ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA PORTA-PALETES CONVENCIONAL E DE ARRANJO FÍSICO PARA UM ARMAZÉM COMERCIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA PORTA-PALETES CONVENCIONAL E DE ARRANJO FÍSICO PARA UM ARMAZÉM COMERCIAL"

Transcrição

1 ADEQUAÇÃO DE ESTRUTURA PORTA-PALETES CONVENCIONAL E DE ARRANJO FÍSICO PARA UM ARMAZÉM COMERCIAL Daniel Delgado, Fatec Guarulhos Juliana Delbon, Fatec Guarulhos Sérgio Aparecido Barbosa, Fatec Guarulhos ÁREA TEMÁTICA Gestão de Estoques, Lay-out RESUMO A logística com sua vasta área de atuação nos diferentes setores de uma empresa, seja no campo administrativo ou operacional, ou ainda, na integração desses, torna-se imprescindível para crescimento e sobrevivência das organizações. Tal abrangência a coloca em lugar de destaque no cenário empresarial. Considerada uma dentre outras atividades compreendidas pela logística, a armazenagem, desde o seu surgimento com os povos antigos, vem se desenvolvendo e tornando suas funções cada vez mais complexas. Eventos como 1ª e 2ª guerras mundiais, revolução industrial e a globalização foram de vital importância para o desenvolvimento da armazenagem na cadeia de suprimentos. O estudo minucioso das funções da armazenagem se faz necessário, uma vez que o custo dessas atividades influencia a competitividade do produto no mercado. Investimentos nesta área trazem por consequência a eficiência do sistema, beneficiando o cliente externo, no caso da armazenagem comercial. Para a armazenagem comercial, a análise do layout do armazém é peça fundamental para a otimização do espaço útil. Seguindo esse contexto e com base na fundamentação teórica elaborada através de pesquisa bibliográfica, este trabalho pretende desenvolver a análise do layout de um armazém, através de um estudo de caso, apontando os itens críticos, obstáculos, pontos fracos, equipamentos de verticalização de cargas subutilizados, nesse caso, a estrutura porta-paletes convencional, etc, e, após análise propor melhorias como um novo arranjo físico somado à adequação do porta-paletes convencional, às necessidades reais do armazém, buscando, por derradeiro, mensurar o ganho significativo na densidade de estocagem do estabelecimento. PALAVRAS-CHAVE: Logística; Armazenagem; Layout; Arranjo Físico; Porta Paletes Convencional. ABSTRACT Logistics with its vast area of expertise in different sectors of a company, either in the administrative or operational, or, in the integration of these, it is essential for growth and survival of organizations. This coverage places it in a prominent place in the business arena. Considered one of the other activities included logistics, storage, since its appearance with the ancient peoples, has been developing and making their increasingly complex 1

2 functions. Events like the 1st and 2nd world wars, industrial revolution and globalization have been of vital importance for the development of storage in the supply chain. The detailed study of the functions of storage is needed, since the cost of these activities affects competitive product on the market. Investments in this area therefore bring the system efficiency, benefiting from the external customer, in the case of commercial storage. To store commercial activity exercised by so-called general stores, where the loads are left to the proper treatment. Following this context and based on the theoretical foundations developed through literature, this paper aims to develop the analysis of the layout of a store, through a case study, pointing out the critical items, obstacles, weaknesses, equipment underutilized vertical loads in this case, the conventional pallet structure, etc., and propose improvements after analysis as a new physical arrangement added to the adequacy of conventional pallet to the real needs of the warehouse, looking for the ultimate, measure the significant gain in density the storage facility. KEYWORDS: Logistics, Warehousing Layout, Physical Arrangement; Conventional Pallet. INTRODUÇÃO A logística, hoje, é considerada um diferencial no crescimento das empresas, até mesmo na sobrevivência dessas, desta maneira exige-se cada vez mais eficiência de suas áreas. Uma dessas áreas com alto grau de importância na logística é a armazenagem comercial, pois é responsável pelo tratamento das mercadorias, além de facilitar a disponibilidade do produto para ao cliente. Essas funções agregam valor aos produtos movimentados, com isso, os armazéns são considerados peças importantes e passam a ser estratégicos na atividade de uma empresa, pois influenciam diretamente na formação do preço dos seus produtos, tornando-os ou não mais competitivos no mercado. Para Ballou (2008, p.152), o controle de estoques é parte vital do composto logístico, pois estes podem absorver de 25 a 40% dos custos totais, representando uma porção substancial do capital da empresa. Essa importância faz da armazenagem um processo em constante otimização de suas funções para se adequar a novos produtos, mercados e/ou clientes. Para isso, os armazéns recebem novas tecnologias em suas atividades, assim como são remodelados e reestruturados, objetivando a sua eficácia. Para o desenvolvimento de um projeto de armazém é necessário que o profissional da área tenha uma visão sistêmica, compreenda o papel da armazenagem de maneira global e tenha noção dos impactos em todas as operações, tanto dentro da sua área de atuação como na interação com outras áreas, tanto operacionais como administrativas. Incluem-se aqui, a interação com outras empresas e outros setores da economia, e, ainda, operações logísticas em outros países. Ao profissional de logística é dada a função de encontrar soluções para diversos problemas e, por muitas vezes, é desacreditado, pois é necessário a aprovação de outros para levar um projeto adiante. A avaliação da situação atual e futura é necessária, assim como saber transmitir de forma clara e objetiva o ganho de produtividade, formando uma etapa que requer muita pesquisa, trabalho de campo e cálculos matemáticos. Neste trabalho são analisadas algumas funções de armazenagem comercial, bem como as características do armazém a ser estudado, de modo a facilitar a sugestão de melhorias, considerando o objeto de estudo, um armazém já estruturado e com limitações físicas.também é avaliada a situação atual do armazém geral, objeto de estudo, e como são realizados os estudos e o projeto de implantação de estruturas porta-paletes, aliadas ao arranjo físico. Podendo com isso, levar a operação a melhores níveis de produtividade. 2

3 As estruturas porta-paletes são feitas em ferro, articuladas e seu objetivo é obter um ganho de espaço vertical em armazéns. O desafio é analisar a situação presente, as dificuldades de movimentação de mercadorias, situação do estoque, utilização de empilhadeiras e paleteiras, e, através de um estudo, propor melhorias consideráveis e um aumento da receita através de mais espaço, melhor arranjo físico e otimização de pessoas e equipamentos. Desta maneira, através do estudo proposto, da implantação de estruturas porta paletes, o presente trabalho tem como objetivo mensurá-la de forma a oferecer subsídios de sua viabilidade e para tomada de decisões. ESTUDO DE CASO Verticalização Conforme Moura (2010), o conceito de armazém com estocagem horizontal era característica dos armazéns antigos, onde não existia uma preocupação com a otimização de espaços. Este tipo de construção ainda é encontrado nos dias atuais. O conceito de armazenagem horizontal está ultrapassado e é necessária a verticalização maximizando o espaço aproveitável e, como consequência, há a diminuição do custo por metro ocupado. Um armazém com elevada altura oferece uma economia na utilização do terreno. A redução de das distâncias de estocagem e movimentação produzem um aumento de custo neste serviço, porém há um aumento de capacidade do armazém, onde se espera uma compensação. Planejamento de Espaço O espaço de um armazém deve ser aproveitado ao máximo, pois qualquer espaço utilizado ou não, tem um custo para a empresa. (Moura, 2010) Estruturas Porta-Paletes São estruturas fabricadas em metal, utilizadas na armazenagem, apropriadas para garantir a sustentação da carga unitizada em paletes, a fim de otimizar o espaço, principalmente o vertical, garantindo um melhor controle das operações de armazém. Figura 1: composição da estrutura porta-paletes convencional Fonte: Guerra (2006, p.9) 1

4 Área de Estudo A área de estudo compreende a estrutura de um armazém geral. Descontando as partes não úteis do armazém, temos uma área útil disponível de 3296,12 metros quadrados. Esta será a área de estudo. Tabela 1: Dimensões do armazém de estudo OBSTÁCULOS Moura (2010) afirma que o melhor serviço de um armazém está relacionado a um bom layout. Fatores como a posição do material, modelo de movimentação e segurança do trabalho estão diretamente ligados ao modelo de layout. Ainda segundo Moura (2010), vários fatores de influência do layout do armazém estão fora do campo de visão do projetista, como colunas de apoio, elevadores, saídas, áreas de recebimento e expedição. Desta forma, se torna fundamental conhecer a estrutura disponível e analisar os obstáculos existentes. Após uma avaliação do objeto de estudo, pode-se observar os seguintes obstáculos, a considerar na planta reorganizada: 1. Portas: Há uma porta principal, com acesso externo. Utilizada também para entrada e saída de veículos, esta porta tem uma abertura de entrada de 3,96 metros com acesso a uma rampa de 11,10 x 3,92 metros; 2. Há uma porta que dá acesso a outros galpões da empresa. No novo layout esta porta terá influência no desenho de ruas de acesso e circulação, a porta possui uma abertura de 2 metros; 3. Há uma terceira porta de acesso à área descoberta do armazém e também acessa um pequeno setor de manutenção de equipamentos, a porta possui uma abertura de 2 metros; 4. A área de escritório corresponde a uma área de 15,44 x 11,50 metros quadrados e está localizada próxima à entrada principal As instalações têm muita influência na movimentação de materiais dentro de uma empresa. A localização de todo o estoque, bem como sua forma de movimentação está diretamente relacionada à produtividade, Moura (2007). Ainda segundo o autor, outros itens do edifício devem ser considerados na decisão do layout, como área de docas, elevadores, banheiros, escritórios etc. PROJETO DE MELHORIA Considerando a situação atual do armazém, é necessário definir a melhor estrutura portapalete a ser implantada. Chegar a um número da capacidade correta ou aproximada requer um estudo de toda mercadoria que hoje já está armazenada. É preciso um trabalho de pesquisa de campo para responder a questão: Qual o tamanho, quantidade e capacidade de peso de cada posição? 2

5 Foi necessário medir a altura de todos os paletes nas estruturas em um total de cinco fileiras e novecentas e setenta posições. Com base no estudo das alturas de todos os paletes já instalados, destacaram-se os seguintes números: Altura média dos paletes: 1,13 metros; Mediana: 1,10 metros; Moda: 1,10 metros; Desvio padrão: 0,20. Portanto, a conclusão é de que a maioria dos vãos, entre as longarinas das estruturas, tenha 1,20 metros de altura e possa atender paletes de até 1,13 metros de altura. A diferença de no mínimo 0,07 metros, entre a altura média do palete e a altura do vão, corresponde à folga para movimentação da carga entre as longarinas. ANÁLISE DO ARRANJO FISICO Definido o melhor custo por posição de palete é necessário uma nova planta do armazém onde seja possível visualizar as novas instalações. Respeitando a tabela 1 (Dimensões do armazém de estudo), onde consta a área útil do armazém é necessário concluir um novo layout do armazém e calcular a quantidade de estruturas necessárias. O layout e a movimentação de materiais estão diretamente ligados, sendo difícil concluir qual a dinâmica desta que afeta aquele. Existem limitações de maior importância que impedem a escolha de um bom sistema de armazenagem, Moura (2007). Com base na definição dos obstáculos e dos modelos de estruturas porta-paletes necessárias, bem como áreas de recebimento e expedição é possível fazer um desenho do layout mais próximo do adequado. RESULTADOS DO NOVO LAYOUT Os dados levantados servem como informações para composição de um novo layout. O arranjo e aumento da capacidade de estocagem, bem como um ganho de produtividade e redução de custo através da padronização, unitização e aumento da capacidade por metro ocupado consistem no principal objetivo do projeto. Conforme visto no tópico anterior, uma definição e análise dos obstáculos influência nas decisões de um novo arranjo do armazém. Assim o desenvolvimento de um novo layout pode ser comparado com o atual. O novo layout definirá também um novo fluxo de materiais no armazém estudado. Vale ressaltar que já foi levantado em textos anteriores que o objeto de trabalho é um armazém antigo e no momento não será feito reformas no prédio. Os corredores são de quatro metros de largura, permitindo que as duas empilhadeiras disponíveis possam operar sem limitações quanto à movimentação. As estruturas porta-paletes serão alocadas de maneira a contornar os obstáculos e permitir um acesso às portas de entrada principal e também acesso às portas para outros setores da empresa. O armazém trabalha com algumas cargas fora de padrão, como bobinas de ferro ou caixas diversas que não cabem em porta-paletes, desta forma é necessária a definição para área de carga horizontal. Caso haja épocas em que o volume deste tipo de carga tenha uma queda e a ocupação do armazém for menor, esta área poderá ser utilizada para colocar as cargas de picking ou espera para carregamento. 1

6 Figura 2: Planta do novo layout O tamanho da área de estudo é de metros quadrados onde serão alocados todos os recursos. Na tabela 2 e figura 3 é informada a localização e a metragem utilizada. Cada número disposto na figura corresponde aos da tabela. 2

7 Figura 3: localização das áreas do novo layout 3

8 Tabela 2: metragem das áreas do novo layout A capacidade do armazém foi avaliada e o estudo mostra que o layout do armazém está definido. Agora, é necessário um estudo para o cálculo das posições porta-paletes, isto é, saber quantas posições verticais serão necessárias para cobrir toda a área disponível para este equipamento. Cada quadrado mostrado no desenho compõe um módulo com dez posições. Desta forma teremos 2654 novas posições de palete e mais 972 de posições horizontais. Na tabela 3 é mostrado o ganho real com as posições palete. Note que na parte horizontal do armazém a margem de ganho ficou negativa devido ao aumento da área ocupada pelas estruturas porta-paletes. Tabela 3: ganho real do armazém em unidades e metros É necessário saber o ganho real da otimização do armazém, como estruturas portapaletes e área horizontal tem características diferentes, os espaços foram transformados em metragem cúbica. Na área horizontal será considerada a altura de dois paletes de 1,20 x 1,20 x 1.00 cada. Desta forma obteve-se o seguinte resultado na área atual, conforme mostrado a seguir: Figura 4: cálculo da área atual do armazém O resultado da área otimizada, dado pelo cálculo: Figura 5: cálculo da área otimizada 4

9 O cálculo da cubagem de 01 posição palete é mostrado na figura: Figura 6: cálculo da cubagem No cálculo para posição palete atual é considerada a cubagem de 1,44 metros cúbicos para cada posição. Figura 7: cálculo da posição porta-palete atual No cálculo da posição palete otimizada utiliza-se a mesma cubagem. Figura 8: cálculo da posição porta-palete otimizada Desta forma, chegou-se aos seguintes resultados: Tabela 3: Ganho real do armazém em metros cúbicos A otimização do armazém, através da estrutura porta-paletes, oferece um ganho real de 21,18% em relação às posições palete em metros cúbicos para utilização de armazenagem de carga. O planejamento e a análise do sistema de armazenagem necessitam de dados consistentes para encontrar a melhor solução. Podem-se resolver problemas de espaço, além de uma melhora na produtividade. O entendimento de todo cenário é fundamental para tomada de decisões. CONSIDERAÇÕES FINAIS A análise elaborada neste trabalho levou em consideração as limitações estruturais de um armazém antigo, como altura inadequada, piso imperfeito, layout obsoleto e estruturas porta-paletes fora do padrão atual. Tais limitações são advindas das fundações antigas e tecnologia da época de sua inauguração, pois o local de estudo foi construído nos moldes, ainda, da cultura do café. Nesse ambiente, conclui-se que qualquer melhoria por mais simples que seja será significativa, como a alteração do arranjo físico, porém uma decisão incerta pode piorar ainda mais o andamento das atividades no armazém, considerando que o universo da logística é muito intenso e a busca por soluções deve ser baseada em dados concretos e 5

10 confiáveis. Já, para uma melhoria onerosa o beneficio precisa justificar os investimentos financeiros, pois a decisão será tomada em conjunto com outros setores. Como a armazenagem é um processo dinâmico e sobre constantes mudanças no projeto, nas instalações etc. Encontrar a melhor solução é uma tarefa complexa, devido aos vários fatores envolvidos, pois não basta utilizar um tipo estrutura porta-paletes, considerada um importante equipamento para verticalização de cargas, tendência da armazenagem nos dias de hoje, quando estas estruturas estão sendo subutilizadas, nesse caso, por causa das medidas fora de padrão em desconformidade com as reais necessidades do armazém. Ponderando esse contexto, o desafio deste trabalho foi identificar as medidas ideais para o arranjo físico e para as estruturas porta-paletes, entretanto, esse estudo foi possível devido às bases teóricas consideradas, informações baseadas na experiência dos colaboradores, ou seja, ao empenho de todos que de alguma forma vieram corroborar esse benchmarking. Com o tratamento desses dados, mensuram-se os benefícios consequentes das melhorias abarcadas no trabalho, criando subsídios para que área tática da organização tome a melhor decisão, considerando o aumento da densidade de estocagem do armazém. REFERÊNCIAS BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: Planejamento, organização / logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, BALLOU, Ronald H. Logística Empresarial: transportes, administração de materiais, distribuição física. 1.ed. São Paulo: Atlas, BANZATO, E. WMS Warehouse management system: Sistema de gerenciamento de armazéns. São Paulo: IMAM, CLOSS, David J.; BOWERSOX, Donald J. Logística Empresarial: O Processo de Integração da Cadeia de Suprimento. São Paulo: Atlas, GUERRA, Cláudio Sei. Manual de Sistemas de Armazenagem. Disponível em Acesso em 12/11/2011 Histórico da Empresa Cia Bandeirantes. Disponibilizado em Acesso em 16/06/2011. MOURA, Reinaldo A.; BANZATO, José Maurício. Embalagem, Unitização & Conteinerização. 2 ed. rev. e ampl. São Paulo: IMAM, MOURA, Reinaldo A.. Sistemas e Técnicas de Movimentação e Armazenagem de Materiais. 7 ed. rev. São Paulo: IMAM, O conteúdo expresso no trabalho é de inteira responsabilidade do(s) autor(es). 1

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE

ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE ISSN 1984-9354 ANÁLISE DA ARMAZENAGEM DE RESÍDUOS ELETRÔNICOS DA FACULDADE DE TECNOLOGIADA ZONA LESTE Área temática: Logística Erika Ribeiro erika.thais2510@gmail.com Myriã Lozano myricapopis@hotmail.com

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos CHECK SEU LAYOUT Com a quantidade a produzir, o planejamento do fluxo geral dos materiais, os métodos de trabalho planejados, mais o trabalho padrão especificado, nós podemos determinar e dimensionar os

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for seu produto, conhecemos a melhor solução para armazená-lo A Mecalux oferece soluções de armazenagem Experiência de mais de 50 anos Presença em mais de 70 países 11

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE PARA A ÁREA DE EXPEDIÇÃO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO

DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE PARA A ÁREA DE EXPEDIÇÃO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE PARA A ÁREA DE EXPEDIÇÃO EM UMA EMPRESA DO RAMO AUTOMOTIVO Paula de Moraes Rodrigues (UFSCar) pa_mrodrigues@hotmail.com Mauricio Bissi Pires (UFSCar) mauriciobissi@yahoo.com.br

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas

IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS. soluções definitivas IDENTIFICAÇÃO ETIQUETAS SERVIÇOS soluções definitivas paralogística Identificação Placas de Rua O início da sinalização e o endereçamento de um armazém começam pelas placas de rua. Elas devem ser instaladas

Leia mais

Automação de Almoxarifado Com Mobilidade

Automação de Almoxarifado Com Mobilidade SAP FORUM 2014 Automação de Almoxarifado Com Mobilidade Daniel Costa Bezerra ArcelorMittal Tubarão - Especialista de TI Ricardo Rodrigues Grizotti ArcelorMittal Tubarão - Especialista de Suprimentos 11/02/2014

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

LMS Labor Management System

LMS Labor Management System Solução em TI para Gerenciamento da Força de Trabalho em Armazéns Versão 3.0 Autor Iuri Rafael Destro Data 21/9/2011 Responsável Hélcio Fernando Lenz Histórico de Revisões Versão Data Descrição Autor 1.0

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE IMPLANTAÇÃO DE CONCEITOS DE LEAN MANUFACTURING EM UM ALMOXARIFADO FABRIL

EXPERIÊNCIA DE IMPLANTAÇÃO DE CONCEITOS DE LEAN MANUFACTURING EM UM ALMOXARIFADO FABRIL EXPERIÊNCIA DE IMPLANTAÇÃO DE CONCEITOS DE LEAN MANUFACTURING EM UM ALMOXARIFADO FABRIL Carlos Eduardo Rigatto (CBTA- Rio Claro) crigatto@yahoo.com.br Renata Guimarães Villanova (EESC-USP) revillanova@yahoo.com.br

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES Cristina Pereira Medeiros (UESC) cris_eps@hotmail.com

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada Automatizando a armazenagem Armazenagem automatizada Com a verticalização da armazenagem a automatização tornou-se necessária também, pois os armazéns passaram a utilizar os espaços do piso ao teto. E

Leia mais

ARMAZENAGEM VERTICAL

ARMAZENAGEM VERTICAL ARMAZENAGEM VERTICAL Valmir Mafra RESUMO A Logística pode ser definida por quatro atividades básicas: a da aquisição e produto, movimentação, armazenagem e entrega dos produtos. Para implantar melhoramentos

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA Como obter mais resultados com menos despesas Thomas Burger - Arquiteto Burger Arquitetos Arquitetura e Gerenciamento de Projetos Porto Alegre

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia

Logística Empresarial. Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Logística Empresarial Atividades Chave, Planejamento e Estratégia Logística Prof. José Correia Atividades chave da Logística Padrões de serviço ao cliente (c/ marketing): Determinar as necessidades/desejos

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação (X) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO DO LAYOUT NA GESTÃO DE MATERIAIS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA MULTINACIONAL PRODUTORA DE ARTIGOS ESPORTIVOS

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO DO LAYOUT NA GESTÃO DE MATERIAIS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA MULTINACIONAL PRODUTORA DE ARTIGOS ESPORTIVOS A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO DO LAYOUT NA GESTÃO DE MATERIAIS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA MULTINACIONAL PRODUTORA DE ARTIGOS ESPORTIVOS Yuri Laio Teixeira Veras Silva (UFPB ) yurilaio@hotmail.com Renan

Leia mais

WMSL Warehouse Management System Lite

WMSL Warehouse Management System Lite WMSL Warehouse Management System Lite Tela Inicial Esta é a tela inicial do sistema WMSL (Warehouse Management System - Lite) da Logistock. Cadastro Administrativo Pesquisa Movimentação Encerrar Cadastro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA ARMAZENAGEM DE CONGELADOS EM UMA AGROINDÚSTRIA

OTIMIZAÇÃO DA ARMAZENAGEM DE CONGELADOS EM UMA AGROINDÚSTRIA SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia OTIMIZAÇÃO DA ARMAZENAGEM DE CONGELADOS EM UMA AGROINDÚSTRIA Ricardo Bergonsi (FABE) rbg27@bol.com.br Karine Marosin Lótici (FABE) karine@fabemarau.edu.br

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

ANÁLISE DAS OPÇÕES DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM PARA UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO

ANÁLISE DAS OPÇÕES DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM PARA UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO ANÁLISE DAS OPÇÕES DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM PARA UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA EMPRESA DO SETOR ELETRÔNICO Maira Silva de Aguiar (UNIFEI) aguiarmaira@hotmail.com Renato da Silva Lima (UNIFEI) rslima74@gmail.com

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 21º Encontro - 07/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - LAYOUTS DE EMPRESAS INDIVIDUAIS 02 ABERTURA

Leia mais

ESTUDO DA ARMAZENAGEM VERTICAL NA EMPRESA DE MÓVEIS ZANZINI

ESTUDO DA ARMAZENAGEM VERTICAL NA EMPRESA DE MÓVEIS ZANZINI ESTUDO DA ARMAZENAGEM VERTICAL NA EMPRESA DE MÓVEIS ZANZINI ABREU, Luiz Felipe lipaoabreu@hotmail.com FANTINATTI, Eduardo dufantinatti@hotmail.com SCARPIM, Caio Fernando caio_dtcross@hotmail.com LUCAS,

Leia mais

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas.

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas. 6 Conclusão Este capítulo tem como objetivo a apresentação dos resultados diretos e indiretos deste trabalho. São apresentadas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema aqui abordado. 6.1. Resultados

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos (SP) Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Auxiliar

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Estudo de caso da aplicação do WMS na separação de pedidos

Estudo de caso da aplicação do WMS na separação de pedidos Estudo de caso da aplicação do WMS na separação de pedidos HELEN CAROLINE BRAGANTIM (helenbragantim@yahoo.com) TATIANE PAULA DA SILVA (tatiane_paula@hotmail.com) CENTRO UNIVERSITÁRIO NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA.

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LOGÍSTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ESTOCAGEM E ARMAZENAGEM EM UM DEPÓSITO: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA. Franck

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Em nossos trabalhos de identificação

Em nossos trabalhos de identificação Divulgação Como endereçar seu armazém João Alves Neto Em nossos trabalhos de identificação de armazéns e centros de distribuição (CDs), somos, por vezes, chamados a ajudar na criação de um sistema de localização

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais