FARMACÊUTICOS E SUAS ATIVIDADES EM FARMÁCIAS COMUNITÁRIAS: UMA ANÁLISE DE PERFIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FARMACÊUTICOS E SUAS ATIVIDADES EM FARMÁCIAS COMUNITÁRIAS: UMA ANÁLISE DE PERFIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS FARMACÊUTICOS E SUAS ATIVIDADES EM FARMÁCIAS COMUNITÁRIAS: UMA ANÁLISE DE PERFIL SARALY DOS SANTOS SOUZA NATAL 2012

2 SARALY DOS SANTOS SOUZA FARMACÊUTICOS E SUAS ATIVIDADES EM FARMÁCIAS COMUNITÁRIAS: UMA ANÁLISE DE PERFIL Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Ciências Farmacêuticas, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Ciências Farmacêuticas. Orientadora: Profª Dra. Maria Cleide Ribeiro Dantas de Carvalho NATAL 2012

3

4 Aos farmacêuticos, bravos profissionais que se superam e sobrevivem ao longo dos séculos.

5 AGRADECIMENTOS À minha orientadora, Profª Dra. Maria Cleide Ribeiro Dantas de Carvalho, pelos conselhos sempre úteis e precisos com que, sabiamente, orientou esta dissertação. À Coordenação da Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte pelo incentivo e confiança em meu talento. A meus pais e irmão pelo apoio incondicional em todas as horas. A Deus, meu fiel amigo e fonte de força.

6 Realize o seu sonho, você mesmo vai ter que fazer isso. Eu não posso acordar você. Você é quem pode se acordar. Por que nós estamos no mundo? Certamente não para viver com medo e dor. Nós todos brilhamos como a lua, as estrelas e o sol... (John Lennon)

7 RESUMO O objetivo do presente estudo foi estabelecer o perfil do farmacêutico responsável técnico por farmácias comunitárias da cidade de Natal/RN, caracterizando elementos pessoais, percepção do seu papel e da atenção farmacêutica realizada, níveis de satisfação profissional, tipo de serviços prestados e qualidade destes em âmbito humano e estrutural. Para tanto, foi feito um estudo transversal exploratório aplicando um questionário contendo perguntas abertas e fechadas, o qual foi aplicado aos farmacêuticos responsáveis técnicos por farmácias comunitárias em Natal/RN, no período de setembro de 2010 a setembro de A amostra foi estabelecida através do cálculo da amostra aleatória simples, com grau de confiança de 95% e nível de significância de 0,05. Para avaliar o nível de satisfação das atividades realizadas pelos farmacêuticos nas farmácias comunitárias foi usada a Escala de Satisfação Simples (LIKERT, 1935). Para avaliar as atitudes e percepções dos farmacêuticos com relação aos aspectos da atenção farmacêutica, foi utilizada o Modelo de Atitude em Relação ao Objeto (FISHBEIN; AJZEN, 1975). As respostas foram convertidas em dados analisados estatisticamente pelo programa Epi Info Os resultados mostraram que os pontos positivos e negativos em relação ao perfil do farmacêutico e suas atividades nas farmácias comunitárias de Natal/RN não são diferentes em relação a outras capitais do país. Os aspectos mais relevantes foram: em 51% (n = 90) dos estabelecimentos visitados o farmacêutico estava ausente; 46% (n = 80) não possuem pós-graduação e dos que a fazem ou a concluíram, 33% (n = 51) são na área das Análises Clínicas; 56% (n = 98) trabalham 08h/dia e 64% (n = 111) afirmam que esta carga horária influencia no seu desempenho; 83% (n = 146) recebem como salário, o piso farmacêutico referente ao estado do Rio Grande do Norte; 44% (n = 76) estão insatisfeitos quanto ao salário, sendo esta a maior dificuldade citada; 78% (n = 136) afirmam serem sempre procurados pelos usuários sendo a receptividade destes considerada boa (52%, n = 91). As atividades de maior satisfação são aquelas ligadas à atenção farmacêutica e as de menor, as administrativas. Quanto às atitudes e percepções, o escore mais negativo foi para a pergunta se o farmacêutico se sente trabalhando em equipe com o médico, em que 59% (n= 103) responderam nunca. 49% (n = 86) relataram estarem aptos a tirarem as dúvidas dos usuários; 39% (n = 68) encontram-se insatisfeitos em relação à estrutura da farmácia para o exercício da atenção farmacêutica. São necessárias ações sobre os entraves ao exercício da

8 profissão farmacêutica na solução e minimização dos pontos negativos e estímulo aos positivos. Palavras-chaves: Farmacêutico. Farmácias comunitárias. Atenção farmacêutica.

9 ABSTRACT The aim of this study was to establish the profile of the pharmacist technician responsible for community pharmacies in the city of Natal/RN, featuring personal elements, perceived their role and place of pharmaceutical care, levels of job satisfaction, type and quality of services provided in human and structural framework. To that end, we made an exploratory cross-sectional study applying a questionnaire containing open and closed questions, which was applied to pharmaceutical technicians responsible for community pharmacies in Natal/RN, from September 2010 to September The sample was established by calculating the simple random sample, with a confidence level of 95% and a significance level of To evaluate the satisfaction level of the activities performed by pharmacists in community pharmacies was used Simple Satisfaction Scale (Likert, 1935). To assess the attitudes and perceptions of pharmacists in relation to aspects of pharmaceutical care, we used the Model Attitude toward the object (Fishbein, Ajzen, 1975). The answers were converted into data were analyzed statistically using Epi Info The results showed that the strengths and weaknesses in relation to the profile of the pharmacist and their activities in community pharmacies in Natal/RN are not different in other cities in the country. The most important aspects were: 51% (n = 90) of the establishments visited, the pharmacist was absent; 46% (n = 80) did not have postgraduate and of those who are or have completed 33% (n = 51) are in the area of Clinical Analysis; 56% (n = 98) 08h for day work and 64% (n = 111) claim that this load influence its performance; 83% (n = 146) receive as salary, the floor pharmacist regarding the state of Rio Grande do Norte; 44% (n = 76) are unhappy about the salary, which is the main difficulty cited; 78% (n = 136) say they are always sought by users and the receptivity of these considered good (52%, n = 91). The activities of higher satisfaction are those related to pharmaceutical care and lower the administrative. As regards attitudes and perceptions, the score was more negative to the question 'if the pharmacist feels working as a team with the doctor', in which 59% (n = 103) responded 'never'. 49% (n = 86) reported being "able" to take questions from users and 39% (n = 68) are 'dissatisfied' with respect to the structure of the practice of pharmacy to pharmaceutical care. Action is needed on the obstacles to the exercise of the pharmacist in the solution and minimize the negative and positive stimulus to.

10 Keywords: Pharmaceutical. Community pharmacies. Pharmaceutical care.

11 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1 Atividades em que o farmacêutico dedica mais tempo GRÁFICO 2 Principais dúvidas dos usuários GRÁFICO 3 Estratégias usadas pelos farmacêuticos fazerem suas atualizações/estudos... 51

12 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Regiões Administrativas / Áreas de Fiscalização do CRF/RN... 26

13 LISTA DE TABELAS TABELA 1 TABELA 2 TABELA 3 TABELA 4 TABELA 5 TABELA 6 TABELA 7 TABELA 8 TABELA 9 TABELA 10 TABELA 11 Distribuição de estabelecimentos farmacêuticos por área metropolitana de fiscalização, CRF/RN, set. 2010, e amostra a ser pesquisada... Dados pessoais e profissionais dos farmacêuticos comunitários, em Natal/RN, , (n=175)... Dados relacionados às atividades desenvolvidas na farmácia, pelos farmacêuticos comunitários, em Natal/RN, , (n=175)... Demonstrativo da relação habitante/farmácia nas áreas de fiscalização do CRF/RN, Natal/RN, Atividades realizadas pelos farmacêuticos nas farmácias comunitárias, Natal/RN, , (n = 175)... Nível de satisfação nas atividades realizadas pelos farmacêuticos nas farmácias comunitárias, Natal/RN, Atitudes e percepções dos farmacêuticos com relação aos aspectos da atenção farmacêutica, Natal/RN, , (n=175)... Dificuldades encontradas para o farmacêutico exercer suas atividades em farmácias comunitárias, Natal/RN, , (n=175)... Nível de aptidão dos farmacêuticos para tirar dúvidas dos usuários em farmácias comunitárias, Natal/RN, , (n=175)... Local em que o farmacêutico orienta o usuário em farmácias comunitárias, Natal/RN, , (n=175)... Nível de satisfação dos farmacêuticos quanto à estrutura física das farmácias comunitárias, Natal/RN, ) (n=175)

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Evolução da Profissão Farmacêutica: auge, problemática e renovação... Farmácias Comunitárias: o reencontro da profissão farmacêutica Farmácias Comunitárias em Alguns Países Farmácias Comunitárias no Brasil MÉTODOS Coleta de Dados Amostra Áreas de Fiscalização do CRF/RN / Regiões Administrativas Cálculo da Amostra Avaliação dos Dados RESULTADOS E DISCUSSÃO Dados Pessoais e Profissionais Dados Relacionados às Atividades na Farmácia Dados Relacionados à Orientação ao Usuário Dados Relacionados à Estrutura da Farmácia CONCLUSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS Farmacêutico Instituições de Ensino Fiscalização Proprietários de Farmácias... 57

