A judicialização da saúde e a política nacional de assistência farmacêutica no Brasil: gestão da clínica e medicalização da justiça

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A judicialização da saúde e a política nacional de assistência farmacêutica no Brasil: gestão da clínica e medicalização da justiça"

Transcrição

1 ARTIGO DE REVISÃO A judicialização da saúde e a política nacional de assistência farmacêutica no Brasil: gestão da clínica e medicalização da justiça The judicialization of healthcare and the pharmaceutic care national policy in Brazil: the clinic management and the medicalization of the justice Eli Iola Gurge A ndrade 1 ; C arlos D alton Machado 2 ; D aniel Resende Faleiros 3 ; D aniele A raújo C am pos Szuster 4 ; A ugusto A fonso Guerra Júnior 5 ; Grazielle D ias da Silva 6 ; Mariângela Leal C herchiglia 7 ; Francisco de A ssis A cúrcio 8 R E S U M O 1 D outora Professora-A ssociada do D epartam ento de Medicina Preventiva e Social,Faculdade de Medicina, U FMG. 2 Mestre Professor-A ssistente do D epartam ento de Pediatria,Faculdade de Medicina,U FMG. 3 B olsista de D esenvolvim ento Tecnológico e Industrial do CN Pq,D epartam ento de Medicina Preventiva e Social, Faculdade de Medicina,U FMG. 4 Técnica da Á rea de Econom ia da Saúde e D esenvolvim ento da Secretaria Executiva do Ministério da Saúde. 5 D outorando em Saúde Pública do Program a de Pós- Graduação em Saúde Pública.Faculdade de Medicina, U FMG - Superintendente de A ssistência Farm acêutica da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. 6 Mestre - A ssessora Técnica da Superintendência de A ssistência Farm acêutica da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. 7 D outora - Professora Adjunta do D epartam ento de Medicina Preventiva e Social,Faculdade de Medicina,U FMG. 8 D outor Professor-A ssociado do D epartam ento de Farm ácia,faculdade de Farm ácia,u FMG. A inda são raras as referências de estudos publicados no país que tenham com o objeto o fenôm eno denom inado judicialização da saúde (dem andas judiciais para acesso a serviços e insum os de saúde).a com plexidade do fenôm eno,por suscitar a interface entre Judiciário e Executivo,confrontados no desafio constitucional de garantir os direitos dos cidadãos à atenção integral à saúde,repercute no constrangim ento dos gestores do sistem a de saúde pública,frente aos m ecanism os jurídicos que visam a garantir aos pacientes/usuários a assistência m édica recom endada.esse fenôm eno apresenta correlação com eventos sim ilares ocorridos em países que possuem sistem as universais de saúde e m esm o naqueles onde há predom inância de seguros privados. Percebe-se que os sistem as de saúde,sem pre sob contingenciam ento orçam entário, são m ais ou m enos perm eáveis às pressões externas de grupos de interesses e à ação das lideranças políticas.porém,em todos os sistem as,são os profissionais de saúde quem m ais influenciam o setor,supostam ente sob o im perativo tecnológico da m edicalização.para se investigar tal fenôm eno na assistência farm acêutica,com o instrum ento de garantia do acesso e/ou de incorporação de novas tecnologias ao sistem a público de saúde no Brasil,é necessário o desenvolvim ento de um m arco conceitual.n este trabalho,a partir de revisão da literatura,são apresentadas as bases conceituais para a discussão da judicialização da saúde no Brasil. Palavras-chave: A ssistência Farm acêutica; Políticas,Planejam ento e A dm inistração em Saúde; Equidade em Saúde A B S T R A C T Instituição: D epartam ento de Medicina Preventiva e Social,Faculdade de Medicina,Grupo de Pesquisa em Econom ia da Saúde (GPES/U FMG) Endereço para correspondência: Eli Iola Gurgel A ndrade Faculdade de Medicina da U FMG A v.a lfredo B alena,190 / sala 706 B elo H orizonte MG CEP Em ail: m edicina.ufm g.br There are still very few published studies references in the country that have as the matter the phenomenon called judicialization of healthcare / judicialização da saúde (lawsuits for access to health services and resources). The phenomenon complexity, that raises the interface between the Judiciary and the Executive powers, confronted in the constitutional challenge of granting the rights of citizens to the integral healthcare, impacts on the constraint of the public healthcare systems management before the juridical mechanisms that aim to grant to the patients/users the recommended medical care. This phenomenon presents co-relation with similar events occurred in countries where there are healthcare universal systems and even in those where there is healthcare private insurance predominance. It is noted that the healthcare systems, always under budget contingences, are more or less permeable to the external pressures from the interest groups and to the political leaderships actions. However, in every system, the healthcare professionals are those who have more influence on the sector, supposedly upon the medicalization technological imperative. In order to investigate this phenom- 46 Suplemento_Conceicao.indb :21:04

2 enon in the pharmaceutic care, as a tool for granting the access and/or incorporation of new technologies to the healthcare public system in Brazil, it is necessary the development of a conceptual mark. In this paper, starting from the literature review, the conceptual basis for the discussion on the judicialization of healthcare in Brazil are presented. Key words: Pharmaceutical Care;Health Policy, Planning and M anagement;equity in Health IN T R O D U Ç Ã O N o Brasil, ainda são raras as referências a estudos publicados em periódicos que tenham com o objeto o fenôm eno da cham ada judicialização da saúde.a com plexidade do fenôm eno, por suscitar a interface entre esferas do Poder Público - Judiciário e Executivo -,confrontados no desafio constitucional de garantir os direitos universais dos cidadãos à atenção integral à saúde,repercute no constrangim ento dos gestores do sistem a de saúde pública frente aos m ecanism os jurídicos que visam a garantir aos pacientes/usuários a assistência m édica recom endada. Tais constrangim entos ultrapassam os conflitos relacionados à alocação de recursos lim itados, culm inando,em alguns casos,em processos crim inais envolvendo os responsáveis pela gestão do sistem a de saúde. Se,por um lado,as decisões judiciais visam a garantir o atendim ento ao direito e às necessidades do cidadão,por outro rem etem ao gestor a responsabilidade da decisão de alocação de recursos que m uitas vezes contradita o princípio da equidade em saúde. O s conflitos tornam -se ainda m ais com plexos quando se considera que no vértice de tais decisões encontra-se um a indicação m édica. Prem ente é a necessidade de se problem atizar,para além da avaliação do im pacto econôm ico de per se bastante im portante,os paradigm as que perm eiam as instituições e atores envolvidos nesse fenôm eno,conhecido no B rasil com o judicialização.sob contingenciam ento orçam entário, os sistem as são m ais ou m enos perm eáveis às pressões externas de grupos de interesses e à ação das lideranças políticas.porém,em todos os sistem as de saúde,são os profissionais de saúde quem m ais influenciam o setor,supostam ente sob o im perativo tecnológico da m edicalização. O im perativo de contenção de custos se contrapõe ao im perativo tecnológico,porém o alto grau de conhecim ento especializado necessário para se entender o problem a da contenção e seus trade-offs tende a fortalecer as soluções burocráticas,em sua natureza de im por sanções. 1 P A R A D IG M A S E N V O L V ID O S N A J U D IC IA L IZ A Ç Ã O E M S A Ú D E A clínica m oderna tem suas origens nos rápidos e num erosos progressos que tiveram a anatom ia e a fisiologia hum ana,após a Era Renascentista.A partir de então, houve incessante progresso das técnicas e à m edida que m ais e m ais problem as hum anos passaram a ser resolvidos com originalidade,m ais o conhecim ento se especializou e se parcializou.o m étodo experim ental tornou a fisiologia base da patologia e da terapêutica.d e anatôm ica, a Medicina tornou-se fisiológica. A lesão foi substituída pelo problem a funcional,a doença tornou-se um a perversão dos atos fisiológicos e a clínica passou a estudar os m odos de produção e interpretação dos fenôm enos m órbidos. 2 C om Louis Pasteur ganharam dim ensão política os conceitos de etiologia,patogenia e patologia, ao associar estados m órbidos diferentes ao m esm o m icrorganism o ou à im portância etiológica e patogênica das associações m icrobianas.a anatom ia patológica passou a se orientar no sentido etiológico e seu m aior objetivo passou a ser associar os relatos íntim os das lesões com a causa que as produzia. Tornando conhecidas as causas, as origens e o m odo de produção das epidem ias, passou a Medicina a propor os m eios para com batê-las.é o anúncio da autonom ia do em pirism o e a slínica vai abandonar sua fundam entação m etafísica,iniciando a era da m edicalização.o term o m edicalização surge na obra de Jacques Leonard 3 com o um a expressão puram ente dem ográfica que denotava a contagem do núm ero de m édicos e o núm ero de habitantes,ou seja,um a espécie de geografia de um a profissão em saúde. 4 O corpo em pírico passa a ser um a entidade constituída de inform ação e as inform ações tornam -se com partilhadas entre organism os públicos e privados. A clínica terá indivíduos e territórios sob suspeição,controle ou intervenção,em que todos os 47 Suplemento_Conceicao.indb :21:04

3 aspectos da vida serão escrutinados.ela passa a higienizar o presente e prom etendo controlar a gestação de um futuro no qual os elem entos surgiriam fortes e triunfantes sobre a dor e o sofrim ento, com a vida prolongada (anos acrescidos à vida e vida acrescida aos anos),vivendo em com unidade com o cidadãos livres e produtivos. A higiene, cam po originário da saúde pública ou coletiva,invadiu todos os cam pos da vida social, transform ando-se em um instrum ento natural de m oralização das sociedades,a partir da profilaxia das doenças físicas,m entais ou m orais. Medicalização é o term o que faz referência à redefinição de problem as existentes em um a linguagem m édica,ocorrida a partir do final do século XIX.Problem as até então sob o dom ínio da religião passaram à ordem m édica.mais do que um a conquista profissional, tal processo representou um a m udança cultural. 5 Mas,foram os investim entos em pesquisas aplicados à clínica e a saúde pública (principalm ente no desenvolvim ento de vacinas, antiparasitários, cam panhas contra a tuberculose e pesquisas genéticas) que representaram um a verdadeira revolução científica,financiada por m ilhões de dólares investidos pela filantropia am ericana,no período de 1913 a 1928,colocando a Medicina am ericana no pedestal de onde não desceu m ais. A s duas Grandes Guerras consolidaram o m o- delo técnico-científico-industrial am ericano, do qual a Medicina passou a se beneficiar a partir de avanços extraordinários da bioengenharia, principalm ente a partir da década de 1950,após um período em que predom inaram os paradigm as de controle de doenças infecto-parasitárias e da desnutrição,associados a tecnologias de baixo custo. À m edida que a Medicina se sofisticava tecnologicam ente e um núm ero crescente de cidadãos passava a ter acesso às novas práticas, os serviços de saúde,para além da filantropia,passaram a ser ofertados em am bientes altam ente institucionalizados. Tais estruturas deram origem a um a prática m é- dica independente,com diagnóstico e tratam ento não sujeitos a controles externos à profissão (autogovernança),investidos de legitim idade para certificar a vida e a m orte,e com a responsabilidade de liderar e coordenar outros profissionais de saúde. 6,7 Com o aum ento da densidade organizacional e a m aquinaria do Estado de B em -Estar Social,princi- palm ente após a década de 1940,iniciou-se um a gradativa m odificação em tal configuração. O s avanços tecnológicos e científicos prim eiro m udaram o poder de controle dos filantropos sobre os m édicos,na prim eira m etade do século X X,perm itindo o poder absoluto e m onopolista de um a elite m édica.posteriorm ente,com a crescente proliferação de especialidades e novas profissões de saúde,com a m odificação do papel do hospital e a em ergência de novas redes de atenção à saúde, e tudo isso em um am biente de dem ocratização das relações,acabou-se por deteriorar a condição eclesiástica da elite m édica. O s elevados custos relacionados tanto às tecnologias de diagnóstico quanto às terapêuticas e a am pla incorporação das m áquinas-ferram entas que substituem o trabalho hum ano tornaram necessário o surgim ento da gestão,cujo m odelo foi buscado nas fábricas (fordism o,taylorism o,toyotism o),tendo o m odo de em prego das m áquinasferram entas passado a exigir tam bém a produção de conhecim ento.surgiu então a gestão científica em saúde,com paradigm as e m odelos desenvolvidos e articulados nos cam pos disciplinares da análise da política pública e teoria das organizações. 8 O s novos gestores agora necessitavam ter conhecim ento sobre as técnicas (o processo de trabalho em saúde),ser versados em adm inistração e ser adeptos a processos políticos, o que veio a se consolidar nas noções de planejam ento estratégico em saúde. G E S T Ã O D A C L ÍN IC A E A M E D IC A L IZ A Ç Ã O D A J U S T IÇ A C ada configuração tecnológica cria novas realidades econôm icas sociais e culturais.a partir de investigações originadas da Eletrônica, da Física, da Bioquím ica e das Ciências da Inform ação,surgiram as m áquinas-ferram entas com am pla e crescente utilização no cam po da saúde. D a análise genética às diversas tecnologias de im agem ; dos instrum entos doadores de inform ação sobre variações de estado de pacientes críticos à pesquisa epidem iológica; da produção de vacinas e novas terapêuticas ao dom ínio de novas técnicas cirúrgicas; da produção de alim entos industrializados e enzim as de substituição à intim idade da vida sexual; não se passa um dia,neste novo século,em que 48 Suplemento_Conceicao.indb :21:04

4 não se descreva um a nova descoberta relacionada às biotecnologias e às novas práticas que elas dem andam ou asseguram. H ábitos e atitudes em relação ao cuidado de saúde m oldam o com portam ento em saúde. A educação,dissem inação de inform ações,o conhecim ento com partilhado,a legislação e a regulação atuam com o com plem ento à ação dos agentes de saúde e variam seu im pacto de acordo com o am - biente psicossocial. D iante disso,no entanto,a am eaça para os sistem as de saúde é enveredar-se em um a verdadeira espiral de m edicalização e incorporação tecnológica. O s problem as apontados inicialm ente por econom istas da saúde am ericanos estão principalm ente localizados no m ercado dos artefatos tecnológicos e dos insum os em saúde (principalm ente m edicam entos) e no tem po de perm anência hospitalar, em que os m édicos tom am as m aiores decisões em relação às necessidades dos consum idores,caracterizando um incentivo perverso à dem anda,que insufla os custos. 9 U m a das alternativas a serem consideradas passou a ser a lim itação da autonom ia m édica com o resposta da política pública ao im perativo de contenção de custos. O pressuposto é que existiria um a base racional para julgar a qualidade e a quantidade de serviços m édicos para estabelecer-se um a base de oferta de serviços.por suposto,o contra-efeito seria estabelecer um a justificativa para a não-oferta de serviços considerados insatisfatoriam ente rem unerados e a revisão da necessidade e propriedade de se prestar assistência aos out-liers 10,portadores de doenças consideradas órfãs ou eventos catastróficos. A s cham adas doenças catastróficas são agravos que possibilitam argum entação jurídica para o acesso ao tratam ento.n o Chile,por exem plo,83% dos cidadãos com m ais de 65 anos de idade e com doenças catastróficas são assistidos pelo setor privado.entretanto,planos privados e seguros de saúde procuram não cobrir tais agravos.d e todo m odo, os custos desses tratam entos ultrapassam o que as fam ílias podem arcar com recursos próprios. 11 O utro fato,m undialm ente conhecido agravado no Brasil pelo envelhecim ento rápido da população e pela dupla carga das doenças,é o aum ento das doenças crônicas,que representa um sério desafio aos atuais sistem as de saúde, colocando em cheque a capacidade de organização desses sistem as na superação das dem andas im inentes. 12 O S IS T E M A B R A S IL E IR O A C onstituição Federal de 1988 (C F/88) estabelece o direito à saúde no Brasil,pautado pelos princípios da universalidade,igualdade e equidade,m e- diante o acesso dos cidadãos às ações e serviços de saúde.a s ações e serviços de saúde são de relevância pública, ficando inteiram ente sujeitas à regulam entação,fiscalização e controle do Poder Público a quem cabe executá-los diretam ente ou por terceiros,segundo norm as para o financiam ento. 13 Para viabilizar tais direitos,foi instituído o Sistem a Ú nico de Saúde (SU S),organizado segundo os princípios constitucionais e regulam entado pela Lei nº.8.080/90 (Lei O rgânica da Saúde),bem com o pela Lei nº.8.142/90 - que disciplina a participação da sociedade na gestão do sistem a. Mediante o direito preconizado e o sistem a para viabilizá-lo,qualquer cidadão em solo nacional tem institucionalm ente garantido o direito de atenção à saúde.d esta form a,nos últim os anos, o núm ero de dem andas judiciais para garantia de tal direito tem tom ado vulto jurídico e financeiro. D iferentes são os pedidos dessas prestações,entretanto,a grande m aioria é por m edicam entos. O im pacto financeiro de tais ações tem m otivado a busca por com preensão e avaliação desse fenôm eno por parte dos gestores de saúde. N o Brasil,a assistência farm acêutica tem o objetivo de garantir o acesso da população aos m e- dicam entos essenciais,ou seja,aqueles que satisfazem as necessidades de saúde da m aioria da população disponíveis a todos, em quantidades adequadas e em dosagens apropriadas e prover o uso adequado e racional dos m esm os. 14 A s program ações e aquisições são de responsabilidade da U nião,estados,d istrito Federal e m unicípios, em conform idade com os critérios técnicos e adm inistrativos disciplinados segundo as diretrizes da Política de A ssistência Farm acêutica e a Política N acional de Medicam entos (Lei n.º 3.916,de 30 de outubro de 1998). D ados de pesquisa sobre dem andas judiciais por m edicam entos no SU S no país,desenvolvida pelo grupo de Pesquisa em Econom ia da Saúde GPES/U FMG,apontam o estado de Minas Gerais com o o de m aior volum e de dem andas (27% das ações entre janeiro de 2003 e agosto de 2005), representando 34% de todos os m edicam entos solicitados Suplemento_Conceicao.indb :21:04

5 N um a breve análise,pode-se inferir que a via judicial tem propiciado o exercício dos princípios constitucionais da universalidade,integralidade e equidade na assistência à saúde. Porém, quando se analisa de form a m ais am pla,percebe-se um a lógica adversa: se,por um lado,as decisões judiciais visam a garantir o atendim ento ao direito e às necessidades do cidadão,por outro,rem etem ao gestor a responsabilidade de decisões adm inistrativas que m uitas vezes contradizem os princípios constitucionais da equidade e acesso à assistência à saúde de qualidade. A partir dessas observações,constata-se a necessidade de aprofundam ento da pesquisa no sentido de estabelecer correlações entre a realidade brasileira e experiências sim ilares em outros sistem as de saúde.com este enfoque,o Grupo de Pesquisa em Econom ia da Saúde GPES\U FMG obteve apoio, por m eio do Edital MC T/CN Pq/MS-SC TIE- D EC IT/C T-Saúde, nº 33/2007, para o desenvolvim ento da pesquisa - Im pacto das ações judiciais na política nacional de assistência farm acêutica: gestão da clínica e m edicalização da justiça,cujos resultados prelim inares de revisão bibliográfica constituem -se em m atéria deste artigo. R E F E R Ê N C IA S 1. Freddi G,Bjökm an JW.Controlling m edical professionals.the com parative politics of health governance. London; SAGE Publications; p. 2. Foucault M.O nascim ento da clínica.rio de Janeiro: Forense U niversitária; 1998.p Leonard J.La France m édicale au XIXèm e Siècle.Paris: Gallim ard/julliard; Faure O.La m édicalisation vue par les historiens.in: A ïach P,D elanoë D.L ère de la m édicalisation.ecce hom o sanitas.paris: Econôm ica;1998.p A ïach P,D elanoë D.L ère de m édicalisation : ecce hom o sanitas.paris: A nthropos; p. 6. Freidson E.The changing nature of professional control.a nn Rev Sociology.1984; 10: Salm on JW.The corporate transform ation of health care.issues and directions.n ew York: Bayw ood Publishing; p. 8. Freddi G.Problem s of organizational rationality in health system s: political controls and policy options.in: Freddi G,Bjökm an JW.Controlling m edical professionals.the com parative politics of health governance. London: Sage Publications; 1989.p H ollingw orth JR.Structure and perform ance of the m edical care delivery system s of the U nited K ingdom and the U nited States.In: Freddi G,Bjökm an JW.Controlling m edical professionals.the com parative politics of health governance.london: Sage Publications; 1989.p Bjökm an JW.Politicizing Medicine and m edicalizing politics: physician pow er in the U nited States.In: Freddi G,Bjökm an JW.Controlling m edical professionals. The com parative politics of health governance.london: Sage Publications; 1989.p The W orld Bank.The International Bank for Reconstruction and D evelopm ent.chile health insurance issues: old age and catastrophic health costs (A W orld Bank country study).w ashington: W orld Bank; O rganização Mundial da Saúde.Cuidados inovadores para condições crônicas: Com ponentes estruturais de ação.brasília: O rganização Mundial da Saúde; Brasil.Presidência da Republica.Casa Civil.Subche- a para A ssuntos Jurídicos.Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.[Citado em 10 out. 2008].D isponível em : w w.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui% C3% A 7ao.htm. 14.Brasil.Ministério da Saúde.Secretaria de Políticas de Saúde.A ssistência farm acêutica: instruções técnicas para a sua organização.secretaria de Políticas de Saúde.Brasília: Ministério da Saúde; Faleiros D R,Guerra Junior A A,Szuster D AC.A questão das dem andas judiciais por m edicam entos no SU S. In: Brasil.Ministério da Saúde.Conselho N acional de Secretarias Municipais de Saúde.Prêm io Sergio A rouca de Gestão Participativa: experiências exitosas e trabalhos acadêm icos Ministério da Saúde,Conselho N acional de Secretarias Municipais de Saúde.Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2008.p Suplemento_Conceicao.indb :21:04

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo Capítulo IV - Genéricos no Brasil Capítulo V - Bioequivalência e Equivalência

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp PROGRAMA NACIONAL pronamp PROGRAMA NACIONAL A modernização e o fortalecimento do Ministério Público é ação necessária ao progresso da segurança jurídica e da igualdade de todos os cidadãos (Documentos

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2/8/201 e-mec - Funcionário MEC Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20120377 Código MEC: 83997 Código da Avaliação: 1080 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status:

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 200910861 Código MEC: 361064 Código da Avaliação: 84943 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Intrumento: RELATÓRIO

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Assunto: Processo CVM Nº RJ 2014/6202. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV Page 1 of 5 %RDFRPXQLFDomRLQWHUQDpYDQWDJHPFRPSHWLWLYD $FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV 1DUD'DPDQWH Do presidente para

Leia mais

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 ASSUNTO: GPC Participações S.A. Recurso adm inistrativo Processo CVM RJ-2014-4201 Senhor Gerente, I. Síntese 1. Trata-se de recurso

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 011065 Código MEC: 59694 Código da Avaliação: 91590 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Intrumento: RELATÓRIO

Leia mais

Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS Engenharia de Manutenção e Sistemas

Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS Engenharia de Manutenção e Sistemas 2010 O conteúdo deste documento tem por objetivo orientar sobre as atividades que entendemos serem necessárias para atender aos requisitos solicitados pelo cliente. Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFPMT04 O ENSINO DA HOMEOPATIA COMO INSTRUMENTO DE CONSOLIDAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NO SUS Tattiane Ribeiro de Sousa (2). Euler Albuquerque (1), Flávia Pessoa

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 0/09/12 e-mec - IES Informações gerais da avaliação: Protocolo: 201107377 Código MEC: 62312 Código da Avaliação: 9128 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada

Leia mais

&XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR

&XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR &XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR GH$o}HV 'HVFULomR Em um m undo globalizado, com o o que vivem os atualm ente, a econom ia brasileira sofre influência direta de acontecim entos externos, que nem

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/10139. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da

Leia mais

,&(7±,QVWLWXWRGH&LrQFLDH7HFQRORJLD

,&(7±,QVWLWXWRGH&LrQFLDH7HFQRORJLD 3ULPHLUD$XOD :. Apresentação :. Frase :. Avisos :. Sistem a de Avaliação :. Bibliografias (Básica e Com plem entar) :. Em enta :. Objetivos Gerais :. Objetivos Específicos :. Conteúdo Program ático $SUHVHQWDomR

Leia mais

MDS Versão 2.2 - Outubro/2006

MDS Versão 2.2 - Outubro/2006 MDS - Outubro/2006 Manual elaborado com base na versão 3.14. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 5 2 INSTALANDO O SISTEMA... 6 3 ATUALIZANDO O SISTEMA...10 4 IDENTIFICAÇÃO NO SISTEMA / MANUTENÇÃO...12 4.1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 11/12/201 e-mec/inep = Docentes / Avaliadores Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20081152 Código MEC: 415702 Código da Avaliação: 92891 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Ato Regulatório: Renovação de Reconhecim

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 0110777 Código MEC: 611 Código da Avaliação: 917 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Instrumento: RELATÓRIO

Leia mais

Uma metodologia com enfoque estratégico-situacional/com unicativo

Uma metodologia com enfoque estratégico-situacional/com unicativo PLANEJAMENTO EM UNIDADES DE APS/SUS Uma metodologia com enfoque estratégico-situacional/com unicativo Momentos do processo de planejamento Finalidades, m etodologias, instrum entos e técnicas Construindo

Leia mais

Parte 3 : Gravação de CDs

Parte 3 : Gravação de CDs Parte 3 : Gravação de CDs Durante vários anos, os CDs foram m ídias som ente para leitura. Você podia com prar um program a em CD, m as se por algum m otivo precisasse copiá-lo teria que usar disquetes,

Leia mais

Pe n sa n do e m V u ln e r a bilida de s, Am e a ça s e Riscos

Pe n sa n do e m V u ln e r a bilida de s, Am e a ça s e Riscos Pensando em Vulnerabilidades, Am eaças e Riscos Objetivos Avaliar am eaças e riscos à segurança de redes. Após concluir este capítulo, você estará preparado para executar as seguint es t arefas: Tarefas

Leia mais

Consultas e Serviços Especiais, com 0 (zero) dispositivos de segurança (Token) Agência: 3943 Conta Corrente: 13 001897-8 Titularidade: Cliente

Consultas e Serviços Especiais, com 0 (zero) dispositivos de segurança (Token) Agência: 3943 Conta Corrente: 13 001897-8 Titularidade: Cliente Termo de Adesão aos Serviços do Internet Banking Empresarial São partes neste Instrum ento: BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., instituição financeira com sede no Município de São Paulo, Estado de São Paulo,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 2010928 Código MEC: 77906 Código da Avaliação: 101272 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Instrumento: RELATÓRIO

Leia mais

Processo CVM nº RJ2013/11017

Processo CVM nº RJ2013/11017 Processo CVM nº RJ2013/11017 Interessados: Assunto: Diretora Relatora: Citibank DTVM S.A. Pedidos de dispensa de requisitos da Instrução CVM nº 356, de 2001, com alterações introduzidas pela Instrução

Leia mais

Contrato Particular de Cessão de Prom essa de Com pra e Venda de Unidade Autônom a Condom inial com Cláusula Suspensiva e Outras Avenças;

Contrato Particular de Cessão de Prom essa de Com pra e Venda de Unidade Autônom a Condom inial com Cláusula Suspensiva e Outras Avenças; Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 49/2014 De: SRE Data: 06.08.2014 Assunto: Processo CVM RJ2014/6342. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 200710559 Código MEC: 170552 Código da Avaliação: 60151 Ato Regulatório: Autorização Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Intrumento:

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO 1. Trata-se de proposta de Termo de Compromisso apresentada por KPMG Auditores Independentes

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 16/09/1 e-mec/inep = Docentes / Avaliadores Informações gerais da avaliação: Protocolo: 2007469 Código MEC: 11621 Código da Avaliação: 80058 Ato Regulatório: Recredenciam ento Categoria Módulo: Instituição

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA HP SOURCE DATA GATHERING

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA HP SOURCE DATA GATHERING autor: Sofia Alexandra de Andrade Rio Tinto (nome completo) ; e_mail1 (da insitituição de ensino ou trabalho) sofiariotinto@clix.pt supervisão: Luís Saboga Nunes e_mail1: saboga@ensp.unl.pt e_mail2: saboga@hotmail.com;

Leia mais

RELATÓRIO. a) quando o Manual de Auditoria fosse revisado/alterado, então seria incluído o novo program a form alizado para os exames do ambiente PED;

RELATÓRIO. a) quando o Manual de Auditoria fosse revisado/alterado, então seria incluído o novo program a form alizado para os exames do ambiente PED; PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM N.º RJ 2013/13355 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM N.º RJ 2014/6913 RELATÓRIO 1. Trata-se de proposta de Termo de Compromisso

Leia mais

Curso preparatório para CPA 20 ANBIMA

Curso preparatório para CPA 20 ANBIMA A A/C.: CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Superintendência RJ SUL DANIELA MENDES Curso preparatório para CPA 20 ANBIMA www.investorbrasil.com INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma empresa que nasceu da necessidade

Leia mais

Edital de Credenciamento de Consultores Nº 01/ 2009 Rev 01 05/ 01/ 2009

Edital de Credenciamento de Consultores Nº 01/ 2009 Rev 01 05/ 01/ 2009 Edital de Credenciamento de Consultores Nº 01/ 2009 Rev 01 05/ 01/ 2009 (',7$/'(&5('(1&,$0(172'2029,0(172&$7$5,1(16(3$5$(;&(/Ç1&,$ 1ž &5('(1&,$0(172'(3(662$6)Ë6,&$6(-85Ë',&$63$5$&203252&$'$6752 '(&2168/725(6'2029,0(172&$7$5,1(16(3$5$(;&(/Ç1&,$

Leia mais

SERVIÇO VOLUNTÁRIO. Sergio Pinto Martins* 1 HISTÓRICO

SERVIÇO VOLUNTÁRIO. Sergio Pinto Martins* 1 HISTÓRICO SERVIÇO VOLUNTÁRIO Sergio Pinto Martins* SUMÁRIO: 1 Histórico; 2 Conceito; 3 Distinção; 4 Natureza jurídica; 5 Características; 6 Termo de adesão; 7 Tomador dos serviços; 8 Atividades; 9 Ajuda de custo;

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 74/2014 De: SRE Data: 19.11.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 74/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 74/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/10135. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20106079 Código MEC: 78694 Código da Avaliação: 102126 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Instrumento: RELATÓRIO

Leia mais

A Economia da Saúde como Instrumento de Gestão (Hospitalar)

A Economia da Saúde como Instrumento de Gestão (Hospitalar) UNIFESP A Economia da Saúde como Instrumento de Gestão (Hospitalar) Dr. Marcos Bosi Ferraz Professor Adjunto, Departamento de Medicina e Coordenador do Centro Paulista de Economia da Saúde CPES UNIFESP

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº 11/2012 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM Nº RJ 2014/27

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº 11/2012 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM Nº RJ 2014/27 PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº 11/2012 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM Nº RJ 2014/27 RELATÓRIO 1. Trata-se de propostas de celebração de Term

Leia mais

O processo de criação

O processo de criação O processo de criação 1 Mônica Leoni Esta exposição não tem a pretensão de ser a conclusão de algo, m as sim a de explorar um tem a. O tem a a ser explorado é o processo criativo, em dois m om entos diferentes,

Leia mais

5º FESTIVAL ESTUDANTIL DE DANÇA

5º FESTIVAL ESTUDANTIL DE DANÇA 1 5º FESTIVAL ESTUDANTIL DE DANÇA O 5º FESTI VAL ESTUDANTI L DE DANÇA visa dar continuidade ao m ovim ento já estabelecido - 4 anos - e propiciar as crianças e jovens da com unidade rondonopolitana, o

Leia mais

DIRETORES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS E A PARTICIPAÇÃO EM LUCROS OU RESULTADOS DA LEI N 10.101/00

DIRETORES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS E A PARTICIPAÇÃO EM LUCROS OU RESULTADOS DA LEI N 10.101/00 DIRETORES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS E A PARTICIPAÇÃO EM LUCROS OU RESULTADOS DA LEI N 10.101/00 Ricardo Peake Braga* SUMÁRIO: 1 Conceito de empregado; 2 O diretor de sociedade anônima; 3 Participação nos

Leia mais

APOSTILA EXCEL AIM - 2010. Prof. Helio Canavesi Filho

APOSTILA EXCEL AIM - 2010. Prof. Helio Canavesi Filho APOSTILA EXCEL AIM - 2010 Prof. Helio Canavesi Filho &DStWXOR$SUHVHQWDomRGR([FHO 6XPiULR &DStWXOR,QLFLDQGRR0LFURVRIW([FHO &DStWXOR/LQKDV&ROXQDVH&pOXODV &DStWXOR3DVWDGHWUDEDOKRH3ODQLOKDV &DStWXOR&RPRFULDULQVHULUH[FOXLUHPRYHUSODQLOKDV

Leia mais

CRA/AM. Editorial BOLETIM ELETRÔNICO PROJETO CRA/AM NA ESTRADA

CRA/AM. Editorial BOLETIM ELETRÔNICO PROJETO CRA/AM NA ESTRADA PROJETO NA ESTRADA Presidente do recebe moção da Câmara de vereadores O Vereador Hom ero de Miranda Leão encam inhou u m a M o ç ã o d e Parabenização ao Adm. Nelson Aniceto Fonseca Rodrigues, pela posse

Leia mais

Direitos reservados - Epora e Actcon Direitos reservados - Epora e Actcon

Direitos reservados - Epora e Actcon Direitos reservados - Epora e Actcon VIRTUS Letramento - Módulo Matemática Caderno de Orientações ao Professor Maria Virgínia Ferrara de Carvalho Barbosa Luciana Maria Tenuta de Freitas Rosa Maria Pires Bueno Denise Alves de Araujo Valéria

Leia mais

As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1

As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1 2015/ 10/ 28 As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1 Alexandre Reis Rodrigues I n t r o d u ção O envolvim ento das Forças Arm adas

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

S U M Á R I O Panorama do setor de distribuição de insumos no Brasil Aspectos gerenciais e desafios da distribuição no agronegócio

S U M Á R I O Panorama do setor de distribuição de insumos no Brasil Aspectos gerenciais e desafios da distribuição no agronegócio SUMÁRIO Nota sobre a Markestrat, xiii Nota sobre a Uni.Business Estratégia, xvii Depoimentos, xix A iniciativa AgroDistribuidor, xxi Prefácio 1, xxiii Prefácio 2, xxv Introdução, 1 1 Panorama do setor

Leia mais

Bloco I Características de Controle da Empresa 12. Bloco II Valores e visões da empresa sobre RSE 16. Bloco III Relacionamento com Empregados 36

Bloco I Características de Controle da Empresa 12. Bloco II Valores e visões da empresa sobre RSE 16. Bloco III Relacionamento com Empregados 36 Ë1',&( 3iJ $SUHVHQWDomRGRUHODWyULR 3URFHGLPHQWRV0HWRGROyJLFRV $SUHVHQWDomRGRV5HVXOWDGRV $QH[RV Bloco I Características de Controle da Empresa 12 Bloco II Valores e visões da empresa sobre RSE 16 Bloco

Leia mais

PROGRAMA DE ESTUDOS E

PROGRAMA DE ESTUDOS E ESTU DO S & PESQ UISA S PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM REFORMA DO ESTADO E GOVERNANÇA Fundação Getúlio Vargas / Escola Brasileira de Administração Pública* OEstado brasileiro vem passando por transformações

Leia mais

4.3.16 T ab ela O p eraçõ es co m S u sp en são d a C o n trib u ição S o cial (C S T 09):

4.3.16 T ab ela O p eraçõ es co m S u sp en são d a C o n trib u ição S o cial (C S T 09): 4.3.16 T ab ela O p eraçõ es co m S u sp en são d a C o n trib u ição S o cial (C S T 09): C ódigo D escrição do Produto NCM Início de E scrituração M ês/a no 100 M A TÉR IAS -P RIM AS, P RO DU TOS IN

Leia mais

Processo Administrativo CVM n RJ2013/7943 Reg. Col. 8970/2014

Processo Administrativo CVM n RJ2013/7943 Reg. Col. 8970/2014 Processo Administrativo CVM n RJ2013/7943 Reg. Col. 8970/2014 Interessada: Sul Am érica S.A. Assunto: Trata-se de recurso interposto pela Sul Am érica S.A. contra decisão da SEP/SNC que decidiu pela inaplicabilidade

Leia mais

Processo Administrativo CVM n RJ2013/2422. Relatório

Processo Administrativo CVM n RJ2013/2422. Relatório Processo Administrativo CVM n RJ2013/2422 Reg. Col. nº 8980/2014 Interessados: Marcos Cordeiro Fernandes XP Investim entos CCTVM S/A Assunto: Recurso em Processo de Mecanism os de Ressarcim ento de Prejuízos

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Folha laudo grupo ghanem laboratório Projeto: Laudos de Exames Laboratoriais com Impressão em frente e verso Organização: Mob Laboratório de Análises Clônicas

Leia mais

PARA: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 60/2014 DE: SRE DATA: 03/09/2014

PARA: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 60/2014 DE: SRE DATA: 03/09/2014 PARA: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 60/2014 DE: SRE DATA: 03/09/2014 Assunto: Oferta Irregular de Valores Mobiliários Processos CVM nº RJ 2013-12207 Senhor Superintendente Geral, 1. Trata-se de oferta irregular

Leia mais

Análise da Política Nacional de Medicamentos no Brasil, 1999 a 2002: o caso dos Medicamentos Genéricos.

Análise da Política Nacional de Medicamentos no Brasil, 1999 a 2002: o caso dos Medicamentos Genéricos. Fundação Oswaldo Cruz Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães Departamento de Saúde Coletiva Mestrado em Saúde Pública Análise da Política Nacional de Medicamentos no Brasil, 1999 a 2002: o caso dos Medicamentos

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA 5ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA 5ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 de 12 27/06/2016 08:15 EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA 5ª VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Processo: 0803062-97.2016.4.05.8400 Autor: Conselho Regional de Fisioterapia

Leia mais

1.1 Introdução: a defesa com ercial na O M C... 3 1.2 Discussão de precedentes... 7. Malleable Cast Iron Tube or Pipe Fittings from Brazil

1.1 Introdução: a defesa com ercial na O M C... 3 1.2 Discussão de precedentes... 7. Malleable Cast Iron Tube or Pipe Fittings from Brazil SUM Apresentação... Prefácio... VII IX P artev I 1 A DEFESA COMERCIAL NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL D O COMÉRCIO Carolina Saldanha 1.1 Introdução: a defesa com ercial na O M C... 3 1.2 Discussão de precedentes...

Leia mais

Educação Corporativa: desenvolvendo competências em um mundo em transformação

Educação Corporativa: desenvolvendo competências em um mundo em transformação Capa Nos últimos anos, o conceito de educação corporativa adentrou o ambiente corporativo e transformou valores nas organizações. Mas será que as empresas têm tratado o assunto com o devido cuidado? Quem,

Leia mais

ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 026/2014 PROCESSO: 910-04.96/14-1

ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 026/2014 PROCESSO: 910-04.96/14-1 ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 026/2014 PROCESSO: 910-04.96/14-1 Em, às 09:00 horas, na EMPRESA GAUCHA DE RODOVIAS S/A - EGR, sito à AV. BORGES DE MEDEIROS, 261-3ºANDAR - PORTO ALEGRE - RS,

Leia mais

Gerenciador de proj et os; Transport e de m ensagens; Suporte às fases de desenvolvim ento e depuração; Proj et ado para sust ent ar escalabilidade;

Gerenciador de proj et os; Transport e de m ensagens; Suporte às fases de desenvolvim ento e depuração; Proj et ado para sust ent ar escalabilidade; Java Agent Developm ent Fram ew ork 1 O que é jade? É um m iddleware de agentes que im plem enta um a plataform a distribuída e um fram ework de desenvolvim ent o para SMA Desenvolvido pelo CSELT e Univ.

Leia mais

Atos do Poder Executivo

Atos do Poder Executivo N.º 123 - S e ç ã o 1, q u a rta - fe ira, 29 de junho de 2011 Atos do Poder Executivo DECRETO N º 7.5 0 8, D E 2 8 D E J U N H O D E 2 0 1 1 Regulam enta a Lei nº 8.080, de 19 de setem bro de 1990, para

Leia mais

III. Viabilidade do projeto de extensão e de seu im pacto técnico e social em nível local, regional, nacional e internacional;

III. Viabilidade do projeto de extensão e de seu im pacto técnico e social em nível local, regional, nacional e internacional; UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS E D I T A L Nº 161/13 O Pró-Reitor de Gestão de Pessoas da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria GR nº 122 de 08/03/2013,

Leia mais

C O M IS S Ã O E C O N Ô M IC A P A R A A A M É R IC A L A T IN A E O C A R IB E Escritório no Brasil

C O M IS S Ã O E C O N Ô M IC A P A R A A A M É R IC A L A T IN A E O C A R IB E Escritório no Brasil LC/BRS/R.172 Junho de 2006 Original: português CEPAL C O M IS S Ã O E C O N Ô M IC A P A R A A A M É R IC A L A T IN A E O C A R IB E Escritório no Brasil G L O B A L I Z A Ç Ã O, E S C A L A S T E R R

Leia mais

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade

Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. Prof. Mat eus Andrade Est udo da veloc idade das reaç ões quím ic as e dos fat ores que nela influem. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES CINÉTICAS I - Quant o à veloc idade Rápidas: neut ralizaç ões em m eio aquoso, c om bust ões,...

Leia mais

Edição 2013-2014 2013-2014. Projeto: Eu também posso ajudar com pequenos gestos Organização: CMEI Pinheirinho. Imagens: 1/1

Edição 2013-2014 2013-2014. Projeto: Eu também posso ajudar com pequenos gestos Organização: CMEI Pinheirinho. Imagens: 1/1 2 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 2013-2014 Projeto: Eu também posso ajudar com pequenos gestos Organização: CMEI Pinheirinho Imagens: 1/1 PÁGINA 1: Inform ações cadastrais: P1: Título

Leia mais

Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais *

Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais * Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais * Fábio Wanderley Reis E ste texto não pretende ser nem um relato factual n em um depoim ento pessoal a respeito da pós-graduação. Além disso, não

Leia mais

M etodologia para elaboração de projetos. Disciplina:Projeto Professora:Fabiana Besen

M etodologia para elaboração de projetos. Disciplina:Projeto Professora:Fabiana Besen M etodologia para elaboração de Disciplina:Projeto Professora:Fabiana Besen O que é um projeto? Caractersticas í de um projeto Projetos x opera ções contnuas í Dem andas de um projeto Etapas de um projeto

Leia mais

1.4. A idade m ínim a para participar do evento é de 16 (dezesseis) anos com pletos.

1.4. A idade m ínim a para participar do evento é de 16 (dezesseis) anos com pletos. &21)('(5$d 2%5$6,/(,5$'($87202%,/,602&%$ &216(/+27e&1,&2'(63257,921$&,21$/ )('(5$d 2&($5(16('($87202%,/,602±)&$ $662&,$d 2'(3,/2726'(785,602'2(67$'2'2&($5È$37 &$03(21$72&($5(16('(683(5785,602 5(*8/$0(172'(63257,92±

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Projeto: Unimed no Parque Organização: Unimed Regional Maringá Página: 1/1 PÁGINA 1: Inform ações cadastrais: P1: Título do projeto am biental participante:

Leia mais

CNPJ nº 02.724.994/ 0001-14

CNPJ nº 02.724.994/ 0001-14 6 23$8/2-$1(,52'( 68/$0e5,&$,1'(; )81'2'(,19(67,0(172(0$d (6 CNPJ nº 02.724.994/ 0001-14 $YLVRVLPSRUWDQWHVDR,QYHVWLGRU ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRI AS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa inistério da Saúde Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Brasília, março de 2014 Saúde Direito de todos e dever

Leia mais

idoso brasileiro The brazilian aged people s health characteristics ARTIGO REVISÃO

idoso brasileiro The brazilian aged people s health characteristics ARTIGO REVISÃO ARTIGO REVISÃO Características da saúde do idoso brasileiro The brazilian aged people s health characteristics Renata Junqueira Pereira 1,Rosângela Minardi Mitre C otta 2,Sylvia do C arm o C astro Franceschini

Leia mais

925153.162015.2272.4314.1290952833.179

925153.162015.2272.4314.1290952833.179 925153.162015.2272.4314.1290952833.179 Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00016/2015 Às 14:02 horas do dia 15 de abril de 2015, reuniram-se o Pregoeiro Oficial deste Órgão e respectivos membros

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2012/3110 RELATÓRIO

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2012/3110 RELATÓRIO PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2012/3110 RELATÓRIO 1. Trata-se de nova proposta de Termo de Compromisso apresentada em conjunto por Paulo Sérgio

Leia mais

Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message

Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message Leonardo Menezes Vaz Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message nao responda@tam.com.br Reply To: NAO RESPONDA@tam.com.br To: LEONARDO.VAZ@gmail.com Sat,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS. Conselho firma parceria com Unimed Seguros

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS. Conselho firma parceria com Unimed Seguros BOLETIM ELETRÔNICO realiza solenidade de apresentação da nova Diretoria Novo convênio: PRODIMAGEM Consultas médicas Espirometria Audiometria Ecodoppler Eletroencafalograma Raio X Digital, entre outros.

Leia mais

Alfabetização e analfabetismo

Alfabetização e analfabetismo Alfabetização e analfabetismo desafios para as políticas públicas o O bserva tório da Educação e da juventude PELO CONTRO LE SOCIAL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Alfabetização e analfabetismo desafios para as

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO SENTENÇA- PREVIDENCIÁRIA- NEGATIVA DO INSS PARA CONCESSÃO DE BENEFÍCIO ASSISTENCIAL-LOAS-DEFERIMENTO DO BENEFÍCIO- HIPOSSUFICIÊNCIA DO AUTOR E INCAPACIDADE DE EXERCER ATIVIDADE LABORATIVA PODER JUDICIÁRIO

Leia mais

Nosso sonho não é ganhar dinheiro com o grupo, mas formar músicos profissionais a partir do talento natural que não está sendo desenvolvido no

Nosso sonho não é ganhar dinheiro com o grupo, mas formar músicos profissionais a partir do talento natural que não está sendo desenvolvido no Nosso sonho não é ganhar dinheiro com o grupo, mas formar músicos profissionais a partir do talento natural que não está sendo desenvolvido no Brasil. Tudo que essa juventude precisa é de uma chance. (John

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2011

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2011 1. BALANÇOS PATRIMONIAIS 2. DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO 3. DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO ABRANGENTE 4. DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Gráfico comparativo da evolução no consumo de papel antes e após a implementação do novo SIL. A fase 1 representa a etapa do projeto de automoação de processos

Leia mais

EAI. Enterprise Application Integration. Integrando seus Negócios. Antonio Carlos Barbará antonio.barbara@consist.com.br

EAI. Enterprise Application Integration. Integrando seus Negócios. Antonio Carlos Barbará antonio.barbara@consist.com.br EAI Enterprise Application Integration Integrando seus Negócios Antonio Carlos Barbará antonio.barbara@consist.com.br INTEGRAÇÃO:a grande novidade???? INTEGRAR PARA NÃO ENTREGAR Porque a m udança de ESTRATÉGIA?

Leia mais

0RUWH $FLGHQWDO garant e aos Beneficiários o pagam ent o do capit al segurado individual cont rat ado para est a

0RUWH $FLGHQWDO garant e aos Beneficiários o pagam ent o do capit al segurado individual cont rat ado para est a &21',d (6(63(&,$,6'26(*852'($&,'(17(63(662$,635(0,È9(/,17(51(7 &2%(5785$'26(*852 0RUWH $FLGHQWDO garant e aos Beneficiários o pagam ent o do capit al segurado individual cont rat ado para est a cobert

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS 8 de março O Conselho Regional de do Amazonas parabeniza todas as mulheres CRA/AM realiza Cerimônia de Posse Solene dos Conselheiros e apresenta nova Diretoria Executiva No dia 27 de m arço, no Morada

Leia mais

$VSDUWHVTXHFRPS}HR)RUP. 2%RWmR2. %RWmR&DQFHODU. 9DOLGDomRGH&DPSRV &KDPDQGRXP)250VHPXVDUXP%URZVH &ULDQGRXPSURFHGLPHQWR6285&( (GLWDQGRR)250

$VSDUWHVTXHFRPS}HR)RUP. 2%RWmR2. %RWmR&DQFHODU. 9DOLGDomRGH&DPSRV &KDPDQGRXP)250VHPXVDUXP%URZVH &ULDQGRXPSURFHGLPHQWR6285&( (GLWDQGRR)250 Este é o nosso prim eiro trabalho para 2008, espero que este ano seja m arcado por um a m aior participação com unitária à nossa tentativa de expor m ais trabalhos técnicos de todos os níveis. Vam os nos

Leia mais

C A I X A E C O N Ô M I C A F E D E R A L. www.caixa. gov. br

C A I X A E C O N Ô M I C A F E D E R A L. www.caixa. gov. br C A I X A E C O N Ô M I C A F E D E R A L www.caixa. gov. br PSH P r o g r a ma d e S u b s í d i o à H a b i t a ç ã o d e I n t e r e s s e S o c i a l O QUE É L i n h a d e c r é d i t o p a r a a p

Leia mais

Prof. Mat eus Andrade

Prof. Mat eus Andrade A Term oquím ic a t em c om o objet ivo o est udo das variaç ões de energia que ac om panham as reaç ões quím ic as. Não há reaç ão quím ic a que oc orra sem variaç ão de energia! A energia é c onservat

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - AMAZONAS ENERGIA ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I. Da Denominação, Organização, Sede e Objeto

AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - AMAZONAS ENERGIA ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I. Da Denominação, Organização, Sede e Objeto AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - AMAZONAS ENERGIA ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Da Denominação, Organização, Sede e Objeto Art. 1º. A Am azonas Distribuidora de Energia S.A., que usará a abreviatura

Leia mais

Marketing dos clubes de futebol- Europa e Brasil

Marketing dos clubes de futebol- Europa e Brasil Marketing dos clubes de futebol- Europa e Brasil Outubro de 2012 Destaques do Estudo O esporte global em 2011 m ovim entou U S$ 56 bilhões em receitas de m arketing. Os EU A e Europa representam m ais

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Projeto: Redução do Consumo de Água Captada do Rio Canoas Organização: Klabin Página: 1/1 PÁGINA 1: Inform ações cadastrais: P1: Título do projeto am biental

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

A LEGITIMAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO NA DEFESA DOS INTERESSES INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS

A LEGITIMAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO NA DEFESA DOS INTERESSES INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS A LEGITIMAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO NA DEFESA DOS INTERESSES INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS Carlos H enrique Bezerra Leite* O problema fundamental cm relação aos direitos do homem, hoje, não é tanto

Leia mais

Câmara Municipal de Porto Alegre

Câmara Municipal de Porto Alegre Câmara Municipal de Porto Alegre ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 14/2013 PROCESSO: 0994/13 e outros Em, às 13:10 horas, na CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - CMPA, sito à AV. LOUREIRO DA SILVA,

Leia mais

I ntrodução a I luminação para vídeo e TV

I ntrodução a I luminação para vídeo e TV I ntrodução a I luminação para vídeo e TV 7tWXOR Introdução à Iluminação para Vídeo e TV (PHQWD Estudo teórico dos procedim entos básicos para criação e execução de ilum inação para captação de im agens

Leia mais

DA INFORM AÇÃO EM SAÚDE: A sp ec to s de q u a l id a d e

DA INFORM AÇÃO EM SAÚDE: A sp ec to s de q u a l id a d e V aléria M en d on ça M aria Fátim a de Sousa C lélia P arreira E lm ira Sim eão (Organizadoras) C o m u n i c a ç ã o DA INFORM AÇÃO EM SAÚDE: A sp ec to s de q u a l id a d e Série Tempus 4 Editado pelo

Leia mais

Projeto: Sala de Descanso de Paletes Organização: Conexão Marítima Serviços Logísticos S/A. Imagens: 1/1. Sala de Descanso de Paletes

Projeto: Sala de Descanso de Paletes Organização: Conexão Marítima Serviços Logísticos S/A. Imagens: 1/1. Sala de Descanso de Paletes 2 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 2013-2014 Sala de Descanso de Paletes Espaço Na Sala de Paletes Pneus Reutilizados Como Floreiras Biombo Reutilizável/imagens dos Colaboradores Coffe

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Implantação do programa Adequação e melhorias no Aterro Sanitário durante a implantação do programa Implantação do civeiro municipal. Valorização do Material

Leia mais

D O M IN IO N. Série Prem iu m. N o-break. D igitalsignalprocessor

D O M IN IO N. Série Prem iu m. N o-break. D igitalsignalprocessor D O M IN IO N Série Prem iu m N o-break D igitalsignalprocessor ISO 9001 2008 CM COMANDOS LINEARES Alta Tecnologia em Processam ento D igital de Sinais - D SP Vivem os em um m undo cada vez m ais ágile

Leia mais