ATIVIDADE DE ARMAZENAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATIVIDADE DE ARMAZENAGEM"

Transcrição

1 ATIVIDADE DE ARMAZENAGEM Muitas das oportunidades de obtenção de maiores lucros encontram-se atualmente na esfera da administração de materiais, e este setor pode vir a oferecer economias significativas, não é um problema isolado e deve ser entendido em seu contexto. Independente do modo como o material foi embalado ou movimentado a etapa seguinte é a armazenagem, e a melhor forma de guardar materiais é aquela que maximiza o espaço disponível nas três dimensões do prédio (comprimento, largura e altura). Até algum tempo, o conceito de ocupação física se concentrava mais na área do que na altura, o mau aproveitamento tornou-se anti-econômico, além do que, se constatou que uma das formas de garantir a produção é manter estocadas as quantidades corretas de matéria-prima próximas do local, desta forma ocupar em altura foi uma solução para reduzir espaços e guardar a maior quantidade de materiais. Os termos estocagem e armazenagem são frequentemente usados para identificar coisas semelhantes, mas a maioria dos autores prefere distingui-los como se segue: Estocagem: atividade que, a principio, diz respeito à guarda segura e ordenada de todos os materiais do armazém, em ordem de prioridade de uso nas operações de produção e também às peças que estão para ser despachadas para as operações de montagem. Armazenagem: atividade que diz respeito à estocagem ordenada e à distribuição de produtos acabados dentro da própria fábrica ou em locais destinados a este fim (CD s). Desta forma entendemos que a estocagem é uma das atividades do fluxo de materiais dentro de um armazém, podendo inclusive, de acordo com a necessidade, existir vários pontos espalhados. Abaixo temos figura ilustrando genericamente o lay-out e fluxo dentro de um armazém. Sala de Carga de Baterias Estoque de Itens Pequenos Material p/ Embalagem Área de Separação de Pedidos Área de Acumulação de Cargas FLUXO NO ARMAZÉM Área de Formação de Carga Plataforma de Expedição Área de Estocagem Principal Área de Recebimento de Mercadorias Plataforma de Recebimento Refeitório Controle de Estoque Escritórios O objetivo consiste em estabelecer um ciclo produtivo e distributivo contínuo, lembrando que está atividade representa uma imobilização de ativos financeiros da empresa, e que se espera é a eliminação ou a redução drástica com os custos envolvidos na atividade. Já se sabe que armazenagem é uma atividade ampla e complexa do ponto de vista operacional e de serviços, pois ele é elo que garante um nível de serviço (alto ou baixo) dentro da cadeia de suprimentos. Pontos a favor da armazenagem: 1. Garantir a produção em diferentes níveis. 2. Garantir matéria-prima, principalmente quando a adquirimos no mercado internacional, visando não ocorrer parada da produção. 3. Equilibrar oferta quando se trata de produto sazonal. 4. Diminuir custos com especulação, principalmente de insumos (Ex: cobre). Pontos contrários da função armazenagem:

2 1. Custo da mercadoria armazenada. 2. Custos com infra-estrutura envolvida (espaço, pessoas, equipamentos, administração, etc.) 3. Custo de capital imobilizado. 4. Custo da obsolescência do material estocado. 5. Custo de movimentação. A armazenagem é uma conveniência econômica, em vez de uma necessidade, no sistema logístico. Considerações sobre o serviço ao usuário; Considerações sobre produto; Proteção contra expectativas futuras.

3 Princípios da Armazenagem: 1. Planejamento: desenvolver plano estratégico de movimentação, armazenagem e controle de materiais, envolvendo planos da produção marketing e distribuição. 2. Sistema Híbrido: movimentar, estocar e controlar cada item de acordo com sua especificidade. 3. Fluxo de Materiais: desenvolver um layout para o armazém, com base no fluxo de entrada e saída de materiais. 4. Controle: planejar um sistema que realmente propicie um controle físico, fiscal, inventário e administrativo do material. 5. Simplificação: da movimentação interna dos materiais (conhecida como movimentação passiva que não agrega valor). 6. Capacidade de recebimento: espaço e estrutura para reposição 7. Espaço: maximizar capacidade de estocagem com base no volume do armazém e não pela área quadrada. 8. Tamanho Unitário: aumentar quantidade, tamanho e peso da carga a ser movimentada (unitização). 9. Automatização: das movimentações e controle do material. 10. Seleção do equipamento: selecionar os equipamento utilizados na movimentação de acordo com a especificidade e do fluxo do material. 11. Padronização: métodos e tipos de movimentação, armazenagem e controle (visando redução de custos com acidentes). 12. Flexibilidade: planejamento da infra-estrutura física de movimentação e armazenagem para que possam responder as necessidades de mudanças futuras. 13. Layout/Corredor: definir comprimento, largura, altura e disposição dos corredores de movimentação de forma a eliminar movimentação passiva e acidentes. 14. Utilização: maximizar utilização do pessoal e dos equipamentos envolvidos na atividade. 15. Manutenção: programar revisões preventivas periódicas nos equipamentos de movimentação. 16. Obsolescência: acompanhar as tendências e inovações nos sistemas de movimentação, armazenagem e controle, substituindo se necessário. 17. Desempenho: ter métricas para avaliação de desempenho.

4 18. Auditoria: manter equipe envolvida no setor a estar buscando melhoria continua. 19. Instalação: projetar instalação de modo a acomodar todo sistema de movimentação e armazenagem, levando em consideração pé-direito e espaçamento das colunas (engenharia). 20. Segurança: prever planos de contingência para acidentes na movimentação ou não de materiais, principalmente com as conhecidas cargas perigosas. LAYOUT DO ARMAZÉM: Objetivos: 1. Assegurar a utilização máxima do espaço. 2. Propiciar a mais eficiente movimentação de materiais. 3. Reduzir custos com utilização de equipamentos adequados, mão-de-obra e espaços, de forma a eliminar danos aos materiais. 4. Propiciar flexibilidade para mudanças futuras. Metodologia: 1. Conhecer os materiais a serem movimentados (especificidade de cada um), buscar a padronização. 2. Localizar as áreas de recebimento e expedição. 3. Localizar as áreas primárias, secundárias de separação de pedidos e estocagem. 4. Definir o sistema de localização dos materiais. Padronização Normalmente nas empresas, são encontrados materiais especificados de forma tão semelhante que, na maioria das vezes, poderiam ser agrupados em um só tipo. A atividade de estabelecer padrões definidos de materiais, estendendo o seu uso ao maior número possível de aplicações ou produtos, é denominada Padronização de Materiais. De maneira geral, o processo de padronização se desenvolve através das seguintes fases: a) Simplificação: consiste em reduzir as variedades, eliminando os itens obsoletos, os materiais desnecessários e os que podem ser substituídos por outros já empregados em maior escala, ou ainda buscando-se um novo material que substituam vários ou até todos os que estão em uso. Uma grande fonte de simplificação é a redução dos diferentes tipos de equipamentos. Durante a fase de simplificação deve-se desenvolver a Análise de Valor, que consiste em coordenar o estudo dos componentes industriais, materiais e processos, respondendo a algumas perguntas básicas, na maioria das vezes utilizando os seus fornecedores como fonte primária de dados: O uso deste material é indispensável? O custo é proporcional à sua utilidade? Há margem de tolerância? Todas as atuais características são realmente necessárias? Existe alguma alternativa melhor, com o mesmo emprego? Há alguém comprando mais barato? Onde? É possível redesenhar a peça, ampliando o seu uso para obter economia de escala? Há algum outro método de manufatura que reduza o custo do processo? Nota: se o material for reprovado nesse teste, estará evidenciado que poderá haver simplificação.

5 b) Especificação: é a padronização propriamente dita, ou seja, o estabelecimento das especificações que definem cada material. Através da padronização definimos: O que é o material; Qual a melhor descrição e suas características relevantes; Quais os padrões de tolerância dessas características. c) Normalização: uma vez especificados os materiais resultantes da simplificação, a normalização é a fase de implantação, que exige muita cautela, pois poderá inclusive implicar na substituição de equipamentos, gerar problemas de assistência técnica, retreinamento de pessoal e até na reorganização da empresa. Além de ser um dos procedimentos indispensáveis à moderna empresa, a normalização apresenta uma série de benefícios, tais como: Economia de capital, representada pela racionalização de materiais, ferramentas, máquinas, mão-de-obra, etc...; Facilidade de treinamento de pessoal; Possibilidade de mecanização e automação; Melhor arrumação (lay-out); Diminuição de custos. Curva ABC curva de Pareto VIDE ANEXO 1 Ao final do século XIX, conduzido um estudo sobre renda e riqueza das nações, o economista italiano Vilfredo Pareto observou que, em 98% dos casos analisados, cerca de 80% da renda total gerada restringia-se a 20% da população, estabelecendo então um principio que chamou de Curva ABC. O emprego mais tradicional da Curva ABC é o ordenamento dos itens de estoque conforme a sua importância relativa. Itens A: normalmente uma pequena proporção do total da linha de materiais, que representa +/- 70% do investimento em estoque. Itens B: uma proporção média, que representa aproximadamente 20% do investimento em estoque. Itens C: o remanescente da linha de materiais, geralmente a maioria, que representa +/- 10% do valor investido em estoque. D = demanda anual produto P U = preço unitário produto C T = custo total produto C T = D x C U O ordenamento é feito seguindo o critério decrescente do Custo Total (C T ). E após é feito o cálculo do Custo Total Acumulado (C TA ), que é a soma dos C T no ordenamento decrescente. E depois calculado a % Participação de cada item. A fase seguinte será a definição das classe ABC da Curva de Pareto. O critério da escolha dos pontos de divisão entre as classes é sujeito apenas ao bom senso e à experiência profissional de cada um. Na classe A, devem estar situados uma pequena quantidade de itens (em torno de 15% a 20%) com valor aproximado de 70%. Na classe C, via de regra ficam de 50% a 55% do número de itens de estoque, com valor aproximado de 10%, restando os intermediários, que logicamente comporão a classe B, com valor em torno de 20%.

6 A análise pela curva ABC além de seu emprego mais tradicional na gestão de estoques, na moderna gestão logística, destaca-se, sobretudo o seu uso nas seguintes finalidades: Avaliação dos diferentes centros de custo na empresa; Principais fornecedores, pelo valor acumulado de compras; Classificação de clientes pelo volume de vendas ou de serviços prestados; Vida útil de equipamentos, em função do custo de manutenção. Considerações de estocagem pelo conceito FIFO (First In-First Out) = PEPS (Primeiro a entrar, primeiro a sair). A aplicabilidade do método de Pareto nos estoques foi comprovada e posta em prática nos Estados Unidos pela empresa General Eletric (GE), logo após a Segunda Guerra Mundial. A partir daí, esse sistema tem se mostrado eficaz como importante instrumento de controle e gerenciamento de estoques. É dividido nas categorias A, B, C, devido a representatividade de cada item em relação aos investimentos feitos em estoques. A classificação por valor (A, B, C) atualizado ou corrigido de cada item, vista, em primeiro lugar, permitir um tratamento adequado que identifica os itens mais significativos para a gestão financeira dos estoques. O tratamento diferenciado dos itens mais importantes para os menos importantes exibe simplificação nos controles, seletividade e racionalização dos estoques. Isto representa tempo x dinheiro, proporcionando melhor desempenho na distribuição dos materiais a serem estocados. CLASSE A materiais de grandes valores financeiros e pequenas quantidades físicas. CLASSE C materiais de pequenos valores financeiros e grandes quantidades físicas. CLASSE B materiais cujos valores financeiros e quantidades físicas se inserem numa categoria intermediária entre A e C Esse meétodo é muito aplicado nas indústrias, devido a sua eficácia na redução de custos. Demonstra que nem todos os itens merecem o mesmo tratamento ou atenção por parte da administração ou para atender as necessidades dos clientes. Sabemos que 20% dos produtos estocados (geralmente itens A) são responsáveis por 80% do valor empregado no estoque, assim como vale dizer que 20% dos clientes são responsáveis por

7 80% do faturamento de uma empresa. Quando se adota esta política de estoques, diz-se que 20% dos itens em estoque são responsáveis por 80% dos valores do mesmo estoque. Pode-se classificar o estoque levando-se em conta desde o item de maior valor até o de menor valor. Para isso, é necessário apenas calcular o valor que cada item representa no estoque, da seguinte maneira: = custo anual x custo unitário do item Após efetuar este cálculo, é necessário listar os itens em ordem decrescente de valor e calcular o percentual relativo de cada item em relação ao custo total do estoque, cujo somatório desse percentual deve ser igual a 100%. Para calcular a importância de cada item em relação aos estoques, é necessário proceder da seguinte forma:. relacionar todos os itens utilizados na produção com seu consumo mensal;. informar-se do custo unitário; e. informar-se da demanda anual. Multiplicando a demanda mensal de cada item por doze encontra-se a demanda anual desse item. É necessário, então, saber quanto se gasta com o item anualmente. Para se chegar a esse valor, o cálculo é simples, basta multiplicar a demanda anual e o custo anual de cada item. Para aplicar o método de Pareto, é preciso encontrar o valor percentual de cada um desses itens. Por meio desta informação, além de ser possível traçar a trajetória anual dos lotes de produtos (ABC), tem-se a representatividade do item na composição do estoque. Para este cálculo, necessitamos do somatório dos custos totais de cada item a partir daí, divide-se o custo total individual pelo total do somatório dos custos totais (esse cálculo é feito item a item). O valor fracionado resultante dessa conta deve ser multiplicado por 100. Produto X = (quantidade mensal x 12) = demanda anual x custo unitário = custo unitário anual. Com este cálculo, fica fácil identificar quais são os itens que recebem mais valores dentro do estoque. Feito isso, a classificação ABC já pode ser realizada. O somatório dos valores anuais de todos os itens fornecerá a quantidade de valores dispensada ao estoque no ano. O cálculo viabiliza um planejamento mais focado nas necessidades, nos itens que mais giram durante o ano e naqueles imprescindíveis a produção. Para calcular a porcentagem de valores que cada item representa no estoque, a conta é simples: basta dividir os valores anuais de cada item pelo valor total do estoque, encontrado na regra acima. DEFINIÇÃO DE ESPAÇO INTERNO DE ARMAZENAGEM Devemos considerar espaço útil de armazenagem olhando não só olhando para o ponto de vista plano (largura e comprimento da área), mas levando em consideração também capacidade volumétrica (largura, comprimento e altura). Hoje é muito comum a empresa buscar a redução de custos: com aquisição de terrenos destinados a construção de depósitos, custo de implantação, custo de depreciação de instalações e custo da manutenção de estoques. A verticalização dos estoques busca minimizar o impacto causado por tais custos. Para um aproveitamento eficiente de todo volume útil exige na maioria dos casos o uso de equipamentos especializados de movimentação, que num primeiro momento representa um custo de implantação alto, onde o gestor irá verificar a quantidade demandada do item em função do uso de tal equipamento, verificando a real utilização, ali será observado o tempo de retorno de tal investimento. Para definir capacidade temos que: Conhecer disposição e largura dos corredores, em função dos equipamentos de movimentação. Estabelecer sentido único nos corredores para evitar acidentes e avarias.

8 Conhecer os materiais a serem movimentados (especificidade de cada um), buscar a padronização. Localizar as áreas de recebimento e expedição. Localizar as áreas primárias, secundárias de separação de pedidos e estocagem. Definir o sistema de localização dos materiais. EQUIPAMENTOS P/ FACILITAR A ARMAZENAGEM A evolução tecnológica, como não poderia deixar de ser, estendeu seus múltiplos benefícios à área de armazenagem, tanto pela introdução de novos métodos de racionalização e dos fluxos de distribuição de produtos, como pela adequação de instalações e equipamentos para movimentação física de cargas. O objetivo primordial do armazenamento é utilizar o espaço nas três dimensões, da maneira mais eficiente possível. As instalações do armazém devem proporcionar a movimentação rápida e fácil de suprimentos desde o recebimento até a expedição. Assim, alguns cuidados essenciais devem ser observados: a. determinação do local, em recinto coberto ou não; b. definição adequada do layout; c. definição de uma política de preservação, com embalagens plenamente convenientes aos materiais; d. ordem, arrumação e limpeza, de forma constante; e. segurança patrimonial, contra furtos, incêndio etc. Ao se otimizar a armazenagem, obtém-se: a. máxima utilização do espaço (ocupação do espaço); b. efetiva utilização dos recursos disponíveis (mão-de-obra e equipamentos); c. pronto acesso a todos os itens (seletividade); d. máxima proteção aos itens estocados; e. boa organização; f. satisfação das necessidades dos clientes. ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) O significado de layout pode ser explicado por meio das palavras desenho, plano, esquema, ou seja, é o modo pelo qual ao se inserirem figuras e gravuras surge uma planta, podendo-se, por conseguinte, afirmar que o layout é uma maquete no papel. O layout influi desde a seleção ou adequação do local, assim como no projeto de construção, modificação ou ampliação, conforme o caso, bem como na distribuição e localização dos componentes e estações de trabalho, assim como na movimentação de materiais, máquinas e operários. Logo, o layout é iniciado com a aplicabilidade da elaboração de um projeto, sendo finalizado por sua concretização. Portanto, para que haja um projeto perfeito, há que se ter um planejamento, tem que existir o layout. 2.1 O layout na armazenagem A realização de uma operação eficiente e efetiva de armazenagem depende muito da existência de um bom layout, que determina, tipicamente, o grau de acesso ao material, os modelos de fluxo de material, os locais de áreas obstruídas, a eficiência da mão-de-obra e a segurança do pessoal e do armazém. Os objetivos do layout de um armazém devem ser:

9 a. assegurar a utilização máxima do espaço; b. propiciar a mais eficiente movimentação de materiais; c. propiciar a estocagem mais econômica, em relação às despesas de equipamento, espaço, danos de material e mão-de-obra do armazém; d. fazer do armazém um modelo de boa organização. A metodologia geral, para projetar um layout de um armazém, consiste em cinco passos: a. definir a localização de todos os obstáculos; b. localizar as áreas de recebimento e expedição; c. localizar as áreas primárias, secundárias, de separação de pedidos e de estocagem; d. definir o sistema de localização de estoque; e. avaliar as alternativas de layout do armazém. O arranjo físico é a disposição física dos equipamentos, pessoas e materiais, da maneira mais adequada ao processo produtivo. Significa a colocação racional dos diversos elementos combinados para proporcionar a comercialização dos produtos. Quando se fala em arranjo físico, pressupõe-se o planejamento do espaço físico a ser ocupado e utilizado. O arranjo físico é representado pelo layout, que significa colocar, dispor, ocupar, localizar, assentar. O layout é o gráfico que representa a disposição espacial, a área ocupada e a localização dos equipamentos, pessoas e materiais. No depósito, os principais aspectos do layout a serem verificados são os seguintes: ITENS DE ESTOQUE As mercadorias de maior saída do depósito devem ser armazenadas nas imediações da saída ou expedição, a fim de facilitar o manuseio. O mesmo deve ser feito com os itens de grande peso e volume CORREDORES Os corredores dentro do depósito deverão facilitar o acesso às mercadorias em estoque. Quanto maior a quantidade de corredores maior será a facilidade de acesso e tanto menor o espaço disponível para o armazenamento. Armazenamento com prateleiras requer um corredor para cada duas filas de prateleiras. A largura dos corredores é determinada pelo equipamento de manuseio e movimentação dos materiais. A localização dos corredores é determinada em função das portas de acesso e da arrumação das mercadorias. Entre as mercadorias e as paredes do edifício devem existir passagens mínimas de 60 cm, para acesso às instalações de combate a incêndio PORTAS DE ACESSO As portas de acesso ao depósito devem permitir a passagem dos equipamentos de manuseio e movimentação de materiais. Tanto sua altura como a largura devem ser devidamente dimensionadas. O local de expedição ou de embarque de mercadorias deve ser projetado para facilitar as operações de manuseio, carga e descarga. Próximo ao local de expedição ou de embarque e desembarque deve haver um espaço de armazenagem temporária para se colocar separadamente as mercadorias, conforme o tipo. O acostamento para veículos deve considerar a quantidade diária de embarques e desembarques, bem como o tempo de carga e descarga de caminhões.

10 2.1.4 PRATELEIRAS E ESTRUTURAS Quando houver prateleiras e estruturas no depósito, a altura máxima deverá considerar o peso dos materiais. O topo das pilhas de mercadorias deve se distanciar um metro das luminárias do teto ou dos sprinklers (equipamentos fixos de combate a incêndio) de teto. As mercadorias leves devem permanecer na parte superior das estruturas, e as mercadorias mais pesadas devem ser armazenadas nas barras inferiores da estrutura. O piso deve ser suficientemente resistente para suportar o peso das mercadorias estocadas e o trânsito dos equipamentos de movimentação. UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO VERTICAL Na sociedade atual densamente povoada, está em marcha a racionalização das técnicas de circulação. No caso particular dos Almoxarifados, até há pouco tempo considerados, como já vimos, simplesmente como lugar para guarda de materiais, há também um esforço voltado para se obter maior funcionalidade, sob aspectos de transporte, manuseio e armazenagem dos materiais. O aproveitamento máximo da área e do espaço, que são cada vez mais escassos diante das necessidades crescentes, é sua meta essencial. O espaço é, 80 % das vezes, apontado como principal problema em Almoxarifados, não como causa, mas como efeito da baixa ocupação de itens em estoque. Identifica-se a real ocupação do espaço por meio do indicador "taxa de ocupação volumétrica", que leva em consideração o espaço disponível versus o espaço utilizado. Outro fator diretamente relacionado com a taxa de ocupação é a "seletividade", ou seja, o pronto acesso a todos os itens, o que resulta em imediato atendimento, propiciando um nível adequado de serviço. Por outro lado, não se pode imaginar a utilização do espaço vertical sem o concurso de paletes. Um dos fatores fundamentais na armazenagem é a correta utilização do espaço disponível, o que demanda estudo exaustivo das cargas a armazenar, níveis de armazenamento, estruturas para armazenagem e meios mecânicos a utilizar. Assim é que, para ilustrar o avanço dessa especialização, passamos, nas páginas subseqüentes, em exemplos ilustrativos ou em estudos de casos, à apresentação de alguns modelos com elevado índice de aperfeiçoamento, os quais espelham o acompanhamento da tecnologia contemporânea. CRITÉRIOS DE ARMAZENAGEM A armazenagem pode ser simples ou complexa. Dependendo de algumas características intrínsecas dos materiais, a armazenagem torna-se complexa em virtude de: a. fragilidade; b. combustibilidade; c. volatização; d. oxidação; e. explosividade; f. intoxicação; g. radiação; h. corrosão; i. inflamabilidade; j. volume; k. peso; l. forma.

11 Os materiais sujeitos à armazenagem complexa demandam, entre outras, as seguintes necessidades básicas: a. preservação especial; b. equipamentos especiais de prevenção de incêndios; c. equipamentos de movimentação especiais; d. meio ambiente especial; e. estrutura de armazenagem especial; f. manuseio especial, por intermédio de EPI's (Equipamentos de Proteção Individual) adequados. Além de considerar esses itens, o esquema de armazenagem escolhido por uma empresa depende primordialmente da situação geográfica de suas instalações, da natureza de seus estoques, tamanho e respectivo valor. Não existem regras taxativas que regulem o modo como os materiais devem ser dispostos no Almoxarifado, motivo pelo qual se deve analisar, em conjunto, os aspectos analisados anteriormente, para, então, decidir pelo tipo de arranjo físico mais conveniente, selecionando qual das alternativas melhor atende a seu fluxo de materiais: 1. Armazenagem por agrupamento: esse critério facilita as tarefas de arrumação e busca, mas nem sempre permite o melhor aproveitamento do espaço. 2. Armazenagem por tamanhos (acomodabilidade): esse critério permite bom aproveitamento do espaço. 3. Armazenagem por freqüência: esse critério implica armazenar tão próximo quanto possível da saída os materiais que tenham maior freqüência de movimento. 4. Armazenagem especial: por meio desse critério, destacam-se: a. ambiente climatizado: destina-se a materiais cujas propriedades físicas exigem tratamento especial; b. inflamáveis: os produtos inflamáveis devem ser armazenados em ambientes próprios e isolados, projetados sob rígidas normas de segurança: critérios para armazenagem de cilindros de gases especiais: muitos gases têm propriedades similares entre si e são, portanto, reunidos em 6 (seis) grupos. Tais categorias são baseadas em propriedades químicas e físicas similares, compatibilidade de estocagem e procedimentos de manuseio de emergência generalizados. Os grupos são numerados de "1" (menos perigosos) a "6" (mais perigosos), conforme demonstrado abaixo. Para cada grupo específico, existem requisitos gerais de armazenagem e procedimentos de manuseio de emergência pertinentes àquela categoria de produtos. Grupo 1: Não inflamáveis, não corrosivos, baixa toxidez Grupo 2: Inflamáveis, não corrosivos, baixa toxidez Grupo 3: Inflamáveis, tóxicos e corrosivos Grupo 4: Tóxicos e/ou corrosivos, não inflamáveis Grupo 5:Espontaneamente inflamáveis Grupo 6: Muito venenosos Os cilindros devem ser colocados em áreas cobertas, ventiladas e em posição vertical, de modo compacto, onde uns impeçam a movimentação dos outros, observando-se que podem ser armazenados juntos somente os gases cuja soma dos números do grupo perfizerem 5, assim: argônio (grupo 1) com amônia (grupo 4);

12 metano (grupo 2) com monóxido de carbono (grupo 3). c. perecíveis: os produtos perecíveis devem ser armazenados segundo o método FIFO (First In First Out), ou seja, primeiro que entra primeiro que sai. 5. Armazenagem em área externa: devido a sua natureza, muitos materiais podem ser armazenados em áreas externas, contíguas ao Almoxarifado, o que diminui os custos e, em paralelo, amplia o espaço interno para materiais que necessitam de proteção em área coberta. A prática demonstra que podem ser colocados nos pátios externos do Almoxarifado, além dos materiais a granel, tambores e contentores, peças fundidas, chapas de metal e outros. O uso de contentores viabiliza a armazenagem externa à medida que protege os materiais ali contidos. 6. Coberturas alternativas: a escassez de área e o custo de construção são dois componentes significativos na de terminante de um Almoxarifado. Considere-se que, independentemente de as empresas possuírem pátios para armazenagem alocados em área descoberta, em determinadas circunstâncias, podem também necessitar de alguma área a mais, temporariamente, para abrigar materiais em ambiente coberto. Não sendo viável a expansão do Almoxarifado, a solução do problema está na utilização de coberturas plásticas, as quais possuem a vantagem de dispensar fundações, permitindo a guarda de materiais ao menor custo de armazenagem. Dependendo da necessidade, existem em disponibilidade no mercado diversos tipos de cobertura, as quais também podem ser locadas, se a empresa interessada assim preferir. Destacamos dois modelos entre os tipos existentes: a. galpão fixo: trata-se de galpão construído com perfilados de alumínio e conexões de aço galvanizado, cobertos com laminado de PVC anti-chama, de elevada resistência a rasgos, fungos e raios ultravioleta; b. Galpão móvel: as características da estrutura e da cobertura do galpão móvel são praticamente semelhantes às do fixo. Porém, a grande vantagem desse tipo de galpão é a sua flexibilidade, ou seja, sua capacidade de deslocamento, permitindo a manipulação de materiais por todos os cantos e eliminando a necessidade de corredores.

13 CONTROLE DE MATERIAIS PERECÍVEIS Em face da importância que os perecíveis apresentam, por meio dos conceitos referentes à sua classificação, os materiais assim enquadrados necessitam de controle pormenorizado e particularizado de armazenagem. Os produtos perecíveis devem ser armazenados conforme a técnica FIFO (First ln First Out), ou seja, primeiro que entra primeiro que sai, de forma a permitir que naturalmente seja observada a data de validade dos produtos. Se não houver controle e metodologia apropriada, fatalmente a deficiência provocará perdas com conseqüências danosas ao abastecimento da empresa. Para evitar que perdas aconteçam, por falhas ou desconhecimento da validade desses produtos, deve-se controlar as entradas e saídas, garantindo a técnica FIFO. Em virtude do escopo e de suas peculiaridades, fica inviável e incompatível o controle pelo Sistema de Gerenciamento de Estoques, em vista das particularidades dos materiais perecíveis, tão necessárias ao Almoxarifado que os armazena, quais sejam, data de fabricação, prazo de validade, fornecimento dos lotes mais antigos e/ou mais próximos do vencimento do prazo de validade e localização de lotes. Assim, torna-se lógico e imperativo a manutenção de controle acurado de materiais perecíveis estritamente pelo Almoxarifado. O material perecível, classificado como tal, permite, desde que devidamente programado, ao Almoxarife alimentar um subsistema, por meio de microcomputador, com os seguintes pormenores: a. inclusão de lotes de materiais perecíveis; b. requisição de materiais perecíveis; c. alteração dos lotes de materiais perecíveis; d. exclusão dos lotes de materiais perecíveis; e. atualização da situação dos lotes. O subsistema em pauta engloba quatro fases distintas, a saber: a. controle de recebimento; b. atendimento de requisições de material; c. atendimento de devoluções de material; d. atualização da situação do lote. Para tanto, o sistema deve emitir alertas para decisão do órgão gestor, no tocante às anormalidades de lotes de materiais perecíveis no estoque, servindo, também, dessa forma, como subsídio para a análise de inservíveis: materiais a vencer e materiais vencidos em estoque.

14 MANUSEIO DE MATERIAIS PERIGOSOS A figura abaixo apresenta uma tabela que, devidamente codificada, conforme as peculiaridades dos materiais de cada empresa, define instruções importantes aos Almoxarifes, visando proporcionar segurança para produtos considerados periculosos durante o manuseio e a armazenagem.

15 UTILIZAÇÃO DE PALETES Para entendermos plenamente a utilização do espaço vertical, há que se analisar a utilidade dos paletes para a movimentação, manuseio e armazenagem de materiais. Os estudos têm demonstrado que a economia por palete, quando se considera a mais ampla faixa de movimentação de materiais, desde a matéria-prima até os canais de varejo, pode tornar-se muito significativa. Assim, a paletização vem sendo utilizada, com freqüência cada vez maior, em empresas que demandam manipulação rápida e armazenagem racional, envolvendo grandes quantidades. A paletização consiste na combinação de peças pequenas e isoladas, com o objetivo de realizar, de uma só vez, a movimentação de um número maior de unidades. A característica comum aos sistemas de armazenagem é a utilização de paletes para

16 movimentação e estocagem de quase todos os materiais, motivo pelo qual ao palete é creditado o aumento da capacidade de estocagem, a redução da largura dos corredores, economia de mão-de-obra e redução de custos. Os paletes podem economizar grandes áreas e, combinados com sistemas eficientes de armazenagem, proporcionam facilidades e maior segurança à entrada e saída de materiais no estoque. A fim de se entender o processo de evolução, iremos analisar a seguir definição, utilização, classificação e materiais para fabricação de paletes. Definição Estabelecida à participação do palete, em um conceito amplo do sistema de movimentação de materiais, pode-se defini-lo como: "Uma plataforma disposta horizontalmente para carregamento, constituída de vigas, blocos ou uma simples face sobre os apoios, cuja altura é compatível com a introdução de garfos de empilhadeira, paleteira ou outros sistemas de movimentação, e que permite o arranjo e o agrupamento de materiais, possibilitando o manuseio, a estocagem, a movimentação e o transporte num único carregamento." Vantagens Se estivéssemos dispostos a alinhar todas as vantagens decorrentes da utilização de paletes, certamente não esgotaríamos o assunto. Há, entretanto, algumas vantagens evidentes que são apontadas por quem os utiliza, entre as quais podemos destacar: a. melhor aproveitamento do espaço disponível para armazenamento, utilizando-se totalmente o espaço vertical disponível, por meio do empilhamento máximo; b. economia nos custos do manuseio de materiais, por meio da redução nos custos da mão-deobra e do respectivo tempo normalmente necessário para as operações braçais; c. possibilidade de utilização de embalagens plásticas ou amarração por meio de fitas de aço da carga unitária, formando uma só embalagem individual; d. compatibilidade com todos os meios de transporte, quais sejam, terrestre, marítimo e aéreo; e. facilita a carga, descarga e distribuição nos locais acessíveis aos equipamentos de manuseio de materiais; f. permite disposição uniforme do estoque de materiais, o que, por sua vez, concorre para reduzir a obstrução nos corredores do armazém e pátios de descarga; g. os paletes podem ser manuseados por uma grande variedade de equipamentos, como paleteiras, empilhadeiras, transportadores, elevadores de carga e até sistemas automáticos de armazenagem. Dificuldades Tipos Embora as dificuldades a seguir enumeradas dificultem sobremaneira a utilização de paletes, elas podem ser superadas: a. utilização de embalagens não padronizadas; b. pesos dos paletes; c. vida curta e pragas que os atacam, quando fabricados em madeira. Apesar da variedade de paletes, a nomenclatura para designá-los é relativamente simples e direta. Assim, temos:

17

18

19 Seleção Há diversos fatores que devem ser considerados ao se escolher um palete para operar em determinado sistema: peso, resistência, tamanho, necessidade de manutenção, material empregado na construção, umidade (para os de madeira), tamanho das entradas para os garfos, tipo de construção, tipo de carga a ser carregada, capacidade de empilhamento e custo. Os paletes podem ser fabricados em: madeira, plástico e metal. 1. Paletes de Madeira: a madeira sempre foi a matéria-prima básica para a fabricação de paletes, sendo utilizada em larga escala. Desvantagens apresentadas: durabilidade, necessidade de reposição e custo de reposição. 2. Paletes de Plástico: os de plástico são relativamente novos no cenário da movimentação de cargas. Diversas vantagens são atribuídas aos paletes de plástico, algumas, como o baixo custo, são função exclusiva de projeto específico, enquanto outras são decorrentes das propriedades do material: resistência à umidade, resistência aos agentes químicos, baixo peso, superfícies lisas (sem pregos, parafusos ou grampos) e baixo custo. Entretanto, além de escorregadio, a durabilidade desse tipo de palete é comprometida pela tendência do plástico em rachar, quando submetido a esforços extraordinários, e à dificuldade de reparo, o que acaba comprometendo a eventual vantagem de seu baixo custo. 3. Paletes Metálicos: os metálicos são aplicados em situações específicas, como, por exemplo, em fundições e ferramentarias, em que persiste a exigência de utilização de unidades metálicas devido ao peso excessivo das cargas, altas temperaturas e trabalhos pesados. São fabricados nas mais diversas configurações e, como acontece com os de material plástico, apresentam muitas alternativas de inovação. A utilização de solda elimina a necessidade de pregos e parafusos, propiciando, ainda, grande rigidez e estabilidade dimensional a esse tipo de palete. À semelhança dos tradicionais de madeira, fabricam-se paletes metálicos para duas ou quatro entradas, de face simples ou dupla, extremamente duráveis. ESTRUTURAS METÁLICAS PARA ARMAZENAGEM Um dos fatores fundamentais na armazenagem, como já vimos, é a correta utilização do espaço disponível, o que demanda estudo exaustivo das cargas, níveis e estruturas para armazenagem, como também dos meios mecânicos a utilizar. A tabela a seguir demonstra a largura mínima de corredores e a altura máxima de empilhamento para manuseio de materiais por meio de diversos tipos de empilhadeiras, o que, de certa forma, vai orientar na seleção de tipos de estruturas para armazenagem. A esse respeito, cabe considerar que o peso e o volume das cargas, além dos meios previstos para a entrada e saída de materiais, influem de forma determinante sobre a estrutura e o dimensionamento de seus elementos construtivos.

20 De conformidade com o peso, volume e forma de manuseio dos materiais a armazenar, as estruturas podem, de maneira simples, classificar-se em duas categorias, quais sejam, leves e pesadas. Assim, destacamos, entre outros, os seguintes tipos básicos de estruturas metálicas para armazenagem: 1. Estrutura leve em prateleira de bandejas: trata-se de estantes metálicas constituídas com colunas em perfis de chapa de aço dobrada, perfuradas continuamente segundo determinado passo, e prateleiras, também em chapa de aço dobrada, com posição regulável na altura, adequadas ao armazenamento de materiais leves, de até 35 kg, manuseados sem a necessidade de qualquer equipamento, e que admitem urna carga de 250 kg uniformemente distribuídos. Com o conjunto gerado, pode-se montar um mezanino, com vários pisos intermediários, dependendo, evidentemente, da natureza dos estoques da empresa.

21 2. Estrutura porta-palete: trata-se de estrutura pesada, na qual as prateleiras são substituídas por plano de carga constituído por um par de vigas que se encaixam em colunas, com possibilidade de regulagem de altura. Os paletes são armazenados e retirados individualmente por empilhadeiras que se movimentam em corredores.

22 A estrutura porta-palete convencional gerou sistemas para alta densidade e para armazenagem dinâmica. Os sistemas para alta densidade são conhecidos como drive-in e drive-through, enquanto a armazenagem dinâmica, além dela própria, gerou a variação push back. Drive-in: proporciona solução otimizada para aproveitamento do espaço disponível. Trata-se de porta-palete constituído por bloco contínuo, não separado por corredores intermediários, por meio do qual as empilhadeiras movimentam-se dentro da própria estrutura, para depositar ou retirar materiais. O drive-in é recomendado para grande quantidade e pequena variedade de materiais. As movimentações de entrada e saída são efetuadas em separado, com o estoque manipulado de uma só vez em intervalos prolongados. Esse sistema oferece, entre outras, as seguintes vantagens: a. excelente aproveitamento da área disponível, maximizando o volume armazenado pela virtual ausência de corredores; b. armazenamento, na metade da área, do mesmo número de paletes de um portapalete convencional; c. quando comparado com outro sistema de alta densidade, o investimento é relativamente baixo, proporcionando baixo custo por lugar-palete; d. utilização de vários tipos de empilhadeiras, com mínimas modificações na estrutura de proteção ao operador; e. não havendo superposição de cargas, eliminação do esmagamento acidental ou mesmo da queda de pilhas. Em contrapartida, registram-se certos inconvenientes: a. movimentação dos paletes que estão à frente, para atingir os do meio; b. movimentação do estoque, retirando-se por último o que entrou primeiro, condição que limita a variedade dos materiais selecionados para armazenamento, não se prestando, evidentemente, a perecíveis.

23 Drive-through: as desvantagens existentes no sistema drive-in, no qual a empilhadeira o adentra, são contornadas pelo sistema drive-through, em que a empilhadeira o atravessa, o que, na prática, gera a alimentação por um lado e a retirada pelo lado oposto. Armazenagem dinâmica: sistema indicado para materiais a serem armazenados de conformidade com o princípio FIFO (First In First Out), ou seja, primeiro que entra primeiro que sai. Corredores de acesso somente serão necessários nas duas fases da operação, para carga e descarga dos paletes. Pelo fato de vários túneis (pistas) serem montados lado a lado, o espaço disponível para armazenagem é utilizado de forma otimizada. O fluxo é automático, com os paletes movimentando-se sobre pistas de rolos ou de trilhos de roletes, por ação da gravidade, sem necessidade de empilhadeiras e operadores, mantendo-se em velocidade constante, pois são usados, em toda extensão das pistas, reguladores de velocidade. O sistema possui também, ao final do percurso, o separador de paletes, que proporciona a retirada fácil, rápida e segura do primeiro palete da pista.

24 Push-Back: funcionando como variante do modelo dinâmico, trata-se de sistema por impulsão, que melhora a rotatividade e aumenta a seletividade, perfeito para até 4 (quatro) paletes de profundidade, utilizando-se apenas um corredor para colocação e retirada do palete. O palete colocado no trilho é empurrado pelo palete seguinte aclive acima, e assim até o último palete. Na retirada deste último palete todos os demais, por gravidade, descem uma posição.

25

26 3. Armazenagem pelo sistema flow rack: o modelo flow rack foi concebido para materiais de pequeno volume e peso, cuja armazenagem dispensa a utilização de palete. Trata-se de sistema que atende materiais de até no máximo 80 kg/m, indicado para a utilização do FIFO, por meio de trilhos apoiados sobre longarinas que permitem ajustar a altura e regulagem para inclinação. Os materiais são carregados pelo lado mais alto e descarregados pela frente, permitindo fácil acesso e rápida reposição. 4. Estrutura cantilever: estrutura típica para armazenagem de peças de grande comprimento, barras, tubos e perfis, constituída por uma série de cavaletes, formados por colunas perfuradas nas quais se encaixam os braços em balanço, cuja altura é regulável. Os cavaletes são interligados por intermédio de distanciadores. Os materiais armazenados nessa estrutura são manuseados por empilhadeira lateral.

27 5. A-Frame: é um sistema de alta produtividade capaz de separar centenas de pedidos em um curto espaço de tempo, com grande precisão e com um reduzido quadro de pessoal. Este é um sistema modular, integrado por uma esteira transportadora, sobre a qual existe uma estrutura composta de uma série de canais que cobre ambos os lados da esteira. Cada canal trabalha com um determinado SKU, tendo capacidade de armazenar diversas unidades, que ficam empilhadas em sua respectiva estrutura. Figura 4 - A-Frame O sistema de comando do A-Frame controla a ejeção dos produtos de cada canal na esteira e cada seção da esteira é associada a um determinado pedido. No final da linha, os produtos são automaticamente transferidos para caixas e transportados para as outras áreas de

28 picking, ou diretamente para área de embarque, caso o pedido esteja completo. Diversos módulos de A-Frame podem ser utilizados - tanto em série quanto em paralelo - para que seja aumentada a capacidade do sistema. Além disso, esta tecnologia também pode ser utilizada em conjunto com outros sistemas de separação. Este tipo de sistema permite uma separação bastante rápida com alta produtividade, no entanto apresenta algumas restrições de uso relativas a fragilidade e/ou formato dos itens manuseados. 6. Carrossel: são equipamentos rotacionais, verticais ou horizontais, que acondicionam os produtos com a função de trazê-los até o operador, eliminando os tempos associados ao seu deslocamento e a procura de produtos. A principal vantagem deste sistema é permitir uma operação com uma grande variedade de itens. Além disso, o carrossel vertical também permite um bom aproveitamento de espaço por aproveitar o pé direito do prédio. A sua principal desvantagem está relacionada com a velocidade de coleta, relativamente lenta, o que o torna muitas vezes não recomendável. Figura 5 - Carrossel Vertical 7. Os sistemas de estocagem e coleta automáticos (AS/RS): são capazes de operar com unidades de movimentação mais fracionadas são conhecidos como miniload (figura 6). No entanto, mesmo os miniload são capazes de operar apenas com caixas, ou itens de grande volume. O seu funcionamento é bastante parecido com o do transelevador (unit load). Entre as principais vantagens do miniload pode-se destacar a sua precisão e velocidade, além da potencialidade de operar com uma grande variedade de itens. Entre as desvantagens, destacam-se o elevado custo de implementação e manutenção, e a falta de flexibilidade desses sistemas. Figura 6 - Miniload

29 8. A separação por rádio freqüência: este tipo de sistema se apóia na comunicação por rádio frequência para auxiliar o operador na coleta dos itens. Para isso, o operador utiliza um terminal de mão ou um terminal preso ao braço que indica sempre o endereço do próximo produto e o número de unidades a ser coletadas. Ao realizar a coleta dos itens, o operador faz a leitura do código de barra dos produtos, através do terminal manual, que confere a coleta e indica o endereço do próximo produto a ser coletado. Este tipo de tecnologia está sendo bastante utilizada no Brasil pelo seu baixo custo e alta flexibilidade. A sua grande desvantagem está relacionada a sua performance que é limitada pela velocidade de deslocamento do operador. Figura 7 -Terminal de rádio frequência com leitura ótica ACESSÓRIOS PARA ARMAZENAGEM Para a seleção de acessórios para armazenamento, é primordial o entendimento das formas pelas quais os materiais podem ser manuseados e armazenados. Assim, além do palete, os acessórios habitualmente utilizados no armazenamento são os seguintes: a. Caixas diversas: adequadas para materiais de pequenas dimensões, podem ser adquiridas no mercado em dimensões padronizadas. b. Racks: construídos normalmente em aço, prestam-se para acomodar materiais das mais diferentes formas, podendo ser empilháveis. c. Contêineres paletizados: construídos com grades de arame, totalmente dobráveis e articulados, montados sobre paletes, com grande capacidade de empilhamento, possibilitam vantagens no arranjo físico e considerável economia no espaço de armazenagem.

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Engº. Cláudio Sei Guerra OUTUBRO - 2006 Revisado ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 06 4. Porta-Pallets

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Um pouco da história

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Um pouco da história SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Um pouco da história Podemos ficar surpresos ao saber que os primeiros armazéns foram construídos por volta de 1800 a.c., com José ao interpretar

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Eng.º. Cláudio Sei Guerra FEVEREIRO - 2014 ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 07 4. Porta-Pallets

Leia mais

Block Plus sistema convencional

Block Plus sistema convencional SOLUÇÕES DE ARMAZENAGEM Block Plus sistema convencional Block Plus sistema convencional estantes convencionais Trata-se do sistema de armazenagem mais comum e generalizado, adequado para armazenagem dedicada

Leia mais

O Produto O QUE É O PRODUTO LOGÍSTICO?

O Produto O QUE É O PRODUTO LOGÍSTICO? O Produto Quando um refrigerador não é um refrigerador? Quando ele está em Pittsburgh no momento em que é desejado em Houston. J.L. Heskett NA. Glaskowsky R.M.lvie Toda a logística gira em torno do produto.

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar 50 anos a oferecer soluções de armazenagem 3 Presença em mais de 70 países 3 11 centros de produção 3 4 centros

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem

Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem Os chamados Sistemas de Armazenagem fazem parte de um grupo de acessórios e equipamentos bastante utilizados na indústria como uma maneira mais simplificada

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Ricardo A. Cassel A movimentação de materiais é uma atividade importante a ser ponderada quando se deseja iniciar o projeto de novas instalações. Existe uma forte relação entre

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

Elevador para Cabinas Elevador para Cabinas / Montacarga Elevador para Paletes Elevador Contínuo / Elevador para Pequenos Volumes

Elevador para Cabinas Elevador para Cabinas / Montacarga Elevador para Paletes Elevador Contínuo / Elevador para Pequenos Volumes Forma Construtiva dos Transelevadores Modo de Funcionamento dos Transelevadores Sistemas de Transferência Transelevadores para Armazém Autoportante Transelevadores para Armazém Autoportante Climatizado

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade III MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Introdução Conhecer as necessidades de gestão de armazém é fundamental; Aqui vamos conhecer os tipos de armazenagem; Tipos de armazenagens São

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM Os consumidores quando vão às prateleiras das lojas esperam encontrar os produtos que necessitam, não importando se os produtores estão a 10 ou 2.500 Km de distância. Este é o trabalho da logística: prover

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE PARA A ÁREA DE EXPEDIÇÃO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO

DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE PARA A ÁREA DE EXPEDIÇÃO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE PARA A ÁREA DE EXPEDIÇÃO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO Paula de Moraes Rodrigues (UFSCar) pa_mrodrigues@hotmail.com Mauricio Bissi Pires (UFSCar) mauriciobissi@yahoo.com.br

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos 5 ª Prova de Avaliação de Logística Teórica Alternativa Dissertativa

CENAIC Centro Nacional Integrado de Cursos 5 ª Prova de Avaliação de Logística Teórica Alternativa Dissertativa Nome: Data: / /. Dia da Semana: Horário de Aula das : ás :. Nome do Professor: Carlos Roberto Mettitier Esta avaliação teórica tem o peso de 10 pontos. Instruções para realização da avaliação: 1. A avaliação

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 2 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Equipamentos de Armazenagem Simplicidade Barato Flexível Relação custo e benefício Principais Atribuições Peculiaridade

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2011

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2011 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2011 A QUALIDADE DA OFERTA DO NOVO ESTOQUE DE CONDOMÍNIOS LOGÍSTICOS COM FOCO NA DEMANDA E NO CENÁRIO ECONÔMICO ATUAL Pedro Poletto,

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 6 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Cargas, embalagens e unitização Modulação, Unitização, Acondicionamento

Leia mais

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES Cristina Pereira Medeiros (UESC) cris_eps@hotmail.com

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING O QUE É PICKING? atividade responsável pela coleta do mix correto de produtos, em suas quantidades corretas da área de armazenagem para satisfazer as necessidades do

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível.

Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível. Push-back Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível. Características gerais do sistema Push-back As estantes Push-back

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 005/2011, de 19 de setembro de 2011. Disciplina o recebimento, a armazenagem, a estocagem e a distribuição de materiais pelos almoxarifados da UDESC. O Pró-Reitor de Administração

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Dimensionamento de espaço

Dimensionamento de espaço Dimensionamento de espaço Definindo os volumes de produtos e os tipos de produtos que serão tratados no projeto, teremos condições, a partir de agora, de dimensionar o tamanho do armazém, suas características

Leia mais

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Armazenagem e a logística Qual é o papel da armazenagem na logística? Armazenagem e a logística Auxilia no atendimento à Missao da Logística. Qual

Leia mais

Soluções de armazenagem. Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar

Soluções de armazenagem. Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar Soluções de armazenagem Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar Software gestão armazéns Durante mais de 50 anos o Grupo Mecalux tem vindo a oferecer ao mercado soluções de

Leia mais

A SOLUÇÃO SOB MEDIDA PARA SUA ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM

A SOLUÇÃO SOB MEDIDA PARA SUA ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM A SOLUÇÃO SOB MEDIDA PARA SUA ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM A CESTARI PRODUTOS GALVANIZADOS produz equipamentos para todo processamento de produtos em geral que asseguram o melhor resultado para a indústria

Leia mais

Aula II Armazenagem; Inventário. Professor Argélio Lima Paniago

Aula II Armazenagem; Inventário. Professor Argélio Lima Paniago Aula II Armazenagem; Inventário Professor Argélio Lima Paniago Armazenagem Armazenagem de matérias merece um planejamento especifico, Condições impróprias de materiais geram desperdícios, Não acrescenta

Leia mais

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA Como obter mais resultados com menos despesas Thomas Burger - Arquiteto Burger Arquitetos Arquitetura e Gerenciamento de Projetos Porto Alegre

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 07 Tipos de estocagem Sistema de estocagem Principais técnicas Equipamentos de estocagem 1 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Escolha o melhor fornecedor de sistemas e tecnologia e ganhe flexibilidade, rendimento e eficiência operacional automação que traz resultados

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA.

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. Franck

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte 0 1 INTRODUÇÃO A primeira embalagem de papelão ondulado surgiu há mais de 100 anos e percorreu um longo caminho até os dias de hoje, evoluindo gradativamente

Leia mais

www.endal.pt SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional

www.endal.pt SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional SISTEMAS GLOBAIS DE ARMAZENAGEM Sistemas Globais de Armazenagem Paletização Convencional Armazenagem Compacta Drive-ln Drive-Through Dinâmica por Gravidade Armazenagem Climatizada Picking Estantes Deslizantes

Leia mais

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade III

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade III Unidade III 3 LAYOUT NO ARMAZÉM 3.1 Considerações sobre o layout do armazém A realização de uma operação eficiente e efetiva de armazenagem depende muito da existência de um bom layout do armazém, que

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo - Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo PRINCIPAIS ÁREAS P/ DIMENSIONAMENTO DA FÁBRICA 1. Centros de produção

Leia mais

Resumo da 2ª Avaliação

Resumo da 2ª Avaliação Resumo da 2ª Avaliação ARMAZENAMENTO DE MATERIAIS 1) INTRODUÇÃO O desenvolvimento da armazenagem na empresa compreende um conjunto de atividades com função logística de ABASTECIMENTO que requer meios,

Leia mais

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes!

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks Os paletes revolucionaram a logística, ao unitizar as cargas e reduzir custos drasticamente. Agora, uma nova revolução tem

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA CROSS DOCKING NA LOGÍSTICA DE EXPEDIÇÃO EM BUSCA DA REDUÇÃO DE TEMPO DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Tatiane Vaz Ferreira Daudte 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Soluções criativas em pallets plásticos para transporte e armazenamento de mercadorias.

Soluções criativas em pallets plásticos para transporte e armazenamento de mercadorias. Soluções criativas em pallets plásticos para transporte e armazenamento de mercadorias. Nossos diferenciais Pioneirismo. Em 1970, a Schoeller introduziu a garrafeira plástica no mercado nacional. Liderança

Leia mais

Rev.1 18.01.2013. Racks Paletização KD

Rev.1 18.01.2013. Racks Paletização KD 18.01.2013 Racks Paletização KD O sistema de armazenagem KD de cargas médias e pesadas representa a melhor solução para armazéns em que é necessária uma correta armazenagem para produtos paletizados com

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos CHECK SEU LAYOUT Com a quantidade a produzir, o planejamento do fluxo geral dos materiais, os métodos de trabalho planejados, mais o trabalho padrão especificado, nós podemos determinar e dimensionar os

Leia mais

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Movimentação de Materiais 1.0 Movimentação de Materiais É a operação de deslocamento físico de materiais de um local para outro, dentro da instalação de armazenamento.

Leia mais

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS Movimentação de Granéis Há mais de 88 anos garantindo os melhores resultados para nossos clientes. 03 A Companhia Experiência aliada à inovação. É isso que faz a Kepler Weber

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo V Gerenciamento de Depósito Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características A função logística da armazenagem A armazenagem está relacionada diretamente

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

Plataforma Logística Multimodal Projeto Santa Maria - RS

Plataforma Logística Multimodal Projeto Santa Maria - RS Projeto Santa Maria - RS 2011 Fornecedor Fábrica Cliente Logística de Abastecimento sistema transporte etc Logística Interna PCP estoques etc Logística de Distribuição sistema transporte etc Logística

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM INSTALAÇÕES DE ARMAZENAGEM Complexo de espaços de diferentes naturezas e finalidades, situados em áreas cobertas e descobertas,

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Washington Spejorim As embalagens podem ser definidas de diferentes formas, variando de acordo com o profissional que fizer essa

Leia mais

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada Automatizando a armazenagem Armazenagem automatizada Com a verticalização da armazenagem a automatização tornou-se necessária também, pois os armazéns passaram a utilizar os espaços do piso ao teto. E

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for seu produto, conhecemos a melhor solução para armazená-lo A Mecalux oferece soluções de armazenagem Experiência de mais de 50 anos Presença em mais de 70 países 11

Leia mais

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Características gerais do sistema Push-back As estantes Push-back

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material Estocagem de material A Madeira e seus derivados, por ser o principal insumo utilizado na fabricação de móveis, é um material orgânico e exige cuidados especiais no seu armazenamento. O armazenamento deve

Leia mais

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS 1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Introdução Para que a matéria prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material, deve movimentar-se;

Leia mais

Aula Nº13 - Armazenagem

Aula Nº13 - Armazenagem Aula Nº13 - Armazenagem Objetivos da aula: Você já conhece os diversos tipos de sistemas de manuseio: mecanizados, semi-automáticos e automáticos. Agora, é necessário estudarmos a armazenagem propriamente

Leia mais

750,48. Shop 870,08 1.407,62 704,67 763,00. www.mecalux.com.br/shop

750,48. Shop 870,08 1.407,62 704,67 763,00. www.mecalux.com.br/shop Shop REF.: MC-219 750,48 REF.: MPP-15346 870,08 REF.: Nmc-1169 1.407,62 REF.: RGA-7700B 704,67 REF.: RGA-9078P 763,00 0800 770 6870 www.mecalux.com.br/shop Ligue agora e dentro de 12 dias úteis seu pedido

Leia mais