IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação CLAUDINEY LUÍS FERREIRA Belo Horizonte 2014

2 CLAUDINEY LUÍS FERREIRA IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação Dissertação apresentada ao Mestrado do Centro Universitário UNA, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Administração. Área de Concentração: Inovação, Estratégia e Redes Empresariais. Orientador: Prof. Dr. Luiz Rodrigo Cunha Moura Coorientador: Prof. Dr. Gustavo Quiroga Souki Belo Horizonte 2014

3 CLAUDINEY LUÍS FERREIRA IMAGEM DO FARMACÊUTICO: Proposição e teste de um modelo de avaliação Dissertação apresentada ao Mestrado do Centro Universitário UNA, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. Área de Concentração: Inovação, Estratégia e Redes Empresariais. BANCA DE DEFESA Prof. Dr. Luiz Rodrigo Cunha Moura UNA - Orientador Prof. Dr. Gustavo Quiroga Souki UNA - Coorientador Prof. Dr. Plínio Rafael Reis Monteiro Universidade Federal de Minas Gerais Prof. Dr. Dalton Jorge Teixeira Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Prof. Dr. Marcelo de Rezende Pinto Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Data da Defesa: 22 de Agosto de 2014 Belo Horizonte 2014

4 AGRADECIMENTOS A DEUS, por ter provido tudo o que foi necessário para a realização deste trabalho e por me ter presenteado com minha existência e com pessoas tão especiais em minha vida. A minha esposa Lianara, pelo amor, compreensão e incentivo principalmente no processo seletivo para ingressar no Mestrado, que me reanimou sempre que me sentia abatido, desanimado e desmotivado e que me ajudou a chegar até aqui. Aos meus filhos, Saulo e Beatriz, por terem sempre entendido minha ausência e, além disso, estarem ao meu lado incentivando e alegrando-me. Aos meus queridos pais, pelo amor incondicional e incomensurável. Por serem exemplos de vida e meu apoio constante, mesmo no estado de saúde de minha Mãe e na presença espiritual de meu Pai, que mesmo de longe me presenteia com ricos e inesquecíveis ensinamentos. Aos meus irmãos Claret, José Geraldo, Valdeci, Edna e Elenice, por serem meus grandes parceiros sempre e exemplos de vida que sempre segui. A Maria José e Luiz pelo apoio e por serem responsáveis pelo presente da minha vida. Ao Professor Dr. Luiz Rodrigo Cunha Moura, meu orientador, pela orientação segura e pelas valiosas contribuições, que tanto me auxiliaram neste processo de aprendizagem contínua, além de entender minhas limitações de tempo para a execução desse trabalho. É uma referência profissional que levo para o resto de minha vida e um exemplo a ser seguido. Ao Professor Gustavo Quiroga Souki, meu coorientador pelo direcionamento do tema a ser explorado nesse trabalho, que muito contribuirá com a profissão farmacêutica. À Professora Maria Arlete, coordenadora do curso de Farmácia da UNA, que foi a grande responsável por minha decisão de iniciar esta batalha.

5 Às professoras Cristina Calixto, coordenadora do curso de Farmácia do Pitágoras BH e Maria Betânia coordenadora do curso de Farmácia da Faminas-BH, por terem viabilizado o término desta dissertação com compreensão e auxílio nos momentos mais difíceis. Aos companheiros e demais professores do mestrado pela troca de experiências que muito contribuíram para minha formação. Às professoras Fernanda e Íris, que não mediram esforços em me ajudar em um momento crítico do Mestrado. Ao Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF/MG), por autorizar a realização deste trabalho. Agradeço o apoio e contribuição de todos os demais Diretores, Assessores, Conselheiros e Colaboradores. A todos os farmacêuticos que contribuíram com suas opiniões nesse trabalho. E finalmente, a todos aqueles que, direta ou indiretamente, colaboraram para a realização desta dissertação de mestrado.

6 O farmacêutico faz misturas agradáveis, compõe unguentos úteis à saúde, e seu trabalho não terminará, até que a paz divina se estenda sobre a face da terra. Eclesiástico 38,7-8

7 RESUMO A Imagem é geralmente concebida como o resultado de uma operação pelo qual os sinais emitidos por uma unidade de comercialização são recebidos por um receptor e, organizados em uma percepção mental da unidade de envio. O termo imagem vem sendo utilizado em várias áreas e sobre várias perspectivas da ciência, como a psicanálise, a semiótica, as representações sociais e o marketing. A imagem também pode ser definida pela impressão que permanece na mente das pessoas, tendo esta uma extensa área de aplicação, como: impressão da profissão, da empresa, do produto, de um candidato, entre outros. Nos serviços de saúde e, em particular, na Farmácia, a verificação da imagem que os diversos grupos e subgrupos que, de alguma maneira, interagem com a profissão, constitui-se em importante marco para o seu direcionamento estratégico, pois a imagem é capaz de influenciar e direcionar o comportamento da sociedade em geral. Dessa forma, a Imagem percebida pelos profissionais farmacêuticos pode ser relacionada com a imagem percebida desse profissional pelo público. A imagem pesquisada nesse estudo foi da profissão de farmacêutico sob análise das dimensões funcional, cognitiva, emocional e simbólica. Esta é uma pesquisa descritiva, dividida em duas partes: a primeira de abordagem qualitativa e a segunda de abordagem quantitativa. Na primeira etapa, foram aplicados 23 roteiros com questões abertas considerando as quatro dimensões da imagem a diversos indivíduos que são influenciadores da imagem do farmacêutico. Em seguida, foi elaborado o questionário após categorização das palavras coletadas na fase qualitativa, o qual foi submetido a um pré-teste com 45 pessoas sem a necessidade de alteração do questionário. Foram obtidos 572 questionários no grupo de usuários e 724 no grupo de farmacêuticos, dos quais foram aproveitados 409 e 485, respectivamente. A amostra foi composta pela população da região metropolitana de Belo Horizonte e de farmacêuticos que residem e atuam no estado de Minas Gerais escolhidos por conveniência. Procedeu-se ao exame dos dados, etapa que consistiu nas seguintes atividades: verificação da análise de conteúdo, análise dos dados faltantes, análise da normalidade, identificação das observações atípicas, verificação da linearidade, verificação da unidimensionalidade, verificação da confiabilidade das escalas, verificação da validade convergente e verificação da validade discriminante. Os objetivos desta pesquisa foram comprovados por meio da verificação da validade nomológica. Os resultados obtidos indicam que os modelos testados tanto no grupo de usuários quanto no grupo de farmacêuticos não apresentaram validade nomológica e, somente a dimensão simbólica possui relação com a imagem da profissão nos dois grupos pesquisados. Dessa forma, a sociedade relaciona o farmacêutico com o medicamento e sua atuação em farmácias e drogarias, que são os símbolos da profissão. Foi possível identificar que a sociedade possui uma visão mais positiva do profissional do que os farmacêuticos acreditam que possuem que é um ponto a ser explorado pelas entidades que representam o profissional farmacêutico. Palavras-chave: Imagem, Dimensões da imagem, Imagem do farmacêutico.

8 ABSTRACT The image is generally conceived as the result of an operation by which the signals emitted by a traded unit are received by a receiver and arranged in a mental perception of the sending unit. The term image is being used in different sectors and on different perspectives of science, like psychoanalysis, semiotics, social representations and marketing. The image can also be defined by the impression that lingers in the minds of the people, is having an extensive application sector, such as: printing profession, company, product, of a candidate, among others. In health services and, in particular, the Pharmacy, the image verification that the various groups and subgroups that somehow interact with the profession, it constitutes an important milestone in its strategy, as the image is able to influence and direct the behavior of society in general. Thus, the image perceived by pharmacists may be related to perceived that the professional public image. The image was investigated in this study of pharmacists under analysis, cognitive, emotional, functional and symbolic dimensions. This is a descriptive study, divided into two parts: the first qualitative approach and the second quantitative approach. In the first stage, 23 itineraries with open-ended questions were applied considering the four dimensions of the image to various individuals who are influencers image of the pharmacist. Then, the questionnaire was designed after categorize the words collected in the qualitative phase, which was subjected to a pre-test with 45 people without the need for modification of the questionnaire. 572 questionnaires were collected in the user group and 724 in the group of pharmacists, which were leveraged 409 and 485, respectively. The sample population for the metropolitan region of Belo Horizonte and pharmacists who reside and work in the state of Minas Gerais chosen for convenience. We proceeded to the examination of the data that stage consisted of the following activities: verification of content analysis, analysis of missing data, analysis of normality, identifying atypical observations, the linearity, unidimensionality check, verification of reliability of the scales, checking convergent validity and discriminant validity check. The objectives of this research were confirmed by checking the nomological validity. The results indicate that the models tested both in the user group and in the group of pharmacists showed no nomological validity, and only the symbolic dimension has relation with the image of the profession in the two groups surveyed. Thus, the pharmaceutical company related to the drug and its action in pharmacies, which are the symbols of the profession. It was possible to identify that the company has a more positive view of professional pharmacists who believe that they have is a point to be explored by the entities that represent the pharmacist. Keywords: Image, Image size, Image pharmacist.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Principais elementos que configuram as imagens de um Produto Figura 2 - Modelo de estudo na fase qualitativa Figura 3 - Modelo hipotético de estudo Figura 4 - Modelo proposto pelo pesquisador Figura 5 - Modelo estrutural final e seus resultados no grupo de usuários Figura 6 - Modelo estrutural final e seus resultados no grupo de farmacêuticos

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Definições das dimensões da imagem Quadro 2 Etapas da Pesquisa Quadro 3 Palavras mais citadas por definição da imagem Quadro 4 Etapas da Análise de dados Quadro 5 - Quadro dos indicadores e construtos Quadro 6 - Resultados dos testes de hipótese da pesquisa

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Frequência das famílias de categorias nas entrevistas Tabela 2 Análise dos dados ausentes no banco de dados de usuários Tabela 3 Análise dos dados ausentes no banco de dados de farmacêuticos Tabela 4 Frequência de distribuição de respondente por unidade de análise Tabela 5 Frequência de distribuição dos usuários por gênero Tabela 6 Frequência de distribuição dos farmacêuticos por gênero Tabela 7 Frequência de distribuição da faixa etária dos usuários Tabela 8 - Frequência de distribuição da faixa etária dos farmacêuticos Tabela 9 - Frequência de distribuição da renda dos usuários Tabela 10 Frequência de distribuição da renda dos farmacêuticos Tabela 11 - Frequência de distribuição da frequência de atendimento dos usuários Tabela 12 - Frequência de distribuição do tempo de atuação dos farmacêuticos no mercado de trabalho Tabela 13 Estatística descritiva dos indicadores Tabela 14 Teste Kolmogorov-Smirnov Tabela 15 - Indicadores e quantidade de outliers univariados Tabela 16 - Teste qui-quadrado por casos (qui-quadrado acima de 99,2106) Tabela 17 - Análise fatorial do construto dimensão funcional no grupo de usuários Tabela 18 - Análise fatorial do subconstruto DF1 dimensão funcional-orientação no grupo de usuários Tabela 19 - Análise fatorial do subconstruto DF2 dimensão funcional-atividade no grupo de usuários Tabela 20 - Análise fatorial do subconstruto DF3 dimensão funcional-serviço no grupo de usuários. 139 Tabela 21 - Análise fatorial do subconstruto DF4 dimensão funcional-venda no grupo de usuários Tabela 22 - Análise fatorial do construto dimensão funcional no grupo de farmacêuticos Tabela 23 - Análise fatorial do subconstruto DF1 dimensão funcional-orientação no grupo de farmacêuticos Tabela 24 - Análise fatorial do subconstruto DF2 dimensão funcional-atividade no grupo de farmacêuticos Tabela 25 - Análise fatorial do subconstruto DF3 dimensão funcional-serviço no grupo de farmacêuticos Tabela 26 - Análise fatorial do construto dimensão cognitiva no grupo de usuários Tabela 27 - Análise fatorial do subconstruto DC1 dimensão cognitiva-comportamento no grupo de usuários Tabela 28 - Análise fatorial do subconstruto DC2 dimensão cognitiva-área de atuação no grupo de usuários

12 Tabela 29 - Análise fatorial do subconstruto DC3 dimensão cognitiva-acessibilidade no grupo de usuários Tabela 30 - Análise fatorial do subconstruto DC4 dimensão cognitiva-função no grupo de usuários. 145 Tabela 31 - Análise fatorial do subconstruto DC5 dimensão cognitiva-diversos no grupo de usuários Tabela 32 - Análise fatorial do construto dimensão cognitiva no grupo de farmacêuticos Tabela 33 - Análise fatorial do subconstruto DC1 dimensão cognitiva-comportamento no grupo de farmacêuticos Tabela 34 - Análise fatorial do subconstruto DC2 dimensão cognitiva-área de atuação no grupo de farmacêuticos Tabela 35 - Análise fatorial do subconstruto DC3 dimensão cognitiva-acessibilidade no grupo de farmacêuticos Tabela 36 - Análise fatorial do subconstruto DC4 dimensão cognitiva-realização no grupo de farmacêuticos Tabela 37 - Análise fatorial do construto dimensão emocional no grupo de usuários Tabela 38 - Análise fatorial do subconstruto dimensão emocional positiva no grupo de usuários Tabela 39 - Análise fatorial do subconstruto dimensão emocional negativa no grupo de usuários Tabela 40 - Análise fatorial do construto dimensão emocional no grupo de farmacêuticos Tabela 41 - Análise fatorial do subconstruto dimensão emocional positiva no grupo de farmacêuticos Tabela 42 - Análise fatorial do subconstruto dimensão emocional negativa no grupo de farmacêuticos Tabela 43 - Análise fatorial do construto dimensão simbólica no grupo de usuários Tabela 44 - Análise fatorial do construto dimensão simbólica no grupo de farmacêuticos Tabela 45 - Análise fatorial do construto dimensão imagem no grupo de usuários Tabela 46 - Análise fatorial do construto dimensão imagem no grupo de farmacêuticos Tabela 47 - Valores de Alpha de Cronbach para as escalas utilizadas na pesquisa no grupo de usuários Tabela 48 - Valores de Alpha de Cronbach para as escalas utilizadas na pesquisa no grupo de farmacêuticos Tabela 49 - Validade convergente no grupo de usuários Tabela 50 Validade convergente no grupo de farmacêuticos Tabela 51 Validade convergente no grupo de usuários pós-retirada das variáveis Tabela 52 Validade convergente no grupo de farmacêuticos pós-retirada das variáveis Tabela 53 Valores da confiabilidade dos construtos no grupo de usuários Tabela 54 Valores da confiabilidade dos construtos no grupo de farmacêuticos Tabela 55 Correlações e AVEs entre os construtos no grupo de usuários Tabela 56 Correlações e AVEs entre os construtos no grupo de farmacêuticos Tabela 57 - Construtos, subconstrutos e indicadores finais no grupo de usuários Tabela 58 - Construtos, subconstrutos e indicadores finais no grupo de farmacêuticos

13 Tabela 59 - Índices de ajuste dos modelos propostos Tabela 60 - Significância entre as relações dos construtos no grupo de usuários Tabela 61 - Significância entre as relações dos construtos no grupo de farmacêuticos Tabela 62 - Cargas padronizadas dos indicadores no grupo de usuários Tabela 63 - Cargas padronizadas dos indicadores no grupo de farmacêuticos Tabela 64 - Comparação entre os indicadores no construto imagem Tabela 65 - Comparação entre os indicadores no construto imagem por tempo de atuação profissional do farmacêutico Tabela 66 - Comparação entre os indicadores do construto imagem no grupo de farmacêuticos por gênero Tabela 67 - Comparação entre indicadores do construto imagem no grupo de usuários por gênero. 179 Tabela 68 - Comparação entre indicadores do construto imagem no grupo de usuários por frequência de atendimento Tabela 69 - Matriz de correlação e de significância construto dimensão funcional no grupo de usuários Tabela 70 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF1 dimensão funcionalorientação no grupo de usuários Tabela 71 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF2 dimensão funcional-atividade no grupo de usuários Tabela 72 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF3 dimensão funcional-serviço no grupo de usuários Tabela 73 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF4 dimensão funcional-venda no grupo de usuários Tabela 74 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão cognitiva no grupo de usuários Tabela 75 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC1 dimensão cognitivacomportamento no grupo de usuários Tabela 76 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC2 dimensão cognitiva-área de atuação no grupo de usuários Tabela 77 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC3 dimensão cognitivaacessibilidade no grupo de usuários Tabela 78 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC4 dimensão cognitiva-função no grupo de usuários Tabela 79 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC5 dimensão cognitiva-diversos no grupo de usuários Tabela 80 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão emocional no grupo de usuários Tabela 81 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DEP dimensão emocional-positiva no grupo de usuários Tabela 82 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DEN dimensão emocionalnegativa no grupo de usuários

14 Tabela 83 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão simbólica no grupo de usuários Tabela 84 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão imagem no grupo de usuários Tabela 85 - Matriz de correlação e de significância construto dimensão funcional no grupo de farmacêuticos Tabela 86 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF1 dimensão funcionalorientação no grupo de farmacêuticos Tabela 87 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF2 dimensão funcional-atividade no grupo de farmacêuticos Tabela 88 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DF3 dimensão funcional-serviço no grupo de farmacêuticos Tabela 89 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão cognitiva no grupo de farmacêuticos Tabela 90 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC1 dimensão cognitivacomportamento no grupo de farmacêuticos Tabela 91 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC2 dimensão cognitiva-área de atuação no grupo de farmacêuticos Tabela 92 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC3 dimensão cognitivaacessibilidade no grupo de farmacêuticos Tabela 93 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DC4 dimensão cognitiva-funçao no grupo de farmacêuticos Tabela 94 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão emocional no grupo de farmacêuticos Tabela 95 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DEP dimensão emocional-positiva no grupo de farmacêuticos Tabela 96 - Matriz de correlação e de significância do subconstruto DEN dimensão emocionalnegativa no grupo de farmacêuticos Tabela 97 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão simbólica no grupo de farmacêuticos Tabela 98 - Matriz de correlação e de significância do construto dimensão imagem no grupo de farmacêuticos

15 LISTA DE SIGLAS AFE AGFI AVE CAPES CC CFF CRF GFI IBGE IMS KMO OMS PEA PIB PNAF PNM RMSEA SCIELO SINITOX SPSS SUS Análise Fatorial Exploratória Índice Ajustado de Qualidade de Ajuste Variância Média Extraída Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior Confiabilidade Composta Conselho Federal de Farmácia Conselho Regional de Farmácia Índice de qualidade de Ajuste Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Intercontinental Marketing Services Kaiser-Meyer-Olkin Organização Mundial da Saúde População Economicamente Ativa Produto Interno Bruto Política Nacional de Assistência Farmacêutica Política Nacional de Medicamentos Raiz Quadrada Média do Erro da Aproximação Scientific Electronic Library Online Sistema Nacional de Informação Tóxico-Farmacológica Statistical Package for Social Sciences Sistema Único de Saúde

16 SUMÁRIO 1 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA CONTEXTUALIZAÇÃO DO SETOR De boticário a farmacêutico A estrutura do mercado e o atual papel do farmacêutico REFERENCIAL TEÓRICO Imagem Imagem corporativa Imagem de marca e produto Imagem da loja Imagem profissional Dimensões da imagem Dimensão funcional Dimensão cognitiva Dimensão simbólica Dimensão emocional Imagem sob a perspectiva do marketing Modelos utilizados na pesquisa e hipóteses METODOLOGIA Definição e proposição do problema de pesquisa Tipo de pesquisa Elaboração e verificação de hipóteses Pesquisa qualitativa Verificação e testes de hipóteses Pesquisa quantitativa Roteiro e pré-teste População e amostra Tamanho da amostra Coleta de dados Roteiro de análise de dados Unidimensionalidade da escala Confiabilidade da escala Este trabalho foi revisado de acordo com as novas regras ortográficas aprovadas pelo Acordo Ortográfico assinado entre os países que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), em vigor no Brasil desde E foi formatado de acordo com a ABNT NBR14724 de

17 Validade da escala Fechamento RESULTADOS Fase qualitativa Questionamentos aos profissionais de saúde Dimensão funcional Dimensão cognitiva Dimensão emocional Dimensão simbólica Fase quantitativa Dados faltantes e descrição da amostra Normalidade Observações atípicas Linearidade Unidimensionalidade Confiabilidade das escalas Validade convergente Validade discriminante Validade nomológica e teste de hipótese Avaliação do construto imagem CONSIDERAÇÕES FINAIS Discussões sobre os resultados do estudo Comparações com outros estudos de imagens de profissões Discussão sobre o problema de pesquisa e as hipóteses Limitações da pesquisa e sugestões de pesquisas futuras REFERÊNCIAS APÊNDICE A Roteiro de entrevista Geral APÊNDICE B Roteiro de entrevista Profissionais de Saúde APÊNDICE C Questionário APÊNDICE D - Matrizes de correlação dos construtos utilizados na pesquisa APÊNDICE E Projeto Técnico - Workshop: Gestão da imagem do profissional farmacêutico APÊNDICE F Projeto Técnico - Campanha: Farmácia Estabelecimento de Saúde APÊNDICE G Projeto Técnico - Escala de Avaliação da Imagem do Farmacêutico APÊNDICE H Produto Técnico Cartilha informativa pessoa jurídica APÊNDICE I Produto Técnico Hotsite: Farmácia Completa APÊNDICE J Produto Técnico Folhetos Informativos

18 18 1 INTRODUÇÃO O papel do Farmacêutico no mundo é tão nobre quão vital. O Farmacêutico representa o órgão de ligação entre a medicina e a humanidade sofredora. É o atento guardião do arsenal de armas com que o médico dá combate às doenças. É quem atende às requisições a qualquer hora do dia ou da noite. O lema do Farmacêutico é o mesmo do soldado: servir. Um serve à pátria; outro serve à humanidade, sem nenhuma discriminação de cor ou raça. O Farmacêutico é um verdadeiro cidadão do mundo. Porque por maiores que sejam a vaidade e o orgulho dos homens, a doença os abate - e é então que o Farmacêutico os vê. O orgulho humano pode enganar todas as criaturas: não engana ao Farmacêutico. O Farmacêutico sorri filosoficamente no fundo do seu laboratório, ao aviar uma receita, porque diante das drogas que manipula não há distinção nenhuma entre o fígado de um Rothschild e o do pobre negro da roça que vem comprar 50 centavos de maná e sene" (Monteiro Lobato) 2 Ao longo da história, grupos étnicos e culturais, de diferentes classes sociais, orientaram-se para a arte e ciência da cura. Nesses grupos, os sofrimentos emocionais e físicos encontraram algum tipo de cuidado por parte de categorias específicas de indivíduos devotados à função de assistência. Tradicionalmente, os cuidados despedidos ao doente têm sido um palco de conflito social, em que conhecimentos, habilidades, instituições e práticas terapêuticas são constantemente providos e constatados por grupos, desde familiares e curandeiros, até farmacêuticos e médicos (EDLER, 2006). Nas antigas boticas, que eram pequenos estabelecimentos de propriedade familiar, os farmacêuticos manipulavam, pesquisavam e avaliavam os produtos, atendendo os clientes de forma individualizada, assim como a preparação das formulações. O farmacêutico era o responsável pelo aconselhamento sobre o uso correto dos medicamentos magistrais e pela indicação daqueles de venda livre (HEPLER; STRAND, 1990). O processo de industrialização do setor e sua transformação tecnológica mudou o cenário do varejo farmacêutico. Os boticários foram substituídos pelos profissionais farmacêuticos (que possuíam um curso superior) e, o domínio intelectual, econômico e operacional, que inicialmente pertencia aos boticários, deslocou-se para as indústrias. As boticas esvaeceram com o tempo e passaram a existir as farmácias e drogarias (SATURNINO et al, 2012). O farmacêutico que prestava um serviço individualizado foi perdendo espaço, pois os 2 José Bento Monteiro Lobato, formado em direito foi personagem extremamente popular no Brasil destacandose pelo caráter nacionalista e social, entre os anos de 1935 e enquanto vivo - e a sua popularidade, principalmente como autor de livros, estendeu-se até boa parte da década de 50.

19 medicamentos passaram a ser produzidos nas indústrias e, ao varejo restou somente à entrega dos mesmos aos usuários. Durante um período na história, diminuiu consideravelmente a etapa de manipulação dos medicamentos e, esses profissionais que atuavam nesse segmento migraram para outras áreas da profissão farmacêutica (análises clínicas e para a indústria farmacêutica) abandonando o varejo para os proprietários e vendedores (SATURNINO et al, 2012). 19 Saturnino et al. (2012) relacionaram inúmeras profissões que atuam na área de saúde, sendo a Farmácia uma delas. Trata-se de uma profissão de nível superior, que atua nos três níveis de atenção à saúde: promoção, prevenção e recuperação da saúde. Por esse motivo, observa-se maior exigência da sociedade em afinidade à qualidade dos serviços oferecidos por tais profissionais (CFF, 2004). A profissão farmacêutica possui setenta e seis áreas de atuação profissional regulamentadas pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) e, tem como principais áreas de atuação a Farmácia Comunitária (drogarias, farmácias públicas e farmácias de manipulação), a Farmácia Hospitalar, as Análises Clínicas, as Indústrias (Medicamentos, Alimentos e Correlatos) e a educação (docência, extensão, pesquisa, supervisão técnica e administrativa, direção e coordenação de cursos). Essa amplitude de áreas de atuação profissional pode ser um ponto positivo para a alocação de profissionais no mercado de trabalho, mas também, negativo, pois pode ocorrer uma perda do foco de atuação do farmacêutico (CFF, 2013). O farmacêutico no desempenho de suas funções atua como um prestador de serviço, que é um ato ou desempenho oferecido por uma parte à outra. Embora o processo possa estar ligado a um produto físico, o desempenho é fundamentalmente intangível e geralmente não resulta em propriedade de nenhum dos fatores de produção. Os serviços são atividades econômicas que designam valor e proveem benefícios para clientes em tempo e lugares peculiares (ZEITHALM; BITNER, 2003). De acordo com Zeithalm e Bitner (2003), o setor de serviços abrange diversas atividades, tais como: saúde, transporte, bancos e restaurantes. Para prestação de um serviço de qualidade há necessidade de profissionais qualificados. O serviço inclui as interações entre um cliente e um prestador representando a empresa e, a entrega do serviço e a satisfação do cliente, dependem das ações de funcionários e clientes.

20 Dentre as competências e habilidades a serem desenvolvidas no profissional farmacêutico, destaca-se o relacionamento interpessoal que é muito importante para a prestação de serviços. É essencial abranger as necessidades e os desejos dos clientes, para que seja possível atendê-los satisfatoriamente. Os farmacêuticos inseridos neste processo têm sido estimulados a possuir uma visão mais holística e interdisciplinar da sua área de atuação, congregando os conceitos de marketing e de serviços ao seu desempenho profissional para atender as necessidades dos consumidores (ITALIANI, 2006). 20 Os consumidores iniciam o seu processo de compra de maneira implícita ou explícita, por um julgamento da imagem que possuem em relação a um produto ou serviço. Uma imagem negativa poderá estimular a eliminação de um determinado produto, serviço ou marca do conjunto em consideração. Assim, entender a imagem que as pessoas possuem de um produto, de um serviço, de uma marca e, até mesmo, de uma profissão, permite obter elementos para programar estratégias de marketing mais eficazes (DESCHAMPS; NAYAK, 1996). De acordo com Kunsch (2003), a imagem contempla um conjunto de significados pelos quais se chega a avaliar um objeto e por meio do qual as pessoas o descrevem, recordam e se relacionam. A imagem é a consequência da interação de ideias, crenças, sentimentos e impressões formadas pelas pessoas (consumidores) sobre determinado objeto. Diversos autores vêm defendendo a importância que as imagens exercem na vida das pessoas e dos consumidores (FINN; LOUVIERE, 1996; GOSS, 2010; MOSCOVICI, 2000). As pesquisas sobre imagem têm como objetivo relacionar as imagens às marcas, produtos/serviços e organizações (BARICH; KOTLER, 1991; DOBNI; ZINKHAN, 1990; STERN; ZINKHAN; JAJU, 2001). Nos serviços de saúde e, em particular, na Farmácia, a verificação da imagem que os diversos grupos e subgrupos que, de alguma maneira, interagem com a profissão (stakeholders 3 ), constitui-se em importante marco para o seu direcionamento estratégico e 3 O termo stakeholders tem sido utilizado de uma forma geral para tratar subgrupos do público que, de alguma maneira, interagem com a profissão (HAEDRICH, 1993). Todavia, tal termo será utilizado nesta pesquisa para designar os diversos públicos que se relacionam com a profissão de Farmacêutico, como, por exemplo: docente do curso de farmácia, coordenadores de curso, discentes de Farmácia, farmacêuticos, representantes do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais, profissionais da área da saúde como médicos, enfermeiro, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional e usuários.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil.

Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria Farmacêutica no Brasil. Market Access e a nova modelagem de Negócios da Indústria O fortalecimento do pagador institucional de medicamentos, seja ele público ou privado, estabelece uma nova dinâmica nos negócios da indústria,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as ações do

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

MEDICAMENTOS GENÉRICOS

MEDICAMENTOS GENÉRICOS MEDICAMENTO GENÉRICO Uma importante conquista para a saúde pública no Brasil 15 anos 15 anos , 15 ANOS DE BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA. Ao completar 15 anos de existência no país, os medicamentos

Leia mais

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO

COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO COMPOSTO DE MARKETING NA ABORDAGEM DAS UNIDADES DE INFORMAÇÃO CALDAS, Rosângela Formentini Departamento de Ciência da Informação UNESP/Marília A definição de marketing ainda permanece enquanto uma discussão

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO.

A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO: UM FOCO NA PERCEPÇÃO E ATITUDES DO APOSENTADO. Revista Ceciliana Dez 2(2): 41-45, 21 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana A QUESTÃO DO ENVELHECIMENTO POPULACIONAL E SEUS EFEITOS NO MERCADO DE TRABALHO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

I PESQUISA PARA MONITORAMENTO DE CARREIRAS DOS ALUNOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

I PESQUISA PARA MONITORAMENTO DE CARREIRAS DOS ALUNOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Centro Universitário de Belo Horizonte Uni-BH Curso de Relações Internacionais Laboratório Pedagógico de Relações Internacionais I PESQUISA PARA MONITORAMENTO DE CARREIRAS DOS ALUNOS DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1

FACIDER FACULDADE DE COLIDER. FACIDER atualizado 2014/1 FARMACIA, BACHARELADO ESTUDOS FORMATIVOS Página 1 Portaria Credenciamento IES: Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01. Portaria Autorização Administração : Portaria 1658 D.O.U. 25/07/01 Portaria Reconhecimento Administração : Portaria 3.519 D.O.U.14/10/05. Portaria

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Audiência Pública no Senado Federal

Audiência Pública no Senado Federal Audiência Pública no Senado Federal Comissão de Educação, Cultura e Esporte Brasília DF, 7 de maio de 2008 1 Audiência Pública Instruir o PLS n o 026 de 2007, que Altera a Lei n o 7.498, de 25 de junho

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato

O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato O Jornal O Imparcial, em sua edição do dia 07 de fevereiro do corrente, publicou uma matéria sobre as críticas do Conselheiro Henrique Liberato Salvador, da Delegacia Regional de P. Prudente do Conselho

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento de Marketing. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada

Pós Graduação em Comunicação Organizacional Integrada Público - alvo Pós Graduação em Organizacional Integrada Indicado para profissionais de comunicação organizacional, relações públicas, assessores de comunicação, gestores de comunicação, bem como para

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique A Gestão Académica como determinante da Qualidade de Ensino Rodrigues, M.A.F 1. e Cassy, B 2 e-mail: malexa.rodrigues@gmail.com; bhangy.cassy@unizambeze.ac.mz Palavras-Chave: gestão académica, qualidade

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais

no Brasil O mapa da Acreditação A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais O mapa da Acreditação no Brasil A evolução da certificação no país, desafios e diferenças entre as principais metodologias Thaís Martins shutterstock >> Panorama nacional Pesquisas da ONA (Organização

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE CASE 31º TOP DE MARKETING ADVB/RS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE CASE 31º TOP DE MARKETING ADVB/RS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE CASE 31º TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIAS DE SEGMENTO DE MERCADO E CATEGORIAS ESPECIAIS Roteiro de Elaboração do Case Buscando aperfeiçoar o Sistema de Avaliação do Top de

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas IMPACTO DA COMUNICAÇÃO TELEVISIVA NAS INTENÇÕES COMPORTAMENTAIS DE CONSUMIDORES: UM ESTUDO EMPÍRICO DO MERCADO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal)

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) Dá nova redação ao artigo 15 da Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade

A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade Realização Patrocínio Objetivo da pesquisa Captar a perspectiva dos gestores e professores de gestão da qualidade sobre: 1. Os conceitos de sustentabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais