PLANO DE NEGÓCIOS: UMA PESQUISA COM OS COMERCIANTES DO RAMO FARMACÊUTICO DO CENTRO COMERCIAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO-PE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE NEGÓCIOS: UMA PESQUISA COM OS COMERCIANTES DO RAMO FARMACÊUTICO DO CENTRO COMERCIAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO-PE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE NEGÓCIOS: UMA PESQUISA COM OS COMERCIANTES DO RAMO FARMACÊUTICO DO CENTRO COMERCIAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO-PE THACIANNA BITTENCOURT ANDRADE SILVA RECIFE 2013

2 THACIANNA BITTENCOURT ANDRADE SILVA PLANO DE NEGÓCIOS: UMA PESQUISA COM OS COMERCIANTES DO RAMO FARMACÊUTICO DO CENTRO COMERCIAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO-PE. Monografia apresentada como requisito obrigatório para obtenção do título de bacharel em Ciências Contábeis, da Universidade Católica de Pernambuco. Orientador: Prof. Msc. Julio Cesar de Santana Gonçalves. RECIFE 2013

3 THACIANNA BITTENCOURT ANDRADE SILVA PLANO DE NEGÓCIOS: UMA PESQUISA COM OS COMERCIANTES DO RAMO FARMACÊUTICO DO CENTRO COMERCIAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO-PE. DEFESA PÚBLICA em Recife, de de BANCA EXAMINADORA RECIFE 2013

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, pois sem Ele eu nada seria nada e Ele está à frente de tudo em minha vida. Agradeço a minha mãe Semíramis Bitencourt por sempre me acompanhar e me dá a mão, me apoiando em todas as situações e sendo a pessoa mais especial nisso tudo. A meu pai Joserise Marcos por ser um grade homem, me enxergando lá na frente e tendo uma fé inabalável em mim. A minha falecida avó Ivone Bittencourt que mesmo não estando aqui agora foi essencial para a minha caminhada na universidade. A minha irmã que de forma mesmo que indireta me dá total apoio nas minhas decisões. A minha tia e tio Semadar Bittencourt e Eronides Bittencourt por confiarem no meu potencial e assim sendo avalista de todo o meu estudo. A meu grande amigo e irmão Elias Sandin por ter me ajudado a dar os primeiros passos na carreira. A minha amiga Anna C. Bandeira pôr no momento de conclusão me fazer enxergar que eu não podia desistir me apoiando e me ajudando incansavelmente. A meu coordenador Miron Palhano por me conduzir de forma saiba e amiga durante grande parte do percurso na universidade. A meu orientador Júlio Cesar pela sua confiança, incentivo e total atenção em todo processo final desta monografia. E por fim a meus amigos e professores que de forma direta ou indiretamente acrescentam na minha vida.

5 RESUMO Esta monografia apresenta um estudo sobre plano de negócios: uma pesquisa com os comerciantes do ramo farmacêutico do centro comercial de Vitória de Santo Antão PE. Mostrando a relação da adoção, elaboração e execução do plano de negócios, mesmo que de forma empírica. Sendo enfatizada em cima dos três pilares de estudo que são empreendedorismo, plano de negócios e planejamento estratégico. Com base numa coleta de dados através de um questionário piloto que foi aplicado junto aos gestores das empresas. E com isso auxiliar o aprimoramento no processo de gestão, acrescentando o desempenho empresarial e identificando e evitando possíveis erros. Palavras chaves: Plano de Negócios, Empreendedorismo, Planejamento Estratégico.

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO EMPREENDEDORISMO PLANO DE NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO METODOLOGIA TIPO DE ESTUDO DEFINIÇAO DA AMOSTRA COLETA DE DADOS ANALISE DOS RESULTADOS CARACTERIZAÇÃO DO SEGMENTO FARMACÊUTICO EM VITÓRIA DE 16 SANTO ANTÃO PE MAPEAMENTO DO PERFIL DOS EMREENDEDORES DAS EMPRESAS 16 FARMACÊUTICAS EM VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE AVALIAÇÃO SOBRE O GRAU DE ADOÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS 17 PELOS EMPREENDEDORES FARMACÊUTICOS EM VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APENDICE A FORMULÁRIO DE COLETA DE DADOS... 21

7 6 1. INTRODUÇÃO A economia pernambucana vive atualmente um momento muito favorável com destaque no crescimento da produção industrial (dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ascensão das classes sociais que antes estavam fora do consumo, altíssimos investimentos governamentais e o surgimento e expansão de micro e pequenas empresas. Neste cenário de crescimento, competitividade, expansão e mudanças nos vários ambientes empresariais, surgi a necessidade de elaborar um Plano de Negócios que representa um documento onde são evidenciados os objetivos de uma entidade e quais passos que devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo os riscos e as incertezas. Sendo assim, o Plano de Negócios constitui um documento que descreve a empresa e onde ela pretende chegar. A utilização deste instrumento auxilia o gestor a identificar e restringir seus erros no papel, ao invés de cometê-los no mercado. Por outro lado também ajuda a responder as seguintes perguntas: Vale a pena abrir, manter ou ampliar o meu negócio? Entretanto, segundo Rosa (2007), a preparação de um plano de negócio é um grande desafio, pois exige persistência, comprometimento, pesquisa, trabalho duro e muita criatividade. Sob essa ótica, o plano de negócio é o instrumento ideal que pode ser utilizado por qualquer entidade para traçar um retrato fiel do mercado, do produto e das atitudes do empreendedor, o que propicia segurança para quem quer iniciar uma empresa com maiores condições de êxito ou mesmo ampliar ou promover inovações em seu negócio. O amplo campo de aplicação deste instrumento gerencial foi o principal motivo para deste estudo. 1.1 Problema de Pesquisa As empresas de pequeno porte são fundamentais para estimular a economia do País e possibilitar a inclusão social, mediante a maior oferta de postos de trabalho. A partir do processamento das bases de dados mais recentes da

8 7 Secretaria da Receita Federal (referentes aos anos de 2005 a 2009), obteve-se a taxa de sobrevivência das empresas com até 2 anos, para as empresas constituídas nos anos de 2005 e Para as empresas constituídas em 2005, a taxa de sobrevivência das empresas brasileiras com até 2 anos foi de 71,9%. Para as empresas constituídas em 2006, a taxa de sobrevivência subiu para 73,1 dentre as principais causas apontadas para esta mortalidade empresarial destaca-se a falta de planejamento prévio (plano de negócios) e também a dificuldade em realizar controles básicos (o fluxo de caixa, elaboração dos custos, formação do preço de venda, etc.). Baseado no conteúdo deste preâmbulo foi formulada a seguinte pergunta, constituída como problema de pesquisa: Os comerciantes do ramo farmacêutico do centro comercial da cidade de Vitoria de Santo Antão têm prática de elaborar plano de negócios para fins de tomada de decisão e o hábito de utilizar os controles básicos de gestão (fluxo de caixa, elaboração dos custos)? 1.2 Objetivos da Pesquisa Objetivo geral Efetuar uma análise descritiva das práticas empresariais e de planejamento prévio utilizadas pelos comerciantes do ramo farmacêutico do centro comercial de Vitória de Santo Antão PE Objetivos Específicos a) Investigar, através da análise da literatura, a importância do empreendedorismo, as principais características de um Plano de Negócios e as mais importantes técnicas de controle de gestão; b) Apresentar os fatores que motivaram o empreendedor entrevistado a abrir seu próprio negócio e listar os principais atributos que o qualificaram antes de adentrar neste ramo;

9 8 c) Descrever sobre a utilização e o conhecimento de algumas práticas administrativas como fluxo de caixa, elaboração de custos, etc., que são consideradas fundamentais para o bom funcionamento do negócio, sob a ótica do entrevistado; d) Verificar se o empreendedor utilizou algumas técnicas, mesmo que de forma empírica, que constam no plano de negócios. 1.3 Justificativa da Pesquisa A cada dia é maior a importância e relevância das micro e pequenas empresas no desenvolvimento econômico e social do País, dos Estados e dos Municípios. Segundo várias pesquisas elas são apontadas como responsáveis por grande parte dos empregos gerados e são fundamentais para estimular a economia e possibilitar a inclusão social. Portanto se faz necessário estudar se essas empresas estão necessitando de aprimoramento nos seus processos de gestão para que possam crescer com sustentabilidade e evitar a mortalidade empresarial. Alem disso, esta investigação, dentro das suas modestas linhas e limitações, poderá auxiliar outros estudos que busquem auxiliar os gestores identificar e restringir seus erros no papel, ao invés de cometê-los no mercado.

10 9 2. REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo são abordados três temas de fundamental importância para o cenário em que se realizará a pesquisa: 2.1 Empreendedorismo Segundo Timmons (1994) o empreendedorismo é uma revolução que será para o século XXI mais do que a revolução industrial representou para o século XX. Esta afirmação explica em parte por que os países em desenvolvimento têm investido tanto em programas que visem o desenvolvimento do empreendedorismo, onde conforme Chiavenato (2005) para ser bem sucedido o empreendedor não deve apenas saber criar seu próprio empreendimento. Deve principalmente saber gerenciar seu negócio, para tê-lo vivo e sustentá-lo em um ciclo de prolongado e buscar obter sempre retornos significativos de seus investimentos. Fala Dolabela (2003) empreendedorismo não é um tema novo ou modismo: existe desde sempre, desde a primeira ação humana inovadora, com o objetivo de melhorar as relações do homem com os outros e com a natureza. Se existem muitas obras sobre o assunto, as definições do tema são as mais diversas são apresentados vários conceitos, mas a grande maioria converge no mesmo ponto, a inovação, aliada a força de vontade, e a grande busca de resultados. Para Ângelo (2003) empreendedorismo é a criação de valor por pessoas e organizações trabalhando juntas para implementar uma ideia por meio da aplicação de criatividade, capacidade de transformar e o desejo de tomar aquilo que comumente chamaria de risco. Onde definição de Barreto (1998) empreendedorismo é a habilidade de se conceber e estabelecer algo partindo de muito pouco ou quase nada, assim Barreto enfatiza a grande importância do trabalho, além da capacidade de maximizar recursos. Uma outra definição interessante é a de Schumpeter (citado por FILION,1999) onde expõe que empreendedorismo está na percepção e aproveitamento das novas oportunidades no âmbito dos negócios sempre tem a ver com criar uma nova forma de uso dos recursos nacionais, em que eles sejam deslocados de seu emprego tradicional e sujeitos a novas combinações. Já para Dornelas (2001) empreendedorismo é o envolvimento de pessoas e processos que, em conjunto,

11 10 levam a transformação de ideias em oportunidades enfatiza assim de forma mais geral o real objetivo do empreendedorismo, que é gerar oportunidades. E segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE (2009) o empreendedor tem como característica básica o espírito criativo e pesquisador. Ele está constantemente buscando novos caminhos e novas soluções, sempre tendo em vista as necessidades das pessoas. A essência do empresário de sucesso é a busca de novos negócios e oportunidades e a preocupação sempre presente com a melhoria do produto. Enquanto a maior parte das pessoas tende a enxergar apenas dificuldades e insucessos, o empreendedor deve ser otimista e buscar o sucesso, apesar das dificuldades. 2.2 Plano de Negócios O Plano de Negócio não representa somente um instrumento de planejamento formalizado, ele deve estar integrado a todo o negócio, sendo realimentado permanentemente com novas informações. O planejamento também deve ser flexível a novas realidades, adaptável a novos paradigmas. Empreender é sempre um risco, mas empreender com planejamento é um risco que pode ser amenizado ou até mesmo evitado. O Plano de Negócio, apesar de não ser a garantia de sucesso, irá ajudar, entre outras coisas, na tomada de decisões, assim como a não se desviar de seus objetivos iniciais. Segundo o Sebrae (2009), um plano de negócio é um documento que descreve por escrito os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para que esses objetivos sejam alcançados, diminuindo os riscos e as incertezas. Um plano de negócio permite identificar e restringir seus erros no papel, ao invés de cometê-los no mercado. Conforme Dornelas (2001) o plano de negócios é composto por várias seções que se relacionam e permitem um entendimento global do negócio de forma escrita e em poucas páginas. E para Chiavenato (2005), plano de negócio trata-se de um planejamento antecipado no qual um empreendedor, baseado em um conjunto de dados e informações sobre um determinado negócio, procura viabilizar uma sociedade de seu interesse.

12 Planejamento Estratégico O cenário contemporâneo de intensa competitividade, avanço da tecnologia, intensa exigência dos consumidores e mudanças nos vários ambientes das empresas, vem incentivando, cada vez mais, os gestores a buscarem novos métodos e alternativas de maximizar o desempenho de suas atividades e controle empresarial, a fim de gerar resultados satisfatórios. Eis que está o Planejamento Estratégico, com o papel de auxiliar e subsidiar os gestores no controle de gestão, agregando valores aos diversos ramos de atividades. Com o auxílio deste instrumento, o gestor terá maior controle das operações, podendo, desta forma, avaliar o desempenho e analisar as decisões a serem tomadas de forma mais eficiente, objetivando corrigir as falhas observadas. Sob essa ótica de que as informações contidas nos relatórios provindos do Planejamento Estratégico são de suma importância para o desempenho dos gestores, e que um bom planejamento e controle levam a empresa à conquista de suas metas, o reconhecimento desse departamento vem sendo reconhecido, cada vez mais, e destaque para objeto de estudo. O Planejamento Estratégico é compreendido sobre dois horizontes; um é que ele é entendido como um órgão que repassa informações para todas as demais áreas da empresa, auxiliando-as a implementarem estratégicas especificas. Por outro lado, ele é compreendido pela área que integra o processo de decisões estratégicas de cada departamento, em busca pelo objetivo global da entidade, sua diretriz estratégica. Segundo Oliveira (2005) planejamento estratégico é o processo administrativo que proporciona sustentação metodológica para se estabelecer a melhor direção a ser seguida para a empresa, visando ao otimizado grau de interação com o ambiente e atuando de forma inovadora e diferenciada. Já Kotler (2000) define planejamento estratégico, como um processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, as habilidades e os recursos de uma organização e as oportunidades de um mercado em constante mudança. Sendo seu objetivo dar forma os negócios e produtos da empresa, possibilitando os lucros e crescimento almejados.

13 12 3. METODOLOGIA O processo metodológico é o estudo e a avaliação dos diversos métodos, com o objetivo de identificar possibilidades e limitações no ambiente de sua aplicação no processo de pesquisa científica. 3.1 Tipo de Estudo A partir dos objetivos e técnicas utilizadas, o estudo em questão se classifica como uma investigação descritiva realizada através do método quantitativo, pois está baseada no levantamento de informações verificadas, quantificadas tanto pela coleta de dados quanto pelo tratamento dos resultados (RICHARDSON, 1999). Por outro lado, Gil (2002) expõe que a investigação descritiva tem como objetivo fundamental, a descrição das características de determinada população ou fenômeno, além do estabelecimento de relações entre as variáveis. 3.2 Definição da Amostra O universo de micro e pequenas empresas do segmento farmacêutico localizados no centro comercial de Vitória de Santo Antão PE são de 19 empresas, conforme dados obtidos junto a ACIAV Associação Comercial de Vitória (2013). Diante disto, para fins desta monografia a amostragem a ser adotada será de 14 empresas, conforme os seguintes critérios: Seguimento do Empreendimento - Farmacêutico. Localização Centro comercial. Estrutura Micro e Pequenas empresas. 3.3 Coleta de dados Inicialmente foi elaborado um questionário piloto que foi aplicado junto aos gestores das empresas em estudo com a finalidade de comprovar seus resultados e a adequação das perguntas. Passada a etapa do questionário piloto e feitos os ajustes necessários, a autora da pesquisa entrevistou os comerciantes ou pessoas responsáveis pelas

14 13 entidades a fim de preencher os dados constantes no formulário piloto que se encontra em anexo. As perguntas do questionário estão relacionadas com o objetivo geral e específicos propostos neste estudo de acordo com o quadro 1. Com base nestas perguntas foi elaborado o instrumento de pesquisa disposto no apêndice desta monografia. Quadro 1 Relação entre as perguntas do questionário e os objetivos da pesquisa Nº PERGUNTA DO QUESTIONARIO OBJETIVO DA PERGUNTA 6 O que levou o Sr. a abrir seu próprio negócio? Descrever os principais Não queria mais trabalhar para os outros. Cansei de ser empregado (ser mandado) e queria ser patrão (mandar). fatores que motivaram o empreendedor a abrir seu próprio negócio Quero fazer meu próprio horário de trabalho (liberdade) Recebi um dinheiro extra (herança, loteria, vendi um imóvel, etc.) Saí do emprego e recebi uma indenização. Outros. Qual: 7 Por que escolheu a área de farmácia para atuar? Todo mundo falava que medicamentos é sempre um bom negócio. Medicamentos é uma produto essencial. É uma área que trabalhei por vários anos/meses e me identifico. Vi que era um ramo que todos se davam bem e resolvi arriscar. Outros 8 Enumere os principais atributos que o qualificaram para atuar na área e dar partida ao negócio? Já trabalho no ramo de farmácia. Me identifico. Adoro desafios e resolvi arriscar. Estou convicto que chegou a hora de mostrar as pessoas o quanto sou capaz. 9 Antes de iniciar as atividades o Sr. procurou saber se teria demanda no ponto escolhido? Comentário: Descrever os principais fatores que motivaram o empreendedor a abrir seu próprio negócio Enumerar os principais atributos, sob a ótica do empreendedor, que o qualificaram antes de dar partida no negócio. Enumerar os principais atributos, sob a ótica do empreendedor, que o qualificaram antes de dar partida no negócio.

15 14 10 Antes de abrir seu empreendimento o Sr. fez um levantamento com o objetivo conhecer aqueles que iriam fornecer à sua empresa os medicamentos, mercadorias, prateleiras, máquinas e outros materiais necessários ao seu funcionamento? Comentário: 11 Antes de abrir seu empreendimento o Sr. preparou um PANFLETO (exemplo) contendo endereço, horário de funcionamento e telefones. Tirou Xerox e distribuiu para os possíveis futuros clientes? Comentário: 12 Qual o meio de divulgação e propaganda o Sr. utilizou? Rádio. TV. Panfleto. Carro de som. boca a boca. Outro. Qual: 13 Antes de abrir o empreendimento o Sr. se preocupou em fazer uma relação das principais marcas, dos principais produtos e dos principais fornecedores que iria utilizar? Comentário: 14 No seu empreendimento só é comercializado medicamentos ou o senhor abrange pra outras mercadorias e serviços? Qual: 15 O Sr. já elaborou um plano de negócio? Comentário: Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Pesquisa de mercado Fornecedor. Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Marketing. Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Marketing. Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Definir produtos e mercadorias a serem vendidas e serviços a serem prestados. Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Definir produtos e mercadorias a serem vendidas e serviços a serem prestados. Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Definir se há conhecimento da importância do Plano de Negócio.

16 15 16 Se sim, o Sr. encontrou alguma dificuldade em elaborá-la? Comentário: 17 O Sr. acha importante a elaboração de um plano de negócio? Comentário: 18 O Sr. acha que acrescenta em qual ponto a elaboração de um plano de negócio? Financeiro. Controle. Estrutura. Planejamento. Todos acima. Nenhum Acima. Outro. Comentário: Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Definir se há conhecimento da importância do Plano de Negócio. Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Definir se há conhecimento da importância do Plano de Negócio. Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Definir se há conhecimento da importância do Plano de Negócio. 19 O Sr. já passou por alguma situação que solicitaram um plano de negócio? Se sim, qual: Comentário: 20 O Sr. acha que plano de negócio é importante para tomada de decisões? Comentário: Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Definir se há conhecimento da importância do Plano de Negócio. Conhecimento e a utilização de práticas que constam no plano de negócios. Definir se há conhecimento da importância do Plano de Negócio.

17 16 4. ANÁLISE DOS RESULTADOS 4.1 Caracterização do segmento farmacêutico em Vitória de Santo Antão PE Conservadorismo é a palavra-chave quando se trata das características do setor farmacêutico do município de Vitória de Santo Antão PE. É possível notar que apesar do crescimento populacional, do avanço da região, acarretando assim no aumento da concorrência, além de um maior incentivo fiscal e das inovações tecnológicas trazidas na bagagem da globalização, o mesmo se contrapôs a todas a essas mudanças e manteve seus conceitos arcaicos e ultrapassados. O conservadorismo implica em posições político-filosóficas com aspectos tradicionalistas, se aplicando, no determinado nicho do mercado farmacêutico, nas formas de gerenciamento e controle dos estabelecimentos. Onde os sistemas operacionais, como o fluxo de caixa e controle de estoque, são realizados ainda de forma manual em sua grande totalidade, sem esquecer de mencionar o aspecto de maior visão tradicionalista que é a passagem da administração e gestão das empresas de geração para geração, com o intuito de manter os valores e costumes. Toda essa base foi construída e firmada por empresas com um maior tempo de mercado; de mais de cinco anos, de acordo com a pesquisa. E foi durante esse tempo de construção desse mercado que se assimilou e estabeleceu determinados pensamentos, conceitos e ações que iam de acordo com a realidade da época e que não se renovou com o passar dos anos. 4.2 Mapeamento do perfil dos empreendedores das empresas farmacêuticas em Vitória de Santo Antão PE O perfil dos empreendedores do ramo farmacêutico de Vitória de Santo Antão PE são de uma maioria do sexo masculino de etnia parda e com nível superior completo, formando uma média de 70% e 90% em relação a quantidade total, respectivamente; onde grande parte desses gestores já haviam tido algum tipo de experiência no setor e buscavam constituir uma independência profissional e financeira, abrindo mão do trabalho assalariado e convencional, ou seja, para terceiros, buscando assim iniciar seu próprio negócio. Sem deixar de acrescentar que todos as empresas desse segmento, na região central, são 100% legalizados.

18 17 Como comprovado e constatado em pesquisa de campo e citado acima, esse mercado em si é praticamente dominado por homens de cor clara, analisando, assim, o contexto sócio histórico da época em que os empreendimentos dessa área começaram a ser fundados na cidade, podemos contextualizar que essas farmácias faziam parte do patrimônio de famílias que tinham um poder aquisitivo consideravelmente alto. 4.3 Avaliação sobre o grau de adoção de plano de negócios pelos empreendedores farmacêuticos em Vitória de Santo Antão Avalia-se que o setor farmacêutico do centro do município de Vitória de Santo Antão PE, apesar de estável e crescente, está defasado, e isso se deve em partes a uma gama de empreendedores que, por um lado, apresentam uma visão debilitada de gestão, mostrando desinteresse e descredibilidade em relação a elaboração de planos de negócios, e em contra partida, outros gestores, que tem consciência da importância de um planejamento prévio de um negócio, optaram pela não adoção e elaboração do mesmo, por, em principal, terem encontrado dificuldades na execução desta ação. Alegando muitas vezes que a elaboração de um plano de negócios requer uma estrutura e linguagem muito técnica, desencorajando-os de fazê-lo. Em um certo número, pode-se constatar, também, que existem algumas empresas que elaboraram planos de negócios, mesmo que de forma empírica, obrigatoriamente por terem sidos solicitados por instituições financeiras para liberação de crédito. Mesmo tendo uma consciência profissional, em sua maioria, da significância de um plano de negócios, tanto na iniciação e montagem do empreendimento quando no decorrer da gestão da empresa, os empresários costumam não realizalos por livre e espontânea vontade. E com esboço em planilha abaixo a pesquisa aponta que: APLICAÇÃO DE PESQUISA GRAU DE ADOÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS % Já elaboraram um plano de negócios (mesmo que de forma empírica). 78% Sentiram algum tipo de dificuldade em elaborá-lo. 36%

19 18 Acham importante a elaboração de um plano de negócios. 86% Acham que acrescenta na gestão a adoção de um plano de negócios. 86% Já foram solicitados de alguma forma de um plano de negócios. 43% Acham que plano de negócios é importante para tomada de decisões. 93% Fonte: Elaboração própria proveniente de pesquisa de campo (2013)

20 19 5. CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS Com referência a partir do SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas empresas) 2009, cerca de 31% das empresas encerram suas atividades no primeiro ano, chegando até a 60% no quinto ano de atividade. Isso se reflete, na sua grande parte, na falta de um planejamento, na elaboração de um plano de negócios, tanto antes da sua abertura, quanto no decorrer das suas atividades. A pesquisa mostrou que atualmente o mercado farmacêutico de Vitória de Santo Antão PE encontra-se carente de bons planos de negócios. A economia é aquecida e o setor é forte, com grande demanda e crescimento contínuo. O problema em sua maioria está na escarces de uma boa gestão pela falta de um planejamento, na elaboração de um eficiente plano de negócios. A elaboração de um plano de negócios reflete na definição do formato, na identificação dos pontos fortes e fracos do seguimento, na análise da concorrência, entre outros fatores que são de extrema importância para o planejamento e gerência de uma organização, sendo ela de grande, médio e até mesmo de pequeno porte. Sendo assim, é de fundamental importância para uma gestão eficiente, a elaboração de um plano de negócios. Não só para a viabilidade de abertura da empresa como para o decorrer de sua gestão. Com isso auxiliando o aprimoramento no processo de gestão, acrescentando o desempenho empresarial, identificando e evitando possíveis falhas.

21 20 REFERÊNCIAS ACIAV Associação Comercial de Vitória, ÂNGELO, Eduardo. Empreendedor corporativo: a nova postura de quem faz a diferença. Rio de Janeiro: Campus, BARRETO, L. P. Educação para o Empreendedorismo. Salvador: Escola de Administração de Empresa da Universidade Católica de Salvador, CHIAVENATO, Idalberto Empreendedorismo: Dando asas ao espírito empreendedor. São Paulo: Ed. Saraiva, 2005; DOLABELA, Fernando - Pedagogia Empreendedora. São Paulo: Editora Cultura, DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: Transformando Ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, FILION, Louis Jacques. Diferenças entre sistemas gerenciais de empreendedores e operadores de pequenos negócios. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, KOTLER, Philip. Administração de marketing: a edição do novo milênio. Tradução Bazán tecnologia e Linguística; Revisão técnica Arão Sapiro. São Paulo: Pearson Prentice Hall, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas, ROSA, Cláudio Afrânio. Como elaborar um Plano de Negócio. SEBRAE Brasília, ROSA, José Antônio. Negócio próprio: Você está preparado? Um teste autoaplacável que ajuda você a analisar a decisão de partir para o negócio próprio. São Paulo Editora STS, RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa Social: métodos e técnicas. Colaboradores José Augusto de Souza Peres. São Paulo: Atlas, SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas. Como elaborar um Plano de Negócio. Brasília, SEBRAE - SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE- TIMMONS, J.A. New Venture Creation. Boston: Orwin McGraw-Hill, 1994.

22 21 APENDICE A - QUESTIONÁRIO PARTE 1 INFORMAÇÕES SOBRE EMPREENDIMENTO. 1) Dados do empreendimento: Nome: Endereço: Cidade: CEP: Telefone: Estado: 2) Responsável do empreendimento: Nome: Telefone: Celular: Correio eletrônico ( ): Sexo: Feminino Masculino Etnia: Grau de Escolaridade: 1º Grau 2º Grau Técnico Superior 3) Qual o tempo de funcionamento? Menos de 1 ano 1 a 3 anos 3 a 5 anos Mais de 5 anos 5) Seu empreendimento é formalizado? Sim Não.Por quê?

23 22 PARTE 2 INFORMAÇÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO E O CONHECIMENTO DE ALGUMAS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS. 6- O que levou o Sr. a abrir seu próprio negócio? Não queria mais trabalhar para os outros. Cansei de ser empregado (ser mandado) e queria ser patrão (mandar). Queria fazer meu próprio horário de trabalho (liberdade) Recebi um dinheiro extra (herança, loteria, vendi um imóvel, etc.) Saí do emprego e recebi uma indenização. Outros. Qual: 7- Por que escolheu a área de farmácia para atuar? Todo mundo falava que medicamentos é sempre um bom negócio. Medicamentos é uma produto essencial. É uma área que trabalhei por vários anos/meses e me identifico. Vi que era um ramo que todos se davam bem e resolvi arriscar. Outros 8- Enumere os principais atributos que o qualificaram para atuar na área e dar partida ao negócio? Experiência no ramo de farmácia. Me identifico. Adoro desafios e resolvi arriscar. Estou convicto que chegou a hora de mostrar as pessoas o quanto sou capaz. 9- Antes de iniciar as atividades o Sr. procurou saber se teria demanda no ponto escolhido? Comentário: 10- Antes de abrir seu empreendimento o Sr. fez um levantamento com o objetivo conhecer aqueles que iriam fornecer à sua empresa os medicamentos, mercadorias, prateleiras, máquinas e outros materiais necessários ao seu funcionamento? Comentário:

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng

EMPREENDEDORISMO. Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo 1/44. Foto: Stock.Schng EMPREENDEDORISMO Instrutora: Keila Coimbra Senac Varejo Foto: Stock.Schng 1/44 CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de

Leia mais

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng

NASCER BEM 2/44. Foto: Stock.Schng 2/44 Foto: Stock.Schng NASCER BEM OBJETIVOS: Fase 1: * Fornecer informações e orientações para empreendedores que pretendem iniciar um negócio, sobretudo na elaboração do Plano de Negócio. 3/44 Foto: Stock.Schng

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

PROFESSORA Paula Nogueira Bartkiw. Especialista (MBA em Gestão Empresarial) Graduação em Marketing. Aula 5. Disciplina EMPREENDEDORISMO

PROFESSORA Paula Nogueira Bartkiw. Especialista (MBA em Gestão Empresarial) Graduação em Marketing. Aula 5. Disciplina EMPREENDEDORISMO PROFESSORA Paula Nogueira Bartkiw Especialista (MBA em Gestão Empresarial) Graduação em Marketing Aula 5 Disciplina Plano de Negócios. Definições; Por que escrever um plano de negócios?; Plano de Negócios

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

MULHER EMPREENDEDORA

MULHER EMPREENDEDORA MULHER EMPREENDEDORA Mara Angélica Schutze Voigt 1 Albertina de Souza Prust 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Curso Gestão Comercial (GCO 0070) Prática do Módulo II 13/05/2013 RESUMO

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

NEGÓCIOS I PLANO DE PLANO DE NEGÓCIOS I. Ementa. Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I. Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br PLANO DE NEGÓCIOS I

NEGÓCIOS I PLANO DE PLANO DE NEGÓCIOS I. Ementa. Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I. Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br PLANO DE NEGÓCIOS I Aula 1 PLANO DE NEGÓCIOS I Prof. Fábio Guerra guerra@f12consultoria.com.br Ementa Como preparar um Plano de Negócios. Razões para elaborar um Plano de Negócios. Estrutura do Plano de Negócios. Concepção

Leia mais

TÍTULO: DESAFIOS DO JOVEM EMPREEDEDOR EM GENERAL SALGADO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: DESAFIOS DO JOVEM EMPREEDEDOR EM GENERAL SALGADO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: DESAFIOS DO JOVEM EMPREEDEDOR EM GENERAL SALGADO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): CAIO DE SOUSA FERREIRA

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen.

Giselle Mesquita. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Simonsen. Giselle Mesquita O uso da contabilidade na formação do preço e no planejamento das vendas: um estudo empírico sobre micro e pequenas empresas da zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. Projeto de pesquisa

Leia mais

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo

UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo UNOCHAPECÓ Profª: Niceia Camila N. Fronza Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Empreendedorismo PLANO DE ENSINO Novo Contexto Educacional ENSINO X APRENDIZAGEM SEGUNDO LESSARD Novo Contexto Educacional

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques

Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques Construindo um Plano de Negócios Fabiano Marques "Um bom plano de negócios deve mostrar claramente a competência da equipe, o potencial do mercado-alvo e uma idéia realmente inovadora; culminando em um

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Moreira, Alessandro Messias. Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il.

EMPREENDEDORISMO. Moreira, Alessandro Messias. Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il. EMPREENDEDORISMO Moreira, Alessandro Messias. M835e Empreendedorismo / Alessandro Messias Moreira. Varginha, 2015. 44 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro

Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro Análise do Ensino do Empreendedorismo nos Cursos de Graduação em Administração em cinco Regiões do Estado do Rio de Janeiro Tayná Bernardes Miguel¹, Rayanne Sartorio Stoduto Almeida¹, Julianne Alvim Milward-de-Azevedo

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO

PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA RESUMO 43 PLANO DE NEGÓCIOS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO PARA MICRO E PEQUENA EMPRESA Vivian Silveira Ferreira Eliane Vargas de Campos RESUMO Vive-se uma nova realidade no mercado brasileiro onde as micro e pequenas

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor. Idalberto Chiavenato

Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor. Idalberto Chiavenato Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor Idalberto Chiavenato 3º Edição 2008 Empreendedorismo Dando asas ao espírito empreendedor Idalberto Chiavenato Doutor (PhD) e mestre (MBA) em Administração

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS

EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS EVOLUÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS 1900 1910 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Racionalização do trabalho: gerência administrativa Relações humanas: processo Movimento estruturalista: gerência

Leia mais

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia

Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC. Campus Ceilândia Instituto Federal de Brasília PLANO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC Campus Ceilândia GESTÃO E PRÁTICAS EMPREENDEDORAS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Ceilândia, Fevereiro de 2014. CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

Conceitos É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR

Conceitos É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR Conceitos EMPREENDEDOR É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR É AQUELE QUE ASSUME RISCOS E COMEÇA ALGO NOVO 1 Onde empreender Criar

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO

PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO PLANO DE NEGÓCIOS E PLANEJAMENTO: SUA IMPORTÂNCIA PARA O EMPREENDIMENTO Bruna Carolina da Cruz Graduando em administração Unisalesiano Lins bruna-estella@hotmail.com Rafael Victor Ostetti da Silva Graduando

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza EMPREENDEDORISMO Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza ORGANIZAÇÃO CONCEITO: A sociedade humana é feita de organizações que fornecem os meios para o atendimento de necessidades

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010 Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Sumário Introdução 3 Objetivos Estratégicos 4 Metodologia 5 Resultados Estratégicos 9 Resultados Reação

Leia mais

Edital PROEX/IFRS nº 028/2015. Seleção de estudantes para participação no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto

Edital PROEX/IFRS nº 028/2015. Seleção de estudantes para participação no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto Edital PROEX/IFRS nº 028/2015 Seleção de estudantes para participação no curso Bota pra fazer - crie seu negócio de alto impacto A Pró-reitora de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS GESTÃO FINANCEIRA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Thais Peixoto de Medeiros(1); Estephany Calado(2); Gisele Gregório Araújo(2); Márcio André Veras Machado (3); Francisco Roberto Guimarães Júnior(4) Centro

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO

EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO EMPREENDEDORISMO GINA CELSO MONTEIRO RECEPUTE ROSANY SACARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: Este artigo tem como objetivo abordar o tema empreendedorismo, suas características,

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI

Empreendedorismo UNIDADE DE ATENDIMENTO INDIVIDUAL - UATI Empreendedorismo Por que abrir uma empresa? Por Oportunidade Empreendedorismo Por Necessidade Empreendedorismo por Necessidade Criação de empresas visando à sobrevivência e ao sustento familiar por falta

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO

PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO 1 PLANEJAMENTO COMO PROCESSO ADMINISTRATIVO Aline Silva SANTOS 1 RGM 088607 Andressa Faustino da SILVA¹ RGM 089712 Diego Dias dos SANTOS¹ RGM 087266 Tatiane Gomes dos SANTOS¹ RGM 089204 Viviane Regina

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba

Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba Consultoria Contábil e Gerencial para Micros e Pequenos Empreendedores do Shopping Popular Edson Diniz em Campina Grande Paraíba Karoline Varão de Almeida Graduada em Ciências Contábeis pela UEPB e graduanda

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.

GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL. Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail. GERENCIAMENTO DE CONFLITO: ESTUDO DE CASO NO CAPRINOS CULINÁRIA REGIONAL Anderson Augusto Farias de Goes, Rodrigo Guimarães anderson.goes@hotmail.com INTRODUÇÃO No respectivo trabalho, iremos abordar um

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Empreendedorismo Código: CTB-251 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6

Plano de negócio. Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Plano de negócio Conceitos, Importância e estrutura Aula 6 Estrutura do plano de negócio Capa Sumário 1. Sumário executivo 2. Analise estratégica 3. Descrição da empresa 4. Produtos e serviços 5. Plano

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido

Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Fundamentos para um processo empreendedor bem sucedido Rui Ferreira, AUDAX/ISCTE Instituto Politécnico de Coimbra Oficina-E 15/10/08 Enquadramento O O Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: um estudo sobre a mulher empreendedora na. Rogério da Rosa Lehr Janaina Mendes janainamendes@unipampa.edu.

COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: um estudo sobre a mulher empreendedora na. Rogério da Rosa Lehr Janaina Mendes janainamendes@unipampa.edu. COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR: um estudo sobre a mulher empreendedora na região da fronteira do Estado do Rio Grande do Sul Rogério da Rosa Lehr Janaina Mendes janainamendes@unipampa.edu.br Problemática 13%

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital

UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital UNIDADE 7 Fontes para obtenção de capital Muitos empreendedores apontam como principal retardo para o crescimento das MPE s no Brasil a dificuldade em se obter financiamento, devido às exigências estabelecidas

Leia mais

VIDA FÁCIL ESSA DE CONSULTOR, HEIN?

VIDA FÁCIL ESSA DE CONSULTOR, HEIN? VIDA FÁCIL ESSA DE CONSULTOR, HEIN? Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Ter uma consultoria, ao contrário do que tem sido mostrado esta semana nos jornais, não representa vida fácil não! Quando deixamos

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Centro Universitário de Volta Redonda UniFOA Bases Humanísticas Prof. Marcos Antonio Ribeiro Andrade - MSc O Marketing e os Médicos :

Centro Universitário de Volta Redonda UniFOA Bases Humanísticas Prof. Marcos Antonio Ribeiro Andrade - MSc O Marketing e os Médicos : Centro Universitário de Volta Redonda UniFOA Bases Humanísticas Prof. Marcos Antonio Ribeiro Andrade - MSc O Marketing e os Médicos :Petrucio Chalegre Em Epidauro, no interior da Grécia, o teatro da cidade

Leia mais

O CONSULTOR DO FUTURO CRA- RJ 10/07/2013

O CONSULTOR DO FUTURO CRA- RJ 10/07/2013 O CONSULTOR DO FUTURO CRA- RJ 10/07/2013 ESCOLHE UM TRABALHO QUE AMES E NÃO TRABALHARÁS UM DIA DE TUA VIDA! (Kung-Fuh-Tsê, há 25 séculos!) O QUE É CONSULTORIA? e O QUE FAZ O CONSULTOR? CONSULTORIA NÃO

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais