Manual do Aluno

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do Aluno 2015.1"

Transcrição

1

2 Manual do Aluno Feira de Santana - BA 1

3 APRESENTAÇÃO Prezado(a) Aluno(a), Reunimos neste manual todas as informações necessárias para que sua estadia aqui na UNEF, seja a melhor possível, afinal, serão dias de muito aprendizado, novas descobertas, amizades e também de grandes mudanças. Nele você encontrará os procedimentos acadêmicos, normas de funcionamento, o fluxograma do seu curso e o calendário do semestre, além de outras informações pertinentes à sua vida acadêmica. Bem-vinda a UNEF! 2

4 SUMÁRIO CONHECENDO A SUA FACULDADE... 4 MISSÃO, VISÃO E VALORES... 5 O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO... 6 O CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 8 PROGRAMA DE INCLUSÃO ACADÊMICA E ASSITENCIA AO ESTUDANTE PROGRAMA AVANÇADO DE APOIO À APRENDIZAGEM NORMAS ACADÊMICAS E ADMINISTRATIVAS DIREITOS E DEVERES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PROMOÇAO CONDIÇÕES DE APROVAÇÃO NAS DISCIPLINAS MODELO DAS AVALIAÇÕES - RESOLUÇÃO FAESF 002/ AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM MEIOS DE COMUNICAÇÃO DA UNEF CORPO DIRETIVO E CONTADOS

5 CONHECENDO A SUA FACULDADE Em 2013, a Faculdade de Ensino Superior de Feira de Santana UNEF/FAESF, completa 10 anos de atuação em Feira de Santana. Em abril de 2002, a UNEF obteve do Ministério da Educação - MEC - a autorização para funcionamento dos cursos: Portaria Nº 1.264, de 25 de Abril de 2002 para o curso Bacharelado de Administração; Portaria Nº 1.265, de 25 de Abril de 2002 para o curso Bacharelado de Turismo; Portaria Nº 1.266, de 25 de Abril de 2002 para o curso Bacharelado de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo e em Publicidade Propaganda. As primeiras turmas dos cursos de Comunicação Social e de Administração com habilitação em Gestão de Sistemas de Informação iniciaram suas atividades no início de 2003 e o curso de Turismo em Em 2004 a UNEF implanta a CPA Comissão Própria de Avaliação, órgão responsável por avaliar, planejar e solicitar melhorias contínuas na qualidade dos Cursos e da Instituição. Um ano após, a UNEF cria o Núcleo de Ensino, Pesquisa e Extensão NEPEX, com o propósito de desenvolver a investigação cientifica, a pesquisa e a extensão, principalmente no campo da responsabilidade social. No ano de 2007, a UNEF passou pelo processo de Reconhecimento dos Cursos pelo Ministério da Educação. Os cursos de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo e em Publicidade e Propaganda foram reconhecidos pela MEC com nota 04, através da Portaria de n 728, de Já o curso de Administração foi reconhecido com nota 03, conforme Portaria nº 703, de Em 2008, a UNEF abre o Grupo de Pesquisa Epistemologia e Práxis da/em Comunicação, com relação interinstitucional com o Grupo de Pesquisa Formação em Exercício de Professores FEP do Programa de Pós- Graduação e Pesquisa em Educação da UFBA e da UNEB. Em julho de 2010, a UNEF foi adquirida pelo Grupo Nobre, e passa a ter como diretor presidente o professor Jodilton Oliveira Souza. Em 2013, a faculdade inaugura sua sede própria, sendo esta uma das maiores e melhores estruturas de ensino superior da Bahia. 4

6 MISSÃO, VISÃO E VALORES Missão: Produzir, sistematizar e socializar o saber científico e tecnológico, através do ensino, da pesquisa e da extensão, ampliando e aprimorando a formação de pessoas para o exercício profissional competente, com reflexão crítica, solidariedade, com vista à construção de uma sociedade autosustentável, e, assim, contribuir para as inovações e evolução científica e tecnológica, bem como para o desenvolvimento local, regional, estadual e nacional. Visão: Ser referência em Educação Superior na cidade de Feira de Santana e Região, reconhecida pela sua excelência acadêmica, dinamismo, inovação e compromisso com a formação de profissionais éticos e cidadãos, conscientes do seu papel no exercício da profissão escolhida, contribuindo na construção de uma sociedade mais justa e mais fraterna. Valores: Responsabilidade social; Comportamento ético e cidadão; Compromisso com o ensino de excelência; Respeito à pluralidade de idéias e de crenças religiosas; Estímulo ao desenvolvimento pessoal; Cultivo da credibilidade institucional; Respeito às diversidades sociais; Efetividade no cumprimento do Projeto Pedagógico Institucional e de cada Curso. 5