15 6.5 Usuários de Medicamentos REFERÊNCIAS APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APÊNDICE B TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) APÊNDICE C ARTIGO... 71

16 1 INTRODUÇÃO Em 1997, a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabeleceu que "a missão da prática farmacêutica é prover medicamentos e outros produtos e serviços e auxiliar as pessoas e a sociedade a utilizá-los da melhor forma possível" (OMS; OPAS, 1997). Posteriormente, em 2006, a mesma OMS publicou um manual como referência para a reorientação da educação e da prática farmacêutica e a incorporação da atenção farmacêutica nesta prática (OMS; FIP, 2006). O cerne da profissão farmacêutica é o medicamento e com este a atenção à saúde da população seja em âmbito hospitalar, industrial, laboratorial, ensino e pesquisa, público ou privado. A discussão sobre a importância de se acrescentar a este processo farmácias e drogarias, transformando-as não em meros estabelecimentos comerciais e sim em órgãos de saúde, no mundo e no Brasil é de longa data promovendo a necessidade de regulamentações específicas e, não raro, conflitos de interesse dos mais diversos (SILVANA; FERREIRA; RIBEIRO, 2008). São nas farmácias e drogarias onde, provavelmente, a população terá o último contato com um profissional de saúde (ZUBIOLI, 1996a) e é neste momento de grande importância que a atuação do farmacêutico, promovendo o uso racional de medicamentos e fazendo uso das boas práticas farmacêuticas, se faz necessária. A união de mudanças da legislação, reafirmação do profissional farmacêutico e maior cobrança da população, têm provocado em muitos destes estabelecimentos, a necessidade de incluir serviços de atuação clínica farmacêutica como diferencial competitivo no enfrentamento da concorrência de grandes redes do varejo farmacêutico (SCHROEDER et al., 2009). Neste contexto, surge um novo conceito de farmácias e drogarias: as farmácias comunitárias. Estas são caracterizadas como estabelecimentos farmacêuticos de propriedade privada, os quais atendem diretamente o paciente na dispensação de medicamentos industrializados, em suas embalagens originais, os quais não estão inseridos em hospitais, unidades de saúde ou equivalente (BARETA, 2003). Estas farmácias não manipulam medicamentos e o atendimento ao paciente acontece em nível de atenção primária à saúde, com a responsabilidade técnica, legal e privativa,

17 de farmacêutico. O fato de serem comunitárias está ligado ao atendimento a pessoas que vivem e/ou trabalham em locais próximos a estas farmácias. Mesmo não havendo esta territorialidade, o compartilhamento de ações entre o estabelecimento, principalmente no papel do farmacêutico, caracteriza a relação de comunidade. Mas como cobrar do farmacêutico um posicionamento não-mercantilista e de desvalor de sua profissão se não conhecemos este profissional? Quem são esses farmacêuticos? O que pensam? Como reagem aos problemas de sua formação e atuação profissionais? Quais problemas enfrentam? Qual sua satisfação? Os órgãos fiscalizadores possuem números, mas e a identidade destes profissionais? Saber das respostas para estas perguntas (inicialmente) e tentar, a partir daí, traçar um perfil desse profissional foi a inspiração para esta pesquisa que tem como objetivo principal conhecer o profissional farmacêutico responsável técnico pelas farmácias comunitárias de Natal/RN, caracterizando elementos pessoais, percepção do seu papel e da atenção farmacêutica, níveis de satisfação profissional, tipo de serviços prestados e a qualidade destes em âmbito humano e estrutural. Essa avaliação servirá como um verdadeiro mapeamento no que diz respeito ao trabalho, de que maneira eles o exercem, suas perspectivas e o impacto de suas ações sobre a população que procura a farmácia e precisa obter dela serviços farmacêuticos de qualidade e, acima de tudo, um profissional farmacêutico de qualidade. Os resultados obtidos nesta pesquisa poderão servir como base para ações dos órgãos competentes locais para melhoria das farmácias comunitárias da cidade e dos profissionais farmacêuticos que nelas trabalham.

18 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 EVOLUÇÃO DA PROFISSÃO FARMACÊUTICA: AUGE, PROBLEMÁTICA E RENOVAÇÃO A profissão farmacêutica encontra-se em um momento de ascensão e profundas transformações no mundo e no Brasil. Transformações estas relacionadas, dentre outras, à integração do farmacêutico nas equipes de saúde (tornando a multidisciplinaridade um aliado aos pacientes para obtenção de melhorias na saúde e sucesso terapêutico) e reconhecimento da sociedade sobre o papel deste profissional. A história da Farmácia e, por conseguinte, do farmacêutico vem passando por evoluções, quedas e novamente, na atualidade, por restabelecimento. Esta história passa pelos primórdios da antiguidade clássica. Neste período, houve as primeiras divisões nas ocupações nas áreas de saúde entre os pharmakopoloi (gregos) e pharmacopoli (romanos), que lidavam com medicamentos, dos médicos iatros (DIAS, 2009). No início do século XX surgiram os boticários (profissional de saúde que manipulava medicamentos e mais acessível à população) chegando, após a revolução industrial, com a instalação dos grandes conglomerados farmacêuticos tornando os medicamentos como uma importante fatia da economia mundial (DIAS, 2009). Em meados dos anos 70, veio o advento das chamadas farmácias (que comercializam tanto medicamentos magistrais quanto os industrializados) e drogarias (que só podem comercializar medicamentos industrializados) com caráter estritamente mercantilista, sobretudo no Brasil, havendo perda da identidade profissional dos farmacêuticos que começaram a se afastar de sua área de atuação milenar, o medicamento. Esse distanciamento se inicia nos próprios cursos de Farmácia onde os estudantes passam a optar por outras áreas da profissão. Segundo Haddad et al. (2006) em 1973, 97% dos estudantes de Farmácia do país haviam optado pela área de análises clínicas. Com os profissionais farmacêuticos se afastando das farmácias e drogarias, entraram em seu lugar os balconistas (confundidos muitas vezes com farmacêuticos por boa parte da população) e proprietários, em sua maioria leigos, após o advento da Lei (BRASIL, 1973). Ações ilegais e de assédio moral começaram a fazer parte

19 do dia a dia da profissão farmacêutica, degradando o profissional e deixando a população a mercê de atitudes inescrupulosas sobre o seu bem mais importante: a saúde, além do acesso a serviços de saúde de qualidade (CARLINI, 1996). Dentre uma das inúmeras ações ilegais que fazem parte deste contexto, temse a empurroterapia, constituindo-se em uma prática irregular em que balconistas oferecem e indicam medicamentos para ganhar comissão e premiação dos seus fabricantes (CARLINI, 1996). Há também acordos antiéticos entre os proprietários de farmácias/drogarias e farmacêuticos que assinam a responsabilidade técnica do estabelecimento, mas não estão presentes e recebem valores salariais abaixo do piso, desvalorizando a categoria. Em relação ao assédio moral, encontram-se, por exemplo, a ameaça de demissão por não cumprir metas de vendas, o não-cumprimento às leis trabalhistas, os desvios de funções (farmacêutico confundido com gerente, balconista, administrador), a exigência de exclusividade não podendo trabalhar em outras farmácias, entre outras. Com os crescentes casos de intoxicações por medicamentos, atitudes mercantilistas inescrupulosas, falsificações de medicamentos e preços abusivos praticados pela indústria farmacêutica, na década de 90, a Organização Mundial da Saúde (OMS) através do documento The Role of The Pharmacist in The Health Care System (1997), define o perfil do farmacêutico apontando-o como um profissional necessário ao tratamento farmacológico para obtenção de resultados favoráveis a melhoria da qualidade de vida dos pacientes. Então, definiu-se Atenção Farmacêutica que envolve macrocomponentes como a educação em saúde, orientação farmacêutica, dispensação, atendimento farmacêutico e seguimento farmacoterapêutico, além do registro sistemático das atividades, mensuração e avaliação dos resultados (IVAMA, 2002). Neste novo contexto no qual o farmacêutico se insere, torna-se imprescindível uma atitude de re-profissionalização, tanto no papel de dispensador de medicamentos quanto no das análises clínicas. Surgem diversas ramificações muito mais complexas e importantes exigindo qualificações constantes, atenção as suas responsabilidades legais e éticas, além de uma postura mais presente em conjunto com outros profissionais de saúde, com entidades públicas e privadas e à população em geral.

20 2.2 FARMÁCIAS COMUNITÁRIAS: O REENCONTRO DA PROFISSÃO FARMACÊUTICA As drogarias e farmácias como modelos meramente mercantilistas, vem sendo gradativamente combatidas pelos profissionais farmacêuticos atualizados e realmente comprometidos com sua profissão e com a saúde, pelos órgãos de fiscalização (nacionais e internacionais) e pelo reconhecimento e exigência da população preocupada e cada vez menos leiga em quesitos de saúde. A farmácia é por sua natureza um centro prestador do serviço público onde há, além da distribuição de medicamentos, atenção à saúde da população (SANTOS, 1998b). Segundo Ferraes e Cordoni Junior (2011) há concordância de alguns autores sobre a importância de se integrar a Farmácia ao Sistema Sanitário, na tentativa de contribuir na atenção primária à saúde, através da participação em programas de prevenção e promoção da saúde (MOTA et al., 2000; SANTOS, 1998a; ZUBIOLI, 1996b). O futuro da profissão farmacêutica talvez esteja na prestação de serviços, na resolução de problemas com os medicamentos e no desenvolvimento da atenção farmacêutica (IVAMA, 2002). Se quisermos uma farmácia de interesse social e não somente um comércio com altos lucros, torna-se claro que o próprio farmacêutico tem uma grande tarefa devendo fazer parte de todo o processo de assistência à saúde (FERRAES; CORDONI JUNIOR, 2011). As farmácias comunitárias encaixam-se neste contexto. Atividades voltadas ao medicamento, assistência e atenção farmacêuticas estão em voga e são uns dos importantes focos de ações de saúde no país, como já citadas anteriormente. Porém as ações esbarram nos interesses mercantilistas de alguns destes estabelecimentos e, muitas vezes, são menosprezadas ou mesmo impedidas de serem realizadas. Isso gera motivo de preocupação porque são nas farmácias e drogarias onde ocorre o último contato do paciente com um profissional de saúde e com o medicamento o que poderá lhe trazer um uso racional deste ou não (ZUBIOLI, 1996a). São nas farmácias comunitárias o local do primeiro emprego de cerca de 70% dos farmacêuticos brasileiros e onde eles obtêm o aprendizado na prática que as instituições de ensino superior não o fazem por inteiro (BRANDÃO, 2009). Isto é um

21 dado relevante trazendo o questionamento sobre o nível de atuação destes farmacêuticos. As novas e muitas exigências que recaem sobre os farmacêuticos que atuam nas farmácias comunitárias estão construindo um novo paradigma para a profissão estruturado na super-qualificação e no conhecimento. 2.3 FARMÁCIAS COMUNITÁRIAS EM ALGUNS PAÍSES Em outros países, a farmácia comunitária tem as seguintes características: A Índia tem um setor de rápido crescimento da indústria farmacêutica e uma necessidade de farmacêuticos bem preparados. O fornecimento de medicamentos à população é realizada por farmácias comunitárias de propriedade privada e às vezes também por farmácias hospitalares. Os farmacêuticos comunitários estão envolvidos apenas na distribuição de medicamentos. No entanto, eles têm oportunidade de melhorar a saúde da população, particularmente da seção desfavorecidas da sociedade que não têm os recursos para visitar clínicas). No entanto, barreiras importantes para a prestação de assistência farmacêutica existe, incluindo a falta de educação adequada e de formação de farmacêuticos, fraca implementação das leis existentes, e falta de reconhecimento da farmácia como profissão pelo outros profissionais de saúde (BASAK; VAN MIL; SATHYANARAYANA, 2009). Na União Européia, a farmácia obedece ao conceito de farmácia única integrando medicamentos industrializados e manipulados, suplementos alimentares e fitoterápicos. A prática da Atenção Farmacêutica vem sendo implantada gradualmente. A propriedade exclusiva pelos farmacêuticos destas farmácias varia entre os países, mas se mantêm em sua maioria (ANFARMAG, 2009). Na Espanha, todas as farmácias em atividade possuem apenas uma pessoa para atendimento ao público, o farmacêutico, e somente podem funcionar com a presença deste (FONSECA, 2011). Na Dinamarca, as farmácias comunitárias são de propriedade privativa do farmacêutico e as autoridades sanitárias regulam o número de farmácias. Dados de 2007 demonstraram que a Dinamarca possuía 01 farmácia para cada habitantes. Muitas farmácias oferecem serviços clínicos como medição de glicose, da

22 pressão arterial e colesterol e inalação, no entanto, alguns serviços são reembolsáveis (HERBORG; SORENSEN; FROKJAER, 2007). Na Inglaterra, as farmácias comunitárias tem sido organizadas pelo governo para contribuírem com a atenção primária e pública de saúde. A prioridade é integrar serviços nas farmácias a programas de saúde, principalmente através do fortalecimento de informações tecnológicas e disposições contratuais (NOYCE, 2007). Nos Estados Unidos da América, a dispensação de medicamentos continua a ser o foco principal, mas a incidência de pacientes que estão sendo aconselhados sobre medicamentos parece estar aumentando. Mais de 25% dos proprietários de farmácias comunitárias relatam serviços de cuidados clínicos, tais como aconselhamento de medicamentos e gerenciamento de doenças crônicas. A maioria dos programas de seguro pagam farmacêuticos apenas para dispensar serviços, ainda há um número crescente de iniciativas públicas e privadas que reembolsam os farmacêuticos para os serviços cognitivos. Reembolso por serviços cognitivos continua a ser pouco frequente, mas é uma atividade crescente (CHRISTENSEN; FARRIS, 2006). No Canadá, o papel do farmacêutico na assistência ao paciente continua em grande expansão em farmácias comunitárias, no entanto, os obstáculos à prestação da assistência farmacêutica ainda existem, incluindo a atual escassez de farmacêuticos e a falta de sistemas de reembolso por serviços realizados (JONES; MACKINNON; TSUYUKI, 2005). No Japão o sistema de saúde deve ser submetido a reformas para resolver os problemas relacionados com a taxa de natalidade e as necessidades de uma população em envelhecimento. Embora os farmacêuticos japoneses não sejam totalmente capazes de fornecer assistência farmacêutica nesta fase, eles vão desempenhar um papel crucial para garantir uma sociedade saudável de envelhecimento no futuro, particularmente no ambiente comunitário (YAMAMURA et al., 2006).

23 2.4 FARMÁCIAS COMUNITÁRIAS NO BRASIL No Brasil, a farmácia comunitária é o segmento profissional que reúne o maior número de farmacêuticos: aproximadamente 60% de todos profissionais registrados nos Conselhos Regionais de Farmácia (SBFC, 2012). Entretanto, este segmento é talvez o que recebe a menor remuneração salarial, oferece menos perspectivas de crescimento e, assim, detém o maior índice de insatisfação profissional. Segundo o Conselho Federal de Farmácia em seu último relatório de atividades dos Conselhos Regionais de Farmácia (divulgado em dezembro de 2010), existem estabelecimentos farmacêuticos no país, com a proporção de um estabelecimento para cada grupo de 3,2 mil pessoas, o que demonstra um número excessivo de farmácias no Brasil. A situação atual das farmácias comunitárias no Brasil é de transformação. Os problemas são muitos, mas aponta-se um combate a eles. As ações clínicas na farmácia, antes restritas ao âmbito hospitalar, com o surgimento da atenção farmacêutica, expandem-se gradativamente para as farmácias comunitárias (MOREIRA, 2011). Estas são incentivadas pelo novo engajamento dos profissionais farmacêuticos ancorados pelas instituições legais, modificações nas legislações e conscientização e cobrança da população. No Brasil, as farmácias e drogarias ainda estão distanciadas do seu papel sanitário. A dispensação de medicamentos nem sempre é entendida como processo de assistência à saúde; há insuficiência de orientação farmacêutica no momento da dispensação de medicamentos, tanto em estabelecimentos privados como nos públicos; e o profissional farmacêutico poucas vezes está presente nas farmácias para prestar adequadas informações e orientações (ROMANO-LIEBER; CUNHA; RIBEIRO, 2008). Além disso, o farmacêutico não tem atuação destacada no acompanhamento da utilização de medicamentos, na prevenção e promoção da saúde e é pouco reconhecido como profissional de saúde tanto pela sociedade quanto pela equipe de saúde (IVAMA, 2002). De maneira geral, o principal serviço prestado nas farmácias e drogarias é a dispensação de medicamentos e a qualidade dessa prática pode ser considerada abaixo do padrão, uma vez que os farmacêuticos frequentemente estão ausentes da farmácia (CASTRO; CORRER, 2007).

24 A revalorização do profissional farmacêutico e seu posicionamento diante de suas funções e importância no processo geral de saúde vêm sido enfatizadas e impulsionadas por mudanças que abrangem desde o ensino farmacêutico nas Universidades até mudanças importantes nas legislações e programas do Governo Federal. As Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia, aprovadas em 2002, abandonando os modelos tecnicistas e voltando-se para uma formação mais generalista, humanística e crítica, contribuiu, dessa forma, para a concepção de profissionais mais aptos a lidar com os desafios que o contexto atual exige (BRASIL, 2002). O advento da Política Nacional de Medicamentos em 1998, dos medicamentos genéricos em 1999, (Lei 9.787/99), a criação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC (RDC 27/07), a Resolução que dispõe sobre as Boas Práticas Farmacêuticas (RDC 44/09), a criação dos NASF - Núcleos de Apoio à Saúde da Família e a e inclusão dos farmacêuticos nesses núcleos (RDC 154/08), de projetos como Programa de Farmácias Notificadoras e Projeto de Fracionamento de Medicamentos, lançados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), além de outros, tem contribuído, sobremaneira, para a revalorização do profissional farmacêutico (BRASIL, 1998, 1999, 2007, 2008, 2009). A criação em abril de 2009 da Sociedade Brasileira de Farmácia Comunitária (SBFC), o curso de Assistência Farmacêutica na Farmácia Comunitária realizado pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) em várias capitais do Brasil, o aumento do número de fiscalizações (pelas Visas e Conselhos regional e federal) a fim de se verificar a qualidade dos serviços prestados e direitos dos farmacêuticos prestados e campanhas de conscientização da população sobre uso racional de medicamentos, sinalizam novos tempos para as farmácias comunitárias e de sua importância como centro propagador e extensor de saúde e não somente comerciais. Resta ao farmacêutico buscar meios para se manter atualizado técnica e cientificamente, atuar na comunidade, unir-se aos colegas de profissão e às equipes de saúde multidisciplinares. A valorização do profissional parte do princípio da valorização pessoal.

25 3 MÉTODOS A pesquisa constituiu-se de um estudo transversal exploratório realizado no período de setembro de 2010 a setembro de 2011, em Natal/RN. O Conselho de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário Onofre Lopes (CEP-HUOL) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), autorizou a pesquisa (protocolo CEP-HUOL 417/10). O termo farmácia comunitária deve ser entendido segundo a definição de Bareta (2003, p. 105) como [...] estabelecimentos farmacêuticos de propriedade privada, os quais atendem diretamente o paciente na dispensação de medicamentos industrializados, em suas embalagens originais, os quais não estão inseridos em hospitais, unidades de saúde ou equivalente. Estas farmácias não manipulam medicamentos e o atendimento ao paciente acontece ao nível de atenção primária à saúde, com a responsabilidade técnica, legal e privativa, de farmacêutico (BARETA, 2003, p. 105). Portanto, neste trabalho, o termo farmácia comunitária exclui tanto as farmácias de manipulação como as farmácias públicas (pertencentes aos programas do governo), referindo-se tão somente às farmácias ditas comerciais ou drogarias. Denominou-se farmácia ao longo de todo trabalho para simplificação. e usuários no lugar de pacientes (mais adequado para unidades hospitalares) ou clientes (muito comercial). 3.1 COLETA DE DADOS A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário (APÊNDICE A), o qual foi aplicado aos farmacêuticos responsáveis técnicos por farmácias comunitárias em Natal/RN, devidamente registrados no Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Norte (CRF/RN), que se dispuseram a respondê-lo. O questionário foi

AGORA É ASSIM: VOCÊ DECIDE, A PREFEITURA FAZ.

AGORA É ASSIM: VOCÊ DECIDE, A PREFEITURA FAZ. AGORA É ASSIM: VOCÊ DECIDE, A PREFEITURA FAZ. Você já ouviu falar Nesse tal de orçamento? O que entra de recursos Na administração Terá que ser todo gasto Em prol da população ISS, IPTU Fundo de Participação

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal)

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) Dá nova redação ao artigo 15 da Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado

Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado * Rodrigo Alberto Correia da Silva O mercado brasileiro de produtos para a saúde sofre por conta da publicação

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS dos Santos, Coordenadora de Assistência Farmacêutica da Funasa, em Pernambuco, e do programa de assistência farmacêutica na saúde indígena. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. m programa

Leia mais

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES?

EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? EDUCAÇÃO EM SERVIÇO, EDUCAÇÃO CONTINUADA, EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: SINÔNIMOS OU DIFERENTES CONCEPÇÕES? Beatriz Francisco Farah E-mail:biafarah@nates.ufjf.br A questão da educação para profissionais

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO

PERFIL DO PROCURADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO PROCURADORIA GERAL 8% 8% 8% CORREGEDORIA SECRETARIA GERAL 4% CENTRO DE ESTUDOS 12% PROCURADORIA DE APOIO PROCURADORIA CONSULTIVA 23% PROCURADORIA CONTENCIOSO 37% PROCURADORIA DA FAZENDA PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Sumário Executivo. Avaliação Econômica do Programa Mais. Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ)

Sumário Executivo. Avaliação Econômica do Programa Mais. Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ) Sumário Executivo Avaliação Econômica do Programa Mais Centro de Integração Empresa Escola (CIEE/RJ) O objetivo deste documento é descrever os resultados da avaliação de impacto realizada para o Programa

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

TABELAS COM O PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS APROVADOS NO CURSO DE TURISMO VESTIBULAR 2013

TABELAS COM O PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS APROVADOS NO CURSO DE TURISMO VESTIBULAR 2013 TABELAS COM O PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS APROVADOS NO CURSO DE TURISMO NATAL, 2013 1 Lista de Tabelas: Tabela 1: Gênero... 3 Tabela 2: Estado Civil... 3 Tabela 3: Como você se considera?... 3 Tabela 4:

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO EDILEUZA DE FREITAS MIRANDA DE MENDONÇA Universidade Estadual de Goiás (Brasil) Campus BR 153, Km 98, CEP: 75001-970

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas

Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Programa Nacional de Segurança do Paciente: estado da arte e perspectivas Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br DIREITO MÉDICO PLANOS DE SAUDE-SEGURO-SAÚDE- AUTOGESTÃO DIFERENÇAS-LEGISLAÇÃO-DIREITOS- LUCROS- AVILTAMENTO DA CLASSE MÉDICA BRASILEIRA. Nelson de Medeiros Teixeira* A Lei que dispõe

Leia mais

grandes oportunidades

grandes oportunidades Conecte-se a grandes oportunidades Carreiras sem limites Alcance além do que é possível Qualquer que seja o seu caminho, você pode ser parte das mudanças de vida para melhor no mundo todo. Uma carreira

Leia mais

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva

EDITAL MDS/PNUD. Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva EDITAL MDS/PNUD De 31/08/2005 (DOU) Qualificação de Parceiros para Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS e o Programa das Nações

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Minhas Senhoras e meus senhores

Minhas Senhoras e meus senhores Cerimónia de entrega de Certificados de Qualidade ISO 9001 Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga 30 de junho de 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira Dr. Emídio Sousa

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial

Com base nesses pressupostos, o objetivo deste estudo foi conhecer como vem se dando a inserção e a empregabilidade, nas empresas do Pólo Industrial Introdução Esta proposta de estudo insere-se na linha de pesquisa Trabalho, Gênero e Políticas Sociais do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da PUCRJ e buscou conhecer questões referentes à inserção

Leia mais

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009.

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009. MISSÃO O Instituto LOCUS é uma associação civil sem fins lucrativos, fundada em 2005 por um grupo de arquitetos, urbanistas, educadores e assistentes sociais. Qualificada como Organização da Sociedade

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Instituições universitárias, todas elas, são empresas, com missões distintas e oriundas da concessão de um serviço

Leia mais

Objetivo: Nosso negócio:

Objetivo: Nosso negócio: Informações sobre o Programa Nome do Programa Bob s Melhor Idade Início do Programa: 20 de Abril de 2003 Setor responsável: Responsabilidade Social Contato: Vinitius Fernandes Cargo: Coordenador de Responsabilidade

Leia mais

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações Chefe do Setor de Estatística e Informações

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa

Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma. Uma Abordagem Qualitativa OS CENTROS DE SAÚDE EM PORTUGAL Determinantes da Satisfação com Funcionamento Actual & Prioridades de Reforma Uma Abordagem Qualitativa Instituição promotora e financiadora Missão para os Cuidados de Saúde

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011

4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011 4º. Congresso de Inovação Educação, na perspectiva da Indústria 16/11/2011 ABIMAQ: > 4500 empresas e > 260 mil empregos diretos Fotografia do Mercado de Trabalho - RS Dados do Ministério do Trabalho (2010):

Leia mais

Dar Crédito a Quem Merece:

Dar Crédito a Quem Merece: Série de Melhores Práticas da AJE Dar Crédito a Quem Merece: Melhores Práticas de Atribuição de Autoria Michaela Panter, PhD Sobre a autora A Dra. Panter é editora da AJE desde 2008. Ela se formou na Yale

Leia mais

Fiscalizar, orientando Orientar, fiscalizando

Fiscalizar, orientando Orientar, fiscalizando Fiscalizar, orientando Orientar, fiscalizando O CFF e os CRFs estão implantando uma nova filosofia para a fiscalização farmacêutica. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. O Presidente

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco 349 PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE INFRAESTRUTURA DOS CURSOS DE PSICOLOGIA: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO ENADE-2006 Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015 Ivo Bucaresky Diretor ANVISA CONBRAFARMA Agosto de 2015 1 PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO Diretrizes: Fortalecimento da capacidade institucional para gestão em regulação Melhoria da

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina

PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU. Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO DE BLUMENAU Senac Santa Catarina PLANO MUNICIPAL DE TURISMO UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA Órgão Proponente: Prefeitura Municipal Órgão Executor: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Leia mais

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS NO BRASIL. Primeiras aproximações. Bianca Veloso Flávio Paixão

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS NO BRASIL. Primeiras aproximações. Bianca Veloso Flávio Paixão PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS NO BRASIL Primeiras aproximações. Bianca Veloso Flávio Paixão Objetivo geral Compreender o processo de constituição histórica e social e seus

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

O valor da certificação acreditada

O valor da certificação acreditada Certificado uma vez, aceito em toda parte O valor da certificação acreditada Relatório de Pesquisa Publicado em maio de 212 Em 21/11, o IAF realizou uma pesquisa mundial para capturar o feedback de mercado

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica Código: FAR - 106 Pré-requisito: - Período

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Módulo 18 Avaliando desempenho

Módulo 18 Avaliando desempenho Módulo 18 Avaliando desempenho Raimar Richers definiu marketing como sendo entender e atender os clientes. Esta é uma definição sucinta e feliz que podemos usar para definir avaliação de desempenho como

Leia mais

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista 26/10/2011 A saúde das pessoas e o negócio Pessoa (bem-estar x doença) Produtividade (custo de oportunidade) Empresa (custo contábil) Stakeholders > 15

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais