Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte"

Transcrição

1 Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte 0

2 1 INTRODUÇÃO A primeira embalagem de papelão ondulado surgiu há mais de 100 anos e percorreu um longo caminho até os dias de hoje, evoluindo gradativamente até tornar-se a embalagem de transporte mais usada no mundo. Por meio de muitos estudos, realizados em importantes laboratórios do mundo, foi possível compreender como a embalagem de papelão ondulado se comporta nos processos de movimentação, paletização, armazenamento e transporte.essas informações permitiram desenvolver embalagens específicas para cada situação de uso. Entretanto, é importante ressaltar que o bom desempenho da caixa de papelão ondulado depende de seu correto manuseio. E este é o objetivo deste trabalho: demonstrar de forma prática e objetiva como a embalagem deve ser utilizada para otimizar os resultados e permitir que os produtos nela contidos cheguem em perfeitas condições ás mãos do usuário final. 2 A Resistência da embalagem de papelão ondulado A característica de resistência mais usada nas especificações dos usuários de embalagem de papelão ondulado é a Resistência à Compressão. Para definir este índice são considerados diversos fatores tais como manuseio, paletização, tempo de estocagem, umidade relativa e outros, que exercem grande influencia na resistência. Alguns exemplos práticos: Situações críticas de manuseio podem diminuir a resistência da embalagem em até 40%; O empilhamento colunar mantém todo o potencial da embalagem, enquanto o cruzado retém apenas 50%; Um mês de estocagem faz com que a embalagem perca 40% de sua resistência inicial; Umidade relativa da ordem de 80%, gera uma perda de 32%. Além disso, é preciso que a caixa seja corretamente manuseada durante o processo para que a Resistência à Compressão não seja comprometida. Desta maneira, máquinas encaixotadoras e seladoras devem ter suas guias perfeitamente ajustadas de acordo com as dimensões externas da embalagem, não pressionando a caixa a ponto de provocar marcas que danifiquem a estrutura do papelão ondulado, o que pode levar a embalagem a um colapso durante o empilhamento. A resistência física da caixa de papelão ondulado é uma característica importante e que deve ser preservada em todos os processos que envolvem sua utilização. 1

3 2.1 - A embalagem de papelão ondulado e seus pontos de maior resistência Os pontos de maior resistência da embalagem estão nos quatro cantos (arestas verticais), nos quais estão concentrados 64% da resistência à compressão. Por essa razão não é aconselhável concentrar o peso sobre pontos afastados dos cantos (arestas verticais), o que explica o fato do empilhamento cruzado exigir maior resistência da embalagem. A carga, ao ser depositada sobre uma embalagem de papelão ondulado, deve ser uniformemente distribuída. 3 - Manuseio das caixas vazias Para preservar a integridade da embalagem e até mesmo a segurança do local de transporte e estoque, alguns cuidados devem ser tomados. Um exemplo prático. Ao ser manuseada inadequadamente, uma caixa de papelão ondulado pode sofrer uma queda. Ela ainda é capaz de proteger o seu conteúdo devido a sua característica de acolchoamento, mas está fragilizada devido ao impacto, já que parte do seu potencial de resistência foi utilizado para proteger o conteúdo durante a queda. Esta embalagem não terá condições de fazer parte da camada inferior de um palete, na qual estará sujeita ao peso superposto das demais camadas. Caso isso aconteça e o dano na embalagem esteja localizado em áreas de sustentação importantes, a caixa poderá ceder e comprometer toda a pilha. É importante considerar que ao ceder não só apenas as embalagem e seus conteúdos poderão ser danificados, mas também pessoas e equipamentos que estejam próximos. Além disso, se considerarmos o tipo de conteúdo das embalagens outras conseqüências podem ocorrer. Aqui queremos lembrar de conteúdos venenosos ou tóxicos, que podem contaminar o ambiente e trazer conseqüências imprevisíveis. 2

4 3.1 Cuidados no recebimento Os cuidados com a embalagem devem começar já no seu recebimento. O fabricante pode entregar as caixas de duas maneiras: em amarrados de 10, 15, 20, 25 ou paletizadas. Caixas entregues paletizadas, embora exijam uma empilhadeira, possibilitam uma movimentação mais eficiente, permitindo que o trabalho seja feito em menor tempo e maior segurança, além de melhor preservar a qualidade da embalagem. Quando entregues em amarrados, o usuário deve tomar alguns cuidados: Não jogar os amarrados Não pisar nas caixas Transportar da forma correta. Ao movimentar os amarrados não segurar pela fita de amarração. Isto irá afrouxá-lo e dificultar a estocagem. Armazenar os amarrados adequadamente 3

5 4 Estocagem das caixas de papelão ondulado Ao estocar as caixas recebidas recomendam-se alguns cuidados: 4.1 Estabilidade da pilha Os amarrados devem ser dispostos de maneira alternada no palete sobre o qual vão ser transportados e estocados, o que dá maior estabilidade à pilha. Além disso as pilhas não devem ser muito altas para também garantir a estabilidade. 4.2 Contato com o piso As caixas de papelão ondulado não devem ser colocadas diretamente sobre o piso, pois a umidade pode danificar as primeiras caixas inviabilizando o seu uso. Deve-se usar sempre um palete ou uma chapa plana de proteção. 4

6 4.3 Superfície do pallet A superfície dos paletes é feita com tábuas afastadas entre si, gerando vãos que fazem com que as tábuas provoquem amassamentos indesejáveis à caixa de contato. Esta caixa estará propensa a entrar em colapso quando estiver com conteúdo e for empilhada. O uso de uma chapa de proteção ou caixas refugadas sobre o palete são recursos para evitar o problema. 4.4 Proteção das caixas As caixas devem ser armazenadas em ambientes cobertos e protegidos contra a umidade. Para proteger as caixas de cima do acúmulo do pó, pode-se usar uma manta ou caixas refugadas. É importante ressaltar que caixas para produtos alimentícios devem ser higienicamente tratadas. 4.5 Ambiente As embalagens devem ser armazenadas longe de portas que são abertas freqüentemente para evitar a influência da umidade externa em dias de alta umidade relativa. Evitar também, altas temperaturas. 5

7 4.6 First-in - First-out Utilize sempre aquelas caixas que chegaram primeiro, mantendo as mais recentes para uso posterior. Para facilitar, mantenha um controle / registro das datas de recebimento e, para permitir uma melhor visualização, utilize uma etiqueta anexa ao palete indicando a data de chegada. 5 O armazenamento do produto acabado (caixa+conteúdo) A armazenagem é uma atividade que diz respeito à estocagem ordenada e à distribuição de produtos acabados dentro da própria fábrica ou em locais destinados a esse fim. A palavra armazenagem tem sentido mais abrangente que estocagem Paletização Nestes processos de aplicação é interessante a utilização de cantoneiras que evitam a formação de quebras nas arestas verticais devido ao fato das cintas e do filme stretch ao serem puxados para o aperto necessário marcarem os cantos das caixas se não existir uma proteção nesses pontos. Um outro meio de unir as caixas para que possam ser transportadas como um bloco é aplicar pontos de cola nas faces das caixas que se sobrepõem. A estabilidade da pilha também pode ser conseguida ou melhorada, colocando chapas de cartão ou papelão ondulado entre as camadas de caixas ou somente entre as 2 ou 3 camadas superiores. 6

8 5.2 Paletes É um elemento básico da paletização. O palete padrão possui dimensões 1000x1200mm. Seguem abaixo informações sobre alguns tipos de paletes. 7

9 Para caixas de papelão ondulado quando existe a necessidade de superposição de paletes, são mais adequados os paletes de número 2, 4, 9 e 11, pois a distribuição da carga do palete superposto é mais uniforme, isto é, todas as caixas do lastro participam como suporte da carga superposta. O mesmo não se pode dizer sobre os paletes do tipo 1, 5 e 10 nos quais as áreas de contato do palete superposto ficam restritas às áreas das travessas inferiores e que se apoiam sobre o palete de baixo. Nesta situação a carga fica distribuída apenas sobre umas poucas caixas, cabendo a elas toda a sustentação da carga sobreposta. Consequentemente a embalagem deverá ser mais resistente e, consequentemente, de maior custo. Há outros tipos de paletes que atendem a situações específicas e particulares; o palete descartável é um deles. De baixo custo, ele não tem resistência garantida para mais de uma viagem, além de não ser, em muitas situações, adequado ao transporte de embalagens cheias (embalagens com conteúdo) 5.3 Slip-sheet O palete de papelão maciço (slip sheet) é constituído de uma chapa de papelão de 2 a 4 mm de espessura (duas a três folhas de cartão laminadas) e é provido de abas para agarramento. Este tipo de palete tem algumas limitações no uso pois só pode ser usado em estruturas porta-paletes com plataforma e exige equipamento especial na movimentação (empilhadeiras equipadas com sistema push-pull ; no qual a carga se apoia na base da plataforma da mesma).. 8

10 5.4 Arranjo das embalagens sobre o palete As embalagens podem ser dispostas sobre o palete em diferentes arranjos : Arranjo colunar Arranjo em fileira ou trançado Arranjo em colméia Arranjo em bloco vazado Arranjo em fileira interrompida Arranjo em duplo vazado Arranjo em parede Arranjo em bloco vazado de pequenas caixas 9

11 O arranjo colunar embora não ofereça uma boa amarração entre as camadas permite à embalagem de papelão ondulado apresentar um melhor desempenho de sua resistência, pois as arestas verticais se superpõem e a distribuição da carga é mais uniforme. Por isso, sempre que possível, este tipo de empilhamento deve ser utilizado. A estabilidade da pilha pode ser conseguida intercalando uma chapa de cartão ou mesmo de papelão ondulado entre as camadas superiores ou por meio de pontas de cola entre as faces que se superpõem. Uma cintagem das caixas é outra solução, também recomendada para os outros tipos de arranjo. 5.5 Movimentação da carga palletizada A movimentação da carga paletizada é sempre feita por empilhadeiras, que garantem um melhor tratamento para a embalagem e oferecem maior segurança. Além disso, o aspecto tempo é consideravelmente favorável. movimentação mecânica Uma movimentação manual na carga, descarga e armazenamento é demorada, traz problemas de segurança, a embalagem é movimentada várias vezes e o tratamento dado a ela é passível de falhas, pois a caixa pode ser jogada e mesmo pisada no processo de formação das pilhas, quer nos armazéns de estocagem, quer na carroceria dos caminhões. O trabalho manual pode começar organizado mas acaba sendo cansativo e as caixas movimentadas com descuido. movimentação manual 10