7 O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Referência no mercado de Feira de Santana e Região, o Curso de Administração tem mais de 11 turmas formadas e 10 turmas em andamento. O Curso tem carga horária total de horas, distribuída ao longo de 8 (oito) semestres, com tempo máximo de integralização de 07 anos. O currículo do curso proporciona aos estudantes uma formação sólida nas ciências administrativas, enfatizando conteúdos específicos profissionalizantes e atividades complementares, articulando teoria e prática com maior ênfase no empreendedorismo, com desenvolvimento de habilidades e competências necessárias a atuação profissional através do desenvolvimento do raciocínio lógico, análise crítica e analítica, postura ética e respeito ao meio ambiente, capacidade de apresentar soluções estratégicas inovadoras e competitivas, mediante uma postura, consciente dos problemas sociais e dos desafios inerentes ao exercício de sua profissão. O objetivo do curso é preparar profissionais capazes de gerenciar todos os tipos de organizações na rede pública ou privada, nos mais diversos segmentos, capacitando-os para efetuar diagnósticos, dimensionar recursos, desenvolver estratégias que possibilitem a sobrevivência, e principalmente desenvolver o espírito empreendedor. Dessa forma as disciplinas que contemplam a vertente empreendedora no curso estão alocadas em diversos semestres, mais especificamente nas disciplinas Gestão de Pequenas e Médias, Gestão de Projetos, Inovação e Empreendedorismo, Desenvolvimento de Consultoria e Gestão de Empreendimentos na área de serviço. Com atividades diversificadas de ensino, pesquisa e extensão, o Curso oferece oportunidades de estágio na Empresa Junior de Administração Asi jr, atividades Empresa Junior de Administração e Comunicação Escola de Ideias e Negócios A empresa Junior de Administração da UNEF, ASIjr existe desde 2005 e tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento da formação empreendedora dos estudantes, aproximando-os da realidade empresarial. A ASIjr é uma associação civil sem fins lucrativos e com fins educacionais formada exclusivamente por alunos do ensino superior, ou seja uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público. 6

8 As suas atividades são desenvolvidas em espaço dotado de recursos necessários ao seu funcionamento. Todos os anos possui processo seletivo aberto a todos os estudantes de todos os semestres que podem assumir cargos fixos, ou voluntários para trabalhar nos projetos. Assim, o curso permite aos alunos aprendizado diferenciado, oportunizando vivências práticas. Atividades desenvolvidas no curso: Café Empresarial Fóruns de temáticas diversas (Administração Estratégica, Qualidade, Gestão Tecnológica) Plano de Negócio Plano de Comunicação Dia da Empregabilidade Semana do Administrador Viagens de Campo Pesquisas Colóquio de Iniciação Científica Cursos Livres Palestras Monitoria Asijr Nivelamento Programa de inclusão acadêmico Semana Universitária 7

9 O CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Mais do que qualquer outro profissional, é ele o principal responsável pelo bem-estar de todos que moram na cidade. Compreender e traduzir as necessidades de indivíduos e de comunidades, criando soluções viáveis e criativas para os problemas apresentados, é a função do arquiteto e urbanista, cujo campo de trabalho está em qualquer lugar ocupado pelo homem. No Brasil, o exercício profissional do arquiteto e urbanista é regulamentado desde Suas atividades são referentes a edificações, conjuntos arquitetônicos, monumentos, arquitetura paisagística e de interiores, urbanismo, planejamento físico, urbano e regional. Nessas áreas, o arquiteto e urbanista pode exercer as atividades de elaboração, coordenação, supervisão, orientação técnica e especificação de projetos, planejamento e acompanhamento de obras, assessoria, consultoria, execução de perícias e de avaliações. Iluminação, comunicação visual e design também são campos de atuação do arquiteto. Não são raros, além disso, os arquitetos que atuam nas áreas de história e crítica da arquitetura e das artes plásticas. O curso de Arquitetura e Urbanismo da UNEFF Tem como objetivo formar o alunos para trabalhar como profissional de projeto em arquitetura e urbanismo, em construção civil e em paisagismo. Também prepara o estudante para atuar na área da preservação do patrimônio artístico e cultural. Concebido de maneira a fornecer instrumentos projetuais e técnicos, assim como desenvolver o pensamento crítico necessário para a inserção do novo profissional no mercado de trabalho, o curso fundamenta-se numa proposta de ensino integrado. Essa concepção se reflete na estrutura curricular, com grande destaque para as disciplinas de projeto de arquitetura. A participação de professores de diversas áreas, compartilhando conteúdos e desenvolvendo novas competências, busca a integração efetiva entre a teoria e a prática, a criatividade e o pensamento crítico. Já o programa de estágio possibilita ao aluno exercitar o dia a dia da profissão, participando de projetos de cunho social ou trabalhando em escritórios de arquitetura e urbanismo. 8

10 O CURSO DE ENGENHARIA CIVIL É uma profissão muito abrangente tanto em termos dos problemas enfocados quanto dos conhecimentos necessários para a sua solução. Alguns dos exemplos de desafios da Engenharia Civil incluem pontes, edifícios, barragens, aeroportos, estradas, túneis, sistemas de abastecimento de água e de energia e saneamento. A forte atuação em tantas atividades essenciais à vida atribui ao do Engenheiro Civil destacada responsabilidade junto à sociedade. A inserção do Engenheiro Civil no mercado de trabalho se dá em um amplo e variado campo de atuação, podendo o profissional desempenhar atividades que incluem planejamento, projeto, gerenciamento de projetos e de pessoal, construção, monitoramento de estruturas e obras e solução de problemas técnicos nas áreas tradicionais de cálculo estrutural, construção civil, geotecnia, recursos hídricos e seus afins. Mais recentemente cresceu a demanda por Engenheiros Civis nos setores ligados à indústria do petróleo e gás, à gestão e ao controle ambiental. O Curso de Engenharia Civil fornece ao bacharel uma formação em conteúdos básicos e técnicos, associados também a conhecimentos das áreas sociais e econômicas. Essa combinação torna-o capaz de se inserir num mercado de trabalho cada vez mais competitivo e globalizado. O conteúdo do curso contempla ainda as várias áreas de atuação do engenheiro civil, que projeta e constrói edifícios, rodovias, ferrovias, pontes, viadutos, túneis, aeroportos, portos, canais, barragens, além de obras de captação e abastecimento, drenagem, irrigação, saneamento urbano e rural. Os destaques do curso são os laboratórios, os programas de iniciação científica, as visitas técnicas e os projetos de extensão. 9

