!!!!!!!! Escola!Profissional!Amar!Terra!Verde!!!!! REGULAMENTO!DA!FORMAÇÃO!PROFISSIONAL!!!!!!!!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "!!!!!!!! Escola!Profissional!Amar!Terra!Verde!!!!! REGULAMENTO!DA!FORMAÇÃO!PROFISSIONAL!!!!!!!!"

Transcrição

1 EscolaProfissionalAmarTerraVerde REGULAMENTODAFORMAÇÃOPROFISSIONAL

2 ÍNDICE 1. Âmbito PolíticaeEstratégiadaEntidade EstruturadosCursosdeFormaçãoProfissional FormaçãoSócioOCultural(BASE) FomaçãoCientificoOTecnologica Prática Finalidades ÓrgãosdaEscola EstruturaOrgânica Alunos/Formandos ProcedimentoparaInscrições Métodos,InscriçãoeSelecçãodeFormandosparaFormaçãoProfissional CondiçõesdeFrequênciadeFormaçãoProfissional DuraçãoeLocal Cronograma,HorárioeInterrupçãodaAcçãodeFormação RegimedeFrequência Faltas Avaliação NaturezadaAvaliação FinalidadesdaAvaliação ModalidadeseMomentosdeAvaliação Responsabilidades,DireitoseDeveres Formadores Formandos DirectorPedagógico/GestordeFormação ResponsávelpelaEstruturadeFormaçãoProfissionaleContinua CoordenadordeCursosdeFormaçãoProfissionaleContínua...20 =2=

3 6.6.ServiçosAuxiliar,AdministrativoeFinanceiro MétodosdeRecrutamentoeSelecçãodosFormadores ContratodePrestaçãodeServiçosdeFormador Honorários InfracçõeseMedidasDisciplinares Certificação Queixas,ReclamaçõeseDesistências ProtecçãodeDados Aplicação =3=

4 1..## ÂMBITTO O presente Regulamento define o funcionamento dos cursos de formação contínua profissional desenvolvida pela Escola Profissional Amar Terra Verde, destinandoose a ser aplicávelatodososintervenientesnesseprocessoformativo. 2..## PPOLLÍ ÍTTI ICCA EE EESSTTRATTÉÉGI IA DA EENTTI IDADEE A Escola Profissional foi criada ao abrigo do D. L. n.º 70/93, tendo como promotores as CâmarasMunicipaisdeVilaVerde,TerrasdeBouroeAmares. Após a publicação 4/98 de 8 de Janeiro a Escola adoptou um novo regime jurídico para clarificar a sua relação com a entidade proprietária tendoose formado a sociedade por quotasescolaprofissionalamarterraverde,lda. É uma instituição de natureza privada com estatuto de utilidade pública e goza de autonomiapedagógica,administrativaefinanceira. Temporobjectivoproporcionaraosjovenseadultosdaregiãoumaformaçãoprofissional continua,adaptadaàsnecessidadesparticularesdomeioemqueseinsere. Considerando que a formação profissional contínua é um dos principais fatores para assegurar a coesão económica e social da Comunidade Europeia e que a mobilidade geográfica depende principalmente da qualificação dos seus cidadãos, a Escola está empenhada em corresponder à finalidade que norteou a sua criação, desenvolvendo as atividadesdeensinoeformaçãocomrigorequalidade. Está também atenta às grandes orientações definidas nos programas comunitários e procuraestabelecercolaboraçãocominstituiçõescongénereseuropeias. A Escola é uma comunidade constituída pela Direção, Professores/Formadores, Alunos/Formandos, Coordenadores de Formação, Pessoal Administrativo e Auxiliares de AçãoEducativa. =4=

5 São também intervenientes no processo educativo: representantes das associações culturaiserecreativasedasassociaçõessóciooeconómicasdaregião. SãoobjetivosdaEscola: Contribuirparaarealizaçãopessoaldosjovens,proporcionando,designadamente,a preparaçãoparaavidaactiva. Proporcionarosmecanismosdeaproximaçãoentreaescolaeomundodotrabalho, nomeadamente,aplanificação,realizaçãoeavaliaçãodeestágios. Proporcionar a formação integral e integrada dos jovens e adultos, qualificandooos paraoexercícioprofissionaleparaoprosseguimentodeestudos; Prestar serviços educativos à comunidade na base de uma troca e enriquecimento mútuos; Analisar necessidades de formação locais e regionais e proporcionar as respostas formativasadequadas; Contribuir para o desenvolvimento social, económico, ambiental e cultural da comunidade; Proporcionarodesenvolvimentoindividualdosseuscolaboradorescriandocondições paraadinâmicaeenriquecimentodaorganização; Cumprirtodososrequisitoslegaisaplicáveis; Assegurar o comprementimento dos fornecedores, subcontratados e subfornecedores na implementação dos requisitos normativos da responsabilidade social. Prevenir a poluição e proteger o meio ambiente dirigindo os seus esforços para a procuradeumamaiorcompatibilidadeambientalcomtodaaactividadedesenvolvida. Atendendo a que a formação e o ensino deve privilegiar não só os conteúdos e saberes feitos, mas também os problemas do interesse do indivíduo e da sociedade, procuraose =5=

6 queasactividadesdidácticasadesenvolvermobilizemosalunosnocontextoambientale mundial e constituam condições pedagógicas que permitam realizar aprendizagens significativas. =6=

7 3..## EESSTTRUTTURA DOSS CCURSSOSS DEE FFORMAÇÇÃO PPROFFI ISSSSI IONALL Os Cursos de Formação Contínua/Atualização, Formação Inicial e Formação de Reconversãoestãoorganizadosemtrêscomponentesdeformação: 3.1.FORMAÇÃOTECNOLOGICA Conjuntodeconteúdos/actividadesdeformaçãodeumplanocurricularrelativoauma acçãodeformação,quevisamodesenvolvimentopessoal,socialeculturaldosformandos noquadrodasuapreparaçãoparaoexercíciodeumadeterminadaprofissãoouatividade profissional. 3.2.FOMAÇÃOBASE Conjunto de conteúdos/ atividades de formação de um plano curricular relativo a uma ação de formação que visam dotar os formandos quer com os fundamentos científicos quer com o conhecimento das tecnologias necessárias para o exercício de uma determinada profissão ou actividade profissional, incluindo as respectivas actividades práticas. 3.3.PRÁTICA Conjuntodeconteúdos/atividadesdeformaçãodeumplanocurriculardeumaaçãode formaçãoquevisamdotarosformandoscomascompetênciaspráticasquelhespermitam desenvolverascapacidadesnecessáriasparaoexercíciodeumadeterminadaprofissãoou actividade profissional. Podem ser desenvolvidas sob a forma de práticas simuladas, em contextodeformação,ouempráticasreais,emcontextodetrabalho. 3.4.FINALIDADES O modelo de gestão, progressão e avaliação preconizados, ao considerar o formando comoprincipalresponsávelpelasuaaprendizagemeoformadorcomoagentefacilitador dessa progressão, constitui uma estratégia pedagógica naturalmente potenciadora de uma dinâmica de inovação capaz de favorecer não só o sucesso educativo e formativo, =7=

8 garantindo a qualidade da formação, contribuindo simultaneamente para quebrar resistênciasàmudançaeconduziraosucessodasatividadesquedesenvolve. 4..## ÓRGÃOSS DA EESSCCOLLA Dado que o ensino a e formação profissional pretendem dar resposta às carências de qualificaçãoidentificadasnomeioemqueseinsere,aescoladevegarantiraprossecução dos objetivos educativos e formativos nacionais e definir com clareza e rigor o seu projectoeducativo,tornandooseimprescindívelqueosórgãosdegestãodesenvolvamum equilíbriodepoderes,deformaaasseguraramaioreficiênciadosserviçosquepresta. 4.1.ESTRUTURAORGÂNICA AEscolaProfissionalAmarTerraVerdeéumapessoacoletiva,denaturezaprivadaegoza deautonomiaadministrativa,financeiraepedagógica. AestruturaorgânicadaEscolaProfissionalcompreendeosseguintesórgãos: 1.1 ÓrgãosdeGestão 1.1.1AssembleiaGeral 1.1.2Gerência 1.1.3ConselhoFiscal 2.1ÓrgãosdeDireção 2.1.1DirecçãoGeral 2.1.2DireçãoTécnicaPedagógica 2.1.3DireçãoAdministrativaeFinanceira 2.1.4SubODireçãodaDelegação 2.1.5EstruturadeFormaçãoProfissionalInicialeContínua 5..## ALLUNOSS//FFORMANDOSS Cadaaluno/formandodevepodercontrolaregeriroseupróprioitineráriodeformação, emfunçãodosseusinteressesprofissionaisesociaispresentesefuturos,peloquedeve: =8=

9 a. Assumir a responsabilidade e o controlo do processo de aprendizagem, o que exige esforço e dedicação para ultrapassar conceções erradas e hábitos de aprendizagem deficientes; b. Semprequeoaluno/formandonãosesubmetaàavaliação,porrazõesnãojustificadas, o pedido para a nova avaliação está sujeito ao pagamento de uma taxa que será definidanoiníciodecadaanolectivo. c. Aavaliaçãodasaçõesdeformaçãoprofissionalinicialecontínuaserádefinidacasoa casodeacordocomosconteúdoseobjectivosdecadaacçãoedassuastipologias.as metodologiasdeavaliaçãoestãodefinidasnoguiadecurso. 5.1.PROCEDIMENTOPARAINSCRIÇÕES Os interessados devem proceder à inscrição na ação de formação ou curso pretendido dirigindoose pessoalmente às instalações da EPATV, ou enviando, via correio, a Ficha de Inscriçãoeosdocumentosnecessáriosparaoefeito. AFichadeInscriçãodevesertotalmentepreenchida,deformaaserconsideradaválida, devendo,ainda,seranexados,àmesma,todososdocumentosindispensáveisparaasua formalização,referidosnaprópriaficha. ParaasaçõesdeformaçãodecursoscoOfinanciadospeloEstadoPortuguêseFundoSocial Europeu,devemseranexadososseguintesdocumentos:curriculumvitae,docertificado de habilitações, fotografia tipoopasse, cópia do Bilhete de Identidade/ Cartão de Cidão e/oudonúmerofiscaldecontribuinte,comprovativodenib,cópiadocomprovativode empregooudeclaraçãodeiníciodeatividade. Para as acções de formação não financiadas, devem ser anexados os seguintes documentos: cópia do bilhete de identidade/cartão do cidadão, do número fiscal de contribuinte,docertificadodehabilitações,curriculumvitaeeumafotografiatipoopasse. Igualmente, deve ser efetuado o pagamento da propina estabelecida para o curso, a definir anualmente pela EPATV, sendo a primeira prestação (correspondente a 50% do =9=

10 valor total da propina) a efectuar no acto de formalização da inscrição e a segunda (restantes50%)noprimeirodiadaaçãodeformação. 5.2.MÉTODOS,INSCRIÇÃOESELECÇÃODEFORMANDOSPARAFORMAÇÃOPROFISSIONAL Naapreciaçãodasinscriçõessãoconsideradasaquelasque,sendoelegíveispossuemtoda adocumentaçãonecessária.estandoestascondiçõesverificadassãoconsideradosoutros parâmetros, tais como: habilitações académicas, profissão, experiência profissional, interesse e motivação, (nestes parâmetros, o formando é avaliado de 1OMau a 5OMuito Bom)eserexOalunodaEPATV(emcasoafirmativovale3pontos).Estesparâmetrossão todos somados e fazose uma média simples. A seleção é efectuada por ordem de classificaçãoobtida.emcasodeclassificaçõesiguais,éefectuadaaseleçãoporordemde inscrição. Após esta análise, os candidatos são considerados APTOS ou NÃO APTOS, atendendo, ainda, ao limite máximo de Formandos elegíveis por turma, definido em candidatura anual, no caso de cursos coofinanciados, ou na definição dos Planos Curriculares dos cursosnãofinanciados. Sempre que se verifiquem desistências de candidatos considerados APTOS, aquando do contacto da EPATV de informação do início da ação de formação e confirmação da disponibilidadedocandidatoparaafrequênciadamesma,serãoconsideradosaptos,os candidatosimediatamenteseguintes,consideradoscomotal,deacordocomoscritérios suprareferidos. 5.3.CONDIÇÕESDEFREQUÊNCIADEFORMAÇÃOPROFISSIONAL NoiníciodaaçãodeformaçãoécelebradoumContratodeFormação,entreaEPATVeo Formando. O mesmo estabelece as condições de frequência da ação de formação, os direitoseosdeveresdaspartes. O Formando deve frequentar a ação de formação com assiduidade e pontualidade em todosasfasesqueaconstituemeacompanharcomempenhoaformaçãoministrada,de =10=

11 acordocomocronogramaeohoráriodefinidosparaaaçãodeformação,eoconteúdo programático,definidoparaocurso. O Formando deve tratar com respeito todos os Formandos, Formadores, colaboradores, queestejamaoserviçointernoouexternodaepatv,eaprópriaentidadeformadora,não fazendo uso abusivo de informações, que tome conhecimento no decorrer da ação de formação, bem como deve zelar pela boa conservação dos equipamentos e materiais pedagógicos utilizados, das instalações propriedade da EPATV ou de outras entidades contratadasporesta. Os custos de reparação ou de substituição, resultantes de danos causados por comportamentodolosoounegligentedoformando,serãodasuaresponsabilidade.esta responsabilidadeseráapuradajuntodetodososintervenientesdaaçãodeformação. 5.4.DURAÇÃOELOCAL Oscursoseaçõesdeformaçãodesenvolvidostêmduraçãovariáveldeacordocomonível conferido e plano de formação estabelecido, estando esta estabelecida no Guião do Curso,assimcomoapróprialocalizaçãodaaçãoestátambémdefinidanocronogramada formação. 5.5.CRONOGRAMA,HORÁRIOEINTERRUPÇÃODAACÇÃODEFORMAÇÃO O cronograma e o horário da ação de formação são definidos pela EPATV, sendo o Formando informado dos mesmos previamente ao início da ação. A alteração de cronogramase/ouhorários,sugeridaporformandose/ouformadores,carecedeprévia autorizaçãodaepatv. Sempre que os Formandos, enquanto turma/grupo, solicitem a interrupção da ação de formação,devem,paraoefeito,fundamentarporescritoopedido,cabendo,àepatva suaanáliseedeferimento. SemprequeumFormandoinformeaEPATVdequepretendeinterromperafrequênciada ação de formação, a EPATV informaoo de que pode frequentar nova ação de formação, apósaanálisedafundamentaçãoapresentadaporescritoeatendendoàscircunstâncias =11=

12 que se verifiquem no momento do pedido, em termos de realização do Plano de Formaçãoemvigor. 5.6.REGIMEDEFREQUÊNCIA FALTAS O Formando deve ser assíduo em 90% do número total de horas determinadas para o curso.cumulativamenteaolimitesuprareferido,semprequesetratardeumcursoque contempleumaestruturamodular,afrequênciadecadamódulonãopodeserinferiora 10%donúmerototaldehorasdefinidasparacadamódulo. AEPATVpodedefiniroutroslimitesdefaltasparacursosnãofinanciados,quenãopodem exceder 10% do número total de horas determinadas para o curso, cabendo à EPATV indicarcontratualmenteesseslimites. Onãocumprimento,porpartedoFormando,doslimitesdefaltasestabelecidosimplicaa suadesistênciadaaçãodeformação,arescisãodocontratodeformaçãoeaperdadas regalias que o Formando tem direito pela frequência da ação de formação, incluindo a obtençãodocertificadodeformaçãoprofissional. 5.7.AVALIAÇÃO Aavaliaçãoincide: a. Sobre as metas consignadas quer nos currículos dosmódulos, quer nas atividades educativastransdisciplinaresprevistasnoplanodeestudos; b. Sobre capacidades transversais a todo o plano de estudos, identificadas e estabelecidaspelosnormativosemvigor NATUREZADAAVALIAÇÃO Aavaliaçãoassumecarácterpredominantementeformativoecontínuo FINALIDADESDAAVALIAÇÃO Osprocedimentosavaliativosvisamquatrofinalidades: a. Informar o formando sobre a aquisição de saberes, o desenvolvimento de capacidadeseatitudes,esclarecendoascausasdosucessoouinsucesso. =12=

13 b. Estimular o formando a desenvolver conhecimentos e capacidades nas áreas cognitiva,afetivaepsicomotora; c. Certificarosconhecimentosecapacidadesadquiridas; d. Verificar a adequabilidade da conceção, implementação e gestão dos planos curriculares,demodoapropôralteraçõeseadaptaçõesdosrespectivosconteúdosou metodologias MODALIDADESEMOMENTOSDEAVALIAÇÃO AavaliaçãoprocessaOseformalmentesegundoduasmodalidades: SumativaOnofinaldecadamóduloounaconclusãodoconteúdodecadadisciplina, comintervençãodoprofessor/formadoredoaluno/formando; FormativaOdesenvolveOseaolongodoprocessoensinoOaprendizagem. ComaavaliaçãoformativapretendeOse: a. Fornecer ao aluno/formando e encarregados de educação os elementos de avaliaçãoglobaldoprocessoeducativoindividual, b. Elaborarumasíntesedasprincipaisdificuldadesevidenciadaspeloaluno/formando c. Analisar o perfil e a evolução dos alunos/formandos, com base na progressão registadaemcadadisciplina. Nofinaldecadaperíodoletivodoscursosouacçõesdesenvolvidas,asclassificaçõesserão tornadaspúblicas. =13=

14 6..## REESSPPONSSABI ILLI IDADEESS,, DI IREEI ITTOSS EE DEEVEEREESS 6.1.EPATVENQUANTOENTIDADEFORMADORA À EPATV reservaose o direito de solicitar aos formandos e formadores informações adicionais necessárias, que permitam o adequado desenvolvimento, gestão e avaliação dasaçõespromovidas. Paraalémdoreferido,àEPATV,reservaOseodireitode: a)desenvolverasaçõesdeformaçãoeelaborar/aplicaropresenteregulamentointerno. b) Apresentar sugestões e críticas relativas ao funcionamento de qualquer ação de formação,devendoasmesmasobedeceraoestipulado. c)sertratadacomrespeitoecorreção. AviolaçãograveoureiteradadosdeveresdoformandoedoformadorconfereàEntidade Formadoraodireitoderescindirocontratodeformação,cessandoimediatamentetodos osdireitosdeleemergentes. 6.2.FORMADORES Sendo os professores/formadores os agentes fundamentais da actividade da escola, atravésdasuaparticipaçãoativaeempenhada,assistemolhesresponsabilidadesedeveres noexercíciodassuasfunções. RESPONSABILIDADES a. Aplicarasestratégiasadequadasàsmodalidadesespecíficasdoensino/formaçãoedo sistemadeavaliaçãoinerentesaosdiferentescursoseações. b. Assumir o papel de formador mediador e motivador da aprendizagem, assegurandoaparticipaçãoeoenvolvimentointelectualdosalunoseformandos. c. Organizar as actividades de aprendizagem e criar os ambientes educativos adequados. d. Verificarograudeconsecuçãodastarefasdeaprendizagem. =14=

15 e. Avaliaraprogressãodosalunos/formandos,permitindoasuaautoOavaliação. f. Realizarasuaformaçãocontínuadeacordocomosplanosdedesenvolvimento individual. g. Elaborarmateriaisdidáticosadequadosaosváriosconteúdosprogramáticos. h. DirigirOseatempadamenteparaasrespetivassalasdeformação. i. Registarnorespetivosuporteosumáriodaaula; j. Registarasfaltasdosalunosoufaltasdematerial; 6.2.FORMANDOS Para que a Escola possa dar aos alunos/formandos aquilo que eles, dela esperam, é necessárioocumprimentodealgumasnormasdeconduta,paraalémdasnormaslegais superiormenteestipuladas. Deveresgeraisdoformando a. CumpriroRegulamentodaFormaçãoProfissional b. Em caso de desistência da formação, passar declaração original assinada pelo próprio,comunicandoadataeo(s)motivo(s)justificativosdamesma,devendoa mesmaqueserremetidaobrigatoriamenteàentidadeformadoranos10diasúteis posterioresàúltimapresençanaformação; c. Osalunos/formandosdevemfrequentarregularmenteaformação,submeteremO se às provas de avaliação e participar nas atividades de carácter pedagógico organizadasnoâmbitodoprogramadosváriosmódulos. d. DirigirOsepontualmenteàrespetivasaladeformação. e. ColaborarnamanutençãodahigieneelimpezadaEscola,evitandodeitarpapéis nochão,riscarascarteirasouparedes. f. AbsterOsedoconsumodetabaco,bebidasalcoólicasedeoutrassubstânciasque interfiramnoseunormalcomportamento. A Escola não assume qualquer responsabilidade em caso de perda, desaparecimento ou danodosobjetospessoaisdosalunos/formandos. =15=

16 Os formandos que, por indisposição física ou casos de força maior, sejam obrigados a abandonaraescoladuranteotempodeaulas,devemavisaradireção. Os danos causados no equipamento escolar, depois de apuradas as responsabilidades, serãosatisfeitosporquemosprovocou. Dentrodoedifícioescolar,asmanifestaçõesdeafetividadedevemserpautadaspelobom sensorespeitandoasnormascomummenteaceites. Qualquer acidente ocorrido na Escola ou durante a realização dos estágios está coberto peloseguroescolar. DireitosGeraisdosFormandos a)conheceroregulamentodaformaçãoprofissional; b)assinarumcontratodeformaçãooudocumentosimilar; c)receberosapoiosestabelecidosnocontratodeformaçãooudocumentosimilareaque legalmentetenhamdireitoequeestejamenquadrados,emtermosdefinanciamento,na aprovação do respectivo pedido de financiamento do curso que frequentam (quando aplicável); d) Conferenciar com a coordenação pedagógica sempre que considere justificável, devendo para o efeito marcar com o Coordenador do curso, dia e hora para se efetuar essareunião; e) Obter, no final da ação, um certificado comprovativo da frequência da mesma e do aproveitamentoobtido; f)beneficiardeumsegurocontraacidentespessoais(tratandoosedeformaçãofinanciada destinadaaativosdesempregados); k)absterosedapráticadequalqueratoquecoloqueemriscoasuaidoneidade; l)beneficiardeigualdadedeoportunidades; m) Gozar de confidencialidade a todos os dados pessoais que faculte para efeito de inscrição e frequência do curso, bem como, dos resultados de avaliação, podendo os mesmosseremutilizadossomenteparacomunicaçãodaentidadeformadora. =16=

17 6.3.DIRETORPEDAGÓGICO/GESTORDEFORMAÇÃO Organizar e oferecer os cursos e demais atividades de formação e certificar os conhecimentosadquiridos; Conceber e formular, sob orientação da Entidade Proprietária, o Projecto EducativodaEscolaProfissional,adotarosmétodosnecessáriosàsuarealização; Assegurar e controlar a avaliação de conhecimentos dos formandos e realizar práticasdeinovaçãopedagógica; Planificarasatividadescurriculares; Promoverocumprimentodosplanoseprogramasdeestudos; Garantiraqualidadedeensino; Zelar pelo cumprimento dos direitos e deveres dos formadores e formandos da Escola; ColaborarcomaDireçãodaEscolanasfunçõesorganizativasepedagógicas; ProporàDireçãodaEscolaacontrataçãodepessoaldocente,tendoemcontaas necessidades de formação na área da Qualidade, Ambiente e Responsabilidade Social; Distribuiroserviçodocente; ProporàDireçãodaEscolaanomeaçãodeassessores; ProporàDireçãodaEscolaanomeaçãodoscoordenadoresdecurso,diretoresde turmaediretoresdeinstalações; Superintendernaconstituiçãodeturmasenaelaboraçãodehorários; ConvocarasreuniõesdosconselhosdeturmaedoConselhoTécnico Pedagógico; ProporàDireçãoadenúnciadecontratosdeformadores,casonãosejacumprido onormativointerno; ManterinformadaaDireçãosobreocorrênciasverificadas; Organizar,anualmente,umdossierTécnico Pedagógico; =17=

18 Propornovasmodalidadesdeensino; Conservar os livros de termos, pautas, atas, e todos os demais documentos de registodaavaliaçãodosformandos; Proporcionarformasorganizativasepedagógicasquefacilitemosucessoeducativo dosformandos; Emitir parecer sobre os pedidos de aquisição de materiais didáticos e equipamentos; ProporàDireçãodaEscolaaaprovaçãodoPlanoAnualdeActividades. Outras competências do Diretor Técnico Pedagógico não especificadas pelo decretoolei: Promover a ligação da Escola Profissional Amar Terra Verde à comunidadeatravésdeaçõeslocalmenteconcertadas; IntegraroConselhoConsultivodaEscolaProfissionalAmarTerraVerde; Acompanharosdesempenhosescolaresdeformandoseformadores; Representar a Escola Profissional junto do Ministério da Educação em todos os assuntosdenaturezapedagógica; Proceder à avaliação da qualidade do ensino e da aprendizagem ministrados na Escola; Exercer o poder disciplinar em relação aos formandos, em conformidade com o regulamentodisciplinar; Ratificar,emlivrodetermos,asavaliaçõesdosformandosmóduloamódulo,assim como,oscertificadosediplomasdeaproveitamentoedehabilitações; Ratificarasplanificaçõestrienais/anuais; Avaliaraprestaçãodosformadorescomvistaàrenovaçãodofuturocontrato; Cumprir a política da qualidade, ambiente e responsabilidade social e todos os documentosquesãoaplicáveis. =18=

19 6.4.RESPONSÁVELPELAESTRUTURADEFORMAÇÃOPROFISSIONALECONTINUA ÉresponsávelportodaaformaçãoprofissionaldesenvolvidapelaEscolaquenão seja tutelada pelo ministério da Educação, nomeadamente formação contínua, formaçãoinicial,formaçãodereconversão,formaçãodeduplacertificação,etc. AssegurarocumprimentodoPlanodeIntervenção,noquedizrespeitoàformação inicialecontínuanãotuteladapeloministériodaeducação; Estabelece a ligação da função formativa com as restantes funções dentro da Escola; IntegraroConselhoTécnicoOPedagógico; Realizaraligaçãocliente/utilizadorcomaDireçãoTécnicoOPedagógicaeaDireção Geral; ElaborarRelatórioAnualdeAtividades,referenteàactividadeformativa; Avaliarocumprimentodasdiretrizesemanadaspelasinstituiçõesreguladorasdos cursos/financiamentos; RepresentaraEscolaperanteosorganismosreguladoresdoscursos; Colaborar com o Gabinete de Psicologia e Orientação e o Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional, para o levantamento e diagnóstico de necessidades; Éresponsável,emconjuntocomoDiretorTécnicoOPedagógicopelaelaboraçãodo PlanodeIntervenção; Assegurar o cumprimento dos Requisitos de Acreditação e efetua a ligação ao SistemadeAcreditação; Delegar noscoordenadores da Formação Inicial e Contínua e responsabilizaose pelaboaexecuçãodoscursos; Cumprir a política da qualidade, ambiente e responsabilidade social e todos os documentosquesãoaplicáveis. =19=

20 6.5.COORDENADORDECURSOSDEFORMAÇÃOPROFISSIONALECONTÍNUA Zelar pelo eficaz funcionamento dos Cursos, promovendo reuniões com os formandos que permitam detetar e solucionar eventuais constrangimentos ao processoorientação/aprendizagem; Realizar,noiníciodoscursos,umareuniãodeapresentaçãocomosformandosda sua coordenação, para os informar pormenorizadamente das condições de funcionamentodoscursosedasparticularidadesdeorganizaçãodaescola; Dinamizar o grupo de formadores do curso, no sentido de aprofundar o conhecimentoereflexãosobreapráticapedagógicamaisadequadaaoscursose aosformandos; Proporcionar, entre os formadores do curso, a troca de informações e experiências, em reuniões periódicas convocadas para o efeito pelo órgão de gestãodaescola; Coordenar os diferentes interesses dos formandos, segundo os parâmetros de igualdadeededisponibilidadederecursosdaescola; ApresentarantesdecadacursoaoResponsávelpelaEstruturadeFormaçãoInicial econtínua,paraaprovação,aplanificaçãomodular; Motivar os formandos a participar, com assiduidade, em todas as atividades curricularesedeenriquecimentocurricular; Coordenarasvisitasdeestudoprogramadaspelosformadores; Estabelecercontactoscomentidadeseempresas; Asseguraracolocaçãodosformandosemcontextodetrabalho(quandoaplicável); Estabelecer a ligação entre os formadores e a Responsável pela Estrutura de FormaçãoInicialeContínua; SolicitaràResponsávelpelaEstruturadeFormaçãoInicialeContínuaosrecursos educativosnecessários; =20=

21 ConferirasnotasdeavaliaçãodosformandosnoDossierTécnicoOPedagógico; Manterpermanentementeatualizadososprocessosindividuaisdosformandos; Apresentar à Responsável pela Estrutura de Formação Inicial e Contínua, um relatóriodofinaldocurso,sobreasuaexecuçãoepropostasdemelhorias Controlaragestãocurriculardocurso,nomeadamentenocumprimentodascargas horáriasestabelecidas; Determinarearticularcomo(s)director(es)linhasgeraisdeatuação; Controlaraassiduidadedosformandos; Coordenar e avaliar todas as atividades a desenvolver pelos formandos e formadores; RepresentaraEscolanasiniciativasdacomunidade,quandoindigitados; Cumprir a política da qualidade, ambiente e responsabilidade social e todos os documentosquesãoaplicáveis. 6.6.SERVIÇOSAUXILIAR,ADMINISTRATIVOEFINANCEIRO OsServiçosAuxiliares,AdministrativoseFinanceirossãoseçõesimportantesdaactividade da Escola dado que asseguram a manutenção das instalações e prestações de serviços diversos. O bom funcionamento de todas as seções facilita as boas relações humanas e profissionais. 6.7.MÉTODOSDERECRUTAMENTOESELECÇÃODOSFORMADORES ApolíticaderecrutamentodosFormadoressegueváriasformas:procedeOseàpesquisana BolsadeFormadoresEPATV,tambémsepoderáaindaprocederàauscultaçãodaBolsade FormadoresdoIEFPeapublicitaçãojuntodosmeiosdecomunicação. Obedece, ainda, às exigências legais, nomeadamente à posse de certificação de aptidão profissional (CAP) ou Certificados de Competências Profissionais (CCP), no âmbito do SistemadeCertificaçãoProfissional. =21=

22 Excecionalmente, poderão ser considerados Curriculos de Formadores não certificados, com o devido pedido de regime excecional ao IEFP, em caso de: Formadores com formação académica ou profissional num domínio muito específico onde a oferta formativaémuitolimitada;formadorescomqualificaçãotécnicamuitoespecífica,obtida através da significativa experiência profissional, difícil de encontrar no mercado dos Formadores certificados; Área geográfica onde não é possível encontrar Formadores certificados para o desenvolvimento dos domínios em que o Formador é especialista; Formadores da Administração Pública, que exerçam a atividade de Formador no âmbito destaadministração,sendonecessáriodocumentocomprovativodaqualidade. 6.8.CONTRATODEPRESTAÇÃODESERVIÇOSDEFORMADOR NoiníciodaaçãodeformaçãoécelebradoumContratodePrestaçãodeServiçosentrea EPATV e o Formador. O mesmo estabelece as condições de prestação de serviços do Formador, os direitos e os deveres das partes. O pagamento do Imposto de Selo do referidocontratoédaresponsabilidadedoformador. 6.9.HONORÁRIOS OvalordoshonoráriosapagaraoFormadorpelosserviçosprestadosestãoexpressosno contratodeprestaçãodeserviços. ParaopagamentodoshonoráriosdevidospelaprestaçãodeserviçosdoFormador,este devedarquitaçãodomontanteatravésderecibo,nostermosdalegislaçãoemvigor. 7..## INFFRACCÇÇÕEESS I EE MEEDI IDA SS DI ISSCCI IPPLLI INAREESS Toda a infração às disposições precedentes assim como aos preceitos de disciplina e ordemgeralpodemsersancionadospormedidasdisciplinares. Sãonomeadamentepassíveisdestasmedidas: a. O insulto, a impertinência, a brutalidade, a via de facto praticada contra qualquerdosmembrosdacomunidadeescolar; b. Arecusadeassistiràsaulaseasfaltasinjustificadas; =22=

23 c. Afraude; d. Afalsificaçãodeassinaturasedocumentos; e. Aincitaçãoàdesordem; f. A organização nas instalações da escola de reuniões e manifestações não autorizadaspeladirecção; g. Adegradaçãoedestruiçãodebensmobiliárioseimobiliários; h. Oatentadoaopudoreàsboasmaneiras; i. Oconsumoetráficodedrogas. 2. Atransgressãoàordemeàdisciplinapodemseralvodasrepreensõesseguintes: a. Chamadadeatenção; b. Repreensãooralouescrita; c. Trabalho suplementar de interesse pedagógico proporcional à gravidade da faltacometida. Seafaltaultrapassarosparâmetrosacimamencionadospoderáapenaserdesuspensão oudeexpulsãotratandoosedepenagrave. 8..## CCEERTTI IFFI ICCAÇÇÃO Nos cursos de Formação Profissional a emissão isolada ou cumulativa de certificados de Formação Profissional e, ou, de Frequência de Formação Profissional, pressupõe a presença do Formando, por regra, em pelo menos 90% das horas totais determinadas paracadacursoeaobtençãodeaproveitamentopositivo,sendoqueesteaproveitamento deveserobtidoemtodososmódulossemprequeocursoseestruturemodularmente. Parademonstraçãodeactosefactosinibidoresouimpeditivosquerespeitemàefectiva frequência de cada curso, são atendíveis todos os meios de prova oferecidos pelo Formandodesdequelegalmenteadmissíveis. Os Certificados de Formação Profissional ou de frequência de Formação Profissional são emitidosdeacordocomalegislaçãoemvigor. =23=

24 9..## QUEEI IXXASS,, REECCLLAMAÇÇÕEESS EE DEESSI ISSTTÊÊNCCI IASS AEscolarecepcionaeapreciaasqueixasereclamaçõesquelhesãoapresentadasrelativas aosserviçosdeensinoeformaçãoprofissionalquepresta,designadamentenoâmbitoda sua Estrutura de Formação Profissional Inicial e Contínua, ressarcindo adequadamente todas as entidades individuais e colectivas cuja queixa ou reclamação apresentada seja consideradalegítima. AsreclamaçõesdosFormandosdevemserapresentadasporescrito,emimpressopróprio (Mod.PS7O007 RelatóriodeNC/Relamação),aoReponsáveldaEstruturadeFormação ProfissionalInicialeContínuanoscasosdoscursosdeFormaçãoProfissional,cabendoa este a análise e resolução fundamentada e independente, apurada junto de todos os intervenientes da acção de formação. O Responsável da Estrutura de Formação Profissional Inicial e Contínua deverá da resposta ao reclamente no prazo máximo de 8 diasúteis. As desistências devem ser comunicadas pelos Formandos directamente ao Coordenador oudirectamenteàepatv,emimpressopróprio(mod.po11o001)fichadejustificaçãoda Desistência)informandoomotivoquelheestásubjacente. 10..## PPROTTEECCÇÇÃO DEE DADOSS Os dados pessoais de todos os intervenientes nos Planos de Formação da EPATV são tratados com respeito à normativa nacional de protecção de dados pessoais e os participantes na formação só poderão ser auscultados por entidades de acreditação ou relacionadascomaformação,comaemissãodeconsentimentoexpresso. Osdadosrecolhidossópodemserutilizados,tendocomofimaformação. 11..## APPLLI ICCAÇÇÃO O presente Regulamento de Funcionamento da Formação entra em vigor em 04 de Janeirode2008. =24=

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O presente Regulamento obedece aos princípios consignados nos diversos normativos que a tutela legislou

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DA FORMAÇÃO... 3 3. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 4. FORMAS E MÉTODOS DE SELECÇÃO... 4 4.1. Selecção

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA )

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Preâmbulo O regulamento da Universidade Sénior de Almada (USALMA) foi aprovado pela Associação de Professores do Concelho de Almada (APCA) em reunião

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9

REGULAMENTO INTERNO DO FORMANDO E-LEARNING PQ.11.01/B 2014/03/31 Página 1 de 9 Página 1 de 9 1. APRESENTAÇÃO da ENTIDADE FORMADORA Fundado em 1996, o começou por ensinar informática a crianças e jovens, como franchisado da FUTUREKIDS em Vila Nova de Gaia, dando aulas no seu Centro

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho Normativo Nº 30/2002 de 23 de Maio Ao abrigo do disposto no n.º 6 da Resolução nº 76/2002, de 2 de Maio determino: É aprovado o Regulamento do programa Mobilidade e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

Seja bem-vindo à página do Provedor do estudante da Escola Superior de Enfermagem de São José de Cluny.

Seja bem-vindo à página do Provedor do estudante da Escola Superior de Enfermagem de São José de Cluny. Provedor do Estudante Seja bem-vindo à página do Provedor do estudante da Escola Superior de Enfermagem de São José de Cluny. Ao Provedor do Estudante cabe promover e defender os direitos e interesses

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS EDIÇÃO Nº01/2015 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO ACÚSTICA DE EDIFÍCIOS 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER - Saber dotar um edifício de boas condições de conforto acústico,

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA FOR.CET Centro de Formação para Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento de Funcionamento dos CET Capítulo I Acesso e Frequência Artigo 1º (Acesso e Frequência)

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.)

Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) Regulamento dos Estágios de Formação do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) É atribuição do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, I. P. (INSA, I. P.) no sector da

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DO DESPORTO ESCOLAR COORDENADOR: Vanda Teixeira 1. FUNDAMENTAÇÃO/ CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICAÇÃO a) O Desporto Escolar constitui uma das vertentes de atuação do Ministério da Educação e Ciência com maior transversalidade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EUZINHO ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EUzinho Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º.

Manda o Governo, pelos Ministros de Estado e das Finanças e das Obras Públicas Transportes e Comunicações, o seguinte: Artigo 1.º. Legislação Portaria n.º 542/2007, de 30 de Abril Publicado no D.R., n.º 83, I Série, de 30 de Abril de 2007 SUMÁRIO: Aprova os Estatutos do Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P.. TEXTO: O Decreto-Lei

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I Princípios Gerais. Artigo Primeiro Objecto REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Princípios Gerais Artigo Primeiro Objecto O presente Regulamento define o regime de funcionamento interno do Centro de Formação Ciência Viva reconhecido pelo Ministério da

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Natal na desportiva Programa de ocupação de tempos livres Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - município de Loures 1 a) O Programa de ocupação de tempos

Leia mais

-------------- PREÂMBULO-------------------------------------------------------------------------- --------------O Município de Barcelos, legalmente,

-------------- PREÂMBULO-------------------------------------------------------------------------- --------------O Município de Barcelos, legalmente, -------------- PREÂMBULO-------------------------------------------------------------------------- --------------O Município de Barcelos, legalmente, tem vastas atribuições e competências, entre outras,

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura

Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 0 APROVADO POR: Conselho Técnico-Científico 20 10 2010 Data: / / 20 10 2010 Normas Regulamentares do Curso de Jornalismo Comunicação e Cultura 1. INTRODUÇÃO As presentes normas aplicam se aos cursos de

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012

Délia Falcão. 11 de Janeiro 2012 11 de Janeiro 2012 REGIME JURÍDICO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUA NO CÓDIGO DE TRABALHO (Lei 7/2009 de 12 de Fevereiro) DEVERES DO ESTADO EM MATÉRIA DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL: 1. Formação /qualificação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 24/2012, DO CONSELHO DE GRADUAÇÃO Aprova as Normas Gerais de Estágio de Graduação da Universidade Federal de Uberlândia, e dá outras providências. O CONSELHO DE GRADUAÇÃO DA, no uso das competências

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

ESTATUTOS DA ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE FÁTIMA 2014/2015 P01

ESTATUTOS DA ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE FÁTIMA 2014/2015 P01 P01 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Constituição e Denominação 1. A Escola Profissional de Hotelaria de Fátima, adiante designada por EHF ou Escola, foi criada em 1993, então designada como Pólo

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

ANEXO XII REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO

ANEXO XII REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO XII REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO SECUNDÁRIO PREÂMBULO Este regulamento constitui-se como um documento orientador, de cariz predominantemente pedagógico, que específica as normas que

Leia mais

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação

Direitos e Deveres dos Alunos e Pais / Encarregados de Educação ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS CÓNEGO JOÃO JACINTO GONÇALVES DE ANDRADE Morada: Estrada da Lapa, 9350-079 Campanário Contactos: Correio Eletrónico: eb23jjgandrade@madeira-edu.pt Telefone: 291950310 Fax:

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro 1 Portaria nº 1102/97 DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro As cooperativas e associações de ensino especial sem fins lucrativos corporizam uma importante experiência educativa e podem constituir um recurso

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I

REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL ESCOLA NACIONAL DO BASQUETEBOL REGULAMENTO DO CURSO DE TREINADORES NÍVEL I O presente regulamento, aprovado pelo Conselho Nacional de Formação de Treinadores, rege a

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO Introdução O Centro para a Qualificação e Ensino Profissional (CQEP) do Agrupamento de Escolas nº1 de Gondomar encontra-se sedeado na Escola-sede do Agrupamento, a Escola Secundária

Leia mais

ACADEMIA PIONEIROS Férias

ACADEMIA PIONEIROS Férias sempre a mexer (regime OCUPAÇÃO ABERTA) Regulamento Interno Férias 2013 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Pioneiros e seus parceiros, em regime fechado;

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho

FICHA DE CURSO DESIGNAÇÃO. DURAÇÃO 128 Horas + 3 horas de exame. ÁREA TEMÁTICA DA FORMAÇÃO 862 Segurança e Higiene no Trabalho FICHA DE CURSO Neste documento poderá encontrar as principais informações sobre o curso pretendido, nomeadamente a duração, área temática, destinatários, objetivo geral e objetivos específicos, estrutura

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS

REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS REGULAMENTO INTERNO CAMPOS DE FÉRIAS PREÂMBULO O Projeto Pedagógico da União de Freguesias de Sacavém e Prior Velho foi elaborado ao abrigo da Legislação em vigor (Decreto-Lei 32/2011, de 07 de Março),

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Formação de Professores Tema: Educação Especial 16 17 Edição Instituto de Educação da

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho)

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE. CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) ESCOLA SECUNDÁRIA COM 2º E 3º CICLOS DE GIL VICENTE CURSOS PROFISSIONAIS Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho (Proposta de trabalho) Âmbito e Definição Artigo 1º 1. O presente documento regula

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

P A R L A M E N T O E U R O P E U

P A R L A M E N T O E U R O P E U P A R L A M E N T O E U R O P E U REGRAS INTERNAS RELATIVAS AOS ESTÁGIOS E VISITAS DE ESTUDO NO SECRETARIADO-GERAL DO PARLAMENTO EUROPEU PARTE I: ESTÁGIOS Capítulo 1 Disposições gerais Artigo 1º Os diferentes

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS DIRECTRIZES DA APORMED AOS SEUS ASSOCIADOS SOBRE AS INTERACÇÕES COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E O MERCADO DE PRODUTOS DE SAÚDE Documento aprovado na Assembleia-Geral

Leia mais

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo

Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo Percurso Inicial de Formação Sistema de Formação de Adultos no Escutismo N Normas de Formação de Adultos no Escutismo (Encontro Inicial e Percurso Inicial de Formação) ÂMBITO DE APLICAÇÃO As presentes

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

FREIXO MARCO DE CANAVESES

FREIXO MARCO DE CANAVESES PROJETO EDUCATIVO FREIXO MARCO DE CANAVESES TRIÉNIO 2012-2015 Conteúdo 1. Caracterização da Escola Profissional de Arqueologia... 2 1.1. Origem e meio envolvente... 2 1.2. População escolar... 2 1.3. Oferta

Leia mais

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1

Mestrado de Marketing e Comunicação ESEC ESTGOH Regulamento de Projeto Estágio 1 1 PREÂMBULO O presente Regulamento organiza a unidade curricular de Projeto Estágio do Mestrado em Marketing e Comunicação. No ensino politécnico, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre deve assegurar,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE

REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE REGULAMENTO INTERNO DA FORMAÇÃO DA NHK, LDA ÍNDICE CAPITULO 01- Requisitos de Acesso e Formas de Inscrição.... 02 CAPITULO 02 - Critérios e Métodos de Seleção dos Formandos e Novos Formadores...03 2.1

Leia mais

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE

SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE SECÇÃO IV PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO: PARTICIPAÇÃO NO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Artigo 74.º Direitos dos pais e encarregados de educação São direitos dos pais e encarregados de educação: a) Participar

Leia mais

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015

REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 REGIMENTO II FÉRIAS DESPORTIVAS 2015 PROJETO CONTINUAR SEMPRE A MEXER PROJETO NOVOS HORIZONTES 1 Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Âmbito As normas definidas no presente Regimento Interno visam estabelecer

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais

Freguesia de Gouveia

Freguesia de Gouveia PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA FREGUESIA REGULAMENTO 1º Objecto O Programa de Ocupação de Tempos Livres promovido pela Junta de Freguesia, tem por objectivo proporcionar a ocupação saudável dos

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS EDIÇÃO Nº1/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fiscalização de obra ferramentas e metodologias 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER A construção

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei da Observação Eleitoral LEI N.º 4/05 De 4 de Julho Convindo regular a observação eleitoral quer por nacionais quer por estrangeiros; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições Gerais

CAPÍTULO I Disposições Gerais PROPOSTA DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A PESSOAS COLETIVAS E/OU SINGULARES COM ATUAÇÃO RECREATIVA, CULTURAL, DESPORTIVA, SOCIAL OU DE OUTRA NATUREZA Preâmbulo A Constituição da República

Leia mais