir seus custos. Para Novaes (2004, p. 35), logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender os requisitos do consumidor. Segundo Dornier (2000, p. 211), a satisfação tem efeito quando a empresa ou produto atende a todo o conjunto de expectativas do cliente, tais como disponibilidade, confiabilidade na entrega, suporte e qualidade. A logística está intimamente ligada à satisfação do cliente, por facilitar o acesso dos produtos até eles, podendo fazer com que tanto as expectativas sejam atendidas quanto aos produtos. 2.2 ARMAZENAGEM De acordo com Martins et al (2007, p. 1), a armazenagem refere-se a guarda de produtos acabados. A armazenagem exige que a empresa tenha grande velocidade na operação e flexibilidade para atender às exigências e flutuações do mercado. A agilidade da empresa nos processos de armazenagem gera também a agilidade nos outros processos.

3 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 3 Para Moura et al. (2004, p. 181), na essência a principal função da armazenagem é gerenciar espaço e tempo. O espaço é sempre limitado, por isso, os gestores utilizam com eficiência os espaços disponíveis, porém tempo e mão-de-obra, são substancialmente mais difíceis de gerenciar que o espaço. De acordo com Banzato et al. (2003, p ), o papel da armazenagem é dar suporte a missão da corporação e atender as necessidades de pico de expedição, alterações sazonais, melhorar a eficácia da manufatura estocando o excesso de produção e guardando os materiais eficientemente. Para Moura (2002, p. 1), as tendências da armazenagem devem ter foco no cliente, pois cada vez mais as empresas devem estar voltadas para o que o cliente pensar o que quer; consolidar operações, pois o objetivo é diminuir o número de centros de distribuição, concentrando as atividades através de parcerias, fusões e aquisições; permitir fluxo contínuo de materiais e informações, graças aos sistemas de informação on-line é possível gerenciar os armazéns com informações cada vez mais rápidas e precisas; dar ênfase nos serviços customizados, pois é necessário oferecer serviços diferenciais aos clientes para que eles utilizem cada vez mais a empresa na hora da escolha do fornecedor e utilizar tecnologia da informação, pois a utilização da tecnologia, como o código de barras e o uso de transmissão via radiofreqüência melhora os processos, tornando a empresa mais eficiente e eficaz. Para Zorzin (2007, p. 1), um armazém bem estruturado e com o layout definido de forma coerente, pode trazer reduções significativas nos custos operacionais e agilidade nos processos. Se o layout do depósito estiver adequado aos produtos que serão comercializados, ele pode reduzir significativamente o número de movimentações que necessitam ser feitas dentro do depósito. 2.3 PRINCÍPIOS DO ARRANJO FÍSICO - LAYOUT DO ESPAÇO Pode-se definir layout como as partes essenciais ou elementos que auxiliam a loja para a produtividade máxima (LAS CASAS, 2004, p. 173). Com a utilização de um layout adequado é possível obter ganhos em produtividade, já que os produtos estão dispostos de maneira que sejam acessíveis, tanto na localização quanto no manuseio. Para Ballou (2006, p. 387), a localização do estoque no armazém afeta diretamente as despesas gerais de manuseio de materiais de todos os produtos de movimentação no âmbito do espaço, buscando um equilíbrio entre custo de manuseio e a utilização de espaço do armazém. Os armazéns devem ter duas áreas de layout: a) layout para estocagem: serve para configurar os espaços dentro do armazém conforme o seu giro. Cada empresa tem que respeitar a sua capacidade e características de produtos para adequar o layout a equipamentos corretos de movimentação e estruturas adequadas de armazenagem. A partir disso é possível reduzir o tempo de retirada de estoques e a rápida reposição nos locais de armazenagem; b) layout para separação dos pedidos: local adequado para a separação de pedidos. Deve estar próximo da área de expedição e com espaço suficiente para montar pelo menos uma carga completa. O local escolhido para esta área de separação deve ser próximo dos produtos para encurtar a distância de movimentação. Para Las Casas (2004, p. 175), o objetivo do layout é a simplificação do trabalho. É necessário que sejam eliminadas as atividades desnecessárias, combinação de tarefas essenciais, reorganização de seqüência da combinação de atividades, mudança dos móveis e

4 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 4 equipamentos (LAS CASAS, 2004, p. 175). A correta utilização do layout nos processos da empresa a torna mais competitiva quanto à redução de custos e a melhoria do desempenho. De acordo com Moura et al. (2004, p. 190), o layout do armazém deve atender os objetivos específicos de acesso ao material. Os corredores devem ser amplos o suficiente para permitir uma operação eficiente sem desperdiçar espaço. Determinar o nível adequado de conservação do espaço é uma questão de negociação entre os objetivos que maximizam o uso do espaço. 2.4 CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Os centros de distribuição são instrumentos que podem viabilizar de forma competitiva o fluxo de mercadorias vindas dos fabricantes, até os seus diversos graus de capilaridade distributiva. Um centro de distribuição deve ser um meio de minimização de custos, melhoria no uso dos recursos e apoio ao processo de venda e pós-venda. Os centros de distribuição de posicionamento avançado, principalmente para a entrega de bens de consumo mais imediato, constituem pontos de apoio ao rápido atendimento às necessidades dos clientes de certa área geográfica, distante dos centros de produção. Esse mecanismo permite atender adequadamente a pequenos pontos de vendas, tais como padarias, lanchonetes, bares e restaurantes, os quais têm uma demanda firme e constante, com rápido giro de seus produtos, normalmente de alta perecibilidade e com pequeno tempo de comercialização (FARAH, 2002, p. 45). Para a empresa Acura Technologies (2007), a operação de um centro de distribuição envolve a coordenação detalhada das várias atividades. Empresas que desejam atingir uma maior eficiência nas operações costumam investir pesadamente em tecnologias. A tecnologia tem papel muito importante na otimização das atividades, mas sem os processos adequados o centro de distribuição não terá bons resultados. Quanto mais se aumenta a complexidade das operações, maior é a importância do gerenciamento dos processos. O monitoramento constante das mudanças deve gerar também a modificação de processos de forma apropriada. 3 MÉTODO No desenvolvimento deste estudo aplicou-se o método do estudo de caso que, para Gil (2002, p. 58) é um estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos, de maneira a permitir seu conhecimento amplo e detalhado, tarefa praticamente impossível mediante os outros tipos de delineamentos considerados. Para Yin (2005), o estudo de caso é um método adequado para de realização de pesquisa nas ciências sociais, pois permite o estudo profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos de maneira a permitir seu amplo conhecimento, sendo uma estratégia perfeita quando não há por parte do pesquisador muito controle sobre os acontecimentos, e quando o foco está relacionado a fenômenos contemporâneos inseridos em algum contexto da vida real. A coleta de dados deste trabalho foi feita através de observações. Segundo Martins (2006 p. 13), a observação atenta do caso possibilitará em muitas vezes a descoberta de um problema que precisa ser investigado. Observando pode-se presumir possível regularidade empírica que demanda de explicação. Para se fazer ciência é preciso que os fatos sejam observados e interpretados sabiamente, não deixá-los falarem por si mesmos. Também foi realizado um focus group (discussão em grupo) com os demais supervisores do setor para validar o projeto e posteriormente encaminhado para a área de engenharia e gerência de logística para analisar e aprovar o projeto e o investimento, bem como analisar as vantagens de desvantagens de se alterar o layout das estruturas de armazenagem para a otimização do espaço disponível no centro de distribuição da empresa.

5 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 5 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS 4.1 FOCUS GROUP Realizou-se uma reunião com os supervisores do centro de distribuição para identificar a necessidade de ações para a otimização da armazenagem. Apresentou-se aos supervisores uma visão detalhada do projeto de alteração na altura das estruturas porta-palete, para que posteriormente fosse possível levantar os benefícios, bem como os pontos negativos e as chances da engenharia e gerência de logística aprovar ou rejeitar o projeto. O grupo decidiu pela continuidade e encaminhamento do estudo para avaliação da gerência. No focus group foram estabelecidas algumas vantagens e desvantagens de se realizar a modificação no layout das estruturas de armazenagem na câmara de congelados da empresa. Como vantagens foram estabelecidas: a) melhorar a distribuição de peso dos power rack: com a redistribuição da altura das estruturas porta-palete é possível equilibrar o volume em toneladas armazenadas, conforme as outras estratégias que armazenam utilizando-se os paletes padrão; b) aumentar a capacidade de armazenagem: minimizando os espaços ociosos entre as estruturas, é possível aumentar a capacidade de armazenagem, tanto em quantidade de posições e em peso; c) otimizar a ocupação do espaço físico dos power rack: com a diminuição das alturas do porta-palete, será possível criar novas posições de armazenagem; d) reduzir gastos com transporte para envio em armazéns de terceiros: com a possibilidade de aumentar o número de posições de armazenagem será possível armazenar os produtos dentro do próprio centro, evitando que a empresa necessite armazenar produtos em armazéns de terceiros, pagando aluguel, ou necessitando ficar com mercadoria armazenada por tempo extra até que se consiga formar uma remessa ou pedido completo do cliente. Nessa nova situação as mercadorias podem ser contêineirizadas direto no centro de distribuição; e) reduzir os gastos em armazéns de terceiros: com maior capacidade de armazenagem pode-se minimizar o volume de produção armazenada em terceiros, consequentemente reduzir gastos; f) reduzir a movimentação dos itens antes do envio para o cliente: carregando direto para o cliente, não se faz necessário à transferência para terceiros e consequentemente reduz a movimentação dos produtos; g) aumentar as cargas para o cliente carregadas no centro de distribuição: não enviando produtos para armazéns terceiros, carregar as cargas direto para o cliente. O grupo reunido estabeleceu como desvantagens: a) menor flexibilidade em caso de mudança do mix de produção: em caso de mudança do mix de produção as alterações que poderiam ser efetuadas somente no sistema agora precisam ser alteradas fisicamente também, pois será necessário reorganizar as estruturas de armazenagem novamente. 4.2 OTIMIZAÇÃO DE LAYOUT A armazenagem de produtos, seja nas fábricas ou nos centros de distribuição, quando não administrada de maneira correta, gera muitos custos para as empresas. Por isso é necessário que a empresa obtenha o melhor aproveitamento dos espaços disponíveis.

6 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 6 Ao se otimizar a armazenagem pode-se obter a máxima ocupação dos espaços, o aproveitamento dos recursos disponíveis, tanto de mão-de-obra quanto de equipamentos, uma boa organização do centro de distribuição e um maior número de produtos estocados, permitindo assim o atendimento mais rápido dos pedidos que precisam ser enviados, principalmente para o exterior. Deve ser observado também na hora da otimização da armazenagem, é necessário que não haja obstáculos para a movimentação de materiais, e não esquecer que este deve ser extremamente organizado, com os produtos devidamente endereçados para que não haja problema de localização dos mesmos. A empresa em estudo utiliza o Warehouse Management System (WMS), um Sistema de Gerenciamento de Armazéns que localiza o espaço que está disponível para a colocação de determinado produto, respeitando as especificações de cada mercado consumidor. Na Figura 1 é possível visualizar a estrutura porta-palete atual. Figura 1 - Estrutura atual de estantes porta-palete Visão Lateral e Frontal Fonte: O autor (2008) sem escala. No corredor designado para os produtos comercializados com a União Européia, que é o objeto deste estudo, por apresentar ociosidade de espaço de armazenagem, há uma estrutura de 432 posições (que equivalem a 432 paletes armazenados). A altura das estruturas é de 1,90 m (um metro e noventa centímetros), sendo que nestas posições são colocados paletes com altura de 1,75 m (um metro e setenta e cinco centímetros) e mini-contêineres de 1,05 m (um metro e cinco centímetros). Porém, os produtos armazenados neste corredor são, na sua maioria (90% do que é armazenado), embalados em mini-contêineres de 690 kg (seiscentos e noventa quilos) e em média 1,05 m (um metro e cinco centímetros). Cabe ressaltar que a altura da estrutura onde estão armazenados os produtos são posições de 1,90 m de altura com capacidade de kg. Analisando-se os valores apresentados acima, é possível ver que em 90% dos paletes armazenados há uma sobra de 85 cm (oitenta e cinco centímetros) e em média de 510 kg (quinhentos e dez quilos) de sobra em cada posição. Esse espaço ocioso pode ser aproveitado para a armazenagem de mais produtos, agilizando o processo de movimentação de mercadorias e também a agilidade na hora de estufar contêineres para a exportação. Na Figura 2 é possível visualizar a situação proposta para que a organização possa aproveitar melhor os espaços que estão sobrando.

7 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia Figura 2 - Estrutura sugerida de estantes porta-palete Visão Lateral e Frontal Fonte: O autor (2008) sem escala. Com o novo layout proposto para a estrutura porta-palete na câmara de congelados, é possível reduzir a altura de 1,90 m (um metro e noventa centímetros) para 1,20 m (um metro e 20 centímetros). A divisão das posições que antes tinham cinco níveis de 1,90 m (um metro e noventa centímetros) mais três vigas com 20 centímetros, que dividiam cada nível, passou a ter sete níveis de 1,2 m (um metro e vinte centímetros) com cinco vigas de 20 centímetros cada. A altura da estrutura proposta é compatível com a altura dos mini-contêineres, que possui 1,05 metros (um metro e cinco centímetros), sobrando ainda uma folga para que o operador de empilhadeira consiga movimentar o palete ou o mini-contêiner de modo que não danifique a carga que esta sendo movimentada. Os paletes que possuem altura padrão de 1,75 m (um metro e setenta e cinco centímetros) serão endereçados pelo sistema de gerenciamento da armazenagem, e armazenados no sétimo nível das estruturas, onde não há divisória, sendo assim um vão livre com altura de mais de três metros. A largura e a profundidade de cada posição permaneceram as mesmas, pois a sobra acontecia apenas na altura da posição. Com o novo layout, as estruturas da câmara de congelados passarão a comportar 604 posições, ao invés de 432, com capacidade de armazenar quilos (cento e dezoito mil, seiscentos e oitenta quilos) de produtos a mais do que armazena atualmente. Cada posição porta-palete passou de 2,736 m³ para 1,728 m³. Na figura 3 há um comparativo entre a estrutura existente e a estrutura proposta: Estrutura Antiga Estrutura proposta Altura da posição 1,90 m 1,20 m Largura da posição 1,20 m 1,20 m Profundidade da posição 1,20 m 1,20 m Número de posições 432 posições 604 posições Capacidade em toneladas estática 298 toneladas 416 toneladas Figura 3 - Comparativo entre o layout antigo e o layout novo Fonte: O autor (2008).

8 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia INVESTIMENTO NECESSÁRIO Para que fosse possível modificar o layout das estruturas do segmento de produtos da União Européia, foi necessário que a empresa investisse o valor de R$ 48 mil, que resultou em um ganho de R$ ,56 (Figura 4). Posições a mais Peso/palete Armazenagem estática Giro TOTAL ARMAZENADO NO MÊS Custo centro de distribuição mensal (R$/tonelada) 29,00 Custo armazém 3º (R$/tonelada) 90,00 Diferença - ganho (R$/tonelada) 61, posições 690 quilogramas 119 toneladas 06 vezes mês 712 TONELADAS GANHO TOTAL MENSAL (R$) Investimento (R$) ,00 Retorno do investimento 1,1 meses GANHO ANUAL (R$) ,56 Figura 4 - Cálculo do investimento e retorno Fonte: dados da empresa, adaptados pelo autor. A alteração do layout ocasionou tanto ganhos com tempo (mais mercadorias disponíveis para carregamento) quanto ganhos financeiros (redução de gasto em armazenagem terceirizada), melhorando o processo e agilizando a operação. 5 CONSIDERAÇOES FINAIS Após revisão dos conceitos relacionados a logística, especialmente sobre questões ligadas a armazenagem, foi possível verificar quais as possíveis alterações a serem realizadas no layout da câmara fria de congelados do centro de distribuição da agroindústria no Rio Grande do Sul, especificamente no corredor destinado a armazenagem de produtos comercializados com a União Européia. Percebeu-se que as informações contidas neste estudo fornecem subsídios para que a empresa possa realizar melhorias positivas, especialmente quanto à armazenagem realizada na câmara de congelados, área onde a empresa gasta um valor significativo com o armazenamento de produtos em empresas terceirizadas. A empresa localiza-se numa região com alto potencial de crescimento industrial, onde os ganhos em produtividade e a redução de custos são obtidos através da utilização de mãode-obra qualificada, somada a utilização de equipamentos de alta tecnologia que melhoram os processos produtivos. Fabrica produtos de alta qualidade, e sua marca é reconhecida internacionalmente. A direção da empresa está sempre investindo em novas tecnologias, que buscam obter vantagem competitiva. Após estudos e observações realizadas na empresa foi possível sugerir uma readequação no layout das estruturas de armazenagem da câmara de congelados. Com o auxilio de softwares como o Autocad foi possível desenhar uma nova distribuição nas estruturas porta-palete, adequar a armazenagem das embalagens utilizadas pela empresa naquela determinada segmentação, permitindo a redução dos espaços ociosos entre um andar e outro na estrutura de armazenagem. Nesse segmento havia espaços ociosos nas estruturas de armazenagem, principalmente ocasionada pela utilização de mini-contêineres de 1,05 metros em estruturas com 1,90 metros. Isso ocasionava um alto volume de estocagem em armazéns de terceiros antes de carregar as cargas para o cliente.

9 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 9 Foi possível obter um aumento de 172 posições de armazenagem na câmara de congelados, que corresponde a um aumento significativo na quantidade de produtos armazenados. A adequação do layout proporcionou, além do retorno do investimento nas novas estruturas em menos de dois meses, a possibilidade de investir esse valor economizado em melhorias na empresa. Após descrever a readequação do antigo layout criando um novo layout foi possível atender os objetivos deste estudo, que proporcionou a minimização dos espaços ociosos e aumentar a capacidade de armazenagem da câmara de congelados do setor. O novo layout é mais viável operacional e financeiramente para a empresa trabalhar e atender os clientes. O ramo de atividade da empresa é muito exigente em termos de qualidade, atendimento, inovação e preço pelos clientes, muito disputado com a concorrência e o melhor aproveitamento dos recursos próprios à torna mais competitiva e mais rentável para seus acionistas. 6 REFERÊNCIAS ACURA TECHNOLOGIES. Distribuidores. Disponível em: <http://www.acura.com.br/aplic_log_21.php>. Acesso em: 24 out. 07. ARBACHE, Fernando Saba et al. Gestão de logística: distribuição e trade marketing. Rio de Janeiro: FGV, BALLOU, Ronald. Logística empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, Logística empresarial: gerenciamento da cadeia de suprimentos. Porto Alegre: Bookman, BANZATO, Eduardo et. al. Atualidades na armazenagem. São Paulo: IMAM, BOWERSOX, Donald J; CLOSS, David J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, CHIAVENATTO, Idalberto. Administração de materiais: uma abordagem introdutória. Rio de Janeiro: Campus, DORNIER, Phillippe Pierre et al. Logística e operações globais: textos e casos. São Paulo: Atlas, FARAH JR., Moisés. Os desafios da logística e os centros de distribuição física. Revista FAE Business, n. 02, junho p GIL, Antonio Carlos. Técnicas de pesquisa em economia e elaboração de monografias. 4. ed. São Paulo: Atlas, GOMES, Carlos Francisco Simões; RIBEIRO, Priscilla Cristina Cabral. Gestão da cadeia de suprimentos integrada à tecnologia da informação. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing de varejo. 3. ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Alessandra Campos L. K. et al. Produtividade na movimentação e na distribuição: caso Celta. Disponível em: <http://www.unb.br/ceam/neorg/sos/ /download/23T.pdf>. Acesso em: 24 abr. 07. MARTINS, Gilberto de Andrade. Estudo de caso: uma estratégia de pesquisa. São Paulo: ATLAS, 2006.

10 SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 10 MOURA, Reinaldo A. Os desafios na armazenagem. Disponível em: <http://www.guiadelogistica.com.br/artigo25.htm>. Acesso em: 22 abr. 07. MOURA, Reinaldo A. et. al. Atualidades na logística. São Paulo: Imam, NOVAES, Antonio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. 2º ed. Rio de Janeiro: Editora Elsevier, YIN, Robert K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, ZORZIN, Gislaine. Otimizando espaços e reduzindo custos. Disponível em: <http://www.guiadelogistica.com.br/artigo411.htm>. Acesso em: 22 abr. 07.

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA NA ARMAZENAGEM DE PRODUTOS FRIGORIFICADOS: estudo de caso na agroindústria Catarinense

ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA NA ARMAZENAGEM DE PRODUTOS FRIGORIFICADOS: estudo de caso na agroindústria Catarinense ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA NA ARMAZENAGEM DE PRODUTOS FRIGORIFICADOS: estudo de caso na agroindústria Catarinense Moacir Francisco Deimling Unochapecó moacir@unochapeco.edu.br Dulcimar Benedetti Unochapecó

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

O que é uma Empresa Líder em Logística?

O que é uma Empresa Líder em Logística? 133 O que é uma Empresa Líder em Logística? É aquela que oferece maior agregação de valor aos seus clientes em relação aos seus concorrentes a partir de uma combinação harmônica de práticas logísticas

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações.

A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. A Importância do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento Integrada como um Fator de Vantagem Competitiva para as Organizações. Nathan de Oliveira Paula nathan_paula@hotmail.com IFSudesteMG Marylaine de

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA.

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. Franck

Leia mais

Aula Nº13 - Armazenagem

Aula Nº13 - Armazenagem Aula Nº13 - Armazenagem Objetivos da aula: Você já conhece os diversos tipos de sistemas de manuseio: mecanizados, semi-automáticos e automáticos. Agora, é necessário estudarmos a armazenagem propriamente

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking.

Palavras-chaves: Logística, centro de distribuição, armazenagem, picking. MÉTODOS DE ORGANIZAÇÃO DA ATIVIDADE DE PICKING NA GESTÃO LOGÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO NO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA REDE SUPERMERCADISTA DO RIO GRANDE DO SUL Jessica de Assis Dornelles (Unipampa ) jessica-dornelles@hotmail.com

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Escolha o melhor fornecedor de sistemas e tecnologia e ganhe flexibilidade, rendimento e eficiência operacional automação que traz resultados

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Enio Fernandes Rodrigues eniofr@uol.com.br FATEC-ZL/IFSP/UNIP. Adriana Rosa Fernandes adriana.fernandes1@fatec.sp.gov.br FATEC-ZL

Enio Fernandes Rodrigues eniofr@uol.com.br FATEC-ZL/IFSP/UNIP. Adriana Rosa Fernandes adriana.fernandes1@fatec.sp.gov.br FATEC-ZL Logística Integrada Aplicada a um Centro de Distribuição: Comparativo do Desempenho do Processo de Armazenagem Após a Implementação de um Sistema de Gerenciamento de Armazém (wms). Enio Fernandes Rodrigues

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES Cristina Pereira Medeiros (UESC) cris_eps@hotmail.com

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso

A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso A Relevância do Sistema Informatizado para Controle de Estoques na Gestão Empresarial: Um Estudo de Caso Carla Pereira Chagas UVV /Faculdade de Guaçuí russo2009@hotmail.com Simone de Souza UVV /Faculdade

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE ISSN 1984-9354 ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE Área temática: Logística Erika Ribeiro erika.thais2510@gmail.com Myriã Lozano myricapopis@hotmail.com

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica 1 Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica Alexandre Valentim 1 Dário Pinto Júnior 2 Fausto Kunioshi 2 Heloisa Nogueira 1 alexandrevalentim@uol.com.br dariompj@yahoo.com.br fausto.kunioshi@csn.com.br

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

3 Centro de Distribuição

3 Centro de Distribuição 3 Centro de Distribuição Uma questão básica do gerenciamento logístico é como estruturar sistemas de distribuição capazes de atender de forma econômica os mercados geograficamente distantes das fontes

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE

PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. PROPOSIÇÃO DE MODELO DE ENDEREÇAMENTO DE MATERIAIS PARA APLICAÇÃO EM EMPRESAS VAREJISTAS DE PEQUENO A MÉDIO PORTE Marcelo Coelho de Sousa (UNAMA) marcelocsousa@yahoo.com.br

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso

A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso 63 A contribuição das contagens cíclicas para a acurácia em uma empresa do ramo gráfico: um estudo de caso Marcelo Rodrigues Fernando de Souza Cáceres (fscaceres@yahoo.com.br) Jean Carlos Cavaleiro (ajean@ig.com.br)

Leia mais