11 O CURSO DE FARMÁCIA O farmacêutico é o profissional do medicamento. Atua na produção, pesquisa, controle de qualidade, dispensação, aquisição, armazenamento e distribuição de medicamentos e farmacovigilância. Desenvolve suas atividades em diferentes locais, como farmácias, drogarias, laboratórios de análises clínicas e toxicológicas, indústrias de medicamentos, de cosméticos, de alimentos, em farmácias hospitalares, em instituições de saúde, de pesquisa, de ensino e na área regulatória. Muitos farmacêuticos atuam na área gerencial, controlando a aquisição e de medicamentos, armazenamento e logística de distribuição. O curso de Farmácia forma o profissional Farmacêutico Generalista com competência e habilidade para desenvolver ações de promoção, prevenção, tratamento e reabilitação da saúde. O currículo é atual, multidisciplinar e atende às Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia. É composto de disciplinas da área básica (Anatomia Humana, Química Orgânica e inorgânica, Bioquímica, Imunologia, entre outras) e da área profissional (Farmacologia, Farmacotécnica, Tecnologia Farmacêutica, de Cosméticos e de Alimentos, Hematologia Clínica, entre outras). Também prevê a formação prática, por meio do estágio curricular e extracurricular e ainda a iniciação científica do trabalho de conclusão de curso, bem como a participação em atividades acadêmicas. O profissional é capacitado para desempenhar atividades nas áreas de análises clínicas, toxicológicas e de alimentos, indústria de medicamentos, cosméticos e produtos químicos, além do desenvolvimento da atenção farmacêutica junto aos pacientes na drogaria. 10

12 O CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA Reconhecido por todo mercado baiano, o curso de Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda da Faesf, foi implantado em 2003, é o primeiro na cidade de Feira de Santana-Ba, tendo mais de 11 turmas formadas e 08 em andamento. O Curso tem carga horária total de horas, distribuída ao longo de 8 (oito) semestres, com tempo máximo de integralização de 07 anos. O objetivo do curso é oportunizar que o estudante tenha uma formação específica na área de Publicidade e Propaganda capacitando o a conhecer e dominar técnicas e instrumentos necessários para a proposição e execução de soluções de comunicação eficazes para os objetivos de mercado, de negócios de anunciantes e institucionais; a traduzir em objetivos e procedimentos de comunicação apropriados os objetivos institucionais, empresariais e mercadológicos; a planejar, criar, produzir, difundir e gerir a comunicação publicitária, de ações promocionais e de incentivo, eventos e patrocínio, atividades de marketing, venda pessoal, design de embalagens e de identidade corporativa e de assessoria publicitária de informação. Feira de Santana possui um amplo mercado para os egressos. A cidade possui 08 emissoras de rádio (04 AM s e 04 FM s), 02 emissoras de rádio Comunitárias com concessão; 02 emissoras de rádio Comunitárias funcionando com liminar; 03 rádios web; 03 TV s abertas; 01 TV Comunitária; 02 TVs web; 01 jornal impresso diário; 03 jornais impressos semanais (Tribuna Feirense, Folha do Norte e Noite&Dia) e cerca de 54 agências de Publicidade e Propaganda, que oferecem vagas de trabalho aos futuros profissionais que não fizerem opção pelo empreendedorismo que é outra possibilidade em alta, no mercado local e regional. Empresa Junior de Administração e Comunicação Escola de Ideias e Negócios A Agência Experimental de Comunicação da UNEF, mais conhecida como Escola de Ideias, é um laboratório dos cursos de Comunicação Social (Jornalismo e Publicidade e Propaganda) que se configurar como um espaço importante de ações dirigidas ao aperfeiçoamento dos estudantes dos referidos cursos por meio de atividades interdisciplinares. Todo o trabalho tem a orientação e coordenação de um professor. 11

13 Projetos e Eventos realizados no Curso de Comunicação: Colóquio de Iniciação Científica; Semana de integração; Semana Universitária; Feira de Ideias; Fórum de Comunicação; DR 2; Exposição Fotográfica; Exposição Interventora; Exposição de Vídeos Publicitários; Intervenção Gráfica; Plano de Marketing; Sarau das Múltiplas Artes; SEP Seminário Estudantil de Pesquisa; Intervenção Gráfica; Feira precisa de mais ideias; Workshop das profissões; Plano de negócios em Comunicação; Programa de Estágio Escola de Ideias; Grupo de Pesquisa; E muito mais... 12

14 PROGRAMA DE INCLUSÃO ACADÊMICA E ASSITENCIA AO ESTUDANTE O Programa de Inclusão Acadêmica da UNEF é um dos programas de apoio aos discentes da Instituição o acesso ao conhecimento básico em disciplinas de uso fundamental aos seus estudos universitários. O propósito principal do programa é oportunizar aos participantes uma revisão de conteúdos, proporcionando, por meio de explicações e de atividades, a apropriação de conhecimentos esquecidos ou não aprendidos. Espera-se que o Programa de Inclusão Acadêmica contribua para a superação das lacunas herdadas do ensino nos níveis anteriores e ajude os acadêmicos a realizar um curso superior de qualidade. Composião do Porgrama Contrução do Projeto de Vida; Paletsra com Pedagogos; Palestra com Nutricionistas; Aula de Lingua Portuguesa/ Inclusão Digital/ Matemática e Linguagem Científica; Acompanhamento psicopedagógico; Acompanhamento Psicológico. 13

15 PROGRAMA AVANÇADO DE APOIO À APRENDIZAGEM O Programa Avançado de Apoio à Aprendizagem constitui-se em um momento planejado para suprir uma necessidade do estudante de reorganizar ideias, conceitos e atitudes detectadas pelo docente no processo de mediação da aprendizagem e/ou pela necessidade do próprio estudante em adquirir uma maior consistência e segurança nas habilidades desenvolvidas durante a disciplina. O Programa tem caráter avançado na educação, pois está baseado em atividades presencial, semipresencial e à distancia, permitindo que o estudante estabeleça uma conexão direta com os conhecimentos necessários para regulação e aprimoramento da aprendizagem, além de desenvolver o avanço cognitivo, otimizando o tempo, permitindo ao estudante desenvolver a autonomia na busca pelo conhecimento. A metodologia do Programa Avançado de Apoio à Aprendizagem pode ser estabelecida em parceria com a coordenação de cursos, coordenação pedagógica e orientação psicológica. Programa Avançado de Apoio à Aprendizagem Após as avaliações da I unidade e/ou durante o semestre, o estudante que tiver dificuldades de aprendizagem devem ser encaminhados e/ou solicitar participar Programa Avançado de Apoio à Aprendizagem. Professor Estudante Coordenação de Curso Durante o processo Programa Avançado de Apoio à Aprendizagem - Programa de Aconselhamento Psicológico; - Programa de Apoio Pedagógico; - Programa Específico; - Programa de cultura e arte. 14 Ativ. Presenciais Ativ. Semi-presenciais Ativ. à Distância Nova Gestão de Cursos Aprendizagem Real ou Potencial

16 NORMAS ACADÊMICAS E ADMINISTRATIVAS 1. REGIME DISCIPLINAR Art. 142º O ato de matrícula dos discentes (...) importa em compromisso formal de respeito aos princípios éticos que regem a Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana FAESF/UNEF, à dignidade acadêmica, às normas contidas na legislação de ensino, neste Regimento, e, inclusive às baixadas pelos órgãos competentes e autoridades respectivas. (Extraído do Cap. I, Tit. VII do Regimento Interno). 2. MATRÍCULA 2.1 EFETIVAÇÃO DA MATRÍCULA A efetivação da matrícula, por parte da Instituição, está condicionada ao recebimento dos documentos. Por isso, toda a documentação exigida deverá ser entregue à secretaria dentro do prazo estipulado pelo calendário da IES. Esgotado esse prazo e não tendo sido entregue a documentação exigida, a matrícula poderá ser cancelada. O regime de matrícula para os alunos é semestral. 2.2 RENOVAÇÃO DA MATRÍCULA A matrícula é renovada a cada semestre letivo e somente será efetivada com a entrega do contrato de prestação de serviços educacionais, devidamente preenchido e assinado pelo aluno maior de 21 anos (ou pelo pai ou responsável, em caso contrário), acompanhado do comprovante de pagamento da primeira parcela da semestralidade. IMPORTANTE: Não será concedida a matrícula ao aluno que apresentar débito(s) junto ao setor financeiro, secretaria e/ou biblioteca. 15

17 2.3 TRANCAMENTO DE MATRÍCULA É a interrupção temporária das atividades escolares. O não trancamento da matrícula, dentro dos prazos estipulados pela secretaria, implica em perda da vaga na Instituição e em constituição de dívida até o final do período letivo. 2.4 CANCELAMENTO DE MATRÍCULA Implica em desligamento da Instituição. Pode ser solicitado a qualquer tempo pelo aluno, que deverá quitar suas mensalidades e retirar sua documentação pessoal, e se desejar, seu histórico escolar, sendo vedada a expedição de guia de transferência. 3. TRANSFERÊNCIA Caso haja vaga, a Faculdade poderá aceitar transferência de alunos para o mesmo curso ou cursos afins, cumprindo as normas legais vigentes e obedecendo aos prazos estabelecidos pelo Calendário Acadêmico. O requerimento de matrícula, por transferência, é instruído com a documentação exigida por força do Regimento Geral Interno, além do histórico escolar do curso de origem, programas e carga horária das disciplinas cursadas com respectivos conceitos ou notas obtidas. 4. FREQUÊNCIA / LIMITE DE FALTAS A Lei nº 9.394/96, a Resolução CFE nº 04/86 e o Regimento Interno estabelecem a frequência obrigatória, em cada disciplina, em 75% (setenta e cinco por cento) das aulas dadas e demais atividades programadas, conforme descrição do quadro abaixo. LIMITE DE FALTAS Carga Horária Nº de faltas/semestre 40 horas horas horas 20 16

18 5. ABONO DE FALTAS O abono de faltas não existe. O aluno poderá dispor dos 25% restantes para se ausentar por problemas alheios aos previstos na legislação que disciplina a matéria. Todas as justificativas que carecerem de amparo legal e/ou que não respeitarem os prazos e condições estipuladas pela IES não serão aceitas (vide frequência). Mesmo em caso de doença comprovada, os limites não poderão ser ultrapassados. A exceção é feita, por força de lei, somente ao aluno que esteja prestando serviço militar obrigatório, em órgão de formação de reserva, e tiver que faltar às atividades escolares em virtude de exercícios ou manobras. Para usufruir desse benefício, é necessária a solicitação por escrito junto à secretaria, anexando o comprovante assinado, expedido pela unidade, no prazo máximo de 07(sete) dias subseqüente à data do impedimento, por qualquer pessoa, munida dos documentos necessários para representá-lo neste ato. 6. COMPENSAÇÃO DE AUSÊNCIA O aluno poderá compensar as ausências às atividades escolares, em conformidade com a legislação em vigor, que concede o direito a tratamento excepcional, com dispensa de frequência regular, por meio de regime especial de compensação das ausências, com a realização de trabalhos e exercícios domiciliares, a serem elaborados durante o período de afastamento, nos seguintes casos: 1 - aos portadores de moléstias congênitas ou adquiridas, infecções, traumatismos ou outras condições patológicas; 2 - às gestantes, a partir do 8º (oitavo) mês de gravidez (vide legislação específica na seção frequência obrigatória). Para usufruir deste benefício, é necessária a solicitação, por escrito, junto à Secretaria Acadêmica, anexando o laudo médico com o indicativo do CID (Código Internacional de Doenças), elaborado por serviço médico ou profissional devidamente credenciado, no prazo máximo de 07 (sete) dias 17

19 subseqüentes à data do início do impedimento, desde que superior a 15 (quinze) dias consecutivos, por qualquer pessoa, munida dos documentos necessários para representá-lo neste ato e inteirar-se do plano de tarefas domiciliares. Nenhuma justificativa posterior será aceita (vide Lei nº 6.202/75, o Decreto Lei nº 1.044/69). IMPORTANTE: A apresentação dessas tarefas não desobriga o aluno de realizar a(s) avaliação(ões) de aprendizagem prevista(s) pelas disciplinas. Os professores não deverão, sob hipótese alguma, receber atestados médicos justificando faltas. Compete exclusivamente à Secretaria Acadêmica receber documentos de alunos. Ao retornar às aulas, o aluno, no prazo máximo de 07 (sete) dias, deverá apresentar, junto à Secretaria Acadêmica, requerimento solicitando a reposição da(s) prova(s) que, porventura, tenha deixado de realizar no período de afastamento. Na maioria dos casos, essa reposição é feita pela prova substitutiva ordinária. Não serão aceitos pedidos posteriores. IMPORTANTE: No caso de disciplinas teórico-práticas ou de Estágio Supervisionado não se aplica essa compensação, recomendando-se que as gestantes, a partir do 5º mês de gestação, não sejam matriculadas nessas disciplinas, por serem exclusivamente presencias tanto as práticas quanto os Estágios. 7. DISPENSA DE DISCIPLINA O aluno que esteja cursando ou já tenha concluído outro curso superior e pretenda solicitar o aproveitamento de estudos de disciplinas cursadas anteriormente deve proceder de modo descrito a seguir: 1 apresentar, junto à secretaria, histórico escolar completo (original ou cópia autenticada), contendo notas e carga horária das disciplinas cursadas; 2 apresentar programas detalhados das disciplinas cursadas, devidamente autenticados pela IES de origem; 18

20 3 preencher requerimento próprio, especificando a(s) disciplina(s) de que deseja dispensa. Cumprindo estas exigências e os prazos estipulados, o aluno, uma vez aprovada sua solicitação, terá a possibilidade de iniciar o período letivo corretamente matriculado nas disciplinas para as quais foi considerado habilitado. Não serão aceitos posteriormente pedidos de aproveitamento de estudos relativos às disciplinas cursadas antes do ingresso na instituição. IMPORTANTE: O candidato à dispensa poderá solicitar uma única re-análise do histórico caso não concorde com o parecer institucional. Nesse caso, deverá explicitar os motivos que o levaram a tal pedido. Na re-análise deverá receber novo parecer com atendimento às indagações feitas. A análise dos pedidos de disciplina será feita no início do período letivo. 8. RECURSOS Todo aluno que desejar recorrer da liberação de algum órgão da IES, poderá fazê-lo, mediante recurso que deverá ser interposto, por escrito, devidamente fundamentado e documentado, em requerimento próprio junto à Secretaria Acadêmica, até 02 (dois) dias após a publicação da resposta dada à solicitação inicial, publicada nos quadros de avisos da secretaria. Nenhuma justificativa posterior será aceita. 9. HORÁRIO DAS AULAS A pontualidade é essencial e necessária ao bom andamento das aulas e do curso. Chegue sempre no horário estipulado e participe de todas as atividades acadêmicas. NOSSO HORÁRIO DE AULAS: MATUTINO: Das 8h às 12h15 NOTURNO: 18:30 às 22: Para cumprimento do Calendário Acadêmico eventualmente serão utilizados alguns sábados como dia letivo, conforme indicado no respectivo calendário. 19

21 10. PROGRAMAS DE CURSO Os alunos receberão dos seus coordenadores as informações gerais sobre o Projeto Pedagógico do seu Curso no primeiro dia de aula e os Planos de Disciplinas serão apresentados pelos professores de cada disciplina na primeira semana de aulas, ficando disponíveis nas Coordenações dos Cursos. 11. PRAZOS Os prazos estipulados no Calendário Acadêmico deverão ser rigorosamente cumpridos. Procure estar em dia com seus trabalhos acadêmicos, pois seu professor tem prazo improrrogável para entregar as notas na Secretaria. 12. CURSOS DE FÉRIAS São considerados cursos de férias a oferta de disciplinas durante os recessos escolares, com período previsto no Calendário Acadêmico, objetivando ajustar a vida acadêmica do corpo discente ou atender a casos especiais. A solicitação de curso de férias será encaminhada pela Coordenação de Curso à Direção, mediante apresentação de justificativa e objetivos para sua realização. Aprovada a solicitação, a Coordenação de Curso encaminhará a Direção processo instruído de: a) Fixação do número mínimo e máximo de vagas a serem preenchidas; b) Plano de curso, respeitados os programas, a carga horária total e os prérequisitos; c) Nome(s) do (s) docente(s) que ministrarão o curso. Serão mantidos, no curso de férias, o programa e a carga horária para o ensino da disciplina em período regular e respeitadas as exigências de prérequisitos. Nos cursos de férias será permitido ao aluno a inscrição em até 2 (duas) disciplinas. 1º O exame final de disciplinas ministradas em curso de férias deverá ser realizada antes do início do semestre letivo subsequente. 2º Não será permitido o trancamento nas disciplinas matriculadas no curso de férias. 3º Não haverá segunda chamada 20

22 13. FÉRIAS E RECESSO ACADÊMICO Os regimes de férias e recesso obedecem às disposições legais e são previstos no calendário anual da instituição, devidamente homologado pela Direção. Nos períodos de recesso, os professores poderão ser convocados para cumprimento de atividades, tais como: reposição de aulas, realização de provas e exames, reuniões pedagógicas e outras atividades acadêmicas. AVISO Não é permitida a comercialização de produtos na instituição. Não é permitido alimentação/comer em sala de aula; Não é permitido o uso do smartfone/telefone sem autorização do docente. 21

23 DIREITOS E DEVERES DIREITOS DO ALUNO Receber o ensino referente ao curso em que se matriculou; Pleitear aproveitamento de estudos de disciplinas já cursadas; Propor a realização de atividades ligadas aos interesses da vida acadêmica; Participar para escolha da representação discente, quando eleito por seus pares; Requerer transferência para outro estabelecimento de ensino, transferência interna, trancamento e cancelamento de matrícula, desde que comprove a quitação de seus débitos financeiros e não esteja cumprindo pena disciplinar nem sob inquérito administrativo, nem sob sindicância. DEVERES DO ALUNO Frequentar, com assiduidade e aproveitamento, as aulas e demais atividades do curso em que estiver matriculado; Apresentar-se pontualmente para as atividades acadêmicas; Cumprir fielmente os prazos determinados em suas atividades acadêmicas; Abster-se de toda manifestação, propaganda ou prática que importe em desrespeito à lei, às instituições e às autoridades; Manter conduta condizente com o padrão moral e cultural necessário ao universitário; Efetuar, pontualmente, todos os pagamentos das mensalidades e taxas, ficando impedido de praticar qualquer atividade curricular ou acadêmica ou participar dela se não estiver regularmente matriculado ou adimplente com suas obrigações acadêmicas; Zelar pelo patrimônio material da instituição; IMPORTANTE: É terminantemente proibida a aplicação de trote de natureza física nos calouros, nas dependências e/ou nas imediações da IES, cabendo as sanções previstas no Regimento Interno da instituição. 22

Manual do Aluno Feira de Santana - BA

Manual do Aluno Feira de Santana - BA Manual do Aluno Feira de Santana - BA 1 APRESENTAÇÃO Prezado(a) Aluno(a), Reunimos neste manual todas as informações necessárias para que sua estadia aqui na UNEF, seja a melhor possível, afinal, serão

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito Faculdade Escola Paulista de Direito MANUAL DO ALUNO Este manual tem por finalidade informar à comunidade universitária as normas e os procedimentos acadêmicos institucionais da Faculdade Escola Paulista

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA

CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA CURSO DE BACHARELADO EM FARMÁCIA-FORMAÇÃO FARMACÊUTICO GENERALISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Érika Guimarães Costa E-mail: farmacia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 217 O Curso forma o profissional

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

Curso. Administração. Arquitetura. Ciências Biológicas

Curso. Administração. Arquitetura. Ciências Biológicas FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA /FCSES EDITAL Nº002/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 2º SEMESTRE DE 2014 1 A Secretária Geral da Faculdade Católica

Leia mais

FFARM Faculdade de Farmácia

FFARM Faculdade de Farmácia FFARM Faculdade de Farmácia Secretaria: Prédio12 - Bloco A Fone: 3320-3512 E-mail: farmácia@pucrs.br www.pucrs.br/farmacia Departamentos: Análises Clínicas e Toxicológicas n.º 351 Desenvolvimento e Produção

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

FACULDADE SANTA RITA

FACULDADE SANTA RITA FACULDADE SANTA RITA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL BACHARELADO Matriz Curricular 1º SEMESTRE Introdução à Engenharia Geometria Analítica e Álgebra Linear 04 80 Cálculo I 04 80 Tópicos de Economia para Engenharia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 30-30 02 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA 1º SEMESTRE 1. Anatomia Humana 30 30 60 04-2. Bioestatística Geral 30-30 02-3. Bioética 30-30 02-4. Biofísica 60-60 04-5. Citologia, Histologia e Embriologia

Leia mais

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia

Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Matriz Curricular Bacharelado em Farmácia Semestre 1 01 Introdução às Ciências Farmacêuticas 30 30-2 - 02 Anatomia 75 30 45 5-03 Biologia Celular e Molecular 60 30 30 4-04 Química Geral e Inorgânica 75

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 12/2012 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 1) Área de Conhecimento:

Leia mais

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS POR CURSO EM 2010/1 EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS POR CURSO EM 2010/1 EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Administração de Recursos Humanos II Administração de Sistemas de Informações Contabilidade Básica I Contabilidade Básica II Contabilidade Geral Economia Brasileira e Contemporânea

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENFERMAGEM UBERABA MG 2010 INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR ACADÊMICO

Leia mais

Reitoria EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA MONITORIA DE ENSINO

Reitoria EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA MONITORIA DE ENSINO 1 EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA MONITORIA DE ENSINO EDITAL Nº 26/2015 Estarão abertas as inscrições para o preenchimento de vagas de Monitoria de Ensino, no período de 03 a 14.08.2015, na secretaria

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 187 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS 1 PERFIL DO CURSO A comunicação integrada é, cada vez mais, um instrumento necessário para a sobrevivência

Leia mais

2º SEMESTRE. Cálculo I 04 00 60 Introdução ao Cálculo Álgebra Linear e Geometria Analítica

2º SEMESTRE. Cálculo I 04 00 60 Introdução ao Cálculo Álgebra Linear e Geometria Analítica Resolução CONSUN Nº 34/2014 de 29/10/2014 COD. NOME DA DISCIPLINA T P CH Pré-Requisito 1º SEMESTRE Introdução à 04 00 60 Introdução ao Cálculo 04 00 60 Química Geral Antropologia 02 00 30 Desenho Técnico

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Disciplina. Matemática - 1

Disciplina. Matemática - 1 FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA /FCSES EDITAL Nº00/204 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O º SEMESTRE DE 204 A Secretária Geral da Faculdade Católica

Leia mais

Legislação Universitária de Interesse do Estudante. Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação.

Legislação Universitária de Interesse do Estudante. Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação. Legislação Universitária de Interesse do Estudante Aspectos da legislação universitária que dizem respeito ao estudante de graduação. Calendário Escolar O Calendário Escolar que é fixado através de Portaria

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO. Ingressantes 2010. Junho/2010 Página 1 de 14 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNIDADE SÃO PAULO Ingressantes 2010 Página 1 de 14 SUMÁRIO 1. OBJETIVO DO CURSO 2. ESTRUTURA DO CURSO 2.1) Visão geral 2.2) Pré-requisitos 2.3) Critérios de contagem

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA /FCSES EDITAL Nº002/2013 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA PARA O 1º SEMESTRE DE 2013 A Secretária Geral da Faculdade Católica

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 08/2011 Altera a Resolução n. 15/2006 do CONSEPE, que aprova a Projeto Pedagógico do

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS

REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO DO IFGOIAS Goiânia 2010 REGULAMENTO ACADÊMICO DOS CURSOS DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE

Leia mais

ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR

ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR ANEXO 1 PERFIS DE PROFESSOR EDITAL 162/2013 Curso Sem. Disciplina Perfil do Docente Administração 1º Teoria Geral da Administração Administração 1º Empreendedorismo Administração 1º Sociologia das Organizações

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 07/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 101-Área de

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

Relação das Disciplinas/Curso que serão atribuídas em 2010. Importante!

Relação das Disciplinas/Curso que serão atribuídas em 2010. Importante! Relação das Disciplinas/Curso que serão atribuídas em 2010. Importante! A Direção do IMES Catanduva e a Comissão Organizadora do Processo Seletivo 007/2009 alerta os candidatos inscritos que as disciplinas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

Curso de Pedagogia Portaria de Autorização ME nº 2415, de 14 de Setembro de 2001- Reconhecimento -Portaria ME. 58/2007. INÍCIO-01/08/2006 1º Semestre

Curso de Pedagogia Portaria de Autorização ME nº 2415, de 14 de Setembro de 2001- Reconhecimento -Portaria ME. 58/2007. INÍCIO-01/08/2006 1º Semestre Inciso II Programa de cada curso oferecido e demais componentes curriculares, sua duração, requisitos e critérios de Avaliação: Instituto Educacional do Estado de São Paulo Autorização de Credenciamento:

Leia mais

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula Regulamento do Processo Seletivo para ingresso nos cursos de Graduação Bacharelado e Licenciatura e Graduação Tecnológica da Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Missão Institucional Promover

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 180/CONSUN/2007. Aprova o Regulamento dos Estágios Curriculares do Curso de Graduação em Engenharia Civil

RESOLUÇÃO Nº 180/CONSUN/2007. Aprova o Regulamento dos Estágios Curriculares do Curso de Graduação em Engenharia Civil RESOLUÇÃO Nº 180/CONSUN/2007 Aprova o Regulamento dos Estágios Curriculares do Curso de Graduação em Engenharia Civil O Conselho Universitário da Universidade Comunitária Regional de Chapecó UNOCHAPECÓ,

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Mara Rosana dos Santos E-mail: nutricao@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 211 Ser Nutricionista É atuar em todas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.267, DE 24 DE ABRIL DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.267, DE 24 DE ABRIL DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.267, DE 24 DE ABRIL DE 2012 Aprova Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SAO PAULO PECC - PROJETO EXPERIMENTAL DE CONCLUSÃO DE CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SAO PAULO PECC - PROJETO EXPERIMENTAL DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SAO PAULO PECC - PROJETO EXPERIMENTAL DE CONCLUSÃO DE CURSO São Paulo 2007 O PECC Denomina-se Projeto Experimental de Conclusão de Curso (PECC), a produção, realizada

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB EDITAL CURSOS TÉCNICOS Instituto Bondespachense Presidente Antônio Carlos - IBPAC FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BOM DESPACHO - FACEB BOM DESPACHO 2013 SUMÁRIO 1 EDITAL... 03 2. HISTÓRICO... 04 3. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE BIOMEDICINA I. INTRODUÇÃO Este documento regulamenta os estágios obrigatórios e não obrigatórios do Curso de Bacharelado em Biomedicina visando à formação integral do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA - TEÓFILO OTONI CURSO DE GRADUAÇÃO - ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CEPE

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CEPE RESOLUÇÃO CEPE nº 076/2009 Atualiza as Normas de Avaliação do Desempenho Acadêmico no UniCEUMA, e dá outras providências acadêmicas. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do Centro Universitário

Leia mais

UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2015 JANEIRO A JUNHO ANEXO: DISCIPLINAS EM OFERTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2015 JANEIRO A JUNHO ANEXO: DISCIPLINAS EM OFERTA CURSOS DE GRADUAÇÃO UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2015 JANEIRO A JUNHO ANEXO: DISCIPLINAS EM OFERTA CURSOS DE GRADUAÇÃO Curso Disciplina ADMINISTRAÇÃO - NATAL ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Semestre 1 Semestre 2

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Semestre 1 Semestre 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ingressantes 2008 Cálculo I 40 Cálculo II 40 Princípios Desenvolvimento de Algoritmos I 80 Princípios Desenvolvimento de Algoritmos II 80 Matemática 40 Lógica Matemática 40 Probabilidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

1º período. 2º período

1º período. 2º período 1º período Eixo Disciplina CH Pré-requisito Correquisito (C) 1 Cálculo I 90 9 Contexto Social e Profissional do Engenheiro Civil 30 7 Desenho Técnico 30 1 Geometria Analítica e Álgebra Vetorial 90 2 Laboratório

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA EDITAL DE SELEÇÃO 1º. SEMESTRE DE 2015

PROGRAMA DE MONITORIA EDITAL DE SELEÇÃO 1º. SEMESTRE DE 2015 O Centro Universitário IBMR, com sede no Rio de Janeiro, nos termos de seu Regimento Geral, torna públicas as regras de funcionamento da Monitoria em Cursos de Graduação, cria vagas para o seu o programa

Leia mais

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

FARMÁCIA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC FARMÁCIA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: FARMÁCIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 93/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Jornalismo, Bacharelado,

Leia mais

SUMÁRIO. Regimento da Matrícula...03. Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04. Trancamento e Cancelamento de Matrícula...

SUMÁRIO. Regimento da Matrícula...03. Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04. Trancamento e Cancelamento de Matrícula... SUMÁRIO Regimento da Matrícula...03 Reingresso do Aluno por Processo Seletivo Especial...04 Trancamento e Cancelamento de Matrícula...05 Transferências e Aproveitamento de Estudos...05 Critérios de Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2015 JULHO A DEZEMBRO ANEXO ÚNICO: DISCIPLINAS EM OFERTA

UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2015 JULHO A DEZEMBRO ANEXO ÚNICO: DISCIPLINAS EM OFERTA UNP - Universidade Potiguar EDITAL DE OFERTA DE DISCIPLINAS EM TURMA ESPECIAL - 2015 JULHO A DEZEMBRO ANEXO ÚNICO: DISCIPLINAS EM OFERTA A - CURSOS DE GRADUAÇÃO (PRESENCIAL E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA) Curso

Leia mais

EDITAL PROGRAD nº 48 de 03 de dezembro de 2014 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA

EDITAL PROGRAD nº 48 de 03 de dezembro de 2014 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA EDITAL PROGRAD nº 48 de 03 de dezembro de 2014 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA A Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), no uso

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

EDITAL PRAC 04/2015 INSCRIÇÕES

EDITAL PRAC 04/2015 INSCRIÇÕES EDITAL PRAC 04/2015 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO EM CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRESENCIAL E EAD DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO, PARA ESTUDANTES PROVENIENTES DE TRANSFERÊNCIAS EXTERNAS,

Leia mais

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará FACULDADE DARCY RIBEIRO Manual do Aluno FTDR Fortaleza Ceará SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 5 2. CURSOS... 5 3. PROCEDIMENTOS... 5 4. CARTEIRAS ESTUDANTIS... 12 5. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO... 13 6. REGIME

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso de Jornalismo da Unipampa está estruturado em oito semestres e tem carga horária total de 3.060 horas, sessenta horas a mais que o aconselhado pelas novas Diretrizes Curriculares.

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES São Paulo 2011 1 APRESENTAÇÃO Atividades Complementares de um Curso de Graduação é toda e qualquer atividade que vise à complementação do processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO N.º 08/2014 Altera a estrutura curricular do Curso de Engenharia Civil, modalidade

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FADR

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FADR FACULDADE DARCY RIBEIRO Manual do Aluno FADR Fortaleza Ceará SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. CURSOS... 3 2. PROCEDIMENTOS... 3 3. CARTEIRAS ESTUDANTIS... 10 4. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO... 11 5. REGIME

Leia mais

Grupo 1: Atividades Complementares de Ensino (Máximo de 120 horas)

Grupo 1: Atividades Complementares de Ensino (Máximo de 120 horas) CENTRO INTEGRADO DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO - FAESF RUA FÉLIX PACHÊCO, 1206 BAIRRO: MANGUINHA FONE: (89) 3521-6512 ou 3521-2956 CNPJ: 04.899.971/0001-76 E-MAIL:

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC)

FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) FEFISA Faculdades Integradas de Santo André CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES (AACC) 2012 / 2013 Prezado(a) aluno(a), É com muito orgulho e satisfação que oferecemos

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS FACULDADE PHENIX (Portaria MEC Nº 89, DE 12/01/06) MANUAL DO CURSISTA 2014 INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ETHIKOS Seja bem-vindo ao Instituto de Educação Ethikos. O Manual do Cursista

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá ENGENHARIA CIVIL Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA CIVIL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 2014

MANUAL DO ALUNO 2014 MANUAL DO ALUNO 2014 APRESENTAÇÃO Caro Acadêmico, Agradecemos por você ter escolhido o IESG para sua formação profissional. No Manual do Aluno você encontrará informações importantes e necessárias para

Leia mais

ESPECIALISTAS - NÍVEL I Cod. Especialidade Quantidade

ESPECIALISTAS - NÍVEL I Cod. Especialidade Quantidade ESPECIALISTAS - NÍVEL I 001 Ciências da Natureza na Educação Infantil e em Anos Iniciais do Ensino 18 002 Didática e Educação Inclusiva 13 003 Estatística e Informática na Educação 8 004 Filosofia e Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL- PROFMAT I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1 - O Mestrado Profissional em

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. Sejam bem-vindos e sucesso! Prof. Dr. Braz Bello Junior

1. APRESENTAÇÃO. Sejam bem-vindos e sucesso! Prof. Dr. Braz Bello Junior 1. APRESENTAÇÃO Este manual tem como finalidade levar ao conhecimento do alunado uma série de informações básicas para que o mesmo possa organizar sua vida universitária com a disciplina, atitude e qualidade

Leia mais