12 5.6 Cuidados no armazenamento do produto acabado (caixa+conteúdo) A paletização de caixas de papelão ondulado, entretanto, também exige certos cuidados. Como já mencionamos, a embalagem de papelão ondulado é mais resistente nos pontos que correspondem às arestas verticais; 64% da resistência se distribui nessas partes da embalagem. Isto significa que a embalagem deve estar perfeitamente apoiada sobre o pallet, não devendo ultrapassar seus limites, isto é, ter arestas verticais sem apoio. Conhecendo os fatores que atuam sobre a embalagem ela é projetada para cumprir sua função até chegar ao consumidor final. Ao usuário, entretanto, compete usar a embalagem corretamente para conseguir o máximo de seu desempenho e garantir, assim, a proteção necessária para que o produto embalado chegue em perfeitas condições ao consumidor final. 5.7 Influência do distanciamento entre as tábuas da superfície do palete O palete padrão é aquele de dimensões 1000 x 1200mm. Como vimos, o palete pode ter dupla face (reversível) ou não. O primeiro permite uma melhor distribuição da carga quando se superpõem paletes. Mas além das observações já citadas, devemos ainda verificar a influência da distância entre as tábuas da superfície do palete. Comparando um distanciamento de 76mm até um distanciamento de 178mm numa caixa de 380mm de largura, observa-se perdas de resistência conforme ilustrado. 11

13 5.8 Área das caixas da base maior que a área da superfície do pallet Ao paletizar, as embalagem devem ter suas arestas verticais perfeitamente alinhadas nos quatro cantos da unidade de carga, além de estarem completamente apoiadas sobre o palete, nunca ultrapassando os seus limites. 3 camadas alinhadas verticalmente sem projeção 3 camadas alinhadas verticalmente com projeção de 25 mm a) Padrão colunar Caixas se projetando alem dos limites do palete perdem cerca de 32% de sua resistência à compressão. Em alguns casos podem até ultrapassar esse percentual. 3 camadas alinhadas verticalmente sem projeção 3 camadas alinhadas verticalmente com projeção de 25 mm 12

14 b) Padrão cruzado Num padrão cruzado a caixa perde 8% da sua resistência se houver uma projeção da caixa base de 25mm além dos limites do palete. 3 camadas em arranjo cruzado sem projeção 3 camadas em arranjo cruzado com projeção de 25mm 5.9 Desalinhamento O desalinhamento das embalagens no palete ou no empilhamento pode gerar significativas perdas em torno de 30%. 13

15 5.10 Padrão colunar x padrão cruzado O padrão colunar, conforme já visto, possibilita uma distribuição uniforme da carga superposta embora tenha como desvantagem a instabilidade. A resistência da embalagem no padrão cruzado entretanto, deve ser maior, já que a carga superposta não tem as arestas verticais alinhadas. 3 camadas empilhadas colunarmente 3 camadas empilhadas num arranjo cruzado 5.11 Amarração Pode ser conseguida com recursos como: Cintagem das caixas da camada superior Colocação de folhas de papelão entre as camadas Aplicação de pontos de cola nas superfícies das caixas que se superpõem. 14

16 5.12 Longo tempo de armazenamento Pode reduzir a resistência da caixa pelo efeito fadiga. Em 30 dias, por exemplo, podem representar perdas de até 40% Umidade Relativa Outro fator crítico é a umidade relativa; 80% de UR representa perdas de resistência da ordem de 32%. 6 Transporte Nos caminhões a carga pode ser colocada a granel ou paletizada. Esta última é recomendável, entretanto, ainda é muito comum o transporte a granel. 15

17 6.1 Transporte a granel O carregamento caixa por caixa que aqui chamamos a granel é evidentemente mais demorado e exige alguns cuidados: Manter as caixas na sua condição normal de armazenamento, ou seja, não virar a caixa de lado, o que é feito muitas vezes para aproveitar o espaço e aumentar o volume a transportar. Os prejuízos podem não compensar o frete menor. Preencher os espaços vazios entre uma caixa e outra (onde não há espaço para uma caixa na posição normal) com algum enchimento de baixo custo - saco inflável, algum tipo de espaçador, ou ainda um novo arranjo das caixas na carroceria do caminhão. Usar cantoneiras na amarração para que as cordas não danifiquem as caixas, em virtude do aperto necessário para manter a carga firme. 16

18 6.2 Transporte palletizado Os caminhões costumam ter largura aproveitável de 2.450mm. Isto permite arranjo dos paletes 1.000x1.200mm com a seguinte disposição. No caso de caminhões isotérmico e refrigerados ou mesmo caminhões de carga seca com largura menor, a arrumação dos paletes deve ser feita com um comprimento e uma largura. Para serem posicionados conforme a figura anterior o palete dever ser de 4 entradas. A única possibilidade de arrumação dos paletes de duas entradas, nesse caso, é utilizando um transporte manual. Caixas não paletizadas, posicionadas a granel, uma por vez, acarretam um tempo de carga e descarga aproximadamente 10 vezes maior. 17

19 6.3 Característica do produto a ser transportado Independentemente do processo utilizado, é importante é conhecer as características do produto a ser transportado. Por exemplo, os cuidados no transporte de frutas devem começar com a coleta da fruta, onde uma vez completada a carga de uma caixa de colheita, esta caixa deve ser imediatamente colocada à sombra visando não elevar a temperatura do fruto, o que provocaria prejuízos ao resfriamento e conservação. O transporte para o barracão ( packing house ) deve ser feito preferivelmente em veículos cobertos e deve ser sempre realizado pela manhã ou no final do dia, quando as temperaturas ambientais são mais baixas. Estes cuidados devem ser tomados para evitar ao máximo a elevação da temperatura do produto, o que prejudica sua qualidade final. Caso as condições do tempo permitam o enlonamento, este deve ser feito de modo a possibilitar a ventilação. 7 Carregamento Durante o carregamento dos paletes é importante que algumas observações a respeito da segurança sejam ressaltadas: O piso onde trafegam as empilhadeiras deve estar em ordem para evitar solavancos que podem desestabilizar uma carga ainda não amarrada; Evitar transportar paletes superpostos; As empilhadeiras devem ter proteção para o condutor; Nunca negligenciar o estado mecânico das empilhadeiras; Usar cantoneiras para evitar que as cordas danifiquem as caixas O transporte de produtos perigosos (venenosos, tóxicos, inflamáveis) tem regras específicas e suas embalagens devem ser homologadas pelos órgãos competentes. Estas embalagens recebem uma numeração convencional que deve ser impressa. Dependendo das características do produto a ser transportado é necessário até mesmo veículos especiais. Há produtos que são transportados em condições refrigeradas. O produtor tem as especificações para as condições de transporte e armazenamento. Tais especificações dizem respeito à umidade relativa e temperatura a serem ajustadas no transporte e nas câmaras frigoríficas de armazenamento. É importante minimizar o tempo de carga e descarga, momento em que o produto sofre uma mudança de ambiente e pode haver condensação sobre a superfície da embalagem.. 18

20 ÌNDICE 1 Introdução A Resistência da embalagem de papelão ondulado 2.1 Pontos de maior resistência Manuseio das caixas vazias 3.1 Cuidados no Recebimento Estocagem das caixas de papelão ondulado Estabilidade da pilha 4.2 Contato com o piso 4.3 Superfície do palet Proteção das caixas 4.5 Ambiente 4.6 First-in First-out 5 Armazenamento do produto acabado (caixa+conteúdo) Paletização 5.2 Pallet s Slip-Sheet Arranjo das embalagens sobre o pallet Movimentação da carga palletizada Cuidados no armazenamento produto acabado Influência do distanciamento entre tábuas da superfície pallet 5.8 Área das caixas base maior que a área da superfície pallet Desalinhamento Padrão colunar x padrão cruzado Amarração 5.12 Longo tempo de armazenamento Umidade relativa 6 Transporte 6.1 Transporte á granel Transporte palletizado Característica do produto a ser transportado Carregamento 19

DICAS DE ESTOCAGEM DE EMBALAGENS

DICAS DE ESTOCAGEM DE EMBALAGENS DICAS DE ESTOCAGEM DE EMBALAGENS EMPILHAMENTO Os pontos de maior resistência da embalagem estão nos quatro cantos (arestas verticais), nos quais estão concentrados 64% da resistência à compressão. Por

Leia mais

Manuseio de Compressor

Manuseio de Compressor Manuseio de Compressor Índice Item... Página 1 - Introdução... 02 2 - Remover o palete... 03 3 - Deslocar o palete... 04 4 - Erguer o palete... 05 5 - Movimentar o palete... 06 6 - Empilhar o palete...

Leia mais

Orientações de manuseio e estocagem de revestimentos cerâmicos

Orientações de manuseio e estocagem de revestimentos cerâmicos Orientações de manuseio e estocagem de revestimentos cerâmicos RECEBIMENTO Quando o produto for recebido na loja ou obra, ou mesmo na entrega ao cliente, é importante que alguns cuidados sejam tomados

Leia mais

Papelão Ondulado. Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo

Papelão Ondulado. Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo Papelão Ondulado Ronildo Peroti Outubro/2012 São Paulo Ronildo Peroti Experiência no setor nas áreas de Desenvolvimento de Produtos, Produção e Manutenção; Gerente de Desenvolvimento de Produtos da Cartonagem

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DE RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS Rev 02 1/5 1. Objetivo Este manual tem por objetivo orientar os usuários / clientes quanto aos itens a serem

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE A a V. Recife/2013 Duarte Júnior

CURSO EMBALAGENS DE A a V. Recife/2013 Duarte Júnior CURSO EMBALAGENS DE A a V Recife/2013 Duarte Júnior É Gestor de Produção Industrial Atua há 13 anos no mercado de papelão ondulado na área de desenvolvimento (engenharia) de produtos. Especialista em embalagens

Leia mais

Instruções de manuseio e movimentação de produtos

Instruções de manuseio e movimentação de produtos Instruções de manuseio e movimentação de produtos Big Bag Instruções de manuseio e movimentação 1. Composição do Big Bag BIG BAG 1.250 kg: Big Bag de Ráfia/Vinil, cilíndrico/travado, com capacidade para

Leia mais

www.desperdiciozero.com.br www.tetrapak.com.br

www.desperdiciozero.com.br www.tetrapak.com.br AF_folhetoV3-Sem-TBA_9x13cm.pdf 1 6/7/12 11:04 P Para mais informações e curso on-line, visite nosso site: www.desperdiciozero.com.br www.tetrapak.com.br AF_folhetoV3-Sem-TBA_9x13cm.pdf 2 6/7/12 11:04

Leia mais

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA

Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Onde transportadoras e cargas se encontram TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA TRANSPORTAR SUA CARGA Guia do Transporte Saiba como enviar sua encomenda. Dicas gerais CARGOBR oferece uma ferramenta simples

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

USO E APLICAÇÕES. Módulo 5 Manuseio, Transporte e Armazenagem

USO E APLICAÇÕES. Módulo 5 Manuseio, Transporte e Armazenagem USO E APLICAÇÕES Módulo 5 Manuseio, Transporte e Armazenagem MANUSEIO, TRANSPORTE e ARMAZENAGEM MANUSEIO DOS VIDROS AS CHAPAS DE VIDRO DEVEM SEMPRE SER MANUSEADAS DE MANEIRA QUE NÃO ENTREM EM CONTATO COM

Leia mais

Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500

Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500 Instruções Recebimento, Manuseio e Armazenamento dos Centros de Controle de Motores CENTERLINE 2500 Recebimento IMPORTANTE A entrega de equipamentos às empresas de transporte pela Rockwell Automation é

Leia mais

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall.

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. ANEXO 01 Sala MEV DW DW B B Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. 1 Figura 2 Detalhes das portas em drywall. A porta P11, destinada a acesso à

Leia mais

Sistema de Forros Trevo Drywall

Sistema de Forros Trevo Drywall Nome da Empresa Endereço Tel/Fax (88) 3571-6019 Site E-mail DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte

Leia mais

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES

CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES CAPÍTULO 6.6 EXIGÊNCIAS PARA A CONSTRUÇÃO E ENSAIO DE EMBALAGENS GRANDES 6.6.1 Disposições Gerais 6.6.1.1 As exigências deste capítulo não se aplicam: - à classe 2 exceto artigos incluindo aerossóis; -

Leia mais

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO

MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO MÓDULO 4 4.1 - PROCEDIMENTOS DE ESTOCAGEM E MANUSEIO A estocagem e o manuseio de tubos e conexões devem obedecer a preceitos mínimos que assegurem a integridade dos materiais, bem como o desempenho esperado.

Leia mais

Obrigado por adquirir os produtos Formare. Você escolheu qualidade e a Formare Metais preza por isso.

Obrigado por adquirir os produtos Formare. Você escolheu qualidade e a Formare Metais preza por isso. Obrigado por adquirir os produtos Formare. Você escolheu qualidade e a Formare Metais preza por isso. TERMOS UTILIZADOS VÃOS 1- VÃOS TRANSPORTE, RECEBIMENTO E ARMAZENAGEM 1.1 - TRANSPORTE 1 - TRANSPORTE,

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material

MESTRE MARCENEIRO. Estocagem de material Estocagem de material A Madeira e seus derivados, por ser o principal insumo utilizado na fabricação de móveis, é um material orgânico e exige cuidados especiais no seu armazenamento. O armazenamento deve

Leia mais

TIPOS DE PALLETS. Imaginemos uma situação onde se precise comprar pallets para exportar em cada um, 1000 kg de papel.

TIPOS DE PALLETS. Imaginemos uma situação onde se precise comprar pallets para exportar em cada um, 1000 kg de papel. Pallets descartaveis (one way) TIPOS DE PALLETS Pallets descartáveis como a prória palavra sugere, são pallets não retornáveis ou seja, acomodam uma determinada mercadoria onde o custo do pallet está incluso

Leia mais

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes!

RollerForks. A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks A nova revolução da logística: Movimentação sem paletes! RollerForks Os paletes revolucionaram a logística, ao unitizar as cargas e reduzir custos drasticamente. Agora, uma nova revolução tem

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS CONTEINERIZAÇÃO DE CARGAS Vantagens: Possibilitam operações ininterruptas, mesmo sob intempéries Incrementam a produtividade Minimizam o tempo de movimentação

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

pais e produz tambøm o cartªo para outros tipos de embalagens

pais e produz tambøm o cartªo para outros tipos de embalagens A Klabin SA Ø 1APRESENTA ˆO KLABIN SIA uma empresa hoje voltada para o setor de Embalagens E a maior fabricante de embalagens de papelªo ondulado no pais e produz tambøm o cartªo para outros tipos de embalagens

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Dimensionamento de espaço

Dimensionamento de espaço Dimensionamento de espaço Definindo os volumes de produtos e os tipos de produtos que serão tratados no projeto, teremos condições, a partir de agora, de dimensionar o tamanho do armazém, suas características

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 1/7 FISPQ NRº. 004 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome da Empresa: Hidroazul Indústria e Comércio Ltda Endereço: Rua João Dias Neto, 18 D Cataguases MG CEP: 36770-902. Telefone da Empresa: (32)

Leia mais

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário.

Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Antes de usar os andaimes pela primeira vez, recomendamos ler minuciosamente este manual de uso, além de guardar-lo para quando for necessário. Somente trabalhadores devidamente treinados e capacitados

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 6 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Cargas, embalagens e unitização Modulação, Unitização, Acondicionamento

Leia mais

Sistema de Paredes Trevo Drywall

Sistema de Paredes Trevo Drywall Nome da Empresa DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Endereço Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte - CE - CEP 63045-010 Tel/Fax (88)

Leia mais

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58 Produto Pilha de zinco-ar Nome do modelo IEC Nominal Nominal Diâmetro Altura Peso Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP 6.2.24.1 Efetuar o carregamento dos tubos Efetuar o carregamento dos tubos. A carroceria deve estar livre de pregos e projeções. O empilhamento dos tubos sobre a carroceria do caminhão deve ser feito,

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Colocação de material

Colocação de material Colocação de material Este capítulo inclui: Material suportado na página 2-2 Carregando material na bandeja 1 na página 2-8 Colocação de material na bandeja 2, 3 ou 4 na página 2-14 Copyright 2005 Xerox

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Um pouco da história

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Um pouco da história SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Um pouco da história Podemos ficar surpresos ao saber que os primeiros armazéns foram construídos por volta de 1800 a.c., com José ao interpretar

Leia mais

Manuseamento e disposição das placas

Manuseamento e disposição das placas Manuseamento e disposição das placas Preparar para a nova cultura 3-3 Entrega 1 Não é aconselhável o seu armazenamento no exterior. Armazene num local limpo e seco, separado da área de produção. 3 Não

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-068/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-068/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-068/2010 R-03 FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA Código Página Revisão Emissão DT-068 I 03 OUT/2010 APRESENTAÇÃO As prescrições

Leia mais

SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA

SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA Artigo Técnico Nº 27 Novembro 2004 SECAGEM DE SERRADOS E LÂMINAS DE MADEIRA INTRODUÇÃO A secagem é uma etapa indispensável no processo de industrialização da madeira serrada, bem como de lâminas de madeira,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2011 Instrução Técnica nº 24/2011 - Sistema de chuveiros automáticos para áreas de depósito 519 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 024/2010 EM REVISÃO Sistema de chuveiros automáticos para áreas de

Leia mais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais

Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais Frutas e Hortaliças embaladas Aspectos Legais A embalagem é instrumento de identificação, proteção, movimentação e exposição das frutas e hortaliças frescas. Ela identifica o produto e o seu responsável.

Leia mais

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Washington Spejorim As embalagens podem ser definidas de diferentes formas, variando de acordo com o profissional que fizer essa

Leia mais

Somos uma empresa especializada em aglu nar os componentes do CBUQ Concreto Betuminoso Usinado a Quente convencional ou modificado.

Somos uma empresa especializada em aglu nar os componentes do CBUQ Concreto Betuminoso Usinado a Quente convencional ou modificado. Somos uma empresa especializada em aglu nar os componentes do CBUQ Concreto Betuminoso Usinado a Quente convencional ou modificado. Nossa maior responsabilidade além da socioambiental é o controle do teor

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

A SOLUÇÃO SOB MEDIDA PARA SUA ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM

A SOLUÇÃO SOB MEDIDA PARA SUA ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM A SOLUÇÃO SOB MEDIDA PARA SUA ARMAZENAGEM E ESTOCAGEM A CESTARI PRODUTOS GALVANIZADOS produz equipamentos para todo processamento de produtos em geral que asseguram o melhor resultado para a indústria

Leia mais

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto

Rev. 01 MANUAL TÉCNICO. Kit Porta Pronto MANUAL TÉCNICO Kit Porta Pronto Carga e Descarga Os produtos são carregados na empresa e preparados de modo a assegurar sua proteção. Durante o transporte até o cliente é imprescindível que sejam mantidas

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA CHAVES DE AFERIÇÃO 1. OBJETIVO Este Termo de Referência define requisitos que devem ser observados pelos interessados, para o fornecimento de chave de aferição à CEEE-D, em complementação

Leia mais

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade III MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Introdução Conhecer as necessidades de gestão de armazém é fundamental; Aqui vamos conhecer os tipos de armazenagem; Tipos de armazenagens São

Leia mais

MTS Criterion Série 40 Manual Title

MTS Criterion Série 40 Manual Title MTS Criterion Série 40 Manual Title Instruções para Levantamento Additional e Movimentação Information be certain. 100-238-293 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada Informação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani.

Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani. Março/2015 Aproxime o seu smartphone, tablet ou webcam do QR Code e saiba mais sobre a Pisani. Pisani Plásticos S.A. BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone:

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

MANUAL DO C L I E N T E

MANUAL DO C L I E N T E MANUAL DO C L I E N T E 1 Recebendo o revestimento na obra 1.1 Comparar a nota fiscal com o pedido SUMÁRIO 2 3 4 5 Manuseio e armazenamento 2.1 2.2 Ter cuidado no manuseio Empilhamento dos revestimentos

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

Rev.1 18.01.2013. Racks Paletização KD

Rev.1 18.01.2013. Racks Paletização KD 18.01.2013 Racks Paletização KD O sistema de armazenagem KD de cargas médias e pesadas representa a melhor solução para armazéns em que é necessária uma correta armazenagem para produtos paletizados com

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO IT-0402-00001 RECUPERAÇÃO DE AVARIA

INSTRUÇÃO DE TRABALHO IT-0402-00001 RECUPERAÇÃO DE AVARIA Sumário 1. OBJETIVO... 1 2. RESPONSABILIDADES... 1 3. GERAL... 1 3.1. PRODUTO PALETIZADO AVARIADO NA ÁREA DE PE4... 1 3.2. PRODUTO PALETIZADO AVARIADO NA ÁREA DE PP1, PP2/PE5 E PE6... 4 3.3. ENVASE DE

Leia mais

RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48

RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48 RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO RDC-48 O Que Muda na Área Operacional Logística com a RDC-48??? NADA A não ser Maior Fiscalização por parte da Anvisa Maior Organização por parte das Empresas A ÁREA LOGÍSTICA

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-068/2006 R-02 TRANSPORTE DE POSTE E DE RESÍDUOS DE CONCRETO

DECISÃO TÉCNICA DT-068/2006 R-02 TRANSPORTE DE POSTE E DE RESÍDUOS DE CONCRETO DECISÃO TÉCNICA DT-068/2006 R-02 TRANSPORTE DE POSTE E DE RESÍDUOS DE CONCRETO DOCUMENTO NORMATIVO DECISÃO TÉCNICA TRANSPORTE DE POSTES E DE RESÌDUOS DE CONCRETO Código Página Revisão Emissão DT-068 I

Leia mais

FEITA PARA DURAR TELHAS METÁLICAS E TERMOACÚSTICAS. Catalago ZeitGluck Alterado.indd 1 25/11/2011 11:28:51

FEITA PARA DURAR TELHAS METÁLICAS E TERMOACÚSTICAS. Catalago ZeitGluck Alterado.indd 1 25/11/2011 11:28:51 FEITA PARA DURAR TELHAS METÁLICAS E TERMOACÚSTICAS Catalago ZeitGluck Alterado.indd 1 25/11/2011 11:28:51 APRESENTAÇÃO A EMPRESA Zeit Glück significa tempo de sorte no idioma alemão. É o que desejamos

Leia mais

Mais que produtos químicos, soluções.

Mais que produtos químicos, soluções. APRESENTAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 3. IDENTIFICAÇÃO DE PERIGOS 4. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS 5. MEDIDAS DE COMBATE A INCÊNDIO 6.

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência.

Telha TopSteel. Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Telhas termoacústicas. Leveza e conforto aliados à eficiência. Telha TopSteel Leveza e conforto aliados à eficiência. As novas telhas termoacústicas TopSteel da Brasilit são de fácil transporte

Leia mais

Informações. Carga horária de cada curso: 16hs - 9:00 às 17:00hs. Incluso no Investimento:

Informações. Carga horária de cada curso: 16hs - 9:00 às 17:00hs. Incluso no Investimento: Informações Os cursos são ministrados com aulas expositivas, acompanhado por apostila e com exemplos do dia a dia da indústria e exercícios práticos para fixação dos conceitos. Carga horária de cada curso:

Leia mais

Procedimentos de embalagem e transporte

Procedimentos de embalagem e transporte 1. Introdução Procedimentos de embalagem e transporte 1.1 O escopo deste documento é estabelecer normas mínimas para a proteção, embalagem e etiquetagem de móveis, utensílios e equipamentos enviados para

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 2 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Equipamentos de Armazenagem Simplicidade Barato Flexível Relação custo e benefício Principais Atribuições Peculiaridade

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Engº. Cláudio Sei Guerra OUTUBRO - 2006 Revisado ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 06 4. Porta-Pallets

Leia mais

MANUAL - POLICARBONATO POLICARBONATO CHAPAS E TELHAS TELEVENDAS. SÃO PAULO: +55 11 3871 7888 CAMPINAS: +55 19 3772 7200 www.vick.com.

MANUAL - POLICARBONATO POLICARBONATO CHAPAS E TELHAS TELEVENDAS. SÃO PAULO: +55 11 3871 7888 CAMPINAS: +55 19 3772 7200 www.vick.com. MANUAL POLICARBONATO POLICARBONATO CHAPAS E TELHAS TELEVENDAS SÃO PAULO: +55 11 3871 7888 CAMPINAS: +55 19 3772 7200 wwwvickcombr POLICARBONATO COMPACTO O Policarbonato Compacto é muito semelhante ao vidro

Leia mais

Embalagens, acondicionamento e unitização

Embalagens, acondicionamento e unitização Embalagens, acondicionamento e unitização A embalagem e a Logística As condições atuais e futuras exercem importância cada vez maior sobre as interações efetivas entre a embalagem e a movimentação de materiais.

Leia mais

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR NOME DA EMPRESA CHECK LIST - NORMA REGULAMENTADORA Nº 11 Empresa: Inspetor (es): Data da Inspeção: / / Responsável pelo Local de Trabalho / Setor: Local de Trabalho / Setor: ITENS DESCRIÇÃO SIM DA INSPEÇÃO

Leia mais

Simples, resistente e fácil de montar.

Simples, resistente e fácil de montar. Simples, resistente e fácil de montar. Economia e resistência são as principais qualidades da telha Vogatex. Possui peso reduzido e simplicidade estrutural, exigindo o mínimo de mão-de-obra e madeiramento

Leia mais

LUKE COMÉRCIO LOCAÇÕES E EVENTOS LTDA

LUKE COMÉRCIO LOCAÇÕES E EVENTOS LTDA Piso Elevado & Piso de Cobertura LUKE COMÉRCIO LOCAÇÕES E EVENTOS LTDA Avenida Santa Efigênia, 139 Vila Paraíso Guarulhos/SP CEP 07242-100 Tel.: 55 11 49702130 / 49702127 PISO ELEVADO COM COMPENSADO DE

Leia mais

Impressora HP Color LaserJet Série CP1210

Impressora HP Color LaserJet Série CP1210 Impressora HP Color LaserJet Série CP1210 Guia para papel e mídia de impressão Copyright e licença 2007 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

Manual do Proprietário SELAMAX MP300

Manual do Proprietário SELAMAX MP300 Manual do Proprietário SELAMAX Seladora 1 2 3 4 5 Fig. A Fig. B 9 6 7 8 10 11 12 Fig. C Fig. D Fig. E Fig. F 2 PARABÉNS! Você acaba de adquirir um equipamento dentro da mais alta tecnologia disponível

Leia mais

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas Crescendo com Você Montagem de Sistemas Estocagem Armazene as chapas em local seco e abrigado. Transporte as chapas de duas em duas. Transporte as chapas na posição vertical. Os calços devem ter 5 cm de

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO E DIREÇÃO DEFENSIVA

TRANSPORTE RODOVIÁRIO E DIREÇÃO DEFENSIVA TRANSPORTE RODOVIÁRIO E DIREÇÃO DEFENSIVA APRESENTAÇÃO ORIENTAÇÃO DE CARGA SEGURANÇA NO TRANSPORTE A empresa A Cooperativa dos Transportadores Autônomos de Cargas do Norte Coopertan, atua há mais de 15

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação Manual técnico e instruções de instalação KIT Porta IPUMIRIM Este manual de instalação do Kit Faqueadas Ipumirim vai auxiliar e orientar construtores e consumidores com as informações necessárias com relação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM INSTALAÇÕES DE ARMAZENAGEM Complexo de espaços de diferentes naturezas e finalidades, situados em áreas cobertas e descobertas,

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Manual de Colagem Silicone Glazing

Manual de Colagem Silicone Glazing Sumário Sumário... 2 1. Introdução... 3 2. Tipos de Selante Estrutural... 3 2.1. Selante estrutural monocomponente... 3 2.2. Selante estrutural bi componente... 3 3. Antes de Começar a Colar... 4 4. Procedimento

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

Logística Reversa na Prática: Estudo Econômico de Embalagens Retornáveis no Transporte de Cabeçotes de Motores Usinados

Logística Reversa na Prática: Estudo Econômico de Embalagens Retornáveis no Transporte de Cabeçotes de Motores Usinados Logística Reversa na Prática: Estudo Econômico de Embalagens Retornáveis no Transporte de Cabeçotes de Motores Usinados DIOGO APARECIDO LOPES SILVA (USP) OSWALDO MÁRIO SERRA TRUZZI (UFSCar) GUSTAVO SEVEGNANI

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistema de chuveiros automáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 107páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

AMIANTO UNIÃO EUROPÉIA PATENTE 901/97 port Resíduos da Construção Civil

AMIANTO UNIÃO EUROPÉIA PATENTE 901/97 port Resíduos da Construção Civil 1 O ministro do meio ambiente para AMIANTO UNIÃO EUROPÉIA PATENTE 901/97 port Resíduos da Construção Civil Senhoras e Senhores representantes dos Estados Senhor prefeito de polícia de Paris Paris, 09 de

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais