Associação de Estudantes de Ciências. Associação de Estudantes de Ciências. Farmacêuticas da Universidade Lusófona

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Associação de Estudantes de Ciências. Associação de Estudantes de Ciências. Farmacêuticas da Universidade Lusófona"

Transcrição

1 Associação de Estudantes de Ciências Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona Farmacêuticas da Universidade Lusófona Plano de Atividades e Orçamento para 2015 Plano de Atividades para 2015

2 ÍNDICE LISTA DE ABREVIATURAS 3 PREÂMBULO 4 CAPÍTULO I ÓRGÃOS SOCIAIS DA AECFUL CAPITULO II RECURSOS FINANCEIROS E MATERIAIS 8 CAPITULO III PLANO DE ATIVIDADES DA AECFUL PARA Relações Externas 11 Relações Internas 13 Tesouraria 15 Secretaria 16 Departamento Comercial 18 Departamento de Formação e Ensino 20 Departamento de Educação e Promoção para a Saúde 24 Departamento de Estágios e Saídas Profissionais 28 Departamento de Relações Internacionais 30 Departamento Académico e Desportivo 33 Departamento de Publicação e Imagem 35 Departamento de Informação e Multimédia 36 CONCLUSÃO 37 CONTACTOS 38 2

3 LISTA DE ABREVIATURAS AAULHT - Associação Académica da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias AECFUL Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona AEFCML Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa ANF Associação Nacional das Farmácias APEF Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia CAD Concurso de Aconselhamento ao Doente CNaCM Coordenação Nacional Comercial e Marketing CNaC - Coordenação Nacional Cultural CNEPS - Coordenação Nacional de Educação e Promoção para a saúde CNESP - Coordenação Nacional de Estágios e Saídas Profissionais CNaFE - Coordenação Nacional de Formação e Ensino CNaPI - Coordenação Nacional de Publicação e Imagem CNaRI - Coordenação Nacional de Relações Internacionais D AECFUL Direção da AECFUL DAD Departamento Académico e Desportivo DC Departamento Comercial DEPS Departamento de Educação e Promoção para a Saúde DESP Departamento de Estágios e Saídas Profissionais DFE Departamento de Formação e Ensino DIM Departamento de Informação e Multimédia DPI Departamento de Publicação e Imagem DRI Departamento de Relações Internacionais ECTS Escola de Ciências e Tecnologias da Saúde ENEF Encontro Nacional de Estudantes de Farmácia EPSA - European Pharmaceutical Student s Association IMP - Individual Mobility Project IPSF - International Pharmaceutical Student s Federation IPST Instituto Português do Sangue e Transplantação MICF Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas OF Ordem dos Farmacêuticos SCF Semana das Ciências Farmacêuticas SEP Student Exchange Programme ULHT Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 3

4 PREÂMBULO A Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona (AECFUL) foi fundada a 14 de novembro de Desde a sua criação, a AECFUL tem como principal objetivo representar todos os estudantes que frequentam o Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT), trabalhando sempre em prol da defesa dos seus direitos, interesses e ambições. Com uma notável evolução desde a sua criação, a AECFUL todos os mandatos tem primado pela inovação de forma a garantir níveis de conhecimento superiores aos estudantes de ciências farmacêuticas. Com o presente Plano de Atividades para o ano de 2015, pretende-se apresentar os projetos a realizar durante o mandato, bem como a organização interna da Associação. É de realçar a importância do estabelecimento de grande proximidade entre os vários Órgãos Sociais da AECFUL, a Direção, a Mesa da Assembleia Geral e o Concelho Fiscal para que consigam, em conjunto, cooperar e realizar as tarefas a que se propõem, bem como trabalhar na resolução de eventuais problemas que surjam ao longo do mandato de A Direção da AECFUL é formada por elementos jovens, dinâmicos e pró-ativos, com vontade de inovar e desenvolver um trabalho intenso e organizado. Apresentando assim neste plano atividades dinâmicas e inovadoras, de maneira a que a AECFUL possa crescer e manter-se num patamar de excelência que tem vindo a ser elaborado ao longo dos mandatos anteriores. A Direção está dividida em diversos departamentos, cujo empenho e motivação estão visíveis nas ideias apresentadas. Cada departamento é responsável por desempenhar um papel diferente na organização da AECFUL, fundamentado pelos interesses e ambições dos estudantes de Ciências Farmacêuticas. Neste sentido, a Direção privilegia a aquisição de valências extracurriculares que complementem o plano curricular do Mestrado 4

5 Integrado em Ciências Farmacêuticas (MICF) e que se revelem uma vantagem para os estudantes no seu futuro profissional. Não esquecendo que a Direção da AECFUL é o elo de ligação entre os estudantes do MICF da ULHT e das várias entidades externas que atuam ativamente na prestação de cuidados de saúde primários, do setor farmacêutico e do Ensino Superior. Pretende-se tomar posição junto destas organizações e instituições, das quais são exemplo: a Ordem dos Farmacêuticos (OF), a Associação Nacional das Farmácias (ANF), a Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia (APEF) entre outras instituições, mantendo as boas relações já existentes com as mesmas e procurando sempre novas parcerias e protocolos que constituam uma vantagem para os estudantes. De seguida, apresentamos os novos Órgãos Sociais da AECFUL para o mandato de 2015, os Recursos Financeiros e Materiais, assim como o Plano de Atividades correspondente a cada departamento. 5

6 CAPÍTULO I Órgãos sociais da AECFUL 2015 A Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona é uma Associação sem fins lucrativos, composta por três órgãos sociais: Mesa da Assembleia Geral Conselho Fiscal Direção No dia 12 de dezembro de 2014, ocorreram as eleições para os novos Órgãos Sociais da AECFUL. Deste processo eleitoral resultou a Cerimónia de Tomada de Posse, no dia 12 de janeiro de 2015, pelas 20H no Auditório Agostinho da Silva na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, dos seguintes órgãos sociais: Direção: Presidente: Inês Dias Vice-Presidente para as Relações Externas: Diana Carvalho Vice-Presidente para as Relações Internas: Maria Margarida Luz Tesoureira: Catarina Neto Secretária: Filipa Rocha Departamento Comercial: Daniela Saldanha e Carina Sacoor Departamento de Formação e Ensino: Margarida Crispim e Leonor Fonseca Departamento de Educação e Promoção para a Saúde: Joana Pereira e Matilde André Departamento de Estágios e Saídas Profissionais: Bernardo Segurado e Margarida Ambrósio Departamento de Relações Internacionais: Aly Gina e Patrícia Penela Departamento Académico e Desportivo: Miguel Raposo, Margarida Murteira e Nelson Diniz 6

7 Departamento de Publicação e Imagem: Filipa Gonçalves, Carolina Oliveira e Joana Rolo Departamento e Informática e Multimédia: Rafaela Costa e Maria Brilhante 1º Vogal Suplente: Raquel Ferreira Mesa da Assembleia Geral: Presidente: Teresa Alves Vice-Presidente: Nicole Pereira Secretária: Ana Margarida Pereira Conselho fiscal: Presidente: João Lopes Vice-Presidente: André Santos Relatora: Margarida Pereira 7

8 CAPÍTULO II Recursos Financeiros e Materiais Com apenas 13 anos de existência, a AECFUL, é uma Associação transparente que se pretende dar a conhecer e mostrar, o que tem e o que faz de melhor, para contribuir para a formação dos futuros farmacêuticos. A AECFUL, enquanto organização sem fins lucrativos, depende financeiramente de patrocínios anuais, pontuais e do autofinanciamento das suas atividades. A Associação tem presentemente a sua sede na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, freguesia do Campo Grande, concelho de Lisboa. 8

9 CAPÍTULO III Plano de Atividades da AECFUL para 2015 O Plano de Atividades para o ano de 2015, visa abordar áreas temáticas que tenham relevância e interesse, sendo estas uma mais-valia para a vida académica e profissional dos estudantes do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas. Estes temas incluem, principalmente, a representação da AECFUL junto de entidades do ramo farmacêutico, com o objetivo de promover o papel da Associação ao nível de decisões que permitam a integração académica e profissional dos estudantes. Respeitando os estatutos, a AECFUL tem sempre como prioridade a defesa dos interesses e direitos dos estudantes que representa, apostando no desenvolvimento científico, cultural, académico, desportivo e social, bem como na aproximação entre os estudantes e do setor farmacêutico. Atualmente vivemos num mundo sem fronteiras, sendo fundamental para os estudantes a existência de mobilidade internacional para o desenvolvimento académico, cultural e pessoal de cada um. Sendo assim, dada importância à oferta de oportunidades de mobilidade estudantil para contribuir para o seu futuro profissional, enquanto farmacêuticos. É de realçar que durante este mandato irá dar-se especial atenção ao Programa de Estágios Extracurriculares na área das Ciências Farmacêuticas, através da criação do Departamento de Estágios e Saídas Profissionais. Promovendo assim, uma maior aproximação entre os estudantes e o setor profissional. Assim sendo, com este Plano de Atividades pretende-se desenvolver a ligação entre os estudantes, assim como criar uma ligação mais forte entre os mesmos e a AECFUL. Proporcionando-lhes atividades académicas motivadoras e inovadoras em diferentes áreas. 9

10 Assumimos a responsabilidade de promover o crescimento da Associação, dando continuidade ao trabalho desenvolvido pelas anteriores Direções. O qual será realizado em função das nossas capacidades e potencialidades e estando sempre cientes do trabalho árduo que será necessário desenvolver. Temos assim, vontade de surpreender e inovar, sempre com segurança e realismo. Se temos planos, temos futuro e cabe a todos nós ajudar a continuar a construi-lo. Crescer e fazer chegar até um patamar superior. Por fim, apresentamos, de seguida, os objetivos pretendidos de cada departamento para este mandato. 10

11 Relações Externas Responsável: Diana Carvalho O cargo acima citado tem como objetivo primário a representatividade da Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona e, como tal, dos estudantes do Mestrado Integrado de Ciências Farmacêuticas, em todos os órgãos externos à Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, nomeadamente uma representatividade ao nível de outras Universidades e das várias entidades do setor farmacêutico. Pretende-se, assim, dar continuidade ao bom trabalho realizado pelo anterior responsável por este cargo, visando sempre o erguer do bom nome da nossa Associação e dos nossos alunos. Este ano, pretende-se, ainda, manter as várias parcerias que já existem com a AECFUL e, se possível, aumentá-las, caso haja vantagem para a AECFUL e para os alunos por ela representados. Assim, os objetivos para o mandato de 2015 serão: a) Manter a estreita ligação e continuar com a boa representatividade na Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia (APEF), participando de forma activa em todas as suas Assembleias Gerais e atividades; b) Manter, e reforçar, a ligação com as entidades do setor farmacêutico, como a Ordem dos Farmacêuticos (OF) participando, por exemplo, nas suas actividades - e a Associação Nacional das Farmácias (ANF), com o fim de erguer a reputação e o bom-nome quer dos alunos do MICF, quer da AECFUL; c) Auxiliar o Departamento Comercial a expandir o número de protocolos existentes entre a AECFUL e outras entidades ou empresas, promovendo sempre os interesses dos estudantes do MICF da ULHT; 11

12 d) Apoiar de forma ativa os restantes departamentos da direção da AECFUL, a fim de garantir o sucesso de cada um deles. 12

13 Relações Internas Responsável: Maria Margarida Luz O Departamento de Relações Internas apresenta como primordial objetivo a defesa e representação de todos os alunos do MICF perante os diversos órgãos da Universidade Lusófona, nomeadamente a Escola e Ciências e Tecnologias da Saúde (ECTS). Posto isto, é indispensável estreitar as relações internas para um melhor funcionamento do curso e da própria Associação de Estudantes. As quais irão permitir um melhor apoio quer do ponto de vista pedagógico, quer do ponto de vista educacional. Para além do contacto com os diversos órgãos, também mas não menos importante, é o contacto com todos os alunos do curso. É fundamental perceber as suas preocupações e ambições académicas e até mesmos profissionais, de modo a que as mesmas possam ser transmitidas à Direção do curso, com intuito da sua resolução. É também de referir, que este departamento é responsável por manter o bom funcionamento de toda a associação, sendo assim um elo de ligação entre todos os departamentos. É também da sua autoria prestar auxilio a todos os membros, quer ao nível da organização de atividades, quer ao nível de questões do foro associativo. Este departamento propõe-se assim, a estabelecer as seguintes parcerias: a) AECFUL Escola de Ciências e Tecnologias da Saúde O contacto com a ECTS tem uma génese importantíssima ao nível do apoio à AECFUL, assim como na defesa de todos os estudantes do curso. Sendo extremamente importante manter uma relação cordial, para o bem de toda a comunidade estudantil. 13

14 b) AECFUL Alunos e Professores É extremamente importante a envolvência dos professores com a própria associação de estudantes. Quer ao nível da componente científica das atividades, para as quais é extremamente importante o seu contributo, quer mesmo ao nível de auxílio no contacto com diversas entidades do setor. c) AECFUL Órgãos Administrativos da Universidade Não sendo de mais referir, que o contacto com a Direção da universidade apresenta um caris de elevada relevância, nomeadamente na defesa de todos os estudantes do MICF. Sendo assim, imprescindível manter uma boa relação. d) AECFUL Associação Académica da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (AAULHT) Tendo em conta que a cooperação com as outras associações e núcleos esta parceria irá proporcionar uma maior envolvência com toda a comunidade estudantil. Proporcionando assim, a possível elaboração de atividades em conjunto em outros. e) AECFUL - TWINDOCS Para esta parceria, existe o objetivo de dar continuidade aos protocolos estabelecidos pelo mandato anterior. Para além de todas as parcerias acima enumeradas, pretende-se estabelecer novas ligações. Nomeadamente ao nível da criação de diversas vantagens, na aquisição do cartão de sócio da AECFUL como por exemplo descontos em livros, ginásios entre outros. Pretende-se também de extrema importância, dar continuidade à comercialização de diversos produtos de merchandising como as sweatshirts, pólos, emblemas e fitas lanyard da Associação. Sendo um ótimo meio de promover e envolver todos os alunos na mesma. 14

15 Tesouraria Responsável: Catarina Neto O Departamento de tesouraria apresenta como primordial objetivo o controlo financeiro da Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona. Sendo as suas principais responsabilidades: a) Controlar o património físico e financeiro da AECFUL; b) Preparar o Orçamento Provisional e o Relatório de Contas da AECFUL; c) Submeter o relatório de movimentos à Assembleia Geral, sempre que solicitado pela mesma; d) Em cooperação com o Presidente, os Vice-Presidentes e o Departamento Comercial, procurar apoio financeiro e em géneros para a AECFUL; e) Manter o contacto próximo com os membros do Conselho Fiscal e fornecer as informações solicitadas pelos mesmos; f) Ser responsável, em conjunto com o Presidente, pela movimentação da conta bancária da AECFUL. 15

16 Secretaria Responsável: Filipa Rocha A secretaria tem como principal objetivo contactar diretamente com os estudantes sendo um via informadora bidirecional pois a informação tanto vai no sentido das entidades e associações para estudantes como o reverso. Os meios de comunicação utilizados serão o , contacto telefónico e correio, os quais garantem um leque de meios suficientes para a necessidade do secretariado. A secretária compromete-se assim a: a) Enviar todos os mails necessários para os estudantes bem como para outras entidades mediante das imprescindibilidades da AECFUL; b) Receção e envio do correio nas imediações da Universidade; c) Implementar um telemóvel AECFUL a fim de facilitar o envio de informações aos estudantes por parte dos Departamentos, outras informações importantes e para o caso surja por parte dos estudantes algumas dúvidas; d) Redigir atas de todas as reuniões de direção que posteriormente serão arquivadas num Dossier de Atas; e) Entregar certificados em papel ou em suporte digital; f) Elaborar livros de resumos e/ou outros documentos em todas as atividades que sejam relevantes; g) Corrigir todos os textos de caris meritório que tenham que ser enviados a entidades; h) Elaborar escalas horárias para a organização e decorrer de atividades; 16

17 i) Estabelecer horários de atendimento, para entregar certificados de atividades entre outros assuntos que surjam; j) Elaborar um calendário com todas as atividades da AECFUL bem como outras atividades que revelem interesse; k) Colaborar com o executivo, auxiliando em tudo o que estiver ao seu alcance, apoiando também todos os departamentos. 17

18 Departamento Comercial Responsável: Daniela Saldanha Colaboradora: Carina Sacoor No novo mandato que presentemente decorre, o Departamento Comercial visa o planeamento de parcerias estratégicas de modo a apoiar as atividades propostas dos departamentos adjacentes para que estas tenham o sucesso inicialmente projetado. No planeamento de qualquer atividade é necessário apoio financeiro e/ou de espécimes sendo que o Departamento Comercial está incumbido de certificarse que este apoio é fornecido à Associação com uma estratégia previamente elaborada. É também de nosso cargo a colaboração com os departamentos associativos presentes em novos projetos que visam o marketing da AECFUL. Devido à situação financeira a que atualmente nos subjugamos tem existido uma dificuldade cada vez maior na angariação de fundos quer monetários quer em espécimes apontado por mandatos anteriores, sendo de nosso cargo a atualização de ideologias para que esta situação se mantenha inoperante, ou melhor, que seja eficazmente distinguida neste mandato. Para que isso suceda é necessário uma abordagem pessoal e douradora para novas parcerias assim como para com as anciãs, podendo estas ser internas ou externas ao setor farmacêutico. Posto isto, é essencial que o funcionamento deste departamento de uma forma inovadora e interativa para que a situação financeira da associação seja promissora permitindo uma variedade indeterminada de atividades para os estudantes. Desta forma, sendo do conhecimento geral a necessidade de angariação de apoios financeiros; o estabelecimento de protocolos com outros estabelecimentos de ensino ou empresariais, visam uma formação mais 18

19 versátil, a nível académico mas sobretudo a profissional aos estudantes do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona. Por último, é de salientar que este departamento irá colaborar na Coordenação Nacional Comercial e de Marketing (CNaCM) da APEF, de modo a estreitar as relações com a mesma. 19

20 Departamento de Formação e Ensino Responsável: Margarida Crispim Colaboradora: Leonor Fonseca O Departamento de Formação e Ensino (DFE) é responsável pela implementação e realização de atividades formativas contínuas, com o intuito de auxiliar todos os estudantes do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas enquanto futuros profissionais de saúde. Este departamento pretende ainda ser um elo de ligação entre a Escola de Ciências e Tecnologias da Saúde da Universidade Lusófona (ECTS) e os estudantes. Assim, incentiva a ECTS a colaborar com a Associação, de modo a disponibilizar recursos que permitam a aprendizagem extracurricular de todos os estudantes do MICF. Desta forma, o DFE visa manter a formação contínua iniciada em mandatos anteriores e a realização de novas atividades que permitam aos alunos adquirir competências em diversas áreas formativas, preparando-os enquanto futuros prestadores de cuidados de saúde. As atividades propostas a realizar são: a) Pharmakon Atividade realizada em parceria com a Unidade Curricular de Introdução à Profissão. Tem como objetivo principal informar os estudantes do MICF, sobretudo os do 1º ano, acerca das saídas profissionais do curso, enquanto futuros profissionais. b) II Fórum Empresarial O Fórum Empresarial é uma atividade realizada em cooperação com o Departamento Comercial, sendo convidadas empresas do setor Farmacêutico, com o intuito de estas empresas se apresentarem aos estudantes. Esta atividade é direcionada principalmente aos alunos estagiários do MICF. Os estudantes podem assim, enriquecer a sua formação 20

21 através da discussão de diversas temáticas. Para além disso, será também realizado o Concurso de Marketing Farmacêutico. c) Formação SIFARMA 2000 Esta formação será realizada em parceria com a ANF, com o objetivo de os estudantes adquirirem conhecimentos relativos ao sistema informático Sifarma 2000, o qual se encontra atualmente muito presente nas farmácias comunitárias. Por este motivo, a aquisição destes conhecimentos é de extrema importância, sendo muitas vezes exigido no currículo. d) Curso de Administração de Injetáveis Este curso apresenta elevada importância, tendo em conta a conjuntura atual, em que os farmacêuticos podem administrar injetáveis nas farmácias. O mesmo vai ser realizado em cooperação da Escola de Pós-Graduações da ANF. e) Curso Suporte Básico de Vida O Curso Suporte Básico de Vida será realizado em complementaridade ao Curso de Administração de Injetáveis, pois para que os futuros farmacêuticos possam administrar injetáveis necessitam de ter noções sobre suporte básico de vida. f) Dia Aberto das Ciências Farmacêuticas O DFE em colaboração com a ECTS irá realizar o Dia Aberto das Ciências Farmacêuticas, com o intuito de divulgar o MICF e a ULHT junto dos alunos do Ensino Secundário do Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias. Neste dia, serão assim dinamizadas diversas experiências nas instalações laboratoriais da ULHT pelo alunos do MICF em colaboração com os professores das respetivas unidades orgânicas. g) X Semana das Ciências Farmacêuticas O DFE irá cooperar com o DEPS na organização da Semana das Ciências Farmacêuticas, ficando a seu encargo a realização de workshops, palestras, trainings e logística. 21

22 h) III Simpósio Cientifico O DFE irá auxiliar o DEPS na organização desta atividade, nomeadamente ao nível da organização de workshops, palestras e da logística. Outras responsabilidades que o DFE tem a seu encargo: a) Guia das Saídas Profissionais Atualização do Guia das Saídas Profissionais com temas abordados no Pharmakon para consolidar melhor os conhecimentos adquiridos e auxiliar o estudo da Unidade Curricular de Introdução à Profissão. b) Organização da Escolha de Horários O Departamento de Formação e Ensino é responsável pela logística envolvente da realização da escolha de horários e auxílio das comissões de ano. Cabe ao DFE gerir ainda as prioridades nas escolhas de horários de acordo com o regulamentado e fiscalizar a documentação apresentada pelos estudantes com prioridade. c) Contacto periódico com as comissões de ano Este contacto periódico permite ao DFE e à AECFUL ter conhecimento de problemas que estejam a ocorrer nos diferentes anos curriculares ou outros problemas relacionados com o Curso e com a Universidade. d) Representação dos estudantes do MICF no concelho pedagógico Com esta representação pretende-se expor as situações que possam ocorrer a nível curricular, de forma a soluciona-los e assim melhorar o ensino do MICF. e) Newsletters formativas As Newsletters apresentam um cariz muito importante a nível formativo, uma vez que estas apresentam um bom meio de divulgação de atividades realizadas, não só pela AECFUL, mas também de outras entidades dos mais diversos setores das Ciências farmacêuticas. Mais especificamente, estas 22

23 apresentam informações relativas a workshops, cursos, formações, palestras, congressos e simpósios a nível nacional e internacional. f) Ligação com a Coordenação Nacional da APEF Manutenção de um contacto periódico com a CNaFE (Coordenação Nacional de Formação e Ensino), dando assim ideias e sugestões para temas de algumas atividades realizadas pela APEF e esclarecer dúvidas que possam vir a surgir. O contacto é estabelecido entre os representantes do Departamento de Formação e Ensino das diferentes faculdades que ministram o Curso de Ciências Farmacêuticas no País. g) Inquérito de Satisfação das Atividades No final de todas as atividades será realizado um Inquérito de Satisfação para que os participantes possam avaliar em geral as atividades e fazer críticas construtivas. Assim, este Departamento pode corrigir eventuais falhas, para que a AECFUL possa evoluir e melhorar. 23

24 Departamento de Educação e Promoção para a Saúde Responsável: Joana Pereira Colaboradora: Matilde André O Departamento de Educação e Promoção para a Saúde tem a seu cargo a organização de atividades e eventos de caráter formativo e informativo de modo a promover a saúde. É também da sua responsabilidade o estabelecimento de um elo de comunicação com a APEF, através da CNEPS (Coordenação Nacional de Educação e Promoção para a Saúde). Objetivos deste departamento são: a) Organização da eliminatória do Concurso de Aconselhamento ao Doente (CAD) em parceria com a Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia (APEF), no campus da Universidade Lusófona. Pretende-se preparar os estudantes para a participação no CAD com o pré- CAD através da eliminatória na Universidade Lusófona. Este concurso tem por objetivo fornecer uma formação mais completa aos futuros farmacêuticos a fim de poderem aconselhar os utentes da melhor forma. Neste concurso, cada participante terá de resolver uma situação-problema que poderá surgir numa farmácia de oficina. A fim de tornar este concurso mais realista, a AECFUL irá recriar o cenário de farmácia oficinal. b) Organização da eliminatória do Concurso de Conhecimentos Clínicos (CCC) em parceria com a Associação Portuguesa de Estudantes de Farmácia (APEF), no campus da Universidade Lusófona. Pretende-se preparar os estudantes para a participação no CCC através da eliminatória na Universidade Lusófona. Este concurso tem por objetivo a resolução de um caso clínico, permitindo nesse processo aos participantes o aumento de conhecimentos clínicos, desenvolvimento da sua capacidade de comunicação e resolução de problemas. 24

25 c) Organização do Curso de Socorrismo em colaboração com a Cruz Vermelha Portuguesa. O curso de socorrismo é realizado pela Cruz Vermelha Portuguesa em parceria com a AECFUL, tem como objetivo que os participantes, estudantes, adquiram conhecimentos básicos de socorrismo tanto a nível teórico como a nível prático, tendo em consideração a importância destes conhecimentos no futuro enquanto profissionais de saúde. d) Organização de recolhas periódicas de sangue no campus de Universidade Lusófona em colaboração com o Instituto Português do Sangue e da Transplantação, I.P. (IPST). Tem como objetivo incentivar toda a população universitária a participarem nas recolhas de sangue que são organizadas ao longo do ano. Estas são realizadas em colaboração com o IPST. e) III Simpósio Científico Tem como objetivo enriquecer os conhecimentos e fomentar competências por parte dos estudantes que integram o MICF na área escolhida como tema. Esta atividade irá envolver um conjunto de palestras e workshops de modo a abordar o tema escolhido. Poderá ainda vir a contar com a presença de stands de empresas ou entidades de acordo com o tema a abordar. No final, pretende-se que o estudante de ciências farmacêuticas tenha adquirido o conhecimento necessário para o seu sucesso na intervenção farmacêutica. f) Organização da X Semana das Ciências Farmacêuticas A Semana das Ciências Farmacêuticas tem como principal objetivo a preparação dos nossos estudantes para a sua atividade futura enquanto farmacêuticos, assim como a sensibilização para a promoção da saúde junto da comunidade. Desta forma, durante toda esta Semana vão ser realizados diversos rastreios numa tenda, no interior da universidade, entre os quais: glicémia, colesterol, 25

26 índice de massa corporal, índice de massa gorda, pressão arterial, tabagismo, entre outros. E ainda haverá consultas promovidas por diversos profissionais de saúde. Integrado no programa da Semana das Ciências Farmacêuticas pretende-se ainda organizar visitas a laboratórios, workshops e trainings. g) Comemorações da X Semana das Ciências Farmacêuticas Tendo em conta a inerente importância que a Semanas das Ciências Farmacêuticas apresenta, contando já com o Prémio de Melhor Atividade de Núcleos e Associações de Estudantes de Farmácia, no âmbito dos Prémios Farmacêuticos, irão ser desenvolvidas durante o decorrer do ano de 2015 diversas ações de promoção da saúde no âmbito das comemorações da X Semana das Ciências Farmacêuticas. Poderão assim ser dinamizados: rastreios fora da ULHT; organização de uma corrida para promoção da saúde; dinamização de palestras e workshops de acordo com os dias comemorativos nacionais ou mundiais que sejam relevantes na área da saúde; recolha de medicamentos, roupas e brinquedos. Posto isto, será assim criada uma comissão para as Comemorações da X Semana das Ciências Farmacêuticas. h) XIV Hospital da Bonecada A AECFUL irá colaborar no IV Hospital da Bonecada, atividade promovida pela Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Lisboa (AEFCML), o que irá proporcionar aos estudantes do MICF da ULHT a oportunidade de atuar junto de crianças. Esta atividade será desenvolvida junto de jogos lúdicos e didáticos que pretendem ilustrar e desmistificar a profissão farmacêutica, promovendo hábitos de vida saudáveis e esclarecendo dúvidas sobre medicamentos, doenças e cuidados de saúde em geral. 26

27 i) Projetos de voluntariado Pretende-se apresentar aos estudantes os projetos de voluntariado onde se possam integrar, de diversas instituições como a Cruz Vermelha Portuguesa, o Banco Alimentar contra a Fome e a Fundação Portuguesa A Comunidade Contra a Sida, Juventude Hospitaleira, entre outros, de modo a sensibilizar a comunidade estudantil estudantes para ajudar estas e outras instituições de solidariedade de modo voluntário. 27

Plano de Atividades 2012

Plano de Atividades 2012 Plano de Atividades 2012 A Direção da rede ex aequo propõe o seguinte plano de atividades para o ano de 2012, tendo em conta oito áreas de intervenção consideradas prioritárias. 1. Área de Apoio 2. Área

Leia mais

NECiFarm Núcleo de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade do Algarve. Estágios Extracurriculares. NECiFarm REGULAMENTO

NECiFarm Núcleo de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade do Algarve. Estágios Extracurriculares. NECiFarm REGULAMENTO Estágios Extracurriculares NECiFarm REGULAMENTO MANDATO 2013/2014 I. Sobre o NECiFarm A 19 de dezembro de 2007, na Universidade do Algarve (UAlg), foi fundado o (NECiFarm), uma Secção Autónoma da Associação

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 MENSAGEM INICIAL Assimilar um saber, um conteúdo, uma praxis em Terapia da Fala é uma condição sine quo non para que haja uma base científica. Contudo, esta base de

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED DESPACHO Nº. 17/2015 Data: 2015/05/22 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED Com o intuito de normalizar

Leia mais

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL 1 Enquadramento O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) tem o objectivo de estabelecer uma plataforma de comunicação entre estagiários e recém-mestres

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

A Profissão Farmacêutica: Um Leque de Oportunidades

A Profissão Farmacêutica: Um Leque de Oportunidades Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas Universidade Lusófona 8ª Semana das Ciências Farmacêuticas A Profissão Farmacêutica: Um Leque de Oportunidades De 18 a 24 de novembro de 2013 Apoios:

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária

PROGRAMA ESCOLA + Voluntária PROGRAMA ESCOLA + Voluntária 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR INDÍCE A) Noção... 2 B) Objetivos... 2 C) Destinatários... 2 D) Serviços do Centro de Atividades e Recursos (C.A.R.)... 2 E) Atividades... 3 F) Condições

Leia mais

Enquadramento e critérios de Candidatura

Enquadramento e critérios de Candidatura Enquadramento e critérios de Candidatura A cidadania ativa constitui um elemento chave do reforço da coesão social. O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011, como Ano Europeu do Voluntariado

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO -

II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - II Edição 2014/2015 - REGULAMENTO - Iniciativa de: Com o apoio de: 1. Apresentação O voluntariado é considerado como uma atividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

NEUBI Plano de actividades. Índice. Pag.1.Introdução Pag.2 a 5.Actividades previstas Pag.6.Conclusão Pag.7.Créditos

NEUBI Plano de actividades. Índice. Pag.1.Introdução Pag.2 a 5.Actividades previstas Pag.6.Conclusão Pag.7.Créditos 1 Índice Pag.1.Introdução Pag.2 a 5.Actividades previstas Pag.6.Conclusão Pag.7.Créditos 2 Introdução O núcleo de Estudantes de Engenharia Electromecânica da Universidade da Beira Interior (NEUBI) é uma

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem Projetoo Nós Propomos! Cidadania, Sustentabilidadee e Inovação na Educação Geográfica 2014/15 Quem o promove? Nesta sua 4ª edição, o Projeto Nós Propomos! Cidadania, SustentabiliS idade e Inovação na Educação

Leia mais

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f)

AVISO. Admissão de Pessoal. (m/f) AVISO Admissão de Pessoal (m/f) A AJITER Associação Juvenil da Ilha Terceira pretende admitir jovens recém-licenciados à procura do primeiro emprego, para estágio no seu serviço, ao abrigo do Programa

Leia mais

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br, lombardo@crea-mg.com.br Universidade de Itaúna, Departamento de Engenharia Mecânica Campus Verde Universidade de Itaúna 35.680-033

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Eleições Ciclo Olímpico 2012 a 2016 Carlos Cunha de Sousa Este documento serve para apresentar a todos, as linhas orientadoras para o mandato que me proponho fazer enquanto

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

PROJETO PÁGINA WEB GRUPO DISCIPLINAR DE EF

PROJETO PÁGINA WEB GRUPO DISCIPLINAR DE EF UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA MESTRADO EM ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE GAMA BARROS ESTÁGIO PEDAGÓGICO 20122013

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes MISSÃO Somos uma rede nacional escoteira de

Leia mais

Regulamento Interno. de Estágios

Regulamento Interno. de Estágios Regulamento Interno de Estágios Índice Apresentação... 3 Capítulo 1 Caracterização e objetivo do estágio... 3 Capítulo 2 - Oferta de vagas de estágio... 4 Capítulo 3 - Duração do estágio... 5 Capítulo

Leia mais

Regulamento Interno 2013

Regulamento Interno 2013 Regulamento Interno 2013 1. Descrição e Âmbito O Concurso de Aconselhamento ao Doente (CAD), que conta este ano com a XV edição, é uma atividade organizada pelo Departamento de Educação e Promoção para

Leia mais

PROGRAMA LISTA M. Índice Geral

PROGRAMA LISTA M. Índice Geral Índice Geral A. Projecto de Credibilização e Revitalização da Associação Académica da Universidade Lusófona. - Hoje e no Futuro, em defesa dos teus direitos.2 B. Projecto de apoio às actividades académico-culturais.

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MOVE- TE MAIS

ASSOCIAÇÃO MOVE- TE MAIS APRESENTAÇÃO A Associação MOVE- TE MAIS, foi constituída a 14 de Dezembro de 2012, é uma associação sem fins lucrativos que desenvolve ações de voluntariado nacional e internacional nas áreas da saúde

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

REGULAMENTO MARCAMUNDOS

REGULAMENTO MARCAMUNDOS REGULAMENTO MARCAMUNDOS Título I (MarcaMundos) Capítulo I (Definição) Art.1 1. O MarcaMundos (MM) é um projeto da Associação de Estudantes da NOVA Medical School Faculdade de Ciências Médicas da Universidade

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

X Semana das Ciências Farmacêuticas

X Semana das Ciências Farmacêuticas Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona 16 a 22 de novembro de 2015 Patrocinadores: Media Partners: A Semana das Ciências Farmacêuticas (SCF) é umas das atividades mais

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

Regulamento. Foremor

Regulamento. Foremor Regulamento Foremor Preâmbulo O presente projeto decorre de uma candidatura realizada pela MARCA ADL ao programa ERASMUS+, no âmbito da KA1 Learning Mobility for Individuals e está integrada numa iniciativa

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017. Lista B. Programa de Candidatura

Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017. Lista B. Programa de Candidatura Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar Biénio 2015-2017 Lista B Programa de Candidatura Introdução A presente lista candidata à SPTF é composta por um conjunto de colegas ligados pelas ideias que partilham

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

Fórum empresarial. Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona. 17 e 18 de setembro de 2015.

Fórum empresarial. Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona. 17 e 18 de setembro de 2015. Associação de Estudantes de Ciências Farmacêuticas da Universidade Lusófona Fórum empresarial 17 e 18 de setembro de 2015 Patrocinadores: Media Partners: Fórum Empresarial A Associação de Estudantes de

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes

PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes PLANO DE TRABALHO Rede Nacional de Jovens Líderes pág. 1 VISÃO GERAL Objetivo 1 - No âmbito da seção escoteira, apoiar a correta aplicação do método escoteiro, em especial as práticas democráticas previstas

Leia mais

PROGRAMA ESTRATÉGICO PARA 2013-2015

PROGRAMA ESTRATÉGICO PARA 2013-2015 PROGRAMA ESTRATÉGICO PARA 2013-2015 Abril, 2013 ÍNDICE Estrutura organizacional... 3 Objectivos e Estratégia... 5 Orientações... 5 Objectivos estratégicos triénio 2013-2015... 6 2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária

UDAL - União Desportiva Alta de Lisboa ISU - Instituto de Solidariedade e Cooperação Universitária REFERÊNCIA: 062 DESIGNAÇÃO: Altarix Empreende BIP/ZIP em que pretende intervir: 20. Sete Céus 21. Galinheiras - a) Ameixoeira b) Charneca 26. Pedro Queiróz Pereira 66. Charneca do Lumiar 67. Alta de Lisboa

Leia mais

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento.

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento. A Genzyme do Brasil ( Genzyme ) torna pública a abertura do Edital 001/2015 para o Programa de Apoio aos Projetos de Associações de Pacientes ( PAPAP ) e define o processo seletivo para o ano de 2016,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto

Visão. Missão. Valores. Escola Profissional de Tecnologia Psicossocial do Porto Missão A Escola Profissional de Tecnologia tem como missão prestar serviços educativos de excelência aos seus alunos, qualificando-os para o exercício profissional e para o prosseguimento de estudos, no

Leia mais

Oficina do aluno empreendedor

Oficina do aluno empreendedor Agrupamento de Escolas das Taipas Oficina do aluno empreendedor 1. Estrutura organizacional Coordenador: José Alberto Castro Grupo de Recrutamento: EVT (240) Departamento: Expressões Composição do grupo

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Índice Nota introdutória ---------------------------------------------------------------------------------------------- 5 1. Programa Garis -------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Capítulo I Núcleos Artigo 1.º Definição 1 Os Núcleos da (AAIPS) são grupos de estudantes com um interesse comum

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Departamento: Ciências 2

Departamento: Ciências 2 Setembro Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS 2 Ano Letivo: 2013/14 PLANIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES A CONSTAR DO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Departamento:

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura Agrupamento de Escolas das Taipas Plano Nacional de Leitura 1. Estrutura organizacional Coordenador: Carlos Monteiro Grupo de Recrutamento: 300 Departamento: Línguas Composição do grupo de trabalho: docentes

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO ÂMBITO DA FACET 1. DO CONCEITO E PRINCÍPIOS 1.1 As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter acadêmico, científico e cultural cujo foco

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento - Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil NAF Art. 1º. A Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves - FACEBG entende que a Educação Superior além de profissionalizar deve

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O?

Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O? Q U E R E S S E R V O L U N T Á R I O? Da importância do desenvolvimento de competências interpessoais na prática, da necessidade de uma formação mais humana, da crescente consciencialização da injustiça

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais