IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação CLAUDINEY LUÍS FERREIRA Belo Horizonte 2014

2 CLAUDINEY LUÍS FERREIRA IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação Dissertação apresentada ao Mestrado do Centro Universitário UNA, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Administração. Área de Concentração: Inovação, Estratégia e Redes Empresariais. Orientador: Prof. Dr. Luiz Rodrigo Cunha Moura Coorientador: Prof. Dr. Gustavo Quiroga Souki Belo Horizonte 2014

3 CLAUDINEY LUÍS FERREIRA IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação Dissertação apresentada ao Mestrado do Centro Universitário UNA, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. Área de Concentração: Inovação, Estratégia e Redes Empresariais. BANCA DE DEFESA Prof. Dr. Luiz Rodrigo Cunha Moura UNA - Orientador Prof. Dr. Gustavo Quiroga Souki UNA - Coorientador Prof. Dr. Plínio Rafael Reis Monteiro Universidade Federal de Minas Gerais Prof. Dr. Dalton Jorge Teixeira Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Prof. Dr. Marcelo de Rezende Pinto Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Data da Defesa: 22 de Agosto de 2014 Belo Horizonte 2014

4 AGRADECIMENTOS A DEUS, por ter provido tudo o que foi necessário para a realização deste trabalho e por me ter presenteado com minha existência e com pessoas tão especiais em minha vida. A minha esposa Lianara, pelo amor, compreensão e incentivo principalmente no processo seletivo para ingressar no Mestrado, que me reanimou sempre que me sentia abatido, desanimado e desmotivado e que me ajudou a chegar até aqui. Aos meus filhos, Saulo e Beatriz, por terem sempre entendido minha ausência e, além disso, estarem ao meu lado incentivando e alegrando-me. Aos meus queridos pais, pelo amor incondicional e incomensurável. Por serem exemplos de vida e meu apoio constante, mesmo no estado de saúde de minha Mãe e na presença espiritual de meu Pai, que mesmo de longe me presenteia com ricos e inesquecíveis ensinamentos. Aos meus irmãos Claret, José Geraldo, Valdeci, Edna e Elenice, por serem meus grandes parceiros sempre e exemplos de vida que sempre segui. A Maria José e Luiz pelo apoio e por serem responsáveis pelo presente da minha vida. Ao Professor Dr. Luiz Rodrigo Cunha Moura, meu orientador, pela orientação segura e pelas valiosas contribuições, que tanto me auxiliaram neste processo de aprendizagem contínua, além de entender minhas limitações de tempo para a execução desse trabalho. É uma referência profissional que levo para o resto de minha vida e um exemplo a ser seguido. Ao Professor Gustavo Quiroga Souki, meu coorientador pelo direcionamento do tema a ser explorado nesse trabalho, que muito contribuirá com a profissão farmacêutica. À Professora Maria Arlete, coordenadora do curso de Farmácia da UNA, que foi a grande responsável por minha decisão de iniciar esta batalha.

5 Às professoras Cristina Calixto, coordenadora do curso de Farmácia do Pitágoras BH e Maria Betânia coordenadora do curso de Farmácia da Faminas-BH, por terem viabilizado o término desta dissertação com compreensão e auxílio nos momentos mais difíceis. Aos companheiros e demais professores do mestrado pela troca de experiências que muito contribuíram para minha formação. Às professoras Fernanda e Íris, que não mediram esforços em me ajudar em um momento crítico do Mestrado. Ao Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF/MG), por autorizar a realização deste trabalho. Agradeço o apoio e contribuição de todos os demais Diretores, Assessores, Conselheiros e Colaboradores. A todos os farmacêuticos que contribuíram com suas opiniões nesse trabalho. E finalmente, a todos aqueles que, direta ou indiretamente, colaboraram para a realização desta dissertação de mestrado.

6 O farmacêutico faz misturas agradáveis, compõe unguentos úteis à saúde, e seu trabalho não terminará, até que a paz divina se estenda sobre a face da terra. Eclesiástico 38,7-8

7 RESUMO A Imagem é geralmente concebida como o resultado de uma operação pelo qual os sinais emitidos por uma unidade de comercialização são recebidos por um receptor e, organizados em uma percepção mental da unidade de envio. O termo imagem vem sendo utilizado em várias áreas e sobre várias perspectivas da ciência, como a psicanálise, a semiótica, as representações sociais e o marketing. A imagem também pode ser definida pela impressão que permanece na mente das pessoas, tendo esta uma extensa área de aplicação, como: impressão da profissão, da empresa, do produto, de um candidato, entre outros. Nos serviços de saúde e, em particular, na Farmácia, a verificação da imagem que os diversos grupos e subgrupos que, de alguma maneira, interagem com a profissão, constitui-se em importante marco para o seu direcionamento estratégico, pois a imagem é capaz de influenciar e direcionar o comportamento da sociedade em geral. Dessa forma, a Imagem percebida pelos profissionais farmacêuticos pode ser relacionada com a imagem percebida desse profissional pelo público. A imagem pesquisada nesse estudo foi da profissão de farmacêutico sob análise das dimensões funcional, cognitiva, emocional e simbólica. Esta é uma pesquisa descritiva, dividida em duas partes: a primeira de abordagem qualitativa e a segunda de abordagem quantitativa. Na primeira etapa, foram aplicados 23 roteiros com questões abertas considerando as quatro dimensões da imagem a diversos indivíduos que são influenciadores da imagem do farmacêutico. Em seguida, foi elaborado o questionário após categorização das palavras coletadas na fase qualitativa, o qual foi submetido a um pré-teste com 45 pessoas sem a necessidade de alteração do questionário. Foram obtidos 572 questionários no grupo de usuários e 724 no grupo de farmacêuticos, dos quais foram aproveitados 409 e 485, respectivamente. A amostra foi composta pela população da região metropolitana de Belo Horizonte e de farmacêuticos que residem e atuam no estado de Minas Gerais escolhidos por conveniência. Procedeu-se ao exame dos dados, etapa que consistiu nas seguintes atividades: verificação da análise de conteúdo, análise dos dados faltantes, análise da normalidade, identificação das observações atípicas, verificação da linearidade, verificação da unidimensionalidade, verificação da confiabilidade das escalas, verificação da validade convergente e verificação da validade discriminante. Os objetivos desta pesquisa foram comprovados por meio da verificação da validade nomológica. Os resultados obtidos indicam que os modelos testados tanto no grupo de usuários quanto no grupo de farmacêuticos não apresentaram validade nomológica e, somente a dimensão simbólica possui relação com a imagem da profissão nos dois grupos pesquisados. Dessa forma, a sociedade relaciona o farmacêutico com o medicamento e sua atuação em farmácias e drogarias, que são os símbolos da profissão. Foi possível identificar que a sociedade possui uma visão mais positiva do profissional do que os farmacêuticos acreditam que possuem que é um ponto a ser explorado pelas entidades que representam o profissional farmacêutico. Palavras-chave: Imagem, Dimensões da imagem, Imagem do farmacêutico.

8 ABSTRACT The image is generally conceived as the result of an operation by which the signals emitted by a traded unit are received by a receiver and arranged in a mental perception of the sending unit. The term image is being used in different sectors and on different perspectives of science, like psychoanalysis, semiotics, social representations and marketing. The image can also be defined by the impression that lingers in the minds of the people, is having an extensive application sector, such as: printing profession, company, product, of a candidate, among others. In health services and, in particular, the Pharmacy, the image verification that the various groups and subgroups that somehow interact with the profession, it constitutes an important milestone in its strategy, as the image is able to influence and direct the behavior of society in general. Thus, the image perceived by pharmacists may be related to perceived that the professional public image. The image was investigated in this study of pharmacists under analysis, cognitive, emotional, functional and symbolic dimensions. This is a descriptive study, divided into two parts: the first qualitative approach and the second quantitative approach. In the first stage, 23 itineraries with open-ended questions were applied considering the four dimensions of the image to various individuals who are influencers image of the pharmacist. Then, the questionnaire was designed after categorize the words collected in the qualitative phase, which was subjected to a pre-test with 45 people without the need for modification of the questionnaire. 572 questionnaires were collected in the user group and 724 in the group of pharmacists, which were leveraged 409 and 485, respectively. The sample population for the metropolitan region of Belo Horizonte and pharmacists who reside and work in the state of Minas Gerais chosen for convenience. We proceeded to the examination of the data that stage consisted of the following activities: verification of content analysis, analysis of missing data, analysis of normality, identifying atypical observations, the linearity, unidimensionality check, verification of reliability of the scales, checking convergent validity and discriminant validity check. The objectives of this research were confirmed by checking the nomological validity. The results indicate that the models tested both in the user group and in the group of pharmacists showed no nomological validity, and only the symbolic dimension has relation with the image of the profession in the two groups surveyed. Thus, the pharmaceutical company related to the drug and its action in pharmacies, which are the symbols of the profession. It was possible to identify that the company has a more positive view of professional pharmacists who believe that they have is a point to be explored by the entities that represent the pharmacist. Keywords: Image, Image size, Image pharmacist.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Principais elementos que configuram as imagens de um Produto Figura 2 - Modelo de estudo na fase qualitativa Figura 3 - Modelo hipotético de estudo Figura 4 - Modelo proposto pelo pesquisador Figura 5 - Modelo estrutural final e seus resultados no grupo de usuários Figura 6 - Modelo estrutural final e seus resultados no grupo de farmacêuticos

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Definições das dimensões da imagem Quadro 2 Etapas da Pesquisa Quadro 3 Palavras mais citadas por definição da imagem Quadro 4 Etapas da Análise de dados Quadro 5 - Quadro dos indicadores e construtos Quadro 6 - Resultados dos testes de hipótese da pesquisa

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Frequência das famílias de categorias nas entrevistas Tabela 2 Análise dos dados ausentes no banco de dados de usuários Tabela 3 Análise dos dados ausentes no banco de dados de farmacêuticos Tabela 4 Frequência de distribuição de respondente por unidade de análise Tabela 5 Frequência de distribuição dos usuários por gênero Tabela 6 Frequência de distribuição dos farmacêuticos por gênero Tabela 7 Frequência de distribuição da faixa etária dos usuários Tabela 8 - Frequência de distribuição da faixa etária dos farmacêuticos Tabela 9 - Frequência de distribuição da renda dos usuários Tabela 10 Frequência de distribuição da renda dos farmacêuticos Tabela 11 - Frequência de distribuição da frequência de atendimento dos usuários Tabela 12 - Frequência de distribuição do tempo de atuação dos farmacêuticos no mercado de trabalho Tabela 13 Estatística descritiva dos indicadores Tabela 14 Teste Kolmogorov-Smirnov Tabela 15 - Indicadores e quantidade de outliers univariados Tabela 16 - Teste qui-quadrado por casos (qui-quadrado acima de 99,2106) Tabela 17 - Análise fatorial do construto dimensão funcional no grupo de usuários Tabela 18 - Análise fatorial do subconstruto DF1 dimensão funcional-orientação no grupo de usuários Tabela 19 - Análise fatorial do subconstruto DF2 dimensão funcional-atividade no grupo de usuários Tabela 20 - Análise fatorial do subconstruto DF3 dimensão funcional-serviço no grupo de usuários. 139 Tabela 21 - Análise fatorial do subconstruto DF4 dimensão funcional-venda no grupo de usuários Tabela 22 - Análise fatorial do construto dimensão funcional no grupo de farmacêuticos Tabela 23 - Análise fatorial do subconstruto DF1 dimensão funcional-orientação no grupo de farmacêuticos Tabela 24 - Análise fatorial do subconstruto DF2 dimensão funcional-atividade no grupo de farmacêuticos Tabela 25 - Análise fatorial do subconstruto DF3 dimensão funcional-serviço no grupo de farmacêuticos Tabela 26 - Análise fatorial do construto dimensão cognitiva no grupo de usuários Tabela 27 - Análise fatorial do subconstruto DC1 dimensão cognitiva-comportamento no grupo de usuários Tabela 28 - Análise fatorial do subconstruto DC2 dimensão cognitiva-área de atuação no grupo de usuários

12 Tabela 29 - Análise fatorial do subconstruto DC3 dimensão cognitiva-acessibilidade no grupo de usuários Tabela 30 - Análise fatorial do subconstruto DC4 dimensão cognitiva-função no grupo de usuários. 145 Tabela 31 - Análise fatorial do subconstruto DC5 dimensão cognitiva-diversos no grupo de usuários Tabela 32 - Análise fatorial do construto dimensão cognitiva no grupo de farmacêuticos Tabela 33 - Análise fatorial do subconstruto DC1 dimensão cognitiva-comportamento no grupo de farmacêuticos Tabela 34 - Análise fatorial do subconstruto DC2 dimensão cognitiva-área de atuação no grupo de farmacêuticos Tabela 35 - Análise fatorial do subconstruto DC3 dimensão cognitiva-acessibilidade no grupo de farmacêuticos Tabela 36 - Análise fatorial do subconstruto DC4 dimensão cognitiva-realização no grupo de farmacêuticos Tabela 37 - Análise fatorial do construto dimensão emocional no grupo de usuários Tabela 38 - Análise fatorial do subconstruto dimensão emocional positiva no grupo de usuários Tabela 39 - Análise fatorial do subconstruto dimensão emocional negativa no grupo de usuários Tabela 40 - Análise fatorial do construto dimensão emocional no grupo de farmacêuticos Tabela 41 - Análise fatorial do subconstruto dimensão emocional positiva no grupo de farmacêuticos Tabela 42 - Análise fatorial do subconstruto dimensão emocional negativa no grupo de farmacêuticos Tabela 43 - Análise fatorial do construto dimensão simbólica no grupo de usuários Tabela 44 - Análise fatorial do construto dimensão simbólica no grupo de farmacêuticos Tabela 45 - Análise fatorial do construto dimensão imagem no grupo de usuários Tabela 46 - Análise fatorial do construto dimensão imagem no grupo de farmacêuticos Tabela 47 - Valores de Alpha de Cronbach para as escalas utilizadas na pesquisa no grupo de usuários Tabela 48 - Valores de Alpha de Cronbach para as escalas utilizadas na pesquisa no grupo de farmacêuticos Tabela 49 - Validade convergente no grupo de usuários Tabela 50 Validade convergente no grupo de farmacêuticos Tabela 51 Validade convergente no grupo de usuários pós-retirada das variáveis Tabela 52 Validade convergente no grupo de farmacêuticos pós-retirada das variáveis Tabela 53 Valores da confiabilidade dos construtos no grupo de usuários Tabela 54 Valores da confiabilidade dos construtos no grupo de farmacêuticos Tabela 55 Correlações e AVEs entre os construtos no grupo de usuários Tabela 56 Correlações e AVEs entre os construtos no grupo de farmacêuticos Tabela 57 - Construtos, subconstrutos e indicadores finais no grupo de usuários Tabela 58 - Construtos, subconstrutos e indicadores finais no grupo de farmacêuticos

13 Tabela 59 - Índices de ajuste dos modelos propostos Tabela 60 - Significância entre as relações dos construtos no grupo de usuários Tabela 61 - Significância entre as relações dos construtos no grupo de farmacêuticos Tabela 62 - Cargas padronizadas dos indicadores no grupo de usuários Tabela 63 - Cargas padronizadas dos indicadores no grupo de farmacêuticos Tabela 64 - Comparação entre os indicadores no construto imagem Tabela 65 - Comparação entre os indicadores no construto imagem por tempo de atuação profissional do farmacêutico Tabela 66 - Comparação entre os indicadores do construto imagem no grupo de farmacêuticos por gênero Tabela 67 - Comparação entre indicadores do construto imagem no grupo de usuários por gênero. 179 Tabela 68 - Comparação entre indicadores do construto imagem no grupo de usuários por frequência de atendimento Tabela 69 - Matriz de correlação e de significância construto dimensão funcional no grupo de usuários Tabela 70 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF1 dimensão funcionalorientação no grupo de usuários Tabela 71 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF2 dimensão funcional-atividade no grupo de usuários Tabela 72 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF3 dimensão funcional-serviço no grupo de usuários Tabela 73 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF4 dimensão funcional-venda no grupo de usuários Tabela 74 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão cognitiva no grupo de usuários Tabela 75 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC1 dimensão cognitivacomportamento no grupo de usuários Tabela 76 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC2 dimensão cognitiva-área de atuação no grupo de usuários Tabela 77 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC3 dimensão cognitivaacessibilidade no grupo de usuários Tabela 78 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC4 dimensão cognitiva-função no grupo de usuários Tabela 79 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC5 dimensão cognitiva-diversos no grupo de usuários Tabela 80 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão emocional no grupo de usuários Tabela 81 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DEP dimensão emocional-positiva no grupo de usuários Tabela 82 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DEN dimensão emocionalnegativa no grupo de usuários

14 Tabela 83 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão simbólica no grupo de usuários Tabela 84 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão imagem no grupo de usuários Tabela 85 - Matriz de correlação e de significância construto dimensão funcional no grupo de farmacêuticos Tabela 86 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF1 dimensão funcionalorientação no grupo de farmacêuticos Tabela 87 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF2 dimensão funcional-atividade no grupo de farmacêuticos Tabela 88 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF3 dimensão funcional-serviço no grupo de farmacêuticos Tabela 89 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão cognitiva no grupo de farmacêuticos Tabela 90 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC1 dimensão cognitivacomportamento no grupo de farmacêuticos Tabela 91 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC2 dimensão cognitiva-área de atuação no grupo de farmacêuticos Tabela 92 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC3 dimensão cognitivaacessibilidade no grupo de farmacêuticos Tabela 93 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC4 dimensão cognitiva-funçao no grupo de farmacêuticos Tabela 94 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão emocional no grupo de farmacêuticos Tabela 95 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DEP dimensão emocional-positiva no grupo de farmacêuticos Tabela 96 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DEN dimensão emocionalnegativa no grupo de farmacêuticos Tabela 97 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão simbólica no grupo de farmacêuticos Tabela 98 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão imagem no grupo de farmacêuticos

15 LISTA DE SIGLAS AFE AGFI AVE CAPES CC CFF CRF GFI IBGE IMS KMO OMS PEA PIB PNAF PNM RMSEA SCIELO SINITOX SPSS SUS Análise Fatorial Exploratória Índice Ajustado de Qualidade de Ajuste Variância Média Extraída Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior Confiabilidade Composta Conselho Federal de Farmácia Conselho Regional de Farmácia Índice de qualidade de Ajuste Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Intercontinental Marketing Services Kaiser-Meyer-Olkin Organização Mundial da Saúde População Economicamente Ativa Produto Interno Bruto Política Nacional de Assistência Farmacêutica Política Nacional de Medicamentos Raiz Quadrada Média do Erro da Aproximação Scientific Electronic Library Online Sistema Nacional de Informação Tóxico-Farmacológica Statistical Package for Social Sciences Sistema Único de Saúde

16 SUMÁRIO 1 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA CONTEXTUALIZAÇÃO DO SETOR De boticário a farmacêutico A estrutura do mercado e o atual papel do farmacêutico REFERENCIAL TEÓRICO Imagem Imagem corporativa Imagem de marca e produto Imagem da loja Imagem profissional Dimensões da imagem Dimensão funcional Dimensão cognitiva Dimensão simbólica Dimensão emocional Imagem sob a perspectiva do marketing Modelos utilizados na pesquisa e hipóteses METODOLOGIA Definição e proposição do problema de pesquisa Tipo de pesquisa Elaboração e verificação de hipóteses Pesquisa qualitativa Verificação e testes de hipóteses Pesquisa quantitativa Roteiro e pré-teste População e amostra Tamanho da amostra Coleta de dados Roteiro de análise de dados Unidimensionalidade da escala Confiabilidade da escala Este trabalho foi revisado de acordo com as novas regras ortográficas aprovadas pelo Acordo Ortográfico assinado entre os países que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), em vigor no Brasil desde E foi formatado de acordo com a ABNT NBR14724 de

17 Validade da escala Fechamento RESULTADOS Fase qualitativa Questionamentos aos profissionais de saúde Dimensão funcional Dimensão cognitiva Dimensão emocional Dimensão simbólica Fase quantitativa Dados faltantes e descrição da amostra Normalidade Observações atípicas Linearidade Unidimensionalidade Confiabilidade das escalas Validade convergente Validade discriminante Validade nomológica e teste de hipótese Avaliação do construto imagem CONSIDERAÇÕES FINAIS Discussões sobre os resultados do estudo Comparações com outros estudos de imagens de profissões Discussão sobre o problema de pesquisa e as hipóteses Limitações da pesquisa e sugestões de pesquisas futuras REFERÊNCIAS APÊNDICE A Roteiro de entrevista Geral APÊNDICE B Roteiro de entrevista Profissionais de Saúde APÊNDICE C Questionário APÊNDICE D - Matrizes de correlação dos construtos utilizados na pesquisa APÊNDICE E Projeto Técnico - Workshop: Gestão da imagem do profissional farmacêutico APÊNDICE F Projeto Técnico - Campanha: Farmácia Estabelecimento de Saúde APÊNDICE G Projeto Técnico - Escala de Avaliação da Imagem do Farmacêutico APÊNDICE H Produto Técnico Cartilha informativa pessoa jurídica APÊNDICE I Produto Técnico Hotsite: Farmácia Completa APÊNDICE J Produto Técnico Folhetos Informativos

18 18 1 INTRODUÇÃO O papel do Farmacêutico no mundo é tão nobre quão vital. O Farmacêutico representa o órgão de ligação entre a medicina e a humanidade sofredora. É o atento guardião do arsenal de armas com que o médico dá combate às doenças. É quem atende às requisições a qualquer hora do dia ou da noite. O lema do Farmacêutico é o mesmo do soldado: servir. Um serve à pátria; outro serve à humanidade, sem nenhuma discriminação de cor ou raça. O Farmacêutico é um verdadeiro cidadão do mundo. Porque por maiores que sejam a vaidade e o orgulho dos homens, a doença os abate - e é então que o Farmacêutico os vê. O orgulho humano pode enganar todas as criaturas: não engana ao Farmacêutico. O Farmacêutico sorri filosoficamente no fundo do seu laboratório, ao aviar uma receita, porque diante das drogas que manipula não há distinção nenhuma entre o fígado de um Rothschild e o do pobre negro da roça que vem comprar 50 centavos de maná e sene" (Monteiro Lobato) 2 Ao longo da história, grupos étnicos e culturais, de diferentes classes sociais, orientaram-se para a arte e ciência da cura. Nesses grupos, os sofrimentos emocionais e físicos encontraram algum tipo de cuidado por parte de categorias específicas de indivíduos devotados à função de assistência. Tradicionalmente, os cuidados despedidos ao doente têm sido um palco de conflito social, em que conhecimentos, habilidades, instituições e práticas terapêuticas são constantemente providos e constatados por grupos, desde familiares e curandeiros, até farmacêuticos e médicos (EDLER, 2006). Nas antigas boticas, que eram pequenos estabelecimentos de propriedade familiar, os farmacêuticos manipulavam, pesquisavam e avaliavam os produtos, atendendo os clientes de forma individualizada, assim como a preparação das formulações. O farmacêutico era o responsável pelo aconselhamento sobre o uso correto dos medicamentos magistrais e pela indicação daqueles de venda livre (HEPLER; STRAND, 1990). O processo de industrialização do setor e sua transformação tecnológica mudou o cenário do varejo farmacêutico. Os boticários foram substituídos pelos profissionais farmacêuticos (que possuíam um curso superior) e, o domínio intelectual, econômico e operacional, que inicialmente pertencia aos boticários, deslocou-se para as indústrias. As boticas esvaeceram com o tempo e passaram a existir as farmácias e drogarias (SATURNINO et al, 2012). O farmacêutico que prestava um serviço individualizado foi perdendo espaço, pois os 2 José Bento Monteiro Lobato, formado em direito foi personagem extremamente popular no Brasil destacandose pelo caráter nacionalista e social, entre os anos de 1935 e enquanto vivo - e a sua popularidade, principalmente como autor de livros, estendeu-se até boa parte da década de 50.

19 medicamentos passaram a ser produzidos nas indústrias e, ao varejo restou somente à entrega dos mesmos aos usuários. Durante um período na história, diminuiu consideravelmente a etapa de manipulação dos medicamentos e, esses profissionais que atuavam nesse segmento migraram para outras áreas da profissão farmacêutica (análises clínicas e para a indústria farmacêutica) abandonando o varejo para os proprietários e vendedores (SATURNINO et al, 2012). 19 Saturnino et al. (2012) relacionaram inúmeras profissões que atuam na área de saúde, sendo a Farmácia uma delas. Trata-se de uma profissão de nível superior, que atua nos três níveis de atenção à saúde: promoção, prevenção e recuperação da saúde. Por esse motivo, observa-se maior exigência da sociedade em afinidade à qualidade dos serviços oferecidos por tais profissionais (CFF, 2004). A profissão farmacêutica possui setenta e seis áreas de atuação profissional regulamentadas pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) e, tem como principais áreas de atuação a Farmácia Comunitária (drogarias, farmácias públicas e farmácias de manipulação), a Farmácia Hospitalar, as Análises Clínicas, as Indústrias (Medicamentos, Alimentos e Correlatos) e a educação (docência, extensão, pesquisa, supervisão técnica e administrativa, direção e coordenação de cursos). Essa amplitude de áreas de atuação profissional pode ser um ponto positivo para a alocação de profissionais no mercado de trabalho, mas também, negativo, pois pode ocorrer uma perda do foco de atuação do farmacêutico (CFF, 2013). O farmacêutico no desempenho de suas funções atua como um prestador de serviço, que é um ato ou desempenho oferecido por uma parte à outra. Embora o processo possa estar ligado a um produto físico, o desempenho é fundamentalmente intangível e geralmente não resulta em propriedade de nenhum dos fatores de produção. Os serviços são atividades econômicas que designam valor e proveem benefícios para clientes em tempo e lugares peculiares (ZEITHALM; BITNER, 2003). De acordo com Zeithalm e Bitner (2003), o setor de serviços abrange diversas atividades, tais como: saúde, transporte, bancos e restaurantes. Para prestação de um serviço de qualidade há necessidade de profissionais qualificados. O serviço inclui as interações entre um cliente e um prestador representando a empresa e, a entrega do serviço e a satisfação do cliente, dependem das ações de funcionários e clientes.

20 Dentre as competências e habilidades a serem desenvolvidas no profissional farmacêutico, destaca-se o relacionamento interpessoal que é muito importante para a prestação de serviços. É essencial abranger as necessidades e os desejos dos clientes, para que seja possível atendê-los satisfatoriamente. Os farmacêuticos inseridos neste processo têm sido estimulados a possuir uma visão mais holística e interdisciplinar da sua área de atuação, congregando os conceitos de marketing e de serviços ao seu desempenho profissional para atender as necessidades dos consumidores (ITALIANI, 2006). 20 Os consumidores iniciam o seu processo de compra de maneira implícita ou explícita, por um julgamento da imagem que possuem em relação a um produto ou serviço. Uma imagem negativa poderá estimular a eliminação de um determinado produto, serviço ou marca do conjunto em consideração. Assim, entender a imagem que as pessoas possuem de um produto, de um serviço, de uma marca e, até mesmo, de uma profissão, permite obter elementos para programar estratégias de marketing mais eficazes (DESCHAMPS; NAYAK, 1996). De acordo com Kunsch (2003), a imagem contempla um conjunto de significados pelos quais se chega a avaliar um objeto e por meio do qual as pessoas o descrevem, recordam e se relacionam. A imagem é a consequência da interação de ideias, crenças, sentimentos e impressões formadas pelas pessoas (consumidores) sobre determinado objeto. Diversos autores vêm defendendo a importância que as imagens exercem na vida das pessoas e dos consumidores (FINN; LOUVIERE, 1996; GOSS, 2010; MOSCOVICI, 2000). As pesquisas sobre imagem têm como objetivo relacionar as imagens às marcas, produtos/serviços e organizações (BARICH; KOTLER, 1991; DOBNI; ZINKHAN, 1990; STERN; ZINKHAN; JAJU, 2001). Nos serviços de saúde e, em particular, na Farmácia, a verificação da imagem que os diversos grupos e subgrupos que, de alguma maneira, interagem com a profissão (stakeholders 3 ), constitui-se em importante marco para o seu direcionamento estratégico e 3 O termo stakeholders tem sido utilizado de uma forma geral para tratar subgrupos do público que, de alguma maneira, interagem com a profissão (HAEDRICH, 1993). Todavia, tal termo será utilizado nesta pesquisa para designar os diversos públicos que se relacionam com a profissão de Farmacêutico, como, por exemplo: docente do curso de farmácia, coordenadores de curso, discentes de Farmácia, farmacêuticos, representantes do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais, profissionais da área da saúde como médicos, enfermeiro, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional e usuários.

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas IMPACTO DA COMUNICAÇÃO TELEVISIVA NAS INTENÇÕES COMPORTAMENTAIS DE CONSUMIDORES: UM ESTUDO EMPÍRICO DO MERCADO

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

O mercado de serviços de Saúde no Brasil

O mercado de serviços de Saúde no Brasil www.pwc.com.br O mercado de serviços de Saúde no Brasil O mercado brasileiro de serviços de saúde: um dos mais promissores e atraentes do mundo Contexto Quinto país em termos de área e população, com 8,51

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Augusto César Ferreira Lima A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO ATRAVÉS DO ATENDIMENTO DE VENDAS: um estudo de caso na Indústria de Bebidas Refrigerantes Minas Gerais.

AVALIAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO ATRAVÉS DO ATENDIMENTO DE VENDAS: um estudo de caso na Indústria de Bebidas Refrigerantes Minas Gerais. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO AVALIAÇÃO DO MARKETING

Leia mais

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil.

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil. Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria O fortalecimento do pagador institucional de medicamentos, seja ele público ou privado, estabelece uma nova dinâmica nos negócios da indústria,

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

CARTA ABERTA SOBRE PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA

CARTA ABERTA SOBRE PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA CARTA ABERTA SOBRE PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA A garantia da provisão de serviços e produtos para o cuidado das pessoas é um problema de saúde coletiva. A dimensão da necessidade de acesso e utilização a recursos

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo Renato das Chagas Benevenuto Restrições intrapessoais para o lazer em turismo por idosos no Rio de Janeiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração

Leia mais

sobre as transações no setor de saúde

sobre as transações no setor de saúde 10 Minutos sobre as transações no setor de saúde Valor global de fusões e aquisições cresce e reverte tendência Destaques O valor total das transações no setor de saúde aumentou 4% em relação à segunda

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB)

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Hospital Universitário de Brasília 1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Práticas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL Contributions of physiotherapy for the promotion of health of the informal caregiver Lidiane Cristina Custódio

Leia mais

Country equity: percepções do consumidor chileno sobre o Brasil e a China e seus produtos

Country equity: percepções do consumidor chileno sobre o Brasil e a China e seus produtos Anita Fernandes Koenigsdorf Country equity: percepções do consumidor chileno sobre o Brasil e a China e seus produtos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1

Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Planejamento Estratégico de Comunicação Institucional para o IBAMETRO: uma experiência governamental 1 Gustavo Figueiredo 2 Resumo O IBAMETRO - Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade, autarquia ligada

Leia mais

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Iris Campos Martins Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre

Leia mais

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital

Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Fiscalização do Cremesp aponta falhas e irregularidades no Programa Mais Médicos na capital Mais de um terço dos intercambistas do Programa Mais Médicos ou 35,7% deles - nunca teve contato com seu tutor,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS NO BRASIL. Primeiras aproximações. Bianca Veloso Flávio Paixão

PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS NO BRASIL. Primeiras aproximações. Bianca Veloso Flávio Paixão PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS TÉCNICOS EM ANÁLISES CLÍNICAS NO BRASIL Primeiras aproximações. Bianca Veloso Flávio Paixão Objetivo geral Compreender o processo de constituição histórica e social e seus

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

III - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

III - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: ESTRUTURA I- Objetivo Geral 1. Desenvolver processo de ensino-aprendizagem no âmbito do trabalho em saúde e enfermagem, segundo conteúdos relacionados à Área de às Linhas de Pesquisa propostas neste Mestrado

Leia mais

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA RESOLUÇÃO Nº 601, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA RESOLUÇÃO Nº 601, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014 ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA RESOLUÇÃO Nº 601, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no âmbito da homeopatia

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

I PESQUISA PARA MONITORAMENTO DE CARREIRAS DOS ALUNOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

I PESQUISA PARA MONITORAMENTO DE CARREIRAS DOS ALUNOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Centro Universitário de Belo Horizonte Uni-BH Curso de Relações Internacionais Laboratório Pedagógico de Relações Internacionais I PESQUISA PARA MONITORAMENTO DE CARREIRAS DOS ALUNOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA DOS MEDICAMENTOS PANORAMA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Prof. Pedro Rolim PANORAMA

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo AVISO DE SESSÃO PÚBLICA Nº 001/2015 Processo Administrativo nº 5199/2014 Recebimento de Propostas e Orçamentos para Produção de Pesquisa decorrente da Concorrência Pública nº 001/2012 Serviços de Publicidade

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD ATIVIDADE INTEGRADORA ASSOCIADA A PRÁTICA DE ENSINO Módulo IV Desenvolvimento e Crescimento Estudo do desenvolvimento

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Ciências Empresariais Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Floriano Manuel Graúdo Lagarto

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS RESUMO ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Ana Paula Fleig Saidelles,

Leia mais

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Elias Dias Lopes Filho Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC- Rio como requisito

Leia mais

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional ATENÇÃO ESTE MATERIAL É UMA TRADUÇÃO DO ORIGINAL EM INGLÊS DISPONIBILIZADO PELA FIRST ESTADOS UNIDOS. SOMENTE AS REGRAS CONTIDAS NESSE ARQUIVO E NO PORTAL

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

Lei do Ato Médico. Múltiplas contestações

Lei do Ato Médico. Múltiplas contestações Lei do Ato Médico Múltiplas contestações 42 Projeto que tramita há dez anos no Senado para regulamentar a profissão de médico recebe severas críticas por subordinar as outras 13 profissões da saúde à medicina

Leia mais

As práticas de marketing de relacionamento das empresas brasileiras: panorama e desempenho

As práticas de marketing de relacionamento das empresas brasileiras: panorama e desempenho Luciana Terra Targino As práticas de marketing de relacionamento das empresas brasileiras: panorama e desempenho Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 ANEXO 3 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 018/2013 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA PARA REALIZAR ESTUDO SOBRE ACESSO DAS MULHERES A POLÍTICAS DE CRÉDITO - PRONAF E PRONAF MULHER Projeto UTF/BRA/083/UTF

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

Marketing Direto faz bem para a saúde

Marketing Direto faz bem para a saúde capa Marketing Direto faz bem para a saúde Hospitais e laboratórios têm encontrado no Marketing Direto uma forma eficaz de comunicação, sem cair nas restrições da Anvisa. Levando-se em consideração que

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA 2º Forum Internacional de Resíduos Sólidos julho2009 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA Autores: Letícia de Oliveira Silveira, Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana

Leia mais

Por que ouvir é fundamental.

Por que ouvir é fundamental. Por que ouvir é fundamental. Apresentação GRUPO ATTITUDE SA Líder na América Latina em comunicação de negócios e construção de relacionamentos para incremento da reputação Atuação no âmbito estratégico

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO ENTRA NUM NÍVEL SUPERIOR. 2013/2014 AVALIAÇÃO ECONÓMICA DOS MEDICAMENTOS WWW.IDEFE.PT PÁG. 1

PÓS-GRADUAÇÃO ENTRA NUM NÍVEL SUPERIOR. 2013/2014 AVALIAÇÃO ECONÓMICA DOS MEDICAMENTOS WWW.IDEFE.PT PÁG. 1 PÓS-GRADUAÇÃO AVALIAÇÃO ECONÓMICA DOS MEDICAMENTOS 2013/2014 ENTRA NUM NÍVEL SUPERIOR. WWW.IDEFE.PT PÁG. 1 AVALIAÇÃO ECONÓMICA DOS MEDICAMENTOS 8ª EDIÇÃO COORDENAÇÃO CIENTÍFICA Prof. Doutor Carlos Gouveia

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

Prefácio. Paulo Marchiori Buss

Prefácio. Paulo Marchiori Buss Prefácio Paulo Marchiori Buss SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros LEAL, MC., and FREITAS, CM., orgs. Cenários possíveis: experiências e desafios do mestrado profissional na saúde coletiva [online].

Leia mais

Histórico da Educação Farmacêutica no Brasil

Histórico da Educação Farmacêutica no Brasil Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Departamento de Farmácia Programa de Educação Tutorial Histórico da Educação Farmacêutica no Brasil Renata Camargo Bolsista PET-Farmácia/UFPR Sumário

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

Planejamento de Comunicação Organizacional: uma releitura da estrutura, enriquecida pelos modelos de análise de marketing.

Planejamento de Comunicação Organizacional: uma releitura da estrutura, enriquecida pelos modelos de análise de marketing. Universidade de São Paulo Escola de Comunicações e Artes - ECA Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação Planejamento de Comunicação Organizacional:

Leia mais

Acesso a Medicamentos no Brasil Nave 5 Consultores Empresariais Ltda. Pharma Business Knowledge. Delivered.

Acesso a Medicamentos no Brasil Nave 5 Consultores Empresariais Ltda. Pharma Business Knowledge. Delivered. Acesso a Medicamentos no Brasil Pharma Business Knowledge. Delivered. O artigo abaixo foi escrito e publicado como encarte nos Arquivos Brasileiros de Cardiologia e no Guia da Farmácia, em Abril de 2010,

Leia mais

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo Artigo original Avaliação dos pl de saúde no estado de São Paulo Jorge Carlos Machado-Curi I, Tomás Patricio Smith-Howard II, Jarbas Simas III, Marcos Eurípedes Pimenta IV, Paulo Manuel Pêgo-Fernandes

Leia mais

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico Etec: Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 9 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica

Leia mais