Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Projeto de Transportadores Mecânicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Projeto de Transportadores Mecânicos"

Transcrição

1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Projeto de Transportadores Mecânicos Banca: Prof. Dr. Eng. Laercio Javarez Junior Prof. Dr. Eng. Davi Fusão Prof. Dr. Eng. Felipe Barreto Campelo Cruz Realizado por: CASSIO EDUARDO NADAL FERREIRA Ponta Grossa, 26 de fevereiro de 2014

2 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa Coordenação de Engenharia Mecânica e de Engenharia de Produção Mecânica TERMO DE APROVAÇÃO do ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO por Cássio Eduardo Nadal Ferreira A Defesa Final desse Estágio Curricular Obrigatório foi realizada em 04 de fevereiro de 2014 como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Engenharia Mecânica. O candidato foi arguido pela Banca Examinadora composta pelos professores abaixo assinados. Após deliberação, a Banca Examinadora considerou o estágio aprovado. Prof. Dr. Laércio Javarez Junior Prof. Orientador Prof. Dr. Eng. Davi Fusão Membro Titular Prof. Dr. Eng. Felipe Barreto Campelo Cruz Coordenador de Estágios dos Cursos de Engenharia Mecânica e de Engenharia de Produção Mecânica UTFPR/Campus Ponta Grossa Prof. Dr. Thiago Antonini Alves Coordenador dos Cursos de Engenharia Mecânica e de Engenharia de Produção Mecânica UTFPR/Campus Ponta Grossa - O Termo de Aprovação assinado encontra-se na Coordenação do Curso -

3 Lista de Figuras Figura 1 - Porta Pallets...5 Figura 2 - Auto Portante...5 Figura 3 - Drive-in/ Through...6 Figura 4 - Armazenagem Dinâmica...6 Figura 5 - Push Back...7 Figura 6 - Flow Rack...7 Figura 7 - Transportadores...8 Figura 8 - Mezanino...8 Figura 9 - Transportador motorizado em teste...10 Figura 10 - Rampa em lona do transportador motorizado...10 Figura 11 - Planilha de resultados...13

4 Sumário 1. Identificação Responsabilidade pelas Informações Responsabilidades do Aluno Responsabilidades do Supervisor Introdução Descrição da Empresa Produtos Águia Sistemas Descrição das Atividades Desenvolvidas no Estágio Dificuldades Encontradas Áreas de Identificação com o Curso Resultados Conclusão Referências Bibliográficas...16

5 1 1. Identificação Aluno: Cassio Eduardo Nadal Ferreira Curso: Engenharia Mecânica Período: 10º Endereço: Rua Marechal Deodoro, 832, ap.21, Centro, Ponta Grossa-PR Telefone: (42) / (42) Professor Orientador: Laércio Javarez Junior Formação: Engenheiro Mecânico Telefone: (42) Supervisor de Estágio: Paulo Rogério Zanatta Moreira Formação: Administrador de empresas Cargo: Gerente técnico Telefone: (42) Empresa: AGUIA SISTEMAS DE ARMAZENAGEM S/A Endereço: Av. Senador Flávio Carvalho Guimarães, 3505, Boa vista, Ponta Grossa-PR Telefone: (42) Início do estágio: 10/09/2013 Término do estágio: 10/01/2014 Carga horária semanal do estágio: 30 horas Carga horário total do estágio: 480 horas Atividades realizadas: Análise de viabilidade; Análise crítica de projetos; Verificação do produto; Validação do projeto; Elaboração de layout; Desenvolvimento de novos produtos; Dimensionamento de correias; Cálculo de potência requerida pelos motores.

6 2 2. Responsabilidade pelas Informações 2.1 Responsabilidades do aluno Eu, Cassio Eduardo Nadal Ferreira, portador do CPF , estudante de Engenharia Mecânica na UTFPR campus Ponta Grossa, através deste termo de compromisso, assumo a responsabilidade pela veracidade das informações contidas nesse relatório, referente ao período de estágio obrigatório na empresa AGUIA SISTEMAS DE ARMAZENAGEM S/A, realizado entre 10 de setembro de 2013 e 10 de janeiro de Data: / / Responsabilidade do supervisor Eu, Paulo Rogério Zanatta Moreira, portador do CPF , supervisor de estágio na UCE, asseguro a veracidade das informações e autorizo a divulgação para fins acadêmicos na UTFPR campus Ponta Grossa. Informações referentes ao período de estágio obrigatório de Cassio Eduardo Nadal Ferreira, portador do CPF , na empresa AGUIA SISTEMAS DE ARMAZENAGEM S/A, realizado entre 10 de setembro de 2013 e 10 de janeiro de Data: / /..

7 3 3. Introdução Neste relatório, será abordado sobre o estágio realizado dentro do setor de automação de transportadores motorizados, na Águia Sistemas de Armazenagem S/A, com a apresentação das atividades desenvolvidas durante o período de estágio e a sua correlação com o curso de Engenharia Mecânica. O estágio acadêmico tem uma elevada importância na formação do profissional de engenharia. É necessário que todos os conceitos e teorias, apresentadas durante o curso, sejam utilizados na prática, para que o futuro profissional tenha a competência de utiliza-las futuramente na profissão. Nesse caso o estágio foi realizado na área de projetos mecânicos de transportadores motorizados. O projeto mecânico do transportador consiste na elaboração do layout do transportador, suas vistas laterais detalhadas, na escolha e análise de componentes mecânicos do transportador, no dimensionamento da correia e no cálculo da potência dos motores a serem utilizados. Através do estudo de custo dos componentes utilizados nos transportadores, era possível entender e analisar a viabilidade da escolha de um determinado componente ao invés de outro. Durante o período de estágio foram realizados testes no laboratório de montagem dos transportadores. Neles foi possível observar, com maior precisão, como funcionam os diversos componentes presentes nos projetos. As dificuldades encontradas pelos montadores foram importantes na melhoria dos projetos, buscando eliminar possíveis erros e falhas de projetos anteriores. O relatório apresenta uma descrição do histórico da empresa e uma breve descrição dos produtos, projetados e construídos pela empresa. Em seguida, serão detalhadas todas as atividades desenvolvidas durante o estágio e as dificuldades encontradas para a realização delas. Por fim, serão identificadas todas as disciplinas do curso de Engenharia Mecânica que foram úteis durante o período de estágio e os resultados obtidos das atividades realizadas.

8 4 4. Descrição da Empresa A Águia Sistemas de Armazenagem S/A é uma indústria metalúrgica, de médio porte, que se dedica a projetar e produzir soluções no segmento de logística, fornecendo uma variedade de produtos que complementam toda a infraestrutura logística de armazenagem e transporte de materiais para o cliente. Fundada em 1973, a Águia Sistemas tem aproximadamente mil funcionários e tem como política de qualidade Projetar, fabricar e instalar com eficácia, qualidade, produtividade, competitividade, e lucratividade, soluções customizadas em movimentação e armazenagem de materiais, atendendo as necessidades e interesses dos clientes, colaboradores e meio ambiente, melhorando e inovando continuamente. (Disponível em <www.aguiasistemas.com.br>) Situada em Ponta Grossa, Paraná, a Águia Sistemas faz parte da Águia Participações que engloba outras três empresas: Águia Florestal, Águia Química, Smart Sistemas Construtivos. A Águia Florestal atua no reflorestamento e fabricação de painéis de madeira. A Águia Química atua na fabricação de resina para indústria de tintas, selantes e adesivos. Já a Smart Sistemas Construtivos trabalha na construção civil no sistema Light Steel Framing, no qual a alvenaria é substituída por estruturas em aço. 4.1 Produtos Águia Sistemas A Águia Sistemas fabrica produtos que tem a finalidade de armazenar e movimentar materiais, sendo que grande parte produzidos dentro da própria empresa, e uma minoria (ex: parafusos, correias, rollerdrivers, etc) são adquiridos de fornecedores externos. Os produtos fabricados pela Águia Sistemas estão relacionados e descritos a seguir. - Porta Pallets: Destinado à armazenagem de Pallets, permite a verticalização do espaço de forma simples e seletiva, possibilitando o acesso rápido a toda carga armazenada através do uso de empilhadeiras.

9 5 Figura 1 Porta Pallets. - Auto Portante/ Corredores Estreitos: Combinando alta seletividade e densidade, a operação deste sistema é feita por empilhadeiras trilaterais e selecionadoras de pedidos. Em grandes alturas são utilizados transelevadores controlados por softwares que destinam os pallets a endereços aleatórios, gerenciando o fluxo de movimentações e permitindo maior velocidade nas operações de carga e descarga. Figura 2 Auto Portante. - Drive-in/Through: Destinado à armazenagem de grandes volumes e pouca variedade de itens, possibilita um bom aproveitamento da área maximizando o volume armazenado pela redução do número de corredores.

10 6 Figura 3 Drive in. - Armazenagem Dinâmica: Sistema para estocagem de cargas com grande rotatividade e necessidade de controle do prazo de validade. Os pallets são colocados em uma extremidade da estrutura e deslizam sobre os roletes até a outra pela ação da gravidade, sendo que a aceleração dos pallets é controlada por reguladores de velocidade. Figura 4 Armazenagem Dinâmica. - Push Back: Possibilita uma boa seletividade na armazenagem de alta densidade, sua configuração dividida em tuneis permite o acesso direto a cada túnel facilitando a rotatividade.

11 7 Figura 5 Push Back. - Flow Rack: Sistema indicado para pequenos volumes e grande rotatividade onde se faz necessário a conferencia para a separação dos materiais. A posição inclinada das roldanas facilita o deslizamento das caixas, sua reposição e o apanhe dos materiais. Figura 6 Flow Rack. - Transportadores: São sistemas de movimentação de cargas que podem ser manuais, gravitacionais ou motorizados. Está direcionado ao transporte de produtos durante a seleção de um pedido e seu envio até a expedição.

12 8 Figura 7 Transportador. - Mezanino: Utilizado para armazenagem de materiais ou para áreas de trabalho, dimensionado de acordo com a sobrecarga prevista. Figura 8 Mezanino. -Container tubular: Possibilita armazenar, agrupar, transportar, distribuir, e expor mercadorias. -Container armado: Desenvolvido para atender as mais diversas modalidades de armazenagem e movimentação, é leve e possui ótima estabilidade. Pode ser auto empilhador ou armazenado em porta pallets.

13 9 5. Descrição das Atividades Desenvolvidas no Estágio O estágio ocorreu dentro do setor de automação dos transportadores motorizados. As atividades previamente propostas como objetivos do estágio foram: Análise de viabilidade do projeto, Análise crítica do projeto, Elaboração de layout, Verificação do produto, Validação do projeto e desenvolvimento de novos produtos. A parte mecânica dos projetos dos transportadores consiste primeiramente na idealização da lógica do transportador juntamente com as necessidades do cliente. Com a lógica definida o próximo passo é a elaboração do layout do transportador, prevendo a necessidade de rampas (motorizadas ou não) com sua respectiva angulação, curvas, passo entre os rolos, altura do transportador e a necessidade de componentes especiais, tais como: Pusher, Desviador Bell-Transfer e Pop-up. Para a elaboração dos desenhos foi utilizado como apoio o software AutoCad. A elaboração do layout de transportadores motorizados é usada para o projeto comercial, ou seja, após a conclusão do layout o orçamento é realizado e passado ao cliente para aprovação. Previamente ao projeto do transportador, deve ser realizado o projeto das estruturas de armazenamento da Águia, tais como, Mezaninos, Flow Racks, Porta Palletsl, etc. Contudo muitas vezes se fez necessário a alteração das estruturas previamente projetadas devido à interferência do transportador no projeto. A readequação do vigamento dos mezaninos foi muitas vezes necessária. Em outros casos, foi necessário prever um mezanino para o apoio do transportador em alturas muito elevadas. Isto devido ao fato de que os cavaletes de sustentação dos transportadores atingem no máximo 3900 mm, tornando uma análise crítica do projeto mais complexa. Em alguns projetos foi necessário projetar passarelas cobertas para o transportador, pois a necessidade do cliente era que o transportador atravessasse de um galpão para o outro. Nessas passarelas foram utilizados os mesmos perfis e vigas dos mezaninos, porém com uma telha como cobertura. A realização da análise crítica do projeto, considerando as limitações e as necessidades do cliente paralelamente as limitações do produto e de serviços oferecidos pela empresa esteve presente em todo projeto realizado. A análise de viabilidade do projeto, buscando satisfazer o cliente com um produto que atenda suas necessidades e ao mesmo tempo seja viável financeiramente frente à concorrência também foi constantemente considerada, com o auxilio do setor de orçamentos fornecendo alguns parâmetros para visualizar o produto de uma maneira mais ampla, ponderando seus custos e a vantagem de cada solução escolhida.

14 10 Verificação do produto em seu laboratório de testes, analisando o funcionamento da parte mecânica juntamente com a automação dos transportadores. Visualizar seu funcionamento com maior propriedade, verificando possíveis problemas, dificuldades na montagem e no funcionamento do produto, levando isso de aprendizado para o momento de idealizar um novo projeto, buscando minimizar os erros e problemas possíveis. As figuras 9 e 10 mostram o transportador na sua fase de testes. Figura 9 Transportador motorizado em teste. Figura 10 Rampa em lona do transportador motorizado. Foi realizada uma planilha para o calculo de potencia dos motores e dimensionamento de correias a serem utilizados nos transportadores com o intuito de melhorar o processo de

15 11 calculo e aperfeiçoar os resultados para diminuir perdas, e conseqüentemente evitar escolhas de motores que fornecem uma potência muito acima da requerida. Antes da elaboração da planilha os projetos eram realizados com motores padrão sem a realização de um cálculo mais profundo. Para a realização do cálculo é necessário informar a largura do transportador, o comprimento da pista a ser motorizada, a diferença de altura entre o início e o fim da pista, o passo entre os rolos, as dimensões das caixas a serem transportados, o peso das caixas e o fluxo de caixa por hora. Com esses dados o programa do Excel calcula a velocidade do transportador, a força de resistência do transportador, o comprimento de correia e a potência mecânica requerida. Após a elaboração do layout é definido então a potencia dos motores a serem utilizados e o tamanho de correia, para o orçamento ter uma precisão maior e diminuir a chance de erro no orçamento. 6. Dificuldades Encontradas A principal dificuldade encontrada foi à falta do conhecimento pleno do produto e seu mecanismo de funcionamento. O desconhecimento de alguns padrões utilizados pela empresa também dificultou. Em muitas ocasiões foi necessário refazer ou alterar o projeto devido a limitações desconhecidas ou que passaram despercebidas. A falta de informação clara vinda do cliente também foi uma dificuldade encontrada, pois muitas vezes a informação passada não era bem entendida pelo vendedor ou não era expressa de maneira clara para os projetistas. Outra dificuldade foi à adaptação com o meio de trabalho, que ainda não havia frequentado a cobrança por resultados e os prazos curtos estabelecidos, foi algo que teve que ser superado com o tempo. A realização de planilha para o cálculo de potência de motores e dimensionamento de correias não constava no plano de estágio, porém foi uma situação que apareceu no dia a dia de trabalho e foi possível contribuir com meus conhecimentos adquiridos no curso para a realização dessa planilha, utilizando o software Excel. Por ser uma situação especifica da empresa houve dificuldade em conseguir encontrar a maneira correta de realizar o cálculo para transportadores de rolos de aço com a transmissão de força do motor realizada pela correia. Foi utilizado como apoio a NBR 8205(Norma Brasileira), porém ela não engloba totalmente os transportadores produzidos na águia. A NBR 8205 se refere a Transportadores contínuos Transportadores de correia- Cálculo de força e potência, porém sem utilizar rolos em aço para a movimentação de cargas, utilizando apenas correias. Essa norma foi tomada

16 12 como base juntamente com algumas fórmulas contidas no catálogo de motores da SEW e conseguiu-se atingir valores aceitáveis. 7. Áreas de Identificação com o Curso A área de desenho técnico foi bastante exigida durante o estágio, na realização de vistas, cotação e elaboração de layouts. O entendimento de alguns desenhos mais complexos como engrenagens e desenhos de montagens de maquinas, também se fez necessário. O conhecimento sobre resistência de materiais esteve presente principalmente na elaboração de mezaninos, onde foi necessário o dimensionamento de vigas, colunas e perfis. Na realização da planilha de cálculo de motores e dimensionamento de correias, os conhecimentos em elementos de máquina foram muito requisitados, inclusive consultando os materiais de sala de aula como material de apoio para o dimensionamento de componentes de transmissão (correias). Segundo SHIGLEY (1984), o comprimento da correia é encontrado somando-se os comprimentos dos dois arcos com duas vezes a distância entre o começo e o fim do contato. Indiretamente algumas disciplinas também contribuíram. Computação auxiliou na formulação de um programa no Excel, com a utilização de alguns comandos similares. A disciplina de mecanismos teve sua importância para um melhor entendimento do funcionamento dos transportadores, nos momentos em que o transportador era testado no laboratório de testes foi importante visualizar os diferentes mecanismos contidos no transportador. 8. Resultados O principal resultado obtido no estágio foi na elaboração de projetos comerciais de transportadores mecânicos para empresas de pequeno, médio e grande porte, porém durante o período de estágio nenhum desses projetos chegou a ganhar a aprovação do cliente para o projeto ser desdobrado e então enviado para a produção, devido ao período curto do estágio. Foi realizado em torno de 20 projetos dos mais diversos tamanhos e dificuldades, todos realizados no software AutoCAD, com os cálculos previamente definidos pelo Engenheiro e com correção do supervisor. No projeto continha o layout do transportador com as indicações de cada componente, as informações de altura, motorização, as vistas laterais das rampas e

17 13 detalhes da pista de conferência. Quando se fez necessário o projeto conjunto do mezanino e/ou passarela foi necessário uma folha a parte que continha à planta baixa e o vigamento da estrutura, sempre com o engenheiro responsável acompanhando o processo e autorizando o projeto no final. A planilha realizada para o cálculo de potência de motores e dimensionamento de correias pode ser visualizada na Figura 11. É necessário informar os dados do transportador como largura, comprimento da pista, fluxo de caixas e a inclinação da pista para o programa realizar os cálculos e então o projetista selecionar no catálogo de motores o motor mais adequado para a situação. Figura 11 - Planilha de resultados. O cálculo consiste em descobrir as forças resistentes que o motor deverá superar para que o transportador se movimente na velocidade desejada. A força total consiste na soma de outras três forças: a força resistente principal, a força resistente secundária e a força de resistência ao aclive. A força de resistência principal pode ser calculada pela seguinte equação, mr Fh L. f. g(( ) (2mc ml)(cos( )) L (1) Onde,

18 14 L = Comprimento da pista [m] f = fator de atrito g = aceleração da gravidade [m/s²] mr = massa total dos rolos [kg] mc = massa da correia [kg] ml = carga máxima transportada [kg/m] A força de resistência secundária pode ser expressa por, Fn ( C 1) Fh (2) Sendo que, C é o coeficiente de atrito. Por fim a força de resistência ao aclive, só estará presente caso haja inclinação na pista do transportador. A resistência ao aclive pode ser expressa por, Fst L. g. ml( sen( )) (3) A força de resistência total é então a soma das três resistências, Fr Fh Fn Fst (4) A potência mecânica requerida pode ser calculada então por, Fr. V P 1000 Rd (5) Onde, V = velocidade requerida para o transportador [m/s] Rd = Rendimento global do motor

19 15 9. Conclusão Os objetivos inicialmente propostos foram atingidos, os projetos realizados tiveram valor agregado dos conhecimentos do valor de cada componente do transportador e a melhor logística para o funcionamento do transportador dentro da empresa, através de uma analise de viabilidade. O trabalho foi realizado dentro do setor de automação, que faz a automatização do transportador através de sensores e CLP s(controladores Lógicos Programáveis) após a realização do projeto mecânico, por isso foi necessário o trabalho em conjunto para entender as limitações de cada parte do projeto e ser capaz de realizar uma análise crítica mais profunda. A análise do funcionamento do transportador foi de grande importância, pois assim houve um entendimento melhor do funcionamento mecânico do transportador e com isso houve melhoras no momento de inicialização do projeto buscando menor quantidade de erros e maior agilidade na conclusão do projeto. O período como estagiário contribuiu em grande parcela da minha formação como Engenheiro Mecânico. Vivenciar na prática todos os passos da realização de um projeto, sendo necessário interagir com outros setores para obter melhores resultados, com prazos curtos para cumprir as atividades, mostrou a realidade dentro de uma organização de médio porte como a Águia Sistemas.

20 16 Referências Bibliográficas SHIGLEY, Joseph Edward. Elementos de maquinas. Rio de Janeiro: LTC- Livros Técnicos e Científicos, v. SHIGLEY, Joseph Edward. Elementos de maquinas. Rio de Janeiro: LTC- Livros Técnicos e Científicos, v. Catálogo de motoredutores SEW Site: visitado em 28/01/2014.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio. Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio. Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Banca: Prof. Dr. Eng. Laércio Javarez Júnior Prof. Dr.

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Oferecemos a nossos clientes máquinas e equipamentos econômicos e eficientes, com atenção personalizada segundo suas necessidades.

APRESENTAÇÃO. Oferecemos a nossos clientes máquinas e equipamentos econômicos e eficientes, com atenção personalizada segundo suas necessidades. PORTFÓLIO Mecânica APRESENTAÇÃO A ProjeCrea é uma empresa que desenvolve soluções personalizadas integrais para: agroindústrias, metalúrgicas, indústrias e locais comerciais gerais. Temos parcerias com

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador

DESCRITIVO TÉCNICO. 1 Alimentador DESCRITIVO TÉCNICO Nome Equipamento: Máquina automática para corte de silício 45º e perna central até 400 mm largura Código: MQ-0039-NEP Código Finame: *** Classificação Fiscal: 8462.39.0101 1 Alimentador

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

A SOLUÇÃO SOB MEDIDA PARA SUA ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM

A SOLUÇÃO SOB MEDIDA PARA SUA ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM A SOLUÇÃO SOB MEDIDA PARA SUA ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM A CESTARI PRODUTOS GALVANIZADOS produz equipamentos para todo processamento de produtos em geral que asseguram o melhor resultado para a indústria

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Sistemas para Estacionamento e Vagas de Garagem DUPLIKAR. Projetamos e desenvolvemos inúmeras soluções para estacionamentos.

Sistemas para Estacionamento e Vagas de Garagem DUPLIKAR. Projetamos e desenvolvemos inúmeras soluções para estacionamentos. A Empresa A Duplikar é representante autorizado da marca Engecass, queremos apresentar uma solução caso tenha necessidades de aumentar suas vagas de garagem. A Engecass é uma indústria Brasileira, fabricante

Leia mais

McGraw-Hill. A reforma no centro de distribuição melhorou a capacidade de expedição e diminuiu a manutenção da editora educativa ESTUDO DE CASO

McGraw-Hill. A reforma no centro de distribuição melhorou a capacidade de expedição e diminuiu a manutenção da editora educativa ESTUDO DE CASO McGraw-Hill A reforma no centro de distribuição melhorou a capacidade de expedição e diminuiu a manutenção da editora educativa automação que traz resultados A reforma no centro de distribuição melhorou

Leia mais

Elevador para Cabinas Elevador para Cabinas / Montacarga Elevador para Paletes Elevador Contínuo / Elevador para Pequenos Volumes

Elevador para Cabinas Elevador para Cabinas / Montacarga Elevador para Paletes Elevador Contínuo / Elevador para Pequenos Volumes Forma Construtiva dos Transelevadores Modo de Funcionamento dos Transelevadores Sistemas de Transferência Transelevadores para Armazém Autoportante Transelevadores para Armazém Autoportante Climatizado

Leia mais

Agregue Segurança produtos e a sua

Agregue Segurança produtos e a sua Agregue Segurança e Valor aos seus produtos e a sua armazenagem. Material de Manuseio e Soluções de Logística SKILL, QUALITY AND EXPERIENCE www.troax.com Líder Mundial em Produtos de Segurança para Proteção

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Das

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial.

Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. Atuando no mercado brasileiro, fabricando equipamentos nas áreas de caldeiraria e serralheria industrial. A trabalha dentro de normas. Como: NBR, ASME, DIN, API e etc. Nosso galpão industrial comporta

Leia mais

DE SERVIÇOS LUSAN METALÚRGICA. w w w. l u s a n m e t a l u r g i c a. c o m. b r

DE SERVIÇOS LUSAN METALÚRGICA. w w w. l u s a n m e t a l u r g i c a. c o m. b r R I PORTFÓLIO DE SERVIÇOS LUSAN METALÚRGICA w w w. l u s a n m e t a l u r g i c a. c o m. b r I R ÍNDICE QUEM SOMOS 5 Missão, Visão e Valores QUALIDADE 8 Preservação Ambiental Fornecedores e Prestadores

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada Automatizando a armazenagem Armazenagem automatizada Com a verticalização da armazenagem a automatização tornou-se necessária também, pois os armazéns passaram a utilizar os espaços do piso ao teto. E

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

construímos a inovação POR

construímos a inovação POR construímos a inovação POR construímos a inovação 2 3 Compact Habit, uma iniciativa da empresa de Manresa, Constructora d Aro S.A., foi criada em 2004 para atender à necessidade de inovação na construção.

Leia mais

Sistemas de esteiras transportadoras de caixas, bolsas e embalagens plásticas

Sistemas de esteiras transportadoras de caixas, bolsas e embalagens plásticas Sistemas de esteiras transportadoras de caixas, bolsas e embalagens plásticas Sistemas de esteiras transportadoras de caixas, bolsas e embalagens plásticas As soluções em esteiras transportadoras da Intelligrated

Leia mais

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS

GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS GUIA DE EMBALAGENS DE PEÇAS COMPRADAS E PADRÃO DE ETIQUETAS 1ª Edição Julho, 2010 INDICE 1- INTRODUÇÃO... 03 2- RESPONSABILIDADES... 04 3- RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES... 05 4- PROCEDIMENTOS... 06 5- DESENVOLVIMENTO

Leia mais

www.endal.pt SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional

www.endal.pt SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional Armazenagem Compacta Drive-ln Drive-Through Dinâmica por Gravidade Armazenagem Climatizada Picking Estantes Deslizantes

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Ricardo A. Cassel A movimentação de materiais é uma atividade importante a ser ponderada quando se deseja iniciar o projeto de novas instalações. Existe uma forte relação entre

Leia mais

Sistemas de separação

Sistemas de separação Intelligrated Com mais de 100 anos de experiência em separação e milhares de instalações, a Intelligrated oferece sistemas de separação para operações de distribuição e abastecimento automatizados eficientes,

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

Melhorias da Infraestrutura

Melhorias da Infraestrutura Melhorias da Infraestrutura Refino Papel e Celulose Energia Fóssil Processos Químicos Processos Industriais Conversão De Resíduos Em Energia www.azz.com/wsi Fornecedora de soluções e serviços completos

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Alunos do 5º ciclo, a partir de 2012 Arujá - SP 2012 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. OBJETIVO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 06 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 06 FILIPE S. MARTINS AULA 06 FILIPE S. MARTINS ROTEIRO EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS PALETEIRA EMPILHADEIRA ESTEIRA TRANSPORTADORA TRANSPORTADOR DE ROLETES MONOVIA / TALHA ELÉTRICA TRANSELEVADORES

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO

PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC ACIONAMENTO POR FUSO PLATAFORMA ELEVATÓRIA MODELO ACCESS BASIC Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios

Leia mais

catálogo de PRodutos

catálogo de PRodutos catálogo de PRodutos Linhas de trabalho Equipamentos como os fabricados pela eixomaq reduzem o esforço físico, tornando a jornada de trabalho muito mais prática e produtiva, além de, na maioria das vezes,

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO Banca: Prof. Alexandre

Leia mais

FACULDADE SANTO AGOSTINHO DIREÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA COMPETIÇÃO DE ROBÔS

FACULDADE SANTO AGOSTINHO DIREÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA COMPETIÇÃO DE ROBÔS FACULDADE SANTO AGOSTINHO DIREÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EDITAL N 06/2015.2 COMPETIÇÃO DE ROBÔS 1. Da Apresentação A COMPETIÇÃO DE ROBÔS será um evento realizado durante

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais.

Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Planejamento de Manutenção e Fiscalização de Obras Industriais, Gestão de Materiais, Inventário de Estoques e Bens Patrimoniais. Quem Somos A MDS soluções é uma prestadora de serviços que procura apoiar

Leia mais

engenharia de embalagens UMA ABORDAGEM TÉCNICA DO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE EMBALAGEM Maria Aparecida Carvalho Novatec

engenharia de embalagens UMA ABORDAGEM TÉCNICA DO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE EMBALAGEM Maria Aparecida Carvalho Novatec engenharia de embalagens UMA ABORDAGEM TÉCNICA DO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE EMBALAGEM Maria Aparecida Carvalho Novatec capítulo 1 Que é isso, companheiro? Sabíamos que você iria se interessar pelo

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo

Sistema de Tensionamento de Correias SKF. A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF A forma da SKF apoiar a transmissão Fácil Rápido Repetitivo Sistema de Tensionamento de Correias SKF Uma solução inovadora para as transmissões por correias É sabido

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA COE COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA COE COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIOS À Comunidade Acadêmica do Curso de Farmácia da UFPR. A Comissão Orientadora de Estágios (COE) do curso de Farmácia elaborou este documento com o objetivo de esclarecer as dúvidas referentes aos estágios

Leia mais

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração

Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração Soluções em Açúcar, Etanol e Co-geração A Sucral Iniciou suas atividades em 1968 e foi uma das empresas pioneiras no desenvolvimento do setor sucroenergético não só do país como também no exterior. Nos

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Topografia de Alto Desempenho

Topografia de Alto Desempenho Topografia de Alto Desempenho Estações de Alta Tecnologia Eng. Rodrigo Eger Gerente de Produtos Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br Introdução A Topografia Hoje... Cada vez mais necessitamos:

Leia mais

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Escolha o melhor fornecedor de sistemas e tecnologia e ganhe flexibilidade, rendimento e eficiência operacional automação que traz resultados

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar 50 anos a oferecer soluções de armazenagem 3 Presença em mais de 70 países 3 11 centros de produção 3 4 centros

Leia mais

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS Movimentação de Granéis Há mais de 88 anos garantindo os melhores resultados para nossos clientes. 03 A Companhia Experiência aliada à inovação. É isso que faz a Kepler Weber

Leia mais

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul DETERMINAÇÃO DE CONDIÇÃO DE ACIONAMENTO DE FREIO DE EMERGÊNCIA TIPO "VIGA FLUTUANTE" DE ELEVADOR DE OBRAS EM CASO DE QUEDA DA CABINE SEM RUPTURA DO CABO Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho

Leia mais

ESTÁGIO PERGUNTAS E RESPOSTAS

ESTÁGIO PERGUNTAS E RESPOSTAS INTRODUÇÃO 1) Qual a legislação que regulamenta o estágio? Os estágios são regulamentados pela: 1.1 - Lei Federal 11.788, de 25 de setembro de 2008; 1.2 - Resolução USP Nº 5.528 de 18 de março de 2009

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular Relatório Final João Pedro Cavasin Estagiário André Luis Schwerz Orientador

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for seu produto, conhecemos a melhor solução para armazená-lo A Mecalux oferece soluções de armazenagem Experiência de mais de 50 anos Presença em mais de 70 países 11

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms.

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. FUNDAÇÃO UNIVERSITARIA FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. Autores: Prof. Paulo Alexandre Oliveira Acad.

Leia mais

Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu

Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu Faculdade Vizinhança Vale do Iguaçu Centro Pastoral, Educacional e Assistencial Dom Carlos - CPEA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 06/2013 VIZIVALI A FACULDADE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS soluções definitivas paralogística Identificação Placas de Rua O início da sinalização e o endereçamento de um armazém começam pelas placas de rua. Elas devem ser instaladas

Leia mais

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso

plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso plataforma elevatória ac 02 acionamento por fuso OUT / 2011 plataforma elevatória ac 02 Indicação Indicada para permitir acesso a desníveis de até 2m. Acesso a mezaninos, entradas de edifícios residenciais

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Macapá-2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Macapá-2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Macapá-2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

Kirkland s. Preparando-se para crescer, varejista especializada reforma o centro de distribuição ESTUDO DE CASO. www.intelligrated.

Kirkland s. Preparando-se para crescer, varejista especializada reforma o centro de distribuição ESTUDO DE CASO. www.intelligrated. Kirkland s Preparando-se para crescer, varejista especializada reforma o centro de distribuição automação que traz resultados Preparando-se para crescer, varejista especializada reforma o centro de distribuição

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Linha de MOVIMENTAÇÃO

Linha de MOVIMENTAÇÃO Linha de MOVIMENTAÇÃO 2010 Empilhadeira Elétrica MEE 1.5 Ton MEE 2.0 Ton As Empilhadeiras Elétricas Menegotti são totalmente automatizadas, possuem controles de velocidade para deslocamento do equipamento

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO Diretoria de Graduação e Educação Profissional

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO Diretoria de Graduação e Educação Profissional 1. Edital 02/2015 DIRGRAD-CP Retificado em 16/03/2015 Seleção de alunos para projetos de Melhoria dos Cursos de Graduação e Técnicos de Nível Médio da UTFPR O Diretor de Graduação e Educação Profissional

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ANDRYWS WILLIAM CORREIA FABIO SILVA BORA GUILHERME AUGUSTO MEIRA BATISTA

Leia mais

EDITAL Nº 002/2011 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

EDITAL Nº 002/2011 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA EDITAL Nº 002/2011 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E MATRÍCULA 1. INFORMAÇÕES GERAIS A direção da Faculdade de Ciências, Educação e Tecnologia de Garanhuns da Universidade

Leia mais

TRANSPORTADORES DE CORREIA

TRANSPORTADORES DE CORREIA 1. DESCRIÇÃO Os Transportadores de correia é a solução ideal para o transporte de materiais sólidos a baixo custo. Sua construção é compacta e com excelente desempenho funcional. Sua manutenção é simples

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ UESPI - PREX

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ UESPI - PREX EDITAL Nº 022/2015 A Universidade Estadual do Piauí, por meio da Pró-Reitoria de Extensão, Assuntos Estudantis e Comunitários - PREX, através do MEMO Nº 010/2015 Departamento de Engenharia - DENG, torna

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

PLANILHA DE MATERIAIS/SERVIÇOS E QUANTIDADES TERMINAL DE CARGAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL EDUARDO GOMES EM MANAUS - AM.

PLANILHA DE MATERIAIS/SERVIÇOS E QUANTIDADES TERMINAL DE CARGAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL EDUARDO GOMES EM MANAUS - AM. PLANILHA DE MATERIAIS/SERVIÇOS E QUANTIDADES LOCAL DA OBRA: OBJETO: TERMINAL DE CARGAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL EDUARDO GOMES EM MANAUS AM. CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA FORNECIMENTO E INSTALAÇÃO

Leia mais

NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE

NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO! Capacitação dos empresários! Capacitação das empresas! O Produto CAPACITAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS Capacitação

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Engº. Cláudio Sei Guerra OUTUBRO - 2006 Revisado ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 06 4. Porta-Pallets

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

FLUXO CONSULTORIA EMPRESA JÚNIOR DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO EDITAL Nº 01, DE 02 DE MARÇO DE 2015

FLUXO CONSULTORIA EMPRESA JÚNIOR DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO EDITAL Nº 01, DE 02 DE MARÇO DE 2015 FLUXO CONSULTORIA EMPRESA JÚNIOR DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO EDITAL Nº 01, DE 02 DE MARÇO DE 2015 PROCESSO DE ADMISSÃO DE MEMBROS EFETIVOS 2015.2 PAME 2015.2

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EDITAL DO PREGÃO AMPLO Nº 008/2010-ER05-Anatel PROCESSO Nº 53528.001004/2010 Projeto Executivo e Estudos de Adequação da nova Sala de Servidores da rede de

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO

SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO EDITAL 002/2015 - DA SELEÇÃO DE PROFESSOR PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO O Diretor Acadêmico da Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza FAMETRO, no uso de suas atribuições regimentais, torna pública a realização

Leia mais

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas;

a) Peso Bruto Total Combinado - PBTC igual ou inferior a 74 toneladas; RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 211, de 13/11/2006 Requisitos necessários à circulação de Combinações de Veículos de Carga - CVC, a que se referem os arts. 97, 99 e 314 do Código de Trânsito Brasileiro - CTB. O CONSELHO

Leia mais