Plataforma Logística Multimodal Projeto Santa Maria - RS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plataforma Logística Multimodal Projeto Santa Maria - RS"

Transcrição

1 Projeto Santa Maria - RS 2011

2 Fornecedor Fábrica Cliente Logística de Abastecimento sistema transporte etc Logística Interna PCP estoques etc Logística de Distribuição sistema transporte etc Logística Integrada

3 Conceito Conjunto de atividades voltadas a soluções para os problemas de estocagem de produtos que possibilitam a complementação justa entre: Suprimento Produção Distribuição. O planejamento desta integração compreende os seguintes fatores: Estratégico através de estudos de localização considerando as condições: físicas e ambientais; infra-estrutural (rodovias; ferrovias e aero portuárias): utilidades (água, energia, resíduos sólidos e líquidos, comunicação) Técnico através de estudos de gerenciamento. Operacional através de estudos de equipamentos desde movimentação, armazenagem e layout. Dentre as atividades que fazem parte desta área destacam-se: Gestão de Estoque Expedição Embalagem

4 Resultado Os resultados decorrrentes da Logística Integrada são: Reduzir custos; Aumentar a eficiência; Ampliar os lucros; Reduzir os tempos de ciclos da cadeia de fornecimento; Melhorar o desempenho nos relacionamentos com clientes e fornecedores; Desenvolver serviços de valor agregado que permita estebelecer a vantagem competitiva; Dispor o produto certo, no lugar certo, na quantidade certa e com o menor custo; Manter o estoque mínimo estabelecido.

5 Política de Desenvolvimento do Regional Contexto Desenvolvimento Econômico Sustentável Ampliação da distribuição como um todo local, nacional e internacional Desenvolvimento Social / Emprego Distribuição de renda Objetivo Explorar a infra-estrutura econômica e logística regional Consolidar Santa Maria como pólo de serviços de logística Desenvolvimento econômico Integrar e adensar cadeias produtivas Comércio Mundial Benefícios Eixos Estruturantes da Região Dinamização do comércio com o Mercosul Desafogar a zona portuária de Rio Grande Parceria / Integração Setor Público X Setor Privado

6 Premissas do Projeto 1. Capacidade de atender toneladas % das operações automatizadas 3. Condição de crescimento com projeto modular de mais toneladas em menos de um ano 4. Redução do custo de frete 5. Capacidade de pátio 100 vagas para carreta e 230 para leves, 48 para espera de descarga e 150 para carro de passeio 6. Segurança 24 horas monitorada por sistema interno de TV, posto de abastecimento e lavagem 7. Perda máxima de 0.2% de risco para o cliente, conferência de balança na entrada e na saída, inventário constante e conferência cega 8. Garantia da eficiência operacional independente do volume de expedição

7 Construção e operação dos seguintes centros 1. Unidade de Armazenagem Refrigerada 2. Unidade de Armazenagem Seco 3. Unidade de Containers 4. Unidade de Serviços Alfandegados 5. Unidade de Serviços de Apoio

8 1. Unidade de Armazenagem Refrigerada / Seca Funcionamento 20 horas por dia Produtos alimentícios: climatizados, refrigerados e congelados Gestão de pátio para estacionamento e operação de forma isolada da operacionalização de embarque e desembarque de mercadorias; Suporte TI com WMS, utilizando tecnologia de rádio frequência com picking de voz e coletores de dados; Gestão de recebimento e expedição com uso de balança rodoviária Recebimento, armazenagem, picking e expedição de mercadorias Processamento local e/ou remoto dos pedidos de clientes para picking Controle de frio

9 1. Unidade de Armazenagem Refrigerada (cont.) Estrutura Push Back duplo com Túnel / Dinâmico Alto, push back, push back com flow rack, porta palete duplo 02 espelhos Docas pneumáticas com 28 posições, sendo 05 para containers Túnel da doca com selo de vedação Equipamentos: empilhadeira aquecida 60%, empilhadeira simples 40%, transpaleteira embarcada 70%, transpaleteira desembarcada 30%, esteiras de carregamento, carrinhos hidráulicos. Classe Temperatura Posições Paletes Congelados menos 25ºC 5024 Resfriados 0ºC 3648 Climatizados 5ºC a 10ºC 3232 Classe Temperatura Posições Paletes Seco Temp Ambiente 5504

10 3. Unidade de Containers Recebimento, movimentação e armazenagem de containers cheios e vazios (ovação) Atendimento de mercadorias secas e resfriadas Armazenagem e reparo de contêineres vazios Monitoramento de temperatura Área de m² com capacidade para unidades de 20 a 40 pés 700 containers de carga seca e 300 de carga refrigerada Empilhadeira Top Loader 35 toneladas Empilhadeira 7 toneladas com frame para container

11 4. Unidades de Serviços Alfandegados Logística de Exportação; Logística de Importação; Otimização do "pré-stacking" Armazenagem Alfandegada; Habilitações de cargas de entrepostagem aduaneira Capacidade para operar cargas especiais, pesadas e super pesadas Segurança eletrônico e humano para preservar a carga. Apoio à importação ao receber a CI as cargas passam automaticamente ao regime de armazenagem geral, reduzindo os custos do cliente; Apoio à exportação Free time de dez dias antes do embarque, favorecendo a transferência das cargas antecipadamente; Agilização do processo de coleta de unidades vazias; Assessoria para embarque da carga com foco na logística eficiente.

12 5. Unidades de Serviços de Apoio Estacionamento externo com 150 vagas para carros de passeio Portaria com controle de entradas / saídas Portaria com controle eletrônico de entrada / saída de funcionários Pátio para estacionamento com 100 vagas para carretas e 230 vagas para caminhões isolado da área de descarga Pátio operacional com 28 vagas para espera de descarga 2 balanças rodoviárias com escritório para controle de entradas e saídas Uma área para abrigo dos motoristas com banheiros, vestiários e salas para despacho de transportes Restaurante com cozinha para 150 Pessoas Sala de treinamento e reunião com capacidade de 100 pessoas Vestiário masculino com capacidade de 200 pessoas com armários, banheiros e chuveiros. Vestiário feminino com capacidade 30 pessoas com armários, banheiros e chuveiros. Sala de bateria com capacidade de 10 empilhadeiras e 18 paleteiras (depósito refrigerado) Sala de bateria com capacidade de 08 empilhadeiras e 12 paleteiras (depósito secos) Sala de manutenção com 80 M2 Sala de descartes de produtos com higienização de 50 M2 (depósito refrigerado) Área para manipulação e embarque de lixo. (deposito refrigerado) Sala SIF e desembaraço fiscal e aduaneiro; Sala de controle e despacho do armazém Gerador de energia para suportar iluminação e TI Área de apoio aos clientes 20 salas administrativas.

13 1 Dados Básicos do Projeto 1.1. Área construída TOTAL m2 - Construção e operação de Centro de Distribuição de Refrigerados ( m2) - Construção e operação de Centro de Distribuição de Secos ( m2) - Construção e operação de armazenagem e Movimentação de Containers ( m2) - Construção e operação Área de Serviços de Apoio, Manutenção, Lavagem e Abastecimento. (2.728 m2) 1.2. Prestação de serviço (funcionando 20 horas/dia) DISTRIBUIÇÃO REFRIGERADA - Gestão de pátio com isolamento para estacionamento e operação, controle de frio. - Gestão da descarga e largada com balança rodoviária - Recebimento, Armazenagem, picking e expedição (fracionado e paletizado) - Suporte TI, WMS com utilização de RF com picking voz e coletores - Processamento local ou remoto dos pedidos clientes para picking 1.3. Prestação de serviço (funcionando 20 horas/dia) DISTRIBUIÇÃO SECOS - Gestão de pátio com isolamento para estacionamento e operação. - Gestão da descarga e largada com balança rodoviária - Recebimento, armazenagem, picking e expedição (fracionado e paletizado) - Suporte TI, WMS com utilização de RF com picking voz e coletores - Processamento local ou remoto dos pedidos clientes para picking

14 1. Dados Básicos do Projeto (Cont.) 1.4. Prestação de serviço (funcionando 20 horas/dia) CONTAINERS - Armazenagem de container (secos e refrigerados) - Movimentação de recebimento e cargas 1.5. Área de serviços apoio de MANUTENÇÃO, LAVAGEM E ABASTECIMENTO - Lavagem e higienização de carretas e carros leves - Manutenção e lubrificação carretas e carros leves Abastecimento de carretas e carros leves (Diesel)

15 2. Dimensões 2.1. Deposito ( posições paletes) REFRIGERADO - Uma câmara de congelados até -25o com posições paletes - Uma câmara de resfriados até 0o com posições paletes - Uma câmara climatizada de +5 a +10 com posições paletes - Uma antecâmara com 28 docas pneumáticas, 25 metros largura por 110 mt comprimento, 5 docas preparadas para container 2.2. Depósito (9.550 posições paletes) SECOS - Uma câmara para gêneros alimentícios posições paletes - Uma câmara para higiene e limpeza com posições paletes - Uma antecâmara com 20 docas pneumáticas, 20 metros largura por 110 metros de comprimento Depósito de CONTAINER - Área de m2 com capacidade para unidades TEU - Área para 700 containers secos e 300 refrigerados 2.4. Área de Serviços e Apoio - Dois box de lavagem e higienização para 35 carretas e 70 carros leves - Box para manutenção e lubrificação sendo: 2 para carretas e 8 para carros leves - Duas bombas para abastecimento, Diesel, com 2 tanques de litros cada.

16 Projeção de Equipamento Estáticos por Classe Classe Tipo estrutura Qtde Câmara RESFRIADOS Push Back 720 Porta-Palete Simples c/flow rack 240 Push Back Duplo c/ Tunel /Dinamico alto Porta-Palete Duplo 2 espelhos Câmara SECOS Câmara CONGELADOS Push Back 720 Push Back com Flow rack 720 Porta-Palete Duplo 2 espelhos Push Back 720 Push Back com Flow rack 720 Push Back Duplo c/ Tunel /Dinamico alto Porta-Palete Duplo 2 espelhos Total Global

17 Projeção de Equipe Equipe Local Quantidade Descarga 2 pessoas / doca 37 Armazenagem/ transporte 2 pe/op.emp 9 Adm 1 pessoas p/ cada kg 24 Separação 2,3 pessoas p/doca 61 Carregamento 3 pessoas p/doca 80 Operador empilhadeira 1,5 por camara 5 Lideres 1 para cada 25 pessoas 9 Qtde docas 27 Qtde camaras 3 Ton distribuida Total de funcionarios 224 Peso caixa expedida 9 INDICADORES DE PRODUTIVIDADE Tipo KPI Meta de caixas homem hora 75 Qtde caixas expedidas Qtde horas trabalhadas Caixa homem/hora previsto 65

18 Projeção de Custos Itens Custo da Obra Descrição Obra Civil ,19 Civil Estrutura Metálica cobertura ,96 Civil Elétrica ,65 Eletrica Refrigeração ,61 Refrigeração Isolamento painéis ,42 Isolamento termico Portas e docas ,85 Isolamento termico Estanterias p/estoque ,00 Estanteria estoques Equipamentos (fixo e móveis) ,00 Eqip. Estoques Pátio estacionamento CARGAS ,13 Civil TI ,00 TI Terraplanagem ,00 Civil Escritório e controladoria log ,00 Civil Portaria sala motorista ,00 Civil Moveis para escritório ,00 Civil Pátio estacionamento (carros passeio) ,00 Civil CUSTO TOTAL (previsão) ,81

19 Requisitos 1- Definição do Negócio: 1.1. Quais são os bens e serviços que realmente desejamos oferecer; 1.2. Para dada linha de bens e serviços quais as quantidades serão oferecidas/vendidas; 1.3.Definição de preço unitário dos produtos e serviços; 1.4.Qual a previsão bruta de receita; 1.5. Definição dos principais fornecedores. 2. Potenciais Clientes: 2.1. Quem são os principais clientes identificados; 2.2. Obtenção, por algum meio, de uma manifestação de interesse destes clientes; 2.3. Elaboração, se possível, de uma pesquisa de mercado. 3. Requisitos físicos 3.1. Área total a ser ofertada para o negócio em; 3.2. Desenho conceitual das instalações, especificando: a. Descrição técnica por negócio; b. Quantitativos: dimensões e requisitos c. Consumos de utilidades - água, energia, resíduos sólidos e líquidos, comunicação.

20 Requisitos (cont.) 4. Localização do empreendimento 4.1. Local onde será instalado o negócio observando vantagens/desvantagens, tanto do ponto de vista operacional quanto administrativo; 4.2. Análise a estrutura rodo ferroviária; 5. Dados do terreno, 5.1. Área com: a. Foto; b. Planta baixa; c. Planta com curva de nível. d. Registro legal; e. Identificação do proprietário e como será passado para o negócio com evidência desta possibilidade (promessa de compra e venda); 5.2. Valor do terreno.

21 Requisitos (cont.) 6. Questão Tributária: 6.1. Definir o perfil tributário do negócio 6.2. Definir os requerimentos legais para formalizar a isenção. 7. Viabilidade Econômica 7.1. Definir a viabilidade econômica do negócio com cálculo da TIR - Taxa Interna de Retorno Desenhar fluxo de caixa esperado; 7.3. Definir break-even point. 8. Investimento 8.1. Definir uso e fontes dos recursos tanto para implantar o negócio quanto para operá-lo; 8.2. Definir o Equity, (aporte de 20 % do valor do Capex) 8.3. Debt, quanto deveremos ir buscar de financiamento Identificar as instituições financeiras que podem financiar o projeto; 8.5. Garantias exigidas pelo agente financeiro; 8.6. Definição da taxa de financiamento.

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA Como obter mais resultados com menos despesas Thomas Burger - Arquiteto Burger Arquitetos Arquitetura e Gerenciamento de Projetos Porto Alegre

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

DRY PORT SÃO PAULO S.A. Bonded Warehouse and Logistics Solutions INSTITUCIONAL

DRY PORT SÃO PAULO S.A. Bonded Warehouse and Logistics Solutions INSTITUCIONAL Dry Port São Paulo Porto Seco e Soluções Logísticas Dados da empresa: Fundado em: 1971 e 1991 alfandegado; Funcionários: 140. Estrutura: 40.000 m2 de alfândega e 200.000m2 pátio automotivo. Clientes Ativos:

Leia mais

O Nordeste mais perto de você. Divisão Logística CDEX_4

O Nordeste mais perto de você. Divisão Logística CDEX_4 O Nordeste mais perto de você Divisão Logística CDEX_4 A INTERMARÍTIMA A Intermarítima está em atividade desde 1986. Atua com Operação Portuária (portos de Salvador, Aratu e Ilhéus) e Logística (Importação,

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador

1.3.2 Um ponto de água e esgoto e uma tomada 110V para instalação de purificador Anexo I Chamamento Público 01/2014 1 Espaço A. Destinação Almoxarifado: armazenamento útil mínimo de 1.000m², divididos da seguinte forma: 1.1 Área de armazenagem 87% (mínimo de 870m²) 1.1.1 Sala administrativa

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS soluções definitivas paralogística Identificação Placas de Rua O início da sinalização e o endereçamento de um armazém começam pelas placas de rua. Elas devem ser instaladas

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

Unidade IV MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Introdução Nessa unidade vamos discutir: Conceitos de contêineres; Tipos de contêineres; Operações com contêineres; Custos de armazenagem; TI

Leia mais

Brado Logística e Incorporação Standard. Atualização - 20 de dezembro de 2010

Brado Logística e Incorporação Standard. Atualização - 20 de dezembro de 2010 Ressalvas Este Documento é destinado aos acionistas da ALL América Latina Logística S.A. e tem por objetivo apresentar os mesmos fatos e eventos descritos no Fato Relevante divulgado no dia 20 de dezembro

Leia mais

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado

Por tonelada líquida de registro (TLR) de embarcação destinada ao transporte de passageiros, turismo e recreio, na área do Porto Organizado Tabela I Utilização da Infraestrutura de Acesso Aquaviário (Taxas devidas pelo armador ou agente) No. Espécie Incidência Valor() 1. Carregamento, descarga ou baldeação, por tonelada ou fração 3,73 2. Carregamento,

Leia mais

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF Distribuição Urbana de Food Service Francisco Moura, ABIAF Agenda O Mercado de Food Service e segmentos Como as cadeias de suprimentos estão organizadas EUA e Brasil O Operador Logístico de FS dificuldades,

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Condomínio Ory Business Park

Condomínio Ory Business Park Condomínio Ory Business Park Marginal Norte da Rodovia dos Bandeirantes, km 61,5 Distrito Industrial Jundiaí/SP Saída km 59 da Rodovia dos Bandeirantes Saída km 61 da Rodovia Anhanguera www.orypark.com.br

Leia mais

Dick s Sporting Goods

Dick s Sporting Goods Dick s Sporting Goods Atualizações no sistema de seleção e de esteira transportadora dão à Dick s uma margem competitiva automação que traz resultados Atualizações no sistema de seleção e de esteira transportadora

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232;

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Condomínio Master Business Park

Condomínio Master Business Park Condomínio Master Business Park Av. Marginal da Rodovia dos Bandeirantes, km 61,5 (sentido capital) Esquina com Av. Eng. Luiz Latorre Distrito Industrial de Jundiaí SP Saída km 59 da Rodovia dos Bandeirantes

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE

PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE PLATAFORMA LOGÍSTICA MULTIMODAL EM SALGUEIRO - PE Plataforma Logística Multimodal de Salgueiro Espaço de concentração geográfica de organismos e empresas independentes, relacionadas com: Transporte de

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL

POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL POR QUE EMBARCAR COM A LOG-IN? Soluções logísticas que integram Brasil e MERCOSUL SOBRE LOG-IN BENEFÍCIOS MONITORAMENTO 24HS DAS CARGAS Monitoramento de risco e informação de todas as viagens; INTERMODALIDADE

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

CONTROLE DA CADEIA LOGÍSTICA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS: ARMAZENAGEM E TRANSPORTE. Walkíria A. Amorim

CONTROLE DA CADEIA LOGÍSTICA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS: ARMAZENAGEM E TRANSPORTE. Walkíria A. Amorim CONTROLE DA CADEIA LOGÍSTICA DE PRODUTOS FARMACÊUTICOS: ARMAZENAGEM E TRANSPORTE Walkíria A. Amorim CLASSES ATIVIDADES Distribuidoras (comércio atacadista) Importadoras/exportadoras Armazéns logísticos

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato

ÍNDICE. Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato ÍNDICE Apresentação do produto Impacto no negócios Telas do sistemamódulos do sistema Mobilize Stock Mobilize Store A Handcom Contato Apresentação do produto O Mobilize é uma solução mobile modular para

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos

Gerenciamento de Depósitos Gerenciamento de Depósitos Diferentes modelos e tipos de CD s e armazéns podem auxiliar na busca por soluções logísticas eficientes, para diferentes produtos, com características logísticas diversas. As

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for seu produto, conhecemos a melhor solução para armazená-lo A Mecalux oferece soluções de armazenagem Experiência de mais de 50 anos Presença em mais de 70 países 11

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Galpão em condomínio fechado Sorocaba SOROCABA

Galpão em condomínio fechado Sorocaba SOROCABA Galpão em condomínio fechado Sorocaba Módulos 3.568,00 m² SOROCABA Sorocaba tornou-se um interessante polo para empresas de logística, atraídas pela fácil circulação de mercadorias devido a sua excelente

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais)

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS SANTOS (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES FCL/FCL (PERÍODOS DE 7 DIAS OU FRAÇÃO) Fixo A

Leia mais

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc.

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc. TERMINAL DE CARGAS Profª Janaína Araújo, MSc. Carga Aérea Generalidades Carga aérea : conjunto de bens transportados por via aérea que geram receita; material transportado por meio de aeronaves cujos valores

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Infraero Logística: Facilidades pela infraestrutura aeroportuária. Gerência de Logística de Cargas - RFLC

Infraero Logística: Facilidades pela infraestrutura aeroportuária. Gerência de Logística de Cargas - RFLC Infraero Logística: Facilidades pela infraestrutura aeroportuária novembro de 2010 67 Aeroportos 80 Unidades de Apoio à Navegação Aérea 34 Terminais de Logística de Carga Aprox. 29.300 empregados (org

Leia mais

Infraero. Uma rede de oportunidades!

Infraero. Uma rede de oportunidades! Infraero Uma rede de oportunidades! Agenda A Infraero O cenário da aviação comercial no país Oportunidades Comerciais nos Aeroportos da Rede Áreas Externas Varejo Logística de Carga Os números dos Negócios

Leia mais

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Armazenagem e a logística Qual é o papel da armazenagem na logística? Armazenagem e a logística Auxilia no atendimento à Missao da Logística. Qual

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres de Exportação.... 7 Serviços para Contêineres

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

Considerações do mundo real. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE

Considerações do mundo real. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE Considerações do mundo real Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Eng. Luiz Renato Costa - RFID CoE 2 Benefícios e oportunidades com RFID 3 Benefícios e oportunidades com RFID São os benefícios

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Este manual tem como principal finalidade, ajudar os usuários nos cadastros e movimentações do WMS.

Este manual tem como principal finalidade, ajudar os usuários nos cadastros e movimentações do WMS. Página 1 de 40 Descrição Este manual tem como principal finalidade, ajudar os usuários nos cadastros e movimentações do WMS. Relação dos Tópicos a serem vistos neste manual - Faturamento - Cadastro o Contrato

Leia mais

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Intelligrated A Intelligrated oferece uma linha completa de sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil

Excelência. Recursos. Faturamento/Financeiro Faturamento Contas a Receber Contas a Pagar Fiscal Contábil Competência Sistemas para Transportadoras e Soluções Você e sua Empresa em perfeita sintonia Excelência Recursos Tms EXPERIÊNCIA O sistema é composto por módulos que controlam e integram os processos operacionais

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

Automação de Almoxarifado Com Mobilidade

Automação de Almoxarifado Com Mobilidade SAP FORUM 2014 Automação de Almoxarifado Com Mobilidade Daniel Costa Bezerra ArcelorMittal Tubarão - Especialista de TI Ricardo Rodrigues Grizotti ArcelorMittal Tubarão - Especialista de Suprimentos 11/02/2014

Leia mais

Kirkland s. Preparando-se para crescer, varejista especializada reforma o centro de distribuição ESTUDO DE CASO. www.intelligrated.

Kirkland s. Preparando-se para crescer, varejista especializada reforma o centro de distribuição ESTUDO DE CASO. www.intelligrated. Kirkland s Preparando-se para crescer, varejista especializada reforma o centro de distribuição automação que traz resultados Preparando-se para crescer, varejista especializada reforma o centro de distribuição

Leia mais

Tabela de preços pag 1. Atracação. TABELA B Tarifa de operação por conteiner Preço (R$)

Tabela de preços pag 1. Atracação. TABELA B Tarifa de operação por conteiner Preço (R$) Tabela de preços pag 1 TABELA A Utilização Instalação e Acostamento Preço (R$) Atracação *Por metro Linear/Navio per de 12h ; A taxa mínima a cobrar será de 60 metros por periodo, por embarcação 5,00 TABELA

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 1. Contextualização. Importância da Área de Materiais. Estoque. Objetivos da Armazenagem

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 1. Contextualização. Importância da Área de Materiais. Estoque. Objetivos da Armazenagem Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 1 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Entrada Estoque Nível de estoque Importância da Área de Materiais Comércio: 70 a 85% do orçamento Saída Indústria:

Leia mais

INTRALOGÍSTICA À UBV, EMPRESA LÍDER NA PRODUÇÃO DE VIDROS IMPRESSOS NO BRASIL.

INTRALOGÍSTICA À UBV, EMPRESA LÍDER NA PRODUÇÃO DE VIDROS IMPRESSOS NO BRASIL. DE INTRALOGÍSTICA À UBV, EMPRESA LÍDER NA PRODUÇÃO DE VIDROS IMPRESSOS NO BRASIL. C.B.MARRA e ELISEU Silva C.B.MARRA e ELISEU Sil va São Paulo, 26 de Junho de 2007. São Paulo, 26 de Junho de 2007. 1 CONSUMIDOR

Leia mais

PRIVILEGIADO E CONFIDENCIAL - NÃO COPIAR

PRIVILEGIADO E CONFIDENCIAL - NÃO COPIAR BRASIL LOGÍSTICA MUNDO SOLUÇÕES PRIVILEGIADO E CONFIDENCIAL - NÃO COPIAR FedEx Movimenta 10,5 milhões de Pacotes (vol. médio diário) Via > 100.000 Veículos terrestres > 36.300 Drop boxes > 325.000 Colaboradores

Leia mais

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência RFID RFID - Identificação por Radiofreqüência Sistema de Identificação por Radio Frequência O que é RFID? Objetivo e utilidade similares ao código de barras; Composto por 3 elementos: Uma antena; Um leitor;

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

R I O G R A N D E S. A.

R I O G R A N D E S. A. ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS A. UTILIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE ACOSTAGEM (CAIS/DEFENSAS) A.1. Ocupação do cais de acostagem por embarcação, incluindo serviços de atracação, desatracação e uso de defensas.

Leia mais

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando:

Com estrutura voltada para atendimento no mercado de Óleo e Gás contemplando: A Gavea Logística é uma operadora logística que oferece soluções de logística Portuária, Marítima e Terrestre, em seus terminais localizados no Rio de, e. Com estrutura voltada para atendimento no mercado

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

O Lean Thinking aplicado ao Supply Chain. Alexandre Cardoso

O Lean Thinking aplicado ao Supply Chain. Alexandre Cardoso O Lean Thinking aplicado ao Supply Chain Alexandre Cardoso Agenda Logística lean Armazenagem Inbound Outbound Lean em Fornecedores 2 Competitividade além das operações e da empresa Produção Produção Produção

Leia mais

LOG SERVICES TELA DE GESTÃO DOS MÓDULOS TEM UM VISUAL MODERNO E COMERCIAL, PARA SER UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE VENDA

LOG SERVICES TELA DE GESTÃO DOS MÓDULOS TEM UM VISUAL MODERNO E COMERCIAL, PARA SER UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE VENDA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS TELA INICIAL TELA DE GESTÃO DOS MÓDULOS TEM UM VISUAL MODERNO E COMERCIAL, PARA SER UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE VENDA APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS WORKFLOW DOS MÓDULOS

Leia mais

www.nsclogistica.com.br

www.nsclogistica.com.br www.nsclogistica.com.br A Missão, Visão Valores Infra-Estrutura Nossa Frota Soluções Gris A A NSC logística atua no segmento de logística de telecomunicações desde 1988, estrategicamente situada as margens

Leia mais

Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos

Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos Alta Tecnologia em Injeção de Termoplásticos História A Jaguar Embalagens é uma unidade de negócios da Jaguar Plásticos, empresa que tem uma história de inovação que se prospera há mais de 36 anos. Iniciou

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres e Cargas Soltas de Exportação... 7 Serviços

Leia mais

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo - Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo PRINCIPAIS ÁREAS P/ DIMENSIONAMENTO DA FÁBRICA 1. Centros de produção

Leia mais

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS

LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS LOCALFRIO S.A. ARMAZÉNS GERAIS FRIGORÍFICOS TARIFA DE SERVIÇOS Matriz: CNPJ: 58.317.751/0001-16 NIRE: 35.300.117.441; Filial: São Paulo SP Armazém Frigorífico CNPJ: 58.317.751/0007-01 NIRE: 35.902.660.232;

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

As melhores condições para os seus melhores negócios. www.integracaologistica.com.br. Integração Logística

As melhores condições para os seus melhores negócios. www.integracaologistica.com.br. Integração Logística Transporte e Armazéns e Armazéns Gerais Gerais As melhores condições para os seus melhores negócios www.integracaologistica.com.br Integração Logística A Empresa Transporte e Armazéns Gerais consistência

Leia mais

GLP Park Hermes Brazil GLP Gravataí Apresentação do Empreendimento Maio de 2015 GLP Park Dianshanhu GLP Park Tokyo II GLP Mabe China Japan Brazil

GLP Park Hermes Brazil GLP Gravataí Apresentação do Empreendimento Maio de 2015 GLP Park Dianshanhu GLP Park Tokyo II GLP Mabe China Japan Brazil GLP Park Hermes Brazil GLP Gravataí Apresentação do Empreendimento Maio de 2015 GLP Park Dianshanhu China GLP Park Tokyo II Japan GLP Mabe Brazil 1 O GLP Gravataí O empreendimento foi desenvolvido para

Leia mais

Escopo do Projeto; Visão Geral; Introdução do Projeto; Etapas da Implementação; Métricas; Cronograma de Acompanhamento; Resultados Esperados.

Escopo do Projeto; Visão Geral; Introdução do Projeto; Etapas da Implementação; Métricas; Cronograma de Acompanhamento; Resultados Esperados. Escopo do Projeto; Visão Geral; Introdução do Projeto; Etapas da Implementação; Métricas; Cronograma de Acompanhamento; Resultados Esperados. Desenvolver e implementar um Processo Logístico voltado às

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Sobre nós 1. Um pouco da nossa história 1. Sobre o produto 2. Sistema 100% Web 2. Controle operacional 3. Coletores de dados 4.

Sobre nós 1. Um pouco da nossa história 1. Sobre o produto 2. Sistema 100% Web 2. Controle operacional 3. Coletores de dados 4. Apresentação Sumário Sobre nós 1 Um pouco da nossa história 1 Sobre o produto 2 Sistema 100% Web 2 Controle operacional 3 Coletores de dados 4 Faturamento 5 Nota fiscal eletrônica 5 Nota fiscal de serviços

Leia mais

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc.

TERMINAL DE CARGAS. Profª Janaína Araújo, MSc. TERMINAL DE CARGAS Profª Janaína Araújo, MSc. Carga Aérea Generalidades Carga aérea : conjunto de bens transportados por via aérea que geram receita; material transportado por meio de aeronaves cujos valores

Leia mais

Melhorias em uma embalagem primária de matéria-prima para fabricação de cosmético bucal

Melhorias em uma embalagem primária de matéria-prima para fabricação de cosmético bucal Acadêmico Autores: Mariana Rebuski Sotier Paulo Sérgio de Arruda Ignácio LALT Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil UNICAMP Melhorias em uma embalagem primária

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

A LINTEC-IXON foi fundada em 1995, sediada na cidade de Santa Rosa, no noroeste do estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

A LINTEC-IXON foi fundada em 1995, sediada na cidade de Santa Rosa, no noroeste do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. HISTÓRIA A LINTEC-IXON foi fundada em 1995, sediada na cidade de Santa Rosa, no noroeste do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Ao longo dos anos, vem investindo na qualificação de seus colaboradores

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 01 DE JULHO DE 2015 TABELA A - PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS 100.000 SERVIÇOS OPERACIONAIS O prestador de serviço credenciado deverá pagar

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais